AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA"

Transcrição

1 João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA Sara Virginia Ornilo Correia (UFPB ) MATEUS MARCELINO DA SILVA (UFPB ) Beatriz Pires do Carmo Neta (UFPB ) Natalia Gomes Lucio Cavalcante (UFPB ) Ivanize Claudia dos Santos e Silva (UFPB ) Embora a análise do conforto ambiental seja aplicada em diversas áreas, foram observadas as condições de trabalho e/ou estudo em uma sala de aula Dentre os fatores que influenciam para o desconforto no desempenho das atividades, destacam-sse as variáveis ambientais, peso, idade e sexo Considerando a importância de um ambiente confortável, este artigo tem como objetivo realizar a análise do conforto térmico pela aplicação dos métodos PPD e PMV A abordagem metodológica foi através da utilização do modelo computacional CBE Thermal Comfort Tool Foram realizadas medições térmicas, utilizando um medidor de stress térmico, modelo TGD-400 e um termo-anemômetro, modelo TAR-176, e aplicações de questionários Constatou-se um ambiente térmico extremamente desconfortável e dificilmente tolerável Com a utilização do software, foram obtidos valores do PMV e do PPD, destacando-se as condições de calor do ambiente e a insatisfação da pessoa analisada Palavras-chave: conforto térmico, condições, trabalho

2 1 Introdução O estudo do conforto ambiental, em seus diversos aspectos, busca construir uma relação entre os princípios bioclimáticos e as intervenções nas atividades práticas que amenizam os efeitos dos elementos ambientais presentes O conhecimento adquirido dos planejadores, através de pesquisas e análises, instrui suas respectivas ações, visando obter ambientes confortáveis Salas de aula são ambientes que exigem condições que favoreçam e possibilite o rendimento, bem estar e a atenção dos estudantes e professores que nela desempenham suas funções e atividades Para garantir melhores condições de trabalho e/ou estudo, especificamente, quanto ao conforto ambiental, seja ele, térmico, luminoso ou acústico, novas exigências são frequentemente visadas para obter as condições necessárias para os espaços interiores, utilizando as diretrizes de conforto ambiental As características fisiológicas dos indivíduos, fatores como peso, idade, sexo, juntamente com as variáveis ambientais influenciam diretamente no conforto térmico, podendo afetar a produtividade, uma vez que a satisfação e o bem-estar dos trabalhadores é um fator determinante para a obtenção da qualidade de vida no trabalho (Gosling & Araújo, 2008) Para a realização deste estudo, foram realizadas medições de variáveis térmicas na sala 102 A da Central de Aulas no Campus I, na Universidade Federal da Paraíba Os dados foram obtidos por meio de entrevistas com alunos e professores presentes no local, além da utilização de equipamentos como termômetro de globo e anemômetro Estes dados possibilitaram a determinação dos índices PMV (Predicted Mean Vote - Voto Médio Previsível) e o PPD (Predicted Percentage Dissatisfied - Porcentagem Previsível de Insatisfeitos), que analisam o conforto do ambiente para o trabalhador 2 Referencial teórico A preocupação com a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) busca suprir as necessidades básicas do ser humano no âmbito de atuação, sem afetar a produtividade do trabalho A QVT busca humanizar as relações de trabalho mantendo uma relação estreita com a produtividade e com a satisfação do trabalhador em seu ambiente de atividade (BÚRIGO, 1997) Isto é, tornar o ambiente de trabalho mais agradável e harmonioso faz com que o homem possa ter um desempenho e uma satisfação maior em suas atividades 2

3 Segundo Pedroso e Pilatti (2012) o grande diferencial das empresas hoje em dia são os recursos humanos nela presentes A empresa precisa privilegiar cada vez mais o colaborador, lhes propiciando as melhores condições possíveis de trabalho, para que possam render o seu melhor desempenho e desenvolver o melhor de suas potencialidades Os seres humanos precisam de uma qualidade ambiental mínima para conseguir além de manter o bom funcionamento do organismo, desenvolver suas tarefas (FROTA, SCHIFFER, 2003) Para que o trabalhador possa ter a desejada satisfação em seu ambiente de trabalho, ele deve estar em uma situação de conforto ambiental Entende-se como Conforto Ambiental a relação entre Conforto térmico, luminoso e acústico, os quais devem ser investigados para ter conhecimento se um ambiente está em conforto ou não Um programa de QVT tem como objetivo promover um ambiente de trabalho que estimule e dê suporte ao colaborador e à organização, conscientizando sobre como sua saúde está diretamente relacionada à sua qualidade e produtividade (CARMELLO, 2015) O investimento das empresas em QVT evita futuros problemas como: absenteísmo, redução da produtividade e eficiência, redução da qualidade do serviço, reclamações, despesas médicas decorrentes de depressão, desgaste, fadiga, como até mesmo desgostos e preocupações em seu ambiente de trabalho Tem que haver consciência por parte das organizações que QVT não se trata de um resultado imediato, mas, de um investimento contínuo que deve ser aplicado em todo o ambiente organizacional É primordial preocupar-se com a gestão das pessoas num todo, oferecendo condições adequadas de trabalho e respeitando o profissional De acordo com Guimarães (2004) há três correntes que podem ser seguidas para a mensuração da QVT: QVT na perspectiva do trabalhador (interesse está na melhoria das condições de trabalho e maior participação do funcionário no processo organizacional); na perspectiva da organização (visando à produção e motivação para o trabalho); e por último uma perspectiva integrante, que visa o equilíbrio dos interesses dos trabalhadores e da organização Como o conforto ambiental é algo relativo, pois cada pessoa reage de uma forma diferente a estímulos externos, para esse estudo foi dado privilégio a percepção somente do trabalhador (o professor que ministra aulas na sala CAA 102, Campus I, UFPB) sem levar em consideração os alunos 3

4 Nesse sentido, este estudo tem como objetivo a análise do conforto térmico e sua influência na qualidade de vida do trabalhador em uma sala de aula da Central de Aulas da Universidade Federal da Paraíba, Campus I 21 Conforto térmico O conforto térmico está relacionado à preocupação natural do homem em busca do bem estar O desempenho do homem está diretamente associado ao conforto térmico, sendo comprovado por diversas pesquisas realizadas em laboratório e em campo (FANGER, 1970 apud SILVA, 2001) A performance perceptiva, manual e intelectual do homem é notavelmente maior em ambientes de conforto térmico Diante disso, várias análises aferiram a influência do ambiente térmico no desempenho escolar de alunos, afetando negativamente o aprendizado em consequência do aumento da temperatura e qualidade do ar Aspectos físicos, fisiológicos e psicológicos como dor de cabeça, depressão intelectual, sono, fadiga, descoordenação motora, falta de concentração e perda de memória são sintomas frequentemente manifestados, e por essa razão, existe a necessidade da avaliação cognitiva do conforto térmico O método mais difundido foi criado por Fanger (1972) e adotado pela norma internacional ISO7730/1994, realizado para avaliar o conforto térmico Através de diversas pesquisas avaliando condições de temperatura, umidade e velocidade de ar, e aplicação de questionários quanto ao conforto, os índices Predicted Mean Vote (PMV) e o Predicted Percentage of Dissatisfied People (PPD) foram desenvolvidos 22 PMV (Predicted Mean Vote) O PMV (Predicted Mean Vote - Voto Médio Previsível) é um índice de avaliação do conforto térmico, adotado pela ISO 7730, que varia de -3 a +3 e calcula a probabilidade da sensação térmica humana a partir de associações entre o nível metabólico de atividade (Met), a resistência térmica das vestimentas (Clo) e quatro variáveis ambientais: temperatura do ar (ºC), velocidade do ar (m/s), temperatura de globo ( C) e umidade relativa do ar (%) Assim, prevendo a sensação térmica de um grupo de pessoas, é possível calcular e determinar graficamente a Porcentagem Estimada de Insatisfeitos (PPD) 4

5 23 PPD (Predicted Percentage of Dissatisfied) O PPD (Predicted Percentage of Dissatisfied), índice desenvolvido a partir das condições de temperatura, umidade e velocidade do ar em um ambiente, expressa o percentual de pessoas insatisfeitas com as condições climáticas do ambiente Algumas das restrições dos parâmetros envolvidos são: temperatura entre 10 C e 30 C, umidade relativa entre 30% e 70% e velocidade do ar menor que 1m/s Os índices de desconforto, obtidos a partir da análise dos parâmetros envolvidos, sofrem algumas alterações de acordo com a estação do ano em que a medição é realizada, e são afetados apenas pelas variáveis: Temperatura Operativa (To) e Umidade Relativa do ar (UR) A Porcentagem Estimada de Insatisfeitos pode ser calculada e obtida graficamente por meio do PMV 3 Metodologia A análise de conforto térmico foi realizada em um ambiente de trabalho na Central de Aulas (CA 102) da Universidade Federal da Paraíba, no dia 04 de abril de 2016 A sala estudada possui área de 70 m² contendo três janelas de correr, com área útil de ventilação de 50%, do lado esquerdo e direito da sala Possui três ventiladores, mas apenas dois em funcionamento O posto de trabalho situa-se na frente da sala, visto que o posto analisado foi o do professor, como pode ser observado na Figura 1 e 2 5

6 Figura 1: Sala CAA 102 Figura 2: Sala CAA 102

7 Foram realizadas medições térmicas utilizando um medidor de stress térmico, modelo TGD- 400 e um termo-anemômetro, modelo TAR-176, ambos da marca Instrutherm, fabricados no Brasil O medidor de stress térmico foi ligado e estabilizado após 10 minutos de funcionamento Foram realizadas quatro medições com intervalos de 1 hora entre cada uma delas, obtendo os valores apresentados no Quadro 3 Quadro 3: Dados da medição Termômetro de Globo (TGD-400) Hora Temperatura do ar ( C) Temperatura média radiante ( C) Umidade relativa 14h 31,1 31,6 78,20% 15h 31,2 31,8 77,20% 16h 30,8 31,2 82,30% 17h 30,1 30,5 82,30% Fonte: elaborada pelos autores Foram encontrados valores de 0,1m/s como velocidade do vento em todas as medições Para a análise da sensação do conforto térmico, foi aplicado um questionário, elaborado pelos autores, com questões relativas a sua percepção da sensação térmica no ambiente e o quanto o considera tolerável A vestimenta é um dos fatores que influenciam diretamente o conforto térmico A professora analisada vestia vestido de malha, sandália aberta de salto de 6cm e roupas íntimas (calcinha e sutiã) de algodão De acordo com a NBR 7730, é possível calcular a resistência da vestimenta que o trabalhador apresenta no seu ofício, como mostra o Quadro 4 Vestuário Quadro 4: CLO Clo Calcinha e sutiã 0,03 Vestidos leves, mangas curtas 0,20 Sapatos (sola grossa) 0,04 Total 0,27 Fonte: Elaborado pelos autores Os dados do indivíduo estudado são apresentados no Quadro 5

8 Quadro 5: Dados do indivíduo Sexo Idade Peso Altura Atividade Feminino 40 78kg 1,58m Professor Fonte: Elaborado pelos autores A utilização do modelo computacional foi o CBE Thermal Comfort Tool, disponível no site eletrônico da Universidade de Berkeley: que serviu para o cálculo do PMV e PPD 4 Análise dos resultados Para a análise do conforto térmico, levou-se em consideração a temperatura do ar, temperatura média radiante, velocidade do vento, umidade relativa e a hora da medição Não foram levados em consideração os pontos de ventilação artificial, devido a sala não possuir arcondicionado e os ventiladores presentes não apresentarem bom funcionamento Para o posto de trabalho analisado, a medição foi realizada à altura do tórax, levando em consideração que o funcionário trabalha sentado durante aproximadamente 4 horas por dia De acordo com a NBR 7730 a taxa metabólica (Met) da atividade em questão é de 1,2met (sedentary activity) O questionário aplicado indicou que o ambiente térmico era extremamente desconfortável e dificilmente tolerável, baseado nas respostas da professora Utilizando os dados já expostos, o PMV e o PPD foram calculados utilizando o software CBE Thermal Comfort Tool 41 Análises do PMV e PPD Conforme citado, foi utilizado o software Confort Tool para o cálculo do PMV A professora estudada apresentou um intervalo de valores do PMV de 1,9 a 2,22 e um intervalo do PPD de 72 a 86% Para efeito de cálculo do PMV foram inseridos os valores das variáveis ambientais medidos no dia escolhido para estudo O Quadro 6 apresenta os resultados alcançados a partir da medição Quadro 6: PMV e PPD das medições Medição 1 Medição 2 Medição 3 Medição 4 8

9 PMV 2,18 2,22 2,08 1,9 PPD 84% 86% 80% 72% Fonte: elaborado pelos autores Assim, com o resultado obtido constata-se a insatisfação e o desconforto do trabalhador em relação às condições térmicas do ambiente de trabalho, considerando que em um ambiente termicamente aceitável é preciso que o PPD < 10%, ou seja, -0,5 < PMV < +0,5 (ISO 7730, 2005) 5 Conclusão As diretrizes apontadas no estudo de caso não são implantadas em muitos ambientes de trabalho, o que traz desconfortos na atividade e comprometendo a eficiência do ensino e aprendizagem Entre as vantagens obtidas pela aplicação dos métodos, destaca-se a utilidade do método PMV, por exemplo, em avaliar o conforto térmico, pelo cálculo da probabilidade da sensação térmica humana, e a utilidade do método PPD por expressar o percentual de pessoas insatisfeitas com as condições climáticas do ambiente Com a utilização do software, foram obtidos valores do PMV de 1,9 a 2,22 e um intervalo do PPD de 72 a 86% No ambiente estudado, os métodos PMV e PPD foram aplicados e analisados, possibilitando também a mensuração dos períodos adequados de descanso durante o trabalho Para um melhor desempenho de ensino na sala de aula, é viável um trabalho futuro buscando a climatização para tornar o ambiente mais confortável, aumentando assim, o índice de satisfação do usuário 6 Agradecimento Os autores agradecem ao LAT (Laboratório de Análise do Trabalho) do departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal da Paraíba pelo empréstimo dos equipamentos necessários para o desenvolvimento desse estudo REFERÊNCIAS American Society of Heating and Air Conditioning Engineers - ASHRAE Physiological principles for comfort and health In: Handbook Fundamentals Atlanta, 2001 p

10 BÚRIGO, C C D Qualidade de vida no trabalho Revista de Ciências Humanas, v 15, n 22, p , 1997 CARMELLO, E Portal de Recursos Humanos Qualidade de Vida no trabalho2015 Disponível em:< > Acesso em 03 mar 2015 FANGER, P O Thermal comfort: analysis and applications in environmental engineering United States: McGraw-Hill Book Company, p FROTA, AB & SCHIFFER, SR Manual do Conforto Térmico 4ª ed São Paulo: Studio Nobel, 2003 GUIMARÃES, L B M Ergonomia: Tópicos Especiais - Qualidade de vida no trabalho, psicologia e trabalho 4ed Porto Alegre: FEENG/UFRGS/EE/PPGEP, 2004 ISO 7730 (2005) Ergonomics of the thermal environment Analytical determination and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD indices and local thermal comfort criteria Genebra: International Organization for Standardization PEDROSO, B; PILATTI, L A Guia de avaliação da qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho Ponta Grossa: Editora UEPG, 2012 SILVA, L B Análise da relação entre Produtividade e conforto térmico: o caso dos digitadores do centro de processamento de dados da Caixa Econômica Federal de Pernambuco Florianópolis, 2001 Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina 10

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EATAS ( )HUMANAS ( )VIDA PROGRAMA: () PIBIC ( ) PIVIC Título

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES

AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES Lucas Carvalho de Oliveira (UFPB ) lucascarvalhodeoliveira@hotmailcom

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO A AMBIENTES TÉRMICOS QUENTES (CALOR) 2 DESCRIÇÃO A existência de calor no ambiente de trabalho constitui frequentemente uma fonte de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Ivan Sanchez Malo Rossiti (1); Léa Cristina Lucas de Souza (2) (1) Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, e-mail:

Leia mais

RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO.

RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO. RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO. Xavier, Antonio A. P.¹; Lamberts, Roberto² ; Volpato, Cleber G.³ 1-Eng. Civil, M.Eng.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO URBANO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO URBANO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO URBANO DE JOÃO PESSOA-PB Natieli Tenório da Silva 1, 2, Diego Monteiro da Silva 1, José Fernandes de Souza Filho 1, Marcelo de Oliveira Moura 1 Universidade Federal

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + humanas + ambientais + outras + modelos + normas estrutura variáveis cálculo 2 definição conforto térmico é o

Leia mais

PMV, PET E SET* VERSUS VOTO DAS PESSOAS

PMV, PET E SET* VERSUS VOTO DAS PESSOAS PMV, PET E SET* VERSUS VOTO DAS PESSOAS Larissa Patricio da Silva 1, Liliane Flávia Guimarães da Silva 2 1 Estudante do curso técnico integrado ao médio em Administração - IFTO. Bolsista ICJ/IFTO. e-mail:

Leia mais

EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto?

EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto? 1 Conforto Térmico EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto? Renato Martins Palierini renato@twabrasil.com.br DOMÍNIO CONCEITUAL NECESSÁRIO 2 Mecanismos de troca térmica Taxa metabólica e dispêndio energético

Leia mais

APLICAÇÃO DO UTCI E TE COM O VOTO REAL

APLICAÇÃO DO UTCI E TE COM O VOTO REAL APLICAÇÃO DO UTCI E TE COM O VOTO REAL Francielle Parlandrino Pereira 1, Liliane Flávia Guimarães da Silva 2 1 Estudante do curso técnico integrado ao médio em Administração - IFTO. Bolsista ICJ/IFTO.

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA ACADEMIA DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA ACADEMIA DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA ACADEMIA DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO DE CASO 1. INTRODUÇÃO ANDRÉ LUIZ SOARES VIVIAN MACHADO ANTONIO AUGUSTO DE PAULA XAVIER Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 1: índice de calor

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 1: índice de calor VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia,Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology, Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE

ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE Helena Simões e Mário Talaia Desde os tempos mais remotos diversos estudos têm indicado que existem relações entre a saúde pública e o clima

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. RESUMO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO:

Leia mais

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 2: índice humidex

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 2: índice humidex VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia,Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology, Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + definição + importância + termoregulação + trocas térmicas + humanas + ambientais + outras + medição + cálculos

Leia mais

SENSAÇÃO TÉRMICA CONDICIONADA POR PARÂMETROS TERMOHIGROMÉTRICOS E ISOLAMENTO TÉRMICO DO VESTUÁRIO

SENSAÇÃO TÉRMICA CONDICIONADA POR PARÂMETROS TERMOHIGROMÉTRICOS E ISOLAMENTO TÉRMICO DO VESTUÁRIO Proceedings CLME2017/VCEM 8º Congresso Luso-Moçambicano de Engenharia / V Congresso de Engenharia de Moçambique Maputo, 4-8 Setembro 2017; Ed: J.F. Silva Gomes et al.; Publ: INEGI/FEUP (2017) ARTIGO REF:

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG)

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE 2009 Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar a variabilidade mensal da

Leia mais

Lucas Monteiro Pereira [PIBIC/ UTFPR] 1, Antônio Augusto de Paula Xavier [Orientador] 2, Bruna Angela Antonelli[Colaborador] 3

Lucas Monteiro Pereira [PIBIC/ UTFPR] 1, Antônio Augusto de Paula Xavier [Orientador] 2, Bruna Angela Antonelli[Colaborador] 3 AVALIAR O EFEITO DA VARIÁVEL TAXA METABÓLICA NA SENSAÇÃO TÉRMICA DE FUNCIONÁRIOS DA INDÚSTRIA Lucas Monteiro Pereira [PIBIC/ UTFPR] 1, Antônio Augusto de Paula Xavier [Orientador] 2, Bruna Angela Antonelli[Colaborador]

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Algoritmos em linguagem R para análises de conforto térmico de acordo com os métodos da ASHRAE Standard 55

RELATÓRIO TÉCNICO. Algoritmos em linguagem R para análises de conforto térmico de acordo com os métodos da ASHRAE Standard 55 RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT Resumo Luiz Bueno da Silva Universidade Federal da Paraíba e Centro Universitário de João

Leia mais

ANALYSIS CST. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis

ANALYSIS CST. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis ANALYSIS CST Pesquisadora: Karen Carrer Ruman de Bortoli (karencrbortoli@gmail.com) Orientadora: Rita de Cássia Pereira Saramago

Leia mais

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Prof. Dr. Fernando Cremonesi, Profa. Dra. Roberta Kronka, Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro, Prof.

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA Lígia Parreira Muniz (1) ; Claudia Cotrim Pezzuto (2) (1) Graduanda da Faculdade de Engenharia Civil, PUC Campinas, e-mail: lpm_max@hotmail.com

Leia mais

Conforto Térmico e Bioclimatologia

Conforto Térmico e Bioclimatologia Conforto Térmico e Bioclimatologia Introdução ao Conforto Térmico A importância do estudo de conforto térmico está baseada principalmente em 3 fatores: A satisfação do homem ou seu bem estar em se sentir

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO SHOPPING INDEPENDÊNCIA, SANTA MARIA, RS 1 EVALUATION OF THE THERMAL COMFORT AT INDEPENDENCE MALL IN SANTA MARIA, RS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO SHOPPING INDEPENDÊNCIA, SANTA MARIA, RS 1 EVALUATION OF THE THERMAL COMFORT AT INDEPENDENCE MALL IN SANTA MARIA, RS Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 69-79, 2012. Recebido em: 09.03.2012. Aprovado em: 18.10.2012. ISSN 2176-462X AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA DA UFERSA CAMPUS CARAÚBAS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA DA UFERSA CAMPUS CARAÚBAS Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu -PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DO CENTRO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS E PERCEPTIVAS EM AMBIENTES CLIMATIZADOS DE UNIDADES UNIVERSITÁRIAS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS E PERCEPTIVAS EM AMBIENTES CLIMATIZADOS DE UNIDADES UNIVERSITÁRIAS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS E PERCEPTIVAS EM AMBIENTES CLIMATIZADOS DE UNIDADES UNIVERSITÁRIAS Thalita Christina Brandão Pereira (UFPB/CNPq) thalitajp@bol.com.br Mariana Fialho Bonates (UFPB/CNPq)

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + humanas + ambientais + outras + balanço ter. + adaptativo + standard 55 estrutura variáveis cálculo 2 definição

Leia mais

EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO

EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO Adriana Camargo de Brito a, Maria Akutsu a, Arlindo Tribess b a Laboratório

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA.

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA. ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA. Ronaldo da Silva Rodrigues¹; Antonio Carlos Lôla da Costa²; Bruno Takeshi Tanaka Portela³; Paulo Henrique Lopes Gonçalves

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE

AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE Isabel Tavares DEGEI, Universidade de Aveiro isabel.tavares@ua.pt Mário Talaia Departamento de

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS Daniel Augusto

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO E DO NÍVEL DE CO 2 EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO COM CLIMATIZAÇÃO ARTIFICIAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Eliane H. Suzuki (1); Racine T. A. Prado (2) (1) Departamento de Engenharia

Leia mais

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO Conforto térmico conforto térmico de um ambiente pode ser definido como a sensação de bem-estar experimentada por uma e/ou pela maioria das pessoas. Está relacionada

Leia mais

MICHAEL DE CARVALHO FONSECA CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MICHAEL DE CARVALHO FONSECA CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA MICHAEL DE CARVALHO FONSECA CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR Curitiba PR Brasil 5 a 7 de novembro de 2003 AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR João Batista Flesch (1); Paulo Otto Beyer (2) (1) Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS SOBRENOME, Nome do Primeiro Autor (1); SOBRENOME, Nome do Segundo autor (2) (12 pts Negrito) (1) Instituição de Origem, Titulação mais elevada e-mail:primeiroautor@xxx.yyyy.br

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL

ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL Juliete Baraúna dos Santos 1, Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2, Heliofábio Barros Gomes 3, Alaerte da

Leia mais

XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO

Leia mais

SENSAÇÃO TÉRMICA DE TRABALHADORES DE CÂMARAS FRIAS

SENSAÇÃO TÉRMICA DE TRABALHADORES DE CÂMARAS FRIAS SENSAÇÃO TÉRMICA DE TRABALHADORES DE CÂMARAS FRIAS Claudionor Fernandes de Jesus (claudionorfernandes@ig.com.br) José Rui Camargo (rui@unitau.br) UNITAU - Engenharia Mecânica, R. Daniel Danelli, s/n, Jardim

Leia mais

O conforto humano. O Homem e suas necessidade higrotérmicas

O conforto humano. O Homem e suas necessidade higrotérmicas O conforto humano O Homem e suas necessidade higrotérmicas O que é conforto térmico O conforto térmico é definido como uma condição mental que expressa satisfação com o ambiente térmico circunjacente.

Leia mais

Esta norma, sob o título geral Desempenho térmico de edificações, tem previsão de conter as seguintes partes:

Esta norma, sob o título geral Desempenho térmico de edificações, tem previsão de conter as seguintes partes: SET 2003 Projeto 02:135.07-001 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, símbolos e unidades Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS (TÍTULO EM PORTUGUÊS) INSTRUCTION FOR SUBMISSIONS (ENGLISH TITLE)

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS (TÍTULO EM PORTUGUÊS) INSTRUCTION FOR SUBMISSIONS (ENGLISH TITLE) INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS (TÍTULO EM PORTUGUÊS) INSTRUCTION FOR SUBMISSIONS (ENGLISH TITLE) SOBRENOME, Nome do Primeiro Autor (1); SOBRENOME, Nome do Segundo autor (2) (12 pts Negrito)

Leia mais

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA Celestino Rodrigues Ruivo Armando Costa Inverno António Hugo Lamarão Área Eng. Mecânica EST/UAlg Resumo A qualidade ambiental nos espaços interiores dos edifícios

Leia mais

Sistemas de ventilação personalizados e a influência no conforto térmico e na qualidade do ar. Arlindo Tribess

Sistemas de ventilação personalizados e a influência no conforto térmico e na qualidade do ar. Arlindo Tribess Sistemas de ventilação personalizados e a influência no conforto térmico e na qualidade do ar Arlindo Tribess atribess@usp.br Agenda 2 Contextualização Correntes de ar Contaminação aérea Sistemas de ventilação

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE TÉRMICO DA CANTINA DO BANCO DO BRASIL - AGÊNCIA TRINDADE

ANÁLISE DO AMBIENTE TÉRMICO DA CANTINA DO BANCO DO BRASIL - AGÊNCIA TRINDADE ANÁLISE DO AMBIENTE TÉRMICO DA CANTINA DO BANCO DO BRASIL - AGÊNCIA TRINDADE Chrystianne Goulart Mestranda do Dept. de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Centro Tecnológico, Universidade Federal

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO ADAPTATIVO NO SETOR RESIDENCIAL EM PORTUGAL Adaptive thermal comfort in the residential setor in Portugal

CONFORTO TÉRMICO ADAPTATIVO NO SETOR RESIDENCIAL EM PORTUGAL Adaptive thermal comfort in the residential setor in Portugal CONFORTO TÉRMICO ADAPTATIVO NO SETOR RESIDENCIAL EM PORTUGAL Adaptive thermal comfort in the residential setor in Portugal Luís Matias 1 e Carlos Pina dos Santos 2 Dr. Luís Matias LNEC Lisboa - Portugal

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS TAXAS METABÓLICAS NO CONFORTO TÉRMICO DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE FLORIANÓPOLIS

INFLUÊNCIA DAS TAXAS METABÓLICAS NO CONFORTO TÉRMICO DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE FLORIANÓPOLIS INFLUÊNCIA DAS TAXAS METABÓLICAS NO CONFORTO TÉRMICO DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE FLORIANÓPOLIS Lizandra G. Lupi VERGARA, Roberto LAMBERTS LabEEE Laboratório de Eficiência

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003726A - Conforto Térmico II: Isolação e Ventilação Docente(s) Maria Solange Gurgel de Castro Fontes Unidade Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

Ricardo Forgiarini Rupp Renata De Vecchi Bernardo Farias Asmus Christhina Candido Enedir Ghisi

Ricardo Forgiarini Rupp Renata De Vecchi Bernardo Farias Asmus Christhina Candido Enedir Ghisi Conforto térmico humano em escritórios com sistema central de condicionamento artificial em clima subtropical úmido: estudos de campo vs. abordagem analítica Human thermal comfort in a HVAC office building

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE E POROSIDADE DA TIPOLOGIA URBANA NA VENTILAÇÃO EM ÁREA LITORÂNEA E A PERCEPÇÃO DE CONFORTO DO TRANSEUNTE

A INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE E POROSIDADE DA TIPOLOGIA URBANA NA VENTILAÇÃO EM ÁREA LITORÂNEA E A PERCEPÇÃO DE CONFORTO DO TRANSEUNTE A INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE E POROSIDADE DA TIPOLOGIA URBANA NA VENTILAÇÃO EM ÁREA LITORÂNEA E A PERCEPÇÃO DE CONFORTO DO TRANSEUNTE Fabiana Trindade da Silva (1), Patrícia Scarione (2), Cristina Engel

Leia mais

PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM CLIMAS TROPICAIS COM REGIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE NORMAS INTERNACIONAIS

PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM CLIMAS TROPICAIS COM REGIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE NORMAS INTERNACIONAIS PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM CLIMAS TROPICAIS COM REGIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE NORMAS INTERNACIONAIS Fernando Gustavo Alencar de Albuquerque Lins fernandogustavo@uol.com.br Engº Mecânico e de Segurança

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM UM AMBIENTE ACADÊMICO NATURALMENTE VENTILADO LOCALIZADO EM FLORIANÓPOLIS-SC

AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM UM AMBIENTE ACADÊMICO NATURALMENTE VENTILADO LOCALIZADO EM FLORIANÓPOLIS-SC AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM UM AMBIENTE ACADÊMICO NATURALMENTE VENTILADO LOCALIZADO EM FLORIANÓPOLIS-SC Carolina Buonocore (1); Izabella Lima (2); Roberta Barros (3); Renata De Vecchi (4); Roberto

Leia mais

Temperatura. Posição do problema. Produção Interna de Calor. Equação do Equilíbrio Térmico. Queixas das condições térmicas de trabalho

Temperatura. Posição do problema. Produção Interna de Calor. Equação do Equilíbrio Térmico. Queixas das condições térmicas de trabalho Posição do problema Temperatura Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Queixas das condições térmicas de trabalho siderurgia outros metais minas produção

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP (MACAPÁ-AP) João Paulo Nardin Tavares 1, Ana Maria da Silva Pantoja 1

CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP (MACAPÁ-AP) João Paulo Nardin Tavares 1, Ana Maria da Silva Pantoja 1 CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP (MACAPÁ-AP) João Paulo Nardin Tavares 1, Ana Maria da Silva Pantoja 1 1 Centro de Ensino Superior do Amapá CEAP Macapá, AP Brasil jpnt25@gmail.com,

Leia mais

Production ISSN: Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Brasil

Production ISSN: Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Brasil Production ISSN: 0103-6513 production@editoracubo.com.br Associação Brasileira de Engenharia de Produção Brasil Concepción Batiz, Eduardo; Goedert, Jean; Morsch, Junir Junior; Kasmirski Junior, Pedro;

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA CLIMATIZAÇÃO DO AMBIENTE NO DESEMPENHO ESTUDANTIL RESUMO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA CLIMATIZAÇÃO DO AMBIENTE NO DESEMPENHO ESTUDANTIL RESUMO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA CLIMATIZAÇÃO DO AMBIENTE NO DESEMPENHO ESTUDANTIL Ricardo Henrique Sousa Oliveira 1 Stéfanny Guimarães Rodrigues 2 RESUMO Fazer com que um ambiente qualquer permaneça numa faixa

Leia mais

XIII Encontro Nacional e IX Encontro Latino-americano de Conforto no Ambiente Construído

XIII Encontro Nacional e IX Encontro Latino-americano de Conforto no Ambiente Construído XIII Encontro Nacional e IX Encontro Latino-americano de Conforto no Ambiente Construído APLICABILIDADE DO MODELO PMV/PPD PARA AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS COM SISTEMA CENTRAL DE CONDICIONAMENTO

Leia mais

CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL. M. L. A. Niemeyer

CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL. M. L. A. Niemeyer CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL M. L. A. Niemeyer RESUMO Em função da crescente inquietação com questões relacionadas ao meio ambiente, o planejamento ambiental,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE HOSPITAIS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE HOSPITAIS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE HOSPITAIS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA Priscila Elida de Medeiros Vasconcelos (UFPB) priscilaelida@gmail.com Luiz Bueno da Silva (UFPB)

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO CONFORTO TÉRMICO NA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA

ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO CONFORTO TÉRMICO NA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO CONFORTO TÉRMICO NA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ELIAS JOSÉ BELLONI (1) ; ROGERIO PAIVA (2) (1) Engenharia de Segurança do Trabalho

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação LUMINOTÉCNICA Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: definir a iluminância em função da tarefa visual; Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: NBR 5413

Leia mais

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES ERGONOMIA AULA 8: O O Ambiente de Trabalho Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES Estas condições influenciam o desempenho humano e a saúde dos trabalharores. TEMPERATURA TEMPERATURA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO ENGENHARIAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO LUMÍNICO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES COM LUXÍMETRO ZAFRA, Jennifer Carolina G. Estudante do Curso de Engenharia Civil de Infraestrutura ILATIT UNILA; E-mail: jennifer.zafra@aluno.unila.edu.br;

Leia mais

Projeto e Organização do

Projeto e Organização do Projeto e Organização do Trabalho Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira SISTEMAS PRODUTIVOS I Aula 10 Projeto e Organização do Trabalho Princípios gerais de projeto em produção/operações Projeto de processos

Leia mais

Tabela 3.37: Constantes da Equação

Tabela 3.37: Constantes da Equação C R = [(a) + (b X AU amb ) + (c X CT baixa ) + (d X α par ) + (e X PD/AU amb ) + (f X somb) + (g X CT cob ) + (h X Ab S ) + (i X SomA parext X CT par ) + (j X cob) + (k X U cob X α cob X cob X AU amb )

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO PRÁTICA DAS NORMAS INTERNACIONAIS NA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO

CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO PRÁTICA DAS NORMAS INTERNACIONAIS NA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO Contribuição à aplicação prática das normas internacionais na avaliação do conforto térmico Ensino e Pesquisa A. C. Ruas, L. C. Labaki normas internacionais, conforto térmico, temperatura, velocidade relativa

Leia mais

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA Priscilla Nascimento Barreto¹; Antonio Carlos Lôla da Costa¹;Selma Maria Castro de Menezes¹;Hildo Jiuseppe Garcia Caldas Nunes¹;Heloisa Márcia dos

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO EM SALA DE AULA INFLUÊNCIA NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AMBIENTE TÉRMICO EM SALA DE AULA INFLUÊNCIA NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AMBIENTE TÉRMICO EM SALA DE AULA INFLUÊNCIA NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Mário Talaia (1) e Marta Silva (2) (1) Departamento de Física, Centro de Investigação CIDTFF, Universidade de Aveiro Campus

Leia mais

Ergonomia no Trabalho: Produzindo com Conforto

Ergonomia no Trabalho: Produzindo com Conforto Ergonomia no Trabalho: Produzindo com Conforto Exigência Legal Norma Regulamentadora nº 17 NR 17 Portaria MTPS nº 3.751, de 23 de novembro de 1990 17.1.2. Para avaliar a adaptação das condições de trabalho

Leia mais

ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMICO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP

ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMICO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP Nedel, A. 1 ; Gonçalves, F. L. T. 1 ; Cardoso M.R.A 2 ; Equipe do Projeto Chiado 2 RESUMO: Este estudo teve por objetivo analisar o Conforto

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 APLICAÇÕES DE UM ÍNDICE TÉRMICO UNIVERSAL: TEMPERATURA FISIOLÓGICA EQUIVALENTE Marina F. Seelig, Gisele dos S. Zepka, Paulo R. P. Foster Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas CEP 96010-900,

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO INTERIOR AVALIAÇÃO DE CONFORTO / DESCONFORTO CASO DE ESTUDO

AMBIENTE TÉRMICO INTERIOR AVALIAÇÃO DE CONFORTO / DESCONFORTO CASO DE ESTUDO AMBIENTE TÉRMICO INTERIOR AVALIAÇÃO DE CONFORTO / DESCONFORTO CASO DE ESTUDO Mário A.R. Talaia (1), Helena Simões (2) (1) Departamento de Física, Centro de Investigação CIDTFF, Universidade de Aveiro Campus

Leia mais

MICROCLIMAS E AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO BAIRRO DO CENTRO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA.

MICROCLIMAS E AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO BAIRRO DO CENTRO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA. MICROCLIMAS E AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO BAIRRO DO CENTRO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA. Resumo Natieli Tenório da Silva UFPB natielitenorio@hotmail.com Diego Cezar da Silva Monteiro UFPB diegomonteirogeo@hotmail.com

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT

APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT Nome do autor(a): Livia Kálita Barbosa Amorim Nome do Orientador: Mariela Cristina Ayres de Oliveira Aluno do Curso de

Leia mais

Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS. Queixas das condições térmicas de trabalho

Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS. Queixas das condições térmicas de trabalho Temperatura Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Posição do problema Queixas das condições térmicas de trabalho siderurgia outros metais minas produção

Leia mais

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13 15.575 Desempenho Térmico O Que a Norma exige? 15575-1 Item 11 Desempenho Térmico 11.1 Generalidades: atender às exigências de desempenho térmico (ZB) a) Procedimento 1 simplificado b) Procedimento 2 medição

Leia mais

DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR

DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR CURSO BÁSICO B DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR MECANISMOS DE TROCA TÉRMICA CONDUÇÃO CONTATO ENTRE DOIS CORPOS CONVECÇÃO CONTATO ENTRE DOIS CORPOS SENDO UM FLUIDO RADIAÇÃO EMISSÃO DE

Leia mais

Avaliação do índice de desconforto térmico humano e sensação térmica para as cinco regiões brasileiras em período de El Niño Oscilação-Sul (ENOS)

Avaliação do índice de desconforto térmico humano e sensação térmica para as cinco regiões brasileiras em período de El Niño Oscilação-Sul (ENOS) VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia, Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology,Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS RESUMO ABSTRACT

DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS RESUMO ABSTRACT DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS Pereira, Natael José¹ Bilesky, Luciano² Discente¹ da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Docente² da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS: AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM PRESIDENTE PRUDENTE SP

ESCOLAS PÚBLICAS: AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM PRESIDENTE PRUDENTE SP ESCOLAS PÚBLICAS: AVALIAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama (1); Carolina Lotufo Bueno Bartholomei (2) (1) Graduanda do curso de Arquitetura e Urbanismo Universidade Estadual

Leia mais

CONFORTO E STRESS TÉRMICO

CONFORTO E STRESS TÉRMICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONFORTO E STRESS TÉRMICO Professor Roberto Lamberts, PhD Atualizações: Prof. Antonio Augusto Xavier Prof. Solange

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

Instituto Politécnico de Viseu

Instituto Politécnico de Viseu Instituto Politécnico de Viseu IPV - ESTGV Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Daniel António Soares Coelho Avaliação do Conforto Térmico em salas de aula Junho de 2014 Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24

2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos 24 Índice Índice de figuras e tabelas 11 Siglas, abreviaturas e unidades 15 Prefácio 17 Capítulo 1 Introdução 19 Capítulo 2 Enquadramento teórico 23 2.1. A variável clima 23 2.1.1. Normais climatológicos

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade I Conceituação. Luiz Leão

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade I Conceituação. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Introdução 1.1 Ergonomia 1.1.1 Ergonomia física e cognitiva 1.2 Usabilidade e Engenharia de Usabilidade 1.3 Interação Humano-Computador. Unidade II

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM UM SHOPPING CENTER EM NATAL/RN COM BASE NA AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM UM SHOPPING CENTER EM NATAL/RN COM BASE NA AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO Curitiba PR Brasil 5 a 7 de novembro de 2003 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO EM UM SHOPPING CENTER EM NATAL/RN COM BASE NA AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO BARBOSA, Luciano C. Bezerra (1); VELOSO, Maísa.

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO ESCOLAR EM ARGAMASSA ARMADA

ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO ESCOLAR EM ARGAMASSA ARMADA ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE PROTÓTIPO ESCOLAR EM ARGAMASSA ARMADA Aglae Maria da Silva Boemeke, Arquiteta Andrea Lúcia Vilella Arruda, Arquiteta Andrea Schuler, Eng Civil Blanca Stela Sabalsagaray,

Leia mais

ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde

ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde Curso: Gestão Hospitalar Disciplina: Arquitetura Hospitalar ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde Professora Ma. Tainá Menezes Belém/PA 2016 ERGONOMIA: Estudo entre homem e

Leia mais

O EFEITO DO SOMBREAMENTO NO CONFORTO TÉRMICO ESTUDO DE CASO: CIDADE DE SÃO PAULO

O EFEITO DO SOMBREAMENTO NO CONFORTO TÉRMICO ESTUDO DE CASO: CIDADE DE SÃO PAULO VI Seminário Latino Americano de Geografia Física O EFEITO DO SOMBREAMENTO NO CONFORTO TÉRMICO ESTUDO DE CASO: CIDADE DE SÃO PAULO Introdução Ana Claudia Carfan 1, Emerson Galvani 2, Jonas Teixeira Nery

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES DISCIPLINA: ECV 5161 DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts,

Leia mais

ANTROPOMETRIA E TEMPERATURA: UM CASE EM UMA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS DE BIOSSEGURANÇA

ANTROPOMETRIA E TEMPERATURA: UM CASE EM UMA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS DE BIOSSEGURANÇA ANTROPOMETRIA E TEMPERATURA: UM CASE EM UMA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS DE BIOSSEGURANÇA FERNANDO HENRIQUE LERMEN (UNESPAR) fernando-lermen@hotmail.com Gustavo de Souza Matias (UNESPAR) gusmatias@gmail.com

Leia mais

ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO PARA ÁREAS EXTERNAS EM CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE

ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO PARA ÁREAS EXTERNAS EM CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO PARA ÁREAS EXTERNAS EM CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE Moreno, Mayra de M.; Noguchi, Eliza; Labaki, Lucila C. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo FEC UNICAMP, Avenida

Leia mais

2. OBJETIVO 3. MÉTODO Levantamento dos dados Tratamento dos dados

2. OBJETIVO 3. MÉTODO Levantamento dos dados Tratamento dos dados INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E FREQUÊNCIA DE ATIVIDADES FÍSICAS NO CONFORTO TÉRMICO HUMANO EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS LOCALIZADAS EM FLORIANÓPOLIS Matheus de Cezaro Menegatti (1); Ricardo Forgiarini

Leia mais

Avaliação de conforto térmico em ambientes cirúrgicos utilizando método de Fanger e temperaturas equivalentes

Avaliação de conforto térmico em ambientes cirúrgicos utilizando método de Fanger e temperaturas equivalentes Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Departamento de Mecânica - EP/PME Artigos e Materiais de Revistas Científicas - EP/PME 2010 Avaliação de conforto térmico em

Leia mais

COMO PREVER O ISOLAMENTO TÉRMICO DE VESTUÁRIO COM BASE NA SENSAÇÃO DE CONFORTO NUM AMBIENTE TÉRMICO

COMO PREVER O ISOLAMENTO TÉRMICO DE VESTUÁRIO COM BASE NA SENSAÇÃO DE CONFORTO NUM AMBIENTE TÉRMICO Proceedings CLME2017/VCEM 8º Congresso Luso-Moçambicano de Engenharia / V Congresso de Engenharia de Moçambique Maputo, 4-8 Setembro 2017; Ed: J.F. Silva Gomes et al.; Publ: INEGI/FEUP (2017) ARTIGO REF:

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina A - Acústica Arquitetônica

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina A - Acústica Arquitetônica Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003736A - Acústica Arquitetônica Docente(s) João Roberto Gomes de Faria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais