Planejamento Financeiro para uma nova realidade brasileira. Encontro com Investidores. Gisele Andrade CFP e Luiz Sorge CFP Diretores do IBCPF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Financeiro para uma nova realidade brasileira. Encontro com Investidores. Gisele Andrade CFP e Luiz Sorge CFP Diretores do IBCPF"

Transcrição

1 Planejamento Financeiro para uma nova realidade brasileira Encontro com Investidores Gisele Andrade CFP e Luiz Sorge CFP Diretores do IBCPF Brasília 18/04/2013

2 Um novo contexto para o Planejamento Financeiro Cenário Econômico Sociedade da Informação Suitability (API)

3 Um novo contexto para o Planejamento Financeiro Cenário Econômico Sociedade da Informação Suitability (API)

4 A certeza de um mundo mais dinâmico, ou mais difícil de entender; No Brasil renda crescente - Menos afetado pela crise internacional; - Outros emergentes também encontram-se nessa situação; Ciclos de crescimento econômico geram aumento no estoque de riqueza; Juros mais baixos O Brasil e o cenário econômico - Investidores buscam maiores retornos; - Níveis de risco mais elevados em seus portfólios

5 O Brasil e o cenário econômico Juro Real: A principal mudança estrutural com impactos no Planejamento Financeiro Individual

6 Um novo contexto para o Planejamento Financeiro Cenário Econômico Sociedade da Informação Suitability (API)

7 Informação: - O investidor tem cada vez mais acesso através de mídias e dispositivos diversos: Internet, PC, IPhone, Black Berry, etc O conhecimento: - Não está mais concentrado; - Não é mais monopólio; -...E está disponível em tempo real; Os 3 efeitos colaterais: - Gera ansiedade (FOMO*); - Você no poder; Vivemos na Sociedade da Informação - Demanda por mais informação; *Fear Of Missing Out

8 Vivemos na Sociedade da Informação Também gera uma necessidade crescente por educação financeira; Para Bancos, AM, Corretoras, IFAs... Questionamento dos investidores cada vez mais embasado tecnicamente; Necessidade constante de aprimoramento dos profissionais.

9 Um novo contexto para o Planejamento Financeiro Cenário Econômico Sociedade da Informação Suitability (API)

10 Suitability É fundamental conhecer o investidor e suas características próprias, de forma a oferecer a melhor recomendação de investimentos. Suitability não é só uma exigência regulatória, é uma nova forma de oferecer produtos!

11 Suitability Porém a nova abordagem de Planejamento Financeiro envolve diversos produtos e serviços, não limitados a investimentos: Seguros; Previdência; Crédito x Fluxo de Caixa; Sucessão; e Tributário

12 Os Ciclos de vida e o que é mais importante em cada um deles

13 Resumindo os Ciclos de Vida Fase Produtiva Melhor Idade Fase Educacional

14 O que deve ser considerado no Processo de Planejamento Financeiro? Escala de importância e ou Sofisticação Fluxo de Caixa Previdência Investimentos Financiamentos Seguros Sucessório Tributário

15 O que deve ser considerado no Processo de Planejamento Financeiro? Escala de importância e ou Sofisticação Fluxo de Caixa Previdência Investimentos Financiamentos Seguros Sucessório Tributário Classes Sociais C B A AA AAA

16 O que deve ser considerado no Processo de Planejamento Financeiro? Escala de importância e ou Sofisticação Fluxo de Caixa Previdência Investimentos Financiamentos Seguros Sucessório Tributário Classes Sociais C B A AA AAA Fase Educacional Fase Produtiva Melhor Idade

17 Escala de Importância na Fase Educacional C B A AA AAA Fluxo de Caixa Previdência Investimentos Financiamentos Seguros Sucessório Tributário

18 Escala de Importância na Fase Produtiva C B A AA AAA Fluxo de Caixa Previdência Investimentos Financiamentos Seguros Sucessório Tributário

19 Escala de Importância na Melhor Idade C B A AA AAA Fluxo de Caixa Previdência Investimentos Financiamentos Seguros Sucessório Tributário

20 Resumindo O mundo mais complexo traz desafios e oportunidades, temos que buscar Educação Financeira para termos novas ferramentas para enfrentá-lo; Instituições e Reguladores devem manter o grau de segurança atingido, porém buscando uma constante evolução em linha com o novo contexto que se apresenta.

21 Muito Obrigado!

22 O Processo de Planejamento Financeiro e a Certificação CFP

23 Processo de Planejamento Os 6 passos Análise e avaliação Informação Relacionamento Recomendação Implementar Monitorar Definição do escopo do trabalho através Análise inicial das condições/situação do cliente. Obter informações, dados e objetivos do cliente Definir o relacionamento entre cliente e planejador Desenvolver recomendações e ou alternativas de planejamento financeiro ao cliente Plano Financeiro Implementar recomendações do planejamento financeiro Monitorar recomendações do planejamento

24 Processo de Planejamento Os 6 passos 1. Início do relacionamento Informar o potencial cliente sobre o planejamento financeiro e as competências do profissional de planejamento financeiro; Identificar se as necessidades do cliente podem ser atendidas; Definir o escopo de serviço.

25 Processo de Planejamento Os 6 passos 2. Coletar as informações do cliente Identificar detalhadamente os objetivos pessoais, financeiros, as necessidades e prioridades do cliente; Coletar informações quantitativas e documentos; Coletar informações qualitativas.

26 Processo de Planejamento Os 6 passos 3. Analisar e avaliar a situação financeira do cliente Analisar as informações do cliente; Comparar o que o cliente possui com as alternativas disponíveis no mercado; Identificar ineficiências e riscos.

27 Processo de Planejamento Os 6 passos 4. Desenvolver e apresentar recomendações: Identificar e avaliar estratégias de planejamento financeiro; Desenvolver recomendações de planejamento financeiro e formas de migrar do estado atual para o recomendado; Apresentar as recomendações ao cliente.

28 Processo de Planejamento Os 6 passos 5. Implantar as recomendações de planejamento financeiro do cliente Chegar a um acordo sobre as responsabilidades durante a implantação; Identificar e apresentar produto(s) e serviço(s) para a implantação; Definir os critérios de acompanhamento

29 Processo de Planejamento Os 6 passos 6. Analisar e monitorar Elaborar, consolidar e relatar a evolução da situação financeira e de outros serviços/produtos detidos pelo cliente; Constantemente analisar e reavaliar se necessário a situação do cliente, considerando as sua dinâmica pelos ciclos de vida.

30 Planejamento Financeiro Pessoal Nasce uma profissão... Que visa atender os objetivos financeiros e de vida do cliente... uma mudança de postura Com ênfase no processo sem foco na venda de produtos,

31 Certified Financial Planner CFP, marca internacionalmente reconhecida como excelência em planejamento financeiro pessoal.

32 Planejador Financeiro Direito Valores Mobiliários Seguros e Previdência Imóveis OAB CVM / BACEN ANBIMA SUSEP CNseg ABE CIP Trib u ta-rista Civil (Sucessório) CPA 10 / CPA 20 Consultor de Investimento Securitário FenSeg Agente Autonomo Fena- Saude Fena-Cap Previdenciário Fena- Previ Creci

33 Certificação Entidade certificadora Licença do FPSB para certificação CFP Código de Ética e de Conduta Profissional Associação de planejadores financeiros Promoção do conceito de planejamento financeiro pessoal e da certificação CFP

34 Visite o site do IBCPF:

35 Muito Obrigada!

8/25/2015. Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos

8/25/2015. Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos 1 Planejamento Financeiro Transforma a Vida das Pessoas Processo de Planejamento 2 Definir o relacionamento entre cliente e planejador Obter informações,

Leia mais

Perfil de Competências do Planejador Financeiro

Perfil de Competências do Planejador Financeiro Perfil de Competências do Planejador Financeiro Prezado leitor, Esta brochura contém um trabalho elaborado pelo Financial Planning Standards Board FPSB, entidade que gerencia, divulga e controla a Certificação

Leia mais

Os desafios de capacitação dos profissionais certificados Workshop de Certificação

Os desafios de capacitação dos profissionais certificados Workshop de Certificação Os desafios de capacitação dos profissionais certificados Workshop de Certificação 01.10.2015 A promoção da Educação Financeira é um das prioridades da ANBIMA Fortalecer o mercado de capitais no Brasil

Leia mais

Novo PD CEA. Vigência a partir de 01/04/2017

Novo PD CEA. Vigência a partir de 01/04/2017 Novo PD CEA Vigência a partir de 01/04/2017 Módulo I: Revisão PD CEA e início da vigência Exclusão dos Códigos ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para: (i) Serviços Qualificados ao Mercado de Capitais;

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A ATUAÇÃO DO IBCPF NESSE CONTEXTO

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A ATUAÇÃO DO IBCPF NESSE CONTEXTO PLANEJAMENTO FINANCEIRO E OS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO A ATUAÇÃO DO IBCPF NESSE CONTEXTO Gisele C. Andrade, CFP Rio de Janeiro, Dezembro de 2014 Licença do FPSB para promover a certificação CFP no Brasil

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

Experiências de propostas de empregabilidade para alunos do ensino superior

Experiências de propostas de empregabilidade para alunos do ensino superior Gestão da permanência: o que as IES estão fazendo para reter seus alunos? Experiências de propostas de empregabilidade para alunos do ensino superior Gislaine Moreno - Diretora de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Este material foi elaborado pela Gestão de Recursos Ltda. ( ), e não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem sua prévia e expressa concordância. Página 1 de 6 Ficha

Leia mais

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Objetivos Gerais: Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Este curso tem como objetivo dotar os participantes das competências que lhes permitam compreender as diferentes abordagens de avaliação de

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE INVESTIMENTOS, GESTOR DOS RECURSOS E COMITÊ DE INVESTIMENTOS

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE INVESTIMENTOS, GESTOR DOS RECURSOS E COMITÊ DE INVESTIMENTOS PARECER DE INVESTIMENTO Nº. 088/2016 Cuiabá MT, 11 de maio de 2016 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE INVESTIMENTOS, GESTOR DOS RECURSOS E COMITÊ DE INVESTIMENTOS Prezados senhores diretores executivos; Enviamos

Leia mais

Promovendo a Certificação Certified Financial Planner CFP

Promovendo a Certificação Certified Financial Planner CFP MANUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DO PROFISSIONAL CFP, CERTIFIED FINANCIAL PLANNER Promovendo a Certificação Certified Financial Planner CFP Manual de Educação Continuada CFP TM A Educação Continuada dos profissionais

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Versão 2016.1 Editada em abril de 2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DA POLÍTICA... 2 2.1. Dos prestadores de serviços... 2 2.2. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

Investimentos no Mercado Imobiliário Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Investimentos no Mercado Imobiliário Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises

2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises 2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises Visão do Financiador e Investidor Institucional Renê Sanda Membro do Conselho de Administração da CPFL e do FGC Comunidade de Conselheiros

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s

Seminário Internacional de Certificação Profissional. Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília novembro 2005 Contribuição dos CEFET s Certificação Profissional - Definição Usual Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes

Leia mais

Sumário. Prefácio, xix

Sumário. Prefácio, xix Sumário Prefácio, xix 1 Introdução, 1 Objetivo do livro, 2 1.1 Citações importantes sobre planejamento financeiro com destaque para o fluxo de caixa no contexto empresarial, 2 2 Administração financeira

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API)

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º Estas Diretrizes tem por

Leia mais

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas II.1 ADMINISTRAÇÃO JURÍDICA 1. Diferenciar nos processos administrativos: pessoa física e/ou pessoa jurídica. 2. Interpretar formas de contrato e compreender suas características. 3. Identificar as características

Leia mais

Implantando Pontos de Função com PSM

Implantando Pontos de Função com PSM Implantando Pontos de Função com PSM Diana Baklizky & Cecília Techy diana@metricas.com.br cecilia@metricas.com.br ti MÉTRICAS R. Domingos de Morais, 2243/36 São Paulo, SP Brasil www.metricas.com.br 1 Agenda

Leia mais

Gestão Estratégica de Projetos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Gestão Estratégica de Projetos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS. Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME

REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS. Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME REGRAS, PROCEDIMENTOS E DESCRIÇÃO DOS CONTROLES INTERNOS Tutors Multi Family Office Gestão de Patrimônio EIRELI - ME Sumário I. Introdução... 3 II. Política de Confidencialidade... 4 III. Políticas de

Leia mais

Poupança e investimento:

Poupança e investimento: Poupança e investimento: decisões que podem mudar a sua vida Júlio César Dahbar, CFP Comissão de Valores Mobiliários (CVM) 18/05/2016 Palestra na FACHO As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação

Leia mais

Human Opus ng eti mark

Human Opus ng eti mark Assessment Assessment Ferramenta Conhecer com maior eficiência e critério as pessoas, avaliar competências, buscar o autoconhecimento e o desenvolvimento. As melhores ferramentas de análise de perfil comportamental

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Estrategias para Busca de Emprego

Estrategias para Busca de Emprego Estrategias para Busca de Emprego Apresentação Atualmente o problema de desemprego atinge a todos. Não importa se é homem, mulher, jovem, adulto, se tem ou não experiência nem o seu nível de qualificação,

Leia mais

PMO VALUE RING. Americo Pinto. Diretor de Pesquisa PMO TOOLS Technologies

PMO VALUE RING. Americo Pinto. Diretor de Pesquisa PMO TOOLS Technologies PMO VALUE RING Americo Pinto Diretor de Pesquisa PMO TOOLS Technologies O QUE É O PMO VALUE RING? O PMO VALUE RING é uma metodologia para criar ou reestruturar PMOs. Ela foi criada em conjunto com profissionais

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Aula Revisão 06/09 Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Questões 1 Como pode ser definida a 1ª fase da qualidade?

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA: A disciplina tem como objetivo apresentar aos alunos os fundamentos da construção do

Leia mais

Responsabilidade da Direção

Responsabilidade da Direção 5 Responsabilidade da Direção A gestão da qualidade na realização do produto depende da liderança da alta direção para o estabelecimento de uma cultura da qualidade, provisão de recursos e análise crítica

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - PARTE I

O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - PARTE I O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS -! O que é uma boa projeção?! Quem usa as projeções financeiras?! Para que se usam as projeções financeiras? Fábio Vianna(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Saraiva Apresentação Corporativa

Saraiva Apresentação Corporativa Saraiva Apresentação Corporativa Evento Sistemas de Ensino - Banco Safra Sao Paulo 25 de setembro de 2014 Relações com Investidores Setembro 2014 2 Aviso Legal Esta apresentação contém declarações sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA SEMANA DO CONTABILISTA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Alexandre Henrique Salema Ferreira Ana Maria da Paixão Duarte OBJETIVO Discorrer acerca do Planejamento Tributário no campo

Leia mais

Planejamento Estratégico Aula 1

Planejamento Estratégico Aula 1 ORGANIZAÇÃO Estratégico Aula 1 Prof. Dr. James Luiz Venturi Administração UNIFEBE 2008/II MODERNA TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Organização éum Sistema Aberto ORGANIZAÇÃO MEIO AMBIENTE 2 ORGANIZAÇÃO Conceito

Leia mais

Relatório semestral Ouvidoria

Relatório semestral Ouvidoria Relatório semestral Ouvidoria Em atendimento à Resolução 4.433/2015 do Banco Central do Brasil e seus complementos, este relatório aborda os aspectos qualitativos e quantitativos da Ouvidoria da Cetelem,

Leia mais

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09 Noções de Marketing 21/10/09 Atendimento. Marketing em empresas de serviços. Marketing de relacionamento. Segmentação de mercado e segmentação do setor bancário. Propaganda e Promoção. Satisfação, Valor

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Vídeo 24/9/2012. Curso: Logística. Organizar Processos. Organizações e métodos Processos e planejamento de benchmarking. Profa. Ms.

Vídeo 24/9/2012. Curso: Logística. Organizar Processos. Organizações e métodos Processos e planejamento de benchmarking. Profa. Ms. Curso: Logística Profa. Ms. Edilene Garcia Organizações e métodos Processos e planejamento de benchmarking Vídeo O desorganizado. Duração: 2 30 http://www.youtube.com/watch?v= PMoINjIgE3o&feature=related

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM ANEXO À PD.CA/BAK-37/2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 29 de Novembro de 2010 1 XX/XX/10 RAE Inventimentos LE Braskem Revisão Data da

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Santander Global Multimercado

Santander Global Multimercado Fundo especial para O Fundo Canais de Atendimento 1. UMA ESPECIAL PARA CLIENTES SANTANDER SELECT. Assessoria na gestão do seu patrimônio feita com exclusividade para você. Um dos nossos principais objetivos

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO

REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO REUNIÃO NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15 DE AGOSTO DE 2012 NÚCLEO DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO 15/08/12 PAUTA 1. AGENDA PLANEJAMENTO II SEMESTRE 2012 2. ESCRITÓRIO DE PROJETOS

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo A Federação Espírita do Espírito Santo, fundada em 1921, é constituída pelo Conselho Estadual e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE Cultura Religiosa O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano e da sociedade. As principais

Leia mais

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros Auditoria e o Fator de Sucesso Luciano Medeiros O Mercado de Auditoria No Brasil há cerca de 360 auditores PJ registrados na CVM; Há, também, por volta de 70 auditores PF com registro na CVM; Por outro

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

Perfil Caliper de Vendas. The Inner Seller Report

Perfil Caliper de Vendas. The Inner Seller Report Perfil Caliper de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Perfil Caliper de Vendas The Inner Seller Report Página 1

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Contabilidade

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO

PLANO DE CURSO RESUMIDO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Assistente de planejamento e controle de produção CBO 7842-05 CÓD.SGE 013.861 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica ÁREA TECNOLÓGICA Gestão CARGA HORÁRIA 180 horas ITINERÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Objetivos gerais. Através das estratégias de trabalho e de avaliações, os alunos deverão ter a oportunidade de desenvolver as competências:

Objetivos gerais. Através das estratégias de trabalho e de avaliações, os alunos deverão ter a oportunidade de desenvolver as competências: Aula introdutória Objetivos gerais Permitir que os alunos possam adquirir conhecimentos sobre os fundamentos da gestão e do empreendedorismo e permitir o conhecimento das principais práticas de gestão

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

Nova Classificação de Fundos. Novembro/15

Nova Classificação de Fundos. Novembro/15 Nova Classificação de Fundos Novembro/15 Classificação ANBIMA de Fundos Para que serve? Facilitar o processo de decisão de investimento Contribuir para aumentar a transparência no mercado Permitir uma

Leia mais

Eficiência e Sustentabilidade

Eficiência e Sustentabilidade Eficiência e Sustentabilidade P r i n c i p a i s r e s u l t a d o s d a p e s q u i s a J u n h o / 2 0 1 6 w w w. o i 3 e. o r g. b r E f i c i ê n c i a e S u s t e n t a b i l i d a d e Objetivos

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais

Implicações para o Crédito Rural

Implicações para o Crédito Rural II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Implicações para o Crédito Rural Mesa 5: Debilidade da governança de terras: o impacto no setor privado Felipe Prince Silva. Ms. Economista

Leia mais

O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço.

O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço. O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço. O Mercado envolve o grupo de compradores (procura) e a Indústria o grupo de vendedores (demanda). O

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Promovemos a sustentabilidade do seu negócio Júlio Faceira Guedes XZ Consultores, SA O MODELO DE GESTÃO efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Porto, 08 de Maio de 2012 O modelo de gestão efr 1. O que

Leia mais

MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu

MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu Introdução à Educação a Distância (EAD); Inovação e Empreendedorismo; Políticas Públicas em Educação; Gestão de Processos; Gestão Estratégica;

Leia mais

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica. Cursos de Pós Graduação. Planejamento e Produção de Mídia Impressa

Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica. Cursos de Pós Graduação. Planejamento e Produção de Mídia Impressa Faculdade SENAI de Tecnologia Gráfica Cursos de Pós Graduação Planejamento e Produção de Mídia Impressa Programa de pós-graduação lato-sensu, especialmente planejado para profissionais das áreas de produção

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de:

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de: Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Econômica Critério I - Estratégia Indicador 1 - Planejamento Estratégico 1. Assinale os objetivos que estão formalmente contemplados no planejamento

Leia mais

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica IBCO Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização ICMCI - TheInternational Council of Management Consulting Institutes Professional Standards Committee (PSC) Modelo de Competências e de Verificação

Leia mais

Gestão de Finanças Pessoais. Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira

Gestão de Finanças Pessoais. Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira Gestão de Finanças Pessoais Suzy Sukie Maia Barroso Silva Fábio Augusto Guimarães Teixeira AVISO Apresentação disponibilizada pelo Banco Central do Brasil para ações de educação financeira alinhadas às

Leia mais

Visão do Investidor. Claudio J. D. Sales. IV Conferência Interamericana sobre Responsabilidade Social Empresarial: "Um bom negócio para todos"

Visão do Investidor. Claudio J. D. Sales. IV Conferência Interamericana sobre Responsabilidade Social Empresarial: Um bom negócio para todos IV Conferência Interamericana sobre Responsabilidade Social Empresarial: "Um bom negócio para todos" Salvador BA 10 a 12 de dezembro 2006 Visão do Investidor Banco Interamericano de Desenvolvimento Claudio

Leia mais