Controle do câncer na América Latina e o Caribe: uma ambição ousada?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle do câncer na América Latina e o Caribe: uma ambição ousada?"

Transcrição

1 Controle do câncer na América Latina e o Caribe: uma ambição ousada? Embora o controle de câncer, nos países de renda alta, tenha sido relativamente bem sucedido nas últimas décadas, persistem inequidades consideráveis, manejos sub-ótimos são frequentes e o custo do cuidado está tornando-se crescentemente insustentável. Esses fatores, em conjunto, ameaçam desfazer muito do progresso realizado. 1 A situação nos países de renda baixa e média é ainda mais dura. Via de regra, o controle do câncer não representa uma das prioridades principais em comparação com a necessidade fundamental de se resolver problemas socioeconômicos, guerras, o crime, moléstias infectocontagiosas, saneamento, moradia e educação. Ligados a esses fatores, temse, ainda, posturas culturais, religiosas e filosóficas referidas à sociedade e à medicina que influenciam a efetividade de muitas iniciativas. No entanto, esforços devem ser feitos apesar desses problemas: 80% da carga do câncer corresponde aos países de renda baixa e média, sendo que só 5% da capacidade financeira mundial está disponível para se lidar com os problemas acompanhantes. Para se alcançar o objetivo da OMS de reduzir em 25% as mortes por doenças não transmissíveis evitáveis para 2025, são necessários compromissos muito mais abrangentes. O apelo Stop Cancer Now! (Pare o Câncer Já!), por exemplo, destaca dez passos 2 que podem ser dados por governos e gestores de políticas públicas para enfrentar diretamente esse desafio Neste número especial de The Lancet Oncology, publicamos uma Comissão, 3 que visa descrever em detalhe e profundidade o escopo dos desafios enfrentados pelos países da América Latina e o Caribe, junto das possíveis soluções. Os alvos apontados em Stop Cancer Now! ecoam ao longo da Comissão. A América Latina fornece um exemplo ideal do tipo de região que deve enfrentar muitos dos desafios próprios aos países de renda baixa e média: inequidades amplas, meios financeiros limitados, infraestrutura e educação pobres, regiões vastas e remotas com populações indígenas, cidades com população densa, baixa proporção do produto nacional bruto destinado à saúde e número e capacitação inadequados dos profissionais de saúde. Porém, ao mesmo tempo, faróis de esperança nos oferecem uma olhadela naquilo que pode ser realizado, na medida em que alguns países estão atualmente passando por uma fase de crescimento e investimento econômico maciço, outros têm governos estáveis, politicamente compromissados com a atenção à saúde e com a cobertura universal em saúde, e cada vez mais médicos, sociedades profissionais e organizações de saúde estão assumindo o protagonismo no combate às ameaças crescentes aos sistemas de saúde e à carga da doença. O potencial para maior integração e colaboração tanto entre os países da região, quanto fora dela através de parcerias inovadoras é muito prometedor. A presente Comissão, chefiada por Paul Goss, professor de medicina da Escola de Medicina de Harvard (Boston, MA; EUA) reuniu um distinto painel composto por 72 autores de 12 países, que discutiram coletivamente os obstáculos que limitam a resposta da América Latina e o Caribe à crescente morbimortalidade do câncer, e como esses países devem responder, a fim de evitar a ocorrência de uma epidemia devastadora de câncer. Embora reconhecendo que nem um relatório tão ambicioso quanto o presente poderá jamais dar conta de todos os cenários, advertências e nuances possíveis, esperamos que, mesmo assim, alcance para estimular um número suficiente de gestores de políticas públicas e profissionais da saúde a se unirem às organizações de ativistas a fim de que os passos necessários sejam dados rápida e efetivamente no curto e médio prazo nos vários países da América Latina e do Caribe. Tim Clayton/Corbis Vol 14 Abril

2 David Collingridge The Lancet Oncology, 32 Jamestown Road, Londres NW1 7BY, Reino Unido 1 Sullivan R, Peppercorn J, Sikora K, et al. Delivering affordable cancer care in high-income countries. Lancet Oncol 2011; 12: Stop Cancer Now! Lancet 2013; 381: Goss PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in Voltando às raízes: medicina tradicional no controle do câncer na América Latina e o Caribe Seux Paule/Hemis/Corbis A OMS estima que 65% da população mundial utiliza medicinas tradicionais isoladamente ou em combinação com a medicina moderna. Assim, no mínimo 390 milhões de pessoas na América Latina, incluindo milhões de indígenas que só têm acesso a medicinas tradicionais e plantas medicinais, utilizam medicinais tradicionais para diversos problemas de saúde, incluindo o câncer. O número de latino-americanos que utilizam medicinas tradicionais pode ser mais alto do que a média mundial devido à migração de indivíduos de origem indígena para grandes cidades modernas, onde as lojas de plantas medicinais e os consultórios dos curandeiros amiúde estão localizados perto dos hospitais modernos. A aceitação da medicina tradicional está baseada numa larga percepção da segurança das plantas medicinais, entretanto, a ampla disseminação e acesso às mesmas também têm papel importante. Por exemplo, a graviola (o fruto de Annona muricata), conhecida no inglês como soursop e no espanhol como guanábana é encontrada em qualquer mercado local da América do Sul e é considerada como tendo propriedades anti-inflamatórias e hipoglicemiantes, tendo mostrado eficácia contra o câncer em estudos pré-clínicos. 1 3 O córtex de Uncaria tomentosa, ou unha-de-gato, uma planta trepadeira da Amazônia com atividade antiproliferativa, é frequentemente utilizado como coadjuvante da quimioterapia, inclusive por médicos ocidentais. 4,5 A procura do Instituto Nacional do Câncer dos EUA (US National Cancer Institute) por plantas medicinais com ação antitumoral potencial foi intensa entre 1960 e 1980, 6 inclusive na América Latina. 7,8 Entretanto, o papel da medicina tradicional no controle do câncer tem, na América Latina, também um outro papel, menos evidente, isto é a possibilidade de que o sistema de medicina tradicional contribua por si só ao controle do câncer. Na Comissão de The Lancet Oncology, Paul Goss e colaboradores 9 apontam para a acessibilidade limitada dos serviços oncológicos em grande parte da América Latina e o Caribe, sendo que em todos esses lugares a medicina tradicional está disponível graças a curandeiros indígenas e seu arsenal terapêutico, que podem ser consul tados quando falham os serviços de saúde modernos. A aceitabilidade da medicina tradicional pela população geral deve levar à consideração de abordagens interculturais para esses vários sistemas que, combinados com a medicina moderna, poderiam representar uma primeira linha de diagnóstico alternativa aos serviços oncológicos convencionais. Serviços culturalmente apropriados na Bolívia, Equador, Guatemala e Peru, entre outros países, têm demonstrado a ampla aceitação e a possibilidade de coexistência e de colaboração entre a medicina tradicional e a moderna. 10 Imagine um futuro no qual a medicina tradicional não é apenas uma fonte de medicamentos para o controle do câncer, mas também um mecanismo para a prevenção do mesmo. Pense nas dezenas de milhões de latino-americanos que têm acesso à medicina tradicional exclusivamente. Precisamos desenvolver políticas que possibilitem o reconhecimento dos curandeiros tradicionais, recuperem e preservem seu conhecimento e direcionem as ações de pesquisa não só na procura de novos recursos, mas também na integração da medicina tradicional o os professionais correspondentes com a medicina moderna. Oswaldo Salaverry Universidade Nacional Maior de São Marcos e Centro Nacional de Saúde Intercultural, Lima 01, Peru Declaro não ter conflito de interesses. 2 Vol 14 Abril 2013

3 1 Oberlies NH, Chang CJ, McLaughlin JL. Structure activity relationships of diverse Annonaceous acetogenins against multidrug resistant human mammary adenocarcinoma (MCF-7/Adr) cells. J Med Chem 1997; 40: Torres MP, Rachagani S, Purohit V, et al. Graviola: a novel promising natural-derived drug that inhibits tumorigenicity and metastasis of pancreatic cancer cells in vitro and in vivo through altering cell metabolism. Cancer Lett 2012; 323: Dai Y, Hogan S, Schmelz EM, Ju YH, Canning C, Zhou K. Selective growth inhibition of human breast cancer cells by graviola fruit extract in vitro and in vivo involving down regulation of EGFR expression. Nutr Cancer 2011; 63: Pilarski R, Poczekaj-Kostrzewska M, Ciesiolka D, Szyfter K, Gulewicz K. Antiproliferative activity of various Uncaria tomentosa preparations on HL-60 promyelocytic leukemia cells. Pharmacol Rep 2007; 59: Dreifuss AA, Bastos-Pereira AL, Avila TV, et al. Antitumoral and antioxidant effects of a hydroalcoholic extract of cat s claw (Uncaria tomentosa) (Willd Ex Roem & Schult) in an in vivo carcinosarcoma model. J Ethnopharmacol 2010; 130: Fabricant D Farnsworth N. The value of plants used in traditional medicine for drug discovery. Environ Health Perspect 2001; 109 (suppl 1): Mans DR, da Rocha AB, Schwartsmann G. Anti-cancer drug discovery and development in Brazil: targeted plant collection as a rational strategy to acquire candidate anti-cancer compounds. Oncologist 2000; 5: Popoca J, Aguilar A, Alonso D, Villarreal ML. Cytotoxic activity of selected plants used as antitumorals in Mexican traditional medicine. J Ethnopharmacol 1998; 59: Goss PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in 10 Salaverry O. Interculturalidad en salud. Rev Peru Med Exp Salud Publica 2010; 27: Iniciativas do Ministério da Saúde do Brasil para o controle do câncer A Comissão de Paul Goss e colaboradores 1 demonstra o desafio representado pela análise da situação do controle do câncer na América Latina: extensa diversidade populacional, fatores socioeconômicos e epidemiológicos, poucos estudos realizados com metodologias similares todos estes fatores são responsáveis pela complexidade da situação atual. Esses achados são corroborados pelo estudo de Simon e colaboradores, 2 que demonstra que a taxa de detecção precoce do câncer de mama é baixa no Brasil e precisa aumentar até os níveis alcançados em outros países. No entanto, os dados nacionais disponibilizados pelo conjunto de registros oncológicos do Brasil indicam que a taxa de detecção precoce do câncer de mama (estágios 0 II) é de 59,8%, 3 e portanto, similar àquela dos EUA (60%). 1 O território do Brasil é vasto e apresenta inequidades sociais complexas e desafiadoras, que comprometem o objetivo do Sistema Nacional de Saúde (Sistema Único de Saúde SUS) de oferecer atenção universal da saúde, abrangente e de alta qualidade. Entretanto, progressos consideráveis têm sido feitos nos últimos dez anos no país. Por exemplo, a cobertura atual do teste de Papanicolaou é de 87% em algumas regiões e de mais de 80% em todas as áreas brasileiras. 4 Em 2011, estendeu-se o limite de idade para inclusão na triagem do câncer do colo uterino de 25 para 64 anos. 5 Embora a cobertura da mamografia também tenha aumentado no país, especialmente nas mulheres de famílias de baixa renda, ainda permanecem diferenças regionais. 4 A cobertura da mamografia nas capitais dos estados brasileiros aumentou de 71,2% em 2007 para 73,3% em Um programa nacional para qualidade da mamografia foi estabelecido em 2011, e mais de quatro milhões de exames têm sido feitos anualmente. Em 2012, 12 milhões de testes de Papanicolaou, 2,6 milhões de procedimentos quimioterápicos, dez milhões de sessões de radioterapia e cerca de cirurgias foram realizadas pelo SUS. 7 O acesso a medicamentos é uma parte fundamental do direito à saúde e, assim, o SUS oferece medicamentos Johannes Mann/Corbis Vol 14 Abril

4 gratuitamente. Mais de 500 medicamentos estandardizados foram disponibilizados e são distribuídos gratuitamente pelo Ministério da Saúde. O tratamento do câncer é gratuito em todos os níveis (radioterapia, quimioterapia e terapia hormonal), assim como os medicamentos para deixar de fumar, a vacina contra a hepatite B e outras intervenções em saúde. Esses medicamentos estão disponíveis para toda a população, incluindo os pacientes com planos particulares de saúde. 8 O Brasil é um dos poucos países do mundo que apoia e implementa as flexibilidades incluídas no Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio (ADPIC/TRIPS) e na Declaração de Doha da Organização Internacional do Comércio, incluindo o acesso a medicamentos para doenças não-transmissíveis (DNTs) para todos aqueles que precisem deles, tal como afirmado nas negociações da OMS na reunião de alto nível da ONU. Considerando que as DNTs constituem uma epidemia mundial, é necessário discutir sobre a propriedade intelectual das terapias novas e o acesso a medicamentos e tecnologias de baixo custo, alta qualidade, seguros e efetivos. 9 Entretanto, essas questões, embora importantes, não foram abordadas pela Comissão. 1 Em março de 2011, o Ministério da Saúde lançou um plano para fortalecer a rede de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer no Brasil. 5 Nesse contexto, os recursos de radioterapia serão expandidos e 48 serviços serão criados em 48 hospitais, sendo que o Ministério da Saúde modernizará 32 serviços já existentes. Consequentemente, o Ministério adquirirá 80 aceleradores lineares novos, representando a maior aquisição realizada por qualquer país do mundo nos últimos anos. Esses equipamentos serão especialmente distribuídos nas regiões norte e nordeste do país, de modo a diminuir as inequidades. 5 Devido à magnitude das DNTs, responsáveis por 72% dos óbitos no Brazil, o Ministério da Saúde lançou um plano estratégico focado nas mesmas, priorizando as ações e investimentos necessários para reduzir essas doenças e seus fatores de risco. 5,8,10 O programa de controle do tabagismo tem reduzido a prevalência do fumo de 34,8% em 1989 para 17,2% em ,8,10 Levantamentos telefônicos realizados nas capitais dos estados brasileiros confirmaram o declínio na prevalência do tabagismo entre 2006 e Em 2011, o governo aprovou novas leis estabelecendo ambientes livres de fumo, aumento do imposto ao cigarro até 85% e a obrigação de colocar advertências nas embalagens. 8,10 Essas ações têm contribuído para a diminuição de 20% nas taxas das DNTs entre 1996 e O objetivo no longo prazo é reduzir em 2% por ano a mortalidade por DNT. 5,8 O Brasil e muitos outros países da América Latina e o Caribe enfrentam grandes desafios, entretanto, é importante enfatizar a necessidade de melhoras nos sistemas de informação e registro para assegurar a robustez das políticas para o câncer. O Brasil está fortemente compromissado com as DNTs e continuará a trabalhar infatigavelmente no auxílio dos pacientes com câncer. Jarbas Barbosa da Silva Jr*, Helvecio Miranda Magalhaes Jr Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde do Brasil, Brasília , Brasil (JBdS, HMM) JBdS é o Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde brasileiro e HMM é o Secretário de Atenção à Saúde. Não temos conflito de interesses. 1 Goss, PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in 2 Simon S, Bines J, Barrios C, et al. Clinical characteristics and outcome of treatment of Brazilian women with breast cancer treated at public and private institutions The AMAZONE Project of the Brazilian Breast Cancer Study Group (GBECAM). 32nd Annual CTRC-AACR San Antonio Breast Cancer Symposium; San Antonio, TX, USA; Dec 10 13, Abstr Instituto Nacional de Cancer (INCA). Perfil da morbimortalidade brasileira do câncer da mama. Informativo de Vigilancia do Cancer. N. 2 janeiro/abril Nov 28, Arquivos/comunicacao/informativo_vigilancia_cancer_n2_2012_ internet.pdf (acessado Feb 26, 2013). 4 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Panorama da Saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde (PNAD 2008). Rio de Janeiro: IBGE; 2010 (in Brazilian). 5 Brasil Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil, Brasília: Ministério da Saúde; saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1818 (acessado Feb 26, 2013). 6 Brasil Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2011: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, Ministério da Saúde. DATASUS. Informações em Saúde. datasus.gov.br/datasus/index.php?area=0202 (acessado Feb 22, 2013). 8 Malta DC. de Morais Neto Otaliba L, da Silva Jr JB. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a Epidemiol Serv Saúde 2011; 20: Hogerzeil HV, Liberman J, Wirtz VJ, et al, on behalf of The Lancet NCD Action Group. Promotion of access to essential medicines for non-communicable diseases: practical implications of the UN political declaration. Lancet 2013; 381: Bonita R, Magnusson R, Bovet P, et al, on behalf of The Lancet NCD Action Group. Country actions to meet UN commitments on non-communicable diseases: a stepwise approach. Lancet 2013; 381: Vol 14 Abril 2013

5 Planejando o controle do câncer uma perspectiva mexicana Como ex-secretário da Saúde do México, dou as boas vindas à publicação da Comissão de The Lancet Oncology 1 sobre o controle do câncer na América Latina e o Caribe. Gostaria de acrescentar alguns comentários feitos de uma perspectiva mexicana. O processo de transição demográfica e epidemiológica no mundo implica em várias ameaças e desafios para os sistemas de saúde, relacionados com o aumento na expectativa de vida, o envelhecimento da população e a mudança no modo como as pessoas adoecem e morrem, isto é, das moléstias infectocontagiosas às doenças não transmissíveis (DNTs) crônicas, dentre as quais o câncer é uma das mais importantes. 2 Essas mudanças colocam grandes desafios aos sistemas de saúde na América Latina e o Caribe. 3 Na secção introdutória, os autores da Comissão de The Lancet Oncology 1 afirmam que a América Latina não está bem preparada pra enfrentar o alarmante aumento na incidência do câncer. Embora essa afirmação seja acurada, esforços estão sendo implementados para enfrentar esse desafio. Como mencionado pela Comissão, parte do problema consiste na falta de planos nacionais abrangentes para o câncer em muitos países. Dentre os mais de 40 países na região, só uns poucos têm elaborados esse tipo de plano, sendo que a maioria está orientada a tipos específicos de câncer (por exemplo, câncer de mama, do colo uterino ou de próstata). Goss e colaboradores analisam casos específicos de reformas sanitárias. No México, a reforma sanitária efetuada através do Seguro Popular tem ampliado a capacidade do sistema para lidar com o câncer. Nenhuma mulher com câncer de mama precisa interromper o tratamento por causa de questões financeiras, a vacinação contra o vírus do papiloma humano (VPH) das meninas da quinta série do ensino fundamental faz parte do programa nacional de imunização, a qualidade da infraestrutura da atenção tem aumentado (desde mamógrafos e aceleradores lineares a unidades e hospitais oncológicos totalmente novos) e as despesas diretas com tratamentos têm diminuído. 4 A infraestrutura e os recursos humanos se concentram nas grandes áreas urbanas em toda a América Latina e o Caribe e se os determinantes da saúde relativos às DNT e o câncer não mudarem, não seremos capazes de corrigir essas inequidades. Os médicos e demais profissionais de saúde não se deslocarão para áreas com condições de vida limitadas e poucas oportunidades de desenvolvimento, sendo que essa realidade está relacionada com o desenvolvimento econômico e social (por exemplo, boas escolas, segurança, oportunidades de capacitação). 5 As populações indígenas colocam um desafio fundamental. Infelizmente, as populações indígenas têm sido historicamente negligenciadas. A Comissão faz menção à necessidade de que os registros incluam dados étnicos, que podem vir auxiliar na elaboração das políticas. Porém, por outro lado, tais registros não continuariam a colocar os povos indígenas como algo separado do resto da população? Nos termos do custo do cuidado do câncer, há grande diversidade na América Latina e o Caribe. O investimento em saúde como proporção do produto nacional bruto varia amplamente o que, claro está, tem efeito na capacidade dos governos para enfrentar o aumento na incidência do câncer. A prevenção primária deve ser reforçada, assim como as políticas focadas nos principais fatores de risco oncológico a saber, o tabaco, o álcool, a obesidade, as causas infecciosas (por exemplo, o VPH) e os agentes ambientais. Precisamos mudar o foco da medicina curativa para a preventiva, mas isso deve refletir-se no orçamento da saúde. Do total do dinheiro transferido pelo Governo Federal aos 32 estados mexicanos através do Seguro Popular, 20% está destinado a ações preventivas, enquanto que apenas uma década atrás, não havia qualquer orçamento explicitamente destinado a ações preventivas. Certamente, melhoras ainda são necessárias, mas o caminho já está traçado. Outros tópicos importantes mencionados pela Comissão merecem discussão mais ampla, tais como os exames moleculares, as perspectivas clínicas, a capacitação do pessoal, os cuidados paliativos, a pesquisa e o ativismo dos pacientes (o que aconteceria se as organizações não governamentais para o câncer fossem tão poderosas quanto as que defendem os direitos dos pacientes com HIV/AIDS?). As questões relacionadas com a sobrevida dos pacientes e o Seux Paule/Hemis/Corbis Ann Summa/Corbis Vol 14 Abril

6 câncer na infância devem ser enfatizadas. A presente Comissão virará uma referencia para os governos e a sociedade em geral, no entanto, muito mais precisa ainda ser feito, e não só no setor saúde, para enfrentar os muitos problemas associados com o câncer. Esperemos que esses esforços acadêmicos sejam bem recebidos e traduzidos em ações efetivas caso contrário, teremos que voltar a falar dos mesmos desafios no futuro. Salomón Chertorivski Av Cuahutémoc 898, Colonia Narvarte, México DF, México Fui o Comissionado Nacional para Proteção Social da Saúde responsável pela implementação e operação do Seguro Popular. 1 Goss PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in 2 Kuri-Morales P. La transicion en salud y su impacto en la demanda de servicios. Gaceta Medica de Mexico 2011; 147: Barreto SM, Miranda J, Figueroa P, et al. Epidemiology in Latin America and the Caribbean: current situation and challenges. Int J Epidemiol 2012; 41: Knaul FM, González-Pier E, Gómez-Dantés O, et al. The quest for universal health coverage: achieving social protection for all in Mexico. Lancet 2012; 380: Organização Mundial da Saúde. Subsanar las desigualdades en una generación. Comisión sobre Determinantes Sociales de la Salud. Informe Final. Geneva: Organização Mundial da Saúde, (Em Espanhol). Perspectivas argentinas sobre o controle do câncer na América Latina Ocean/Corbis O conhecimento da realidade do câncer na América Latina é vital para o nosso país e a publicação da presente Comissão de The Lancet Oncology 1 oferece uma riqueza extraordinária de dados novos. Os esforços para se promover artigos sobre o câncer o os sistemas de saúde no contexto das doenças não transmissíveis crônicas, como é o caso da presente Comissão, representam uma contribuição importante para o avanço do controle do câncer na nossa região. O planejamento dentro do contexto dos programas nacionais de controle do câncer é uma ferramenta crucial para a implementação e desenvolvimento de uma estratégia adequada para o câncer em cada país. Tal planejamento possibilitará o uso eficiente dos recursos existentes a fim de adaptar os sistemas de saúde à população e às necessidades dos pacientes, assim como para desenvolver modos úteis e inovadores de melhorar as ações para o controle do câncer. O Governo argentino tem um forte compromisso com o combate ao câncer. A criação do Instituto Nacional do Câncer, dois anos atrás, e seu rápido crescimento, baseado numa estratégia definida alinhada com a situação da saúde no nosso país, representam uma clara demonstração desse comprometimento. A Comissão convocada por The Lancet Oncology reúne um grupo de reconhecidos especialistas na região, os quais realizaram uma análise abrangente da situação atual, levando em conta os pontos fortes e fracos das nossas estratégias e sistemas. Esse trabalho contribuirá largamente para a análise dos projetos futuros a fim de melhorar a qualidade da atenção e ajudará a otimizar o uso dos recursos disponíveis. Além disso, os dados apresentados no presente relatório trazem informações críticas para que os cientistas, especialistas, professionais de saúde e governos possam se aproximar mais das nossas metas últimas: melhorar o controle do câncer, reduzir a incidência da doença e melhorar os resultados do tratamento e a qualidade de vida de muitos pacientes nos nossos países. O Ministério da Saúde argentino vem financiando e implementando a vacinação contra o vírus do papiloma humano (VPH) em todas as meninas de onze anos de idade no país. Através do Instituto Nacional do Câncer, esforços estão sendo realizados especialmente no registro de dados, prevenção e detecção precoce do câncer do colo uterino, mama e cólon, cuidados de suporte e pesquisa (básica e clínica). A melhora dos registros oncológicos se baseia no reforço dos registros populacionais nas diversas províncias, através do desenvolvimento de software e da implementação de um registro oncológico hospitalar nacional online, assim como da incorporação do bem sucedido registro oncológico pediátrico, que precedeu a criação do Instituto Nacional do Câncer. O registro do programa 6 Vol 14 Abril 2013

7 oncológico pediátrico inclui mais de 90% dos 1300 casos de câncer anuais. O programa de câncer de colo uterino é o primeiro e o mais desenvolvido, até o presente. Começou pela melhora da qualidade do teste de Papanicolaou e a incorporação do exame de detecção do VPH numa única província, e será expandido para outras quatro este ano. O programa também inclui a pesquisa de um teste para o VPH auto-aplicado pelas próprias mulheres testadas (3000 versus 3000 amostras colhidas por professionais). O programa de detecção do câncer de mama está avaliando e melhorando a qualidade das mamografias e a exposição à radiação, assim como os mamógrafos em todo o país, de acordo com esforços similares realizados pela Rede de Institutos Nacionais do Câncer em toda a América Latina. O plano para detecção precoce do carcinoma colorretal começará em duas províncias, inicialmente buscando detectar e orientar os candidatos de alto risco, assim como a realização de pesquisa de sangue oculto nas fezes em indivíduos entre 50 e 75 anos de idade. As iniciativas de cuidados de suporte visam, principalmente, a seleção das áreas com necessidade de cuidados paliativos, assim como a facilitação do acesso aos opiáceos através da remoção dos obstáculos burocráticos, culturais e econômicos. Enquanto à educação em oncologia, na Argentina há 12 programas de residência em oncologia clínica, cirúrgica e de radiação. Vários cursos de pós-graduação em oncologia são oferecidos por diversas universidades de todo o país. Temos uma oportunidade única para melhorar os esforços dedicados às doenças não transmissíveis e o câncer, combinando as atividades dos Ministérios de Saúde, outros provedores de atenção em saúde e da sociedade em geral numa ação única e determinada. Juan Manzur Ministro da Saúde, Presidência da Nação, Buenos Aires, Argentina Declaro não ter conflito de interesses. 1 Goss PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in Planejando o controle do câncer a visão de uma ONG Em nome da Rede Internacional para Pesquisa no Tratamento do Câncer (International Network for Cancer Treatment Research INCTR), gostaríamos de salientar alguns dos desafios-chave no fornecimento de atenção oncológica na América Latina. Na América Latina, estima-se que o número total de casos de câncer aumentará cerca de 42% entre 2008 e Se não for mais efetivamente controlado, o câncer exercerá efeitos negativos nas economias latinoamericanas. O financiamento pelos governos e outras partes interessadas é inadequado, os recursos e serviços estão distribuídos desigualmente, há poucos professionais em saúde (especialistas em câncer, em particular) e a atenção está voltada à população mais rica. 2 O desenvolvimento de estratégias focadas em interesses comerciais às custas da atenção em saúde pode fazer com que os custos com o câncer (custos diretos do tratamento, perdas econômicas devidas à morbimortalidade) se tornem um obstáculo considerável para o desenvolvimento econômico. 3 Só 6% da população latino-americana está incluída em registros oncológicos nacionais. 2 Aumentar o registro dos dados oncológicos representa um investimento barato, porém essencial para o controle efetivo do câncer. Além disso, há pouca disponibilidade de financiamento e muito poucos centros estão suficientemente equipados para a condução de estudos clínicos. 4 Em vastas áreas da América Latina, o acesso a atenção em saúde é escasso, enquanto que limitações no manejo e acompanhamento dos pacientes não favorecem a realização de pesquisa de alta qualidade. 5 Consequentemente, a maior parte da evidência relacionada com o controle do câncer é produzida em outros países que, em função das diferenças na carga do câncer, é inadequada e precisa mudar. O desenvolvimento de fortes credenciais de pesquisa deve receber maior ênfase. 6,7 Quase 320 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe não têm cobertura de saúde. 2 Os países podem conservar seus programas de saúde, basicamente não regulados e resultando em inequidades, ou se decidirem a aplicar regulamentações mais estritas. Cobertura universal em saúde, distribuição mais homogênea de especialistas e serviços, maior formação e capacitação Matt Mawson/Corbis Vol 14 Abril

8 dos professionais de saúde, campanhas públicas para orientar a população quanto a hábitos salutares de vida, e investimento em cuidados paliativos (com ênfase na formação, capacitação e disponibilidade de opióides 8 ) são necessários para melhorar os cuidados oncológicos A INCTR coordena vários programas na América Latina. Estamos particularmente envolvidos em oncologia pediátrica e cuidados paliativos (incluindo o estabelecimento de um programa de cuidados paliativos em São Paulo e a elaboração de um manual de cuidados paliativos). A campanha em prol da detecção precoce do retinoblastoma foi desenvolvida e distribuída por todo o mundo. O braço brasileiro da INCTR também fomenta o desenvolvimento dos professionais de saúde no sentido do apoio psicológico e multidisciplinar aos pacientes com câncer (em conjunto com a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica). O braço brasileiro da INCTR tem papel fundamental na formação e capacitação no manejo e proficiência em estudos clínicos, tornando essa experiência disponível em muitos outros países. O INCTR Brasil e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) têm assinado um Acordo de Cooperação Técnica a fim de promover o desenvolvimento de relações científicas, técnicas e operacionais focadas em programas de formação e capacitação para especialistas em câncer e na condução de estudos clínicos. A INCTR tem uma série de recomendações para o cuidado no câncer. Um dos problemas principais, na América Latina, é o acesso à atenção em saúde, que resulta em grande parte da assistência fragmentária e dos sistemas de cobertura, que amiúde excluem a população mais pobre. Os governos deveriam focar na simplificação das políticas de saúde e no desenvolvimento de programas nacionais relacionados com o financiamento econômico, tendo a cobertura nacional como meta (e como já é o caso em alguns países) de modo a uniformizar o padrão de atenção clínica tanto quanto for possível. A colaboração com organizações não governamentais (ONGs), talvez mediada pelos institutos nacionais do câncer, deve ser incrementada, porque as ONGs amplificam os recursos disponíveis e são muito efetivas no auxílio à formação e capacitação (tanto dos clínicos quanto do público em geral). As ONGs também podem ajudar na exploração da logística da prevenção do câncer, o que constitui um problema particular nos países latino-americanos. Outra função importante das ONGs e da academia é o desenvolvimento de uma melhor compreensão acerca do oferecimento efetivo de atenção por exemplo, identificando e resolvendo as causas do atraso no diagnóstico, com influência crucial nos resultados do tratamento, e realizando estudos clínicos para definir os melhores tratamentos. Se os estudos clínicos ficassem exclusivamente nas mãos das companhias farmacêuticas, cujo foco principal é o lucro financeiro, muitas questões fundamentais jamais seriam colocadas, embora as vias para o desenvolvimento de novos medicamentos sejam cada vez mais necessárias especialmente no caso das companhias latino-americanas. É necessária uma abordagem equilibrada, que poderia ser fornecida pelos grupos cooperativos de hospitais (nacionais ou internacional) que realizam pesquisa clínica se recebessem maior apoio dos governos ou das asseguradoras independentes. Via de regra, as asseguradoras não dão apoio aos pacientes que participam em estudos clínicos na América Latina e isso precisa mudar: a pesquisa clínica deve ser fusionada com a atenção clínica e ambas baseadas em maior pesquisa básica. Agindo de modo similar, muito poderia ser também feito para se melhorar o acesso aos cuidados paliativos e, mais uma vez, tal acesso poderia aumentar mais rapidamente se fosse fortemente promovido por ONGs. Finalmente, deve dar-se muita maior ênfase aos registros oncológicos, pois só com base numa compreensão razoavelmente acurada da extensão e do padrão da carga do câncer é que planos racionais para o controle do mesmo podem ser desenvolvidos e seus efeitos avaliados no nível populacional. Sidnei Epelman*, Ian Magrath Hospital Santa Marcelina e Rede Internacional para Pesquisa no Tratamento do Câncer - Brasil, São Paulo, Brasil (SE); e Rede Internacional para Pesquisa no Tratamento do Câncer, Bruxelas, Bélgica (IM) Não temos conflito de interesses. 1 Ferlay J, Shin HR, Forman D, Mathers C, Parkin DM. GLOBOCAN 2008 v2.0 cancer incidence and mortality worldwide: IATC CancerBase No 10. Lyon: International Agency for Research on Cancer, Goss PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in Latin America and Caribbean. Lancet Oncol 2013; 14: Economic Intelligence Unit. Breakway:the global burden of cancer challenges and opportunities, GlobalEconomicImpact (acessado Feb 21, 2013). 4 Normile D. The promise and pitfalls of clinical trials overseas. Science 2008; 322: Vol 14 Abril 2013

9 5 Magrath I, Steliarova-Foucher E, Epelman S, et al. Paediatric cancer in low-income and middle-income countries. Lancet Oncol 2013; published online Feb Chatenoud L, Bertuccio P, Bosetti, et al. Childhood cancer mortality in America, Asia, and Oceania, 1970 through Cancer 2010; 116: Schnipper LE, Smith TJ, Raghavan D, et al. American Society of Clinical Oncology identifies five key opportunities to improve care and reduce costs: the top five list of oncology. J Clin Oncol 2012; 30: Epelman C. End-of-life management in pediatric cancer. Curr Oncol Rep 2012; 14: OPAS: prioridades e desafios no cuidado oncológico Damos as boas vindas à publicação da Comissão de The Lancet Oncology 1 sobre o controle do câncer na América Latina e o Caribe. Gostaríamos de acrescentar alguns comentários formulados pelo escritório brasileiro da Organização Pan Americana da Saúde (OPAS). A estratégia de cooperação técnica da OPAS com o Governo brasileiro para a implementação da Politica Nacional de Atenção Oncológica visa reforçar e melhorar o serviço nacional de saúde, a política governamental e a cooperação internacional sul-sul com foco na promoção da saúde, prevenção e vigilância do câncer. Embora com ênfase particular no câncer de mama e do colo uterino, as prioridades mútuas também incluem tecnologia e pesquisa, vigilância e cuidado oncológico, saúde ambiental e toxicologia, controle do tabaco, nutrição, educação e gestão do conhecimento. A mortalidade por câncer de mama continua sendo alta no Brasil, porque a maioria dos casos é diagnosticada em estágios avançados. Consequentemente, o controle do câncer de mama foi reafirmado como prioridade no plano de 2011 para reforçar a rede de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer. A triagem da população para câncer do colo uterino representa um desafio-chave e demanda um plano estruturado, com ações qualificadas e um sistema de referência e de contra-referência. A discussão do uso da vacina contra o vírus do papiloma humano deve representar uma prioridade no calendário nacional de imunização. O Governo brasileiro e o Instituto Nacional do Câncer têm planejado uma campanha abrangente para diminuir os preconceitos associados com o câncer e assim estimular os pacientes a procurarem tratamento de modo precoce. Parcerias com organizações não governamentais e a mídia, assim como o treinamento-em-serviço dos profissionais de saúde podem contribuir à formação de uma rede efetiva de cuidado e prevenção, assim como a enfatizar a importância de condutas salutares no desenvolvimento do câncer do colo uterino. A implementação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco da OMS tem contribuído a reduzir a prevalência do fumo dos indivíduos com 15 ou mais anos de idade de 32%, em 1989, a 15% em A proibição da publicidade e marketing dos produtos do tabaco na mídia, incluindo a proibição do patrocínio de eventos culturais e esportivos; a inclusão de advertências à saúde com imagens chocantes nas embalagens; o aumento do imposto ao tabaco; e a proibição do uso de aditivos aromatizantes têm contribuído a essa redução. Os desafios futuros relativos ao tabaco incluem a geração de ambientes livres de fumo (por enquanto limitados a alguns estados e municípios), a proibição da publicidade e marketing de produtos do tabaco nos pontos de venda e a expansão da procura por alternativas econômicas viáveis para substituir a cultura do tabaco (o Brasil é o segundo maior produtor e o maior exportador mundial de folhas de tabaco). No Brasil e em toda América Latina, a OPAS se esforça para melhorar os sistemas nacionais de informação e promover melhoras nos programas nacionais para o câncer a fim de efetuar a melhor abordagem da carga do câncer. Além disso, a OPAS vem focando na desestigmatização do câncer pois o preconceito representa um dos obstáculos principais à detecção precoce e ao tratamento. Através de campanhas na mídia e nas redes sociais, almejamos ampliar os conhecimentos sobre o câncer do público em geral e assim reduzir a morbimortalidade dessa doença. Leila Adesse*, Glauco Jose S Oliveira Organização Pan Americana da Saúde, Rio de Janeiro, Brasil Não temos conflito de interesses. 1 Goss PE, Lee BL, Badovinac-Crnjevic T, et al. Planning cancer control in 2 Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2011: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministry of Health, Ian Trower/Robert Harding World Imagery/Corbis Vol 14 Abril

10

Análise de tendência de citologia oncótica e mamografia das

Análise de tendência de citologia oncótica e mamografia das Análise de tendência de citologia oncótica e mamografia das capitais brasileiras Deborah Carvalho Malta Alzira de Oliveira Jorge O câncer de mama permanece como o segundo tipo de câncer mais frequente

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos 20% redução DCNT 31% redução DCV Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007

Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes PR. Health in Brazil 4. Chronic

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Desafios dos sistemas de saúde dos países BRICS

Desafios dos sistemas de saúde dos países BRICS Desafios dos sistemas de saúde dos países BRICS Dados e informações selecionadas Unidade Técnica Serviços de Saúde OPAS/OMS Representação do Brasil Renato Tasca Janeiro 2012 Tradução Portal da Inovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL"

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL" SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONTROLE SOCIAL DO TABACO EM DEBATE - PROPOSTAS DE ACTUAÇÃO 13 DE NOVEMBRO 2006 Ministério da Saúde Nos países em desenvolvimento, os fumantes constituem

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA QUALIFICAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NOS SERVIÇOS ASSISTENCIAIS DO SUS PARA CÂNCER DE MAMA E CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Fátima Bussinger Chefe da Fisioterapia

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

Indicadores da Saúde no Ceará 2008

Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Fortaleza - 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAG) Desirée Mota Secretária INSTITUTO DE PESQUISA

Leia mais

Pesquisa. Ações Nacionais de Pesquisa

Pesquisa. Ações Nacionais de Pesquisa Pesquisa O câncer vem apresentando prevalência crescente na população brasileira. Exige, portanto, ações estratégicas no âmbito da atenção oncológica, que envolvem a busca de incentivo à pesquisa nas áreas

Leia mais

SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA: Critérios e padrões de avaliação

SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA: Critérios e padrões de avaliação SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA: Critérios e padrões de avaliação Ernesto LIMA GONÇALVES * RSPU-B/227 LIMA GONÇALVES, E. Sistemas de organização de assistência médica: critérios e padrões

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA?

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? De acordo com a Constituição Federal do Brasil, no capítulo dos direitos sociais, todo cidadão tem o direito à saúde, educação, trabalho, moradia, lazer,

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

Um chamado para estimular a conversa a respeito dessa doença na América Latina

Um chamado para estimular a conversa a respeito dessa doença na América Latina Um chamado para estimular a conversa a respeito dessa doença na América Latina Cada minuto conta 3 Índice 5 8 10 13 17 21 Introdução Consciência a respeito do câncer de mama O panorama atual do câncer

Leia mais

A Aliança contra as DNTs

A Aliança contra as DNTs A Aliança contra as DNTs www.ncdalliance.org O PLANO DA ALIANÇA CONTRA AS DNTs para a CONFERÊNCIA DE ALTO NÍVEL DA CÚPULA DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS SOBRE DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS (Versão Resumida)

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde

Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Redes de Atenção à Saúde coordenadas pela APS: resposta aos desafios da crise global dos sistemas de saúde Renato Tasca, OPS/OMS Brasil Belo Horizonte, 18 de outubro de 2011 Cenário global de crise dos

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE agosto/2011 ano 3 nº 7 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial O controle da doença oncológica sofre influência dos diferentes níveis de atenção à saúde, começando

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

6A Aids e a tuberculose são as principais

6A Aids e a tuberculose são as principais objetivo 6. Combater Hiv/aids, malária e outras doenças O Estado da Amazônia: Indicadores A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010 causas de mortes por infecção no mundo. Em 2008, 33,4 milhões de pessoas

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Mônica Maria Henrique dos Santos 1, Eduardo Machado Cavalcanti 2. Recife, Brasil. Brasil. Justificativa:

Mônica Maria Henrique dos Santos 1, Eduardo Machado Cavalcanti 2. Recife, Brasil. Brasil. Justificativa: Estudo comparativo dos percentuais dos gastos com medicamentos na saúde indígena de Pernambuco frente aos gastos totais em saúde, com os indicadores do SIOPS, nos exercícios de 2002 a 2011. Mônica Maria

Leia mais

TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS

TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS Carolina Maciel Reis GONZAGA 1, Ruffo FREITAS-JR 1,2, Nilceana Maya Aires FREITAS 2, Edesio MARTINS 2, Rita DARDES

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

ÍNDICE - 31/01/2005 O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 câncer

ÍNDICE - 31/01/2005 O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 câncer ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 Intoxicação pode ter causado morte de casal...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 Teste ajuda detecção precoce de câncer de mama...3 Gazeta Mercantil...4

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU

AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS. Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU AUDIENCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Dr. Aguinaldo Nardi Presidente da SBU Senado Federal, 16 de maio de 2013 PNAISH - Primórdios. 1988 Criação do SUS Constituição Federal - Art.

Leia mais

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira

EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015. Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira EVENTO: 10ª EDIÇÃO DO CÂNCER DE MAMA GRAMADO RS. 2015 Deputada Federal Carmen Zanotto Enfermeira Constituição Federal 1988 Art.:196 A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Fórum. Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais

Fórum. Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais Fórum Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais Centro Infantil Boldrini Nov / 2013 José Alberto Vieira Saltini Importância do Terceiro Setor É inegável a crescente importância do Terceiro

Leia mais

Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil

Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil Vacina contra o HPV Prevenção contra câncer de colo do útero no SUS e inovação tecnológica para o Brasil Papilomavírus (HPV) O HPV é um vírus capaz de infectar a pele ou as mucosas e possui mais de 100

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Brasília- DF, 25 de abril de 2012 ObjeHvos de Desenvolvimento do Milênio - ODM Obje%vo

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

O desafio feminino do câncer

O desafio feminino do câncer Tumores de mama e colo de útero contam com a oportunidade de rastreamento e têm altas chances de sucesso no tratamento O desafio feminino do câncer O controle dos cânceres de mama e de colo do útero é

Leia mais

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na RELEMBRANDO... Perspectiva de RAS A RAS é definida como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER Distribuição das neoplasias em populações humanas Etiologia/Fatores de risco Prevenção/Detecção precoce Prognóstico Tratamento IMPORTÂNCIA DAS NEOPLASIAS

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul

ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul ANEXO I. Tabelas com indicadores de saúde para países da América do Sul. Tabela 1. Indicadores socio-econômicos de países da América do Sul Taxa de alfabetização 97,2 86,7 88,6 95,7 92,8 91,0 93,2 87,9

Leia mais

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Fortalecimento da Rede de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Conjunto de ações estratégicas

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Versão Final (Aprovada pelo Conselho Estadual de Saúde) Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

Ilmo Senhor. Vereador Cesar Paulo Mossini. M.D Presidente da Câmara de Vereadores

Ilmo Senhor. Vereador Cesar Paulo Mossini. M.D Presidente da Câmara de Vereadores Ilmo Senhor Vereador Cesar Paulo Mossini M.D Presidente da Câmara de Vereadores O Vereador Jose Carlos Patricio, integrante da bancada do Partido da Social Democracia Brasileira, com assento nesta casa,

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas.

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES Julianne Melo dos Santos 1, Auleliano Adonias dos Santos 1, Rosa Maria Nunes Galdino 2 Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. Introdução

Leia mais

Organização Mundial da Saúde

Organização Mundial da Saúde TRADUÇÃO LIVRE, ADAPTADA AO PORTUGUÊS PELA OPAS/OMS BRASIL. Organização Mundial da Saúde Uma Resposta Sustentável do Setor Saúde ao HIV Estratégia mundial do setor da saúde contra o HIV/aids para 2011-2015

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Declaração de Adelaide sobre Cuidados

Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Primários A adoção da Declaração de Alma Ata, há década atrás, foi o marco mais importante do movimento da "Saúde Para Todos

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais