CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS A RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL DO PROFISSIONAL CONTÁBIL APÓS SANCIONADO O NOVO CÓDIGO CIVIL E LEGISLAÇÃO CRIMINAL PALOMA SERPA LOPES FORTALEZA CE

2 PALOMA SERPA LOPES A RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL DO PROFISSIONAL CONTÁBIL APÓS SANCIONADO O NOVO CÓDIGO CIVIL E LEGISLAÇÃO CRIMINAL Monografia apresentada à Faculdades Cearenses, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis do Centro de Ensino Superior do Ceará Faculdade Cearense FAC, sob a orientação do Professor Elenito Elias da Costa. FORTALEZA CE

3 PALOMA SERPA LOPES A RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL DO PROFISSIONAL CONTÁBIL APÓS SANCIONADO O NOVO CÓDIGO CIVIL E LEGISLAÇÃO CRIMINAL Esta Monografia foi julgada adequada à obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis e aprovada em sua forma final pelo Curso de Graduação em Ciências Contábeis do Centro de Ensino Superior do Ceará - Faculdade Cearense - FAC. Fortaleza-CE, de de 2013, Orientador: Elenito Elias da Costa Examinador Prof. Eugênio Ximenes Andrade Examinadora Profa. Maria Denise Nunes

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais que sempre estiveram ao meu lado, principalmente nos momentos mais difíceis A Deus, por tudo que ele me ofereceu, pelos obstáculos que venci, pois sem o Senhor não conseguiria. Aos meus amigos que sempre me deram apoio nos momentos de angústia e aflição

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que ajudaram durante esse percurso árduo, porém, muito maravilhoso. DEUS por tudo que tem me proporcionado durante minha vida e à coordenação do curso de Ciências Contábeis que nada deixou a desejar. E principalmente às pessoas mais importantes da minha vida, meus pais, meu irmão, meus tios, meus avós, meus amigos, que são os responsáveis por esse acontecimento.

6 RESUMO Esta monografia é o resultado de estudo sobre o profissional contabilista, que atua com responsabilidade e ética diante do grau de riscos que este profissional e as empresas estão sujeitos. O estudo exploratório visou gerar conhecimentos ao uso da Lei no , do Novo Código Civil, que entrou em vigor a partir do dia 11 de janeiro de Para isso, foi necessário analisar as responsabilidades do profissional contábil como pessoa física e jurídica, verificando se as atividades por ele desenvolvidas estão de acordo com a legislação que norteia este profissional, de forma a identificar o papel do contador enquanto profissional contábil. Verificou-se que o desempenho desse profissional é necessário para a sociedade, contribuindo para o crescimento econômico e financeiro das sociedades empresariais e das pessoas físicas. Com a reformulação do Código Civil, o profissional contábil pode responder pessoal e solidariamente perante a empresa e a terceiros, até mesmo com o patrimônio pessoal. O profissional contábil, também deve estar atento a elaboração das demonstrações contábeis sob sua responsabilidade, para que estejam sempre de acordo com as normas Brasileiras de Contabilidade, Princípios Fundamentais, e Código de Ética como rege o Código Civil. Conclui-se que este profissional poderá responder civil e penalmente, se não adotar os procedimentos necessários para o desenvolvimento da profissão, no sentido de observar as constantes modificações que poderão ocorrer na legislação vigente que rege a profissão contábil. Observou-se ainda, que para não incorrer em erros devido a imprudência ou imperícia, deixando de cumprir com obrigações civil ou contábil, poderá ser penalizado. Devendo para tanto, observar com cuidado a sua atuação diante da imensa legislação orientadora da sua profissão, para que sejam realmente seguidas. Por fim, foi realizada uma pesquisa sobre julgamentos condenando o profissional contábil, por atos ilícitos cometidos pelos mesmos. Palavras Chave: responsabilidade do Profissional Contábil, Responsabilidade Civil e Responsabilidade penal.

7 ABSTRACT This monograph is the result of study on the professional accountant who acts responsibly and ethically on the degree of risk that these professionals and companies are subject. The exploratory study aimed to generate knowledge on the use of Law 10,406, the New Civil Code, which enter into force from the day January 11, For this it was necessary to analyze the responsibilities of the accounting professional as individuals and companies, ensuring that activities are carried out by him in accordance with the legislation that guides this professional to identify the role of accounting as a professional accountant. It was found that the performance of this professional is necessary to society, contributing to economic growth and financial corporate business and individuals. With the redesign of the Civil Code, the accounting professional can answer personally and severally liable to the company and third parties, even with personal assets. The accounting professional must also be mindful of preparation of financial statements under their responsibility, so they're always in accordance with Brazilian Accounting Standards, Fundamental Principles and Code of Ethics governs how the Civil Code. We conclude that this professional can answer civil and criminal penalties if they do not adopt appropriate procedures for the development of the profession, in order to observe the constant changes that may occur in the current legislation governing the accounting profession. It was also observed that not to incur errors due to carelessness or incompetence, failing to comply with obligations to civil or accounting, may be penalized. Should therefore, carefully observe its performance siante the immense legislation guiding their profession, so they are actually followed. Finally, we conducted a survey on the professional judgments condemning accounting for torts committed by them. Keywords: Accounting Professional liability, civil liability and criminal liability.

8 ÍNDICE DE TABELAS TABELA I PENALIDADES APLICADAS PELO CRC/CE

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTABILIDADE NA EMPRESAS Origem da Contabilidade Evolução da Contabilidade Conceito de Contabilidade As Atribuições dos Contabilistas no Exercício da Atividade Contábil Profissão Contábil CONCEITOS E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA RESPONSABILIDADE CIVIL Evolução Histórica da Responsabilidade Civil Responsabilidade Responsabilidade Civil e Penal DA ESCRITURAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO A Conservação e Guarda da Documentação As Demonstrações Contábeis e sua Visibilidade Perante a Sociedade Sistema Público de Escrituração Digital - SPED Obrigatoriedade do Livro Diário O Valor probante da Escrituração As Penalidades Previstas no Código de Ética do Profissional Contábil A RESPONSABILIDADE DO PROFISSIONAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL Novo Código Civil Responsabilidade Civil Responsabilidade Penal Responsabilidade Subjetiva do Perito Contador A Prestação de Serviço do Contador e o Direito do Consumidor Responsabilidade Civil dos Profissionais de Contabilidade A Responsabilidade Civil e Penal do Contabilista Pela Escrituração Contábil A Responsabilidade do Profissional de Contabilidade na ERP A Responsabilidade do Profissional Contábil como Preposto e a Responsabilidade do Preponente O Contabilista e Outros Auxiliares REPORTAGENS E JULGAMENTOS CONDENANDO O PROFISSIONAL CONTÁBIL CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10 INTRODUÇÃO A responsabilidade Civil e Penal do Profissional Contábil é um tema muito discutido pela sociedade, principalmente pela ciência contábeis e ciência jurídica, pois evolui por diversos campos, tais com em relação ao seu fundamento (razão porque alguém deve ser obrigado a reparar um dano), baseando-se o dever de reparação não só na culpa, hipótese em que será subjetiva, como também no risco, caso em que passará a ser objetiva, ampliando-se a indenização de danos sem a existência de culpa. Atualmente, o contador presta um serviço de contabilidade de grande importância para todas as empresas, uma vez que o erro pode gerar grandes conseqüências, inclusive a extinção da empresa. A contabilidade é considerada uma ferramenta eficiente, pois fornece informações precisas e ajuda o empresário na gestão de seus negócios. Com base nos dados fornecidos, o empresário conhece o resultado da sua atividade empresarial, controla seu patrimônio e pode tomar decisões seguras em sua administração. Quando se contrata um contador, dependendo de seu contrato, pode estar contratando os serviços prestados nas áreas contábil, fiscal, trabalhista, previdenciária e também sobre a legalização de empresas, com base nas informações fornecidas pelos seus administradores da empresa. Vale ressaltar que o contabilista e seus subordinados, respondem pela veracidade das informações contábeis e financeiras da empresa. No caso que o contabilista pratique atos dolosos, será responsável solidário com o empresário, respondendo por prejuízos causados a terceiros, desta forma são responsáveis solidariamente tanto o dono da empresa e seu contador, num processo judicial, quando a empresa e tem o seu patrimônio disponível para quitar dívidas. Antigamente, os contadores escrituravam os documentos que lhes eram entregues, e sempre faziam de acordo com a vontade do empresário, pois não possuíam responsabilidade alguma. Agora, os credores e o fisco podem questioná- 10

11 los, se os números não forem corretos. Surgiu da necessidade de esclarecer a importância desta profissão, para as instituições diante dos cenários hostis que se configuram para as mesmas, sejam: competitividade em nível global, aumentando o nível de exigência dos clientes, maior necessidade de transparência no cumprimento da responsabilidade e escassez de recursos. Tem como problematização saber qual a responsabilidade do profissional contábil depois do novo Código Civil? Esta pesquisa tem como objetivo geral é analisar o novo código civil no que diz respeito ou responsabilidade civil e penal do profissional contábil no uso da pratica da profissão para fins fraudulentos Tem como objetivos específicos: - Apresentar a origem da contabilidade e as atribuições da atividade contábil, bem como o conceito e a evolução histórica da Responsabilidade Civil A responsabilidade Civil e Penal do Profissional Contábil depois do Novo Código Civil - Apresentar casos práticos na sociedade inerentes atos fraudulentos ocorridos por profissionais contábeis. O trabalho se justifica na medida em que propõe um assunto de extrema importância que é a Responsabilidade Civil e Penal do Profissional Contábil, tema que desperta a curiosidade de todos, tendo em vista enfocar os fundamentos da responsabilidade civil e da respectiva reparação do dano, moral e/ou material, bem como sua importância no ordenamento jurídico brasileiro, como forma de destacar a importância dos contadores para a sociedade brasileira. A metodologia utilizada foi o da pesquisa bibliográfica, que de acordo com Manzo (apud LAKATOS e MARCONI, 2000, p.66) oferece meios para definir, resolver, não somente problemas já conhecidos, como também explorar novas áreas onde os problemas não se cristalizam suficientemente. E ainda segundo Gil (2000, p.48): 11

12 [ ] é o estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material acessível ao público e geral. Fornece instrumental analítico para qualquer outro tipo de pesquisa, mas também pode esgotar-se em si mesma. O material publicado pode ser fonte primária ou secundária. Sendo assim, a pesquisa bibliográfica é o método mais indicado para a presente pesquisa, pois não é mera reprodução do que já foi escrito sobre determinado assunto, mas favorece uma análise de um tema sob um novo foco ou abordagem. Esta pesquisa teve uma abordagem qualitativa realizada através de consulta de livros e artigos de revistas, anuários, coletâneas estatísticas, também foram obtidas informações junto a boletins de órgãos e revistas especializadas na área, dentre outros e graças a integração de dados, enfatizando os atuais meios de assimilação de informações, destaque especial para o meio de comunicação via rede de informática, o que nos oferece a possibilidade de conhecer as técnicas de contabilidade. O trabalho está estruturado em cinco capítulos, concernentes ao referencial teórico. No primeiro capítulo foram abordados pontos fundamentais da referida pesquisa, levando em consideração aspectos introdutórios, tais como: A Origem da Contabilidade, Evolução Histórica da Contabilidade, Contabilidade no Brasil, As Atribuições dos Contabilistas no Exercício da Atividade Contábil e a Profissão. Neste segundo capítulo foi abordado os pontos referentes a evolução histórica da responsabilidade civil, da responsabilidade, bem como da Responsabilidade Civil e Penal. Faremos uma pequena explanação sobre os assuntos supramencionados, os quais serão aprofundados no decorrer deste trabalho monográfico. Já no terceiro capítulo foi levado em consideração a Conservação e Guarda da Documentação, as Demonstrações Contábeis e sua Visibilidade junto a Sociedade, Sistema Público Escrituração Digital SPED, Obrigatoriedade do Livro 12

13 Diário, o Valor Probante da Escrituração e as penalidades Previstas no Código de Ética Profissional da profissão Contábil. No quarto e penúltimo capítulo foram abordados todos os pontos trazidos pelo Novo Código Civil, bem como todas as responsabilidades do contador previstas no referido Código, tais como: Novo Código Civil, Responsabilidade Civil, Responsabilidade Penal, Responsabilidade Subjetiva do Perito Contábil, a Prestação de Serviço do Contador e o Direito do Consumidor, Responsabilidade Civil dos Profissionais de Contabilidade no Direito das Empresas, Responsabilidade Civil e Penal do Contabilista pela Escrituração Contábil, a Responsabilidade do Profissional de Contabilidade Considerando os Sistemas de Gestão Empresarial (ERP), a Responsabilidade do Profissional Contábil como Preposto, a Responsabilidade do preponente e o Contabilista e Outros Auxiliares No último capítulo foi realizada uma pesquisa na internet referente a reportagens e julgamentos condenando o profissional contábil. Pode-se perceber que alguns profissionais não entenderam que após o Novo Código Civil entrar em vigor, a responsabilidade aumentou bastante, tendo o contador que se conscientizar para realizar o trabalho de forma honesta e clara. 13

14 1. CONTABILIDADE NAS EMPRESAS No primeiro capítulo foram abordados pontos fundamentais da referida pesquisa, levando em consideração aspectos introdutórios, tais como: A Origem da Contabilidade, Evolução Histórica da Contabilidade, Conceito de Contabilidade, As Atribuições dos Contabilistas no Exercício da Atividade Contábil e a Profissão Contábil ORIGEM DA CONTABILIDADE Através do tempo constata-se a necessidade do homem em preservar a memória dos fatos sucedidos, então surgiu a contabilidade, para quantificar riquezas, até sem nenhum valor agregado. É em relação ao surgimento da contabilidade que existe uma grande divergência de opiniões entre os doutrinadores, uns argumentam que o nascimento se deu uma época, enquanto a grande maioria acredita que a contabilidade existe desde os primórdios das civilizações, conforme explicitações a seguir: Schmidt (2000, p.11) pondera que embora se tenha por costume considerar a obra La Summa de Arithmetica, Geometria, Proportioni et Proportionalitádo Frei Luca Pacioli como o nascimento da Contabilidade, uma série de descobertas arqueológicas vem alterando esse pensamento, levando-nos a refletir a Contabilidade como advinda da era pré-histórica, juntamente com a origem das civilizações. De acordo com Sá (2007), a Contabilidade teve início há cerca de anos, através de demonstrações primitivas como pinturas líticas e gravações em ossos de rena. Essas pinturas e gravações são conferidas à necessidade que o tinha de registrar de alguma forma seus bens. Castro e Garcia (2004, p ) dividem a história da Contabilidade em quatro períodos: a) Contabilidade do mundo antigo: período em que se inicia com a civilização do homem e vai até 1202 da Era Cristã, quando Leonardo Fibonacci seu Líber abacci, um compendio sobre o cálculo comercial; b) Contabilidade do mundo medieval: período que vai de 1202 da Era 14

15 Cristã até 1494, quando apareceu o Tractatus de computis et scripturis (Contabilidade por partidas dobradas) de frei Luca Pacioli, publicado em 1494, enfatizando que a teoria contábil do débito e do crédito corresponde à teoria dos números positivos e negativos. Essa obra representa o marco básico na evolução da contabilidade. Pacioli é considerado, portanto o pai dos autores de contabilidade ; c) Contabilidade do mundo moderno: período que vai de 1494 até 1840, com o aparecimento da obra Lacontabilita applicatta alle amministrazioni private e pubbiche, da autoria de Francesoi Villa, premiada pelo governo da Austria. É considerada uma obra marcante na história da contabilidade; d) Contabilidade do mundo científico: período que se inicia em 1840 e continua até os dias de hoje. Segundo autores italianos, o ano de 1840, com a obra de Francesco Villa, é considerado o demarcador do início da fase em que a contabilidade se afirma como ciência. Pode-se observar que a contabilidade é de extrema importância, uma vez que surgiu com a origem das civilizações e evoluiu de acordo com o progresso desta, surgindo no desenvolvimento da Ciência Contábil com diversos pensadores e estudiosos no assunto. Ressalta-se que é de fundamental importância os quatro grandes períodos da história da contabilidade, tendo cada período uma participação especial, principalmente em relação à evolução da contabilidade, objeto de estudo do próximo item A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA CONTABILIDADE A contabilidade vem evoluindo ao longo dos séculos, através da incorporação de práticas, postulados, princípios, em virtude da necessidade de padronizar os procedimentos contábeis utilizados pelas empresas, a fim de tornar as demonstrações contábeis acessíveis a todos os usuários. A contabilidade, mesmo sem os mecanismos modernos disponibilizados nessa década, se faz presente a muitos anos antes de Cristo, junto à sociedade, mantendo sua máxima que é informar ao usuário a movimentação de seu patrimônio. O seu desenvolvimento acompanha a evolução da civilização, cujo crescimento e 15

16 progresso da humanidade faz com que se torne cada vez mais eficiente e fiel ao que se propõe, não alterando sua finalidade ao longo do tempo, como afirma Iudícibus (2000, p.20): A função fundamental da contabilidade [ ] tem permanecido inalterada desde os seus primórdios. Sua finalidade é prover os usuários dos demonstrativos financeiros com informações que os ajudarão a tomar decisões. A Ciência Contábil continua evoluindo no sentido de gerar informações qualitativas, buscando uma maior aproximação com o usuário das informações para que suas necessidades sejam identificadas e atendidas com maior eficácia. Tendo em vista as mudanças no cenário mundial, com a globalização e os avanços da tecnologia, Hendriksen e Breda (1999, p. 38) afirmam que a contabilidade continuará evoluindo em resposta as mudanças no ambiente, novas descobertas e progressos tecnológicos. E Iudícibus (2000, p. 44) ainda acrescenta que verifica-se que normalmente o grau de avanço da contabilidade está diretamente associado ao grau de progresso econômico, social e institucional de cada sociedade. Um breve passeio pela historia da contabilidade comprova o que os autores acima citados comentam. A ciência Contábil não esta parada no tempo, ela acompanha os avanços tecnológicos e as mudanças de posturas que ocorrem na sociedade, estando atentas as necessidades exigidas pelo usuário na sociedade da informação CONCEITO DE CONTABILIDADE Como dito anteriormente, a contabilidade é uma ciência milenar que surgiu através da necessidade dos proprietários em controlar, conhecer e obter informações idôneas sobre o seu patrimônio. Ressalta-se que a Contabilidade é dividida em duas grandes ramificações: a privada e a pública, onde a primeira registra os fatos administrativos de direito privado, dividida entre civil e comercial, estudando tanto a pessoa física como a privada. Já a Contabilidade Pública será 16

17 estudada a seguir de forma mais apurada. Segundo Robert Newton apud Braga (1997, p.98) a Contabilidade deve ser um meio de expressar planos administrativos e um instrumento eficiente para relatar os resultados da administração. Os demonstrativos contábeis têm em suas bases informações de extrema importância, no que tange o controle, análise e evidenciação. A contabilidade possui entre suas tarefas mais urgentes a transmissão de informações aos setores com objetivo de propiciar ao usuário informações úteis à gestão do patrimônio um sistema de informação. Contabilidade é a ciência que estuda, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades, mediante o registro, a demonstração expositiva e a revelação desses fatos com o fim de oferecer informações sobre a composição do patrimônio, suas variações e o resultado econômico decorrente da gestão da riqueza patrimonial. ( FRANCO, 1999p.19). Portanto é o grande instrumento que auxilia a administração a tomar decisões. Na verdade ela coleta todos os dados econômicos, mensurando e registrando em forma de relatórios ou de comunicados, que contribuem para a tomada de decisões. 1.4 AS ATRIBUIÇÕES DOS CONTABILISTAS NO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE CONTÁBIL Nos dias atuais a profissão contábil é regida pelo Decreto Lei n 9.295/46, onde regulamenta duas categorias profissionais: o contador e técnico em contabilidade, com atribuições específicas para cada categoria. Segundo Fortes (2001, p.23), ( ) o contador é um profissional de nível superior, portador do diploma de bacharel em Ciências Contábeis, devidamente registrado no Conselho Regional de Contabilidade. A ausência do diploma no CRC, além do impedimento do exercício da profissão, não lhe dá o título de contador, sendo considerado somente o título de bacharel em Ciências Contábeis. 17

18 Afirma ainda Fortes (2001, p. 23), O técnico em contabilidade é um profissional de nível médio, portador do certificado de conclusão do segundo grau, com a habilitação de técnico em contabilidade, que, também, para exercer a profissão, terá de estar devidamente registrado no Conselho Regional de Contabilidade. As atividades contábeis só devem ser exercidas por quem é habilitado junto ao Conselho Regional de Contabilidade do Estado sempre obedecendo à respectiva jurisdição. O exercício de atividade que exija aplicação dos conhecimentos contábeis é privilégio dos profissionais contábeis regularmente inscritos no Conselho Federal de Contabilidade de sua jurisdição, observadas as normas e resoluções estabelecidas pelo Conselho Federal de Contabilidade. Após a conclusão do curso, deverá ser feita a avaliação através de uma prova, da qual é chamada Exame de Suficiência, para obtenção do registro de Contador ou Técnico em contabilidade. As atribuições profissionais estão contidas na Lei n 9.295/76, especificamente nos artigos 25 e 26. Conforme segue: a) organização e execução de serviços de contabilidade em geral: b) escrituração dos livros de contabilidade obrigatórios, bem como de todos os necessários no conjunto da organização contábil e levantamento dos respectivos balanços e demonstrações; c) perícias judiciais ou extrajudiciais, revisão de balanços e de conta em geral, verificação de haveres, revisão permanente ou periódica de escritas, regulações judiciais ou extrajudiciais de avarias grossas ou comuns, assistências aos Conselhos Fiscais das sociedades anônimas e quaisquer outras atribuições de natureza técnica conferidas por lei aos profissionais de contabilidade. No que se referem aos peritos, estes são escolhidos entre profissionais de nível universitário inscritos na classe competente. A categoria profissional e o cadastro no CRC poderão realizar qualquer trabalho. Salvo algumas atribuições. Essas atribuições o Técnico em Contabilidade poderá exercer em situações das 18

19 quais seja titular. Na resolução n 560/83, faz um breve relato dessas atribuições que diferenciam Contadores do Técnico Contábil. Assim, temos: 1- Apuração de haveres e avaliações de direitos e obrigações, do acervo patrimonial de quaisquer entidades, em vista de liquidação, fusão, cisão, expropriação no interesse público, transformação ou incorporação dessas entidades, bem como em razão de entrada, retirada, exclusão ou falecimento de sócios, quotistas ou acionistas; 2- concepção dos planos de determinação das taxas de depreciação e exaustão de bens materiais e dos de amortização dos valores imateriais, inclusive de valores diferidos; 3- análise de balanços; 4- estudo sobre destinação de resultado e cálculo lucro por ação ou outra unidade de capital investido; 5- conciliação de contas; 1.5 A PROFISSÃO CONTÁBIL Devido à grande necessidade que se fazer nas organizações atuais de bons gestores, o profissional contábil, por está inserido nas informações econômicas e financeiras da empresa, bem como na evolução de seu patrimônio, passou a engajar-se cada vez mais no processo de gestão das organizações, agregando desta forma maior valor a profissão, e melhorando sua imagem. Agilidade, dinamismo, tempestividade devem ser características básicas do profissional contábil, assim como bom relacionamento interpessoal, para poder agir com facilidade com as diversas áreas das organizações. Marion comenta (2003, p.138), 19

20 ( ) a sociedade não valoriza devidamente esse profissional, a imagem deste em nossa sociedade não é a melhor possível (aparentemente não muito criativo talvez um pouco tímido e, em alguns casos extremos, até com suspeita de ausência de idoneidade profissional). Portanto, os empresários devem visualizar o contador como profissional fundamental para tomada de decisões a nível gerencial e financeiro, e não somente tê-lo por imposição legal. Contudo, para uma valorização plena do profissional contábil é essencial a pratica do seu trabalho baseado na ética profissional. Como afirmam Fortes e Marion (2003, p.140), As obrigações no campo ético decorrentes da convivência devem ter por base, além de tudo aquilo que já somos ou realizamos, o que poderemos realizar ou vir a conquistar. Portanto, os horizontes e possibilidades futuras de realizações fazem parte dos nossos direitos e obrigações e devem ser observados de modo a permitir uma convivência social adequada e justa. A ética profissional deve ser adotada por todos os profissionais, independentemente de sua atuação ou área no mercado. De modo específico o contador é regido por um código de ética, onde determina a sua postura e conduta adequada diante de sua profissão. Diante desta postura ética, o contador irá desenvolver uma carreira promissora e sólida, lhe garantindo respaldo e crescimento futuro no mercado de trabalho, adotando uma postura adequada e justa diante do seu cliente. 20

21 2. CONCEITO DE RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL, EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA RESPONSABILIDADE CIVIL. Neste segundo capítulo serão abordados os pontos referentes à Evolução Histórica da Responsabilidade Civil, da Responsabilidade, bem como da Responsabilidade Civil e Penal. Faremos uma pequena explanação sobre os assuntos supramencionados, os quais serão aprofundados no decorrer deste trabalho monográfico EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA RESPONSABILIDADE CIVIL. Nos primórdios da civilização, não existia previsão para regular as relações entre os indivíduos e não havia a noção da responsabilidade civil. Afirma Oliveira (2005, p.5), a Bíblia determinou que cada um respondesse pelos seus atos (Deuteronômio, 24,16), em seguida apareceu a lei do talião, considerada uma limitação da responsabilidade, pois limitava a reparação ao valor do dano causado. Assim prevaleceu a lei do mais forte, justiça com as próprias mãos. De acordo com Alvino Lima (1963, p.23) citando por Carlos Roberto Gonçalves esta Lei, era forma primitiva, selvagem talvez, mas humana, de reação espontânea e natural contra o mal sofrido; solução comum a todos os povos nas suas origens, para a reparação do mal pelo mal. Logo após esse período, vem à tabua de Nippur Vigente em 2050 a.c., apontada como o primeiro texto que continha indícios de uma indenização aos danos causados à pessoa. No início do direito romano, a responsabilidade era objetiva, sendo assim, apresentado como reação da vítima contra a causa aparente do dano. Logo depois, começou a existir a figura da composição, uma espécie de resgate da culpa, onde o ofensor recebe o perdão de sua vítima através de uma 21

22 contraprestação, sendo paga de acordo com o prejuízo causado e sua condição econômica e é proibido ao lesado fazer justiça com as próprias mãos. A segunda fase é a vingança privada, baseada em idéias foram desenvolvidas pelo código de Hamurabi, no ano 1750 a.c., que instituiu noções de indenização. Conforme dispões Alvino Lima (1963), in Beuren (2005, p.06): Dessa primitiva forma de responsabilidade, passou-se a composição voluntária, pela qual o lesado, podendo transigir, entra em composição com o ofensor, recebendo um resgate, isto é, uma soma em dinheiro ou entrega de objeto. A vingança é substituída pela composição a critério da vítima, subsistindo, portanto como fundamento ou forma de reintegração do dano sofrido. Então surge o código pela necessidade da existência de um sistema fechado, com o objetivo de garantir a segurança jurídica. Na responsabilidade Civil o interesse é diretamente do lesado. É o interesse privado. O seu procedimento causa danos e deve ser reparado através de uma indenização a ser exigida pela vítima do agente causador do dano. 2.2 RESPONSABILIDADE Para Monteiro (1999. p. 59), A noção de responsabilidade advém da própria origem da palavra, que vem do latim respondere, responder a alguma coisa, ou seja, a necessidade que existe de responsabilizar alguém por seus atos danosos. Essa imposição estabelecida pelo meio social. Essa imposição estabelecida pelo meio social regrado, através dos integrantes da sociedade humana, de impor a todos o dever de responder por seus atos, traduz a própria noção de justiça existente no grupo social, onde se insere que a responsabilização é a tradução, para o sistema jurídico, do dever moral de prejudicar a outrem, ou seja, o neminem laedere. 22

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade?

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? I. MULTAS (Legislação do SPED) - I por apresentação extemporânea: a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE NA LEI FALIMENTAR

RESPONSABILIDADE PENAL DO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE NA LEI FALIMENTAR RESPONSABILIDADE PENAL DO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE NA LEI FALIMENTAR Celso Marcelo de Oliveira SUMÁRIO: Introdução - 1. Evolução histórica da contabilidade - 2. Noções gerais sobre responsabilidade

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO 1 AUDITORIA ETERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA AVIER, Débora LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA,

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Acervo técnico, sua valorização e reconhecimento contábil.

Acervo técnico, sua valorização e reconhecimento contábil. Acervo técnico, sua valorização e reconhecimento contábil. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a valorização importância, reconhecimento e mensuração dos

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL 3 19 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO EM FORMA ELETRÔNICA 20 29 ESCRITURAÇÃO

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho. I. Obrigações comuns a todos os empresários

LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho. I. Obrigações comuns a todos os empresários LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Obrigações comuns a todos os empresários - Registrar-se conseqüência pelo descumprimento: Irregularidade.

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada:

Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: Aula 1 Responsabilidade Civil. Bibliografia recomendada: GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade civil. 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2009. CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil.

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Liberty International Underwriters Specialty Casualty

Liberty International Underwriters Specialty Casualty Liberty International Underwriters Specialty Casualty RESPONSABILIDADE DE ADMINISTRADORES D&O Liberty Mutual Insurance Company (LMIC) Proprietary and Confidential Fundada no ano de 1912 em Boston, EUA

Leia mais

Responsabilidades do Empregador

Responsabilidades do Empregador Responsabilidades do Empregador RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA trabalhador poderá exigir que a obrigação seja satisfeita integralmente por um dos coobrigados (p.ex.: grupo de empresas, empreiteiros) RESPONSABILIDADE

Leia mais

A importância do contrato de prestação de serviços contábeis. The importance of the accounting services agreement

A importância do contrato de prestação de serviços contábeis. The importance of the accounting services agreement A importância do contrato de prestação de serviços contábeis The importance of the accounting services agreement Romilda Duffecke (a) ; Professor Jailson de Souza Araújo (b) (a) Acadêmica do 4 Período

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Responsabilidade Empresa de Software

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Responsabilidade Empresa de Software Parecer Consultoria Tributária Segmentos 06/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Análise da Consultoria... 3 2.1 Obrigação Tributária... 3 2.2 Sujeito Passivo da Obrigação Tributária...

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no DOE em 01/12/2011 Dispõe sobre a solicitação eletrônica de baixa de inscrição no Cadastro Geral da Fazenda (CGF), e dá outras providências.

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 1 RESPONSABILIDADES TRIPARTITES RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE CIVIL

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA

UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA UNISALESIANO LINS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE BÁSICA PROFESSORA: NOELI BORDIM GRAMINHA 1º Semestre/2012 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MÓDULO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: TÓPICOS ESPECIAIS EM LEGISLAÇÃO AMBIENTAL: Engenharia Química CÓDIGO: GEQ

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED: UMA NOVA ERA NA PROFISSÃO CONTÁBIL

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED: UMA NOVA ERA NA PROFISSÃO CONTÁBIL SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED: UMA NOVA ERA NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Sérgio MassaoYukishita Acadêmico

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso.

ANUCIANTE declara que aquiesceu com todas as condições apresentadas no presente Termo de Uso. O website e domínio www.busquecursos.co, bem como seus subdomínios, funcionalidades, conteúdo e demais aplicações e serviços (incluindo aplicações mobile) estão sujeitos aos termos e condições deste termo

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de

Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de evidenciação Inexistência de escrituração contábil Inexistência

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários...

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... Sumário Prefácio... 15 Introdução... 19 PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23 Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... 25 1. Infração tributária e crime contra a ordem tributária...

Leia mais

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos DEPEN DEPARTAMENTO DE ENSINO A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ivan da Silva Bié 2, Marcus Vinicius Silva Ferraz 3, Mariana Cardoso Mendes

Leia mais

Aula Nº 12 Auditoria Externa

Aula Nº 12 Auditoria Externa Aula Nº 12 Auditoria Externa Objetivos da aula: Apresentar a atividade de auditoria externa (independente) como meio para aferir a eficiência dos controles e como ferramenta administrativa para validação

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

Colaborando com este pensamento temos o artigo 1179 do Código Civil 2002.

Colaborando com este pensamento temos o artigo 1179 do Código Civil 2002. UNIDADE IV CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: REGISTRO DE EMPRESA PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: Livros comerciais: obrigações comuns a todos os empresários. Espécies de

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE A vida em sociedade somente é possível através dos relacionamentos entre as pessoas. Seja do ponto de vista pessoal ou profissional, todos os atos praticados implicam

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

COMEMORAÇÃO DO DIA DO CONTADOR

COMEMORAÇÃO DO DIA DO CONTADOR COMEMORAÇÃO DO DIA DO CONTADOR 1 DECRETO-LEI Nº 9295/46, ALTERADO PELA LEI 12.249/2010 Art. 6º São atribuições do Conselho Federal de Contabilidade:... f) regular acerca dos princípios contábeis, do Exame

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.687, DE 2012 Altera o inciso I do artigo 37 da Lei nº 8.934, de 18 de novembro de 1994, que Dispõe sobre o Registro Público

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DOS CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA O título reservado aos crimes contra a fé pública divide-se em quatro capítulos, com as seguintes epígrafes: Da moeda falsa, Da falsidade de títulos e outros papéis públicos,

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE IX ENCONTRO NACIONAL DA MULHER CONTABILISTA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS VISÃO DA AUDITORIA

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE IX ENCONTRO NACIONAL DA MULHER CONTABILISTA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS VISÃO DA AUDITORIA CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE IX ENCONTRO NACIONAL DA MULHER CONTABILISTA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS VISÃO DA AUDITORIA 1 PRINCIPAIS RISCOS ENVOLVIDOS NO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO CONTÁBIL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Nesta matéria vamos tratar dos prazos de prescrição para a guarda de documentos contábeis, declarações acessórias e dos tributos federais pagos.

Nesta matéria vamos tratar dos prazos de prescrição para a guarda de documentos contábeis, declarações acessórias e dos tributos federais pagos. GUARDA DE DOCUMENTOS E LIVROS Prazos de Prescrição 1. Introdução Com a chegada do novo ano, as empresas têm a necessidade de guardar os documentos fiscais de períodos anteriores e com eles vêm dúvidas

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED Luiza Helena Flores 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação, Av. Shishima

Leia mais

SPED Contábil. ECD Escrituração Contábil Digital. Vera Lucia Gomes 28/08/2008 ABBC. www.spednet.com.br 1

SPED Contábil. ECD Escrituração Contábil Digital. Vera Lucia Gomes 28/08/2008 ABBC. www.spednet.com.br 1 SPED Contábil ECD Escrituração Contábil Digital Vera Lucia Gomes 28/08/2008 ABBC www.spednet.com.br 1 Programa Apresentação e Objetivos Regulamentação Livros contemplados Aspectos importantes da legislação

Leia mais

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca Aspectos Jurídicos na Ventilação Mecânica Prof. Dr. Edson Andrade Relação médico-paciente Ventilação mecânica O que é a relação médico-paciente sob a ótica jurídica? Um contrato 1 A ventilação mecânica

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 Regulamenta as Leis nº 2.475, de 1996, e nº 4.774, de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais