! "! #$# #% & '! () #$# # ' $ * +

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "! "! #$# #% & '! () #$# # ' $ * +"

Transcrição

1 ! "! #$##% &'!() #$## '$*+

2 ,$-./& 1 APRESENTAÇÃO O SISTEMA DE FÔRMAS FÔRMAS PARA CONCRETO Funções do sistema de fôrmas Cargas atuantes nas fôrmas Nomenclatura básica Pilares Vigas Lajes Sistema completo Materiais empregados nas fôrmas Molde Cimbramento Escoramento e vigamento Travamento Mãos-francesas Acessórios Os sistemas de fôrmas para concreto disponíveis: classificação e descrição Caracterização dos sistemas Fôrmas para elementos verticais Fôrmas para elementos horizontais O mercado de sistemas de fôrmas O PROCESSO DE PRODUÇÃO DAS ARMADURAS DEFINIÇÕES DE NOMENCLATURA MATÉRIA-PRIMA ESPECIFICAÇÕES E CARACTERÍSTICAS Massa Linear Propriedades mecânicas Dobramento Aderência AFERIÇÃO DA QUALIDADE DO AÇO O EMPREGO DE ARMADURAS DE AÇO Disposições construtivas gerais das armaduras Afastamento mínimo das barras Ancoragem das armaduras Ancoragem por meio de dispositivos mecânicos Emendas das barras das armaduras Cobrimento das armaduras Disposições Construtivas Específicas quanto aos Principais Elementos Estruturais das Edificações Armadura dos Pilares Considerações gerais sobre o elemento estrutural Arranjos Longitudinais das Armaduras dos Pilares Arranjos Transversais das Armaduras dos Pilares... 63

3 Armadura das Vigas Considerações gerais sobre o elemento estrutural Arranjos Longitudinais das Armaduras Arranjos Transversais das Armaduras Armaduras das Lajes Considerações gerais sobre o elemento estrutural Critérios de Arranjo Geral Arranjos Longitudinais das Armaduras Arranjos Transversais das Armaduras CONCRETAGEM O CONCRETO E AS SUAS FORMAS DE PRODUÇÃO A EXECUÇÃO DA CONCRETAGEM Recebimento Transporte Aplicação Lançamento Espalhamento Adensamento Acabamento superficial Cura CONTROLE DO PROCESSO DE CONCRETAGEM... 79

4 0!.1!23&! "##$! %& #%! '& & # (! )& # * "# ' + *, " ) -.# " $ % &# &%! # #. % - '/ " $.$& *.!&&# & # * &+ %,&" "0 $ 1 * #& "&! &!" % & "%* &! '/ & * & % & " '# &! $! % & *23 %. #+ & & %% % &. '/ & $ '# & # # % & " )4) %& '#+ %'#+ % & #$5& % " )# $

5 6 Recebimento do aço Recebimento dos materiais de fôrma Corte e dobra Montagem da armação dos pilares Confecção dos painéis de fôrma Montagem das fôrmas de pilares Produção ou recebimento do concreto Montagem das fôrmas de vigas e lajes Lançamento e adensamento do concreto dos pilares Pré-montagem e/ou montagem da armação das vigas Posicionamento dos elementos embutidos nas lajes e vigas Montagem da armação na laje Desforma dos pilares Lançamento, adensamento, nivelamento e acabamento do concreto das vigas e lajes Desforma das vigas e lajes Cura Peças prontas.$7 *.!&# $

6 8 4&/$!+5.$! 4#0 +6 "& / % #'/!.'$ 5 & ' -# % ' & 9" 9" $9" $ 9" $%,)&&# # "$ 9"$75 & # &'# :& & / 7 B CB B 8B 6B '/ CB DB 6B < E B DB B 9 6B CB B E " % 9"$75 & # '0 / $ 7 $ * &8 &!% / 6B CB B CB 6B # 8B B B B B B B B B B " CB B B B B 9 B DB CB B B 9"$5 & # '0 0& / # / D%6B

7 D 5 "! & '/ *: 68B( 8B( 6B( %& ' *&&# '/ & # '#+ :& & 8B% &0 &&# #'# $ %. & #&4*"% J 0. % 0#* # " *2 $ 5 % & "# &0 #! &K!. & & %& &&#% B "% & '3 &4 * & $ =*4 & &4 %'/.# %'0. % *2 %. &! $ L-*%! & )&& %0J %*% & 4%!." " % #+ % ;& & A% 'J% #+! J) $% %*% "%.'3 " * # $ 4#0#0 +" 6 '# 6" '# *! "#,&#. % '# &0'$ % 6, " J ",- '#+ "0 $ 5 # % F< M " '/ 3 '#+ ") O ( ' )!*J 3 '& & ( &&- &'0*$! %" "!. "#+ $ %& O &&& #%& # &# &. " ( &&& #+ " ( & & #. % -. & & &&%! #% & %*& (

8 C &.J* K ( &).%'$ 1' * & " '/ % *!. &J! &#% #$ 4#0#4 6 J&#) '/ % *#+ %* " ) % '3' #+ %! & 0J. % *' & %. * & %& && '/ -. $ : & "#+ & *& % )'.& " J% &#+ #%# $ &. & & * %** & &%. ' * ' & % O & &&( # ( ( # ( "#& ( &$ "., & % & %.%.' " # &, '/ $ =F &3%. B& &&$ # '# *. " '/ %. %J4 "0* & #+ $ '/, & %. & (&! % #+ #J* &.. J4 $ <. * )% " ' # %!.$$

9 @ a) Carregamento vertical b) Deformações resultantes do carregamento vertical.$& # * ) '/,OA. ("A ' #$ '/. %', %". J4 % & & *.$.$$ a) Carregamento vertical Carregamento horizontal b) Deformações resultantes dos carregamentos vertical e horizontal.$7.& * OA. J4 ("A' #+ '/ $

10 a) Carregamento vertical b) Deformação resultante do carregamento vertical. $.. & * O A. ("A' # '/ $ '/ & % & 4% ' &. J4 & & % & * &.$.$6$ Carregamento horizontal Deformações resultantes do carregamento horizontal a) b). $ 7 1 & & * O A. J4 ( "A' # '/ $

11 Carregamento horizontal Deformações resultantes do carregamento horizontal a) b). $6 & & * O A. J4 ("A' #+ '/ $ '/ % &# %3. "0*%. %& * &.$8$ Carregamento vertical Carregamentos oblíquos ao plano horizontal, provenientes da decomposição do carregamento vertical Deformação resultante do carregamento oblíquo a) b) c).$8& # * ) '/ OA. ( "A' #$ 4#0#9 1 7' J, '/ $.*& % & $<" %&! %*

12 J) &&, '/ %&, %.J %' &) $. #. '# '#. % #+ "".' *&. % * & (' % & J' *-. 4 $ " 4%! '4% & % '/ $ & '#+ && &. "".' & &' '" %' *. '#+. : & + "0. $ 5 %&&+ # '#+ & '/ % ' "J% ' '# * 4. $D% O $&%O!& *)' -&#% &'0 $ =! & &&! %*& $ < &! * & &# & &, ' & (,) %& J '& $ /$:.!$1&O!, *" '&.. * '/ $ *.& OA O&#, '# & ( A. O &# J4, '# '. &. ( A O&# J4, '# #P'. &. J4 (A ' O &# &#J4$!;./&O!,&# * &J $

13 PAINEL ESTRUTURADO Possui elementos permanentes para o enrijecimento. PAINEL NÃO ESTRUTURADO Não possui elementos permanentes para o enrijecimento. MOLDE VIGAMENTO Resiste à flexão (carregamentos verticais). Composto por peças horizontais. ESCORAMENTO Resiste à compressão (carregamentos verticais). Composto por peças verticais. TRAVAMENTO Resiste à tração e/ou flexão (carregamentos horizontais). Composto por peças verticais e horizontais. MÃO-FRANCESA Contém horizontalmente os moldes verticais. ACESSÓRIOS CIMBRAMENTO Auxiliam os demais elementos a cumprirem as suas funções. SISTEMA DE FÔRMAS.$D7 '/ & '#+ $ 5 '# % #+. &. $. 4. "J %%& #*& $ ", J '# % &. & #+.)' &' '/ K " && %*, & %., $

14 '/ & & $ Molde Painéis não estruturados Painéis estruturados Sarrafo Pontalete Travamento Barras de ancoragem Vigas de travamento Porca da barra de ancoragem Gastalho Travamento.$C7 & '/ && ' &&! ;&! A ;&! A 0& ' %& %. J4 ". $

15 6 Travamento Barras de ancoragem Mão-francesa Porca da barra de ancoragem Sarrafo Tensor Vigas de travamento Perereca Acessório Gastalho maluco '/ & &. %". ' '$ Molde Travamento Tábuas Gravata Viga de madeira Porca da barra de ancoragem Cunha Acessório Barra de ancoragem.$7 *.!'/ && )" 0&. ). ".

16 8 5.%! 0&&! '$< &! 4 & &! '% % %: & $ Q! & &0' % &# * &! $ <. J R. &!&S%! '# & % & ) & &&''/ % 4 $ < ". % "! J % ' - #& & $ 3 & O". & %' &" ( %' &' #;φt68% A%& J ) R& S(' #6% ) %. $. % "! ' % 0 & ' P & & #J4$5' & ' 4 & & 0 & $. %* -'.&. J4% & & J4$ 4#0#9#4 <.$%.$.$' '/ &. $ Molde Painéis laterais (estruturados) Painel de fundo (estruturado).$7 & '/ &.% J& & ' $

17 D Travamento Mão-francesa (a) (b) Sarrafo Sarrafo Gastalho Sarrafo de pressão Vigamento (c) Barra de ancoragem Travamento Escoramento Painéis não estruturados Sarrafo de pressão Molde.$75' & #.OA &! )" % ' ' ' &.& & '& ("A&! J& & '. J )(A&! )" & ' & ". Garfo Escoramento e travamento Mão-francesa Sarrafo Acessórios Gastalho maluco Cunha.$7'/." P.' ' < &!. & #.; ' & #.A% ; ' -.A% $

18 C '/. & & & ' $&!4& ;. $A% **. '#. &,% &,,).' ;.$A$ <. J.% &%3 '# - & + % $ < "! & 4 &'4. $ & & #. $ <.' * $ 4#0#9#9 %).$& '/ &,$ Molde Painel não estruturado em chapa de compensado Vigamento inferior Vigamento Vigamento superior Pontaletes com cruzeta Escoramento.$7 * '/ &, & $ < &,& & &. & '% ' %" &. :$ <. & & & % * ) $ % ' $ 4#0#9#=.$6. '/ $

19 @ Vigamento Vigamento inferior Vigamento superior Molde Acessórios Cruzeta Forcado Travamento Escoramento Escora metálica Torre metálica Viga de travamento Tensor Gastalho.$671. '/ 4#0#= $ 6 & ': 4 '/ (&! % & &# % ' % *$ ' 4# ) & # ' 3 & ) & # ) % *%. F>N>;A%& 6B &0! ' C6B' $ <! #) ''%.: &" &J % $ " % % &.& %!4& ".' &0 $ %, " &&.! #%!

20 # &0& 4#% 0 # )$ = ' & & # ' 4# ' & $ ) % '" % #% 0% "J&&% *' &!'" %! 4 J& & %, '/ ' '.J*$ # & '/!. &K%& &) &J!',% " %.#*$ F J 4# % '/ )' $ 4#0#=#0 $ = J &! ) O " &'% & ) & ( 3 - '% ' &, ( &4#%& # & & & ( "% & + ( $ < &. '/. O $>=' &# J& & $ )" ' %-'&4# %" : " &' 6 -' ' %3 #+ & &#+ % * &# '&. ') # $ J& & & O J& J& & ' $ & 4 '/ &'#+ % ' O " " &'( '.. ( *# ' &# (&& & &# ( 0 "(' * # $.$8 % * % '/ )" %**.$D& J& & %J K $ 6 U 4 %& %&!%4# &. &'0 &* R S &+ &' $

21 .$87 * '/ 4)" & A "A.$D7;AJ& & (;"A5J K J& ;N5>>9%A$ $7< # 0 4 & & 4# " &'$! % " '" 4#;. ' 4 & "A%&, % 4 %"4 % #$= F " 4 '/ &! ( &! %-'&4# &, %& '/ $=%- &&# &4# # % 4 &! && & $.$C &'/ #&. & & '/ &% )'& $

22 A"A.$C7/ && )OA/ ("A ' 7 / #*') & ;& A$? 7 ')' #.!%&) "J3 4 '/ & % ' & " &4#$=F % &) 4 &0. &! '# '"% '/ &, $=%' * # 4 &! &'/ & %., % %' &'$ =%&)!4 '/ &! &! $.$! &4# &) '# '"$

23 .$7N. + ' &) '# '" %4 #&>H "J% & & 4 F %! 4 ' 0 &' '/ $.# &'(&! % " 4 #% " 3-'$.$ '/ & 4"J & &" &''$.$7/ 7V4" * &! %! &!. &!, $.$ &' &!, *% 4 % &,%'& '$

24 . $ 7!, &,;<=9 7V4 &"% & ;.$A. $ &##%&, % && * & ' &#%'4 *J& 4#$ < & & &* " &' & 4 " # & & ' ** &#, '4# ) $.$7/ &&&& #$

25 6 4#0#=#4 7 4#0#=#4#0 J &. " & %&4#% "% '3 '/ $< &. &.. O $ 7 %!4 % #.%* ' &# # $= & %! 4&' &4#% "%"&.!. J.( %! 4 #$ %& &. ; &JA 4$ < 4 &&. &'RIS% J H 8 $ &# 3 J& &. &J$ 4 & "#& P 33 ""$.$. &# &. $.$7# & & $7V" 4 " ;# 0A%' & % $ " 3 "&.%& &. *' % &. " "&.!%! '). & $L. % ' J&" % 8 < H.. %* $= %&" *% % 4&. &'I.%& $

26 8 4 % &# %' R. 0JS% " # &. #$. ) " -'&.&4#$.$6. 0 &'RIS%.$8& # 0$.$67 &'). A "A.$87 ) OA#;5W% $$A("A 0;% $$A$ 4#0#=#4#4 # *' '/ # & - # -'% "% ".# $< & & '. O $=. & %!4 + % &. %. ;.$DA% ' & $ "! % # 0$

27 D.$D71. #. & #$ $7&&. % 4. ' J&" %. %". %& $' ) & &# &R. 0JS%'. $C$.$C7. 0 &&# ) & %' R. 0JS;QJ% $$A$ 4#0#=#4#9 $ # & 4 ' & -#- & % ".# $ ' & '. O $7 4 ' )" $ $74 ) % " & ) $ & 7#J4. & %& 4 " #.J ) $ 4#0#=#4#=! J " %&& % &" & '/ $ '# 4#+ & 0 & % J * &+ " )% * &J %

28 C '3 '/ $< & '. O $7= % J %. J ' &'#. J % ' &# % & % ' J& & $< ' 4 & & %. "%& 4#+.#J(%3 )"$ $74 %. #+ %& " %&&. * &J:%*, $ &% ' 4 $ ' 7V4%* * %' " 1 & ". $ A '#. ' '/ % ' ' & & '/ % & 0*% "# '/ %,' '# $ <! && & '/ " %& %.& %.% # &! $ L&!% '/..& O ' & % ". & & ( & J4 %. %, ; : %& J4 % & 0 # #+ *.&A$ <.!!'# '/ O % % &! '" &) % & " 4(% %*& * &#. % &! &4# % ' & &

29 @ ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO PILARES E PAREDES LAJES E VIGAS Sistemas de fôrmas para elementos verticais Sistemas de fôrmas para elementos horizontais Sistema tramado Sistema modular Sistema tramado Sistema modular. 7 5 * )% '/ % " # &! $ +6! 4& 4# &! * & #&&!. & $ #& #% 0&) %** & J& & %&) #$ V.. )&." % *% '# " &. %3 :$ < &! & + &4 %' &#. ;. $A% 4 % 4#.. %&! '4 # &! &* ;.$"A$ V.& 4#( %& *%. # %& %& & " "#&! ' J % %&'$= %!, '/ $ V" 4 %&& && ( & %F %! & % O ' # &, '#+ % &** ' %'&, '/ &# */ ' &"4# '/. $ 5 %&4## "0! ' & %'4 * '/,, (*. %*3

30 ' 4%&, &, %, %4%& % &4 "0 $ A "A.$ OA. '/ & &! ) ;5W% $$A("A #&'/ & &&! ) ;H% $$A$. $ & '/ & & & % & $ A "A.$7AN'/ &&; % $$A("A '/ &&;N % $$A$.$& & 4 &'4.# &! $

31 A "A.$7 &&! OA. &;N% $$A("A ;% $$A$!4. $ = '/ & & % # J4 % & & % & & '/ $ < * &+ ' %& ;" 4A ) ;# 0A$! #% 0 "$4 &'" % '& '/., $ 5.% % ) *. ) & $ < &! & &4 "* & * '" " %4 '/ 4 D $1' *% % ) % '/ * & - $ N "#+ & 0 %& 4&# ' $5 & " # %. O $ OJ& & )" $ OQ & & ' & ( ' & ;' A(. %J4 % %#% 0 ;. 0JA( ) ;" D < R'/ 4 S! - '/ ' % ",4 4#$

32 . & % ' # A(. ) (. ; %# A$ $ O9)" % ' & ( ) ( ) ;', & A$ & 0 &) %! 4 4 % 4 & "% " 4#;&# A & &0 "% &$ 4#! & " %*&&' 4' % ' 4 " % &, &, %" &) + *- '#. $.$%. $.$64. #+ & 0 & & &&! $ Barra de ancoragem Limitador de espessura Molde em tábuas Molde em chapa de compensado Mão-francesa em sarrafo Sarrafo Viga de travamento em madeira Gastalho.$7 *.!'/ &&4

33 A "A.$7/ &. %. ) % ". ' ) OA& ("A.$ A "A.$679 '/ &OA&. ". ("A '. #' #.. $

34 +6 < &! & & 4. ) &. - %&4 )! & $ V #+ * %& 3. % 4 % 4- '4 % '# $! %!" &, & %& & &4#% *J,'3 $ L- % & & J R"# S% *%*& & &%& * &!,, *J, %' #. ' #+ $.$8& "# $ A "A.$87"# & OA"#& # &% &!,& " ("A"#& #'%& ',$ < F %& &*% " %, & %. % && &), $.$D&. #&! &, % **.$C& &,$

35 6 A "A.$D7 &, OA. &! &. ) ("A ' $ A "A.$C7 OA&! & "# ' ("A&! & "# $ =, %4 & & &. ' & C $ <. '& & $9. * & ; 4 A ) ; # 0A$ =. %!" : 4 & &! ' ' %& ' C && & &. % % %& # $

36 8 $< & ' ". % ' & %. J % ) &) % '.' ( & ' & 4 % ).' $ V &. % ) ') &#- % # *. " J& $ < & 4 && '/ &, %& '# & 4#R S%*& & & $.$4 '" &, '. $.$ & & R S 0 ) $=.$& & '/. $ A &, OA. %. '& ' & ;5W% $$A("A J& & %. &' 0 '. 0J & 4 $

37 D.$7 &'"., '.OA ' ",("A &,$.$7 &, OA & ;5W% $$A$( "A. &' #%& ) $

38 C A "A.$7/.OA! ' %. 0J". %! &. &.' %.' ( "A! ' & 4 $ & 6 5' '/ F % '' #+ *& " + *- J & %!' ) *' %' &! & $ & J ' O 5WF / &7 &. 0$ QJ 7 & $ H/ 7 &. $ N7 &. $ 7 &. $ N 7 & $ 7 &. &J$ N X 7 & $ 9"$& '/ & &"4 & & (,)9"$6& & & J4 $ 9"$7= '/ & &0 & & $

39 @ +&.1&. $&,%!. %$1&<./!/.!$!& 5W ;A ;& A & QJ NI;ANH;& A =& &0' H 9WW;A ;& A =& &0' N ; 0A;#A 9;& A%H ;A% 5 ;& A&;A N H ;A ;& A ;A< ;& A =& &0' N N ;A E & "J '/ 4 $ 9"$67= '/ & J4 &0 & & $ +&.1&. $&,%!. %$1&B&./C&1!/.!$!& 5W 5W'5W5 QJ =& &0' H =& &0' N N =& &0' WXW N' N N W "E "& N N E<"!&, % & & &) $ > % 9"$89"$D%. 0 & &# &0 $ * 9" $8 & " & 0 &! %9" $D4 $= & 0. %'* #+ & 0 :'"$ 9"$87. 0 &! ' $ /$! $!./!% /$13& $!!,/%/C!23&.!1&.

40 $&,%!. DEFGH # Y & N # 6 Y6. & N4 9WW # 6 E & N # 6 Y6. & N4 9& 0 6 I, N 0 6 Y & N # 6 Y66 & N 4 N 0 6 Y I, N 9 # 0 Y6;#A Y;A & N 4 H ;A # Y & N 5 # 6 Y. & N4 & 0 6 YD N WXW 0 D%6 Y8 I, N H ;N A # 6 E & N N W 0 E E I, N # 6 Y6 & N < # Y6. & N4 " ) C Y8EE I, N N ) 6 Y %,. N E>' # &0 ). ' & '" $ EEN $ 9" $D 7. 0 ' $ +!:./!1 &.!$1& $!./!%!%,.!!.! BI4JK &:.<!2L 5W # $W.

41 ;&A QJ &0';A # %6 6 E I99;A # 8 $W..&& H ;&A # CC $CW. ;&A # 6 $W. N N;&A 0 C66 $W. N;A 0 C66 $W..&& 5C;A # 6 E 9;A # 6$W..&& N;&A 0 6C 8$W. N;A 0 6C 8$W..&& N ;A # 6 E N ;A # 8$W..&& =& &0' ;&A # D666 E E>' # &0 ). ' & '" $ 1' 9"$8%&" *&!4&. $= #' $ & *&&+ #+ & '/. % & #+ &, $5 ' % '/ % % & %.% % * & "$ R & #S! 4#% F % %! % %. % &%! 4# 3- & % = %&3, & * * $ % % : & "%'. &&. $<!* 3 %. 4#, & $ #%! & 0* - & * & #+ -&. % ) #& '/ $

42 9&.&&.&,23&!!.$!,.! 9#0 " %.'#&& & %' & # &# #S$ '#+ ;>%(F%A ', &#+ % " - &&# & # $ GI>=$;A& R& #S &3 & OA &,( A'"#' ( A #$ = *,"% "J%&# % &,! &#+ & #%4# R SR # #S% % &&'# &%".3 )&."&,$ % & && GI>=$;A&&+ * 4 %& R &## S;A&.& &%*." & OA7 ) ; &' % "# &, J ;5AA(A7 &# '" ( A %* && #% %, *."!"%&, &. # #% &#+ &#% &# % * % $.$ & 0;A. *& $9.!&.0;.$A*& 3 && & % *, &, ;A% '"# ;A # ;A$ < %&.%&) $= * &'"#%"!R&S%!%& &&&4 &# " H)* ' R #S%* #% "! && $ &)! " # 0 J)* ;&)-.!A$ " #& " 0.! ' &,J %& R&# S% * &# ) $

43 Processo de Concepção e Produção de Armaduras (PCPA) A0.$ 0. *& Projeto A1 Fabricação A2 Armação A3 A0.$& & ' " %& %. '#+ & && - $ &#7& &) & % &, % + ' 0 *%* %. ( "7 #& %"& #% &0 K &6 ;P8SA( ' 7 #& % "& '#% &0 K % ;PSA ;PCSA(.J7"'# & & ( " 7 "! J " %! * & &. ( 7,&# % %*& &( "7&# & % ", '# '# J ;

44 . A% '# & ; & A. & ;&& *&. A( 7 & &&#. % %' J( K 7 "! J "%!: & % 0 %K # '"$ & 7 "! J & %! & ',. % & )& -#& & (.7 "! J.%! & &,. % & ) & -# &. ( & 7& " '!, & # &#. & ( *O &' %* )%! & % '# * # ( & 7 "! J R 'S% ", '# # J ** &. &!%!%J '#& (.7&# & % & ( 7&# & % & $ 9#4 $? <.J+ # & # " &. %!& & '"#$. :. %& & '"#.J+ 6 8%* ) &! & &0 & '"##$ R9% % &" & )%!& ") &&#" ' #&! #$ $ %. %! 0& J J& ) %. % %&# #'*& $< *0 % F.%Q&% DP6P$. >F;> F.A%W.# &4%8W.&3 $

45 6 &. % 0*% J% %'4 * "J 0 K J * & # &!&!'$FIQ<;A "! && &;& % % #% '% J&A 4 &0' $! &&& 4#% * & &. % % % & &0' J.!'!' $ <! & 4 & O + O! & :."! #!'% '#"%' 0&$<" 0 & '.&& %! #. & &.3$ + O;'.3 %' 0.3 %' 0$A4 &, & #*0 #&' 0 K ) $ O '% &4 ' % "! &#')'* *0 $ &MN O4&4"# & ' % '&& $S %.J+ #'4! & & $ ' #!.J+! & &%&' ; % # '#A$.&"& >;R% SA % " # ' R& S$R " #% %&& & "'0 & # )S$N J+ # ' " #& # $'! & &%&* &4 # ) *!'%8* 66* )$H)* % "! %* 4!& & &# " %.J #.;. D6BA$. 4! *-.! )& " 6B ;C J+ A$>;A 9#9 " *. &'&#" ' #!F=9=F DC7F # & O &'#+ & &' %! &*, '. " #+ O '#&& # '! * "O & # *0 '%"!.%B%#%!

46 8 *%B$ #+ 6%684 & *& "*%CB!%6B%& %%&% #!!#( " & " & # ' &'#$< ' &.!" " &"6 $=F ' "! &'%* &. ( : - " &4 & #* & ' #'$Z) F ' " " && *& '% '#%#% & % #'$= &# ' &"% 66% '"". & #*% '% 8% '"& '# & * ; #'A( J&# ) '##+ / % *% " #'0 %#6!&& J( " # " 3 & % & %& ' "!8 & $ " & & & ' &$F!8 & & %' 0%& ) $F & " & & && 0 " ' #%' %&& K %" 3A$ 9#9#0 $% & * "'& & $ )%&% K " $ #"&6%68& '! # % 4&*0 / $ '# "!'! &. "' &#" &' =F DC$ 9" $; F =F DCA % W.P %&"&;66A K 0 $ ' " "& "' J K."* *$ ''#"%.*K,. " 6$

47 D #+ ** & '"#% "! " K # $66 K![8B%&". %[B&" * ;9"$A$8K![8B& " ;9"$A$ V &'#""'%& "& % ) # ) 0% *23 3 K&' & $<" % 9"$9"$* K &4 &=F 0 % %& %.& 4 # &. $#K 4 0 #! 9"$$ 9"$N K : DH N ;G.P A 0 ) 0OP OP Q0OP 8% $ $6 C $66 $ RP OP QRP $6C $8D $86 %6 $ 8 $C $6DC $8D $C $88 $8 6 $8 $C6 $C 8$ 9"$N K : DH N ;G.P A 0 ) RP OP QRP

48 C % $ $6 6% $6 $6 $8 8% $ $6 D% $C $ $ C% $D $6 $66C 9"$#K 5K 8% C % K &. P 6P8 PC P 6PC P $P 9#9#4 S &# #. 6%68!'! 0 K " #$= O 30 % 3. % * &4 9"F=F 30! && & " ' # $5& %!."J*"' &$<! &* & '' #+ & %,%! % & % ) J % & J & ' #& $ <.J * 4 " & ) &!! &*" &. ". - # ' #& $& &% # ' & $ & " % *'. # %,O6W.'P % 6N&6(8W.'P %8N&8$ < 3! ) && %*% &%,%!& ) 3 " $! *.! % W.'%& &%"& )* #%! &#.) # % W.'P %& &$.!&*#.%!% * ".* & $ #. ;.$A!'& &# && % & RIS% & J " & &&&% & 'RI'S$

49 @ &' &=FDC & 4!4 K $ &% & K RIS ) $ && #. &&& #. &.$. 9#9#9 7 "*R'# &.4# ' & " " #S$9 " ' * & 0 # &.% &% ' %* ' #+ #%"$ < &J #&'*%" % 0. &) "%'4 * + & #", ' &,$ =F8CO; C$$6$A% " #+ "#" % K & 4 " " ;.J % " &#. A$5 % K & %& 4K " " % * & 9"$9"$6; '#K " " R" S; " & A% &4;.$A *%& 4%! K " '#" %' 9"$8$ 9"$5K & " ;5A&.J. # #&'*% " %. &0 & &. $ &% %6φ ;K " %6 φ& " 6 $R=.J ' %&*&.J ). *& JS$

50 6 : S 7 DH \ φ 6φ 8φ 6φ Cφ 9"$65K & " & " : DH S φ φ φ \φ] φ 6φ 6φ Cφ.$7F 9"$85K & " & " & 7 0 S φ 6 φ φ φ φ \φ\6 6φ 6φ φ φ..jz$i$;fiq<%"a%. '" #'4 " " && %' #+ =FDC% & &#" $= % &&! " " C^ & K &4% &* & *" '."$ &4 #+ * 4 " $< K &. & ": &" *! " 4 " :. & &J

51 6 &# 6% 6 8 "# && &#$ V 4& " &"#& " $ " * #+ " =FDC 0. ) 4#$. ' ' &* #+ "#=FDC, * &#$ OA " & "! J ( A &# '# "! J.3& ( A & & )* " "3.% & "$.;FIQ<;"AA%" " #+. &'.4 &.+ " %,& 4* 3#&") & ;*. '#A%,&&&* ' " % * ) "$< &" %%*' "*"%" *%" &; *" % & %&.% & %. ". A$ & " # &. &# ' ; & '"A% * R &" %* & # 3% # &# S$ % R" S '" & &# " 3$ " 3& J && 3%- 3 && "%" # R# R" 3S%. : %R '# & * 3 "!& & ' #+ &' &' '" $S < " ' #K.% & & && 3. &. &%' & ' ' # &' ;ηa% & '3%.%&.#6 %6& #.68$ ".6 ". & "0* $ < 3 =FDDD$<> 8$6$ =FDC4*R & &*4# " & &&4# ' #%& ' ' # &' ηt %6% *,.3 ' %* O 3!. *"' ) - + J &'0&$

52 6 "0* ' % # "% K.. &6^;.$6A( " &. 0 & % *, & ' &."( &K. % %! "0*. &%K % &K ' % %. &% K ( &#! "0* %..4% %6%CK ( ".& C6B&0 # "$.$65 K K. #" 9#=! * = F % % ' 4.3 N ' & &.J+ 4 #% &.# &$".N' ' : 8 =N.A%& & & & $;FIQ<%A 9 F=9; #F = 9! A && >=N9<;> = N.A%. Q %* & && & ' *.J+ & # & ' = F =FDC;F ' # A$< RN' S! "! J&R' S R LS & **'4 '# #'-";.$8A$;FIQ<%A

53 6 "# #N'!'! & 4 & F=9P>=N9<$ '# L'"%# & :. "$< ' " & & % " % &>=N9<$. N' & & O.#4#O.J+ % & ' " ' *. " $ ' %! 4#.J+ &4 & & *J N' ( O * & &.J+ N ' %: ' & &) 0%. & &&# $.$8* &'##'-"$ < $D;R *";" #6A% " %& # % ' &. >=>;> = & > A%. ;'#&. A &K $= 68%'#!' *& $ ". &' R. SR * S0. % ) $," %. %) $ " % J # %.I<=H59( '#+ O

54 6 " '# # &# -'-#% "&& & " ( '4 * ' % "#. 4#% & #.4& ;, ' 0 JA( " ' &4 &' #% & -' #% # &% #% J& ) $ &# & % & - & ;& &% & A.#&# & " ' ". $ ' & #+ % ) ". &.4#, &# &. $ *. " J "# '# $ < *R # '" - #% * & & &, % &.J ", &! & 0 : &# $S R< * ' ) & & %&&#% & &" ' ) $S & " &, $=& % " "0 &&# ; " ',) &4" '# #* " &A$.& ", #*& " J& * & #+ &' &#(. % %, &4 %*' & $ 9" $D & '#.%&& & '#+ &0' % &. ' &# $. $D &' '# & &# 3 &4#&3. & '.J "' &# $ &&# &,") $S

55 66 9"$D '# # &4 $O<% 7 + $ *0". $ $ *0" ; 4#A $. $ $. $ & $ & $ $ 'J $ ' ". " & $ *0" '#. &.&#'*2 J #%'$ =. - '# $=, '$= & $ &'.. %! & ". %& & #& #. &#$ > & ' # &'. &#% #+ 4# $ &.. &# * " &&! $ '# *0" &$ &. * 4# & " # '#. *.. & &'0** &#$. " & #+ * ) $ ) * 4# & " # '# # & 4;& &%. ' & ".J A$ " &! $. 4# & * $< " & 4# ' ". ". $ Q. &#%, & # "4 & %, " 0 * $

56 68 $6 & = ) 4. %* & " % '4 * J, & $.$D9&. '#;9"$DA&& & " 4 &. & #+. * % ". % & J ;&,A%'"#. $% %' &*., &4 &%.#% '# & * ' &, $& %.%. & #+ P& #+. " ) %0 ". " ;#*& " " & & A% =F8CO$

57 6D 7 < D$6;J A=F8CO& *OA " & & % & '"* &#+ # (A,& J & # &# '&.J"$ * &# " % # * J4;. $CA% & *K " $= " K ' K ". $'# % & 4*! ).& " %' ' ; *4 " 3% ".6 " &'A$.$C &# 0 " * " ' * '# * ",. %,& 3 & K "# " $. ) OA&3(A& & K $. &3* '# & &.%..J$ " 6 &. & 0. %. #+ OA"..J %&" ( A 6 " &.J $

58 6C.J * J K #% # & ( A.J %.J&" φ] &' " $ <.J ".#& O % & & ' φ( K.6 ;A% & & ' φ( K.% & & 'C φ φ ".#$ " %.J. # % *.J. " %%4 " &. ". % *, ". & =F8CO$ " %. &3& % "! %!.J " $ =.J " % & O K.6 ;A% & &.6φ %&! '6 ( K.% & &. φ %&! ' D ; &.J 4&" ' A$ <K " % 0 %.0 $$$$$. &.!'# ' # &' " %*%& # #- &. % '# # ",&&. $ =F 8CO & *# & ) &. ") %*& 0 ' & RGS; & )A* 33;& " %& 4 3&" " A$ = # &. ); " &. ") R "% S ; * & 0 A% '#& #.J ;

59 &.! 4 B* & &. "A$ S =F 8CO&3**' 4 & K ;*& ) %' J ) % *) ; A- " %' &.$A& - %'3,, '%*' % &! $<&, & ' 4 & %! '# 3 & # * & '#. " ' &' %' $' $.$ & & &. K " $ 7 =F8CO&3* " #&. & OA& & ( A& &J )% * & ( A& (A& &, ' $ & & " ' &, & # ".R & S$= " 3 & % ' &..J $ " & " & $R= " 3% 3 % " & & %& & # 3.. $= " & 4%&. & #. $

60 8 %&* '# & '' % K " & φ$ =F8CO * & & % & &&# " % & & %&" %*&' " % & #+ ' &" & $ & % * 3 * " $ &. & *- &#+. %* &'#+ * ' "%' &0' $ & & O A&%& %&" * ( A&% %&" * (& & & +. $ 7 # &. & '/ R& ##S%*. ";&H). &.! & %6A$= " %' % &'0 " # & & )'%* & $9&0 & #0 YY% & 0 % *J, "$ ) &0& ' 0%*&3 ' OA&#&H"%&'"# " ( A&& #0 0 % & &# '!( A& # & # ' ).*&! $ &# & * ; & & "A* " & #&'*R " &. " %& & " & - &'0&#% & # " " ) S ;.$A$

61 8 C C C.$ & " ; & RSA$O< < D$$D$ =F 8CO& *%&. " 0 ; A%&,# " ; A%*! " 0 K#; A$ % + &# & " % " "D$=F8CO%*&3" & T %" " 0 & D$$D$6' $ < D$$D$=F8CO4*%R*J * 0. K" #& T6 %.3. & J &,$ %%# " & "D$=F8CO 6 $ " * " =F8CO&3% C$$%*R, - '# "! - #+ * #% & ## $< &# &, &#" &..#.. 34 S$ " 7 =F8CO'& R 8 % & % * '# & && S$ 8 =F 8CO ' * * &. & & 3 4 # % "! " $

62 8 # & %' && ".%..# #- 3- " #$ & %' & " % &&'# &' ". " # & & # ".. &#$ =F8CO& * # & %& ' %& $! % & 4 ;! A * &* #+ & '& ' $L**, % & & # '8 $ %! =F8CO" #& & &. $= &, # 4 ;*4%&% & &A%!.3 & % * " #6 ' $ 9"$C& #+ =F8CO " & # ". $ 9"$C #+ *- & #+ ". &=F 8CO; C$$A! 5K 9 5 "# < K ". ' &PC $.! & ) 0 &' D$$6$$ #+ &. % & "!( #+ % 0 " "0.&0 $< &# 0 ' ". % & # %'

63 8. %.. O (K "%'(%4 K )..$ " #+ *, 0&. & O = '0 %&4+ %. &', ' #$ LJ) # # &.% 3 & )- & & " * ' &. &$ L &. "! & 0% &. " & *' *&&. &$ &)J R.' S & * + & &" % 3& '3' $ < C$$=F8CO%* & %4*! R 0& " %*' %&. & & % * &% ". #. 4., S$ #+ =F8CO " & # " $ & #+ " & =F8CO; C$$A! 5K 5 "#. <K " & '6 _ K " K *'*.$ < &#. " % #&% &.& % &' ". ".. ". & %.'. O ( #(φ 17 &6φ&6$LJ D 5K ".

64 8 &'# #% & 0 & C$&. % &' $ < C$$ =F 8CO % &' % * &# ' ". " $54* R " &. S. ' ". ". & ". % % ) %- Kφ ;φ!k " "A % J & φ % J " % $RLJ " J"' %J " & S$ R " & ' 0& "%.J % #.J ".$J ". &., " & %.J "&& &,- " %* &, " S$;.$A$.$5 & # " & " 7 =F 8CO '. * '! =. %. '# # ' $< " " " '# # '# $! ". %. ' &.% * " * "! & ' & % * ' ". $ L J) 4. %J) & $9! & & " *' &%,4 & %&& %.*)&-$L.

65 86.'%&* ' #. #+ #%J) &. &$* '* & %&J " #&" # '# " %. % *&J #$ 9 " &.. & %! & #+ & =F8CO% &.% '. ) # PJ; &. #-.A. %. 0 # PJ.%$1. PJ. &$ 9"$& #+ =F8CO " & # ". $ 9"$5 & #+ ". & =F8CO; C$$A! 9 5 "# * 0 ' D$$6=F8CO < &# 0 ' ". % & # %.. OA#J4O ( K "% ' ( B & K )..( A # O ( K "%'( K )..$ 5 "#. "#.& #+ C$$$ '# #& &'# & 0 & " % " " " " $ 9" $ & #+ =F 8CO " ; " A&'#$ 9"$5 & #+ " & =F8CO; C$$A! 5K <K "* ".6 % P..$ L "' % K & & $

66 88 " < " & '# 'J! J4% ".#% '& $< &# 0 " %.. % '&& &. "%. " $< &# ) - #+ & C$$$$ =.$ &, ") ". && " " ' * " 'J $R<" %&! %* '# ) ) # & 'J % & &#$L &. " " %! &" *%&4+ %'J! &''/ %* ) & $L &. " :& % J4 "&+ & %' &*& ' #."4S$.$, ") ". < &. " 'J " & 'J &&, % &". $5 &" # "." 'J ",) '/ *! &*. ",.%R& ". ' & ".&" ' J4 JS$ " 7 5 '#. &# & &'0!&% %& %& '# && &!$= % &

67 8D.J, $.=F8CO% & & *P & & $.$& && &, $,, % &! %,4#& & )4 * & $,., & & &! % *, & & &! $ I, I, I, I,. I,& I,& I,..$& &, < $=F8CO'4. & #+ "J, OA & ' * &. &. ( A**" ' K ).J C PC( A " &&' & &# ). J %&. ' (A ) '.B &&% %% &# " % ) % $ " &! " &&(A ", %* ) % &# & $ C &,$

68 8C %! < &0& ") & " ) 0 & D$$6$=F8CO$R, #+ 3 & 0 % 0 & 4 # & S$ 0 & ; )& J &J-'-&#% ' #A%* 0%&' &" 3& $< ) & & D$$6$D$$6$=F8CO$ # ;' D$$$$"A& & %& '# # '#% * )''#"-& 8CO$

69 = &1.!$, -&#% " % & &# %). $!&' # % ", #% " &,. ' *' J&& %4 &0 " $ =#0& <!& 4 '$ Z.& 3 % ' & & %&*%& &#+ %'&& * " " "'0.. *, 6%6"J+ & % & & &).$. N9H M N<=9>< O 3 -).(' * & % ' J (" '&#P* #$ <! J.3. %.. :%...:).%&%% 4 $<. 4! %*& %&4% ) %" J &J$ <&, =F8CO;A% %&3* 0 & 30 - & % &'&C %& & & % N%6 N& % *& &0'$6W.P `& 5.% ' & &4 O "$= %! "# % & & %% J"%* &!"$="% & %& % "# % "$ "!.&%. " % 4 $ &# ' % O &. ( ' " ( & &#( & "& & "& & &4( # &# & * $

70 D =#4!M < #. "&4% &)! &#% #) '/ % &J)% )% )% J " &',)$ " 4 &! % ) * & &#%& & & *,)'&4 "$ %#. ".) & " % & &#$.$& '. * ) & $ Transporte Recebimento Aplicação Lançamento Espalhamento Adensamento Nivelamento Acabamento Cura.$7. * ) &. =#4#0.7 < J.- " J+ "% "& &' *'%* )' ' %' 3 0 %!. J%*.) *'. 0 $5" % ) ' 3 % &! " %*& '& & &4.& &)&'#$ =#4#4 *#" % & &% - 0 & "% & 0 & 4#4# $ '# % &#% K " 4#%

71 D & % #+,,'0 % & " " *& '3 $ % ) ' &$ #& & # $=& % & 4 *& &J4% J ;. $A,;. $"A% ** #! '4 *& &0'%.; T! N #A$ <J! *& "& #% 4# & $< 4% C %'*0" & & &0 $& % 4 " F $,! # J % " &&*! K $<, C %' %' #%&' #& *& $ L &! & %. 4 & "'/,%' J *&, J! # * #+ ", ' ;. $A$ A "A A. $ 7 *& & & & # OAJ ("A,(A.$

72 D A "A.$7A"A & #,.,$ L # ) & # % & '& " " ;.$A.;.$"A$ 4#" " & && ' # " )$ " " & ) & # %&#!'# 0 % % + %#+ $" "# &.. %!.. "#'$ % +, &# $" " ) & %# %& "#'4& J4! $9. "#'%. ". 4# " &..$ #%4#.& && " $! '4 #J4 : *& % # "& "%! " 4#. & & $

73 D A "A. $ 7 *& & & & # OA" "#("A.$ %***, &%! &K J &J *& % " *" '- 0 #$ <) &&# ' *..#..# & 0 ** &4 &* &%! " % & #+ &#%& " &&,04 &4% * #$ =#4#9! =#4#9#0 % 5& &! &#%!# '/ $ Q &#!'&&&*& &*% 0 "%&J * ) $ &!" & (% ".! * ' * #$. ) #.& % & %' # % & J(% &.% &4&) 0 % *% J J& # &) '& 0&.* *&)& $.$6&. ' # $

74 D A "A A A.$67I# '/ OA.,. "#" "("A., # ".(A. & # ".0&' &&) (A J". =#4#9#4 5-'#' '/ %& # %! ) &J)$= &4 ;.$8A&) ",% & "& & % &J '0 ' $

75 D6 A "A.$87A"A &J $ < &J #+ $ %. % *!# %& & %& && $ =#4#9#9! < '# 4 % & 3: $ < & ' O " ;. $DA%!. ";. $D"A &$ <&! 4% **: &! " $!."%& 4%&. (% #+ *- + &,%! &'%*, '' &4 " '#+ $ A "A.$D7*& & OA"

76 D8 * )&J '/ %% &#+ ) &* ' J J,..# % "# &*' 4 % &,043$ = 5& %! &' $ &#! J ' & 4 ' & * " &,;.$CA(& "! 4 %#%. '3 0$ * %! )*'/,,%& '& % & ' % "! & ( &%. % ) '%&& "% 0'/ $ = %! " 0&'3& % & % -,. %. % '/ &, $ A "A. $C 7 = O A & & '( "A ' $ =#4#9#=!7 & - &'0,,(% " J. )%,& '$ ', % # & " &'% O, O * * % #% '. &'(

77 DD, O * *& % *.;& A& & & &' &,% %% & (, " O * *' " *. &'%&4 % ) -'# '& % & & $ #, " % "! J R,4SR& 4S%! 4&.. &4 & &' & * )"$ % 0! 0.*% *).%% 4 %4 *& " &'0$ #%& ' % ) & &' %.. '4 *& ' '* &'0% ' " '. & $ & '.. "! J &%&J& ' " & "%' * &4. $ & & & K *.4# &'0% && " * &, ;<b M NIH5<% &. & & O&; T! N #A&%".%. %D %6 (% %&* ) # & ( ';. $"A% 4 % &* *4 #&) % & %&" &'$

78 DC A "A.$75 & OA("A( '$ < ", &&& &% &0 '%&* 0 & ' & & %.% ' % 3% & "" (% ' * &! ''. 4 $ % &#. & %. =F ) '& & & # % 0 *4.$ &# & ' &'0 &. &0 & )$ %& % O& ("' ).( ).(&# ' & )$=%& &'0 % %!'& ' &, $< "' ).&# 4% "! & % ". J "' 1;.$A$

79 A "A.$7,OA" J 1$ =#9. " & #'/ #%. &J' & % ",.*, &'$ %! J &J " % 4 & $ 3 & O % & # #$ =& % '/ # '3 0(.%. ' #+ '/ (%%' # *- &'#+ ",%" # &J ' #+ & $ &&+ %%. K & &4, &&# K ;9"$A$ 9"$7& K * &4, & &# K &%.U1/! %!V1/<%!! %!V!!:!!.& Y Y Y Y & ' Y < &4,!. &K&* #(%* ". %

80 C ' "! #%*4 &- 3 % *.-# & &0 $ ' *3 3- & ( ". J. %!%.. % %).% % %! &%# % $ >M<b;AcZ<;A%& 4%& 0 ' &0 " & " #. %0 * & 3 "&. " & ( &! % &" " % & " ' # % "! # $ = % * 4 &-& "% ' * ;&, P. A%' & ;" "%.Y, A%&& & '.! 4% ' ' % &, &# # *& *& $ #" #% ' * ' 0 & " % O 3& " % 3- & % ' # #;'& & A%' " =Fd # 3% &. $ %., ')% ) ) " * * ' #(& % &'# &*&& ' J+ "%,&4"% - " $.$& & &. % %& %# J$ 11º C.B. 12º C.B. 10º C.B. 9º C.B. 8º C.B. 13º C.B. 14º C.B. 7º C.B. 15º C.B. 6º C.B. 1º C.B. 2º C.B. 3º C.B. 4º C.B. 5º C.B. 6º C.B.

81 C A "A. $ 7 A * ),("A N&. ## J"$ & "! & 4 & & %& " ' # &" ) & ") * #+ * ) $ = J &% & & " " # $ ;cz<% * '#+,'0 ' *& & & ) &"& # # %* && " &.4%& J # & "& '& % $ #-' &#% %.%. & & $ N < O &,'/ ( &. ;& J % *23. % "# "#*&A(.#( ' )&" $ %%4'J ' ) &&. #., -- & & )&.$ ' < %*& ' ) -. % & ) & * # #% "! 0 $ 9"$& # " $ 9"$7> & #. %" & ) & * ##$ /1,$&.&1-<%%!!W,//23&F%&!23&,: &:.! $.//.& e f.; ".A e N&" e

! "#$%" &&'$( -./ 0'!

! #$% &&'$( -./ 0'! ! "#$%" &&'$( 112 3 )*+, -./ 0'! !""#$% # &!""'( )*!!""$+,%$) -!!""./ (!""$+$) -!""* *!""012 0"!""./ (!""3!""2 4!""0. ) 5!6 76 ".) 8/6 * 5 )!"") 2 7 9!!: ;5! ?>@" $A &B ) ) " *'3$$$2.(1C*'$ * 5 8/

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Estruturas em concreto armado

Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Lajes e Pilares SOMENTE VIGA DE BORDA Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Pilares

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009 ANEXO I-D ORÇAMENTO ESTIMATIVO ANALÍTICO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PELOTAS/RS ORÇAMENTO - PLANILHA ANALÍTICA BDI = 19,57% e LS = 176,82% DATA: JULHO/2009 CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE COEF. PREÇO(R$) TOTAL

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM EDIFÍCIOS

RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM EDIFÍCIOS RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM EDIFÍCIOS PROJETO EPUSP/SENAI Responsáveis: Mercia Maria S. Bottura de Barros Silvio Burrattino Melhado São Paulo 1998 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

FORMAS E ESCORAMENTOS

FORMAS E ESCORAMENTOS FORMAS E ESCORAMENTOS Formas: São os moldes que darão a forma do concreto. As Formas para concreto armado devem satisfazer aos seguintes requisitos de ordem geral: - Serem executadas rigorosamente de acordo

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Dependendo das necessidades construtivas, pode-se executar laje plana maciça ou nervurada e lajes tradicionais com vigas.

Dependendo das necessidades construtivas, pode-se executar laje plana maciça ou nervurada e lajes tradicionais com vigas. 1-INTRODUÇÃO Os sistemas de formas para lajes e vigas da Nopin utilizam peças metálicas de fácil montagem que dão agilidade e otimização, não agredindo o meio ambiente. Nopin dispõe de diferentes sistemas

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo Disciplina: EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO professor: Manuel Vitor critério de avaliação: (P1 + P2)/2 + 0,2xSemin. Programa: - leitura, interpretação

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este trabalho tem como objetivo estudar a resistência do sistema de ancoragem composto de pinos com cabeça embutidos no concreto, quando submetidos a

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE OS SISTEMAS DE FÔRMAS: MESA VOADORA X CONVENCIONAL

UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE OS SISTEMAS DE FÔRMAS: MESA VOADORA X CONVENCIONAL UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE OS SISTEMAS DE FÔRMAS: MESA VOADORA X CONVENCIONAL Pedro de Oliveira Peres Projeto de final de curso submetido ao corpo docente da Escola Politécnica da Universidade Federal

Leia mais

LAJES COM QUALIDADE SÃO CONSTRUÍDAS COM PRODUTOS GERDAU.

LAJES COM QUALIDADE SÃO CONSTRUÍDAS COM PRODUTOS GERDAU. LAJES COM QUALIDADE SÃO CONSTRUÍDAS COM PRODUTOS GERDAU. LAJES PRÉ-FABRICADAS COM VIGOTAS TRELIÇADAS CERTO DIA DOIS AMIGOS SE ENCONTRAM PELA RUA. OLÁ, PREVENILDO, O QUE ANDA FAZENDO? ESTOU CONSTRUINDO

Leia mais

TRAVAMENTO METÁLICO ASTEK BARRA DE ANCORAGEM

TRAVAMENTO METÁLICO ASTEK BARRA DE ANCORAGEM TRAVAMENTO METÁLICO ASTEK BARRA DE ANCORAGEM As Barras de ancoragem são utilizadas no travamento de formas na construção civil, fabricadas em aço ASTM A36, normatizados, atendendo as exigências da norma

Leia mais

#$ %& $!"#" $ ' " $ ) *+,- #$ %&.

#$ %& $!# $ '  $ ) *+,- #$ %&. !" #$ %& $!"#" $ ' ($ " $ ) *+,- #$ %&. 1 1 1 2 % & '... 3 ( )#* % #... 6 (+'!,!"-#!"."...6 (+'+'!"/0... 6 (+'+(!, "1/2 "34 5... 6 /'/' 0... 6 (+'+(+'+' 102 " 3 5... 7 (+'+(+'+( -, 6",!... 8 (+'+(+'+7

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas O Carpinteiro de Formas As nossas cidades de concreto armado não estariam de pé sem esses profissionais

Leia mais

VARA DO TRABALHO DE MAFRA

VARA DO TRABALHO DE MAFRA VARA DO TRABALHO DE MAFRA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ESTRUTURAL Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ESTRUTURAL OBRA: Vara do Trabalho de Mafra LOCALIZAÇÃO: Rua

Leia mais

Lajes. Marcio Varela Construção I

Lajes. Marcio Varela Construção I Lajes Marcio Varela Construção I Lajes Aumentam o valor econômico do empreendimento; Aumentam a segurança; a; Aumentam o conforto; Tipos: Maciças; as; Pré-moldadas Protendida Nervurada, etc Lajes Maciça

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

FÔRMAS PARA CONCRETO: SUBSÍDIOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO PROJETO SEGUNDO A NBR 7190/97

FÔRMAS PARA CONCRETO: SUBSÍDIOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO PROJETO SEGUNDO A NBR 7190/97 FÔRMAS PARA CONCRETO: SUBSÍDIOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO PROJETO SEGUNDO A NBR 7190/97 George Magalhães Maranhão Dissertação apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, como

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

RPA LOCAÇÕES DE ANDAIMES E FÔRMAS LTDA FORMATO FÔRMAS PARA CONCRETO LTDA

RPA LOCAÇÕES DE ANDAIMES E FÔRMAS LTDA FORMATO FÔRMAS PARA CONCRETO LTDA Sargento de Pilar - SP4070 Braçadeira regulável para aperto de pilar. 3,20 kg Sargento de Pilar - SP6090 Braçadeira regulável para aperto de pilar. 3,50 kg Escora de Muro de 3,70m Esticador metálico para

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Introdução Geral Estruturas

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Introdução Geral Estruturas Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Introdução Geral Estruturas O que é estrutura? O que é Estrutura? Estrutura é um conjunto de elementos

Leia mais

FORMAS ANDAIMES ESCORAMENTO

FORMAS ANDAIMES ESCORAMENTO FORMAS ANDAIMES ESCORAMENTO Soluções Construtivas A Pashal Líder em seu segmento há mais de anos, a PASHAL oferece soluções para os maiores desafios em formas, andaimes e escoramentos em edificações, pontes,

Leia mais

uifabra Industrial CATÁLOGO VENDA E LOCAÇÃO www.quifabra.com.br

uifabra Industrial CATÁLOGO VENDA E LOCAÇÃO www.quifabra.com.br uifabra Industrial CATÁLOGO www.quifabra.com.br VENDA E LOCAÇÃO EQUIPAMENTOS UIFABRA PRESENÇA DE QUALIDADE EM SUA OBRA página 1 6 ESCORAMENTO METÁLICO Escoras Quadros de Escoramento Vigas Diagonais Acessórios

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Aço o para Concreto O que é o aço a o? O aço é uma combinação de SUCATA, FERRO GUSA E OUTROS.

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE,

3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE, 3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE, MONTAGEM E CONCRETAGEM CAPÍTULO 3 3.1. O PROCESSO PRODUTIVO DAS VIGOTAS TRELIÇADAS O processo produtivo de lajes formadas por vigotas treliçadas é considerado relativamente

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

ANEXO XII Memorial Descritivo

ANEXO XII Memorial Descritivo ANEXO XII Memorial Descritivo Para execução das obras, deverão ser observadas as Especificações Técnicas do Caderno de Encargos da PMPA. Foram elaboradas Especificações Técnicas Complementares, bem como

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) INFRAESTRUTURA (FUNDAÇÕES) Parte inferior da estrutura de um edifício que suporta

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES E OBRAS PÚBLICAS - SETOP INSTITUTO DE OBRAS PÚBLICAS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO IOPES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais Forças são grandezas vetoriais, portanto são manipuladas através das regras da geometria analítica. Duas leis são válidas

Leia mais

Índice. Apresentação da empresa 4. Produto Mecanoflex 6. Alucubetas 8. Escoramento com Painel 9. Escoramento com Torre 10.

Índice. Apresentação da empresa 4. Produto Mecanoflex 6. Alucubetas 8. Escoramento com Painel 9. Escoramento com Torre 10. Índice Apresentação da empresa 4 Produto Mecanoflex 6 Alucubetas 8 Escoramento com Painel 9 Escoramento com Torre 10 Fachadeiro 11 Piso Metálico 11 Travamento Metálico 12 Escora A30 13 Escoras Alisan 14

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Memorial de Especificações de Materiais e Execução

Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 1 Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 2 Índice 1 Estrutura... 3 Tabela 01 Tolerâncias dimensionais para seções transversais de elementos lineares e para espessura de elementos

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS. Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas. Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS

Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS. Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas. Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS 1 OBJETIVO O presente Memorial tem por finalidade fornecer

Leia mais

TALITA FLORES DIAS COMPARAÇÃO DE CUSTOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS ENTRE O SISTEMA DE FÔRMA DE MADEIRA CONVENCIONAL E O SISTEMA PRÉ-FABRICADO

TALITA FLORES DIAS COMPARAÇÃO DE CUSTOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS ENTRE O SISTEMA DE FÔRMA DE MADEIRA CONVENCIONAL E O SISTEMA PRÉ-FABRICADO TALITA FLORES DIAS COMPARAÇÃO DE CUSTOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS ENTRE O SISTEMA DE FÔRMA DE MADEIRA CONVENCIONAL E O SISTEMA PRÉ-FABRICADO JOINVILLE SC 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

FÔRMA FV. Pashal Sistemas Construtivos Ltda. www.pashal.com.br pashalcomercial@pashal.com.br fone: (11) 3848 6699

FÔRMA FV. Pashal Sistemas Construtivos Ltda. www.pashal.com.br pashalcomercial@pashal.com.br fone: (11) 3848 6699 FÔRMA FV Os painéis de fôrmas modulares FV são facilmente montados entre si através de grampos de pressão. Barras de ancoragem, espaçadores, pontaletes metálicos para prumo e andaimes auxiliares de serviço

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Saiba mais sobre. Murfor

Saiba mais sobre. Murfor Saiba mais sobre Murfor O que é Murfor? Murfor é uma treliça plana galvanizada formada por dois fios de aço longitudinais (Ø 4,0 mm) paralelos e separados entre si por um fio (Ø 3,75 mm) em forma de sinusóide,

Leia mais

www.drmequipamentos.com.br 1

www.drmequipamentos.com.br 1 www.drmequipamentos.com.br 1 INSTITUCIONAL: DRM EQUIPAMENTOS - Locações e Vendas de Equipamentos para Construção Civil A DRM - Locações e Vendas de Equipamentos corresponde à grande evolução na indústria

Leia mais

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130

Leia mais

Andaimes Formas Escoramentos. Catálogo

Andaimes Formas Escoramentos. Catálogo Andaimes Formas Escoramentos Catálogo histórico referência de qualidade, segurança e eficiência Fundada em 1998 a Espiral Andaimes e Estruturas Tubulares tinha como objetivo inicial atender as demandas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE LAJE NÍVEL ZERO : ADEQUAÇÃO DE MÉTODOS EM ESTUDO DE CASO

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE LAJE NÍVEL ZERO : ADEQUAÇÃO DE MÉTODOS EM ESTUDO DE CASO 1 PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE LAJE NÍVEL ZERO : ADEQUAÇÃO DE MÉTODOS EM ESTUDO DE CASO Felipe Borsoi da Silva 1, Marcelo Costella 2 Resumo: Este artigo apresenta a descrição da execução de uma laje

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: CARPINTEIRO DE OBRAS - PRONATEC - 224 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): UNIDADE DE ARAGUAÍNA Plano de Curso Simplificado

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais