Análise Espacial do Perfil dos Alunos do IFPI Campus Floriano usando Técnicas de Mineração de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Espacial do Perfil dos Alunos do IFPI Campus Floriano usando Técnicas de Mineração de Dados"

Transcrição

1 Análise Espacial do Perfil dos Alunos do IFPI Campus Floriano usando Técnicas de Mineração de Dados Thiago Reis da Silva 1, Diego Grosmann 1, Artur Luiz T de Oliveira 1, Angélica Félix de Castro 1, Marcelino Pereira dos Santos Silva 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação MCC Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN/ Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA BR 110 Km 46 Bairro Costa e Silva Campus Central Mossoró RN, Brasil {trsilva.si, Abstract: The economy of Piauí is characterized by its fragility, as evidenced by the behavior of some of its indicators. The IFPI - the Federal Institute of Piauí assume social responsibilities in the face of dire need to develop knowledge and technologies for exploitation and value adding. In this context the present article is a study on the profile of students in the IFPI - Campus Floriano. For this we used data mining techniques and geographic information systems. Resumo: A economia do Piauí caracteriza-se por sua fragilidade, evidenciada pelo comportamento de alguns de seus indicadores. O IFPI - Instituto Federal do Piauí assume responsabilidades sociais diante da extrema necessidade de desenvolver conhecimentos e tecnologias de aproveitamento e agregação de valores. Nesse contexto o presente artigo faz um estudo sobre o perfil dos estudantes do IFPI - Campus Floriano. Para isso foram utilizadas técnicas de mineração de dados e sistemas de informação geográficos. 1. Introdução Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são instituições que produzem, disseminam e aplicam o conhecimento tecnológico e acadêmico para formação da cidadania, por meio do Ensino, da Pesquisa e da Extensão, contribuindo para o progresso socioeconômico local, regional e nacional. A implantação dos campi, no interior do Estado, atende a meta do Programa de Expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica e à própria natureza dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, no que diz respeito à descentralização de qualificação profissional, levando em conta as necessidades socioeconômicas de cada região. Com isso, pretendese evitar o êxodo de jovens estudantes para a capital. O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI) é uma instituição com atuação no Estado do Piauí, detentora de autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar. É instituição pública de Educação Superior, Básica e Profissional, pluricurricular e multicampi, está presente em dez municípios do estado, especializada na oferta de Educação Profissional e

2 Tecnológica, em diferentes modalidades de ensino, conjugando os conhecimentos humanos, técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas, nos termos da Lei (PDI, 2009). Nesse contexto, o IFPI assume responsabilidades sociais, diante da extrema necessidade de desenvolver conhecimentos e tecnologias de aproveitamento e agregação de valores, de nível tecnológico, de produtos e subprodutos, oriundos das vocações do estado, a exemplo da carnaúba, do caju, da castanha do caju e do mel, dentre outros (PDI, 2009). Assim, o presente trabalho faz uma avaliação da base de dados do controle acadêmico do IFPI Campus Floriano a fim de identificar o padrão dos estudantes da instituição. Neste contexto, este artigo encontra-se organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta uma revisão de literatura, abordando em subseções os Sistemas de Informação Geográficos, Descoberta do Conhecimento em Banco de Dados, Técnicas de Mineração e Mineração de Dados Geográficos. É apresentada na seção 3 a Metodologia utilizada. A seção 4 apresenta os Resultados e as Conclusões Finais e Trabalhos Futuros são apresentados na seção Revisão de Literatura A seguir apresentamos uma revisão de literatura sobre os conceitos e técnicas utilizados para o desenvolvimento deste trabalho Sistema de Informação Geográfico O Sistema de Informação Geográfico (SIG) é um tipo especial de sistema de informações. Por definição pode-se dizer que um SIG é um sistema de informação baseado em computador que permite capturar, modelar, manipular, recuperar, consultar, analisar e apresentar dados geograficamente referenciados (CÂMARA; CASANOVA, 1995). A tecnologia de SIG pode trazer enormes benefícios devido à sua capacidade de manipular a informação espacial de forma precisa, rápida e sofisticada (WRIGHT, 1997). Um SIG integra dados espaciais com outros tipos de dados em único sistema. Isso permite combinar dados de diferentes fontes e tipos, provenientes de muitos bancos de dados. O processo de converter mapas e outros tipos de informações espaciais numa forma digital via SIG, torna possíveis métodos novos e inovadores para a manipulação e exibição de dados geográficos (BRETRNITZ, 2010) Descoberta do Conhecimento em Banco de Dados A Descoberta do Conhecimento em Banco de Dados, do inglês, Knowledge Discovery in Databases (KDD) é o processo, não trivial, de extração de informações implícitas, previamente desconhecidas e potencialmente úteis, a partir dos dados armazenados em um banco de dados (FAYYAD et al, 1996). O termo não trivial torna clara a existência de alguma técnica de busca ou inferência. Previamente desconhecidas indica que a informação deve ser nova para o sistema e de preferência também para o usuário. E, por último, potencialmente úteis, deixa claro que esta informação deve trazer consigo algum benefício, em outras palavras, deverá possibilitar ao usuário algum ganho.

3 O processo de KDD contém uma série de passos, tais como: Seleção, Préprocessamento e Limpeza, Transformação, Mineração de Dados (datamining) e Interpretação/Avaliação (MILLER; HAN, 2001). Como se pode ver, o processo compreende, na verdade, todo o ciclo que o dado percorre até virar conhecimento ou informação. O processo em si possui duas características relevantes: é interativo e iterativo. Interativo, pois o usuário pode intervir e controlar o curso das atividades. Iterativo, por ser uma sequência finita de operações onde o resultado de cada uma é dependente dos resultados das que a precedem. Dentre estas, a mineração de dados se destaca bastante, pois é a fase responsável pela transformação de dados em informações. A mineração de dados está relacionada com a descoberta de novos fatos, regularidades, restrições, padrões e relacionamentos e não apenas consultas complexas e elaboradas com a finalidade de confirmar uma hipótese em função dos relacionamentos existentes. A mineração de dados, portanto, é uma descoberta eficiente de informações válidas e não óbvias de uma grande coleção de dados (OLIVEIRA et al, 2011) Técnicas de Mineração Segundo Prass (2004), as técnicas de mineração consistem na especificação de métodos que nos garantam descobrir os padrões que nos interessam. Para cada técnica utilizada, uma série de algoritmos estão disponíveis na literatura. Nas subseções a seguir são descritas as técnicas utilizadas neste trabalho Classificação e Predição Segundo Amo (2004), classificação é o processo de buscar modelos (funções) que descrevem e distinguem classes ou conceitos, com o propósito de utilizar os modelos para predizer ou explicar o contexto. Geralmente, o modelo baseia-se em dados de amostragem ou de treinamento. No caso da predição, o objetivo é inferir valores no conjunto de dados Associação As regras de associação consistem em padrões do tipo A B, onde A e B são conjuntos de valores antecedentes e consequentes. Consideremos um exemplo de supermercado. O padrão Cliente que compra pão também compra leite representa um padrão de comportamento dos clientes do supermercado. Essa organização pode ser válida na organização dos produtos na prateleira visando o aumento das vendas. 3. Metodologia Para o desenvolvimento desta pesquisa foi utilizada a base de dados de matricula do IFPI Campus Floriano, que contem dados dos estudantes matriculados entre o ano de 1998 e o ano de 2010, totalizando 4348 registros. Para a extração do conhecimento foram seguidos os passos do KDD: Seleção dos dados, Pré-Processamento, Transformação, Mineração de Dados, e interpretação/avaliação. Os softwares utilizados para o desenvolvimento deste trabalho foram: o banco de dados MySql Server v5.0 e sua Interface Gráfica do Usuário v1.2, o software de Mineração de Dados Weka v3.7.4 e o SIG TerraView v5.1. Os software MySql, TerraView e o Weka GNU possui licença GNU/GPL (General Public License).

4 3.1 Seleção de dados A base de dados do IFPI é formada por 53 campos e está salva no formato de arquivo Excel. Destes foram escolhidos 10 campos: sexo, etnia, data de nascimento, cidade do nascimento, estado do nascimento, estado civil, renda familiar, financiamento da instituição de origem, curso e período de ingresso. 3.2 Pré-processamento Como citado anteriormente à base de dados estava no formato de arquivo Excel, para facilitar esta fase todos os dados das tabelas foram exportados com o formato de arquivo csv e posteriormente importados no banco de dados MySql. Para a importação primeiro criou-se uma base de dados e um tabela com todos os campos existentes no arquivo csv. Nesta fase foram utilizadas duas rotinas de limpeza de dados para suprir valores ausentes: (a) suprir valores ausentes manualmente e (b) ignorar tuplas. A primeira técnica (a), foi utilizada para o campo sexo, nos dados inexistentes foram inseridos manualmente utilizando o campo nome como base, o campo estado de origem também utilizou essa mesma técnica usando como base a cidade de origem. Para os demais campos, foi utilizada a segunda técnica (b), realizando um processo de adequação dos dados retirando espaços em branco antes e depois dos dados e caracteres inválidos e como tratamento das linhas sem dados simplesmente às ignoramos. 3.3 Transformação dos dados Nesta fase foram gerados dados a partir dos dados existentes. Tendo a data de nascimento como base, geramos o campo idade. Já a renda foi dividida para refletir as classes sociais, a criação das classes se deu de acordo com as regras propostas pela consultoria Target (2011), que dividiu as classes em: A1: inclui as famílias com renda mensal maior que R$ ; A2: maior que R$ 8.100; B1: maior que R$ 4.600; B2: maior que R$ 2.300; C1: maior que R$ 1.400; C2: maior que R$ 950; D: maior que R$ 600; E: maior que R$ 400; F: menor que R$ 200. Para simplificar a consulta, as classes proposta pela Target sofreram algumas alterações. Os dados da classe A1 e A2 foram juntos na classe A, e os dados da classe E e F foram juntos na classe E. 3.4 Mineração de Dados Algumas ferramentas foram analisadas e o Weka (Waikato Environment for Knowledge Analysis) foi à escolhida para a tarefa de Mineração de Dados. A escolha se deu pelo fato de ser uma ferramenta robusta, bem aceita no mercado, pela facilidade de uso e pelo poder de exposição dos resultados da mineração com clareza. Para a manipulação dos dados pelo Weka primeiro devemos colocá-los em um formato aceito pelo mesmo, esse formato é o ARFF (Attribute-Relation File Forma). Para gerar o arquivo arff primeiro exportamos os dados do banco de dados utilizando separação por vírgula, e posteriormente inserimos o cabeçalho com os metadados referentes às colunas. Com o objetivo de uma análise precisa dos dados, os mesmos foram submetidos a duas de técnicas de mineração de dados. Eles foram submetidos à classificação através dos algoritmos RandomTree, J48 e REPTree e associação pelo algoritmo JRIP A.

5 3.5 Interpretação/Avaliação Nesta fase os dados foram analisados e os padrões e as características foram identificados, sendo apresentados os resultados na próxima seção. Para uma melhor apresentação dos dados em forma de mapas utilizamos o software TerraView e as malhas digitais municipais e estaduais disponíveis no site do IBGE (IBGE, 2011). 4. Área de Estudo O presente trabalho faz uma avaliação dos dados dos alunos que estudam e estudaram no IFPI Campus Floriano. O Instituto Federal do Piauí foi criado mediante transformação do Centro Federal de Educação Tecnológica do Piauí (CEFET/PI). Sua Reitoria está instalada em Teresina PI. O Piauí está localizado a noroeste da região Nordeste do Brasil ocupa uma área de km² (pouco maior que o Reino Unido) e tem habitantes. Sua capital é a cidade de Teresina (IBGE, 2011). A economia do estado é baseada no setor de serviços (comércio), na indústria (química, têxtil, de bebidas), na agricultura (soja, algodão, arroz, cana-de-açúcar, mandioca) e na pecuária extensiva. A Figura 1 ilustra a localização da área de estudos (município de Floriano) em relação ao mapa do Brasil e ao estado do Piauí, do qual o município de Floriano faz parte. O município de Floriano situa-se na Zona do Médio Parnaíba, à margem direita desse mesmo Rio, em frente à cidade de Barão de Grajaú, Maranhão. A cidade fica a 253 km da capital do Estado do Piauí, Teresina. Tem uma população de e ocupa uma área de km 2 (IBGE, 2011). O município possui um IDH de 0,711 que é considerado médio (HDR, 2011). Figura 1 - Localização da área de estudos em relação ao território do Brasil Resultados Nesta seção serão apresentadas as informações obtidas na fase de análise de dados do KDD. A Figura 2 apresenta a distribuição dos estudantes no território nacional e em relação ao estado do Piauí. Notamos que das 27 unidades distritais (contando com o Distrito Federal) o IFPI conta com alunos de 22 desses distritos, o que mostra a importância do mesmo no contesto nacional. Já no contexto do estado do Piauí sua

6 atuação ficou limitada a região sul e sudoeste. A Figura 2 ainda ilustra que a maioria dos alunos do IFPI, vem das cidades de: Floriano, Guadalupe, Jerumenha, Canto do Buriti, Oeiras, Amarante e Teresina. Figura 2. A esquerda temos a distribuição dos alunos em cada estado do Brasil e a direita temos a distribuição dentro do estado do Piauí. Com a intenção de avaliar se a renda dos estudantes tem uma influência direta na distribuição geográfica, foi gerado o mapa apresentado na Figura 3, nesse mapa apresentamos a classe social predominante dos discentes por estado e por cidade. Nela podemos constatar que estudantes de regiões mais distantes do polo educacional apresentam uma classe social mais elevada que os nascidos na microrregião de Floriano. Isso pode se dar devido à dificuldade que pessoas de classe social mais baixa têm de se transportar até lugares mais distantes e de sustentar-se. Figura 3. Mapa com a distribuição das classes sociais dos alunos por estado e por cidade. Tendo como base o contexto social em nosso país, no qual afrodescendentes ainda são muito discriminados, utilizamos o algoritmo de classificação RandomTree para avaliar a influência da cor da pele na classe social e obtivemos a árvore apresentada

7 na Figura 4. Constatamos que alunos de pele clara e alunos de pele negra apresentam a mesma classe social, todos enquadrados na classe E, assim não constatamos uma desigualdade gerada pela cor da pele. Figura 4. Árvore gerada pelo RandomTree comparando a classe social com a cor da pele. Avaliamos também que a classe social e a cor da pele têm influencia direta sobre a instituição de origem dos alunos (privada, pública ou filantrópica). Identificamos que a cor da pele em nada influência a instituição de origem sendo que para todas as etnias a maioria dos alunos foi proveniente de escola pública. Já a classe social C1 apresentou uma predominância em instituições filantrópicas, para as instituições públicas e privadas a predominância continua sendo de alunos da classe E. A classe social apresentou relação direta com o curso escolhido. Identificamos após classificação realizada pelo algoritmo RandomTree que alunos de classe social mais altas dão preferência a cursos na área de técnico em edificações e informática, e concomitante em edificações. Com o algoritmo J48 identificamos também que a classe social tem relação direta com a idade dos alunos. Alunos com idade inferior a 21 pertencem a classes sociais mais altas. Através da análise da árvore gerada pelo algoritmo REPTree identificamos que os alunos que ingressaram até o ano de 1999 eram provenientes de escola privada já nos anos posteriores, o número alunos de escola pública superaram o número de alunos de escola privada. Com o uso do algoritmo JRIP que identifica as regras pressentes na base de dados identificamos cinco regras predominantes. Das quais as três seguintes se destacam. 1. Alunos que ingressaram antes de 2008 e tem idade maior que 20 anos, escolheram o curso de Matemática, são locais, têm classe social C1 e são da etnia negra; 2. Os alunos que ingressaram depois de 2008 vindos de escola particular escolheram o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e tem etnia branca; 3. O curso de Biologia até o ano de 2005 foi mais escolhido por mulheres de classe social C1 e etnia branca; 5. Conclusões e Trabalhos Futuros Através da pesquisa acima apresentada concluímos que a mineração de dados é um processo de fundamental importância para a obtenção de informações de grandes bases

8 de dados. Constatamos que o IFPI, de fato, cumprindo o seu papel de inclusão social, pois não apresentou uma disparidade em seus alunos referentes à classe e a etnia. Como trabalho futuro propõe-se a exploração desta base de dados utilizando outras técnicas de mineração de dados como a Clusterização e a utilização de outras ferramentas de mineração. Agradecimentos Os autores agradecem a CAPES pela concessão das bolsas de pesquisa e ao IFPI Campus Floriano pela disponibilização da base de dados. Referências Bibliográficas Amo, S. A. (2004) Técnicas de Mineração de Dados. In: Sociedade Brasileira de Computação, UFBA. Jornadas de Atualização em Informática. Salvador BA, Universidade Federal da Bahia, 2004, v.2, p Breternitz, V. J. (2010) Sistemas de informações geográficas: uma visão para administradores e profissionais de tecnologia da informação, Câmara, G.; Casanova, M. A. (1995) Fields and objects algebras for gis operations operations. vol. 1, pp , Fayyad, U. M.; Shapiro, G. P.; Smyth, P. (1996) From data mining to knowledge discovery: An overview, AI Magazine pp , HDR (2011). Human Development Report. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/>. Acesso em set IBGE (2011). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Disponível em: <http://ibge.gov.br>. Acesso em set Miller, H. J.; Han, J. (2001) Geographic data mining and knowledge discovery: An overview. London: Taylor and Francis, in press, B., Oliveira, A. T.; Vidal Filho, J. N.; Lima, D. R.; Castro, A. F.; Silva, M. P. S. (2011) Spatial analysis of the student profile of federal techical school of piaui. In: ISTI: Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação. Portugal, V II, p Prass, F. S. (2004) Kdd: Processo de descoberta de conhecimento em bancos de dados vol. 1, pp , PDI (2009) Plano de Desenvolvimento Institucional. Disponível em: < Acesso em set Target (2011) Disponível em: <http://www.target.com.br/portal_new/home.aspx>. Acesso em set Wright, D. J.; Goodchild M. F.; Proctor J. D. (1997) Demystifying the persistent ambiguity of gis as Tool Versus Science The Annals of the Association of American Geographes, 87(2): , 1997.

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO Fernanda Delizete Madeira 1 ; Aracele Garcia de Oliveira Fassbinder 2 INTRODUÇÃO Data

Leia mais

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS Tácio Dias Palhão Mendes Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG taciomendes@yahoo.com.br Prof.

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO por Fernando Sarturi Prass 1 1.Introdução O aumento das transações comerciais por meio eletrônico, em especial as feitas via Internet, possibilitou as empresas armazenar

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado

Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado Alessandro Ferreira Brito 1, Rodrigo Augusto R. S. Baluz 1, Jean Carlo Galvão Mourão 1, Francisco das Chagas Rocha 2

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br Apresentação Luiz Merschmann Engenheiro

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP 1 Data de entrega dos originais à redação em 15/03/2013 e recebido

Leia mais

Extensão do WEKA para Métodos de Agrupamento com Restrição de Contigüidade

Extensão do WEKA para Métodos de Agrupamento com Restrição de Contigüidade Extensão do WEKA para Métodos de Agrupamento com Restrição de Contigüidade Carlos Eduardo R. de Mello, Geraldo Zimbrão da Silva, Jano M. de Souza Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Universidade

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Data Mining Software Weka. Software Weka. Software Weka 30/10/2012

Data Mining Software Weka. Software Weka. Software Weka 30/10/2012 Data Mining Software Weka Prof. Luiz Antonio do Nascimento Software Weka Ferramenta para mineração de dados. Weka é um Software livre desenvolvido em Java. Weka é um É um pássaro típico da Nova Zelândia.

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS PARA DETECÇÃO DE SPAMs EM REDES DE COMPUTADORES

MINERAÇÃO DE DADOS PARA DETECÇÃO DE SPAMs EM REDES DE COMPUTADORES MINERAÇÃO DE DADOS PARA DETECÇÃO DE SPAMs EM REDES DE COMPUTADORES Kelton Costa; Patricia Ribeiro; Atair Camargo; Victor Rossi; Henrique Martins; Miguel Neves; Ricardo Fontes. kelton.costa@gmail.com; patriciabellin@yahoo.com.br;

Leia mais

INTRODUÇÃO A MINERAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO O WEKA

INTRODUÇÃO A MINERAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO O WEKA INTRODUÇÃO A MINERAÇÃO DE DADOS UTILIZANDO O WEKA Marcelo DAMASCENO(1) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte/Campus Macau, Rua das Margaridas, 300, COHAB, Macau-RN,

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

DATA MINING EM POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA:um estudo de caso

DATA MINING EM POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA:um estudo de caso DATA MINING EM POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA:um estudo de caso Paulo Vinícius Lamana Barboza 1, Walkiria Cordenonzi 1 1 Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas 1614 Santa Maria RS Brazil ,

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008

Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008 Utilização de SIGs na Análise de Irregularidades na Distribuição do Eleitorado no Estado do Rio Grande do Norte nas Eleições Municipais de 2008 Francisco Márcio de Oliveira 2, Igor Saraiva Brasil 1 1 Programa

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

Aplicativo de Mineração de Dados Aplicado em Bases de Dados Acadêmicas

Aplicativo de Mineração de Dados Aplicado em Bases de Dados Acadêmicas 22 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Aplicativo de Mineração de Dados Aplicado em Bases de Dados Acadêmicas Elisa Maria Vissotto1, Adriane Barbosa Camargo2 1 Universidade Regional Integrada

Leia mais

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é?

KDD. Fases limpeza etc. Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS. Conceitos o que é? KDD Conceitos o que é? Fases limpeza etc Datamining OBJETIVOS PRIMÁRIOS TAREFAS PRIMÁRIAS Classificação Regressão Clusterização OBJETIVOS PRIMÁRIOS NA PRÁTICA SÃO DESCRIÇÃO E PREDIÇÃO Descrição Wizrule

Leia mais

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI Fernando Luiz de Oliveira 1 Thereza Patrícia. P. Padilha 1 Conceição A. Previero 2 Leandro Maciel Almeida 1 RESUMO O processo

Leia mais

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Gisele Faffe Pellegrini & Katia Collazos Grupo de Pesquisa em Eng. Biomédica Universidade Federal de Santa Catarina Jorge Muniz Barreto Prof.

Leia mais

Aula 02: Conceitos Fundamentais

Aula 02: Conceitos Fundamentais Aula 02: Conceitos Fundamentais Profa. Ms. Rosângela da Silva Nunes 1 de 26 Roteiro 1. Por que mineração de dados 2. O que é Mineração de dados 3. Processo 4. Que tipo de dados podem ser minerados 5. Que

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL NO BRASIL Maria Cecília Bonato Brandalize maria.brandalize@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curso

Leia mais

A Utilização de Software Livre na Análise de QoS em Redes IP Utilizando Mineração de Dados

A Utilização de Software Livre na Análise de QoS em Redes IP Utilizando Mineração de Dados A Utilização de Software Livre na Análise de QoS em Redes IP Utilizando Mineração de Dados Maxwel Macedo Dias 1, Edson M.L.S. Ramos 2, Luiz Silva Filho 3, Roberto C. Betini 3 1 Faculdade de Informática

Leia mais

Padronização de Processos: BI e KDD

Padronização de Processos: BI e KDD 47 Padronização de Processos: BI e KDD Nara Martini Bigolin Departamento da Tecnologia da Informação -Universidade Federal de Santa Maria 98400-000 Frederico Westphalen RS Brazil nara.bigolin@ufsm.br Abstract:

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Identificação de Padrões em Registros de Doenças com Técnicas de Mineração de Dados

Identificação de Padrões em Registros de Doenças com Técnicas de Mineração de Dados Identificação de Padrões em Registros de Doenças com Técnicas de Mineração de Dados Resumo. Nas últimas décadas, tem aumentado à necessidade de um processo automatizado para a descoberta de informações

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA SOBRE O MÓDULO DE GESTÃO E GERAÇÃO DE CONHECIMENTO...

GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA SOBRE O MÓDULO DE GESTÃO E GERAÇÃO DE CONHECIMENTO... GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA SOBRE O MÓDULO DE GESTÃO E GERAÇÃO DE CONHECIMENTO... 589 GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

Utilização de Técnicas de Mineração de Dados como Auxílio na Detecção de Cartéis em Licitações Carlos Vinícius Sarmento Silva Célia Ghedini Ralha

Utilização de Técnicas de Mineração de Dados como Auxílio na Detecção de Cartéis em Licitações Carlos Vinícius Sarmento Silva Célia Ghedini Ralha WCGE II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico Utilização de Técnicas de Mineração de Dados como Auxílio na Detecção de Cartéis em Licitações Carlos Vinícius Sarmento Silva Célia Ghedini

Leia mais

Data mining na descoberta de padrões de sintomas com foco no auxílio ao diagnóstico médico

Data mining na descoberta de padrões de sintomas com foco no auxílio ao diagnóstico médico Data mining na descoberta de padrões de sintomas com foco no auxílio ao diagnóstico médico Alexander Rivas de Melo Junior 1, Márcio Palheta Piedade 1 1 Ciência da Computação Centro de Ensino Superior FUCAPI

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

Mineração de Dados na Descoberta do Padrão de Usuários de um Sistema de Educação à Distância

Mineração de Dados na Descoberta do Padrão de Usuários de um Sistema de Educação à Distância Mineração de Dados na Descoberta do Padrão de Usuários de um Sistema de Educação à Distância Janaina R Penedo, Eliane P Capra Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Av. Pasteur, 296

Leia mais

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. DCEEng DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. DCEEng DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEEng DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MINERAÇÃO DE DADOS NA GESTÃO ESCOLAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO Título do Projeto: (nome do centro de Educação profissional

Leia mais

AULA 4 Manipulando Tabelas

AULA 4 Manipulando Tabelas 4.1 AULA 4 Manipulando Tabelas Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades relativas a manipulação de tabelas de atributos no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado nas Aulas

Leia mais

4. Que tipos de padrões podem ser minerados. 5. Critérios de classificação de sistemas de Data Mining. 6. Tópicos importantes de estudo em Data Mining

4. Que tipos de padrões podem ser minerados. 5. Critérios de classificação de sistemas de Data Mining. 6. Tópicos importantes de estudo em Data Mining Curso de Data Mining - Aula 1 1. Como surgiu 2. O que é 3. Em que tipo de dados pode ser aplicado 4. Que tipos de padrões podem ser minerados 5. Critérios de classificação de sistemas de Data Mining 6.

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Determinação dos Fatores Críticos na Análise de Desempenho de Alunos de Pósgraduação Utilizando Metodologia de Mineração de Dados

Determinação dos Fatores Críticos na Análise de Desempenho de Alunos de Pósgraduação Utilizando Metodologia de Mineração de Dados Resumo Determinação dos Fatores Críticos na Análise de Desempenho de Alunos de Pósgraduação Utilizando Metodologia de Mineração de Dados Autoria: Elizabeth de Oliveira Carpenter, Gerson Lachtermacher O

Leia mais

O PAPEL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NO CUMPRIMENTO DAS METAS DO PNE 2014-2024: POTENCIALIDADES E FRAGILIDADES

O PAPEL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NO CUMPRIMENTO DAS METAS DO PNE 2014-2024: POTENCIALIDADES E FRAGILIDADES 1 O PAPEL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NO CUMPRIMENTO DAS METAS DO PNE 2014-2024: POTENCIALIDADES E FRAGILIDADES São Paulo, 12 de Junho de 2015 Rafael Dias de Souza Ferreira - Universidade Federal

Leia mais

Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Ensino Superior para Todos!!! Capilaridade Geográfica A UERN desenvolve atividades em todas as regiões geográficas do Rio Grande do Norte, a partir de 6 Campi,

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Descoberta de Conhecimento em uma Base de Dados de Bilhetes de Tarifação: Estudo de Caso em Telefonia Celular

Descoberta de Conhecimento em uma Base de Dados de Bilhetes de Tarifação: Estudo de Caso em Telefonia Celular Descoberta de Conhecimento em uma Base de Dados de Bilhetes de Tarifação: Estudo de Caso em Telefonia Celular Elionai Sobrinho 1,3, Jasmine Araújo 1,3, Luiz A. Guedes 2, Renato Francês 1 1 Departamento

Leia mais

Mineração de dados: um estudo de caso de concessão de crédito explorando o software Weka

Mineração de dados: um estudo de caso de concessão de crédito explorando o software Weka Mineração de dados: um estudo de caso de concessão de crédito explorando o software Weka Andreia Smiderle, Alessandra Marchiori de Oliveira Depto de Sistemas de Informação, Faculdade MATER DEI, 85501-030,

Leia mais

RELATIVO AO PROCESSO SELETIVO INTERNO SIMPLIFICADO DE PROFESSOR FORMADOR PARA O PARFOR/IFPI

RELATIVO AO PROCESSO SELETIVO INTERNO SIMPLIFICADO DE PROFESSOR FORMADOR PARA O PARFOR/IFPI INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO DE MATRÍCULA PARA OS CURSOS PRESENCIAIS DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA - PARFOR

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Ferramentas da MI Social Departamento de Gestão da Informação DGI / SAGI

Ferramentas da MI Social Departamento de Gestão da Informação DGI / SAGI Departamento de Gestão da Informação DGI / SAGI MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME O que esta apresentação abordará? Apresentação, formas de acesso e aplicabilidade das ferramentas

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

EDITAL PREG Nº 015/2013, de 22 de abril de 2013

EDITAL PREG Nº 015/2013, de 22 de abril de 2013 EDITAL PREG Nº 015/2013, de 22 de abril de 2013 Dispõe sobre processo seletivo simplificado para preenchimento de vagas de Transferência Facultativa Externa. A Universidade Estadual do Piauí UESPI, por

Leia mais

Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1

Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1 Estudo e Análise da Base de Dados do Portal Corporativo da Sexta Região da Polícia Militar com vista à aplicação de Técnicas de Mineração de Dados1 Rafaela Giroto, 10º módulo de Ciência da Computação,

Leia mais

Data Warehouse Mineração de Dados

Data Warehouse Mineração de Dados Data Warehouse Mineração de Dados Profa. Roberta Macêdo M. Gouveia robertammg@gmail.com 1 18/12/2014 Data Warehouse Data Mining Big Data A mina de ouro debaixo dos bits 2 Data Warehouse: A Memória da Empresa

Leia mais

WEKA: The bird. Ferramenta Weka Waikato Environment for Knowledge Analysis. Ambiente WEKA. Explorer. Explorer. Explorer

WEKA: The bird. Ferramenta Weka Waikato Environment for Knowledge Analysis. Ambiente WEKA. Explorer. Explorer. Explorer II Semana de Tecnologia da Informação IFBA Campus Vitória da Conquista 27 a 30 de maio de 2014 WEKA: The bird Ferramenta Weka Waikato Environment for Knowledge Analysis Prof. MSc Pablo Freire Matos Informática

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias Software de análise de dados Versão Sete Melhorias Software de análise de dados O IDEA Versão Sete apresenta centenas de novas melhorias e funcionalidades desenvolvidas para ajudá-lo a usar melhor o produto,

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC TÍTULO DO PROJETO Mineração de Grafos usando Ontologias COORDENADOR

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC TÍTULO DO PROJETO Mineração de Grafos usando Ontologias COORDENADOR Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretariado de Estado da Educação e Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Departamento

Leia mais

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I José Yvan Pereira Leite leite@cefetrn.br Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA

Leia mais

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações Amarildo Aparecido Ferreira Junior¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹, Jaime Willian Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Tutorial Mapa-Temático

Tutorial Mapa-Temático Tutorial Mapa-Temático O objetivo deste tutorial é apresentar o passo-a-passo da produção de mapas temáticos, uma das diversas utilidades do TerraView (software livre de geoprocessamento que adotamos por

Leia mais

Manual Site do ObservaPOA

Manual Site do ObservaPOA Manual Site do ObservaPOA Este manual tem como finalidade auxiliar no manuseio do site do Observatório da Cidade de Porto Alegre. O site disponibiliza informações sobre a cidade de Porto Alegre privilegiando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29 de

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICATION OF DISEASE PATTERNS IN DATA MINING TECHNIQUES

IDENTIFICATION OF DISEASE PATTERNS IN DATA MINING TECHNIQUES Blucher Mechanical Engineering Proceedings May 2014, vol. 1, num. 1 www.proceedings.blucher.com.br/evento/10wccm IDENTIFICATION OF DISEASE PATTERNS IN DATA MINING TECHNIQUES T. M. R. Dias 1, P. M. Dias

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801)

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) UTILIZAÇÃO DE APLICATIVOS BASE E CALC DO PACOTE BROFFICE.ORG PARA CRIAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PEQUENO PORTE Wílson Luiz Vinci 1 Marcelo Gonçalves

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS. Mineração de Dados

MINERAÇÃO DE DADOS. Mineração de Dados MINERAÇÃO DE DADOS Mineração de Dados Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Conceitos de Mineração de Dados... 5 3. Aplicações de Mineração de Dados... 7 4. Ferramentas de Mineração

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT

Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Utilizando QT SILVA, Nilton Correia da PINHEIRO, Dhiancarlo Macedo Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA CEP: 75083-515

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

FORMULÁRIO DE VINCULAÇÃO DE PROJETO

FORMULÁRIO DE VINCULAÇÃO DE PROJETO FORMULÁRIO DE VINCULAÇÃO DE PROJETO Título: Curso de informática básica para estudantes do ensino médio de escolas públicas localizadas no Vale do São Francisco Colegiado/Setor Proponente: Coordenador:

Leia mais

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro Nenhum vento sopra a favor, de quem não sabe para onde ir. (Lucius A. Sêneca) Sumário O resultado do CPC Engenharia Estudantes e professores do

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

UM ARMAZÉM DE DADOS PARA OS MUNICÍPIOS DA ZONA SUL DO RS: TECNOLOGIAS QUE APOIAM O MEIO AMBIENTE REGIONAL

UM ARMAZÉM DE DADOS PARA OS MUNICÍPIOS DA ZONA SUL DO RS: TECNOLOGIAS QUE APOIAM O MEIO AMBIENTE REGIONAL UM ARMAZÉM DE DADOS PARA OS MUNICÍPIOS DA ZONA SUL DO RS: TECNOLOGIAS QUE APOIAM O MEIO AMBIENTE REGIONAL Mário Capanema Ulysséa, Paulo Prestes Porto Luiz Antônio Moro Palazzo FATEC Senac Pelotas Rua Gonçalves

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA

REFORMA UNIVERSITÁRIA Comentários da Profa. Dra. MARIA BEATRIZ LUCE (Coord. Núcleo Política Gestão Educação - UFRGS e membro CNE/ Brasil) Conferência DESAFIOS DA REFORMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ACESSO, EXPANSÃO E RELAÇÕES

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE MONITORIAS NÍVEL TÉCNICO

SELEÇÃO INTERNA DE MONITORIAS NÍVEL TÉCNICO CAMPUS TERESINA ZONA SUL COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL N.º 0/05 SELEÇÃO INTERNA DE MONITORIAS NÍVEL TÉCNICO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Campus Teresina Zona

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO - ProAEx/IFPI SUBPROGRAMA DE INCENTIVO À ARTE E CULTURA EDITAL OFICINAS DE ARTE Nº 71/2015 PROEX/IFPI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO - ProAEx/IFPI SUBPROGRAMA DE INCENTIVO À ARTE E CULTURA EDITAL OFICINAS DE ARTE Nº 71/2015 PROEX/IFPI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO - ProAEx/IFPI SUBPROGRAMA DE INCENTIVO À ARTE E CULTURA EDITAL OFICINAS DE ARTE Nº 71/2015 PROEX/IFPI O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS:

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: Introdução e Motivação Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt Fatos: Avanços em TI e o crescimento

Leia mais