Cooperados da Coplana doam R$ ao Hospital de Câncer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cooperados da Coplana doam R$ 40.950 ao Hospital de Câncer"

Transcrição

1 Ano 7 - nº 61 Setembro/Outubro 2009 Socicana discute Código Florestal IMPRESSO Fechamento Autorizado Pode ser aberto pelo ECT Cooperados da Coplana doam R$ ao Hospital de Câncer Coopecredi, Coplana e Socicana participam do Córrego Vivo

2 Índice 6 - Reunião Socicana Código Florestal e Índice de Produtividade Agrícola são temas de reunião da Socicana 8 - Artigo Pré-sal não pode ser o pós-etanol Por João Sampaio 10 - Solidariedade Cooperados da Coplana doam mais de R$ 40 mil ao Hospital de Câncer 12 - Visita Vereadores conhecem a estrutura do Amendoim Coplana 13 - Encontro Amendoim VI Encontro sobre a Cultura do Amendoim 16 - Sustentabilidade Projeto Córrego Vivo, lançado em setembro, tem seu 4ª plantio 18 - Campo Limpo Coplana comemora o 5ª Dia Nacional do Campo Limpo 22 - Núcleos Sucessão dos Núcleos em Palestra Coplana promove reunião sobre mercado e cenários futuros da soja 26 - SIPAT SIPAT Muito humor para falar de coisa séria 27 - Brigada de Incêndio Coplana promove curso de Brigada de Incêndio 28 - Reunião Encontro de produtores de cana-de-açúcar em Sertãozinho 30 - ATR Circular Consecana 31 - Balancetes

3 Coplana Cooperativa dos Plantadores de Cana da Zona de Guariba Av. Antonio Albino, 1640 ( ) - Guariba-SP Coopecredi Cooperativa de Crédito Rural dos Plant. Cana da Zona Guariba Av. Antonio Albino, 1640 Caixa Postal 77 ( ) - Guariba-SP Socicana Associação dos Fornecedores de Cana de Guariba R. José Mazzi, 1450, Caixa Postal 64 ( ) - Guariba - SP Conselho de Administração - Coplana Presidente Francisco A. de Laurentiis Filho Vice-Presidente Secretário Conselho Fiscal Efetivos Suplentes Roberto Cestari Victor Magnani Ismael Perina Júnior Delson Luiz Palazzo Walter Aparecido Luiz De Souza Luiz Joaquim Donegá Fábio Trevisoli Raymundo Nuno Júnior Airton José Rocca Filho Sérgio De Souza Nakagi Ricardo Bellodi Bueno Bruno Rangel Geraldo Martins Superintendente José Arimatéa de A. Calsaverini Divisão Adm. Financeira Mirela Cristina Gradim Gerente Div. Comercial Ednel Alvando Constant Divisão de Grãos Dejair Minotti Diretoria Executiva - Coopecredi Diretor Presidente Ismael Perina Júnior Diretor Administrativo Delson Luiz Palazzo Diretor Operacional Roberto Cestari 1º Vogal Raul Bauab Junior 2º Vogal Francisco A. de Laurentiis Filho 3º Vogal Fernando Torimatsu Miura 4º Vogal Murilo Gerbasi Morelli Conselho Fiscal Efetivos Suplentes Gerente Geral Álvaro Henrique Gonçalves Eduardo Cezarino De Oliveira Carmem Izildinha C. Leão Penariol Antonio Paulo Fonzar Luiz Joaquim Donegá Mário Whately Antonio Carlos Pongitor Conselho de Administração - Socicana Presidente Ismael Perina Júnior Vice-Presidente Roberto Cestari 1º Secretário Airton José Rocca Filho 2º Secretário Luiz Joaquim Donegá 1º Tesoureiro Delson Luiz Palazzo 2º Tesoureiro Roberto Geraldes Morelli 1º Vogal Carmem Izildinha C. L. Penariol 2º Vogal Ricardo Bellodi Bueno 3º Vogal Paulo de Araújo Rodrigues 4º Vogal Antoninho Penariol 5º Vogal Murilo Gerbasi Morelli Conselho Fiscal Efetivos Suplentes Gerente Geral Zina Maria Bellodi Wilson Pires de Lemos Francisco Antonio de Laurentiis Filho Sérgio Donizete Pavani Álvaro Henrique Gonçalves Alexandre Frare Formici Mauricio dos Santos Simões Conselho Editorial Ismael Perina Júnior Roberto Cestari Delson Luiz Palazzo Antonio Carlos Pongitor Dejair Minotti Ednel Alvando Constant José Arimatéa de A. Calsaverini Marta Maria Gomes dos Santos Maurício dos Santos Simões Mirela Cristina Gradim Revista Coplana Editora e Jornalista Responsável Regiane Alves MTb Fotos Ewerton Eleutério, Ricardo Carvalho e arquivos de divulgação Arte final e editoração eletrônica Neomarc Comunicação - Júlio Buzoli Produção Textual Ricardo Carvalho Produção Neomarc Comunicação - Assessoria Coplana - Socicana - Coopecredi Redação e correspondência Avenida Antonio Albino, Guariba - SP. Tiragem: exemplares. Fale Conosco (16) Artigos assinados, citações e relatórios são de responsabilidade de seus autores. A todos os nossos associados, cooperados e familiares, o desejo de um final de ano que traga: serenidade para superar as adversidades da vida; coragem para estarmos firmes no caminho que escolhemos; esperança de um recomeço sempre melhor; espírito de paz e união na família e no trabalho. E que possamos, cumprir, cada um a seu modo, a missão de fazer deste um mundo um pouco melhor. Bom Natal e Feliz 2010! Revista Coplana - 3

4 Editorial Matriz energética e o produtor rural O produtor rural e mais especificamente o produtor de cana-de-açúcar têm contribuído de maneira relevante para uma mudança de paradigma quanto à matriz energética no país e no exterior. É fato que o destaque dado ao Brasil hoje, no campo da sustentabilidade, deve-se quase que exclusivamente à competência e à capacidade de seus produtores de tirar da terra energia limpa e renovável. Esta prática, comum para os brasileiros, serve de inspiração em todo o mundo na busca por modelos de energia que reduzam os efeitos do aquecimento global. A cana deixa de ser somente de açúcar e passa a ser a cana-de-energia, com o etanol que conhecemos hoje, o etanol de segunda geração, a energia elétrica a partir da biomassa. É uma grande pena que mesmo provados e comprovados todos os benefícios de nosso sistema de produção ainda tenhamos a carência do básico, que são políticas públicas que garantam um mínimo de equilíbrio àqueles que brigam para produzir. Isso mesmo, nós brigamos para produzir, quando deveríamos ser apoiados por toda a sociedade. Mesmo com tanta repercussão em torno do etanol, energia limpa e renovável, os elogios ficam mais no discurso do que em medidas concretas para o seu desenvolvimento. Mas nem só de elogios vive o setor. Claro que não. A ironia está nas críticas que sofremos em relação a produção x ambiente, ao empregador x empregado, cana x alimento. São os críticos presos a um cenário de filme, presente no imaginário, mas distante da realidade. Nossos desafios estão em todos os setores: no custo de produção, mudanças bruscas de mercado, Código Florestal, escassez de crédito, entre tantos outros. E assim seguimos, brigando e produzindo. Ressalto, nesse contexto, a necessidade visceral de fortalecermos as nossas organizações como única maneira de nos mantermos na atividade. Este fortalecimento se dá com a presença do produtor e sua energia em doar parte de seu tempo para contribuir no processo decisório de nossas entidades. Qualquer modelo bem sucedido de organização tem como base - associados e cooperados que se comprometem com o futuro. Ao participar mais ativamente das entidades, o produtor está dando uma chance ao seu futuro e ao futuro de sua família. Sei que o dia a dia nos consome, mas além de lutar pelo que é importante hoje, temos de buscar o que é essencial para o nosso amanhã. Se em 2009 tivemos tantas correntezas para atravessar, 2010 não será diferente e só conseguiremos chegar à outra margem se estivermos de mãos dadas, fortemente ligados e buscando os mesmos objetivos está quase aí. Que este momento sirva para uma importante reflexão sobre o poder de nossa proatividade e a necessidade de um planejamento competente para iniciarmos mais um ano. E que dele possamos colher resultados melhores que no ano que passou. Um bom Natal a todos e um 2010 definitivamente promissor! Francisco Antonio de Laurentiis Filho Presidente da Coplana

5 Iniciativa: Apoio: INSTITUTO NACIONAL DE PROCESSAMENTO DE EMBALAGENS VAZIAS inpev.org.br 5 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

6 Reunião Socicana Código Florestal e Índice de Produtividade Agrícola são temas de reunião da Socicana Código Florestal preocupa setor produtivo No dia 8 de setembro, a Socicana promoveu uma reunião junto aos seus associados, na qual abordou: Código Florestal, Índice de Produtividade Agrícola e a formação da Aliança Brasileira pelo Clima. Os assuntos foram discutidos pela diretora executiva da Abag/RP (Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto), Mônika Bergamaschi. A palestrante falou da preocupação ambiental no mundo, como uma situação relativamente recente. O Brasil, desde o período do império, se preocupava com a questão de florestas. A ideia sempre foi preservar florestas visando o uso da madeira. Não havia ainda a preocupação ambiental propriamente dita. Ela citou a Floresta da Tijuca, o Horto Florestal e o Jardim Botânico como áreas verdes que permanecem até hoje no Rio de Janeiro, locais onde a família real teve forte influência. Na década de 1930, o Brasil fez seu primeiro Código Florestal, o que na realidade era um decreto de proteção de florestas, objetivando reserva de madeira, utilizada em construções em geral, como embarcações e também fonte de energia. Em 1934 ficou estabelecido que nenhum proprietário rural poderia destruir mais do que 75% das florestas existentes na propriedade. Em 1965 foi elaborado o Novo Código Florestal, pela lei número Inicialmente, os percentuais de preservação foram definidos em relação às florestas existentes na propriedade, depois foram alterados, como por encanto, para percentual da área da propriedade. Não houve a adoção de nenhum critério técnico-científico para definir os percentuais. Modificações também foram feitas pela lei 7.803/89 e pela Medida Provisória 2166/67. Essas constantes alterações, sem critérios técnicos e científicos, trazem uma enorme insegurança jurídica. Isso penaliza produtores e inibe investimentos, afirma a executiva. Mônika Bergamaschi fez uma crítica ao fato de que até hoje o Brasil não ter um Código Ambiental. O que o país tem é um Código Florestal, modificado por uma medida provisória, que ainda não foi votada pelo Congresso, e milhares de normas estaduais e municipais, que so- Bergamaschi: são necessários critérios técnicos 6 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

7 Reunião Socicana Fotos pag 06 e 07: RCarvalho/Neomarcs Perina Jr.: Produtor contribui para energia renovável madas, totalizam 16 mil. Fica muito difícil cumprir tudo o que está previsto. Na visão da diretora executiva da Abag, ao término do prazo da suspensão do Decreto 6.514/08, que expira em 11 de dezembro de 2009, há duas possibilidades para que a lei não entre em vigor. A primeira é que a suspensão seja prorrogada. A segunda é que alguma Medida Provisória ou Projeto de Lei seja votado, ou mesmo que a ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) seja julgada. O que importa é que tudo dependerá de vontade política, e temos que acionar os representantes que ajudamos a eleger nas últimas eleições. De acordo com o presidente da Socicana e Orplana, Ismael Perina Júnior, nas áreas técnica e científica as coisas não estão caminhando. Temos visto os movimentos sociais, principalmente o MST [Movimento dos Sem-Terra], que estão conseguindo a força as suas reivindicações. E nós não estamos parando nossas atividades para nos reunir e fazer um movimento de massa e brigar pelos nossos direitos. Índice de Produtividade O segundo tema na pauta de discussões foi o Índice de Produtividade Agrícola. O governo federal está propondo o reajuste dos índices, congelados desde 1980, com base no censo agropecuário de Os novos números estão sendo definidos com base na Produção Agrícola Municipal (PAM), elaborada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), por microrregião geográfica, tomando a média de produtividade entre 1996 e Quem não atingir o índice está passível de desapropriação para reforma agrária. Qualquer industrial, quando há excesso de produtos no mercado e o preço está abaixo, reduz a produção, visando queda de oferta e aumento do preço. O setor agrícola está sofrendo com preços baixos e sendo obrigado a produzir mais. O preço vai cair mais e mais produtores vão quebrar, porque se não produzirem, perderão suas propriedades. Isso é um absurdo, que surge em um momento ruim, caracterizado por perda de renda e problemas de investimentos. Aliança Brasileira pelo Clima O último tema abordado foi a formação da Aliança Brasileira pelo Clima, organização que reúne 14 instituições nacionais representativas do agronegócio, florestas plantadas e bioenergia. A Orplana (Organização de Plantadores de Cana da Região Centro- Sul do Brasil), a Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar) e a Abag/RP são signatárias da Aliança, lançada no último dia 2 de setembro. A formação da Aliança Brasileira pelo Clima visa contribuir com propostas concretas às negociações ligadas à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. O foco é a agenda que o governo brasileiro vem defendendo nas negociações globais, tendo como resultado a 15ª Conferência das Partes da Convenção (COP 15), que ocorrerá em dezembro deste ano em Copenhague, na Dinamarca. A organização expõe que o Brasil tem hoje uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, com mais de 40% de seu conteúdo originado de fontes renováveis. Sendo assim, deveria ter um papel de liderança nas discussões globais sobre o clima. No entanto, a imagem do Brasil para muitos países é de um grande vilão na questão do aquecimento global, devido principalmente ao desmatamento e queimadas na Amazônia. 7 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

8 Artigo Pré-sal não pode ser o pós-etanol João Sampaio As jazidas de petróleo do pré-sal, mais uma dentre as imensas dádivas naturais do Brasil, são uma riqueza expressiva e, sobretudo, um consistente diferencial competitivo no comércio exterior. Se o cronograma de extração não sofrer alterações e se viabilizarem os elevados investimentos previstos, a produção deverá iniciar-se em cerca de dez anos, conferindo sobrevida à velha economia baseada na queima de combustíveis fósseis, persistente em numerosos países sem alternativas viáveis para alterar suas matrizes energéticas. O Brasil, nação detentora das melhores condições do mundo (áreas disponíveis, solo, clima e tecnologia) para a produção de biocombustíveis, em especial o etanol, terá, então, posição privilegiada. Poderá ampliar cada vez mais o uso interno de fontes renováveis, menos poluentes e sem a mínima suscetibilidade às crises internacionais e se tornar exportador de petróleo para nações que não dispõem de reservas e não têm quaisquer condições de produzir cana-de-açúcar em larga escala, embora desejassem muito poder fazê-lo. Basta uma estratégia eficaz para tornar essa equação da matriz energética um dos trunfos de nosso desenvolvimento. Desprezar a importância do présal seria tolice tão desmedida quanto um retrocesso nos programas dos biocombustíveis, em especial o etanol. Por isso, são preocupantes Foto: EW Alves/Neomarcs algumas posições e atos de organismos públicos federais que, de repente, parecem esquecer as conhecidas vantagens socioeconômicas e ambientais da cadeia produtiva da cana-de-açúcar, empregadora de mão-de-obra intensiva, grande exportadora e base de um processo dinâmico de aporte tecnológico os automóveis flex são um ótimo exemplo! Mais grave: esboçam-se ataques ao setor, num movimento estranhamente proporcional à substituição dos biocombustíveis pelo monopólio semântico do présal no discurso energético do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Dentre tais manifestações, inclui-se a recente Nota Verde do Ministério do Meio Ambiente e do Ibama, com a anunciada intenção de disponibilizar à sociedade informações relativas aos níveis de emissão veicular gerados por carros leves de passeio. O documento chega à brilhante conclusão de que, em muitos casos, o etanol polui mais do que a gasolina. Utilizou-se metodologia inadequada para fazer parecer correta uma conclusão muito distorcida quanto aos volumes de monóxido de carbono. Compararamse modelos diferentes de veículos, inclusive alguns importados, com graus muito díspares de tecnologia embarcada. Um verdadeiro atentado contra os preceitos da ciência, da pesquisa e da ética. Quanto a este último item, cabe a ressalva: se motivado por dolo e não mera incompetência... A análise não respeitou os rigorosos critérios aplicados na homologação de veículos. Além disso, ignorou por completo os gases causadores do efeito estufa. Neste quesito, o etanol derivado de canade-açúcar apresenta boas propriedades, pois é praticamente neutro quanto às emissões de dióxido de carbono. Ou seja, a Nota Verde é um desserviço à Nação, ao colocar em cheque trinta anos de avanços concretos no desenvolvimento do etanol como combustível mais barato, limpo e renovável. Como se não bastasse, o Ministério do Meio Ambiente acaba de divulgar o seu Plano de Ação para Controle do Desmatamento no Cerrado, apontando a cana-deaçúcar como uma das principais causas da devastação. Como se sabe, isso não procede, consideran- 8 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

9 do que 98% da cultura não provocam o corte de uma árvore sequer, pois são utilizadas áreas há muito tempo destinadas à agropecuária. E, num ato que até parece articulado com aquele programa, o Governo Federal lançou o Zoneamento Agroecológico da Cana-deaçúcar. Em tese, trata-se de prática conceitualmente correta, à medida que coíbe qualquer desmatamento para se fazer uma plantação. Até aí, nada contra. O projeto, entretanto, coloca restrições à lavoura até mesmo em áreas agrícolas e pastoris já existentes. Toda essa artilharia contra a cadeia produtiva da cana-de-açúcar, incluindo a insinuação de que o pré-sal pode significar a obsolescência do etanol, parece inserir-se num olhar distorcido pelo comprometimento ideológico do governo com o MST, que sequer existe juridicamente, a CUT e movimentos de intenções dúbias. Por conta disso, os produtores rurais em geral têm sido ameaçados por propostas como o exagerado aumento da produtividade mínima das fazendas e a reforma do Código Florestal, além de prejudicados por medidas como as sanções relativas às reservas Legais e áreas de preservação permanente. Criou-se um clima de instabilidade para o agronegócio, numa atitude de desrespeito ao setor e à sociedade, a maior prejudicada pelos equívocos e desmandos das políticas públicas. João Sampaio, economista, é secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo e pres. do Cons. Est. de Seg. Alimentar e Nutricional Sustentável (Consea) Artigo publicado na Revista Canavieiros. Coplana, Coopecredi e Socicana participam de campanha para doação de Medula Óssea No dia 6 de novembro, colaboradores da Coplana, Coopecredi e Socicana, participaram do cadastramento de Doador Voluntário de Medula Óssea. A iniciativa foi da Loja Maçônica, através do Capítulo Demolay Ciência e Trabalho de Guariba, que tem um convênio com o Hospital de Câncer de Barretos. Cada doador assinou um termo de consentimento e teve coletada uma amostra de sangue para a realização do exame de histocompatibilidade, responsável por identificar características das células. O resultado da análise é entregue diretamente ao doador, com sigilo das informações. Os doadores potenciais terão seus dados cadastrados no REDO- ME (Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea), órgão do Ministério da Saúde. Com esse sistema, é possível encontrar doadores para o transplante de medula óssea em todo o Brasil. Em 2004, o REDOME tinha cadastrados cerca de 65 mil doadores. Já em 2009, são quase um milhão. Desde 2005, quando o Hospital de Câncer de Barretos passou a fazer as campanhas, até outubro de 2009, já participaram aproximadamente 170 mil pessoas, sendo 120 mil delas através do convênio entre o Hospital e os Demolays do Estado de São Paulo. A medula óssea é a parte interna dos ossos responsável pela produção do sangue, glóbulos brancos e plaquetas. Pacientes com leucemia, aplasia de medula ou doenças genéticas raras precisam do transplante como única forma de cura. Pessoas de 18 a 55 anos e em boas condições de saúde podem se cadastrar como doadores de medula. Não é necessário ter peso mínimo. Só não pode doar quem tiver algum tipo de câncer ou que seja portador do vírus HIV. O preconceito e o desconhecimento em relação à doação são obstáculos para o registro de centenas de possíveis doadores, que poderiam salvar muitas vidas. 9 - Revista Coplana - Julho/Agosto 2009

10 Solidariedade Cooperados da Coplana doam mais de R$ 40 mil ao Hospital de Câncer Foto: RCarvalho/Neomarc Ednel Constant, Marrone, Bruno, Henrique Prata e Azael Pizzolato: cheque foi entregue antes de show sertanejo No dia 8 de outubro, o gerente da Divisão Comercial da Coplana, Ednel Alvando Constant, representando o Conselho Deliberativo da Cooperativa e os produtores de amendoim, soja e milho, entregou um cheque de R$ ,54, como doação, ao diretor do Hospital de Câncer de Barretos, Henrique Duarte Prata. A entrega aconteceu momentos antes do show da dupla sertaneja Bruno & Marrone. Toda a arrecadação do show, realizado no Clube Pioneiros da Sela, em Jaboticabal, foi revertida à instituição. Desde 2004, produtores de amendoim, milho e soja, cooperados da Coplana, realizam doações ao Hospital de Câncer de Barretos. Destinam parte de suas produções de grãos à doação. A Coplana comercializa o produto, apura o resultado e repassa ao Hospital. Até 2008, os cooperados já haviam doado R$ ,54 (valor sem correção monetária). Com mais R$ ,54 neste ano, o valor alcança a cifra de R$ ,08. É através do Ato Cooperativo que os cooperados fazem a doação de parte da produção. Isso, posteriormente, é transformado em dinheiro, que é oferecido à instituição, afirmou Ednel. O diretor do Hospital, Henrique Prata, destacou que a atitude da Coplana e cooperados é um exemplo. A nossa instituição é um Hospital de alto custo e quando encontramos parcerias como essa em todos os segmentos da sociedade é fundamental. Ações como esta nos deixa seguros e confiantes para investir no futuro. O Hospital de Câncer precisa investir muito em pesquisa e melhorias e só com esse apoio é que conseguiremos fazer isso. Segundo o diretor, nos últimos 20 anos foram construídos 40 mil m 2 de instalações, sendo que 30 mil m 2 foram construídos no último ano. Ele comentou ainda que no dia 8 de dezembro, será inaugurado o Centro de Prevenção e Pesquisa do Hospital, patrocinado pela Avon. Será um momento histórico, pois é um centro que não existe na América do Sul e há um só nos Estados Unidos. Estamos sendo referência para o mundo, em um projeto sério e de futuro, concluiu. Segundo o administrador da Fazenda Palmital e coordenador do Hospital de Câncer de Barretos em Jaboticabal, Azael Pizzolato, esta foi a primeira vez que a cidade recebeu um show em prol da instituição. O Hospital tem um déficit financeiro grande, coberto em parte com a arrecadação de eventos iguais ao que promovemos. Quem conhece o Hospital sabe do trabalho muito sério e que 99% dos atendimentos são gratuitos. Isso nos motiva a organizar iniciativas para essa instituição tão importante. Pizzolato explicou que cada cidade tem um coordenador nomeado pelo Hospital de Câncer, cujo trabalho consiste em fiscalizar ações e eventos em que é usado o nome da instituição. Infelizmente, existem muitos aproveitadores que usam o nome da instituição em benefício próprio. Minha função é checar para que isso não ocorra Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

11 11 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

12 Visita Vereadores conhecem a estrutura do Amendoim Coplana Representantes do Legislativo discutem mercado do amendoim e exportação Por intermédio do Secretário Municipal de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente, Fábio Trevisoli, a Coplana recebeu no dia 2 de outubro, a visita de vereadores da Câmara Municipal de Jaboticabal-SP. Compareceram o presidente da Câmara, Mauro Henrique Cenço, além dos vereadores Murilo Gaspardo e João Bassi. Enviaram representantes os vereadores: Prof. Emerson, Dr. Aloísio Tito Rosa, José Augusto Gouvêa e Gilberto de Farias. Na abertura do encontro, o secretário municipal, Fabio Trevisoli, falou do objetivo de informar o Legislativo sobre as iniciativas da cadeia produtiva. O vice-presidente da Coplana, Roberto Cestari, comentou sobre o modelo de funcionamento da Cooperativa, baseado na renovação. Precisamos do apoio do Executivo e Legislativo. Nosso conceito de trabalho é perpetuar as empresas. As pessoas passam pelas empresas e cada um deixa sua história, afirmou. O superintendente, José Arimatéa Calsaverini, comentou sobre o mercado e o modelo cooperativista. Principalmente na última década, a Coplana liderou o processo de evolução da cultura. A Coplana, junto com o IAC, buscou na Argentina e Estados Unidos novas variedades e métodos de produção, para tirar o amendoim de um modelo ultrapassado, afirmou. Transformação da cultura Em 1999, o amendoim era um produto desvalorizado e a indústria alimentícia, que exigia qualidade, importava matéria-prima da Argentina. A Coplana, então, liderou a transformação da economia na região e depois do Estado de São Paulo, que é o maior produtor do Brasil. Com isso, também mudou o paradigma da produção no país. A partir de 2002, começou a exportar o produto. Hoje, o amendoim é uma cultura altamente mecanizada, com equipamentos produzidos ou adaptados por fornecedoras brasileiras, processo este também estimulado pela Cooperativa. O vice-presidente da Coplana, Roberto Cestari enfatizou a questão da remuneração. Não existe preço garantido no agronegócio brasileiro. O produtor que não tiver um excelente planejamento, não sobrevive. Hoje, o que vemos em nossa região e em todo o Brasil é a concentração, em todas as áreas, na cadeia produtiva e no sistema financeiro. Sobrevive aquele que possui escala, pois tudo depende de gestão e mercado. E o cooperado da Coplana, mesmo que tenha 50 mil sacos de amendoim, está comercializando o seu produto com o poder de 2 milhões de sacos. Visita à Unidade de Grãos surpreendeu vereadores Fotos: RCarvalho/Neomarc 12 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

13 Encontro Amendoim VI Encontro sobre a Cultura do Amendoim A Unesp de Jaboticabal (Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho ) realizou, nos dias 13 e 14 de agosto, o VI Encontro Sobre a Cultura do Amendoim. A Coplana foi uma das entidades promotoras do evento, que reuniu produtores, pesquisadores e alunos. Profa. Núbia Correia A professora doutora Núbia Correia, do Departamento de Fitossanidade, falou sobre as Dificuldades no controle de plantas daninhas. A competição por água, nutrientes, luz e espaço são alguns dos entraves ao crescimento e colheita do amendoim. Os danos causados pelas plantas daninhas podem atingir de 80% a 90% da produção, dependendo do grau de infestação da área. Dentre as principais espécies nocivas estão: cordade-viola e carrapicho-rasteiro. Ela alerta que outra dificuldade é a escassez de herbicidas registrados. O registro de produtos é muito burocrático e caro. O problema fica com o produtor, que não tem muita opção para fazer o controle Prof. Modesto Barreto da cultura. Isso faz com que os produtores de amendoim usem produtos não registrados. Temos produtos bons e que são seletivos, mas não vejo esforços do governo e das empresas para registrar, concluiu. O professor doutor Modesto Barreto, também do departamento de Fitossanidade, apresentou o tema Manejo das doenças do amendoim. De todas as doenças da cultura do amendoim aqui na região, as duas principais são a mancha castanha e a pinta preta [cercosporioses]. Além disso, há outras importantes, como a verrugose, ferrugem, mancha barrenta e mancha em V. Modesto recomenda que os produtores façam o manejo correto dessas doenças, diminuindo as ocorrências e reduzindo o número de aplicações. Fazer o tratamento de sementes, a calagem adequada e a semeadura no início da estação de cultivo pode auxiliar na diminuição das doenças. Outro tema abordado foi o Manejo integrado de pragas com Prof. Odair Fernandes ênfase à PIA (Produção Integrada de Amendoim), pelo professor doutor Odair Fernandes. Um dos objetivos do sistema é elevar os padrões de qualidade e competitividade, não só do amendoim, como dos grãos em geral no Brasil, ao patamar de excelência requerido pelo mercado internacional, em bases voltadas para o sistema integrado de produção, sustentabilidade do processo, expansão da produção, emprego e renda. Ter um selo de qualidade é o grande objetivo para a cultura do amendoim. Esse selo vai indicar ao consumidor que a produção está em conformidade com as normas vigentes, como o uso de produtos Agrônomo Nilceu Piffer Cardozo 13 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

14 Encontro Amendoim Fotos pags 14 e 15: RCarvalho/Neomarc Prof. Mark Burrow (Texas, EUA) certificados e a rastreabilidade. O engenheiro agrônomo Nilceu Piffer Cardozo, filho e neto de cooperado da Coplana, foi um dos palestrantes, com o tema Agrometeorologia do amendoim: efeitos do clima na produtividade e manejo da cultura. O Encontro contou ainda com a participação do norte-americano Mark Burrow, melhorista genético de amendoim e professor da universidade do Texas. Dentre os objetivos de suas pesquisas está o desenvolvimento de variedades mais precoces e altooléicas, para maior durabilidade ao amendoim. A região oeste do Estado do Texas é responsável por quase 75% da produção do grão nos Estados Unidos. A Aplicação de produtos fitossanitários via pulverização, foi apresentada pelo professor doutor Prof. Rouverson Pereira da Silva Marcelo da Costa Ferreira, também da Unesp de Jaboticabal. Segundo ele, as aplicações não têm a finalidade de aumentar a produção, como muitos pensam, e uma dica para diminuir perdas é fazer o tratamento fitossanitário quando necessário, o que mantém o potencial produtivo da cultura. Ao fazermos a aplicação temos que saber o volume adequado que usaremos de acordo com a nossa necessidade, tais como: tamanho da O melhorista genético do IAC, Ignácio Godoy superfície a cobrir, quanto uma planta pode reter, como deve ser a distribuição do produto, dentre outros. Para sabermos tudo isso, precisamos de pesquisa e desenvolvimento. Outro assunto de interesse foi Perdas na colheita do amendoim, apresentado pelo professor doutor Rouverson Pereira da Silva, do departamento de Engenharia Agrícola. Não se falava em perdas há uns 4 anos. De repente, as pessoas começaram a analisar isso e como elas acontecem na cultura do amendoim. O fruto debaixo do solo dificulta a colheita. Temos que analisar constantemente as regulagens em maquinários, checar as condições de umidade, a necessidade de cura ao sol após o arranquio. É impossível fazer uma colheita com perda zero em qualquer cultura. O nosso objetivo é reduzir as perdas em um nível aceitável. O especialista em melhoramento genético do amendoim, Ignácio José Godoy, do IAC (Instituto Agronômico de Campinas) encerrou o evento, falando sobre a precocidade em cultivares rasteiros. De acordo com Godoy, cerca de 120 mil hectares é a área plantada de amendoim no Brasil, sendo que o Estado de São Paulo é responsável por 80 mil hectares, dos quais 70 mil hectares são áreas de renovação com cana. O estado paulista é responsável por 77,3% da produção nacional. O amendoim na renovação da cana requer ciclo (plantio à colheita) menor do que 130 dias, que é o limite máximo para que não atrapalhe a cana. Outro ponto abordado é quanto às vantagens do amendoim rasteiro. Ele veio para ficar, possui um excelente potencial produtivo e tem facilidade na colheita em relação ao vermelho. Temos a necessidade de reduzir o ciclo do rasteiro, concluiu. Evento reuniu produtores, pesquisadores e alunos 14 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

15 Executivo indiano visita a Coplana No dia 20 de outubro, o diretor executivo da FMC, o indiano Sunil Kohli, participou de uma reunião na Coplana, junto com o agente de vendas da empresa, Daniel Cypriano, e os representantes de desenvolvimento de mercado, Carlo Gramper e Giovane Oliveira. O grupo foi recebido pelo gerente da Divisão Comercial, Ednel Alvando Constant e pelo supervisor de Desenvolvimento Técnico e Comercial, Amauri Asselli Frizzas. Essas visitas são importantes para a troca de experiência. O relacionamento agrega melhorias na parceria com empresas respeitadas do mercado, disse Ednel. Kohli explicou que o baixo preço da cana e a crise mundial em 2008 provocaram a falência de muitas usinas. Produtores indianos passaram a plantar outras culturas, como arroz e trigo. Com a quebra da safra da cana na Índia, o país asiático, segundo maior produtor e maior consumidor mundial de açúcar, deixou de exportar e tornou-se importador no último ano. Isso fez com que a cotação do açúcar praticamente dobrasse e o Brasil, maior produtor do mundo, aumentasse sua participação no mercado internacional. Quanto às diferenças entre os dois países no manejo da cana, na Índia, as usinas dependem 100% dos fornecedores, uma vez que não possuem terras próprias. A tecnologia canavieira é insignificante, refletindo na baixa produtividade, que chega a 69 toneladas/ha. Os produtores são altamente dependentes das usinas, que repassam a tecnologia, ao contrário do que vi no Brasil. A média máxima de terras por proprietário na Índia é de 4 a 5 hectares, onde os produtores cultivam cana, arroz, trigo e outras culturas. Lá, não existem associações ou cooperativas. Um grande diferencial da Coplana é fornecer produtos agroquímicos, com financiamento de longo prazo e disponibilizar assistência técnica. Isso, infelizmente, não existe na Índia. Foto: RCarvalho/Neomarc Equipes da Coplana e FMC trocam informações sobre produção no Brasil e Índia

16 Sustentabilidade Projeto Córrego Vivo, lançado em setembro, tem seu 4ª plantio Coplana, Socicana e Coopecredi são parcerias em iniciativa bem sucedida Produtor Marcelo Macheroni recebe certificado Parceiros durante o lançamento do Programa Lançado em 21 de setembro, o Projeto Córrego Vivo realizou, nos dias 4 e 6 de novembro, a 3ª e a 4ª etapas. Os plantios ocorreram na Fazenda Belo Horizonte, em Jaboticabal-SP, propriedade de Ismael Perina Júnior, presidente da Soci- Sargento Delalibera, Salvador de Marco (assessor técnico do Saaej), Fabio Trevisoli (secretário de Agricultura e Meio Ambiente), Roberto Cestari (diretor da Coplana,Socicana e Coopecredi), José Carlos Hori (prefeito de Jaboticabal) 16 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009 cana e Coopecredi e conselheiro da Coplana. Somente nesses dois dias, foram mudas plantadas com a colaboração de 250 estudantes das escolas Professor Luiz Latorraca, Dona Aurora Vianna dos Santos, Colégio Técnico Agrícola, Nossa Senhora do Carmo, Joaquim Batista e ONG Gean (Grupo Ecológico Amigos da Natureza). Entre as mais de 70 espécies, estiveram: pau-ferro, jatobá, aroeira verdadeira e ipês. O projeto tem o objetivo de reconstituir áreas de mata ciliar, aumentar o volume e a qualidade dos recursos hídricos, além de promover a educação ambiental junto a instituições e rede de ensino. Esta é uma bem sucedida iniciativa, coordenada pela Polícia Militar Ambiental com a parceria de produtores rurais, Coplana, Socicana e Coopecredi, Prefeitura de Jaboticabal, através da Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente, Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, Saaej, CEA, além do Grupo Cosan/Unidade Bonfim, Usina Santa Adélia e Usina São Martinho, Sindicato Rural de Jaboticabal, FCAV/Unesp, Jabotur, Lions Club de Jaboticabal, Loja Maçônica Mista de Jaboticabal, Reúsa, Rotary Club de Jaboticabal, Cati, Disk JHC, Neomarc Comunicação e Oxiquímica.

17 Sustentabilidade Ismael Perina Júnior recebe certificado de participação do Projeto Córrego Vivo teve origem no Reflorestando as Nascentes A primeira etapa de plantios ocorreu em 21 de setembro deste ano, no Sítio São Luiz, do produtor Marcelo Macheroni. A segunda etapa foi realizada na Fazenda Boa Ventura, do produtor Lauro Gonçalves. O Córrego Vivo nasceu de outro projeto ambiental, o Reflorestando as Nascentes, que existe desde 21 de setembro de 2005 e ultrapassou mudas plantadas em cerca de 50 hectares. No Córrego Vivo e no Reflorestando as Nascentes, os produtores rurais têm o compromisso de preservar a área e cuidar da manutenção das mudas, já que os primeiros anos após o reflorestamento são críticos para o desenvolvimento das espécies. Ismael Perina Júnior defende ações que integram o sistema produtivo e os projetos ambientais para a sustentabilidade. São realizações como esta, que envolvem movimentos sociais e a Polícia Ambiental, que viabilizam a recomposição da fauna e flora, o que é um desejo de todos nós. O vice-presidente da Coplana, Socicana e diretor Operacional da Coopecredi, Roberto Cestari, citou a necessidade de atitude na sociedade. Temos a preocupação com políticas de médio e longo prazo, como forma de promover mais qualidade de vida para as novas gerações. O secretário municipal de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente, Fábio Trevisoli, avalia resultados. O Córrego Vivo veio somar muito com o Reflorestando as Nascentes. E a prefeitura municipal, por meio da nossa secretaria, tem doado mudas e colaborado com o andamento dos projetos. O 2º Sargento da Polícia Ambiental, Giovane José Delalibera, comandante da Base Operacional de Jaboticabal, falou da mobilização de segmentos sociais. Nas últimas décadas, em que as questões ambientais têm sido tão debatidas e que se buscam soluções imediatas para os problemas globais, os parceiros do Projeto Córrego Vivo entendem que as ações devem ser locais e ininterruptas. Fotos pags 16 e 17: RCarvalho/Neomarc Acima e abaixo: Estudantes realizam plantio na fazenda Belo Horizonte, que também contou com a participação da Central de Recebimento de Embalagens da Coplana 17 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

18 Campo Limpo Coplana comemora o 5ª Dia Nacional do Campo Limpo Estudantes conhecem modelo de recebimento de embalagens Entre os dias 18 e 20 de agosto, a Central de Recebimento de Embalagens de Agrotóxicos da Coplana, em Guariba, organizou a 5ª edição do Dia Nacional do Campo Limpo. No país, o evento reuniu mais de 120 mil pessoas e, só em Guariba, participaram 8 mil estudantes. Um dos objetivos é difundir a destinação correta das embalagens vazias de agrotóxicos, como uma das maneiras de consolidar a agricultura sustentável. O Dia Nacional do Campo Limpo é comemorado em 18 agosto. Foi criado em 2005 por iniciativa do Inpev e institucionalizado com a Lei nº /2008. O projeto foi do senador Jonas Pinheiro, falecido em fevereiro passado. A promoção é do Inpev (Instituto Nacional de Embalagens Vazias) e conta com o apoio da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (Andav) e da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) junto às Centrais. O evento foi dinâmico, muito organizado e o número de pessoas foi significativo. Os estandes abordaram assuntos interessantes, mas um que me chamou a atenção foi o destino correto das embalagens vazias, feito hoje pela Coplana, e a maquete simulando área de APP [Área de Proteção Permanente], disse o coordenador do Inpev do Estado de São Paulo, Luis Mazzon. O responsável pela Central da Coplana, José Lima de Oliveira Junior, falou das parcerias. Nosso foco é mostrar a destinação correta das embalagens e conscientizar para a preservação ambiental. Agradeço o apoio de todos os parceiros, que viabilizaram um evento desse porte. No estande da Cooperativa, os estudantes conheceram a coleta seletiva e materiais reciclados a partir de embalagens de defensivos. Em outros estandes, viram um simulador de erosão, modelos de fossa séptica que evitam a contaminação do lençol freático, além de armadilhas e equipamentos para caça e pesca predatória apreendidos. Os visitantes ganharam mudas nativas e de árvores frutíferas e participaram de oficina de reciclagem. Este evento é importante, pois mostra às crianças e jovens o que cada um pode fazer para melhorar o meio ambiente. A natureza está pedindo socorro e precisamos muito dela, disse Márcia Bernardes, professora da Escola Estadual José Pacífico. Aprendemos aqui que devemos preservar o meio ambiente, pois dependemos dele. Vimos a reutilização de materiais, como, por exemplo, o plástico e o papelão, falaram Adyla Albino, Patrícia Coplana apresentou aquecedor solar de garrafas PET 18 - Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

19 Campo Limpo Fotos pags 18 e 19: RCarvalho/Neomarc de Mattos Santos e Camila de Souza Moreira, alunas do 9º ano da escola Gino Bellodi. No dia 19, houve a apresentação da peça teatral A água que fugiu do lago, encenada pela companhia teatral Aroeiras do Brasil, de São Vicente-SP, que contou com o apoio do Sescoop-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo). A entidade colaborou também com uma oficina para montagem de objetos e brinquedos a partir da reciclagem. Premiação dos Concursos No dia 18 de setembro, no auditório da Socicana, a Coplana premiou os alunos da região, que participaram dos Concursos de Redação e Desenho do Dia Nacional do Campo Limpo. O tema foi A reciclagem é importante para o futuro do campo. Na modalidade redação, os vencedores foram os alunos: Monique Nogueira Faria - da escola Bento Carlos Botelho do Amaral (3º lugar), Patrick Hernandes Barata Brigato - da escola Professor Nestor Gomes de Araujo (2º lugar) Membros da Coplana, Prefeitura e Legislativo, durante homenagem aos alunos vencedores do concurso e Gabriela Vieira Vidorette - da escola Professor Alfredo Rolim de Moura (1º lugar). Já entre os desenhos, os selecionados foram: Ana Beatriz de Jesus Alexandrino - da escola Gino Bellodi (3º lugar), Gabriele Ribeiro Moço - da escola Professora Maria da Penha Fratti (2º lugar) e Wallif Diego Teles Ferreira - da escola Professora Maria Helena Martinez (1º lugar). No mesmo dia, foi realizada comemoração dos 15 anos da Central da Coplana, que deve fechar o ano de 2009, com 600 toneladas de embalagens recebidas, volume recorde. A Central foi a primeira a ser instalada no país, em Serviu de referência para a legislação sobre a destinação adequada de embalagens de defensivos e foi modelo para o Brasil e exterior. O vice-presidente da Coplana, Roberto Cestari, destacou o cuidado com meio ambiente como prioridade. A equipe Coplana sempre teve Apresentação de teatro lotou Auditório da Socicana esta preocupação e vamos continuar trabalhando com crianças e jovens. A secretária Municipal de Educação e Cultura de Guariba, Eunice Spera de Miguel, parabenizou a coordenação e os alunos. O resultado comprova que todos os conhecimentos passados durante o Dia Nacional do Campo Limpo foram assimilados, como pode ser visto nos trabalhos. Já a secretária Municipal do Planejamento e Meio Ambiente, Miriam Ap. Geraldi Mendonça, disse que se sentia orgulhosa da Coplana. É muito importante que tenhamos parcerias público-privadas para a realização de eventos, e é essencial incentivarmos tais ações. As secretárias representaram o prefeito Herminio de Laurentiz Neto. Também estava presente o presidente da Câmara Municipal, vereador Marcos Osti, que afirmou ser impossível falar de Guariba sem citar a Coplana. É um motivo de grande orgulho o trabalho que a Coplana faz há 15 anos [na Central]. É um trabalho diferenciado e que mostra a competência da Cooperativa. Vocês, crianças e jovens, que estão aqui hoje, serão os soldados do futuro do meio ambiente Revista Coplana - Setembro/Outubro 2009

20 Projeto Núcleo Jovem vai ao campo torna-se importante instrumento de diálogo e disseminação de tecnologias

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

2ª Mostra de tecnologia Coplana-Jatak contabiliza bons resultados na lavoura

2ª Mostra de tecnologia Coplana-Jatak contabiliza bons resultados na lavoura 2ª Mostra de tecnologia Coplana-Jatak contabiliza bons resultados na lavoura Evento A 2ª Mostra de Tecnologia Coplana-Jatak, realizada nos dias 25 e 26 de realizado na fevereiro, foi sucesso de público

Leia mais

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Desde o advento do carro flex, o setor agrícola brasileiro vem sendo marcado por um novo ciclo no plantio da cana-de-açúcar

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

COPLANA COOPECREDI SOCICANA

COPLANA COOPECREDI SOCICANA COPLANA COPLANA COOPECREDI SOCICANA Ano 9 - nº 69 Janeiro/Fevereiro/Março 2011 Coplana, Socicana e Coopecredi realizam AGO Coopecredi Sobe na classificação de risco, alcançando a nota A2 Deputados Apoiam

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

Sumário Executivo: WWF-Brasil

Sumário Executivo: WWF-Brasil Sumário Executivo: O Impacto do mercado mundial de biocombustíveis na expansão da agricultura brasileira e suas consequências para as mudanças climáticas WWF-Brasil Um dos assuntos atualmente mais discutidos

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

Ano 9 - nº 75 Abr/Mai 2012

Ano 9 - nº 75 Abr/Mai 2012 Ano 9 - nº 75 Abr/Mai 2012 Câmara de Jaboticabal homenageia cooperativas em SESSÃO SOLENE 8 Núcleo de Jaboticabal avalia SAFRA DA CANA 11 Sicoob Coopecredi sobe EM RANKING NACIONAL 15 Ano Internacional

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

18ª Festagri tem a presença de Aldo Rebelo

18ª Festagri tem a presença de Aldo Rebelo Ano 9 - nº 71 Junho/Julho 2011 Mala Direta Postal 9912208951/2008 - DR/SPI Coplana CORREIOS Produtores pressionam em Brasília por mudanças no Código Florestal 18ª Festagri tem a presença de Aldo Rebelo

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes

O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes O jornalismo ambiental e suas estratégias de divulgação: estudo de caso do projeto Reflorestando as Nascentes Denise Fernandes Britto Prefeitura Municipal de Jaboticabal Objetivo Identificar as principais

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Mensagem da Diretoria

Mensagem da Diretoria Balanço Social 2013 Mensagem da Diretoria Em 2013 as Empresas Rio Deserto completaram 95 anos de atividades. Somos uma das empresas mais antigas da região Sul de Santa Catarina, mas não podemos ser chamadas

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Linhas de Crédito RSA. Característica RSA

Linhas de Crédito RSA. Característica RSA Linhas de RSA Linha de Característica RSA FCO Pronatureza incentivar projetos que visem à conservação e à proteção do meio ambiente, à recuperação de áreas degradadas ou alteradas e ao desenvolvimento

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Terça-feira, 23.08.11

Terça-feira, 23.08.11 Terça-feira, 23.08.11 Veja os destaques de hoje: 1. Governador em exercício participa da reunião de renovação do Programa Bolsa Universitária 2. Programa Lavoura Comunitária 3. ONU lança campanha O Planeta

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Evolução da mecanização da colheita de cana-de-açúcar em São Paulo: uma reflexão a partir de dados do Protocolo

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

14 Na Coplana, safra do amendoim terá a melhor tecnologia do país. 18 Cooperativa lança programa

14 Na Coplana, safra do amendoim terá a melhor tecnologia do país. 18 Cooperativa lança programa ONU define 2012 como Ano Internacional das cooperativas Coplana lança pacote de melhorias para a lavoura Dia de Campo do Amendoim 20 Produtor também poderá ter certificação AGO SOCICANA 6 8 Sicoob Coopecredi

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

Os efeitos da mudança

Os efeitos da mudança CANA CRUA: O COMEÇO CONTURBADO DE UMA HISTÓRIA DE SUCESSOS Daniel Bertoli Gonçalves ( Matéria publicada em CanaWeb - Abril/2001 - www.jornalcana.com.br) Em 06 de agosto de 1997, o dia amanheceu diferente

Leia mais

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS Evento reúne toda a cadeia de produção do café em Três Pontas, no Sul de Minas, até o dia 3 de julho Três Pontas, julho de 2015 Com presenças

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 02 a 10 de junho de 2014

RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 02 a 10 de junho de 2014 RELATÓRIO DA SEMANA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 02 a 10 de junho de 2014 As cidades de Alagoa grande, Bananeiras, Caiçara, Cacimba de Dentro,Dona Inês, Guarabira, Sapé e Solânea participaram da Semana Nacional

Leia mais

Facebook/Cearpa Sorriso

Facebook/Cearpa Sorriso Facebook/Cearpa Sorriso Facebook/Weider Santana @joelmaqueirozz Facebook/Cila Vilela Facebook/Gorette Rocha @inpev ENGAJAMENTO 29 ENGAJAMENTO G4-26 e DMA @eliandersonzte O inpev articula os elos da cadeia

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Importações de aço acima do previsto em 2013

Importações de aço acima do previsto em 2013 Aço AÇO BRASIL DEZEMBRO 5 anos 0 I N F O R M A 23ª 23EDIÇÃO DEZEMBRO 2013 Importações de aço acima do previsto em 2013 As importações de produtos siderúrgicos deverão ser de 3,8 milhões de toneladas em

Leia mais

Escola Luiz César de Siqueira Melo

Escola Luiz César de Siqueira Melo Escola Luiz César de Siqueira Melo PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S.A Elaboração: Prof. Elias Alves de Souza I - APRESENTAÇÃO O cultivo de açúcar foi introduzido no Brasil em 1532

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 MISSÃO Garantir a competitividade e a sustentabilidade dos produtores de soja

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais