GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O"

Transcrição

1 GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

2 GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO

3 FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS: garantir a geometria garantir o posicionamento da peças manter a estabilidade do concreto fresco proteger o concreto novo evitar fuga de finos limitar a perda de água permitir a obtenção de superfícies especificadas possibilitar o posicionamento de outros elementos nas peças

4 FÔRMAS E CIMBRAMENTO CIMBRAMENTO: Estrutura de suporte provisória composta por um conjunto de elementos que apoiam as fôrmas horizontais (vigas e lajes), sustentando as cargas atuantes e transmitindo-as ao piso ou pavimento inferior

5 FÔRMAS E CIMBRAMENTO REESCORAMENTO: Estrutura de suporte provisória composta por um conjunto de elementos que apoiam as vigas e lajes após a retirada de suas fôrmas e cimbramento, até que as peças concretadas atinjam a resistência para a qual foram projetadas

6 FÔRMAS E CIMBRAMENTO N O M E N C L A T U R A

7 FÔRMAS E CIMBRAMENTO NOMENCLATURA Fôrma Convencional

8 FÔRMAS E CIMBRAMENTO NOMENCLATURA Fôrma Industrializada de Madeira

9 FÔRMAS E CIMBRAMENTO NOMENCLATURA Fôrma Industrializada Modulada

10 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada

11 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada

12 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada chapa de madeira revestida

13 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada chapa de madeira revestida aço

14 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada chapa de mad. revestida aço alumínio

15 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada chapa de mad. revestida aço alumínio plástico

16 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada chapa de mad. revestida aço alumínio plástico

17 MATERIAIS UTILIZADOS FÔRMA madeira serrada chapa de madeira revestida aço alumínio plástico papelão

18 MATERIAIS UTILIZADOS CIMBRAMENTO e REESCORAMENTO madeira bruta

19 MATERIAIS UTILIZADOS CIMBRAMENTO e REESCORAMENTO madeira bruta madeira serrada

20 MATERIAIS UTILIZADOS CIMBRAMENTO e REESCORAMENTO madeira bruta madeira serrada metálicos

21 MATERIAIS UTILIZADOS CIMBRAMENTO e REESCORAMENTO madeira bruta madeira serrada metálicos

22 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO PONTUAL - cimbramento em dois níveis

23 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO PONTUAL - cimbramento em dois níveis

24 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO PONTUAL - cimbramento em um nível

25 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO PONTUAL - cimbramento em um nível

26 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO TORRE METÁLICA

27 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO TORRE METÁLICA

28 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO MESA VOADORA

29 SISTEMAS DE CIMBRAMENTO MESA VOADORA

30 CARGAS ATUANTES FÔRMAS peso próprio do concreto altura e velocidade de lançamento vibração temperatura sobrecarga de serviço

31 CARGAS ATUANTES CIMBRAMENTO Sistema estático, onde as cargas de montagem e concretagem são transferidas para o apoio solo ou laje inferior.

32 CARGAS ATUANTES REESCORAMENTO Sistema dinâmico que deve prever - além das cargas dos elementos recém-concretados - o quanto os pilares, vigas e lajes dos pavimentos inferiores podem (e devem) receber destas cargas.

33 DIMENSIONAMENTO FÔRMAS e CIMBRAMENTO COMO SE DIMENSIONA? sempre de dentro para fora tensão máxima em cada peça deformação de cada peça deformação máxima resultante estabilidade do conjunto

34 DIMENSIONAMENTO CARGAS ATUANTES VERTICAIS Peso próprio do concreto, de pessoas, de equipamentos, etc. HORIZONTAIS Pressão lateral do concreto, ação do vento, choques acidentais e componentes de cargas inclinadas

35 DIMENSIONAMENTO CARGAS ATUANTES Pressão lateral do concreto velocidade e impacto no lançamento do concreto temperatura, dosagem, consistência e peso específico do concreto forma, dimensões e seção transversal das fôrmas sistema de adensamento quantidade e distribuição das armaduras dimensões dos agregados textura e permeabilidade dos painéis temperatura ambiente, uso de aditivos...

36 DIMENSIONAMENTO CARGAS ATUANTES Pressão lateral do concreto CIRIA (Construction Industry Research and Information Association) Método da CEB (Comité Euro-international du Béton) Método do ACI (American Concrete Institute) Método da DIN (Deutsches Institut für Normung)

37 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR A compensado A C D B montante C Longarina de travamento B travamento D

38 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR e1 e1 e1 e1 q CORTE Cálculo considerando estrutura bi-apoiada CORTE q

39 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Cálculo do espaçamento e 1 entre montantes (chapa de madeira compensada de 18 mm) pela fórmula do momento M = (q. L 2 ) / 8 pela fórmula da flecha f = (5. q. L 4 ) / (384. E. I)

40 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Sendo: M = Momento admissível (em Kgf.cm) I = Momento de Inércia (em cm 4 ) E = Módulo de elasticidade (em Kgf/cm 2 ) q = pressão lateral do concreto (Kgf/cm 2 ) L = vão (em cm) para a chapa de madeira compensada de 18 mm Considerar como espaçamento máximo, o menor valor obtido entre os dois cálculos

41 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR e2 e2 e2 e2 CORTE q VISTA Cálculo considerando estrutura bi-apoiada CORTE q

42 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Cálculo do espaçamento e 2 entre longarinas de travamento (sanduíches) (montante - sarrafo 1 x 3 de cedrinho) pela fórmula do momento M = (q. L2) / 8 pela fórmula da flecha f = (5. q. L4) / (384. E. I)

43 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Sendo: M = Momento admissível (em Kgf.cm) I = Momento de Inércia (em cm 4 ) E = Módulo de elasticidade (em Kgf/cm 2 ) q = pressão lateral do concreto (Kgf/cm 2 ) L = vão (em cm) para o sarrafo 1 x 3 de cedrinho Considerar como espaçamento máximo, o menor valor obtido entre os dois cálculos

44 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR e3 e3 q CORTE Cálculo considerando estrutura bi-apoiada CORTE q

45 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Cálculo do espaçamento e 3 entre travamentos (barras de ancoragens) (sanduíches - sarrafos 1 x 4 de cedrinho) pela fórmula do momento M = (q. L 2 ) / 8 pela fórmula da flecha f = (5. q. L 4 ) / (384. E. I)

46 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Sendo: M = Momento admissível (em Kgf.cm) I = Momento de Inércia (em cm 4 ) E = Módulo de elasticidade (em Kgf/cm 2 ) q = pressão lateral do concreto (Kgf/cm 2 ) L = vão (em cm) para os sarrafos 1 x 4 de cedrinho Considerar como espaçamento máximo, o menor valor obtido entre os dois cálculos

47 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Q Cálculo da carga atuante no conjunto de ancoragem Sendo: _ Q = carga admissível à tração no conjunto de ancoragem (em Kgf)

48 DIMENSIONAMENTO FÔRMA DE PILAR Cálculo da carga atuante no conjunto de ancoragem sendo: A área de atuação = e 2. e 3 portanto: _ q atuante na ancoragem = q. A área de atuação < Q

49 GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO EXERCÍCIO DE DIMENSIONAMENTO

50 EXERCÍCIO DE DIMENSIONAMENTO CIMBRAMENTO DE LAJE vigamento secundário B A compensado B A C C D vigamento principal escora D

51 DIMENSIONAMENTO REESCORAMENTO

52 DIMENSIONAMENTO REESCORAMENTO

53 REESCORAMENTO 100 % de reescoramento FONTE: ULMA

54 REESCORAMENTO 50 % de reescoramento FONTE: ULMA

55 REESCORAMENTO FONTE: ULMA

56 REESCORAMENTO 1º pav. 0,0 1,0 solo FONTE: ULMA

57 REESCORAMENTO 2º pav. 0,0 1,0 1º pav. 0,68 1,32 solo FONTE: ULMA

58 REESCORAMENTO 3º pav. 0,0 1,0 2º pav. 0,71 1,29 1º pav. solo 0,79 1,50 FONTE: ULMA

59 REESCORAMENTO 3º pav. 0,15 0,85 2º pav. 0,96 0,89 1º pav. solo 1,89 0,0 FONTE: ULMA

60 REESCORAMENTO 4º pav. 0,0 1,0 3º pav. 0,89 1,11 2º pav. 1,11 1,0 1º pav. 2,0 solo FONTE: ULMA

61 REESCORAMENTO 4º pav. 0,04 0,96 3º pav. 0,98 0,93 2º pav. 1,95 0,0 1º pav. 1,0 solo FONTE: ULMA

62 REESCORAMENTO 5º pav. 0,0 1,0 4º pav. 0,78 1,22 3º pav. 1,16 1,04 2º pav. 2,04 1º pav. solo FONTE: ULMA

63 REESCORAMENTO 5º pav. 0,06 0,94 4º pav. 0,93 1,01 3º pav. 2,0 0,0 2º pav. 1,0 1º pav. solo FONTE: ULMA

64 REESCORAMENTO Térreo 1º SS 2º SS solo FONTE: ULMA

65 REESCORAMENTO Térreo 1º SS 2º SS solo FONTE: ULMA

66 REESCORAMENTO FONTE: ULMA

67 REESCORAMENTO FONTE: ULMA

68 SISTEMATIZAÇÃO FÔRMAS: a de madeira (convencional ou industrializada) a industrializadas moduladas (metálicas) CIMBRAMENTO: a pontual em dois níveis a pontual em um nível a torre metálica a mesa voadora

69 SISTEMATIZAÇÃO Projeto Arquitetônico / Estrutural Impacto na Decisão: Geometria do produto final Fôrmas: amadeira - adaptam a qualquer geometria padronização das dimensões amoduladas - adaptar à modulação dos painéis Cimbramento: a volume e peso das peças => deformações a acabamento da laje => contra piso a pé direito

70 SISTEMATIZAÇÃO Planejamento Impacto na Decisão: Determina o ritmo e a seqüência de execução dos trabalhos Fôrmas: amadeira - quantidade de fôrmas => 1/2 jogo amoduladas - quantidade de fôrmas para compra ou locação Cimbramento: britmo acelerado viabiliza sistemas metálicos britmo lento viabiliza sistemas de madeira

71 SISTEMATIZAÇÃO Custo Impacto na Decisão: Diferença entre o MENOR e o MELHOR preço Fôrmas: amadeira - viabilidade em um empreendimento amoduladas - comparativo entre aquisição e locação Cimbramento: bcomparativo entre aquisição e locação bflexibilidade do sistema => aquisição

72 SISTEMATIZAÇÃO - Cimbramento

73 SISTEMATIZAÇÃO Projeto Estrutural REESCORAMENTO Informações sobre deformações, cargas e pontos de apoio Projeto de Fôrmas Informações sobre o sistema de cimbramento Planejamento Informações sobre ciclo e seqüências de trabalho

74 RACIONALIZAÇÃO

75 RACIONALIZAÇÃO 1. Construtibilidade da estrutura 2. Concepção das fôrmas e cimbramento 3 Projeto de produção de fôrma e cimbramento 4 Materiais componentes 5 Diretrizes para montagem, desforma e verificações 6 Qualificação da mão de obra. Fonte: Eng. A. C. Zorzi (Cyrela)

76 RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIBILIDADE Compatibilização entre os projetos

77 RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIBILIDADE Compatibilização entre os projetos

78 RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIBILIDADE Compatibilização entre os projetos

79 RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIBILIDADE Compatibilização entre os projetos Aplicação do processo construtivo

80 RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIBILIDADE Compatibilização entre os projetos Aplicação do processo construtivo

81 RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIBILIDADE

82 RACIONALIZAÇÃO CONCEPÇÃO DAS FÔRMAS E CIMBRAMENTO

83 RACIONALIZAÇÃO CONCEPÇÃO DAS FÔRMAS E CIMBRAMENTO

84 RACIONALIZAÇÃO PROJETO DE PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS - Representação gráfica do dimensionamento, com dados para quantificação dos materiais, fabricação e montagem dos componentes; - Especificação dos materiais considerados no dimensionamento; - Definição dos modos e detalhes operacionais; - Eliminação de soluções improvisadas; - Racionalidade na solução: otimização de soluções técnicas.

85 RACIONALIZAÇÃO PROJETO DE PRODUÇÃO Projeto de montagem de vigas

86 RACIONALIZAÇÃO MATERIAIS COMPONENTES - Madeira Serrada: sarrafos, tábuas e pontaletes

87 RACIONALIZAÇÃO MATERIAIS COMPONENTES - Madeira Serrada: sarrafos, tábuas e pontaletes Especificação PROCEDIMENTOS Seleção do fornecedor Pedido Recebimento Aceitação Armazenamento

88 RACIONALIZAÇÃO MATERIAIS COMPONENTES - Madeira Serrada: sarrafos, tábuas e pontaletes - Chapas de Madeira Compensada

89 RACIONALIZAÇÃO MATERIAIS COMPONENTES - Chapas de Madeira Compensada PROCEDIMENTOS Especificação Seleção do fornecedor Pedido Recebimento Ensaios e Aceitação Armazenamento

90 RACIONALIZAÇÃO DIRETRIZES: MONTAGEM, DESFORMA VERIFICAÇÕES Procedimento Técnico de Execução e Controle -objetivo - documentos de referência - ferramentas e equipamentos - materiais - método executivo : desforma da fôrma; transferência dos eixos; locação de gastalhos; montagem de pilares; montagem de vigas e de lajes; - itens de verificação / tolerâncias - procedimentos administrativos

91 RACIONALIZAÇÃO DIRETRIZES: MONTAGEM, DESFORMA VERIFICAÇÕES Método executivo: locação de gastalhos

92 RACIONALIZAÇÃO DIRETRIZES: MONTAGEM, DESFORMA VERIFICAÇÕES Verificações e Tolerâncias dependência entre atividades; não acumulação de erros; estabelecimento dos itens a verificar e do momento de verificação; estabelecimento das tolerâncias.

93 RACIONALIZAÇÃO Check List de Verificações e Tolerâncias nto Nº: S PARA VERIFICAÇÃO arte 1: Pilares Transporte dos eixos p/ testemunho da laje concretada Amostra (%) 100 Método de Inspeção Prumo de centro Tolerância Vinculação entre eixos (esquadro, etc.) 100 Trena aço +/- 1 Locação dos gastalhos 100 Trena aço +/- 3 Transferência da cota acumulada do pavimento Transporte do nível nas grades/pontaletes guia Armação dos pilares Quantidade, bitola posição e dimensão da armação / espaçadores para cobrimento 100 Trena metálica +/ Nível alemão Nível laser Resultados (mm) A R 0 +/ Visual - Junção entre os painéis dos pilares 50 Visual - Posicionamento e aperto das barras de ancoragem 25 Visual - Distribuição dos barrotes 100 Visual - Transferência dos eixos para o assoalho 100 Prumo de centro 0 Conferência da locação das bocas dos pilares Visual - Prumo de centro 0 Trena aço +/ Trena aço +/- 3 Limpeza do pé pilar 100 Visual - utorizada a Concretagem dos Pilares Visual - D Adensamento (vibração) do concreto em camadas 100 Visual - Cota de parada do concreto 100 Visual - Acompanhamento por baixo da laje 100 Visual -

94 RACIONALIZAÇÃO QUALIFICAÇÃO DA MÃO DE OBRA O item de maior influência nos resultados do sistema de fôrmas ainda é a QUALIFICAÇÃO da Mão-de-Obra

95 RACIONALIZAÇÃO QUALIFICAÇÃO DA MÃO DE OBRA Motivação Criatividade Valorização do Trabalhador Poder de Discernimento Comprometimento com os objetivos

96 GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FOTOS

97 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

98 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

99 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

100 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

101 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

102 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

103 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

104 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

105 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

106 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

107 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

108 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

109 FÔRMAS E CIMBRAMENTO

110 SISTEMA DE FÔRMAS O QUE É MELHOR? COMPRAR FÔRMA PRONTA X BATER FÔRMA NA OBRA

111 FÔRMA PRONTA X BATER NA OBRA Espaço físico Aquisição de máquinas

112 FÔRMA PRONTA X BATER NA OBRA Aquisição de máquinas serra circular de bancada desengrossadeira

113 FÔRMA PRONTA X BATER NA OBRA Aquisição de máquinas serra de fita martelos pneumáticos

114 FÔRMA PRONTA X BATER NA OBRA Espaço físico Aquisição de máquinas Mão de obra capacitada Cronograma Preços

115 ANÁLISE DE CUSTOS Obra hipotética - edifício residencial estrutura vigada 12 pavimentos tipo, e 2 subsolos; área de projeção da laje = 500 m 2 ; área de fôrmas do pavimento tipo = m 2 ; volume de concreto do pavimento tipo = 80 m 3 ; armação do pavimento tipo = 8,0 ton; área total construída de estrutura = m 2 ; área total de fôrmas = m 2 ; volume total de concreto = m 3 ; armação total = 165 ton;

116 ANÁLISE DE CUSTOS Distribuição de Custos 25% 20% 15% 10% 5% 0% Concreto Aço Fôrmas Cimbramento Movimentação e Equipamentos Material Mão de obra

117 ANÁLISE DE CUSTOS Distribuição de Custos 2 % fabricação 24 % mão de obra de fôrmas 12 % montagem 6 % desforma 2 % transporte 2 % reformas e ajustes

118 FÔRMAS E CIMBRAMENTO MELHOR SISTEMA DE FÔRMAS E CIMBRAMENTO materiais adequados otimiza a mão de obra mínimo de reformas e ajustes compatível com método e equipamentos de movimentação

119 FÔRMAS E CIMBRAMENTO ERROS NA MODELAGEM alvenaria, revestimentos, esquadrias, pisos, forros surgimento de patologias AUMENTO DOS CUSTOS DESGASTE DE IMAGEM INSATISFAÇÃO DO CLIENTE

120 GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO EXERCÍCIO DE EQUALIZAÇÃO DE FÔRMAS E CIMBRAMENTOS

121 ALTERNATIVAS PARA EQUALIZAÇÃO Alternativa 1: Fôrma Pronta + Cimbramento de Madeira Alternativa 2: Compra de Painéis Prontos + Cimbr. Metálico Alternativa 3: Painéis Prontos + Cimbr. Metálico (TORRE) e Periferia produzida no Canteiro Alternativa 4: Execução Total da Fôrma no Canteiro

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

Estruturas em concreto armado

Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Lajes e Pilares SOMENTE VIGA DE BORDA Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Pilares

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

O www.romanio.com.br

O www.romanio.com.br O www.romanio.com.br VANTAGENS Dispensa usos de compensados Simplifica armação Otimiza vãos de maior envergadura Racionaliza a construção de lajes nervuradas Nervuras tecnicamente dimensionadas, de modo

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I UEFS Departamento de Tecnologia CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 2 Histórico e processos da Construção Civil: Evolução da Técnica de Construção Cristóvão C. C. Cordeiro

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

FORMAS E ESCORAMENTOS

FORMAS E ESCORAMENTOS FORMAS E ESCORAMENTOS Formas: São os moldes que darão a forma do concreto. As Formas para concreto armado devem satisfazer aos seguintes requisitos de ordem geral: - Serem executadas rigorosamente de acordo

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Projeto de capacitação profissional: Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A Tabelas de Cálculo para

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

! "#$%" &&'$( -./ 0'!

! #$% &&'$( -./ 0'! ! "#$%" &&'$( 112 3 )*+, -./ 0'! !""#$% # &!""'( )*!!""$+,%$) -!!""./ (!""$+$) -!""* *!""012 0"!""./ (!""3!""2 4!""0. ) 5!6 76 ".) 8/6 * 5 )!"") 2 7 9!!: ;5! ?>@" $A &B ) ) " *'3$$$2.(1C*'$ * 5 8/

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

1. A ESTAF. 2. Escoramento metálico. 3. Projetos. 4. Anexos

1. A ESTAF. 2. Escoramento metálico. 3. Projetos. 4. Anexos 1. A ESTAF 2. Escoramento metálico 3. Projetos 4. Anexos 1. A ESTAF Fundação: 15/09/1976; Iniciou sua operação com a locação de Andaimes e Escoramentos; Em junho de 1999, fechou parceria com a GENIE Industries,

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo Disciplina: EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO professor: Manuel Vitor critério de avaliação: (P1 + P2)/2 + 0,2xSemin. Programa: - leitura, interpretação

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Sistema de Fôrma para estrutura de concreto

Sistema de Fôrma para estrutura de concreto Sistema de Fôrma para estrutura de concreto Paulo Nobuyoshi Assahi Engenheiro Civil (EPUSP-74) /ASSAHI Engenharia Ltda. email: pauloassahi@terra.com.br 1 Introdução 1.1 Histórico A tecnologia de fôrma,

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I DE PROJETOS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PROJETO Atividade ou serviço integrante do processo de produção, responsável pelo desenvolvimento,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO 15/4/2014 CURVA DE PROGRESSO FÍSICO PREVISTO X EXECUTADO QUADRO DE EFETIVO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO 15/4/2014 CURVA DE PROGRESSO FÍSICO PREVISTO X EXECUTADO QUADRO DE EFETIVO DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO PREVISTO X EXECUTADO 100% CURVA DE PROGRESSO FÍSICO SERVIÇOS PRELIMINARES MOVIMENTOS DE TERRA / TERRAPLENAGEM INFRAESTRUTURA SUPERESTRUTURA PAREDES E PAINÉIS REVESTIMENTOS

Leia mais

UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE OS SISTEMAS DE FÔRMAS: MESA VOADORA X CONVENCIONAL

UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE OS SISTEMAS DE FÔRMAS: MESA VOADORA X CONVENCIONAL UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE OS SISTEMAS DE FÔRMAS: MESA VOADORA X CONVENCIONAL Pedro de Oliveira Peres Projeto de final de curso submetido ao corpo docente da Escola Politécnica da Universidade Federal

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: CARPINTEIRO DE OBRAS - PRONATEC - 224 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): UNIDADE DE ARAGUAÍNA Plano de Curso Simplificado

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Aço o para Concreto O que é o aço a o? O aço é uma combinação de SUCATA, FERRO GUSA E OUTROS.

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA COM O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO Jahu Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU A Área de Negócio

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas O Carpinteiro de Formas As nossas cidades de concreto armado não estariam de pé sem esses profissionais

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS. Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas. Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS

Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS. Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas. Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS 1 OBJETIVO O presente Memorial tem por finalidade fornecer

Leia mais

PROJETOS PARA PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTOS DA MELHORIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES

PROJETOS PARA PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTOS DA MELHORIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES PROJETOS PARA PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTOS DA MELHORIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES C. C. NOVAES Prof. Dr. - Universidade Federal de São Carlos, Brasil Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

Por que utilizarmos paredes de concreto

Por que utilizarmos paredes de concreto Seminário: Por que utilizarmos paredes de concreto Engenheiro Geraldo Antonio Cêsta Diretor Técnico da Rodobens Negócios Imobiliários ÍNDICE GERAL DA PALESTRA 1. NECESSIDADE DO MERCADO IMOBILIÁRIO NACIONAL

Leia mais

Manual de Estruturas de Concreto

Manual de Estruturas de Concreto Manual de Estruturas de Concreto 1INT O Manual é uma das ferramentas do Projeto Estruturas Racionalizadas disponibilizadas para a Comunidade da Construção. Por ser instrumento de uma comunidade técnica

Leia mais

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU RENTAL Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de engenharia nas áreas

Leia mais

ANEXO XII Memorial Descritivo

ANEXO XII Memorial Descritivo ANEXO XII Memorial Descritivo Para execução das obras, deverão ser observadas as Especificações Técnicas do Caderno de Encargos da PMPA. Foram elaboradas Especificações Técnicas Complementares, bem como

Leia mais

Sistema de Formas para Estruturas de Concreto

Sistema de Formas para Estruturas de Concreto Sistema de Formas para Estruturas de Concreto System of Moulds for Concrete Structure Valter de Oliveira Bastos Filho (1); Ligyane de Abreu Barreto (2); Carlos Alberto Ibiapina e Silva Filho (3); Aldecira

Leia mais

O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas

O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas Infinite Cursos. O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 07) ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO VANTAGENS E DESVANTAGENS DO CONCRETO ARMADO: Apenas

Leia mais

Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas. São Paulo, 29/08/12

Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas. São Paulo, 29/08/12 Ganhos na Implantação de Projeto de Revestimento de Fachadas São Paulo, 29/08/12 HISTÓRICO DA LORENGE S.A. A Empresa fez 32 anos de existência em Janeiro/12; Empresa familiar com 6 sócios; Missão Empreender

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM EDIFÍCIOS

RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM EDIFÍCIOS RECOMENDAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EM EDIFÍCIOS PROJETO EPUSP/SENAI Responsáveis: Mercia Maria S. Bottura de Barros Silvio Burrattino Melhado São Paulo 1998 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

Realização: Caso de estrutura desafiadora: Infinity Tower José Luiz Varela Aluizio A. M. d' Ávila Associados

Realização: Caso de estrutura desafiadora: Infinity Tower José Luiz Varela Aluizio A. M. d' Ávila Associados Realização: Caso de estrutura desafiadora: Infinity Tower José Luiz Varela Aluizio A. M. d' Ávila Associados Slide 1 Slide 2 Projeto Edifício Infinity Tower Slide 3 INFINITY TOWER São Paulo - SP INCORPORAÇÃO

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra.

Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. Tuper LAJES MISTAS NERVURADAS Mais velocidade e economia em sua obra. O sistema industrializado de Lajes Mistas Nervuradas da Tuper é composto por vigotas metálicas fabricadas com aço estrutural galvanizado

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL APRESENTAÇÃO REALIZAÇÃO A portoferraz... Ser referência no mercado imobiliário, desenvolvendo projetos que transformem a ocupação urbana, de maneira criativa

Leia mais

Fachadeiro. Escada metálica com patamar. Andaime tubular, modulado, específico para execução de serviços em fachadas.

Fachadeiro. Escada metálica com patamar. Andaime tubular, modulado, específico para execução de serviços em fachadas. Fachadeiro Edifício Residencial - Rio de Janeiro Andaime tubular, modulado, específico para execução de serviços em fachadas. Seus quadros dispõem de medidas de 1,00m de largura por 2,00m de altura, facilitando

Leia mais