ESTÁGIO CURRICULAR PROJETO DE MANUTENÇÃO EM REDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR PROJETO DE MANUTENÇÃO EM REDE"

Transcrição

1 CRISTIANE VIEIRA ESTÁGIO CURRICULAR PROJETO DE MANUTENÇÃO EM REDE EMPRESA: COBRALL ASSESSORIA E SOLUÇÕES EM COBRANÇAS LTDA ME SETOR: Departamento de Cobranças SUPERVISOR: Maria das Graças Damazio dos Santos ORIENTADOR: Maurício Aronne Pillon CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL Novembro/2007

2 ii APROVADO EM.../.../... Professor Maurício Aronne Pillon Doutor em Ciência da Computação. Professor Orientador. Professor Alexandre Takahashi Albert Mestre em Ciência da Computação. Professor Rafael Stubs Parpinelli Mestre em Informática Industrial. Maria das Graças Damazio dos Santos Supervisor da CONCEDENTE.

3 iii Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: CobrAll Assessoria e Soluções em Cobranças Ltda ME. CGC/MF: / Endereço: Rua Nove de Março, 485 Sala 705 Bairro: Centro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Supervisor: Maria das Graças Damazio dos Santos Cargo: Coordenadora ESTAGIÁRIO Nome: Cristiane Vieira Matrícula: Endereço: Rua Ita, 215 apto 206 Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Curso de : Bacharelado em Ciência da Computação Título do Estágio: Projeto de Rede Período: 31/07/2007 até 08/11/2007 Carga horária: 180 AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pelo Professor Orientador: Maurício Aronne Pillon CONCEITO FINAL DO ESTÁGIO Excelente (9,1 a 10) Muito Bom (8,1 a 9,0) Bom (7,1 a 8,0) Regular (5,0 a 7,0) Reprovado (0,0 a 4,9) NOTA Processo Rubrica do Professor da Disciplina Joinville / /

4 iv Nome do Estagiário: Cristiane Vieira QUADRO I AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS QUALIDADE DO TRABALHO: Considerando o possível. ENGENHOSIDADE: Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. CONHECIMENTO: Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. CUMPRIMENTO DAS TAREFAS: Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável. ESPÍRITO INQUISITIVO: Disposição demonstrada para aprender. INICIATIVA: No desenvolvimento das atividades. SOMA Pontos QUADRO II AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS ASSIDUIDADE: Cumprimento do horário e ausência de faltas. DISCIPLINA: Observância das normas internas da Empresa. SOCIABILIDADE: Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. COOPERAÇÃO: Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. SENSO DE RESPONSABILIDADE: Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. SOMA Pontos PONTUAÇÃO PARA O QUADRO I E II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL Pontos De 57 a SOFRÍVEL SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 102 a REGULAR SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 148 a BOM SOMA TOTAL De 195 a MUITO BOM De 241 a EXCELENTE Nome da Empresa: UDESC Representada pela Supervisora: Maria das Graças Damazio dos Santos CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Data : Carimbo da Empresa

5 v UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTAGIÁRIO Nome: Cristiane Vieira Matrícula: Endereço (Em Jlle): Rua Ita, 215 Apto. 206 Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Endereço (Local estágio): Rua Nove de Março, 485 Sala 705 Bairro: Centro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Regularmente matriculado no semestre: 2007/2 Formatura (prevista) Semestre/Ano: 2007/2 Curso: Ciência da Computação UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: CobrAll Assessoria e Soluções em Cobranças Ltda. ME. CGC/MF: / Endereço: Rua Nove de Março, 485 Sala 705 Bairro: Centro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Atividade Principal : Assessoria de Cobrança Supervisor: Maria das Graças Damazio dos Santos Cargo: Coordenadora DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: Redes Departamento de atuação: Departamento de Cobranças Fone: Ramal: - Horário do estágio: 09:00h às 13:00h Total de horas: 12 horas semanais Período: 31/07/2007 até 08/11/2007 Nome do Professor Orientador: Maurício Aronne Pillon Departamento: DCC Departamento de Ciência da Computação Disciplina(s) simultânea(s) com o estágio Quantas: 1 Quais: TCC II Trabalho de Conclusão de Curso II OBJETIVO GERAL 1 Projetar uma planta da rede física. 2 Organizar a rede física. 3 Análise do trafego de dados (rede interna). 4 Identificação de gargalos de comunicação. 5 Identificação de falhas na transmissão (hw e sw). 6 Implantação de Firewall.

6 ATIVIDADES OBJETIVO ESPECÍFICO HORAS vi 1 Projetar uma planta da rede física. 2 Organizar a rede física. 1.1 Elaboração de um projeto descrevendo a rede física da empresa (planta baixa). 2.1 Aplicar testes nos cabos de rede; 2.2 Verificar se os cabos estão no padrão de cores; 2.3 Numerar os cabos; 2.4 Verificar funcionamento dos cabos. 20 horas 40 horas 3 Análise do trafego de dados (rede interna). 4 Identificação de gargalos de comunicação. 3.1 Pesquisar software para testes no servidor; 3.2 Verificar transmissão de dados. 4.1 Testar a transferência de arquivos. 40 horas 20 horas 5 Identificação de falhas na transmissão (hw e sw). 6 Testar Hardware e Software. 7 Implantação de Firewall. 5.1 Apresentar (efetuar) solução para o problema de transmissão. 6.1 Manutenção dos computadores da empresa. 7.1 Implantação de ferramenta de gerencia de redes. 7.2 Pesquisa sobre o melhor sistema de Firewall para ser utilizado na empresa. 20 horas 20 horas 20 horas Rubrica do Professor Orientador Rubrica do Coordenador de Estágios Rubrica do Supervisor da Empresa Data: Data: Data: Carimbo da Empresa

7 vii CRONOGRAMA FÍSICO E REAL PERÍODO (12 horas) PR ATIVIDADES 1. Projetar uma planta da rede física P R 2. Organizar a rede física P R 3. Análise do trafego de dados P R 4. Identificação de gargalos de comunicação P R 5. Identificação de falhas na transmissão P R 6. Testar Hardware e Software P R 7. Implantação de Firewall P R

8 SUMÁRIO viii LISTA DE FIGURAS...IX LISTA DE TABELAS...X LISTA DE ABREVIATURAS...XI RESUMO... XII 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Específicos ORGANIZAÇÃO DO TEXTO A EMPRESA DESENVOLVIMENTO PROJETO DA PLANTA BAIXA Objetivos da Planta Layout ORGANIZAÇÃO DA REDE FÍSICA Contextualização Descrição da Rede Padrão de cores adotado ANÁLISE DA REDE TESTE DE HARDWARE E SOFTWARE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 19

9 LISTA DE FIGURAS ix FIGURA 3.1 PLANTA BAIXA DA REDE... 7 FIGURA 3.2 DIAGRAMA DA FIAÇÃO NO PADRÃO EIA/TIA 568A E EIA/TIA 568B. 9 FIGURA 3.3 ESTRUTURA DA REDE BARRAMENTO EXISTENTE NA COBRALL. 11 FIGURA 3.4 REPRESENTAÇÃO DOS DUTOS (A), REPRESENTAÇÃO DA DESIGUALDADE DOS CABOS (B)

10 LISTA DE TABELAS x TABELA 3.1 LEGENDA DA PLANTA TABELA 3.2 DESCRIÇÃO DO CONECTOR RJ TABELA 3.3 PADRÃO IEEE DE CORES PARA RJ TABELA 3.4 DESCRIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DAS PORTAS DO HUB TABELA 3.5 DESCRIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DA PORTAS DO SWITCH TABELA 3.6 PADRÕES ADOTADOS NA COBRALL

11 xi LISTA DE ABREVIATURAS SIGLA DESCRIÇÃO hw Hardware sw Software CCT Centro de Ciências Tecnológicas UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina EIA/TIA Eletronic Industries Association/Telecomunications Industry Association RJ-45 Conector padrão dos cabos de rede TX Transmissão CAT5 Categoria 5 ADSL Assymmetric Digital Subscriber Line IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers IP Internet Protocol PHP Hypertext Preprocessor VOIP Voz sobre IP ATA Adaptador de Telefone Analógico

12 RESUMO xii Este relatório contém a documentação das atividades desenvolvidas no estágio curricular, realizado na empresa CobrAll Assessoria e Soluções em Cobranças Ltda ME, no Departamento de Cobranças. O objetivo principal é fazer a manutenção da rede e identificar onde ela está mais lenta. Para isso, foi dividido em sete etapas seu desenvolvimento: Projetar uma planta da rede física. Organizar a rede física. Análise do tráfego de dados (rede interna). Identificação de gargalos de comunicação. Identificação de falhas na transmissão (hw e sw). Testar Hardware e Software. Implantação de Firewall. No final do processo de desenvolvimento, buscou-se deixar a rede mais eficiente e organizada.

13 1 1. INTRODUÇÃO Este relatório contém as atividades desenvolvidas durante a disciplina de Estágio Curricular II, que estão previstas no Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da Computação, do CCT/UDESC, completando uma carga horária total de 180 horas. O estágio foi realizado na empresa CobrAll, no departamento de cobrança onde encontram-se os equipamentos de rede. O desenvolvimento das atividades foi dividido em sete partes. Inicialmente foi projetada uma planta baixa da empresa, onde foram destacados todos os cômodos da empresa e por onde passa a rede física desta. A planta está composta por todas as salas e os pontos de rede existentes. A organização da rede física foi composta pela identificação de cada ponto de rede e também sua identificação com anilhas. Também foi identificado o padrão de rede utilizado. A análise do trafego na rede interna deu-se através de testes para identificar onde se gasta mais banda e verificação da transmissão de dados. A comunicação foi testada através de ping 1 na rede de um computador a outro, utilizando transferência de arquivo, tentando assim identificar os gargalos 2. Buscou-se identificar falha de transmissão de hardware e software para efetuar a solução do problema de transmissão na rede. Os testes de hardware e software foram feitos durante todo o estágio com atualizações e instalação de programas nos computadores. Com a implementação do firewall busca-se gerenciar a rede de forma a aproveitar ao máximo sua banda. Este relatório apresenta as atividades relacionadas acima com detalhes e descreve todas as informações pertinentes para seu desenvolvimento. 1 O ping é um comando usado para testar a conectividade entre dois computadores. 2 Gargalo é a demanda excessiva dos recursos de comunicação.

14 OBJETIVOS Geral Projetar e desenvolver uma documentação contendo as informações da rede da empresa CobrAll Assessoria e Soluções em Cobranças Ltda. ME, apontar seus problemas e solucioná-los Específicos Serão descritos a seguir os objetivos específicos referentes ao desenvolvimento deste trabalho. São eles: Elaboração de um projeto descrevendo a rede física da empresa (planta baixa). Aplicar testes nos cabos de rede; Verificar se os cabos estão no padrão de cores; Numerar os cabos; Verificar funcionamento dos cabos. Pesquisar software para testes no servidor; Verificar transmissão de dados. Testar a transferência de arquivos. Apresentar (efetuar) solução para o problema de transmissão. Manutenção dos computadores da empresa. Implantação de ferramenta de gerencia de redes. Pesquisa sobre o melhor sistema de Firewall para ser utilizado na empresa ORGANIZAÇÃO DO TEXTO Este trabalho está organizado em quatro partes principais. Uma introdução descrevendo todas as tarefas a serem executadas, apresentada no primeiro

15 3 capítulo. O segundo capítulo é composto pela apresentação da empresa CobrAll, onde foi realizado o estágio. No capítulo três estão descritas as atividades desenvolvidas durante o estágio. E as considerações finais estão presentes no último capítulo.

16 4 2. A EMPRESA A CobrAll (Assessoria e Soluções em Cobranças Ltda. ME), é uma empresa de assessoria de cobrança extra-judicial voltada para a recuperação amigável de créditos vencidos. Fundada por executivos com mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro, jurídico e em recuperação de crédito. Através do que há de mais moderno e seguro em sistema informatizado de cobrança, os profissionais exercem com eficácia a recuperação de créditos vencidos de forma amigável. O sistema de cobrança utilizado é desenvolvido pela própria CobrAll, garantindo a segurança das informações e desenvolvimento tecnológico constante. Sua versatilidade possibilita atender rapidamente as necessidades de expansão. Permitindo assim, tranqüilidade e agilidade na administração de novas carteiras de cobrança. E possui dois tipos de serviços: a cobrança extra-judicial amigável e cobrança judicial. O talento e qualificação do corpo profissional, aliado com o que há de mais moderno em tecnologia de software de gestão de cobrança, sem dúvida faz da CobrAll uma das melhores opções da região sul para atender às necessidades de seu Departamento Financeiro. E tem como clientes: Rede de agências Bradesco / SC, Rede de Postos Damiani, Giassi Supermercados, dentre outros.

17 5 3. DESENVOLVIMENTO 3.1. PROJETO DA PLANTA BAIXA O desenvolvimento da planta da empresa CobrAll deu-se devido à necessidade de se adquirir uma documentação constando todos os dados referentes à rede de computadores existente. A planta é composta por todos os cômodos da empresa e seus devidos pontos de rede. Inicialmente, foi feito um levantamento de dados recolhendo as medidas de cada cômodo e a localização de cada ponto da rede. A empresa CobrAll é composta pelos seguintes cômodos: Um setor de cobranças que possui onze pontos de rede; Uma sala de advogados com um ponto de rede; Outra sala de advogados com quatro pontos de rede; Uma sala de reunião com um ponto de rede; A recepção que possui dois pontos de rede; Dois banheiros; e. Duas cozinhas. Para confecção da planta baixa utilizou-se o software Auto-Cad e nela estão representados todos os dados levantados Objetivos da Planta Projetar a planta baixa da empresa CobrAll foi um passo essencial neste trabalho. Ela foi desenvolvida com o objetivo de descrever toda a rede, e também para adquirir uma documentação que será utilizada em uma eventual consulta. Esta consulta poderá ser feita pelos proprietários da empresa ou também por um técnico em redes.

18 Layout Após identificar as medidas da planta e também a localização dos pontos de rede, a planta foi confeccionada. Nela estão descritos os equipamentos utilizados para a expansão da rede e também os pontos ligados a cada um deles. A empresa CobrAll e Passos & Pillon utilizam a mesma rede apesar de serem empresas independentes. Os equipamentos de rede encontram-se no setor de cobrança, neste setor há onze pontos de rede. A empresa Passos & Pillon possui oito pontos de rede, sendo quatro diretamente conectados ao Switch e quatro em um Hub. Os símbolos da planta serão representados na Tabela 3.1 e servirá como uma legenda desta planta. Tabela 3.1 Legenda da Planta. Item Símbolo Descrição 1 Switch. 2 Hub. 3 Ponto de rede. 4 Cabo de rede. Após demonstrar os símbolos utilizados na planta baixa da empresa CobrAll, na seqüência através da Figura 3.1 será descrita a planta completa, com os nomes de cada cômodo e a numeração de seus pontos de acordo com a saída do Switch.

19 Figura 3.1 Planta baixa da rede. 7

20 ORGANIZAÇÃO DA REDE FÍSICA Esta etapa é composta por uma contextualização sobre o tipo de cabo e conector utilizado na rede, pela descrição de equipamentos e padrões utilizados na rede existente. Após este levantamento será dada uma justificativa das tarefas que não foram alteradas Contextualização Existem vários padrões de cabo (par trançado) para uma rede. O mais utilizado é o EIA/TIA (Eletronic Industries Association/Telecomunications Industry Association) descrito na norma EIA/TIA-568. Este padrão é dividido em cinco categorias: categoria 1 (Voz); categoria 2 (Dados a 4 Mbps ); categoria 3 (Transmissão de até 16 MHz. Dados a 10 Mbps); categoria 4 (Transmissão de até 20 MHz. Dados a 20 Mbps); categoria 5 (Transmissão de até 100 MHz. Dados a 100 Mbps). O cabeamento mais utilizado é o de categoria 5 pois ele engloba as características de todos as outras categorias (SOUSA, 2001). O conector utilizado para o cabo de categoria 5 é o RJ-45 com oito pinos. E o cabo utilizado para sua confecção possui quatro pares de fios que são conectados aos seus oito contatos, a representação do conector RJ-45 será dada na tabela 3.1. O conector RJ-45 pode ser chamado também de WEW8 (SOUSA, 2001).

21 9 Tabela 3.2 Descrição do conector RJ Conector RJ-45 fêmea. 2 Conector RJ-45 macho. 3 Conector RJ-45 Cabo padrão CAT 5 (4 pares de fios). A norma EIA/TIA-568 é dividida em dois padrões: o padrão EIA 568A e o padrão EIA 568B. A seqüência de cores de cada padrão será descrita através de uma tabela e uma figura demonstrando assim suas diferenças (SOUSA, 2001). Existem outras normas adicionais além da citada acima, mas não serão abordadas neste trabalho. A tabela 3.3 descreve um padrão de cores do IEEE para a conexão do cabo em um conector RJ-45, nesta tabela encontra-se a seqüência de pinos, o padrão de cores, o tipo de sinal e uma explicação sobre cada fio conectado. Já a Figura 3.1 demonstra a ligação de cada fio em seu contato correspondente de acordo com a tabela. Figura 3.2 Diagrama da fiação no padrão EIA/TIA 568A e EIA/TIA 568B.

22 10 Tabela 3.3 Padrão IEEE de cores para RJ-45. PINOS EIA 568A EIA 568B SINAL Explicação 1 branco/verde branco/laranja transmissão de dados (TX) Contém o sinal positivo do par diferencial de transmissão. Este sinal contém a cadeia serie de dados de saída que vão sendo 2 verde/branco laranja/branco transmissão de dados (TX) 3 branco/laranja branco/verde recepção de dados (TX) transmitidos para a rede. Contém o sinal positivo do par diferencial de transmissão. Este sinal contém a mesma cadeia serie de dados que o pino 1. Contém o sinal positivo do par diferencial de recepção. Este sinal contém a cadeia serie de dados de entrada que vão sendo recebidos da rede. 4 azul/branco azul/branco branco/azul branco/azul laranja/branco verde/branco recepção de dados (TX) Contém o sinal negativo do par diferencial de recepção. Este sinal contém a mesma cadeia serie de dados que o pino 3. 7 branco/marrom branco/marrom marrom/branco marrom/branco Descrição da Rede A CobrAll possui uma rede local com topologia de barramento onde todos os computadores são ligados ao mesmo meio de transmissão, e possui os seguintes equipamentos: Switch D-Link DES-1024D 10/100 Fast Ethernet (24 portas); VOIP ROUTER D-Link DVG-1402S; Modem DSLINK 200 U/E; Central NUTRON NT412; Central Telefônica INTELBRAS 6020; Hub 8 portas Nway Switch. O Switch é utilizado para compartilhar a ADSL de 600 Kbps e também para a troca de informações entre os computadores existentes na rede. O hub é utilizado

23 11 na expansão da rede devido a não disponibilidade de espaço nos dutos da empresa. A estrutura da rede esta representada na figura 3.3. Figura 3.3 Estrutura da rede barramento existente na CobrAll. A seguir serão dadas duas tabelas descrevendo a utilização das portas do Switch e do Hub após a organização da rede. A Tabela 3.4 representa a descrição do Hub e a Tabela 3.5 a do Switch.

24 12 Tabela 3.4 Descrição da utilização da portas do Hub. Porta Hub Descrição Nome na Rede 1 Drº Mário Computador1 2 Elaine Escritório 3 Cristiane Novo 4 Sala de Reunião Switch CobrAll Tabela 3.5 Descrição da utilização das portas do Switch. Porta Switch Descrição Nome na Rede 1 Bancada 1 Cobrança_2 2 Bancada 2 Server (CobrAll) 3 Bancada 3 RacServer 4 Bancada 4 Cobrança_4 5 Bancada 5 Cobrança_5 6 Bancada 6 7 Bancada 7 8 Bancada 8 Cobrança_6 9 Bancada 9 Cobrança_7 10 Bancada 10 Servidor (Rac) 11 Bancada 11 Cobrança_1 12 Drª Marta Giovana 13 Recepção Recepção 14 Recepção Recepção_1 15 Drª. Simone Simone Hub Passos & Pillon 24 Roteador

25 Padrão de cores adotado A rede da empresa CobrAll possui três tipos de padrões de cores devido a não padronização da rede e sua estrutura ter sido feita por mais de um técnico. Estes padrões serão representados na tabela 3.6. Analisando a tabela 3.6, pode-se notar que o 2º padrão é o EIA/TIA 568B e os outros dois padrões de cores não atendem a nenhum padrão conhecido. Acredita-se que o técnico que fez a rede adotou um padrão próprio para a empresa CobrAll. O 1º padrão foi mantido na rede e o 3º padrão alterado, pois só havia um cabo neste padrão que apresentava folga e com isso foi trocado pelo 2º padrão. Tabela 3.6 Padrões adotados na CobrAll. 1 Padrão 2 Padrão 3 Padrão 1 Laranja 1 Branco 1 Azul claro 2 Branco 2 Laranja 2 Azul escuro 3 Azul escuro 3 Verde claro 3 Verde claro 4 Azul claro 4 Azul escuro 4 Verde escuro 5 Verde escuro 5 Azul claro 5 Laranja claro 6 Verde claro 6 Verde escuro 6 Laranja 7 Marrom escuro 7 Marrom claro 7 Marrom escuro 8 Marrom claro 8 Marrom escuro 8 Marrom claro O 1º padrão foi mantido na rede da empresa por dois motivos: (1) os cabos estão esticados e não há folga para fazer a mudança do padrão de cores, (2) o setor de cobranças adota este padrão e possui 11 pontos com a seqüência. Um problema sério da rede da empresa CobrAll é representado na Figura 3.4, sendo (a) a desigualdade no tamanho dos cabos e (b) o duto de passagem estar sobrecarregado, não podendo passar novos cabos e nem retirar os mais curtos para adotar um padrão segundo a IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers).

26 14 a b Figura 3.4 Representação dos dutos (a), representação da desigualdade dos cabos (b) ANÁLISE DA REDE Com a análise da rede da empresa CobrAll, busca-se solucionar o problema de tráfego, pois sua característica atual é a desorganização, falta de sinalização e lentidão, e o ponto principal a ser resolvido é a obtenção de informações do servidor de forma rápida e eficaz. O servidor disponibiliza uma lista de clientes devedores e todos os contatos que foram feitos. Os funcionários utilizam terminais para acessar o sistema que é feito na plataforma PHP e utiliza o banco de dados MySql. A análise da rede deu-se por várias etapas que serão explicadas no decorrer desta seção: 1. Identificação dos cabos de rede; 2. Identificação dos padrões de cores; 3. Identificação dos IP s da rede; 4. Teste de transporte de arquivo dos terminais; 5. Teste no servidor CobrAll; 6. Padronização dos grupos e nomes dos computadores na rede.

27 15 A identificação dos cabos deu-se devido à desorganização e não sinalização da rede existente. À medida que foram identificados os cabos no switch e seus computadores correspondentes, identificou-se o padrão de cores adotado nesta conexão. O próximo passo foi à identificação dos IP s que foram utilizados para fazer os testes de comunicação entre os computadores. Mesmo o ping sendo um teste simples de conexão, foi realizado para testar a conectividade dos computadores. A documentação deste ping será apresentada em anexo neste trabalho. Após análise da rede, constatou-se que o problema do servidor da CobrAll não era devido o problema de conexão na rede e sim no seu próprio sistema. Mesmo assim, para reforçar este resultado foi realizado mais um teste no servidor. O teste empregado foi à conexão ponto-a-ponto do servidor com um cliente, utilizando um cabo Crossover 3, e mesmo com esta conexão direta o cliente não se comunicou bem com o servidor, e com isso pode ser comprovado que o problema existente era no sistema e não na rede como esperado. Com a constatação do problema no sistema do servidor CobrAll, que tem como característica ser uma ferramenta de cobranças, onde o cliente do escritório de cobrança pode acompanhar o processo de negociação com os devedores, obter dados estatísticos de inadimplência, oferecendo uma maior transparência ao cliente aumentando os resultados, aumentando a eficiência. O sistema é desenvolvido em PHP e utiliza o banco de dados MySql. O primeiro passo para solução deste problema foi uma análise detalhada em seu código, onde foi constatado que o sistema referenciava suas páginas em um site que havia sido desativado e, por isso, a demora na conexão com os clientes. Após alteração na página do servidor a conexão estabelecida foi rápida e passou a atender as necessidades da empresa. Finalmente, para organização da rede, foram alterados os grupos de usuários e os nomes dos computadores. A empresa possuía cinco grupos diferentes e havia grupo com um computador somente. Como a empresa é dividida em dois setores: cobrança e advocacia, dois grupos foram criados como padrão e são eles CobrAll 3 O cabo crossover ou invertido é utilizado para ligar dois computadores sem utilização de dispositivos como Hub ou Switch, fazendo assim a conexão diretas dos computadores.

28 16 (cobrança) e Passos & Pillon (advocacia). Os nomes dos computadores do grupo cobrall seguiram o padrão: Cobranca_1, cobranca_2 e assim por diante. Os nomes dos computadores da Passos & Pillon foram mantidos, pois cada computador referencia o nome de seu usuário. Também no decorrer das atividades houve uma etapa que não havia sido prevista mais foi de grande valia. Esta etapa é a configuração de linhas VOIP, que foram feitas no equipamento ATA e nos computadores TESTE DE HARDWARE E SOFTWARE Os computadores que estão localizados no grupo CobrAll, são utilizados como terminais para fazer a assessoria de cobrança, enquanto os localizados no grupo Passos & Pillon são utilizados para desenvolver processos jurídicos. Basicamente, os computadores da empresa possuem o sistema operacional Windows (98, 2000, XP), Microssoft Office (Word, Excel, PowerPoint etc), anti-virus (Avast e AVG), programas específicos jurídicos e dois servidores (Bradesco e CobrAll). Os equipamentos de rede da empresa CobrAll estão todos em bom estados e funcionam perfeitamente, atendendo assim as necessidades da empresa e com isso, não havendo a necessidade de troca. Durante toda a fase de análise da rede foram feitas atualizações, formatações, configurações e limpezas nos computadores buscando deixa-los mais leves e com um melhor desempenho.

29 17 CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste estágio foi realizado o projeto de manutenção da rede da empresa CobrAll. O desenvolvimento se deu em várias etapas que foram divididas em: projeto da planta da empresa, organização e identificação da rede, análise do sistema, manutenções e configurações em computadores. Ressalta-se que a etapa de implantação de Firewall descritas neste trabalho não foi concluída devido à decisão dos responsáveis pela empresa. As disciplinas que foram importantes e úteis para execução deste trabalho foram: Redes de Computadores, Gerência de Redes, Interconexões de Redes e Segurança em Redes sendo está a ordem de importância. Como um dos grandes problemas da empresa era a dificuldade de acesso em seu sistema, grande parte deste trabalho foi dedicada a esta etapa. Tendo um resultado positivo ao final de sua análise. Mesmo havendo imprevistos, como utilizar boa parte do tempo em manutenção de micros e a analise no código do servidor e também tarefas não planejadas como a configuração da linha VOIP, a experiência de ocupar um espaço no mercado de trabalho trouxe grande crescimento profissional e pessoal, pois as etapas mais críticas deste projeto foram atendidas.

30 18 REFERÊNCIAS TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, SOUSA, Lindeberg Barros de. Redes de Computadores Dados, voz e imagem. 4ª ed. São Paulo: Editora Érica, Site Boa Dica. Imagens de Diagrama de Cabo de redes. Disponível em: <http://www.boadica.com.br/layoutdica.asp?codigo=149>. Acesso em: 05 agosto 2007.

31 19 ANEXOS Em anexo há algumas telas representando a execução do comando ping com origem no servidor e destino nos clientes. Sua execução foi feita para testar a conectividade entre ambos. O teste foi efetuado em todos os computadores da empresa com o intuito de testar a conexão da rede.

32 20

33 21

34 22

35 23

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

FRC - Redes de Computadores. Agenda. Cabo Crossover Cabo Normal. Preparando o Cabo. Canais de Comunicação Padronização de Projeto

FRC - Redes de Computadores. Agenda. Cabo Crossover Cabo Normal. Preparando o Cabo. Canais de Comunicação Padronização de Projeto Cabo Crossover Cabo Normal Preparando o Cabo Agenda Canais de Comunicação Padronização de Projeto Invertido ou Cross-over: Este tipo de cabo é utilizado em 2 situações básicas: Conectar 2 PCs através da

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE BACHARELADO EM

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR II ANÁLISE E SUPORTE EM TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR II ANÁLISE E SUPORTE EM TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR II ANÁLISE E SUPORTE EM TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA QUE PERMITE VERIFICAR A RELAÇÃO ENTRE PERFIL DE EMPRESA E

ESTÁGIO CURRICULAR I e II PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA QUE PERMITE VERIFICAR A RELAÇÃO ENTRE PERFIL DE EMPRESA E Guilherme Alexandre Sant'Ana ESTÁGIO CURRICULAR I e II PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA QUE PERMITE VERIFICAR A RELAÇÃO ENTRE PERFIL DE EMPRESA E MODELO DE PROCESSO DE SOFTWARE EMPRESA: UNIVERSIDADE

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO THALLES GRESCHECHEN ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO EMPRESA: NEOGRID INFORMÁTICA S/A SETOR: SUPORTE E MONITORAMENTO SUPERVISOR: FÁBIO ROBERTO MENDES ORIENTADOR: PROF. GERSON VOLNEY LAGEMANN

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Confeccionando cabos de rede

Confeccionando cabos de rede Confeccionando cabos de rede FAZENDO SEUS CABOS DE REDE - PARTE 1 Parte 1 - Ferramentas Não importa se você está instalando uma rede local doméstica ou empresarial, em ambas você irá precisar de montar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Tutorial: Como criar "cabo crossover" e "cabo direto"

Tutorial: Como criar cabo crossover e cabo direto Tutorial: Como criar "cabo crossover" e "cabo direto" Introdução Se você tem dois ou três computadores em casa ou em seu escritório, certamente tem interesse em conectá-los em rede para compartilhar impressoras,

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3. Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45

Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3. Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45 Faculdades NDA Cursos de BSI e Telecomunicações Redes de Computadores - Turma D4, E4, H3 E J3 Como conectorizar um cabo UTP com RJ-45 O procedimento de conectorizar o UTP categoria 5 com o conector RJ-45,

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II ADMINISTRAÇÃO E MANUTENÇÃO DO CLUSTER NETUNO

ESTÁGIO CURRICULAR I e II ADMINISTRAÇÃO E MANUTENÇÃO DO CLUSTER NETUNO FREDERIC PRÜSSE ESTÁGIO CURRICULAR I e II ADMINISTRAÇÃO E MANUTENÇÃO DO CLUSTER NETUNO EMPRESA: UDESC SETOR: Departamento de Ciência da Computação SUPERVISOR: Gian Ricardo Berkenbrock ORIENTADOR: Rafael

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22

PLANO DE ENSINO CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA: 50 PRÁTICA: 22 DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Redes de Computadores I PROFESSOR: SERGIO ROBERTO VILLARREAL SIGLA: RED I E-MAIL: sergio.villarreal@udesc.br CARGA HORÁRIA TOTAL: 72 TEORIA:

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

REDES E NOVAS TECNOLOGIAS. Instrutor: Júlio Cohen julio@homexpert.com.br

REDES E NOVAS TECNOLOGIAS. Instrutor: Júlio Cohen julio@homexpert.com.br REDES E NOVAS TECNOLOGIAS Instrutor: Júlio Cohen julio@homexpert.com.br Apresentação do curso 1) Conceitos básicos e componentes de redes domésticas 2) Meio físico e meio aéreo: tecnologias e conteúdo

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO ETHERNET BOX MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO E.P.M. Tecnologia e Equipamentos Ltda. Av. Comendador Gumercindo Barranqueiros, 285 Jardim Samambaia - Jundiaí SP CEP: 13211-410 Telefone (0xx11) 4582-5533

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Redes de Computadores Aula 01

Redes de Computadores Aula 01 No Caderno Responda as Questões abaixo 1 O que significa o termo Rede? 2 Porque utilizar um Ambiente de Rede? 3 Defina LAN. 4 Defina WAN. 5 O que eu preciso para Montar uma Rede? 6 - O que eu posso compartilhar

Leia mais

Notícias da Assistência Técnica

Notícias da Assistência Técnica Dúvidas dos Colaboradores Este espaço foi criado para responder dúvidas de nossos colaboradores espalhados por todo o Brasil, já que a dúvida de um pode representar a dúvida de muitos! Não perca tempo,

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE

ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE VALTER JOSÉ ZIMMERMANN JÚNIOR ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE EMPRESA: MALVA CONFECÇÕES IND. E COM. LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: MARLUCE ZIMMERMANN ORIENTADOR: JORGE FERNANDES

Leia mais

Centro de Treinamento Tecnológico Maxwell - CRIMPANDO CABOS UTP. Crimpando cabos UTP

Centro de Treinamento Tecnológico Maxwell - CRIMPANDO CABOS UTP. Crimpando cabos UTP 1 Crimpando cabos UTP A ferramenta básica para crimpar os cabos é o alicate de crimpagem. Ele "esmaga" os contatos do conector, fazendo com que as facas-contato perfurem a cobertura plástica e façam contato

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO MNT FROTA

ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO MNT FROTA RAFAEL REINERT ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO DO MNT FROTA EMPRESA: NG Informática SETOR: Desenvolvimento SUPERVISOR: Rafael Diogo Richter ORIENTADOR: Carlos Norberto Vetorazzi Júnior CURSO DE

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS

ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS Bruno Luiz Corbani Garcia ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS EMPRESA: Conceito W SETOR: Banco de Dados SUPERVISOR: Ademir da Cunha Junior ORIENTADOR: Edino Mariano

Leia mais

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor

Dispositivos de rede. roteador bridge. switch. switch ATM. transceiver repetidor Dispositivos de rede roteador bridge switch switch ATM transceiver repetidor hub 1 Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Tudo de que se encarregam são bits (por exemplo,

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão

Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes: Meios Físicos de Transmissão Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Meios Físicos de Transmissão Volnys B. Bernal (c) 2 Volnys

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Página 1 de 14 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2-NA Este guia irá ajudá-lo a instalar o seu ATA,

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Montagem de cabos rede

Montagem de cabos rede Montagem de cabos rede Conteúdo MONTAGEM DE CABOS DE REDE....3 PARTE 1 - FERRAMENTAS...3 CABO PADRÃO CAT 5:...3 CONECTORES RJ-45:...3 ALICATE DE CRIMPAGEM:...3 ALICATE DE CORTE:...4 TESTADOR DE CABO:...

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos.

É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. REDES DE COMPUTADORES CABO COAXIAL É um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. Topologias de rede A topologia de uma rede é um diagrama que descreve como

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2 1.1 Diferenças entre Hub e Switch... 2 1.1.1 Hub... 2 1.1.2 Switch... 2 1.1.3 Roteador... 3 1.2 Equipamentos fora de uso... 4 1.2.1 Repetidores...

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Manual para configuração. Linksys RT31P2

Manual para configuração. Linksys RT31P2 Manual para configuração Linksys RT31P2 Indice Guia de Instalação ATA Linksys RT31P2... 3 Conhecendo o ATA... 4 Antes de Iniciar... 6 Analisando o seu acesso à Internet... 6 Configuração... 9 Configuração

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE TÉCNICO AOS CLIENTES DO SISTEMA DATASUL BUSINESS INTELLIGENCE

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE TÉCNICO AOS CLIENTES DO SISTEMA DATASUL BUSINESS INTELLIGENCE KÁTIA CRISTINA CARDOSO ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE TÉCNICO AOS CLIENTES DO SISTEMA DATASUL BUSINESS INTELLIGENCE EMPRESA: Futura Soluções em Finanças Ltda. SETOR: Assistência Técnica - Suporte SUPERVISOR:

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual do Estágio Supervisionado Santa Rita do Sapucaí-MG Janeiro/2011 Sumário 1. Introdução 3 2. O que é

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado. 7º Período / Carga Horária: 72 horas

Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado. 7º Período / Carga Horária: 72 horas Sistemas de Informação Tópicos Avançados em informática I Cabeamento Lógico Estruturado 7º Período / Carga Horária: 72 horas EMENTA: Componentes e equipamentos de um sistema de cabeamento. Normas internacionais

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado CabeamentoEstruturado Compostoporseiselementos: CabeamentoHorizontal(HorizontalCabling); CabeamentoBackbone(BackboneDistribution); ÁreadeTrabalho(WorkArea); SaladeTelecomunicações(TelecommunicationsRoom

Leia mais

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX

Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Guia de Cabeamento para Portas de Console e AUX Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Tabela de Roteadores com Portas de Console e AUX Configurações da Porta de

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Rede de Computadores. PY5EC - Jayson Demeterko

Rede de Computadores. PY5EC - Jayson Demeterko Rede de Computadores PY5EC - Jayson Demeterko Elementos de uma rede de Computadores Definição de Rede de Computadores. Computador. Placa de rede. Cabeamento. Conectores. Hub/Switch. Rede de Computadores

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Cabo Par Trançado Conector-RJ 45 A norma EIA/TIA padronizou o conector RJ-45 para a conectorização de cabos UTP. Para a conectorização do cabo UTP,

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2

SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2 SUMÁRIO 1. AULAS 4 E 5 CONFECÇÃO DE CABOS PARTE 1 E 2:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Norma EIA/TIA 568... 2 1.2.1 568A... 2 1.2.2 568B... 3 1.3 Teste dos cabos... 4 1.4 Categoria de Cabos... 5 1.5 Conectores...

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Conheça melhor os equipamentos de Rede de Computadores

Conheça melhor os equipamentos de Rede de Computadores Conheça melhor os equipamentos de Rede de Computadores Organização Diego M. Rodrigues (diego@drsolutions.com.br) 1. Introdução Com o intuito de auxiliar clientes da drsolutions na compra de equipamentos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO VÍDEO BALUNS

MANUAL DO USUÁRIO VÍDEO BALUNS MANUAL DO USUÁRIO VÍDEO S DANI Condutores Elétricos ltda. www.dni.com.br 01 INTRODUÇÃO Os VIDEO S da DNI servem para possibilitar o uso dos cabos de pares trançados, por exemplo: o cabo UTP, DNI 8x50 UTP

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3 1 2 Cabeamento Estruturado Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados.

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados. Prefácio: Este manual descreve como utilizar o Switch Conversor de Mídia da GTS Network dos seguintes Modelos: 75.1806C - 75.1806T - 75.1806C.S25-75.3107S - 75.1906C.SWA25-75.1906C.SWB25-75.3006C.SWA20

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I E II INTEGRAÇÃO DE DADOS ENTRE SISTEMA ERP INFOSALFER E SAGA WMS

ESTÁGIO CURRICULAR I E II INTEGRAÇÃO DE DADOS ENTRE SISTEMA ERP INFOSALFER E SAGA WMS MURILO CARLOS CARDOSO ESTÁGIO CURRICULAR I E II INTEGRAÇÃO DE DADOS ENTRE SISTEMA ERP INFOSALFER E SAGA WMS EMPRESA: LOJAS SALFER S.A SETOR: TI SUPERVISOR: FABIO ADRIANO DACORREGIO MEIER. ORIENTADOR: VALMOR

Leia mais