PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO BAIXO TOCANTINS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO BAIXO TOCANTINS"

Transcrição

1 PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO BAIXO TOCANTINS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 1

2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luiz Inácio Lula da Silva MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Guilherme Cassel SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL José Humberto Oliveira DELEGADO FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NO PARÁ Soraya Viana Almeida ARTICULADOR ESTADUAL DA SEC DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL NO PARÁ José Wilson da Silva ASSESSOR TÉCNICO TERRITORIAL Luiz Augusto Rodrigues NÚCLEO DIRIGENTE DO COLEGIADO TERRITORIAL BAIXO TOCANTINS EQUIPE TERRITORIAL Jose Hermínio Dias Feio- Coordenador Técnico SOMEC/PTC Raul Chucair do Couto - Coordenador do Núcleo Diretivo CODETER-Baixo Tocantins Luiz Augusto Rodrigues- Assessor Técnico Baixo Tocantins EQUIPE DE ELABORAÇÃO E REVISÃO DO PTDRS João Daltro Paiva Coordenador Geral Rossilan Martins da Rocha Coordenadora de Pesquisa e Documentação Mônica Lorena de Souza Moreira Assistente Técnica de Pesquisa Apoio institucional Sociedade de Meio Ambiente Educação e Cidadania Av. Duque de Caxias, nº723, Sala C Altos Bairro: Marco CEP Fone/Fax: (91) Belém - PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 2

3 PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 3

4 SUMÁRIO LISTA DE SIGLAS USADAS NO DOCUMENTO 3 APRESENTAÇÃO 5 DIAGNOSTICO TERRITORIAL DO BAIXO TOCANTINS 8 Dimensão Ambiental Dimensão Socioeconômica Dimensão Sócio Cultural Educacional Dimensão Político Institucional VISÃO DE FUTURO 25 EIXOS DE DESENVOLVIMENTO, OBJETIVOS 26 ESTRATÉGICOS E AÇÕES PRIORITÁRIAS VALORES E PRINCÍPIOS 29 PROJETOS EXECUTIVOS 29 SISTEMA DE GESTÃO DO PLANO TERRITORIAL 59 CONSIDERAÇÕES FINAIS 63 BIBLIOGRAFIA REFERENCIAL 65 ANEXOS 66 PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 4

5 SIGLA APACC ANVISA ALEPA APL BNDS BB BANPARÁ BASA CREAS CONAB CNPQ CODETER COFRUTA DEMA DRT ELETRONORTE EMBRAPA FNMA FAPIC IFPA IDESP ITERPA IBGE INCRA IDEFOR SAGRI SEPRF SDT SEDH SENAR SEPIR LISTA DE SIGLAS USADAS NO DOCUMENTO SIGNIFICADO Associação Paraense às Comunidade Carentes Agência Nacional de Vigilância Sanitária Assembléia do Estado do Pará Arranjos Produtivos Locais Banco Nacional do Desenvolvimento Social Banco do Brasil Banco do estado do Pará Banco da Amazônia Centros de Referência Especializados de Assistência Social Companhia Nacional de Abastecimento Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Conselho Desenvolvimento Territorial Rural Sustentável Cooperativa dos Fruticultores de Abaetetuba Delegacia de Meio Ambiente Delegacia Regional do Trabalho Centrais Elétricas do Norte do Brasil SA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Fundo Nacional de Meio Ambiente Federação das Associações de Apicultores do Estado do Pará Instituto Federal do Pará Instituto de Desenvolvimento do Estado do Pará Instituto de Terras do Pará Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará Secretaria de Agricultura Secretaria de Desenvolvimento Territorial Secretaria Especial de Direitos Humanos Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Secretaria Especial de Políticas de Integração Racial PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 5

6 SEDES SETRANS SECDET SOMEC SEIR SEBRAE SESPA SJUDH SPU SPE SEPAQ SPM SEMMA SEMA MTE MEC MS MMA MDS MJ MAPA NAEA PETI PNDTR PRONAF PROGATER UFPA UFRA UHE Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Secretaria de Estado de Transportes Secretaria de Estado de Ciência, Desenvolvimento e Tecnologia Secretaria de Estado de Integração Regional Serviço Brasileiro de Apoio à Empresas Secretaria de Estado de Saúde Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos Superintendência do Patrimônio da União Secretaria de Estado de Projetos Estratégicos Secretaria de Estado de Pesca e Aqüicultura Secretaria de Políticas para as Mulheres Secretaria Municipal de Meio Ambiente Secretaria estadual de Meio Ambiente Ministério do Trabalho e Emprego Ministério de Desenvolvimento Agrário Ministério da Educação Ministério da Saúde Ministério de Meio Ambiente Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério da Justiça Ministério da Agricultura e Pecuária Núcleo de Altos Estudos Amazônicos Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Programa Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural Pública Universidade Federal do Pará Universidade Federal Rural da Amazônia Usina Hidrelétrica PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 6

7 APRESENTAÇÃO O Governo Federal ao propor uma política de desenvolvimento rural sustentável com enfoque na estratégia territorial teve como embasamento reivindicações históricas dos setores públicos e organizações da sociedade civil por um modelo de desenvolvimento que corresponda as diversas necessidades da realidade brasileira. Entre as realizações focadas no fortalecimento do desenvolvimento sustentável, tendo os territórios rurais como espaço de protagonismo, planejamento e gestão social de políticas públicas, foi concebido o Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Territórios Rurais que dentre outros aspectos apóia o processo de construção do PTDRS Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável, ferramenta norteadora da gestão compartilhada de políticas públicas e interação planejada dos diversos atores públicos, sociais e econômicos do território. O PTDRS contempla as vocações e estratégias priorizadas pelos atores territoriais, com vista a promover alterações significativas na realidade local. Em 2005, após 25 anos de construção de uma coesão social, tendo como identidade o território que foi cunhado pelos próprios atores locais como Baixo- Tocantins, a sociedade civil se aliou com o poder publico de nove municípios da região para se situarem como promotores da abordagem de desenvolvimento territorial no âmbito do Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Territórios Rurais. Assim, nos dias 08 a 10 de agosto, na chácara No Limite, município de Barcarena, representantes de 41 instituições realizaram a Oficina de Criação do Território Rural do Baixo-Tocantins, onde, após realizarem uma leitura da situação socioeconômica do território e expressarem uma visão de futuro a respeito do desenvolvimento rural no Baixo-Tocantins, esboçaram uma primeira proposta em vista da construção do PTDRS. No governo Ana Júlia foi lançada, em 2008, as bases de um novo modelo de desenvolvimento sustentável para os territórios rurais no Estado do Pará através de 13 seminários territoriais voltados para o planejamento do Plano Safra Estadual e das discussões sobre o Programa Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural Pública PROGATER. O maior desafio para construção deste modelo de desenvolvimento foi o estabelecimento de uma estratégia de planejamento, com foco territorial, e na indicação dos Arranjos Produtivos Locais, os PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 7

8 APLs, que melhor se ajustassem aos critérios do desenvolvimento local com viabilidade econômica, eqüidade social e sustentabilidade ambiental, capaz de construir uma trajetória de crescimento sustentável, com participação ativa dos atores sociais locais, nas definições dos investimentos a serem realizados em seus municípios. No Baixo-Tocantins e Vale do Acará, além de definir os principais APLs de cada território, o Plano Safra permitiu definir os melhores sistemas de produção destes territórios orientados para a sustentabilidade ambiental e o desenvolvimento da agricultura familiar. A proposição de índices técnicos territoriais possibilitou também, um melhor diálogo entre agentes de desenvolvimento e instituições financeiras. Em 2009, o Programa Territórios da Cidadania chegou ao Baixo-Tocantins, incorporando os municípios de Acará e Tailândia aos nove municípios deste Território da Cidadania que passaram a ser beneficiados pela integração de políticas públicas do Governo Federal que promovem o desenvolvimento econômico regional e universalizam programas básicos de cidadania em regiões que mais precisam, especialmente no meio rural. Com o apoio do /SDT, através dos convênios /SOMEC e /Cáritas do Brasil, e contrato Cáritas do Brasil/Associação Paraense de Apóio às Comunidades Carentes - APACC, o CODETER Baixo-Tocantins desenvolveu um processo participativo de atualização do PTDRS, tendo como ponto de partida as definições estratégicas originais realizadas no Seminário de Constituição do Território e incorporando as proposições das ações de dinamização dos APLs prioritários definidas nos seminários do Plano Safra , bem como dos eixos estruturantes do Programa Territórios da Cidadania, ao mesmo tempo em que priorizaram como populações significativas para o desenvolvimento territorial, as mulheres e as comunidades quilombolas. Nesse esforço desenvolveram-se 3 oficinas de qualificação dos projetos estratégicos territoriais, bem como uma Plenária de Validação e Aprovação do PTDRS, envolvendo 103 pessoas, entre técnicos dos governos federal, estadual e municipais e do setor produtivo, representantes da sociedade civil organizada, produtores familiares, populações e comunidades tradicionais, associações de classe e instituições de ensino e pesquisa e financeiras. Ao todo foram elaboradas PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 8

9 de forma participativa e colaborativa um conjunto de 24 ações prioritárias que se desdobram em 88 propostas de projetos para o desenvolvimento territorial com sustentabilidade. O presente Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável atualiza o diagnóstico territorial e referenciado pela visão de futuro dos atores sociais do Baixo- Tocantins, define os projetos estratégicos para o período de 2011 a 2014 que contribuirão para que o Território Rural do Baixo-Tocantins seja um lugar onde se harmonizem Desenvolvimento Social e Econômico e Equilíbrio Ambiental. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 9

10 1 - DIAGNÓSTICO TERRITORIAL DO BAIXO TOCANTINS A área de abrangência do Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável do Território do Baixo Tocantins, esta localizado no Estado do Pará (Figura 01), abrange uma área de ,20 Km², sendo composta por 11 municípios: Abaetetuba, Acará, Baião, Barcarena, Cametá, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru, Mocajuba, Muju, Oeiras do Pará e Tailândia. Figura - 01 Secretaria de Integração Regional - SEIR A elaboração do Diagnóstico Territorial do Baixo Tocantins levou em considerações quatro dimensões, as quais são descritas abaixo (-SDT: 2010: 16-20): Dimensão Ambiental refere-se aos recursos naturais (cobertura vegetal, solo e rios); PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 10

11 Dimensão Sócio Cultural Educacional - descreve o processo histórico do Território e a situação sociodemográfica (população, educação e saúde); Dimensão Socioeconômica apresenta a forma de organização social dos atores e atrizes e a economia do Território, que contribui para o desenvolvimento sustentável da região; Dimensão Político Institucional - descreve o processo de construção do Território do Baixo Tocantins e apresenta a estrutura de poder que proporcionará o fortalecimento da nova Institucionalidade na região. Esta abordagem do território sob o foco de dimensões possibilita que a elaboração do Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável, expresse uma compreensão mais integrada da realidade, em vista de superar o equívoco de intervenções ou proposições que não levem em conta a dinâmica e o fluxo das profundas interações entre os diversos atores sociais e o ambiente territorial DIMENSÃO AMBIENTAL A cobertura vegetal na região do Baixo Tocantins, segundo Rodrigues (apud SEIR: 2009: 11), é formada de floresta Ombrófila Densa, com áreas de matas, de várzeas e de igapós. Parte dessa região está intensamente antropisada, devido às atividades sociais, econômicas e culturais, que são exercidas sobre o ambiente. O exemplo de antropisação pode se visualizado pela extensão de área desmatada. Em 2007 houve km 2 de desmatamento, os municípios de Cametá, Tailândia, Moju e Baião, foram os que mais desmataram, superando a média de desmatamento da região que ficou em torno de km2, Moju foi o município de mais desmatou,segundo estimativas do Governo do Pará, sistematizadas em O solo da região é formado por terra firme e várzea. O solo de terra firme tem a predominância de neossolo quartzarênico e latosssolo amarelo, sendo que os solos na margem direita do rio Tocantins são regulares para lavouras. Em Limoeiro do Ajuru e parte norte de Cametá, os solos são regulares, conformados em pastagens planas, mas há também áreas para a lavoura. Já o solo de várzea está localizado nas margens dos rios, sendo adubados e drenados naturalmente pelas PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 11

12 enchentes periódicas. São ricos em húmus (matéria orgânica), que são depositados as margens dos rios. A formação geomorfológica aponta que estas terras são originário de terrenos sedimentares (terciários e quaternários), hidromorfos e geralmente argilo - arenosos. (SEIR: 2009: 10). Os rios da região são utilizados como vias para transporte de cargas e pessoas. O conjunto de rios, furos e igarapés desta região é plenamente navegável, durante todo o ano, o que permite um fluxo intenso de embarcações dos mais variados calados e capacidades de operação. O Tocantins, rio que nomeia o território e que confere identidade cultural à região, apresenta declive desde a Usina Hidrelétrica de Tucurui - UHE até a foz nas proximidades da cidade de Belém, com influência de marés e das vazões efluente da UHE, mas é navegável em todas as épocas do ano. O Território do Baixo Tocantins encontra-se numa zona de fronteira, está localizado entre a Amazônia Central e Amazônia Oriental, no nordeste do Pará, por onde passa a microrregião da Bacia do rio Tocantins, considerada a segunda mais importante do país, superada apenas pela Bacia do Rio Amazonas. O rio Tocantins, faz parte do complexo estuário amazônico, se comunicando com o rio Pará e o rio Guamá, que se juntam na foz do rio Amazonas DIMENSÃO SÓCIO CULTURAL EDUCACIONAL A História dos primeiros povoamentos na região do Baixo Tocantins deu-se no século XVII, com o surgimento das cidades de: Cametá (1620), Oeiras do Pará (1653) e Baião (1694). Nos séculos seguintes surgiram as cidades de Barcarena (1709), Abaetetuba (1745), Mocajuba (1953) e Limoeiro do Ajuru (1956), Igarapé Miri (1710), Moju (1754), Acará (1839). A cidade de Tailândia tem sua origem no século XX, seu povoamento está ligado aos assentamentos rurais conduzidos pelo Instituto de Terras do para - ITERPA às margens da PA-150, na segunda metade da década de A historia dessa região tem como um de seus elementos constitutivos o sistema de plantation (introduzido pelos portugueses, tendo como base o latifúndio, a monocultura, a mão-de-obra escrava e o foco no mercado externo). Sendo que a ocupação de terras na região baseou-se primeiramente no cultivo do cacau e posteriormente na cana-de-açúcar. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 12

13 Esta conjugação de elementos sistêmicos favoreceu a concentração de terras e de populações negras, que participaram ativamente na economia regional, trabalhando nos engenhos de açúcar, nos cacauais, nas fazendas de gado, em plantações de tabaco, algodão e arroz, principalmente em Cametá, Acará, Oeiras do Pará e Moju. A chegada de escravos africanos no Pará foi intensificada com a Companhia de Comércio do Grão Pará, que trouxe aproximadamente escravos até o ano de 1782, vindos de Cachéo Bisnao. Antes dos africanos, haviam chegado portugueses de Açores e em meados do século XVIII havia sido retomado o processo de colonização com a chegada de mais portugueses e açorianos das ilhas. Em 1633 Feliciano Coelho de Carvalho recebeu do governador do estado do Pará, todas as terras de Cametá, para formar uma capitania, a qual deu origem à vila Viçosa de Santa Cruz de Cametá. A vila foi a segunda cidade fundada no estado, a primeira foi Belém. A cidade de Cametá foi também ocupada por franceses e holandeses, que já tinham o domínio sobre a exploração do nordeste brasileiro. Conforme publicação da SEIR(2009: 21), as sesmarias distribuídas no Tocantins foram enumeradas com a produção de cacau, cana-de-açúcar, tabaco, mandioca, e em menor quantidade em gado. As sesmarias revelam o incremento da produção do cacau cultivado. O cacau era exportado seco para os portos europeus, principalmente para os centros de beneficiamento e transformação do produto em chocolate na cidade de Nante na França. A cana-de-açúcar e o cacau tiveram dinâmicas diferentes. A primeira gerou empreendimentos econômicos mais complexos tecnologicamente, pois possibilitou o surgimento dos engenhos, ao mesmo tempo em que a produção demandou força de trabalho escrava nos canaviais e na moenda. Os produtos (aguardente, açúcar, rapadura), circulavam no mercado interno. Já o cacau era exclusivamente voltado ao mercado externo. Tanto o cacau, quanto a cana-de-açúcar dependiam de comercialização e beneficiamento organizados pelos fazendeiros e donos de engenhos. Há dois momentos históricos marcantes no século XIX, na busca da emancipação: um foi a Cabanagem e o outro o Movimento de Resistência conhecido como Anilzinho, anos 1970, quando o país ainda vivia num processo de ditadura militar. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 13

14 A Cabanagem ( ) é um dos momentos mais significativos no Estado do Pará e no Brasil; foi pela primeira vez que o povo oprimido conseguiu chegar ao poder. Entretanto, o movimento agrupava representantes das elites locais e o povo pobre da região. Já o Movimento de Resistência do Anilzinho se constitui como um marco no campesinato do Baixo Tocantins, precisamente no município de Baião, foi o primeiro no contexto da luta pela tomada do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Situação sociodemográfica (ênfase em população, educação e saúde) De acordo com Sistema de Informações Territoriais - (2010) existem no Território 98 ações, que estão distribuídas em 08 programas, que são: Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR), Programa Bolsa Família - Benefício Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social à Pessoa com Deficiência, Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social à Pessoa Idosa, Programa de Atenção Integral à Família, Serviço Socioeducativo do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI, Centros de Referência Especializados de Assistência Social - CREAS. De acordo com o IBGE (dados provisórios do censo de 2010), o Território possui uma população de habitantes (tabela 01). Conforme a tabela os municípios de Abaetetuba, Barcarena, Cametá e Tailândia, apresentam a maior quantidade populacional no ano de Mas os municípios de Baião, Moju e Tailândia apresentam a maior variação positiva em termos de crescimento populacional. Somente o município de Tailândia apresenta respectivamente maior crescimento populacional e maior variação em termos de crescimento. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 14

15 MUNICÍPIO Tabela 01 População Área Territorial População (2007) População (2010) Variação (%) Abaetetuba 1.610, ,39 Acará 4.343, ,46 Baião 3.758, ,26 Barcarena 1.310, ,65 Cametá 3.081, ,75 Igarapé-Miri 1.996, ,15 Limoeiro do Ajuru 1.490, ,08 Mocajuba 870, ,85 Moju 9.093, ,93 Oeiras do Pará 3.852, ,10 Tailândia 4.430, ,92 Total do Território , ,04 Fonte: IBGE: 2010 (dados sujeitos as modificações, censo não concluído) Tendo em conta que as variações demográficas são decorrentes das transformações econômicas, sociais e políticas que influenciam diretamente nas taxas de natalidades, de mortalidade e de migração, faz-se necessário destacar que especificamente em relação ao município de Baião a expectativa das análises elaboradas antes da realização do censo, apontavam que este município teria um ritmo de crescimento populacional lento (juntamente com Acará, Igarapé-Miri, Oeiras do Pará, Limoeiro do Ajuru e Mocajuba), contrastando com Abaetetuba, Barcarena, Cametá, Moju e Tailândia, que se presumia apresentarem um ritmo de crescimento populacional rápido e constante. Assim, se percebe que há uma dinâmica infra-territorial que precisa ainda ser analisado com maior precisão, o que será possível após a consolidação dos dados do Censo Contudo, ainda que Baião desponte como o município com a maior variação positiva de crescimento, Abaetetuba continua a ser a municipalidade com o maior contingente populacional do território. A compreensão desta constante exige que se leve em conta que a dinâmica populacional também é decorrente da relação intraregional. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 15

16 Assim, o processo de mobilidade populacional sofre impactos quando uma determinada região começa exercer atrações devido à implantação de uma determinada atividade econômica ou de aspecto intra-estruturais, como melhores condições de serviços de saúde, de educação, de transporte e de implantação de indústrias. Portanto, uma explicação possível para a manutenção deste indicador é que o mesmo ainda é conseqüência da instalação do distrito industrial do complexo Albras- Alunorte em Barcarena (município próximo à Abaetetuba) que promoveu a atração da população de outros municípios do estado e de fora. Outro fato que também pode explicar esse crescimento, é que os dois municípios ficam próximos da cidade de Belém e a facilidade de deslocamento e movimentação de pessoas com a construção da Alça Viária. Em relação à saúde (conforme os dados do IBGE de 2009), os serviços de saúde oferecidos à população do Território, se dão através da rede pública e privada (tabela 02). A tabela mostra que os municípios de Abaetetuba, Cametá e Barcarena, apresentam maior quantidade de unidades de assistência a saúde (sendo considerados em sua totalidade: hospitais públicos e privados, unidades básicas de saúde e unidades ambulatoriais privadas). Tabela 02 Serviços de Saúde Serviços de Saúde Unidades Públicas Unidades Privadas Total de Unidades Abaetetuba Acará Baião Barcarena Cametá Igarapé Miri Limoeiro do Ajuru Mocajuba Moju Oeiras do Pará Tailândia Total de Hospitais Fonte: IBGE: 2009 Assistência Médica Sanitária PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 16

17 A situação educacional no Território é visualizada na tabela 03, que descreve a distribuição de estabelecimentos escolares segundo os municípios, constando de Creche, de Pré-escola, de Ensino Fundamental Ano Inicial, de Ensino Fundamental Ano Final e de Classes Multidisciplinares. A Lei de Diretrizes Bases da Educação Nacional - LDB (1996) chama o equipamento educacional que atende crianças de 0 a 3 anos de "creche". O equipamento educacional que atende crianças de 4 a 6 anos de "pré-escola". O ensino fundamental é uma das etapas da educação básica, que tem duração de nove anos, sendo a matrícula obrigatória para todas as crianças com idade entre 6 e 14 anos. A duração obrigatória do Ensino Fundamental foi ampliada de 8 para 9 anos pelo Projeto de Lei nº 3.675/04, passando a abranger a Classe de Alfabetização (fase anterior à 1ª série, com matrícula obrigatória aos 6 anos) que, não fazia parte do ciclo obrigatório (a alfabetização na rede pública e em parte da rede particular era realizada normalmente na 1ª série). Lei posterior (11.114/05) ainda deu prazo até 2010 para Estados e Municípios se adaptarem, ficando da seguinte forma: C.A (classe de alfabetização) = 1º ano; 1ª série = 2 ano; 2ª série = 3 ano; 3ª série = 4 ano; 4ª série = 5 ano; 5ª série = 6 ano; 6ª série = 7 ano; 7ª série = 8 ano e 8ª série = 9 ano (LDB -1996). De acordo com a tabela abaixo o estabelecimento intitulado de creche, atende crianças de 0 a 3 anos de idade, a pre-escola atende crianças de 4 a 6 anos de idade, o ensino fundamental anos iniciais, corresponde a classe de alfabetização até a 5ª série ou 6 ano e ensino fundamental anos finais, equilave a 6ª série ou 7º ano e vai a última série que é corresponde a 8ª série ou 9º ano. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 17

18 Tabela 03 Educação: Distribuição de estabelecimentos escolares Municípios Creche Pré-escola Ensino Fundamental Anos Iniciais Ensino Fundamental Anos Finais Classes Multidisciplinares Total Por município Urb. Rur. Total Urb. Rur. Total Urb. Rur. Total Urb. Rur. Total Urb. Rur. Total Abaetetuba Acará Baião Barcarena Cametá Igarapé- Miri Limoeiro do Ajuru Mocajuba Moju Oeiras do Pará Tailândia Total do Território Fonte: Governo do Estado do Pará Secretaria de Integração Regional Urb: Unidades escolares no meio urbano Rur: Unidades escolares no meio rural Os dados apresentados pela Secretaria de Integração Regional (2009: 27), referente à educação, informam a existência de uma estrutura de ensino presente nos 11 municípios, que estão tanto no meio urbano, quanto no meio rural. Conforme os dados da tabela 03, referentes à creche há destaque para os municípios de Barcarena, Cametá e Igarapé Miri, ficando Cametá com o maior número de estabelecimentos. Em relação à Pré-escola, os municípios que chamam a atenção pela quantidade são: Abaetetuba, Acará, Cametá e Igarapé Miri, ficando Cametá com o maior número de estabelecimentos. Com referência ao ensino fundamental anos inicias, os municípios de Abaetetuba, Acará, Cametá e Moju, se destacam pela quantidade de estabelecimento oferecidos à população, ficando novamente Cametá com o maior destaque. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 18

19 A informação referente aos estabelecimentos de ensino fundamental anos finais, apresenta uma redução, pois há uma situação bastante diferenciada com relação ao município de Abaetetuba que não apresenta nenhum estabelecimento de ensino. Mas novamente o município de Cametá, apresenta maior número de estabelecimentos desta modalidade em toda a região do Baixo Tocantins. Com relação à classe multidisciplinar, há de se chamar atenção pela quantidade de estabelecimentos presentes nos municípios (com exceção de Oeiras do Pará), tanto na área rural, quanto na urbana. Esse sistema de ensino propõe o funcionamento de várias séries simultaneamente com a presença de apenas um professor ou de uma professora, o que por si mesma já aponta para sérias dificuldades em garantir qualidade no processo de ensino e aprendizagem, o que igualmente significa um sério compromentimento da qualidade da educação como um todo, especialmente na zona rural do território. DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA O processo de organização social no Baixo Tocantins está relacionado aos enfrentamentos de desafios, esses podem ser entendidos sob diversas formas: luta pela terra, reivindicação de crédito, assistência técnica para a produção, melhoria da infra-estrutura (estradas e eletrificação), garantia dos serviços sociais básicos (educação, saúde e transporte), sendo que tais lutas forjaram a existência de uma diversidade de organizações, instituições sociais e movimentos reivindicatórios. A produção pecuária (tabela 04), extrativismo vegetal (tabela 05) produção agrícola temporária (tabela 06), Projetos de assentamentos (tabela 06) e pesca são as atividades econômicas que dão o tom à dinâmica vital da maioria dos municípios e pessoas que vivem no território do Baixo Tocantins, ou seja, as atividades econômicas que tem o maior alcance populacional são aquelas vinculadas à ocupação da terra e não tanto à atividade da industrialização, por exemplo, que se configura no território como um enclave que atinge diretamente o município de Barcarena, ainda que tenha ressonâncias sociais e culturais nos municípios próximos. Os dados da tabela 04 demonstram que os municípios de Acará e Moju, se destacam por apresentarem a maior quantidade de produtos em comum, que são: bubalinos, galinhas e galos, vacas e ovos. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 19

20 Municípios Na lista dos maiores produtores estão: Tailândia com a produção de bovino, vacas e leite, Acará com bubalino, galinha e galo, mel e ovos, Cametá com suíno e galinhas e galos. Bovino Mil Cabeças Bubalino Mil Cabeças Tabela 04 Produção Pecuária Suíno Mil Cabeças Produção Pecuária Anual Galinha e galo Mil cabeça Vacas Mil Cabeças Leite Mil Litros Mel Mil KG Ovos Mil Unid. Abaetetuba Acará Baião Barcarena Cametá Igarapé Miri Limoeiro do Ajuru Mocajuba Moju Oeiras do Pará Tailândia Total da Produção Fonte: IBGE 2008 OBS: Embora apareça na categoria como produção pecuária Galinhas/Galos, Mel e ovos e que aparentemente não se enquadrariam como produção pecuária, esta denominação é adotada pelo IBGE (Produção da Pecuária Municipal 2009). Fazendo um paralelo entre o maior e o menor produtor, destaca-se Barcarena, como o município de menor produção pecuária, tal explicação pode se atribuída a quatro fatores abaixo relacionados: 1 Sua importância como pólo industrial, onde é feita a industrialização, o beneficiamento e a exportação de caulim, alumina, alumínio e cabos para transmissão de energia elétrica; 2 O crescimento do turismo no município, que possui uma variedade de hospedagem. Sendo um dos diferenciais a Casa da Árvore na Praia do Caripi; 3 A ampliação da atividade do artesanato, feitos com sementes, cipós, talas (gurumã, jupati e piaçaba) e bambu, assim como trabalhos manuais (vestidos, bolsas, sandálias e acessórios). Tendo como diferencial o fato de que o município abriga o Pólo de Cestaria do Pará, localizado na Ilha Trambioca, na comunidade de Utinga-Açú, onde são produzidas peças de artesanato para serem comercializadas na Casa do Artesão, em Belém; PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURALSUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA CIDADANIA BAIXO TOCANTINS 20

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Tocantins

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Tocantins Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Tocantins Eduardo Costa Diretor-Presidente da FAPESPA Geovana Pires Diretora Socioeconomia da FAPESPA OBJETIVO Apresentar um diagnóstico socioeconômico

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

Legenda da priorização das propostas: Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017

Legenda da priorização das propostas: Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017 Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida do possível. Legenda da priorização

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial 0352 Abastecimento Agroalimentar 22000 1049 Acesso à Alimentação 0351 Agricultura Familiar - PRONAF 1215 Alimentação Saudável 1016 Artesanato Brasileiro 28000 0135 Assentamentos Sustentáveis para Trabalhadores

Leia mais

O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar

O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar A IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA - DIAGNÓSTICO Prevalência de situação de segurança alimentar em domicílios particulares, por situação do domicílio

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br 2013/2014 2013/2014 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller Secretário

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

CARTA POLÍTICA DA V CONFERÊNCIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA BAHIA

CARTA POLÍTICA DA V CONFERÊNCIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA BAHIA CARTA POLÍTICA DA V CONFERÊNCIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA BAHIA Realizou-se, entre os dias 26 e 28 de agosto de 2015, na cidade de Salvador- Bahia, a V Conferência de Segurança Alimentar

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico.

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1

PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1 PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1 a) Um pouco da sua história político-pedagógica O ProJovem Campo Saberes da Terra é um programa de escolarização de jovens agricultores/as familiares 2 em nível fundamental

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Política Estadual de Arranjos Produtivos Locais

Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Política Estadual de Arranjos Produtivos Locais Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação Política Estadual de Arranjos Produtivos Locais Política Nacional de Arranjos Produtivos Locais Premissas Reconhecimento de que políticas de fomento

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO:

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO: Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Cerrado AVALIANDO E UTILIZANDO INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO APOIO: 2005 CARTILHA: AVALIANDO E UTILIZANDO

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais

As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais INCLUSÃO PRODUTIVA RURAL Aumento da produção para segurança alimentar e ampliação de canais de comercialização Programa de Aquisição de

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz

Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz Indicadores Municipais Muaná Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz Apresentação Dezembro - 212 Em março de 211, o Governo

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Agricultura & Inovação:

Agricultura & Inovação: Agricultura & Inovação: Rota para o Desenvolvimento Sustentável Belém, 03 de setembro de 2012 TRANSFORMAÇÃO Macro-objetivos Macro - objetivos REDUÇÃO DA POBREZA E DAS DESIGUALDADES REGIONAIS PRODUÇÃO CONHECIMENTO

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA CUIABÁ-SANTAR SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL Decreto de 15 de março de 2004

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

AÇAO ENCAMINHAMENTO RESPONSAVEL ORGAO PERIODO OBSERVAÇOES. 1, 2 e 3 - ITERPA e Secretaria de Terras e Patrimoniais (Prefeitura)

AÇAO ENCAMINHAMENTO RESPONSAVEL ORGAO PERIODO OBSERVAÇOES. 1, 2 e 3 - ITERPA e Secretaria de Terras e Patrimoniais (Prefeitura) OPERAÇÃO ARCO VERDE - SANTANA DO ARAGUAIA EIXO - REGULARIZAÇÃO FUNDIÀRIA AÇAO ENCAMINHAMENTO RESPONSAVEL ORGAO PERIODO OBSERVAÇOES 1 2 Presença do Estado regularização fundiária de imóveis rurais em áreas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETÂNIA Estado de Pernambuco LEI Nº 636 /2012 DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2013 Anexo de Prioridades e Metas ( Sintético )

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETÂNIA Estado de Pernambuco LEI Nº 636 /2012 DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2013 Anexo de Prioridades e Metas ( Sintético ) Anexo de Prioridades e s ( Sintético ) s Processo Legislativo Administração Legislativa Planejamento Governamental Gestão Política Administrativa Suporte Administrativo Garantir o exercício da função legislativa

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Experiência: PLANO POPULAR DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL A JUSANTE DA UHE TUCURUI

Experiência: PLANO POPULAR DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL A JUSANTE DA UHE TUCURUI Experiência: PLANO POPULAR DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL A JUSANTE DA UHE TUCURUI Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. Eletronorte Coordenação de Inserção Regional EIR Responsável: Carlos Yassuo

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS O Território da Transamazônica O Papel da Fundação Viver, Produzir e Preservar NOSSA MISSÃO: Contribuir para as Políticas

Leia mais

Compra Institucional SESAN/MDS

Compra Institucional SESAN/MDS PAA Compra Institucional SESAN/MDS Apoio à agricultura familiar: produção Garantia Safra Assistência técnica (ATER/ATES) PRONAF Seguro Agrícola PGPAF PGPM 1ª e 2ª Água Melhoria da renda dos agricultores

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Agendas Transversais

Agendas Transversais Reunião do Conselho Nacional de Direitos da Mulher - CNDM Agendas Transversais Maria do Rosário Cardoso Andrea Ricciardi 02/10/2013 Ministério do Planejamento 1 AGENDAS TRANSVERSAIS Igualdade Racial, Comunidades

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA FOLHA DE ROSTO PARA PRODUTOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA FOLHA DE ROSTO PARA PRODUTOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA FOLHA DE ROSTO PARA PRODUTOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Identificação Consultor(a) / Autor(a):Marta Moraes Ramos Número do Contrato:112136 Nome do Projeto:PCT/BRA/IICA/07/009

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Agricultura & Inovação:

Agricultura & Inovação: Agricultura & Inovação: Rota para o Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 16 de junho de 2012 TRANSFORMAÇÃO Macro-objetivos Macro - objetivos REDUÇÃO DA POBREZA E DAS DESIGUALDADES REGIONAIS PRODUÇÃO

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SIES DISPONIBILIZA NOVA BASE DE DADOS

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SIES DISPONIBILIZA NOVA BASE DE DADOS Boletim Informativo. Ano I. janeiro/2010 Boletim Informativo - Edição Especial Divulgação do dados do SIES 2013 SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SIES DISPONIBILIZA NOVA BASE DE DADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO TERRITORIAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS Brasília, outubro/novembro de 2007 O QUE

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010 PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / Eixo Programático nº 01: INTEGRAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS Eixo Programático 01: Integração e Sistematização dos Dados Objetivo específico: Identificar

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

BRASIL AGROECOLÓGICO

BRASIL AGROECOLÓGICO PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANAPO BRASIL AGROECOLÓGICO BALANÇO DO 1º ANO DO PLANAPO Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica CIAPO 1 Metodologia de elaboração

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Marco Legal Art 19. da Lei nº10.696/2003 Fica instituído o Programa de Aquisição de Alimentos com a finalidade de incentivar a agricultura familiar, compreendendo

Leia mais

Quer tirar seu projeto do fundo do baú?

Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Sumário 1. PATROCÍNIO... 2. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL... 3. INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO... 4. FUND. COORD. DE APERF. DE PESSOAL

Leia mais