AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO"

Transcrição

1 I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO julho 2004, São Paulo. ISBN RESUMO AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO: UMA EXPERIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO Gouvêa, T.C.(1); Labaki, L.C.(2); Maia, P.A. (3); Ruas, A.C. (4) (1) UNICAMP, (2) UNICAMP, (3) FUNDACENTRO, (4) FUNDACENTRO, No Brasil as informações técnicas sobre o conforto térmico são escassas e como não dispomos de normas sobre esse assunto as avaliações têm que ser baseadas em normas e procedimentos desenvolvidos em outros países cuja situação térmica ambiental, vestimenta e suscetibilidade às variáveis ambientais podem ser diferentes das de nosso país. Este trabalho apresenta resultados parciais de uma pesquisa que visa levantar subsídios que colaborem para a análise da aplicação do VME como modelo de avaliação de conforto térmico em ambientes de trabalho brasileiros. Assim, foram coletados através de um questionário, informações sobre a sensação térmica, vestimenta e atividade dos trabalhadores, enquanto media-se a velocidade do ar e as temperaturas de bulbo seco, bulbo úmido e de globo. Com os dados coletados foi possível, utilizando o software Conforto 2.02, estimar o isolamento das vestimentas, as taxas de metabolismo e calcular a temperatura radiante média, a umidade relativa e o Voto Médio Estimado (VME). O VME foi comparado com a sensação térmica apurada nos questionários. Palavras-chave: Conforto Térmico, ISO 7730 (1994), Voto Médio Estimado (VME) 1. INTRODUÇÃO Conforto é uma palavra que pertence ao senso comum: a maioria das pessoas tem uma noção do que é, entendem do que se trata. Segundo o dicionário da Língua Portuguesa, FERREIRA (1999), o conforto é a comodidade ou a sensação de bem-estar físico. Na prática, o conforto costuma ser definido como a ausência de sensações desagradáveis. Como muitas são as sensações corporais, diversos são também os tipos de conforto. Há o conforto acústico, o lumínico, o visual, e outros, embora todos possam influenciar na satisfação com relação aos locais de trabalho, aqui focalizaremos o conforto térmico. A necessidade de se conhecer a sensação térmica experimentada pelas pessoas quando expostas a determinadas combinações de variáveis ambientais (temperatura radiante média, velocidade relativa, umidade relativa e temperatura do ar) e pessoais (vestimenta e taxa de metabolismo) levou ao desenvolvimento de índices que possibilitam avaliar a situação de conforto térmico de um ambiente, bem como obter subsídios para melhor adequá-lo às necessidades humanas. O método mais conhecido e amplamente aceito para a avaliação do conforto térmico é o Predicted Mean Vote (PMV) ou Voto Médio Estimado (VME) desenvolvido pelo professor dinamarquês Ole Fanger e publicado em Fanger (1970), razão pela qual foi adotado como base para o desenvolvimento de uma norma internacional que especifica condições de conforto térmico para ambientes termicamente moderados, a ISO 7730 (1984), e para sua atualização em Até o momento, não dispomos de norma sobre esse tipo de avaliação. Sendo assim, as avaliações aqui realizadas têm que ser baseadas em normas desenvolvidas em outros países, cuja situação térmica ambiental, vestimenta e suscetibilidade às variáveis ambientais podem ser diferentes das nossas.

2 ARAÚJO (1996) avaliou o conforto térmico de edificações escolares no litoral nordestino brasileiro com o objetivo de determinar parâmetros das variáveis ambientais que propiciam o conforto térmico aos alunos e confrontar esses parâmetros com o índice de temperatura efetiva, com zonas de conforto térmico e com o método proposto por FANGER (1970). GONÇALVES (2000) objetivou comparar os intervalos de conforto térmico encontrados na literatura com os obtidos em pesquisa de campo com população universitária da região metropolitana de Belo Horizonte. O estudo de XAVIER (2000) analisou ambientes escolares e de escritórios de Florianópolis, Brasília e Recife. Em se tratando de pesquisa em ambiente industrial, o único trabalho encontrado foi o de HACKENBERG (2000) que avaliou a sensação térmica de trabalhadores, tanto em edificações com ventilação natural como em prédios com ventilação mecânica, em regiões climáticas diferentes (Joinvile-SC e Campinas-SP). O trabalho também objetivou verificar a influência das variáveis ambientais e pessoais nas respostas dos trabalhadores e a aplicabilidade dos questionários da ISO (1995) em cultura diferente da que lhe deu origem. Dessa forma, este trabalho apresenta resultados parciais de uma pesquisa que objetiva principalmente levantar subsídios que colaborem para a análise da aplicação do modelo do Voto Médio Estimado da norma ISO 7730 (1994) para avaliação de conforto térmico em ambientes de trabalho no Brasil. Para isso foi desenvolvida pesquisa de campo em indústrias de confecção da região de Amparo-SP. As variáveis ambientais assim como as variáveis pessoais foram medidas e estimadas respectivamente com o auxílio de normas ISO. Concomitantemente a essas medições e estimativas foi aplicado um questionário sobre a sensação de conforto térmico da população pesquisada, conforme ISO (1995). 2. METODOLOGIA 2.1. Delimitação do campo da pesquisa O trabalho foi desenvolvido em sete indústrias do ramo de confecção infantil, localizadas na cidade de Amparo/SP. A cidade de Amparo está localizada à noroeste da cidade de São Paulo. O clima oficial da cidade é Tropical de Altitude e é considerado um dos mais estáveis do Brasil. A temperatura média é 24 ºC sendo o período mais seco no mês de agosto e o período de maior precipitação de chuvas em fevereiro. As empresas escolhidas eram micro e pequenas, utilizavam sistemas produtivos compostos pelos mesmos equipamentos e atividades. As tarefas realizadas pelos trabalhadores praticamente não variavam durante um dia de trabalho o que diminuiu a incerteza no estabelecimento das taxas de metabolismo. Foram coletados, até o momento, 413 grupos de dados compostos pelas medições das variáveis ambientais, sensação térmica dos trabalhadores e informações para a estimativa das variáveis pessoais Variáveis que influenciam o conforto térmico das pessoas e a metodologia utilizada para determiná-las O conforto térmico depende do grau de atuação do sistema termorregulador para que a temperatura interna do corpo seja mantida. Assim, é necessário que se conheça os fatores que atuam nos processos de trocas de calor entre o corpo e o ambiente, já que esses exercem influência sobre o sistema termorregulador e conseqüentemente sobre a sensação térmica. Somente para efeito de classificação, as variáveis que influenciam no conforto térmico podem ser reunidas em dois grupos: o das variáveis ambientais e o das variáveis pessoais. As variáveis ambientais são às referentes às condições termo-climáticas do ambiente pesquisado. Para os estudos de conforto térmico são, segundo a norma internacional ISO 7730 (1994) as variáveis apontadas por FANGER (1970), ou seja, a temperatura radiante média, a velocidade relativa, a umidade relativa e a temperatura do ar. A temperatura do ar é uma variável utilizada pela grande maioria dos índices de conforto térmico, constituindo um primeiro parâmetro de análise da condição térmica do ambiente.

3 A velocidade relativa, dentro do contexto de conforto térmico, está mais especificamente relacionada com as trocas térmicas entre o corpo e o ambiente por convecção e evaporação. Sob condições de calor, o movimento do ar pode ser empregado para reduzir o desconforto térmico. Por outro lado, em função da temperatura ambiente haverá um determinado valor de velocidade do ar em que poderá se iniciar a produção de desconforto (corrente de ar) através de um resfriamento localizado. Dentre as variáveis ambientais que exercem influência sobre o conforto térmico, existem aquelas como a umidade relativa e a temperatura radiante média que para serem obtidas dependem de rotinas de cálculo a partir de parâmetros medidos diretamente. Nesse trabalho, para obter as variáveis anteriormente mencionadas, foram utilizados os seguintes equipamentos: - psicrômetro da marca Wilh.Lambrecht KG Göttingen, com faixa de medição entre 0 ºC e 60 ºC, e resolução de 0,2 ºC; - termômetro de globo, constituído por uma esfera oca de cobre de aproximadamente 1 mm de espessura e diâmetro de 152,4 mm, pintada externamente de preto fosco e com uma emissividade de 0,95. Junto à essa esfera é acoplado e vedado, por meio de uma rolha cônica de borracha, um termômetro de mercúrio com escala de +10 ºC a +120 ºC, com subdivisões de 0,2 ºC ou menores, e exatidão de ± 0,5 ºC. - termoanemômetro de fio quente da marca Alnor, modelo 8565 T/A. As variáveis pessoais são aquelas características de cada pessoa e para os estudos de conforto são a taxa de metabolismo representativa da atividade física da pessoa e o isolamento térmico da roupa que ela utiliza. Essas variáveis foram obtidas simultaneamente às medidas das variáveis ambientais. Para isso, foi aplicado um questionário bem como observados todos os outros fatores que poderiam influenciar nas medições ou nas respostas dos trabalhadores da população avaliada. Nos questionários foram obtidas informações pessoais como idade, sexo, altura, peso, sensação térmica (através de escala de 7 pontos) e os itens de vestimenta que compunham a roupa. Foram também levantadas as atividades exercidas no ciclo de trabalho executado por cada trabalhador entrevistado. Cada atividade foi analisada individualmente, conforme mostra a Tabela 1, chegando-se a um valor médio de taxa metabólica de acordo com os preceitos e valores referenciais da norma ISO 8990 (1990). O isolamento térmico das vestimentas foi estabelecido de acordo com a norma ISO 9920 (1995). Tabela 1 Determinação do metabolismo para as diversas atividades Atividade Mãos/braços/tronco/pernas Metabolismo Postura Metabolismo Corte de tecido Trabalho leve com um braço Homem/mulher Em pé 1,75 Corte de viez Trabalho manual moderado Homem/mulher Sentado 1,40 Costura Trabalho manual moderado Homem/mulher Sentado 1,40 Embalagem Trabalho manual leve Homem/mulher Em pé 1,40 Estampagem Trabalho manual moderado Homem/mulher Em pé 1,65 Prega de botão Trabalho manual moderado Homem/mulher Sentado 1, Medições de campo As medições de campo foram realizadas em vários dias ao longo do período de setembro de 2002 a novembro de Ao iniciar as medições, explica-se ao funcionário os objetivos da pesquisa bem como os procedimentos a serem adotados. As medições são sempre realizadas após pelo menos uma hora de permanência dos funcionários em suas respectivas funções e após a estabilização dos equipamentos no ponto em questão.

4 Para as medições os equipamentos eram colocados em suportes (tripés) que permitiam sua fixação a uma altura de 1,10 m do piso. A escolha dos pontos de medição foi feita de forma a registrar-se as diferentes combinações das variáveis ambientais existentes na área ocupada. O processo de coleta de dados em cada ponto foi feito aplicando-se individualmente o questionário enquanto simultaneamente eram executadas as leituras dos equipamentos. Para o cálculo da temperatura radiante média, umidade relativa, VME e Porcentagem Estimada de Insatisfeitos (PEI), bem como para a estimativa do isolamento térmico das vestimentas e da taxa de metabolismo foi usado o software Conforto 2.02 (RUAS, 2002). O VME obtido do software foi comparado com a sensação térmica extraída dos questionários. 3. RESULTADOS 3.1. Caracterização da população avaliada De acordo com os dados obtidos em campo até o momento, a amostra total pesquisada possui idade média de 25 anos (desvio padrão 8,14), estatura média de 1,62m (desvio padrão 0,06) e massa corporal média de 58,46Kg (desvio padrão 10,52). Já em relação à variável sexo, os resultados mostraram que 91,5% da população avaliada foi do sexo feminino Caracterização das variáveis pessoais e ambientais para a população avaliada Como o efeito combinado das variáveis de natureza ambiental e pessoal é o que determina a sensação de conforto ou desconforto térmico, convém aqui caracterizar tais variáveis para as 413 avaliações realizadas. Dentre as atividades encontradas nas confecções é possível observar da Figura 1 que a costura foi predominante. Ainda para a população avaliada, o valor médio dos isolamentos térmicos das vestimentas encontradas, segundo a Figura 2, foi de 0,66 clo (desvio padrão 0,21). Distribuição das Atividades 32,0% Embalagem Estampagem Corte Corte Viez Prega Botão Costura 51,1% 3,6% 1,5% 5,8% 6,1% Figura 1 Distribuição das atividades encontradas nas confecções

5 Distribuição da Frequência dos Isolamentos Térmicos das Vestimentas 20,6% 22,5% 14,0% 12,6% 0,0% 0,0% 2,9% 7,0% 7,0% 5,8% 5,8% 1,5% 0,0% 0,2% De 0,0 a 0,1 De 0,1 a 0,2 De 0,2 a 0,3 De 0,3 a 0,4 De 0,4 a 0,5 De 0,5 a 0,6 De 0,6 a 0,7 De 0,7 a 0,8 De 0,8 a 0,9 De 0,9 a 1,0 De 1,0 a 1,1 De 1,1 a 1,2 De 1,2 a 1,3 De 1,3 a 1,4 Isolamento Térmico da Vestimenta (clo) Figura 2 Caracterização do isolamento térmico da vestimenta utilizada pelas pessoas avaliadas Em termos de variáveis ambientais, durante os dias em que as medições foram realizadas, a temperatura do ar teve um valor médio de 23,86 ºC (desvio padrão 1,81), a umidade relativa média esteve próxima a 50% (desvio padrão 9,02), a velocidade do ar não atingiu valores significativos permanecendo em torno de 0,03 m/s e a temperatura radiante média por volta de 24,46 ºC (desvio padrão 2,02) Análises relativas aos votos de sensação térmica e o VME Os votos de sensação extraídos dos questionários e os correspondentes VME calculados foram separados em função dos votos de sensação e posteriormente os VME de cada grupo foram subdivididos em intervalos de 0,5. Isso pode ser visto nas Figuras de 3 a 6. Para a análise comparativa entre os votos de sensação térmica e os VME calculados, optou-se por estabelecer uma tolerância de ± 0,5 nos votos extraídos dos questionários. Isso representa a seguinte correspondência: Voto 0-0,5 VME 0,5 Voto 1 0,5 < VME 1,5 Voto 2 1,5 < VME 2,5 Voto 3 2,5 < VME 3 Voto 1-1,5 VME < -0,5 Isso foi feito porque os VME calculados variam numa escala contínua de 3 a +3 com precisão centesimal enquanto que a escala de questionamento tem variação unitária. Uma outra razão é que não se pode esperar uniformidade de interpretação da escala de sensações térmicas de uma amostra composta por trabalhadores que conheceram essa escala e receberam orientação quanto ao seu uso, somente quando do questionamento individual realizado pelo pesquisador. Assim, adotou-se uma tolerância de 0,5 que corresponde à metade da subdivisão da escala de questionamento.

6 Voto de Sensação Térmica : 0 Amostra: 205 dados 46,34% 31,22% -1,0<=VME<-0,5-0,5<=VME<0 VME=0 0<VME<=0,5 0,5<VME<=1,0 1,0<VME<=1,5 18,05% 2,44% 0,49% 1,46% Figura 3 Variação do VME para o voto de sensação 0 (nem calor nem frio) obtido dos questionários A Figura 3 representa a população cujo voto de sensação térmica foi igual a 0, ou seja, os indivíduos sentiam-se na neutralidade (nem calor nem frio, segundo o questionário), considerando-se a correspondência desse voto ao intervalo -0,5 VME 0,5, pode-se verificar que 64,88% dos VME calculados estão nesse intervalo. Foi ainda encontrado para as pessoas que se diziam na neutralidade, 31,22% dos VME calculados no intervalo de 0,5 < VME l (leve sensação de calor). A população cujo voto de sensação térmica foi de 1 e que corresponde a indivíduos com uma leve sensação de calor está apresentada na Figura 4. Dos VME calculados para essa população, 55,84% pertenciam ao intervalo de 0,5 < VME 1,5, correspondentes a esse voto. Encontrou-se também 34,42% de VME no intervalo 0<VME 0,5. Voto de Sensação Térmica: 1 Amostra: 154 dados 34,42% 46,10% -0,5<=VME<0 VME=0 0<VME<=0,5 0,5<VME<=1,0 1,0<VME<=1,5 1,5<VME<=2,0 9,09% 9,74% 0,00% 0,65% Figura 4 - Variação do VME para o voto de sensação 1 (leve sensação de calor) obtido dos questionários A Figura 5 representa a população cujo voto de sensação térmica foi igual a -1, ou seja, os indivíduos sentiam uma leve sensação de frio, considerando-se a correspondência desse voto ao intervalo -1,5 VME < -0,5, pode-se verificar que nenhum dos VME calculados estão nesse intervalo. Porém, foi encontrado para essas pessoas, que diziam sentir uma leve sensação de frio, 81,58% dos VME calculados no intervalo de 0,5 VME 0,5 (neutralidade).

7 Voto de Sensação Térmica: -1 Amostra: 38 dados 28,95% 47,37% -1,0<=VME<-0,5-0,5<=VME<0 VME=0 0<VME<=0,5 0,5<VME<=1,0 18,42% 0,00% 5,26% Figura 5 - Variação do VME para o voto de sensação -1 (leve sensação de frio) obtido dos questionários Para os votos de sensação térmica iguais a 2 (calor) apresentados na Figura 6, dos VME calculados para essa população, 13,33% pertenciam ao intervalo de 1,5 < VME 2,5, correspondentes a esse voto. Encontrou-se também 13,33% de VME no intervalo 0,5 < VME 1 e, a grande maioria, ou seja, 66,67% de VME calculados no intervalo de 1< VME 1,5. Voto de Sensação Térmica: 2 Amostra: 14 dados 66,67% -1,0<=VME<-0,5-0,5<=VME<0 0,5<VME<=1,0 1,0<VME<=1,5 1,5<VME<=2,0 2,0<VME<=2,5 13,33% 13,33% 6,67% 0,00% 0,00% Figura 6 - Variação do VME para o voto de sensação 2 (calor) obtido dos questionários 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O pequeno número de dados disponíveis até o momento, especialmente para os votos de sensação 1 e +2 (figuras 5 e 6), não permitem nenhuma análise conclusiva sobre a comparação entre os votos de sensação e os VME calculados, no entanto é possível fazer as seguintes considerações: - Para os votos 0 e +1, figuras 3 e 4, que se dispõe de amostra razoável, 205 e 154 dados, pode- se verificar uma concordância relativa entre os intervalos representativos desses votos e os VME calculados, 64,9% e 55,8% respectivamente, contudo para o voto 0 obteve-se 31,2% dos VME calculados no intervalo 0,5 < VME l o que poderia sugerir uma maior tolerância dos trabalhadores ao calor do que estabelece o VME; - A hipótese mencionada no item anterior não se confirma no voto 1, no qual se constatou 34,4% dos VME calculados no intervalo 0<VME 0,5 o que representaria menor tolerância ao calor do que determina o VME.

8 Tendo em vista que o trabalho foi realizado em campo, onde as variáveis ambientais, pessoais, assim como a interpretação da escala de sensações por parte dos indivíduos questionados são fatores que não podem ser controlados, a origem das divergências encontradas na comparação entre a sensação térmica obtida através de questionário e os VME calculados, pode ser função da combinação de fatores como os seguintes: - Os VME calculados variam numa escala contínua de 3 a +3 com precisão centesimal enquanto que a escala de questionamento tem variação unitária. Além disso, não se pode esperar dos trabalhadores uniformidade de interpretação da escala de sensações térmicas uma vez que eles somente tiveram contato com a mesma no momento do questionamento; - A inexistência de informações sobre taxas de metabolismo do trabalhador brasileiro e sobre isolamento térmico das roupas por eles utilizadas, faz com que a estimativa desses fatores a partir de valores referenciais obtidos em outros países seja uma fonte potencial de erros, tendo em vista a importância deles no cálculo do VME. O desenvolvimento de pesquisas brasileiras sobre esses fatores seria uma contribuição importante para os estudos de conforto térmico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, V.M.D. Parâmetros de conforto térmico para usuários de edificações escolares no litoral nordestino brasileiro. 179p. Tese (Doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.1996 FANGER, O. Thermal Comfort Analysis and Application in Environmental Engineering. Copenhagen, p. FERREIRA, A.B.H. Aurélio Século XXI. O dicionário da Língua Portuguesa. 3ª edição, GONÇALVES, W.B. Estudo de índices de conforto térmico, avaliados com base em população universitária na região metropolitana de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Minas Gerais HACKENBERG, A.M. Conforto e stress térmico em indústrias: pesquisas efetuadas nas regiões de Joinville, SC e Campinas, SP. 265p. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 7730; Moderate thermal environments Determination of the PMV and PPD indices and specification of the conditions for thermal comfort. Geneva, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 7730; Moderate thermal environments Determination of the PMV and PPD indices and specification of the conditions for thermal comfort. Geneva, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 8996; ergonomicsdetermination of metabolic heat prodution. Geneva, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 9920; ergonomicsestimation of the thermal insulation and evaporative resistance of a clothing ensemble. Geneva, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 10551; assessment of the influence of the thermal environment using subjective judgement scales. Geneva, (1995). RUAS, A.C. Sistematização da avaliação de conforto térmico em ambientes edificados e sua aplicação num software. 183 p. Tese (Doutorado). Faculdade de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Campinas, XAVIER, A.A.P. Predição de conforto térmico em ambientes internos com atividades sedentárias Teoria física aliada a estudos de campo. 251p. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina.2000.

9 AGRADECIMENTOS À FAPESP, pela bolsa de Mestrado para Tatiana Chrispim Gouvêa. À FUNDACENTRO pelo apoio técnico nos trabalhos de campo, sempre presente.

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA

ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EXATAS ( )HUMANAS ( )VIDA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÁREA DO CONHECIMENTO: (x) EATAS ( )HUMANAS ( )VIDA PROGRAMA: () PIBIC ( ) PIVIC Título

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Ivan Sanchez Malo Rossiti (1); Léa Cristina Lucas de Souza (2) (1) Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, e-mail:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO PRÁTICA DAS NORMAS INTERNACIONAIS NA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO

CONTRIBUIÇÃO À APLICAÇÃO PRÁTICA DAS NORMAS INTERNACIONAIS NA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO Contribuição à aplicação prática das normas internacionais na avaliação do conforto térmico Ensino e Pesquisa A. C. Ruas, L. C. Labaki normas internacionais, conforto térmico, temperatura, velocidade relativa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE TÉRMICO DE COZINHAS E RESTAURANTES INDUSTRIAIS EM PIRACICABA-SP

AVALIAÇÃO DO AMBIENTE TÉRMICO DE COZINHAS E RESTAURANTES INDUSTRIAIS EM PIRACICABA-SP AVALIAÇÃO DO AMBIENTE TÉRMICO DE COZINHAS E RESTAURANTES INDUSTRIAIS EM PIRACICABA-SP SILVA, KÊNIA O. 1, LABAKI, LUCILA C. 2 1 2 UNICAMP,Av. Café, 755 apto 32 bloco B,Piracicaba-SP,CEP:13401-090 Tel:(19)9151-5009,

Leia mais

RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO.

RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO. RELACIONAMENTO ENTRE SENSAÇÕES TÉRMICAS E PERCENTAGEM DE PESSOAS INSATISFEITAS COM O AMBIENTE EM ESTUDOS DE CAMPO. Xavier, Antonio A. P.¹; Lamberts, Roberto² ; Volpato, Cleber G.³ 1-Eng. Civil, M.Eng.

Leia mais

EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto?

EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto? 1 Conforto Térmico EXPOSIÇÃO AO CALOR: Sobrecarga ou Conforto? Renato Martins Palierini renato@twabrasil.com.br DOMÍNIO CONCEITUAL NECESSÁRIO 2 Mecanismos de troca térmica Taxa metabólica e dispêndio energético

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO URBANO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO URBANO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO URBANO DE JOÃO PESSOA-PB Natieli Tenório da Silva 1, 2, Diego Monteiro da Silva 1, José Fernandes de Souza Filho 1, Marcelo de Oliveira Moura 1 Universidade Federal

Leia mais

PMV, PET E SET* VERSUS VOTO DAS PESSOAS

PMV, PET E SET* VERSUS VOTO DAS PESSOAS PMV, PET E SET* VERSUS VOTO DAS PESSOAS Larissa Patricio da Silva 1, Liliane Flávia Guimarães da Silva 2 1 Estudante do curso técnico integrado ao médio em Administração - IFTO. Bolsista ICJ/IFTO. e-mail:

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA Lígia Parreira Muniz (1) ; Claudia Cotrim Pezzuto (2) (1) Graduanda da Faculdade de Engenharia Civil, PUC Campinas, e-mail: lpm_max@hotmail.com

Leia mais

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 1: índice de calor

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 1: índice de calor VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia,Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology, Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO A AMBIENTES TÉRMICOS QUENTES (CALOR) 2 DESCRIÇÃO A existência de calor no ambiente de trabalho constitui frequentemente uma fonte de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES

AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 AVALIAÇÃO DA SENSAÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO DOS USUÁRIOS DE UMA QUADRA POLIESPORTIVA EM UMA IES Lucas Carvalho de Oliveira (UFPB ) lucascarvalhodeoliveira@hotmailcom

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO SHOPPING INDEPENDÊNCIA, SANTA MARIA, RS 1 EVALUATION OF THE THERMAL COMFORT AT INDEPENDENCE MALL IN SANTA MARIA, RS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO SHOPPING INDEPENDÊNCIA, SANTA MARIA, RS 1 EVALUATION OF THE THERMAL COMFORT AT INDEPENDENCE MALL IN SANTA MARIA, RS Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 69-79, 2012. Recebido em: 09.03.2012. Aprovado em: 18.10.2012. ISSN 2176-462X AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO

Leia mais

APLICAÇÃO DO UTCI E TE COM O VOTO REAL

APLICAÇÃO DO UTCI E TE COM O VOTO REAL APLICAÇÃO DO UTCI E TE COM O VOTO REAL Francielle Parlandrino Pereira 1, Liliane Flávia Guimarães da Silva 2 1 Estudante do curso técnico integrado ao médio em Administração - IFTO. Bolsista ICJ/IFTO.

Leia mais

DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR

DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR CURSO BÁSICO B DE HIGIENE INDUSTRIAL EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR MECANISMOS DE TROCA TÉRMICA CONDUÇÃO CONTATO ENTRE DOIS CORPOS CONVECÇÃO CONTATO ENTRE DOIS CORPOS SENDO UM FLUIDO RADIAÇÃO EMISSÃO DE

Leia mais

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO

EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO EQUILIBRIO TÉRMICO ENTRE O HOMEM E O MEIO Conforto térmico conforto térmico de um ambiente pode ser definido como a sensação de bem-estar experimentada por uma e/ou pela maioria das pessoas. Está relacionada

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA João Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016 AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA SALA DE AULA Sara Virginia Ornilo Correia (UFPB ) saracorreiav@hotmailcom MATEUS MARCELINO DA SILVA (UFPB ) mateusmarcelinos@hotmailcom

Leia mais

Conforto Térmico e Bioclimatologia

Conforto Térmico e Bioclimatologia Conforto Térmico e Bioclimatologia Introdução ao Conforto Térmico A importância do estudo de conforto térmico está baseada principalmente em 3 fatores: A satisfação do homem ou seu bem estar em se sentir

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + humanas + ambientais + outras + modelos + normas estrutura variáveis cálculo 2 definição conforto térmico é o

Leia mais

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA

QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA QUALIDADE TÉRMICA AMBIENTAL EM SALAS DE AULA Celestino Rodrigues Ruivo Armando Costa Inverno António Hugo Lamarão Área Eng. Mecânica EST/UAlg Resumo A qualidade ambiental nos espaços interiores dos edifícios

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA DA UFERSA CAMPUS CARAÚBAS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA DA UFERSA CAMPUS CARAÚBAS Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu -PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DO CENTRO

Leia mais

Lucas Monteiro Pereira [PIBIC/ UTFPR] 1, Antônio Augusto de Paula Xavier [Orientador] 2, Bruna Angela Antonelli[Colaborador] 3

Lucas Monteiro Pereira [PIBIC/ UTFPR] 1, Antônio Augusto de Paula Xavier [Orientador] 2, Bruna Angela Antonelli[Colaborador] 3 AVALIAR O EFEITO DA VARIÁVEL TAXA METABÓLICA NA SENSAÇÃO TÉRMICA DE FUNCIONÁRIOS DA INDÚSTRIA Lucas Monteiro Pereira [PIBIC/ UTFPR] 1, Antônio Augusto de Paula Xavier [Orientador] 2, Bruna Angela Antonelli[Colaborador]

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE UM MODELO TEÓRICO E A SENSAÇÃO TÉRMICA DECLARADA POR TRABALHADORES EM AMBIENTES COM VDT Resumo Luiz Bueno da Silva Universidade Federal da Paraíba e Centro Universitário de João

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA ACADEMIA DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA ACADEMIA DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA ACADEMIA DE ATIVIDADES FÍSICAS: UM ESTUDO DE CASO 1. INTRODUÇÃO ANDRÉ LUIZ SOARES VIVIAN MACHADO ANTONIO AUGUSTO DE PAULA XAVIER Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

MICHAEL DE CARVALHO FONSECA CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MICHAEL DE CARVALHO FONSECA CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA MICHAEL DE CARVALHO FONSECA CONFORTO TÉRMICO EM ESCRITÓRIOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

ANALYSIS CST. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis

ANALYSIS CST. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis ANALYSIS CST Pesquisadora: Karen Carrer Ruman de Bortoli (karencrbortoli@gmail.com) Orientadora: Rita de Cássia Pereira Saramago

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS TAXAS METABÓLICAS NO CONFORTO TÉRMICO DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE FLORIANÓPOLIS

INFLUÊNCIA DAS TAXAS METABÓLICAS NO CONFORTO TÉRMICO DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE FLORIANÓPOLIS INFLUÊNCIA DAS TAXAS METABÓLICAS NO CONFORTO TÉRMICO DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE FLORIANÓPOLIS Lizandra G. Lupi VERGARA, Roberto LAMBERTS LabEEE Laboratório de Eficiência

Leia mais

ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE

ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE ÍNDICES PMV E PPD NA DEFINIÇÃO DA PERFORMANCE DE UM AMBIENTE Helena Simões e Mário Talaia Desde os tempos mais remotos diversos estudos têm indicado que existem relações entre a saúde pública e o clima

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA.

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA. ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO DIURNO EM ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNÍCIPIO DE BRAGANÇA-PA. Ronaldo da Silva Rodrigues¹; Antonio Carlos Lôla da Costa²; Bruno Takeshi Tanaka Portela³; Paulo Henrique Lopes Gonçalves

Leia mais

Como estudar o o tempo?

Como estudar o o tempo? Clima e tempo Como estudar o o tempo? É preciso observar os tipos de tempo. Realiza-se a medição dos elementos climáticos, ou seja, das características do tempo. Analisa-se os fatores climáticos, ou seja,

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S TR A U

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Prof. Dr. Fernando Cremonesi, Profa. Dra. Roberta Kronka, Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro, Prof.

Leia mais

Avaliação do índice de desconforto térmico humano e sensação térmica para as cinco regiões brasileiras em período de El Niño Oscilação-Sul (ENOS)

Avaliação do índice de desconforto térmico humano e sensação térmica para as cinco regiões brasileiras em período de El Niño Oscilação-Sul (ENOS) VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia, Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology,Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais

Como estudar o o tempo?

Como estudar o o tempo? Clima e tempo Como estudar o o tempo? É preciso observar os tipos de tempo. Realiza-se a medição dos elementos climáticos, ou seja, das características do tempo. Analisa-se os fatores climáticos, ou seja,

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico

Desempenho Térmico de edificações Aula 2: Conforto Térmico Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + definição + importância + termoregulação + trocas térmicas + humanas + ambientais + outras + medição + cálculos

Leia mais

MODELOS SIMPLIFICADOS PARA CONSIDERAÇÃO DE GRANDEZAS FÍSICAS TÉRMICAS EM ESPAÇOS ABERTOS

MODELOS SIMPLIFICADOS PARA CONSIDERAÇÃO DE GRANDEZAS FÍSICAS TÉRMICAS EM ESPAÇOS ABERTOS MODELOS SIMPLIFICADOS PARA CONSIDERAÇÃO DE GRANDEZAS FÍSICAS TÉRMICAS EM ESPAÇOS ABERTOS Leonardo Marques Monteiro (1) ; Marcia Peinado Alucci (2) (1) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO PARA ÁREAS EXTERNAS EM CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE

ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO PARA ÁREAS EXTERNAS EM CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE ÍNDICE DE CONFORTO TÉRMICO PARA ÁREAS EXTERNAS EM CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE Moreno, Mayra de M.; Noguchi, Eliza; Labaki, Lucila C. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo FEC UNICAMP, Avenida

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA RUA ARBORIZADA COM IPÊ- AMARELO

A PERCEPÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA RUA ARBORIZADA COM IPÊ- AMARELO A PERCEPÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM UMA RUA ARBORIZADA COM IPÊ- AMARELO Angeline Martini (*), Daniela Biondi, Kendra Zamproni * Universidade Federal do Paraná, martini.angeline@gmail.com RESUMO A vegetação

Leia mais

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES

ERGONOMIA. Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES ERGONOMIA AULA 8: O O Ambiente de Trabalho Variáveis ambientais: CALOR RUÍDOS UMIDADE VIBRAÇÕES LUZ CORES Estas condições influenciam o desempenho humano e a saúde dos trabalharores. TEMPERATURA TEMPERATURA

Leia mais

CONFORTO E STRESS TÉRMICO

CONFORTO E STRESS TÉRMICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONFORTO E STRESS TÉRMICO Professor Roberto Lamberts, PhD Atualizações: Prof. Antonio Augusto Xavier Prof. Solange

Leia mais

Esta norma, sob o título geral Desempenho térmico de edificações, tem previsão de conter as seguintes partes:

Esta norma, sob o título geral Desempenho térmico de edificações, tem previsão de conter as seguintes partes: SET 2003 Projeto 02:135.07-001 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, símbolos e unidades Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

Temperatura. Posição do problema. Produção Interna de Calor. Equação do Equilíbrio Térmico. Queixas das condições térmicas de trabalho

Temperatura. Posição do problema. Produção Interna de Calor. Equação do Equilíbrio Térmico. Queixas das condições térmicas de trabalho Posição do problema Temperatura Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Queixas das condições térmicas de trabalho siderurgia outros metais minas produção

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação LUMINOTÉCNICA Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: definir a iluminância em função da tarefa visual; Requisitos Básicos: Projeto de Iluminação Nível de Iluminamento: NBR 5413

Leia mais

O USO DA VEGETAÇÃO COMO COBERTURA EM ESPAÇOS URBANOS ABERTOS: VERIFICAÇÃO COMPARATIVA EXPERIMENTAL DE CONFORTO TÉRMICO

O USO DA VEGETAÇÃO COMO COBERTURA EM ESPAÇOS URBANOS ABERTOS: VERIFICAÇÃO COMPARATIVA EXPERIMENTAL DE CONFORTO TÉRMICO RESUMO O USO DA VEGETAÇÃO COMO COBERTURA EM ESPAÇOS URBANOS ABERTOS: VERIFICAÇÃO COMPARATIVA EXPERIMENTAL DE CONFORTO TÉRMICO Leonardo Marques Monteiro (1); Marcia Peinado Alucci (2) (1) Departamento de

Leia mais

Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso

Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso Universidade de Aveiro Avaliação de Ambiente Interior Estudo de caso Helena Simões e Mário M Talaia Departamento de Física F Universidade de Aveiro II Congresso Internacional e VI Encontro Nacional de

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO CONFORTO TÉRMICO NA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA

ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO CONFORTO TÉRMICO NA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO CONFORTO TÉRMICO NA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ELIAS JOSÉ BELLONI (1) ; ROGERIO PAIVA (2) (1) Engenharia de Segurança do Trabalho

Leia mais

ESTUDO DA SOBRECARGA TÉRMICA EM TENDAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

ESTUDO DA SOBRECARGA TÉRMICA EM TENDAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MARCELO LAUXEN ESTUDO DA SOBRECARGA TÉRMICA EM TENDAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS E PERCEPTIVAS EM AMBIENTES CLIMATIZADOS DE UNIDADES UNIVERSITÁRIAS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS E PERCEPTIVAS EM AMBIENTES CLIMATIZADOS DE UNIDADES UNIVERSITÁRIAS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES TERMOFÍSICAS E PERCEPTIVAS EM AMBIENTES CLIMATIZADOS DE UNIDADES UNIVERSITÁRIAS Thalita Christina Brandão Pereira (UFPB/CNPq) thalitajp@bol.com.br Mariana Fialho Bonates (UFPB/CNPq)

Leia mais

Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto

Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto André. T. C. Guimarães & Júlio C. P. Oliveira Departamento de Materiais e Construção FURG, Rio Grande, RS atcg@mikrus.com.br RESUMO: Este trabalho

Leia mais

SERT ANÁLISE: CONFORTO AMBIENTAL

SERT ANÁLISE: CONFORTO AMBIENTAL SERT ANÁLISE: CONFORTO AMBIENTAL A casa Sert localiza-se na cidade de Cambridge no condado de Middlesex, no estado de Massachusetts, nos Estados Unidos. Encontra-se no Hemisfério Norte, numa latitude de

Leia mais

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES Camila Scheller Márcio José Sorgato Ana Paula Melo Roberto Lamberts Florianópolis, abril de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS. Queixas das condições térmicas de trabalho

Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS. Queixas das condições térmicas de trabalho Temperatura Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Posição do problema Queixas das condições térmicas de trabalho siderurgia outros metais minas produção

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA - RS 1

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA - RS 1 ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA - RS 1 Lucas Carvalho Vier 2, Fábio Augusto Henkes Huppes 3, Joice Moura Da Silva 4, Raissa Francieli Hammes

Leia mais

DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL

DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL DESCONFORTO / STRESS TÉRMICO NO COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL UMA AVALIAÇÃO NUM CASO DE ESTUDO Valente Ferreira 1 e Mário Talaia 1,2 Licenciatura em Segurança Comunitária 1 ISCIA Instituto Superior de Ciências

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG)

ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) ESTUDO DE CASO DA VARIAÇÃO HORÁRIA DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM TERESINA PI NO ANO DE 2009 Raimundo Mainar de Medeiros (UFCG) Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar a variabilidade mensal da

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL

ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL ANÁLISE TEMPORAL DA SENSAÇÃO TÉRMICA NAS CIDADES DE PATOS E SÃO GONÇALO (SOUSA), PARAÍBA, BRASIL Juliete Baraúna dos Santos 1, Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2, Heliofábio Barros Gomes 3, Alaerte da

Leia mais

ESTUDOS DOS EFEITOS DA ILUMINAÇÃO E TEMPERATURA NA AÇÃO HUMANA E SUA RELAÇÃO COM A SENSAÇÃO TÉRMICA SUBJETIVA

ESTUDOS DOS EFEITOS DA ILUMINAÇÃO E TEMPERATURA NA AÇÃO HUMANA E SUA RELAÇÃO COM A SENSAÇÃO TÉRMICA SUBJETIVA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

MICROCLIMAS E AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO BAIRRO DO CENTRO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA.

MICROCLIMAS E AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO BAIRRO DO CENTRO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA. MICROCLIMAS E AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO NO BAIRRO DO CENTRO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA. Resumo Natieli Tenório da Silva UFPB natielitenorio@hotmail.com Diego Cezar da Silva Monteiro UFPB diegomonteirogeo@hotmail.com

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO E DAS VARIÁVEIS CLIMÁTICAS NO NÍVEL DE CONFORTO DOS USUÁRIOS DA PRAÇA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA EM CAMPINAS, SP.

A INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO E DAS VARIÁVEIS CLIMÁTICAS NO NÍVEL DE CONFORTO DOS USUÁRIOS DA PRAÇA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA EM CAMPINAS, SP. A INFLUÊNCIA DA VEGETAÇÃO E DAS VARIÁVEIS CLIMÁTICAS NO NÍVEL DE CONFORTO DOS USUÁRIOS DA PRAÇA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA EM CAMPINAS, SP. Elisabeti T. Barbosa (1); Viviane A. Amo (2); Lucila C. Labaki

Leia mais

CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL. M. L. A. Niemeyer

CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL. M. L. A. Niemeyer CONFORTO HIGROTÉRMICO EM RUAS DO BAIRRO DE SÃO CRISTÓVÃO, RIO DE JANEIRO/ BRASIL M. L. A. Niemeyer RESUMO Em função da crescente inquietação com questões relacionadas ao meio ambiente, o planejamento ambiental,

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO*

IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* IRRIGAÇÃO POR GOTEJO EM MORANGO* ANTONIO FERNANDO OLITTA** KEIGO M I N A M I * * * INTRODUÇÃO O método de irrigação por gotejo foi desenvolvido em termos de uma agricultura intensiva e altamente produtiva,

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO TÉRMICO E DA INÉRCIA TÉRMICA A QUE PROFESSORES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA - PB ESTÃO SUBMETIDOS Daniel Augusto

Leia mais

ESTRATÉGIA. Professeur J. Malchaire. Descrição sucinta da situação de trabalho croquis zonas de trabalho

ESTRATÉGIA. Professeur J. Malchaire. Descrição sucinta da situação de trabalho croquis zonas de trabalho ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃ DS RISCS AMBIENTES TÉRMICS T DE TRABALH Professeur J. Malchaire Unité Hygiène et Physiologie du Travail Université catholique de Louvain ESTRATÉGIA Quando? Como? Custo? Por quem?

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Algoritmos em linguagem R para análises de conforto térmico de acordo com os métodos da ASHRAE Standard 55

RELATÓRIO TÉCNICO. Algoritmos em linguagem R para análises de conforto térmico de acordo com os métodos da ASHRAE Standard 55 RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) Antropometria estática - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais, estando o indivíduo em posição estática; Antropometria dinâmica refere-se

Leia mais

TEMPERATURAS EXTREMAS

TEMPERATURAS EXTREMAS TEMPERATURAS EXTREMAS CALOR E FRIO: - Os efeitos dependem da multiplicidade de fatores ambientais e individuais. - Temperatura do ar, umidade do ar, velocidade do ar, calor radiante, tipo de atividade

Leia mais

PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM CLIMAS TROPICAIS COM REGIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE NORMAS INTERNACIONAIS

PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM CLIMAS TROPICAIS COM REGIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE NORMAS INTERNACIONAIS PREDIÇÃO DE CONFORTO TÉRMICO EM CLIMAS TROPICAIS COM REGIONALIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE NORMAS INTERNACIONAIS Fernando Gustavo Alencar de Albuquerque Lins fernandogustavo@uol.com.br Engº Mecânico e de Segurança

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR Curitiba PR Brasil 5 a 7 de novembro de 2003 AVALIAÇÃO DO CONFORTO E STRESS TÉRMICO EM UMA LAVANDERIA HOSPITALAR João Batista Flesch (1); Paulo Otto Beyer (2) (1) Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Umidade do ar. 23 de maio de 2017

Umidade do ar. 23 de maio de 2017 Umidade do ar 23 de maio de 2017 1 Introdução Umidade do ar é a água na fase de vapor Fontes naturais Superfícies de água, gelo e neve, solo, vegetais e animais Processos físicos Evaporação, condensação

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 APLICAÇÕES DE UM ÍNDICE TÉRMICO UNIVERSAL: TEMPERATURA FISIOLÓGICA EQUIVALENTE Marina F. Seelig, Gisele dos S. Zepka, Paulo R. P. Foster Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas CEP 96010-900,

Leia mais

O conforto humano. O Homem e suas necessidade higrotérmicas

O conforto humano. O Homem e suas necessidade higrotérmicas O conforto humano O Homem e suas necessidade higrotérmicas O que é conforto térmico O conforto térmico é definido como uma condição mental que expressa satisfação com o ambiente térmico circunjacente.

Leia mais

EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO

EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO EMPREGO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS NA ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE PROJETO DE HABITAÇÃO VISANDO O CONFORTO TÉRMICO DO USUÁRIO Adriana Camargo de Brito a, Maria Akutsu a, Arlindo Tribess b a Laboratório

Leia mais

Anexo A (normativo) Dados climáticos de projeto

Anexo A (normativo) Dados climáticos de projeto Anexo A (normativo) Dados climáticos de projeto A.1 Apresentação dos dados Este Anexo estipula, para efeito de dimensionamento do sistema, os dados climáticos de projeto relativos a um dia típico do mês

Leia mais

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Climatização Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Efeitos do Movimento do Ar no Conforto de uma Pessoa Energia Solar Térmica

Leia mais

ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMICO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP

ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMICO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP Nedel, A. 1 ; Gonçalves, F. L. T. 1 ; Cardoso M.R.A 2 ; Equipe do Projeto Chiado 2 RESUMO: Este estudo teve por objetivo analisar o Conforto

Leia mais

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT O ProjetEEE (http://www.projeteee.ufsc.br/) foi desenvolvido a partir do questionamento "Como proporcionar menor consumo energético e maior conforto interno ao usuário". O resultado é uma ferramenta gratuita

Leia mais

COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA

COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DE INSTALAÇÃO RURAL COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA Juliano Fiorelli (1); José Antonio Barroca Morceli (2) (1) Campus Experimental de Dracena

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE

AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE AVALIAÇÃO DE RISCOS DE FADIGA E DE PRODUTIVIDADE EM AMBIENTE TÉRMICO FRIO: CASO DE UMA INDUSTRIA DE PEIXE Isabel Tavares DEGEI, Universidade de Aveiro isabel.tavares@ua.pt Mário Talaia Departamento de

Leia mais

2. OBJETIVO 3. MÉTODO Levantamento dos dados Tratamento dos dados

2. OBJETIVO 3. MÉTODO Levantamento dos dados Tratamento dos dados INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E FREQUÊNCIA DE ATIVIDADES FÍSICAS NO CONFORTO TÉRMICO HUMANO EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS LOCALIZADAS EM FLORIANÓPOLIS Matheus de Cezaro Menegatti (1); Ricardo Forgiarini

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA

GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA GUIA PRÁTICO PARA A UTILIZAÇÃO DAS TABELAS DE ENTALPIA Msc. José Antonio D. Barbosa Filho; Dr. Marco Aurélio N. da Silva; Zoot. Frederico Marcio C. Vieira; Dr. Iran José O. da Silva; Pesquisadores NUPEA/ESALQ/USP

Leia mais

Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor

Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor Graciela Santos Joana Ferreira de Oliveira gra_joana@yahoo.com.br Marluce Teixeira Andrade Queiroz - marluce.queiroz@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO NUMÉRICO DA INFLUÊNCIA DA CONVECÇÃO FORÇADA E USO DE ALETAS PARA TROCA DE CALOR CONVECTIVA

ESTUDO NUMÉRICO DA INFLUÊNCIA DA CONVECÇÃO FORÇADA E USO DE ALETAS PARA TROCA DE CALOR CONVECTIVA ESTUDO NUMÉRICO DA INFLUÊNCIA DA CONVECÇÃO FORÇADA E USO DE ALETAS PARA TROCA DE CALOR CONVECTIVA Luciano Wotikoski Sartori (luciano16sartori@hotmail.com). Aluno de graduação do curso Engenharia Mecânica.

Leia mais

SENSAÇÃO TÉRMICA CONDICIONADA POR PARÂMETROS TERMOHIGROMÉTRICOS E ISOLAMENTO TÉRMICO DO VESTUÁRIO

SENSAÇÃO TÉRMICA CONDICIONADA POR PARÂMETROS TERMOHIGROMÉTRICOS E ISOLAMENTO TÉRMICO DO VESTUÁRIO Proceedings CLME2017/VCEM 8º Congresso Luso-Moçambicano de Engenharia / V Congresso de Engenharia de Moçambique Maputo, 4-8 Setembro 2017; Ed: J.F. Silva Gomes et al.; Publ: INEGI/FEUP (2017) ARTIGO REF:

Leia mais

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário,

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário, 26.(TRT-8/CESPE/2013) A respeito de conforto térmico, assinale a opção correta. A) Em climas secos (desérticos ou semidesérticos), em que a temperatura é elevada, o uso de pouca roupa garante condições

Leia mais

Fatores climáticos. Fatores e elementos climáticos Climas e classificações climáticas. São de ordem: astronômico/meteorológico/geogr.

Fatores climáticos. Fatores e elementos climáticos Climas e classificações climáticas. São de ordem: astronômico/meteorológico/geogr. Fatores e elementos climáticos Climas e classificações climáticas Universidade Estadual de Londrina Departamento de Zootecnia Profa. Dra. Ana Maria Bridi Fatores climáticos São de ordem: astronômico/meteorológico/geogr

Leia mais

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional?

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Como fazer o diagnóstico nutricional? Profa. Raquel Simões Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Adequação da média e mediana (classificação de Gomez) Desvio-padrão (DP) ou escore Z: indica

Leia mais

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE E POROSIDADE DA TIPOLOGIA URBANA NA VENTILAÇÃO EM ÁREA LITORÂNEA E A PERCEPÇÃO DE CONFORTO DO TRANSEUNTE

A INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE E POROSIDADE DA TIPOLOGIA URBANA NA VENTILAÇÃO EM ÁREA LITORÂNEA E A PERCEPÇÃO DE CONFORTO DO TRANSEUNTE A INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE E POROSIDADE DA TIPOLOGIA URBANA NA VENTILAÇÃO EM ÁREA LITORÂNEA E A PERCEPÇÃO DE CONFORTO DO TRANSEUNTE Fabiana Trindade da Silva (1), Patrícia Scarione (2), Cristina Engel

Leia mais

Grandezas, Unidades de. Alex Oliveira. Medida e Escala

Grandezas, Unidades de. Alex Oliveira. Medida e Escala Grandezas, Unidades de Alex Oliveira Medida e Escala Medindo Grandezas Aprendemos desde cedo a medir e comparar grandezas como comprimento; tempo; massa; temperatura; pressão e corrente elétrica. Atualmente,

Leia mais

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Higiene Ocupacional Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Francéli Ferreira (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ALDINEI MARTINS ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO CALOR (TENSÃO TÉRMICA) E CONFORTO TÉRMICO EM AMBIENTES DE TRABALHO

ALDINEI MARTINS ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO CALOR (TENSÃO TÉRMICA) E CONFORTO TÉRMICO EM AMBIENTES DE TRABALHO ALDINEI MARTINS ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO CALOR (TENSÃO TÉRMICA) E CONFORTO TÉRMICO EM AMBIENTES DE TRABALHO Criciúma (SC), 2005 ALDINEI MARTINS ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO CALOR (TENSÃO TÉRMICA) E CONFORTO

Leia mais

ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS

ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS Felipe Mendes Silva Guilherme Carmo Isoppo Isla Folchini Pereira Jorge Henrique Bortolloto de Oliveira Thiago Silva

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Engenharia Química 2

Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Engenharia Química 2 ELABORAÇÃO DE FERRAMENTA DE CÁLCULO PARA A DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO EM EXPERIMENTOS DE CONVECÇÃO FORÇADA AO REDOR DE UM CORPO SUBMERSO E ALETAS TORRES, F. C. O. 1, BARBOSA NETO, A. M. 2 1

Leia mais

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA Alexandra A. Maciel (1), Roberto Lamberts (2) (1) LabEEE, Departamento de Engenharia Civil/UFSC, end: UFSC, c. postal 476, Florianópolis- SC-

Leia mais

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 2: índice humidex

Climatologia do conforto térmico humano durante o verão para a cidade de Pelotas-RS, parte 2: índice humidex VII Congresso Brasileiro de Biometeorologia,Ambiência, Comportamento e Bem-Estar Animal Responsabilidade Ambiental e Inovação VII Brazilian Congress of Biometeorology, Ambience, Behaviour and Animal Welfare

Leia mais