Willian Marinho Dourado Coelho MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA CONTROLE QUIMICO DE INVERTEBRADOS DE INTERESSE PARA SAÚDE PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Willian Marinho Dourado Coelho MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA CONTROLE QUIMICO DE INVERTEBRADOS DE INTERESSE PARA SAÚDE PÚBLICA"

Transcrição

1 Willian Marinho Dourado Coelho MÉTODOS ALTERNATIVOS PARA CONTROLE QUIMICO DE INVERTEBRADOS DE INTERESSE PARA SAÚDE PÚBLICA Manual técnico 1 edição janeiro de 2015

2 EDITORIAL Prezados Este manual foi elaborado com o objetivo de informar a população e os profissionais envolvidos com o controle de pragas urbanas sobre a ação de produtos químicos que são utilizados no dia a dia nas atividades domésticas e comerciais como uma alternativa eficaz na eliminação de moluscos, aracnídeos e insetos. Estas substâncias são, em sua maioria, encontradas em lojas especializadas em vendas de produtos de limpeza, mercados e casas agropecuárias. Os animais aqui relacionados foram capturados na área urbana e rural do município de Andradina-SP e, a constatação da eficácia dos produtos, nas condições deste estudo, foi realizada com base no cálculo da DL50 em diluições seriadas, experimentando-se os animais em ambiente controlado e, na fase final, a campo. O tema tratado neste manual é de relevância pois, nesta região e em outras áreas do país, a presença desses animais tem ocasionado vítimas Dados do autor: Willian Marinho Dourado Coelho Pós Doutor pela Universidade Estadual Paulista UNESP Campus de Araçatuba-SP. Doutor pela Universidade Estadual Paulista UNESP Campus de Jaboticabal-SP. Mestre pela Universidade Estadual Paulista UNESP Campus de Araçatuba-SP. Graduado pela Faculdade de Ciências Agrárias de Andradina-SP FCAA Andradina-SP. Professor do ensino superior pela Faculdade de Ciências Agrárias de Andradina nos cursos de Medicina Veterinária, Agronomia e Biotecnologia. Membro do corpo clínico da clínica médico veterinária CLINICÃO Andradina-SP. humanas e animais corriqueiramente, inclusive, ceifando vidas. Assim, após um árduo ano de pesquisas, fica o desejo de que essas informações sirvam para complementar os métodos de controle já existentes, beneficiando a comunidade com alguma melhoria na eliminação de pragas urbanas.

3 PREFÁCIO Grande quantidade de animais podem migrar para as áreas urbanas em busca de alimento e abrigo, terminando por coabitar com seres humanos e animais domésticos. O ambiente criado nos conglomerados urbanos favorecem a manutenção e a proliferação de diferentes animais que são, em sua maioria peçonhentos ou vetores de doenças, como algumas importantes zoonoses. Esses seres, considerados como pragas urbanas, se valem dos lixões, entulhos, terrenos baldios e sobras de alimentos para completarem seu ciclo biológico, encontrando ainda, diversificado e farto número de hospedeiros nas cidades e em suas cercanias. Fica claro que esses animais são favorecidos pelo desmazelo humano, que degrada e polui o meio ambiente, transformando suas próprias residências, quintais e arredores, em verdadeiros depósitos de lixo. Deve-se citar ainda que o meio rural, as áreas de matas e reservas florestais, cuja devastação ocorre escancaradamente dia após dia para exploração dos recursos naturais e a implantação de monoculturas favorece a urbanização do ciclo de grande número de animais sinantrópicos, que causam e disseminam uma série de doenças. Assim, será oferecido neste manual algumas informações básicas sobre a biologia de alguns insetos, aracnídeos e molusco, de modo A ignorância de um povo é, das doenças, a mais perniciosa Willian Marinho Dourado Coelho que o leitor compreenda o quão necessária é a adoção de medidas preventivas e de controle para que se possa combater e erradicar estas pragas de seu lar e de sua comunidade, beneficiando a todos.

4 INFORMAÇÕES ADICIONAIS Os produtos químicos mencionados neste manual foram selecionados para compor este estudo porque: a) Podem ser encontrados facilmente; b) São utilizados corriqueiramente nas atividades diárias domésticas, empresariais e em ensino e pesquisa; c) São substâncias de baixo custo, possibilitando o acesso à maior parte da população; d) A apresentação comercial de alguns produtos é feita em recipientes com grandes volumes e que, após preparados, fornecem grandes quantidades de inseticidas e moluscicidas; e) Não requerem utilização de equipamentos especiais para seu preparo e aplicação, que não o uso de equipamento de proteção individual (EPI) mencionado pelo fabricante; f) Que não foram testados anteriormente ou cuja rotulagem não o indique para tal finalidade; A constatação da eficácia foi estipulada com a aplicação dos produtos à campo sobre os invertebrados por meio do cálculo da DL50 em diluições seriadas e, portanto, não seguem necessariamente as especificações do fabricante quanto ao seu modo de preparo. A diluição mencionada no texto refere-se a parte (volume) de produto por parte (volume) de água. Cabe ressaltar que durante a aplicação desses produtos foi possível observar a morte de diversos animais incluindo insetos, aranhas, moluscos, pequenos répteis, anfíbios e até mesmo de plantas. Esses compostos devem ser mantidos armazenados em locais seguros, conforme informações na rotulagem, devendo ficar sempre longe do alcance de crianças, incapazes e de animais. É importante ressaltar que a pulverização desses produtos age diretamente sobre a maioria dos animais sinantrópicos, ou ocasionando sua morte, ou promovendo a criação um ambiente inóspito para estes animais.

5 SUMÁRIO Controle químico do caramujo africano... Breve revisão sobre a biologia do caramujo africano (Achatina fulica) e descrição dos produtos químicos alternativos que apresentaram, nas condições deste estudo, atividade moluscicida. 6 Controle químico do escorpião... Habitats e condições ideais para o estabelecimento dos escorpiões amarelo (Tityus serrulatus) e marrom (Tityus bahiensis), sua importância enquanto causador de escorpionismo, mencionando quais produtos químicos são potencialmente tóxicos para estes aracnídeos. 7 Controle químico do bicho barbeiro... Descrição sucinta das características desses insetos e de sua importância como vetores da doença de Chagas, demonstrando, ainda,como eliminar e repelir quimicamente esses parasitos. 8 Controle químico de pernilongos... Principais locais de proliferação e abrigos dos pernilongos. Atuação destes insetos hematófagos como vetores doenças e as formas de aplicação de diferentes compostos químicos com atividade inseticida e repelente. 9 Controle químico de flebótomos... Abordagem sobre os aspectos morfológicos e reprodutivos básicos do Lutzomyia longipalpis. Locais de procriação, importância desses insetos como parasitos e vetores da leishmaniose, e quais foram os produtos químicos que, quando aplicados nos locais onde habitam os flebotomíneos, apresentaram atividade inseticida, promovendo ainda o controle ambiental desse inseto. 10 Controle químico de baratas... Principais locais que se constituem em abrigos desses artrópodes, seus inimigos naturais, importância como veiculadores de doenças e como eliminá-las a partir da aplicação de diferentes produtos químicos. 11 Controle químico de aranhas... Função ecológica das aranhas, coabitação com seres humanos e animais. Descrição das principais espécies de interesse médico no Brasil e quais produtos químicos foram eficazes em matar e repelir esses animais. 12 Barreira físico-química contra insetos... Método utilizado para impedir e repelir a entrada de insetos por frestas, fendas e buracos. 13 Fontes consultadas... 14

6 CARAMUJO AFRICANO Achatina fulica MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize sobre os caramujos solução contendo: 1. Desinfetante concentração Informações básicas Nome comum: caracol gigante africano. Molusco terrestre, originário da África, que foi introduzido no Brasil visando o cultivo e a comercialização. É um animal extremamente prolífero, resistente às intemperes, capaz de realizar quatro posturas anuais, gerando até 400 ovos. Os ovos são de coloração branco a amarelados e são encontrados nas vegetações ou enterrados a poucos centímetros de profundidade. Apresenta grande voracidade, alimentandose de plantas ornamentais, nativas e de hortaliças. A cultura deste molusco é considerada como atividade ilegal pois, sua presença em locais não nativos pode desencadear a extinção de espécies pertencentes à flora local. Além de ser considerado como uma importante praga agrícola, este invertebrado participa no ciclo da angiostrongilíase abdominal e meningoencefálica humana, considerada como uma importante zoonose, além de causar a aelurostrongilose em gatos. de mínima uso de geral 30% numa ou sabão líquido em concentração de 40% ou mais. Obs: a eficácia dos produtos varia de acordo com a marca e o princípio ativo utilizado. 2. Ativado veículos ou solupan para numa diluição de limpeza 1:5 e de 1:20, respectivamente; 3. Água oxigenada em concentração mínima de 20%; 4. Formalina em concentração de 10%. Obs: caso o molusco esteja recolhido em sua concha ou embaixo de objetos é preciso revolvê-los, expondo-os ao produto, sendo necessário, às vezes, uma segunda pulverização. Para morte imediata: 5. Utilize qualquer um desses produtos isoladamente, pouco diluídos ou puros. Página 6

7 ESCORPIÃO Tityus spp. MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize sobre os escorpiões solução contendo: 1. Piretróides e piretrinas; 2. Imiprotrim, permetrina, cipermetrina, clorpirifós (associados ou não ao citronelal); Informações básicas Nome comum: escorpião. Artrópode terrestre capaz de habitar diferentes ambientes, principalmente as regiões tropicais e subtropicais. No Brasil, o gênero Tityus é o de maior interesse toxicológico. São animais com elevada prolificidade, especialmente porque, uma única fêmea pode gerar populações sozinha. Os escorpiões, assim como outras pragas urbanas, encontram condições ideais de sobrevivência nas áreas urbanas, valendose do acúmulo de lixo, terrenos baldios, construções inabitadas, entulhos, alimentação farta (insetos), e a ausência de predadores naturais. De hábito predominantemente noturno, os escorpiões causam inúmeros acidentes com animais e seres humanos, podendo ocasionar até mesmo o óbito em se tratando de indivíduos jovens e idosos. Obs: nestes casos, a eficácia dos produtos tem grande variação de acordo com a marca utilizada e a sua forma de apresentação. 3. Formalina em concentração de 10%. Dependendo do produto utilizado diretamente sobre o animal e da concentração, a morte dos escorpiões ocorre em até 2 minutos. A pulverização contínua também impede que os escorpiões retornem aos seus abrigos. Obs: a asperção deve ser realizada no interior das residências e em suas adjacências pois, os escorpiões que não foram atingidos pelo produto podem se deslocar das áreas onde foi executada a pulverização e adentrar os domicílios. Página 7

8 BICHO BARBEIRO Triatoma spp., Panstrongylus spp. e Rhodinius spp. MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize diretamente sobre os bichos barbeiros solução contendo: 1. Piretróides e piretrinas; 2. Imiprotrim, permetrina, cipermetrina, clorpirifós (associados ou não ao citronelal); Informações básicas Nome comum: bicho barbeiro ou chupança. São insetos hematófagos obrigatórios, extremamente adaptados aos ambientes urbanos e periurbanos. Também ocorrem nas áreas rurais, especialmente onde existem criações de animais, com precárias condições de higiene e de instalações. Possuem hábito noturno, alimentando-se de animais de sangue quente. Gostam de locais de temperaturas mais amena e ar seco, abrigando-se em frestas, ocos de madeiras, entulhos, casas de pau a pique e as áreas de matas. São insetos que apresentam longevidade e prolificidade podendo, uma única fêmea, gerar centenas de ovos. Estes parasitos são vetores de uma importante zoonose conhecida como doença de Chagas. 3. Ativado para limpeza de carro (ácido sulfônico e associações) ou limpa pedras (ácido clorídrico com ácido acético glacial), numa diluição de 1:5 ou puro. Obs: nestes casos, a eficácia dos produtos tem grande variação de acordo com a marca utilizada e a sua forma de apresentação. 4. Formalina em concentração de 10%; 5. Querosene ou óleo diesel. No ambiente, a aplicação regular destes produtos tornam os abrigos inóspitos aos barbeiros e a outros animais. Obs: quando possível, a pulverização deve ser realizada também no interior das residências e em suas adjacências pois, os bichos barbeiros que não foram atingidos pelo produtos podem se deslocar das áreas onde foi executada a asperção e adentrar os domicílios. Página 8

9 PERNILONGOS Culex spp., Aedes spp. MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize diretamente sobre os pernilongos ou sobre suas larvas solução contendo: 1. Ativado para limpeza de carro (ácido sulfônico e associações) ou limpa pedras (ácido clorídrico com ácido acético glacial), numa diluição de 1:10 ou 1:7; 2. Piretróides e piretrinas; 3. Imiprotrim, permetrina, cipermetrina, clorpirifós (associados ou não ao citronelal); Informações básicas Nome comum: mosquito da dengue, pernilongo. Os pernilongos são insetos alados, hematófagos, presentes em todas as regiões do Brasil. São animais que proliferam nas áreas residenciais ou em suas proximidades. Na zona urbana, esses parasitos encontram uma ampla variedade de locais para habitarem como em terrenos baldios, lixões, casas abandonadas ou mal cuidadas, proliferando abundantemente em locais onde se acumula água. O mosquito comum tem como hábito se alimentar de sangue durante a noite. Já os do gênero Aedes, principal transmissor da dengue, realiza o repasto sanguíneo durante o dia, especialmente nas primeiras horas da manhã e nas últimas horas da tarde. Gostam de locais sombreados dentro e fora dos domicílios. O mosquito Aedes aegypti pode transmitir também a febre amarela. 4. Formalina em concentração de 10%; 5. Querosene ou óleo diesel. No ambiente, a aplicação contínua destes produtos elimina as formas evolutivas do parasito e desalojam os pernilongos de seus abrigos. Aplique os produtos nos locais onde existe risco de haver acúmulo de água ou onde já existem larvicida larvas é dos imediato, mosquitos. com O alguma efeito ação residual repelente. Obs: se o ambiente permitir, a pulverização deve ser realizada também no interior das residências e em suas adjacências pois, os pernilongos que não foram atingidos pelo produto podem se deslocar das áreas onde foi executada a pulverização e adentrar os domicílios. Página 9

10 FLEBÓTOMOS Lutzomyia spp. MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize no ambiente solução contendo 1. Ativado para limpeza de carro (ácido sulfônico e associações) ou limpa pedras (ácido clorídrico com ácido acético glacial), numa diluição de 1:10 ou 1:7; 2. Piretróides e piretrinas; 3. Imiprotrim, permetrina, cipermetrina, clorpirifós (associados ou não ao citronelal); 4. Formalina em concentração de 10%; Informações básicas Nome comum: birigui, tatuquira, cangalha. São pequenos insetos alados com 1 a 3 mm de comprimento, corcundas e com asas estreitas que permanecem levantadas quando estão pousados. As fêmeas são hematófagas e põe cerca de 40 a 50 ovos em lugares escuros e úmidos, principalmente em matéria orgânica em decomposição. A população destes insetos é abundante onde existem terrenos baldios, galinheiros, chiqueiros, canis e lixões. As larvas se alimentam de restos orgânicos evoluindo para ninfas que são praticamente imóveis. Ao atingirem a fase adulta, os insetos se tornam bastante ativos, principalmente nos períodos crepusculares e noturnos. Durante o repasto sanguíneo, as fêmeas podem transmitir as leishmanioses para animais e humanos. 5. Querosene ou óleo diesel. A aplicação contínua destes produtos elimina as formas evolutivas do parasito e desalojam os flebótomos de seus abrigos. No ambiente: Prepare os produtos deixando-os mais concentrados e realize a asperção nos locais onde existe matéria orgânica acumulada. O efeito inseticida é imediato com ação residual repelente. Obs: se o ambiente permitir, a pulverização deve ser realizada também no interior das residências e em suas adjacências pois, os flebotomíneos que não foram atingidos pelo produto podem se deslocar das áreas onde foi executada a pulverização e adentrar os domicílios. Página 10

11 BARATA Periplaneta americana MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize diretamente sobre as baratas solução contendo: 1. Ativado para limpeza de carro (ácido sulfônico e associações) ou limpa pedras (ácido clorídrico com ácido acético glacial), numa diluição de 1:7 ou 1:5; Informações básicas Nome comum: barata vermelha, barata de esgoto, barata de cozinha. São insetos com tamanho variado dependendo da espécie. O corpo é ovalado, achatado dorso-ventralmente e, em geral, possuem coloração escura. Gostam de habitar lugares ecuros e úmidos, principalmente onde haja pedras, árvores, ninhos e edificações humanas. Também estão presentes nos esgotos e onde existem matéria orgânica em decomposição. Baratas urbanas são capazes de viver por alguns dias sem água e até meses sem comida. Estes animais prosperam especialmente nos locais onde há escassez dos seus predadores naturais como lagartixas, formigas, aranhas, escorpiões, dentre outros. As baratas são animais sinantrópicos e atuam como vetores mecânicos e biológicos de grande número de agentes causadores de doenças. 2. Piretróides e piretrinas 3. Imiprotrim, permetrina, cipermetrina, clorpirifós (associados ou não ao citronelal). 4. Formalina em concentração de 10%; 5. Querosene ou óleo diesel. Com exceção do querosene e óleo diesel, os demais produtos foram utilizados também em ralos, caixas de gordura e esgoto, sendo eficazes na morte deste e outros insetos, atuando ainda como repelentes ambientais. Obs: se o ambiente permitir, a pulverização deve ser realizada também no interior das residências e em suas adjacências pois, as baratas que não foram atingidas pelo produto podem se deslocar das áreas onde foi executada a pulverização e adentrar os domicílios. Página 11

12 ARANHA Lycosa spp., Loxoceles spp., Phoneutria spp., Lasiodora spp. MÉTODOS ALTERNATIVOS DE CONTROLE QUÍMICO Pulverize diretamente sobre aranhas solução contendo: 1. Piretróides e piretrinas; 2. Imiprotrim, permetrina, cipermetrina, clorpirifós (associados ou não ao citronelal); A B Obs: nestes casos, a eficácia dos produtos tem grande variação de acordo com a marca utilizada e a sua forma de apresentação. 3. Ativado para limpeza de carro (ácido C D Informações básicas Nome comum: aranha de jardim (A); aranha marrom (B); aranha armadeira (C); caranguejeira ou tarântula (D). As aranhas possuem diferentes tamanhos, formas, hábitos e, em sua maioria, são peçonhentas. Esses animais são parte fundamental no controle de insetos e outras pragas. Entretanto, acidentes podem ocorrer entre aranhas, seres humanos e outros animais. As principais aranhas de intersse médico no Brasil pertencem aos gêneros Phoneutria e Loxoceles. Esses animais apresentam hábito noturno, encontrando-se alocadas dentro dos domicílios e em seus arredores. Os terrenos baldios, entulhos, porões e sótãos favorecem a profileração das aranhas com abrigos e fontes de alimento. sulfônico e associações) ou limpa pedras (ácido clorídrico com ácido acético glacial), numa diluição de 1:5 ou 1:4; 4. Formalina em concentração de 10%; 5. Querosene. No ambiente, a aplicação contínua destes produtos elimina e desaloja as aranhas de seus abrigos. Obs: se o ambiente permitir, a pulverização deve ser realizada também no interior das residências e em suas adjacências pois, as aranhas que não foram atingidas pelo produto podem se deslocar das áreas onde foi executada a pulverização e adentrar os domicílios. Página 12

13 MÉTODO DE CONTROLE BARREIRA FÍSICO-QUÍMICA DE INSETOS Materiais requeridos: 1) Corda, barbante ou cadarço; 2) Fita adesiva; 3) Produtos inseticidas, carrapaticidas, acaricidas ou repelentes Métodos 1) Medir o espaço entre os batentes e a altura do vão da porta; 2) Cortar um pedaço da corda, barbante ou cadarço que fique justo e perfeitamente acoplado ao vão da porta; 3) Pregar sob o vão da porta pedaço da fita adesiva que se estenda de um batente ao outro; 4) Embeber a corda, barbante ou cadarço com o inseticida, carrapaticida, acaricida, ou repelente, deixando escorrer o excesso do produto; 5) Colocar sobre a fita adesiva o pedaço de corda, barbante ou cadarço impregnado com o veneno; 6) Fechar a porta com o material para o lado de fora. Materiais: Pedaço de corda (A). Fita adesiva (B). Inseticidas, carrapaticidas, acaricidas ou repelentes (C). A B C Métodos: Corda impregnada com inseticida, carrapaticida, acaricida ou repelente (seta vermelha), colocada sobre fita adesiva no vão inferior da porta (seta amarela), bloqueando e repelindo a entrada de insetos em toda a sua extensão (seta roxa). Obs: é importante lembrar que o efeito dos produtos químicos não é permanente. Deste modo, faz-se necessário que se realize nova impregnação com tais produtos pelo menos uma vez por dia. Página 13

14 FONTES CONSULTADAS Controle químico do caramujo africano... 5 COELHO, Leila Morais. Informe técnico para o controle do caramujo africano (Achatina fulica, Bowdch 1822 em Goiás. Goiânia: AGENCIA RURAL, p. Documento, 4 ). Instrução Normativa IBAMA nº 73 de 18 de agosto de 2005 (Brasil, 2005). Instrução Normativa IBAMA nº 109 de 03 de agosto de 2006 (Brasil, 2006). Ministério da Saúde. Vigilância e Controle de Moluscos de Importância Epidemiológica. 2 ed p Controle químico do escorpião... 6 Ministério da Saúde. Manual de Controle de Escorpiões. 1 ed Ministério da Saúde. Animais Peçonhentos e Venenosos. Série Prevenindo Intoxicações. FIOCRUZ. Disponível em Controle químico do bicho barbeiro... Ministério da Saúde. Superintendência de Campanhas de Saúde Pública. Doença de Chagas. Textos de Apoio. Brasília: Ministério da saúde, SUCAM, ARGOLO, Ana Maria., et al. Doença de Chagas e seus principais vetores no Brasil. FIOCRUZ, Controle químico de pernilongos... Ministério da Saúde. Dengue Aspectos Epidemiológicos, Diagnóstico e Tratamento. Série A. Normas e Manuais Técnicos, nº 176, Ministério da Saúde. Dengue Diagnóstico e Manejo Clínico. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, Ministério da Saúde. Manual de Vigilância Epidemiológica de Febre Amarela. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, Controle químico de flebótomos... Ministério da Saúde. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. 2ed. 22p Superintendência de Controle de Endemias. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana do Estado de São Paulo. 18p Controle químico de baratas... ZUBEN, Andréa Paulo Bruno von. Manual de Controle Integrado de Pragas. Secretaria Municipal de Saúde. Campinas-SP. 31p RAFAEL, José Albertino., et al. Baratas (Insecta, Blattaria) sinantrópicas na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil. v.38, p Controle químico de aranhas... Prefeitura de São Paulo. Animais Sinantrópicos. Manual do Educador. 12p. Disponível em Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Zoonoses p Página 14

15 Todo o esforço envidado, tempo desprendido e suor derramado para a elaboração deste manual é dedicado à vida de minha amada filha Mariana e também, às inúmeras pessoas que são vitimadas com doenças transmitidas por vetores invertebrados e animais peçonhentos.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES DIVAL/GEVAC/NUNOR Brasília, agosto de 2015 ESCORPIÕES 1 - O que é um escorpião? O escorpião, assim como as aranhas, carrapatos, entre outros, são animais que fazem

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES Sua implantação e capacidade de ação dependem de diversos

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO TODOS CONTRA O MOSQUITO A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO Sobre o Aedes aegypti O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da Dengue, Chikungunya e e a infecção acontece após a pessoa receber uma picada do

Leia mais

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008

Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Programa para seleção pública do AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS I - 2008 Conteúdo Saúde Pública Lei 8080 de 19/09/1990; Lei 8142 de 28/12/1990; ABC do SUS Doutrinas e Princípios - Ministério da Saúde; Avanços

Leia mais

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIONISMO Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIÕES DE IMPORTÂNCIA MÉDICA: Os escorpiões são animais invertebrados. Apresentam

Leia mais

Cód. 01 Agente de Controle de Zoonoses

Cód. 01 Agente de Controle de Zoonoses PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 01 Agente de Controle de Zoonoses 1. O Sistema Único de Saúde (SUS): ( ) oferece consultas e internações em hospitais públicos

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

Devemos ficar atentos a alguns animais que podem atuar como vetores de grande importância para a saúde de uma comunidade:

Devemos ficar atentos a alguns animais que podem atuar como vetores de grande importância para a saúde de uma comunidade: A palavra risco remete à ideia de possibilidade de perigo, ou seja, de que algo ruim pode vir a ocorrer. Para que um risco exista é necessário haver uma ameaça real e uma população (ou apenas uma pessoa)

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Estamos encaminhando o informativo, em anexo, elaborado pela Equipe técnica

Estamos encaminhando o informativo, em anexo, elaborado pela Equipe técnica SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE Estamos encaminhando o informativo, em anexo, elaborado

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE...

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Página 1 POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Assegurar um controle

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 SUPERVISOR DE CAMPO

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 SUPERVISOR DE CAMPO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 SUPERVISOR DE CAMPO PROVA DE CONHECIMENTOS INSTRUÇÕES GERAIS 1

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 14 DE MAIO Das 14 às 17: 30 horas 3 horas e 30 minutos de duração 30 QUESTÕES AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES. William Henrique Stutz

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES. William Henrique Stutz PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES William Henrique Stutz Os escorpiões são aracnídeos, muitas pessoas os chamam de insetos, mas basta observar que este animal tem 4 (quatro) pares

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.166, de 2007) Institui incentivo fiscal para o controle biológico de pragas

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Prefeitura Municipal de Afonso Cláudio Estado do Espírito Santo ATA DE REUNIÃO DE ORIENTAÇÃO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE AFONSO CLÁUDIO E DIVULGAÇÃO DO MUTIRÃO DE LIMPEZA DE QUINTAIS E TERRENOS, REALIZADA COM OS MORADORES DOS BAIRROS BOA

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Ordem: Hemiptera Família: Reduviidae Subfamília:Triatominae

Ordem: Hemiptera Família: Reduviidae Subfamília:Triatominae Ordem: Hemiptera Família: Reduviidae Subfamília:Triatominae Vetores da Doença de Chagas Família: Reduviidae (percevejos) Subfamília: Triatominae Nomes vulgares: barbeiro, chupança, baratão Características

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Curso Integrado de Pragas JPGomes November 11th, 2006 Slide 1 Controle Integrado de Roedores e Insetos Instalações: O surgimento de roedores e insetos é conseqüência

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Projeto Achatina fulica/caramujo Gigante Africano

Projeto Achatina fulica/caramujo Gigante Africano Projeto Achatina fulica/caramujo Gigante Africano Uma vez que a maioria dos acessos ao nosso blog, tem sido para consulta sobre o caramujo gigante africano e considerando que essa praga aumenta grandemente

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 07 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP 0 A alma da gente durante a vida, produz uma quantidade imensa

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 2. INFORMAÇÕES GERAIS:

MEMÓRIA DA REUNIÃO 2. INFORMAÇÕES GERAIS: Assunto: Reunião com os alunos da Escola Ulisses Guimarães Altamira e técnicos de saúde da Norte Energia sobre as ações preventivas na área da saúde em virtude da construção de Belo Monte. Redator: Selma

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose Aula 4 1. Leia a notícia a seguir. Atividades IV. o mapeamento genético do verme pode auxiliar no controle dos problemas ambientais, como a falta de saneamento básico. V. resolverá definitivamente os problemas

Leia mais

Quem somos. A maior franquia de jardinagem do Brasil! Nosso foco é tratamento e nutrição de plantas e gramados;

Quem somos. A maior franquia de jardinagem do Brasil! Nosso foco é tratamento e nutrição de plantas e gramados; Conheça a maior franquia de jardinagem do Brasil! Sobre nós A Ecojardim partiu do sonho de um jovem técnico agrícola que tinha em suas mãos mais de 15 anos de experiência nos mercados de agricultura e

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso

Leia mais

CICLO DE VIDA E REPRODUÇÃO. Professora Stella Maris

CICLO DE VIDA E REPRODUÇÃO. Professora Stella Maris CICLO DE VIDA E REPRODUÇÃO Professora Stella Maris CIGARRAS CANTAM ATÉ ESTOURAR? Fonte: https://cienciasnoseculoxxi.wordpress.com/tag/inseto-hemimetabolo/ CICLO DE VIDA DA CIGARRA Ciclo de vida das cigarras

Leia mais

Polo EAD de Nova Friburgo

Polo EAD de Nova Friburgo Polo EAD de Nova Friburgo CEDERJ UAB Aplicações da Biotecnologia no combate a dengue No sábado 14 de maio, a equipe da disciplina Tópicos em Biotecnologia, do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas,

Leia mais

Rato morto a mais de uma semana já em estado avançado de decomposição próximo ao bloco E.

Rato morto a mais de uma semana já em estado avançado de decomposição próximo ao bloco E. Campinas, 04 de Agosto de 2009. Universidade Estadual de Campinas Pró-Reitoria de Graduação Programa de Moradia Estudantil Att.: Professor Dr. Luis Antonio Viotto coordenador do PME Manutenção e limpeza

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 59 ARTRÓPODOS E EQUINODERMOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 59 ARTRÓPODOS E EQUINODERMOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 59 ARTRÓPODOS E EQUINODERMOS ixação F ) (UFF) Assim como os moluscos, anelídeos e artrópodes, os equinodermos também são 2 nvertebrados triploblásticos e celomados. A larva

Leia mais

Concurso Público Municipal para provimento de pessoal para atuação Programa ESF Edital 001/2013

Concurso Público Municipal para provimento de pessoal para atuação Programa ESF Edital 001/2013 Concurso Público Municipal para provimento de pessoal para atuação Programa ESF Edital 001/013 Cargo de AGENTE DE ENDEMIAS INSTRUÇÕES - Verifique se este caderno: a) Corresponde a sua opção de cargo. b)

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

Assustadores e Venenosos

Assustadores e Venenosos Assustadores e Venenosos Assustado e chocado com as plantas tóxicas? Agora o temor e o choque serão ainda maiores. Nos próximos slides, os três animais peçonhentos mais famosos e perigosos que existem

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias

Treinamento de Agentes de Combate as Endemias Treinamento de Agentes de Combate as Endemias 1 OPERAÇÕES DE CAMPO Tratamento Lucivaldo Farias Maciel AG. Endemias SVS/MS Educador em Saúde e Mob. Social 3ªCRES/SESA Lucivaldo.maciel@saude.ce.gov.br 2

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA Questão 1: É sabido que indivíduos homozigotos recessivos para alelos mutados do gene codificador da enzima hexosaminidase desenvolvem uma doença conhecida como Tay-Sachs, e morrem antes do quarto ano

Leia mais

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE BIOLOGIA 2º ANO EM TURMA 222 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE BIOLOGIA 2º ANO EM TURMA 222 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE DATA: / / 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2014 89 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO NOTA: NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE BIOLOGIA 2º ANO EM TURMA 222 PROFª FERNANDA

Leia mais

Picadas de escorpião

Picadas de escorpião Semana de 19 a 23 de maio de 2014. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 3 ano Leia o texto para fazer as lições de Português da semana. 3º ano A, B e C Sexta-feira

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO DE LEI N. º 013 /2013. A Câmara Municipal de Bela Vista de Minas decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Institui a Política Municipal de Prevenção, Controle e Combate à Dengue, sob a denominação

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA Corpúsculo basal Membrana ondulante Citoplasma núcleo flagelo Reprodução assexuada em flagelados Parasita Leishmania brasiliensis Transmissor homem Phlebotomus

Leia mais

PROTISTAS. Algas e protozoários

PROTISTAS. Algas e protozoários PROTISTAS Algas e protozoários Protozoários Organismos eucariontes, unicelulares, heterótrofos e com capacidade de locomoção. Célula procarionte Célula eucarionte 4 grupos principais: protozoários amebóides

Leia mais

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas.

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas. www.portalamazonia.com.br Coluna: Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas

Leia mais

ÍNDICE - 31/10/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Capa/Vida&...2 Correio Braziliense... 4 Brasil/SAÚDE...4 Jornal do Brasil... 5 Rio...

ÍNDICE - 31/10/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Capa/Vida&...2 Correio Braziliense... 4 Brasil/SAÚDE...4 Jornal do Brasil... 5 Rio... ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Capa/Vida&...2 Foco da maculosa pode ter sido encontrado...2 Localizado foco de maculosa no Rio...2 Correio Braziliense...4 Brasil/SAÚDE...4 Febre maculosa ataca no Rio...4

Leia mais

Mal de Chagas e os inseticidas

Mal de Chagas e os inseticidas Mal de Chagas e os inseticidas A UU L AL A Em 1909, o médico e cientista brasileiro Carlos Chagas estava pesquisando a malária, em Minas Gerais, quando foi informado da existência de um inseto que se alimentava

Leia mais

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica A ABCVP (Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas) é uma entidade que congrega como associados representantes de empresas privadas

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL DEDETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA PROCEDIMENTAL DEDETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO 30.01.009 1/08 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para realização do serviço de dedetização e desratização nas dependências do Hospital Escola HE. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os setores do HE, em

Leia mais

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome.

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome. OS ARTRÓPODES Prof. André Maia Apresentam pernas articuladas com juntas móveis. São triblásticos, celomados e dotados de simetria bilateral. Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

O APARECIMENTO DO ACHATINA FULICA NA CIDADE DE PARACATU- MG E OS POSSÍVEIS PROBLEMAS DE SAÚDE PÚBLICA RESUMO

O APARECIMENTO DO ACHATINA FULICA NA CIDADE DE PARACATU- MG E OS POSSÍVEIS PROBLEMAS DE SAÚDE PÚBLICA RESUMO O APARECIMENTO DO ACHATINA FULICA NA CIDADE DE PARACATU- MG E OS POSSÍVEIS PROBLEMAS DE SAÚDE PÚBLICA, MSc. RESUMO O molusco conhecido como caramujo-africano ou caramujo-giganteafricano, o Achatina fulica,

Leia mais

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti Prevenção e controlo do mosquito Aedes aegypti Aedes aegypti É um mosquito fácil de reconhecer por ser riscado de branco e preto. 2 Distribuição geográfica O mosquito terá tido origem no continente africano.

Leia mais

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou

Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com ou Professor Fernanda & Suellen Disciplina Biologia Lista nº 2 Assuntos Biomédicas Lista ENEM complemento do projeto UERJ Caso tenha dúvidas entre em contato conosco através do e-mail Biologia.sem.duvidas@gmail.com

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Equipe BANCO DE QUESTÕES BIOLOGIA - 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- Uma mulher consulta o médico para

Leia mais

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE!

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! 1 PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! JUSTIFICATIVA: O ano de 2015 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2010. Tendo em vista a epidemia que assola muitas cidades do

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE:

Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE: Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE: JUSTIFICATIVA: O ano de 2013 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2012. Tendo em vista a epidemia que assola a cidade de salinas/municípios

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários PROTOZOOSES Doenças causadas por protozoários DOENÇA DE CHAGAS Agente etiológico: Trypanossoma cruzi Vetor: Triatoma infestans (barbeiro ou chupança). Complicações: Insuficiência e arritimia cardíaca (crônica)

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA Porto Alegre, junho de 2016 1. O vetor Originário da África, o mosquito Aedes aegypti tem duas subespécies, Aedes aegypti formosus

Leia mais

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes.

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes. A U A UL LA A vida nas cidades Atenção Leptospirose - Cresce a epidemia 43 pessoas já morreram em São Paulo A epidemia de leptospirose que assola São Paulo atingiu ontem a marca recorde de 1.003 casos

Leia mais

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas

Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Diretrizes para a Vigilância e Controle de Morcegos em Áreas Urbanas Marcelo Yoshito Wada Grupo Técnico da Raiva COVEV/CGDT/DEVEP/SVS/MS / /S S/ S Outubro, 2008 Importância para saúde pública Aproximadamente

Leia mais

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEQUENOS VETORES GRANDES PREJUÍZOS JOÃO MARCILIO DA SILVA REBOUÇAS RIO DE JANEIRO RJ 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PÚBLICO ALVO... 4 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Esse artigo propõe o conceito da Habitação Saudável (HS)

Esse artigo propõe o conceito da Habitação Saudável (HS) Meio Ambiente A relação entre vetores e pragas urbanas e habitação saudável Eduardo Dias Wermelinger* Esse artigo propõe o conceito da Habitação Saudável (HS) como método no controle de vetores e pragas

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas 1 BIOLOGIA Devido ao fato de serem muito simples em termos de organização, podemos afirmar que os vírus provavelmente tiveram sua origem antes do surgimento das primeiras células procarióticas. a) A afirmação

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Fonte: O Estado de S.Paulo, 10/12/ 97.

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Fonte: O Estado de S.Paulo, 10/12/ 97. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 13. Ao chegar ao Pará (Belém), encontrei a cidade, antes alegre e saudável, desolada por duas epidemias: a febre amarela e a varíola. O governo tomou todas as precauções sanitárias

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

CONTROLE DE MOSQUITOS

CONTROLE DE MOSQUITOS CONTROLE DE MOSQUITOS Doenças e Vetores Febre Amarela ceifando foliões. "O carnaval de 1876." Revista Ilustrada, 04.03.1876, ano 1, n 10, p. 7. FIOCRUZ. Desenho de J. Carlos representando Oswaldo Cruz

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Lucimara Rios

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

ANIMAIS SINANTRÓPICOS

ANIMAIS SINANTRÓPICOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS Profª Esp. Cíntia Moreira Marciliano da Costa São aqueles que ao longo do tempo se adaptaram a viver junto ao homem a despeito da vontade deste. Todos eles constituem um papel muito

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. A Dengue é um problema sério de saúde pública, a sua eliminação depende muito da participação popular. Mas a população precisa ter conhecimento das ações de controle, realizadas

Leia mais