Futebol. Origem. Caraterização

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Futebol. Origem. Caraterização"

Transcrição

1 Origem Foi na Grã-Bretanha, durante o Séc. XIX que as suas regras começaram a ser definidas e a aproximar-se das que hoje são praticadas. O primeiro regulamento data de 1823 e a primeira associação de futebol inglesa surgiu em 1863, representando os clubes das várias cidades. Caraterização O futebol é um jogo desportivo coletivo disputado entre duas equipas, cada uma constituída por 11 jogadores efetivos e sete suplentes, dos quais um é guarda-redes. Objetivo O objetivo do futebol é introduzir a bola na baliza do adversário e evitar que a outra equipa marque golo. Terreno de jogo Duração do jogo Um jogo de futebol tem a duração de 90 minutos, divididos em duas partes de 45 minutos e um intervalo máximo de 15 minutos. Deve prolongar-se cada parte do jogo para recuperar o tempo perdido. A duração desse tempo é da responsabilidade do árbitro. Profª Sandra Simões 1

2 Número de árbitros Num jogo de futebol estão presentes 4 árbitros. - 1 Árbitro central, - 2 Juízes de linha, - 1 Elemento oficial. Começo e recomeço do jogo - A equipa que vencer o sorteio escolhe a baliza em direção à qual vai atacar, durante a primeira parte. - A outra equipa tem direito ao pontapé de saída. - No início da segunda parte, as equipas trocam de campo e a equipa que escolheu o campo efetuará o pontapé de saída. - Com o pontapé de saída pode-se obter golo diretamente. - O pontapé de saída é utilizado no início do jogo, depois da marcação de um golo e no início da segunda parte. - Na execução de um pontapé de saída: Todos os jogadores devem estar colocados no seu próprio meio campo. Os jogadores da equipa que não executa o pontapé de saída devem estar colocados a uma distância mínima de 9,15 m da bola. - A bola, colocada sobre o ponto central, entra em jogo logo que pontapeada para a frente, após o sinal do árbitro. O jogador que executa o pontapé de saída só pode voltar a jogar a bola depois de ela ser tocada por outro jogador. Marcação de pontos golo - Quando a bola ultrapassa completamente a linha de baliza, entre os postes e por baixo da barra, é golo. Fora de jogo - Um jogador está em posição fora do jogo, quando se encontra mais perto da linha de baliza adversária do que a bola e o penúltimo adversário, - Um jogador não é considerado em posição fora de jogo, se: Estiver no seu próprio meio campo, Estiver em linha com o penúltimo ou os dois últimos adversários. Faltas e incorreções - Assinala-se um pontapé livre direto, a favor da equipa adversária do jogador que cometeu as seguintes faltas: Dar ou tentar dar um pontapé num adversário, Passar ou tentar passar uma rasteira a um adversário, Saltar sobre um adversário, Carregar um adversário, Agredir ou tentar agredir um adversário, Empurrar ou agarrar um adversário, Cuspir num adversário, Tocar deliberadamente a bola com as mãos. Profª Sandra Simões 2

3 - Quando uma dessas faltas for cometida por um jogador dentro da sua área de grande penalidade, independentemente do local onde a bola se encontre em jogo nesse momento, será assinalado um pontapé de grande penalidade a favor da equipa adversária. - Assinala-se um pontapé livre indireto, a favor da equipa adversária do jogador que cometeu as seguintes faltas: Jogar de maneira perigosa, Fazer obstrução à progressão do adversário, Impedir o guarda-redes de soltar a bola das mãos, Cometer outras faltas não mencionadas, pelas quais o jogo seja interrompido a fim de advertir ou expulsar um jogador. - Assinala-se também pontapé livre indireto nas faltas cometidas pelo guarda-redes dentro da sua área de grande penalidade: Manter a bola em seu poder durante mais de 6s antes de a soltar das mãos, Tocar outra vez a bola com as mãos depois de a ter soltado, sem que ela tenha sido jogada por outro jogador, Tocar a bola com as mãos, vinda de um passe atirado intencionalmente com o pé, por um seu colega de equipa, Tocar a bola com as mãos, vinda diretamente de um lançamento lateral, efetuado por um colega de equipa. - Os pontapés livres diretos ou indiretos são executados no local em que as faltas foram cometidas. Faltas passíveis de advertência (cartão amarelo) Ser culpado de comportamento antidesportivo, Manifestar desacordo por palavras ou por atos, Infringir com persistência as leis do jogo, Retardar o começo do jogo, Não respeitar a distância exigida aquando da execução de um pontapé de canto, de um pontapé livre ou de um lançamento lateral, Entrar ou reentrar no terreno de jogo sem autorização do árbitro, Abandonar deliberadamente o terreno de jogo sem autorização do árbitro. Faltas passíveis de expulsão (cartão vermelho) Ser culpado de uma falta grosseira, Ser culpado de conduta violenta, Cuspir num adversário ou sobre qualquer outra pessoa, Impedir a equipa adversária de marcar um golo, ou anular uma ocasião clara de golo, tocando deliberadamente a bola com a mão, Destruir uma ocasião clara de golo do adversário que vai em direção à sua baliza, cometendo uma falta de um pontapé livre ou de um pontapé de grande penalidade, Usar linguagem ou gestos ofensivos, injuriosos, ou grosseiros, - Um jogador expulso tem de abandonar a proximidade do terreno de jogo e a área técnica. Profª Sandra Simões 3

4 Pontapés livres - Pontapé livre direto: Pode-se obter golo diretamente, Se a bola entra em jogo e entra diretamente na baliza da equipa do executante, não é golo, sendo concedido à equipa adversária a marcação de um pontapé de canto. - Pontapé livre indireto: O árbitro assinala com o braço levantado por cima da cabeça e mantém essa posição, desde a execução até que a bola toque noutro jogador ou saia de jogo, Só é considerado golo, se a bola entrar na baliza depois de ter sido tocada por outro jogador para além do executante, Se entrar diretamente na baliza do adversário é assinalado pontapé de baliza a favor da equipa adversária. - Na marcação de qualquer pontapé livre, todos os jogadores da equipa adversária devem encontrar-se a uma distância mínima de 9,15 m da bola. Pontapé de grande penalidade - Assinala-se pontapé de grande penalidade sempre que uma equipa cometa, dentro da sua área de grande penalidade, e no momento em que a bola esteja em jogo, uma das faltas punidas com pontapé de livre direto, - A bola é colocada sobre a marca do pontapé de grande penalidade, - O guarda-redes deve colocar-se sobre a linha de baliza, de frente para o executante, entre os postes da sua baliza, até a bola ser pontapeada, - O executante do pontapé de grande penalidade, após autorização do árbitro, deve pontapear a bola em direção da baliza. A bola entra em jogo logo que seja pontapeada e se movimenta em direção á baliza adversária. - Todos os outros jogadores devem estar colocados fora da área de grande penalidade, a uma dist~encia mínima de 9,15 m da bola. Lançamento lateral - É concedido um lançamento lateral à equipa adversária do jogador que tocou a bola em último lugar, quando a bola ultrapassar completamente a linha lateral, - O executante deve: Colocar-se no local onde a bola ultrapassou a linha lateral, Estar virado para o terreno de jogo, Profª Sandra Simões 4

5 Ter os dois pés colocados atrás ou sobre a linha lateral, Prender a bola com as duas mãos, Lançar a bola por detrás da nuca e por cima da cabeça. - Do lançamento lateral não pode ser obtido golo diretamente. Pontapé de baliza - É concedido um pontapé de baliza quando a bola, tocada em último lugar por um jogador da equipa atacante, ultrapassar completamente a linha de baliza, sem que tenha sido marcado golo, - Pode-se marcar diretamente um golo com o pontapé de baliza, mas somente contra a equipa adversária. Pontapé de canto - Assinala-se canto quando a bola, tocada em último lugar por um jogador da equipa defensora, ultrapassar completamente a linha de baliza, sem que tenha sido marcado golo, - Pode-se marcar diretamente um golo de um pontapé de canto, mas somente contra a equipa adversária. Profª Sandra Simões 5

6 Ações técnicas Condução de bola A Condução de Bola é uma ação técnica de deslocamento controlado da bola no espaço de jogo, por parte de um jogador. Esta ação é fundamental, para que os jogadores se deslocarem com a bola controlada em direção à baliza adversária. No entanto, esta ação só deve ser utilizada em recurso, principalmente quando há companheiros melhor colocados. - Conduzir a bola com uma das três partes do pé: - Parte interna do pé mais precisa e menos rápida (a); - Parte externa do pé eficiente e rápida (b); - Peito do pé menos precisa e mais rápida. - Manter a bola sempre próxima do pé que a conduz; - Conduzir a bola do lado oposto ao que se encontra o adversário; - Manter o tronco ligeiramente inclinado para a frente; - Observar o espaço de jogo e a bola simultaneamente. Passe O Passe é a ação técnico-tática que permite aos jogadores da mesma equipa comunicarem entre si, tendo por objetivo fazer com que a mesma progrida no terreno. Profª Sandra Simões 6

7 - Utilizar a superfície de contacto que lhe permitir uma maior precisão da trajetória da bola para o que pretende: - Parte interna do pé para distâncias curtas (a); - Peito do pé para distâncias mais longas (b); - Parte externa do pé - para dar mais velocidade à bola (c); - Cabeça em bolas aéreas (d); - Colocar o pé de apoio ao lado da bola; - Colocar a ponta do pé de apoio na direção para onde pretende passar a bola; - Contactar a bola pela parte central, com o pé que realiza o passe; - Colocar a perna de balanço estendida à frente; - Colocar a perna de apoio ligeiramente fletida; - Manter tronco ligeiramente inclinado à frente; - Equilibrar o movimento com os membros superiores. Receção A receção é uma ação técnica individual de controlo ou domínio de bola, que tem por objetivo receber o passe de um companheiro ou intercetar um passe ou um remate do adversário. A ação técnica individual receção, pode ser efetuada com todas as superfícies corporais, excetuando os braços e as mãos. a b c Profª Sandra Simões 7

8 A receção pode ser feita com: - Parte interna do pé (a); - Peito do pé (b); - Planta do pé (c); - Peito; (d) - Cabeça; - No momento antes de tocar a bola, o pé de contacto deve colocar-se à frente do pé de apoio e atrás da bola; - No momento de contacto com a bola, o pé que recebe a bola é arrastado descontraidamente para trás; - Manter a perna de apoio ligeiramente fletida; - Fletir o tronco ligeiramente; - Deslocar-se na direção da trajetória da bola. Remate O Remate é uma ação técnica exercida pelo jogador sobre a bola, com o objetivo de a introduzir na baliza adversária. O remate pode ser feito com: - Parte interna do pé muito preciso, pouco forte; - Parte externa do pé; - Peito do pé preciso, muito forte; - Cabeça; - Colocar o pé de apoio na direção do remate; - Estender o pé que remata; - Inclinar o tronco ligeiramente atrás e no momento do remate incliná-lo acentuadamente à frente; - Contactar a bola no centro com o objetivo de lhe imprimir mais velocidade. Profª Sandra Simões 8

9 Cabeceamento O cabeceamento é o gesto técnico de tocar a bola com a cabeça. Este gesto pode estar ligado à receção, ao remate, à condução de bola e à interceção. - Os membros superiores auxiliam o movimento de elevação do corpo, de trás para a frente e de baixo para cima, ao mesmo tempo em que se dá a extensão das pernas; - Contactar a bola com a testa; - Inclinar o corpo ligeiramente atrás para depois ser impulsionado à frente em direção à bola, para imprimir mais potência ao cabeceamento; - Manter o contacto visual com a bola durante a trajetória aérea. Finta/Simulação Finta é a ação técnica de ultrapassar com a bola controlada o adversário direto Simulação é uma ação técnica individual, realizada por qualquer segmento corporal, tendo por objetivo desequilibrar ou ludibriar o adversário direto de forma a ultrapassá-lo. - Levantar a cabeça; - Conduzir a bola com o pé mais afastado do adversário; Profª Sandra Simões 9

10 - Proteger a bola com o corpo; - Mudar de repente de direção e aumentar a velocidade. Desarme O desarme é a ação feita por um defensor, para poder contrariar a finta (e o drible). Nunca se deve olhar para o adversário mas sim a bola, mantendo sempre uma posição de equilíbrio do corpo com os pés colocados obliquamente à linha de corrida do adversário. O desarme só deve ser tentado quando se tiver a certeza de poder alcançar a bola, procurando manter pelo menos um apoio no solo e tentar forçar o adversário a deslocar-se para junto de um seu companheiro de defesa. - Colocar o pé perpendicularmente à direção do deslocamento da bola; - Bloquear a bola; - Olhar sempre para a bola; - Manter o equilíbrio corporal; - Colocar os pés obliquamente à linha de progressão do adversário. Tabelinha A Tabelinha trata-se de um passe ao l toque, com o qual se pretende devolver, rápida e eficazmente, a bola ao companheiro que efetuou o passe e que, de imediato, se desmarcou para a receber em condições favoráveis de progressão ou finalização. O passe, para ser devolvido em tabelinha, deve ser efetuado para o pé mais afastado do defesa. Profª Sandra Simões 10

11 - Realizar o passe para o pé mais afastado do defesa; - Passar a bola e correr rápido para voltar a recebê-la; - Receber a bola e passar logo para a frente. Ações técnicas Tática Individual: consiste na movimentação de um jogador nas funções prioritárias do jogo; Tática Coletiva: é visível quando toda a equipa, ou parte, se envolve na obtenção do objetivo a alcançar. A marcação inicia-se logo após a perda da posse da bola, procurando recuperá-la, para que o atacante não realize a sua tarefa de jogo. A desmarcação é a movimentação racional e harmoniosa, é jogar sem bola, procurando evitar que a ação do oponente se concretize. Movimentação Ofensiva (ataque) A posse da bola é uma fase crucial para uma equipa, pois tem assim a possibilidade de marcar golo. Durante o processo ofensivo, isto é, após a recuperação da bola, a equipa deve preparar os seguintes mecanismos: 1. Contra-ataque; 2. Ataque organizado progressão no terreno de jogo; 3. Criação de situações que possibilitem a finalização remate com êxito; 4. Manutenção da posse de bola. Profª Sandra Simões 11

12 Movimentação Defensiva (defesa) A equipa sem a posse da bola não deve permitir a progressão e finalização (remate) numa zona que possa colocar em perigo a sua baliza. Durante um processo defensivo, uma equipa deve organizar-se em: 1. Ação Defensiva individual - Realização de marcação H-H sobre o jogador adversário com bola, para que possa ser parado um contra-ataque e dar tempo de organizar as ações defensivas, mais adequadas para alcançar a posse da bola. 2. Ação defensiva coletiva Realizar a cobertura do jogo de forma equilibrada. Os jogadores devem: - Manter a posição entre o atacante e a baliza; - Fechar eventuais linhas de passe; - Apoiar o companheiro que faz a marcação ao jogador adversário com bola; - Fazer dobras ; - Ajudar os companheiros que executam as dobras. Princípios de Jogo Os Princípios de Jogo são as regras gerais segundo as quais os jogadores dirigem e coordenam a sua atividade durante as diferentes fases, tanto a nível individual como a nível coletivo. A não permissão de inferioridade numérica, o evitar a igualdade numérica e a procura de situações de superioridade numérica são princípios gerais do jogo. Por sua vez, o conjunto de regras que devem coordenar as ações dos jogadores representa os princípios específicos, que podem distinguir-se em princípios específicos ofensivos e em princípios específicos defensivos. Profª Sandra Simões 12

13 1. Penetração OFENSIVOS 1. Contenção DEFENSIVOS Criar vantagem espacial e/ou numérica. Atacar o adversário direto e/ ou a baliza. Condicionar o portador da bola com o objetivo de lhe retirar tempo e espaço de execução (paragem do contraataque, temporização para organização defensiva, paragem do ataque). 2. Cobertura ofensiva Apoiar o portador da bola e funcionar como primeiro equilíbrio defensivo. 2. Cobertura defensiva Apoiar o companheiro que faz contenção (relacionar-se com a baliza, zona do campo e adversários). 3. Mobilidade Criar e ocupar espaços livres e linhas de passe. Variar o posicionamento para criar ruturas e desequilíbrios na estrutura defensiva adversária. Manter a posse da bola. 3. Equilíbrio Fechar os espaços entre os diferentes jogadores da equipa. Cobrir eventuais linhas de passe criadas. Cobrir espaços e jogadores livres (ações afastadas da bola). 4. Espaço Estruturar e racionalizar as ações ofensivas coletivas no sentido de dar maior amplitude ao ataque, tanto em largura como em profundidade. 4. Concentração Estruturar e racionalizar as ações defensivas coletivas no sentido de retirar amplitude às ações ofensivas, tanto em largura como em profundidade. Profª Sandra Simões 13

14 Sinalética do árbitro Profª Sandra Simões 14

Regras do Jogo - Futsal

Regras do Jogo - Futsal Regras do Jogo - Futsal Pré-Jogo: A escolha dos campos é determinada por um sorteio efetuado por meio de uma moeda. A equipa favorecida pela sorte escolhe a baliza em direção à qual atacará durante a primeira

Leia mais

Conhecer factores importantes do jogo. Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal. disciplinares

Conhecer factores importantes do jogo. Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal. disciplinares Objectivos Conhecer factores importantes do jogo Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal Conhecer elementos de sanções técnicas e Conhecer elementos de sanções técnicas e disciplinares

Leia mais

A partida sera jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o ma ximo de sete jogadores em campo, um dos quais sera o guarda-redes.

A partida sera jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o ma ximo de sete jogadores em campo, um dos quais sera o guarda-redes. Torneio de Futebol Hernâni Gonçalves Regras do jogo NU MERO DE JOGADORES A partida sera jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o ma ximo de sete jogadores em campo, um dos quais sera o guarda-redes.

Leia mais

II aeestsp Course Cup

II aeestsp Course Cup II aeestsp Course Cup Regulamento Futebol de 5 INTRODUÇÃO As Leis do Jogo Futsal da Federação Portuguesa de Futebol aplicam-se a este torneio, com adaptação adequada das regras às condições de realização

Leia mais

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO

LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO ARTº 1º Os jogos de Futsal serão realizados preferencialmente nos recintos de Andebol (aproveitando as suas marcações) ou em um quarto de campo de futebol de 11 (quando possível

Leia mais

LEI 1 - Superfície de Jogo

LEI 1 - Superfície de Jogo Superfície de Jogo LEI 1 - Superfície de Jogo Zona de Substituições Substitutos Cronometrista Substitutos 25 cm 5 metros 10 metros 5 metros 5 metros Máxim 5 metros a 25 m 6 metros Mínima 3,16 m 10 metros

Leia mais

XXXII TORNEIO DE FUTEBOL DE SALÃO GRUPO DESPORTIVO OLIVEIRA DE FRADES

XXXII TORNEIO DE FUTEBOL DE SALÃO GRUPO DESPORTIVO OLIVEIRA DE FRADES XXXII TORNEIO DE FUTEBOL DE SALÃO GRUPO DESPORTIVO OLIVEIRA DE FRADES REGULAMENTO 1. O XXXII Torneio de Futebol de Salão inicia a 22/06/2013, no campo sintético de futebol de cinco, no Parque Desportivo

Leia mais

História do Basquetebol

História do Basquetebol História do Basquetebol Foi inventado por um professor Canadiano, James Naismith no ano de 1891. Em Dezembro do mesmo ano, teve lugar o primeiro jogo, no Springfield College, nos EUA. O seu primeiro nome

Leia mais

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas 2012 / 2013 Arbitrar o Tag-Rugby Programa Nestum Rugby nas Escolas AS LEIS DE JOGO DO TAG RUGBY Tamanho da Bola Escalão Infantis (A e B) a bola a utilizar deverá ser a nº3 Escalão Iniciados e Juvenis a

Leia mais

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles.

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. FUTEBOL Gesto Técnico: Passe com o pé Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. Utiliza-se quando existe um colega desmarcado, em

Leia mais

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE LEÇA DA PALMEIRA/STA. CRUZ DO BISPO Ano Letivo de 20012/2013 O que é o andebol? REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO O Andebol é um desporto coletivo inventado por um alemão, Karl

Leia mais

TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO. Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP

TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO. Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP 1. Diferenças entre as Leis de Jogo do Futsal e as regras aplicadas na TAGUSCUP Não há faltas

Leia mais

Associação de Futebol de Vila Real

Associação de Futebol de Vila Real Época 2007/08 Teste Escrito n.º 16 Candidatos aos Quadros acionais (Grupo C) Vila Real, 26 de Janeiro de 2008 Duração de 60 minutos ão Responder apenas Sim ou ão Cotação (Certa 5; parcial/ certa sem falha

Leia mais

2ª Ação de Avaliação para Árbitros C1 GRELHA DE CORREÇÃO TESTE ESCRITO LEIS DE JOGO (32)

2ª Ação de Avaliação para Árbitros C1 GRELHA DE CORREÇÃO TESTE ESCRITO LEIS DE JOGO (32) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM 2ª Ação de Avaliação para Árbitros C1 Lisboa, 07 de Abril de 2015 ÉPOCA 2014/2015 GRELHA DE CORREÇÃO TESTE ESCRITO LEIS DE JOGO (32) Leia atentamente

Leia mais

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Faculdade de Motricidade Humana Escola Secundária Fernando Namora Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Orientadores: Professores Estagiários:

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

Basquetebol. Objetivo O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto do adversário e evitar que a outra equipa marque pontos. Material.

Basquetebol. Objetivo O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto do adversário e evitar que a outra equipa marque pontos. Material. Origem e Regras Origem A descoberta do basquetebol, enquanto modalidade, teve lugar em Massachussets, em 1891. O seu inventor foi James Naismith, professor de anatomia da School for Christian Workers (hoje

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa CONSELHO DE ARBITRAGEM

Associação de Futebol de Lisboa CONSELHO DE ARBITRAGEM ssociação de Futebol de Lisboa ONSELHO DE RITRGEM PROV TEORI REGULMENTR PR ÁRITROS DISTRITIS 2012 / 2013 29 / Setembro / 2012 Futebol 3b Esc. Sec. Miguel Torga TESTE 04 Leia atentamente as instruções seguintes:

Leia mais

Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Prova Escrita Árbitros FUTSAL Classificativo. Época 2016 /

Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Prova Escrita Árbitros FUTSAL Classificativo. Época 2016 / Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Prova Escrita Árbitros FUTSAL Classificativo Época 2016 / 2017 03-09-2016 Leia atentamente as instruções seguintes: Para cada questão, escolha uma

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano Jogos Pré-Desportivos Educação Física 5.º ano Conhecer o objetivo do jogo, o funcionamento e as regras do jogo. Jogos sem bola: Em situação de ataque cria oportunidades com superioridade numérica para

Leia mais

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? A equipa e o Campo O é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos são introduzir

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física 9º ANO - 1º PERÍODO UNIDADE DIDÁTICA TESTES DE C.F. ATLETISMO GINÁSTICA SOLO Conteúdos -

Leia mais

ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DO FUTSAL 2011/2012

ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DO FUTSAL 2011/2012 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DO FUTSAL 2011/2012 Para conhecimento geral, informa-se que a FIFA, através da sua Circular Nº 1265, de 09.06.2011, divulgou as alterações às Leis do Jogo do Futsal 2011/2012,

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2015/2016 Setúbal, 28 de novembro de 2015 Observadores Distritais TESTE ESCRITO 1. Qual o procedimento do árbitro, em termos técnicos, se verificar a entrada em campo,

Leia mais

Regulamento Toneio 2x2 Jorkyball Leomil 09 I

Regulamento Toneio 2x2 Jorkyball Leomil 09 I Regulamento Toneio 2x2 Jorkyball Leomil 09 I a) Funcionamento: 1) O Torneio será disputado da seguinte maneira As equipas jogarão entre si um campeonato, em um ou dois grupos mediante o nº de inscrições.

Leia mais

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol Princípios Táticos Aprofundamento em Futebol DEFENSIVO Linha Bola Gol Equilíbrio homem-bola e Numérico Acompanhamento Cobertura Desarme Linhas de Marcação Tipos de Marcação Princípios Táticos OFENSIVO

Leia mais

Leis do Jogo 2016/17 Resumo das Alterações às Leis para Jogadores, Treinadores e

Leis do Jogo 2016/17 Resumo das Alterações às Leis para Jogadores, Treinadores e Leis do Jogo 2016/17 Resumo das Alterações às Leis para Jogadores, Treinadores e Introdução A 130ª Assembleia Geral Anual do International FA Board (o IFAB) realizada em Cardiff a 5 de março de 2016 aprovou

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA Carlos Sacadura Outubro de 2011 Possibilitar a todas as crianças do nosso distrito a oportunidade de praticar futebol como um desporto de recreação, tempo livre e formação;

Leia mais

Voleibol. Origem e Regras Origem

Voleibol. Origem e Regras Origem Origem e Regras Origem Originariamente designado por minonette, o jogo foi inventado em 1895, no estado de Massachusetts, EUA, por William G. Morgan, como resposta ao recém-criado basquetebol. Objetivo

Leia mais

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 FUTSAL Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 ÍNDICE Índice... i FUTSAL... 1 Fundamentos técnicos:... 1 Posições dos Jogadores no Futsal:... 1 Regras:... 2 Campo... 2 Área de

Leia mais

Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização. Treinador do Sporting CP (14/15)

Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização. Treinador do Sporting CP (14/15) Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização Treinador do Sporting CP (14/15)! Modelo de Jogo baseado no! Relatório de Estágio de:! Pereira, G. (2013) - FMH! Estoril 2011/2012 Contextos de Exercitação!

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda Rua Comandante Salvador Nascimento Lote LC Guarda

Associação de Futebol da Guarda Rua Comandante Salvador Nascimento Lote LC Guarda Associação de Futebol da Guarda Rua Comandante Salvador Nascimento Lote LC3 6300 678 Guarda CONSELHO DE ARBITRAGEM 1- Antes do início do jogo o delegado da equipa visitante informa-o que pretende protestar

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! Voleibol! Caraterização Voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, separadas por uma

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO Grupo Disciplinar de Educação Física JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente e realiza

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - 2º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO Testes de Condição Física Avaliação da velocidade, flexibilidade, força muscular, agilidade e medidas

Leia mais

Unidade didática de Basquetebol Objetivos gerais do Basquetebol

Unidade didática de Basquetebol Objetivos gerais do Basquetebol Livro do Professor 117 Unidade didática de Basquetebol Objetivos gerais do Basquetebol Cooperar com os companheiros no objetivo do Basquebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações solicitadas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Documento de Apoio de Andebol

Documento de Apoio de Andebol Documento de Apoio de Andebol Caracterização da Modalidade O andebol distingue-se pelas suas variadas acções que vão desde as corridas, aos arranques, às paragens, aos saltos de diversas formas e à combinação

Leia mais

Corfebol. Sinais dos Árbitros

Corfebol. Sinais dos Árbitros Corfebol Sinais dos Árbitros 2006 Este livro deve ser considerado um apêndice às Regras de Corfebol. Contém os sinais aprovados para serem utilizados pelos Árbitros de Corfebol. Todos os sinais devem ser

Leia mais

Regras do Jogo. Regras Subbuteo (PT) Posse de Bola. Pontapé de saída. Intercepção

Regras do Jogo. Regras Subbuteo (PT) Posse de Bola. Pontapé de saída. Intercepção Regras Subbuteo (PT) Regras do Jogo Posse de Bola A acontecer esta situação, a equipa defensora pode reclamar BACK e a bola mudará 1.1. A equipa que possui a bola será denominada equipa atacante e a outra

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO e 12º ANO JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS (11.º ano e 12.º ano) ACÇÕES PSICO-MOTORAS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente

Leia mais

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto Guifões 21/05/2012 Introdução: Os jogadores Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Os nossos jogadores sabem cada

Leia mais

JORGE CASTELO EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA. Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013

JORGE CASTELO EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA. Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013 JORGE CASTELO! EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013 Jorge Castelo Data de Nascimento: 26-01-1957; Nacionalidade: Portuguesa; Profissões:

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes Aula Teórica História do Basquetebol Em 1891, o director da secção de Educação Física do Springfield College (USA), pediu o Professor James Naismith para criar um actividade que satisfizesse o interesse

Leia mais

Fédération Internationale de Football Association

Fédération Internationale de Football Association Fédération Internationale de Football Association Presidente: Joseph S. Blatter Secretário Geral: Jérôme Valcke Direção: FIFA FIFA-Strasse 20 Código postal 8044 Zúrique Suiça Telefone: +41-(0)43-222 7777

Leia mais

Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido.

Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido. www.barcodetablefootball.com Como jogar Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido. É o melhor e mais realista de todos os jogos

Leia mais

PRIMEIRA PROVA SOMATIVA COM USO DO TEMPORIZADOR

PRIMEIRA PROVA SOMATIVA COM USO DO TEMPORIZADOR Esta avaliação é composta por 20 questões objetivas, ou seja, somente uma questão está correta. O tempo para cada questão, será de um minuto para escolher uma das alternativas, fique atento, pois, a mudança

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VISEU

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VISEU 1 ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE VISEU CONSELHO DE ARBITRAGEM 1ª Ação de Futebol Viseu, 25 de outubro de 2016 ÉPOCA 2016/2017 TESTE ESCRITO LEIS DE JOGO (Observadores) Leia atentamente as instruções seguintes.

Leia mais

3.1. História da Modalidade

3.1. História da Modalidade 3.1. História da Modalidade III. Unidade Didáctica de Futebol Os jogos de bola, sempre acompanharam a vida dos homens. Há mais de dois milénios, na China, praticava-se um jogo ao qual chamaram Tsu-Chu

Leia mais

MÓDULO 6. -Desportos Coletivos-ANDEBOL

MÓDULO 6. -Desportos Coletivos-ANDEBOL 1. Origem, evolução e tendências de desenvolvimento da modalidade 1.1. Contextos organizacionais e formas de prática 1.2. Aspetos demográficos e geográficos da prática 1.3. Tendências de desenvolvimento

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL SÚMULA E RELATÓRIO DA PARTIDA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL SÚMULA E RELATÓRIO DA PARTIDA SÚMULA E RELATÓRIO DA PARTIDA JOGO: Campeonato: Jogo: Data: Estádio: Horário: FICHA TÉCNICA Rodada: UF: EQUIPE DE ARBITRAGEM FUNÇÃO NOME COMPLETO CAT. UF Árbitro: Árbitro Assistente 1: Árbitro Assistente

Leia mais

Chuta como os profissionais. Com o Campo de Futebol da PLAYMOBIL podes fazer passes curtos, passes longos e, até, rematar para o alto.

Chuta como os profissionais. Com o Campo de Futebol da PLAYMOBIL podes fazer passes curtos, passes longos e, até, rematar para o alto. Chuta como os profissionais. Com o Campo de Futebol da PLAYMOBIL podes fazer passes curtos, passes longos e, até, rematar para o alto. O novo guarda-redes da PLAYMOBIL também pode sair da baliza, deslocar-se

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física DOMÍNIO/TEMA Aptidão SUB TEMA (Conteúdos) Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio OBJETIVOS GERAIS Elevar o nível funcional

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Técnico/táctica individual ofensiva com e sem bola (procedimentos gerais) a) Os aspectos da técnica e táctica ofensiva prevalecem sobre os defensivos

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL. Osvaldo Tadeu da Silva Junior METODOLOGIA DO ENSINO DO FUTSAL Osvaldo Tadeu da Silva Junior INICIAÇÃO ÀS TÉCNICAS INDIVIDUAIS INTRODUÇÃO FUTSAL: Da iniciação ao Alto nível Daniel Mutti A técnica consiste na execução individual dos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Entidade Mantenedora: SEAMB Sociedade Espírita Albertino Marques Barreto CNPJ: /

Entidade Mantenedora: SEAMB Sociedade Espírita Albertino Marques Barreto CNPJ: / A5 ATIVIDADES DE MATEMÁTICA Aluno: Complete com os números que faltam: 1 4 6 8 10 12 14 16 17 18 20 Anexo: Conceitos Matemáticos Dinâmica Escolher uma forma criativa para apresentar a situação criada

Leia mais

Voleibol. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Voleibol. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE... 4 IDENTIFICAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 2016-2017 DISCIPLINA / ANO: Educação Física / 11º Ano MANUAL ADOTADO: Em Movimento 10/11/12 Edições ASA II, S.A. GESTÃO DO TEMPO 1º PERÍODO Nº de

Leia mais

Basquetebol. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Basquetebol. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 1- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE... 5 REGULAMENTO... 5 CAMPO...

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data Livro de Regras Federação de Andebol de Portugal

Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data Livro de Regras Federação de Andebol de Portugal livro de regras para o Mini Andebol... vamos jogar ANDEBOL! Não sabes as regras? Nada mais fácil... Eu explico! Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data

Leia mais

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ÀS LEIS DE JOGO 2016/17

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ÀS LEIS DE JOGO 2016/17 AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ÀS LEIS DE JOGO 2016/17 LEI 3 OS JOGADORES 1- Um jogador que tenha sido expulso antes da Ficha de Jogo ser entregue ao árbitro (geralmente isso acontece 30 a 60m antes do início

Leia mais

Chute É o ato de golpear a bola, desviando ou dando trajetória à mesma, estando ela parada ou em movimento.

Chute É o ato de golpear a bola, desviando ou dando trajetória à mesma, estando ela parada ou em movimento. UI MARIA LENIR ARAÚJO MENESES Prof Esp. Leonardo Delgado FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO JOGADOR DE FUTEBOL Para uma melhor prática do futebol, faz-se necessário o conhecimento e domínio de algumas técnicas básicas,

Leia mais

TÉNIS DE PRAIA REGRAS

TÉNIS DE PRAIA REGRAS TÉNIS DE PRAIA REGRAS 1. O campo O campo será composto por um retângulo de 16 metros de comprimento e 8 metros de largura. Será dividido pela sua metade por uma rede sustentada por postes que, na sua parte

Leia mais

Modalidades Coletivas: Basquetebol

Modalidades Coletivas: Basquetebol Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidades Coletivas: Basquetebol História da Modalidade Técnicas de Execução Ações Táticas Ofensivas e Defensivas Regulamento Professora: Andreia Veiga

Leia mais

Torneio Masculino de Fut3 REGULAMENTO

Torneio Masculino de Fut3 REGULAMENTO REGULAMENTO CAPÍTULO I 1. Generalidades 1.1. Todos os jogos serão realizados no Salão da Associação Cultural e Recreativa de Maceirinha; 1.2. Não são permitidas alterações de horários ou adiamento de jogos;

Leia mais

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes.

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes. FUTSAL 1. História do Futsal A prática do futebol de salão começou a dar aos primeiros passos na década de 30 no século XX, nos campos de basquetebol e em pequenos salões. As primeiras regras tiveram por

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

Análise ao Villarreal Club de Fútbol

Análise ao Villarreal Club de Fútbol Análise ao Villarreal Club de Fútbol João Pedro Colaço Araújo Atletico Vs. Villarreal CF Pontos Fortes 11 mais utilizado da época/ Rating Contra Ataque FORTE Bolas Paradas Defensivas Proteção da Baliza

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA maio de 016 Prova 8 016.....º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/01, de de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

REGRAS DE JOGO E DECISÕES DA IFAB. Por Daniel Pomeroy Diretor Oficiais de Arbitragem da CBFS

REGRAS DE JOGO E DECISÕES DA IFAB. Por Daniel Pomeroy Diretor Oficiais de Arbitragem da CBFS REGRAS DE JOGO E DECISÕES DA IFAB Por REGRA 1 A SUPERFÍCIE DE JOGO Placas de publicidade ao redor da quadra de jogo A publicidade vertical, se existir, deverá estar a: 1 Um metro das linhas laterais, exceto

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

Fundamentos técnicos do Handebol

Fundamentos técnicos do Handebol Resumo com autoria de Edvaldo Soares de Araújo Neto e Anália Beatriz A. S. Almeida. Fundamentos técnicos do Handebol Recepção Conceito: ato de receber a bola normalmente com as duas mãos; Objetivo: amortecer

Leia mais

CAPÍTULO Tirar vantagem tática. Capacidades táticas. Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes

CAPÍTULO Tirar vantagem tática. Capacidades táticas. Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes 5 CAPÍTULO Capacidades táticas Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes 5.1.3 Tirar vantagem tática cap5.1.3.indd 1 27/05/13 18:07 cap5.1.3.indd 2 27/05/13 18:07 APRENDIZAGEM TÁTICA

Leia mais

Textos para Leitura e Exploração

Textos para Leitura e Exploração COMPONENTE CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Textos para Leitura e Exploração Handebol. 8º ano - Ensino Fundamental II Professora: Raísa Prado. 1º Bimestre / 2016. Página 1 História do handebol Em 29 de outubro

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Não. O blusão deve ter o nº de identificação nas costas.

Não. O blusão deve ter o nº de identificação nas costas. Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Teste Escrito ÁRBITROS FUTSAL C4 27/09/2013 Época 2013/2014 Leia atentamente as instruções seguintes: Para cada questão, escolha uma (e só uma) resposta,

Leia mais

Matriz - Prova Global do Agrupamento Departamento de Educação Física Educação Física - 2º Ciclo

Matriz - Prova Global do Agrupamento Departamento de Educação Física Educação Física - 2º Ciclo Cambalhota à frente com pernas unidas Cambalhota à retaguarda com pernas unidas. Apresentação de uma sequência com Ligação entre os elementos.... Nível 1 Apresenta-se e tenta, mas não executa o exercício.

Leia mais

REPORT MANCHESTER UNITED

REPORT MANCHESTER UNITED REPORT MANCHESTER UNITED Newcastle Vs. Man. UTD 3-3 Premier League Equipa Inicial Manchester United Nomes Nº Posição David De Gea 1 GR Ashley Young 18 DD 1-4-2-3-1 Chris Smalling 12 DC Daley Blind 17 DC

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Agrupamento de Escolas Elias Garcia Departamento de Expressões Secção de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7º ANO ATIVIDADES FÍSICAS CRITÉRIO 4 VOLEIBOL (PARTE DO NÍVEL ELEMENTAR 7º ANO) - Elementar

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-402011 Objetivos gerais: Realizar atividades de forma autónoma, responsável e criativa Cooperar com outros em tarefas e projetos comuns Relacionar harmoniosamente

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física 2016 Prova 26 / 2016 1ª e 2ª fase 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

Lei I - O Campo de Jogo. A superfície de jogo e as suas particularidades devem obedecer ao gráfico seguinte:

Lei I - O Campo de Jogo. A superfície de jogo e as suas particularidades devem obedecer ao gráfico seguinte: Lei I - O Campo de Jogo A superfície de jogo e as suas particularidades devem obedecer ao gráfico seguinte: Dimensões O terreno será rectangular e em todos os casos o comprimento será sempre superior à

Leia mais

II Torneio Matraquilhos aeestsp Regulamento

II Torneio Matraquilhos aeestsp Regulamento Associação de Estudantes da Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto Instituto Politécnico do Porto II Torneio Matraquilhos aeestsp Regulamento Índice 1. LOCAL DO TORNEIO... 2 2. SORTEIO E CALENDÁRIO

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 2º CEB 5º ANO DE ESCOLARIDADE

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 2º CEB 5º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 2º CEB 5º ANO DE ESCOLARIDADE Os conteúdos lecionados no 1º, 2º e 3º períodos são os mesmos mas com etapas diferentes a saber: 1º Período - recuperação

Leia mais

CHAVE DO TESTE TEÓRICO ÁRBITROS NACIONAIS E COMISSÁRIOS NOME CAD

CHAVE DO TESTE TEÓRICO ÁRBITROS NACIONAIS E COMISSÁRIOS NOME CAD CHAVE DO TESTE TEÓRICO ÁRBITROS NACIONAIS E COMISSÁRIOS NOME CAD ASSINALE A CARREGADO AS RESPOSTAS CORRECTAS 1. Durante o último minuto de um período suplementar, B4 converte um cesto. Após a reposição

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR BADMINTON COLÉGIO TERESIANO BRAGA 1. O CAMPO

DOCUMENTO ORIENTADOR BADMINTON COLÉGIO TERESIANO BRAGA 1. O CAMPO COLÉGIO TERESIANO BRAGA DOCUMENTO ORIENTADOR BADMINTON 1. O CAMPO O jogo realiza-se num campo retangular com 13,40 m x 5,18 metros para jogos de singulares e 13,40 m x 6,10 m para jogos de pares, limitados

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física. Ao longo do ano* Testes Fitnessgram (opcional)

Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física. Ao longo do ano* Testes Fitnessgram (opcional) DOMÍNIO/TEMA: Atletismo DOMÍNIO/TEMA Aptidão físicas Direção de Serviços da Região Norte Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio

Leia mais

Regras do Voleibol. Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana

Regras do Voleibol. Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana Regras do Voleibol Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana Instalações e Equipamentos DIMENSÕES A quadra de jogo é um retângulo medindo 18m x 9m, circundada por uma zona livre de no mínimo 3m de largura em

Leia mais