A ENTRADA NO MERCADO DE TRABALHO GUIA PARA GRADUADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ENTRADA NO MERCADO DE TRABALHO GUIA PARA GRADUADOS"

Transcrição

1

2 A ENTRADA NO MERCADO DE TRABALHO GUIA PARA GRADUADOS

3 Ficha Técnica EDIÇÃO FAP - Federação Académica do Porto CONTEÚDOS Cidade das Profissões CAPA E CONCEITO GRÁFICO IDEALERS - Rui Monteiro IMPRESSÃO Gráfica Criação Livre DATA 2011

4 Índice INTEGRAR O MERCADO DE TRABALHO 9 A PROCURA DE EMPREGO 13 Conhece-te a ti próprio 14 Conhece o Mercado de Trabalho 16 O que o Mercado de Trabalho espera de ti 16 Como é feito o processo de Recrutamento e Selecção de candidatos? 17 Estratégias de Procura de Emprego 22 Oportunidades de Trabalho 23 centro de emprego 23 agências de recursos humanos e/ou de trabalho temporário 24 candidaturas espontâneas 25 a n ú n c i o s 26 networking gerir as redes sociais 27 Ferramentas de Empregabilidade 30 curriculum vitae 30 cartas de candidatura 36 cartas de candidatura espontânea 38 p o r t e fó l i o 39 c a r tã o-d e-visita 39 dossier pessoal 39 Provas de Selecção 39 t e s t e s 40 provas / dinâmicas de grupo 41 entrevistas de emprego 42 Carta de Agradecimento 46 Carta posterior a uma recusa de emprego 47 Carta de renúncia a uma oferta de emprego 49 Oportunidades de Emprego Fora de Portugal Mobilidade Internacional 50 CONTRATOS DE TRABALHO 51 PROGRAMAS DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 55 Programas de Estágios Profissionais Nacionais 56 Programas de Estágios Internacionais 58

5 VOLUNTARIADO E TRABALHOS DE VERÃO 63 EMPREENDEDORISMO: PASSOS A DAR NA CRIAÇÃO DO TEU NEGÓCIO 65 Da oportunidade à ideia de negócio 66 Estudo de Mercado: O que é? 67 Estruturação da Actividade da Empresa 68 A importância de um Plano de Negócios 69 Como financiar o teu negócio - Meios e Fontes de Financiamento 70 Aspectos Jurídico-Formais 71 Iniciar a Actividade da Empresa 73 MANTÉM-TE EMPREGÁVEL 75 O QUE A CIDADE DAS PROFISSÕES PODE FAZER POR TI 77 CONTACTOS ÚTEIS 81

6 Mensagem da Federação Académica do Porto A conclusão de um curso é sinónimo do encerrar de um ciclo, o culminar de uma fase, determinante na vida de qualquer estudante. No entanto, pode também ser sinónimo de dúvidas, desorientação, incerteza. Torna-se, de facto, crucial, que se tome consciência da importância desta realidade, de forma a poder auxiliar os recém-graduados na procura, obtenção e/ou criação do primeiro emprego. Plenamente consciente das crescentes dificuldades inerentes à obtenção do primeiro emprego, a Federação Académica do Porto FAP lança, em conjunto com a Cidade das Profissões, a segunda edição do guia A Entrada no Mercado de Trabalho Guia para Graduados, que esperamos que seja visto como um kit de sobrevivência de qualquer recém- -graduado. Pretende-se que este guia funcione como uma compilação de informação útil, de fácil consulta e acesso, e como uma resposta imediata às principais dúvidas que podem surgir na entrada para o mercado de trabalho. Este é um guia dedicado a todos os estudantes, e não apenas aos estudantes finalistas. Na verdade, consideramos que a preocupação com o mercado de trabalho não deve aparecer apenas no final do curso, mas principalmente durante a sua realização, sendo este guia uma tentativa de que a desorientação que muitas vezes assola os estudantes finalistas seja cada vez mais diminuta e a transição Universidade Mercado de Trabalho se torne menos abrupta, tendo sempre a consciência de que a transição para o mercado de trabalho é um processo que não acaba, mas antes um processo que se prolonga no tempo e não corresponde à simples articulação entre educação e emprego. Neste sentido, esperamos que este guia seja um companheiro de curso e para além dele, uma ferramenta de (in)formação e de promoção de competências, um instrumento ao serviço de todos os estudantes, um manual de sobrevivência ao mundo do trabalho. A FAP deseja a todos os estudantes, em particular, aos recém graduados, um célere atingir dos objectivos a que se propuseram, o realizar de todas as suas expectativas, esperando que o A entrada no Mercado de Trabalho Um Guia para Graduados seja um companheiro de viagem. A Direcção da FAP

7 Mensagem da Cidade das Profissões O guia A Entrada no Mercado de Trabalho Guia para Graduados, resulta do encontro de duas entidades, a Cidade das Profissões e a Federação Académica do Porto, em torno de uma mesma preocupação: como apoiar os estudantes do ensino superior no momento em que deixam de o ser e se vêem perante um processo de transição para a vida activa? Como orientar os jovens nesta nova fase de vida no actual contexto de incerteza, num mercado em constante transformação, em que se redefinem os conceitos tradicionais de trabalho? Certamente ao longo do teu percurso académico terás ouvido algum professor ou orientador profissional dizer frases como o caminho faz-se caminhando ou o percurso profissional escreve-se a lápis, para se poder apagar e reescrever as vezes necessárias. Talvez estas frases se tenham tornado banais, à força de as repetirmos, mas nunca como hoje fizeram tanto sentido. Muitas vezes falamos em etapas a seguir no teu percurso profissional, como se de um percurso de sentido único, organizado e sequenciado no tempo se tratasse. Ora, a vida profissional faz-se hoje de períodos alternados, e não raramente prolongados, de actividade e inactividade e/ou de trabalho e formação. Um percurso, portanto, de aparentes ou sentidos avanços e recuos, de certezas e incertezas, de estabilidade e de mudança. Conscientes de que o teu futuro profissional se constituirá de desafios, que muitas vezes sentirás como obstáculos, e de que o processo de procura de um primeiro emprego ou a iniciativa de criar a própria actividade é um processo difícil, sentido como determinante nesta nova fase da tua vida, acreditamos que uma ferramenta de orientação como o presente guia te fará sentir mais preparado, e por conseguinte, mais capaz. Ao longo deste guia damos-te linhas orientadoras para começares a desenhar e planear o teu percurso profissional. Mas este guia é também reflexo do tempo em que vivemos, uma sociedade da informação e do conhecimento, em que rapidamente a informação se torna obsoleta e perde valor. Sendo meras orientações, as sugestões que aqui te deixamos devem ser integradas e sujeitas à tua reflexão pessoal e alvo de uma actualização constante. Ao invés de as perspectivares como verdades absolutas, apropria-te delas na definição de projectos profissionais únicos e pessoais: os teus! Capacidade e identidade são palavras-chave no mercado de trabalho. Estamos certos de que és capaz. Capaz de fazer e ser o profissional que ambicionas e que o mercado procura. Portanto, o teu maior desafio será, hoje como amanhã, trabalhar a tua identidade. Por outras palavras, desenvolver e valorizar aquilo que te diferencia! E neste período que agora se inicia, a tua ferramenta mais valiosa é a tua atitude perante as oportunidades que o mercado encerra. Dessa atitude deverá fazer parte a procura e actualização constante de informação, a vontade de aprender mais e ao longo da vida e olhar para o curso, não como algo que se adquiriu e que conduz ao exercício de uma determinada profissão, mas como mais uma ferramenta de trabalho que alarga o teu leque de possibilidades e de oportunidades, e com a qual irás escrevendo e reescrevendo os teus percursos. A direcção da Cidade das Profissões

8 INTEGRAR O MERCADO DE TRABALHO

9 INTEGRAR O MERCADO DE TRABALHO O mercado de trabalho tem vindo a caracterizar-se pela incerteza e constante transformação. As novas tecnologias, a globalização da economia e o aparecimento de novas necessidades das pessoas e das empresas transformaram o mundo do trabalho e a forma como trabalhamos. Aparecem novas profissões e profissões há que, embora mantendo o seu nome tradicional, se transformaram significativamente, incorporando novos conteúdos e funções. Requer-se, assim, novos conhecimentos, exige-se novas competências, surgem novos perfis profissionais. Acresce ainda que profissões que há poucos anos apresentavam elevadas taxas de empregabilidade, hoje em dia assumem-se como áreas profissionais saturadas. O diploma obtido no final de um ciclo académico não corresponde necessariamente a um emprego nessa mesma área. Assim, por uma multiplicidade de factores, é fundamental que no momento de investir em formação, sejamos capazes de acompanhar as transformações do mercado de trabalho, de forma a reajustar os nossos interesses, valores e escolhas. Devemos, então, encarar o período de formação como um momento de preparação para a integração profissional. Um período em que podemos investir no desenvolvimento de competências pessoais e profissionais. Para além de possibilitar o aperfeiçoamento de competências, os contextos de aprendizagem são, também, excelentes oportunidades para alargarmos a nossa rede de contactos (professores, orientadores, colegas e antigos alunos) e promover o networking, que poderá vir a desempenhar um papel fulcral na inserção na vida activa. Aproveita este momento para te envolveres em actividades extra-curriculares que te permitam aumentar a tua rede de contactos, desenvolver as tuas capacidades e promover o teu potencial profissional. Muitas vezes, é pelo nosso envolvimento nestas actividades que poderemos, mais tarde, em situação de entrevista, demonstrar o nosso perfil dinâmico, e em particular, as competências que o empregador procura. As experiências de estágio, que muitas instituições de ensino promovem, podem constituir-se como contextos de desenvolvimento pessoal e uma boa forma de nos pormos à prova enquanto futuros profissionais. Estes estágios permitem conhecer as regras do mercado de trabalho, as relações laborais e as áreas profissionais com que mais nos identificamos. Se a tua instituição de ensino não promove estágios, procura activamente instituições ou empresas que tenham disponibilidade para te acolher! O teu percurso profissional pode começar a ser projectado desde o início do teu percurso académico de forma coerente, estruturada e organizada. É importante que traces um plano de acção para a tua integração no mercado de trabalho, pois esta tarefa exige empenho, motivação e determinação. Deves ser um agente activo e dinâmico na tua inserção laboral. Na maior parte das vezes procuramos oportunidades. Mas vai mais longe: cria as tuas oportunidades! 10

10 Após o término de um ciclo de estudos existe mais do que uma possibilidade para iniciar o percurso profissional. Poderás encontrar o teu primeiro emprego, iniciar um programa de estágio profissional, criar o teu próprio negócio e/ou viver uma experiência de voluntariado. Ao longo deste guia, procuraremos orientar-te e sensibilizar-te para questões- -chave no processo de integração no mercado de trabalho: a procura activa de emprego, as ferramentas de empregabilidade de que te deves fazer acompanhar, as técnicas de selecção mais utilizadas pelas empresas, os programas de estágios profissionais nacionais e internacionais existentes, os passos a dar na criação de um negócio e as oportunidades de voluntariado ao teu dispor. INTEGRAR O MERCADO DE TRABALHO 11

11

12 A PROCURA DE EMPREGO

13 A PROCURA DE EMPREGO Para a maioria dos alunos do ensino superior, a procura de emprego surge com a finalização dos estudos, mas para outros, este é um processo que ocorre em simultâneo. Independentemente do momento em que se inicia este processo, há algumas noções que são transversais. A procura de emprego é um processo exigente para o indivíduo e influenciado por vários factores, como a capacidade de cada um para se adaptar às transformações do mundo laboral, a postura de aprendizagem ao longo da vida, a capacidade para desenvolver marketing pessoal de forma dinâmica e positiva, o número de alunos que concluem os seus cursos anualmente e a consequente capacidade de absorção do mercado de trabalho. O próprio carácter competitivo e instável do mercado irá condicionar a integração profissional, exigindo a definição de uma estratégia de procura de emprego, que se espera vir a revelar-se eficaz. Encontrar um trabalho não depende apenas do acaso: integra um processo contínuo, passível de ser aprendido e aperfeiçoado ao longo da vida profissional. Cai por terra a ideia de um emprego para toda a vida ou de progressão linear na carreira e ganham força os conceitos de empregabilidade e de gestão de carreira. Ultrapassada a questão da pertença organizacional, o indivíduo poderá usufruir de várias oportunidades profissionais ao longo de múltiplas experiências de trabalho. A segurança e a estabilidade laboral assentam mais na competência do indivíduo, na sua capacidade de ser empregável, do que na formalidade do seu contrato de trabalho. Encara a procura de emprego como o momento de trabalhar para e por ti próprio, a tempo inteiro! Conhece-te a ti próprio A procura de emprego depende, em grande parte, de ti e da tua capacidade para analisar e promover as tuas competências. É importante que, antes mesmo de começares a construir as tuas ferramentas de empregabilidade (como por exemplo, o teu currículo e as cartas de candidatura), reflictas acerca dos teus conhecimentos, capacidades, competências, áreas profissionais com que te identificas, interesses e características pessoais, entre outros. Pondera sobre o teu perfil profissional, identifica os teus pontos fortes e fracos, bem como potenciais ameaças e oportunidades que poderás enfrentar na procura de emprego. Por exemplo, se constatares que um dos teus pontos fortes é a tua capacidade de expressão oral, como poderás utilizar isto em teu proveito no momento de te candidatares a uma determinada empresa/instituição? Se o facto de não dominares a língua inglesa se constituir como um ponto fraco, o que poderás fazer para o colmatar? Se antecipas que o facto de teres realizado formação fora de Portugal poderá ser uma oportunidade para a tua integração profissional, como irás destacar isso no teu currículo ou na carta de candidatura? Se a idade e/ou a pouca experiência profissional são antecipadas como ameaças, como irás demonstrar que isso pode ser algo a teu favor? O exercício proposto de seguida, poderá servir-te de orientação. Trata-se de uma análise SWOT Strengths (Pontos Fortes), Weaknesses (Pontos Fracos), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). Utiliza esta ferramenta sempre que necessites de te posicionar estrategicamente perante uma situação problema! 14

14 Utiliza esta ferramenta sempre que necessites de te posicionar estrategicamente perante uma situação-problema! A PROCURA DE EMPREGO Começa, desde já, a traçar o teu plano de acção para a integração no mercado de trabalho. Não esperes pela finalização do teu ciclo de estudos, antecipa esta questão. Este balanço pessoal irá ajudar-te a identificar a estrutura de oportunidades que tens ao teu dispor, salientando formas de contornar os aspectos menos positivos identificados e maximizar os pontos fortes, orientando-te para a procura de emprego e preparando-te para as provas de selecção às quais poderás ser sujeito. Desta forma, conseguirás definir as competências e qualidades que poderás aplicar no contexto profissional. No final desta reflexão, deverás saber responder à pergunta: o que tenho a oferecer a um empregador? 15

15 A PROCURA DE EMPREGO Conhece o Mercado de Trabalho Procurar emprego implica saber adaptarmo-nos ao contexto em que estamos inseridos e à sua evolução. Para conhecer o mercado de trabalho, é fundamental analisar os sectores profissionais em expansão, as taxas de ocupação, as áreas profissionais emergentes, os requisitos, técnicos e pessoais, mais solicitados pelas empresas e os actuais constrangimentos sócio-económicos. Poderás aceder a esta informação através das estatísticas de emprego regularmente divulgadas pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), analisando anúncios de emprego, explorando portais da Internet, revistas ou fóruns da especialidade, bem como através da tua rede de relações (professores, colegas de curso, orientadores de estágio, entre outros). Através dos sites das principais empresas/instituições no teu ramo de actividade ficarás a conhecer a sua missão, visão, princípios e valores. Esta pesquisa facilitará o acesso a informação pertinente sobre o que as entidades procuram ou valorizam nos seus colaboradores. O que o Mercado de Trabalho espera de ti Um dos métodos para compreender o que o mercado de trabalho espera de um candidato é a análise de anúncios de emprego e o conhecimento da cultura do meio empresarial que o mesmo pretende integrar. Quando seleccionares um anúncio, analisa com atenção o seu conteúdo. Este indica os requisitos que o empregador procura ou valoriza nos candidatos. Geralmente, os anúncios de emprego explicitam não só os conhecimentos técnicos de que o mercado de trabalho mais necessita, mas também as competências transversais mais valorizadas. Independentemente da área profissional, há competências que são necessárias para qualquer função que se pretenda desempenhar, como a apresentação pessoal, a comunicação, oral e escrita, a interacção com os outros e o trabalho em equipa, a liderança, a iniciativa, a flexibilidade/capacidade de adaptação, a inovação, a responsabilidade, o sentido de compromisso para com a empresa, a orientação para os resultados, entre outras. As candidaturas a emprego devem demonstrar que efectivamente possuimos as competências definidas como essenciais para uma determinada empresa. Por exemplo, se através da análise do seu portal da Internet temos conhecimento que valoriza a criatividade e inovação, na nossa candidatura devemos dar exemplos de situações em que tenhamos sido criativos ou inovadores. 16

16 Ao conhecer o que o mercado de trabalho espera de um profissional da tua área, poderás ir aperfeiçoando as tuas competências técnicas e pessoais. Tendo isto em conta, procura traçar o teu projecto profissional. Define quais as áreas e funções que mais te atraem e quais aquelas em que não te sentes à vontade. Direcciona a pesquisa das oportunidades que existem ao teu redor, mantendo sempre em aberto a possibilidade de te lançares num projecto profissional internacional. À medida que vais aumentando os teus conhecimentos sobre a dinâmica do mercado de trabalho e enriquecendo o teu perfil profissional, será mais fácil gerir a tua procura de emprego. Como é feito o processo de Recrutamento e Selecção de candidatos? A PROCURA DE EMPREGO O processo de recrutamento e selecção pode variar de empresa para empresa, mas de uma forma geral existem passos comuns. A empresa começa por estabelecer uma metodologia de recrutamento, em função das suas necessidades efectivas, definindo os critérios que orientam a procura de um candidato, como o nível de conhecimentos técnicos, a experiência profissional, as competências-chave valorizadas pela empresa, entre outros. Por norma, as empresas procuram, numa primeira fase, analisar as candidaturas espontâneas. Não havendo um candidato que preencha os requisitos tidos como essenciais para a função, a empresa divulga a necessidade de recrutamento então identificada pelo recurso a um anúncio de emprego (jornais, revistas, portais de emprego), e/ou junto da sua rede de contactos, de Universidades, do Instituto de Emprego e Formação Profissional, entre outras entidades. Se por um lado, há empresas que assumem as funções de recrutamento e selecção, outras há que contratam Agências de Recursos Humanos para realizar todo este processo. As Agências de Recursos Humanos irão seguir o mesmo procedimento: uma análise prévia das candidaturas registadas em base de dados próprias, seguida, se não encontrado o candidato ideal, da divulgação do anúncio de emprego. A partir do momento em que a empresa ou a Agência de Recursos Humanos recebe as candidaturas, termina a fase de recrutamento e inicia-se a fase de selecção. A primeira etapa de selecção é a análise curricular. Um técnico especializado dedicará cerca de doze segundos a uma primeira leitura do currículo. Procura direccionar a tua informação para aquilo que poderá interessar mais à empresa. Se no anúncio de emprego, a empresa define como mais importante a área de formação e a experiência profissional, esses deverão ser os tópicos em destaque no teu currículo. Como já deves ter percebido, isso implica redigir um currículo e uma carta de candidatura diferente e à medida de cada empresa à qual te candidatas. É um grande investimento em pesquisa, contudo irá permitir-te adequar a tua candidatura àqueles que são os requisitos da empresa, cativando a sua atenção. 17

17 A PROCURA DE EMPREGO Após a análise curricular, algumas empresas submetem os candidatos a provas de selecção, como por exemplo, testes psicotécnicos, provas ou dinâmicas de grupo e entrevistas de emprego. Os testes psicotécnicos tendem a ser utilizados quando há um grande número de candidatos a avaliar. Estes testes podem avaliar aptidões técnicas, características de personalidade e interesses. Pretende-se que sejam capazes de identificar os candidatos que apresentam resultados inferiores/superiores ao esperado para aquela área profissional e/ou idade. As provas ou dinâmicas de grupo são uma excelente forma da empresa verificar as características pessoais, a forma como um indivíduo interage com os outros e resolve problemas. A um grupo de cerca de doze pessoas, poderá ser apresentada uma situação problema, técnica ou hipotética, que o grupo terá que solucionar (sem recorrer a votação) e procurando cumprir o tempo estabelecido. Mais do que a conclusão em si, interessa ao empregador identificar, nos diversos elementos do grupo, os critérios que foram delineados previamente. As entrevistas de emprego são o método de selecção de candidatos mais utilizado, pois permitem ao entrevistador validar a informação que consultou aquando da triagem curricular, mas também conhecer melhor o candidato e analisar se este se enquadrará na cultura da empresa e nas equipas já formadas. Nem todas as empresas submetem os seus candidatos a todas estas etapas de selecção. As provas de selecção serão escolhidas em função do número de candidatos e dos objectivos da empresa. O processo de recrutamento e selecção na administração pública O processo de recrutamento e selecção na Administração Pública é sujeito a algumas regras e formalismos específicos. Aquando da realização e aprovação do orçamento para o ano seguinte deve ser avançada, pela instituição pública, a necessidade de recrutamento, sendo definidos os moldes de contratação a realizar e se esta será preenchida por recursos humanos já integrados na instituição (concurso interno) ou se será aberta a toda a comunidade (concurso externo). O concurso pode revestir as seguintes modalidades: a) comum, sempre que se destine ao imediato recrutamento para ocupação de postos de trabalho previstos, e não ocupados, nos mapas de pessoal dos órgãos ou serviços públicos; b) para constituição de reservas de recrutamento que se destinam à satisfação de necessidades futuras da entidade empregadora pública ou de um conjunto de entidades empregadoras públicas. Os concursos à admissão e contratação pública são divulgados no site da instituição em questão, na Bolsa de Emprego Público (www.bep.gov.pt), no Diário da República Segunda Série (www.dre.pt) e num jornal de expansão nacional. As oportunidades de emprego científico em instituições públicas podem ser encontradas no Portal da Mobilidade de Investigadores (www.eracareers.pt) da responsabilidade da Fundação para a Ciência e Tecnologia. 18

18 Nos concursos para a Administração Pública deverás enviar o teu currículo devidamente rubricado no canto superior direito de todas as páginas, bem como datado e assinado na última página. Juntamente com o currículo deverás enviar todos os documentos que comprovem a tua experiência, como o certificado de habilitações e de outras formações realizadas, o certificado das experiências profissionais realizadas, documentos identificativos, entre outros, e um formulário de candidatura disponibilizado pela instituição pública. No anúncio do concurso público serão dados a conhecer os documentos que deves entregar e a data limite de entrega. A PROCURA DE EMPREGO Os candidatos devem, obrigatoriamente, ter os seguintes requisitos: Nacionalidade portuguesa, quando não dispensada pela Constituição, convenção internacional ou lei especial; Dezoito anos de idade completos; Não inibição do exercício de funções públicas ou não interdição para o exercício daquelas que se propõe desempenhar; Robustez física e perfil psíquico indispensáveis ao exercício das funções; Cumprimento das leis de vacinação obrigatória. Métodos de selecção Os métodos de selecção a utilizar obrigatoriamente no processo público de selecção são as provas de conhecimentos e a avaliação psicológica. No caso dos candidatos que já sejam titulares da categoria profissional ou que estejam colocados em situação de mobilidade especial (e se tenham encontrado a cumprir as funções caracterizadoras do posto de trabalho em questão), os métodos de selecção a utilizar no seu recrutamento podem ser a avaliação curricular e a entrevista de avaliação de competências (quando comunicados por escrito pelo candidato). Podem ainda ser adoptados outros métodos de selecção legalmente previstos. Prova de conhecimentos - Esta prova visa avaliar as competências técnicas, bem como os conhecimentos académicos e profissionais necessários ao exercício de cada função. Este método de selecção é utilizado nos processos de recrutamento para constituição de relação jurídica por tempo indeterminado, a candidatos: a) sem experiência na área de actividade do posto de trabalho, b) que detenham diferente carreira e categoria e que exerçam diferente actividade, c) que não possuam uma relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado, d) que ultimamente tenham exercido funções semelhantes às do posto de trabalho em causa, mas que optem por este método. Os candidatos são notificados por escrito da data, local e horário da realização das provas, por um dos seguintes meios: , ofício registado, notificação pessoal; aviso em Diário da República (segunda série); afixação nas instalações do organismo e inserção na página electrónica. 19

19 A PROCURA DE EMPREGO Consulta a bibliografia e a legislação necessárias para a prova, no aviso de abertura do concurso ou no site do organismo; Estuda a lei orgânica do serviço/organismo para te inteirares da sua missão; Analisa o conteúdo funcional ou o perfil das competências enunciadas no aviso; Informa-te se a prova, quando escrita, é ou não, com consulta da legislação ou bibliografia indicadas; Está atento e mantém-te informado sobre todos os aspectos respeitantes às diversas fases do processo de avaliação até à sua conclusão; Consulta a publicitação dos resultados do método que realizaste (no portal online ou nas instalações do organismo que promove o recrutamento). Avaliação psicológica - A avaliação psicológica destina-se a prever o grau de adaptação de cada candidato às exigências psicológicas do posto de trabalho a que concorre. Incide nas seguintes dimensões: aptidões intelectuais, características da personalidade e competências comportamentais (capacidades pessoais traduzidas em condutas ajustadas ao posto de trabalho em referência). Os instrumentos de avaliação utilizados são: testes de aptidão intelectual - nomeadamente de raciocínio lógico, aptidão e compreensão verbal, raciocínio numérico; testes de personalidade (na forma de questionários, inventários ou outros), para avaliar características pessoais como a estabilidade emocional, resistência ao stress, extroversão, introversão, dinamismo; testes de aptidão psicomotora, para avaliar capacidades como a exactidão e velocidade de reacção, a coordenação bimanual e a precisão de gestos. As técnicas de avaliação psicológica utilizadas são: prova de dinâmica de grupo, que permite avaliar os comportamentos dos candidatos numa situação de trabalho de grupo, e a entrevista individual, que tem uma função integradora dos vários momentos da avaliação psicológica e permite um contacto personalizado com cada candidato para obter informações sobre o seu percurso académico e profissional e motivações da sua candidatura. Este método de selecção é utilizado nos processos de recrutamento para postos de trabalho com o intuito da celebração de contrato na função pública por tempo indeterminado. Procura conhecer as características do posto de trabalho e as responsabilidades inerentes ao seu exercício; Reflecte sobre as tuas características pessoais e os requisitos da função; Recorda as tuas experiências profissionais anteriores e compara-as com o posto de trabalho a que concorres; Na véspera, procura descansar para que, no dia das provas, possas dar o teu melhor; Certifica-te, antecipadamente, da hora e do local de realização das provas, bem como da melhor opção de transporte a utilizar. Deves ser pontual; Se tiveres alguma necessidade especial considerada pertinente (por exemplo, deficiência física), contacta, com antecedência, a entidade que realiza a Avaliação Psicológica. 20

20 Avaliação curricular - Este método obrigatório de selecção visa avaliar a qualificação dos candidatos, em particular a habilitação académica ou profissional, o percurso profissional, a relevância da experiência adquirida e da formação realizada, o tipo de funções exercidas e a avaliação de desempenho obtida. Aplica-se aos recrutamentos para a constituição de relação jurídica por tempo indeterminado, determinado ou determinável. Entrevista de avaliação de competências Este é um método de selecção que visa obter informações sobre comportamentos profissionais directamente relacionados com as competências essenciais para o exercício da função (através de descrições comportamentais ocorridas em situações vivenciadas pelos entrevistados). Analisa-se de forma estruturada a experiência, as qualificações profissionais e as motivações do candidato. Aplica-se aos candidatos a recrutar para constituição de relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado, determinado ou determinável. A PROCURA DE EMPREGO Entrevista profissional de selecção - A entrevista profissional de selecção destina-se a avaliar de forma objectiva e sistemática a experiência profissional e aspectos comportamentais evidenciados durante a interacção entre o entrevistador e o entrevistado. Incide sobre a capacidade de comunicação e de relacionamento interpessoal, a relevância da experiência anterior e a actualização e valorização profissionais do entrevistado. Aplica-se aos recrutamentos para a constituição de relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado, por tempo determinado ou por tempo determinável. Enquanto método complementar ou facultativo, é sempre associado a um ou dois métodos obrigatórios, que o precedem na sua aplicação. Avaliação de competências por portefólio Este método destina-se a confirmar a experiência e/ou os conhecimentos do candidato em áreas técnicas específicas, designadamente de natureza artística. Incide na análise de uma colecção organizada de trabalhos que demonstrem as competências técnicas detidas pelo candidato, directamente relacionadas com as funções a que se candidata. Provas físicas - Visam avaliar a aptidão física necessária à execução das actividades inerentes aos postos de trabalho a ocupar. Devem ser realizadas nos recrutamentos por tempo indeterminado, por tempo determinado ou por tempo determinável e de acordo com as exigências da função. Exame médico - O exame médico tem como objectivo avaliar as condições de saúde física e psíquica dos candidatos exigidas para o exercício da função. Aplica-se a contratos por tempo indeterminado, por tempo determinado ou por tempo determinável. Só pode ser aplicado quando tem por finalidade a protecção e a segurança do trabalhador ou de terceiros, quando as exigências particulares inerentes à actividade o justifiquem, devendo em qualquer caso ser fornecida por escrito aos candidatos a respectiva fundamentação e nunca pode ser exigido às candidatas a realização ou a apresentação de testes ou exames de gravidez. Curso de formação específica - Destina-se a promover o desenvolvimento de competências do candidato através da aprendizagem de conteúdos e temáticas direccionadas para o exercício da função. 21

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO Procedimento concursal comum, para constituição de relação jurídica de emprego público por

Leia mais

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea.

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea. Mercado de Emprego Etapas a Percorrer 1 - Estabelecer o Perfil Profissional Fazer a avaliação de si mesmo: - Competências - Gostos - Interesses Elaboração de uma lista do tipo de empregos que correspondem

Leia mais

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JumpStart FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Tem entre 30 e 45 anos? A sua experiência profissional é superior a 5 anos? Encontra-se numa situação de desemprego há pelo menos 6 meses? Está

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 4.ª EDIÇÃO DO PEPAL INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 1 Índice 1. DESTINATÁRIOS DO PEPAL...3 2. CANDIDATURAS DOS ESTAGIÁRIOS...4 2.1.

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PROCURA DE

ESTRATÉGIAS DE PROCURA DE Estou a acabar o meu curso, e agora? Estratégias de procura QUASE de emprego A ACABAR O CURSO, E AGORA? ESTRATÉGIAS DE PROCURA DE EMPREGO A conclusão dos estudos e a transição para o mercado de trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Assistente Técnico e Técnico

ANÚNCIO DE CONCURSO. Assistente Técnico e Técnico Direcção Geral da Administração Pública Rua Funchal Meio da Achada Santo António C.P nº 200 Cidade da Praia - Cabo Verde PBX: 3337399 www.dgap.com.cv ANÚNCIO DE CONCURSO Assistente Técnico e Técnico O

Leia mais

O que é a Junior Achievement 4. O que é a Junior Achievement Portugal 4. Bem-vindo ao programa Braço Direito, Um dia no teu Futuro!

O que é a Junior Achievement 4. O que é a Junior Achievement Portugal 4. Bem-vindo ao programa Braço Direito, Um dia no teu Futuro! GUIA DO ALUNO O que é a Junior Achievement 4 O que é a Junior Achievement Portugal 4 Números totais da JAP desde 2005 4 Bem-vindo ao programa Braço Direito, Um dia no teu Futuro! 5 Que benefícios oferece

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2068-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 68 6 de Abril de 2011 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 145-A/2011 de 6 de Abril Passados que foram dois anos após a entrada em

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO

REGULAMENTO DO CONCURSO REGULAMENTO DO CONCURSO Recrutamento para a O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os normativos de Recrutamento Centralizado,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Dirigentes Intermédios

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Dirigentes Intermédios ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de Dirigentes Intermédios O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos do Recrutamento

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIRECÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIRECÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIRECÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FERNANDO PESSOA Procedimento concursal comum de recrutamento para quatro postos de trabalho para

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de 4 Técnico Superior Nível I

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de 4 Técnico Superior Nível I Direcção Geral da Administração Pública Rua Funchal Meio da Achada Sto. António C.P nº 200 Cidade da Praia - Cabo Verde PBX: 3337399 www.dgap.com.cv Ponta Belém - Plateau -Praia CP nº 114- Praia República

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Nos termos do disposto no artigo 50.º da Lei n.º 12 -A/2008 de 27 de Fevereiro, faz -se público que, por deliberação de 29 de Outubro de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n.

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n. 1- O que é o PEPAL? O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) representa uma oportunidade de valorização profissional e de emprego de recursos humanos, através de estágios remunerados,

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. 1. Perfil / Vagas. Previsão de Vagas. Formação Académica

ANÚNCIO DE CONCURSO. 1. Perfil / Vagas. Previsão de Vagas. Formação Académica ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública e de acordo com os novos procedimentos do Recrutamento Centralizado estabelecidos na Directiva

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO Voluntariado REGULAMENTO INTERNO 1. Âmbito e Enquadramento O Projeto de Voluntariado da FUNDAÇÃO DA JUVENTUDE dá a oportunidade aos jovens portugueses de contribuírem para o desenvolvimento do país e da

Leia mais

This information is OGMA S.A. property and cannot be used or reproduced without written authorization

This information is OGMA S.A. property and cannot be used or reproduced without written authorization O que é o Programa Trainee? Este Programa tem como objetivo atrair e ajudar a desenvolver jovens, como tu, recém licenciados, através de um processo contínuo de aprendizagem em contexto de trabalho, que

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO)

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) 25.5.2011 PT Jornal Oficial da União Europeia C 155 A/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) ANÚNCIO DE CONCURSO GERAL EPSO/AD/215/11 Administradores no

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

Detalhe de Oferta de Emprego

Detalhe de Oferta de Emprego Detalhe de Oferta de Emprego Caracterização da Oferta Código da Oferta: OE201307/0365 Tipo Oferta: Mobilidade Interna Estado: Activa Nível Orgânico: Ministério da Educação e Ciência Orgão / Serviço: Universidade

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research Regulamento de bolsas da Associação Fraunhofer Portugal Research I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. A Associação Fraunhofer Portugal Research, com o objectivo de

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Nº de Vagas Instituição

ANÚNCIO DE CONCURSO. Nº de Vagas Instituição ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de um Inspetor Geral para a Inspecção Geral da Construção e da Imobiliária do Ministério das Infraestruturas e Economia Marítima O presente anúncio de recrutamento é coordenado

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO 1. Nos termos do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com a redacção dada pela Lei nº 51/2005, de 30 de Agosto, e pela

Leia mais

a) Ter 18 anos de idade completos; b) Não estar inibido do exercício de funções públicas ou interdito para o exercício das funções a que se

a) Ter 18 anos de idade completos; b) Não estar inibido do exercício de funções públicas ou interdito para o exercício das funções a que se Aviso n.º 391/2012 Procedimento concursal comum para preenchimento de seis postos de trabalho na carreira e categoria de Assistente Operacional (Contrato de Trabalho em Funções por Tempo Indeterminado)

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK. ege. Programa de Especialização em Gestão Empresarial

BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK. ege. Programa de Especialização em Gestão Empresarial BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK ege Programa de Especialização em Gestão Empresarial Edição Centro 2014 É melhor ter muitas ideias e algumas estarem erradas do que nunca errar por falta de ideias. Edward de

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de três (3) Engenheiros para Projecto de desenvolvimento do sistema de abastecimento de água na Ilha de Santiago

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de três (3) Engenheiros para Projecto de desenvolvimento do sistema de abastecimento de água na Ilha de Santiago ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de três (3) Engenheiros para Projecto de desenvolvimento do sistema de abastecimento de água na Ilha de Santiago O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES:

PERGUNTAS FREQUENTES: PERGUNTAS FREQUENTES: (Para veres as respostas clica na pergunta) 1. O que fazer após a realização da candidatura? 2. Onde posso ver os dados para efectuar o pagamento da candidatura? 3. Como posso actualizar

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN)

REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) REGULAMENTO DO CURSO DE DEFESA NACIONAL (CDN) (Aprovado por despacho do Ministro da Defesa Nacional de 19 de Abril de 2010 Ofício nº 1816/CG Pº 18/10, de 20 de Abril de 2010, do MDN, com as alterações

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recrutamento para Administração Pública. Formação Académica Categoria/Função Nº de Vagas Instituição. Nº Total de vagas 1

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recrutamento para Administração Pública. Formação Académica Categoria/Função Nº de Vagas Instituição. Nº Total de vagas 1 REGULAMENTO DO CONCURSO Recrutamento para Administração Pública O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os normativos de Recrutamento

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão.

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão. ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos no regulamento de concursos, com o objectivo

Leia mais

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos ÍNDICE 1. Enquadramento e Objectivos 2. Definição 3. Atribuições da Fundação de Serralves 4. Destinatários 5. Candidaturas

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/12/2010

DESPACHO ISEP/P/12/2010 DESPACHO ISEP/P/12/2010 Considerando: 1. A necessidade de regulamentar a tramitação do processo de financiamento, pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto, de bolsas para a prossecução nas Unidades

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras ESCOLA TECNOLÓGICA DO LITORAL ALENTEJANO ETLA Localização A Escola Tecnológica do Litoral Alentejano fica situada no Complexo Petroquímico da empresa Repsol na ZILS. Perto da realidade industrial, a sua

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Sete (7 ) Técnicos - Ministério Desenvolvimento Rural (MDR)

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Sete (7 ) Técnicos - Ministério Desenvolvimento Rural (MDR) ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de Sete (7 ) Técnicos - Ministério Desenvolvimento Rural (MDR) O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública e de acordo

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso externo de Ingresso para preenchimento de um posto de trabalho na categoria de Técnico de Informática do Grau 1, Nível 1, da carreira

Leia mais

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG. A experiência adquirida ao longo dos anos e a atualização de conceitos, permitiu ao ISAG European Business School desenvolver

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

[A CARTA DE APRESENTAÇÃO] Projecto CLDS Guarda + Social. Gabinete de Empregabilidade e Inserção

[A CARTA DE APRESENTAÇÃO] Projecto CLDS Guarda + Social. Gabinete de Empregabilidade e Inserção 2011 Projecto CLDS Guarda + Social Gabinete de Empregabilidade e Inserção [A CARTA DE APRESENTAÇÃO] É uma carta simples e breve que deve acompanhar o Curriculum Vitae. CLDS Guarda + Social Carta de Apresentação

Leia mais

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM Componentes de um Curriculum Vitae Regras para a elaboração Regras para a utilização Diferentes tipos de Curriculum Vitae Qual o tipo de Curriculum

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura.

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Por favor leia atentamente este documento antes de começar o seu processo de candidatura. Só serão aceites as candidaturas submetidas através do formulário online, disponibilizado

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais