ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PRÁTICA DO TURISMO NA RPPN FELICIANO MIGUEL ABDALA E O INTERACIONISMO COM A COMUNIDADE LOCAL CARATINGA / MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PRÁTICA DO TURISMO NA RPPN FELICIANO MIGUEL ABDALA E O INTERACIONISMO COM A COMUNIDADE LOCAL CARATINGA / MG"

Transcrição

1 CAMILA REIS COUTINHO CÍNTIA VASCONCELOS SOUSA CAMPOS ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PRÁTICA DO TURISMO NA RPPN FELICIANO MIGUEL ABDALA E O INTERACIONISMO COM A COMUNIDADE LOCAL CARATINGA / MG BACHARELADO EM TURISMO DOCTUM / MG 2005

2 2 CAMILA REIS COUTINHO CÍNTIA VASCONCELOS SOUSA CAMPOS ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PRÁTICA DO TURISMO NA RPPN FELICIANO MIGUEL ABDALA E O INTERACIONISMO COM A COMUNIDADE LOCAL CARATINGA / MG Monografia apresentada à banca examinadora da Faculdade de Turismo, Instituto Doctum, como exigência parcial para obtenção do grau de bacharel em Turismo, sob a orientação da professora especialista Luciana Lustosa Ferreira. DOCTUM / CARATINGA 2005

3 3

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por permitir a realização deste trabalho, por me manter em paz em meio às dificuldades e por me ensinar a crer ainda que tudo parecesse contrário. Agradeço a minha mãe Ruth, ao meu irmão-pai Júnior, ao Rafael por estarem ao meu lado, pelas orações e por não me deixarem desistir ao longo destes 4 anos. Agradecimento este extensivo a Tia Zulmira, Tio Waldir e Tia Neném. Muito obrigada, professora Luciana Lustosa, por me ensinar muitas coisas e por me orientar tão bem nesta etapa final da graduação. Obrigada amigos e colegas de graduação, vocês não têm noção do quanto cresci e aprendi no relacionamento com cada um de vocês. Aos professores que compartilhando seus conhecimentos, de uma forma muito especial, acrescentaram muito em minha vida pessoal e profissional, obrigada por possibilitarem a abertura de novos caminhos e horizontes, hoje concluindo esta graduação, vejo que grande parte devo a vocês. Camila Reis Coutinho

5 5 RESUMO A Reserva Particular do Patrimônio Natural Feliciano Miguel Abdala RPPN-FMA, existe para a preservação da fauna e flora que compõe o bioma Mata Atlântica e tem sido utilizada até o presente momento para fins de pesquisa científica e visitação em pequena escala de turistas nacionais e estrangeiros. Como possuidora de um grande potencial turístico, em função dos seus atrativos naturais, está em andamento a melhoria da estrutura da RPPN- FMA para que esta se torne um produto turístico com infra-estrutura básica receptiva, colocando a disposição dos visitantes a possibilidade de realizarem passeios com guias locais treinados, se hospedar e alimentar com qualidade, conforto e segurança no distrito. Entendeuse que toda esta estruturação exercerá impactos diretos nos aspectos sociais, culturais, ambientais e econômicos da população residente tanto na zona urbana como na zona rural do distrito de Santo Antônio do Manhuaçu. O presente trabalho, propôs a análise por meio de estudo in loco, sobre a interferência resultante da atividade turística na vida desta comunidade, buscando perceber também se esta população está receptiva e participando de todo o processo de implantação da atividade, bem como favorável a utilização do espaço natural da região, que é rico em atrativos naturais e culturais, buscando como resultado um turismo sustentável e participativo, onde os moradores locais sejam beneficiados nos aspectos econômico, social, histórico-cultural, em conseqüência de sua participação direta na organização do espaço a ser explorado turisticamente.

6 6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO TURISMO: HISTÓRIA E ATUALIDADE DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TURISMO DESENVOLVIMENTO DO TURISMO NO BRASIL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO O QUE É RPPN RISCOS E BENEFÍCIOS DO TURISMO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPACTOS DO TURISMO IMPACTOS SOCIAIS E CULTURAIS IMPACTO ECONÔMICO IMPACTO AMBIENTAL TURISMO E QUALIDADE DE VIDA O QUE É QUALIDADE DE VIDA TURISMO PROPORCIONANDO QUALIDADE DE VIDA RESERVA PARTICULAR PATRIMÔNIO NATURAL FELICIANO MIGUEL ABDALA HISTÓRICO PERFIL E FLUXO DOS VISITANTES PROJETO TURÍSTICO COMUNIDADE DO DISTRITO DE SANTO ANTÔNIO DO MANHUAÇU E ENTORNO DA RPPN ANÁLISE DOS DADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS PROPOSTAS PARA APROVEITAMENTO DO POTENCIAL TURÍSTICO DA RPPN FMA E COMUNIDADE DO ENTORNO CONSIDERAÇÕES CONCLUSIVAS BIBLIOGRAFIA ANEXOS...48

7 7 INTRODUÇÃO A atividade turística realizada em áreas de preservação deve ser implantada de forma sustentável buscando a integração e envolvimento das comunidades locais para que estas sejam também beneficiadas pela prática do turismo. A RPPN-FMA situa-se na região sudeste do Brasil, no estado de Minas Gerais, no município de Caratinga ficando distante deste 55 Km, no distrito de Santo Antônio do Manhuaçu. A Estação é ligada a uma organização não-governamental, a Fundação Biodiversitas, de Belo Horizonte e tem como finalidade básica a preservação de um ecossistema da Mata Atlântica de Minas Gerais para gerações futuras, bem como a facilitação de trabalhos nas áreas de História Natural, uma vez que o objetivo principal é o fomento a pesquisa científica. Possui como foco a promoção de conceitos preservacionistas visando a integridade do ecossistema, mas tem buscado a inclusão do turismo e da educação ambiental. O Turismo e a Educação Ambiental são também objetivos da EBC, porém não devem prejudicar as pesquisas. (Veado, 1990, p. 02). Assim, está em andamento a implantação de uma infra-estrutura receptiva no interior da reserva e a oferta de cursos para a comunidade local sobre guia, turismo e turismo rural. É necessário o envolvimento de toda esta comunidade uma vez que a cultura, a história local e o comportamento destes, poderão também vir a ser atrativos diferenciais na busca e consumo por parte dos turistas. Para Krippendorf (2000), o desenvolvimento do turismo não pode ter um propósito em si mesmo, ele deve ser um meio para realizar objetivos superiores de ordem econômica, social, cultural, entre outros. Portanto, ao buscar estratégias para o desenvolvimento do turismo, independente de sua tipologia o objetivo primordial deverá ser a busca pelo envolvimento das esferas que compõe a sociedade bem como sua preservação, por compreender que o patrimônio quer seja natural ou cultural, é um elemento determinante na caracterização de uma comunidade. Tornando assim, a sustentabilidade como condição prévia para o turismo no âmbito econômico, ambiental e sociocultural. A atividade turística deverá servir como um meio que promova a incorporação da comunidade local no processo de transformações e adaptações para a prática do turismo de modo mais democrático.

8 8 A comunidade local que está inserida no entorno da RPPN FMA pode ser identificada como os residentes na zona urbana e rural do Distrito de Santo Antônio do Manhuaçu. É de fundamental importância o desenvolvimento de trabalhos que envolvam esta comunidade no planejamento deste ambiente, para que estes não fiquem alienados e para que não haja uma descaracterização cultural em função dos futuros visitantes que irão consumir os serviços e produtos ofertados. A atividade turística deve ser implantada de modo que seja possível a sobrevivência, o resgate e o desenvolvimento de produções culturais e artesanais tradicionais para que não acarrete uma padronização ou descaracterização dos mesmos. Swarbrooke entende que população local... normalmente consistem em diferentes grupos de interesse, alguns dos quais podem estar em conflitos entre si. (Swarbrooke, 2000, vol. 2, p. 70). A proposta deste trabalho foi verificar o estágio de desenvolvimento do turismo na região e a forma como ele interfere na vida da comunidade local por meio dos seguintes questionamentos: O turismo incipiente na região acarretou modificações no modo de vida da comunidade? É possível surgir conflitos entre a população local no seu relacionamento com os turistas? A RPPN-FMA é uma localidade viável para a implantação da atividade turística de modo sustentável? A comunidade local é receptiva a RPPN-FMA e à sua utilização também para fins turísticos? A prática do turismo promove melhorias na qualidade de vida dos moradores que compõe o entorno da RPPN-FMA? Buscou-se neste estudo coletar dados que identificasse se a prática do turismo na RPPN-FMA tem causado interferência na vida da comunidade local; como também o perfil dos visitantes, sua procedência e freqüência a RPPN-FMA; averiguar as possibilidades de crescimento da atividade turística na RPPN-FMA e em seu entorno; confirmar a importância da reserva em âmbitos sociais, ambientais, educacionais, econômicos para a comunidade do entorno; analisar a maneira como a comunidade local percebe a existência de uma RPPN e como se posiciona frente às medidas necessárias para sua preservação; apresentar levantamento de dados qualitativo sobre a comunidade local; apresentar sugestões para evitar que o turismo acarrete modificações negativas no modo de vida da comunidade local.

9 9 A pesquisa realizou-se tendo como base a coleta de dados secundários sobre a RPPN- FMA, sua história, características climáticas, ambientais, extensão territorial, identificação do perfil dos visitantes atuais e conhecimento da infra-estrutura turística receptiva. Utilizou-se ainda como complemento para análise, uma pesquisa de campo com aplicação de questionários à população que compõe o entorno para identificar a forma como esta percebe o turismo e sua disposição em participar do processo de implantação da atividade turística na RPPN-FMA. O tamanho da amostra foi definido conforme o método estatístico citado por VIEIRA (1999, p.85), a mesma foi retirada ao acaso da população, para que todos tivessem igual probabilidade de ser amostrado, adotando, portanto, o método de amostragem aleatória simples.

10 10 1. TURISMO: HISTÓRIA E ATUALIDADE A palavra Turismo provém do latim, tornare que quer dizer dar uma volta, voltar ao ponto inicial, é também derivada da palavra francesa tour que tem o mesmo significado, daí formou-se o termo Grand Tour, usado pela primeira vez por Richard Lassels no ano de 1970 em seu livro Voyage of Italy (CAMARGO, 2000) DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DO TURISMO Para LINCKORISH (2000, p. 21) ''o desenvolvimento do turismo pode ser dividido em quatro estágios distintos [...] altamente influenciados pelas mudanças no transporte, já que o transporte é o principal serviço na atividade que consiste em sair de casa para um novo destino''. Para este autor, o turismo teve início na era medieval e até o início do século XVII ele denomina turismo pré-histórico, sendo este o primeiro estágio. O segundo compreende a era onde houve grande desenvolvimento no setor de transportes. O terceiro estágio de 1918 a 1939 corresponde ao período entre as guerras e o último estágio do turismo para este autor se deu a partir de Para IGNARRA, (1999, p. 15) ''o turismo em termos históricos se iniciou quando o homem deixou de ser sedentário e passou a viajar, principalmente motivado pela necessidade de comércio com outros povos''. Para OLIVEIRA (2000, p. 15) ''o turismo é mais antigo do que a própria expressão. Os primeiros Jogos Olímpicos ocorreram em 776 a.c., na Grécia antiga, quando foram promovidas as primeiras viagens que, tempos depois, intensificaram-se com a descoberta das propriedades de cura das águas minerais''. Como cita BARRETTO, (1995, p.44) a proto-história do turismo pode situar-se na antiga Grécia, entre os fenícios, na antiga Roma, ou até milhões de anos atrás... e é muito provável que, se fosse realizada uma pesquisa em tempos anteriores, e em outras culturas, além da grecoromana, encontrar-se-iam antecedentes ainda mais remotos, chegando-se a supor que o ser humano sempre viajou, seja definitivamente (migrando) ou temporariamente (retornando).

11 11 A efetivação de uma visita a um local que não seja o de residência de um indivíduo está relacionado a viagens que por sua vez poderá estar intimamente ligada ao turismo. Para compreender o processo histórico do turismo é indispensável analisar a diferença entre o conceito de viagem e o conceito de turismo, viagem está relacionado ao deslocamento, já no turismo além do deslocamento há a necessidade de toda uma estrutura receptiva. Historicamente o turismo passou a existir quando o homem deixou de ser sedentário e iniciou o período de viagens movido pela necessidade de comércio com outros povos. O ato de viajar implica em voltar, e quando ainda sedentário o homem permanecia no local de destino enquanto este lhe garantisse sustento. Eram por motivos econômicos que se realizavam grandes viagens exploratórias dos povos antigos que tinham como finalidade conhecer novas terras e ocupá-las para posterior exploração. Outros fatores motivacionais são percebidos na Idade Média como o religioso que através das cruzadas, uma maneira organizada de recuperar o Santo Sepulcro, inseriu muitos viajantes nos caminhos da Europa, o que propiciou a transformação das pousadas caridosas em atividades lucrativas. Percebe-se que o ato de viajar independente da motivação é um fenômeno antigo na história da humanidade, segundo MCINTOSH, apud IGNARRA, 2000, p. 15., o turismo deve ter surgido com os babilônios por volta de a.c. El invento del dinero por los sumerios (babilonios) e el auge del comercio que se inició aproximadamente en el ano a. C., tal vez sinale el comienzo de la era moderna de las viajes. Los sumerios fueron los primeiros en concebir la idea del dinero, y em aplicarla a sus transaciones comerciales. (También inventaron la iscritura e la rueda, por lo que se les podria considerar como los fundadores de los viajes.) El hombre podia pagar por el transporte e el alojamiento ya fueraz con dinero o por trueque de bienes. 1 O Egito já podia ser considerado uma Meca a três mil anos antes de Cristo, em função dos visitantes que para lá se dirigiam nesta época para contemplar as pirâmides e outros monumentos. Esses visitantes viajavam pelo rio Nilo em embarcações com cabines bem confortáveis ou por terra em carruagem." (IGNARRA, 2000, p. 16) 1 O dinheiro foi inventado pelos sumérios (babilônios) e o auge do comércio que se iniciou aproximadamente no ano a. C, talvez assinala o início da era moderna das viagens. Os sumérios foram os primeiros a conceber a idéia do dinheiro e aplicá-la em suas transações comerciais. (Também inventaram a escrita, a roda, podendo considerá-los também como fundadores das viagens.) O homem podia pagar pelo transporte e alojamento com dinheiro ou peloa troca de bens.

12 12 É possível considerar que os fenícios foram os povos que possibilitaram o maior desenvolvimento do conceito de viagens em seu período devido ao seu território que não favorecia a agricultura, estes se viram necessitados de desenvolver o comércio internacional como meio para sobrevivência. Na Grécia antiga, o hábito de viajar também era comum e foi Heródoto, um dos primeiros historiadores da humanidade o exemplo, este viajou pela Feníncia, Egito, Grécia, e mar Morto. Há também na Grécia registros de viagens organizadas para participação nos jogos olímpicos. No período do Império Romano as viagens eram motivadas por um sistema de rodovia administrado pelo Estado e guardado pelo exército. De Roma saíam quantidade considerada de pessoas para o campo, o mar, as águas termais, os templos e festivais. Com o fim do Império Romano as viagens sofreram um declínio. As sociedades se organizaram em feudos e se sustentavam, viajar passou a ser uma aventura devido aos perigos que a época apresentava, assaltos realizado por grupos de bandidos nas estradas. Após o ano as viagens passaram a ofertar maior segurança, surgiram as grandes estradas, no percurso por estas estradas os viajantes de nível social mais elevado eram hospedados nos castelos ou em casas particulares, os demais utilizavam barracas ou hospedarias. Os séculos XV e XVI foram marcados pelas grandes navegações com viagens que atravessavam os oceanos, levando centenas de pessoas e duravam vários meses. O turismo moderno teve início no século XIX, após o advento da Revolução Industrial (século XVIII) onde ocorreu as primeiras viagens organizadas. Teve início em 1830 a era das ferrovias que foi determinante no desenvolvimento do turismo. Em 1841 surge o primeiro agente de viagem profissional Thomas Cook, que organizou viagem com 570 pessoas, comprou e revendeu os bilhetes, configurando assim a primeira viagem agenciada. Em 1846, organizou viagem similar a Londres, utilizando-se de guias de turismo, caracterizando como o início do turismo coletivo. (BARRETO, 1991, p. 53). O turismo contemporâneo, período de 1945 a 1990, foi marcado pelo avanço tecnológico no meio do transporte aéreo e estruturação dos serviços prestados, a hotelaria passou por modificações e melhorias. Em 1970 teve início a preocupação dos países do primeiro mundo com o meio ambiente e a necessidade de preservá-lo para gerações futuras.

13 DESENVOLVIMENTO DO TURISMO NO BRASIL No Brasil o turismo teve início com o seu descobrimento, as primeiras expedições que aqui chegaram não deixavam de estar fazendo turismo de aventura. (IGNARRA, 1999, p. 19) Com o início das capitanias Hereditárias e do Governo Geral, criou-se o turismo de negócios entre a metrópole e a colônia. Houve também as viagens de intercâmbio cultural onde jovens abastados eram enviados para Portugal para estudar. Até então parte receptiva do Brasil era precária, mas no início do século XIX, quando a corte portuguesa se transferiu para o Brasil houve um grande desenvolvimento urbano, notadamente no Rio de Janeiro. Aumentou a demanda por hospedagens devido as visitas realizadas pelos diplomatas e comerciantes, e assim teve início a hotelaria brasileira. Na metade do século XIX desenvolveu-se os transportes movidos a vapor, esta evolução no segmento de transportes possibilitou deslocamentos do e para o Rio de Janeiro. Em 1885 inaugurou-se o trem para subir o Corcovado, sendo este o primeiro atrativo a receber infra-estrutura no Brasil, nesta época o Rio de Janeiro contava com uma média de 200 estabelecimentos entre hotéis, hospedarias e restaurantes. Em 18de novembro de 1966, foi pela primeira vez no Brasil definida a política de turismo, pelo decreto-lei nº55, trazendo a existência o CNTUR - Conselho Nacional de Turismo e a EMBRATUR - Empresa Brasileira de Turismo. A partir do ano 1968 teve início o levantamento estatístico dos turistas que entravam no país. O Rio de Janeiro e São Paulo já possuíam secretarias de turismo. Havia ainda uma carência nos meios de transportes que interferia diretamente no estímulo do turismo interno. Era dado pouca importância ao setor até o final da década de 1970, o que resultou na falta de preservação ambiental e pratrimônio histórico-cultural, na deficiência dos serviços prestados e mão-de-obra não qualificada. A atividade foi impulsionada no país a partir da década de 1980 onde houve a existência de uma significativa classe média, a mulher passou a fazer parte do mercado de trabalho aumentando assim a renda familiar, houve também melhorias nos meios de comunicação e transportes. O turismo passou a ser visto como um estilo de vida, como um meio de fugir da rotina e aliviar o estresse. (CAMPOS, 2001, p. 26)

14 14 Em 1992 foi lançado o PLANTUR Plano Nacional de Turismo, tinha como objetivo reorganizar o turismo no setor público e privado, buscava também a diversificação na oferta de produtos turísticos. Em 1994 foi criado o PNMT - Programa Nacional de Municipalização do Turismo, que adotando a metodologia da OMT - Organização Mundial do Turismo apresentava como objetivo, implementar um novo modelo de gestão da atividade turística, simplificada para os Estados e Municípios, buscando maior eficiência e eficácia na administração da atividade turística e o desenvolvimento do turismo de modo sustentável nos municípios de forma participativa. A Política Nacional de Turismo estabelecida para o período de , no período de governo de Fernando Henrique Cardoso tinha por finalidade o desenvolvimento do turismo e seu equacionamento como fonte de renda nacional. (final do artigo 1º do decretolei /67). Num balanço realizado no início de 2000, o governo considerou encerrado o ciclo de desenvolvimento do turismo, que havia sido iniciado a partir do estabelecimento da Política Nacional do Turismo. A posse do novo Presidente da República em 1º de janeiro de 2003 trouxe como novidade a criação de um Ministério exclusivo para o Turismo. Foi criado pela medida provisória nº103, de 1º de janeiro de Sua estrutura é composta pelos seguintes órgãos: Secretaria de Políticas de Turismo; Secretaria de Programas de Desenvolvimento do Turismo; e o InstitutoBrasileiro de Turismo (EMBRATUR). Em 29 de abril de 2003, foi divulgado pelo governo o PNT - Plano Nacional de Turismo, tendo como proposta consolidar o Ministério do Turismo como articulador do processo de integração dos diversos segmentos do setor turístico. A promoção, marketing e apoio a comercialização do produto brasileiro no mundo ficou enfocado pela Embratur. O PNT preocupa-se também com a descentralização da gestão do turismo, ou seja, os municípios passaram ser responsáveis pela gestão deste setor a nível local.

15 15 2. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO As Unidades de Conservação (UC), são áreas naturais protegidas do território nacional, de domínio público ou privado, podem ser criadas em nível municipal, estadual e federal, por meio de decreto ou lei, mas sua extinção é feita somente por meio de lei. (COSTA, 2002). Podem ser vinculadas a diferentes órgãos administrativos, em função de sua natureza, seu objetivo e seu estatuto. Se subdivide em dois grupos que possuem características específicas, sendo estes Unidades de Preservação Integral e Unidades de Uso Sustentável. As Unidades de Preservação Integral tem por finalidade preservar a natureza, a utilização de seus recursos naturais só são possíveis de forma indireta. Fazem parte desta categoria de Unidade de Conservação: Estação Biológica; Reserva Biológica; Parque Nacional; Monumento Natural; Refúgio da Vida Silvestre. As Unidades de Uso Sustentável possuem como objetivo promover paralelamente a conservação da natureza e a sua utilização de modo sustentável de parte de seus recursos naturais. Esta categoria de Unidade de Conservação é composta por: Área de Proteção Ambiental; Área de Relevante Interesse Ecológico; Floresta Nacional; Reserva Extrativista; Reserva da Fauna; Reserva de Desenvolvimento Sustentável e Reserva Particular do Patrimônio Natural. (COSTA, 2002) 2.1. O QUE É RPPN A Reserva Particular do Patrimônio Natural deve ser entendida como uma área particular, que tem por finalidade a preservação e conservação da diversidade biológica característica desta área. De acordo com MESQUITA, As RPPNs são unidades de conservação de domínio privado, criadas por iniciativa do proprietário da área, mediante ato de órgão governamental (IBAMA ou órgão estadual de meio ambiente, quando houver regulamentação no estado), desde que constatado o interesse público. Pelo SNUC, as RPPNs devem ter como objetivo principal a conservação da diversidade biológica. 2 2 MESQUITA, Carlos Alberto Bernardo. RPPN Reservas particulares do patrimônio natural da mata atlântica São Paulo : Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, p. (Caderno da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica : série conservação e áreas protegidas, 28)

16 16 O programa de RPPNs existe no Brasil desde 1990, quando surgiu o Decreto nº regulamentando esse tipo de iniciativa e em 1996, foi substituído pelo Decreto nº 1.922, sendo que, em 2000, com a nova lei do Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC), as RPPNs passaram a ser consideradas unidades de conservação, integrante do grupo de uso sustentável. Uma área poderá tornar-se RPPN por iniciativa de seu proprietário a partir do reconhecimento do Poder Público a nível federal, sendo que esta área deverá ser considerada de grande importância devido sua biodiversidade, suas características paisagísticas ou ambientais que justifique a iniciativa de recuperação. Ao tornar-se RPPN uma área natural, o proprietário faz com que a natureza daquela localidade permaneça preservada perpetuamente. Com a legalização da área como RPPN, o proprietário não pode mais se desfazer dessa propriedade, que com seu falecimento apenas passará a seus herdeiros, que também não poderão negociá-la. 3 Parte alguma que compõe a área natural intocada ou em recuperação poderá sofrer alteração, restringindo portanto a utilização da terra a partir da criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural. Há muitas possibilidades de utilização das RPPNs, inclusive com fins lucrativos. Pode-se realizar desde pesquisa científica, levantamentos de flora e de fauna, estudos sobre o meio ambiente, atividades de educação ambiental, práticas esportivas pouco impactantes. Nas RPPNs é possível também desenvolver atividades econômicas, especialmente no campo do ecoturismo. Tais atividades, no entanto, deverão ser autorizadas ou licenciadas pelo órgão responsável pelo reconhecimento da RPPN e executadas de modo a não comprometer o equilíbrio ecológico ou colocar em perigo a sobrevivência das populações das espécies ali existentes. Deve-se observar, portanto, a capacidade de suporte da área, ou seja, o quanto de uma atividade pode ser desenvolvida num local sem prejudicar seu meio ambiente. Atualmente existe no estado de Minas Gerais um total de 81 Rppns que corresponde a uma área de ,73 hectares de área preservada. MESQUITA (2004, p. 86) 3 COSTA, Patrícia Côrtes. Unidades de Conservação. São Paulo: Aleph, (Série Turismo)

17 RISCOS E BENEFÍCIOS DO TURISMO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO A atividade recreativa tem sido percebida como um dos melhores meios para conservar áreas naturais degradadas, como também uma alternativa potencial para atingir os objetivos de desenvolvimento e conservação de uma determinada região. Mas se analisar uma área natural utilizada para este fim sem planejamento, onde o interesse de divulgação por parte dos meios de comunicação se sobrepõe a análise das consequências negativas verá que é algo preocupante. Uma vez que as unidades de conservação existem para preservar tudo que está inserido em sua extensão territorial, como fauna, flora, patrimônio cultural, paisagens, entre outros, a prática do turismo neste ambiente resultará em custos e benefícios que deverão ser trabalhados paralelamente. Todo proceso de desarollo conlleva una série de ventajas y de inconvenientes o de beneficios y costes que hay que calibrar para validar la bondad global de los resultados que se esperan obtener a través de una iniciativa. (CONDURAS, 2004, p. 393). 4 A degradação do ambiente natural é um dos problemas resultante da inserção do turismo em unidades de conservação. Em algumas situações pode se perceber visivelmente os impactos negativos causados pela ação do homem seja para estruturar a área para receber turistas, seja pelo fluxo de turistas em busca do consumo desta localidade. A tabela a baixo mostra os benefícios que podem advir da realização do turismo em unidades de conservação. Tabela 1: Benefícios Potenciais do Turismo em Unidades de Conservação Aumento de oportunidades econômicas Proteção do patrtimônio natural e cultural Melhoria na qualidade de vida Estimula novas empresas e diversifica a Protege os processos ecológicos. economia local. Conserva a biodiversidade. Aumenta a oferta de empregos para a Melhora as facilidades de transporte e comunidade comunicação. Aumento de renda. Auxilia a desenvolver mecanismos de Estimula a manufatura de bens locais. financiamento para as unidades. Melhora o padrão de vida. Cria valores econômicos e protege Capacita os funcionários às novas recursos que não seriam percebidos pela atividades. comunidade local de outrta forma. Aumenta o fundo para a proteção da Transmite valores de conservação por Promove os valores estéticos, espirituais e de bem-estar. Apóia a educação ambiental para visitantes e comunidade local. Estimula o desenvolvimento da cultura, artes e artesanato. Aumenta o nível educacional da comunidade local. Estimula a comunidade a valorizar sua cultura e ambiente regional. 4 Todo processo de desenvolvimento leva a uma série de vantagens e de incovenientes o de benefícios e custos, deve se equilibrar para validar a bondade global dos resultados que se esperam obter através de uma iniciativa. (CONDURAS, 2004, p. 393).

18 18 unidade e comunidade local. meio da educação e interpretação. Estimula as pessoas a aprenderem as Apóia as pesquisas e desenvolvimeto de línguas e culturas dos turistas um sistema de manejo. estrangeiros. Fonte: adaptado de Eagles e colaboradores (2002) apud Takahashi (2004). E muito dos efeitos negativos resultante da visitação ou das inúmeras modificações advindas do desenvolvimento do turismo na localidade, pode e deve ser manejado ou minimizado com o apoio da comunidade local.

19 19 3. IMPACTOS DO TURISMO Os impactos causados pela prática do turismo podem ser resultantes das mudanças necessárias para estruturar a atividade. Podem também ser conseqüência do processo de interação entre turistas, comunidade e meios receptores. É possível que tipos de turismo parecidos possam causar diferentes impactos. Ao mesmo tempo em que o turismo pode ajudar a reconhecer e promover culturas distintas, ele pode alterar ou distorcer padrões culturais IMPACTOS SOCIAIS E CULTURAIS Os efeitos sociais e culturais do turismo relacionam-se com a maneira pela qual as viagens e o turismo afetam as pessoas e suas comunidades. DIAS (2003, p. 126), entende que o impacto em uma determinada comunidade é resultante, de um tipo particular de relações sociais que ocorrem entre turistas e residentes como decorrência do estabelecimento do contato e que provocam mudanças sociais e culturais na sociedade visitada sistema de valores, comportamento individual, estrutura familiar, estilos de vida, manifestações artísticas, cerimônias tradicionais e organização social. Para RUSCHMANN, (1997, p. 34), Os impactos do turismo referem-se à gama de modificações ou à seqüência de eventos provocados pelo processo de desenvolvimento turístico nas localidades receptoras. As variáveis que provocam os impactos têm natureza, intensidade, direções e magnitude diversas; porém, os resultados interagem e são geralmente irreversíveis quando ocorrem no meio ambiente natural. Percebe-se, portanto que sempre ocorrerão mudanças devido aos contatos interculturais, e é necessário o desenvolvimento de ações que visem a minimização dos impactos resultantes destes contatos.

20 20 Impactos Sociais Para a identificação dos impactos predominantemente sociais o autor Dias, (2003, p ), os agrupou em oito categorias: 1. Ressentimento resultante do choque de culturas; 2. Transformação da estrutura de trabalho; 3. Saturação de infra-estrutura, que afeta instalações e equipamentos; 4. Transformação de valores e condutas morais; 5. Modificações nos padrões de consumo; 6. Problemas de saúde; 7. Etnocentrismo; 8. Excesso de padronização. 1. Ressentimento resultante do choque de culturas O turismo promove relações sociais entre indivíduos que representam culturas diferentes, o que pode acarretar choques advindos desta diferenciação cultural. Podendo levar os residentes das localidades turísticas a adotarem determinados comportamentos em relação aos turistas, este comportamento vai depender do estágio em que se encontra o turismo na localidade, podendo variar de estados de euforia, quando os visitantes são bem-vindos, até de antagonismo potencial, quando atitudes antituristas começam a crescer entre a população local. (DIAS, 2003, p. 130). Segundo DOXEY (1972), apud DIAS (2003, p. 130), as atitudes dos visitantes podem assumir quatro estágios diferentes, dependendo do grau de inserção do turismo na comunidade: euforia, apatia, contrariedade e antagonismo. Já MATHIESON e WELL, apud RUSCHMANN (1997, p. 47) identificam cinco estágios da crescente desilusão de uma população receptora com o turismo, no caso dos impactos sociais: 1 - Euforia - quando as pessoas vibram com o desenvolvimento do turismo. Recebem bem os turistas; registram-se sentimentos de satisfação mútua. Oportunidades de emprego, negócios e lucro são abundantes e aumentam com o crescimento do fluxo de turistas. 2 - Apatia - na medida em que a atividade cresce e se consolida, a população receptora considera a rentabilidade do setor como garantia, e o turista é considerado o meio para a

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 TURISMO E MEIO AMBIENTE: PRINCIPIOS E CONDUTAS NORMATIVAS PARA O USUFRUTO DE RECURSOS/ATRATIVOS

Leia mais

Roteiro de entrevistas

Roteiro de entrevistas Roteiro de entrevistas 1 / 10 Destino: Local: Entrevistador: Entrevistado(s): Instituição: Data: Aspectos Ambientais 1.Preparação e atendimento a emergências ambientais 1.1. Há riscos de emergências ambientais?

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 384 O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Esilaine Aparecida Tavares Pavan - Uni-FACEF Barbara Fadel Uni-FACEF INTRODUÇÃO A Revolução Industrial trouxe

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Verde Catas Altas Área Temática de Desenvolvimento Regional Resumo O projeto Verde Catas Altas

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A RPPN RESERVA PARTICULAR DE PATRIMÔNIO NATURAL MONTE SANTO

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A RPPN RESERVA PARTICULAR DE PATRIMÔNIO NATURAL MONTE SANTO PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A RPPN RESERVA PARTICULAR DE PATRIMÔNIO NATURAL MONTE SANTO ARAÚJO, Wanessa Maria Santos CRISTINA, Izabel DIAS, Geiza Trindade SANTOS, Alciene Pereira dos RESUMO O atual

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Damaris I. SILVA 2 Anelice BELMONTE 3 Marcia Gabrielle Guimarães LOPES 4 Marcela Guimarães

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br REFERÊNCIAS INSTITUCIONAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 16º EVENTO TEMA: Corredores Ecológicos (Fórum Especial)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP NOVA CAMPINA 1 Objetivo para potencializar o desenvolvimento sustentável de Pólos Turísticos Fortalecimento e integração dos elos da Cadeia

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos:

Na definição de área de preservação permanente, na mesma lei, colhemos: Restauração ambiental e o sistema jurídico brasileiro Julis Orácio Felipe Advogado em Santa Catarina Segundo Deisy Trés e Ademir Reis, no livro Perspectivas sistêmicas para a conservação e restauração

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO PERFIL TURÍSTICO: UM ESTUDO DE CASO DA ATIVIDADE TURÍSTICA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR A PUNTA DEL DIABLO

A PERCEPÇÃO DO PERFIL TURÍSTICO: UM ESTUDO DE CASO DA ATIVIDADE TURÍSTICA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR A PUNTA DEL DIABLO A PERCEPÇÃO DO PERFIL TURÍSTICO: UM ESTUDO DE CASO DA ATIVIDADE TURÍSTICA DE SANTA VITÓRIA DO PALMAR A PUNTA DEL DIABLO Miguel Angel Jacques Ribeiro Priscila Rosa da Silva RESUMO: O projeto de pesquisa

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN

A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN GESTÃO DO TURISMO A IMPORTÂNCIA DOS EVENTOS PARA AS CIDADES INTERIORANAS: ESTUDO DE CASO EM LAGOA SALGADA / RN Elizane do Nascimento Bacharel em Turismo pela UFRN, Natal-RN. e-mail: elizane.donascimento@yahoo.com

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ.

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO Djanira Nunes Barbosa Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. Resumo: O turismo visa uma inter-relação do homem, com o meio onde vive, sua cultura e seus

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SUSTENTABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS ECOLÓGICOS A PARTIR DA EXPLORAÇÃO DO TURISMO

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SUSTENTABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS ECOLÓGICOS A PARTIR DA EXPLORAÇÃO DO TURISMO IV SEMEAD ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A SUSTENTABILIDADE DE EMPREENDIMENTOS ECOLÓGICOS A PARTIR DA EXPLORAÇÃO DO TURISMO Ana Lúcia Menezes dos Santos 1 Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi 2 RESUMO Este artigo

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Andressa Stefany Teles 1 Flávia Ferreira dos Santos 2 Jasmine Cardozo Moreira 3 RESUMO Impactos

Leia mais

PROJETO: ECOLOGIA É VIDA

PROJETO: ECOLOGIA É VIDA PROJETO: ECOLOGIA É VIDA NOME DO ALUNO: ANO: TURMA: DATA: / / PROFESSOR: DISCIPLINA: Maceió - AL PROJETO: ECOLOGIA É VIDA I. APRESENTAÇÃO: - Projeto: Ecologia é Vida - Área do conhecimento: Ciência Naturais

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

O que é a Programação? Justificativa:

O que é a Programação? Justificativa: O que é a Programação? A Programação consiste de temas a serem abordados a cada mês com caráter de evento (pequeno, médio ou de grande porte) com duração média de até 2 semanas/mês. Mesmo com cada mês

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 1 O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO Acadêmicos: Vogado, Leonardo Torres, Ronaldo Sousa, Sâmio Carmo, Soraya Prof. Orientador: José Lopes Soares Neto RESUMO

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Santo Antônio da Patrulha RS Vencedores

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

A PRÁTICA DA EXTENSÃO A PARTIR DA PARCERIA FUNDAÇÃO MO Ã E UFSM

A PRÁTICA DA EXTENSÃO A PARTIR DA PARCERIA FUNDAÇÃO MO Ã E UFSM TITULO: A EXTENSÃO NO PROCESSO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL: O CASO DA ELABORAÇÃO DO ZONEAMENTO AMBIENTAL DA RPPN DA FUNDAÇÃO MO Ã EM ITAARA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL EJE: Extensão, docência e investigação AUTORES:

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO SP. Caio Roberto Pretel Ferreira 1, Claudemira Azevedo Ito 2

ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO SP. Caio Roberto Pretel Ferreira 1, Claudemira Azevedo Ito 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 486 ESTUDO PARA IMPLANTAÇÃO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE ÁLVARES MACHADO SP Caio Roberto Pretel Ferreira

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

OS IMPACTOS DO TURISMO DE COMPRAS NA FRONTEIRA SUL DO BRASIL

OS IMPACTOS DO TURISMO DE COMPRAS NA FRONTEIRA SUL DO BRASIL OS IMPACTOS DO TURISMO DE COMPRAS NA FRONTEIRA SUL DO BRASIL Taís Natalia Cruz Pereira 1 Cláudia Brandão Schwab 2 Gabriel Silveira Martins 3 RESUMO Este trabalho visa demonstrar os problemas resultantes

Leia mais

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Capacitación en turismo ecológico Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Hospitalidade: Rede de Valores REDE HOTELEIRA PRESTADORES DE SERVIÇOS VINÍCOLAS

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA. É possível homem e natureza estarem ocupando o mesmo lugar, apesar de atravancar o progresso? A comodidade da vida nas cidades urbanas é mais vantajosa do que a própria

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

Palavras-chave: Turismo rural. Plano de desenvolvimento sustentável. Patrimônio ambiental. Distrito de Bela Vista.

Palavras-chave: Turismo rural. Plano de desenvolvimento sustentável. Patrimônio ambiental. Distrito de Bela Vista. PLANEJAMENTO TURÍSTICO SUSTENTÁVEL: DISTRITO DE BELA VISTA: Me Rodrigo Marciano da Luz 1 Ma Nadia Mar Bogoni 2 Ma Amanda Guareschi 3 Ma Elisabeth Foschiera 4 Dra. Rosa Maria Locatelli Kalil 5 Dra. Adriana

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Palestrante TATIANA FERNANDEZ Consultora de Desenvolvimento de Destinos Turísticos

Palestrante TATIANA FERNANDEZ Consultora de Desenvolvimento de Destinos Turísticos Palestrante TATIANA FERNANDEZ Consultora de Desenvolvimento de Destinos Turísticos OPORTUNIDADES O TURISMO CONSISTE NA EXPLORAÇÃO DAS OPORTUNIDADES NATURAIS DE UM DESTINO (LOCAL, CIDADE, REGIÃO), QUE EXERCE

Leia mais

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada; 413 - Escritório de apoio administrativo e Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Local para a disposição final

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização.

Meio Ambiente & Sociedade. Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Meio Ambiente & Sociedade Modulo III: Geografia Humana e Cultural; Território: territorialização, desterritorialização e reterritorialização. Geografia Humana Geografia Humana: É possível dividir a geografia

Leia mais