Análise Espacial do Perfil dos Alunos do IFPI Campus Floriano usando Técnicas de Mineração de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Espacial do Perfil dos Alunos do IFPI Campus Floriano usando Técnicas de Mineração de Dados"

Transcrição

1 Análise Espacial do Perfil dos Alunos do IFPI Campus Floriano usando Técnicas de Mineração de Dados Thiago Reis da Silva 1, Diego Grosmann 1, Artur Luiz T de Oliveira 1, Angélica Félix de Castro 1, Marcelino Pereira dos Santos Silva 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação MCC Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN/ Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA BR 110 Km 46 Bairro Costa e Silva Campus Central Mossoró RN, Brasil {trsilva.si, Abstract: The economy of Piauí is characterized by its fragility, as evidenced by the behavior of some of its indicators. The IFPI - the Federal Institute of Piauí assume social responsibilities in the face of dire need to develop knowledge and technologies for exploitation and value adding. In this context the present article is a study on the profile of students in the IFPI - Campus Floriano. For this we used data mining techniques and geographic information systems. Resumo: A economia do Piauí caracteriza-se por sua fragilidade, evidenciada pelo comportamento de alguns de seus indicadores. O IFPI - Instituto Federal do Piauí assume responsabilidades sociais diante da extrema necessidade de desenvolver conhecimentos e tecnologias de aproveitamento e agregação de valores. Nesse contexto o presente artigo faz um estudo sobre o perfil dos estudantes do IFPI - Campus Floriano. Para isso foram utilizadas técnicas de mineração de dados e sistemas de informação geográficos. 1. Introdução Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia são instituições que produzem, disseminam e aplicam o conhecimento tecnológico e acadêmico para formação da cidadania, por meio do Ensino, da Pesquisa e da Extensão, contribuindo para o progresso socioeconômico local, regional e nacional. A implantação dos campi, no interior do Estado, atende a meta do Programa de Expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica e à própria natureza dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, no que diz respeito à descentralização de qualificação profissional, levando em conta as necessidades socioeconômicas de cada região. Com isso, pretendese evitar o êxodo de jovens estudantes para a capital. O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI) é uma instituição com atuação no Estado do Piauí, detentora de autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar. É instituição pública de Educação Superior, Básica e Profissional, pluricurricular e multicampi, está presente em dez municípios do estado, especializada na oferta de Educação Profissional e

2 Tecnológica, em diferentes modalidades de ensino, conjugando os conhecimentos humanos, técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas, nos termos da Lei (PDI, 2009). Nesse contexto, o IFPI assume responsabilidades sociais, diante da extrema necessidade de desenvolver conhecimentos e tecnologias de aproveitamento e agregação de valores, de nível tecnológico, de produtos e subprodutos, oriundos das vocações do estado, a exemplo da carnaúba, do caju, da castanha do caju e do mel, dentre outros (PDI, 2009). Assim, o presente trabalho faz uma avaliação da base de dados do controle acadêmico do IFPI Campus Floriano a fim de identificar o padrão dos estudantes da instituição. Neste contexto, este artigo encontra-se organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta uma revisão de literatura, abordando em subseções os Sistemas de Informação Geográficos, Descoberta do Conhecimento em Banco de Dados, Técnicas de Mineração e Mineração de Dados Geográficos. É apresentada na seção 3 a Metodologia utilizada. A seção 4 apresenta os Resultados e as Conclusões Finais e Trabalhos Futuros são apresentados na seção Revisão de Literatura A seguir apresentamos uma revisão de literatura sobre os conceitos e técnicas utilizados para o desenvolvimento deste trabalho Sistema de Informação Geográfico O Sistema de Informação Geográfico (SIG) é um tipo especial de sistema de informações. Por definição pode-se dizer que um SIG é um sistema de informação baseado em computador que permite capturar, modelar, manipular, recuperar, consultar, analisar e apresentar dados geograficamente referenciados (CÂMARA; CASANOVA, 1995). A tecnologia de SIG pode trazer enormes benefícios devido à sua capacidade de manipular a informação espacial de forma precisa, rápida e sofisticada (WRIGHT, 1997). Um SIG integra dados espaciais com outros tipos de dados em único sistema. Isso permite combinar dados de diferentes fontes e tipos, provenientes de muitos bancos de dados. O processo de converter mapas e outros tipos de informações espaciais numa forma digital via SIG, torna possíveis métodos novos e inovadores para a manipulação e exibição de dados geográficos (BRETRNITZ, 2010) Descoberta do Conhecimento em Banco de Dados A Descoberta do Conhecimento em Banco de Dados, do inglês, Knowledge Discovery in Databases (KDD) é o processo, não trivial, de extração de informações implícitas, previamente desconhecidas e potencialmente úteis, a partir dos dados armazenados em um banco de dados (FAYYAD et al, 1996). O termo não trivial torna clara a existência de alguma técnica de busca ou inferência. Previamente desconhecidas indica que a informação deve ser nova para o sistema e de preferência também para o usuário. E, por último, potencialmente úteis, deixa claro que esta informação deve trazer consigo algum benefício, em outras palavras, deverá possibilitar ao usuário algum ganho.

3 O processo de KDD contém uma série de passos, tais como: Seleção, Préprocessamento e Limpeza, Transformação, Mineração de Dados (datamining) e Interpretação/Avaliação (MILLER; HAN, 2001). Como se pode ver, o processo compreende, na verdade, todo o ciclo que o dado percorre até virar conhecimento ou informação. O processo em si possui duas características relevantes: é interativo e iterativo. Interativo, pois o usuário pode intervir e controlar o curso das atividades. Iterativo, por ser uma sequência finita de operações onde o resultado de cada uma é dependente dos resultados das que a precedem. Dentre estas, a mineração de dados se destaca bastante, pois é a fase responsável pela transformação de dados em informações. A mineração de dados está relacionada com a descoberta de novos fatos, regularidades, restrições, padrões e relacionamentos e não apenas consultas complexas e elaboradas com a finalidade de confirmar uma hipótese em função dos relacionamentos existentes. A mineração de dados, portanto, é uma descoberta eficiente de informações válidas e não óbvias de uma grande coleção de dados (OLIVEIRA et al, 2011) Técnicas de Mineração Segundo Prass (2004), as técnicas de mineração consistem na especificação de métodos que nos garantam descobrir os padrões que nos interessam. Para cada técnica utilizada, uma série de algoritmos estão disponíveis na literatura. Nas subseções a seguir são descritas as técnicas utilizadas neste trabalho Classificação e Predição Segundo Amo (2004), classificação é o processo de buscar modelos (funções) que descrevem e distinguem classes ou conceitos, com o propósito de utilizar os modelos para predizer ou explicar o contexto. Geralmente, o modelo baseia-se em dados de amostragem ou de treinamento. No caso da predição, o objetivo é inferir valores no conjunto de dados Associação As regras de associação consistem em padrões do tipo A B, onde A e B são conjuntos de valores antecedentes e consequentes. Consideremos um exemplo de supermercado. O padrão Cliente que compra pão também compra leite representa um padrão de comportamento dos clientes do supermercado. Essa organização pode ser válida na organização dos produtos na prateleira visando o aumento das vendas. 3. Metodologia Para o desenvolvimento desta pesquisa foi utilizada a base de dados de matricula do IFPI Campus Floriano, que contem dados dos estudantes matriculados entre o ano de 1998 e o ano de 2010, totalizando 4348 registros. Para a extração do conhecimento foram seguidos os passos do KDD: Seleção dos dados, Pré-Processamento, Transformação, Mineração de Dados, e interpretação/avaliação. Os softwares utilizados para o desenvolvimento deste trabalho foram: o banco de dados MySql Server v5.0 e sua Interface Gráfica do Usuário v1.2, o software de Mineração de Dados Weka v3.7.4 e o SIG TerraView v5.1. Os software MySql, TerraView e o Weka GNU possui licença GNU/GPL (General Public License).

4 3.1 Seleção de dados A base de dados do IFPI é formada por 53 campos e está salva no formato de arquivo Excel. Destes foram escolhidos 10 campos: sexo, etnia, data de nascimento, cidade do nascimento, estado do nascimento, estado civil, renda familiar, financiamento da instituição de origem, curso e período de ingresso. 3.2 Pré-processamento Como citado anteriormente à base de dados estava no formato de arquivo Excel, para facilitar esta fase todos os dados das tabelas foram exportados com o formato de arquivo csv e posteriormente importados no banco de dados MySql. Para a importação primeiro criou-se uma base de dados e um tabela com todos os campos existentes no arquivo csv. Nesta fase foram utilizadas duas rotinas de limpeza de dados para suprir valores ausentes: (a) suprir valores ausentes manualmente e (b) ignorar tuplas. A primeira técnica (a), foi utilizada para o campo sexo, nos dados inexistentes foram inseridos manualmente utilizando o campo nome como base, o campo estado de origem também utilizou essa mesma técnica usando como base a cidade de origem. Para os demais campos, foi utilizada a segunda técnica (b), realizando um processo de adequação dos dados retirando espaços em branco antes e depois dos dados e caracteres inválidos e como tratamento das linhas sem dados simplesmente às ignoramos. 3.3 Transformação dos dados Nesta fase foram gerados dados a partir dos dados existentes. Tendo a data de nascimento como base, geramos o campo idade. Já a renda foi dividida para refletir as classes sociais, a criação das classes se deu de acordo com as regras propostas pela consultoria Target (2011), que dividiu as classes em: A1: inclui as famílias com renda mensal maior que R$ ; A2: maior que R$ 8.100; B1: maior que R$ 4.600; B2: maior que R$ 2.300; C1: maior que R$ 1.400; C2: maior que R$ 950; D: maior que R$ 600; E: maior que R$ 400; F: menor que R$ 200. Para simplificar a consulta, as classes proposta pela Target sofreram algumas alterações. Os dados da classe A1 e A2 foram juntos na classe A, e os dados da classe E e F foram juntos na classe E. 3.4 Mineração de Dados Algumas ferramentas foram analisadas e o Weka (Waikato Environment for Knowledge Analysis) foi à escolhida para a tarefa de Mineração de Dados. A escolha se deu pelo fato de ser uma ferramenta robusta, bem aceita no mercado, pela facilidade de uso e pelo poder de exposição dos resultados da mineração com clareza. Para a manipulação dos dados pelo Weka primeiro devemos colocá-los em um formato aceito pelo mesmo, esse formato é o ARFF (Attribute-Relation File Forma). Para gerar o arquivo arff primeiro exportamos os dados do banco de dados utilizando separação por vírgula, e posteriormente inserimos o cabeçalho com os metadados referentes às colunas. Com o objetivo de uma análise precisa dos dados, os mesmos foram submetidos a duas de técnicas de mineração de dados. Eles foram submetidos à classificação através dos algoritmos RandomTree, J48 e REPTree e associação pelo algoritmo JRIP A.

5 3.5 Interpretação/Avaliação Nesta fase os dados foram analisados e os padrões e as características foram identificados, sendo apresentados os resultados na próxima seção. Para uma melhor apresentação dos dados em forma de mapas utilizamos o software TerraView e as malhas digitais municipais e estaduais disponíveis no site do IBGE (IBGE, 2011). 4. Área de Estudo O presente trabalho faz uma avaliação dos dados dos alunos que estudam e estudaram no IFPI Campus Floriano. O Instituto Federal do Piauí foi criado mediante transformação do Centro Federal de Educação Tecnológica do Piauí (CEFET/PI). Sua Reitoria está instalada em Teresina PI. O Piauí está localizado a noroeste da região Nordeste do Brasil ocupa uma área de km² (pouco maior que o Reino Unido) e tem habitantes. Sua capital é a cidade de Teresina (IBGE, 2011). A economia do estado é baseada no setor de serviços (comércio), na indústria (química, têxtil, de bebidas), na agricultura (soja, algodão, arroz, cana-de-açúcar, mandioca) e na pecuária extensiva. A Figura 1 ilustra a localização da área de estudos (município de Floriano) em relação ao mapa do Brasil e ao estado do Piauí, do qual o município de Floriano faz parte. O município de Floriano situa-se na Zona do Médio Parnaíba, à margem direita desse mesmo Rio, em frente à cidade de Barão de Grajaú, Maranhão. A cidade fica a 253 km da capital do Estado do Piauí, Teresina. Tem uma população de e ocupa uma área de km 2 (IBGE, 2011). O município possui um IDH de 0,711 que é considerado médio (HDR, 2011). Figura 1 - Localização da área de estudos em relação ao território do Brasil Resultados Nesta seção serão apresentadas as informações obtidas na fase de análise de dados do KDD. A Figura 2 apresenta a distribuição dos estudantes no território nacional e em relação ao estado do Piauí. Notamos que das 27 unidades distritais (contando com o Distrito Federal) o IFPI conta com alunos de 22 desses distritos, o que mostra a importância do mesmo no contesto nacional. Já no contexto do estado do Piauí sua

6 atuação ficou limitada a região sul e sudoeste. A Figura 2 ainda ilustra que a maioria dos alunos do IFPI, vem das cidades de: Floriano, Guadalupe, Jerumenha, Canto do Buriti, Oeiras, Amarante e Teresina. Figura 2. A esquerda temos a distribuição dos alunos em cada estado do Brasil e a direita temos a distribuição dentro do estado do Piauí. Com a intenção de avaliar se a renda dos estudantes tem uma influência direta na distribuição geográfica, foi gerado o mapa apresentado na Figura 3, nesse mapa apresentamos a classe social predominante dos discentes por estado e por cidade. Nela podemos constatar que estudantes de regiões mais distantes do polo educacional apresentam uma classe social mais elevada que os nascidos na microrregião de Floriano. Isso pode se dar devido à dificuldade que pessoas de classe social mais baixa têm de se transportar até lugares mais distantes e de sustentar-se. Figura 3. Mapa com a distribuição das classes sociais dos alunos por estado e por cidade. Tendo como base o contexto social em nosso país, no qual afrodescendentes ainda são muito discriminados, utilizamos o algoritmo de classificação RandomTree para avaliar a influência da cor da pele na classe social e obtivemos a árvore apresentada

7 na Figura 4. Constatamos que alunos de pele clara e alunos de pele negra apresentam a mesma classe social, todos enquadrados na classe E, assim não constatamos uma desigualdade gerada pela cor da pele. Figura 4. Árvore gerada pelo RandomTree comparando a classe social com a cor da pele. Avaliamos também que a classe social e a cor da pele têm influencia direta sobre a instituição de origem dos alunos (privada, pública ou filantrópica). Identificamos que a cor da pele em nada influência a instituição de origem sendo que para todas as etnias a maioria dos alunos foi proveniente de escola pública. Já a classe social C1 apresentou uma predominância em instituições filantrópicas, para as instituições públicas e privadas a predominância continua sendo de alunos da classe E. A classe social apresentou relação direta com o curso escolhido. Identificamos após classificação realizada pelo algoritmo RandomTree que alunos de classe social mais altas dão preferência a cursos na área de técnico em edificações e informática, e concomitante em edificações. Com o algoritmo J48 identificamos também que a classe social tem relação direta com a idade dos alunos. Alunos com idade inferior a 21 pertencem a classes sociais mais altas. Através da análise da árvore gerada pelo algoritmo REPTree identificamos que os alunos que ingressaram até o ano de 1999 eram provenientes de escola privada já nos anos posteriores, o número alunos de escola pública superaram o número de alunos de escola privada. Com o uso do algoritmo JRIP que identifica as regras pressentes na base de dados identificamos cinco regras predominantes. Das quais as três seguintes se destacam. 1. Alunos que ingressaram antes de 2008 e tem idade maior que 20 anos, escolheram o curso de Matemática, são locais, têm classe social C1 e são da etnia negra; 2. Os alunos que ingressaram depois de 2008 vindos de escola particular escolheram o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e tem etnia branca; 3. O curso de Biologia até o ano de 2005 foi mais escolhido por mulheres de classe social C1 e etnia branca; 5. Conclusões e Trabalhos Futuros Através da pesquisa acima apresentada concluímos que a mineração de dados é um processo de fundamental importância para a obtenção de informações de grandes bases

8 de dados. Constatamos que o IFPI, de fato, cumprindo o seu papel de inclusão social, pois não apresentou uma disparidade em seus alunos referentes à classe e a etnia. Como trabalho futuro propõe-se a exploração desta base de dados utilizando outras técnicas de mineração de dados como a Clusterização e a utilização de outras ferramentas de mineração. Agradecimentos Os autores agradecem a CAPES pela concessão das bolsas de pesquisa e ao IFPI Campus Floriano pela disponibilização da base de dados. Referências Bibliográficas Amo, S. A. (2004) Técnicas de Mineração de Dados. In: Sociedade Brasileira de Computação, UFBA. Jornadas de Atualização em Informática. Salvador BA, Universidade Federal da Bahia, 2004, v.2, p Breternitz, V. J. (2010) Sistemas de informações geográficas: uma visão para administradores e profissionais de tecnologia da informação, Câmara, G.; Casanova, M. A. (1995) Fields and objects algebras for gis operations operations. vol. 1, pp , Fayyad, U. M.; Shapiro, G. P.; Smyth, P. (1996) From data mining to knowledge discovery: An overview, AI Magazine pp , HDR (2011). Human Development Report. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/>. Acesso em set IBGE (2011). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Disponível em: <http://ibge.gov.br>. Acesso em set Miller, H. J.; Han, J. (2001) Geographic data mining and knowledge discovery: An overview. London: Taylor and Francis, in press, B., Oliveira, A. T.; Vidal Filho, J. N.; Lima, D. R.; Castro, A. F.; Silva, M. P. S. (2011) Spatial analysis of the student profile of federal techical school of piaui. In: ISTI: Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação. Portugal, V II, p Prass, F. S. (2004) Kdd: Processo de descoberta de conhecimento em bancos de dados vol. 1, pp , PDI (2009) Plano de Desenvolvimento Institucional. Disponível em: < Acesso em set Target (2011) Disponível em: <http://www.target.com.br/portal_new/home.aspx>. Acesso em set Wright, D. J.; Goodchild M. F.; Proctor J. D. (1997) Demystifying the persistent ambiguity of gis as Tool Versus Science The Annals of the Association of American Geographes, 87(2): , 1997.

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO Fernanda Delizete Madeira 1 ; Aracele Garcia de Oliveira Fassbinder 2 INTRODUÇÃO Data

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS Tácio Dias Palhão Mendes Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG taciomendes@yahoo.com.br Prof.

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Data Mining Software Weka. Software Weka. Software Weka 30/10/2012

Data Mining Software Weka. Software Weka. Software Weka 30/10/2012 Data Mining Software Weka Prof. Luiz Antonio do Nascimento Software Weka Ferramenta para mineração de dados. Weka é um Software livre desenvolvido em Java. Weka é um É um pássaro típico da Nova Zelândia.

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO

KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO KDD UMA VISAL GERAL DO PROCESSO por Fernando Sarturi Prass 1 1.Introdução O aumento das transações comerciais por meio eletrônico, em especial as feitas via Internet, possibilitou as empresas armazenar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações Amarildo Aparecido Ferreira Junior¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹, Jaime Willian Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL

IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES ENTRE PRODUTOS DE UMA BASE DE DADOS REAL Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM IMPLEMENTAÇÃO DE UM ALGORITMO DE PADRÕES DE SEQUÊNCIA PARA DESCOBERTA DE ASSOCIAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA SOBRE O MÓDULO DE GESTÃO E GERAÇÃO DE CONHECIMENTO...

GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA SOBRE O MÓDULO DE GESTÃO E GERAÇÃO DE CONHECIMENTO... GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA SOBRE O MÓDULO DE GESTÃO E GERAÇÃO DE CONHECIMENTO... 589 GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA PROGRAMAS DE MONITORIA UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA

Leia mais

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias Software de análise de dados Versão Sete Melhorias Software de análise de dados O IDEA Versão Sete apresenta centenas de novas melhorias e funcionalidades desenvolvidas para ajudá-lo a usar melhor o produto,

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado

Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado Gestão do Conhecimento: Extração de Informações do Banco de Dados de um Supermercado Alessandro Ferreira Brito 1, Rodrigo Augusto R. S. Baluz 1, Jean Carlo Galvão Mourão 1, Francisco das Chagas Rocha 2

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br Apresentação Luiz Merschmann Engenheiro

Leia mais

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local

Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local Contribuição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para as Organizações Produtivas e o Desenvolvimento Local 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29 de

Leia mais

Exemplo de Aplicação do DataMinig

Exemplo de Aplicação do DataMinig Exemplo de Aplicação do DataMinig Felipe E. Barletta Mendes 19 de fevereiro de 2008 INTRODUÇÃO AO DATA MINING A mineração de dados (Data Mining) está inserida em um processo maior denominado Descoberta

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA PARA LEVANTAMENTO DO PERFIL DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS OFERECIDOS PELO CAMPUS CAMPOS DO JORDÃO DO IFSP 1 Data de entrega dos originais à redação em 15/03/2013 e recebido

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS TARDIVO, Wagner Antonio 1 Tangará da Serra/MT - dezembro 2010 Resumo: A relação

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE

APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE APLICATIVO MOBILE CATÁLOGO DE PÁSSAROS - PLATAFORMA ANDROID/MYSQL/WEBSERVICE MARCOS LEÃO 1, DAVID PRATA 2 1 Aluno do Curso de Ciência da Computação; Campus de Palmas; e-mail: leão@uft.edu.br PIBIC/UFT

Leia mais

VI ENPENEX 2014 TERESINA - PIAUÍ TEMA: ÉTICA E CIÊNCIA NA ACADEMIA

VI ENPENEX 2014 TERESINA - PIAUÍ TEMA: ÉTICA E CIÊNCIA NA ACADEMIA VI ENPENEX 2014 TERESINA - PIAUÍ TEMA: ÉTICA E CIÊNCIA NA ACADEMIA PERÍODO: 10 A 14/11/14 PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHO: (COMUNICAÇÃO ORAL E PÔSTER) 22/09 a 10/10/2014 PERÍODO DE INSCRIÇÃO

Leia mais

Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste. Paula Montagner Outubro/ 2014

Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste. Paula Montagner Outubro/ 2014 Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste Paula Montagner Outubro/ 2014 A Organização Internacional do Trabalho - OIT tem sido a principal promotora da implementação de ações restritivas ao trabalho

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores)

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores) 1 Sobre o Movimento O Movimento é uma ação de responsabilidade social digital; Visa a formação de usuários digitalmente corretos Cidadania Digital, através de uma campanha de conscientização direcionada

Leia mais

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER

SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI LEARNING SYSTEMS FOR IDENTIFICATION OF PEQUI FRUIT SEEDS NUMBER SISTEMAS DE APRENDIZADO PARA A IDENTIFICAÇÃO DO NÚMERO DE CAROÇOS DO FRUTO PEQUI Fernando Luiz de Oliveira 1 Thereza Patrícia. P. Padilha 1 Conceição A. Previero 2 Leandro Maciel Almeida 1 RESUMO O processo

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

ANEXOS - EDITAL Nº. 01

ANEXOS - EDITAL Nº. 01 ANEXOS - EDITAL Nº. 01 ANEXO 1 1. TÍTULO DO PROJETO DE Criação de um Data Warehouse do IFS, campus Lagarto, a partir do delineamento do perfil discente da instituição. 2. PROGRAMA: PIBITI 3. RESUMO DO

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE MONITORIAS NÍVEL TÉCNICO

SELEÇÃO INTERNA DE MONITORIAS NÍVEL TÉCNICO CAMPUS TERESINA ZONA SUL COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL N.º 0/05 SELEÇÃO INTERNA DE MONITORIAS NÍVEL TÉCNICO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Campus Teresina Zona

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

DATA MINING EM POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA:um estudo de caso

DATA MINING EM POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA:um estudo de caso DATA MINING EM POÇOS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA:um estudo de caso Paulo Vinícius Lamana Barboza 1, Walkiria Cordenonzi 1 1 Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas 1614 Santa Maria RS Brazil ,

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

UM QUADRO DA MODALIDADE EAD NAS IFES

UM QUADRO DA MODALIDADE EAD NAS IFES UM QUADRO DA MODALIDADE EAD NAS IFES Prof. Dr. Ariel Behr ariel.behr@ufrgs.br UFRGS/FCE/DCCA Prof. Msc. Camila Furlan da Costa camilacosta@unipampa.edu.br UNIPAMPA/Campus Santana do Livramento Fortaleza,

Leia mais

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 1. Dados gerais do evento: Sobre a BBR Conference: Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro de 2014, a FUCAPE Business School sediará a 2ª Brazilian Business Review Conference

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Aplicativo de Mineração de Dados Aplicado em Bases de Dados Acadêmicas

Aplicativo de Mineração de Dados Aplicado em Bases de Dados Acadêmicas 22 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Aplicativo de Mineração de Dados Aplicado em Bases de Dados Acadêmicas Elisa Maria Vissotto1, Adriane Barbosa Camargo2 1 Universidade Regional Integrada

Leia mais

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações Manoel P. A. Junior, Marden E. Santos, Marcelo H. S. da Silva, Jhozefem S. Pontes Nokia de Ensino (FNE) Av. Ministro Mário Andreazza,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO Título do Projeto: (nome do centro de Educação profissional

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais