2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais"

Transcrição

1 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir, será descrita a tecnologia utilizada pelas obras visitadas para a realização dessa dissertação, na cidade do Rio de Janeiro. Posteriormente, será descrita a tecnologia de ponta, utilizada principalmente por fabricantes estrangeiros. Por fim, uma resenha dos principais fabricantes nacionais e estrangeiros Tecnologia de formas de madeira convencionais De acordo com MOLITERNO (1989) genericamente designa-se por escoramento toda a estrutura provisória, removível posteriormente e/ou perdida na terra ou no concreto quanto utilizada para sustentação de um trecho de maciço de solo, ou junto a uma construção existente (edifício, torre de transmissão elétrica, tubulação, etc.), para permitir a execução de uma escavação adjacente e demais trabalhos correlatos, geralmente localizados abaixo do nível do terreno natural. Como essa fase de execução exige rapidez, que, por sua vez, se condiciona a facilidade de manipulação dos elementos componentes, não resta dúvida que as vigas, estroncas e pranchas de madeira, constituem as peças mais adequadas ao desempenho dos serviços de escoramento. AZEREDO (1977) faz uma descrição das denominações dadas às diversas peças que compõem as formas e seu escoramento. O autor lembra que tais técnicas são variadas e dependem, em geral, dos mestres carpinteiros: a) painéis superfícies planas, de dimensões várias (ver figura 8 e 10), formadas de tábuas, ligadas, geralmente, por sarrafos ou por placas de madeira compensada. Os painéis formas os pisos das lajes e as faces das vigas pilares, paredes e fundações.

2 35 Figura 8 Fonte: AZEREDO (1977) b) travessas peças de ligação das tábuas dos painéis de viga, pilares paredes e fundações (figuras 9 e 10) são feitas de caibros. Como medida de economia, elas são, em geral, utilizadas como elementos das gravatas, podendo ser pregadas de chato (deitadas) ou de cutelo (aprumadas, de espelho); c) travessões peças de suporte empregadas somente nos escoramentos dos painéis de laje (figuras 8 e 9). São em geral feitas de caibros e trabalham como vigas contínuas apoiadas nas guias; d) guias Peças de suporte dos travessões (figuras 8 e 9); trabalham como vigas contínuas apoiando-se sobre os pés-direitos. São feitas, em geral de caibros. As tábuas podem também ser usadas como guias, trabalhando de cutelo, isto é, na direção de maior resistência. Neste caso, os travessões são suprimidos; e) faces (painéis) das vigas Painéis que formam os lados das formas das vigas (figuras 8 e 10), cujas faces são ligadas por travessas verticais, em geral pregadas de cutelo (face mais estreita da peça);

3 36 Figura 9 Fonte: AZEREDO (1977) f) fundos das vigas painéis que constituem a parte inferior das formas das vigas (figuras 9 e 10), com travessas geralmente pregadas de cutelo; g) travessas de apoio peças fixadas sobre as travessas verticais das faces da viga (figuras 9 e 10), destinadas a servir de apoio para as extremidades dos painéis das lajes e das respectivas peças de suporte (travessões e guias); h) cantoneiras (chanfrados ou meio fio) pequenas peças triangulares pregadas nos ângulos internos das formas (figura 11, 13), destinadas a evitar as quinas vivas dos pilares, etc.; i) gravatas peças que ligam os painéis de formas dos pilares, colunas e vigas, destinadas a reforçar estas formas, para que resistam aos esforços que nelas atuam na ocasião do lançamento do concreto; j) montantes peças destinadas a reforçar as gravatas dos pilares, feitas em geral de caibros; k) pés-direitos suportes das formas das lajes (figuras 8 e 9), cujas cargas recebem por intermédio das guias; l) pontaletes suportes das formas das vigas (figuras 8 e 9), as quais sobre eles se apóiam por meio de caibros curtos. Num mesmo pavimento o comprimento dos pontaletes varia com a altura da viga;

4 37 Figura 10 Fonte: AZEREDO (1977) m) escoras (mãos-francesas) peças inclinadas, trabalhando à compressão (figura 14) empregadas para impedir o deslocamento dos painéis laterais de formas, escadas, etc.; n) chapuzes pequenas peças feitas de sarrafos (figuras 10 e 11), geralmente empregadas como suporte e reforço de pregação das peças de escoramento, ou como apoio dos extremos das escoras; o) talas peças idênticas aos chapuzes, destinadas à ligação e à emenda das peças de escoramento (figuras 8, 9, 10), são em geral, empregadas nas emendas de pés-direitos e pontaletes e na ligação dessas peças com as guias e travessas; p) cunhas peças prismativas, geralmente usadas aos pares (figura A), com a dupla finalidade de forçar o contato íntimo entre os escoramentos das

5 38 formas, para que não haja deslocamento durante o lançamento do concreto, e a facilitar, posteriormente, a retirada destes elementos; Figura 11 Fonte: AZEREDO (1977) q) calços peças de madeira sobre os quais se apóiam os pontaletes e pésdireitos, por intermédio de cunhas (figura 8). Mediante a superposição de calços e variação do encaixe das cunhas, podem ser eliminadas as pequenas diferenças de comprimentos dos pés-direitos e pontaletes de um mesmo escoramento; r) espaçadores pequenas peças feitas de sarrafos ou caibros, empregadas nas formas de paredes e fundações de vigas, para manter a distância interna entre os painéis; s) janelas aberturas localizadas nas bases das formas dos pilares e paredes ou junto ao fundo das vigas de grande altura, destinadas a facilitar-lhes a limpeza imediatamente antes do lançamento do concreto;

6 39 Figura 12 Fonte: AZEREDO (1977) t) travamento ligação transversal das peças de escoramento que trabalham à flambagem (carga de topo), destinada a subdividir-lhes o comprimento e aumentar-lhes a resistência; u) contraventamento ligação destinada a evitar qualquer deslocamento das formas, assegurando a indeformabilidade do conjunto. Consiste na ligação das formas entre si, por meio de sarrafos e caibros, formando triângulos. Figura 13 Fonte: AZEREDO (1977)

7 Tipo de equipamento utilizado A descrição abaixo foi elaborada com a finalidade de proporcionar maior clareza quanto as nomenclaturas típicas dos equipamentos empregados, que serão mostrados nos itens seguintes. Como não existem referências bibliográficas sobre as tecnologias mais recentes - até o momento dessa dissertação -, a descrição abaixo, em conjunto com as figuras, foi extraída dos catálogos dos fabricantes mencionados adiante Equipamento utilizado comumente utilizado no Rio de Janeiro O tipo de equipamento mais utilizado no Rio de Janeiro e na maioria dos outros estados (segundo informações dos fabricantes), é o convencional formado por: a) Escoramento vertical estrutura que efetivamente sustenta a laje a ser concretada. O tipo de equipamento utilizado nesta etapa pode ser: Quadros tubulares encaixam-se uns sobre os outros e nivelam-se mediante sapatas ajustáveis (ver figura 15); Escoras metálicas também chamadas pontaletes, são utilizadas mais comumente para escorar vigas. Também são utilizadas como reescoramento, etapa após a desformagem do concreto (ver figura 14). Como opção também se utiliza escoras de madeira na periferia da construção, sob a forma de um quadro de madeira. Quando utilizada esta configuração são chamadas garfos (ver capítulo 6, item ). Suportes são peças montadas no topo das torres ou escoras (ver figura 2). É neles que se apóia o escoramento horizontal (ver item b). Vigas metálicas utilizadas para o fechamento radial da forma de pilar (figura 14). Impede que a forma se abra durante a concretagem

8 41 b) Escoramento horizontal responsável pela estruturação das formas de laje, pode ser composto por: Vigas metálicas ou de madeira São dispostas sobre o escoramento vertical, encaixando-se sobre os suportes (ver figura 15). Em sua montagem, as vigas são dispostas em duas camadas: as vigas principais (também chamadas guias) e as vigas secundárias (também chamadas barrotes). As vigas secundárias são montadas sobre as vigas principais, de forma a se formar um assoalho, onde se fixará a forma de concreto. c) Formas responsáveis pela moldagem do concreto, podem ser: Formas de compensado plastificado são utilizadas tanto nos pilares quanto na laje. Os painéis de forma (figuras 14 e 15) são fornecidos sob a forma de pranchas, medindo 2,2 x 1,6m e são posteriormente cortados na medida para a área destinada à formagem. As formas dos pilares devem ser estruturadas com reforços de madeira (chamados barrotes) e vigas metálicas dispostas horizontalmente de forma a impedir o vazamento do concreto. Nas formas de laje, os painéis geralmente são colocados inteiros, e cortados somente nas bordas de junção com as vigas. Formas mistas - São painéis de forma modulados, com estrutura em metal (geralmente aço) e face formante de madeira. Sua configuração permite serem encaixados um ao lado do outro e não necessitam de ajuste por parte da carpintaria. São utilizados principalmente na formagem de lajes.

9 42 Forma para pilar, confeccionada em madeira compensada Forma para viga de concreto, confeccionada em madeira compensada Vigas metálicas para sustentação dos painéis de forma Escoras metálicas reguláveis, responsáveis pela sustentação das formas de vigas. Também são usadas para o reescoramento, após a desforma (retirada da forma) da laje. Figura 14 Exemplo de formas e escoramento convencional. Fonte: ilustração da JAHU IND. E COM. LTDA (RJ)

10 43 Painel de forma. Geralmente folha de madeira compensada, recoberta de material desmoldante Vigas metálicas. Também chamada na obra de longarina. Na posição que estão são chamadas de vigas secundárias ou barrotes Vigas metálicas. Nesta posição são chamadas vigas principais ou guias. Existem também vigas confeccionadas em madeira Quadros tubulares ou andaimes. São responsáveis pelo escoramento da estrutura de forma da laje. Suportes reguláveis. Tem o formato de bandeja com uma coluna rosqueável. São responsáveis pela sustentação das vigas metálicas. Figura 15 Exemplo de escoramento convencional para lajes de concreto. Fonte: Ilustração da JAHU IND. E COM. LTDA (RJ).

11 Tipo de equipamento moderno utilizado para escoramento. Os fabricantes internacionais principalmente os europeus oferecem equipamentos que facilitam manuseio, montagem e transporte, por serem leves e modulados. Alguns fabricantes oferecem dispositivos mecanizados para a montagem de forma, como poderá ser visto mais adiante. d) Escoramento vertical estrutura que efetivamente sustenta a laje a ser concretada. O tipo de equipamento utilizado nesta etapa pode ser: Escoras metálicas Permitem receber grande carga até 6 toneladas e são confeccionadas em alumínio e são levíssimas. Transformam-se em estrutura monolítica (bloco único) mediante a adoção de paralelogramos de alumínios encaixados em suas laterais, dispensando o uso de quadros de andaimes. Suportes são peças montadas no topo das torres ou escoras (ver figura 17). É neles que se apóia o escoramento horizontal. Um tipo de suporte utilizado recentemente se denomina, comercialmente, cabeça descendente, termo traduzido da denominação em língua inglesa drop head. Este tipo de suporte possui uma trava que, mediante golpes de martelo, desce alguns centímetros, liberando a pressão exercida pela laje, permitindo a retirada de todo o escoramento horizontal. e) Escoramento horizontal Responsável pela estruturação das formas de laje Vigas metálicas confeccionadas em alumínio (figura 17), tem comprimento reduzido e são muito leves e de fácil manuseio. Encaixamse sobre os suportes de forma rígida e não necessitam de vigas secundárias, que já fazem parte estrutural das formas mistas.

12 45 f) Formas Responsáveis pela moldagem do concreto: Formas mistas - São painéis de forma modulados, com estrutura em metal (alumínio ou aço) e face formante de madeira (figura 16). Sua configuração permite serem encaixados um ao lado do outro e não necessitam de ajuste por parte da carpintaria. São utilizados principalmente na formagem de lajes e sua conformação elimina a necessidade de vigas de apoio secundárias. g) Elevador de formas: Dispositivo de elevação para painéis de forma (figura 18), composto por braços pantográficos. O mecanismo dispensa o trabalho braçal para a colocação dos painéis de forma sobre as vigas, diminuindo o risco de quedas da estrutura. Face formante de madeira compensada Estrutura em alumínio ou aço, de formato modular Figura 16 Exemplo de forma mista, composta de estrutura em alumínio e face formante em madeira compensada. Fonte: PERI (Alemanha).

13 46 Suporte sob forma de drop head (cabeça descendente) Palets, para acomodação de equipamento para serem içados por guindaste Painel de forma mista, com estrutura em alumínio Escora de grande capacidade em alumínio Viga (longarina) de alumínio, com formato modular. Assoalho formado pelos painéis de forma mista, onde será despejado o concreto Figura 17 Exemplo de um equipamento moderno de escoramento, com estrutura metálica inteiramente feita de alumínio e painéis de forma mista, modular. Fonte: PERI (Alemanha).

14 47 Figura 18 Elevador de painéis de formas. Fonte: Thyssen-Hunnebeck - Alemanha

FORMAS E ESCORAMENTOS

FORMAS E ESCORAMENTOS FORMAS E ESCORAMENTOS Formas: São os moldes que darão a forma do concreto. As Formas para concreto armado devem satisfazer aos seguintes requisitos de ordem geral: - Serem executadas rigorosamente de acordo

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU RENTAL Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de engenharia nas áreas

Leia mais

Fachadeiro. Escada metálica com patamar. Andaime tubular, modulado, específico para execução de serviços em fachadas.

Fachadeiro. Escada metálica com patamar. Andaime tubular, modulado, específico para execução de serviços em fachadas. Fachadeiro Edifício Residencial - Rio de Janeiro Andaime tubular, modulado, específico para execução de serviços em fachadas. Seus quadros dispõem de medidas de 1,00m de largura por 2,00m de altura, facilitando

Leia mais

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços

Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA COM O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL CONSTRUÇÃO Jahu Uma liderança construída com tradição e qualidade de seus produtos e serviços SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU A Área de Negócio

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System

CATÁLOGO 2015 LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA. Metro Form System LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SUA OBRA CATÁLOGO 2015 Metro Form System São Paulo Matriz Rua Maria Paula Motta, 239 CEP 07171-140 Guarulhos SP Brasil Fone: (11) 2431-6666 Rio de Janeiro Filial Rua Agaí,

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

andaime tubular aicom

andaime tubular aicom andaime tubular aicom O ANDAIME TUBULAR AICOM é um sistema de andaime destinado a construção, reforma, manutenção industrial e montagem em áreas com grandes interferências. Composto de tubo de aço galvanizado

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

uifabra Industrial CATÁLOGO VENDA E LOCAÇÃO www.quifabra.com.br

uifabra Industrial CATÁLOGO VENDA E LOCAÇÃO www.quifabra.com.br uifabra Industrial CATÁLOGO www.quifabra.com.br VENDA E LOCAÇÃO EQUIPAMENTOS UIFABRA PRESENÇA DE QUALIDADE EM SUA OBRA página 1 6 ESCORAMENTO METÁLICO Escoras Quadros de Escoramento Vigas Diagonais Acessórios

Leia mais

TRAVAMENTO METÁLICO ASTEK BARRA DE ANCORAGEM

TRAVAMENTO METÁLICO ASTEK BARRA DE ANCORAGEM TRAVAMENTO METÁLICO ASTEK BARRA DE ANCORAGEM As Barras de ancoragem são utilizadas no travamento de formas na construção civil, fabricadas em aço ASTM A36, normatizados, atendendo as exigências da norma

Leia mais

escoramento Sistema de Escoramento Metálico

escoramento Sistema de Escoramento Metálico escoramento Sistema de Escoramento Metálico para Lajes e Vigas. ESCORAMENTO MECAN Pela facilidade de montagem e versatilidade, o escoramento metálico Mecan permite montagens rápidas e seguras, proporcionando

Leia mais

FÔRMA FV. Pashal Sistemas Construtivos Ltda. www.pashal.com.br pashalcomercial@pashal.com.br fone: (11) 3848 6699

FÔRMA FV. Pashal Sistemas Construtivos Ltda. www.pashal.com.br pashalcomercial@pashal.com.br fone: (11) 3848 6699 FÔRMA FV Os painéis de fôrmas modulares FV são facilmente montados entre si através de grampos de pressão. Barras de ancoragem, espaçadores, pontaletes metálicos para prumo e andaimes auxiliares de serviço

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

grandes responsáveis pelas reclamações dos trabalhadores, são substituídas por estes materiais ou mesmo eliminadas.

grandes responsáveis pelas reclamações dos trabalhadores, são substituídas por estes materiais ou mesmo eliminadas. 291 8. CONCLUSÃO A hipótese desta pesquisa - A deficiência de tecnologia empregada no escoramento e formagem de lajes durante a montagem e desmontagem, acarreta acidentes, lesões e lombalgias dos trabalhadores

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO ENGENHARIA CIVIL DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE ÍNDICES DE CONSUMO DE MADEIRA PARA FORMAS DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO NA REGIÃO DE CRICIÚMA SC. CRICIÚMA,

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

VIGAS HT 20 E HT 12. + / - 2,0 mm - 1,5 % - 1,5 % + / - 0,5 mm. Características da capacidade de carga. Q adm. = 7 kn M adm.

VIGAS HT 20 E HT 12. + / - 2,0 mm - 1,5 % - 1,5 % + / - 0,5 mm. Características da capacidade de carga. Q adm. = 7 kn M adm. VIGAS HT 20 E HT 12 TABELA DE MEDIÇÃO Dimensões HT 12plus Tolerâncias Altura da viga Altura da mesa Largura da mesa Espessura da alma 120 mm 35 mm 65 mm 26,6 mm + / - 2,0 mm - 1,5 % - 1,5 % + / - 0,5 mm

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica 182 6 RESULTADOS OBTIDOS 6.1 Sistematização do SHTM 6.1.1 Modelagem sistêmica A tarefa de se construir prédios depende de um sistema organizado que funcione. Para que um prédio seja erguido, é necessário,

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL:

Segtreinne 5.0 - PROTEÇÃO LATERAL: 1.0 - OBJETIVO: Estabelecer procedimentos seguros para montagem, desmontagem e utilização de andaimes, em serviços de manutenção nas áreas da fábrica. 2.0 - APLICAÇÃO: Este procedimento se aplica à montagem,

Leia mais

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br SOLUÇÕES PARA FACHADA metax.com.br Passarela para pedestres Estes equipamentos são utilizados em locais onde a instalação do andaime fachadeiro obstrui a passagem de via, ou seja, a fachada do prédio não

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores 7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 281 7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores De acordo com os dados coletados na pesquisa de campo, por meio de entrevista, a idade dominante dos trabalhadores

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3)

( Curso Dimensionamento de Estruturas de Aço CBCA módulo 3) GALPÕES (Projeto proposto) A ligação mais imediata que se faz da palavra galpão é com o uso industrial. No entanto galpões podem ser usados para as mais diversas atividades, tais como, hangares, espaços

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

www.catari.net uma marca diferente.

www.catari.net uma marca diferente. www.catari.net uma marca diferente. cofragem modular perfeita! Com uma vasta gama de dimensões, permite solucionar todas as suas necessidades de cofragem vertical, em qualquer tipo de construção. O combro

Leia mais

Estruturas em concreto armado

Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Lajes e Pilares SOMENTE VIGA DE BORDA Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Pilares

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

Índice. Apresentação da empresa 4. Produto Mecanoflex 6. Alucubetas 8. Escoramento com Painel 9. Escoramento com Torre 10.

Índice. Apresentação da empresa 4. Produto Mecanoflex 6. Alucubetas 8. Escoramento com Painel 9. Escoramento com Torre 10. Índice Apresentação da empresa 4 Produto Mecanoflex 6 Alucubetas 8 Escoramento com Painel 9 Escoramento com Torre 10 Fachadeiro 11 Piso Metálico 11 Travamento Metálico 12 Escora A30 13 Escoras Alisan 14

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda

Catálogo de Produtos. Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Catálogo de Produtos Engenharia de Acesso Andaimes Acessórios Fabricação e Venda Acoplation Indústria e Comércio Ltda Fundada em 1997, visa atender a demanda de mercado na fabricação de andaimes, estruturas

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Projeto de capacitação profissional: Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A Tabelas de Cálculo para

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL PORCELANATO POLIDO

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL PORCELANATO POLIDO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL HISTÓRICO FULL IMPORT Atuando desde 2006 no ramo de comércio exterior, a Full Import (Full Comercial Ltda) tem a função de facilitar a importação e

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios.

O concreto armado tem inúmeras aplicações: estruturas, pavimentos, paredes, fundações, barragens, reservatórios. AS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO. Concreto armado - é um material da construção civil que se tornou um dos mais importantes elementos da arquitetura do século XX. É usado nas estruturas dos edifícios.

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

www.drmequipamentos.com.br 1

www.drmequipamentos.com.br 1 www.drmequipamentos.com.br 1 INSTITUCIONAL: DRM EQUIPAMENTOS - Locações e Vendas de Equipamentos para Construção Civil A DRM - Locações e Vendas de Equipamentos corresponde à grande evolução na indústria

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres Estruturas Metálicas Módulo V Torres APLICAÇÕES ESTRUTURAIS - TORRES Introdução Neste capítulo são abordadas as estruturas não classificadas como de edificações nem como de obras de arte, já abordadas

Leia mais

Sistemas Estruturais para Mezaninos

Sistemas Estruturais para Mezaninos Sistemas Estruturais para Mezaninos Concepção Estrutural Alexandre Landesmann FAU-UFRJ UFRJ AMA & PIN Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ 27/03/2007 1 Funções... Suportar e conduzir as ações a verticais

Leia mais

Steel frame - cobertura (última parte)

Steel frame - cobertura (última parte) Página 1 de 8 Steel frame - cobertura (última parte) A cobertura destina-se a proteger as edificações da ação das intempéries. Pode ser vista também como um dos elementos de importância estética do projeto,

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

Manual do Locatário ANDAIME TUBULAR Instruções para Instalação e Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO ANDAIMES Andaimes são estruturas metálicas tubulares para acesso à altura para trabalho aéreo

Leia mais

18º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MOSCA DE CONCRETO (INFORMAÇÕES SOBRE O INVENTO)

18º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MOSCA DE CONCRETO (INFORMAÇÕES SOBRE O INVENTO) 18º CONCURSO FALCÃO BAUER DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (INFORMAÇÕES SOBRE O INVENTO) RECIFE 2011 APRESENTAÇÃO Uma idéia simples, construída em concreto, que tem como objetivo fixar as escoras (mãos francesas)

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

Dependendo das necessidades construtivas, pode-se executar laje plana maciça ou nervurada e lajes tradicionais com vigas.

Dependendo das necessidades construtivas, pode-se executar laje plana maciça ou nervurada e lajes tradicionais com vigas. 1-INTRODUÇÃO Os sistemas de formas para lajes e vigas da Nopin utilizam peças metálicas de fácil montagem que dão agilidade e otimização, não agredindo o meio ambiente. Nopin dispõe de diferentes sistemas

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DAS FÔRMAS ATEX

INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DAS FÔRMAS ATEX INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DAS FÔRMAS ATEX 1. É indispensável passar desmoldante nas fôrmas. 2. É expressamente proibido o uso de pregos nas fôrmas. O uso destes danifica e fragiliza a mesma,

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS SISTEMAS ESTRUTURAIS ENGENHARIA CIVIL Prof. Dr. Lívio Túlio Baraldi Fontes: Sales J.J., et all Sistemas Estruturais EESC/USP; Rebello Y.C.P. A concepção estrutural e a arquitetura Zigurate. 1 Elementos

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras # Artigo Características do Artigo Cadeiras 1.1 Cadeira giratória sem braços 1.2 Cadeira giratória com braços - Cadeira giratória sem braços. - Mecanismo com estrutura e componentes em aço e de contacto

Leia mais

! "#$%" &&'$( -./ 0'!

! #$% &&'$( -./ 0'! ! "#$%" &&'$( 112 3 )*+, -./ 0'! !""#$% # &!""'( )*!!""$+,%$) -!!""./ (!""$+$) -!""* *!""012 0"!""./ (!""3!""2 4!""0. ) 5!6 76 ".) 8/6 * 5 )!"") 2 7 9!!: ;5! ?>@" $A &B ) ) " *'3$$$2.(1C*'$ * 5 8/

Leia mais

FORMAS ANDAIMES ESCORAMENTO

FORMAS ANDAIMES ESCORAMENTO FORMAS ANDAIMES ESCORAMENTO Soluções Construtivas A Pashal Líder em seu segmento há mais de anos, a PASHAL oferece soluções para os maiores desafios em formas, andaimes e escoramentos em edificações, pontes,

Leia mais

EM UM PROJETO DE COBERTURA, DEVEM SER CONSIDERADOS:

EM UM PROJETO DE COBERTURA, DEVEM SER CONSIDERADOS: COBERTURA Funciona como elemento essencial de abrigo para os espaços internos de uma edificação. Sua forma e construção devem controlar a passagem de água, ar e calor. Deve ser estruturado de forma a vencer

Leia mais

Qualidade e Segurança em Locação de Equipamentos. Geradores l Compactadores l Plataformas Aéreas l Balancins l Andaimes. www.plmaquinas.com.

Qualidade e Segurança em Locação de Equipamentos. Geradores l Compactadores l Plataformas Aéreas l Balancins l Andaimes. www.plmaquinas.com. Qualidade e Segurança em Locação de Equipamentos Geradores l Compactadores l Plataformas Aéreas l Balancins l Andaimes www.plmaquinas.com.br Andaime Tubular Equipamento leve e econômico que destina-se

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Formas O Carpinteiro de Formas As nossas cidades de concreto armado não estariam de pé sem esses profissionais

Leia mais

Professora: Engª Civil Silvia Romfim

Professora: Engª Civil Silvia Romfim Professora: Engª Civil Silvia Romfim PARTES CONSTITUINTES DE UMA COBERTURA Pode-se dizer que a cobertura é subdividida em cinco principais partes: 1. Pelo telhado, composto por vários tipos de telhas;

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais