As Novidades do JSF 2.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Novidades do JSF 2.0"

Transcrição

1 artigo As Novidades do JSF 2.0 Conheça a nova versão do JSF que traz inúmeras vantagens em relação ao seu antecessor. O JSF é hoje a principal ferramenta no mundoj para desenvolvimento Web, principalmente por fazer parte nativamente da plataforma Java EE. Porém essa tecnologia sempre teve a fama de ser trabalhosa, com muitas configurações em XML e não possuir recursos importantes como suporte à AJAX. A versão 2.0 traz melhorias significativas para o JSF, mais facilidades e recursos novos. Este artigo apresenta essas novidades para o programador JSF. QSJNFJSB WFSTÍP EP +BWB4FSWFS 'BDFT GPJ MBOÎBEB FN " ÞMUJNB WFSTÍP EB TÏSJF Y Ï B MBOÎBEB FN F RVF GB[ QBSUF da especificação do Java EE 5. Por ser uma tecnologia oficial na plataforma Java, o JSF logo alcançou grande sucesso. Além de ser parte do Java EE, seu modelo de desenvolvimento baseado em componentes atraiu bastante atenção por facilitar o desenvolvimento de aplicações complexas baseadas em muitas telas com formulários. A Mas o JSF também era bastante criticado por ter muitas configurações, muitos XMLs, pela falta de suporte a AJAX, pela complexidade de uso, entre outras deficiências. Alguns frameworks tentaram melhorar alguns pontos, sendo o mais famoso o JBoss Seam. Sérgio Lopes é desenvolvedor Java desde 2002 e bacharelando na Universidade de São Paulo. Possui as certificações SCJP e SCEA5 e é moderador do GUJ, palestrante em diversos eventos e instrutor e desenvolvedor na Caelum Ensino e Inovação. 46 $PN P MBOÎBNFOUP EB WFSTÍP EP +4' FN NFBEPT EF NVJUBT novidades foram incorporadas com objetivo de simplificar o desenvolvinfoup F BVNFOUBS B QSPEVUJWJEBEF EP QSPHSBNBEPS 0 +4' GB[ QBSUF EP recém-lançado Java EE 6 (vide artigo nesta edição) e, com isso, integra-se também a outros recursos da plataforma, como o CDI (também com artigo nesta edição). Neste artigo, direcionado a desenvolvedores JSF, veremos as principais OPWJEBEFT EB OPWB FTQFDJmDBÎÍP 1BSB UFTUBS UPEPT PT FYFNQMPT VTBmos a implementação de referência do JSF provida pela Sun (Mojarra) cujo link está disponibilizado nas referências do artigo.

2 Facilidade de configuração e novos escopos Até a versão anterior do JSF, para configurar o bean que seria gerenciado e manipulado pelo JSF, o Managed Bean, era necessário adicionar algu- package br.com.caelum.jsf2; import public class AgendaHandler { } gistrada como um managed bean do projeto. Nessa anotação pode ser especificado, opcionalmente, o atributo name, utilizado para definir um nome para o acesso do managed bean na Expression Language. Caso nenhum seja especificado, é assumido que o nome do managed bean é o nome da classe convertendo a primeira letra para minúscula. No - tionscoped. Se o managed bean não for anotado com nenhuma delas, o está entre os escopos de request e de sessão. É um escopo que sobrevive a vários requests que interajam com a mesma tela do JSF. Há também Com ele, é possível obter um escopo com duração até o request seguinte, útil para recuperar objetos logo depois de um evento ou um redirecionamento. Há ainda a possibilidade de se criar escopos personalizados com Mas tanto o Mojarra quanto o MyFaces implementam a ideia. É possível ao invés das do JSF. A vantagem é integrar seus managed beans do JSF a toda a infraestrutura do Java EE 6. Usaríamos então a do CDI javax.enterprise.context, por exemplo. E, por ser um Inject para injeção de dependências. Mas nem todas as anota- exemplo, não existe no CDI. Para saber mais sobre o CDI, consulte o artigo correspondente nesta mesma edição da Mundoj. Facelets como view padrão e composite components A primeira versão do JSF definiu que a view deveria ser declarada usando JSPs com taglibs especiais do JSF. Mas sempre houve muitas críticas ao uso do JSP como view do JSF. Era difícil integrar taglibs que não fossem de JSF, o ciclo de vida do processamento do JSF se confundia com o processamento do JSP, a performance não era adequada, as views eram pouco reaproveitáveis e JSPs nunca foram uma maneira muito adequada para se declarar uma árvore de componentes. Logo começaram a surgir tecnologias alternativas para views extensão para outros motores de visualização e transforma o Facelets na alternativa oficial, não exigindo nenhuma configuração extra para usá-lo. Mais que isso, o JSP, embora ainda suportado, passa a ser desencorajado e Facelets, agora, é a view padrão para JSF. Com Facelets, as views são escritas em XHTML e trazem muitos benefícios. O tempo de compilação é menor, a performance de renderização é melhor e, o mais importante, possui um mecanismo bastante robusto para se criar composições, templates e novos com um formulário e um campo de texto. <title>olá Mundo!</title> <h:body bgcolor= white > Nome: <h:inputtext/> Uma das maiores facilidades do Facelets é o uso de templates. É possível definir uma página com uma estrutura padrão e reaproveitável, e depois definir páginas específicas que preencham o template com informações próprias. A Listagem 3 mostra um exemplo de template e o uso dele em uma página específica, onde temos no template. xhtml o uso do <ui:insert> que vai ser trocado pelo valor definido no <ui:define> do agenda.xhtml. Outro recurso interessante do Facelets é a facilidade na criação de componentes reutilizáveis, os chamados trabalho descomunal, envolvendo implementações de várias classes e configurações, sendo uma tarefa de grande complexidade. Imagine uma listagem qualquer que precise ser reutilizada em vários pontos da aplicação, mas que precisa receber os objetos a serem listados em cada situação. Uma alternativa era criar um componente que recebia uma lista como argumento e renderizava a tabela para nós. Com Facelets, usamos as tags <composite:interface> e <composite:implementation> para definir o novo componente. Ele será definido dentro de um arquivo XHTML em uma pasta dentro de /resources com o nome do namespace que desejamos definir. Por exemplo, se quisermos uma tag <caelum:tabela>, criamos o arquivo tabela.xhtml na pasta /resources/caelum/. No ar- 47

3 quivo tabela.xhtml, usamos a tag <composite:interface> para definir o que os usuários do componente precisam saber (atributos, facets, eventos) e a <composite:implementation> para implementar o código do componente. A Listagem 4 apresenta um esboço do componente de tabela recebendo um argumento com a lista de objetos. A tabela. xhtml faz isso através da tag <composite:attribute> declarado dentro de <composite:interface>. A listausuarios.xhtml mostra um exemplo de uso do componente através da tag <caelum:tabela lista= >. Repare na declaração do namespace para o uso do componente criado. O uso de Facelets abre muitas possibilidades para o desenvolvedor JSF. Os exemplos deste artigo mostram as ideias principais, mas há ainda outros recursos, como tags para debug, utilização de tags html etc. Listagem 3. Uso de templates. template.xhtml <title> <ui:insert name= titulo >Titulo padrão</ui:insert> </title> <h:body bgcolor= white > <ui:insert name= corpo >Texto padrão</ui:insert> agenda.xhtml <ui:composition template= /template.xhtml > <ui:define name= titulo >Agenda</ui:define> <ui:define name= corpo > <h:form id= helloform > <h:panelgrid columns= 2 > Nome: <h:inputtext/> Telefone: <h:inputtext/> <h:commandbutton value= Cadastrar /> </h:panelgrid> </h:form> </ui:define> </ui:composition> Suporte a AJAX Qualquer aplicação Web moderna, em especial as que necessitam de muita interação com usuário, usa AJAX para a melhorar a responsividade da usar AJAX com JSF significava usar alguma biblioteca não padronizada com extensões proprietárias que possibilitavam o uso dessa tecnologia. Várias bibliotecas surgiram, como o Ajax4jsf, o IceFaces, entre outras. O grande problema era a falta de padronização, a incompatibilidade entre as soluções e a necessidade de instalação e configuração de uma biblioteca extra. A de uma forma bastante extensível e reaproveitável. A especificação começa Listagem 4. Uso de composite components. xmlns:h= xmlns:composite= > <title>não será apresentado ao renderizar o componente</title> <h:body> <composite:interface> <composite:attribute name= lista /> </composite:interface> <composite:implementation> <h:datatable items= #{cc.attrs.lista} var= obj > <h:column>... </h:column> </h:datatable> </composite:implementation> listausuarios.xhtml xmlns:h= xmlns:greet= > <title>lista de usuários</title> <h:body> <caelum:tabela lista= #{meumanagedbean.usuarios} /> definindo uma biblioteca JavaScript, cuja referência está no final do artigo, acessível nas páginas e que integra todas as chamadas do cliente ao ciclo de vida do JSF. É possível escrever as chamadas direto em código JavaScript ou, para facilitar, usar a tag <f:ajax> que monta a invocação certa para nós. A Listagem 5 mostra as duas possibilidades de se invocar um método via AJAX quando o usuário clicar no <h:commandbutton>. Neste exemplo, invocamos um método salvar no botão e renderizamos novamente uma parte da tela com o componente cujo id é igual a tabela. <!-- Tabela que queremos renderizar ao clicar no botão --> <h:datatable id= tabela...>... </h:datatable> <!-- Usando a API JavaScript diretamente --> <h:commandbutton id= meubotao value= Salvar actionlistener= #{meumanagedbean.salvar} onclick= jsf.ajax.request(this,event, {execute: meubotao, render: tabela }); /> <!-- Usando a tag de ajax --> <h:commandbutton actionlistener= #{meumanagedbean.salvar} > <f:ajax render= tabela /> </h:commandbutton> 48

4 Navegação implícita e condicional Nos esforços de diminuir a quantidade de configuração necessária, o JSF gurações de navegação necessárias na versão anterior. Ao executar uma action, se nenhuma regra de navegação bater com o outcome devolvido, o JSF buscará uma página com o nome daquele outcome. Por exemplo, se o botão devolver o outcome "inicial" (como na Listagem 6) e nenhuma regra de validação existir, o JSF procurará uma página inicial.xhtml. Se ela existir, a navegação será feita implicitamente, sem necessidade de configuração Listagem 6. Navegação implícita. <!-- Botão que redireciona para inicial.xhtml --> <h:commandbutton value= Voltar action= inicial /> adicionar condições com a tag <if> na configuração. Ao configurar uma <navigation-rule> no XML, é possível apontar um resultado booleano que indica se aquela regra deve ser executada ou não. Na Listagem 7, temos um exemplo do uso da tag invocando um método de um managed bean que retorna boolean. Listagem 7. Navegação condicional. <navigation-rule> <from-view-id>/pagina1.xhtml</from-view-id> <navigation-case> <from-outcome>acao</from-outcome> <to-view-id>/pagina2.xhtml</to-view-id> <if>#{meumanagedbean.devonavegar}</if> </navigation-case> </navigation-rule> Validação e Bean Validation ção de dados na plataforma Java. É baseada nas ideias do Hibernate Validator (hoje sua implementação de referência) e outros frameworks de validação. Com a Bean Validation é possível usar anotações diretamente nas classes de modelo indicando a validação que deve ser feita para cada atributo. Há a extensão das anotações de validação pela própria aplicação. Basta anotar as classes de modelo e o container cuida da validação. A grande vantagem da Bean Validation é ela ser integrada à plataforma Java implementação da Bean Validation, basta anotar as classes de modelo e tudo será automaticamente validado na fase de validação do JSF, inclusive com a exibição das mensagens de erro nos componentes apropriados. <f:validaterequired/> para campos obrigatórios e <f:validateregexp /> para validações com expressões regulares. Suporte a GET Uma crítica constante ao JSF é seu fraco suporte a GET e sua característica de post back que trata os requests quase sempre como POST. Não suportar adequadamente o uso de GET cria dificuldades no uso de bookmarks para páginas da aplicação e prejudica quando é necessário SEO (Search Engine Optimization). view parameters que permitem receber parâmetros pela URL do GET e mapeá-los para propriedades de managed beans, como mostra a Listagem 8. Além disso, há todo um ciclo de vida associado a requests GET que permite fazer praticamente tudo que se fazia via POST. Listagem 8. View parameters. <!-- Recebo?parametro=bla e seto a propriedade no bean --> <f:metadata> <f:viewparam name= parametro value= #{meubean.propriedade} /> </f:metadata> ponentes de navegação além dos conhecidos <h:commandbutton> e <h:commandlink> que usam POST. Os novos componentes são o <h:button> e o <h:link> que usufruem de toda a infraestrutura de chamado de navegação preemptiva, o outcome desses componentes é resolvido durante a renderização da página. Isso faz com que o HTML gerado possua o link final correto direto para a página linkada sem que o desenvolvedor precise escrever o link explicitamente, mas possa usar os mecanismos de navegação do JSF. vegação e passando um parâmetro. A URL será gerada direto no HTML e o request será feito via GET, permitindo ao usuário adicioná-la em seus bookmarks. <h:link outcome= visualiza > <f:param name= tag value= #{meubean.tag} /> </h:link> Outras novidades a criação do conceito de project stages. É possível indicar para a implementação do JSF o momento em que estamos no uso da aplicação e ela pode ter comportamentos diferentes. Por exemplo, é possível indicar que estamos em Development e a implementação exibir mais detalhes nos erros. Ou indicar que estamos em Production e a implementação compactar todo o código HTML e JavaScript para melhorar performance (o Mojarra hoje já faz isso). E, além dessas, temos as opções SystemTest e UnitTest e a escolha do stage pode ser feita através do context-param javax.faces. PROJECT_STAGE. Houve também mudança na hora de salvar o estado dos componentes 49

5 "SUJHP t $%* o "T /PWJEBEFT EP +4' QBSB VTBS NFOPT FTQBÎP "OUFT UPEB B ÈSWPSF FSB TBMWB F TFSJBMJ[BEB BHPSB todo componente tem um estado padrão associado e apenas as diferenças do estado em relação a esse padrão são salvas, diminuindo o tamanho do view state, algo excelente para a escalabilidade das aplicações JSF. Outra adição foi o suporte a SystemEvents aos tipos de eventos suportados, além dos já existentes PhaseEvents e FacesEvents. Os SystemEvents permitem observar a ocorrência de outros tipos de eventos antes não detectáveis pela API do JSF. É possível, por exemplo, observar eventos internos que um componente JSF deseje expor e, através da tag <f:event>, registrar um listener para eventos específicos. E o mecanismo extensível permite até que o desenvolvedor crie seus próprios eventos que podem ser observados de outros pontos da aplicação. Além dessas, muitas outras novas funcionalidades foram adicionadas, tendo como alvo desenvolvedores de componentes e extensibilidade de pontos mais internos do JSF. Referências t &TQFDJmDBÎÍP +4' IUUQ KDQ PSH FO KTS EFUBJM JE t *NQMFNFOUBÎÍP EF SFGFSÐODJB EP +4' https://javaserverfaces.dev.java.net t &TQFDJmDBÎÍP +BWB4DSJQU EP "KBY OP +4' https://javaserverfaces.dev.java.net/nonav/docs/2.0/jsdocs/ t 3FTVNP EBT OPWJEBEFT EP +4' QPS "OEZ 4DIXBSU[ t &TQFDJmDBÎÍP #FBO 7BMJEBUJPO IUUQ KDQ PSH FO KTS EFUBJM JE t.bjt TPCSF #FBO 7BMJEBUJPO 50 Considerações finais 0 +4' KÈ FTUÈ IPKF NBEVSP P TVmDJFOUF QBSB TFS VTBEP FN QSPEVÎÍP BUSBWÏT EP.PKBSSB B JNQMFNFOUBÎÍP EP.Z'BDFT UFWF TVB WFSTÍP CFUB MBOÎBEB FN GFWFSFJSP EF NBT PVUSBT CJCMJPUFDBT EF DPNQPOFOUFT FYJTUFOUFT BJOEB FTUÍP TFOEP BEBQUBEBT QBSB P +4' 0 +#PTT 3JDI'BDFT BJOEB FN EFTFOWPMWJNFOUP TFSÈ UPEP CBTFBEP FN +4' B WFSTÍP BUVBM FTUÈ FN CFUB F BQFOBT DPN BEBQUBÎÜFT QBSB SPEBS DPN +4' 0 *DF'BDFT DPN TVQPSUF BP OPWP +4' FTUÈ FN "MQIB F MPHP EFWFSÈ TFS lançado. Essa é a mesma situação do MyFaces Trinidad. " OPWB FTQFDJmDBÎÍP EP +4' Ï VN JNQPSUBOUF QBTTP QBSB B FWPMVÎÍP dessa tecnologia. Foram adicionados importantes novos recursos e muita coisa foi simplificada. É uma versão focada em uma maior produtividade e facilidade de integração com outras tecnologias. Junto com o lançamento do Java EE 6 (coberto nesta edição da Mundoj) promete HSBOEFT NFMIPSJBT QBSB P EFTFOWPMWJNFOUP 8FC FN +BWB t

Experiência em missão crítica de missão crítica

Experiência em missão crítica de missão crítica 2 / 49 Experiência em missão crítica de missão crítica Pioneira no ensino de Linux à distância Parceira de treinamento IBM Primeira com LPI no Brasil + de 30.000 alunos satisfeitos Reconhecimento internacional

Leia mais

MÓDULO Programação para Web 2

MÓDULO Programação para Web 2 MÓDULO Programação para Web 2 USANDO O JSF Continuação Interdependência e Injeção Instâncias de Managed Beans podem conversar entre si para dividir o processamento das requisições dos usuários de acordo

Leia mais

Minha primeira aplicação utilizando Java Server Faces + Glassfish

Minha primeira aplicação utilizando Java Server Faces + Glassfish Minha primeira aplicação utilizando Java Server Faces + Glassfish Este tutorial apresenta de forma simples, como iniciar no desenvolvimento com o framework Java Server faces 1.2, utilizando-se o servidor

Leia mais

Java Server Faces 2.0 Rich Faces 4.0

Java Server Faces 2.0 Rich Faces 4.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI Java Server Faces 2.0 Rich Faces 4.0 Quais as novidades e alterações nas novas versões das tecnologias? Pablo Bruno de Moura Nóbrega Analista de Sistemas pablo.nobrega@uece.br

Leia mais

JSF2 e AJAX. Desenvolvimento Web com. Construa aplicações Web mais interativas e elegantes

JSF2 e AJAX. Desenvolvimento Web com. Construa aplicações Web mais interativas e elegantes Desenvolvimento Web com JSF2 e AJAX Construa aplicações Web mais interativas e elegantes Wagner Borges (wagner@quebrandoparadigmas.com): é formado em Sistemas de Informação pela FACID e especializado em

Leia mais

Anotações e Navegação no JSF 2.0

Anotações e Navegação no JSF 2.0 1/16 Anotações e Navegação no JSF 2.0 Simplifique a navegação e a configuração XML com o JSF 2.0 Aprenda a utilizar anotações e navegações implícita e condicional em suas aplicações JSF 2.0 MARCEL TOKARSKI

Leia mais

JavaServer Faces (JSF) Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br)

JavaServer Faces (JSF) Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) JavaServer Faces (JSF) Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Especificação/IDE/Implementação Esse curso foi preparado em 03/2015 usando a seguinte especificação, IDE e implementação Especificação JavaServer

Leia mais

Introdução. Templates. Configurações. Componentes. Prof. Enzo Seraphim

Introdução. <facelets> Templates. Configurações. Componentes. Prof. Enzo Seraphim Introdução Templates Configurações Componentes Prof. Enzo Seraphim Definição Linguagem de descrição de páginas (PDL Page Description Language) criada para JSF. Estabelece templates que suportam

Leia mais

MÓDULO Programação para Web 2

MÓDULO Programação para Web 2 MÓDULO Programação para Web 2 Sistemas Web na JEE OBJETIVO DO MÓDULO Arquitetura Web em aplicações JEE Conceitos iniciais Desenvolvimento Web Aplicações web tornam-se mais e mais importantes Mais e mais

Leia mais

Melhorando o desempenho de aplicações em JSF

Melhorando o desempenho de aplicações em JSF capa_ Melhorando o desempenho de aplicações em JSF Aumente a escalabilidade através de configurações e refatorações efetivas Adriano Castro adrianocastro189@gmail.com é formado em Ciência da Computação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

JSF Facelets. Como Facelets muda a forma de desenvolver com JSF

JSF Facelets. Como Facelets muda a forma de desenvolver com JSF JSF Facelets Como Facelets muda a forma de desenvolver com JSF Agenda JSF 1.x JSF e JSP Facelets JSF 2.0 JSF Framework MVC Eventos (Observadores) Manter o estado da View Uma árvore de componete JSF JSF

Leia mais

Facelets. Prof. Fernando Freitas Costa Especialista em Gestão e Docência Universitária nando@fimes.edu.br

Facelets. Prof. Fernando Freitas Costa Especialista em Gestão e Docência Universitária nando@fimes.edu.br Facelets Prof. Fernando Freitas Costa Especialista em Gestão e Docência Universitária nando@fimes.edu.br Facelets Foi desenvolvido originalmente como uma alternativa para o manipulador de visão baseado

Leia mais

Java EE 6. A revolução do. Um overview sobre as novidades da JSR 316. a r t i g o

Java EE 6. A revolução do. Um overview sobre as novidades da JSR 316. a r t i g o a r t i g o Pedro Henrique S. Mariano (pedro.mariano@caelum.com.br) técnologo em Análise e Desenvolvimento de Sofware pela FIAP, possui as certificações SCJP 6 e SCRUM master.trabalha como consultor e

Leia mais

JSF e PrimeFaces. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul

JSF e PrimeFaces. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul JSF e PrimeFaces Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL 2015 Agenda Introdução Desenvolvimento Web Java Server Faces Exercício 2 Introdução Ao longo dos anos diversas linguagens de programação foram

Leia mais

Frameworks RIA para JSF lado a lado

Frameworks RIA para JSF lado a lado Maykon Junior Vaz (maykonjv@gmail.com): é graduando em Bacharelado em Sistemas de Informação na Universidade do Estado de Minas Gerais Frutal, onde desenvolveu diversos projetos Web utilizando tecnologia

Leia mais

DWR DIRECTED WEB REMOTING

DWR DIRECTED WEB REMOTING DWR DIRECTED WEB REMOTING Vamos ver nesse artigo um pouco sobre o Frameworks Ajax para Java, o DWR. Vamos ver seus conceitos, utilidades, vantagens, algumas práticas e fazer o passo a passo para baixar,

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Além do JSF: Matriz de Campos com Recursos e Práticas Incomuns

Além do JSF: Matriz de Campos com Recursos e Práticas Incomuns Décio Heinzelmann Luckow (decioluckow@gmail.com): é bacharel em Sistemas de Informação pela Univille e pósgraduando em Gestão de Projetos pela Sustentare Escola de Negócios. Já trabalhou com as linguagens

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Artigo JavaMagazine (edição 58)

Artigo JavaMagazine (edição 58) 1 / JBoss Seam Simplicidade e produtividade no desenvolvimento de aplicações Web Aprenda a desenvolver aplicações Web utilizando a integração perfeita entre JSF e EJB 3 FÁBIO AUGUSTO FALAVINHA O JBoss

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

Manual de Integração Via Gadget. Passo a passo para realizar a integração entre websites e a plataforma Virtual Target.

Manual de Integração Via Gadget. Passo a passo para realizar a integração entre websites e a plataforma Virtual Target. Manual de Integração Via Gadget Passo a passo para realizar a integração entre websites e a plataforma Virtual Target. Manual de Integração Via Gadget 1. Introdução 1.1. O que é? Virtual Target Gadgets

Leia mais

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OpenCart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 vqmod 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

Tutorial para criação de componentes JSF Facelets Por Érico GR 07/08/2007

Tutorial para criação de componentes JSF Facelets Por Érico GR 07/08/2007 Tutorial para criação de componentes JSF Facelets Por Érico GR 07/08/2007 Nível: Intermediário Este tutorial tem como objetivo criar um simples componente que renderiza uma tag label utilizando recursos

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

mhtml:file://d:\utfpr\2009-2\especialização Java\Materiais de Aula\02 - JSF\Estud...

mhtml:file://d:\utfpr\2009-2\especialização Java\Materiais de Aula\02 - JSF\Estud... Página 1 de 7 Precisa de um freelancer, códigosfonte e exemplos Dicas & Truques completos? Contrate Nossa Consultoria Downloads Quem Somos Artigos & Tutoriais Bem-vindo(a) ao meu site. Além de realizar

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

AJAX Reverso. Comet com DWR. baseado em

AJAX Reverso. Comet com DWR. baseado em AJAX Reverso baseado em Comet com DWR Aprenda a trabalhar com o AJAX Reverso, técnica ainda pouco explorada que proporciona aos sistemas Web a funcionalidade de atualizar os clientes conforme o servidor

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Agenda Apresentação Contexto do mercado Soluções para Java 5+ Soluções para Java 2 Conclusões Apresentação Saulo Arruda (http://sauloarruda.eti.br) Trabalha com

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Java Server Faces 2.0 Breve introdução prá0ca

Java Server Faces 2.0 Breve introdução prá0ca 16/02/2012 Java Server Faces 2.0 Breve introdução prá0ca Helder da Rocha helder@argonavis.com.br Obje0vos deste tutorial Introdução ao JSF 2 O que é, quando usar, como usar, para que serve, benegcios,

Leia mais

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OpenCart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OpenCart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 vqmod 4 4.2 Instalação e ativação do

Leia mais

na prática Prototipagem de interfaces Otimizando a identificação e especificação de requisitos

na prática Prototipagem de interfaces Otimizando a identificação e especificação de requisitos : : www.mundoj.com.br : : Prototipagem de interfaces na prática Otimizando a identificação e especificação de requisitos Bruno Leite Alves (brunoleitealves @gmail.com /Twitter @brunoleitealves): é bacharel

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Anatomia do JSF JavaServer Faces. Rafael Ponte rponte@gmail.com

Anatomia do JSF JavaServer Faces. Rafael Ponte rponte@gmail.com Anatomia do JSF JavaServer Faces Rafael Ponte rponte@gmail.com http://www.rponte.com.br Agenda Quem sou eu? Desenvolvimento de Aplicações Web O que é JavaServer Faces? Por que usar JSF? Overview da tecnologia

Leia mais

Servlets & JSP x JavaServer Faces 2.1: Comparação do desenvolvimento de aplicações web baseado no modelo MVC

Servlets & JSP x JavaServer Faces 2.1: Comparação do desenvolvimento de aplicações web baseado no modelo MVC ISSN 2316-2872 T.I.S. São Carlos, v. 4, n. 1, p. 41-50, jan-abr 2015 Tecnologias, Infraestrutura e Software Servlets & JSP x JavaServer Faces 2.1: Comparação do desenvolvimento de aplicações web baseado

Leia mais

Experiência em missão crítica de missão crítica

Experiência em missão crítica de missão crítica 2 / 17 Experiência em missão crítica de missão crítica Pioneira no ensino de Linux à distância Parceira de treinamento IBM Primeira com LPI no Brasil + de 30.000 alunos satisfeitos Reconhecimento internacional

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Trabalho Final

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Trabalho Final UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Disciplina: Desenvolvimento de Software para Web Turma: ETI 2008 Prof.: Dr. José Maria Monteiro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Prestashop v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Orientada a serviços: JAX-WS SOAP API

Orientada a serviços: JAX-WS SOAP API Orientadaa apresentação: uma aplicação webde apresentação orientada gera páginas webinterativascom vários tipos de linguagem de marcação (HTML, XML, e assim por diante) e conteúdo dinâmico em resposta

Leia mais

Programação Web. Professor: Diego Oliveira. Conteúdo 02: JSP e Servlets

Programação Web. Professor: Diego Oliveira. Conteúdo 02: JSP e Servlets Programação Web Professor: Diego Oliveira Conteúdo 02: JSP e Servlets JSP JSP é um template de uma página Web que usa Java para gerar HTML dinamicamente JSP é considerado server-side e roda em um objeto

Leia mais

Parte I. Demoiselle Vaadin

Parte I. Demoiselle Vaadin Parte I. Demoiselle Vaadin O Vaadin é um framework para construção de interfaces web que aplica ideias inovadoras. Apesar de usar o GWT como mecanismo para a exibição de seus componentes, eles tem características

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Auditoria Avançada de Persistência com Hibernate, JPA e Envers

Auditoria Avançada de Persistência com Hibernate, JPA e Envers a r t i g o José Yoshiriro Ajisaka Ramos (jyoshiriro@gmail.com): bacharel em Sistema de Informação (IESAM). Mestrando em Ciência da Computação (UFPA). Instrutor na Equilibrium Web e na UAB. Engenheiro

Leia mais

Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces. Gustavo Lira Consultor 4Linux gustavo@4linux.com.br

Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces. Gustavo Lira Consultor 4Linux gustavo@4linux.com.br Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces Gustavo Lira Consultor 4Linux gustavo@4linux.com.br Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces O que será apresentado é uma continuação

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Novo projeto com NetBeans A partir de hoje, vamos trabalhar com projetos no NetBeans

Leia mais

NOME DA APRESENTAÇÃO

NOME DA APRESENTAÇÃO 25 DE MAIO @MICROSOFT Novidades de Java EE 7 Ernest Duarte NOME DA APRESENTAÇÃO Nome (Nick no Fórum) About me! Nickname na Comunidade Ernest Duarte Profissão Instrutor em Ciências e Tecnologias Numéricas

Leia mais

JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários)

JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários) Linguagem de Programação para Web JavaScript (Funções, Eventos e Manipulação de Formulários) Prof. Mauro Lopes 1-31 23 Objetivos Iremos avançar um pouco mais em nosso estudo sobre o JavaScript. Iremos

Leia mais

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com

Java II. Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Java II Sérgio Luiz Ruivace Cerqueira sergioruivace@gmail.com Por quê JSP? Com Servlets é fácil Ler dados de um formulário Recuperar dados de uma requisição Gerar informação de resposta Fazer gerenciamento

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

Projetos do MyFaces 1/12

Projetos do MyFaces 1/12 1/12 JSF com MyFaces e Tomahawk Aprenda a utilizar os recursos do MyFaces FRANCISCO CALAÇA XAVIER Uma das implementações do JavaServer Faces mais utilizada atualmente é o MyFaces, um projeto da Apache

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Versão 1.0 TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Data: 01/12/2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É SPRING SECURITY?...

Leia mais

Introdução a JavaServer Pages. Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Desenvolvimento de sistemas web

Introdução a JavaServer Pages. Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Desenvolvimento de sistemas web Introdução a JavaServer Pages Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Desenvolvimento de sistemas web JavaServer Pages Problemas com Servlets: É improdutivo para gerar todo o conteúdo

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Marcos Trentin - paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Formulários e JavaScript Como visto anteriormente, JavaScript pode ser usada para

Leia mais

Desenvolva rapidamente utilizando o frame work CakePHP. Elton Luí s Minetto

Desenvolva rapidamente utilizando o frame work CakePHP. Elton Luí s Minetto Desenvolva rapidamente utilizando o frame work CakePHP Elton Luí s Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado por algumas tecnologias: Servidor

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá3ca 3. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá3ca 3 Prof. Markus Endler Exercício 3.1 Solicitando permissão para abrir uma página Web ü Criaremos uma Ac.vity com um EditText (para entrada de uma URL), um Bu?on e uma

Leia mais

CDI. Injeção de Dependência e Gerenciamento de Contextos no Java EE 6

CDI. Injeção de Dependência e Gerenciamento de Contextos no Java EE 6 artigo CDI Injeção de Dependência e Gerenciamento de Contextos no Java EE 6 Alessandro Lazarotti (alazarot@redhat.com) Instrutor e consultor na divisão JBoss da Red Hat Brasil. Trabalha com Java Corporativo

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Manual de Utilização da Biblioteca VisPublica

Manual de Utilização da Biblioteca VisPublica Manual de Utilização da Biblioteca VisPublica Autores: Melise Paula Fernanda Ribeiro Aldeíde Brasil Tulio Moraes Bárbara Pimenta Guilherme Ferreira Versão: 2.1.4 Manual de Utilização da Biblioteca VisPublica

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Centro Universitário de Formiga UNIFOR-MG Ciência da Computação Disciplina: Professor: Alunos: Hibernate V alidator Formiga, Outubro 2011.

Centro Universitário de Formiga UNIFOR-MG Ciência da Computação Disciplina: Professor: Alunos: Hibernate V alidator Formiga, Outubro 2011. Centro Universitário de Formiga UNIFOR-MG Ciência da Computação 8º período Disciplina: Laboratório de Programação IV Professor: Michel Pires Silva Alunos: Valter Ribeiro Lima Júnior Hibernate Validator

Leia mais

Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo

Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo Novatec Copyright 2010 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX?

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX? Nível - Avançado AJAX no GASweb Por: Pablo Hadler AJAX (Asynchronous Javascript and XML) foi criado com o princípio de ser uma maneira rápida e otimizada de podermos fazer requisições Web, sendo esta totalmente

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Java Beans e Servlets

Java Beans e Servlets 6 Java Beans e Servlets Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Apresentar os recursos de orientação à objetos Java em JSP e integrá-los a tecnologia

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Programação Web Aula 12 - Java Web Software

Programação Web Aula 12 - Java Web Software Programação Web Aula 12 - Java Web Software Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Maio de 2015 1 Java 2 Java Web Software 3 Servlets Modelo de Trabalho Funcionamento API Java Código

Leia mais

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil 2012, Casa do Código Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº9.610, de 10/02/1998. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, nem transmitida, sem autorização prévia por escrito da

Leia mais

Construindo portais com Plone. Módulo 3 Templates

Construindo portais com Plone. Módulo 3 Templates Construindo portais com Plone Módulo 3 Templates Templates l Quando o Plone vai mostrar uma página, duas perguntas precisam ser respondidas: Ø O que será mostrado? Isto é, quais conteúdos serão buscados

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede Prestashop v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede Prestashop v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

Figura C13.1. Diagrama de Casos de Uso para UC004 Registrar Proventos e Descontos!.

Figura C13.1. Diagrama de Casos de Uso para UC004 Registrar Proventos e Descontos!. A6Implementando o Padrão "Manter Coleção" Capítulo 13 Implementação o Caso de Uso UC004 Registrar Proventos e Descontos! - Analisando a Especificação Analisando o estereótipo do Caso de Uso da especificação

Leia mais

Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces. Gustavo Lira Consultor 4Linux gustavo@4linux.com.br

Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces. Gustavo Lira Consultor 4Linux gustavo@4linux.com.br Desenvolvendo Portlets utilizando JSF, Ajax, Richfaces Gustavo Lira Consultor 4Linux gustavo@4linux.com.br Especificação para os Portlets Os padrões para Portlets Java EE são definidos por duas JSRs: 168,

Leia mais

Desenvolvendo aplicações desktop em Java: presente e futuro

Desenvolvendo aplicações desktop em Java: presente e futuro Desenvolvendo aplicações desktop em Java: presente e futuro Michael Nascimento Santos Conexão Java 2006 Michael Nascimento Santos 7 anos de experiência com Java Expert nas JSRs 207, 250, 270 (Java 6),

Leia mais

NGIN Mobile Portal Gestão Usuário

NGIN Mobile Portal Gestão Usuário Relatório de Concepção P T Inovação NGIN Mobile Portal Gestão Usuário Nome do Ficheiro: Document1 Histórico de versões do Relatório de Concepção Versão Datas Responsabilidades Justificação Edição: Katia

Leia mais

Acessando um Banco de Dados

Acessando um Banco de Dados Acessando um Banco de Dados Introdução Agora que você já está craque em JSP e já instalou seu servidor, vamos direto para a parte prática! Neste tutorial vamos aprender a acessar um banco de dados. Para

Leia mais

FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB PARA ENVIAR, ARMAZENAR E RECEBER DOCUMENTOS OFICIAIS

FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB PARA ENVIAR, ARMAZENAR E RECEBER DOCUMENTOS OFICIAIS FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB PARA ENVIAR, ARMAZENAR E RECEBER DOCUMENTOS OFICIAIS Fernando Ferreira Matos BALSAS MA 2013 1 FACULDADE DE BALSAS CURSO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Alessandro Aparecido André Alexandre Bruno Santiago Thiago Castilho

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

DWJSF. Desenvolvimento Web com JavaServer Faces. www.algaworks.com

DWJSF. Desenvolvimento Web com JavaServer Faces. www.algaworks.com DWJSF Desenvolvimento Web com JavaServer Faces www.algaworks.com Conheça mais sobre nossos cursos Java e Scrum ALGAWORKS SOFTWARES E TREINAMENTOS DWJSF Desenvolvimento Web com JavaServer Faces 40 Horas/Aula

Leia mais

Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1

Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1 Capítulo 1 - Java EE 6 por alto - 1 Um pouquinho de história - 2 Padrões - 4 Arquitetura - 4 Componentes - 5 Contentores - 6 Serviços - 7 Protocolos de rede - 9 Empacotamento - 9 Java Standard Edition

Leia mais