Assembleia Geral Extraordinária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assembleia Geral Extraordinária"

Transcrição

1 Assembleia Geral Extraordinária 25 de março de 2015 Pauta I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF (Grupo de Estudo sobre a Residência Funcional) II - Deliberação sobre mobilização

2 Informes Todos os servidores do quadro permanente do Itamaraty, filiados ou não, poderão registrar, através do interesse em participar presencialmente dos grupos de estudo, promovidos pelo Sindicato, sobre remuneração e reestruturação das carreiras Os servidores lotados no exterior podem enviar sugestões e contribuições pelo mesmo endereço eletrônico Reunião com MPOG Reunião com Ministro de Estado Requerimento do Sinditamaraty sobre plantões consular, diplomático e de sobreaviso

3 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF (Grupo de Estudo sobre a Residência Funcional)

4 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 1. Diagnóstico da situação Base legal: Lei nº 8.112/1990 DAS-4 ou superior combinado com o GAP e Exposição de Motivos nº 115/1991: - RF é para moradia de servidores lotados em postos considerados peculiares - Custeio parcial dos aluguéis em Postos A e B - Custeio integral dos aluguéis em Postos C e D Tipos de despesa: 1) Pessoal e encargos sociais (salários) 2) Corrente obrigatória (auxílio-alimentação) 3) Corrente discricionária (RF, diárias, internet) (continua)

5 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 1. Diagnóstico da situação (cont.) Custeios de LIM-IM e LIM-RF são discricionários, não obrigatórios, e dependem de dotação orçamentária Postos A e B: parte da RF é custeada pelo servidor (até 10% da remuneração bruta, não do valor do aluguel) Valores máximos são graduados conforme carreiras e classes Contrato de aluguel é firmado entre servidor e locador (continua)

6 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 1. Diagnóstico da situação (cont.) Dotação LIM-IM tem prioridade em relação à LIM-RF, pois: - Contratos como os de chancelaria e residência obrigam a Administração diretamente em relação ao locador - Multas e encargos decorrentes de atraso podem responsabilizar agentes públicos - LIM-RF é indenização Fontes estudadas: Lei nº 8.112/1990; Exposição de Motivos nº 115/1991 ; TCU, Acórdão 0574/2008 Plenário; GAP; Lei nº /2015 Ofício da Câmara dos Deputados 1ª Sec/RI/E nº 160/2015, de 25/2/2015, à Casa Civil Três propostas: LDO, GAP e Lei Ordinária + Decreto

7 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2. Propostas 2.1. LDO a) Características: Inclusão de indenização de moradia no exterior como despesa obrigatória Alteração do Anexo III da LDO 2016 (lista de despesas obrigatórias que não são objeto de contingenciamento) Proposta deve ser submetida aos Ministérios do Planejamento e Ministério e da Fazenda (continua)

8 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.1. Proposta LDO (cont.) b) Aspectos positivos: Regularidade Não sofre contingenciamento (continua)

9 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.1. Proposta LDO (cont.) c) Aspectos negativos: Valor e reajustes deverão ser estabelecidos por decreto Estudo/pesquisa de mercado, para atualização do valor Não possui efeito imediato: o projeto da LDO é encaminhado até meados de abril e, uma vez aprovado, produz efeitos somente no ano seguinte Pedido deve ser repetido todos os anos Não remedia situação atual

10 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.2. Proposta GAP a) Características: Portaria de alteração do GAP Contrato de locação de RF > contrato administrativo LIM-RF: indenização > pagamento da Administração direto ao locador Aplicação da medida levaria à extinção da metodologia de cálculo atual aplicável aos Postos A e B Regras semelhantes às aplicadas aos permissionários no Brasil Implementação depende somente da Administração (continua)

11 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.2. Proposta GAP (cont.) b) Aspectos positivos: Responsabilidade sobre o pagamento do contrato recai sobre a Administração Em tese, despesa com LIM-RF teria o mesmo grau de prioridade no pagamento que o da LIM-IM (continua)

12 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.2. Proposta GAP (cont.) c) Aspectos negativos: Mudança de regime de imunidade (atual: art. 30 e 31 da CVRD e 43 da CVRC, referentes à pessoa do agente diplomático/consular) e possibilidade de perda da imunidade de jurisdição Eventualmente, menor flexibilidade na escolha: - Caso sejam necessários três orçamentos (item 6.3 do GAP) - Não será possível contrato de valor maior que o limite da RF - Critério de seleção passa a ser da Administração (escolha mais vantajosa costuma ser a de menor valor associada a condições que devem ser justificadas) Não equaciona o problema da insegurança jurídica

13 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.3. Proposta Lei Ordinária + Decreto a) Características: Incluir na 5.809/72 o instituto do auxílio moradia. Dependerá de regulamentação via Decreto Permite estabelecer novos parâmetros, como: - Valor do aluguel (ou de parte), conforme preço de mercado - Distância máxima em relação à Chancelaria e facilidade de acesso ao trabalho - Escolha de localidades onde haja segurança e toda a infraestrutura básica - Número de dependentes Poderão ser incorporadas soluções encontradas por outros órgãos, como a Marinha (continua)

14 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.3. Proposta Decreto (cont.) b) Aspectos positivos: Objetividade na definição dos parâmetros Segurança jurídica Transparência Harmoniza entendimento do TCU quanto ao pagamento de indenização e não de restituição (pagamento antecipado) (continua)

15 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 2.3. Proposta Decreto (cont.) c) Aspectos negativos: Engessamento: - Reajustes também deverão ser estabelecidos por decreto - Segurança: dispositivo prevendo estudo/pesquisa de mercado, para atualização anual dos valores (que podem oscilar para mais ou para menos) Não remedia situação atual Negociação possivelmente envolverá MPOG/Fazenda/Casa Civil/Defesa/MRE/Agricultura/Policia Federal: poderá haver unificação do valor para todos os cargos

16 I - Apresentação do trabalho elaborado pelo GE-RF 3. Considerações Propostas apresentadas não são necessariamente excludentes, manteriam o caráter indenizatório da RF e não produziriam efeitos imediatos Negociação será de médio a longo prazo Solução de curto prazo: aumento do orçamento MRE e mobilizações Contribuições:

17 Excelentíssimo Senhor Ministro das Relações Exteriores: Em harmonia com o discurso de V. Exª proferido em 20 de janeiro do corrente ano, por ocasião da posse do Secretário-Geral das Relações Exteriores, Embaixador Sergio França Danese, principiamos esta exposição de motivos ressaltando que nós também compartilhamos do seu entendimento de que o bem mais valioso do serviço público brasileiro é o seu capital humano. No plano mais amplo, acreditamos que a defesa dos interesses do Brasil no exterior pressupõe em um plano mais estrito - ação doméstica que conduza à valorização do trabalho dos servidores do Serviço Exterior Brasileiro assistentes de chancelaria, oficiais de chancelaria e diplomatas -, ação que, por sua vez, pressupõe a viabilização de melhores condições de trabalho àqueles que se dispõem a servir o Brasil em qualquer lugar do mundo. Das medidas que julgamos necessárias para atingirmos tal objetivo - fortalecer o Ministério das Relações Exteriores umas das mais essenciais é a adoção de uma sólida base jurídica que assegure o pagamento das indenizações de moradia devidas aos servidores lotados no exterior em datas determinadas, sem que a eventualidade da inexistência de saldo em poder dos postos conforme exposto pelo então Ministro das Relações Exteriores, o Exmº Senhor Embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, em resposta ao nosso requerimento de informação nº 4546/2014- inviabilize a cobertura de obrigação que, embora na aparência possa ser entendida como de menor importância para as nossas relações internacionais, é essencial para a subsistência daqueles que a executam. Por melhor que se dê a formulação de nossa política externa, é impraticável concretizá-la por meio de servidores angustiados pela insegurança do pagamento regular de parcelas essenciais de sua remuneração, tal como entendemos ser a indenização de moradia. E por servidores do Itamaraty, enfatizamos que incluímos nessa denominação todas as carreiras do serviço exterior brasileiro - diplomatas, oficiais de chancelaria, bem como todos os demais funcionários administrativos. Tal relevo deve-se ao fato de que, embora o nível de complexidade das atribuições dessas carreiras seja distinto, é forçoso reconhecer que as atribuições fim do Itamaraty, essa sim, exercidas pelos diplomatas - representação e promoção dos interesses brasileiros no plano internacional; fortalecimento dos laços de cooperação do Brasil com seus parceiros externos; e prestação de assistência aos brasileiros no exterior, entre outros - não terão seus objetivos alcançados a contento sem a contribuição essencial dos demais servidores da Casa de Rio Branco. Assim, ao encaminhar esta Indicação, estamos certos de que V. Exª haverá de empreender todos os esforços no sentido de atender a esse importante pleito, que no nosso entendimento trará maior segurança jurídica aos servidores do Ministério das Relações Exteriores que uma simples concordância ( sim ) do então Exmº Senhor Presidente da República, Fernando Collor de Mello, aposta em exposição de motivos formulada em 20 de março de 1991 (DAEX/115/AEFI00). Sugerimos, dessa forma, que o Ministério das Relações Exteriores edite norma interna para regular o pagamento das indenizações de moradia dos servidores do Serviço Exterior Brasileiro, com o fim de proporcionar, a um só tempo, maior segurança jurídica de seu recebimento e maiores possibilidades de planejamento. Sala das Sessões, em de fevereiro de Deputado RUBENS BUENO PPS/PR

18 Indicação INC 39/ Aguardando Resposta na 1ª SECM Identificação da Proposição Autor Rubens Bueno - PPS/PR Apresentação 24/02/2015 Ementa Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado das Relações Exteriores, Embaixador Mauro Vieira, edição de norma que fundamente o pagamento de indenizações de moradia dos servidores do Ministério das Relações Exteriores lotados no exterior. Despacho atual: 25/02/2015 Publique-se. Encaminhe-se. Última Ação Legislativa 25/02/2015 Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA) - Publique-se. Encaminhe-se. 17/03/2015 Primeira Secretaria (1SECM) Remessa por meio do Ofício 1ªSec/RI/E nº 160/2015, ao Ministro Chefe da Casa Civil da Presidência da República, Aloizio Mercadante.

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31 MARINHA DO BRASIL SECRETARIA-GERAL DA MARINHA BENEFÍCIO DA RESIDÊNCIA FUNCIONAL NO EXTERIOR Classe da Missão: Diplomática (valor de referência) Localidade País Cidade África do Sul Pretoria Alemanha Berlim Angola Luanda Argentina Buenos Aires Bolívia La Paz Chile Santiago China Pequim Colômbia Bogotá Egito Cairo Equador Quito Espanha Madri Nova Iorque EUA Washington França Paris Guiana Georgetown Guatemala Guatemala Índia Nova Delhi Inglaterra Londres Irã Teerã Posto/Graduação Limite do Ressarcimento em US$ Oficial Superior 3.000,00 Praça 1.800,00 Oficial Superior 4.500,00 Praça 2.000,00 Oficial Superior 7.500,00 Praça 3.000,00 Oficial Superior 3.300,00 Praça 2.100,00 Oficial Superior 3.000,00 Praça 1.100,00 Oficial Superior 4.100,00 Praça 2.700,00 Oficial Superior 5.000,00 Praça 3.000,00 Oficial Superior 3.000,00 Praça 1.100,00 Oficial Superior 2.500,00 Praça 1.500,00 Oficial Superior 5.000,00 Praça 2.000,00 Oficial Superior 4.500,00 Praça 2.000,00 Oficial-General 8.000,00 Oficial Superior 6.600,00 Oficial-General 6.000,00 Oficial Superior 5.000,00 Praça 3.200,00 Oficial Superior 4.500,00 Praça 2.000,00 Oficial Superior 2.500,00 Praça 1.500,00 Oficial Superior 1.600,00 Praça 700,00 Oficial Superior 9.500,00 Praça 6.500,00 Oficial-General 8.700,00 Oficial Superior 7.200,00 Praça 4.700,00 Oficial Superior 3.500,00 Oficial Subalterno 2.500,00

32 MARINHA DO BRASIL SECRETARIA-GERAL DA MARINHA BENEFÍCIO DA RESIDÊNCIA FUNCIONAL NO EXTERIOR Classe da Missão: Não-Diplomática com dependentes (80% da referência) Localidade Valor do País Cidade Posto/Graduação Ressarcimento em US$ Oficial Superior 2.400,00 África do Sul Petroria Oficial Intermediário 2.000,00 Oficial Subalterno 1.600,00 Praça 1.440,00 Aachen Oficial Intermediário 2.200,00 Berlim Oficial Superior 3.600,00 Hurt Oficial Superior 3.600,00 Kassel Oficial Superior 3.600,00 Unterluss Oficial Superior 3.600,00 Oficial Intermediário 3.200,00 Braunschweing Alemanha Oficial Subalterno 2.800,00 Darmstadt Oficial Superior 3.600,00 Donauwort Oficial Superior 3.600,00 Praça 1.600,00 Munique Oficial Superior 3.600,00 Praça 2.400,00 Hamburgo Oficial Superior 3.600,00 Oficial Superior 2.640,00 Argentina Buenos Aires Oficial Intermediário 2.360,00 Oficial Subalterno 2.080,00 Praça 1.680,00 Oficial Superior 3.600,00 Bélgica Bruxelas Oficial Subalterno 2.400,00 Praça 1.600,00 Oficial Superior 2.400,00 La Paz Oficial Intermediário 2.000,00 Praça 880,00 Bolívia Oficial Superior 2.800,00 Santa Cruz Praça 1.200,00 Cochabamba Oficial Superior 2.400,00 Cabo Verde Praia Oficial Superior 3.000,00 Praça 2.000,00 Montreal Oficial Superior 4.160,00 Toronto Oficial Superior 4.160,00 Canadá Fredericton Oficial Superior 4.000,00 Kingston Oficial Superior 4.160,00 Praça 2.560,00 Chile Santiago Oficial Superior 3.280,00

33 MARINHA DO BRASIL SECRETARIA-GERAL DA MARINHA BENEFÍCIO DA RESIDÊNCIA FUNCIONAL NO EXTERIOR Classe da Missão: Não-Diplomática sem dependentes (60% da referência) Localidade Valor do País Cidade Posto/Graduação Ressarcimento em US$ Bahrein Manamah Oficial Superior 2.950,00 Bolívia La Paz Praça 660,00 Canadá Montreal Oficial Superior 3.840,00 Chile Santiago Oficial Superior 2.460,00 Oficial Superior 1.800,00 Colômbia Oficial Intermediário 1.440,00 Praça 660,00 Congo Kinshasa Oficial Superior 6.000,00 Costa do Marfim Abidjam Oficial Superior 2.400,00 EUA Good Fellow Oficial Intermediário 2.760,00 Equador Quito Oficial Superior 3.000,00 Oficial Intermediário 2.400,00 Etiópia Oficial Intermediário 2.700,00 França Orange Oficial Intermediário 2.400,00 Praça 1.200,00 Guiné-Bissau Oficial Superior 6.500,00 Haiti Porto Príncipe Oficial Superior 3.000,00 Praça 1.200,00 Libéria Monrovia Oficial Superior 1.800,00 Marrocos Oficial Superior 1.800,00 Nepal Katmandu Oficial Superior 3.000,00 Oficial Intermediário 2.700,00 Oficial Superior 1.080,00 Nicarágua Manágua Oficial Intermediário 900,00 Oficial Subalterno 600,00 Praça 540,00 Paraguai Assunção Praça 660,00 Timor-Leste Dili Oficial Superior 3.000,00 Oficial Intermediário 2.400,00

34 Modelo de Relatório de Informações para inclusão de novas localidades MARINHA DO BRASIL (OM) Relatório de Informações São apresentadas, a seguir, as informações e os valores propostos para inclusão de localidade na tabela de reembolso de despesas com aluguel de imóvel residencial, em benefício de militares designados para missões no exterior. Proposta de inclusão - quadro resumo ** A Classe da Missão poderá ser Diplomática, Não Diplomática com dependentes ou Não Diplomática sem dependente. Informações O valor apresentado é o adotado pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) ou o praticado por outros órgãos do Poder Executivo na localidade indicada? Equivalência de precedência entre militares e civis que estejam em missão na mesma localidade, se for o caso. Apresentar os dados que foram considerados para compor o valor do ressarcimento para a localidade disposta, ou seja, a metodologia utilizada para se definir o valor proposto. Detalhar as condições de aluguel da localidade, como: a distância do imóvel em relação ao local de trabalho, informações a respeito do mercado imobiliário da cidade, área do imóvel, condições de segurança e conforto e fornecimento de serviços. Valor médio do aluguel de imóveis residenciais na localidade. Valor médio do aluguel de imóveis residenciais pagos por outros militares, se for o caso. O valor sugerido corresponde ao limite (limite máximo dos valores de reembolso de despesas com aluguel de imóvel residencial) ou ao aluguel? Condições de pagamento dos contratos de aluguel dos militares. Detalhar: O pagamento de adiantamentos de valores de aluguel, discriminando o montante, se for o caso. O pagamento de garantia contratual, discriminando o montante, se for o caso. A data provável da devolução da garantia contratual, do militar à Força, se for o caso; e Quando da passagem da função dos militares na missão, os nomes dos substitutos e substituídos, juntamente com o período que os mesmos coexistiram na mesma localidade. Disponibilidade de dotação orçamentária para atender a inclusão proposta, seja em pessoal ou outras despesas correntes. A ser preenchido pela SGM. Detalhamento da missão, além de especificar a denominação da missão de acordo com a Portaria Normativa nº 602/MD, de 03 Ago 2010 (Permanente ou transitória). Período e documento de designação/criação da missão. Justificativa para a inclusão do valor proposto. Denominação das Instituições de ensino e dos cursos, se for o caso.

35 Modelo de requerimento para concessão do Benefício da Residência Funcional MARINHA DO BRASIL (RME) Benefício da Residência Funcional Nome completo: Posto/Graduação: Portaria de designação: Classe da missão: (Conforme preconizado na Portaria Normativa nº / ) Localidade da missão: 1. Venho requerer a V.Exa./V.Sa. a concessão de indenização, mediante reembolso do valor efetivamente gasto, de aluguel de imóvel residencial funcional. 2. Declaro que não foram incluídos no valor do aluguel os gastos para atender: comissões a agentes imobiliários; vagas de garagem; tarifas, preços públicos ou valores relativos a luz, gás, telefone, água, internet, TV etc; taxas; impostos; multas; juros; rescisões contratuais; condomínio; valores dados como garantia; reparos; benfeitorias; ou quaisquer manutenções do imóvel. 3. Por oportuno, declaro que, assim como meu cônjuge/companheiro(a), não possuo imóvel residencial nesta localidade, ou em seus arredores, e que tenho pleno conhecimento do disposto nas normas aprovadas pela Portaria nº /20, da SGM. OBSERVAÇÕES: Período de vigência do contrato dd/mmm/aaaa a dd/mmm/aaaa Valor mensal do aluguel US$ (ou moeda local) (Local), (Data). (Posto /Graduação) (Nome do militar) PARECER (A SER PREENCHIDO PELO ORDENADOR DE DESPESA) ( ) FAVORÁVEL ( ) DESFAVORÁVEL MOTIVAÇÃO: (Local),(Data). (Nome do Ordenador de Despesas) (Posto) Obs: No campo OBSERVAÇÕES, podem ser inseridas informações complementares do aluguel, forma de pagamento, etc., para uma melhor compreensão das peculiaridades jurídico-comerciais da localidade de locação.

36 4.6 - INSTALAÇÃO/MORADIA O servidor movimentado terá direito ao período de dez dias, se sua missão for enquadrada com dependentes. Caso contrário, quatro dias. O contrato de aluguel de imóvel, é um documento indispensável para matricular as crianças na escola. Recomenda-se, assim, que o problema da moradia seja tratado com prioridade e solucionado com brevidade, alugando-se uma casa ou um apartamento, conforme seja mais conveniente. A escolha do tipo de residência e do local de moradia é muito pessoal, mas alguns aspectos devem ser considerados: a) valor do aluguel; b) distância do local de trabalho; c) distância e qualidade da escola (a criança só terá direito a ônibus escolar se morar a mais de uma milha da escola); d) tamanho da residência; e) estado de conservação; f) utensílios existentes e suas condições; g) existência ou não de tapetes, cortinas, persianas etc.; h) existência de garagem (imagine ter que retirar a neve do carro na hora de ir trabalhar e com a temperatura baixa); i) o fato da rua ser ou não "Snow Emergency Route" (normalmente as ruas classificadas como tal são as primeiras a serem limpas quando há nevasca; e j) proximidade de facilidade do tipo supermercado, lavanderia, sapataria, farmácia etc. Normalmente essas facilidades são reunidas em "Mall" ou conjuntos comerciais que existem em

37 todos os bairros, estrategicamente instalados. Neste assunto, é difícil oferecer sugestões em virtude das preferências pessoais. A seguir são relacionadas as vantagens e desvantagens de casas e apartamentos, a fim de melhor instruir a opção de cada um: I CASAS a) aluguéis variáveis, em função do número de quartos e da localização; b) exigem dos inquilinos atenção nos aparelhos de ar condicionado e aquecimento, manutenção dos jardins, remoção de neve das calçadas e vias de acesso; c) oferecem melhores condições para alojamento de empregados domésticos; d) despesas mensais maiores do que os apartamentos; e e) menor segurança em relação aos apartamentos. A escolha de casa, embora exija maiores cuidados, inegavelmente permitirá maior liberdade, em especial para aqueles que tenham filhos e animais domésticos. É recomendável que o "drive-way" não seja grande demais ou inclinado, devido ao problema da limpeza da neve e do gelo, por ocasião do inverno. Igualmente, grandes gramados deverão ser evitados, a fim de reduzir as despesas e o trabalho. II APARTAMENTOS a) muitos edifícios fazem restrições a crianças, jovens e animais. Alguns fazem restrições a diplomatas e militares estrangeiros, em virtude de possibilidade de retorno antes de terminar o contrato, obrigando a despesas maiores para os proprietários; b) edifícios dispõem, normalmente, de piscina e quadras de tênis e em alguns poucos, sauna, cabeleireiros e restaurantes; c) taxas de condomínio incluídas no aluguel, bem como água; d) não dispõem, geralmente, de dependências para empregada. Área de serviço e máquinas de lavar e secar roupas podem ser, ocasionalmente, de uso coletivo de um bloco de apartamentos de um andar; e) é obrigatório que 75% dos cômodos sejam atapetados. Geralmente, já são alugados devidamente acarpetados. Caso isso não ocorra, deve-se ter em mente que o preço dos tapetes nos EUA, embora seja mais barato que no Brasil, não deixa de consistir em despesa razoável, no caso de um compra para vários cômodos; e f) geralmente, possuem estacionamento.

38 No entanto, na maioria dos casos, o estacionamento de carros dos visitantes (quando existem) não é muito próximo da entrada do edifício. Quando está chovendo ou nevando, torna-se desagradável para os visitantes. Por ocasião da efetivação do contrato, é importante incluir a cláusula diplomática, pela qual, o inquilino poderá devolver o imóvel em qualquer ocasião, antes do término do contrato, sem que isto implique em qualquer multa. Ao receber as chaves da casa ou apartamento, realize uma cuidadosa e detalhada inspeção das instalações (hidráulica, elétrica e gás), estado geral dos banheiros, máquinas de lavar e geladeira, situação da pintura, das portas e janelas, etc., comunicando formalmente as irregularidades à Administração ou proprietário, para que sejam feitos os reparos. Em até 30 dias do início de ocupação, refaça a inspeção e confeccione um relatório que deve ser encaminhado à Administradora ou ao proprietário, para salvaguardar sua responsabilidade por ocasião da devolução do imóvel. Na escolha do imóvel, deverá ser levada em consideração a localização, visto que a escola pública que o dependente do servidor freqüentará será aquela que servir à área da sua residência. Resumindo, pode-se afirmar que raramente o servidor encontrará a residência ideal, ou seja, aquela que preencha todos os requisitos desejados. Será necessário, por conseguinte, abrir mão de certos parâmetros e fixar aqueles que são considerados mais importantes. Atualmente, os custos com os aluguéis das residências funcionais são ressarcidos pela MB. O militar/funcionário civil deverá tomar conhecimento da portaria emitida pela Secretaria Geral da Marinha, que detalha os procedimentos a serem adotados para que faça jus ao benefício de residência funcional no exterior. Os custos iniciais do aluguel são altos, pois o militar / funcionário civil terá que desembolsar, normalmente, o valor de dois aluguéis, um referente ao primeiro mês e o outro referente a um depósito que permanecerá com o locador até o final do contrato. Como os ressarcimentos que a MB realiza se referem aos meses já usufruídos, esse valor do primeiro aluguel só será creditado na conta do militar / funcionário civil, cerca de dois meses adiante, considerando-se a entrega correta, à CNBW, de toda a documentação necessária à confecção da Ordem de Serviço.

39 Alguns dos cuidados a serem tomados no momento da locação, em relação ao contrato, são: 1) VIGÊNCIA: data de início não anterior à data da partida do Brasil? data de fim não posterior à data de término do trânsito de regresso ao Brasil? a duração do contrato está clara? 2) UTILITIES pagamentos de serviços de água, luz, gás, telefone, internet, tv etc. não serão cobertos pela MB, conforme descrito na portaria da SGM: não há cláusula do contrato que diga que parte das utilities serão pagas pelo locador (landlord)? 3) VALOR: o valor não excede o limite para a cidade/posto, de acordo com a tabela existente na portaria da SGM? não são aceitos contratos que se refiram a pagamentos de diárias. no caso de haver PRO RATA, o valor e o período estão estipulados, tanto no primeiro mês como no último? 4) OUTROS: o endereço é citado? o nome do militar/funcionário civil é citado? o contrato foi assinado por ambas as partes? 5) RECIBOS DE PAGAMENTO (se houver): consta nome que identifique o landlord/owner do imóvel? o valor é idêntico ao do contrato? o período ou mês de referência é citado? Após efetuado o contrato, o militar/funcionário civil encaminhará à CNBW uma cópia do mesmo, o requerimento do benefício da residência funcional e os comprovantes de pagamento, que podem ser um recibo do locador (landlord) ou a cópia de documento que comprove o crédito na conta do locador (ex.: espelho do cheque compensado). Nesse comprovante de pagamento, incluirá o texto a seguir: No preenchimento do requerimento, o militar/funcionário civil deverá preencher todos os campos, discriminar o valor do aluguel e dos PRO RATAS (se houver) e, no campo Observações, incluir o endereço do imóvel e demais informações que esclareçam peculiaridades de seu contrato. Atesto, para fins de comprovação de Benefício de Residência Funcional no Exterior, que este comprovante se refere ao pagamento (do mês de MMMAAAA ou do Pro Rata do período de DDMMM a DDMMMAAA), do aluguel de minha residência, situada em (endereço). POSTO/NOME

40 II Fontes de informação https://www.mar.mil.br/cnbw/documentos.html https://www.mar.mil.br/cnbw/procedimentochegadaorientacoes.pdf

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA FAMEMA/FMESM DE AUXÍLIO AO ESTUDANTE FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO I - INFORMAÇÕES SOBRE O ESTUDANTE 1. IDENTIFICAÇÃO

ANEXO I PROGRAMA FAMEMA/FMESM DE AUXÍLIO AO ESTUDANTE FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO I - INFORMAÇÕES SOBRE O ESTUDANTE 1. IDENTIFICAÇÃO ANEXO I PROGRAMA FAMEMA/FMESM DE AUXÍLIO AO ESTUDANTE 1 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO FOTO I - INFORMAÇÕES SOBRE O ESTUDANTE 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Apelido: Curso: Série: Data de Nascimento: Naturalidade: Estado

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS. Locatário Pessoa Física:

INSTRUÇÕES BÁSICAS. Locatário Pessoa Física: INSTRUÇÕES BÁSICAS O que é necessário para alugar um imóvel na Bandeirantes Imóveis? Para alugar quaisquer dos imóveis disponíveis na carteira de locação da Bandeirantes Imóveis siga os seguintes passos:

Leia mais

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos Manual do Comprador Abertura de conta bancária nos Estados Unidos É obrigatória a abertura de conta, caso haja interesse em comprar imóveis nos Estados Unidos. As principais vantagens em ter uma conta

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-003/SGP Revisão 00 Assunto: Aprovada por: AUXÍLIO MORADIA Portaria nº 2526, de 19 de novembro de 2012, publicada no Boletim de Pessoal e Serviço BPS, v.7, nº 47, de 23 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 30/12/2014 11:50:21 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES

CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES PEDIDO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS - CAMPUS PALMAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 521/2013

RESOLUÇÃO CFN N 521/2013 Página 1 de 5 RESOLUÇÃO CFN N 521/2013 Dispõe sobre a concessão de diárias, ajudas de custo e outros subsídios no âmbito dos Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas e dá outras providências. O

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? a O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/9 1 - DOS OBJETIVOS 1.1 Regulamentar os procedimentos para a concessão de incentivos à empresas industriais, comerciais e de serviços no Município com base na Legislação Municipal e no artigo 174 da

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015;

Considerando a reunião do CDP de 07 de abril de 2015; RESOLUÇÃO N o 06/2015/CDP Florianópolis, 28 de maio de 2015. O PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA EM EXERCÍCIO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do

Leia mais

ANEXO II SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO 2016 - CAMPUS ARAGUAÍNA/IFTO

ANEXO II SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO 2016 - CAMPUS ARAGUAÍNA/IFTO ANEXO II SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO 2016 - /IFTO *É obrigatório o preenchimento de todos os itens deste questionário

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

CARTILHA PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL. Esta cartilha visa orientar e contribuir

CARTILHA PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL. Esta cartilha visa orientar e contribuir CARTILHA PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Esta cartilha visa orientar e contribuir objetivamente as pessoas de um modo geral e aos nossos clientes candidatos a LOCATÁRIOS, informando o passo a passo,nahoradeselocarumimóvel.

Leia mais

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Contrato de locação de serviços que entre si fazem (nome e qualificação de quem está contratando: natureza ou profissão, endereço e dados como

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.539. 2. Em anexo, encontram-se as folhas necessárias à atualização do Regulamento, contemplando:

CIRCULAR Nº 1.539. 2. Em anexo, encontram-se as folhas necessárias à atualização do Regulamento, contemplando: 1 CIRCULAR Nº 1.539 Documento normativo revogado pela Circular 2393, de 22/12/1993. Regulamento do Mercado de Câmbio de Taxas Administradas - Viagens Internacionais - Atualização n 1. Levamos ao conhecimento

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO CANDIDATOS AO PROUNI

DOCUMENTAÇÃO CANDIDATOS AO PROUNI DOCUMENTAÇÃO CANDIDATOS AO PROUNI * Organizar os documentos em blocos de cada membro do grupo familiar. A decisão quanto ao(s) documento(s) a ser(em) apresentado(s) cabe ao coordenador do Prouni, o qual

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR - Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das Unidades da Federação;

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014. O Presidente do Colegiado de Desenvolvimento de Pessoas em exercício do Instituto Federal de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a presente LEI: SEÇÃO I.

A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a presente LEI: SEÇÃO I. LEI Nº 2927/2014 Estabelece o Regime de Diárias e Adiantamentos do Poder Legislativo, normas para o pagamento de despesas e revoga a Lei nº. 2.887/2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL. Edital n 001/2015, de 1º de junho de 2015

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL. Edital n 001/2015, de 1º de junho de 2015 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - CAMPUS CANINDÉ PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Edital n 001/2015, de 1º de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006 DECRETO Nº 23581 De 09 de janeiro de 2006 Cria a Comissão de Locação de Imóveis e estabelece procedimentos para celebração, prorrogação e rescisão de contratos de locação. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS,

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO 03/2009 ENTRE O COMAER/ CFIAe & CAIXA (CEF) INSTRUÇÕES AOS BENEFICIÁRIOS DA CFIAe GENERALIDADES A Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAe) vem acompanhando as taxas

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de e descontos concedidos no recebimento antecipado. 22/06/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015 Página 1 de 5 EDITAL DE CHAMAMENTO A COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS), por intermédio da sua Diretoria Executiva, na forma das disposições contidas no artigo 24, inciso X, da Lei 8.666/93 e alterações

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO

SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO FICHA PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO 2016 Informações Pessoais do Candidato Nome do Candidato: Data de Nasc: Naturalidade: CPF: RG: Período: Grupo/Ano: Frequenta outro curso? Descreva Qual: Valor

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL

COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL COMANDO DA AERONÁUTICA CAIXA DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA AERONÁUTICA GABINETE ADMINISTRATIVO DATAS EMISSÃO EFETIVAÇÃO DISTRIBUIÇÃO NS Nº 038G/DE/2014 10/09/2014 10/09/2014 GERAL ASSUNTO ANEXOS 1 DISPOSIÇÕES

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA DOS PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA SOLICITAÇÃO DE GRATUIDADES EDUCACIONAIS INTEGRAIS/PARCIAIS 2012

CIRCULAR INFORMATIVA DOS PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA SOLICITAÇÃO DE GRATUIDADES EDUCACIONAIS INTEGRAIS/PARCIAIS 2012 INSTITUTO DAS APÓSTOLAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Colégio Cor Jesu Endereço SGAS, 615. Bloco G Asa Sul, Brasília /DF Fone: (61) 2105-6800 Fax (61) 2105-6843 E-mail: colegio@corjesu.org.br CNPJ 61.015.087/0020-28

Leia mais

(Do Sr. Julio Lopes) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Julio Lopes) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. Julio Lopes) Institui a consignação em folha de pagamento de aluguéis residenciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Os servidores públicos e os empregados regidos

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL

NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL A Diretoria Executiva da Unimed Vale do Aço, no uso de suas atribuições contidas no Estatuto Social da Cooperativa, vem regulamentar o subsídio

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

Orientações Gerais I AFASTAMENTO DO PAÍS

Orientações Gerais I AFASTAMENTO DO PAÍS Orientações Gerais O documento abaixo apresenta de forma objetiva quais os procedimentos necessários a uma missão internacional. Ressalta-se que considerando os prazos postos pelas instituições concedentes

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

EDITAL Nº 39 DE 25 DE AGOSTO DE 2015 AUXÍLIO MORADIA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE

EDITAL Nº 39 DE 25 DE AGOSTO DE 2015 AUXÍLIO MORADIA PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Erechim EDITAL Nº 39 DE 25 DE AGOSTO DE 2015 AUXÍLIO

Leia mais

Documentos necessários: passaporte, vistos válidos e outro documento brasileiro com foto.

Documentos necessários: passaporte, vistos válidos e outro documento brasileiro com foto. Abertura de conta bancária nos Estados Unidos As principais vantagens em ter uma conta bancária nos EUA : - Facilidade de transferir e receber divisas do Brasil - Acesso eletrônico, pagamentos, transferência

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DO INSTITUTO CULTURAL BRASIL ESTADOS BELO HORIZONTE

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DO INSTITUTO CULTURAL BRASIL ESTADOS BELO HORIZONTE REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DO INSTITUTO CULTURAL BRASIL ESTADOS BELO HORIZONTE MODALIDADE DE BOLSAS: CURSOS BÁSICO E INTERMEDIÁRIO NA MODALIDADE REGULAR ART 1º - DAS

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e do Ministério da Saúde para seleções via PNUD/UNESCO/OPAS

Ministério do Desenvolvimento Social e do Ministério da Saúde para seleções via PNUD/UNESCO/OPAS SECRETARIA ESTADUAL DA SAUDE Torna-se público no site da Secretaria Estadual da Saúde www.saude.rs.gov.br, o MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO PARA CONSULTORIA NO ÂMBITO DOS PROJETOS DE

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO-MORADIA, DE 31 DE JULHO DE 2015.

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO-MORADIA, DE 31 DE JULHO DE 2015. REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO-MORADIA, DE 31 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre as regras e procedimentos para a concessão de auxílio-moradia aos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA ESTRANGEIROS DA FIOCRUZ (PRINTE/PG)

PROGRAMA INTEGRADO DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA ESTRANGEIROS DA FIOCRUZ (PRINTE/PG) 1 PROGRAMA INTEGRADO DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA ESTRANGEIROS DA (PRINTE/PG) 1. Objetivo Geral Promover a cooperação para a qualificação de estrangeiros de nível superior nas áreas de conhecimento para as quais

Leia mais

ProUni FADERGS. Documentos para Comprovação de Informações

ProUni FADERGS. Documentos para Comprovação de Informações ProUni FADERGS Documentos para Comprovação de Informações Os candidatos Pré-Selecionados deverão apresentar a FADERGS, para comprovação de informações, cópia simples acompanhada da via original dos seguintes

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Instituto de Medicina Social Rua São Francisco Xavier, 524 / 7º andar / Bloco D - Maracanã CEP: 20550-013 - Rio de Janeiro - BRASIL TEL: 55-021- 2334-0235 FAX:

Leia mais

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público;

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público; ATO DA MESA Nº 500, de 15 de julho de 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens e a respectiva prestação de contas no âmbito da Assembleia Legislativa, e adota outras providências. A MESA DA

Leia mais

Vagas reservadas - Lei nº 12.711/2012

Vagas reservadas - Lei nº 12.711/2012 Vagas reservadas - Lei nº 12.711/2012 Candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que tenham cursado integralmente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, nº 17, em 27/1/2015. RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação BB Crédito Imobiliário Prefixo-dv Nome da agência Proposta nº Dados para envio de informações da proposta DDD/Telefone Celular Email Dados pessoais do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.2 Chamada para seleção de estudantes de graduação, candidatos

Leia mais

Apresentação Parceria Fiança Locatícia.

Apresentação Parceria Fiança Locatícia. Apresentação Parceria Fiança Locatícia. Fiança Locatícia. O seguro de fiança locatícia facilita a vida dos proprietários dos imóveis, das imobiliárias e inquilinos, substituindo com vantagens o fiador.

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação BB Crédito Imobiliário Prefixo-dv Nome da agência Proposta nº Dados da Operação Produto Finalidade Tipo de imóvel pretendido Aquisição de imóvel Moradia

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014.

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 2.054 de 12 de junho de 2014 para dispor sobre o custeio de transporte, hospedagem e alimentação do colaborador eventual e do profissional técnico

Leia mais

CIRCULAR Nº 3227. Art. 3º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Alexandre Schwartsman Diretor

CIRCULAR Nº 3227. Art. 3º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Alexandre Schwartsman Diretor CIRCULAR Nº 3227 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Altera o Regulamento de Operações de Câmbio de Natureza Financeira do Mercado de Câmbio de Taxas Livres. A Diretoria Colegiada

Leia mais

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA PELO ESTUDANTE Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá procurar a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) em sua instituição de ensino e validar

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Locação de imóveis

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Locação de imóveis Pág.: 1/6 1 Objetivo Esta Norma estabelece os procedimentos referentes à celebração, renovação e rescisão dos contratos de locação de imóveis efetuados pela COPASA MG, exclusivamente para o exercício de

Leia mais

OBS.: Devem ser apresentadas pelo candidato na fase de comprovação de informações: cópias dos documentos e originais para conferência.

OBS.: Devem ser apresentadas pelo candidato na fase de comprovação de informações: cópias dos documentos e originais para conferência. ATENÇÃO: Apresentar a documentação na Central de Atendimento - UNICURITIBA, na rua Chile, 1.678, Bairro Rebouças em Curitiba, das 8 às 21 horas. Documentação necessária OBS.: Devem ser apresentadas pelo

Leia mais

EDITAL - BOLSA DE ESTUDO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR

EDITAL - BOLSA DE ESTUDO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR EDITAL - BOLSA DE ESTUDO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR Inscrições disponíveis no site da Prefeitura Municipal de Joinville Entrega de formulário preenchido e documentação exigida: Servidores Lotados nas demais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS AOS COLABORADORES PO. 12 00 1 / 7 1. OBJETIVOS O Crea-GO, visando atrair e melhorar o índice de retenção de colaboradores, institui a concessão de benefícios, mediante a adoção

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, em 1º/12/2009. RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a utilização dos sistemas de telefonia fixa e de comunicação móvel do Supremo Tribunal

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

ATENÇÃO: 1º e 2 CHAMADA E LISTA DE ESPERA PROUNI 1º/2016. Conforme edital do PROUNI, as inscrições ocorrerão da seguinte forma:

ATENÇÃO: 1º e 2 CHAMADA E LISTA DE ESPERA PROUNI 1º/2016. Conforme edital do PROUNI, as inscrições ocorrerão da seguinte forma: ATENÇÃO: 1º e 2 CHAMADA E LISTA DE ESPERA PROUNI 1º/2016. Conforme edital do PROUNI, as inscrições ocorrerão da seguinte forma: As inscrições para as bolsas da 1º e 2º chamada e lista de espera do Prouni

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA BOLSISTAS CUBANOS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA BOLSISTAS CUBANOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA BOLSISTAS CUBANOS PROGRAMA CAPES/MES - CUBA BRASIL-CUBA PROGRAMA CAPES/MES CUBA PROJETOS Todas as informações aqui descritas devem ser interpretadas em consonância com as normas

Leia mais

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100)

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos

ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos Os estudantes ou responsáveis legais obrigam-se a efetuar a entrega dos seguintes documentos

Leia mais

Manual de Orientações Técnico-Financeiras

Manual de Orientações Técnico-Financeiras Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Manual de Orientações Técnico-Financeiras Programa /COLCIÊNCIAS BRASIL-COLÔMBIA 2013 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Leia mais

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas BASE LEGAL A legislação básica sobre o sistema educacional brasileiro consiste na Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, também chamada de Lei Darcy

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH CONSIDERANDO: Que o IPPDH tem como objetivo estratégico para o biênio 2015-2016 estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade. Que o Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015 (Publicada no D.O.U. de 3 de março 2015, Seção I, p. 135) Normatiza os procedimentos para pagamento de diária nacional e internacional, auxílio de representação e verba indenizatória

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 367, DE 13 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 367, DE 13 DE JUNHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 367, DE 13 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre a utilização dos sistemas de telefonia fixa e móvel celular do Supremo Tribunal Federal O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. EMENTA: Disciplina a cessão e locação de espaços destinados a reuniões e eventos na sede do CRMV-RJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA A Ficha Socioeconômica deve ser preenchida, sem rasuras, assinada pelo (a) candidato(a) ou pelo(a) pai, mãe e/ou responsável legal e, apresentada

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

O Programa de Isenção da Taxa de Inscrição a esse Processo Seletivo será regido por este Edital.

O Programa de Isenção da Taxa de Inscrição a esse Processo Seletivo será regido por este Edital. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS EDITAL DO PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO AO PROCESSO SELETIVO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) faz

Leia mais

Os honorários serão sempre pagos pelo vendedor; Nas locações, os honorários previstos acima serão pagos 50% pelo locador e 50% pelo locatário.

Os honorários serão sempre pagos pelo vendedor; Nas locações, os honorários previstos acima serão pagos 50% pelo locador e 50% pelo locatário. TABELA DE HONORÁRIOS TABELA MÍNIMA DE HONORÁRIOS LITORAL NORTE a) Intermediação de Lotes 10% b) Intermediação de Casas e Apartamentos 8% c) Intermediação na Locação por Temporada 20% Os honorários serão

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO Contratação de empresa especializada na execução da formação dos professores e equipe gestora, planejamento, acompanhamento e avaliação das aulas e diagnóstico sociolingüístico

Leia mais