Visão estratégica da INB a 2034

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visão estratégica da INB a 2034"

Transcrição

1 Visão estratégica da INB a 2034 Posição final do Conselho de Desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro Alfredo Tranjan Filho. 16/06/2009

2 CONVERSÃO DO U 3 O 8 EM UF 6 MINERAÇÃO E PRODUÇÃO DE CONCENTRADO - U 3 O 8 ENRIQUECIMENTO ISOTÓPICO DO UF 6 CICLO DO COMBUSTÍVEL NUCLEAR RECONVERSÃO DO UF 6 EM PÓ DE UO 2 GERAÇÃO DE ENERGIA FABRICAÇÃO DE ELEMENTO COMBUSTíVEL FABRICAÇÃO DE PASTILHAS DE UO 2

3 Programa Nuclear Brasileiro PREMISSAS Reator (MW) Início Concentrado Conversão Enriquecimento de operação t (U 3 O 8 )/ano t (UF 6 )/ano UTS x 10 3 /ano Angra 1 (626) em operação Angra 2 (1.350) em operação Angra 3 (1.350) Nuclear 1 (1.000) Nuclear 2 (1.000) Nuclear 3 (1.000) Nuclear 4 (1.000) Nuclear 5 (1.000) Nuclear 6 (1.000) TOTAL (9.326)

4 RESERVAS de URÂNIO Pitinga Bacia Amazônica Rio Cristalino Santa Quitéria Caetité t de U 3 O 8 Medidas, indicadas e Inferidas Caetité Santa Quitéria Outras Bacia do Paraná Caetité Prognosticadas Pitinga Rio Cristalino Especulativas Total Geral TRABALHOS DE PROSPECÇÃO

5 URÂNIO : NECESSIDADE x OFERTA Produção atual: 370 t/ano (Caetité, Ba) Previsão (em t/(ano) ªAmpliação Caetité Sta.Quitéria, CE ªAmpliação Caetité Ampliação Sta.Quitéria URÂNIO RECUPERÁVEL (t de U 3 O 8 ) Caetité Sta. Quitéria TOTAL NECESSIDADE DE URÂNIO em ton de U 3 O 8 por toda vida útil das usinas (60 anos) Angra Angra Angra 3 N1 N2 N3 N4 N5 N6 TOTAL Disponível Necessidade Saldo

6 MINERAÇÃO e PRODUÇÃO de CONCENTRADO de URÂNIO

7 CAPACIDADE de PRODUÇÃO x CONSUMO de U 3 O t de U 3 O Capacidade de Produção Capacidade de Produção Consumo U3O8 U 3 O 8 (t/ano) Anos

8 CONCLUSÃO ASPECTOS RELEVANTES Embora as reservas e a produção atendam as perspectivas do PNB é importante que se mantenha um programa de prospecção a fim de aumentar, não só o volume, mas também a qualidade das reservas nacionais. A manutenção do monopólio é fundamental para assegurar que as reservas nacionais atendam o PNB, dando ao Estado condições de controle e destinação dessas reservas.

9 CONVERSÃO de U 3 O 8 em UF 6

10 METAS - Conversão AUTOSUFICIÊNCIA em PRIMEIRA USINA INDUSTRIAL: t UF 6 / ano. Entrada em operação em AMPLIAÇÃO para t UF 6 /ano. Entrada em operação em AMPLIAÇÃO para t UF 6 /ano. Entrada em operação em AMPLIAÇÃO para t UF 6 /ano. Entrada em operação em 2034.

11 5500 t de UF 6 nat CAPACIDADE de PRODUÇÃO de UF 6 x DEMANDA de UF 6 NAT Capacidade Prod. UF 6 nat Capac.Acumulada Prod. UF6 nat Demanda de UF 6 nat Demanda de UF6 (t/ano) Anos

12 UNIDADE de ENRIQUECIMENTO

13 METAS - Enriquecimento Aumento da produção de ultracentrífugas pela Marinha para o fornecimento de UTS/ano a partir de Autosuficiência em Nova fábrica de ultracentrífugas a ser construída no CEA até Nova unidade de montagem de ultracentrífugas - a ser construída na INB até Nova unidade de manuseio de UF 6 - a ser construída na INB até 2014.

14 3000 UTS x 10 3 CAPACIDADE de PRODUÇÃO de UTS x DEMANDA de UTS 2500 Capac.Acumulada UTS x 10 3 / ano t UTS/ano 2000 Demanda de Enriquecimento (t (UTS UTS) x 10 3 ) Anos

15 RECONVERSÃO e PASTILHAS Reconversão: capacidade atual160 t/ano de UO 2 enriquecido, que atende: A1, A2, A3, N1, N2, N3 e N4. Pastilha: capacidade atual de 120 t/ano de pastilhas de UO 2, que atende: A1, A2, A3, N1 e N2.

16 NECESSIDADES - Pó e Pastilha Nova Fábrica de Pó (Reconversão) e Pastilha, a partir de 2020, com capacidade para 200 toneladas de UO 2 Enriquecido. Projeto - 1 ano. Aquisições, Construção e Comissionamento - 3 anos. Início do Projeto Entrada em Operação Capacidade: 200 t/ano.

17 FCN - COMPONENTES e MONTAGEM Capacidade atual de 240 t/ano de urânio enriquecido, em dois turnos, que atende: A1, A2, A3, N1, N2, N3 e N4.

18 NECESSIDADES - Componentes e Montagem 1 - Ampliação da Capacidade de Produção de Elementos Combustíveis a partir de 2018 para 300 toneladas de UO 2 enriquecido ESTRATÉGIA Aumento da capacidade de produção das fábricas da INB. Construção de nova fábrica para produção de pó e pastilha. Aumento de produtividade com a automação (robótica) da fábrica de montagem de elementos combustíveis. continua

19 continuação 2 - Início da produção de tubos no Brasil - nacionalização de componentes estratégicos. ESTRATÉGIA Consolidação dos projetos de nacionalização do Combustível Avançado. Parceria com fábricas da Argentina e Coréia do Sul. Produção em escala pela indústria nacional de ligas e aços especiais desenvolvidos nos projetos de nacionalização PAC - MCT.

20 NECESSIDADE de RECURSOS HUMANOS (até 2014) TOTAL Mineração Caetité Sta. Quitéria Rio de Janeiro Conversão Resende Enriquecimento Resende Pó e Pastilha Resende Montagem Elemento Combustível Resende Tubos e TREX Resende Demais Áreas Total Geral

21 NECESSIDADES de RECURSOS FINANCEIROS em R$ x 10 6 (até 2014) Mineração a TOTAL 110 Conversão Enriquecimento Pó e Pastilha Montagem Elemento Combustível Tubos e TREX TOTAL

22

23 PROSPECÇÃO (valores) - R$ x 10 3 CUSTOS TOTAIS Áreas com potencial conhecido Caetité (Urânio) (10) Contrato CPRM e planejamento das atividades Mapeamento detalhado Sondagens Rio Cristalino (Urânio) (37,5) (2) (4) (4) * Contrato CPRM e planejamento das atividades Mapeamento detalhado Sondagens 2. Urânio - Áreas com geologia favorável (2) (3) (2,5) (12) (20) ** Avaliação dos resultados aerolevantamentos efetuados nos últimos 20 anos (2) Verificação e mapeamento das anomalias (*) Expectativa de confirmação de mais t de reserva de U 3 O 8 (**) Expectativa de confirmação de reservas de t de U 3 O 8

24 CAPACIDADE de PRODUÇÃO de STA. QUITÉRIA x CONSUMO de U 3 O t de U 3 O Consumo U3O8 U 3 O 8 (t(t/ano) Sta. Quitéria Anos

25 CAPACIDADE de PRODUÇÃO de U 3 O 8 x ESTOQUE ESTRATÉGICO 3000 t de U 3 O Estoque Estratégico Anual (Consumo + 10%) Capacidade de Produção Anos

26 MINERAÇÃO E PRODUÇÃO DE CONCENTRADO - U 3 O 8 A Mineração é a primeira etapa do ciclo do combustível nuclear. O minério é retirado da mina, moído e colocado em pilhas. Estas pilhas são percoladas por uma solução ácida, produzindo um licor que é enviado à usina de beneficiamento para obtenção do Concentrado de Urânio, cuja composição química é o diuranato de amônio (DUA), conhecido como Yellow-cake.

27 CONVERSÃO DO U 3 O 8 EM UF 6 A Conversão nada mais é do que a transformação do Yellow-cake (U 3 O 8 ), sólido, em hexafluoreto de urânio (UF 6 ), gas. Na usina de Conversão, o Yellow-cake, é dissolvido e purificado, obtendo-se urânio nuclearmente puro (em condições adequadas para a próxima etapa, o enriquecimento). A seguir, o material é convertido para gas, o hexafluoreto de urânio (UF 6 ), que é enviado para a fábrica de enriquecimento.

28 ENRIQUECIMENTO ISOTÓPICO DO UF 6 A operação de enriquecimento do urânio tem por objetivo aumentar a concentração do U 235 acima da concentração natural. O urânio natural contém apenas 0,7% de U 235 e é preciso levá-lo até cerca de 4%, para permitir sua utilização como combustível para geração de energia elétrica. O U 235 é o isótopo físsil responsável pela reação em cadeia nos reatores nucleares.

29 RECONVERSÃO DO UF 6 EM PÓ DE UO 2 Após o enriquecimento, o gas - hexafluoreto de urânio (UF 6 ), enriquecido, é transformado em dióxido de urânio (UO 2 ). Reconversão é o retorno do gas UF 6 ao estado sólido, sob a forma de pó de dióxido de urânio (UO 2 ). Nesta condição o material é enviado para a próxima etapa do ciclo.

30 FABRICAÇÃO DE PASTILHAS DE UO 2 Após a reconversão o pó de UO 2 é levado à fábrica de pastilhas, onde é comprimido e sinterizado, tornando-se uma pastilha sólida, que passa por uma série de testes - dimensionais, metalográficos, físicos e químicos. Só então as pastilhas são consideradas aptas a compor o Elemento Combustível.

31 FABRICAÇÃO DE ELEMENTO COMBUSTíVEL As pastilhas de UO 2 são montadas em tubos de liga metálica especial, a base de zircônio. O conjunto desses tubos é rigidamente mantido por reticulados chamados grades espaçadoras e encabeçado por dois bocais: o superior e o inferior, e está pronto o Elemento Combustível Nuclear. Estes Elementos e seus componentes passam por severos testes que garantem sua qualidade e precisão mecânica.

32 GERAÇÃO DE ENERGIA Uma vez prontos, os Elementos Combustíveis são enviados para a Usina Nuclear, onde são colocados no interior dos reatores. As Usinas Nucleares são centrais termoelétricas, e como qualquer outra, é composta de um sistema de geração de vapor, uma turbina (para transformação do vapor em energia mecânica) e de um gerador (para a transformação de energia mecânica em energia elétrica). A diferença de uma usina nuclear para as demais está no fato do vapor ser produzido pelo calor liberado no processo de fissão e não por aquele resultante da queima de materiais combustíveis.

33 NECESSIDADE RECURSOS HUMANOS TOTAL Superior Mineração Conversão Enriquecimento Caetité Sta. Quitéria Rio de Janeiro Resende Resende Técnico Apoio Superior Técnico Apoio Superior Técnico 0 Apoio 0 Superior Técnico Apoio Superior Técnico Apoio continua 19

34 continuação NECESSIDADES RECURSOS HUMANOS TOTAL Pó e Pastilha Resende Superior Técnico Apoio Montagem Elemento Combustível Superior Resende Técnico Apoio Tubos TREX Resende Superior Técnico Apoio Demais áreas Superior Técnico Apoio Sub Total Total Geral

35 MINERAÇÃO R$ X 10 6 ATIVIDADE PROSPECÇÃO Caetité mapeamento detalhado das anomalias radioativas da região Rio Cristalino mapeamento detalhado da região onde foram detectados importantes indícios da ocorrência de urânio Valor Outras áreas com geologia favorável 1 Lavra Subterrânea em Caetité: MINERAÇÃO Construção da rampa de acesso 8 Implantação da Lixiviação Agitada 12 TOTAL

36 MINERAÇÃO R$ x 10 6 ATIVIDADE PROSPECÇÃO Caetité mapeamento detalhado de outras anomalias radioativas da região Rio Cristalino mapeamento detalhado da região onde foram detectados importantes indícios da ocorrência de urânio Valor Outras áreas com geologia favorável 1 MINERAÇÃO Início dos trabalhos de lavra da anomalia 09 (Caetité) sondagens, modelamento do depósito, abertura de rampa e galerias Lavra Subterrânea em Caetité: Construção da rampa de acesso 8 Implantação da Lixiviação Agitada ,5 5,5 TOTAL 39

37 MINERAÇÃO R$ x 10 6 ATIVIDADE PROSPECÇÃO Valor Caetité sondagem 2 Rio Cristalino sondagem 12 MINERAÇÃO Continuação dos trabalhos de lavra da anomalia 09 (Caetité) abertura de rampa e galerias Início da Lavra Subterrânea da Mina Cachoeira (Caetité): 6 TOTAL 28 8

38 Mineração R$ x 10 6 ATIVIDADE Valor PROSPECÇÃO Caetité sondagem 2 Rio Cristalino sondagem 1 TOTAL 3

39 MINERAÇÃO R$ x 10 6 ATIVIDADE PROSPECÇÃO Outras áreas com geologia favorável à ocorrência de urânio Valor TOTAL 2 2

40 Mineração R$ x 10 6 ATIVIDADE PROSPECÇÃO Outras áreas com geologia favorável à ocorrência de urânio Valor 12 TOTAL 12

41 CONVERSÃO R$ x 106

42 CONVERSÃO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Projeto 25 Obras Civis 5 Equipamento e Montagem - Equipamentos de Segurança - Comissionamento - TOTAL 30

43 CONVERSÃO R$ x 106

44 CONVERSÃO R$ x 106

45 CONVERSÃO R$ x 106

46 CONVERSÃO /2034 R$ x 106

47 ENRIQUECIMENTO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Pagamento das Ultracentrífugas ao CTMSP 28 Infraestrutura na INB (*) 19 Nova Fábrica de Ultracentrífugas 20 Unidade Montagem etestes - INB 7 Unidade Alimentação e Retirada de UF 6 - TOTAL 74 (*) Construção dos prédios para as novas cascatas e instalação de sistemas eletro-mecânicos e auxiliares.

48 ENRIQUECIMENTO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Pagamento das Ultracentrífugas ao CTMSP 70 Infraestrutura na INB (*) 57 Nova Fábrica de Ultracentrífugas 39 Unidade Montagem etestes - INB 21 Unidade Alimentação e Retirada de UF 6 20 TOTAL 207 (*) Construção dos prédios para as novas cascatas e instalação de sistemas eletro-mecânicos e auxiliares.

49 ENRIQUECIMENTO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Pagamento das Ultracentrífugas ao CTMSP 67 Infraestrutura na INB (*) 77 Nova Fábrica de Ultracentrífugas 16 Unidade Montagem etestes - INB 5 Unidade Alimentação e Retirada de UF 6 40 TOTAL 205 (*) Construção dos prédios para as novas cascatas e instalação de sistemas eletro-mecânicos e auxiliares.

50 ENRIQUECIMENTO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Pagamento das Ultracentrífugas ao CTMSP 200 Infraestrutura na INB (*) 57 Nova Fábrica de Ultracentrífugas - Unidade Montagem etestes - INB - Unidade Alimentação e Retirada de UF 6 70 TOTAL 327 (*) Construção dos prédios para as novas cascatas e instalação de sistemas eletro-mecânicos e auxiliares.

51 ENRIQUECIMENTO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Pagamento das Ultracentrífugas ao CTMSP 150 Infraestrutura na INB (*) 54 Nova Fábrica de Ultracentrífugas - Unidade Montagem etestes - INB - Unidade Alimentação e Retirada de UF 6 70 TOTAL 274 (*) Construção dos prédios para as novas cascatas e instalação de sistemas eletro-mecânicos e auxiliares.

52 ENRIQUECIMENTO R$ x 10 6 ATIVIDADE VALOR Pagamento das Ultracentrífugas ao CTMSP 120 Infraestrutura na INB (*) 40 Nova Fábrica de Ultracentrífugas - Unidade Montagem etestes - INB - Unidade Alimentação e Retirada de UF 6 - TOTAL 160 (*) Construção dos prédios para as novas cascatas e instalação de sistemas eletro-mecânicos e auxiliares.

53 ENRIQUECIMENTO a 2034 R$ x 106

54 PÓ e PASTILHA (Ampliação) R$ x 106

55 PÓ e PASTILHA (Ampliação) R$ x 106

56 PÓ e PASTILHA (Nova Fábrica) R$ x 106

57 PÓ e PASTILHA (Nova Fábrica) /2020 R$ x 106

58 MONTAGEM ELEMENTO COMBUSTÍVEL R$ x 106

59 MONTAGEM de ELEMENTO COMBUSTÍVEL R$ x 106

60 MONTAGEM de ELEMENTO COMBUSTÍVEL /2018 R$ x 106

61 FÁBRICA de TUBOS e TREX R$ x 106

62 FÁBRICA de TUBOS e TREX R$ x 106

63 FÁBRICA de TUBOS e TREX R$ x 106

64 FÁBRICA de TUBOS e TREX R$ x 106

3 O Ciclo do Combustível Nuclear

3 O Ciclo do Combustível Nuclear 42 3 O Ciclo do Combustível Nuclear O ciclo do combustível nuclear é o conjunto de etapas do processo industrial que transforma o mineral urânio, desde quando ele é encontrado em estado natural até sua

Leia mais

Ciclo do Combustível Nuclear no Brasil

Ciclo do Combustível Nuclear no Brasil Ciclo do Combustível Nuclear no Brasil Salvaguardas para a Operação de Centrais Nucleares Roberto C. A. Travassos ELETROBRAS Gerente de Planejamento e Orçamento GPO.T ETN-GPO.T / Ago-2010 / Pag. 1 Ciclo

Leia mais

Artigo ENEM Enriquecimento de Urânio Prof. Thiago Magalhães F. Menezes

Artigo ENEM Enriquecimento de Urânio Prof. Thiago Magalhães F. Menezes Artigo ENEM Enriquecimento de Urânio Prof. Thiago Magalhães F. Menezes thiagobiofarma@hotmail.com 1. Justificativa do Tema: Irã não pretende paralisar enriquecimento de urânio, diz Ahmadinejad jornal Correio

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

1a. Semana de Engenharia Nuclear da UFRJ. A Participação da CNEN no Programa Nuclear Brasileiro

1a. Semana de Engenharia Nuclear da UFRJ. A Participação da CNEN no Programa Nuclear Brasileiro Comissão Nacional de Energia Nuclear 1a. Semana de Engenharia Nuclear da UFRJ A Participação da CNEN no Programa Nuclear Brasileiro Isaac José Obadia Coordenador Geral de C&T Nucleares Diretoria de P&D/CNEN

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas Professor: Xuxu USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica,

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica, através de aproveitamento

Leia mais

Radioatividade X Prof. Neif Nagib

Radioatividade X Prof. Neif Nagib Radioatividade X Prof. Neif Nagib Breve Histórico Em 1895, Wilhem Röntgen descobriu os raios X, que eram úteis mas misteriosos. A descoberta da radioatividade ocorreu, casualmente, por Henri Becquerel,

Leia mais

PORTARIA Nº 518, DE 4 DE ABRIL DE 2003

PORTARIA Nº 518, DE 4 DE ABRIL DE 2003 PORTARIA Nº 518, DE 4 DE ABRIL DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPRE-GO, no uso das competências que lhe conferem o art. 87, parágrafo único, II, da Constituição da República Federativa do Brasil

Leia mais

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza

Fontes renováveis e não-renováveis de energia. Amanda Vieira dos Santos Giovanni Souza Fontes renováveis e não-renováveis de energia Amanda Vieira dos Santos 8941710 Giovanni Souza - 9021003 Fontes renováveis e não-renováveis de energia Usos para a energia: Com o avanço tecnológico passamos

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

Ciclo do combustível: desenvolvimento e qualificação de processos de conversão de concentrado de urânio (torta amarela) em hexafluoreto de urânio

Ciclo do combustível: desenvolvimento e qualificação de processos de conversão de concentrado de urânio (torta amarela) em hexafluoreto de urânio Ciclo do combustível: desenvolvimento e qualificação de processos de conversão de concentrado de urânio (torta amarela) em hexafluoreto de urânio Marinha do Brasil 1. UNIDADE DE PRODUÇÃOE HEXAFLUORETO

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade Materiais (sólidos, líquidos ou gasosos), ou suas propriedades (calor interno da Terra ou radioatividade), provenientes da Terra e que o Homem pode utilizar em seu benefício. de acordo com a finalidade

Leia mais

Fonte Características Vantagens Desvantagens

Fonte Características Vantagens Desvantagens Fonte Características Vantagens Desvantagens Hidrelétrica Uso da força dos rios para produção de energia elétrica Fonte não poluente e renovável Alto custo de implantação e grande impacto ambiental e econômico

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2006 ano base 2005

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2006 ano base 2005 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 26 ano base 25 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Aerogeradores em Fortaleza fotógrafo: Marcus Almeida 6 87 Recursos e Reservas Energéticas 1974 / 25 Conceituação Recursos e

Leia mais

RADIOATIVIDADE. É o fenômeno onde núcleos instáveis emitem partículas e radiação, transformando-se em outros átomos.

RADIOATIVIDADE. É o fenômeno onde núcleos instáveis emitem partículas e radiação, transformando-se em outros átomos. RADIOATIVIDADE É o fenômeno onde núcleos instáveis emitem partículas e radiação, transformando-se em outros átomos. Marie Curie Descobriu a Radioatividade com Pierre Curie e Becquerel. Descobriu dois

Leia mais

Energia Nuclear e Impacto Ambiental

Energia Nuclear e Impacto Ambiental José Marcus de Oliveira Godoy Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

a) Escrever a equação nuclear balanceada que representa a reação que leva à emissão do positrão.

a) Escrever a equação nuclear balanceada que representa a reação que leva à emissão do positrão. A PET permite obter imagens com maiores detalhes, e menor exposição à radiação do que outras técnicas tomográficas. A técnica de PET pode utilizar compostos marcados com 6 C 11. Este isótopo emite um positrão,

Leia mais

3 - O Programa Nuclear Brasileiro

3 - O Programa Nuclear Brasileiro 66 3 - O Programa Nuclear Brasileiro O Programa Nuclear Brasileiro nasceu na década de 1940, logo após a Segunda Guerra Mundial. Em meados de 1950, o Brasil e os Estados Unidos firmaram dois acordos de

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) E O PROGRAMA NUCLEAR DA MARINHA DO BRASIL (PNM)

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) E O PROGRAMA NUCLEAR DA MARINHA DO BRASIL (PNM) PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) E O PROGRAMA NUCLEAR DA MARINHA DO BRASIL (PNM) CENTRO TECNOLÓGICO DA MARINHA EM SÃO PAULO CC (EN) Reinaldo de Melo Maeda Dra. Claudia Giovedi Motta Sumário

Leia mais

PESQUISA MINERAL I. Professora: Thaís Dornelas

PESQUISA MINERAL I. Professora: Thaís Dornelas PESQUISA MINERAL I Professora: Thaís Dornelas Unidade 05 PESQUISA MINERAL Conceitos básicos de prospecção mineral EMENTA Fundamentos da pesquisa mineral (conceitos básicos) Métodos de pesquisa mineral

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR Materiais e Ciclo do Combustível Profs.: Afonso Aquino e Arnaldo Andrade Ipen 2007 Tópicos do Módulo Noções sobre o Ciclo do Combustível Nuclear Materiais e Componentes

Leia mais

A aplicação da Engenharia Mecânica nas Energias não Renováveis

A aplicação da Engenharia Mecânica nas Energias não Renováveis A aplicação da Engenharia Mecânica nas Energias não Renováveis A Evolução das Energias não Renováveis Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Turma 1M08 Equipa 1: João Amorim Mário Morgado Henrique Carneiro

Leia mais

Combustível Nuclear no Brasil: Histórico e Perspectivas

Combustível Nuclear no Brasil: Histórico e Perspectivas Combustível Nuclear no Brasil: Histórico e Perspectivas JORGE LUIZ CHAPOT (Superintendência de Combustível e Segurança Nuclear) III SEN 26/8/2013 ANGRA 1 Tipo de Reator PWR Projetista Westinghouse Potência

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA FONTES CONVENCIONAIS DE ENERGIA SÉRGIO VIDAL GARCIA OLIVEIRA DANIEL GUSTAVO CASTELLAIN JEFFERSON

Leia mais

3- Funcionamento de uma Usina Nuclear. 5- Benefícios indiretos para as comunidades circunvizinhas

3- Funcionamento de uma Usina Nuclear. 5- Benefícios indiretos para as comunidades circunvizinhas 1- Geração de Energia no Mundo (POWER GENERATION IN THE WORLD) 2- Geração de Energia no Brasil (POWER GENERATION IN BRAZIL) 3- Funcionamento de uma Usina Nuclear (OPERATION OF A NUCLEAR POWER PLANT) 4-

Leia mais

PONTOS CRÍTICOS DE SUCESSO E FRACASSO DOS PROJETOS PREVISTOS NO PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PONTOS CRÍTICOS DE SUCESSO E FRACASSO DOS PROJETOS PREVISTOS NO PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PONTOS CRÍTICOS DE SUCESSO E FRACASSO DOS PROJETOS PREVISTOS NO PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Diretor Técnico da Eletronuclear TÓPICOS Projeções da Indústria Nuclear Estruturação do Projeto

Leia mais

Usinas Nucleares: Oportunidades para Fornecedores de Bens e Serviços do NE CAFÉ EM REDE. Por: Carlos Henrique Mariz

Usinas Nucleares: Oportunidades para Fornecedores de Bens e Serviços do NE CAFÉ EM REDE. Por: Carlos Henrique Mariz Usinas Nucleares: Oportunidades para Fornecedores de Bens e Serviços do NE CAFÉ EM REDE Por: Carlos Henrique Mariz DATA: 17/06/ 2010 ENERGIA ELÉTRICA VISÃO DO MUNDO IMPORTÂNCIA DA ENERGIA ELÉTRICA A Energia

Leia mais

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação.

ENERGIA. origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. ENERGIA origem do grego érgon, que significa trabalho. Assim, en + érgon queria dizer, na Grécia Antiga, em trabalho, em atividade, em ação. A mais antiga forma de energia é a produzida pelos músculos

Leia mais

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA DO BRASIL CEEEX 22 NOVEMBRO 2016

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA DO BRASIL CEEEX 22 NOVEMBRO 2016 PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 22 NOVEMBRO 2016 DO BRASIL CEEEX SUMÁRIO 1. AMAZÔNIA AZUL 2. PROJETOS ESTRATÉGICOS 3. BENEFÍCIOS PARA O PAÍS 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS AMAZÔNIA AZUL AMAZÔNIA AZUL 97% DO

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia : Técnico em Metalurgia Descrição do Perfil Profissional: O profissional Técnico em Metalurgia deverá ser capaz de realizar controle visual, dimensional e laboratorial de materiais e substâncias utilizadas

Leia mais

Exercícios de Fontes de Energia

Exercícios de Fontes de Energia Exercícios de Fontes de Energia 1. Todas as atividades humanas, desde o surgimento da humanidade na Terra, implicam no chamado consumo de energia. Isto porque para produzir bens necessários à vida, produzir

Leia mais

MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL

MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL UM FENÔMENO NUCLEAR 5% 14% 2% 9% MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Renováveis (47%) 3% 37% 30% Biomassa Petróleo GN Nuclear 6% MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL Biomassa Renováveis (13%) Petróleo 2% 1% 25% 10% 35%

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR

ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR ESTRUTURA DA ÁREA NUCLEAR A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA PRESIDÊNCIA MCT MME MD MRE INB CNEN NUCLEP Eletronuclear Aeronáutica Exército Institutos de C&T Angra 1 Angra 2 CTA Marinha CTEX MEC CTMSP Universidades

Leia mais

Artigo ENEM Usina Nuclear Prof. Thiago Magalhães F. Menezes

Artigo ENEM Usina Nuclear Prof. Thiago Magalhães F. Menezes Artigo ENEM Usina Nuclear Prof. Thiago Magalhães F. Menezes thiagobiofarma@hotmail.com 1. Justificativa do Tema: Acidente Nuclear em Fukushima no Japão. 2. Funcionamento de uma Usina Nuclear: Figura 01

Leia mais

RADIAÇÃO: O que é isso?

RADIAÇÃO: O que é isso? RADIAÇÃO: O que é isso? Radiação é uma energia invisível que atravessa o ar e as paredes. O sol é a principal fonte de radiação, que também vem do espaço cósmico e está em toda parte: na terra, na água,

Leia mais

-1 - MAS... O PROBLEMA PAIRAVA NO AR... O CONTRASTE...

-1 - MAS... O PROBLEMA PAIRAVA NO AR... O CONTRASTE... PARA ENTENDER COMO ESTA ENERGIA TÊM UM PAPEL TÃO IMPORTANTE HOJE, DEVEMOS NOS REMETER AO PASSADO... E MAIS, TEMOS QUE COMPREENDER NOSSO ASTRO MAIS IMPORTANTE, O SOL. NO SÉCULO XIX... OS CIENTISTAS ACREDITAVAM

Leia mais

Por isso, busca jovens que tenham interesse no seu autodesenvolvimento dentro de uma empresa global.

Por isso, busca jovens que tenham interesse no seu autodesenvolvimento dentro de uma empresa global. A GERDAU acredita que as pessoas são o seu maior diferencial! Por isso, busca jovens que tenham interesse no seu autodesenvolvimento dentro de uma empresa global. O comprometimento, qualidade do trabalho

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. A tabela

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

ENEM 2000 QUESTÕES DE FÍSICA

ENEM 2000 QUESTÕES DE FÍSICA ENEM 2000 QUESTÕES DE FÍSICA 01) O esquema abaixo mostra, em termos de potência(energia/tempo), aproximadamente, o fluxo de energia, a partir de uma certa quantidade de combustível vinda do tanque de gasolina,

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento em Rondônia

Programa de Aceleração do Crescimento em Rondônia 1 CAPÍTULO Programa de Aceleração do Crescimento em Rondônia Criado em 2007 pelo Governo Federal, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) promoveu a retomada do planejamento e da execução de grandes

Leia mais

Classificação Periódica Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei

Classificação Periódica Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei www.professormazzei.com Classificação Periódica Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei 01. (PUC SP 1995) Considerando-se os elementos do 3º. período da Tabela Periódica, é correto afirmar: a) o elemento de

Leia mais

MINERAL É uma substância inorgânica ocorrendo na natureza, mas não necessariamente de origem inorgânica (ex: petróleo e âmbar), a qual tem

MINERAL É uma substância inorgânica ocorrendo na natureza, mas não necessariamente de origem inorgânica (ex: petróleo e âmbar), a qual tem TERMOS TÉCNICOST MINERAL É uma substância inorgânica ocorrendo na natureza, mas não necessariamente de origem inorgânica (ex: petróleo e âmbar), a qual tem propriedades físicas e composição química definidas

Leia mais

Energia Nuclear: DESMISTIFICAÇÃO & DESENVOLVIMENTO. SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICAP Brasília, 20 de outubro de 2009 SENADO FEDERAL

Energia Nuclear: DESMISTIFICAÇÃO & DESENVOLVIMENTO. SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICAP Brasília, 20 de outubro de 2009 SENADO FEDERAL SENADO FEDERAL Energia Nuclear: DESMISTIFICAÇÃO & DESENVOLVIMENTO Eletrobrás Termonuclear S.A. 1 Consumo Per Capita de Energia Elétrica: 15 Maiores Geradores Mundiais Canadá Estados Unidos Austrália Japão

Leia mais

Energia. A sustentabilidade dos recursos essenciais

Energia. A sustentabilidade dos recursos essenciais Energia A sustentabilidade dos recursos essenciais Estudo de caso Crises de energia: Brasil e EUA i. Grandes centros urbanos: $ atrai investidores e mão de obra ii. Aumento da população iii. Esgotamento

Leia mais

Soluções Integradas para PCHs. SEMI Industrial Ltda.

Soluções Integradas para PCHs. SEMI Industrial Ltda. Soluções Integradas para PCHs SEMI Industrial Ltda. Empresas do Grupo SEMI Engenharia SEMI Sistemas SEMI Industrial Montagens Eletromecânicas Automação de Centrais Reguladores de Velocidade e Tensão Projetos

Leia mais

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR Lucas Ferreira de Souza 1, Luana Thayse Moreira 2, Arquimedes Luciano 3 RESUMO: O Programa de

Leia mais

Ciclo do Combustível Nuclear

Ciclo do Combustível Nuclear Indústrias Nucleares do Brasil Ciclo do Combustível Nuclear Alfredo Tranjan Filho Presidente MISSÃO DA INB Garantir o fornecimento de combustível nuclear para geração de energia elétrica, no Brasil, através

Leia mais

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh.

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh. Hidrelétrica Funcionamento: * Pressão causa um aumento da velocidade da água rgh=rv 2 /2 portanto: E a h * Quanto mais alta a represa, maior a velocidade da água e, portanto, maior a energia produzida.

Leia mais

Indução Eletromagnética

Indução Eletromagnética Indução Eletromagnética 1 Aprendemos que uma força eletromotriz (fem) é necessária para produzir uma corrente em um circuito. Até aqui, quase sempre tomamos uma bateria como a fonte de fem. Contudo, para

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 Esco Brasil Nome fantasia: Esco Brasil - CNPJ: 17.403.551/0001-07 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias

Leia mais

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0 Aluno(a): nº: Turma: Nota Ano: 2º Ano EM Data: / /2016 Trabalho Recuperação Professor(a): Willian Novato Matéria: Química Valor: 15,0 PARA TODAS AS QUESTÕES, AS RESPOSTAS DEVERÃO CONSTAR DE RACIOCÍNIO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Processos de Concentração de Apatita Proveniente do Minério Fósforo- Uranífero de Itataia

Processos de Concentração de Apatita Proveniente do Minério Fósforo- Uranífero de Itataia Processos de Concentração de Apatita Proveniente do Minério Fósforo- Uranífero de Itataia Leandro Almeida Guedes de Jesus Bolsista PCI, Técnico Químico Marisa Bezerra de Mello Monte Orientadora, Engenheira

Leia mais

ANTEPROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 01, DE 2014 (1º Fórum Nacional de Infraestrutura)

ANTEPROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 01, DE 2014 (1º Fórum Nacional de Infraestrutura) ANTEPROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 01, DE 2014 (1º Fórum Nacional de Infraestrutura) Dá nova redação aos artigos 21 e 177 da Constituição Federal, para retirar do monopólio da União a construção

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Produção de compostos de lítio no Brasil

Produção de compostos de lítio no Brasil Produção de compostos de lítio no Brasil O Lítio no Brasil No país, há várias concessões de lavras para minérios de lítio sendo a mais importante a da CBL Companhia Brasileira de Lítio, uma empresa 100%

Leia mais

12 de maio de Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização

12 de maio de Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização 2 de maio de 205 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Estabilidade operacional na Mina de Barro Alto Ações que garantiram

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2006

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2006 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2006 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 10803/2006-9 Ano Orçamento: 2006 UF: RJ Nome do PT: Implantação de Unidade de Enriquecimento

Leia mais

UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999

UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999 UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999 CONCEPÇÃO DO PROJETO FATORES IMPORTANTÍSSIMOS E JÁ MATERIALIZADOS: OS DOIS GRUPOS CIMENTEIROS

Leia mais

O Brasil comemora em 2016 a capacidade instalada de produção de10 Mws. Em 2014 o Brasil ocupou a 4ª posição quanto a expansão dessa opção energética

O Brasil comemora em 2016 a capacidade instalada de produção de10 Mws. Em 2014 o Brasil ocupou a 4ª posição quanto a expansão dessa opção energética PETRÓLEO O Brasil comemora em 2016 a capacidade instalada de produção de10 Mws. Em 2014 o Brasil ocupou a 4ª posição quanto a expansão dessa opção energética Fonte renovável Concentrada no NE Maiores produtores

Leia mais

Assunto: Propriedades Físico-Químicas dos compostos orgânicos Folha 12.2 Prof.: João Roberto Mazzei

Assunto: Propriedades Físico-Químicas dos compostos orgânicos Folha 12.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (UNIFESP-2003) Ácidos carboxílicos e fenóis originam soluções ácidas quando dissolvidos em água. Dadas as fórmulas moleculares de 5 substâncias I. C H O II. C H O III. CH O IV. C H O V. C H O as duas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Química B Natália Av. Dissertativa 19/10/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

EM 524 : aula 3. Capítulo 3 : Propriedades das. Substâncias Puras

EM 524 : aula 3. Capítulo 3 : Propriedades das. Substâncias Puras EM 524 : aula 3 Capítulo 3 : Propriedades das 1. Definições; Substâncias Puras 2. Equilíbrio de fase; Diagrama temperatura volume; Título de uma mistura líquido-vapor; Diagrama pressão temperatura; Diagrama

Leia mais

Desafios nas concretagens da obra do submarino atômico da Marinha do Brasil (Elemento Estrutural de Sacrifício)

Desafios nas concretagens da obra do submarino atômico da Marinha do Brasil (Elemento Estrutural de Sacrifício) Desafios nas concretagens da obra do submarino atômico da Marinha do Brasil (Elemento Estrutural de Sacrifício) Roberto Amaral Chefe da Divisão de Implantação de Engenharia Civil AMAZUL Amazônia Azul Tecnologias

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE NA AQUISIÇÃO, PROJETO E FABRICAÇÃO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS

GARANTIA DA QUALIDADE NA AQUISIÇÃO, PROJETO E FABRICAÇÃO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS Norma CNEN NE 1.27 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 GARANTIA DA QUALIDADE NA AQUISIÇÃO, PROJETO E FABRICAÇÃO DE ELEMENTOS COMBUSTÍVEIS Resolução CNEN 02/95 Publicação: DOU 01.09.1995 Resolução CNEN

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

ENEM Prova resolvida Química

ENEM Prova resolvida Química ENEM 2002 - Prova resolvida Química 01. A chuva em locais não poluídos é levemente ácida. Em locais onde os níveis de poluição são altos, os valores do ph da chuva podem ficar abaixo de 5,5, recebendo,

Leia mais

PRODUÇÃO DE SULFATO FERROSO A DA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PRODUÇÃO DE SULFATO FERROSO A DA MINERAÇÃO DE CARVÃO PRODUÇÃO DE SULFATO FERROSO A PARTIR DE REJEITOS DA MINERAÇÃO DE CARVÃO Msc. Eunice Maria Vigânico Dr. Rodrigo de Almeida Silva Prof. Dr. Ivo André Homrich Schneider www.ufgrs.br www.ufrgs.br/ppgem www.ct.ufrgs.br/leamet

Leia mais

Votorantim Metais do niquel para o ácido sulfurico. Fernando Braghini - Vmetais FM Thomas Bartoneck - Combustion Solutions Mario Beer MB Consultores

Votorantim Metais do niquel para o ácido sulfurico. Fernando Braghini - Vmetais FM Thomas Bartoneck - Combustion Solutions Mario Beer MB Consultores Votorantim Metais do niquel para o ácido sulfurico Fernando Braghini - Vmetais FM Thomas Bartoneck - Combustion Solutions Mario Beer MB Consultores 1 Grupo Votorantim 96 anos de história Empresas do grupo:

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral - SGM Cooperação Internacional no Setor Mineral Temas prioritários CARLOS NOGUEIRA DA COSTA JUNIOR Secretário Sumário

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear

Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Transporte do Ciclo de Combustível Nuclear Materiais Front End (da etapa inicial) Dedicado ao transporte seguro, eficiente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

LIFE OF MINE METODOLOGIA DE PLANEJAMENTO MINERAL INTEGRAL DA ANGLO AMERICAN

LIFE OF MINE METODOLOGIA DE PLANEJAMENTO MINERAL INTEGRAL DA ANGLO AMERICAN LIFE OF MINE METODOLOGIA DE PLANEJAMENTO MINERAL INTEGRAL DA ANGLO AMERICAN Plc. 0 INTRODUÇÃO 1 A Anglo American Plc: Fundada em 1917 na África do Sul, a Anglo American é um dos maiores grupos de mineração

Leia mais

COGERAÇÃO GRUPOTGM.COM.BR

COGERAÇÃO GRUPOTGM.COM.BR COGERAÇÃO GRUPOTGM.COM.BR O QUE É COGERAÇÃO A cogeração de energia se traduz na produção simultânea de duas ou mais utilidades - calor de processo e energia eletromecânica, a partir de uma mesma fonte

Leia mais

RELAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES DA ÁREA TECNOLÓGICA DO SISTEMA CONFEA-CREA

RELAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES DA ÁREA TECNOLÓGICA DO SISTEMA CONFEA-CREA APÊNDICE I RELAÇÃO DE CURSOS SUPERIORES DA ÁREA TECNOLÓGICA DO SISTEMA CONFEA-CREA Agrimensor Engenheiro Aeronáutico Engenheiro Agrícola Engenheiro Agrimensor Engenheiro Agrônomo Engenheiro Ambiental Engenheiro

Leia mais

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis

Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Humberto Vitor Soares Patrícia Amélia de Lima Reis Tópicos INTRODUÇÃO Aspectos gerais da energia nuclear Elemento urânio Urânio como combustível nuclear Indústrias Nucleares do Brasil- INB Reservas de

Leia mais

Capítulo 43: Energia Nuclear

Capítulo 43: Energia Nuclear Cap. 43: Sumário A Fissão do Urânio: O Processo Básico; Um Modelo para a Fissão Nuclear; O Reator Nuclear; Fusão Termonuclear: O Processo Básico A Fusão termonuclear no Sol; Fusão Termonuclear Controlada.

Leia mais

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Dr. Electo Eduardo Silva Lora Eng. Mateus Henrique Rocha Fórum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte, 21 de outubro de 2008. Núcleo de Excelência

Leia mais

Sr, assinale a alternativa em que todas as informações estão corretas. REPRE- SENTA- ÇÃO DO CÁTION. Nêutrons. 38 Sr+

Sr, assinale a alternativa em que todas as informações estão corretas. REPRE- SENTA- ÇÃO DO CÁTION. Nêutrons. 38 Sr+ 61 d s metais alcalino-terrosos, como o estrôncio, pertencentes ao grupo 2 da Tabela Periódica, têm a tendência de perder dois elétrons para a formação de sais com os halogênios pertencentes ao grupo 17,

Leia mais

Capítulo 1. Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações. Administração da Produção II. Antonio Martins Lima Filho

Capítulo 1. Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações. Administração da Produção II. Antonio Martins Lima Filho Capítulo 1 Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações Conteúdo deste Resumo: Cap. 1 - Localização Industrial e Projeto da Rede de Operações Indicações Bibliográficas Introdução 1.1 Perspectiva

Leia mais

DIRETORIA DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA NUCLEAR FOCO NO CICLO DO COMBUSTIVEL

DIRETORIA DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA NUCLEAR FOCO NO CICLO DO COMBUSTIVEL DIRETORIA DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA NUCLEAR FOCO NO CICLO DO COMBUSTIVEL FGV- 27 ABRIL 2016 PAULO FERNANDO LAVALLE HEILBRON FILHO COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR O INICIO DA ENERGIA NUCLEAR NO

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

Lista 1 - Radioatividade

Lista 1 - Radioatividade 1. Para cada um dos radionuclídeos mostrados a seguir, escreva a equação que representa a emissão radioativa. Consulte a tabela periódica. a) b) c) d) e) 222 86 Rn, um alfa emissor presente no ar. 235

Leia mais

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v QUÍMICA 1ª QUESTÃO Umas das reações possíveis para obtenção do anidrido sulfúrico é a oxidação do anidrido sulfuroso por um agente oxidante forte em meio aquoso ácido, como segue a reação. Anidrido sulfuroso

Leia mais

01- (UNICAMP 2004) As condições oxidativas/redutoras e de ph desempenham

01- (UNICAMP 2004) As condições oxidativas/redutoras e de ph desempenham 01- (UNICAMP 2004) As condições oxidativas/redutoras e de ph desempenham importantes papéis em diversos processos naturais. Desses dois fatores dependem, por exemplo, a modificação de rochas e a presença

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Estudo de Caso. Disposição de rejeitos em cavas exauridas utilizando o método de empilhamento drenado

Estudo de Caso. Disposição de rejeitos em cavas exauridas utilizando o método de empilhamento drenado Estudo de Caso Disposição de rejeitos em cavas exauridas utilizando o método de empilhamento drenado Empresa: ArcelorMittal Mineração Serra Azul Endereço: Rod. BR 381 - KM 533, Saída 522 - Fazenda Córrego

Leia mais

Política Governamental Brasileira de Fomento à Exploração Mineral e Propostas de Aprimoramento

Política Governamental Brasileira de Fomento à Exploração Mineral e Propostas de Aprimoramento Política Governamental Brasileira de Fomento à Exploração Mineral e Propostas de Aprimoramento Claudio Scliar Secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral / MME 24 de Maio POLÍTICA MINERAL

Leia mais