Boletim Informativo Minerais industriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Informativo Minerais industriais"

Transcrição

1 Boletim Informativo

2

3 01 Estamos entre os maiores produtores mundiais de diversos minerais industriais produtos minerados que são utilizados em uma imensa variedade de produtos e processos essenciais para a vida cotidiana. Na verdade, seria praticamente impossível passar um dia sem nos depararmos com os minerais industriais que produzimos. Nossa carteira de minerais industriais inclui boratos, talco, sal, gipsita, dióxido de titânio, zirconita e rutílio. Estes minerais são ingredientes essenciais do alimento que você consome, como também da sua roupa, casa, transporte e sistemas de entretenimento. A demanda global por minerais industriais está bastante ligada à urbanização e à melhora do padrão de vida. À medida que as populações em desenvolvimento migram para áreas urbanas e suas dietas, moradias e transportes melhoram, os produtores e fabricantes de alimentos exigem um volume maior de minerais industriais. Os minerais industriais também contribuem para a melhoria dos padrões ambientais por suas aplicações na produção de energia renovável, de isolamento e de veículos mais leves e mais econômicos e reduzindo o uso de energia e de emissões na produção de vidro, tinta, plástico e cerâmica. Os minerais industriais são avaliados por suas propriedades físicas e químicas. Por exemplo, eles podem ser utilizados para aumentar a produtividade das culturas, reter calor, absorver nêutrons, melhorar a extinção de chamas, reforçar materiais de construção, tornar os processos industriais mais limpos e substituir produtos químicos mais nocivos. A utilidade destes minerais varia de acordo com a aplicação. Às vezes os minerais industriais são um dos principais componentes do produto final, como a gipsita no gesso ou o talco no talco para o corpo. Outros produtos finais utilizam apenas pequenas quantidades. Entretanto, sem tal conteúdo mineral o produto não estaria completo. O boro, por exemplo, é um micronutriente essencial para todas as plantas e a falta de boro afeta quase todas as culturas cultivadas no mundo. Sem fertilizantes de boro, a produtividade e a qualidade das culturas podem ser significativamente reduzidas. São essas capacidades que tornam nossos minerais industriais na forma certa e na aplicação certa tão valiosos. Esquerda Nossas operações em Dampier Salt na Austrália. Imagem de capa Cristal de bórax decahidratado. A Rio Tinto é uma empresa líder internacional envolvida em todos os estágios da produção de metais e minerais. O grupo é formado pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas na Bolsa de Valores de Londres, e pela Rio Tinto Limited, com ações negociadas na Bolsa de Valores da Austrália. Nosso negócio de minerais industriais

4 02 Nossas operações de mineral industrial As operações de mineral industrial da Rio Tinto estão localizadas na Europa, África, América do Norte e do Sul, Ásia e Austrália. Os negócios de minerais industriais fazem parte do grupo de produto Diamantes e Minerais da Rio Tinto, com exceção da Dampier Salt que está incluída no grupo Minério de Ferro. Isto permite que os negócios de sal e minério de ferro aproveitem as sinergias no Oeste da Austrália, onde ambos possuem centros de produção. Nosso grupo Minerais é dividido em duas empresas de operação, a Rio Tinto Minerals (RTM), que produz boratos e talco e administra os projetos de desenvolvimento para lítio e boratos; e a Rio Tinto Iron & Titanium (RTIT) que produz dióxido de titânio, zirconita e rutílio. Direita Tanques de armazenamento de borato nas nossas operações em Boron no deserto de Mojave na Califórnia.

5 03

6 04 Rio Tinto Minerals Boratos Os boratos são um grupo de produtos derivados dos minerais que contém boro. Eles são ingredientes chave na produção de fibra de vidro, vidro, cerâmica, fertilizantes, detergentes, conservantes de madeira e vários outros produtos. A Rio Tinto Minerals (RTM Rio Tinto: 100 por cento) fornece mais de 40 por cento da demanda global por boratos refinados e é reconhecida como a líder mundial em tecnologia, pesquisa e desenvolvimento de borato. Nossa maior operação de borato ocorre na mina a céu aberto em Boron, no deserto do Mojave na Califórnia, em operação desde Boron é um dos dois maiores depósitos de borato do mundo. Também extraímos boratos de leitos de lagos desertos e de outros depósitos nos Andes argentinos. A mina primária de borato nesta operação, Tincalayu, é uma das maiores operações de borato na América do Sul. Alto Nossos negócios de minerais industriais são a Rio Tinto Minerals, Rio Tinto Iron & Titanium e a Dampier Salt (foto). Processamos nosso minério de borato localmente para uma grande variedade de produtos, incluindo pentahidratado de bórax e ácido bórico. O refino e processamento são realizados em Coudekerque, França e Wilmington, Califórnia. Possuímos também terminais de transporte em Wilmington; Rotterdam, na Holanda; Nules, Espanha e Changsou, China e uma rede global de escritórios de vendas e depósitos. Boratos são basicamente utilizados na produção de vidro. Os boratos tornam os vidros mais tolerantes à contração e expansão, e são ingredientes importantes na fibra de vidro para isolamento, fibra de vidro têxtil, transistores finos de filme utilizados em telas de cristal líquido (LCD) para TVs e computadores, componentes de vidro de equipamentos de aquecimento solar e vidros resistentes ao calor para produtos como utensílios para cozinha. Outros usos para o borato incluem detergente, sabão e produtos de higiene pessoal; cerâmica e superfícies esmaltadas, peças de vidro e ladrilho, nutrientes agrícolas, conservantes de madeira e retardadores de fogo. Por meio de seus diversos usos, os boratos oferecem diversas vantagens de desempenho, custo, proteção ao meio ambiente, saúde e segurança. Por exemplo, em fibras de vidro para isolamento, o principal uso do borato, ele ajuda a reduzir a energia necessária para produzir o vidro fundido. O produto final de isolamento ajuda a conservar a energia mantendo o calor dentro das estruturas isoladas.

7 05 Dampier Salt Talco A RTM é a maior produtora de talco do mundo, fornecendo quase 20 por cento da demanda mundial por talco a partir das suas minas e instalações de processamento na Áustria, Austrália, Bélgica, Canadá, França, Itália, Japão, México, Espanha e EUA. Nossa mina Trimouns nos Pirineus franceses é a maior operação de talco do mundo. O talco melhora o desempenho em inúmeras aplicações, apesar de ser mais conhecido como produto de higiene pessoal. Os principais usos para o talco incluem papel, tintas, polímeros e cerâmicas. Em 2007, após análise dos ativos do Grupo, a Rio Tinto anunciou que estava examinando opções para encerrar seus negócios com talco. A Rio Tinto, através da sua subsidiária com 68,4 por cento de participação, a Dampier Salt, é o maior exportador de sal do mundo. Produzimos sal em três localidades no Oeste da Austrália: Dampier, Port Hedland e Lake MacLeod. A fonte mais abundante de sal é o oceano, mas ele também pode ser produzido a partir de salmouras subterrâneas ou de formações geológicas de sal sólido. Nas operações da Dampier e Port Hedland (distantes cerca de 200km uma da outra), o sal é produzido pela evaporação de sal marinho, pela energia do sol e com a ajuda do vento. No processo, o sal marinho flui através de uma série de lagos de concentração nos quais a salinidade é aumentada progressivamente. Quando esta salmoura está saturada com cloreto de sódio, ela é enviada para lagos de cristalização onde o cloreto de sódio irá cristalizar-se como um depósito sólido puro. O material sólido é então recuperado, processado e enviado para os clientes. São necessárias cerca de 65 milhões de toneladas de água do mar para produzir um milhão de toneladas de sal. Em nossa operação de Lake MacLeod, produzimos sal a partir de salmouras subterrâneas que são dez vezes mais concentradas do que água do mar, eliminando a necessidade de lagos de concentração antes do estágio de cristalização. Em Lake MacLeod. produzimos também a gipsita. A área total sob evaporação em nossas operações de sal é de hectares, equivalente a campos de futebol americano. As três unidades evaporam a média de 1.1 bilhões de litros de água por dia, o suficiente para encher piscinas residenciais. A parcela total da Rio Tinto na produção de sal pela Dampier é superior a 6 milhões de toneladas/ano. Nossos clientes de sal estão na Ásia e no Oriente Médio. A maioria são empresas químicas que utilizam o sal como matéria prima para a produção de cloro e soda cáustica ( juntos conhecidos como produção de cloro e álcalis). Esses produtos são utilizados na fabricação de diversos produtos químicos e derivados incluindo alumina e cloreto de polivinila (PVC). Nossos produtos de sal também são utilizados como sal alimentício e para aplicações gerais incluindo descongelamento de estradas. Vendemos gipsita para indústrias de gesso e cimento na Ásia e Austrália.

8 06

9 07 Rio Tinto Iron & Titanium A Rio Tinto Iron & Titanium (RTIT) e suas afiliadas extraem ilmenita no Canadá, África do Sul e Madagascar, que é transformada em produto de alta qualidade para matéria prima de dióxido de titânio. Os coprodutos incluem ferro, aço, pós-metálicos, zirconita e rutílio de alta pureza. A ilmenita é uma das principais fontes de dióxido de titânio (TiO2), um composto muito branco e opaco e importante pigmento utilizado em produtos como tintas, plásticos e papel. O TiO2 reflete e espalha luz como milhares de pequenos espelhos, e quando utilizado como pigmento dá brilho e opacidade aos materiais. Outros usos menores para TiO2 incluem cosméticos, filtro solar e creme dental. Enquanto o TiO2 é branco e brilhante, a ilmenita é marrom ou preta, devido aos seu percentual de ferro. Processamos ilmenita para remover o ferro e vendemos os produtos resultantes: matéria prima de dióxido de titânio, principalmente para fabricantes de pigmentos. Os fabricantes de pigmentos refinam a matéria prima para produzir um pigmento de dióxido de titânio. Os fabricantes de pigmento utilizam duas rotas de processo a rota do cloreto e a do sulfato para produzir pigmento TiO2, e oferecemos nossos produtos para ambos os setores do mercado. A matéria prima de dióxido de titânio é o produto primário da RTIT, mas também vendemos outros produtos que são derivados da mineração e do processamento de ilmenita. O ferro que é removido da ilmenita é vendido como ferro gusa de alta pureza. Convertemos parte deste ferro gusa em tarugos de aço e pós de ferro e aço. Também vendemos parte do minério de ilmenita para fabricantes de aço como um produto chamado SORELFLUX que ajuda a prolongar a vida útil de alto-fornos. Alto No Canadá produzimos ilmenita a partir de depósitos de rochas sólidas em Quebec. Esquerda Preparando mudas como parte do trabalho de reabilitação na Richards Bay Minerals, África do Sul. A ilmenita é extraída de depósitos de rocha sólida ou de acumulações nas areias de praias antigas. No Canadá a subsidiária totalmente integralizada da RTIT, a Rio Tinto Fer et Titane (Rio Tinto 100 por cento) opera uma mina a céu aberto de TiO2 em Lac Allard, próximo a Havre-SaintPierre, um dos maiores depósitos de ilmenita do mundo. A partir do consórcio Richards Bay Minerals (RBM) (Rio Tinto 37 por cento), na África do Sul, produzimos ilmenita de depósitos de areia mineral. A jazida RBM é processada utilizando um sistema de lagos e dragas flutuantes. As areias são sugadas para as dragas onde os minerais de alto valor (ilmenita, zirconita, rutílio) são separados e as partículas restantes de areia são utilizadas para reconstruir e reabilitar a paisagem após o término da mineração. A carteira de produtos da RBM também inclui rutílio e zirconita, dois minerais encontrados em seus depósitos de areia. O rutílio é utilizado em fluxos de haste de solda e na fabricação de metal de titânio, assim como na produção de pigmentos. Os principais usos da zirconita são as cerâmicas (especialmente em azulejos de banheiro), fundição e indústrias químicas e de refratários. A QIT Madagascar Minerals (QMM) (Rio Tinto 80 por cento) é uma operação de areia mineral baseada em volta de uma jazida de ilmenita próximo a Fort-Dauphin, no Sul de Madagascar. É formada por uma mina, uma fábrica de separação e instalações portuárias. Esse consórcio com o governo de Madagascar começou a produzir ilmenita no final de 2008 e está no processo de aumentar sua capacidade para toneladas/ano. A QMM produz ilmenita a partir de areias da praia a qual é então enviada para as instalações da Rio Tinto Fer et Titane no Canadá para processamento em escória de dióxido de titânio.

10 08 Alto A sementeira e o centro ecológico na QIT Madagascar Minera.

11 alta resistência utilizadas em aeronaves. A aplicação que mais cresce é a de baterias de lítio para equipamentos residenciais e industriais. Estamos avaliando também o projeto de ilmenita em Mutamba na província de Inhambane, no Sul de Moçambique As localizações Estão indicadas no mapa. As operações e os projetos são totalmente integralizados. Principais operações de minerais industriais Operações de borato 1 Operações em Boron (mineração e refino) 2 Operações em Wilmington (refino e embarque) 3 Operações na Argentina (mineração e refino) 4 Operações em Coudekerque (refino) 5 Operações em Nules (refino e embarque) 6 Operações em Rotterdam (embarque) 7 Operações em Changshu (embarque) Talco (principais minas) 8 Operações em Timmins e Penhorwood (Canadá) 9 Operações em Trimouns e Luzenac (França) 10 Operações em Three Springs (Austrália) 11 Operações em Yellowstone, Three Forks e Sappington (EUA) 12 Operações em Argonaut e Ludlow 13 Operações em Kleinfeistritz e Weisskirchen 13 Operações em Rabenwald e Oberfeistritz 14 Operações em Rodoretto e Malanaggio 15 Operações em Respina e Bonar Sal Dampier (68%) Lake MacLeod (68%) Port Hedland (68%) Matéria prima de dióxido de titânio 18 Rio Tinto Fer et Titane Lac Allard 19 Rio Tinto Fer et Titane (Sorel plant) 20 QIT Madagascar Minerals (80%) 21 Richards Bay Minerals (37%) Projeto de matéria prima de dióxido de titânio 22 Ilmenita Mutamba Projeto lítio 23 Jadar Importante Minas e projetos de mineração Fundições, refinarias e fábricas de processamento distantes da mina O projeto de borato de lítio Jadar é um projeto de lítio e borato em estágio de pré-viabilidade localizado a aproximadamente 100 km de Belgrado na Sérvia. Serão necessários mais 5 ou 6 anos até que o projeto inicie sua produção. Se for bem sucedido, o depósito irá produzir ácido bórico e também carbonato de lítio. O lítio e seus compostos possuem diversas aplicações industriais, incluindo vidro e cerâmica resistentes ao fogo e ligas de Nossos projetos de minerais industriais

12 Boletins Informativos Perfil empresarial Alumínio Cobre Diamantes Energia Minério de ferro Tecnologia e inovação Exploração Rio Tinto plc 2 Eastbourne Terrace London W2 6LG Reino Unido Rio Tinto Limited 120 Collins Street Melbourne, Victoria 3000 Austrália Tel +44 (0) Tel +61 (0) V1 POR 8 JAN2011 PARK2000

Boletim Informativo Minério de ferro

Boletim Informativo Minério de ferro Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é o segundo maior fornecedor para o setor de minério de ferro do mundo. O ferro é um dos elementos mais comuns na Terra, formando cerca de cinco por cento da crosta

Leia mais

Boletim Informativo Tecnologia e inovação

Boletim Informativo Tecnologia e inovação Boletim Informativo 01 Buscamos contar com a melhor tecnologia de mineração e processamento disponível e inovar com novas maneiras de operação que irão beneficiar nossos negócios, funcionários, clientes

Leia mais

Boletim Informativo Energia

Boletim Informativo Energia Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é uma empresa líder internacionai envolvida em todos os estágios da produção de metais e minerais. O Grupo é composto pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas

Leia mais

Boletim Informativo Exploração

Boletim Informativo Exploração Boletim Informativo 01 O grupo é formado pela Rio Tinto plc, cujas ações são negociadas na Bolsa de Valores de Londres, e pela Rio Tinto Limited, com ações negociadas na Bolsa de Valores da Austrália.

Leia mais

Boletim Informativo Diamantes

Boletim Informativo Diamantes Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é um importante produtor de diamantes e o maior produtor mundial de diamantes de coloração natural. A companhia participa do negócio de diamantes desde 1979 e hoje opera

Leia mais

2º Encontro Brasil - Canada de

2º Encontro Brasil - Canada de 2º Encontro Brasil - Canada de Educaçao profissional e tecnologica 14 de Novembro de 2011 Agenda Rio Tinto Rio Tinto Alcan Operações Brasileiras & Projetos Demandas & Perfil de Formandos Discussão 2 Rio

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0 São Paulo 26 de Março de 2008 Grupo Votorantim Fundado em 1918 Um dos maiores grupos industriais privados 8 unidades de negócio: metais, cimentos, celulose e papel, química, energia, agroindústria, finanças

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA Morada: E.N. 2 km 10 Mamodeiro, 3810728 Aveiro Telefone: (+1) 234 941 194 55 Email: geral@armazensreis.pt = 55 ÁLCOOL Classe de compostos

Leia mais

Apresentação do Grupo Produquimica

Apresentação do Grupo Produquimica Apresentação do Grupo Produquimica Visão geral do Grupo Produquimica Fundada em 1965 e presidida por duas gerações de engenheiros químicos Crescimento sólido (média de 31% ao ano) tanto através de aquisições

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE FUNDIÇÃO. Associação Brasileira de Fundição ABIFA Devanir Brichesi Presidente São Paulo Brasil outubro/2011 1

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE FUNDIÇÃO. Associação Brasileira de Fundição ABIFA Devanir Brichesi Presidente São Paulo Brasil outubro/2011 1 A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE FUNDIÇÃO Associação Brasileira de Fundição ABIFA Devanir Brichesi Presidente São Paulo Brasil outubro/2011 1 Associação Brasileira de Fundição VISÃO Incentivar o crescimento

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013

COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013 COMUNICADO À IMPRENSA São Paulo, Brasil 8 de Outubro de 2013 SABIC reforça seu posicionamento no suporte ao crescimento dos fabricantes de veículos no Congresso SAE Brasil 2013 Na 22ª edição anual do Congresso

Leia mais

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade.

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Ciclo de Vida Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Sua análise permite a quantificação das emissões ambientais e o

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL - Fontes oficiais de diversos estudos realizados por: BNDES, FIESP, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, DIEESE E ANVISA CAMPANHA NACIONAL

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial O minério de ferro é abundante no mundo, porém as jazidas concentram-se em poucos países, sendo que apenas

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE DANIELLE PATRÍCIA NASCIMENTO DE OLIVEIRA (IC) 1 ILTON SÁVIO BATISTA MARTINS (PG) 1 JACKSON DA SILVA SANTOS (PG) 1 KATIA LIDIANE DA SILVA (IC) 1 MARIA DO CÉU AZEVEDO

Leia mais

Leitura e Análise de Imagem

Leitura e Análise de Imagem SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 A APROPRIAÇÃO DESIGUAL DOS RECURSOS NATURAIS Leitura e Análise de Imagem Página 3 Recursos: materiais terrestres que são ou que podem ser utilizados pelas sociedades. Reservas:

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

World leader in storage solutions. Corporate brochure. since 1945. since 1945. since 1945. since 1945

World leader in storage solutions. Corporate brochure. since 1945. since 1945. since 1945. since 1945 World leader in storage solutions Corporate brochure since 1945 since 1945 since 1945 since 1945 QUEM SOMOS Empresa foi criada em 1945 3 ª geração de construtores 4 unidades de produção 3 empresas subsidiárias

Leia mais

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PROPRIEDADES ESPECÍFICAS E USOS DOS MATERIAIS Etapa 1 Página 3 Os alunos devem escolher a roupa de algodão, e não a de lã. Além disso, é importante que tentem justificar essa

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio:

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio: Concreteshow 2012 1 Mudanças Climáticas e Sustentabilidade Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Yushiro Kihara Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP DESAFIOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Cozinhas Profissionais. e Execução de. Projetos. Manutenção e Limpeza

Cozinhas Profissionais. e Execução de. Projetos. Manutenção e Limpeza Manutenção e Limpeza Cozinhas Profissionais e Execução de Projetos Manutenção e Limpeza do Aço inox Bonito e resistente, o aço inox é um material de fácil conservação. Através da limpeza adequada e rotineira

Leia mais

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira 7ª Edição FERTILIZANTES Os produtores de Fertilizantes vêm pleiteando há anos uma reforma fiscal que possa trazer a isonomia tributária entre o produto

Leia mais

Terras Raras. 3ª Audiência Pública conjunta entre CCT e a CCTSTTR

Terras Raras. 3ª Audiência Pública conjunta entre CCT e a CCTSTTR Terras Raras 3ª Audiência Pública conjunta entre CCT e a CCTSTTR Debate: Ações para os Minerais Estratégicos para o País, com a Criação de um Novo Marco Regulatório que Possibilite o Desenvolvimento de

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

REVISÃO DE. Vamos em Frente. O sucesso nos espera.

REVISÃO DE. Vamos em Frente. O sucesso nos espera. REVISÃO DE Esta Lista de Revisão reúne questões de vestibulares de todo o país. Sobre os assuntos dados no º Semestre. As questões foram selecionadas e classificadas cuidadosamente por assunto, com o objetivo

Leia mais

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo O Setor em Grandes Números Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo I - CADEIA PRODUTIVA NÚMERO ESTIMADO DE EMPRESAS EM 2012 Lapidação / Obras de pedras 350 INDÚSTRIA Joalheria ouro e

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

www.fw1brasil.com.br RGS LABS International Inc. www.rgslabs.com.br

www.fw1brasil.com.br RGS LABS International Inc. www.rgslabs.com.br FW1 International BRASIL RGS LABS International Inc. www.rgslabs.com.br RGS Labs International Inc. FW1 Fast Wax, foi desenvolvido para poupar o seu tempo valioso ajudando também na preservação do Meio

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza Fabricante de aços inoxidáveis, a Aperam South America apresenta este catálogo para que os profissionais das áreas de Arquitetura e Construção Civil

Leia mais

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um não-metal multivalente pertencente à série química do nitrogênio (grupo 15 ou 5 A) que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos, inclusive nos seres

Leia mais

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Discentes: Juliane C. Prado Vinícius F. Bernardo Docente: Profº Dr. César A. Moreira Disciplina: Recursos Energéticos Índice 1) Introdução 2)

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

Elementos de Terras Raras na Tabela Periódica

Elementos de Terras Raras na Tabela Periódica No total,17 elementos são classificados como terras raras, sendo eles todos os elementos da cadeia do lantanídeos e os elementos Ítrio (Y) e Escândio (Sc) Elementos de Terras Raras na Tabela Periódica

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 41. SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil

CIRCULAR TÉCNICA N o 41. SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil CIRCULAR TÉCNICA N o 41 PBP/3.1.4 SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil IPEF INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS Depto. De Silvicultura Curso de Engenharia Florestal ESALQUSP Piracicaba

Leia mais

esta oportunidade é para você

esta oportunidade é para você esta oportunidade é para você 26.000 colaboradores em mais de Empresa listada na FORTUNE países Projetos sociais na AMÉRICA DO SUL beneficiam mais de 230.000 PESSOAS POR ANO QUARTA EMPRESA MAIS INOVADORA

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011 Engº Fernando Iervolino Fontes de Informação: ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores http://www.anfavea.com.br/

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

1ª Conferênciade Investidores Nampula, 18 de Setembro de 2015

1ª Conferênciade Investidores Nampula, 18 de Setembro de 2015 1ª Conferênciade Investidores Nampula, 18 de Setembro de 2015 1 Localizaçãodo Projecto 2 História 1986: Kenmare start-up 1992: Tem início a Joint Venture BHP Mineral Sands 2001:Os estudos de viabilidade

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass.

Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass. . Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass.. Fotos da Linha de Produção Envase e Rotulagem Fotos da Linha de Produção Envase e Rotulagem Fotos da Linha de Produção Um dos conjuntos de misturadores

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

José Manuel Cerqueira

José Manuel Cerqueira José Manuel Cerqueira A Indústria cerâmica no contexto nacional A indústria portuguesa de cerâmica representou em 2013 um volume de negócios de 897,8 milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 327,6

Leia mais

Qualidade da Água e Tratamento da Água

Qualidade da Água e Tratamento da Água Notas do Professor Qualidade da Água e Tratamento da Água Pergunta em foco Quais são os principais processos para o tratamento de água poluída? Ferramentas e materiais Seis garrafas de plástico transparentes

Leia mais

MATÉRIA E SUAS PROPRIEDADES

MATÉRIA E SUAS PROPRIEDADES 01- Conceitue matéria. Exemplifique. MATÉRIA E SUAS PROPRIEDADES 02- Do que é constituída a matéria? 03- Qual a finalidade do estudo da Química? 04- Como a matéria, provavelmente, foi originada? 05- O

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais