JAQUELINE TEREZINHA DA SILVA MORTALIDADE POR SUICIDIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JAQUELINE TEREZINHA DA SILVA MORTALIDADE POR SUICIDIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL, 2000-2005"

Transcrição

1 JAQUELINE TEREZINHA DA SILVA MORTALIDADE POR SUICIDIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL, PALMITOS SC 2009

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO EDUCACIONAL DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM JAQUELINE TEREZINHA DA SILVA MORTALIDADE POR SUICIDIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL, Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Enfermagem, do Centro Educacional do Oeste CEO, como requisito para obtenção de titulo de Bacharel em Enfermagem. Orientadora: Professora Mestre Fernanda Bertan PALMITOS SC 2009

3 JAQUELINE TEREZINHA DA SILVA MORTALIDADE POR SUICIDIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL, Trabalho de conclusão de curso aprovado como requisito para obtenção do grau de bacharel em Enfermagem, no curso de graduação em Enfermagem do Centro Educacional do Oeste/ CEO, da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC. Banca Examinadora: Orientadora: Professora MS: Fernanda da Cruz Bertan Departamento de Enfermagem/CEO/UDESC Membro: Professora Iracema Lourdes Gusatti Azzolini Departamento de Enfermagem/CEO/UDESC Membro: Professora Paula Maria Tonini Departamento de Enfermagem/CEO/UDESC Palmitos, 10 de junho de 2009.

4 Dedico esse TCC ao meu pai, Vitalino Antônio da Silva. (em memória). O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo. (Mário Quintana)

5 AGRADECIMENTOS Diante das exigências que o trabalho de conclusão de curso impõe, minha vida teve que trilhar um novo caminho que teve inicia em A vida social foi deixada de lado dando lugar a muitas leituras e pesquisa. Agradeço primeiramente, ao meu pai e minha mãe, que sempre tiveram comigo e me apoiaram para que esse trabalho de conclusão de curso chegasse ao fim, apesar do tanto tempo que levou para completar o curso. Ao André Leonardo, pela paciência e a compreensão de entender a ausência. A toda minha família pelo apoio incondicional e confiança que me proporcionaram principalmente a minha irmã. A uma pessoa muito especial que passou em minha vida durante este curso e que sempre vai ser lembrada. Agradeço também a minha orientadora que aturou meus momentos de fúria. Apesar de seu dia a dia ser uma correria, sempre achou um tempinho para me atender. Á todas as pessoas que passaram durante essa etapa e que foram como músicas em minha vida: vibraram comigo, procuraram me escutar, compreender, tocaram com todas as notas em minha vida e que fizeram sentir o prazer de conviver com elas, enfim que tocaram meu coração. Obrigada mesmo!

6 Todos são sujeitos da história e o papel de cada pessoa consiste em participar efetivamente do processo de conquista da qualidade da vida do individual e coletivo, sem esquecer que os problemas a serem enfrentados, são produtos históricos das relações das desigualdades entre os seres humanos. Luiz Cláudio Santos Thuler.

7 RESUMO O objetivo principal deste trabalho é descrever a mortalidade por suicídio na população residente da região Sul do Brasil - Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul - no período de 2000 a Foram estudadas as variáveis: sexo, idade e estado: Foi realizado um estudo ecológico descritivo da mortalidade por suicídio através de séries históricas. Calcularam-se coeficientes brutos das variáveis estudadas. Os dados de mortalidade por suicídio foram obtidos do Banco do Sistema Único de Saúde e Sistema de Informação de Mortalidade, (DATASUS, SIM). Para o cálculo dos números de suicídios no período estudado, utilizou-se a 10º revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-10), incluindo as categorias de X-60 até X-84, Lesões Autoprovocadas Intencionalmente (suicídios). Como resultado foi descrito, para cada estado estudado, a série histórica por lesões auto provocadas Intencionalmente (suicídios). Pode-se destacar o Estado do Rio Grande do Sul com um coeficiente de mortalidade geral mais elevado, em torno de 10 mortes por habitantes, seguido pelo estado de Santa Catarina com valores de coeficiente entre 7 e 8 e o estado do Paraná em torno de 6. Verificou-se que para o sexo feminino os valores não ultrapassam 3,5 mortes por habitantes em toda a região Sul. Quanto ao sexo masculino, o estado do Rio Grande do sul mostra coeficientes em torno de 17 óbitos por habitantes, enquanto que para o estado de Santa Catarina os valores estão entre 12 a 14 e Paraná, com coeficientes abaixo de 11 por habitantes. Em relação à idade, aparecem as mortes por suicidio a partir de 10 anos. No estado do Rio Grande do Sul, o coeficiente aumenta proporcionalmente ao avanço da idade, sendo que para os idosos com idades superiores a 80 anos esse indicador chegou a mais de 30 mortes por habitantes. Para o estado de Santa Catarina, também se observa o aumento proporcional do coeficiente em relação ao avanço da idade, mas, de modo mais suave. Para o estado do Paraná não se observa esse aumento, ficando o coeficiente estável a partir da faixa etária de 20 a 29 anos, até os idosos com 79 anos. Conclui-se, portanto, através da ánalise da série histórica, que o Suicídio na Região Sul é um Problema de Saúde Pública, auxiliando, com isso, com um diagnóstico mais preciso de Mortalidade por Lesões Autoprovocadas Intencionalmente (suicídios), na região Sul do Brasil. Palavras Chaves: Suicídio; Epidemiologia; Região Sul; Brasil.

8 ABSTRACT The purpose of this study is to describe suicide mortality in the population of Southern Brazil Paraná, Santa Catarina and Rio Grande do Sul in the period from 2000 to Variables were studied: sex, age and status: This was a descriptive ecological study of mortality from suicide in historical series. It was a calculated coefficient of the variables studied. The suicide mortality data were obtained from the Bank of the Unified Health System and Mortality Information System (DATASUS, SIM). To calculate the numbers of suicides during the study period, we used the 10th revision of International Classification of Diseases (ICD-10), including categories from X-60 to X-84, Intentionally self harm (suicide). The result was described for each state studied, the historical sequence of Intentionally self harm (suicide). The state of Rio Grande do Sul May be highlight, with a mortality rate generally higher, around 10 deaths per habitants, followed by the state of Santa Catarina with coefficient values between 7 and 8 and the state of Paraná around 6. It was found that for females gender, the number do not exceeded 3,5 deaths per habitants in the entire south region. For the male gender, the state of Rio Grande do Sul showed coefficients around 17 deaths per habitants, while for the state of Santa Catarina the values were between 12 to 14 and Paraná, with rates below than 11 per habitants. Regarding age, there are the deaths from suicide after 10 years. In the state of Rio Grande do Sul, the coefficient increased proportionally to the growth of age, whereas for the elderly aged over 80 years this indicator has reached more than 30 deaths per habitants. For the state of Santa Catarina, we also observed the proportional increase of the coefficient on the growth of age, but smoother. For the State of Paraná, there wasn t this increase, with the coefficient stable from age 20 to 29 to the elderly for 79 years. Deduce therefore, by examining the historical, Suicide in the Southern Region is a health public problem, helping with this, with a more precise diagnosis of Mortality Intentionally self harm (suicide), in Southern Brazil. Key words: Suicide; epidemiology; Southern; Brazil.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Localização Geográfica da Região Sul...18 Gráfico 1 - Mortalidade por Lesões Autoprovocadas Intencionalmente, ano de 2000 a 2005, na Região Sul do Brasil Gráfico 2 - Mortalidade por Lesões Autoprovocadas Intencionalmente segundo sexo, ano 2000 a 2005, na Região Sul do Brasil Gráfico 3 - Mortalidade por Lesões Autoprovocadas Intencionalmente, segundo faixa etária, 2000 a 2005, na Região Sul do Brasil

10 LISTA DE ABREVIATURAS CID-10 - Código Internacional de Doenças. DATASUS - Banco de dados do Sistema Único de Saúde. IDH - Indice de Desenvolvimento Humano MS - Ministério da Saúde. OMS - Organização Mundial da Saúde. SIM - Sistema de informação de Mortalidade. WHO - Organização da Saúde Mundial.

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA DESCRIÇÃO E LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DA REGIÃO SUL DO BRASIL HISTÓRICO DO SUICIDIO CONCEITOS DE SUICIDIO, CAUSAS E FATORES DE RISCO EPIDEMIOLOGIA DO SUICIDIO Faixa Etária Sexo PREVENÇÃO DO SUICIDIO MÉTODOS RESULTADOS DISCUSSÃO IMPLICAÇÕES DE ENFERMAGEM CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA CONSULTADA...56

12 13 INTRODUÇÃO A escolha do tema suicídio, para realização do presente trabalho, nasceu da curiosidade e interesse de informações verídicas do por que, e se aconteciam tantos suicídios no Município de Palmitos estado de Santa Catarina - SC. No entanto, foi formado um grupo de Iniciação Cientifica para estudar a taxa de mortalidade por suicídio do município. Infelizmente por problemas internos da própria universidade não pudemos continuar e nem usá-lo para o trabalho de conclusão de curso. Assim, a partir da experiência com a pesquisa anterior, surgiu à idéia de comparar a taxa de mortalidade por suicídio dos três estados do Sul do Brasil: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul no período de 2000 a E descrever às variáveis: sexo, idade e estado, através de um estudo ecológico descritivo. Esse ato fatal está inserido na Classificação Internacional de Doenças (CID), dentro do capítulo que se refere às Causas Externas de Morbidade e Mortalidade, classificada como óbito derivado por Lesões Autoprovocadas Intencionalmente (X-60 a X-84), isso possibilita a classificação de ocorrências, causas e lesões, circunstâncias ambientais envenenamento e outros fatores s adversos (CID -10, 2000). O suicídio é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como: o comportamento onde o indivíduo pensando em acabar com sua vida desenvolve um plano para cometer suicídio e obtém os meios para fazê-lo, completando assim o ato (WERNECK, 2006). Os suicídios são atos de violência ligados a uma grande gama de fatores, dentre eles prestigio, seitas e até gênero, sendo considerado como um ato humano complexo. As causas relacionadas são múltiplas e podem acontecer por uma série de fatores e suas interações (ROY, 1999). O suicídio é um tema difícil e delicado de se tratar e em muitas sociedades é considerado um tabu. Conforme refere Shneidman (1969), o suicídio é um fenômeno,

13 14 exclusivamente humano, que ocorre em toda a cultura, variando em cada cultura os valores dispensados a esse fenômeno. Essa diferença de interpretação sócio-cultural também é variável ao longo da história. Os coeficientes de suicídio variam amplamente entre as várias regiões do país. Não podemos afirmar qual é exatamente a relação entre esses dados e os problemas da qualidade do registro dessas informações. A região Sudeste concentra 50% dos registros de suicídio, mas a Região Sul tem os maiores coeficientes de suicídios, enquanto o Nordeste os menores. (BOTEGA, 2002). Segundo Cassorla (2005), as estatísticas encontradas á respeito de morte pos suicídio nem sempre são confiáveis, pois a família e a própria sociedade freqüentemente preferem que a verdadeira causa seja falsificada, devido a sentimentos de culpa e vergonha pelo ato. Além disso, uma grande proporção de suicídio é confundida com acidentes automobilísticos, afogamento, envenenamentos acidentais e acidentes com produtos tóxicos. Considerando que os números de suicídios são subestimados sejam porque alguns suicídios são considerados como acidentes, outra como morte por causas indeterminadas e por outras razões que concorrem com esse fato, deste o preconceito e até possíveis dificuldades para o recebimento de algum beneficio decorrente do seguro de vida. A OMS calcula que um grande número de suicídios não é registrado. Outra estimativa da OMS é que somente cerca de 25% dos que tentam o suicídio sem o consumarem buscam atenção médica, provocando gastos ao sistema público (DIEKSTRA, 1993). Por provocar gastos ao sistema público, o suicídio já é tratado como um grave problema de saúde pública e a enfermagem têm grande importância na prevenção desse ato autodestrutivo, intervindo nos fatores de risco, para uma melhor qualidade de vida da população.

14 15 Assim, a ciência epidemiológica procura identificar dados que permitam um aperfeiçoamento no conhecimento desse problema de comportamento humano, que é o suicídio, contribuindo para oferecer dados epidemiológicos para uma melhor abordagem desse assunto ( MELLO, 2007). A descrição do perfil epidemiológico de mortes por suicídio vem crescendo nos últimos anos. O referido trabalho buscou descrever o coeficiente de mortalidade geral por suicídio da população residente e descrever as variáveis: sexo e idade para cada estado da região Sul do Brasil, em um período de 2000 a 2005, e assim contribuir para aperfeiçoar o diagnóstico epidemiológico da região. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) em termos globais a mortalidade por suicídio aumentou 60% nos últimos 45 anos e no ano 2000 aproximadamente um milhão e um número 10 a 20 vezes maior de pessoas tentaram o suicídio. Isso representa uma morte a cada 40 segundos e uma tentativa a cada três segundos (WHO, 1999). Segundo Mello et. al, (2007), o coeficiente de mortalidade no mundo, é considerado baixo quando menor que 5/ , médio entre 5 e 100 alto entre 15 e 30/ e muito alto quando superior a 30/ No Brasil o coeficiente de mortalidade por suicídio no ano (2000) era de 4,0 por 100 mil habitantes, passando para 4,7 em Essa diferença é substancial porque os números apontam para taxas juvenis 45% superiores as dos adultos, bem diferente de outras regiões do mundo, como Ásia e a Europa, onde o suicídio apresenta-se como fenômeno específico de pessoas com mais idade (FONTENELLE, 2008). O índice de mortalidade por suicídio aumenta com a idade e é aproximadamente 3,7 vezes maior entre homens do que em mulheres. A média de mortalidade por suicídio no Brasil está longe da de países como Japão, que possui umas das maiores taxas mundiais (MELLO, 1997).

15 16 Segundo dados do Ministério da Saúde - MS (2004), as mortes por suicídio vêm aumentando a cada ano no Brasil. A região sul mais especificamente o estado do Rio Grande do Sul (RS), obtiveram as maiores taxas de mortalidade por suicídio no Brasil, chegando a 11/ habitantes nesse estado. O estado de Santa Catarina está em segundo lugar nas estatísticas de suicídio, com média de suicídio de 7 e 8,5/ habitantes, o que representa o dobro da média nacional. O estado do Paraná, segundo estudo do Mistério da Saúde aparece na sexta posição, mas Curitiba é a terceira capital em que mais ocorreram suicídios de mulheres em Segundo o MS, 3,3 de cada 100 mil mulheres curitibanas tiraram a própria vida em 2004 (OLIVEIRA, 2005). Alguns estados e capitais brasileiros as mortes por suicídio apresentam índices comparáveis aos países desenvolvidos. Esses suicídios acarretam problemas sociais e talvez possam ser evitados se forem identificados os fatores causais e relacionados. Desde a década de 90 a Organização Mundial de Saúde (OMS) trata o suicídio como um problema de saúde pública. No Brasil, em dezembro de 2005, o suicídio foi considerado uma questão de saúde pública, e somente no final desse ano foi instituída um grupo responsável pela elaboração de políticas nacionais de prevenção do suicídio (MS, 2006). Definições na literatura surgem se acrescentam se contestam e um ponto de interrogação fica em desafio a uma resposta exata dos fatores e causas que causam esse ato de violência. Temos como subsidio buscar dados Epidemiológicos através das variáveis estudadas no trabalho, para um melhor diagnóstico do perfil dos suicidas na região Sul, bem como, para estudar fatores de risco nessa população e realizar prevenção. 1 REVISÃO DE LITERATURA

16 DESCRIÇÃO E LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DA REGIÃO SUL DO BRASIL A região Sul é uma das cinco grandes regiões em que é dividido o Brasil. E é a menor delas. Ela é formada pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e possui grande influência européia, principalmente italiana e alemã. Uma característica de sua população é a influência expressiva dos imigrantes: portugueses dos Açores em Florianópolis e Porto Alegre; italianos em todos os três estados; alemães em Santa Catarina (fundaram cidades como Joinville e Blumenau) e no Rio Grande do Sul. E também eslavos (russos, ucranianos e polacos) no Paraná, e japoneses no norte de Paraná e Curitiba. (Pesquisa Geográfica, Região Sul, 2009). A população da Região Sul é formada pelos seguintes estados e capitais: Paraná (PR) Área (km2) , População (2007): , Capital: Curitiba. Santa Catarina - SC Área (km2): população (2007): ,Capital: Florianópolis. Rio Grande do Sul (RS) Área (km2): população (2007): , Capital: Porto Alegre (IBGE, 2007). No começo da colonização, a Região Sul se desenvolveu graças à agricultura, que forneceu o capital financeiro para a instalação de indústrias nas regiões. Atualmente além da agricultura, tem grande potencial industrial e tecnológico. Também é um grande exportador nacional, com destaque para as aves (BRASIL, 2009). Os três estados da Região Sul, além do Distrito Federal são quem reúnem os melhores indicadores nacionais em educação, saúde e qualidade de vida, juntamente com o estado de São Paulo. Apesar dos três estados estarem entre os dez maiores arrecadadores de impostos do país, recebe menos verbas federais que os estados do Nordeste, mais carentes. A região Sul possui o maior IDH (Índice de desenvolvimento Humano) do Brasil, e o segundo maior PIB. O IDH é avaliado com base nos indicadores sociais (taxas de natalidade, mortalidade,

17 18 expectativa de vida, analfabetismo, condições médico-sanitárias etc). Também é a segunda região mais rica do Brasil, depois do Sudeste (BRASIL, 2009). Figura 1- Localização Geográfica da Região Sul Fonte: 1.2 HISTÓRICO DO SUICIDIO Historicamente a palavra suicídio surge no século XVII, passando a ser mais utilizada a partir de 1934, no auge do iluminismo. Antes disso, os termos utilizados para denominar as mortes auto-infligidas eram: auto-assassinato, auto-homicídio, autodestruição e morte voluntária. O suicídio ainda pode ser denominado como, uma morte auto infligida causada de modo intencional e normalmente representa uma atitude complexa (PALHARES E BAHLS, 2003).

18 19 É difícil precisar quando o primeiro suicídio ocorreu, mas ele parece estar sempre presente na história da humanidade. Os compêndios da história revelam que para a religião cristã, o suicídio sempre foi um ato condenado. Os documentos antigos tratam de vários suicídios, no entanto a Bíblia relata um número relativamente pequeno deles, e assim quase todos estavam condicionados por acontecimentos extremos (GREGÒRIO, 2001). Segundo Kalina e Kovadloff, (l983), em outras culturas do primitivo mundo ocidental, era dever do ancião se matar para preservar o grupo cuja solidez estava ameaçada pela debilitação do espírito que habitava o corpo do chefe de família. Ocorria uma franca indução comunitária ao suicídio, religiosamente estimulada e normativamente legitimada Percorrendo ainda a história da humanidade, notamos que na Antigüidade os hebreus foram os que menos cometeram o suicídio. Nos povos orientais dominados pelo fanatismo religioso ou imbuídos de tendências para o abandono de si mesmo, para o desdém dos bens terrenos, o suicídio tornou-se fato banal. Na Índia, até épocas recentes, a tradição determinava uma série de suicídios rituais que ainda se praticam em regiões afastadas e contra os quais as autoridades indianas empreendem medidas de repressão. Até épocas recentes as viúvas costumavam atirar-se á pira funerária do marido, para serem queimadas vivas. Na China antiga, o suicídio constituía ato bastante comum (GREGÒRIO, 2001). No Japão os japoneses adotam o haraquiri, ritual de suicídio usando a espada. São famosos os camicases, pilotos japoneses, membros de um corpo de voluntários que no fim da 2.ª Guerra Mundial, treinados para desfecharem um ataque suicida contra inimigos. No Egito ficou célebre o suicídio de Cleópatra, que se deixou picar por uma áspide, depois de ter experimentado diferentes venenos em condenados, chegando à conclusão de que a picada de uma áspide era o meio de morte mais suave. Em Cartago eram também freqüentes os suicídios. Amílcar matou-se humilhado por uma derrota e Aníbal suicidou-se para não cair

19 20 nas mãos dos seus inimigos. Códio, rei de Atenas, matou-se para livrar o seu país dos horrores da guerra (GREGÒRIO, 2001). Na Grécia foram numerosos os suicídios de reis que pelas circunstâncias: hora como expiação de pecados, hora para fugir dos inimigos, recorria a tal ato. Eram recusadas as honras de sepultura regular ao suicidado clandestino e a mão do cadáver era amputada e enterrada a parte. Por sua vez, o Estado tinha poder para vetar ou autorizar um suicídio bem como induzi-lo. Por exemplo, em 399 a.c., Sócrates foi obrigado a se envenenar. Também são famosos os filósofos gregos que se suicidaram como Hegesipo, Zenão e Diógenes Laércio (BARDIN, 1969). Na Idade Média, período caracterizado por uma maciça dominação religiosa, o suicídio diminuiu, pois quem o cometesse não recebia as bênçãos da Igreja. Na renascença, período de maior liberdade religiosa, o suicídio recrudesceu e continua até nos dias atuais, principalmente explicados pelos problemas causados pela Revolução Industrial e pelo Capitalismo nascente, os quais diminuíram os apelos à religião (GREGÒRIO, 2001). É nessa época que surgem os estudos de Durkheim (1897), argumentando ser o suicídio um fenômeno social não podendo ser cingido ao aspecto meramente individual. O Sociólogo também defende que o desencanto humano com as ideologias que findam do milênio, a vida complexa das grandes sociedades, o desemprego, a criminalidade, o medo da violência urbana e rural são fatores que influenciam na taxa de suicídio. Durkheim (1897, p.392) afirma: Atualmente, e, sobretudo nos nossos grandes Estados modernos, a sociedade está demasiado longe do indivíduo para poder agir sobre ele de uma maneira eficaz e contínua, bem como, a menos que a humanidade volte a ponto de partida, as religiões nunca mais poderão voltar a exercer um domínio sobre a população. Segundo o autor, o suicídio é um trauma cultural provenientes de três estruturas a família, a religião e o estado. Associou ainda o suicídio ao sexo masculino, afirmando que os homens são excessivamente auto-reflexivos, mais angustiados, por necessidades ilimitadas e

20 21 com menos forças regulatórias exteriores, ou talvez eles estejam menos envolvidos na sociedade. Emile Durkeim (1897) relatou três tipos de suicídio: Suicídio egoísta: resultado de uma individuação excessiva, com ênfase na autonomia das consciências individuais e na ausência de laços familiares ou de interações sociais significativas; Suicídio anômico: associado ao desregramento, crises e mudanças a partir do enfraquecimento da malha social; Suicídio altruísta: devido à subordinação dos indivíduos aos fins sociais; um ato percebido como um dever, um gesto impessoal. Durkeim, (1897), relata que, não podemos enxergar o suicídio só na área da psicologia: como um acontecimento particular, isolados uns dos outros, necessitados, cada um por si, de um exame particular, considerava o suicídio como um conjunto, cometidos em uma determinada sociedade durante uma data unidade de tempo que constatará que o total obtido não será uma simples soma de unidades independentes, mas constituirá por si um fato novo, que possui sua unidade e a sua individualidade, por conseguinte a sua natureza própria, e que, além disso, tal natureza é eminentemente social. Nos tempos recentes, diversos acontecimentos políticos implicaram em ondas suicidas. Neste sentido, foram numerosos os provocados pelo nazifascismo em diversos países Europeus quando as perseguições políticas e raciais criaram um clima em que o suicídio passava a representar a forma de morte mais suave e um meio de se livrar de um grande tormento. No Brasil alguns estadistas, em situações complexas se suicidaram, podendo ser citado o presidente Getúlio Vargas em 1954, quando instado pelas forças Armadas a deixar o cargo (BARDIN, 1979).

21 22 O suicídio de pessoas famosas foi sendo registrado, porém a história oficial ignorou os inúmeros cidadãos comuns suicidados, no entanto historicamente é possível constatar a maneira como a sociedade tratou os suicidados e como este tratamento foi se alternando ao longo da história. O suicídio burla a ordem natural da vida, sua ocorrência dá se nas mais variadas culturas, ocorre desde que o homem se deu conta de existir como ser pensante, desde os primórdios da humanidade; na antiguidade grega- romana; na área cristã; na renascença a contemporaneidade. 1.3 CONCEITOS DE SUICIDIO, CAUSAS E FATORES DE RISCO Estudiosos sobre o tema suicídio têm diversas teorias, para explicar esse ato do ser humano de destruir sua própria vida: O suicídio é um fenômeno que não depende de uma única causa, ou seja, há uma combinação de fatores biológicos, psicológicos, psiquiátricos, sociais, econômicos e ambientais, que podem levar a pessoa a tirar a própria vida (WERLANG, 2004). Não existe uma causa para o suicídio. Trata-se de um evento que ocorre como culminância de uma serie de fatores que vão se acumulando na biografia do individuo, em que entram em jogo fatores ambientais, culturais, biológicos e psicológicos. O que se chama causa, geralmente é o elo final dessa cadeia (BYINGTON, 1979). Caracterizam-se assim como um fenômeno de dimensões sociais que transcende os limites meramente pessoais, haveria um conjunto de fatores extrínsecos e intrínsecos que se agrupam na situação do suicídio, constituindo uma vertente social e um individual, as duas interferindo uma na outra (HAIM, 1998). O suicídio é um ato multi-determinado. A importância de fatores psiquiátricos, biológicos e sociais da psicodinâmica e das doenças físicas já esta bem estabelecida. No

22 23 entanto, Têm evidências se acumulando que fatores genéticos possam ser incluídos entre os muitos determinantes do suicídio (ROY, 1999). Manhães (1991, p. 36), em um estudo na área de psicologia clínica, lembra que é importante saber dos antecedentes suicidas da família e do próprio cliente. Atribui muita dignidade ao gesto suicida, estando à representação social da morte amparada na crença de que o espírito do morto terá mais força para atuar na sociedade. Segundo Eco (1977 p.197) O suicídio é um signo: "Um signo é a correlação de uma forma significante com uma ou com uma hierarquia de unidade que definimos como significado. Em cada sociedade o suicídio tem diversos significados, como também é uma maneira do suicida se comunicar com o seu mundo e com a sociedade. Leach (l978 p.59) explica: "Um signo só adquire sentido quando diferenciado de outro signo contrário. O contrário do signo suicídio é o signo paciente terminal de câncer, o primeiro tem opção de não morrer e escolher à hora, roupa etc, já o segundo resta-lhe um milagre. Partindo do pressuposto que o suicídio é um processo em si, que é um gesto de comunicação entende-se que o individuo se mata para relacionar-se com os outros e não para ficar só ou desaparecer. A morte é o único meio que o sujeito encontra pra estabelecer um elo de comunicação com os outros.( MANHÃES, 1991). Já Menninger (1970 p.37) afirma que o suicídio deve ser considerado como uma espécie peculiar de morte que envolve três elementos internos: o elemento de morrer, o elemento de matar e o elemento de ser morto. Kalina e Kovadloff (1983), afirmam que o suicídio é um processo em si mesmo. Analisam a sociedade atual com clara intenção de entender o suicídio como existência tóxica. Uma existência tóxica é uma vida vivida de forma que o ser humano esteja se matando no

23 24 cotidiano, todos se matando em comum acordo através de uma maneira de viver perigosa para a saúde. É uma vida envenenada porque, vive daquilo que aniquila, promove e perpetua a alienação humana e fomentam o apoio as contradições que a destroem. Para tanto, multiplicam-se as condutas autodestrutivas como o armamento nuclear, a contaminação do planeta e até mesmo a despersonificação do homem contemporâneo. Enquanto na concepção clássica o suicídio é um ponto final de um processo. Para Hélio Gomes, estudioso brasileiro, pioneiro em estudar a respeito de dados sobre o suicídio, tornam notável dados acerca dos índices do suicídio, considerando raça, cor, sexo, idade, estado civil, e profissão. Salienta que o suicídio é mais freqüente em estrangeiro do que em brasileiros; mais nos negros do que em brancos; em homens do que em mulheres, sendo que a tentativa mais comum em mulheres. O suicídio não existe na primeira infância; é excepcional abaixo dos 10 anos; raríssimo, abaixo dos quinze. Aumenta até os trinta anos, diminui até os cinqüenta diminuindo novamente; os solteiros e viúvos suicidam-se mais dos que os casados (GOMES, 1979). Gomes (1979) afirma que existem duas vertentes teóricas que explicam as razões da prática suicida, que são elas: Teoria Biológica ou Psiquiatra: vislumbra no suicida um doente mental, esta teoria se contrapõe à teoria Sociológica. Os defensores dessa teoria atribuem 90% dos suicídios a psicose maníaca depressiva e 10% a uma depressão constitucional. Teoria Sociológica: procura explicar o suicídio tendo em vista causas econômicas e sociais. Como um fenômeno social o suicídio tem estimulado diversos estudiosos do assunto: psiquiatras, psicólogos, juristas e sociólogos a refletir sobre esse tema. O sociólogo Émile Durkheim é um dos pensadores que considera o suicídio como um fenômeno social, que se depara sua causa ora com egoísmo, ora no altruísmo, ora em elementos variáveis ou esporádicos, de natureza exógena (GOMES, 1979).

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul

Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande Sul e Caxias do Sul Adalberto Ayjara Dornelles Filho Ramone Mincato Paula Cervelin Grazzi Resumo: Uma breve revisão de estudos sobre

Leia mais

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 INSTITUTO AVANTE BRASIL Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) De acordo com

Leia mais

Conversando sobre o suicídio. Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio

Conversando sobre o suicídio. Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio Conversando sobre o suicídio Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio Suicídio Quais são as nossas percepções? Mitos sobre o suicídio Adaptado de BEFRIENDERS INTERNATIONAL Quem vive ameaçando se matar

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

Gênero e Suicídio no Rio de Janeiro

Gênero e Suicídio no Rio de Janeiro Gláucio Soares Professor Doutor do IESP/UERJ Vanessa Campagnac Doutoranda em Ciência Política pelo PGCP-UFF Tatiana Guimarães Graduanda em Ciências Sociais pela UERJ Resumo Suicídios são fenômenos quantitativamente

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL Maria Ângela Cabanilha de Souza Maltempi Assistente social e gerontóloga Professora e coordenadora da Toledo Aberta a Melhor Idade Segundo as projeções estatísticas da Organização

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003

Violência afetiva e violência doméstica contra idosos. Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves. Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Violência afetiva e violência doméstica contra idosos Patrícia Luíza Costa e Paulo Guilherme Santos Chaves Belo Horizonte MG Janeiro - 2003 Autores: PATRÍCIA LUÍZA COSTA - Bacharel em Química pela UFMG.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza O SUICÍDIO O suicídio, um problema de saúde pública, é responsável

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL ESTUDO DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional ESTUDO NOVEMBRO/2004

Leia mais

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Artigo Original MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Resumo Ana Claudia Conceição da Silva 1 Carlos Olimpio Válido Santana 1 Larissa Fernanda

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO

PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA SOBRE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR SUMÁRIO EXECUTIVO Visando subsidiar a formulação de políticas e estratégias de ação que promovam, a médio e longo prazos, a redução das desigualdades

Leia mais

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio O DESEJO DE MORRER A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más Suicídio Os comportamentos suicidários constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Contudo,

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Morte voluntária DOSSIÊ. Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas

Morte voluntária DOSSIÊ. Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas DOSSIÊ Morte voluntária Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas Lílian Cardoso é jornalista e escreve para esta publicação Por Lílian

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

A publicidade de bebidas alcoólicas 3

A publicidade de bebidas alcoólicas 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(8). Edição 44 Gerlane Lopes e Silva 1 Gessica de Andrade Fonseca 1 Hanna Kamylla Antonia Soares dos Santos 1 Márcia Andrea

Leia mais

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil Leila Posenato Garcia*, Lúcia Rolim Santana de Freitas, Gabriela Drummond Marques da Silva, Doroteia Aparecida Höfelmann * Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012.

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. Nº 74 Fevereiro de 2014 O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios 1 Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios Alexandre da Silva Medeiros UFRGS Juan Mario Fandiño Marino UFRGS Pedro Vargas Fernandes

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Julio Jacobo Waiselfisz

SUMÁRIO EXECUTIVO. Julio Jacobo Waiselfisz SUMÁRIO EXECUTIVO Julio Jacobo Waiselfisz 1. INTRODUÇÃO O presente estudo dá continuidade ao esforço iniciado em 1998, quando foi elaborado e divulgado o primeiro Mapa da Violência: Os Jovens do Brasil

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO Resumo Thais Pacheco dos Santos 1 - UEPG Lara Simone Messias Floriano 2 - UEPG Suellen Vienscoski Skupien 3 - UEPG Ana Paula Xavier Ravelli 4 - UEPG

Leia mais

Renata Mesquita Henrique Asfor

Renata Mesquita Henrique Asfor UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza Renata Mesquita Henrique Asfor O suicídio é uma das 10 maiores

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Educação em Saúde: Dependência Química Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil MODULO 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas no

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

EMILE DURKHEIM E O FATO SOCIAL

EMILE DURKHEIM E O FATO SOCIAL EMILE DURKHEIM E O FATO SOCIAL EMILE DURKHEIM (1858-1917) -Livro: as regras do Método Sociológicos (1895) -Relações entre indivíduo e sociedade -Contribuição: a sociologia é uma disciplina que pode ser

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Atualização sobre a violência no trabalho. Profª Andréa Maria Silveira UFMG

Atualização sobre a violência no trabalho. Profª Andréa Maria Silveira UFMG Atualização sobre a violência no trabalho Profª Andréa Maria Silveira UFMG VIOLÊNCIA Uso intencional de força física ou poder em ameaça ou ato, contra si mesmo, outra pessoa, grupo ou comunidade que resulte

Leia mais

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS PROCESSOS MIGRATÓRIOS Aula 9 METAS Inserir o aluno em um dos temas centrais da análise da Geografia da População: a questão migratória; analisar as causas, motivações e conseqüências do deslocamento populacional

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais