26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:"

Transcrição

1 IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo 26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: a) 525 linhas e 600 pixels por linha. b) 1080 linhas e 1920 pixels por linha. c) 1024 linhas e 768 pixels por linha. d) 1280 linhas e 800 pixels por linha. e) 1280 linhas e 1920 pixels por linha. 27. Uma das características do sistema brasileiro de televisão digital é a recepção direta de sinais em aparelhos celulares. Para que essa característica seja viabilizada, o sistema brasileiro de televisão digital prevê que os terminais móveis recebam os sinais de TV digital a) diretamente das BTS em sistemas compatíveis com aplicações GPRS. b) diretamente das BTS em sistemas GSM. c) diretamente das antenas transmissoras de TV. d) através da rede telefônica fixa. e) através da INTERNET. 28. O sistema brasileiro de televisão digital adota a segmentação de banda e modulações. Neste caso, um mesmo transmissor, ao mesmo tempo, com a mesma potência, pode I. transmitir até três sinais com uma única portadora. II. transmitir até três sinais, onde cada sinal pode atingir distâncias diferentes. III. transmitir até três sinais, todos necessariamente atingindo a mesma distância. 29. No ISDB-TB, padrão adotado pelo Brasil, existem três modos de operação, denominados modos 1, 2 e 3. Para esses modos o tamanho do símbolo efetivo é: a) 252 µs para os modos 1, 2 e 3. b) 504 µs para os modos 1, 2 e 3. c) 1008 µs para os modos 1, 2 e 3. d) 504 µs para os modos 1 e 2, 1008 µs para o modo 3. e) 252 µs para o modo 1, 504 µs para o modo 2 e 1008 µs para o modo 3. Conhecimentos Específicos 15

2 Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) IFPB 30. No sistema brasileiro de televisão digital, considere as seguintes afirmações a respeito do Set-Top Box: I. É constituído de hardware e software. II. É responsável pela recepção de sinais analógicos para exibição em televisores digitais. III. É responsável pela verificação do direito de acesso e dos níveis de segurança. 31. Na modulação OFDM adotada no sistema brasileiro de televisão digital, podemos afirmar que I. a informação é segmentada e transmitida em várias subportadoras dentro de um mesmo canal. II. a banda de frequência de 6 MHz é segmentada e o número de segmentos é 13 para o modo 0, 9 para o modo 1 e 5 para o modo 2. III. cada subportadora é modulada em FM, em frequências com intervalos distintos. 32. No sistema brasileiro de televisão digital, a respeito do intervalo de guarda, podemos afirmar que I. durante o intervalo guarda são transmitidas apenas informações de sincronismo. II. é um intervalo de tempo adicionado antes da transmissão de cada símbolo. III. a duração do intervalo de guarda é constante, independente do tempo de duração do símbolo. 16 Conhecimentos Específicos

3 IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) 33. No sistema brasileiro de televisão digital, o número de símbolos por quadro é: a) 1024 b) 756 c) 512 d) 372 e) Comparando os padrões de televisão digital, podemos afirmar que I. o ISDB-T (japonês)/isdb-tb (brasileiro, baseado no padrão japonês) não possibilita a recepção de sinais HDTV, em unidades receptoras móveis, como em um carro, por exemplo. II. o padrão ATSC (americano) não possibilita a recepção direta em aparelhos celulares. III.o padrão DVB-T (europeu) não possibilita o acesso à INTERNET. 35. Com relação à modulação OFDM, pode-se afirmar que I. o aumento da banda de guarda possibilita minimizar os efeitos causados pelos multipercursos. II. é possível obter altas taxas de transmissão graças à utilização de múltiplos fluxos de transmissão também com altas taxas de transmissão. III. geralmente utiliza de 4 a 16 subportadoras. É(são) verdadeira(s) a(s) afirmativa(s): 36. No ISDB-TB, padrão adotado pelo Brasil, o número de quadros por segundo é: a) 15 b) 30 c) 45 d) 60 e) 75 Conhecimentos Específicos 17

4 Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) IFPB 37. Em relação ao sistema brasileiro de televisão digital, podemos afirmar que I. os sinais digitais poderão ser recebidos diretamente em televisores analógicos. II. a transmissão analógica tem prazo previsto para ser encerrada. III. todos os estados brasileiros começam simultaneamente a transmissão de sinais digitais. Das afirmações apresentadas é(são) verdadeira(s) 38. No sistema GSM, a interface padronizada que faz a interconexão entre a BTS e a BSC e que suporta dois tipos de links: 64 kbits/s para canais de tráfego e 16 kbits/s para canais de sinalização, é chamada: a) interface Abis; b) interface A; c) interface D; d) interface E; e) interface F. 39. O sistema GSM de telefonia celular utiliza os seguintes parâmetros em seu canal rádio móvel: a) canal com largura de 30 khz, 8 usuários por canal e modulação 0.3GMSK; b) canal com largura de 30 khz, 3 usuários por canal e modulação π/4dqpsk; c) canal com largura de 200 khz, 8 usuários por canal e modulação π/4dqpsk; d) canal com largura de 200 khz, 3 usuários por canal e modulação π/4dqpsk; e) canal com largura de 200 khz, 8 usuários por canal e modulação 0.3GMSK. 40. No sistema GSM, a unidade presente em sua arquitetura e responsável pela adaptação e transcodificação de sinalização, realizando a adaptação da taxa de transmissão, em conexões de dados, da ordem de 16 Kbps/64 Kbps, é a a) BSC b) BTS c) TRAU d) OSS e) HLR 18 Conhecimentos Específicos

5 IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) 41. Em uma rede GSM, a Controladora de Estação Base (BSC) é responsável pelo controle de um certo número de BTSs, número esse que depende da configuração da rede. Dentre as funções dessa BSC estão: I. Gerenciamento dos recursos de rádio das BTSs; II.Gerenciamento dos procedimentos de handoff entre BTSs sob seu controle; III.Realização da tarifação das chamadas que estão sob seu controle. De acordo com as afirmações anteriores, pode-se concluir que é(são) verdadeiro(s) a) apenas o item I b) apenas o item II c) apenas o item III d) os itens I e II e) os itens I e III 42. A base de dados onde estão armazenadas todas as informações, de todos os assinantes, e onde também se encontra armazenada a informação acerca de qual MSC está vinculado cada terminal móvel ativo e que possui os registros permanentes dos terminais móveis, é denominada: a) VLR b) HLR c) AUC d) OSS e) ILR 43. Dentre os modelos estatísticos utilizados para a predição da perda de propagação em um ambiente rádio móvel, pode-se afirmar que I. no modelo de Rayleigh, o sinal resultante é composto principalmente dos sinais refletidos (não há predominância de visada direta); II. no modelo de Rice, há a predominância de visada direta; III. no modelo de Rayleigh, quando o número de sinais é elevado, o sinal resultante pode ser considerado como um processo Gaussiano complexo, cuja envoltória obedece a uma distribuição estatística de mesmo nome. De acordo com as afirmações acima, pode-se concluir que é(são) verdadeiro(s) a) os itens I e II. b) os itens I e III. c) os itens II e III. d) os itens I, II e III. e) apenas o item III. Conhecimentos Específicos 19

6 Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) IFPB 44. A LTE (Long Term Evolution) é uma rede de banda larga móvel que deverá ser a próxima evolução das redes móveis, segundo o 3GPP. Dentre suas características técnicas, podemos citar: a) uso da tecnologia OFDMA (Orthogonal Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 100 Mbps no downlink (ERB para o celular) e SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 50 Mbps no uplink (celular para ERB); b) uso da tecnologia SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 100 Mbps no downlink (ERB para o celular) e OFDMA (Orthogonal Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 50 Mbps no uplink (celular para ERB); c) uso da tecnologia OFDMA (Orthogonal Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 50 Mbps no downlink (ERB para o celular) e SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 100 Mbps no uplink (celular para ERB); d) uso da tecnologia SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 50 Mbps no downlink (ERB para o celular) e OFDMA (Orthogonal Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 100 Mbps no uplink (celular para ERB); e) uso da tecnologia OFDMA (Orthogonal Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 100 Mbps no downlink (ERB para o celular) e SC-FDMA (Single Carrier Frequency Division Multiple Access) e velocidade de 100 Mbps no uplink (celular para ERB). 45. O protocolo Message Transfer Part (MTP), da rede GSM, tem a função de estabelecer um caminho de comunicação de sinalização que interligue os diversos subsistemas de usuários, os quais necessitam de sinalizações uns dos outros, sendo, portanto, comum a todos os subsistemas de usuários. O MTP é dividida em três níveis : a) nível 1 camada física, nível 2 camada de rede, nível 3 camada de transporte; b) nível 1 camada física, nível 2 camada de enlace, nível 3 camada de transporte; c) nível 1 camada física, nível 2 camada de enlace, nível 3 camada de rede; d) nível 1 camada de enlace, nível 2 camada de rede, nível 3 camada de transporte; e) nível 1 camada enlace, nível 2 camada de transporte, nível 3 camada de rede. 20 Conhecimentos Específicos

7 IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) 46. A interface aérea responsável por conectar a estação móvel (MS) e a estação transceptora base (BTS), utilizando as ondas portadoras de radiofreqüência para levar a informação, denomina-se: a) interface Abis. b) interface Um. c) interface A. d) interface B. e) interface C. 47. Subsistema de Estação Base (BSS) é responsável por fornecer os recursos de rádio ao sistema GSM. Os componentes que fazem parte desse subsistema são: a) BSC e MSC; b) BTS e MSC; c) BTS e BSC; d) MSC e NSS; e) OMC e BSC. 48. No sistema GSM, o NSS (Network Switching Subsystem) tem como funções: cuidar da comutação de chamadas, do encaminhamento de mensagens e da sinalização. Ele também possui uma base de dados, contendo informações sobre os assinantes e também gerenciamento da mobilidade desses assinantes. Possui vários componentes, dentre os quais podemos citar: I. Authentication Center (AUC) é o nó de rede que cuida da segurança para os assinantes, sendo responsável por autenticar os usuários da rede, a fim de prevenir fraudes como a Clonagem. II. Equipment Identity Register (EIR) é a Base de dados que armazena o IMEI. O IMEI é o número estação móvel (celular), gerado assim que o usuário adquire o aparelho na loja e é habilitado na operadora. III. Gateway Mobile Switching Center (GMSC) é o portão de entrada e saída para os outros subsistemas. É através dele que a Central de Comutação do Sistema Celular se comunica com os outros órgãos da rede, tais como o VLR e o HLR. De acordo com as afirmações acima, pode-se concluir que é(são) verdadeiro(s). a) apenas o item I. b) apenas o item II. c) os itens I e II. d) os itens II e III. e) os itens I, II e III. Conhecimentos Específicos 21

8 Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) IFPB 49. Para que serve o recurso de Paging na rede GSM? a) Para fornecer um recurso de paginação no navegador do celular do assinante. b) Para enviar uma mensagem SMS para todos os terminais celulares da rede. c) Para localizar um determinado assinante, ou seja, para saber em que área da rede se encontra o seu terminal celular. d) Para determinar se existe algum nó da rede GSM em condição adversa. e) Para que a central possa armazenar e retransmitir às BTSs dados acerca dos parâmetros de chamada dos usuários. 50. sistema GSM Full Rate usa um codec de voz à taxa completa que opera em 13 kbps, sem qualquer diferença de qualidade de voz em comparação com a telefonia PSTN. Esse sistema é denominado: a) VCELP b) QCELP c) ACELP d) LTP-RPE e) ADPCM 22 Conhecimentos Específicos

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Segurança de Rede Sem Fio

Segurança de Rede Sem Fio Segurança de Rede Sem Fio Dilson Catói Felipe Boeira João Cancelli Marcelo Dieder Rafael Dreher Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS dilsoncatoi@gmail.com, felipecboeira@gmail.com, jvcancelli@gmail.com,

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Projeto Repetidor Indoor: Conceitos e Recomendações

Projeto Repetidor Indoor: Conceitos e Recomendações Projeto Repetidor Indoor: Conceitos e Recomendações Este tutorial apresenta conceitos e características de um projeto de Repetidor Celular Indoor (interno) para redes celulares que utilizam a tecnologia

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Telefonia Móvel Celular

Telefonia Móvel Celular Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Telefonia

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações UFSM Artigo Científico GSM: Terceira Geração de Telecomunicações Carlos Renan Silveira Ciência da Computação Santa Maria, RS, Brasil 2003 GSM: Terceira Geração de Telecomunicações por Carlos Renan Silveira

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

Transmissão de dados através de telefonia celular: arquitetura das redes GSM e GPRS

Transmissão de dados através de telefonia celular: arquitetura das redes GSM e GPRS Transmissão de dados através de telefonia celular: arquitetura das redes GSM e GPRS Resumo Rodolfo Pedó Pirotti 1 Marcos Zuccolotto 2 O padrão de telefonia celular mais difundido no Brasil e no mundo é,

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular

Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Nos últimos 10 anos o setor de comunicações o setor de comunicações móveis via rádio cresceu em ordem de grandeza, alimentado por melhorias na fabricação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

TV DIGITAL APLICADA NA EDUCAÇÃO. Email: fujio.yamada@mackenzie.br

TV DIGITAL APLICADA NA EDUCAÇÃO. Email: fujio.yamada@mackenzie.br II SIMPOSIO INTERNACIONAL SOBRE NOVAS COMPETENCIAS EM TECNOLOGIA DIGITAL INTERATIVAS NA EDUCAÇÃO LABORATÓRIO DE TV DIGITAL DR. PROF. FUJIO YAMADA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Email: fujio.yamada@mackenzie.br

Leia mais

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ATRAVÉS DE APARELHO CELULAR

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ATRAVÉS DE APARELHO CELULAR LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ATRAVÉS DE APARELHO CELULAR Allan Rangel Cordeiro Curso de Engenharia Elétrica Universidade Federal do Paraná Curitiba Paraná Brasil e-mail: al_ee@ufpr.br Resumo - Este artigo tem

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR ALUNA: ANGELA PEIXOTO SANTANA CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROFESSOR: MARCO ANTONIO CAMARA GSM

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR ALUNA: ANGELA PEIXOTO SANTANA CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROFESSOR: MARCO ANTONIO CAMARA GSM UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR ALUNA: ANGELA PEIXOTO SANTANA CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROFESSOR: MARCO ANTONIO CAMARA GSM SALVADOR, Outubro de 2003 UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR ALUNA:

Leia mais

EXPLICITAÇÃO DE FUNCIONALIDADES DO SISTEMA

EXPLICITAÇÃO DE FUNCIONALIDADES DO SISTEMA EXPLICITAÇÃO DE FUNCIONALIDADES DO SISTEMA NOTA INTRODUTÓRIA... 2 SISTEMA - INTRODUÇÃO... 3 I LEITURA DO CAUDAL... 3 II AUTÓMATO... 4 III TECNOLOGIA GSM... 5 IV BASE DE DADOS... 6 V SINÓPTICO... 7 Especificação

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física Capítulo 2: Camada Física Capítulo 2 A camada física slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

Internet Móvel. Universidade Católica do Salvador. Curso de Informática. Nome: Alessandro Ribeiro Carvalho (alemacarvalho@hotmail.

Internet Móvel. Universidade Católica do Salvador. Curso de Informática. Nome: Alessandro Ribeiro Carvalho (alemacarvalho@hotmail. Internet Móvel Universidade Católica do Salvador Curso de Informática Nome: Alessandro Ribeiro Carvalho (alemacarvalho@hotmail.com) Disciplina: REDES Professor: Marco Antonio Camara 1. OBJETIVO Este trabalho

Leia mais

3. Sistemas GSM. O desenvolvimento do padrão GSM. Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso

3. Sistemas GSM. O desenvolvimento do padrão GSM. Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso 3. Sistemas GSM O desenvolvimento do padrão GSM CETUC-PUC/Rio ELE 2614 - Capítulo 3 - Sistemas GSM 2 Estrutura de rede A rede GSM é dividida

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki Telefonia Móvel Leandro H. Shimanuki Índice Motivação História Funcionamento Gerações G s Curiosidades Telefonia Móvel 2 Motivação Contato maior com telefonia no Projeto Aplicativo para Mobilidade Urbana;

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6. Redes sem fio e redes móveis 1 Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações LERCI_FT 1: Introdução Professor Victor Barroso vab@isr.ist.utl.pt 1 Introduzindo O tópico A terminologia A tecnologia O conteúdo... LERCI_FT - Lição 1 Fundamentos de Telecomunicações

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Data) 31/08/2015. Empresa) Motorola. Questionamento 01. Questionamentos sobre itens do Projeto Básico. 1. Consoles de Despacho - CeCoCo

Data) 31/08/2015. Empresa) Motorola. Questionamento 01. Questionamentos sobre itens do Projeto Básico. 1. Consoles de Despacho - CeCoCo Questionamentos RDC 1/2015 Data) 31/08/2015 Empresa) Motorola Questionamento 01 Questionamentos sobre itens do Projeto Básico 1. Consoles de Despacho - CeCoCo 4.3 Instalação do Centro de Controle A maioria

Leia mais

A MOTOROLA SOLUTIONS LTDA vem respeitosamente solicitar esclarecimentos com relação ao Pregão Presencial referenciado acima.

A MOTOROLA SOLUTIONS LTDA vem respeitosamente solicitar esclarecimentos com relação ao Pregão Presencial referenciado acima. São Paulo, 05 de Agosto de 2013. À SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO Ref.: Pregão Presencial em Âmbito Internacional Nº 01/2013 QUESTIONAMENTO Prezados Senhores(as),

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA Telefonia Móvel 4G A tecnologia da quarta geração de telefonia móvel, ou 4G, designa uma tecnologia que oferece altíssimas velocidades de conexão com a

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

INTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA - IESAM CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES PROJETOS EM TELECOMUNICAÇÕES ANTONIO NETO ARISSON CASTRO

INTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA - IESAM CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES PROJETOS EM TELECOMUNICAÇÕES ANTONIO NETO ARISSON CASTRO INTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA - IESAM CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES PROJETOS EM TELECOMUNICAÇÕES ANTONIO NETO ARISSON CASTRO FABRÍCIO CAMARGO ESTUDO DE CASO EM OTIMIZAÇÃO DE REDE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»TELECOMUNICAÇÕES «21. O receptor super-heterodino, foi inventado em 1918 por Edwin Armstrong. O seu princípio de funcionamento é o da conversão de frequência: o sinal captado

Leia mais

RELATÓRIO DE PEDIDO DE ESCLARECIMENTO

RELATÓRIO DE PEDIDO DE ESCLARECIMENTO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO RELATÓRIO DE PEDIDO DE ESCLARECIMENTO PROCESSO: 2100-411/2013 LICITAÇÃO: Pregão Presencial em âmbito Internacional

Leia mais

Segurança em redes sem fios - GSM

Segurança em redes sem fios - GSM Segurança em redes sem fios - GSM Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3 GSM (Global System for Mobile Communications) 1 Arquitectura de rede OMC (Operation and management Centre)

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Introdução. Especificações

Introdução. Especificações Introdução O modem USB ZTE MF645 é um modem USB 3G que suporta múltiplos modos de operação e é compatível com redes GSM/ GPRS/ UMTS/ EDGE/ HSDPA/ HSUPA. Este dispositivo possui interface USB para conexão

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Técnicas de Otimização aplicadas a Operação de Sistemas de Telefonia Móvel Celular GSM

Técnicas de Otimização aplicadas a Operação de Sistemas de Telefonia Móvel Celular GSM Universidade Federal de Minas Gerais Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Técnicas de Otimização aplicadas a Operação de Sistemas

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis

Redes de Comunicações Móveis Redes de Móveis Cronologia das redes de comunicações móveis Sistemas de 1ª Geração (Anos 1980 1990) Rede celular de tecnologia analógica Células de grande dimensão Serviço de voz Sistemas de 2ª Geração

Leia mais

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br Rádio sobre Fibra: Tecnologia Chave para Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016 Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior 1 Contexto Tecnológico 2 Sumário da apresentação I. Contexto Tecnológico II.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais