ilustríssimo senhor pregoeiro do tribunal regional do trabalho da 14a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ilustríssimo senhor pregoeiro do tribunal regional do trabalho da 14a"

Transcrição

1 ilustríssimo senhor pregoeiro do tribunal regional do trabalho da 14a REGIÃO. Referente: PREGÃO ELETRÔNICO N 018/2009. A empresa LIMPONORTE LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPI N /000t^_ 73 situada na Rua Reverendo Elias Fontes, 1502, Agenor de Carvalho, na cidade de Porto Velho estado dj - Rondônia, como interessada no procedimento licitatório em epígrafe, vem através de sua soc.a perante est^ respeitosa Comissão de Licitação, nos Termos do Artigo 4 XVIII da Lei /2002, bem «mo o d irerto.doj 8 e Subintes, Item 9.7, da Habilitação do presente edital de pregão eletrônico nr. 002/2009 e Artigo da LeH 8.666/93, tempestivamente apresentar aqui RECURSO ADMINISTRATIVO, objetivando a revisão da decisão, qu declarou a empresa "ENGENHACRE LTDA", inscrita no CNPJ N / , vencedora do certame er comento para o item proposto seja revisado neste ato, pelas razões que passara a expor, requerendo o se^ conhecimento e provimento, ou em caso negativo, a remessa a autoridade superior, para apreciação, julgamento ^ ^ provimento. cr- - Promove o TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 14*> REGIÃO, licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO N<^ 018/2009 em 10 de junho de 2009, objetivado a contratação de empresa para Prestação de Serviços de Limpeza e Conservação, a serem executados de segunda a sexta-feira, até o limite de 40 horas semanais, nas Varas e Fóruns do interior do Estado de Rondônia, em conformidade com as especificações detalhadas noanexo I - TERMO DE REFERÊNCIA/PROJETO BÁSICO, parte integrante deste Edital, para tanto publicou Edital do qual constam todas as necessárias exigências a contratação, visando à melhor satisfação do interesse publico. I - FATOS DAS RAZÕES DE DIREITO: 1. Dados complementares para composição dos custos referente a mão-de-obra: Item 4 - Data base da categoria (dia/mês/ano), constou em todas as planilhas, 01/05/2008, a correta e 31/12/ I. Remuneração: Deixou de apresenta Adicional de Insalubridade (20% do salário base), conforme contas no Anexo I - PLANILHA ANALÍTICA DE PREÇOS. 3. II - Insumos da mão-de-obra (*): A - Uniforme e Fardamento, valor apresentado não da para compra sequer 01 peça, não contempla no que consta na Cláusula Décima Primeira - Do Uniforme, EPI e EPC - CCT/SINTELPES/SEAC/TO, que consta (As empresas deverão fornecer uniformes complemento aos seus trabalhadores, entendendo-se como completo, no mínimo 02 calças, 02 camisas e um par de calçados), valor apresentado totalmente irrisório incompatível com os praticados no mercado de prestação de serviços na área de limpeza, não compõe o que consta no Item 8. línea B), inclusive com item 6, do Projeto Básico. B - EPI'S - Equipamentos de Proteção de Equipamentos Individual, valor apresentado não dar para compra um par de luva, não compõe o que consta no Item 8. línea B), tornando-se um valor irrisório/inexeqüível, não merece nenhum mérito em qualquer esfera Federal, Estadual e Municipal. C - Material de Consumo, valores simbólicas não dar para compra 50% do que costa no Anexo II do Edital "Relação de Material de limpeza usados em cada unidade trabalhista instaladas no Estado de Rondônia, onde serão prestados os serviços", total mente irrisório/inexeqüível, incompatível com os praticados no mercado, vejamos, cotação realizada no mercado local: Cotação realizada ServQuima Pinheiro e Teclim Material Álcool Água Sanitária Desinfetante Lavanda GL 5 Deteg. Liquido p/ louça Desinfetante Pinho 5 Lt Balde Plástico Esponja p/ lavar louça Flanela 50 x 30 Lustra Móveis 200 ml Limpa- Vidros Luva Plástica 500ml Pano para chão - Alvejado Papel Toalha - Fd c/ 1000 Papel Higiênico RL Papel Toalha Multifolhas Sabão em pó 500Gr Sabonete Liquido Carn r»=*r=» livn 1 HO I ri ^ Ref. Litros Litros Galão Unidade Galão Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Par Unidade Pacote Unidade Pacote Unidade Litro Quant/mês m Valor Total 3,95 13,50 75,00 6,90 22,00 6,28 1,40 5,20 12,60 10,00 7,00 5,60 48,00 25,00 13,28 7,80 20,80 10 nn Valor Total/média 6,05 à 8^22% w w w w w

2 Saco para lixo 30 L c/ 10 Papel Higiênico Rolão 300mts Vassoura Piaçava Vassoura de pelo Sabonete em barra Rodo de Borracha Total/mês Ob.: Valor cotado no mercado local, vantagens. Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade sendo os preços mais baixos 10,00 24,00 3,00 5,60 7,20 10,50 343,33 das outras cotações na faixa de 8,22% de w E - vale - Transporte, valor apresentado de R$ 0,02(dois centavos), não dar para pagar transportes dos funcionários que prestarão os serviços nas varas e fóruns de Ariquemes, Jí-Paraná, Caçoai e Vilhena, Municípios que tem transportes Coletivos públicos, e em Municípios que não tem transporte coletivos públicos, a empresa tem que seguir o que consta na Cláusula Nona - Horas In Itinere, CCT/SINTELPES/SEAC/RO -"O tempo despendido pelo emprego, em condução fornecida pelo empregador, até o local de trabalho de difícil acesso ou não servido por transporte regular público, e para seu retorno, é compatível na jornada de trabalho. Desta forma, ficam as empresas obrigadas a efetuarem o respectivo pagamento, de acordo com o tempo despendido, simplesmente a licitante ignorou o que consta na CCT/SINTELPES/SEAC/RO/2009, colocando um valor simbólico, irrisório e inexeqüível, para fins de obter resultado favorável. F - Manutenção e Depreciação de Equipamentos, valor apresentado R$ l,00(um real), não dar para comprar nenhum equipamento para utilização nos serviços, também não cotou Equipamentos, ferramentas, para que possa dar manutenção dos mesmos, tornando-se um valor simbólico, irrisório e inexeqüível. H - Auxilio Funeral, valor apresentado R$ 0,10(dez centavos), valor simbólico, irrisório/inexeqüível, não dar para comprar nada com esse valor, sequer uma vela. I - Auxilio Filho Excepcional, valor apresentado R$ 0,10(dez centavos), não a contempla o que consta Cláusula Décima Segunda, valor simbólico sem fundamento, irrisório/inexeqüível. J - Kit de Primeiros socorros, valor apresentado R$ 0,10(dez centavos), valor simbólico não dar para comprar nenhum componente para utilização de primeiro socorros. L - Seguro de Vida e Grupo e Acidentes Pessoais, valor apresentado R$ 0,10(dez centavos), não cobre nenhuma cobertura junto as segurados, valor simbólico, irrisório/inexeqüível, não cumpri com a Cláusula Sexta - Do Seguro de Vida, da CCT/SINTELPES/RO. M, N e O, valores de R$ l,00(um real) para cada item, valores não merece provimento, por estarem totalmente simbólicos, sem noção de custo dos valores praticados no mercado de prestação de serviços. 4 - Anexo III-B: Quadro com Detalhamento de Encargos Sociais e Trabalhistas: Grupo A, Item 07 - Risco de Acidente de Trabalho, constou o percentual de 3%, Grau de Risco Alto, esse percentual só aplica sobre o salário de funcionários que prestam serviços em aéreas de risco de periculosidade, a licitante não cotou nem a insalubridade devida no quadro de remuneração. Grupo B, Item 10 à 15, percentuais simbólicos sem fundamento legal, não contempla com nenhum dos itens essencial as eventuais situações trabalhista. GRUPO C, Item 19, Indenização (rescisão de justa causa), constou o percentual de 3%, percentual correto seria de 3,20%, exemplo: Item 06 do Grupo A " 8% x 40 = 3,20%". Item 19.1, constou 0.01%, percentual correto é Item 06 do Grupo A " 8% X 10%, percentual correto seria de 0,60%, percentual que reflete no valor do saldo do FGTS nas rescisões sem justa causa, que será distribuído em, 40% para o funcionário demitido e 10% que ficara na caixa econômica conforme LC 110/ Art. 1., 5 - Demais Componentes: (Base de cálculos das despesas operacionais/administrativas = Total da mão de obra (Remuneração + Encargos + Insumos de mão de obra). Item "A" Despesas operacionais/administrativas, constou 2%, na soma que reflete o valor não contempla o valor dos Insumos da mão de obra, proporcionado erro na sua planilha de custo, vejamos: (ANEXO I -DEFINIÇÕES DOS TERMOS UTILIZADOS NA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2008. XV - DESPESAS OPERACIONAIS ADMINISTRATIVAS são os custos indiretos envolvidos na execução contratual decorrentes dos gastos da contratada com sua estrutura administrativa, organizacional e gerenciamento de seus contratos, calculados mediante incidência de um percentual sobre o somatório da remuneração, encargos sociais e trabalhistas, insumos de mão-de-obra e insumos diversos, tais como as despesas relativas a: a) funcionamento e manutenção da sede, tais como aluguel, Territorial Urbano - IPTU, dentre outros; b) pessoal administrativo; c) material e equipamentos de escritório; d) supervisão de serviços; e água, luz, telefone, o Imposto Predial e) seguros.

3 - Item "B" Lucro, constou 1%, percentual apresentado não esta de acordo com a base de calculo do lucro = (Remuneração + Encargos + Insumos + Despesas Operacionais/Administrativas), refletindo um erro no valor da soma do Item A + B, vejamos (ANEXO I - DEFINIÇÕES DOS TERMOS UTILIZADOS NA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2008. XVI - LUCRO é o ganho decorrente da exploração da atividade econômica, calculado mediante incidência percentual sobre a remuneração, encargos sociais e trabalhistas, insumos de mão-de-obra, insumos diversos e despesas operacionais e administrativas; 6 - Os valores apresentado nas Planilhas de Custo no que compões os tributos estão totalmente erradas, proporcionado uma diferença no valor total dos tributos, em virtude do erro de soma para cálculos devidos do quadro dos demais componentes. 7 - No quadro-resumo da Remuneração da mão de obra consta um valor e no Quadro resumo do valor mensal do serviço (homem/mês) outro valor menor, tornando assim a inconsistência no valor constante no Quadro -resumo da Remuneraç do Valor Mensal dos serviços, elevando um valor errada para incluir no Anexo seguinte, vejamos um exemplo: Quadro-resumo Quadro-Resumo da Remuneração da Mão de obra Mão-de-obra vinculada à execução contratual ( valor I por empreqado) A Remuneração B Encargos Sociais (%) 70,91% Valor Unit.(R$) 498,00 353,12 c Insumos da mão de obra 5% 244,32 D Subtotal 1.095,44 E Reserva Técnica 1,00% 10,95 Total de Mão-de-obra 1.106,39 Resumo - Valor Mensal do Serviço II Valor Mensal Total ref. Mão-de-obra vinculada à execução contratual Unid / Elementas Quadro errada Valor Unit.(R$) Quadro Correto A Mão-de-obra (Vinculada à execução dos serviços 851, ,39 B Insumos Diversos (materiais/maquinas /Equipamentos) 90,00 90,00 C Demais Componentes 25,53 25,53 D Tributos 83,01 83,01 E Valor Mensal do Serviço 1.049, ,93 F Preço mensal do serviço com menor n. de dias trabalhado (quando for o caso*) G Valor por unidade de medida: 1.049, ,93 H VALOR GLOBAL DA PROPOSTA (valor mensal serviços 12 x meses de execução Contratual). 8 - Sr. Pregoeiro, a licitante, alem de deixar de incluir o valor dos insumos da mão de obra no quadro dos demais componentes item do "A" e "B" que levaria a um valor maior no valor mensal do serviço em todas suas Planilhas de custos e formação de preços, não adequou de forma correta o Item "B", Resumo - Valor Mensal do Serviço, de forma clara, mesmo o porque os matérias/maquinas/equipamentos, não inclui no quadro dos Insumos da mão de obra (*), em virtude de serem comprados já industrializados e tributados com os Impostos de IPI e ICMS, CONFINS, CSLL, PIS e IRPJ, a licitante deveria formalizar um quadro separadamente com o valor dos Mátrias/maquinas/equipamentos, para fins de dedução na Retenção a Previdência Social que é de 11, sobre o faturamento, conforme Lei n / Deixou de apresentar nos quadros do Preço Mensal Unitário por m2 as Produtividades das Árias Interna, Externa e Esquadria Externa/Interna. - Após analise da planilha de Custo e Formação de Preços da licitante, por parte desta comissão, a empresa "ENGENHACRE LTDA", qual foi declarada como vencedora do procedimento licitado, compreendendo pelo Egrégio Tribunal que é satisfatório, sendo os preços oferecidos pela referida licitante convenientes e vantajosas para o Egrégio, Frise-se que a atitude do Pregoeiro causou enorme descontentamento por parte da empresa recorrente, pois ficou evidente que o critério de classificação das propostas não possui qualquer senso de justiça. - Verificou-se também que foi declarada como vencedora uma empresa que não atende os termos do edital e seus Anexos.

4 - Vejamos também Sr. Pregoeiro no RUSUMO, quadro final da proposta, a licitante apresentou o Valor de R$ ,00, valor esse divido para 17 unidade ficaria em R$ 1.780,88, para cada Unidade, valor esse que seria apresentado pela licitante em sua Planilha de Custo e Formação de Preços no Item "E" do Quadro-resumo do valor mensal, para fins de contemplar com os Itens da Planilha de Custo apresentada, e pelo custo mensal unitário que todos os contratantes tem que analisar as proposta, para assim obter a fixação de preços exeqüíveis e em conformidade com a legislação pertinente ao caso, em grau de semelhança e condições estabelecidas pelo Edital, seguindo as normas da Instrução Normativa n. 02, de 30 de abril de 2008, ANEXO I -DEFINIÇÕES DOS TERMOS UTILIZADOS NA INSTRUÇÃO NORMATIVA, de I á XXIII. - Contudo, sua habilitação não merece prosperar da Ia fase, eis que da analise minuciosa da somente planilha fornecida, não contemplando a proposta final conforme item 8 (oito) subitens e Líneas do presente edital, não há como prevalecer vencedora do certame, pois totalmente contrario ao principio da igualdade, da legalidade e do julgamento objetivo, que devem prevalecer sobre o procedimento. - Não se nega que uma das finalidades da licitação é a busca por uma proposta mais vantajosa, isso não autoriza, porém, que a Administração possa violar a essência das regras legais definidas no procedimento, com o intuito de garantir à Administração uma contratação eficaz de ser executada pelo contratado. - É por esta razão que à Administração não deve ficar adstrita tão somente ao fato de a empresa ter apresentado o menor preço, mas também a verdadeira comprovação de que a licitante junta em sua habilitação DECLARAÇÃO, que, "sob penas da Lei, que se enquadra como Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte nos termos do art. 3o da Lei Complementar 123 de 14 de dezembro de 1006, estando apta a usufruir os benefícios e vantagens legalmente instituídas por não se enquadra em nenhuma das vedações legais imposta pelo 4o do art. 3o da Lei Complementar n. 123 de 14 de dezembro de 2006 e que esta apta para receber tratamento estabelecido nos artigos 42 a 49 da citada Lei, porque na data da licitação está classificada como: Micro Empresa - ME - receita bruta anual igual ou inferior a R$ R$ (assina) - Sr. Pregoeiro, a licitante não esta e enquadrada na Opção do Simples Nacional desde 31/12/2007, junta a Receita Federal na Condição ME ou EPP, para que possa DECLARA que esta apta a usufruir os benefícios e vantagens legalmente instituídas por não se enquadra em nenhuma das vedações legais imposta pelo 4o do art. 3o da Lei Complementar n. 123 de 14 de dezembro de 2006 e que esta apta para receber tratamento estabelecido nos artigos 42 a 49 da citada Lei, merecendo ser punida no Subitem 14.2 línea c), d), e) do Item 14 do Edital. ( anexo documento comprobatório) - Assim, é de vital importância, no trato da coisa pública, a permanente perseguição ao binômio: qualidade X eficiência, objetivando não só garantir a segurança jurídica do contrato, mas também a consideração de certos fatores que integram a finalidade das licitações. - O que deve imperar é justamente a análise criteriosa da documentação hábil a comprovar a capacidade da licitante em executar os serviços, buscando, dessa forma, resguardar a administração de aventureiros ou de licitantes de competência estrutural, administrativa e organizacional duvidosa. - A toda evidência que, o cuidado para a plena satisfação e preservação do interesse público, é o dever primeiro dos entes públicos que ao assim procederem, estarão a dar cumprimento ao comando constitucional esculpido no caput do art. 37. Da Carta Federal. - Certamente que, foi para plena satisfação desse interesse, que o edital previu, quando da apresentação das Planilhas de Custos para cada profissional pertencente ao Anexo I - PLANILHA ANALÍTICA DE CUSTO, sendo certo que tal comando deveria vincular todos os licitantes, sob pena de mal ferimento ao principio da isonomia. - No caso concreto da Licitante DECLARA ser Microempresa, a Planilha de Custo apresentada pela "ENGENHACRE LTDA", no que tange ao item 07 (sétimo) do Grupo "A" da Planilha de Custos e Formação de Preços, infringi alterando o verdadeiro percentual de 3% (três inteiros por cento), aplicados as atividades /00-Limpeza em prédios e em domicílios e /00-Atividades de Limpeza não especificadas anteriormente, conforme DECRETO N DE 12 DE FEVEREIRO DE DOU DE 12/2/2007, aplicando somente percentual de 2% (dois inteiros por cento), no que tange a cobrança aos itens 02, 03, 04 e 08 do Grupo "A", infringi o Art da LC 123/2006, cobrando tais encargos, sendo que a mesma quando DECLARA ser Microempresa e que usufruí de benefícios a mesma fica dispensada de tal cobrança, por ser empresa optante do simples nacional, observamos também cobranças indevidas dos impostos tanto na escala Federal (PIS/COFINS), como Municipal (ISS), não condizendo com a realidade de a empresa ser optante do simples nacional, percentuais estes explícitos no Anexo IV da LC 123/2006, determinado percentuais a cada faixa de faturamento, esta empresa aqui citada não considerou o Art. lio i<> e o Art. 43 e Art. 13, 30 da IN 002/2008, ofertando como valor por posto de trabalho, proibido pois existe produtividade suficiente a equação desejada, ainda a própria planilha se contradiz o valor final de sua Proposta é razoável aceitar dois valores expressos em uma mesma proposta? - Senhores membros desta comissão de licitação, De fato, a decisão do pregoeiro em "Declara Vencedora" a "ENGENHACRE LTDA", esta em completo desacordo com as normas licitatórias vigentes eis que a empresa descumpriu flagrantemente o principio da igualdade entre os participantes, ao se adotar diferentes valores dos pré-estabelecidos, em um claro intuito de direcionar a Administração à uma contratação irregular e infrutífera. - o principio da igualdade entre os participantes, proeminente sobre os demais no presente caso, veda a existência de quaisquer privilégios para os participantes do certame, principalmente quando tais privilégios são concedidos pela própria administração pública. O principio de igualdade permeia toda a Constituição Federal, sendo erigido com um dos basilares de nosso estado no caput. Do artigo 5 da Carta Magna.

5 - "TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, SEM DISTINÇÃO DE QUALQUER NATUREZA, GARANTINDO-SE A BRASILEIROS E AOS ESTRANGEIROS RESIDENTES NO PAIS A INVIOLABILIDADE DO DIREITO A VIDA, A LIBERDADE, À IGUALDADE, À SEGURANÇA E À PROPRIEDADE". - Visto que a licitação é um processo de competição e tendo por premissa que a livre iniciativa não acolhe a concorrência desleal, é preciso apreciar se, em função do preço artificial, simbólicos, irrisórios, do qual resulta uma vantagem competitiva, resta mantido o equilíbrio do mercado, outro não é o sentido que se detecta da leitura do artigo 20 da lei n 8.884/94, que assim dispõe: - "Art. 20. Constituem infração da ordem econômica, independentemente de culpa, os atos sob qualquer forma manifestados, que tenham por objeto ou possam produzir os seguintes efeitos, ainda que não sejam alcançados: I - limitar, falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre concorrência ou livre iniciativa; (...)", Antes que se imagine que o tema proposto se submete a outro sistema jurídico, estranho às Licitações, confira-se, o precioso entendimento de CALJXTO SALOMÃO FILHO - Direito Concorrencial: as estruturas. São Paulo: Malheiros 199, p "O sistema de proteção contra a concorrência desleal não se esgota, no entanto, nos casos previstos na Lei Grande Parte, se não a maioria das práticas de concorrência desleal, vem previsto como crime de concorrência desleal (art. 195 da Lei 9.279, de 14 de maio de Novo Código da Propriedade Industrial)( ) a proteção da existência da competição. É necessário garantir o respeito a padrões mínimos de conduta ética (,..) O valor lealdade da competição é aqui protegido, ainda que a lógica econômica possa indicar no sentido de que aquele ato especifico pouca ou nenhuma relevância tem para o mercado. - SALOMÃO FILHO, Calixto. Direito concorrencial: as estruturas. São Paulo: Malheiros, 1999, p É justamente esse aspecto ético que VICENTE BAGNOLJ destaca, citando a definição elaborada por Celso Delmanto: Na conceituação de Celso Delmanto, "Pode, e deve mesmo, esforçar-se o concorrente na disputa; mas não usar de meios desleais para vencê-las. Por isso, como no esporte, incentiva-se a sua prática, mas procura-se afastar os contendores que não são honestos no embate". - Prossegue Celso Delmanto dizendo: "e o que é a concorrência desleal, senão o uso de meios ou métodos incorretos para modificar a normal relação de competição?". - Em defesa da igualdade de oportunidade, mas também, em defesa da igualdade de tratamento, o artigo 3o da Lei n 8.666/93, em seu parágrafo primeiro, eleva a competitividade à categoria de princípio: " Io - E vedado aos agentes públicos: I - Admitir, prever, incluir ou tolerar nos atos convocação, cláusulas ou condições que comprometam, restrinjam ou frustrem o seu caráter competitivo e estabeleçam preferências ou distinções em razão da naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de qualquer outra circunstâncias impertinente ou irrelevante para o especifico objeto do contrato. - Nota-se que o legislador não se limitou às condutas comissivas das autoridades administrativas e dos particulares, reprimindo, também, as condutas omissivas, tais como ADMITIR ou TOLERAR situações que frustrem o caráter competitivo do procedimento, tratando, inclusive, como crime no artigo 90 do mesmo diploma legal, que prevê pena de dois meses a quatro anos de detenção e multa, àqueles que frustrarem o caráter competitivo do procedimento licitatório. - Portanto, em defesa da competição, há que se provocar a manifestação da autoridade administrativa, havendo no Estatuto das Licitações dispositivos que permitem que se objetive o conceito de concorrência desleal por meio do exame dos componentes do preço, de modo a se detectar o preço artificial, simbólicos, irrisórios e inexeqüíveis, que a viabiliza, frustrando a validade do procedimento. - Na análise dos componentes do preço, o art. 40 da Lei n 8.666/93, em seu parágrafo 2o, estabelece que constitui um dos anexos do edital, dele fazendo parte integrante, o orçamento estimado em planilhas de quantitativos e preços unitários. Logo, se a Administração estivesse desautorizada ou desinteressada de apurar a composição das propostas, não haveria qualquer sentido na existência do dispositivo. - Sobre a relevância de tais anexos, bem como das várias oportunidades para a sua apreciação, comenta JESSÉ TORRES PEREIRA JÚNIOR: "De sua existência e de seu teor os licitantes não poderão alegar desconhecimento, nem portanto, esquivarem-se de sua fiel observância, seja na apresentação da documentação de habilitação preliminar, na elaboração da proposta ou na execução do contrato". - A conseqüência desse exame é prevista na própria norma, conforme se vê do art. 44, que estabelece que no julgamento das propostas, a Comissão (leia-se por extenso, também o pregoeiro) levará em consideração os critérios objetivos definidos no edital ou convite, os quais não devem contrariar as normas e princípios estabelecidos na lei, dentre os quais o já citado princípio da competitividade. Explicitamente no campo de repúdio ao preço artificial, o parágrafo terceiro do dispositivo em comento é taxativo ao afirmar que não se admitirá proposta que apresente valores incompatíveis com os preços dos insumos, acrescidos dos respectivos encargos. Ora, os tributos e obrigações sociais e trabalhistas incidentes sobre os insumos e sobre a operação em si representam encargos que devem ser obrigatoriamente considerados no momento da avaliação da validade da proposta. O critério para a decisão vem descrito no artigo 48, que é mandatório ao estabelecer que serão desclassificadas as propostas que não atendam às exigências do ato convocatório da licitação ou aqueles com preços manifestamente inexeqüíveis, assim considerando aquelas que não venham a ter demonstrada sua viabilidade por meios de documentação que comprove que os custos dos insumos são coerentes com os de mercado. - Frise-se que é claro que a autoridade administrativa nem sempre é conhecedora dos meandros da legislação tributaria trabalhista, mas usa do próprio estatuto, no seu Item 8, subitem 8.1, línea c) do edital - "O preço unitário e total, em valores numéricos da moeda corrente nacional, utilizando-se apenas duas casa decimais após a vírgula (Lei n /95), os quais deverão compreender rodas as despesas com impostos, encargos sociais e

6 previdenciários, taxas, transporte, seguros, assim como qualquer outros que incidam ou venha a incidir sobre o objeto da presente contratação", fortalecendo assim sua decisão. - Vale lembrar que a Administração não tem a faculdade de liberar o licitante das exigências postas no edital, isso seria instaurar a insegurança nas relações com os administradores. - O interesse público não abriga decisão em desacordo com as normas estatutárias vigentes, mesmo sob o pálido pretexto de ampliação da competitividade. - Desse modo, não há como prosperar a situação de vencedora e habilitação da "ENGENHACRE LTDA", motivo pelo qual, imperiosa a revisão da decisão que impôs a declarante da empresa como vencedora no certame para o Lote I, pois tal decisão só vem a corroborar com o descumprimento dos princípios basilares da licitação, tais como o da legalidade, da vinculação ao edital, da igualdade entre os licitantes, bem como os demais. - De mais a mais, a proposta de preços e habilitação apresentada pela licitante "ENGENHACRE LTDA", é absolutamente inexeqüível, a mesma não terá como cumprir satisfatoriamente o contrato a ser firmado, pois a margem de lucro que terá com tal desconto é verdadeiramente insuficientes para manutenção da atividade do licitante. - Diante do exposto, preliminarmente, a LIMPONORTE LTDA, requer que seja desclassificada da proposta de preços da "ENGENHACRE LTDA", por ter apresentado de forma irregular, eivada de erros nas PLANILHAS DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS, apresentada, considerando-a desclassificada do procedimento, pela flagrante inaceitabilidade de suas Planilhas e inconsistências nos preços finais de proposta, bem como por não atender exigências habilitatórias. Caso assim não entenda, requer que o presente recurso seja encaminhado a Autoridade Superior, nos termos do parágrafo 4o do art. 109 da Lei 8.666/93, para apreciação na forma da Lei, JUSTIÇA. Nestes Termos, Pede Deferimento. Porto Velho - Rondônia, 08 de junho de ' LÍjrfíponórte Ltda. Josilda Alves da Silva CPFn RG n SSP/PE Sócia Anexo: Modelo de Planilha de Custo e Formação de Preços; Consulta de Optante no Simples Nacional; Convenção Coletiva de Trabalho/2009;

7 LIMPONORTELTDA CNPJ.: / a ALTERAÇÃO CONTRATUAL i Pelo presente ins&níníeít isárt&ular, JOSILDA ALVES DA SILVA brasileira casada emscênfiihrsã parcial de bens, empresaria, CPF n RG n ' SSP/PE; domiciliada nesta cidade de Porto Velho/RO., à Rua Reverendo Elias Fontes, n 1502, Bairro: Agenor de Carvalho, CEP: e RICARDO FRANCISCO DA COSTA, brasileiro solteiro, comerciante, data de nascimento 01/08/1975, CPF n RG n SSP/SP domiciliado nesta cidade de Porto Velho/RÔ., à Rua Reverendo Elias Fontes, n 1502, Bairro. Agenor de Carvalho CEP , únicos sócios da empresa LIMPONORTE LTDA com sede na Rua Reverendo Elias Fontes n 1502, Bairro: Agenor de Carvalho CEP , Porto Velho/RO, registrada na Junta Comercial de Rondônia, sob o NIRE em seção de 08/03/1999, e inscrita no CNPJ sob o n / resolvem, assim, alterar o contrato social: CLÁUSULA PRIMEIRA: O endereço da sede passa a partir desta data ser na Rua Reverendo Elias Fontes, n 1508, Bairro; Agenor de Carvalho, CEP: , Porto Velho/RO. CLÁUSULA SEGUNDA: Inclui o nome fantasia "TRANSNORTE" CLÁUSULA TERCEIRA: O capital social que na cláusula terceira era de R$ 15* (Quinze Mil Reais), passará a ter a seguinte redação; O capital social passa neste ato para R$ ,00 (Cinqüenta Mil Reais) dividido em (Cinqüenta Mil) quotas no valor de R$ 1,00 (Hum Real) cada uma totalmente subscrito e integralizado naquele ato em moeda corrente do País (art 997, III, CC/2002) (art 1.055, CC/2002). A sócia JOSILDA ALVES DA SILVA adquire 4,00% das quotas, no valor de R$ 2.000,00 (Dois mil reais) do sócio RICARDO FRANCISCO DA COSTA, que ficam assim distribuídas: CLÁUSULA QUARTA: O objetivo da sociedade que era: Seleção e agenciamento de mão-de-obra; limpeza em prédios e domicílios; limpeza urbana e esgoto; e atividades conexas; atividades de jardins, botânicos e zoológicos, parques nacionais e reservas ecológicas; atividades de informática, analista de sistema, digitação, programador; Assessona em gestão empresarial; Demolição e preparação de terreno; Perfuração e execução de fundações de terra; Grandes movimentações de terra; Edificações (residenciais, industriais, comerciais e de serviços; Obras de

8 LIMPONORTE LTDA CNPJ.: / * ALTERAÇÃO CONTRATUAL CLÁUSULA SEXTA: A respênssbsjiejaâe dè-cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas, iodeis* Ee^por3dçm solidariamente pela integralização do capital social, tart 1.052, te/2002) CLÁUSULA SÉTIMA: O prazo de duração da sociedade será por tempo indeterminado, e iniciará suas atividades em 04 (quatro) de março de 1999, após o registro e arquivamento de seus atos constitutivos nos órgãos competentes, (art 997, II, CC/2002) CLÁUSULA OITAVA: A administração da sociedade caberá a sócia: JOSILDA ALVES DA SILVA, com os poderes e atribuições de administradora, autorizado o uso do nome empresarial, vedado, no entanto, em atividades estranhas ao interesse social ou assumir obrigações seja em favor de qualquer dos quotistas ou de terceiros, bem como onerar ou alienar bens imóveis da sociedade, sem autorização do outro sócio (artigos 997, VI; ,1064, CC/2002) CLÁUSULA NONA: Ao término da cada exercício social, em 31 de dezembro, o administrador prestará contas justificadas de sua administração, procedendo à elaboração do inventário, do balanço patrimonial e do balanço de resultado econômico, cabendo aos sócios, na proporção de suas quotas, os lucros ou perdas apurados, (art , CC/2002) CLÁUSULA DÉCIMA: A sociedade poderá a qualquer tempo, abrir ou fechar filial ou outra dependência, mediante alteração contratual assinada por todos os sócios. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA: Os sócios poderão, de comum acordo, fixar uma retirada mensal, a título de "pro labore", observadas as disposições regulamentares pertinentes. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA: Falecendo ou interditado qualquer sócio, a sociedade continuará suas atividades com os herdeiros, sucessores e o incapaz Não sendo possível ou inexistindo interesse destes ou do(s) sócio(s) remanescente(s), o valor de seus haveres será apurado e liquidado com base na situação patrimonial da sociedade, a data da resolução, verificada em balanço especialmente levantado. Parágrafo único - O mesmo procedimento será adotado em outros casos em que a sociedade se resolva em relação a seu sócio. (art e art , CC/2002) CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA: O Administrador declara, sob as penas da lei de que não está impedido de exercer a administração da sociedade, por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrar sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que V

9 ANEXO III PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS (Redação dada pela retificação publicada no Diário Oficial da União do dia 23 de maio de 2008, Seção 1, página 127) Nota: essa planilha deverá ser adaptada às características do serviço contratado, no que couber. N2 Processo Licitação N2 Dia / / as horas Discriminação dos Serviços (dados referentes à contratação) A B C D E F G Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano) Município/UF Ano Acordo, Convenção ou Sentença Normativa em Dissídio Coletivo Tipo de serviço Unidade de medida Quantidade (total) a contratar (em função da unidade de medida) N5 de meses de execução contratual Anexo III-A - Mão-de-obra Módulo de Mão-de-obra vinculada à execução contratual Unidade de medida - tipos e quantidades Tipo de serviço (mesmo serviço com características distintas) [ Quantidade I

10 Dados complementares para composição dos custos referente à mão-de-obra Salário mínimo oficial vigente Categoria profissional (vinculada à execução contratual) Data base da categoria (dia/mês/ano) Nota: Deverão ser informados os valores unitários por empregado. I Remuneração % Valor (R$) A B C D E Salário Adicional Noturno Adicional Periculosidade Adicional Insalubridade Outros (especificar) Total de Remuneração III A B C D E F G H Insumos de Mão-de-obra(*) Transporte Auxílio alimentação (Vales, cesta básica etc.) Uniformes/equipamentos Assistência médica Seguro de vida Treinamento/Capacitação/ Reciclagem Auxílio funeral Outros (especificar) Total de Insumos de Mão-de-obra Valor (R$)

11 Nota (*): o valor informado deverá ser o custo real do insumo (descontado o valor eventualmente pago pelo empregado). Anexo III-B Quadro com Detalhamento de Encargos Sociais e Trabalhistas Nota: (1) Esta tabela poderá ser adaptada às características do serviço contratado, inclusive adaptar rubricas e suas respectivas provisões e ou estimativas, desde que devidamente justificado. (2) As provisões constantes desta planilha poderão não ser necessárias em determinados serviços que não necessitem da dedicação exclusiva dos trabalhadores da contratada para com a Administração. \! Grupo "A":! 01 - INSS ( %)R$ 02 - SESI ou SESC ( %)R$ j 03 - SENAI ou SENAC ( %)R$ 04 - INCRA ( %)R$ 05 - salário educação ( %)R$ 06 - FGTS ( %)R$ seguro acidente do trabalho ( %)R$! 08 - SEBRAE ( %)R$ Grupo "B": 09 - férias ( %)R$ 10 - auxílio doença ( %)R$ 11 - licença maternidade ( %)R$

12 i 12 - licença paternidade ( %)R$ faltas legais ( %)R$ 14 - acidente de trabalho ( %)R$ ; 15 - aviso prévio ( %)R$! salário ( %)R$ Grupo "C" 17- aviso prévio indenizado ( %)R$ 18 - indenização adicional ( %)R$ 19 - indenização (rescisões sem justa causa) %)R$ ; Grupo "D": ; 20 - incidência dos encargos do grupo "A" sobre os itens do grupo "B" ( %)R$ VALOR DOS ENCARGOS SOCIAIS - R$, ( VALOR DA MÃO-DE-OBRA (Remuneração + Reserva Técnica + Encargos Sociais): R$,(). Anexo III-C - Demais Custos Módulo: Demais componentes Demais Componentes % Valor A B Despesas Operacionais/administrativas Lucro

13 Total de Demais Componentes Módulo: Tributos Tributos Valor Tributos Federais (exceto IRPJ e CSLL) (especificar) B Tributos Estaduais/Municipais (especificar) Outros tributos (especificar) Total de Tributos Nota: O valor referente a tributos é obtido aplicando-se o percentual sobre o valor do faturamento. Anexo III-D - Quadros-resumo Quadro-resumo da Remuneração da Mão de Obra I A Mão-de-obra vinculada à execução contratual (valor por Remuneração empregado) Valor unit. (R$) B C D E Encargos sociais Insumos de mão-de-obra Subtotal Reserva técnica Total de Mão-de-obra % % Nota: (1) D = A + B + C

14 (2) O valor da Reserva técnica é obtido multíplicando-se o percentual sobre o subtotal da mão-de-obra principal. Quadro-resumo do Valor Mensal do Serviço \ Valor Mensal Total ref. Mão-de-obra vinculada à execução contratual Unid / Elementos Valor A B C D E P G H Mão-de-obra (vinculada à execução dos serviços) Insumos diversos (mat./maq./equip.) Demais componentes. Tributos Valor mensal do serviço Preço mensal do serviço com menor n de dias trabalhados (quando for o caso)* Valor por unidade de medida Valor global da proposta (valor mensal do serviço. X n- meses do contrato). (*) Valor Mensal da Mão-de-obra para prestação de serviços com menor n2 de dias de execução contratual na semana (quando for o caso) = Valor mensal do serviço x Dias Efetivamente trabalhados / Dias da semana usados para cálculo do valor cheio ANEXO III-E - Complemento dos serviços de vigilância I - VALOR MENSAL DOS SERVIÇOS ESCALA DE TRABALHO PREÇO N. de postos subtotal mensal DO posto 12x36 horas diurnas \

15 12x36 horas noturnas 44 horas semanais diurnas Outros (especificar) TOTAL ANEXO III-F Complemento dos serviços de limpeza e conservação I - PREÇO MENSAL UNITÁRIO POR M2 ÁREA INTERNA MAU DE OBRA (D (2) (1x2) PRODUTIVIDADE PREÇO HOMEM-MÊS SÜBTOTAL (l/m2) (R$) (R$/M2) ENCARREGADO 1 (30** x 600*) SERVENTE 1 600' TOTAL ÁREA EXTERNA

16 I j i MAO DE OBRA (1) (2) (1x2) PRODUTIVIDADE PREÇO HOMEM-MÊS \ SÜBTOTAL (l/m2) (R$) : (R$/M2) ENCARREGADO 1 (30** x 1200*) SERVENTE ; * TOTAL ESQUADRIA EXTERNA - FACE INTERNA/EXTERNA MÃO DE OBRA (D (2) (4) (5; (4x5) PRODUTI VIDADE (l/m2) FREQÜÊNCIA JORNADA =(1x2x3) PREÇO ; NO MÊS DE ;HOMEM- SUB- (HORAS) TRABALHO i Ki**** MÊS TOTAL NO MÊS (HORAS) (R$) ;(R$/M2) ENCARREGADO , ** x 220* 191,40 SERVENTE _1 16*** 1 ; 0, * 191,40 TOTAL FACHADA ENVIDRAÇADA - FACE EXTERNA MAO DE OBRA (D (2) (3) (4; (5) (4x5) PRODUTI VIDADE FREQÜÊNCIA NO SEMES TRE (HORAS) JORNADA \ DE TRABALHO NO ; ; ; I =(1x2x3) PREÇO SUB- HOMEM- Ke**** MÊS TOTAL (l/m2) SEMESTRE (HORAS) (R$) ; (R$/M2)

17 ENCARREGADO!** * 0, SERVENTE _1 4** x 110* 1.148,4 1 0, * ,4 TOTAL ÁREA MÉDICO-HOSPITALAR MÃO DE OBRA (D (2; (1x2) PRODUTIVIDADE PREÇO HOMEM-MÊS SUBTOTAL (l/m2) (R$) (R$/M2) ENCARREGADO 1 30** x 330* SERVENTE 330 TOTAL * Caso as produtividades mínimas adotadas sejam diferentes, estes valores das planilhas deverão ser adequados à nova situação, bem como os coeficientes deles decorrentes (Ki eke). ** Caso a relação entre serventes e encarregados seja diferente, estes valores das planilhas deverão ser adequados à nova situação, bem como os coeficientes deles decorrentes (Ki e Ke). *** ** Freqüência sugerida em horas por mês. Caso a freqüência adotada, em horas, por mês ou semestre, seja diferente, estes valores deverão ser adequados à nova situação, bem como os coeficientes delas decorrentes (Ki e Ke). II - VALOR MENSAL DOS SERVIÇOS TIPO DE ÁREA PREÇO MENSAL UNITÁRIO i ÁREA (M2) subtotal (RS)

18 ! (R$/M2) Área Interna Área Externa Esquadria Externa - face interna/externa Fachada Envidraçada - face externa Área Médico-Hospitalar Outras (especificar) TOTAL

19 Simples Nacional Página 1 de 1 SMPLES jm.çk imprimir Consulta Optantes CNPJ: / Nome Empresarial: ENGENHACRE LTDA Situação: Não optante pelo Simples Nacional Clique aqui para informações sobre como optar pelo Simples Nacional. Períodos de opções anteriores Data Início da Opção 01/07/2007 Data Fim da Opção 31/12/2007 Detalhamento Excluída por Opção do Contribuinte 5/6/2009

20 Simples Nacional Página 1 de 1 SMPLES 5 N1C!<H(A. imprimir Consulta Optantes Instruções sobre como efetuar uma Solicitação ríe Opção pelo Simples Nacional A opção deverá ser realizada no mês de janeiro, até o seu último dia útil. Se deferida a solicitação, esta opção produzirá efeitos a partir do primeiro dia do ano-calendário da opção, sendo irretratável para todo o ano-calendário. Na hipótese da empresa estar em início de atividade, a opção poderá ser solicitada após efetuar a inscrição no CNPJ bem como obter as suas inscrições Estadual (caso exigível) e Municipal. Deve ser observado que a ME ou a EPP não poderá efetuar a opção pelo Simples Nacional na condição de empresa em início de atividade depois de deconidos 180 (cento e oitenta) dias da data de abertura constante do CNPJ. Enquadrando-se no caso de início de atividade, a solicitação poderá ocorrer mesmo fora do mês de janeiro, desde que no prazo de até 30 dias contados do último deferimento de inscrição cadastral, seja Estadual ou Municipal. Se deferida a solicitação, esta opção produzirá efeitos: a) para as empresas com data de abertura constante do CNPJ até 31 de dezembro de 2007, a partir da data do último deferimento da inscrição nos cadastros estadual e municipal; b) para as empresas com data de abertura constante do CNPJ a partir de 1 de janeiro de 2008, desde a data de abertura constante no CNPJ. 5/6/2009

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011.

PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. PORTARIAS PORTARIA Nº 7, DE 9 DE MARÇO DE 2011. Altera o anexo III da Instrução Normativa nº 02/2008, de 30 de abril 2008, que dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos proponentes em licitações

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ:

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 - BNDES ANEXO II MODELO DE PROPOSTA - RETIFICADO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 13/2014 BNDES LICITANTE: CNPJ: ENDEREÇO: TELEFONE: ( ) FAX: ( ) E-MAIL: REPRESENTANTE LEGAL: NACIONALIDADE:

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00

QUADRO RESUMO - SERVIÇOS CONTÍNUOS VALOR DO KM RODADO POR VEÍCULO EXECUTIVO 5 1.300 7,33 47.645,00 571.740,00 Q AU SECRETARIA A DE AVIAÇÃO CIVIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - ANAC Ref.: D PREGÃO ELETRÔNICO N.º 07/2013 Processo R Nº 00055.002521/2013-99 Abertura: O 09/10/2013 às 09:00 h R PROPOSTA COMERCIAL E Prezados

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP 14/2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS ANEXO A TERMO DE REFERÊNCIA GEMAP 14/2008 MINISTÉRIO D FZEND SUPERINTENDÊNCI DE SEGUROS PRIVDOS NEXO TERMO DE REFERÊNCI GEMP 14/2008 1 DO OJETO Visa o presente à contratação de empresa especializada para a prestação de serviços contínuos de Motorista

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições:

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013, de 30 de outubro de 1996 O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso de sua competência, e considerando o disposto no Decreto nº 2.031, de 11 de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: TO000023/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017571/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46226.009193/2012-62

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013. Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 22/2013 Processo Administrativo n. 23069.079918/2012-34 PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Planilha de Custo e Formação de Preços (Em conformidade à Portaria nº 7, de 09/03/2011

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO Pregão nº 012/2011 Trata-se o presente Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço para a contratação de especializada para

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014

ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014 ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014 FEACONSPAR - FEDERAÇÃO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO EMPRESA: AMAZON CONSTRUÇÕES E SERVIÇOS LTDA.

RELATÓRIO DE JULGAMENTO EMPRESA: AMAZON CONSTRUÇÕES E SERVIÇOS LTDA. PROCESSO Nº 51402.000225/2011-35 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 009/2012 RELATÓRIO DE JULGAMENTO Trata o presente de Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Pelo presente instrumento, de um lado o Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Alagoas, estabelecido na Rua Prof. José da Silveira Camerino, 930,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 Que fazem na forma abaixo, de um lado, o SINDICATO DAS SANTAS CASAS E ENTIDADES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DA BAHIA - SINDIFIBA, CNPJ n 96.777.958/0001-62 sito à Rua

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000276/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005346/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024928/2011-26

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

Da Abrangência. Da Vigência. Formas de Pagamento do Salário. Da Redução de Carga Horária

Da Abrangência. Da Vigência. Formas de Pagamento do Salário. Da Redução de Carga Horária CONVENÇÃO COLETIVA DE CONDIÇÕES DE TRABALHO E REAJUSTAMENTO SALARIAL, que celebram entre o SINPROR - SINDICATO DOS PROFESSORES EM ESTABELECIMENTOS PRIVADOS DE ENSINO DE ANÁPOLIS E REGIÃO Rua Arinesto de

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2009/2010. b) Sentença normativa proveniente de Dissídio Coletivo de Trabalho.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2009/2010. b) Sentença normativa proveniente de Dissídio Coletivo de Trabalho. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2009/2010 ESTEL - MÁQUINAS E SERViÇOS INDUSTRIAIS LTOA, com estabelecimento à Rua Luiz Musso, 240, Vila Nova, Aracruz Espírito Santo, doravante denominada ESTEL, representado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que entre si ajustam, de um lado a FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DO MARANHÃO, CNPJ nº06.52.757/0001-05; SINDICATO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000202/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021878/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002474/2009-17 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 2012 A PERSONAL SERVICE Recursos Humanos Assessoria Empresarial Ltda., com sede na Rua Almirante Grenfall, 405, Anexo Bloco 2 Anexo Salas 501 a 507, Parque Duque, Duque

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001531/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061722/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.018555/2014-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

Entidade (s) Profissional (is): Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio do Estado do Rio Grande do Sul

Entidade (s) Profissional (is): Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio do Estado do Rio Grande do Sul Nº 46218.011718/2009-23 Entidade (s) Profissional (is): Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio do Estado do Rio Grande do Sul Entidade (s) Patronal (is): Sindicato das Sociedades de

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVA DE TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E CAPITALIZAÇÃO E DE AGENTES AUTÔNOMOS DE SEGUROS

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005920/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024432/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.002845/2015-54 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000212/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021394/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003027/2013-64 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000960/2012 FEDERACAO TRABALHADORES NA INDUST EST GO TO E DF, CNPJ n. 01.638.535/0001-55, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000022/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/01/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079004/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46273.001163/2013-23 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 201312015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 201312015 (31) 3241-2811 - www.sinmedmg.org.br R. Padre Rolim 120- Santa Efigênia - CEP: 30130-090 - e-mail: geral@sinmedmg.org.br. SI NI4EDMG ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 201312015 O SINDICATO DOS MÉDICOS DE MINAS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SE000142/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR051379/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46221.006102/2012-87 DATA

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DOS ENGENHEIROS NAS EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2014/2015 CCT 2014/2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DOS ENGENHEIROS NAS EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2014/2015 CCT 2014/2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DOS ENGENHEIROS NAS EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2014/2015 CCT 2014/2015 A PRESENTE PAUTA PARA A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado o SINDICATO DE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014

DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 DECRETO Nº 15.219 DE 30 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.949, de 14 de fevereiro de 2014 que estabelece mecanismos de controle do patrimônio público do Estado da Bahia, dispondo sobre provisões

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Ministério da Integração Nacional M I ANEXO II PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS SEDE DA 1ª SUPERINTENDENCIA REGIONAL DA CODEVASF EM MONTES CLAROS Nº do Processo Licitação Nº Dia / / às : horas.

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000089/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002498/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.000506/2014-67 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012425/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060338/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46263.004405/2014-31 DATA DO

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 POR ESTE INSTRUMENTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM, POR SEUS RESPECTIVOS REPRESENTANTES LEGAIS, DE UM LADO A ARCELORMITTAL CARIACICA, INSCRITA NO CNPJ/MF SOB O Nº 17.469.701/0053-06

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001092/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005184/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.004081/2014-14 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR035902/2013 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSP RODOV NO EST GO, CNPJ n. 01.089.689/0001-35, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000529/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002949/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003317/2014-97 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, O SINDICATO DOS AUXILIARES EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E, DE OUTRO, A EMPRESA MASAN SERVIÇOS ESPECIALIZADOS LTDA, COMO ABAIXO MELHOR

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000954/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029028/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009096/2013-50 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000311/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020828/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.007783/2013-70

Leia mais