RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS PARA O PROJETO DE PLATAFORMAS OFF-SHORE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS PARA O PROJETO DE PLATAFORMAS OFF-SHORE"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS PARA O PROJETO DE PLATAFORMAS OFF-SHORE Francisco José de Castro Moura Duarte (UFRJ) Luciano do Valle Garotti (PETROBRAS) Nora de Castro Maia (PETROBRAS) Gislaine Cyrino Capistrano da Silva (UFRJ) Carolina Souza da Conceição (UFRJ) Este artigo apresenta recomendações ergonômicas para o projeto de plataformas de petróleo. Baseados num estudo de caso, estas recomendações tem por objetivo considerar o trabalho dos futuros usuários desde o início do projeto, antecipando pproblemas relativos às condições de trabalho. As recomendações aqui apresentadas são relativas ao sistema de PIGs, válvulas, escadas, turbogeradores e movimentação de carga. Os Manuais de fatores humanos apresentam recomendações ergonômicas que são pouco utilizadas pelos projetistas. Eles não compreendem as regras produzidas e não sabem, muitas vezes, como utilizá-las nos projetos. Ao contrário destes manuais focados nas propriedades humanas e em tarefas abstratas, a abordagem utilizada para a construção das recomendações aqui apresentadas tem como base a experiência das diferentes equipes de operação (náutica, produção, facilidades e manutenção) em plataformas em operação. Palavras-chaves: ergonomia, projeto, petróleo, plataforma

2 1. Introdução Este artigo tem como base pesquisa realizada durante dois anos com o objetivo de construir recomendações técnicas (RTs) para o projeto básico de futuras plataformas de petróleo. Diferentemente da maior parte das recomendações em ergonomia, a proposta deste projeto de pesquisa era construir recomendações baseadas no uso ou, mais especificamente, na análise detalhada das situações existentes (plataformas offshore em operação). Dito de outra forma, o que se procurava era a transferência de experiência das plataformas em operação para o projeto de futuras plataformas. Essa transferência de conhecimento operacional e a reflexão sobre as experiências e projetos do passado se fazem necessários no atual contexto brasileiro de exploração e produção de petróleo. As descobertas recentes de novas áreas de produção, como o pré-sal demandarão diversos projetos e inovações tecnológicas que precisam se apoiar na reflexão sobre a prática atual. Os projetos de plataformas em águas ultra profundas, de alto custo de operação, situadas a grandes distâncias da costa marítima e com dificuldades inerentes de logística de transporte e manutenção, demandarão esforços de inovação consideráveis que deverão ter como base a realidade do trabalho de operação. Assim, os resultados deste projeto de pesquisa pretendem apoiar a intervenção da ergonomia em etapas iniciais do projeto onde as possibilidades de transformação são maiores. A compreensão do uso, base para elaboração das recomendações aqui apresentadas, não significa necessariamente ampliação de espaços e maiores custos para o projeto como um todo. As intervenções ergonômicas podem significar reduções de custos importantes, na medida em que elas ajudam a antecipar problemas de incompatibilidades entre as diferentes disciplinas de projeto, incompatibilidades estas que estão na origem dos principais problemas relacionados às condições de trabalho existentes nas plataformas atualmente em operação. Intervir na fase inicial do projeto, integrando princípios e recomendações ergonômicas oriundas da análise das situações atuais, visa a integrar desde o início do projeto a dimensão do trabalho. O conhecimento da realidade do trabalho em situações de referência, tal qual ela ocorre no momento da operação, é uma dimensão estratégica para o êxito dos projetos, na medida em que possibilita antecipar problemas que o futuro corpo técnico de operação poderá enfrentar. Devido ao elevado valor dos investimentos, é necessário que as novas unidades de produção entrem em funcionamento estável nas datas previstas e com a qualidade e a quantidade da produção asseguradas. Conhecer o saber fazer é objetivo fundamental da Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Esse saber é essencial não apenas para operar os sistemas tecnológicos, mas também, para projetá-los. Assim, seria uma contradição pretender projetar sem transferir a experiência operacional das plataformas existentes. Não se trata aqui de consultar usuários, o que mesmo Taylor praticava, em seus projetos de racionalização da produção. A análise ergonômica do trabalho amplia a ação dos operadores sobre o projeto, em especial quando a intervenção em projetos acontece desde suas etapas iniciais. Já se conhece a dialética do projeto enquanto desenvolvimento permanente da conversação entre projetista e a situação (Shön, 1983 e Béguin, 1994). Os desafios para a construção dessas recomendações técnicas são muitos e diversas questões se colocam: como navegar entre orientações sobre o trabalho futuro e o conhecimento específico das situações atuais existentes (paradoxo da ergonomia de concepção)? Até que ponto, o certo e o provável 2

3 determinam as situações que se efetivarão no futuro? Como assegurar que as recomendações oriundas de situações atuais sejam seguidas em novos projetos, se estes assumem novos compromissos e se o projeto inicial se transforma durante o ciclo de vida, dos estudos de base à execução e, posteriormente, no uso? Conforme já mencionado, a geração de recomendações técnicas em ergonomia visa apoiar projetistas e usuários desde o início do projeto de base, ou seja, ao nível de diretrizes de concepção (conceito do produto). O compromisso entre criar recomendações que não sejam completamente genéricas (ou pouco operacionais) e que não restrinjam a criatividade, deu origem ao conceito de configurações de uso, que serão apresentadas nesse artigo. 2. Metodologia Durante os dois anos de duração deste projeto, procedeu-se a avaliações ergonômicas de diferentes situações de trabalho, durante visitas curtas a plataformas definidas como situações de referência (a principal foi a P-43). Nestas visitas foram identificadas situações típicas de trabalho e estimou-se sua criticidade. A partir deste levantamento que equivale a um prédiagnóstico ergonômico (conforme Guérin et al.; 1991), foram utilizados diferentes métodos de análise e registro, em função das especificidades das situações analisadas: entrevistas, registros fotográficos e filmagens, análises de dados de saúde e das características da população de trabalhadores, análises de posturas, esforços, ambientes e espaços físicos, layout, organização do trabalho, dispositivos de informação e comando, mobiliário e equipamentos. Se a metodologia de base em todos os casos permaneceu sendo a análise ergonômica do trabalho, (que pressupõe o acompanhamento das situações típicas de trabalho consideradas críticas e a entrevista em auto-confrontação), diversas variantes foram introduzidas conforme permitido pela situação de trabalho. Como é sabido, em observações de campo, o pesquisador deve adaptar técnicas e procedimentos às circunstâncias que encontra, uma vez que não tem controle sobre a situação como em um laboratório. Em uma plataforma, as restrições são ainda mais fortes, seja em termos de tempo de observação (os dias de embarque são um recurso disputado devido às limitações de vagas ou do POB people on board), seja de ocorrência da atividade. Dessa forma as possibilidades de aprofundamento das situações críticas foram bastante variáveis, exigindo um leque diversificado de técnicas e procedimentos. As análises da atividade na principal situação de referência do projeto foram confrontadas a soluções de projeto adotadas em outras plataformas como forma de validar as análises, no sentido de generalizá-las ou de limitar sua pertinência a situações particulares. Dessa forma, puderam-se formular recomendações que abarcassem uma diversidade maior de experiências, ou indicar a relação entre certas filosofias de projeto e as recomendações de soluções específicas. O projeto foi desenvolvido por meio de diversas ações, distribuídas nas seguintes etapas, com ou sem superposição, dependendo das necessidades metodológicas: 1. Identificação e mapeamento das situações críticas de trabalho em termos de confiabilidade, segurança operacional e carga física (esforços e posturas) em diferentes áreas e ambientes de trabalho da plataforma P-43. Essa criticidade foi avaliada para operadores de produção e de manutenção. 2. Realização da Análise Ergonômica do Trabalho (AET) em ambientes definidos com base no mapeamento de criticidade realizado. Conforme mencionado, as análises 3

4 detalhadas foram todas realizadas em uma determinada plataforma (P-43) em 14 visitas realizadas de maio de 2007 a fevereiro de Avaliação das condições de trabalho em outras plataformas (P-50, P-52, P-38, P-53 e PRA-1) para se conhecer outras situações de referência e as soluções implementadas nestas situações. 4. Redação das recomendações técnicas RTs em ergonomia (guidelines) para o projeto básico dos diferentes ambientes analisados (princípios ergonômicos básicos de projeto). 5. Validação das recomendações junto aos projetistas. As visitas e observações do trabalho em plataformas offshore, tiveram o objetivo de compreender o trabalho de operação. Procurou-se durante as análises realizadas identificar os elementos e os determinantes das atuais condições de trabalho e de uso que poderiam ser objeto de melhorias em futuros projetos. A observação e o registro das diversas atividades ligadas à operação, aliados às verbalizações dos operadores e aos dados técnicos do funcionamento das plataformas formaram a base para a construção do diagnóstico ergonômico e das recomendações para transformação destas condições de trabalho. Ao responder a uma demanda de concepção de novas situações de trabalho, as análises realizadas se apoiaram em conceitos articulados na construção da abordagem da atividade futura possível AFP (Daniellou, 1988 e 2002, Maline, 1994). Em particular a noção de situação de referência e a noção de situação de ação característica (SAC) ajudam a compreender como as análises foram conduzidas. Situações de referência são situações existentes com características semelhantes às futuras situações de trabalho a serem projetadas. Nestas situações são realizadas as AETs e as observações sistemáticas da atividade. Tais análises são realizadas em situações típicas de trabalho conhecidas como Situações de Ação Características SAC, definidas por Daniellou (1992) como um conjunto de determinantes cuja presença simultânea vai condicionar a estruturação da atividade. Esses determinantes são notadamente: os objetivos a atingir, as pessoas engajadas na ação, as exigências de tempo e qualidade, a disponibilidade de meios de trabalho e os fatores susceptíveis de influenciar o estado interno dos operadores (por exemplo, o trabalho noturno). Para Maline (1994), as SACs são as unidades elementares da ergonomia de concepção, constituindo o traço de união irredutível e operacional que permite a instrução do futuro a partir do existente (Maline, 1994). Trata-se, neste caso, de evidenciar as dificuldades vivenciadas na prática profissional, tais como a expressão de percepções e sensações corporais, intuições e experiências vivenciadas, o que exige a problematização na noção de participação (deixa de ser espontânea) e o desenvolvimento correlato de teorias da prática (teorias da ação e da atividade) e da cognição situada. Devidamente estimulada e orientada, a experiência vivida consegue antecipar situações de trabalho futuras, validando ou alertando os projetistas para possíveis inadequações ergonômicas. Partindo da AET de situações concretas (plataformas em operação) e de especificações de projeto mais ou menos genéricas, avaliadas criticamente à luz das observações das situações de referência, foram formuladas recomendações na forma de especificações técnicas para diversos ambientes, áreas e equipamentos da planta. Para apresentação nesse artigo foram escolhidas cinco áreas do estudo: 1. Sistema de lançamento e recebimento de pig ; 4

5 2. Válvulas 3. Escadas e Acessos 4. Turbogerador 5. Movimentação de Cargas 3. Recomendações baseadas no uso Uma das maiores dificuldades encontradas neste projeto para elaboração das RTs foi extrair as configurações de uso (Duarte et al., 2008 e 2009) a partir dos casos diversos, evitando se prender ao caso da situação de referência ou às opções adotadas em outras plataformas. Mesmo quando uma situação de referência oferecia um bom exemplo a ser copiado, a recomendação assumiu um tom mais geral, para não se prender ao caso específico. Tentamos, assim, evitar que a recomendação assumisse o status de um padrão obrigatório, ao invés de servir como referência, como pretendemos, deixando margem de manobra para a equipe de projeto inovar e, mesmo, melhorar em relação ao estado da arte. A noção de configuração de uso (Duarte et al., 2008 e 2009) permite entender melhor como as RTs foram construídas e, também, como devem ser utilizadas. O que define uma configuração de uso é sempre a reunião entre, de um lado, aspectos físico-tecnológicos (ambiente, espaço, instrumento, objeto, equipamento...), contexto social e orientações cognitivas (exemplo: abrir uma válvula para... ) e, de outro lado, um esquema prático, que está subjacente a uma dada atividade. Como exemplo, podemos citar: como verificar a posição do PIG, como checar a pressão nos sistemas de lançamento e recebimento de PIGs etc. Adotando as configurações de uso como unidade mínima de análise e base das recomendações, foi possível abstrair detalhes e especificidades observadas durante a análise ergonômica do trabalho que não precisam constar das configurações de uso apesar destas terem se originado desse material. Por serem de caráter mais geral, as configurações de uso podem abstrair de variabilidades e especificidades de cada plataforma, de detalhes dos procedimentos e modos operatórios e de problemas específicos. As situações de trabalho consideradas típicas, abstraídas da análise ergonômica do trabalho, assim como as recomendações que nelas se inspiram, podem ser agrupadas em 2 tipos: um que inclui a atividade, outro que considera apenas relações entre elementos materiais. Incluem-se no primeiro grupo, situações como: extração de disjuntor em painéis elétricos limpeza de filtros recepção de aeronaves Manipulação de válvulas Transporte de carga (materiais e equipamentos) No segundo grupo podem ser incluídas as situações de projeto do espaço, equipamentos e instalações que também interessam aos projetistas, como interferências entre variáveis de projeto e incompatibilidades de projeto. Por exemplo: padronização do tamanho de degraus material da área de estoque de produtos químicos utilizações de tubulações de PVC no sistema de sewage 5

6 O critério que distingue esses grupos é a atividade: num caso, o que cria a situação, as relações entre as coisas e/ou pessoas presentes, é uma ação humana, um sujeito desenvolvendo uma atividade; noutro, as relações se resolvem entre as próprias coisas. No momento do projeto de um sistema, ambas as relações (que, para simplificar, denominamos de configurações de uso e de configurações técnicas) devem ser consideradas pelos engenheiros. Também não é improvável que certas configurações técnicas se transmutem para o grupo de configurações de uso assim que a presença humana se manifeste em uma ação (podemos imaginar a manutenção ou limpeza de um material corrosível no banheiro). Esta é precisamente a definição de uma configuração de uso: o encontro entre um certo padrão de comportamento humano e um dado padrão espacial (Alexander, 1981). No entanto, em termos de rigor metodológico, faz sentido distinguir configurações técnicas de configurações de uso. A rigor, a análise ergonômica do trabalho se presta à identificação de configurações de uso, via atividade e experiência dos operadores/usuários. Já as configurações técnicas ou parte delas são percebidas apenas pela presença desses atores em um dado espaço, sem necessidade de conhecimentos especializados. Nesse sentido, a ergonomia da atividade está em condições, ao menos potencialmente, de fazer um levantamento exaustivo de inadequações do espaço a partir de sua utilização, apoiando-se na vivência subjetiva dos usuários. Por esta via, pode também ter acesso a problemas de configurações essencialmente técnicas que os trabalhadores reportam a partir de sua experiência profissional ou enquanto observadores leigos, apoiados no senso comum. Nas recomendações técnicas, as análises e recomendações evitam misturar em um mesmo momento esses dois tipos de configurações por razões de coerência metodológica. O levantamento e o diagnóstico de configurações técnicas, por exemplo, as patologias de edificações ou incompatibilidades de projeto, exigem metodologias específicas que a análise ergonômica do trabalho não domina nem utiliza, por não ser este o seu campo de atuação. Evidentemente, se percebidas pelo ergonomista ou relatadas pelos trabalhadores, essas configurações técnicas foram mantidas na medida em que contribuem para melhorar os novos projetos, mas possuem um status diferente, apenas como recomendações adicionais, não sistemáticas. Não se pode entender as RTs em ergonomia para uma instalação ou espaço como uma norma técnica que aborda todos os determinantes do projeto, evitando diluir sua contribuição específica no campo das normas técnicas. O conteúdo das recomendações também foi objeto de uma adequação à atividade dos projetistas. Nas recomendações tradicionais, nem sempre se procura explicitar a razão de uma proposição, como se sua justificativa fosse auto-evidente. A noção de configurações de uso ajuda a situar uma recomendação no contexto de uma atividade, que também se procurou preservar na formulação das recomendações que, além do conteúdo técnico, propositivo, explicita seu objetivo/finalidade ou problema a resolver. Sempre que possível, foram detalhados parâmetros de projeto, explicando o porquê e como foram calculados e/ou exemplificando-os com situações de referência visitadas ou conhecidas. Assim, as recomendações procuraram conter o que fazer, o porquê e, em certa medida, o como. Abaixo serão apresentados alguns exemplos das configurações de uso e recomendações técnicas geradas. 4. Sistema de lançamento e recebimento de pig para operação de limpeza em poços produtores 6

7 O objetivo da passagem de pig é remover a parafina e outros resíduos aderidos acumulados nas linhas de produção. Como dito anteriormente, as configurações de uso descrevem como são realizadas as diversas etapas que compõem a operação em questão. Como exemplos são citados duas das oito configurações de uso propostas para esse sistema: Inserção e retirada da cesta de recebimento - o operador insere manualmente a cesta no recebedor de pig, evitando que a espuma se desvie em direção às linhas de produção, dreno ou bypass na sua chegada. Após o recebimento, o operador faz a retirada da cesta para retirar o pig. Alinhamento (ou realinhamento) dos recebedores e lançadores de pig - direcionamento do óleo ou gás para a câmara realizado através da atuação manual sobre válvulas. O propósito é desviar o fluxo nos momentos adequados, viabilizando o lançamento e o recebimento do pig Com base nas configurações de uso, nas condicionantes e variáveis de projeto e nas normas e regulamentações, aplicáveis a esse sistema, foram geradas recomendações técnicas como essas abaixo: A área em frente à portinhola das câmaras deve ficar o mais livre possível de dispositivos como tubulações ou volantes de válvulas. Prever espaço mínimo de 2,00 m livre de obstrução, diante da necessidade de utilização de instrumentos que demandem espaço, tais como bastões e cestas para recebimento (Figura 1). Figura 1 Utilização de bastão para colocação do pig e inserção de cesta de recebimento É importante que o manômetro da câmara esteja disposto de forma visível para o operador no momento em que manuseia a válvula de bypass da PSV, de forma a evitar deslocamentos desnecessários entre as estações e a área das PSVs. 5. Válvulas São os principais mecanismos de controle de uma planta de processo. Há grande diversidade de tipos e modelos e enorme representatividade em uma instalação de processo químico, cuja quantidade é da ordem de milhares na maioria das instalações, tanto onshore quanto offshore. Nesse caso não foram geradas as configurações de uso, mas uma tabela com os principais problemas relacionados à atuação manual de válvulas e seus fatores. Foi também gerada uma categorização, de acordo com o grau de criticidade, funções e freqüência de utilização das válvulas. Exemplos de recomendações técnicas: 7

8 Os volantes devem ser acessíveis permanentemente no nível do deck ou através de superfície elevada. Caso essas duas alternativas não sejam viáveis, é aceitável o acesso através de escada. Regiões de acesso a volantes de válvulas que possivelmente requeiram amaciamento (Figura2) devem ter pelo menos 0,50 m 2 de espaço livre. 6. Escadas e acessos Figura 2 Amaciamento de válvulas em um lançador de pig A construção de uma plataforma de petróleo ocorre geralmente com a fragmentação das áreas/módulos, como, por exemplo, módulo de geração, módulo de compressão etc. Cada um dos módulos passa a ser construído por um fornecedor, que fica responsável por todos os equipamentos e dispositivos presentes nele, considerando restrições de área e a distribuição de pesos pelos diferentes pontos da embarcação. Diante da limitação dos espaços, a alternativa muitas vezes utilizada pelos fornecedores é a verticalização dos módulos, acarretando a existência de inúmeras escadas de acesso aos diferentes equipamentos/sistemas. Foram observados problemas frequentes como a falta de acesso a locais onde ocorrem manutenções gerando necessidade de montagem de andaimes e utilização de acessos alternativos e posicionamento inadequado de escadas dificultando a operação (Figura 3). A sequência de tarefas relacionadas com uma única atividade de trabalho deve ser considerada em projeto de modo a evitar deslocamentos excessivos do operador. 8

9 Figura 3 Posicionamento de escada dificultando manutenção de válvula Exemplos de recomendações: Projetar vias ou plataformas de ligação entre as diferentes elevações dos módulos evitando deslocamentos por escadas. É importante prever estas ligações durante as etapas de construção dos módulos, homogeneizando as alturas dos diferentes níveis de cada módulo. Prever acessos (escada e plataforma que substituiriam andaimes) a pontes rolantes e equipamentos suspensos que necessitam de manutenção. 7. Turbogerador Sistema responsável por manter o abastecimento de energia da plataforma. Configurações de uso (exemplos): Lavagem do TG Nesta lavagem é preciso abastecer o sistema de água destilada e sabão e, em seguida, acionar os painéis para dar partida à lavagem. Ao final da lavagem, é necessário acessar as válvulas de dreno que geralmente ficam localizadas abaixo do HOOD, a fim de verificar se a água está límpida, após o que se faz necessária a secagem dos instrumentos abaixo da turbina. Inspeção da palheta A inspeção das palhetas da turbina (Figura 4) é realizada a fim de diagnosticar a existência de algum princípio de falha ou dano permanente nas palhetas. Esta inspeção ocorre em média a cada 4000 horas de operação do TG (aproximadamente a cada 6 meses), antes e depois da lavagem, podendo ser realizada de forma visual ou com a utilização de equipamentos como boroscópios, sendo necessária a entrada do operador no plenum para girar as palhetas do eixo interno, objetivando melhorar o resultado das inspeções boroscópicas. Figura 4 Limpeza das palhetas do TG 9

10 Exemplos de recomendações geradas: Prever porta de acesso ao plenum, uma vez que se faz necessária a entrada para inspeção e giro das palhetas, com o objetivo de melhoria da boroscopia nas inspeções rotineiras, evitando esforços na entrada de um espaço confinado e facilitando o resgate de um operador em caso de acidente. Prever porta de acesso à descarga da geradora de gás (GG) da turbina para inspeção dos struts, uma vez que este é um local considerado confinado, permitindo a entrada do mantenedor de forma segura. A inspeção dos struts das turbinas é uma manutenção preventiva realizada a fim de diminuir a possibilidade de danos ao equipamento. Outra alternativa é a instalação de uma janela de visita de onde o operador possa ter acesso direto, ou seja, sem a necessidade de montagem de dispositivos para sua entrada. 8. Movimentação de cargas Dentre as atividades mais intensas, sob o ponto de vista de esforço e postura, desenvolvidas na plataforma estão as atividades de movimentação de cargas. Os operadores recebem e enviam cargas, além de transportá-las dentro da plataforma. Configurações de uso (exemplos): Movimentação de cargas pela plataforma Consiste no transporte de cargas espalhadas pela plataforma. Por exemplo, quando uma válvula está com defeito no processo e deve ser retirada para manutenção. A equipe de movimentação de cargas é chamada para transportar a válvula defeituosa do ponto de desmontagem até a área onde sofrerá manutenção e para transporte de uma válvula nova para o local onde será montada. Recepção de rebocadores Consiste na retirada da carga do rebocador com a ajuda do guindaste e o seu posicionamento na plataforma. O guindasteiro conta com a ajuda de homens de área que aplicam sua força e assumem posturas inadequadas durante o posicionamento das embalagens paletizadas/contêineres na área de recepção de cargas ou na área de produtos químicos. Exemplos de recomendações geradas para plataformas tipo navio: Sugere-se o posicionamento dos guindastes de forma a alcançar todas as extremidades das plataformas evitando deslocamentos com manipulação de cargas, como, por exemplo, guindastes a popa, meia nau e proa, sendo o guindaste a meia-nau para apoio a equipamentos da produção e guindastes na proa e na popa para auxílio em sistemas de offloading e de ancoragem. Posicionar os guindastes da popa (boreste e bombordo) junto à área de movimentação de cargas e dimensioná-los para suportar as cargas mais pesadas como, por exemplo, bomba de injeção, fecho tubular de permutador, turbogeradores e geradores de emergência. 9. Conclusão 10

11 As recomendações técnicas (RTs) e as configurações de uso propostas neste estudo não substituem os futuros ergonomistas e as recomendações detalhadas, a serem elaboradas em cooperação com projetistas e com os futuros usuários que participarão dos projetos. As RTs oferecem apenas orientações básicas para que o trabalho dos futuros usuários seja considerado desde o início do projeto básico. Desta forma pode-se antecipar problemas em termos de: esforços e posturas inadequadas, dificuldades de acesso e deslocamentos, dificuldade de execução (ou operacionalidade/funcionalidade), riscos de acidentes, necessidade de aumento do número de operadores envolvidos com a execução da tarefa etc. A continuidade desses estudos demanda a aplicação dessas recomendações em um projeto em andamento, ou ainda sua confrontação com outras situações de referência como plataformas projetadas sob outras filosofias de operação (ex.: contratadas por afretamento) para que se possa verificar a sua eficácia, bem como aprimorá-las quando necessário. Referências ALEXANDER, C. (1981). El modo intemporal de construir. Barcelona: Gustavo Gili. DANIELLOU, F. (1987). Les modalités d'une ergonomie de conception: introduction dans la conduite de projets industriels. Note documentaire. ND Paris: INRS. DANIELLOU, F. (1988). Ergonomie et démarche de conception dans les industries de process continus, quelques étapes clefs. Le Travail Humain, 51, 2, pp DANIELLOU, F. E GARRIGOU, A. (1991). Human factors in design : sociotechnics or ergonomics? In M. Helander, (Ed.), Design for Manufactorability and Process Planning. pp Londres: Taylor & Francis. DUARTE, F; LIMA, F.A,L E RENÉ, R. & MAIA, N. (2009) Settings of usage for the design process, Anais do IEA, China. DUARTE, F; LIMA, F.A,L E RENE, R. & MAIA, N. (2008) Situations d action caracteristiques et configurations d usage pour la conception, 43º Congresso da SELF, França. GUERIN, F. ET AL. (1991). Comprende le travail pour le transformer. ANACT, Paris. MALINE, J. (1994). Simuler le travail. Paris: Editions de l ANACT. 11

A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NUMA INDÚSTRIA DO SETOR OFFSHORE: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA E SEUS LIMITANTES

A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NUMA INDÚSTRIA DO SETOR OFFSHORE: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA E SEUS LIMITANTES ISSN 1984-9354 A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NUMA INDÚSTRIA DO SETOR OFFSHORE: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA E SEUS LIMITANTES Michele Pereira Figueiredo (UFRJ) Francisco José de Castro Moura Duarte,

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

A ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO NA ELABORAÇÃO DE RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS PARA PROJETOS DAS ÁREAS DE PROCESSO DE PLATAFORMAS OFFSHORE

A ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO NA ELABORAÇÃO DE RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS PARA PROJETOS DAS ÁREAS DE PROCESSO DE PLATAFORMAS OFFSHORE XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A ERGONOMIA DE CONCEPÇÃO NA ELABORAÇÃO DE RECOMENDAÇÕES ERGONÔMICAS PARA PROJETOS DAS ÁREAS DE PROCESSO DE PLATAFORMAS OFFSHORE Gislaine Cyrino Capistrano

Leia mais

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Alison Luis Kohl Diego Luis Eckstein Flávio Pedroso AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Ergonomia de Interfaces; Usabilidade dos Sistemas. Problema de ergonomia e de usabilidade *Eficácia

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Tecnologia RFID na Gestão de Ativos

Tecnologia RFID na Gestão de Ativos Warehousing Transport Field Operations Maintenance & Inspection Tecnologia RFID na Gestão de Ativos DESAFIOS Existe uma solução de tecnologia viável e econômica disponível para gerir de forma eficaz e

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas White Paper Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas Válvulas avulsas ou terminal de válvulas para controle de equipamentos automatizados pneumáticos?

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ Autores Antonio Mauro Lisboa Renó José Antonio Carneiro Saturnino Nunes Neto CESP Companhia Energética de São Paulo RESUMO A UHE Jupiá

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Maio de 2012 Completação Objetivo da Completação Deixar o poço

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

MODELO RD UL/FM. Válvula de Governo e Alarme. Descrição do Produto. Operação

MODELO RD UL/FM. Válvula de Governo e Alarme. Descrição do Produto. Operação Válvula de Governo e Alarme MODELO RD UL/FM Descrição do Produto A válvula de alarme modelo RD possui design simples e funcional com alto padrão de qualidade atestado pelas aprovações UL e FM. Utilizada

Leia mais

Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas

Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas para a extensão. São elas: 1) Função Acadêmica- fundamentada

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Nova ponte rolante CXT, mais inteligente. Um equipamento com vários benefícios.

Nova ponte rolante CXT, mais inteligente. Um equipamento com vários benefícios. PONTES ROLANTES INDUSTRIAIS PONTES ROLANTES PARA USINAS NUCLEARES GUINDASTES PORTUÁRIOS EMPILHADEIRAS PARA SERVIÇOS PESADOS SERVIÇOS SERVIÇOS EM MÁQUINAS OPERATRIZES PONTES ROLANTES CXT Nova ponte rolante

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

Soluções ergonômicas para manipulação de materiais. Novo! Sistemas de manipulação a vácuo

Soluções ergonômicas para manipulação de materiais. Novo! Sistemas de manipulação a vácuo Soluções ergonômicas para manipulação de materiais Novo! Sistemas de manipulação a vácuo Tubo de elevação a vácuo JumboFlex Tubo de elevação a vácuo JumboFlex Manipulação flexível e eficiente do material

Leia mais

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência TEMA IEN 3 1 DESCRIÇÃO. TEMA PROPOSTO: Desenvolvimento de Tecnologia para Sistemas Complexos ÁREA DE PESQUISA: Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência PROCESSO

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I

SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar os equipamentos e processos envolvidos na geração de

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 DO MARKETING DO PRODUTO À ENGENHARIA DO PRODUTO - A MUDANÇA DE FOCO NECESSÁRIA PARA ATUAÇÃO NOS SEGMENTOS ECONÔMICOS DO MERCADO

Leia mais

Empresariado Nacional e Tecnologias de Informação e Comunicação: Que Soluções Viáveis para o Desenvolvimento dos Distritos?

Empresariado Nacional e Tecnologias de Informação e Comunicação: Que Soluções Viáveis para o Desenvolvimento dos Distritos? Empresariado Nacional e Tecnologias de Informação e Comunicação: Que Soluções Viáveis para o Desenvolvimento dos Distritos? Carlos Nuno Castel-Branco Professor Auxiliar da Faculdade de Economia da UEM

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE EcoCWave da Dürr Ecoclean: Qualidade superior, eficiência de custos e confiabilidade de processo na lavagem à base de água Filderstadt/Germany, junho 2014 com sua EcoCWave,

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas?

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Reduza custos: Para garantir a durabilidade dos equipamentos, ações de manutenção preditiva e preventiva se

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM COTEC - Coordenação de Tecnologia

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES FEV - 2013 Mercado de atuação do EEP descobertas do pré-sal: o Brasil se transformou no grande mercado para diversos equipamentos

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE OBRAS. Eng o Civil Octavio Galvão Neto

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE OBRAS. Eng o Civil Octavio Galvão Neto PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE ENTREGA E RECEBIMENTO DE OBRAS Eng o Civil Octavio Galvão Neto HelyLopes Meirelles O Direito de Construir 1961 A responsabilidade pela perfeição da obra é o primeiro dever legal

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA Ildeberto Muniz de Almeida São Paulo, 27 a 29 de Agosto de 2014 O QUE É O MAPA? O Que é o MAPA Ferramenta de

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA)

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) Autor - Júlio Cezar Caetano da Silva Matrícula 18.407. Lotação DSO / DPOE / DTPB / PBPM (Patos de Minas). E-mail: julio.caetano@copasa.com.br.

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO I. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Antes de operar o compressor de ar elétrico com vaso de pressão, assegure-se de que sua instalação tenha sido executada

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PARA WEB II Processos

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PARA WEB II Processos ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS PARA WEB II Processos PROCESSO DE SOFTWARE Ao falar de processo, no contexto da Engenharia de Software, estamos nos referindo ao processo de desenvolvimento de software. O

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais