Blanchot, Foucault e Deleuze: convergências entre a palavra literária, a experiência do Fora e o impensado. Caçar em vão Armando Freitas Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Blanchot, Foucault e Deleuze: convergências entre a palavra literária, a experiência do Fora e o impensado. Caçar em vão Armando Freitas Filho"

Transcrição

1 Blanchot, Foucault e Deleuze: convergências entre a palavra literária, a experiência do Fora e o impensado. Nara Lúcia Girotto Caçar em vão Armando Freitas Filho Ás vezes escreve-se a cavalo. Arrebentando, com toda a carga. Saltando obstáculos ou não. Atropelando tudo, passando por cima sem puxar o freio a galope no susto, disparado sobre as pedras, fora da margem feito só de patas, sem cabeça Nem tempo de ler no pensamento o que corre ou o que empaca: Sem ter calma e o cálculo de quem colhe e cata feijão. Mallarmé, Kafka, Proust cavalgaram de outro modo seus textos literários, fazendo aparecer uma nova relação entre literatura e a realidade, isto é, o texto literário não representa a realidade, não é cópia do mundo, existindo um hiato, uma inadequação, uma arbitrariedade entre a realidade e o mundo, entre as palavras e as coisas, entre significados e significantes. Para explicar a mudança de estatuto da literatura clássica para a moderna, Banchot assinou o conceito - do Fora - para mostrar como a palavra literária provocava uma experiência não representativa e não significativa da linguagem. A literatura, ao fundar a sua própria realidade, elide sujeito e objeto, mundo e realidade, também prescinde da certeza, da verdade, da representação, do significado, da consciência, do tempo cronológico e, desta forma, errante, móvel, nômade substitui a intimidade do sujeito pelo Fora da linguagem, isto é, o projeto moderno da literatura é colocar-se mais longe de si mesma. Blanchot, de forma inovadora, demarcou a especificidade, o uso próprio, distinto, funcional da literatura e, buscando compreender como se constitui a própria realidade literária, inventa o conceito do Fora, noção forjada nos campos da filosofia e da crítica literária. Então, utilizando esse conceito norteador, desconstrói a idéia de que a literatura é um meio de chegar ao mundo e propõe, contrariamente, que a palavra literária seja

2 instauração de mundos, de eventos plenos de real. Contudo, nesse movimento, a literatura funda sua própria realidade, isto é, cria um outro mundo do mundo. A realidade advinda da literatura possui características particulares e para conhecer a especificidade dessa, precisamos diferenciar as funções das duas linguagens: a dia-a-dia e da ficção. O objetivo da linguagem comum é evocar referência direta com aquilo que designa para que os compartilhamentos de sentidos sejam sempre preservados. Para tal, ela deve remeter-se a um objeto que se encontra no mundo, pois sua função encontra-se a serviço dos fins sociais da ação, da comunicação e da compreensão. O quadro de Magritte ceci n est pas une pipe apresenta a figura de um cachimbo com a frase que nega que a figura seja igual ao nome, a palavra cachimbo não representa o nome cachimbo. O quadro mostra o que faz a linguagem comum, isto é, essa chama a figura do cachimbo, de cachimbo, como se o nome fosse idêntico a figura, como se a palavra fosse idêntica a coisa. O mérito do quadro é não nos deixar esquecer o equívoco, de que o desenho do objeto não é o objeto e que o desenho do objeto sempre será infiel, figurativamente, ao objeto. Do mesmo modo, podemos pensar que a palavra será sempre infiel à coisa, que essa nunca recobre totalmente o que designa. Na literatura, a palavra deixa de ser um instrumento, um meio, um signo vazio que designa as coisas do mundo para apresentar uma outra realidade, diferente da realidade familiar do mundo cotidiano. No lugar do familiar, um outro uso da palavra, uma outra função da linguagem e, conseqüentemente, a fundação de um outro mundo. O aparecimento da linguagem ficcional exige a destruição, a negação da palavra, àquela que estabelece a ligação entre o receptor e o objeto evocado pelo nome (palavra). Um direito à morte, um assassinato diferido, para usar as palavras de Blanchot, que provoca uma transformação radical da palavra, isto é, desaparecimento das suas funções de representar o objeto para as funções de criar, evocar uma realidade constituída a partir da (ir) realidade da coisa à realidade da linguagem. O poema, caçar em vão, colocado no início desta reflexão, torna-se apoio para entender como acontece a passagem da (ir) realidade da coisa à realidade da linguagem. Armando Freitas Filho faz uma analogia entre escrever e cavalgar. No processo de escrever 2

3 passamos por vários estados, movimentos: galopar, empacar, saltar, marchar, trotear. O nome, caçar em vão, nos diz que espreitar, procurar, mirar, deslocar-se, esperar a palavra tem sido um trabalho sem retorno e que o movimento do escrever acontece, em alguns casos, só com as patas, sem a cabeça. Para explicar os movimentos de negação e de realização da palavra literária, utilizo o poema do qual desprendemos que escrever é correr com as patas, sem cabeça, sem o cálculo de quem colhe ou cata feijão. Podemos dizer que o poeta fez desaparecer o cavalo real, do mundo e, no lugar, fez surgir um outro cavalo devir animal-escritor - que escreve em vários ritmos parando, andando, galopando, saltando-. Quando Blanchot diz que é preciso negar o real para se construir a ir(realidade) fictícia nos mostra este paradoxo. Ou seja, a palavra literária faz coincidir a sua realização com o seu desaparecimento, por isso o uso de pares opostos como vida e morte, ruína e constituição, ausência e presença para explicar esta ambigüidade. Podemos dizer que a morte do cavalo real do poema desdobrouse no aparecimento do devir animal-escritor. Blanchot resumiu esteticamente este acontecimento, dizendo que a palavra é admiravelmente a vida desta morte. A experiência poética nos retira do mundo e nos coloca novamente nele, porém com outro signo, como desdobramento, como possibilidade de vivenciar uma outra versão do mundo. Para circunscrever o espaço onde acontece à literatura, esse outro mundo, Blanchot utilizou várias designações: exílio, deserto, errância, Fora. Então, podemos dizer que o espaço literário alimenta-se da origem e tende sempre voltar ao vazio de onde veio ou, como diz Blanchot, espaço anterior a designação de gêneros, de palavras, portanto, espaço do rumor, do neutro, do impessoal. Clarice Lispector começou seus livros Uma Aprendizagem ou Livro dos Prazeres e A Paixão segundo G.H com uma vírgula e com traços espaçados, respectivamente. Não estaria ela querendo indicar, demarcar este começo original, o começo do desdobramento, da impessoalidade, do colar-se no Fora, na superfície, no artifício, na palavra literária? Clarice Lispector, referindo-se ao processo de escrever, dizia que quando escrevia não pensava nem no leitor e nem nela e que na hora do escrever, no ato, ela era as próprias palavras. 3

4 A realidade literária faz ascender à superfície a materialidade do corpo das palavras, no entanto, um corpo sem interior, sem organização, sem pensamento; um corpo só pele, só de patas, fora das margens, arrebentando com toda carga, saltando e deixando para trás a poeira e o rumor sem fim. Uma das frases mais conhecidas de Foucault refere-se àquela do homem como invenção recente e cujo fim, talvez, esteja próximo. Este diagnóstico mostra o enfraquecimento da noção de Homem nos séculos XIX e XX e seus desdobramentos como a fragmentação da unidade subjetiva, apagamento da essência do eu, desaparecimento do sujeito da enunciação. Foucault apóia-se na exterioridade, na dispersão, na impessoalidade da linguagem da literatura moderna para firmar-se na contracorrente do humanismo, da dialética, do estruturalismo. Foucault capta a força demolidora da literatura moderna, sua operação no campo da alteridade absoluta, no plano assubjetivo e fazendo uso dos atributos dessa propõe a dispersão do sujeito na ordem dos discursos. Desta forma, alguns atributos do homem caem em ruína como, enunciação, alma, interioridade, consciência, reflexão, memória, autor. Nietzsche pergunta: quem fala? É a própria palavra, responde Mallarmé. Esse jogo de pergunta e resposta sintetiza os interesses de Foucault com a literatura, uma vez que esse último explicará em diversas publicações o desaparecimento daquele que fala, a morte do autor. Na esteira do desaparecimento do Homem, Foucault vai explicar o desaparecimento da função autor apoiado na identidade, na individualidade, na biografia, na origem, no eu, daquele que fez a obra. Resolver, por exemplo, o enigma James Joyce é louco não fará sua obra ser mais ou menos compreensível. O apagamento do autor e da obra é feito em proveito da sobrevivência da literatura, pois no lugar destes surge à figura plural da própria palavra, o ser da linguagem. A escritura, a palavra poética aparece no seu esplendor e novidade mantendo-se na exterioridade da subjetividade e, igualmente, Foucault quer manter seu pensamento na exterioridade para escapar dos perigosos jogos de poder, saber. O desaparecimento do ser-homem e, conseqüentemente, o aparecimento do serlinguagem resultam numa contestação do pensamento representativo, uma vez que não 4

5 existe uma relação causal que garante a representação, a significação entre as coisas e as palavras. A relação arbitrária entre significado e significante não se sustenta, pois a palavra, ao dizer somente a si própria, promove o eterno escoamento do Fora. A obra Ulisses de James Joyce pode ser um exemplo de como a literatura se desenvolve a partir de si mesma, para longe de si mesma, uma vez que o Ulisses de Joyce se desdobra em outra obra, num outro estilo, numa outra assinatura que, ao invés de repetir a obra épica, produz uma diferença. Blanchot encontra-se entre os literatos que introduziram o estudo de Nietzsche na França e com Bataille, Mallarmé, Artaud realizaram uma experiência não representativa e não significativa da linguagem. Foucault encontrou guarida para suas inquietações filosóficas nesse modo de conceber a literatura O filósofo, acompanhando o movimento da literatura moderna, constata que essa faz um estremecimento do cogito, um desmoronamento da unidade do eu, das noções de obra e autor, da dialética, do humanismo. Então, Foucault utiliza o conceito do Fora proposto por Blanchot, dando a esse uma outra assinatura pela maneira como integra o conceito no seu projeto de pesquisa. Assim como Blanchot consegue falar da literatura estando fora desta, Foucault quer fazer filosofia sem estar nela, conseguindo deslizar do pensado para o impensado. O interesse e, posteriormente, o desinteresse de Foucault pela linguagem literária é explicado por Roberto Machado no seu livro Foucault, a filosofia e a literatura. A literatura, por manter-se fora da subjetividade, permitiu Foucault aprimorar sua análise das condições de como o sujeito aparece na ordem dos discursos, porém seu desinteresse progressivo deve-se ao fato que a literatura não consegue manter-se a margem, exterior as engrenagens institucionais de produção cultural, dos discursos e poderes hegemônicos. Nietzsche deixou como legado a possibilidade de pensar de forma indissociável as forças, o Fora e a diferença, o que pode vir a explicar a convergência teórica entre Blanchot, Foucault e Deleuze. Assim, o Fora é o espaço do encontro das forças, essas sempre distribuídas no diagrama, no seu diferencial quantitativo, porém, a diferença, a resistência, permanece no espaço não-estratificado (Fora) de onde provém o diagrama. Para Foucault e Deleuze pensar está no domínio das forças, diz respeito ao espaço do Fora, 5

6 por isso ser necessário à intrusão do Fora, da espera, de uma passagem para a superfície. Entende-se o Fora como categoria imanente, pois a inclusão do Fora no mundo não tem nada a ver com ao além mundo, ele faz parte do mundo sem estar ainda atualizado, sem ser real (formas). O pensar, nesta perspectiva, nasce sob o signo da violência, algo precisa desestabilizar os caminhos perceptivos e cognitivos naturalizados, fazendo aparecer um rompimento, uma fissura, uma novidade. Aparece uma nova maneira de conceber o real em Blanchot e, próximo do pensamento de Levinas, entende a experiência do Fora como se abrir e deixar-se levar pelo Outro, aquele que nunca se tornará idêntico, o diferente, o estrangeiro, o desconhecido. Sua ética poderia ser resumida na seguinte frase: desejar que o outro permaneça sempre o Outro. Também, para Foucault, a experiência do Fora abre novas perspectivas, entendendo o Fora como uma matéria móvel, onde nada ainda aconteceu, campo das Forças, no qual o saber, o poder e a subjetivação são explicados pelo modo como cada um destes estratos, diagramas funcionam hoje e como funcionaram em outras épocas históricas. Resumidamente, o saber acontece nos plano das formas, contudo as dizibilidades e as visibilidades não são produtos do sujeito da enunciação, cada época possui seu arquivo audiovisual - o que pode ser visto e dito depende das condições enunciativas de cada apriori histórico -. Enquanto a topologia do saber dá-se no plano das formas, por um agenciamento prático, o poder é formado por um diagrama de forças. A composição das forças são informes, móveis e invisíveis, contudo uma microfísica diagramática explicita seu exercício, pois sua função e matéria são afetar e ser afetado por outras forças. A subjetivação, por sua vez, consiste na produção de uma interioridade, de um estilo de vida (subjetividade). Ou seja: a característica da força de afetar-se a si mesma, de vergar o lado de Fora permite que possamos construir regras facultativas para o modo de nos conduzir no mundo. Para Foucault, ao embarcarmos numa interioridade exterior singular estaremos resistindo aos jogos de poder e saber hegemônicos. Esta digressão sobre o saber, o poder e a subjetivação em Foucault tinha como finalidade mostrar como o conceito de Fora esteve ligado, sobretudo, ao estremecimento do sujeito, do cogito e, conseqüente, a despersonalização deste, sua dispersão na ordem dos discursos, entendimento do sujeito como resultante dos processos de subjetivação. 6

7 Deleuze, percorrendo obras de filósofos e literatos, desenvolve seu conceito-chave: o plano de imanência. A arte, para o filósofo, é a realização de um processo que pertence ao âmbito do virtual, do plano de imanência, da vida em sua máxima potência. Para explicar a complexidade do conceito de plano de imanência, busca-se apoio na frase Ele é infeliz. Kafka, segundo Blanchot, nunca falou da sua infelicidade e ao manter-se no impessoal, no neutro da assertiva ele é infeliz fez a linguagem liberar singularidades, diferenças. A infelicidade encontra-se como virtualidade, como imanência, somente estando ausente no leitor que ela poderá ser sentida, atualizada, isto é, justamente por não pertencer ao eu do escritor, pertence a todos. Pensar e escrever surge da privação do eu, do afastamento da subjetividade para a exterioridade, fora da consciência de um sujeito. Então, qual relação entre esse processo involuntário do pensar e do escrever com o plano de imanência? Em tempos em tempos surge, nos campos da literatura, da arte, da política, da filosofia e outros, um intolerável e num processo involuntário, sem um projeto previamente arquitetado são inauguradas mutações irreversíveis. Quando surge inesperadamente um outro mundo do mundo, segundo Deleuze, o homem restabelece seu vínculo com este mundo o nosso mundo -, fazendo-nos acreditar novamente na vida, no mundo. Deleuze utilizou a imagem do caos para explicar o plano de imanência, sendo esse uma fatia do caos que permanece livre em todas as dimensões (planos), constituindo, paradoxalmente, um único e imanente plano. O transcendental, o outro nome do plano de imanência, constitui um campo assubjetivo, isto é, não remete a um objeto e nem pertence a um sujeito. Uma vida, em sua máxima potência, encontra-se neste estado, livre dos qualificativos de subjetividade e de objetividade. Quando a vida encontra-se neste estado, encontra-se grávida de singularidades anônimas, nômades, selvagens, impessoais. Como se trata de composto de forças sem forma, informais por excelência, não ficam retidas no saber e no discurso. São, desta forma, hecceidades livres, singularidades, virtualidades capazes de engendrar acontecimentos. O rompe com o senso-comum, com a verdade, instaurando uma nova sensibilidade, uma outra maneira de lidar com o intolerável, convocando a criação, a resistência e, sobretudo, fazendo a vida acreditar neste mundo, ao produzir outro mundo do mundo. 7

8 Não se escreve e não se pensa quando se quer, mas podemos querer escrever um pouco como os poetas. Por isso, o devir-animal escritor escreve a cavalo, explorando os meios, arrebentando com toda a carga, atropelando, passando a galope, fora da margem, saltando obstáculos, inventando uma língua, sem tempo de ler no pensamento, farejando, atravessando o vivível e o vivido, sem calma, criança, só de patas, sem cabeça (Deleuze, 1997 ; Filho, 2005). Bibliografia: DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. Coleção TRANS. São Paulo: Editora 34, FILHO, Armando Freitas. Caçar em vão. Em Veneno Antimonotonia: os melhores poemas e canções contra o tédio. FERRAZ, Eucanaã (org). Rio de Janeiro: Objetiva, LEVY, Tatiana Salem. A experiência do Fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. Conexões (19). Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003 MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora,

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 Jurandir Goulart Soares 2 Salvador Leandro Barbosa 3 Resumo: O presente trabalho pretende apontar a partir da contribuição dos filósofos franceses

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

O PROCESSO DE CRIAÇÃO LITERÁRIA EM CLARICE LISPECTOR, POR UMA FILOSOFIA DA LITERATURA

O PROCESSO DE CRIAÇÃO LITERÁRIA EM CLARICE LISPECTOR, POR UMA FILOSOFIA DA LITERATURA O PROCESSO DE CRIAÇÃO LITERÁRIA EM CLARICE LISPECTOR, POR UMA FILOSOFIA DA LITERATURA Anderson Barbosa Camilo Departamento de Filosofia - UFRN Resumo: Entre muitos teóricos da literatura, pensar o problema

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

A FLOR MAIS LINDA DO MUNDO DE JOSÉ SARAMAGO: UMA REFLEXÃO SOBRE O SABER / TECER DA LITERATURA INFANTO JUVENIL

A FLOR MAIS LINDA DO MUNDO DE JOSÉ SARAMAGO: UMA REFLEXÃO SOBRE O SABER / TECER DA LITERATURA INFANTO JUVENIL A FLOR MAIS LINDA DO MUNDO DE JOSÉ SARAMAGO: UMA REFLEXÃO SOBRE O SABER / TECER DA LITERATURA INFANTO JUVENIL Karina Luiza de Freitas Assunção (PPGEL/ LEDIF /UFU) karinalfa@gmail.com Resumo: O texto a

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização ABRIR O CORPO AO ANIMAL, AO MINERAL, ÀS PLANTAS, AO COSMOS Angela A. Donini 1 RESUMO As questões que me mobilizam estão relacionadas ao pensar acerca dos processos de produção, recepção e circulação de

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

nas literaturas portuguesa e brasileira contemporâneas. Rio de Janeiro: Bruxedo; Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2006. 380 p.

nas literaturas portuguesa e brasileira contemporâneas. Rio de Janeiro: Bruxedo; Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2006. 380 p. DUARTE, Lélia Parreira (Org.). As máscaras de Perséfone: figurações da morte nas literaturas portuguesa e brasileira contemporâneas. Rio de Janeiro: Bruxedo; Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2006. 380 p.

Leia mais

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também.

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Unidade de Montenegro Curso de Graduação em Teatro: Licenciatura Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência PIBID Bolsista: Gleniana da Silva Peixoto

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença.

CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR. Palavras-chave: corpo masculino, sexualidade masculina, Filosofia da Diferença. CORPO E SEXUALIDADE MASCULINA EM DEVIR Marcelo Valente de Souza (UFPA) RESUMO: O tema da sexualidade masculina toma foco neste estudo por entendermos que ela pouco aparece na literatura. O texto aborda,

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

PESQUISAR EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: LANÇANDO OLHARES

PESQUISAR EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: LANÇANDO OLHARES PESQUISAR EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: LANÇANDO OLHARES Sônia Maria Clareto Universidade Federal de Juiz de Fora sclareto@yahoo.com.br Resumo: O presente texto procura pensar mais o pesquisar que a pesquisa

Leia mais

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14 Sumário Introdução 11 Os marcos teóricos de referência 14 Eixos didáticos convergentes 16 Anexo 1. Memória viva 19 Anexo 2. Algumas datas 22 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Deleuze, a arte e a filosofia

Deleuze, a arte e a filosofia roberto machado Deleuze, a arte e a filosofia Rio de Janeiro a geografia do pensamento Filosofia e criação de conceitos Gilles Deleuze sempre exerceu seu pensamento em relação a domínios ou objetos heterogêneos

Leia mais

Lino de Macedo* A Perspectiva de Jean Piaget

Lino de Macedo* A Perspectiva de Jean Piaget Lino de Macedo* A Perspectiva de Jean Piaget Considerar a aprendizagem da criança pré-escolar em uma perspectiva de Piaget implica, de imediato, ter em conta que este autor escreveu sobre o desenvolvimento

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 MOTIVO ALEGADO PELO CANDIDATO: A questão

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 LUGAR COMUM Nº23-24, pp.129-134 V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 Gerardo Silva Havia uma terrível sintonia entre o sonho e a realidade, os dois mundos misturando-se numa tigela de luz, e nós, os

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT 1 A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT RAMOS, Douglas Rossi 1 ; CARDOSO JR, Hélio Rebello; ROCHA, Luiz Carlos da (Universidade Estadual

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza

Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza 1 www.oxisdaquestao.com.br Lições e artes que podemos aprender com Daniel Piza Texto de CARLOS CHAPARRO Entramos em 2012 sem Daniel Piza. Perdemo-lo aos 41 anos de idade, a 30 de dezembro de 2011. Mas

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Carolina Fernandes 1 Neste trabalho, apresento algumas considerações sobre a (re)construção teóricometodológica do dispositivo de análise

Leia mais

A ABORDAGEM DA CRÔNICA NO LIVRO DIDÁTICO

A ABORDAGEM DA CRÔNICA NO LIVRO DIDÁTICO A ABORDAGEM DA CRÔNICA NO LIVRO DIDÁTICO Andréia Soardi (G -CLCA-UENP/CJ) Rita de Cássia Lamino de Araújo (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Grupo de Pesquisa Literatura e Ensino A crônica no ensino: objeto de

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da F A Z E N D O E S C O L A C O M I M A G E N S TREM DO DESEJO...fotografias despregadas do real Wenceslao Machado de Oliveira Jr Uma jangada à deriva a céu aberto leva os corações despertos a sonhar por

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica Negativo: espaço, tempo e história [1] Marcela Toledo França de Almeida [2] Universidade de Brasília UnB O sujeito se funda pela ausência do que um dia fez marca em seu corpo, espaço delimitado por um

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (PROVA 3) 1º Ano / Ensino Médio

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (PROVA 3) 1º Ano / Ensino Médio Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 06, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA

IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA 1 Julinete Vieira Castelo Branco (UFPI) GT 11 História, Memória e Educação IDENTIDADES, HISTÓRIAS E MEMÓRIA Este estudo pretende despertar algumas reflexões, acerca da discussão atual sobre as formas de

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

112 Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2006, vol. 9, n. 2, pp. 109-114. Resenha do livro A função psicológica do trabalho de Yves Clot 1

112 Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2006, vol. 9, n. 2, pp. 109-114. Resenha do livro A função psicológica do trabalho de Yves Clot 1 Resenha do livro A função psicológica do trabalho de Yves Clot 1 Maria Elizabeth Antunes Lima Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais A recente publicação no Brasil da primeira

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido NOTAS ACERCA DO VIRTUAL Celso Candido A fim de tornar mais claro o conceito de virtual, pressuposto neste trabalho, vai-se abordar este problema a partir de uma leitura de Pierre Lévy e Gilles Deleuze.

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Dança e políticas de cultura na pós-modernidade

Dança e políticas de cultura na pós-modernidade Dança e políticas de cultura na pós-modernidade Thaís Gonçalves Rodrigues da Silva Universidade Estadual do Ceará UECE Mestranda Professora e pesquisadora de dança Resumo: O balé clássico tem sido uma

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

TRÊS TIPOS DE LEITORES: O CONTEMPLATIVO, O MOVENTE E O IMERSIVO

TRÊS TIPOS DE LEITORES: O CONTEMPLATIVO, O MOVENTE E O IMERSIVO TRÊS TIPOS DE LEITORES: O CONTEMPLATIVO, O MOVENTE E O IMERSIVO Maurício Canuto 1 RESUMO Este artigo discute e põe em pauta que há novos tipos de leitores e modos de ler. No entanto, cabe ao profissional

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

6. Referências Bibliográficas

6. Referências Bibliográficas 6. Referências Bibliográficas ARIÈS, P. Por uma história da vida privada. In ARIÈS, P. e CHARTIER, R., História da Vida Privada, vol 3, p. 7-19. São Paulo: Ed. Schwarcz, 1997. BENEDICT, Ruth, Continuidades

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE COMPONENTE CURRICULAR - PGCC

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE COMPONENTE CURRICULAR - PGCC FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE COMPONENTE CURRICULAR - PGCC I. Identificação Área de Concentração: Estudos do Texto e do Discurso Linha de Pesquisa: Discurso, memória e identidade Disciplina:

Leia mais

O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas

O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas O ator-autor a questão da autoria nas formas teatrais contemporâneas Fernanda Coutinho Bond Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - UNIRIO Doutoranda Or. Prof. Dra. Ângela Materno Resumo: Este trabalho

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Resistência e prática de si em Foucault

Resistência e prática de si em Foucault 1 Resistência e prática de si em Foucault Auterives Maciel Jr. 1 Resumo: O artigo trabalha a relação entre a noção de resistência e a constituição das práticas de si no último momento da obra de Michel

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS

LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS Izabely Barbosa Farias (UFAM) Orientadora: Cássia Maria Bezerra do Nascimento (UFAM) RESUMO: Este trabalho tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA

OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA OS DOCENTES E A PRÁTICA DO ENSINO DA ESCRITA: TENSÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA ANATULA DA SILVA AXIOTELIS (UFRJ). Resumo Este trabalho é um desdobramento do artigo Indicadores objetivos de novas práticas

Leia mais