UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS Manual do usuário Planilha HIDRO Operação de reservatórios com base em níveis de alerta

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA E RECURSOS HÍDRICOS Manual do usuário Planilha HIDRO Operação de reservatórios com base em níveis de alerta Klecia Forte de Oliveira Carlos de Oliveira Galvão versão 5 março 2004

3 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta Índice 2 Planilhas de Entrada de Dados Para iniciar o uso Para entender os cálculos realizados nas planilhas Planilha Alerta Planilha Gerenciamento

4 1 A planilha HIDRO A planilha eletrônica HIDRO Operação de reservatórios com base em níveis de alerta realiza o balanço hídrico do reservatório, de modo a fornecer ao usuário informações sobre seu comportamento perante diversas estratégias de operação, podendo ser usada em diferentes momentos: Na fase de planejamento, definindo os níveis de alerta do reservatório; Na fase de gerenciamento, acompanhando o comportamento do reservatório em tempo real com a aplicação dos níveis de alerta definidos antes; Na fase de previsão, prevendo volumes do reservatório a partir das informações da previsão meteorológica para um período. A planilha HIDRO se divide em planilhas internas caracterizadas por sua função básica: planilhas de entrada de informações e planilhas de saída de resultados. 2 Planilhas de Entrada de Dados Existem quatro planilhas cuja função básica é servir de entrada de informações para as simulações a serem realizadas para o reservatório: Curva C-A-V Deve-se inserir a Curva Cota-Área-Volume do reservatório, indicando os valores de área e volume a cada cota definida. Dem, Afl, Evp Devem-se inserir os valores das demandas médias mensais estimadas, vazões médias mensais afluentes ao reservatório e sua lâmina evaporada média mensal. Precipitações Deve-se inserir a série histórica de precipitações, da qual são obtidas as precipitações médias mensais.

5 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta Vazões Deve-se inserir uma série histórica de vazões mensais afluentes ao reservatório, da qual se calculam as vazões médias mensais afluentes. As séries históricas de precipitações e vazões inseridas devem ser cronologicamente coincidentes. 3 Planilhas de Resultados O comportamento do reservatório é simulado em cada planilha a partir de uma perspectiva própria, seja de planejamento das ações de gerenciamento, de gerenciamento em tempo real, ou previsão do comportamento hidrológico para determinado período. A simulação de períodos normais, chuvosos ou de estiagem é feita com a definição do coeficiente de afluência, que traduz a afluência de vazões ao reservatório, dependendo se seu valor é igual a 1,0, maior que 1,0 ou menor que 1,0, respectivamente. O coeficiente de demanda traduz a demanda de vazões do reservatório e, do mesmo modo que o coeficiente de afluência, simula períodos em que toda a demanda é atendida ou períodos em que nos quais se tem racionamento no abastecimento, dependendo se seu valor é igual a 1,0 ou menor que 1,0, respectivamente. Há um nível atingido pelo reservatório no qual não mais há a possibilidade de realizar captação para adução, devido às condições de qualidade da água que inviabilizam seu tratamento. O volume correspondente a este nível é chamado volume morto. O volume útil do reservatório é definido como sendo o volume morto subtraído de seu volume atual. 3.1 Fase de planejamento Planilha Alerta Com base em séries históricas de dados, esta planilha simula cenários de afluência e demanda, por processo de tentativa e erro, a partir dos quais se podem definir os níveis críticos de operação para o reservatório, que servirão para indicar o momento correto na tomada de decisões. Estes níveis são chamados níveis de alerta (NA). 5

6 Conforme mostra o esquema da Figura 1, o reservatório é dividido em zonas a partir de níveis fictícios. Em cada zona definida, atua um coeficiente de demanda, sendo tomado este coeficiente igual a 1,0 na zona de conservação. Figura 1 - Definição dos níveis de alerta em um reservatório. 3.2 Fase de gerenciamento Planilha Gerenciamento Nesta fase se dá o gerenciamento propriamente dito, a avaliação em tempo real das condições de operação do reservatório e sua administração com base nos níveis críticos de operação obtidos na planilha Alerta. Tomando o volume fornecido do reservatório e simulando cenários de afluência (períodos secos, normais ou chuvosos), pode-se prever o volume acumulado no do reservatório mês a mês e decidir quais medidas tomar para otimizar o uso de seus recursos. 3.3 Fase de Previsão Planilha Previsão Simula o comportamento do reservatório para o cenário atual, tomando a cada ano seu volume inicial igual ao volume atual fornecido e assumindo que as vazões afluentes sejam iguais as vazões provenientes da série histórica. Realiza a previsão de comportamento do reservatório para um determinado mês, com base na previsão meteorológica disponível, na série histórica de precipitações e nos resultados obtidos para a simulação do cenário atual.

7 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta 4 Tutorial 4.1 Para iniciar o uso Os itens abaixo indicam a seqüência de ações a serem realizadas antes de se fazer uso da planilha HIDRO: 1. Deve-se salvar o arquivo com um nome distinto para preservar o original. 2. Introduzir, nas devidas planilhas, os dados de entrada necessários, como indicado na Tabela 1 a seguir. 3. Na planilha Alerta, diminuir ou estender as linhas da tabela de cálculo de maneira que o intervalo de datas corresponda ao intervalo de datas da série histórica de vazões inserida na planilha Vazões. 4. Na planilha Gerenciamento, diminuir ou estender as linhas da tabela de cálculos para que o intervalo de datas corresponda ao período que se deseja simular. 5. Na planilha Previsão, diminuir ou estender as linhas da tabela de Distribuição de Probabilidades para que o número de anos nesta planilha seja o mesmo inserido na planilha Precipitações. Ainda na mesma planilha, na tabela que simula o comportamento do reservatório para o Cenário atual, diminuir ou estender as linhas de maneira que o intervalo de datas corresponda ao intervalo de datas da série histórica de vazões inserida na planilha Vazões. 6. Conferir se os nomes definidos na planilha após inserção de todos os dados de entrada representam corretamente os intervalos de células. Os nomes contidos na planilha e seus respectivos intervalos se encontram detalhados na Tabela 2. O que são nomes no Excel? Os nomes são conjuntos de caracteres (letras, números ou símbolos) usados para definir células ou intervalos de células. Como definir nomes no Excel? No menu Inserir, clique em Nome e escolha Definir. Na janela Definir Nome, escolha o 7

8 nome a ser conferido, clique na seleção de intervalo selecione o intervalo correto. e Tabela 1- Guias da planilha HIDRO e dados de entrada. Guias Dados de entrada Curva Cota-Área-Volume do reservatório, podendo ser suprimidos Curva C-A-V os valores de área, não usados nos cálculos. Inserir o valor do volume morto tomado para o reservatório. Demandas médias mensais estimadas; vazões médias mensais Dem, Afl, Evp afluentes ao reservatório; e lâmina evaporada média mensal do reservatório, respectivamente. Primeiro mês da estação chuvosa; último mês da estação Precipitações chuvosa; precipitações médias mensais. Vazões Vazões médias mensais. Nome do reservatório; frações da capacidade do reservatório correspondentes aos NA; coeficientes de demanda Alerta correspondentes a cada NA; data inicial das séries históricas; e valor do volume inicial. Guias Gerenciamento Previsão Tabela 1 Continuação. Dados de entrada Data inicial para cálculo; valor do volume inicial; coeficiente de afluência; e coeficiente de demanda do usuário (que pode ser omitido). Mês para o qual se deseja realizar a previsão; probabilidades de ocorrência de cada período (seco, normal, chuvoso); classificação dos anos como seco, normal ou chuvoso; data inicial das séries históricas; valor do volume inicial. Deve-se atentar para as unidades dos valores inseridos, explicitadas em cada planilha. Tabela 2 - Nomes contidos na planilha HIDRO e intervalos de células correspondentes. Nome Intervalo AFL Coluna na planilha Dem, Afl, Evp contendo os valores das vazões médias mensais afluentes ao reservatório. ANO_PREC Coluna na planilha Precipitações contendo os anos. CAV Matriz na planilha Curva C-A-V contendo as colunas Cota, Área e Volume. COEF1 Célula na planilha Alerta contendo o coeficiente de demanda correspondente ao NA1. COEF2 Célula na planilha Alerta contendo o coeficiente de demanda correspondente ao NA2. COEF3 Célula na planilha Alerta contendo o coeficiente de demanda correspondente ao NA3. COTA Coluna na planilha Curva C-A-V contendo os valores de cota.

9 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta DEM ESC_ALERTA EVP Nome FALHA_GERENC MESES MESES_SIMULADOS NA1 NA2 NA3 PESOS PREC_PER VAZOES VOL VOL_ALERTA VOL_GERENC VOL_MORTO VOL_PONDERADOS VOL_PREV VOL_SIMULADOS Coluna na planilha Dem, Afl, Evp contendo os valores das demandas médias mensais estimadas. Coluna na planilha Alerta contendo os volumes que representam a Escassez do reservatório. Coluna na planilha Dem, Afl, Evp contendo os valores de lâmina evaporada média mensal do reservatório. Tabela 2 Continuação. Intervalo Coluna na planilha Gerenciamento contendo as ocorrências de Falhas. Coluna na planilha Dem, Afl, Evp contendo os valores numéricos dos meses (1,2,..., 12). Coluna na planilha Simulação contendo os meses simulados. Célula na planilha Alerta contendo o volume do reservatório correspondente ao NA1. Célula na planilha Alerta contendo o volume do reservatório correspondente ao NA2. Célula na planilha Alerta contendo o volume do reservatório correspondente ao NA3. Coluna na planilha Previsão contendo os valores de probabilidades de ocorrência de cada tipo de ano. Coluna na planilha Precipitações contendo os valores totais da precipitação no período definido. Matriz na planilha Vazões contendo os valores das vazões médias mensais. Coluna na planilha Curva C-A-V contendo os valores de volume. Coluna na planilha Alerta contendo os valores de Volume - Início do mês. Coluna na planilha Gerenciamento contendo os valores de Volume - Início do mês. Célula na planilha Alerta contendo o valor correspondente ao volume morto do reservatório. Coluna na planilha Previsão contendo os valores dos volumes no início do mês ponderados pela probabilidade de ocorrência do respectivo ano. Coluna na planilha Previsão contendo os valores de volumes no início do mês de previsão para cada ano. Coluna na planilha Simulação contendo os volumes no início do mês para o intervalo simulado. As seqüências dos dados de origem dos gráficos devem ser atualizadas após realizar mudanças nas planilhas. As figuras a seguir apresentam as células que têm função de entrada de dados em cada planilha de resultados. 9

10 Figura 2 - Destaque das células que têm função de entrada de dados na planilha Alerta.

11 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta Figura 3 - Destaque das células que têm função de entrada de dados na planilha Gerenciamento. Figura 4 - Destaque das células que têm função de entrada de dados na planilha Previsão. 4.2 Para entender os cálculos realizados nas planilhas 11

12 As fórmulas presentes nas planilhas fazem uso dos Nomes definidos anteriormente. São indicados os títulos das colunas da tabela de cálculo de cada planilha Planilha Alerta 1. Mês: a primeira linha contém o mês correspondente à data inicial. Para os meses seguintes, o mês é resultado da soma do mês e número de dias do mês anterior. 2. Nº de dias do mês: fornece o número de dias do mês em questão (ou mês de cálculo). Este campo verifica se o mês da coluna anterior é fevereiro; caso seja, verifica se o ano é bissexto, para atribuir 28 ou 29 dias. 3. Início do mês Volume: volume inicial de cada mês de cálculo. Para a primeira linha de cálculo, o volume inicial é o valor de volume fornecido para a data inicial; para as linhas seguintes, o volume inicial de cada mês será o volume final do mês anterior. 4. Início do mês Cota: valor da cota do reservatório equivalente ao volume do início do mês. Este valor é obtido por interpolação linear dos dados da planilha Curva C-A-V. Tem-se na Tabela 3 os valores tomados para exemplificar os cálculos realizados nesta coluna.

13 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta Tabela 3 Valores usados para exemplificar os cálculos realizados na coluna Início do mês Cota. Data inicial 01/01/1963 Mês de cálculo 01/01/1963 Volume no início do mês (Vi) m 3 Volume anterior a Vi na Curva C-A-V m 3 Cota equivalente ao volume anterior 371,00 m Volume posterior a Vi na Curva C-A-V m 3 Cota equivalente ao volume posterior 372,00 m Cota equivalente a Vi 371,36 m Para obter o valor da cota equivalente a Vi é realizada a seguinte interpolação: Cota Vi= ( 372 ) x Cota Vi = 371,36m 5. Cota - Evp/2: é o valor da cota (do início do mês) do reservatório menos o valor correspondente à metade da lâmina evaporada no mês de cálculo, obtida a partir da planilha Dem, Afl, Evp. A lâmina evaporada para o mês de fevereiro é de 0,13 m, o que, seguindo o exemplo anterior, resulta em: 0,140 Cota = 371,36 = 371, 29m 2 6. Vol. Parcial: é o valor do volume correspondente à Cota - Evp/2, obtido por interpolação linear dos dados da planilha Curva C-A-V. Usando os valores mostrados na Tabela 3, tem-se: 371,29 371,00 Vol = x 371,00 372, = m ( ) + 7. Vazão Afluente: é o valor da vazão afluente ao reservatório, proveniente da planilha Vazões. 8. Acréscimo do Vol. Afluente: valor correspondente ao volume afluente ao reservatório, obtido pela multiplicação da vazão afluente (da planilha Vazões), em m 3 /s, pela quantidade de segundos do mês de cálculo. Seguindo o 13

14 exemplo, para o mês de março de 1963, a vazão afluente ao reservatório é de 13,583 m 3 /s. O volume afluente é de: 3 Vol = 13,583 x x 31 = m 9. Demanda Desejada: fornece o valor a ser retirado do reservatório para atender integralmente a demanda, de acordo com o valor das demandas médias mensais estimadas, provenientes da planilha Dem, Afl, Evp, convertendo-o para volume, como feito antes para o Acréscimo do Vol. Afluente. 10. Demanda Reduzida: este valor corresponde ao valor da Demanda Desejada, multiplicado pelo coeficiente de demanda adotado. O coeficiente de demanda tomado para cálculo aqui é escolhido da seguinte maneira: caso o nível inicial seja maior que o NA1, a planilha tomará para o coeficiente de demanda o valor 1,0; caso o volume do início do mês seja menor ou igual ao NA1, e maior que o NA2, o valor tomado para o coeficiente será o que consta na planilha Alerta, equivalente ao NA1; caso o volume do início do mês seja menor ou igual ao NA2, e maior que NA3, o valor tomado para o coeficiente será o que consta na planilha Alerta, equivalente ao NA2; caso o volume do início do mês seja menor ou igual ao NA3, e maior que o Volume Morto estipulado em Alerta para o reservatório, o valor tomado para o coeficiente será o que consta na planilha Alerta, equivalente ao NA3; caso o volume do início do mês seja menor ou igual ao Volume Morto, o coeficiente de demanda será tomado igual a zero. 11. Volume Parcial 2: é o volume que tem o reservatório após o Acréscimo do Volume Afluente e a retirada da Demanda Reduzida. 12. Demanda Atendida: é o valor realmente atendido, de acordo com as condições de volume do reservatório. 13. Cota 2: é o valor da cota do reservatório equivalente ao Volume parcial 2, obtido pelo mesmo procedimento usado na obtenção da Cota (Início do mês). 14. Cota 2 Evp/2: fornece o valor da cota do reservatório após ser diminuído da Cota 2 o valor correspondente a metade da

15 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta lâmina evaporada no mês de cálculo, obtida a partir da planilha Dem, Afl, Evp para este mesmo mês. 15. Vol. final do mês: é o valor do volume correspondente à Cota 2 Evp/2, obtido pelo mesmo processo usado para calcular o Vol. Parcial. 16. Escassez: este valor corresponde à diferença entre a Demanda Desejada e a Demanda Atendida. Em termos práticos, seria o valor do volume de água a ser racionado no mês de cálculo. 17. Volume extravasado: este valor corresponde à soma dos valores do Volume Parcial, do Acréscimo do Volume Afluente, diminuído o valor da Retirada da Demanda; este valor é comparado com a Capacidade do Reservatório, caso o primeiro seja maior que o segundo, é feita a diferença entre eles e o valor obtido é dado; caso contrário, o valor obtido é zero Planilha Gerenciamento Os cálculos realizados em algumas colunas da tabela de cálculos desta planilha são idênticos aos já apresentados na planilha Alerta, por esse motivo, a explicação para essas colunas será suprimida. 1. Acréscimo do Vol. Afluente: valor correspondente ao volume afluente ao reservatório, obtido pela multiplicação da vazão média afluente do mês de cálculo (da planilha Dem, Afl, Evp) em m 3 /s, pela quantidade de segundos do mês de cálculo. Exemplificando, tem-se o valor da vazão média afluente para o mês de março igual a 15,809 m 3 /s, o que resulta em um acréscimo no volume afluente igual a: 3 Vol = 15,809 x x 31 = m 2. Coeficiente de Demanda Níveis de Alerta: é o coeficiente de demanda tomado para cálculo, proveniente da planilha Alerta. Este valor só é adotado para cálculo caso a coluna Coeficiente de Demanda do Usuário não esteja preenchida. 15

16 3. Retirada da Demanda: fornece o valor a ser retirado do reservatório para atender a demanda, obtido pela multiplicação da demanda média estimada (da planilha Dem, Afl, Evp), do número de dias do mês de cálculo e do coeficiente de demanda adotado. Este coeficiente pode ser o Coeficiente de Demanda Níveis de Alerta ou o Coeficiente de Demanda do Usuário. 4. Volume parcial 2: é o volume que tem o reservatório após o acréscimo da vazão afluente e a retirada da demanda. 5. Falha: indica se houve, para o mês de cálculo, racionamento na Retirada da Demanda, comparando o Volume do final do mês e o NA1. Caso o NA1 seja maior ou igual ao volume final, o mês é tomado como falho, o que corresponde ao valor 1,0. Caso o volume final do mês seja maior que o NA1, o mês é tido como normal, o que corresponde ao valor 0,0. 6. Coeficiente de Demanda Usuário: nesta coluna o usuário pode inserir o valor que avalie adequado. Este valor será prioritariamente tomado como coeficiente de demanda para os cálculos efetuados na planilha. 7. Nível de Alerta 1: primeiro nível de alerta, obtido para o reservatório na planilha Alerta; usado nesta planilha apenas para gerar o gráfico de Volume acumulado no reservatório durante o período. 8. Nível de Alerta 2: segundo nível de alerta, obtido para o reservatório na planilha Alerta; usado nesta planilha apenas para gerar o gráfico de Volume acumulado no reservatório durante o período. 9. Nível de Alerta 3: terceiro nível de alerta, obtido para o reservatório na planilha Alerta; usado nesta planilha apenas para gerar o gráfico de Volume acumulado no reservatório durante o período.

17 Manual para Operação de Reservatórios com Base em Níveis de Alerta Planilha Previsão Da mesma forma que na planilha anterior, os cálculos realizados em algumas colunas da tabela de cálculos desta planilha são idênticos aos já apresentados na planilha Alerta, por esse motivo, a explicação para essas colunas será suprimida. Tabela de Distribuição de Probabilidades 1. Precip. Período: contém os valores dos totais precipitados, em ordem crescente, para a estação chuvosa dos anos da série de precipitações médias mensais usada. 2. Tipo de Ano: o usuário deve classificar o ano como seco, normal ou chuvoso, de acordo com o total precipitado na estação chuvosa. 3. Ano: ano correspondente ao total precipitado. 4. Volume no Início do Mês: fornece o valor do volume do reservatório, na planilha Simulação, para o mês em que está sendo realizada a previsão, no Ano indicado na coluna anterior. 5. Peso do Período: indica a probabilidade de ocorrência adotada para a Precipitação do Período a partir do Tipo do ano. 6. Ponderação do Volume: valor ponderado do volume a partir do Peso do período. 17

18 Tabela de Simulação do Comportamento do Reservatório 1. Acréscimo do Vol. Afluente: valor correspondente ao volume afluente ao reservatório, obtido pela multiplicação da vazão média afluente (da planilha Vazões), em m 3 /s, pela quantidade de segundos do mês de cálculo. 2. Demanda Desejada: valor correspondente ao volume demandado do reservatório, obtido pela multiplicação da demanda média mensal estimada (da planilha Dem, Afl, Evp) em m 3 /s, pela quantidade de segundos do mês de cálculo. 3. Volume Total Recomendado: valor da Demanda Desejada multiplicado pelo Coeficiente de demanda do usuário. 4. Volume Liberado: caso o volume útil do reservatório seja maior que o Volume Total Recomendado; caso contrário, o volume liberado será o volume útil disponível. 5. Volume Parcial 2: é o volume que tem o reservatório após o Acréscimo do Volume Afluente e a retirada do Volume Liberado.

IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL

IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL IMPLEMENTAÇÃO E RESOLUÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL 1. INTRODUÇÃO Este tutorial apresenta, passo-a-passo, o processo de implementação e resolução de modelos matemáticos na planilha

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 02 de março de 2016 Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação acumulada durante a estação seca de abril

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL

PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Conceitos básicos de

Leia mais

Aula 5 PROCESSAMENTO DE PLANILHAS COM O MICROSOFT EXCEL 27/02/2016 1

Aula 5 PROCESSAMENTO DE PLANILHAS COM O MICROSOFT EXCEL 27/02/2016 1 Aula 5 PROCESSAMENTO DE PLANILHAS COM O MICROSOFT EXCEL 27/02/2016 DIEGOQUIRINO@GMAIL.COM 1 Agenda Nesta aula iremos aprender: Operações básicas; Layouts de página; Linhas, colunas e endereçamento de célula;

Leia mais

AULA 9 Geocodificação de Endereços. 9.1 Como funciona a Geocodificação de Endereços

AULA 9 Geocodificação de Endereços. 9.1 Como funciona a Geocodificação de Endereços 9.1 AULA 9 Geocodificação de Endereços Nessa aula será apresentada a funcionalidade do TerraView relativa a Geocodificação de Endereços. Ela é usada em situações onde dados pontuais precisam ser tratados

Leia mais

Tutorial. Editando os arquivos de banco de dados. Autores: Vitor Pires Vencovsky, Rodrigo Viviani

Tutorial. Editando os arquivos de banco de dados. Autores: Vitor Pires Vencovsky, Rodrigo Viviani Tutorial Editando os arquivos de banco de dados Autores: Vitor Pires Vencovsky, Rodrigo Viviani 1. Introdução Este tutorial apresentará uma metodologia para que os usuários possam editar as tabelas de

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 18 de agosto de 2016. Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação média espacial, acumulada durante a estação

Leia mais

Cálculos Simples em Planilha Excel

Cálculos Simples em Planilha Excel Cálculos Simples em Planilha Excel Ordem de cálculo As fórmulas calculam valores segundo uma ordem específica. Uma fórmula no Excel sempre começa com um sinal de igual (=). O sinal de igual informa ao

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 7-16/05/2014

GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 7-16/05/2014 GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 7-16/05/2014 DESCRITIVO GERAL DA SITUAÇÃO O conjunto de reservatórios Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha

Leia mais

Atualizações da Versão Introdução... 4 Conhecendo o Produto... 5 Ações dos Botões das Telas... 6

Atualizações da Versão Introdução... 4 Conhecendo o Produto... 5 Ações dos Botões das Telas... 6 Versão: 27/05/2016 Atualizado em: 31/05/2016 1 Conteúdo Atualizações da Versão... 3 Introdução... 4 Conhecendo o Produto... 5 Ações dos Botões das Telas... 6 Consultas... 7 Consulta de Cotações... 8 Consultar

Leia mais

Figura 1 - Planilha Relatório de Notas 1

Figura 1 - Planilha Relatório de Notas 1 Microsoft Excel Aula 2 Objetivo Explorar e fixar: Seleção de células, linhas e colunas Inclusão de colunas Inclusão de linhas Uso das funções SE, MÁXIMO, MÉDIA, MÍNIMO, ContSe, SOMA Ordenação de dados

Leia mais

Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo. SPC-DNP Versão /2005 Instruções de Uso

Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo. SPC-DNP Versão /2005 Instruções de Uso Divergência Não Planejada Planilha de Cálculo SPC-DNP Versão 2.0 11/2005 Instruções de Uso Ministério da Previdência Social Secretaria de Previdência Complementar Elaboração: Departamento de Assuntos Econômicos

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel.

Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel. Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel. 1 Neste tópico, você verá como importar cadastros de parceiros de negócios, dados do cadastro do item e listas de preços usando a ferramenta Importar

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

Serão listadas as disciplinas de sua responsabilidade no período selecionado

Serão listadas as disciplinas de sua responsabilidade no período selecionado Lançamento de Frequências e Notas 1. Para acessar o SISTEMA ACADÊMICO, abra o navegador Mozilla Firefox ou Google Chrome. 2. Digite na barra de endereços: acadêmico.unemat.br Após aperte a tecla

Leia mais

LibreOffice Calc: aula 2

LibreOffice Calc: aula 2 Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação GMA038 Introdução à Ciência da Computação Prof. Renato Pimentel Objetivos Explorar e fixar: LibreOffice Calc: aula 2 Seleção de células, linhas

Leia mais

Tutorial Editando os arquivos de banco de dados

Tutorial Editando os arquivos de banco de dados www.gismaps.com.br Tutorial Editando os arquivos de banco de dados Autores: Vitor Pires Vencovsky, Rodrigo Viviani 1. Introdução Este tutorial apresentará uma metodologia para que os usuários possam editar

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre importação de um plano de contas usando o Data Transfer Workbench.

Bem-vindo ao tópico sobre importação de um plano de contas usando o Data Transfer Workbench. Bem-vindo ao tópico sobre importação de um plano de contas usando o Data Transfer Workbench. 1 Neste tópico, você verá como importar um plano de contas usando o Data Transfer Workbench. 2 Neste cenário

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE CNPJ: /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE CNPJ: / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE Informações referentes à Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

3 Operação das Térmicas e Sistemas Hidrotérmicos

3 Operação das Térmicas e Sistemas Hidrotérmicos 3 Operação das Térmicas e Sistemas Hidrotérmicos 3.1 Sistemas Hidrotérmicos 3.1.1 Custos de oportunidade À primeira vista, as usinas hidrelétricas seriam sempre acionadas primeiro no despacho econômico,

Leia mais

Modelagem Financeira Market Place

Modelagem Financeira Market Place Modelagem Financeira Market Place 1 Introdução Um dos grandes desafios para os empreendedores de uma startup é transformar o modelo de negócios em números, ou seja, estimar as receitas, custos e despesas

Leia mais

Exercícios em Excel. Analise a planilha mostrada na figura abaixo e, a partir das informações apresentadas, responda às questões seguintes:

Exercícios em Excel. Analise a planilha mostrada na figura abaixo e, a partir das informações apresentadas, responda às questões seguintes: Exercícios em Excel Analise a planilha mostrada na figura abaixo e, a partir das informações apresentadas, responda às questões seguintes: 1) Com relação às informações presentes na figura anterior e aos

Leia mais

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado

Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Metodologia de Arbitragem de Preços de Ajuste de Contratos Futuros de Etanol Hidratado Neste documento é descrita a metodologia de arbitragem adotada para determinar os preços de ajuste de contratos futuros

Leia mais

Confirmação de Cadastro 2010

Confirmação de Cadastro 2010 Confirmação de Cadastro 2010 Passo a Passo simplificado para acesso e utilização Introdução: Este passo a passo tem por objetivo informar objetivamente como acessar o site do Programa de Volta para Casa

Leia mais

Informática básica Microsoft Office - Excel. Professor: Francisco Ary

Informática básica Microsoft Office - Excel. Professor: Francisco Ary Informática básica Microsoft Office - Excel Professor: Francisco Ary Introdução A parti desta aula iremos aprender o que é e para que serve o Microsoft Excel. O Microsoft Excel é mais um aplicativo do

Leia mais

AliceWeb 2 - TUTORIAL

AliceWeb 2 - TUTORIAL AliceWeb 2 - TUTORIAL 1. APRESENTAÇÃO 2. ACESSO AO SISTEMA (CADASTRO) 2.1. Cadastro 2.2. Trocar Senha e Atualizar cadastro 3. MÓDULOS DISPONÍVEIS 4. CONSULTAS 5. EXEMPLOS DE CONSULTAS 5.1. CONSULTAS COM

Leia mais

LibreOffice Calc: aula 3

LibreOffice Calc: aula 3 Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação GMA038 Introdução à Ciência da Computação Prof. Renato Pimentel Objetivos LibreOffice Calc: aula 3 Apresentar a criação de um gráfico no LibreOffice

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SICOOB DI FI REF. DI / Informações referentes a julho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SICOOB DI FI REF. DI / Informações referentes a julho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SICOOB DI FI REF. DI 14.287.871/0001-42 Informações referentes a julho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Sicoob DI Fundo de

Leia mais

Provisionamento de Processos no Projuris. Orientações sobre Provisionamento de Processos no Projuris

Provisionamento de Processos no Projuris. Orientações sobre Provisionamento de Processos no Projuris Orientações sobre Provisionamento de Processos no Projuris Elaborado por: Arnaldo Hauer de Oliveira 28/11/2014 PÁG. 1/11 Índice 1. Objetivo... 3 2. Cálculo de Provisionamento... 3 2.1 Pré Requisitos...

Leia mais

QI Escolas e Faculdades

QI Escolas e Faculdades QI Escolas e Faculdades Automação de Escritório I 2011/1 Miguel Neumann miguel@rwx.com.br Software para elaborar planilhas eletrônicas, produzido pela Microsoft O Excel faz parte do "Office", um conjunto

Leia mais

Manual Prático. Elisabete Aguiar

Manual Prático. Elisabete Aguiar Manual Prático Elisabete Aguiar Índice A BARRA DE OPÇÕES... 4 Abrir um documento existente... 6 Guardar um documento Word... 7 Ambiente de Trabalho no Microsoft Word 2007... 9 Configuração de Páginas...

Leia mais

Planejamento de Produção

Planejamento de Produção Planejamento de Produção 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Descrição e Utilidades do Planejamento de Produção 4 3. Criação de Lote de Produção 5 4. Informações a serem consideradas 10 4.1. Acompanhamento 11

Leia mais

Como publicar páginas Web no GoogleSites

Como publicar páginas Web no GoogleSites 1 Curso de Formação de Professores em Tecnologia de Informação e de Comunicação Acessível PASSO 1 ACESSE O ENDEREÇO DO GOOGLE SITES Como publicar páginas Web no GoogleSites Ao criar sua conta no Gmail,

Leia mais

Manual do Usuário Detalhar Tipo de Evento - Aba Regra de Acionamento

Manual do Usuário Detalhar Tipo de Evento - Aba Regra de Acionamento Manual do Usuário Detalhar Tipo de Evento - Aba Regra de Acionamento Data e hora de geração: 08/01/2017 07:08 1 - Detalhar Tipo de Evento - Aba Regra de Acionamento 3 1.1 - Alterar Tipo de Evento - Aba

Leia mais

Na seqüência, será aberta uma página de login de acesso ao ambiente de gerenciamento do portal, conforme ilustrado na figura 01, abaixo: Figura 01

Na seqüência, será aberta uma página de login de acesso ao ambiente de gerenciamento do portal, conforme ilustrado na figura 01, abaixo: Figura 01 Tutorial Versão1.0 O Manual Tutorial do Apae em Rede pretende orientá-los no gerenciamento de conteúdos do portal. Para darmos início a essa orientação, é preciso acessá-lo. Para tanto, basta digitar intranet.apaebrasil.org.br

Leia mais

SUMÁRIO. Excel

SUMÁRIO. Excel SUMÁRIO CAPÍTULO 1... Iniciando o Excel 2013... 11 Conhecendo a Tela Do Excel...12 Planilha...15 Controlando a Altura da Linha...16 Controlando a Largura da Coluna...18 Abrindo uma Planilha...21 Novo documento...23

Leia mais

Card Tree Creator. Um Sistema para a criação de árvores de cartões.

Card Tree Creator. Um Sistema para a criação de árvores de cartões. Card Tree Creator Um Sistema para a criação de árvores de cartões. 1. Introdução Card Tree Creator é um sistema escrito em linguagem JAVA que tem por objetivo fornecer uma ferramenta para a criação de

Leia mais

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos)

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Manual do Usuário Versão 1.0 Fevereiro, 2014 Índice

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFAMAIS - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFAMAIS - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFAMAIS - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Informações referentes à Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Tutorial Word 2007 FONTE: UNICAMP

Tutorial Word 2007 FONTE: UNICAMP Tutorial Word 2007 FONTE: UNICAMP Índice: Apresentação _ 3 O que é o Word 3 Iniciando o Word _ 3 Representação Gráfica de Interface do Word _ 4 Abrindo um documento _ 5 Formatação de Texto _6 Inserindo

Leia mais

Fórmulas Funções Funções Soma, Média, Máximo e Mínimo Funções Maior e Menor Função Se Exercício... 9

Fórmulas Funções Funções Soma, Média, Máximo e Mínimo Funções Maior e Menor Função Se Exercício... 9 Por Márcio Raphael ÍINDICE Fórmulas... 3 Funções... 6 Funções Soma, Média, Máximo e Mínimo... 6 Funções Maior e Menor... 7 Função Se... 8 Exercício... 9 Função Se Aninhada... 10 Função Concatenada... 10

Leia mais

Conhecendo a aba Início

Conhecendo a aba Início Conhecendo a aba Início Grupo: Células... pág. 2 1º Exercício... pág. 6 Grupo: Alinhamento... pág. 7 2º Exercício... pág. 7 Grupo: Número... pág. 8 3º Exercício... pág. 9 Grupo: Fonte... pág. 10 4º Exercício...

Leia mais

Figura1. Planilha Calc

Figura1. Planilha Calc Introdução à Informática Prof. Angelo Gonçalves da Luz Operadores em Calc O BrOffice Calc é uma planilha eletrônica poderosa e cheia de recursos similar ao Microsoft Excel e vem evoluindo constantemente,

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Manual de utilização do Lançamento de Notas do Portal do Professor da UFES

Universidade Federal do Espírito Santo. Manual de utilização do Lançamento de Notas do Portal do Professor da UFES Universidade Federal do Espírito Santo Manual de utilização do Lançamento de Notas do Portal do Professor da UFES Núcleo de Processamento de Dados Julho/2012 Apresentação O presente tutorial visa explicar

Leia mais

R o s a l d o J. E. N o c ê r a

R o s a l d o J. E. N o c ê r a Rosaldo J. E. Nocêra CAPÍTULO 2 - ASPECTOS GERAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE 2.4.5 - CURVA S Com o passar do tempo as empresas envolvidas em gerenciamento de projetos observaram que a evolução da execução

Leia mais

Sistema Indústria. Projeto Custos e Resultados. Fase 4 - Implantação Manual para Gerador de Planilha de Apontamento de Direcionadores de 2º Grau

Sistema Indústria. Projeto Custos e Resultados. Fase 4 - Implantação Manual para Gerador de Planilha de Apontamento de Direcionadores de 2º Grau ADVISORY Sistema Indústria Projeto Custos e Resultados Fase 4 - Implantação Manual para Gerador de Planilha de Apontamento de Direcionadores de 2º Grau Índice 1. Objetivo... 1 2. Acessando o gerador para

Leia mais

Versão 8.2C-09. Domínio Atendimento

Versão 8.2C-09. Domínio Atendimento Versão 8.2C-09 Domínio Atendimento Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso,

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA - UFRN

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA - UFRN HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA - UFRN NOVO SGA - MANUAL DO USUÁRIO Descrição do sistema. NovoSGA é um software que tem como objetivo gerenciar o fluxo de atendimento de pacientes, divididos em especialidades,

Leia mais

Guia de Treinamento. SIPAC Módulo Almoxarifado. Requisitante de Material

Guia de Treinamento. SIPAC Módulo Almoxarifado. Requisitante de Material Guia de Treinamento SIPAC Módulo Almoxarifado Requisitante de Material Fevereiro 2014 SIPAC - Almoxarifado - Requisitante de Material O Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos (SIPAC)

Leia mais

SISTEMAS JURÍDICOS SAG SISTEMA DE APOIO AOS GABINETES

SISTEMAS JURÍDICOS SAG SISTEMA DE APOIO AOS GABINETES E Recurso Edição De Modelos (Versão 1.1) 04 de Junho de 2012 CONFECÇÕES DE MODELOS DE DESPACHOS E VOTOS A confecção de modelos dos despachos e votos do Gabinete deverá ser o primeiro passo para se utilizar

Leia mais

Reservatórios de Distribuição de Água

Reservatórios de Distribuição de Água UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Reservatórios de Distribuição de Água Disciplina: Saneamento Prof. Carlos Eduardo F Mello e-mail: cefmello@gmail.com Foto: Reservatórios

Leia mais

OPENOFFICE PLANILHA SEMANA 3

OPENOFFICE PLANILHA SEMANA 3 OPENOFFICE PLANILHA SEMANA 3 Sumário Aula 1...3 Ordenação ou Classificação de Dados...3 Definir e Criar Nomes...4 Regras para os Nomes...4 Definir Nome...4 Excluir Nome...5 Aula 2...6 Teste Condicional...6

Leia mais

Escola Info Jardins. Microsoft Excel Aula 3

Escola Info Jardins. Microsoft Excel Aula 3 Microsoft Excel Aula 3 Funções O que são funções? Funções são fórmulas prontas, que efetuam cálculos usando muitas células na planilha. As funções podem ser usadas para executar cálculos simples ou complexos.

Leia mais

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO Vicente de Paulo Rodrigues da Silva 1 ; Raimundo Mainar de Medeiros 2 ; Manoel Francisco Gomes Filho 1 1 Prof. Dr. Unidade Acadêmica

Leia mais

Tutorial 3 Lição. Na Figura 1, a seguir, é possível observar um exemplo de estrutura de lição: Introdução/Orientações. Página 1. Texto 1.

Tutorial 3 Lição. Na Figura 1, a seguir, é possível observar um exemplo de estrutura de lição: Introdução/Orientações. Página 1. Texto 1. Tutorial 3 Lição A Lição é uma atividade individual composta por um conjunto de páginas, numa ordem predeterminada que serão apresentadas para os alunos. As páginas poderão conter textos para serem lidos

Leia mais

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central.

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Atividade 2 Ao longo dos próximos exercícios nós trabalharemos com uma planilha de dados a ser fornecida durante a aula. A planilha contém dados

Leia mais

1 bases numéricas. capítulo

1 bases numéricas. capítulo capítulo 1 bases numéricas Os números são representados no sistema decimal, mas os computadores utilizam o sistema binário. Embora empreguem símbolos distintos, os dois sistemas formam números a partir

Leia mais

Tutorial. Edição de DBF usando Excel e Access. Autores: Mauricio Schiavolin Silva, Vitor Pires Vencovsky

Tutorial. Edição de DBF usando Excel e Access. Autores: Mauricio Schiavolin Silva, Vitor Pires Vencovsky Tutorial Edição de DBF usando Excel e Access Autores: Mauricio Schiavolin Silva, Vitor Pires Vencovsky 1. INTRODUÇÃO Esse tutorial apresentará um procedimento para a edição de arquivos DBF utilizando os

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MULT LP ABSOLUTO / Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MULT LP ABSOLUTO / Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Dimensionamento Preliminar de Reservatório de Águas Pluviais para o Prédio do Instituto de Recursos Naturais (Irn- Unifei) 1

Dimensionamento Preliminar de Reservatório de Águas Pluviais para o Prédio do Instituto de Recursos Naturais (Irn- Unifei) 1 Dimensionamento Preliminar de Reservatório de Águas Pluviais para o Prédio do Instituto de Recursos Naturais (Irn- Unifei) 1 Pedro Augusto da Costa Leite 2 e Ivan Felipe Silva dos Santos 3 1 Aceito para

Leia mais

Dam It! 2012_v.1.0. Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO

Dam It! 2012_v.1.0. Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO Dam It! 2012_v.1.0 Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO Eng. Dante Gama Larentis Porto Alegre, julho de 2013. 1 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa Bolsa Família Manual de Operação Conteúdo Sumário...

Leia mais

Manual da Turma Virtual: LANÇAR NOTAS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: LANÇAR NOTAS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: LANÇAR NOTAS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU ALUNOS LANÇAR NOTAS Essa operação tem como finalidade possibilitar o cadastro

Leia mais

4ªJornadaCientíficaeTecnológicadaFATECdeBotucatu 7 a9deoutubrode2015,botucatu SãoPaulo,Brasil

4ªJornadaCientíficaeTecnológicadaFATECdeBotucatu 7 a9deoutubrode2015,botucatu SãoPaulo,Brasil SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL APLICADAAUM SISTEMA MODULAR DE PRODUÇÃO DIDÁTICO Fernando Doriguel 1, Celso Fernandes Joaquim Junior 2, Gilson Eduardo Tarrento 3, Luiz Enéias Zanetti Cardoso 4, Caio Antônio Villas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI FAFEM RENDA FIXA REFERENCIADO DI / Informações referentes a Outubro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI FAFEM RENDA FIXA REFERENCIADO DI / Informações referentes a Outubro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI FAFEM RENDA FIXA REFERENCIADO DI 67.150.417/0001-01 Informações referentes a Outubro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 DESCRITIVO GERAL DA SITUAÇÃO O conjunto de reservatórios Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha

Leia mais

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES

TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES TOPOGRAFIA II CÁLCULO DE VOLUMES 2 Cálculo de volume de prismas e sólidos Volume de Prismas Alguns dos cálculos que serão vistos estarão baseados no conceito de volumes de prisma. Considerando dois planos

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos. Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos

Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos. Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos 1. Introdução: O aplicativo Previsão a Curto Prazo e Evolução dos Sistemas Convectivos denominado de FORTRACC, foi desenvolvido com o objetivo de obter a

Leia mais

Alterar Encaminhamento de Processo

Alterar Encaminhamento de Processo Alterar Encaminhamento de Processo Sistema Módulo Usuários Perfil SIPAC Protocolo Usuários que possuem o perfil Gestor de Cadastro de Protocolo Gestor de Cadastro de Protocolo Última Atualização 19/11/2010

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA

SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA CAMPINAS SP 17 DE JULHO DE 2014 Prof. Dr. Antonio Carlos Zuffo (FEC-UNICAMP) Prof. Dr. José Teixeira Filho (FEAGRI-UNICAMP) Dr. Rafael Mingoti (EMBRAPA)

Leia mais

Manual do Usuário. Requisições

Manual do Usuário. Requisições Manual do Usuário Requisições Projeto SIGA-EPT Manual do Usuário Módulo Requisições SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA Versão outubro/2010 Sumário 1 Introdução 4 2 Requisição de Compra de Consumo 5

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO NET FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES IBOVESPA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO NET FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES IBOVESPA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO NET FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES IBOVESPA 14.104.106/0001-40 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

PREVISÃO HIDROCLIMÁTICA DE VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

PREVISÃO HIDROCLIMÁTICA DE VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO PREVISÃO HIDROCLIMÁTICA DE VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO OBJETIVOS Melhorar a Previsão hidroclimática de curto e longo prazo 1. Avaliar as previsões hidroclimáticas de vazões afluentes aos reservatórios

Leia mais

GUIA RÁPIDO PROCESSAMENTO EMBRATOP GEO TECNOLOGIAS DEPTO. SUPORTE

GUIA RÁPIDO PROCESSAMENTO EMBRATOP GEO TECNOLOGIAS DEPTO. SUPORTE GUIA RÁPIDO PROCESSAMENTO 1 Criando Projeto No menu Arquivo, selecione Novo Projeto...ou clique na barra de ferramentas. 2 Criando Projeto Digite o nome do projeto. O nome do projeto é equivalente ao nome

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER VALE PLUS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER VALE PLUS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER VALE PLUS AÇÕES 09.296.352/0001-00 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FIC

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI TITULOS PUBLICOS RENDA FIXA REFERENCIADO DI 04.682.022/0001-30 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO 02.908.347/0001-62 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER LIQUIDEZ SIMPLES RENDA FIXA CURTO PRAZO 05.211.884/0001-47 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Tutorial para lançamento de notas pela secretaria

Tutorial para lançamento de notas pela secretaria Tutorial para lançamento de notas pela secretaria Conteúdo 1 Lançamento de nota e falta manualmente pela secretaria... 2 2 - Calcular a média das notas e faltas digitas pelos professores... 4 3 Alteração

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA APRESENTAÇÃO ELETRÔNICA POWER POINT (CONTINUAÇÃO)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA APRESENTAÇÃO ELETRÔNICA POWER POINT (CONTINUAÇÃO) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA APRESENTAÇÃO ELETRÔNICA POWER POINT (CONTINUAÇÃO) Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br

Leia mais

Trabalhando com Datas no Excel

Trabalhando com Datas no Excel Trabalhando com Datas no Excel Visão Geral Uma das mais poderosas características do Excel é a sua habilidade de trabalhar com datas. Neste curto curso técnico explicaremos como usar datas no Excel. 1.

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre importação de cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer Workbench.

Bem-vindo ao tópico sobre importação de cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer Workbench. Bem-vindo ao tópico sobre importação de cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer Workbench. 1 Neste tópico, você verá como importar cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer

Leia mais

Apostila de Excel 2007

Apostila de Excel 2007 1 Apostila de Excel 2007 Índice 1-Guias do excel... 3 1.1 Início... 3 1.2 Inserir... 4 1.3 Layout de Página... 5 1.4 Formulas... 6 1.5 Dados... 7 1.6 Revisão... 8 1.7 Exibição... 9 2 Conceito de células...

Leia mais

Manual do Módulo Protocolo Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas

Manual do Módulo Protocolo Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas Manual do Módulo Protocolo Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas 1 Módulo Protocolo Este módulo foi idealizado para atender à rotina dinâmica de tramitações

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 PAGAMENTO DE DÍVIDAS Existem mais de uma maneira de se efetuar o pagamento de uma dívida. Ela pode ser toda liquidada em um

Leia mais

Sistema Hospitalar - Prescrição Eletrônica v4.0

Sistema Hospitalar - Prescrição Eletrônica v4.0 Sistema Hospitalar - Prescrição Eletrônica v4.0 Manual do Usuário - Médico Versão 0.0 Histórico da Revisão DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 23/0/202 0.00 Criação do manual Silvio Zequinão 25/02/204 0.0 Revisão

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SL RENDA FIXA REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SL RENDA FIXA REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SL RENDA FIXA REFERENCIADO DI 03.102.081/0001-29 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Método do Balanço Hídrico

Método do Balanço Hídrico Apêndice 3 Método do Balanço Hídrico Ioana Nicoleta Firta e Armando Borges de Castilhos Jr. Histórico do Método do Balanço Hídrico O método do balanço hídrico, um dos modelos mais utilizados atualmente

Leia mais

Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida

Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida Dúvidas ou Sugestões: netconta@polimed.com.br Índice Como entrar no sistema NetConta 1?... 3 1. TRABALHANDO COM UMA REMESSA... 3 1.1.Como criar uma nova remessa?...

Leia mais

Criar Usuário no sistema e-cidade

Criar Usuário no sistema e-cidade PROCEDIMENTO Código do Projeto Criar Usuário no Sistema e-cidade Cliente DTSMUNI-0001 Projeto: e-cidade Municípios Baianos Criar Usuário no sistema e-cidade Gestor do documento: Célula e-cidade 1/23 Sumário:

Leia mais

MANUAL VTWEB CLIENT URBANO

MANUAL VTWEB CLIENT URBANO MANUAL VTWEB CLIENT URBANO Conteúdo... 2 1. Descrição... 3 2. Cadastro no sistema... 3 2.1. Pessoa Jurídica... 3 2.2. Pessoa Física... 5 2.3. Concluir o cadastro... 6 3. Acessar o sistema... 6 3.1. Autenticar

Leia mais

PLANILHA, CÉLULAS E CONTEÚDO

PLANILHA, CÉLULAS E CONTEÚDO 43 Nesse texto apresentamos a Janela Planilha do GeoGebra e alguns de seus recursos para trabalhar em conjunto com as janelas de Álgebra e de Visualização. PLANILHA, CÉLULAS E CONTEÚDO Para abrir a planilha

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

QUADRADO MÁGICO - ORDEM 3

QUADRADO MÁGICO - ORDEM 3 FORTRAN - LÚDICO CONCEITO Partindo da definição original, os QUADRADOS MÁGICOS devem satisfazer três condições: a) tabela ou matriz quadrada (número de linhas igual ao número de colunas); b) domínio: com

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES 07.184.920/0001-56 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES 03.917.096/0001-45 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA CADASTRO INICIAL

DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA CADASTRO INICIAL DIAGRAMA DE ATIVIDADES PARA CADASTRO INICIAL MANTER PESSOA MANTER SERVIDOR MANTER A INSTITUIÇÃO MANTER ELEMENTO ORGANIZACIONAL Cadastrar Pessoa Cadastrar Servidor Cadastrar a Instituição Cadastrar o Elemento

Leia mais