RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL Mudanças na natureza das relações Brasil-Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL 1939-1950. Mudanças na natureza das relações Brasil-Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial"

Transcrição

1 RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL Mudanças na natureza das relações Brasil-Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial

2 Ministério das Relações Exteriores Ministro de Estado Secretário-Geral Embaixador Antonio de Aguiar Patriota Embaixador Ruy Nunes Pinto Nogueira Fundação Alexandre de Gusmão Presidente Embaixador José Vicente de Sá Pimentel Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais Centro de História e Documentação Diplomática Diretor Embaixador Maurício E. Cortes Costa A Fundação Alexandre de Gusmão, instituída em 1971, é uma fundação pública vinculada ao Ministério das Relações Exteriores e tem a finalidade de levar à sociedade civil informações sobre a realidade internacional e sobre aspectos da pauta diplomática brasileira. Sua missão é promover a sensibilização da opinião pública nacional para os temas de relações internacionais e para a política externa brasileira. Ministério das Relações Exteriores Esplanada dos Ministérios, Bloco H Anexo II, Térreo, Sala Brasília, DF Telefones: (61) /6034 Fax: (61) Site:

3 Gerson Moura RELAÇÕES EXTERIORES DO BRASIL Mudanças na natureza das relações Brasil-Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial Brasília, 2012

4 Direitos de publicação reservados à Fundação Alexandre de Gusmão Ministério das Relações Exteriores Esplanada dos Ministérios, Bloco H Anexo II, Térreo Brasília DF Telefones: (61) /6034 Fax: (61) Site: Equipe Técnica: Eliane Miranda Paiva Fernanda Antunes Siqueira Gabriela Del Rio de Rezende Jessé Nóbrega Cardoso Rafael Ramos da Luz Wellington Solon de Souza Lima de Araújo Capa: Encontro em Natal, de Raymond P. R. Neilson Acervo Museu da República/Ibram Programação Visual e Diagramação: Gráfica e Editora Ideal Tradução e revisão: Leandro Moura Priscila Moura Margarida Maria Moura M929 Impresso no Brasil 2012 MOURA, Gerson. Relações exteriores do Brasil : : mudanças na natureza das relações Brasil-Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial / Gerson Moura; apresentação de Letícia Pinheiro; prefácio à nova edição de Leslie Bethell. Brasília: FUNAG, p.; 23 cm. Título original: Brazilian foreign relations : : the changing nature of Brazil-United States relations during and after the Second World War. Originalmente apresentado como tese do autor (doutorado University College London). ISBN: Política internacional da América Latina. 2. Relações Brasil-Estados Unidos. 3. Segunda Guerra Mundial. I. Fundação Alexandre de Gusmão. Ficha catalográfica elaborada pela bibliotecária Talita Daemon James CRB-7/6078 Depósito Legal na Fundação Biblioteca Nacional conforme Lei n , de 14/12/2004.

5 Agradecimentos Muitos professores e amigos contribuíram em diferentes momentos e de diferentes modos para a conclusão deste trabalho. Richard Shaull e Francisco Penha Alves me ensinaram a olhar para o mundo com uma mente questionadora e a lutar por uma nova vida no presente e no futuro, ao invés de recriminar o passado. Devo o gosto pelo estudo da história aos muitos professores da antiga Faculdade Nacional de Filosofia do Rio de Janeiro. Aqui mencionarei apenas os nomes de Manoel Mauricio de Albuquerque e Hugo Weiss, ambos ausentes deste mundo, mas vividamente recordados por seus amigos. Francisco Falcón e Ilmar R. de Mattos do Departamento de História e Geografia da PUC-RJ me lembraram da solidariedade acadêmica durante períodos obscuros de nossa vida política, quando o ensino da história era atividade perigosa. Meu curso de pós-graduação no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) foi oportunidade única para meu crescimento intelectual e foi durante este período que se desenvolveu minha vocação para a pesquisa. Já que é impossível agradecer a todo mundo, gostaria de expressar minha gratidão a todos os meus professores através de Maria Regina Soares de Lima, professora e colega na área de relações internacionais. Celina Moreira Franco, Aspásia de Alcântara Camargo e Alzira Alves de Abreu estimularam meu trabalho em muitas ocasiões. Gostaria

6 de agradecê-las e também a meus colegas do CPDOC em especial as equipes dos arquivos, do audiovisual, da biblioteca, da história oral e dos dicionários pelas suas contribuições. Um grande estímulo à conclusão desta tese proveio de uma troca constante de ideias com o grupo de pesquisa do CPDOC, principalmente com Monica Hirst, que comparte comigo as alegrias e dificuldades de se trabalhar com uma área praticamente nova nas ciências sociais brasileiras. Leticia Pinheiro e Adriana Bendikt me ajudaram imensamente com a coleta de documentos em Leslie Bethell orientou meu trabalho cuidadosamente por um período de quase quatro anos. Graças a seu interesse e crítica pude me aprofundar e esclarecer os conceitos e explicações que utilizei. Seu encorajamento me ajudou a terminar o texto a tempo. A ajuda financeira para o programa de doutorado foi fornecida pela Fundação Ford através de seus representantes no Rio de Janeiro. A Fundação Ford financiou duas idas à Inglaterra, a primeira com minha mulher e filhos, e também patrocinou as anuidades da UCL e forneceu duas bolsas de estudo, uma no verão de 1980 e outra no outono de A pesquisa de arquivo e a coleta de documentos nos arquivos e bibliotecas dos Estados Unidos em janeiro/fevereiro de 1980 também foram patrocinadas pela Fundação Ford. Minhas estadias na Grã-Bretanha, de abril de 1979 a junho de 1980 e de setembro a novembro de 1982, foram viabilizadas pela ajuda financeira da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro. A compra das cópias dos documentos nos National Archives de Washington em maio de 1981 também foi patrocinada pela Fundação Getúlio Vargas através de um contrato financeiro com a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Como coordenador de um projeto de pesquisa sobre a política externa brasileira entre 1946 e 1950, financiado pelo Itamaraty, tomei conhecimento de uma bibliografia e documentação adicionais deste período. Também sou grato aos diretores e ao pessoal do Public Record Office (Kew, Londres), dos National Archives (Washington), do Arquivo Histórico do Itamaraty e do Arquivo Nacional (Rio de Janeiro), da Princeton University Library (Princeton), da Houghton Library (Cambridge, Massachussets) e do Columbia Oral History Program (Nova Iorque), cujos arquivos consultei. Muitos amigos me deram maior ou menor assistência, incentivo e companheirismo, tanto no Brasil como na Inglaterra nas etapas finais de meu trabalho. Agradeço a todos eles, mas gostaria de mencionar

7 principalmente Judy Perle, que fez este texto ficar mais agradável para o leitor de língua inglesa, Sylvia Greenwood e Frances Brownrigg, que datilografaram esta tese tão competentemente e Leandro, Priscila e Margarida Maria Moura, que encararam minha ausência com coragem e bom senso. Minha mulher, Margarida Maria, foi a força vital que me ajudou a trabalhar neste projeto em muitos momentos difíceis. University College London, novembro de 1982.

8

9 Apresentação Letícia Pinheiro Num encontro com o embaixador Gelson Fonseca Jr., há cerca de um ano atrás, conversamos sobre a possibilidade de o Ministério das Relações Exteriores apoiar a reedição de um dos livros de autoria de Gerson Moura - Autonomia na Dependência: a política externa brasileira de 1935 a 1942 (Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1980) -, um clássico do campo de estudos da Política Externa Brasileira, cuja única edição encontrava-se esgotada. Seu entusiasmo com essa possibilidade fez com que ele não demorasse a me enviar um falando da grande simpatia com que o embaixador José Vicente Pimentel, presidente da Fundação Alexandre de Gusmão, recebera a sugestão. Foi assim que, em seguida, o embaixador José Vicente estabeleceu contato com a família de Gerson e daí surgiu a proposta de publicar sua tese de doutorado. A publicação desta tese em seu formato integral finalmente traz a público os resultados de uma investigação que integrava um programa de pesquisa desenvolvido por Gerson Moura e alguns de seus contemporâneos que pode ser visto como um divisor de águas na área de estudos da Política Externa Brasileira. Uma de suas principais características era a interpretação de nossa política externa sublinhando o poder da escolha dos homens públicos do país, ainda que sob condições especiais, algumas vezes especialmente adversas. A tese defendida por Gerson Moura neste trabalho em particular, que também aparece em outros trabalhos do autor, resgata a ação política como um dos vetores explicativos centrais da inserção internacional do Brasil. Embora sem

10 LETÍCIA PINHEIRO desconhecer o poder das estruturas, sua tese possui o mérito de sublinhar a existência de escolhas. Num certo sentido esta hipótese de trabalho com que Gerson desenvolveu tão intensamente suas pesquisas sobre períodos pretéritos possuía forte interface com o próprio momento histórico em que essas mesmas reflexões eram feitas. Sem cair em anacronismos que tendem a ver o passado com as lentes do presente, diplomatas, políticos e principalmente acadêmicos também buscavam, neste momento - meados da década de 1970 e fins da década de , as explicações para o comportamento mais autônomo do Brasil no tempo do pragmatismo responsável e da política externa universalista como assim batizaram seus próprios formuladores num período em que ainda vigiam fortes limitações da Guerra Fria e da economia internacional para os países periféricos. A relevância científica e mesmo política de interpretações apoiadas em densa argumentação teórica e empírica que Gerson Moura nos ofereceu com seus livros e artigos, sem dúvida já seriam razão suficiente para nos convidar à leitura desta tese. Mas não se deve esquecer que essas interpretações foram igualmente construídas e refinadas por meio de uma aguçada curiosidade e uma grande paixão sobre a área das relações internacionais e, em particular sobre a política externa brasileira que, mesmo reconhecendo o valor científico que encontramos nas páginas dos livros de Gerson Moura, certamente o ultrapassa. Explico. Aqueles que já cursaram a disciplina de Política Externa Brasileira que costumo oferecer nos cursos de Graduação em Relações Internacionais da PUC-Rio seguramente perceberam o prazer com que inicio o módulo Anos de Guerra no Brasil. A riqueza e complexidade do período seriam, por si só, excelentes motivos para entusiasmar todo professor da área a compartilhar suas leituras com os alunos e a fomentar o debate acerca das escolhas feitas por nossos governantes. Mas algo mais me mobiliza e me entusiasma nessas aulas. É que ao longo deste módulo tenho a oportunidade de reviver os bons tempos em que como aluna, estagiária, assistente ou finalmente como colega de pesquisa de Gerson juntamente com tantos outros colegas, hoje renomados pesquisadores da área -, tive a grata oportunidade de viver o período da história da política externa brasileira sobre o qual Gerson estava pesquisando. Como professor, orientador ou parceiro num projeto, Gerson nos falava dos cenários internacionais, da política doméstica, dos processos de decisão suas tragédias e comédias - como quem tivesse sido, ele próprio, uma testemunha dos mesmos. Sem nunca perder seu refinado senso crítico com um ferino e igualmente muito elegante bom humor - Gerson trazia

11 APRESENTAÇÃO à luz a documentação histórica dando-lhe vida, ao mesmo tempo em que destrinchava suas tramas por meio de sua excelente formação teórica e rigor conceitual. Era com idêntico entusiasmo e senso crítico que ele assim nos ensinava, estagiários ou assistentes de pesquisa, a encontrar nos arquivos privados do CPDOC/FGV, nos Maços do Arquivo Histórico do Itamaraty ou na farta documentação que, junto com sua então colega Monica Hirst, fotocopiara de arquivos públicos e privados nos Estados Unidos, aquilo que não estava explícito, mas apenas sugerido, esboçado. Gerson, enfim, nos ensinava a ler nas entrelinhas e a buscar no cruzamento de fontes aquilo que a documentação oficial guardava em segredo. Nesses momentos, a desconfiança mineira que Gerson orgulhosamente trazia consigo ajudava-lhe a questionar e a ir além das aparências. Era também com seu jeito manso que nos ensinava a levar o leitor pela mão conselho que tantos de nós hoje reproduzimos para nossos orientandos. Mas era preciso fazer isso sem nunca desmerecer a inteligência de nossos leitores. Ao contrário, devíamos convidá-los a se tornar nossos companheiros de viagem, nossos parceiros na busca de interpretações sobre a política externa brasileira. E seria, afinal, o nosso argumento, o uso adequado da teoria, das evidências empíricas trazidas pelas pesquisas, seriam enfim essas as ferramentas a nos eximir de adjetivações desnecessárias sobre os atos e os fatos da História, pois ao formarem um argumento consistente, elas se encarregariam de levar o leitor a compartilhar conosco das qualificações não ditas. Todas essas características podemos encontrar em seus muitos artigos e livros já publicados - O tratado comercial Brasil-EUA de 1935 e os interesses industriais brasileiros, Autonomia na Dependência, Tio Sam Chega ao Brasil, Sucessos e Ilusões, Avanços e Recuos,... Finalmente chegou a hora de relembrar - para uns - e conhecer - para outros os ensinamentos de Gerson Moura, por meio da leitura dessa tese cujo acesso até hoje estava restrito aos leitores de língua inglesa. Com a bem-vinda publicação de Relações Exteriores do Brasil, : mudanças na natureza das relações Brasil-Estados Unidos durante e após a Segunda Guerra Mundial que a Funag hoje nos oferece, podemos novamente ouvir o nosso querido Gerson, aprender com ele e perceber que a Política Externa Brasileira não é para amadores. Outubro de 2012.

12

13 Sumário Prefácio - Gerson Moura ( )...15 Leslie Bethell Prefácio...25 Gerson Moura Notas explicativas...29 Capítulo I Introdução...33 A América Latina e a política internacional na década de O Brasil na década de Capítulo II Os anos de neutralidade ( )...57 Iniciativas dos Estados Unidos contra o Eixo...59 A colaboração econômica EUA-Brasil...62 A colaboração política e militar EUA-Brasil...67 Iniciativas culturais dos Estados Unidos...75

14 Capítulo III Da neutralidade à guerra (janeiro a agosto de 1942)...81 A Conferência do Rio...82 A barganha difícil...93 O fim do equilíbrio pragmático Capítulo IV Os anos da guerra (agosto de ) Parte 1: O Brasil em guerra (setembro de ) O período de preparação O período de participação O Brasil em guerra: uma avaliação Parte 2: Paz (1945) Estados Unidos, potência mundial A queda de Vargas Capítulo V Os anos pós-guerra ( ) O Brasil e as Nações Unidas O Brasil e o sistema interamericano O Brasil e os Estados Unidos Relações britânico-brasileiras Ascensão e queda das relações Brasil-URSS Epílogo: o fim da década Conclusões Bibliografia...259

15 Prefácio Gerson Moura ( ) Leslie Bethell 1 Gerson Moura nasceu em Itajubá, Minas Gerais, em 24 de maio de Seus pais eram operários presbiterianos: o pai, um metalúrgico; a mãe, empregada na indústria têxtil. Eles se separaram quando Gerson era muito jovem (mais tarde se reconciliariam) e ele foi criado pelo pai e por algumas tias solteiras, das quais pelo menos duas eram professoras. Disso resultou que ele lia e escrevia muito antes de ir à escola pública primária municipal. Lá, ele ganhou uma bolsa de estudos em uma escola particular de Ensino Secundário. Em 1957, ele se tornou estudante no Seminário Presbiteriano do Sul, em Campinas, onde, mais tarde ele recordaria, foi bastante influenciado pelo progressismo das ideias políticas e sociais do teólogo norte-americano Richard Schaull. Ao se graduar em 1960, contudo, em vez de se tornar pastor presbiteriano, como esperado, ele decidiu trabalhar na Associação Cristã dos Estudantes do Brasil (ACEB), em São Paulo. Em 1963, Gerson se matriculou na Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (mais tarde UFRJ), no Rio de Janeiro. Ele decidiu cursar História e os professores que mais o influenciaram foram Manoel Maurício de Albuquerque e Hugo Weiss. Ele era um estudante no Rio, em 1964, quando ocorreu o golpe, ao qual ele se opôs fortemente e acabou por 1 Professor Emérito de História da América Latina na Universidade de Londres; Fellow Emérito do St. Antony s College, Oxford; ex-diretor do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Londres ( ) e Diretor Fundador do Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford ( ). É membro da Academia Brasileira de Ciências e sócio (um dos vinte membros estrangeiros) da Academia Brasileira de Letras. 15

16 LESLIE BETHELL desempenhar papel central na reconstrução do diretório dos estudantes depois que a liderança pré-1964 foi deposta. Depois de se graduar em 1967, Gerson se mudou para São Paulo como dirigente da ACEB, mas com a promulgação do AI-5 em dezembro de 1968 e o fechamento da Associação, retornou para o Rio de Janeiro. Lá, em 1969, casou-se com a antropóloga Margarida Maria Pourchet Passos, com quem logo teve dois filhos, Leandro (nascido em 1971) e Priscila (nascida em 1973) e mais tarde uma terceira, Marília (nascida em 1985). Ele ganhou a vida no Rio como professor de um curso pré-vestibular até ser incorporado ao Departamento de História e Geografia da Pontifícia Universidade Católica (PUC), onde se revelou ser um talentoso e popular professor de História Contemporânea. Em 1972, Gerson foi preso, sem explicações, por policiais civis da Política Civil, encarcerado no quartel da Polícia do Exército na Tijuca e mantido na maior parte em confinamento solitário por 17 dias antes de ser libertado. Um de seus colegas na PUC-Rio foi Francisco Falcón, com quem escreveu A formação do mundo contemporâneo (Rio de Janeiro: Campus, 1974 e várias reedições) que foi amplamente lido por estudantes de História e Ciências Sociais nas décadas de 1970 e Em 1975, com uma bolsa da CAPES, Gerson entrou para o programa de mestrado do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). Fundado em 1969, o IUPERJ era um centro de pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Cândido Mendes. Durante a ditadura militar, era o mais próximo, no Rio de Janeiro, ao CEBRAP, um centro de pesquisa independente de São Paulo, financiado pela Fundação Ford. O IUPERJ se especializou em Ciência Política e Sociologia, mas uma de suas professoras adjuntas, Maria Regina Soares de Lima, oferecia cursos sobre Relações Internacionais e Política Externa Brasileira, dos quais Gerson participou. Pouco depois de entrar no IUPERJ, Gerson também aceitou um cargo no Centro de Pesquisa e Documentação da História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas, criado em Sua principal tarefa consistia em organizar os documentos pessoais de Oswaldo Aranha, embaixador brasileiro em Washington de 1934 a 1938 e ministro das Relações Exteriores de 1938 a 1944, enquanto outros pesquisadores estavam trabalhando com os documentos do próprio Getúlio Vargas e de Artur de Souza Costa, ministro da Fazenda ( ). Seu primeiro artigo, O tratado comercial Brasil-EUA de 1935 e os interesses industriais brasileiros (Revista de Ciência Política, v. 21, n. 1, 1978), foi escrito em colaboração com Maria Celina D Araújo, assim como ele, pesquisadora do CPDOC e mestranda do IUPERJ. 16

17 PREFÁCIO Como assunto de sua dissertação de mestrado, Gerson escolheu a política externa brasileira desde a assinatura do tratado comercial com os Estados Unidos, em 1935, até a declaração de guerra do Brasil contra as potências do Eixo, em agosto de Sua dissertação foi orientada por Aspásia Alcântara de Camargo, uma de suas colegas no CPDOC que tinha laços estreitos com o IUPERJ. Ele também se aconselhou com Maria Regina Soares de Lima e com Celso Lafer, que era professor de Direito na Universidade de São Paulo (USP) na época e tinha escrito um artigo importante e pioneiro sobre relações internacionais: Uma interpretação do sistema de relações internacionais do Brasil (Revista Brasileira de Política Internacional, ano X, n , 1967). Gerson terminou seu mestrado em 1979, aos 40 anos, e sua dissertação foi publicada no ano seguinte com o título Autonomia na dependência. A política externa brasileira de 1935 a 1942 (Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1980). Sob certos sistemas de poder e sob certas condições internacionais favoráveis, Gerson argumentava, era possível a um aliado subordinado reter um grau de autonomia e negociar com uma grande potência (autonomia na dependência). Embora a relação com os Estados Unidos tenha sido um pilar central na política externa brasileira desde a proclamação da República em 1889, o alinhamento do Brasil com os Estados Unidos na década de 1930 não foi automático. O poder crescente da Alemanha no mundo, a ameaça potencial que os alemães representavam à hegemonia dos EUA na América do Sul, os laços econômicos e militares do Brasil com a Alemanha e, igualmente importante, a existência de afinidades ideológicas e pessoais com o nazismo alemão em alguns setores da sociedade e do governo brasileiros forneceram a Getúlio Vargas a oportunidade de perseguir uma política de equidistância pragmática entre os Estados Unidos e a Alemanha. Havia, no entanto, limites às possibilidades de barganha com os Estados Unidos e os benefícios econômicos e militares a serem ganhos. Nunca se duvidou, principalmente desde o início da guerra na Europa, em setembro de 1939, e especialmente desde a ocupação da França em junho de 1940, que o Brasil seria levado por realidades políticas e econômicas a consolidar sua relação com Estados Unidos. Como os títulos dos capítulos da dissertação sugerem, equidistância pragmática era possível em , difícil em , rompida em e essencialmente descartada entre a Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas, no Rio, em janeiro de 1942, após o ataque japonês a Pearl Harbor e a declaração de guerra dos EUA aos países do Eixo, e a declaração do próprio Brasil em agosto de

18 LESLIE BETHELL Quando Autonomia na dependência foi publicado, Gerson já estava trabalhando em seu doutorado na Universidade de Londres. Sua intenção era estender a pesquisa anterior sobre a política externa brasileira para o período em que o Brasil estava em guerra com as potências do Eixo ( ) e o imediato pós-guerra, o governo Dutra ( ). Eu era Professor Associado em História do Brasil e da América Hispânica na University College London na época, e me tornei seu orientador. Gerson sabia que eu estava interessado no período, ainda que mais no impacto da Segunda Guerra Mundial e do começo da Guerra Fria sobre a política doméstica do que nas relações internacionais do Brasil per se. De fato, eu tinha lecionado um curso sobre o assunto no IUPERJ em 1979 e, mais tarde, organizei com Ian Roxborough o livro Latin America between the Second World War and the Cold War, (Cambridge University Press, 1992; tradução para o português, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996). Gerson também estava ciente de que meu colega sênior no Departamento da História na University College, R. A. Humphreys, Professor Titular de História da América Latina, estava concluindo sua própria pesquisa sobre América Latina nesse período, publicada em dois volumes: Latin America and the Second World War, Vol. I: , Vol. II: (London: University of London Press, ). Gerson e sua família moraram em Great Shelford, Cambridgeshire, de abril de 1979 a junho de 1980, período durante o qual, além de se deslocar para Londres para trabalhar nas bibliotecas e nos arquivos, ele também visitou bibliotecas e arquivos nos Estados Unidos, com apoio financeiro da FGV e da FINEP. Ele tornou a morar em Londres de setembro a dezembro de No intervalo entre essas duas temporadas na Inglaterra, continuou a trabalhar em seu doutorado no Rio de Janeiro e, ao mesmo tempo, preparou e publicou o longo artigo Brasil-Argentina: fontes bibliográficas (Revista Interamericana de Bibliografía, vol. XXXII, n.º 3-4, 1982) e outros dois em colaboração com Maria Regina Soares de Lima: Relações internacionais e política externa brasileira: uma resenha bibliográfica (BIB/ANPOCS, n. 13, 1º semestre, 1982) e A trajetória do pragmatismo: uma análise da política externa brasileira (Dados, vol. 25, n. 3, 1982). Sua tese de doutorado, intitulada Brazilian foreign relations The changing nature of Brazil-United States relations during and after the Second World War, foi aprovada em novembro de As Relações Internacionais praticamente eram um assunto novo nas universidades e centros de pesquisa brasileiros e Gerson Moura foi um pioneiro no estudo da política externa brasileira, especialmente das relações entre Brasil e Estados Unidos nos períodos imediatamente 18

19 PREFÁCIO anterior, de duração e imediatamente posterior da Segunda Guerra Mundial. Na época, apenas dois outros pesquisadores brasileiros estavam trabalhando nessa mesma área: Mônica Hirst, ex-aluna de Gerson, com quem ele foi um dos fundadores do Instituto de Relações Internacionais (IRI), na PUC-Rio, em 1979, com quem ele estabeleceu um Programa de Relações Internacionais no CPDOC, em 1980, e que completou sua própria dissertação de mestrado O processo de alinhamento da relações Brasil-Estados Unidos, , no IUPERJ, em 1982; e Ricardo Antônio Silva Seitenfus que, sob orientação de José Honório Rodrigues, cujos vários volumes de ensaios históricos incluíam Interesse nacional e política externa (1966), estava trabalhando independentemente no Rio Grande do Sul no que se tornou O Brasil de Getúlio Vargas e a formação dos blocos: O processo do desenvolvimento brasileiro na II Guerra Mundial (Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1985). Nos Estados Unidos, Lawrence F. Hill (Diplomatic relations between the United States and Brazil, Durham: Duke University Press, 1932) e E. Bradford Burns (The unwritten alliance: Rio Branco and Brazilian- -American relations, New York: Columbia University Press, 1966) trataram das relações Brasil-Estados Unidos em períodos anteriores. Em meio à primeira onda de jovens brasilianistas nas décadas de 1960 e de 1970, dois enfocaram a política externa brasileira sob Getúlio Vargas: Frank D. McCann Jr. em The Brazilian-American alliance, (Princeton: Princeton University Press, 1974) e Stanley E. Hilton em Brazil and the great powers, : the politics of trade rivalry (Austin: University of Texas Press, 1975; tradução para o português, 1977) e Brasil e a crise internacional, (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977). Daí seguiu-se uma troca de visões entre McCann e Hilton sobre as relações Brasil-EUA durante a Segunda Guerra Mundial que foi amplamente lida e debatida: McCann, Brazil, the United States and World War II: a commentary (Diplomatic History, vol. 3, n. 1, 1979); Hilton, Brazilian diplomacy and the Washington-Rio de Janeiro axis during the World War II era (Hispanic American Historical Review, vol. 59, n. 2, May 1979); e McCann, Critique [of Hilton s article] (HAHR, vol. 59, n. 4, November 1979). Hilton prosseguiu publicando Hitler s secret war in South America, : German military espionage and allied counter- -espionage in Brazil (Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1981) e o artigo The United States, Brazil, and the Cold War, : end of the special relationship (Journal of American History, vol. 68, n. 3, 1981) que representou uma primeira tentativa de examinar as relações Brasil- -EUA no período posterior à Segunda Guerra Mundial. 19

20 LESLIE BETHELL Gerações anteriores de historiadores brasileiros escreveram sobre diplomacia brasileira de forma geral, e principalmente sobre a diplomacia brasileira no Rio da Prata no século XIX e a diplomacia do barão do Rio Branco na solução de disputas sobre limites do Brasil com seus vizinhos na América do Sul no final do século XIX e começo do século XX. Mas apenas Moniz Bandeira (Presença dos Estados Unidos no Brasil: dois séculos da história, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973) e Victor V. Valla (A penetração norte-americana na economia brasileira, , Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978) haviam publicado livros sobre as relações do Brasil com os Estados Unidos. Sobre a década de 1930 e a Segunda Guerra Mundial, à exceção dos volumes de Hélio Silva sobre O ciclo de Vargas (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, vol. XI 1939, véspera da guerra, 1972; vol. XII 1942, guerra no continente, 1972; vol. XIII 1944, o Brasil na Guerra, 1974; vol. XIV 1945, Por que depuseram Vargas, 1976) e a obra de Roberto Gambini, O duplo jogo de Getúlio Vargas: influência americana e alemã no Estado Novo (São Paulo: Editora Símbolo, 1977), historiadores brasileiros tinham estudado apenas as relações internacionais financeiras e comerciais e seu impacto no desenvolvimento econômico do Brasil, com destaque para Luciano Martins em sua tese de doutorado Pouvoir et développement économique. Formation et évolution des structures politiques au Brésil (Université de Paris V, 1973; publicada em Paris, 1976), Marcelo de Paiva Abreu em sua tese de doutorado fundamental, Brazil and the world economy, Aspects of foreign economic policies and international economic relations under Vargas (Cambridge University, 1977; inédita em português até 1999), e Pedro S. Malan, Regis Bonelli, Marcelo de P. Abreu e José Eduardo de C. Pereira em Política externa e industrialização no Brasil (1939/52) (Rio de Janeiro: IPEA,1977). Praticamente nada havia sido escrito sobre as relações internacionais do Brasil nos primeiros anos da Guerra Fria. A tese de doutorado de Gerson Moura foi o primeiro estudo sistemático de um acadêmico brasileiro sobre as relações internacionais do Brasil, especificamente das relações com os Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial e os anos do imediato pós-guerra. Em vista da ausência de literatura secundária, com notáveis exceções, pelo menos para os anos de guerra (Abreu, McCann, Hilton, Humphreys), era baseada quase inteiramente no uso intensivo de fontes primárias: os documentos pessoais de Vargas, Aranha e Souza Costa no CPDOC, de Góes Monteiro no Arquivo Nacional, de Estevão Leitão da Cunha no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a correspondência diplomática no Arquivo Histórico do Itamaraty, todos no Rio de Janeiro; a correspondência 20

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos PPGEST Título da Disciplina:

Leia mais

Centro de estudos brasileiros em Oxford

Centro de estudos brasileiros em Oxford 201 Centro de estudos brasileiros em Oxford RUBENS ANTONIO BARBOSA Duas das prioridades do Governo brasileiro no âmbito de suas relações com o Reino Unido são a de incentivar o desenvolvimento de estudos

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Oswaldo Aranha e a política externa de Getúlio Vargas (1934-1944)

Oswaldo Aranha e a política externa de Getúlio Vargas (1934-1944) Oswaldo Aranha e a política externa de Getúlio Vargas (1934-1944) Jônatan Coutinho da Silva de Oliveira 1 Resumo O período em que Oswaldo Aranha permaneceu à frente da chancelaria brasileira (1938-1944),

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Claro Oliveira, Celso Fernando Estudos

Leia mais

Do Colégio Militar para o mundo, a excelência no ensino

Do Colégio Militar para o mundo, a excelência no ensino Do Colégio Militar para o mundo, a excelência no ensino Larissa, João Guilherme, Eduardo e Iman são exemplos de sucesso do colégio: disciplina, dedicação dos professores e estímulo à competição exterior.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Reunião de Foz do Iguaçu Excelentíssimo

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial 2ª GUERRA MUNDIAL Novos estudos feitos por um historiador norte americano, revelam que os Estados Unidos teriam cogitado que as forças militares brasileiras, então em combate na Italia, ocupassem a Austria

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

O Itamaraty no início da Guerra Fria

O Itamaraty no início da Guerra Fria O Itamaraty no início da Guerra Fria Sydenham Lourenço Neto * Na final da Segunda Guerra Mundial o Brasil era o mais importante aliado dos Estados Unidos na América Latina, mas também era um aliado problemático,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A ANGOLA Jantar no Futungo

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO 1 2 Divo Augusto Cavadas Advogado no Rio de Janeiro. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais (FND/UFRJ). Pós-graduação

Leia mais

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA:

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: Uma retomada da história do Curso de Geografia da UFU a partir de uma entrevista com a Profa. Dra. Suely Regina Del Grossi Revista OBSERVATORIUM: Qual (ais) a (s) razão (ões)

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP. Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL

APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP. Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL O IEL Cursos de graduação (506 alunos): Letras diurno Letras

Leia mais

UMA HISTÓRIA CULTURAL DE ISRAEL

UMA HISTÓRIA CULTURAL DE ISRAEL UMA HISTÓRIA CULTURAL DE ISRAEL Coleção Palimpsesto Coordenação editorial: Prof. Dr. Paulo Nogueira O caminho do Cordeiro: representação e construção de identidade no Apocalipse de João, Valtair Afonso

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais TRADUÇÃO (Fornecida pela DIGAN-MRECIC) Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos convidados, senhoras e senhores: É para mim uma grande honra dirigir-me, hoje, aos senhores.

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 Ana de Godoy Weisz 1 O trabalho se propôs a pesquisar a tendência da produção acadêmica quanto à inserção do Terceiro

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os

Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os Dedico esta obra ao meu esposo Milton Jr. pelo apoio, por estar ao meu lado em todos os momentos difíceis e por me dar segurança em todos os aspectos, e à Bruna, minha amada filha que fez nascer em mim

Leia mais

Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública DUBDH: RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO

Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública DUBDH: RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública DUBDH: RESPONSABILIDADE DOS ESTADOS E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO 1. Apresentação O presente relatório apresenta o segundo encontro do

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

O PESQUISADOR E OS ARQUIVOS DOCUMENTAIS OS ARQUIVOS DO ITAMARATY PIO PENNA FILHO IRI - UNB

O PESQUISADOR E OS ARQUIVOS DOCUMENTAIS OS ARQUIVOS DO ITAMARATY PIO PENNA FILHO IRI - UNB O PESQUISADOR E OS ARQUIVOS DOCUMENTAIS OS ARQUIVOS DO ITAMARATY PIO PENNA FILHO IRI - UNB O Arquivo Histórico do Itamaraty apresenta vasto e rico acervo documental que registra múltiplos aspectos da história

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

5) Igor Fuser http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4756106u7

5) Igor Fuser http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4756106u7 1) Antônio Pedro Tota http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=k4789712p4 Possui graduação em História pela Universidade de São Paulo (1973), doutorado em História Social pela mesma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10 RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS AGRADECIMENTO

Leia mais

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação Rita Monteiro Universidade Católica Portuguesa Abril 2014 Fontes / Referências Roldão (2013, 2008, 2007, 2004) Alarcão (1998) Shulman (2005,

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record)

O GERENTE MINUTO. Como Tomar Decisões Rápidas. (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) O GERENTE MINUTO Como Tomar Decisões Rápidas (Resumo do Livro dos autores: Kenneth Blancharo & Spencer Jonhson Editora Record) Este livro relata a história de um jovem que andava a procura de um Gerente

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA AMÉRICA DO SUL ANO ACADÊMICO 2010 O presente Edital foi aprovado em reunião

EDITAL PARA A SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA AMÉRICA DO SUL ANO ACADÊMICO 2010 O presente Edital foi aprovado em reunião EDITAL PARA A SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS NA AMÉRICA DO SUL ANO ACADÊMICO 2010 O presente Edital foi aprovado em reunião da Comissão de Coordenação do Mestrado de Pós- Graduação

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

PIBIC 05/06. Departamento de Educação

PIBIC 05/06. Departamento de Educação PIBIC 05/06 Departamento de Educação Alunas: Sandra Mendes Moreira Orientadora: Tânia Dauster Título do Projeto: Escrita na Universidade Os Universitários e as Relações entre Leitura E Escrita ESCRITA

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa. David Mourão Ferreira Castaño Data de nascimento: 25/01/1979 Nacionalidade: Portuguesa Estado civil: Casado 3 filhos Morada: Av. das Túlipas, 41, 1º Dto. 1495-161 Miraflores Telemóvel: 96 402 23 88 E-mail:

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902. Primeiro curso superior 1946

A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902. Primeiro curso superior 1946 A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902 Primeiro curso superior 1946 Os Primórdios O que não passou na TV Globo No início foi fortemente influenciada pela Escola Italiana.

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL (Um clássico da Sociologia da Educação entre nós)

NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL (Um clássico da Sociologia da Educação entre nós) NOTAS SOBRE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL NO BRASIL (Um clássico da Sociologia da Educação entre nós) Zaia Brandão 1 Conheço Luiz Antonio Cunha desde a década de 1960, quando fomos contemporâneos no

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

TÍTULO: BRASIL E A QUESTÃO DE CIBERSEGURANÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: BRASIL E A QUESTÃO DE CIBERSEGURANÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: BRASIL E A QUESTÃO DE CIBERSEGURANÇA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES): LARIANA MUNGAI VON ATZINGEN

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais