EDUCAÇÃO FÍSICA FUTSAL 1 SITUAÇÕES ESPECIAIS 1.1 PONTAPÉ DE SAÍDA 1.2 GUARDA-REDES 1.3 REPOSIÇÃO DA BOLA EM JOGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO FÍSICA FUTSAL 1 SITUAÇÕES ESPECIAIS 1.1 PONTAPÉ DE SAÍDA 1.2 GUARDA-REDES 1.3 REPOSIÇÃO DA BOLA EM JOGO"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO FÍSICA FUTSAL O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 5 jogadores em campo e 7 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza adversária e, ao mesmo tempo, evitar sofrer golo, respeitando as regras do jogo. O campo é rectangular, sendo delimitado por duas linhas laterais e duas linhas finais. Cada partida de futebol tem a duração de 40 minutos (sem descontos) divididos em duas partes de 20 minutos, com um intervalo de 15. A equipa de arbitragem é composta por um árbitro principal um árbitro secundário e um cronometrista. Ganha a equipa que, no fim do jogo, tenha obtido maior número de golos. São permitidos os empates, à excepção de algumas provas, cujo regulamento prevê a realização de um prolongamento e, caso seja necessário, o desempate por pontapés da marca de grande penalidade. 1 SITUAÇÕES ESPECIAIS 1.1 PONTAPÉ DE SAÍDA Os jogadores devem estar colocados nos respectivos meios-campos e os adversários fora do círculo central. A bola tem de ser tocada obrigatoriamente para a frente para um companheiro, por forma a entrar no meio-campo adversário. Pode obter-se golo directamente de um pontapé de saída. Mas no lançamento de baliza não pode resultar golo directo. 1.2 GUARDA-REDES O guarda-redes pode enviar a bola directamente para o meio campo adversário, sem que esta tenha tocado antes em qualquer jogador ou no solo do seu próprio meio campo. Ao guarda-redes não é permitido: Tocar ou controlar a bola com as mãos no caso de esta lhe ser passada com os pés por um companheiro Tocar ou controlar a bola por mais de 4 segundos, com a mão ou com os pés, no seu meio campo Receber a bola de um companheiro sem que ela tenha tocado um adversário ou ultrapassado o meio - campo, após ter reposto a bola em jogo. 1.3 REPOSIÇÃO DA BOLA EM JOGO Em qualquer situação de reposição de bola em jogo o executante dispõe de 4 segundos para efectuar a reposição, tendo os adversários que estar colocados a um mínimo de 5 metros de distância PONTAPÉ DE LINHA LATERAL Se a bola saiu pela linha lateral marcado no locar onde a bola saiu, podendo mover-se lentamente. Deste não pode resultar golo. Um pontapé mal executado, o excesso de tempo ou a colocação da bola em local incorrecto faz com que a bola passe para a outra equipa PONTAPÉ DE CANTO Se a bola saiu pela linha de baliza tocada em último lugar por um defensor a bola é colocada no interior do quarto de círculo. Deste pontapé pode resultar golo. Se o executante não efectuar o pontapé no tempo disponível, a equipa adversária beneficia de um pontapé livre indirecto com a bola colocada no mesmo local PONTAPÉ DE LIVRE DIRECTO COM BARREIRA Se um jogador jogar a bola com a mão ou braço, rasteirar, empurrar, puxar PONTAPÉ LIVRE INDIRECTO Se um jogador fez obstrução à progressão de um adversário, carregou o guarda-redes no interior da área ou jogou a bola de forma que o árbitro considerou perigosa. PROFESSOR PEDRO CÂMARA 1

2 1.3.5 PONTAPÉ DE GRANDE PENALIDADE Se a falta for cometido por um defensor dentro da área de grande penalidade. O guarda-redes deve estar entre os postes, sobre a linha de baliza, sem mover os pés até que a bola seja pontapeada FALTAS ACUMULADAS As faltas que dão lugar à marcação de pontapés livres directos são acumuláveis em cada meio tempo de jogo. Depois de uma equipa ter acumulado cinco faltas, as infracções passíveis de livre directo são sempre penalizadas com pontapé livre directo sem barreira: Livre de 10 metros ou também conhecido por Segunda marca de grande penalidade SUBSTITUIÇÕES Todos os jogadores podem ser substituídos. Para efectuar uma substituição o jogo não tem que estar parado. É a chamada substituição volante. Todas as substituições devem ocorrer dentro da zona para tal destinada. A entrada ou saída de jogadores fora da zona de substituições ou a entrada do jogador antes da saída do seu colega é penalizada com pontapé livre indirecto, e o jogador faltoso é advertido SANÇÕES DISCIPLINARES Advertência (cartão amarelo) e expulsão (cartão vermelho). O jogador expulso não participa mais no jogo, podendo ser substituído passados 2 minutos, ou antes, se entretanto, a sua equipa sofre um golo DESCONTOS DE TEMPO Cada equipa tem direito a solicitar um desconto de tempo de 1 minuto, em cada parte do jogo. A solicitação de tempo morto só poderá ser concedida quando a equipa estiver na posse da bola. 2 SINAIS DA ARBITRAGEM PROFESSOR PEDRO CÂMARA 2

3 3 ACÇÕES TÉCNICAS 3.1 RECEPÇÃO E CONTROLO DA BOLA Para receber a bola, esta deve ser amortecida com qualquer parte do corpo, à excepção dos braços, preferencialmente com a parte interna do pé, de forma a que o jogador possa facilmente dar continuidade ao jogo. Após a recepção da bola, o jogador deve: Virar-se para a baliza adversária. Levantar a cabeça para observar os companheiros e adversários. Decidir qual a acção seguinte: conduzir a bola, passar a uma companheiro ou rematar. 3.2 CONDUÇÃO DE BOLA Se um jogador se encontra demasiado afastado da baliza para rematar, e se não for possível passar a um companheiro, pode conduzir a bola, fazendo-a rolar com toques sucessivos, usando principalmente as partes interior ou exterior do pé, com o tronco inclinado ligeiramente à frente e mantendoa junto ao solo. Na proximidade de um adversário, o jogador deve proteger a bola com o corpo e usar o pé mais afastado deste. 3.3 PASSE O passe é a acção mais frequente do jogo. Ele permite que a equipa chegue mais depressa à baliza adversária, podendo ser feito essencialmente, com a parte interna, externa ou peito do pé, devendo a perna, seguir o movimento do pontapé: Se pretendemos que a bola tenha uma trajectória rasteira, o impacto deve ser feito a meio desta, com o tronco inclinado à frente; Se quisermos levantar a bola, devemos batê-la por baixo, com o tronco ligeiramente inclinado atrás; Para se dar efeito à bola, esta deve ser batida de lado, com a parte exterior ou interior do pé. PROFESSOR PEDRO CÂMARA 3

4 3.4 REMATE O objectivo do remate, é a concretização do objectivo do jogo o golo, podendo ser utilizadas várias partes do corpo: Remates com a parte interna ou peito do pé. Remate de cabeça, em que devemos fixar os olhos na bola durante a sua trajectória e batê-la com a testa evitando fechar os olhos. 3.5 DRIBLE E FINTAS Estas acções técnicas permitem ao atacante com bola, conseguir ultrapassar o seu defensor directo. Para isso, deverá: Manter a bola próxima do pé, quando o defensor se aproxima. Inclinar o corpo, simulando a intenção de se deslocar para um dos lados do adversário. Mudar rapidamente de direcção e velocidade, ultrapassando o defensor. 3.6 DESARME Os desarmes visam a recuperação da bola, retirando-a ao adversário e podem ser efectuados pelas costas, de lado ou de frente. No desarme de frente, o defensor procura bloquear a bola com a parte interior do pé, colocando-o perpendicularmen-te ao plano de deslocamento da bola. 3.7 GUARDA-REDES O guarda-redes tem como principal tarefa defender a baliza, sendo o único elemento que pode jogar a bola com as mãos, desde que se encontre dentro da área de baliza. Do ponto de vista defensivo, o guarda-redes deve adoptar uma atitude base e uma colocação no terreno que lhe permita entrar em acção rapidamente, nas suas técnicas de receber, blocar, interceptar, afastar a bola e sair ao adversário com bola. No entanto, as acções ofensivas (ataque) de uma equipa, podem começar pelo guarda-redes, por isso ele deve dominar as técnicas de pontapear a bola e de passe com as mãos ou com os pés, colocando-a rapidamente em jogo, nas acções de contra-ataque. 4 ACÇÕES TÁCTICAS 4.1 PRINCÍPIOS DO JOGO Quando jogas futebol com os teus colegas és confrontado constantemente com duas grandes fases: ATAQUE > A equipa tem a posse de bola, procura mantê-la e tenta criar situações de progressão e concretização. DEFESA > A equipa não tem posse de bola, procura apoderar-se dela e tenta impedir a criação de situações de progressão e de finalização por parte da equipa adversária. PROFESSOR PEDRO CÂMARA 4

5 Cada uma destas fases tem princípios específicos que representam PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS um conjunto de regras que devem coordenar as acções dos jogadores. Ao ataque dizem respeito quatro princípios, que correspondem a outros tantos da ATAQUE DEFESA defesa. PENETRAÇÃO CONTENÇÃO Se te encontras na posse da bola, deverás ter como primeira COBERTURA OFENSIVA COBERTURA DEFENSIVA preocupação a finalização (marcação de golo), ou procurar espaço livre que te MOBILIDADE EQUILÍBRIO permita progredir em direcção à baliza da equipa adversária PENETRAÇÃO. ESPAÇO CONCENTRAÇÃO Em resposta à tua penetração, a equipa adversária deverá colocar um jogador entre o portador da bola e a baliza, de modo a fechar, imediatamente, a linha de remate ou de progressão para a baliza CONTENÇÃO. Perante esta igualdade numérica (1x1), a equipa que defende corre mais riscos. Assim, esta deve preocupar-se em criar uma situação de superioridade numérica, colocando, deste modo, um segundo jogador a defender COBERTURA DEFENSIVA. Agora a tua equipa está em inferioridade numérica e, para que se estabeleça, de novo, o equilíbrio, surge um segundo atacante COBERTURA OFENSIVA. Nesta situação de 2x2, o segundo atacante deve afastar-se do portador da bola, de modo que fiques liberto da cobertura defensiva e, assim, possas reconstituir o 1x1. Se o segundo defesa não acompanha o segundo atacante, está então criada uma linha de passe. Deverás passar a bola de forma a criar uma situação de 1x0 MOBILIDADE. A equipa que está a defender pode optar por uma das alternativas, no entanto, o segundo defesa deverá acompanhar o segundo atacante, restabelecendo-se situações de igualdade numérica (1x1) EQUILÍBRIO. Quando estás a atacar, tens todo o interesse em tornar o jogo mais aberto, com maior amplitude, em largura e em profundidade, em criar linhas de passe, obrigando, assim, a equipa adversária a flutuar e a ter maior dificuldade em criar situações de superioridade numérica ESPAÇO. Se estás a defender, deves ter preocupações bem contrárias às anteriores, isto é, restringir o espaço disponível para jogar, diminuir a amplitude do ataque, obrigar o adversário a jogar em espaço reduzidos, de forma a facilitar a cobertura defensiva e a criação premente de situações de superioridade numérica CONCENTRAÇÃO. Por tudo quanto se referiu, facilmente podes concluir que as tuas tarefas diferem consoante estás a defender ou a atacar. Deste modo, passamos a descrever algumas regras que poderão melhorar a tua prestação, quer ofensiva, quer defensiva: No ataque: Realizar coberturas ofensivas ao portador da bola Para receber a bola, correr ao encontro dela Movimentar-se, afastando-se dos adversários Antes de tentar ultrapassar o adversário directo, procurar desequilibrá-lo através de uma simulação Atacar o adversário com mudanças bruscas de direcção e de velocidade Mascarar a direcção do passe Depois do passe, movimentar-se para um espaço livre Ao conduzir a bola, mantê-la mais perto de si do que do adversário. Na defesa: Defender atrás da linha da bola Pressionar o portador da bola Obrigar o adversário a cometer erros, reduzindo-lhe o espaço e o tempo para jogar Fechar alinha de progressão do portador da bola para a baliza Não tentar desarmar um adversário que tenha a bola controlada Orientar-se de forma a induzir o adversário a jogar nas zonas para ele menos vantajosas (corredores laterais) Anular as linhas de passe mais importantes Aumentar a pressão defensiva à medida que o adversário se aproxima da baliza a defender. Em resumo, a partir do momento em que a equipa conquista a posse de bola, deve procurar a: Ocupação do espaço em largura e profundidade, evitando aglomerações, no sentido de se criarem espaços livres e situações de superioridade numérica. Desmarcação para apoiar o atacante com bola, que por vezes não consegue progredir nem passá-la para a frente devido à grande pressão da equipa adversária. Desmarcação para receber a bola numa zona mais próxima da baliza (abrir linhas de passe). Por outro lado, assim que a equipa perde a posse de bola, deve iniciar-se imediatamente uma pressão sobre os jogadores adversários, no sentido de recuperá-la (colocar-se entre o adversário e a baliza, dificultando-lhe o remate ou passe a um companheiro, caso tenha a posse de bola, ou intervir sobre as linhas de passe dos jogadores atacantes sem bola, isto é, impedir que estes a recebam). Se a acção anterior falha, é necessário organizar-se um apoio defensivo, isto é, o defensor do atacante com bola foi ultrapassado e precisa de auxílio. PROFESSOR PEDRO CÂMARA 5

Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira FUTEBOL (DE 11)

Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira FUTEBOL (DE 11) Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Ano Letivo 2016/2017 FUTEBOL (DE 11) O QUE É O FUTEBOL? É um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas de 11 jogadores. O jogo é dirigido

Leia mais

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! Futsal! Caraterização O Futsal é uma modalidade praticada por duas equipas, compostas cada uma por cinco elementos

Leia mais

TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO. Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP

TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO. Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP 1. Diferenças entre as Leis de Jogo do Futsal e as regras aplicadas na TAGUSCUP Não há faltas

Leia mais

Andebol. Origem. Caraterização

Andebol. Origem. Caraterização Origem As origens do andebol, bem como a época em que começou a ser praticado, não são conhecidas com rigor. Pode considerar-se que o andebol, na variante de onze, é de origem alemã. Este jogo foi divulgado

Leia mais

Regras do Jogo - Futsal

Regras do Jogo - Futsal Regras do Jogo - Futsal Pré-Jogo: A escolha dos campos é determinada por um sorteio efetuado por meio de uma moeda. A equipa favorecida pela sorte escolhe a baliza em direção à qual atacará durante a primeira

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL

UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL DOCUMENTO DE APOIO 7º ANO BREVE HISTÓRIA DA MODALIDADE O Futsal surge no final do século XX, na década de 90,

Leia mais

LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO

LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO ARTº 1º Os jogos de Futsal serão realizados preferencialmente nos recintos de Andebol (aproveitando as suas marcações) ou em um quarto de campo de futebol de 11 (quando possível

Leia mais

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE LEÇA DA PALMEIRA/STA. CRUZ DO BISPO Ano Letivo de 20012/2013 O que é o andebol? REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO O Andebol é um desporto coletivo inventado por um alemão, Karl

Leia mais

Conhecer factores importantes do jogo. Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal. disciplinares

Conhecer factores importantes do jogo. Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal. disciplinares Objectivos Conhecer factores importantes do jogo Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal Conhecer elementos de sanções técnicas e Conhecer elementos de sanções técnicas e disciplinares

Leia mais

Futebol. Origem. Caraterização

Futebol. Origem. Caraterização Origem Foi na Grã-Bretanha, durante o Séc. XIX que as suas regras começaram a ser definidas e a aproximar-se das que hoje são praticadas. O primeiro regulamento data de 1823 e a primeira associação de

Leia mais

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 FUTSAL Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 ÍNDICE Índice... i FUTSAL... 1 Fundamentos técnicos:... 1 Posições dos Jogadores no Futsal:... 1 Regras:... 2 Campo... 2 Área de

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol

Prof. Ms. Sandro de Souza. Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Prof. Ms. Sandro de Souza Disciplinas: Futebol e Futsal e Aprofundamento em Futebol Desenhe um campo de Futebol com as suas dimensões e marcações. A Meta Qual o número mínimo de jogadores, em um time,

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - 2º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO Testes de Condição Física Avaliação da velocidade, flexibilidade, força muscular, agilidade e medidas

Leia mais

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Faculdade de Motricidade Humana Escola Secundária Fernando Namora Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Orientadores: Professores Estagiários:

Leia mais

7 ANO APOSTILA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

7 ANO APOSTILA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO APOSTILA DE EDUCAÇÃO FÍSICA FABRÍCIO RAMALHO DA COSTA GERSON APARECIDO DE SOUZA JUNIOR ISMAEL FRANCO DE SOUZA MARCOS PAULO DA SILVA COSTA RUBENS VAZ COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DE GOIÁS POLIVALENTE

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO Grupo Disciplinar de Educação Física JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente e realiza

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! O que é o Basquetebol? O Basquetebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO e 12º ANO JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS (11.º ano e 12.º ano) ACÇÕES PSICO-MOTORAS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Os Jogos Desportivos Colectivos (JDC), designação que engloba, entre outros, o andebol, o basquetebol, o futsal e o voleibol, ocupam um lugar importante na cultura desportiva

Leia mais

Sessão de esclarecimentos sobre as alterações

Sessão de esclarecimentos sobre as alterações Sessão de esclarecimentos sobre as alterações 2010-2011 Informação a Entregar/Indicar ao Árbitro antes do Início do Jogo Documentação Modelo 144 ou 144-A totalmente preenchido de acordo com o Comunicado

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas 2012 / 2013 Arbitrar o Tag-Rugby Programa Nestum Rugby nas Escolas AS LEIS DE JOGO DO TAG RUGBY Tamanho da Bola Escalão Infantis (A e B) a bola a utilizar deverá ser a nº3 Escalão Iniciados e Juvenis a

Leia mais

Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização. Treinador do Sporting CP (14/15)

Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização. Treinador do Sporting CP (14/15) Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização Treinador do Sporting CP (14/15)! Modelo de Jogo baseado no! Relatório de Estágio de:! Pereira, G. (2013) - FMH! Estoril 2011/2012 Contextos de Exercitação!

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

História do Basquetebol

História do Basquetebol História do Basquetebol Foi inventado por um professor Canadiano, James Naismith no ano de 1891. Em Dezembro do mesmo ano, teve lugar o primeiro jogo, no Springfield College, nos EUA. O seu primeiro nome

Leia mais

Associação de Andebol de Viseu. Não sabes as regras??? Nada mais fácil Eu explico!

Associação de Andebol de Viseu. Não sabes as regras??? Nada mais fácil Eu explico! Associação de Andebol de Viseu Não sabes as regras??? Nada mais fácil Eu explico! REGRA 1 Terreno de Jogo Balizas Marcações Zonas de segurança Zona de aquecimento REGRA 2 Tempo de Jogo, Sinal Final e time-out

Leia mais

2.1. História da Modalidade

2.1. História da Modalidade 2.1. História da Modalidade II. Unidade Didáctica de Basquetebol O Basquetebol, considerado um dos desportos mais praticados em todo o mundo, foi criado em Dezembro de 1891, na Universidade de Springfield

Leia mais

COMUNICADO OFICIAL N.: 24 DATA:

COMUNICADO OFICIAL N.: 24 DATA: Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, SADs e demais interessados, se informa que a FIFA, através da sua circular 1033, divulgou as alterações às Leis do Jogo 2006, que a seguir se transcrevem

Leia mais

Torneio Masculino de Fut3 REGULAMENTO

Torneio Masculino de Fut3 REGULAMENTO REGULAMENTO CAPÍTULO I 1. Generalidades 1.1. Todos os jogos serão realizados no Salão da Associação Cultural e Recreativa de Maceirinha; 1.2. Não são permitidas alterações de horários ou adiamento de jogos;

Leia mais

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? A equipa e o Campo O é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos são introduzir

Leia mais

Prof. Maick da Silveira Viana

Prof. Maick da Silveira Viana Regras do Handebol Prof. Maick da Silveira Viana REGRA 1 A quadra do jogo REGRA 2 - A duração da partida A partida de handebol consiste em dois tempos divididos por um intervalo de 10 minutos. A duração

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LECTIVO 2011/2012 PARTICIPAÇÃO Todos os jogos das modalidades colectivas serão disputados

Leia mais

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles.

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. FUTEBOL Gesto Técnico: Passe com o pé Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. Utiliza-se quando existe um colega desmarcado, em

Leia mais

Associação de Futebol de Vila Real

Associação de Futebol de Vila Real Época 2007/08 Teste Escrito n.º 16 Candidatos aos Quadros acionais (Grupo C) Vila Real, 26 de Janeiro de 2008 Duração de 60 minutos ão Responder apenas Sim ou ão Cotação (Certa 5; parcial/ certa sem falha

Leia mais

Associação de Futebol de Vila Real

Associação de Futebol de Vila Real Época 2009/2010 Associação de Futebol de Vila Real Prova de Futsal Prova Geral (Árbitros de 1ª e 2ª Categorias) 1ª Chamada Vila Real, 19 de Setembro de 2009 Duração de 60 minutos ão Responder apenas Sim

Leia mais

O TREINO DOS GUARDA- REDES

O TREINO DOS GUARDA- REDES O TREINO DOS GUARDA- REDES Antes de mais deve ter-se em conta que os guarda-redes (GR) têm uma influência decisiva no jogo. No entanto, a maioria dos treinadores acaba por dedicar uma pequena percentagem

Leia mais

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Técnico/táctica individual ofensiva com e sem bola (procedimentos gerais) a) Os aspectos da técnica e táctica ofensiva prevalecem sobre os defensivos

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Nível 2 Tag-Rugby e Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Nível 2 Tag-Rugby e Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Nível 2 Tag-Rugby e Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como um jogo

Leia mais

II aeestsp Course Cup

II aeestsp Course Cup II aeestsp Course Cup Regulamento Futebol de 5 INTRODUÇÃO As Leis do Jogo Futsal da Federação Portuguesa de Futebol aplicam-se a este torneio, com adaptação adequada das regras às condições de realização

Leia mais

Documento de Apoio de Andebol

Documento de Apoio de Andebol Documento de Apoio de Andebol Caracterização da Modalidade O andebol distingue-se pelas suas variadas acções que vão desde as corridas, aos arranques, às paragens, aos saltos de diversas formas e à combinação

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Época 2016/2017 Setúbal, 10 de setembro de 2016 Árbitros C3 Grupo D, C4 Grupos B e C, C5 Grupo B, CJ2 e CJ1 Avaliação TESTE ESCRITO 1. Antes do início do jogo o Delegado do clube

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL

UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE O basquetebol é um jogo desportivo colectivo, pr

Leia mais

A partida sera jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o ma ximo de sete jogadores em campo, um dos quais sera o guarda-redes.

A partida sera jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o ma ximo de sete jogadores em campo, um dos quais sera o guarda-redes. Torneio de Futebol Hernâni Gonçalves Regras do jogo NU MERO DE JOGADORES A partida sera jogada por duas equipas, compreendendo cada uma o ma ximo de sete jogadores em campo, um dos quais sera o guarda-redes.

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2015/2016 Setúbal, 23 de Abril de 2016 Árbitros C3 Grupos A, B e C C4 Grupos A e B e CF TESTE ESCRITO 1. Vai ser executado um lançamento de bola ao solo, dentro da

Leia mais

REGULAMENTO FUTEBOL DE PRAIA

REGULAMENTO FUTEBOL DE PRAIA REGULAMENTO FUTEBOL DE PRAIA Objecto 1. O presente regulamento foi realizado pela organização do Summer Games Festival, em consonância com todo o Staff e seus coordenadores. Organizador e Promotor 1. O

Leia mais

3.1. História da Modalidade

3.1. História da Modalidade 3.1. História da Modalidade III. Unidade Didáctica de Futebol Os jogos de bola, sempre acompanharam a vida dos homens. Há mais de dois milénios, na China, praticava-se um jogo ao qual chamaram Tsu-Chu

Leia mais

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes

Aula Teórica. Prof. Cláudio Gomes Aula Teórica História do Basquetebol Em 1891, o director da secção de Educação Física do Springfield College (USA), pediu o Professor James Naismith para criar um actividade que satisfizesse o interesse

Leia mais

LEI 1 - Superfície de Jogo

LEI 1 - Superfície de Jogo Superfície de Jogo LEI 1 - Superfície de Jogo Zona de Substituições Substitutos Cronometrista Substitutos 25 cm 5 metros 10 metros 5 metros 5 metros Máxim 5 metros a 25 m 6 metros Mínima 3,16 m 10 metros

Leia mais

Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Prova Escrita Árbitros FUTSAL Classificativo. Época 2016 /

Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Prova Escrita Árbitros FUTSAL Classificativo. Época 2016 / Associação de Futebol de Aveiro Conselho de Arbitragem Prova Escrita Árbitros FUTSAL Classificativo Época 2016 / 2017 03-09-2016 Leia atentamente as instruções seguintes: Para cada questão, escolha uma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com Traquinas Petizes REGULAMENTO DE ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO FUTEBOL/FUTSAL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01.

Leia mais

BASQUETEBOL. Professor Márcio SISTEMAS DE JOGO DEFENSIVO. Defesa individual

BASQUETEBOL. Professor Márcio SISTEMAS DE JOGO DEFENSIVO. Defesa individual POSICIONAMENTO DOS JOGADORES EM QUADRA E SUAS FUNÇÕES Pivôs: são os jogadores mais altos da equipe, pois têm como objetivo pegar rebotes, tanto na área defensiva como na ofensiva. Os pivôs, geralmente,

Leia mais

Corfebol. Sinais dos Árbitros

Corfebol. Sinais dos Árbitros Corfebol Sinais dos Árbitros 2006 Este livro deve ser considerado um apêndice às Regras de Corfebol. Contém os sinais aprovados para serem utilizados pelos Árbitros de Corfebol. Todos os sinais devem ser

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! Voleibol! Caraterização Voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, separadas por uma

Leia mais

FUNdamental (Fase 2) SUB 10 (Ano 3 e 4) nº3 nº3 nº4. mínima - 30 x 20 máxima - 40 x 25 mínima - 43 m2 máxima - 71 m2 mínima - 3 m máxima - 3,5 m

FUNdamental (Fase 2) SUB 10 (Ano 3 e 4) nº3 nº3 nº4. mínima - 30 x 20 máxima - 40 x 25 mínima - 43 m2 máxima - 71 m2 mínima - 3 m máxima - 3,5 m Leis do Jogo nos Escalões Sub-8, Sub-10 e Sub-12 (Fase 1) Escalão SUB 8 (Ano 1 e 2) Tamanho da Bola Nº de Jogadores Dimensão do Campo Área por jogador Largura por jogador Tempo de Jogo Formação Ordenada

Leia mais

Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data Livro de Regras Federação de Andebol de Portugal

Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data Livro de Regras Federação de Andebol de Portugal livro de regras para o Mini Andebol... vamos jogar ANDEBOL! Não sabes as regras? Nada mais fácil... Eu explico! Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data

Leia mais

LIGA DE MATRAQUILHOS JOGOS T

LIGA DE MATRAQUILHOS JOGOS T LIGA DE MATRAQUILHOS JOGOS T REGRAS DE JOGO EQUIPAS 1. ELEMENTOS INTERVENIENTES 1.1. Duas equipas compostas por quatro atletas equipados de acordo com o estipulado pela Liga. Uma mesa de matraquilhos com

Leia mais

Exercícios de Treino dos Melhores Treinadores de

Exercícios de Treino dos Melhores Treinadores de Exercícios de Treino dos Melhores Treinadores de Futebol do Mundo em 2013 Carlo ANCELOTTI; Rafael BENITEZ; Antonio CONTE; Vicente DEL BOSQUE; Alex FERGUSON; Jupp HEYNCKES; Jürgen KLOPP; José MOURINHO;

Leia mais

modalidade Basquetebol

modalidade Basquetebol modalidade Basquetebol Documento de apoio às aulas de Educação Física Criado em: 2017/Maio/19 Atualizado em: 2017/Maio/19 ref: Documento_de_apoio_n10_Basquetebol Basquetebol "Em 1891, na cidade de Springfield,

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO: ASSOCIAÇÕES REGIONAIS, APAOMA, CLUBES, QUADROS DE ARBITRAGEM E DEMAIS AGENTES DESPORTIVOS.

DISTRIBUIÇÃO: ASSOCIAÇÕES REGIONAIS, APAOMA, CLUBES, QUADROS DE ARBITRAGEM E DEMAIS AGENTES DESPORTIVOS. 28 DISTRIBUIÇÃO: ASSOCIAÇÕES REGIONAIS, APAOMA, CLUBES, QUADROS DE ARBITRAGEM E DEMAIS AGENTES DESPORTIVOS. ASSUNTO: LIVRO DE REGRAS PRECISÕES, ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS - ÉPOCA 2011/2012 Em anexo se

Leia mais

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é Caracterização do O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é enviar a bola por cima da rede, fazendo-a cair no campo adversário e evitando que ela caia no nosso

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO DE SANTARÉM ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM. Planificação de Educação Física

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO DE SANTARÉM ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM. Planificação de Educação Física AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO DE SANTARÉM ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM 2.º CICLO (2010-2011) Planificação de Educação Física Unidade Didáctica 5.º Ano Competências a Conteúdos Conceitos Adquirir Objectivos/Competências

Leia mais

Curso de Treinadores Grau 2 Federação de Andebol de Portugal CONTRA-ATAQUE CONTRA-ATAQUE. Departamento Técnico FAP

Curso de Treinadores Grau 2 Federação de Andebol de Portugal CONTRA-ATAQUE CONTRA-ATAQUE. Departamento Técnico FAP CONTRA-ATAQUE CICLO DE JOGO Jogo livre Jogo dirigido Jogo construído Sistema Ofensivo Organização/Ocupação Baliza 4,5, 6 jogadores Contra-Ataque Apoiado atacar conservar Bola 1, 2, 3 jogadores Contra-Ataque

Leia mais

REGRAS DE JOGO ACR7 - ANDEBOL 7 (SEVEN) EM CADEIRA DE RODAS REGRAS GERAIS

REGRAS DE JOGO ACR7 - ANDEBOL 7 (SEVEN) EM CADEIRA DE RODAS REGRAS GERAIS REGRAS DE JOGO ACR7 - ANDEBOL 7 (SEVEN) EM CADEIRA DE RODAS REGRAS GERAIS JOGADORES Cada uma das equipas é composta por sete jogadores de campo mais sete suplentes, totalizando catorze jogadores por equipa.

Leia mais

9º B [ANDEBOL] Jorge Fernando Ferreira Oliveira. Escola Básica Júlio Dinis. Data de entrega. 13/!2/2011 Às 0:00 h.

9º B [ANDEBOL] Jorge Fernando Ferreira Oliveira. Escola Básica Júlio Dinis. Data de entrega. 13/!2/2011 Às 0:00 h. 9º B Escola Básica Júlio Dinis Jorge Fernando Ferreira Oliveira [ANDEBOL] Data de entrega. 13/!2/2011 Às 0:00 h. Índice: - Porquê que fiz o trabalho? Pag.3 - Qual a importância do andebol? Pag 3 - História

Leia mais

ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DO FUTSAL 2011/2012

ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DO FUTSAL 2011/2012 ALTERAÇÕES ÀS LEIS DO JOGO DO FUTSAL 2011/2012 Para conhecimento geral, informa-se que a FIFA, através da sua Circular Nº 1265, de 09.06.2011, divulgou as alterações às Leis do Jogo do Futsal 2011/2012,

Leia mais

Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido.

Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido. www.barcodetablefootball.com Como jogar Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido. É o melhor e mais realista de todos os jogos

Leia mais

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol Princípios Táticos Aprofundamento em Futebol Princípios Táticos DEFENSIVO Linha Bola Gol Equilíbrio Acompanhamento Tipos de Marcação Cobertura Linhas de Marcação Desarme Linha Bola-Gol É uma linha imaginária

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda Rua Comandante Salvador Nascimento Lote LC Guarda

Associação de Futebol da Guarda Rua Comandante Salvador Nascimento Lote LC Guarda Associação de Futebol da Guarda Rua Comandante Salvador Nascimento Lote LC3 6300 678 Guarda CONSELHO DE ARBITRAGEM 1- Antes do início do jogo o delegado da equipa visitante informa-o que pretende protestar

Leia mais

Report SC Internacional

Report SC Internacional BRASILEIRÃO Report SC Internacional 2016/2017 João Pedro Colaço Araújo INTERNACIONAL vs Coritiba DATA DO JOGO 1-0 TITULARES 1 Danilo Fernandes EQUIPA SUPLENTES UTILIZADOS 19 Marquinhos Esquema Tático 1-4-2-3-1

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE Badminton FUNDÃO, MARÇO DE 2010 Professor Frederico Dias APRESENTAÇÃO / CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

Regras do Jogo. Regras Subbuteo (PT) Posse de Bola. Pontapé de saída. Intercepção

Regras do Jogo. Regras Subbuteo (PT) Posse de Bola. Pontapé de saída. Intercepção Regras Subbuteo (PT) Regras do Jogo Posse de Bola A acontecer esta situação, a equipa defensora pode reclamar BACK e a bola mudará 1.1. A equipa que possui a bola será denominada equipa atacante e a outra

Leia mais

CIRCUITO DE BEACH RUGBY 2005/06

CIRCUITO DE BEACH RUGBY 2005/06 CIRCUITO DE BEACH RUGBY 2005/06 1 ORGANIZAÇÃO DAS PROVAS 2 REGULAMENTO GERAL 3 REGULAMENTO ESPECÍFICO * 4 FICHA DE INSCRIÇÃO DA EQUIPA 5 BOLETIM DE JOGO A Direcção da FPR pretende instituir e coordenar

Leia mais

REGULAMENTO RUGBY DE PRAIA

REGULAMENTO RUGBY DE PRAIA REGULAMENTO RUGBY DE PRAIA Objecto 1. O presente regulamento foi realizado pela organização do Summer Games Festival, em consonância com todo o Staff e seus coordenadores. Organizador e Promotor 1. O Torneio

Leia mais

JORGE CASTELO EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA. Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013

JORGE CASTELO EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA. Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013 JORGE CASTELO! EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013 Jorge Castelo Data de Nascimento: 26-01-1957; Nacionalidade: Portuguesa; Profissões:

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO TAG-RUGBY

REGULAMENTO ESPECÍFICO TAG-RUGBY REGULAMENTO ESPECÍFICO TAG-RUGBY 2013-2017 ÍNDICE 1. Organização dos Torneios 3 1.1 Fases dos Torneios 3 1.2 Constituição das Equipas 3 1.3 Quadros Competitivos 3 1.4 Tempo de Jogo 5 1.5 Pontuação 6 2.

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2015/2016 Torre da Marinha, 16 de Janeiro de 2016 Árbitros C3 Grupos A, B e C C4 Grupos A e B e CF TESTE ESCRITO 1. Aquando da execução de um pontapé-livre indirecto,

Leia mais

CONTEÚDO: REGRAS BÁSICAS DO BASQUETEBOL

CONTEÚDO: REGRAS BÁSICAS DO BASQUETEBOL CONTEÚDO: REGRAS BÁSICAS DO BASQUETEBOL O jogo de basquetebol: O basquetebol é jogado por duas (2) equipes de cinco (5) jogadores cada. O objetivo de cada equipe é marcar pontos na cesta dos adversários

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM. Época ÁRBITROS - 2ª AÇÃO AVALIAÇÃO. Setúbal 21 de novembro de 2015 TESTE ESCRITO 88/2015

CONSELHO DE ARBITRAGEM. Época ÁRBITROS - 2ª AÇÃO AVALIAÇÃO. Setúbal 21 de novembro de 2015 TESTE ESCRITO 88/2015 ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE SETÚBAL CONSELHO DE ARBITRAGEM Época 2015-2016 FUTSAL 1 - Na sequência de um alivio para a bancada de um defensor da equipa visitante, que vencia por um golo de diferença a poucos

Leia mais

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL 2002/2003 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ANDEBOL DE 5/7...4 2.1. ESCALÕES ETÁRIOS E VARIANTES DA MODALIDADE...4 2.2 BOLA DE JOGO...4

Leia mais

!" # $ $ ( (* $ ( (+. %, $ ( (+ 1º ÁRBITRO 2º ÁRBITRO ZONA DE DEFESA DEFESA ATAQUE ATAQUE ZONA DE SUBSTITUIÇÃO BANCO SUPLENTES

! # $ $ ( (* $ ( (+. %, $ ( (+ 1º ÁRBITRO 2º ÁRBITRO ZONA DE DEFESA DEFESA ATAQUE ATAQUE ZONA DE SUBSTITUIÇÃO BANCO SUPLENTES º ÁRBITRO 9 metros ZONA DE DEFESA 3 metros 3 metros ZONA DE ATAQUE ZONA DE ATAQUE metros ZONA DE DEFESA ZONA DE SERVIÇO ZONA DE SERVIÇO metros ZONA DE SUBSTITUIÇÃO 2º ÁRBITRO BANCO SUPLENTES ZONA DE AQUECIMENTO

Leia mais

esportivas das aulas de Educação Física nas escolas de todo país.

esportivas das aulas de Educação Física nas escolas de todo país. O Futsal, também conhecido como Futebol de Salão, é uma modalidade esportiva que foi adaptada do futebolde campo para as quadras. O futsal é muito praticado no Brasil, fazendo parte de uma das principais

Leia mais

Leis do Jogo 2016/17 Resumo das Alterações às Leis para Jogadores, Treinadores e

Leis do Jogo 2016/17 Resumo das Alterações às Leis para Jogadores, Treinadores e Leis do Jogo 2016/17 Resumo das Alterações às Leis para Jogadores, Treinadores e Introdução A 130ª Assembleia Geral Anual do International FA Board (o IFAB) realizada em Cardiff a 5 de março de 2016 aprovou

Leia mais

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL I TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES:

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL I TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL I TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: 1. Activação geral 2. Técnica Individual 3. Acções Colectivas Elementares

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA Carlos Sacadura Outubro de 2011 Possibilitar a todas as crianças do nosso distrito a oportunidade de praticar futebol como um desporto de recreação, tempo livre e formação;

Leia mais

*Esta é a versão 1.2 do Neymar Jr s Five 2017 está sujeita a alterações.

*Esta é a versão 1.2 do Neymar Jr s Five 2017 está sujeita a alterações. *Esta é a versão 1.2 do Neymar Jr s Five 2017 está sujeita a alterações. REGRAS DO JOGO NEYMAR JR S FIVE* 1. FINTA-OS A TODOS 2. O CAMPO DO JOGO 3. BALIZA 4. NÚMERO DE JOGADORES 5. EQUIPAMENTO DOS JOGADORES

Leia mais

2ª Ação de Avaliação para Observadores Nacionais (Chamada Especial) CHAVE DE CORREÇÃO TESTE ESCRITO LEIS DE JOGO (29)

2ª Ação de Avaliação para Observadores Nacionais (Chamada Especial) CHAVE DE CORREÇÃO TESTE ESCRITO LEIS DE JOGO (29) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM 2ª Ação de Avaliação para Observadores Nacionais (Chamada Especial) Lisboa, 12 de Abril de 2015 ÉPOCA 2014/2015 CHAVE DE CORREÇÃO TESTE ESCRITO LEIS

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL SOÇAITE Art. 1º. O Critério de disputa está previsto no REGULAMENTO GERAL. Art.2º. Será realizado nos dias 21 a 23/04/2005, nas dependências do campus da Unemat. Art. 3º. É

Leia mais

Histórico basquetebol James Naismith 1891

Histórico basquetebol James Naismith 1891 BASQUETEBOL Histórico O basquetebol é uma modalidade esportiva coletiva, que foi idealizada nos Estados Unidos da América pelo canadense James Naismith no ano de 1891 na cidade de Springfield no estado

Leia mais

Processo Ofensivo Neste jogo, na 1ª fase de construção de jogo, procuram jogar de forma curta com os dois defesas centrais a receberem a bola do guard

Processo Ofensivo Neste jogo, na 1ª fase de construção de jogo, procuram jogar de forma curta com os dois defesas centrais a receberem a bola do guard Processo Ofensivo Neste jogo, na 1ª fase de construção de jogo, procuram jogar de forma curta com os dois defesas centrais a receberem a bola do guarda-redes enquanto que os laterais lateralizam procuram

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

Ricardo Alves Análise de Jogo SL Benfica

Ricardo Alves Análise de Jogo SL Benfica Informação retirada do site: zerozero.pt 11 Inicial e Suplentes 1ª Fase, Construção de Jogo: Processo Ofensivo Quando a bola é jogada pelo guarda-redes, os defesas centrais procuram abrir (largura) e receber

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

Leis de Jogo. Rugby de 7 - Sevens. Documento elaborado por:

Leis de Jogo. Rugby de 7 - Sevens. Documento elaborado por: Leis de Jogo Rugby de 7 - Sevens Documento elaborado por: Ferdinando Sousa Data: 15.09.2010 Variações para o Rugby de Sete (Sevens) Todas as disposições das Leis do Jogo de Rugby de Quinze (Rugby Union)

Leia mais

PEP GUARDIOLA. Construção no último terço do campo: criação de oportunidades de golo

PEP GUARDIOLA. Construção no último terço do campo: criação de oportunidades de golo PEP GUARDIOLA Construção no último terço do campo: criação de oportunidades de golo SubPrincípio: Equipa muito Subida : Equipa bem subida, para que os Extremos iniciem a jogada perto da baliza adversária

Leia mais