FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS"

Transcrição

1 PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO A AMBIENTES TÉRMICOS QUENTES (CALOR) 2 DESCRIÇÃO A existência de calor no ambiente de trabalho constitui frequentemente uma fonte de problemas que se traduzem em queixas por falta de conforto no rendimento no trabalho e, em determinadas ocasiões, riscos para a saúde. O estudo do ambiente térmico requer o conhecimento de uma série de variáveis do ambiente, do tipo de trabalho e do indivíduo. A maior parte das possíveis combinações destas variáveis que se apresentam no mundo do trabalho, dão lugar a situações de desconforto, sem que exista risco para a saúde. Com menor frequência podem encontrar-se situações ocupacionais termicamente confortáveis e, poucas vezes, o ambiente térmico pode gerar um risco para a saúde. Este último aspecto ligado quase sempre condicionado à existência de radiação térmica (superfícies quentes), humidade (> 60%) e trabalhos que impliquem um esforço físico considerável. O risco de stress térmico, para uma pessoa exposta a um ambiente quente, depende da produção de calor de seu organismo como resultado da sua actividade física e das características do ambiente que o rodeia, que condiciona as trocas de calor entre o ambiente e o seu corpo. Quando o calor gerado pelo organismo não pode ser emitido ao ambiente, acumula-se no interior do corpo e a temperatura deste tende a aumentar, podendo produzir-se danos irreversíveis. Existem diversos métodos para avaliar o ambiente térmico nos seus diferentes graus de agressividade. Para ambientes térmicos moderados é útil conhecer o índice PMV, cujo cálculo permite avaliar o nível de conforto ou desconforto numa situação de trabalho. O índice WBGT, objecto desta ficha, utiliza-se, pela sua simplicidade, para discriminar rapidamente se é ou não admissível a situação de risco de stress térmico, ainda que seu cálculo permita com frequência tomar decisões, quanto às possíveis medidas preventivas que podem vir a ser aplicadas. Para melhor compreender o fenómeno, atente-se: Calor Latente o É a quantidade de calor em jogo quando há mudança de estado sem variação de temperatura. Calor Sensível o É a quantidade de calor em jogo quando há variação de temperatura

2 PP. 2/5 Conforto Térmico o Segundo a ASHRAE Standard 55-92, o conforto térmico é assim definido: Conforto térmico é a condição da mente que expressa satisfação com o ambiente térmico. EquilibrioTérmico o Segundo Fanger (1970), equilíbrio térmico é a condição na qual uma pessoa não prefira nem mais calor nem mais frio no ambiente a seu redor. HSI o Heat Stress Index - é o cálculo do tempo máximo de permanência (texp) num ambiente considerado, expresso em minutos. Homeotermia o Manutenção da temperatura interna do corpo. Humidade absoluta o É o valor real da quantidade de vapor de água contida num ambiente. É caracterizada por pela razão de humidade e pela pressão parcial do vapor de água. Humidade relativa o A humidade relativa é o montante de vapor de água do ar, em relação com o máximo montante de vapor de água que o ar pode conter a uma dada temperatura. A humidade relativa é a razão entre a pressão do vapor de água do ar húmido, e a pressão de vapor saturado para uma mesma temperatura e mesma pressão atmosférica total. PMV o Voto Médio Previsível (Predicted Mean Vote), é um índice baseado na previsão do valor médio dos votos expressos por um grupo significativo de pessoas em relação ao mesmo ambiente a partir da seguinte escala de sensação térmica: + 3 Muito Quente + 2 Quente + 1 Levemente Quente 0 Neutro - 1 Levemente Frio - 2 Frio - 3 Muito Frio PPD o Percentagem Previsível de Insatisfeitos (Predicted Percentage of Dissatisfied), estabelece uma previsão da percentagem de pessoas que poderão expressar a sua insatisfação num dado ambiente térmico. Pressão parcial do vapor de água do ar húmido o É a pressão que o vapor de água poderia exercer se ocupasse sozinho o volume do ar húmido, à mesma temperatura. Psicómetro

3 PP. 3/5 o Equipamento normalmente utilizado para se determinar a humidade. Ele permite que a humidade absoluta seja determinada através de medições da temperatura do ar seco e da temperatura de bolbo húmido ventilado. Stress térmico o É o estado psicofisiologico a que está submetida uma pessoa, quando exposta a situações ambientais extremas de frio ou calor. Taxa de corrente de ar o Define-se como o arrefecimento local não desejado do corpo, causado pelo movimento de ar. Ela pode ser expressa como uma percentagem de pessoas que estão incomodadas pelas correntes de ar. Temperatura do ar o É a temperatura do ar ao redor do corpo humano. Temperatura média radiante o É a temperatura uniforme de um ambiente imaginário no qual a transferência de calor por radiação do corpo humano é igual à transferência de calor por radiação num ambiente real não uniforme. Pode ser medida por instrumentos que permitam que a radiação geralmente heterogénea das paredes de um ambiente real seja integrada em um valor médio. É a média das temperaturas das superfícies interiores do local e é tão importante como a temperatura do ar pela magnitude do intercâmbio de radiação infravermelha. Temperatura superficial o É a temperatura de uma dada superfície. É utilizada para avaliar as trocas de calor radiante entre o corpo humano, por meio da temperatura radiante média e/ou temperatura radiante plana. Avalia também o efeito do contacto directo entre o corpo e uma dada superfície. Temperatura operativa o Temperatura uniforme de um ambiente radiante negro hipotético, onde um ocupante poderia trocar a mesma quantidade de calor por radiação e convecção que no ambiente real. Termómetro de globo negro o Consiste num globo negro, em cujo centro é colocado um sensor de temperatura do tipo bolbo de mercúrio. O globo pode, teoricamente, ter qualquer diâmetro, mas como a fórmula utilizada para o cálculo da temperatura média radiante depende do diâmetro do globo, recomenda-se o uso de um globo de 15 cm. Quanto menor for o diâmetro do globo, maior seria o efeito da temperatura e velocidade do ar, levando a imprecisão nos resultados. É o instrumento mais frequentemente utilizado. Pode ser determinado um valor aproximado da temperatura média radiante através de valores observados da temperatura de globo, tg, e da temperatura e velocidade do ar ao redor do globo. Velocidade do ar o É um parâmetro definido pela sua magnitude e direcção. No caso de ambientes térmicos, o que é considerado é a velocidade efectiva do ar, ou seja, a magnitude do vector velocidade do fluxo no ponto de medição considerado.

4 PP. 4/5 WBGT o Wet Bulb Globe Temperature - índice de stress térmico. O processo de cálculo é: Em exteriores com carga solar Em exteriores ou interiores sem carga solar WBGT = 0,7 Th + 0,2 Tg + 0,1 Ta WBGT = 0,7 Th + 0,3 Tg Chama-se a atenção para o facto de ambientes térmicos quentes, estarem correlacionados com: o Sensação de desconforto; o Perda de rendimento; o Diminuição da produtividade; o Predisposição para o acidente. 3 ACTIVIDADES Aplicável a todas as tarefas efectuadas em ambientes térmicos quentes. 4 PARTICULARIDADES Não aplicável. 5 FOTOS 6 EPC 7 EPI Medidas de informação, sensibilização e formação; Não aplicável.

5 PP. 5/5 Planeamento e/ou rotação de trabalhadores; Ventilação mecânica. 8 RISCOS Desidratação; Esgotamento físico e deficiência circulatória; Golpe de calor. 9 MEDIDAS PREVENTIVAS Colocar água potável à disposição dos trabalhadores; Usar vestuário em algodão; Proteger a cabeça do calor radiante, usando capacete de protecção e/ou boné( no exterior); Fazer pausas curtas e frequentes em local mais fresco; Não ingerir bebidas alcoólicas; Para os trabalhadores não aclimatados, aumentar gradualmente a carga de trabalho; Promover rotação de trabalhadores face à tarefas.

ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE

ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE Helena Simões e Mário Talaia Desde os tempos mais remotos diversos estudos têm indicado que existem relações entre a saúde pública e o clima

Leia mais

DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL

DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL UMA AVALIAÇÃO NUM CASO DE ESTUDO Valente Ferreira 1 e Mário Talaia 1,2 Licenciatura em Segurança Comunitária 1 ISCIA Instituto Superior de Ciências

Leia mais

DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR

DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR CURSO BÁSICO B DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR MECANISMOS DE TROCA TÉRMICA CONDUÇÃO CONTATO ENTRE DOIS CORPOS CONVECÇÃO CONTATO ENTRE DOIS CORPOS SENDO UM FLUIDO RADIAÇÃO EMISSÃO DE

Leia mais

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EATAS ( )HUMANAS ( )VIDA PROGRAMA: () PIBIC ( ) PIVIC Título

Leia mais

Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso

Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso Universidade de Aveiro Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso Helena Simões e Mário M Talaia Departamento de Física F Universidade de Aveiro II Congresso Internacional e VI Encontro Nacional de

Leia mais

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA Celestino Rodrigues Ruivo Armando Costa Inverno António Hugo Lamarão Área Eng. Mecânica EST/UAlg Resumo A qualidade ambiental nos espaços interiores dos edifícios

Leia mais

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES ERGONOMIA AULA 8: O O Ambiente de Trabalho Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES Estas condições influenciam o desempenho humano e a saúde dos trabalharores. TEMPERATURA TEMPERATURA

Leia mais

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24 Índice Índice de figuras e tabelas 11 Siglas, abreviaturas e unidades 15 Prefácio 17 Capítulo 1 Introdução 19 Capítulo 2 Enquadramento teórico 23 2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO

CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO CLIMATIZAÇÃO E REFRIGERAÇÃO TRABALHO 3.2: CONDIÇÕES DE CONFORTO EM INTERIORES (AMBIENTES MODERADOS NORMA ISO 7730) O presente documento deve ser visto como auxiliar à execução do trabalho 3.2. No entanto,

Leia mais

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Climatização Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Efeitos do Movimento do Ar no Conforto de uma Pessoa Energia Solar Térmica

Leia mais

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO Conforto térmico conforto térmico de um ambiente pode ser definido como a sensação de bem-estar experimentada por uma e/ou pela maioria das pessoas. Está relacionada

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS TET (BT) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos na presença de tensão (TET) de conservação ou reparação, realizados em instalações BT. Nota: Um trabalho

Leia mais

Esta norma, sob o título geral Desempenho térmico de edificações, tem previsão de conter as seguintes partes:

Esta norma, sob o título geral Desempenho térmico de edificações, tem previsão de conter as seguintes partes: SET 2003 Projeto 02:135.07-001 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, símbolos e unidades Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + humanas + ambientais + outras + modelos + normas estrutura variáveis cálculo 2 definição conforto térmico é o

Leia mais

EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto?

EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto? 1 Conforto Térmico EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto? Renato Martins Palierini renato@twabrasil.com.br DOMÍNIO CONCEITUAL NECESSÁRIO 2 Mecanismos de troca térmica Taxa metabólica e dispêndio energético

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA UTILIZAÇÃO DE CABOS DE AÇO 2 DESCRIÇÃO Os cabos e cintas são elementos amplamente utilizados na maioria das actividades industriais e de distribuição.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES

AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES Lucas Carvalho de Oliveira (UFPB ) lucascarvalhodeoliveira@hotmailcom

Leia mais

Temperatura. Posição do problema. Produção Interna de Calor. Equação do Equilíbrio Térmico. Queixas das condições térmicas de trabalho

Temperatura. Posição do problema. Produção Interna de Calor. Equação do Equilíbrio Térmico. Queixas das condições térmicas de trabalho Posição do problema Temperatura Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Queixas das condições térmicas de trabalho siderurgia outros metais minas produção

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Ivan Sanchez Malo Rossiti (1); Léa Cristina Lucas de Souza (2) (1) Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, e-mail:

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TERMOGRAFIA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Inês Simões

Leia mais

ESTRATÉGIA. Professeur J. Malchaire. Descrição sucinta da situação de trabalho croquis zonas de trabalho

ESTRATÉGIA. Professeur J. Malchaire. Descrição sucinta da situação de trabalho croquis zonas de trabalho ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃ DS RISCS AMBIENTES TÉRMICS T DE TRABALH Professeur J. Malchaire Unité Hygiène et Physiologie du Travail Université catholique de Louvain ESTRATÉGIA Quando? Como? Custo? Por quem?

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS DESENROLAMENTO E COLOCAÇÃO DE CABOS - REDE SUBTERRÂNEA

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS DESENROLAMENTO E COLOCAÇÃO DE CABOS - REDE SUBTERRÂNEA PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA DESENROLAMENTO E COLOCAÇÃO DE CABOS - REDE SUBTERRÂNEA 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de colocação de cabos eléctricos em redes subterrâneas. 3 ACTIVIDADES

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS EM ALTURA EM APOIOS METÁLICOS 2 DESCRIÇÃO Os trabalhos em linhas apoiadas em torres metálicas contêm um grande número de operações

Leia mais

Climatologia e meteorologia

Climatologia e meteorologia Climatologia e meteorologia 1. Introdução A climatologia é a ciência que se ocupa do estudo dos climas. Os estudos climatológicos referem-se, de uma maneira geral, a territórios mais ou menos vastos e

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA Sara Virginia Ornilo Correia (UFPB ) saracorreiav@hotmailcom MATEUS MARCELINO DA SILVA (UFPB ) mateusmarcelinos@hotmailcom

Leia mais

ANALYSIS CST. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis

ANALYSIS CST. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis ANALYSIS CST Pesquisadora: Karen Carrer Ruman de Bortoli (karencrbortoli@gmail.com) Orientadora: Rita de Cássia Pereira Saramago

Leia mais

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE

FORMAS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR ENTRE HOMEM E MEIO AMBIENTE AMBIENTE TÉRMICO O ambiente térmico pode ser definido como o conjunto das variáveis térmicas do posto de trabalho que influenciam o organismo do trabalhador, sendo assim um fator importante que intervém,

Leia mais

Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS. Queixas das condições térmicas de trabalho

Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS. Queixas das condições térmicas de trabalho Temperatura Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Posição do problema Queixas das condições térmicas de trabalho siderurgia outros metais minas produção

Leia mais

A vegetação e o arejamento em ambiente urbano

A vegetação e o arejamento em ambiente urbano A vegetação e o arejamento em ambiente urbano Quem viu o vento? Nem tu nem eu. Mas quandos as árvores inclinam as suas cabeças, O vento está a passar. Christina Rosetti, 1872 Sing-Song Vectores de transporte

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde no Trabalho Edição n.º 24 Equipamentos de A atividade laboral pode apresentar alguns riscos para a Segurança e Saúde dos trabalhadores. A eliminação dos riscos deve

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios

Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS. Termografia. Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Evento REABILITAÇÃO ENERGETICAMENTE EFICIENTE DE EDIFÍCIOS URBANOS Técnicas de Inspecçãoe Avaliação do Desempenho de Edifícios Termografia Inês Simões www.itecons.uc.pt O que é a termografia infravermelha?

Leia mais

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas Carga Térmica Definições Métodos de Cálculo Ferramentas de simulação Normas Condições externas e internas PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados -

Leia mais

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS REFRIGERAÇÃO Ivo Rodrigues 2007/2008 1. Objectivos da refrigeração de Alimentos... prolongar a vida útil dos alimentos aumentando as possibilidades de conservação (geral) 1 1. Objectivos da refrigeração

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho UFCD: Unidade de Formação de Curta Duração Módulo: 3779- Agentes Físicos Formadora: Susana Ricardo Agentes Físicos: Entidade, imaterial ou com um mínimo de matéria, capaz de produzir efeitos adversos no organismo. O dano produz sem que haja um

Leia mais

EN340 - Requisitos Gerais

EN340 - Requisitos Gerais EN340 - Requisitos Gerais Esta norma contém as exigências essenciais para os artigos de protecção, definida cobrindo ou substituindo o artigo pessoal e concebido para proteger contra um ou vários riscos.

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

O conforto humano. O Homem e suas necessidade higrotérmicas

O conforto humano. O Homem e suas necessidade higrotérmicas O conforto humano O Homem e suas necessidade higrotérmicas O que é conforto térmico O conforto térmico é definido como uma condição mental que expressa satisfação com o ambiente térmico circunjacente.

Leia mais

5.º Teste de Física e Química A 10.º A Abril minutos /

5.º Teste de Física e Química A 10.º A Abril minutos / 5.º Teste de Física e Química A 10.º A Abril 2013 90 minutos / Nome: n.º Classificação Professor.. GRUPO I As seis questões deste grupo são todas de escolha múltipla. Para cada uma delas são indicadas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº 2016

FICHA TÉCNICA DO CURSO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº 2016 FICHA TÉCNICA DO CURSO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº 2016 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Desempenho energético de edifícios 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições

Leia mais

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda)

TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes. AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) TÍTULO: Introdução ao stress térmico em ambientes quentes AUTORIA: Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis, Lda) PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 124 (Setembro/Outubro de 1999) Enquadramento do tema A temperatura interior

Leia mais

Equilíbrio térmico durante o exercício

Equilíbrio térmico durante o exercício Equilíbrio térmico durante o exercício Objetivo da termorregulação? - Manutenção da temperatura interna constante - Manter a proporção em produção e perda de calor Centro de controle da temperatura? -

Leia mais

Instituto Politécnico de Viseu

Instituto Politécnico de Viseu Instituto Politécnico de Viseu IPV - ESTGV Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Daniel António Soares Coelho Avaliação do Conforto Térmico em salas de aula Junho de 2014 Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS PRÓXIMOS DE INSTALAÇÕES EM TENSÃO 2 DESCRIÇÃO Nas tarefas de exploração, construção e manutenção das instalações eléctricas são susceptíveis

Leia mais

1. FATORES CLIMÁTICOS

1. FATORES CLIMÁTICOS Capítulo Elementos de Hidrometeorologia 3 1. FATORES CLIMÁTICOS A hidrologia de uma região depende principalmente de seu clima e secundariamente de sua topografia e geologia. A topografia influencia a

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. RESUMO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO:

Leia mais

Conforto Térmico e Bioclimatologia

Conforto Térmico e Bioclimatologia Conforto Térmico e Bioclimatologia Introdução ao Conforto Térmico A importância do estudo de conforto térmico está baseada principalmente em 3 fatores: A satisfação do homem ou seu bem estar em se sentir

Leia mais

RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO.

RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO. RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO. Xavier, Antonio A. P.¹; Lamberts, Roberto² ; Volpato, Cleber G.³ 1-Eng. Civil, M.Eng.

Leia mais

Lista de Exercícios para P2

Lista de Exercícios para P2 ENG 1012 Fenômenos de Transporte II Lista de Exercícios para P2 1. Estime o comprimento de onda que corresponde à máxima emissão de cada de cada um dos seguintes casos: luz natural (devido ao sol a 5800

Leia mais

CONDUÇÃO TÉRMICA. Condução é o processo de propagação de calor no qual a energia térmica passa de partícula para partícula de um meio.

CONDUÇÃO TÉRMICA. Condução é o processo de propagação de calor no qual a energia térmica passa de partícula para partícula de um meio. PROPAGAÇÃO DE CALOR CONDUÇÃO TÉRMICA Condução é o processo de propagação de calor no qual a energia térmica passa de partícula para partícula de um meio. FLUXO DE CALOR (Φ) LEI DE FOURIER Q t (θ 1 > θ

Leia mais

CONFORTO E STRESS TÉRMICO

CONFORTO E STRESS TÉRMICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONFORTO E STRESS TÉRMICO Professor Roberto Lamberts, PhD Atualizações: Prof. Antonio Augusto Xavier Prof. Solange

Leia mais

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho

Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho. Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 1 Curso Técnico/a Segurança e Higiene no Trabalho Projecto Integrador Seminário Como Minimizar os Riscos no Trabalho Pág 2 Tema: Seminário: Como Minimizar os riscos no Trabalho Questões Geradoras:

Leia mais

Medição de Umidade Conceitos Básicos

Medição de Umidade Conceitos Básicos Medição de Umidade Conceitos Básicos Medição de Umidade: Conceitos Básicos Conceito Umidade Relativa % Definimos como umidade relativa o cociente de vapor de água realmente presente no ar e a máxima massa

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira QUESTÃO 1 Classifique as alternativas abaixo em verdadeiras (V) ou falsas (F), corrigindo as falsas e justificando as verdadeiras: a ( F ) Para

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO EM SALA DE AULA INFLUÊNCIA NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AMBIENTE TÉRMICO EM SALA DE AULA INFLUÊNCIA NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AMBIENTE TÉRMICO EM SALA DE AULA INFLUÊNCIA NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Mário Talaia (1) e Marta Silva (2) (1) Departamento de Física, Centro de Investigação CIDTFF, Universidade de Aveiro Campus

Leia mais

As botas que oferecem mais segurança ao condutor de motociclos:

As botas que oferecem mais segurança ao condutor de motociclos: As botas que oferecem mais segurança ao condutor de motociclos: Devem oferecer protecção ao nível dos tornozelos. São bastante leves e maleáveis. São totalmente impermeáveis e muito fáceis de calçar e

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S TR A U

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT O ProjetEEE (http://www.projeteee.ufsc.br/) foi desenvolvido a partir do questionamento "Como proporcionar menor consumo energético e maior conforto interno ao usuário". O resultado é uma ferramenta gratuita

Leia mais

TERMODINÂMICA. Radiação Solar. Anjo Albuquerque

TERMODINÂMICA. Radiação Solar. Anjo Albuquerque TERMODINÂMICA Radiação Solar 1 Anjo Albuquerque TERMODINÂMICA Termodinâmica - é a área da Física que nos permite compreender o mundo que nos rodeia, desde a escala dos átomos até à escala do universo.

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR Curitiba PR Brasil 5 a 7 de novembro de 2003 AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR João Batista Flesch (1); Paulo Otto Beyer (2) (1) Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Aula anterior: Esta Aula: Próxima aula:

Aula anterior: Esta Aula: Próxima aula: Aula anterior: Composição da atmosfera: do que é composta; fontes e sumidouros; como alcançou o estado atual. Breve discussão sobre pressão, densidade, temperatura. Esta Aula: Temperatura, pressão e densidade

Leia mais

R 2 Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição

R 2 Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição Texto de Apoio Data: 26 de Setembro 2010 Formador[a]: Mª Filipa Castanheira UC/UFCD: 3778 Agentes Químicos e Biológicos 1.Lista de frases de risco usadas com substâncias perigosas Códigos: Frases de Risco

Leia mais

ANTROPOMETRIA E TEMPERATURA: UM CASE EM UMA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS DE BIOSSEGURANÇA

ANTROPOMETRIA E TEMPERATURA: UM CASE EM UMA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS DE BIOSSEGURANÇA ANTROPOMETRIA E TEMPERATURA: UM CASE EM UMA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS DE BIOSSEGURANÇA FERNANDO HENRIQUE LERMEN (UNESPAR) fernando-lermen@hotmail.com Gustavo de Souza Matias (UNESPAR) gusmatias@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO TERMINAL DE CRUZEIROS E NA ESTAÇÃO

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO TERMINAL DE CRUZEIROS E NA ESTAÇÃO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO TERMINAL DE CRUZEIROS E NA ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO PORTO DE LEIXÕES BRUNO HENRIQUE ZEFERINO RIBEIRO Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO TEMPERATURA DE AR UMIDADE DO AR VELOCIDADE DO AR VESTIMENTA

CONCEITUAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO TEMPERATURA DE AR UMIDADE DO AR VELOCIDADE DO AR VESTIMENTA CONCEITUAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO É a sensação de bem-estar experimentada por uma pessoa, como resultado da combinação satisfatória, nesse ambiente, da temperatura radiante média, umidade relativa, temperatura

Leia mais

E M A Mete o rologia Prof i ssional 10º- Ano T urma P1 Gestão A mbiente

E M A Mete o rologia Prof i ssional 10º- Ano T urma P1 Gestão A mbiente 1 PRESSÃO Boletim Meteorológico TEMPERATURA HUMIDADE PRECIPITAÇÃO DIRECÇÃO VENTO RADIAÇÃO SOLAR E M A Mete o rologia Prof i ssional 1º- Ano T urma P1 Gestão A mbiente Introdução Os alunos da turma 1ºP1

Leia mais

CALORIMETRIA E TERMOLOGIA

CALORIMETRIA E TERMOLOGIA CALORIMETRIA E TERMOLOGIA CALORIMETRIA Calor É a transferência de energia de um corpo para outro, decorrente da diferença de temperatura entre eles. quente Fluxo de calor frio BTU = British Thermal Unit

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE

AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE Isabel Tavares DEGEI, Universidade de Aveiro isabel.tavares@ua.pt Mário Talaia Departamento de

Leia mais

SER340 - Sensoriamento Remoto dos Oceanos Ensaio Teórico: Dinâmica dos Oceanos

SER340 - Sensoriamento Remoto dos Oceanos Ensaio Teórico: Dinâmica dos Oceanos SER340 - Sensoriamento Remoto dos Oceanos Ensaio Teórico: Dinâmica dos Oceanos Sandro Klippel 3 de outubro de 2012 A Terra recebe radiação solar na forma de ondas curtas, absorvendo cerca de 65% dessa

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO INTERIOR AVALIAÇÃO DE CONFORTO / DESCONFORTO CASO DE ESTUDO

AMBIENTE TÉRMICO INTERIOR AVALIAÇÃO DE CONFORTO / DESCONFORTO CASO DE ESTUDO AMBIENTE TÉRMICO INTERIOR AVALIAÇÃO DE CONFORTO / DESCONFORTO CASO DE ESTUDO Mário A.R. Talaia (1), Helena Simões (2) (1) Departamento de Física, Centro de Investigação CIDTFF, Universidade de Aveiro Campus

Leia mais

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2

Graça Meireles. Física -10º ano. Física -10º ano 2 Escola Secundária D. Afonso Sanches Energia do Sol para a Terra Graça Meireles Física -10º ano 1 Variação da Temperatura com a Altitude Física -10º ano 2 1 Sistemas Termodinâmicos Propriedades a ter em

Leia mais

Transferência de Calor: Origens Físicas F Equações de Taxas de Transferência

Transferência de Calor: Origens Físicas F Equações de Taxas de Transferência Transferência de Calor: Origens Físicas F e Euações de Taxas de Transferência Transferência de Calor e Energia Térmica O ue é a transferência de calor? A transferência de calor éo trânsito de energia térmica

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS Daniel Augusto

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA ONDAS DE CALOR RECOMENDAÇÕES PARA ESTABELECIMENTOS DE ACOLHIMENTO DE IDOSOS Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental e Ocupacional

Leia mais

HIGIENE OCUPACIONAL EM ÁREA DE CALDEIRAS

HIGIENE OCUPACIONAL EM ÁREA DE CALDEIRAS HIGIENE OCUPACIONAL EM ÁREA DE CALDEIRAS Ricardo Luís Alves da Silva (IFPE)- ricardoalves@recife.ifpe.edu.br Karla Suzana Tiburcio dos Santos Silva (IFPE) -karlasuz.2008@hotmail.com Resumo: O presente

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA BETONAGEM 2 DESCRIÇÃO Entende-se por betonagem, a colocação de argamassas de cimento fresco em zonas limitadas, normalmente por cofragem, bem

Leia mais

Aula 4 Certificação de edifícios sustentáveis. Daniel R. Medeiros

Aula 4 Certificação de edifícios sustentáveis. Daniel R. Medeiros Aula 4 Certificação de edifícios sustentáveis Daniel R. Medeiros CATEGORIA Sustentabilidade do Espaço PRÉ REQUISITOS PONTOS Platina Racionalização do Uso da Água Eficiência Energética P Ouro Sustentabilidade

Leia mais

Aula 01. Me. Leandro B. Holanda, 1. Definições e conceitos fundamentais. Calor

Aula 01. Me. Leandro B. Holanda,   1. Definições e conceitos fundamentais. Calor Aula 01 1. Definições e conceitos fundamentais Calor Se um bloco de cobre quente for colocado num béquer de água fria o bloco de cobre se resfria e a água se aquece até que o cobre e a água atinjam a mesma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT Resumo Luiz Bueno da Silva Universidade Federal da Paraíba e Centro Universitário de João

Leia mais

Umidade do ar Definições UMIDADE DO AR. Umidade relativa do ar e orvalho Definições

Umidade do ar Definições UMIDADE DO AR. Umidade relativa do ar e orvalho Definições AC33F AGROCLIMATOLOGIA UMIDADE DO AR PROF. DR. FREDERICO M. C. VIEIRA Umidade relativa do ar e orvalho Definições Definições Importância da água: desempenha diversas funções em diversos processos físicos

Leia mais

Ana Alexandra Cunha Dias Avaliação da perceção da influência do conforto térmico na produtividade

Ana Alexandra Cunha Dias Avaliação da perceção da influência do conforto térmico na produtividade UMinho 2013 Ana Alexandra Cunha Dias Avaliação da perceção da influência do conforto térmico na produtividade Universidade do Minho Escola de Engenharia Ana Alexandra Cunha Dias Avaliação da perceção da

Leia mais

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p

Leia mais

SENSAÇÃO TÉRMICA CONDICIONADA POR PARÂMETROS TERMOHIGROMÉTRICOS E ISOLAMENTO TÉRMICO DO VESTUÁRIO

SENSAÇÃO TÉRMICA CONDICIONADA POR PARÂMETROS TERMOHIGROMÉTRICOS E ISOLAMENTO TÉRMICO DO VESTUÁRIO Proceedings CLME2017/VCEM 8º Congresso Luso-Moçambicano de Engenharia / V Congresso de Engenharia de Moçambique Maputo, 4-8 Setembro 2017; Ed: J.F. Silva Gomes et al.; Publ: INEGI/FEUP (2017) ARTIGO REF:

Leia mais

AQS Água quente sanitária. É a água aquecida, usada para banhos, preparação ou confeção de alimentos.

AQS Água quente sanitária. É a água aquecida, usada para banhos, preparação ou confeção de alimentos. Índice A... 2 Acumulador... 2 AQS... 2 Autoconsumo... 2 B... 2 Bomba de calor... 2 C... 2 Caldeira de condensação... 2 Coletor solar seletivo... 2 Condução... 3 Convecção... 3 COP (Coefficient Of Performance)...

Leia mais

Condensação nos edifícios e nas janelas. Prevenção e reparação dos danos.

Condensação nos edifícios e nas janelas. Prevenção e reparação dos danos. Janelas de Sótão Condensação nos edifícios e nas janelas. Prevenção e reparação dos danos. 1. As exigências de isolamento nas nossas casas tem vindo a aumentar nos últimos 50 anos. Casas mais antigas não

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MANUTENÇÃO DE POSTO DE TRANFORMAÇÃO (AÉREO) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de manutenção e reparação em posto de transformação aéreo (MT/BT) de distribuição

Leia mais

DOCUMENTO PROVISÓRIO. Filomena Alexandra Gaspar Rodrigues. Conforto e Stress Térmico: uma Avaliação em Ambiente Laboral

DOCUMENTO PROVISÓRIO. Filomena Alexandra Gaspar Rodrigues. Conforto e Stress Térmico: uma Avaliação em Ambiente Laboral Universidade de Aveiro Departamento de Física 7 Filomena Alexandra Gaspar Rodrigues Conforto e Stress Térmico: uma Avaliação em Ambiente Laboral DOCUMENTO PROVISÓRIO Universidade de Aveiro Departamento

Leia mais

energias renováveis Daniel Guerreiro Correia

energias renováveis Daniel Guerreiro Correia Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Avaliação das condições de conforto térmico em espaços equipados com superfícies radiantes e ventilação utilizando as energias renováveis Daniel

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTES

FENÔMENOS DE TRANSPORTES FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 11 FUNDAMENTOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR PROF.: KAIO DUTRA Transferência de Calor Transferência de calor (ou calor) é a energia em trânsito devido a uma diferença de temperatura.

Leia mais

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual.

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. 1 Conforto Humano 2 Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. Conforto Térmico Interação Térmica entre o Corpo Humano e o Ambiente Radiação Convecção Ar ambiente Perda de Calor Sensível

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + definição + importância + termoregulação + trocas térmicas + humanas + ambientais + outras + medição + cálculos

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS ASSEMBLAGEM E MONTAGEM DE APOIO METÁLICO (TORRES METÁLICAS)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS ASSEMBLAGEM E MONTAGEM DE APOIO METÁLICO (TORRES METÁLICAS) PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSEMBLAGEM E MONTAGEM DE APOIO METÁLICO (TORRES METÁLICAS) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a assemblagem de apoio metálico (torres

Leia mais

Temperatura TEMPERATURA. Temperatura do ar e do solo Fatores determinantes

Temperatura TEMPERATURA. Temperatura do ar e do solo Fatores determinantes CL43B CLIMATOLOGIA TEMPERATURA PROF. DR. FREDERICO M. C. VIEIRA Temperatura do ar e do solo Fatores determinantes Temperatura Conceito 1: no aquecimento de um corpo, a energia cinética de suas partículas

Leia mais

ESZO Fenômenos de Transporte

ESZO Fenômenos de Transporte Universidade Federal do ABC ESZO 001-15 Fenômenos de Transporte Profa. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Bloco A, torre 1, sala 637 Mecanismos de Transferência de Calor Calor Calor pode

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho CURSO Gestão de Recursos Humanos ÁREA CIENTÍFICA Gestão de Pessoal CICLO 1º GRAU Licenciatura PROGRAMA DA DISCIPLINA DOCENTE(S) RESPONSÁVEL(EIS) Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Filipe Alberto Marques

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL

ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL Juliete Baraúna dos Santos 1, Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2, Heliofábio Barros Gomes 3, Alaerte da

Leia mais