Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima Chesf Márcio Leal ABB RESUMO Foi contemplada no Lote A do Edital de Leilão n 006/2010 da ANEEL, que teve como vencedora a Chesf, a instalação na subestação Extremoz II de um compensador estático de potência reativa (CE) com nominais (-75 a +150 Mvar / 230kV), que deverá possuir uma configuração mínima de dois reatores controlados a tiristores (TCR), dois capacitores manobrados a tiristores (TSC) e filtros de harmônicos conforme definido pelo Fabricante para atender aos requisitos técnicos do Edital [1]. Este artigo técnico apresenta as principais etapas desenvolvidas para a determinação dos parâmetros do circuito principal do CE Extremoz, contemplando a determinação dos valores de indutâncias e capacitâncias dos elementos de média tensão do compensador que garantem o atendimento aos nominais contínuos de potência reativa, considerando os limites de tensão e freqüência estabelecidos no Edital [1]. É verificado também o atendimento aos pontos limites de operação, tais como os correspondentes aos limites capacitivo e indutivo na mínima tensão de operação, sendo a partir daí levantada a curva característica V x I do compensador. A metodologia utilizada para definição dos ratings dos elementos que integram o CE Extremoz, incluindo o transformador abaixador, é apresentada, levando-se em conta a componente fundamental da corrente, as correntes harmônicas injetadas pelos reatores controlados e os harmônicos préexistentes. Concluindo, são analisadas as solicitações sobre as válvulas de tiristores associadas à aplicação de faltas e à circulação de correntes DC nos reatores controlados. PALAVRAS-CHAVE Compensador Estático, Controle de Tensão, Correntes Harmônicas, Curto-Circuito, Parâmetros do Circuito Principal, DC Trapped Current, Disponibilidade, Integração de Parques Eólicos, Suportabilidades, Válvulas de Tiristores. 1 / 8

2 1. INTRODUÇÃO Através do Edital n 006/2010, foi realizado pela ANEEL o leilão do Lote A, associado aos reforços de transmissão em 500 e 230kV necessários para permitir a integração ao Sistema Interligado Brasileiro de parques eólicos a serem instalados no Estado do Rio Grande do Norte, região Nordeste do Brasil. A subestação (SE) João Câmara, onde será conectada grande parte do parque eólico aqui mencionado, será ligada à SE Extremoz II, que representa um novo ponto de suprimento à região metropolitana da cidade de Natal, através de linhas de 230 e 500kV (Figura 5). Para assegurar que o escoamento da energia produzida pelos mencionados parques se dará em conformidade com os procedimentos de rede, foi contemplada no Lote A, composto pelas subestações Extremoz II e João Câmara, além de trechos de linhas de transmissão em 230kV, a instalação na subestação Extremoz II de um compensador estático de potência reativa (CE) com nominais (-75 a +150 Mvar / 230kV), que deverá, com base nos requisitos do referido Edital, possuir a configuração mínima de dois reatores controlados a tiristores (TCR), dois capacitores manobrados a tiristores (TSC) e dois filtros de harmônicos definidos com base em estudos desenvolvidos pelo Fabricante. O CE Extremoz deverá ser projetado para atendimento aos seguintes requisitos: Efetuar o controle da tensão da barra de 230kV da subestação Extremoz II em regime permanente e contingências. Fornecer na barra de 230kV da SE Extremoz II um valor de potência reativa de saída continuamente variado entre 75Mvar indutivos e 150Mvar capacitivos para qualquer valor de tensão terminal compreendido no intervalo (230kV±5%). Assegurar a estabilidade de primeiro swing, mantendo a tensão nos limites estabelecidos durante a ocorrencia de grandes distúrbios na rede elétrica. Neste artigo técnico, são apresentadas as principais etapas desenvolvidas para a determinação dos parâmetros do circuito principal do CE Extremoz, conforme as etapas a seguir. Determinação dos valores de indutâncias e capacitâncias dos reatores controlados, capacitores manobrados e filtros de forma a garantir o atendimento aos nominais contínuos de potência reativa, considerando os valores limites de tensão e freqüência estabelecidos no Edital [1]. Determinação dos valores de potência reativa de saída nas condições operativas especificadas pela Transmissora para atendimento aos requisitos do Edital [1]. Verificação do atendimento aos pontos extremos de operação, tais como os correspondentes aos limites capacitivo e indutivo na mínima tensão de operação. São também calculados pontos de operação onde ocorre a atuação de funções de limitação, tais como os de máxima tensão secundária com tensão primária de 1,05 pu e de máxima corrente nos reatores controlados para máxima potência reativa indutiva de saída. Levantamento da curva característica V x I do compensador A metodologia utilizada para definição dos ratings dos elementos integrantes do CE Extremoz, incluindo o transformador abaixador, é também apresentada, levando-se em conta a componente fundamental da corrente nos TCR, as correntes harmônicas injetadas pelos reatores controlados e os harmônicos pré-existentes. Concluindo, são analisadas as solicitações sobre as válvulas de tiristores dos TCR durante a aplicação de faltas na barra de 230kV da SE Extremoz, quando circula através destes elementos a chamada DC trapped current. Um diagrama unifilar simplificado do CE Extremoz é apresentado na Figura 1 e na Figura 5, é apresentado um um diagrama simplificado da região onde será conectado o compensador estático de Extremoz. 2 / 8

3 2. CURVA CARACTERÍSTICA V X I Figura 1- Compensador Estático de Extremoz A Figura 2 apresenta a curva característica V x I do CE Extremoz vista do lado de 230kV, onde se destacam os seguintes pontos, considerando a freqüência compreendida no intervalo (59,5 a 60,5Hz): 1,0 pu de tensão no 230kV, onde F e B representam respectivamente os pontos correspondentes aos máximos valores contínuos de potência reativa indutiva (83Mvar) e capacitiva (150Mvar). 1,05 pu de tensão no 230kV, onde E e C representam respectivamente os pontos correspondentes aos máximos valores contínuos de potência reativa indutiva (92Mvar) e capacitiva (150Mvar). 0,95 pu de tensão no 230kV, onde G e A representam respectivamente os pontos correspondentes aos máximos valores contínuos de potência reativa indutiva (75Mvar) e capacitiva (150Mvar). A inclinação da curva V x I, denominada estatismo, pode ser ajustada no intervalo (0-10%) e a tensão de referência pode ser ajustada entre 0,95 e 1,05 pu de 230kV. 3 / 8

4 Figura 2 Característica VxI do CE Extremoz referida ao 230kV 3. PRINCIPAIS PARÂMETROS ELÉTRICOS O CE Extremoz é composto pelos seguintes elementos (Figura 1): Um banco de transformadores monofásicos 230/17,1 kv 150MVA, ligação estrela aterrada delta. Dois reatores controlados a tiristores com indutância por ramo delta de 37mH. Dois capacitores manobrados a tiristores com capacitância por ramo delta de 162,2µF e reator de amortecimento de 2,142mH. Um filtro sintonizado na terceira harmônica com capacitância de 127,5µF (CF31-C1), capacitância de 1005µF (CF31-C2), indutância de 7,003mH e dois resistores de amortecimento de 349,1Ω cada um por fase. Um filtro sintonizado na quinta harmônica com capacitância de 168µF e indutância de 1,709mH por fase. 4. CÁLCULO DOS VALORES DE POTÊNCIA REATIVA DE SAÍDA A Tabela I apresenta as grandezas elétricas correspondentes aos seguintes pontos da curva V x I do CE Extremoz, comprovando o atendimento aos valores de projeto, considerando as mais desfavoráveis tolerâncias na freqüência e nas reatâncias dos elementos que integram o compensador (transformador, reatores, capacitores e filtros). Ponto A: Máxima potência reativa capacitiva (150Mvar) na mínima tensão terminal de operação (0,95 pu). A corrente nos TCR é mantida nula. 4 / 8

5 Ponto B: Máxima potência reativa capacitiva de saída com tensão terminal de 1,0 pu, limitada em 150Mvar através da função de limitação de potência reativa. Ponto G: Máxima potência reativa indutiva nominal (75Mvar) na mínima tensão terminal de operação (0,95 pu). Os TSC são bloqueados nesta condição de operação. Ponto F: Máxima potência reativa indutiva garantida (83Mvar) com tensão terminal de 1,0 pu. Tabela I: Grandezas Elétricas do CE Extremoz Ponto Tensão Primária Admitância Secundária (pu) Admitância Total (pu) Potência Reativa de Saída (pu/mvar) Tensão Secundária A 0,95 / 218,5 1,446 1,665 1,5 / 150 1,094 / 18,7 B 1,0 / 230 1,303 1,50 1,5 / 150 1,151 / 19,7 G 0,95 / 218,5-0,908-0,832-0,751 / -75,0 0,87 / 14,88 F 1,0 / 230-0,908-0,832-0,832 / -83,0 0,916 / 15,67 5. OPERAÇÃO COM ATUAÇÃO DE LIMITADORES 5.1 Máxima Tensão Secundária A máxima tensão secundária para operação em regime contínuo é determinada pela operação com máxima potência reativa capacitiva (150Mvar) e máxima tensão primária (1,05 pu) considerando as mais desfavoráveis tolerâncias para os elementos integrantes do compensador (Ponto C da Figura 2). As principais grandezas elétricas do CE Extremoz para esta condição operativa são apresentadas na Tabela II. Tabela II: Operação com Máxima Tensão Secundária Ponto Tensão Primária Corrente Primária (pu) Reatância Total (pu) Potência Reativa de Saída (pu/mvar) Tensão Secundária C 1,05 / 241,5-1,429 0,101 1,5 / 150 1,194 / 20, Corrente nos TCR para Máxima Potência Reativa Indutiva de Saída Os reatores controlados a tiristores que integram o CE Extremoz são projetados para operação contínua no ponto E da Figura 2, caracterizado pela máxima corrente de operação contínua através dos referidos elementos, definido pela máxima potência reativa indutiva de saída e pela máxima tensão primária. As principais grandezas elétricas do compensador para esta condição são apresentadas na Tabela III. Tabela III: Operação com Máxima Corrente nos Reatores Controlados Ponto Tensão Primária Admitância Secundária (pu) Admitância Total (pu) Potência Reativa de Saída (pu/mvar) Tensão Secundária E 1,05 / 253-0,908-0,832 0,92 / 92 0,962/16,45 5 / 8

6 6. SUPORTABILIDADE DE TRANSFORMADOR, TSC E FILTROS A suportabilidade total do transformador, reatores e capacitores que integram os TSC e ramos de filtros é definida com base na soma de três contribuições: Tensões e correntes de frequência fundamental, definidas com base nos pontos de operação do compensador. Correntes harmônicas que dependem dos ângulos de disparo dos TCR, da tensão secundária e do estado dos TSC (bloqueados ou inseridos). Efeito dos harmônicos pré-existentes na tensão primária, que depende do estado dos elementos que integram o compensador. Os harmônicos pré-existentes foram considerados conforme estabelecido em [1]. Para o cálculo da suportabilidade dos componentes aqui mencionados, uma varredura é efetuada através da faixa de operação do CE Extremoz, do limite indutivo ao capacitivo, considerando a variação do ângulo de disparo dos TCR, com dois TSC em operação, um TSC em operação e os dois TSC bloqueados. Restrições na operação do compensador devido à atuação de funções tais como limitação de corrente primária e de tensão secundária são consideradas. Tolerâncias nos elementos que integram o compensador são também consideradas. Os harmônicos pré-existentes e os produzidos pelos reatores controlados são considerados independentes. 7. SUPORTABILIDADE DOS REATORES CONTROLADOS A corrente que circula nos TCR é a soma da componente fundamental e das componentes harmônicas geradas por estes elementos. A experiência mostra que as correntes harmônicas geradas por harmônicos pré-existentes podem ser desprezadas no projeto dos TCR. As correntes harmônicas geradas pelos TCR no interior da conexão delta e a componente fundamental em função do ângulo de disparo são mostradas respectivamente nas Figuras 3 e 4. Uma vez que existem dois TCR no CE Extremoz, a máxima componente fundamental de corrente em cada um deles será determinada através do ponto de inserção de um TSC, uma vez que nesta situação, o TCR deverá instantaneamente compensar o TSC para que a inserção deste elemento não provoque distúrbios na rede elétrica. A presença de componentes harmônicas deve ser considerada neste ponto de operação através das curvas mostradas na Figura 3, pois o TCR não se encontra neste caso em condução plena. No instante do chaveamento do TSC, a susceptância do TCR deve ser igual a (1 + h).b TSCmax, onde h é a histerese utilizada para evitar instabilidade no chaveamento do TSC. Com base na relação apresentada na Figura 4, tem-se para este ponto um ângulo de disparo de 91,9 e uma corrente de 1387 A para cada TCR. 8. CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO Os cálculos das correntes de curto-circuito para dimensionamento dos elementos que integram o CE Extremoz são apresentados neste item, tendo como referência a máxima corrente de curto-circuito trifásica no lado de alta tensão do seu transformador (40kA/1seg). Nos estudos de RTDS, descritos em artigo técnico a ser elaborado, foram considerados no 230kV de Extremoz os níveis de curto-circuito máximo de 5,33GVA e mínimo de 1,79GVA. Os seguintes casos foram identificados como os mais críticos para efeito de suportabilidade de componentes: 6 / 8

7 Figura 3 Correntes harmônicas nos TCR em função do ângulo de disparo Figura 4 Corrente fundamental nos TCR em função do ângulo de disparo Falta trifásica na barra de média tensão do compensador. Falta trifásica em um filtro, entre um reator e um capacitor. Falta bifásica em um filtro. Falta nos terminais do capacitor de um TSC. Falta em uma das bobinas do reator de um TCR. As correntes de curto-circuito decorrentes destes cálculos são apresentadas na Tabela IV. 7 / 8

8 Tabela IV: Local da Falta Máximas Correntes de Curto Simétricas / Assimétricas (karms / kapico) Barra de Média Tensão do CE 36,4 / 94,6 Filtro 5 Harmônico 11,5 / 29,9 (3-ϕ) e 15,2 / 39,4 (2-ϕ) Filtro 3 Harmônico 3,7 / 9,6 (3-ϕ) e 5,8 / 15,1 (2-ϕ) TSC 13,4 / 34,8 TCR 2,5 / 6,5 9. CÁLCULO DA DC TRAPPED CURRENT NOS TCR A temperatura dos tiristores para a máxima corrente nos TCR de acordo com o projeto do CE Extremoz é 103,4 C e ocorre quando o TCR opera no ponto de chaveamento do TSC (1387 A, item 7). Sendo a corrente no TCR para o valor máximo de potência indutiva de saída 92 Mvar igual a 1177 A (Ponto E da Figura 2), foi considerada nos cálculos efetuados, de forma conservativa, uma máxima corrente no TCR de 1387 A. Para atendimento aos requisitos de [1], o TCR deve suportar os efeitos de uma DC trapped current decorrente da aplicação de uma falta trifásica à terra eliminada em 100mseg no 230kV de Extremoz, seguido do seguinte ciclo de sobretensão referido ao 230kV: 1,8 pu por 50mseg / 1,4 pu por 200mseg / 1,3 pu por 1 seg / 1,2 pu por 10 seg. Utilizando-se o circuito equivalente térmico do tiristor, a elevação de temperatura de cada tiristor decorrente da DC trapped current será de 7,5 C, o que resulta em uma temperatura máxima de (103,3 + 7,5) = 110,8 C. O ciclo de sobretensão é então aplicado. O projeto das válvulas é efetuado de tal forma que a temperatura de junção de cada tiristor não ultrapasse 113 C após o mencionado ciclo. Desta forma, tanto após a eliminação da falta quanto após a aplicação do ciclo de sobrecarga, a temperatura da junção dos tiristores encontra-se confortavelmente abaixo de 125 C, valor limite definido para o projeto pelo Fabricante. 10. CONCLUSÕES Figura 5 Diagrama Unifilar Simplificado da Região de Extremoz Foram apresentadas neste artigo técnico as etapas associadas ao dimensionamento dos elementos que integram o circuito principal do compensador estático a ser instalado na SE Extremoz. Os resultados obtidos mostram o pleno atendimento aos requisitos de especificação, quanto aos valores de potência reativa nominal injetada na barra de 230kV da SE Extremoz para os pontos de operação limites da curva V x I e aos ratings dos equipamentos que integram o CE Extremoz. BIBLIOGRAFIA [1] Edital de Leilão n. 006/2010-ANEEL Anexo 6A Lote A 8 / 8

EXPERIÊNCIA DA CHESF NO PROJETO DOS BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE EM 500KV INSTALADOS NA SE SÃO JOÃO DO PIAUÍ

EXPERIÊNCIA DA CHESF NO PROJETO DOS BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE EM 500KV INSTALADOS NA SE SÃO JOÃO DO PIAUÍ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE - 33 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS - GSE EXPERIÊNCIA DA

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição

Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição C. Penna, ENERSUL e J. W. Resende, UFU RESUMO Este artigo apresenta as bases teóricas, os resultados práticos

Leia mais

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 6

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 6 Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 6 1) Determine a corrente de curto-circuito trifásico em Ampères e em p.u. no ponto F da figura abaixo (lado de AT do trafo), desprezando-se a corrente

Leia mais

Aula 2 por fase e Sistema pu

Aula 2 por fase e Sistema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Proteção de istemas Elétricos Aula Análise por fase e istema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Análise por fase e diagrama unifilar No estudo do RP do EE, utiliza-se

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Conteúdo Treinamento Para raios de Alta Tensão. Overview - O que é? - Para que serve?. Portfólio ABB - Para raios de baixa tensão - Para raios

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

Dentre os mais relevantes itens a serem contemplados na referida especificação, destacam-se:

Dentre os mais relevantes itens a serem contemplados na referida especificação, destacam-se: XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FI/GDS/25 18 a 21 de Outubro de 2015 Foz do Iguaçu - PR GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE DESEMPENHO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GDS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N o PEA50 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS DE DOIS CAMINHOS W. KAISER 0/009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento e processo de comutação em retificadores

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

Figura Circuito para determinação da seqüência de fases

Figura Circuito para determinação da seqüência de fases A C B R N C R N Figura 4.1 - Circuito para determinação da seqüência de fases Exercício 4.2 No circuito da Figura 4.2, quando ocorre um defeito fase-terra franco na barra P, pede-se determinar: a) a corrente

Leia mais

TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios. Fator de Potência

TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios. Fator de Potência TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios Fator de Potência Cargo: Engenheiro Pleno - Eletricista Ano: 2006 Órgão: CORREIOS/DF Instituição: AOCP 1. Determine a potência ativa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão

4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão 4 Modelo Proposto para Transformador com Tap Variável e Impacto em Estudos de Estabilidade de Tensão A representação de equipamentos elétricos através de simples combinações de resistências e reatâncias

Leia mais

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial VIII.3 - TRANFORMADOR DE OTENCIAL (T) VIII.3.1 - GENERALIDADE A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. - ITEMA + ITEMA I + - RT + - I Z Figura VIII.7 - Transformador

Leia mais

Curto-Circuito. cap. 5

Curto-Circuito. cap. 5 Curto-Circuito cap. 5 1 Curto-Circuito Fundamental no dimensionamento da proteção; Baseada no conhecimento do valor das impedâncias; Provocadas por perdas na isolação; Atinge valores de 10 a 100 vezes

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: 13 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 35 É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: a) A soma do ângulo de fator de potência interno do transformador com o

Leia mais

3 Análise do Efeito do Controle de Tensão em Geradores

3 Análise do Efeito do Controle de Tensão em Geradores 3 Análise do Efeito do Controle de Tensão em Geradores O interesse é avaliar o efeito de ações de controle em regime permanente e no domínio do tempo. Para tal é necessário conhecer as características

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Fluxos de Potência entre dois Barramentos Tópicos da Aula (parte 1) Modelos de Linhas de Transmissão Linhas Curtas: Fluxos da LT sem perdas ativas Diagrama Fasorial

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 4

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 4 Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 4 1 Um transformador trifásico de distribuição de 50 KVA, 2400:240 V, 60 Hz, tem uma impedância de dispersão de 0,72 + j 0,92 Ω no enrolamento da

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

1. Introdução ao Estudo de Equipamentos Elétricos Os estudos básicos visando à especificação das características dos equipamentos, realizados na

1. Introdução ao Estudo de Equipamentos Elétricos Os estudos básicos visando à especificação das características dos equipamentos, realizados na 1. Introdução ao Estudo de Equipamentos Elétricos Os estudos básicos visando à especificação das características dos equipamentos, realizados na etapa de detalhamento, consistem no estudo de fluxo de potência,

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

3 Avaliação do Modelo Usual de Transformador com Tap Variável em Estabilidade de Tensão

3 Avaliação do Modelo Usual de Transformador com Tap Variável em Estabilidade de Tensão 3 Avaliação do Modelo Usual de Transformador com Tap Variável em Estabilidade de Tensão 3.1 Modelo Usual de Transformador com Tap Variável 3.1.1 Transformadores em Regime Permanente A partir dos ensaios

Leia mais

Reatores. THE PROVEN POWER.

Reatores. THE PROVEN POWER. Reatores THE PROVEN POWER. www.trench-group.com Reatores Parcerias com clientes do mundo inteiro Mais de 250.000 reatores entregues a mais de 170 países. Mais de 60 anos de experiência operacional. 35.000

Leia mais

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2)

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) SUMÁRIO Sinais Senoidais Circuitos CA Resistivos Circuitos CA Indutivos Circuitos CA Capacitivos Circuitos RLC GERADOR TRIFÁSICO Gerador Monofásico GRÁFICO

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

CIDADE DE CHARQUEADAS INSTRUÇÕES GERAIS

CIDADE DE CHARQUEADAS INSTRUÇÕES GERAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC / SETEC CIDADE DE CHARQUEADAS INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro)

Leia mais

Os inversores podem ser classificados segundo os campos:

Os inversores podem ser classificados segundo os campos: Capítulo 5 Inversores Os inversores podem ser classificados segundo os campos: quanto à fonte de energia; quanto ao número de fontes de energia; quanto ao número de fases. Quanto ao tipo de fonte utilizada,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1)

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1) Acionamentos Eletrônicos de Motores Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1) 1) A velocidade de motor de corrente contínua com excitação separada de 125 hp, 600V, 1800rpm é controlada

Leia mais

Aplicação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários

Aplicação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários Aplicação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários José Rubens M. Jr, ESCELSA; José W. Resende, Milton I. Samesima, Davi B. Gomes, UFU RESUMO Em meados do ano 2000, foi desenvolvido o primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7 Partida de Motores Elétricos de Indução cap. 7 1 Introdução Corrente de partida da ordem de 6 a 10x o valor da corrente nominal; 2 Influência da Partida de um Motor Consumo de Energia Demanda de Energia

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Elétricos de Potência 3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência 3.2.6 Máquinas Trifásicas e Cargas em Sistemas Trifásicos Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

A u l a 0 3 : R e p r e s e n t a ç ã o d o S i s t e m a E l é t r i c o d e P o t ê n c i a

A u l a 0 3 : R e p r e s e n t a ç ã o d o S i s t e m a E l é t r i c o d e P o t ê n c i a Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA A u l a 0 3 : R e p r e s e n t a ç ã o d o S i s t e m a E l é t r i c o d e P o t ê n c i a 1. Visão Geral do Sistema

Leia mais

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída

Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Avaliação da Estabilidade de Sistemas de Distribuição Considerando a Presença de Elevada Penetração de Geração Distribuída Alisson Guedes Chagas e Antônio Carlos Zambroni de Souza Cemig Distribuição S.A.

Leia mais

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA

Unidade III. 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuitos CA Unidade III 2. Circuitos mistos: RL, RC, RLC. Ressonância. Circuitos série-paralelo. Circuito RL Circuitos RL são formados por resistências e indutâncias, em série ou paralelo. São usados para representar

Leia mais

Tópicos Especiais em Controle de Conversores Estáticos. Prof. Cassiano Rech

Tópicos Especiais em Controle de Conversores Estáticos. Prof. Cassiano Rech Tópicos Especiais em Controle de Conversores Estáticos cassiano@ieee.org 1 Aula de hoje O que é um conversor estático de potência? Por que devemos controlar um conversor estático? Por que necessitamos

Leia mais

2 Ma M teria i is i e E q E u q i u p i a p me m nt n os o E l E é l tric i os o Capí p t í ul u o l o 9 Ma M me m de d

2 Ma M teria i is i e E q E u q i u p i a p me m nt n os o E l E é l tric i os o Capí p t í ul u o l o 9 Ma M me m de d 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

Estudos de Transitórios Eletromagnéticos em Bancos de Capacitores MSCDN

Estudos de Transitórios Eletromagnéticos em Bancos de Capacitores MSCDN XII SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA XII SEPOPE 2 a 23 de Maio 212 May 2 th to 23 rd 212 RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL

Leia mais

Aula 04: Circuitos Trifásicos Equilibrados e Desequilibrados

Aula 04: Circuitos Trifásicos Equilibrados e Desequilibrados UNIERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 Aula 04: Circuitos Trifásicos Equilibrados e Desequilibrados P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l :

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA 4 PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADOR TRIFÁSICO EM PONTE CONTROLADO W. KAISER 02/2009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento de uma ponte trifásica a tiristores controlada

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.1 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Porque em muitos casos é necessário utilizar um método para partir um motor

Leia mais

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo

Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Eletromagnetismo 01) Para o eletroimã da figura abaixo, determine: a) Calcule a densidade de fluxo no núcleo; b) Faça um esboço das linhas de campo e

Leia mais

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil.

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Eletricidade Professor(es) Teoria: Paulo Guerra Junior Laboratório: José Gomes e Francisco Sukys Carga horária 4 Código da

Leia mais

Medidas Corretivas. As medidas corriqueiras são: (i) para redução da potência de curto circuito trifásico ( Pcc3 3 V

Medidas Corretivas. As medidas corriqueiras são: (i) para redução da potência de curto circuito trifásico ( Pcc3 3 V Medidas Corretivas Quando os estudos de curto-circuito, para uma dada configuração de sistema mostram que os níveis de defeito, quer sejam valores de sobretensão ou corrente, se situam acima dos valores

Leia mais

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares 40 De modo geral, as cargas são agrupadas em um transformador de distribuição, que, desse modo, passa a fornecer energia para vários consumidores. Cada consumidor apresenta uma curva de demanda similar

Leia mais

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada.

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada. FIS53 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 23-Maio-2014. Lista de Problemas 12 -Circuito RL, LC Corrente Alternada. QUESTÃO 1: Considere o circuito abaixo onde C é um capacitor de pf, L um indutor de μh,

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA N ODMN-VIT-ET SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA N ODMN-VIT-ET SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015 SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015 1/6 1 Descrição Soft-starter de baixa tensão trifásico para controle de partida e parada suaves de motor

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do S Faculdade de Engenharia LABOATÓIO DE ELETÔNICA DE POTÊNCIA Experiência 8: Ponte etificadora Monofásica a Tiristor (Totalmente Controlada). Objetivos: Verificar qualitativa

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 3 Gradadores, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua Panorama Atual e Perspectivas Futuras no Brasil Ultra-High Voltage Transmission Systems Brazilian SC B4 Transmissão em CCAT - Aspectos Conceituais E. H. Watanabe 1 B. Chuco

Leia mais

COMPONENTES SIMÉTRICAS

COMPONENTES SIMÉTRICAS COMPONENTES SIMÉTRICAS COMPONENTES SIMÉTRICAS Uma das melhores ferramentas para lidar com circuitos polifásicos desbalanceados é o método das componentes simétricas introduzido por C. L. Fortescue; Neste

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL

ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Tópico: ANÁLISE, DIAGNÓSTICO E SOLUÇÕES. ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO FATOR DE POTÊNCIA EM SISTEMAS DE TRAÇÃO FERROVIÁRIA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO FATOR DE POTÊNCIA EM SISTEMAS DE TRAÇÃO FERROVIÁRIA ART403-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO FATOR DE POTÊNCIA EM SISTEMAS DE TRAÇÃO FERROVIÁRIA Mauro Sérgio Misculin João Roberto Cogo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Escola

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF)

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) JUNHO/2016 SUMÁRIO 1- OBJETIVO 2- REFERÊNCIAS 3- PROCESSO DE MIGRAÇÃO 4- RESPONSABILIDADES DO CONSUMIDOR 5- RESPONSABILIDADES DA

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PCE Projeto de Conversores Estáticos Aula 2 Tópicos Introdução Necessidade de conversores isolados

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Cortes de tensão, harmônicas e fator de potência em sistema com cargas dinâmicas

Cortes de tensão, harmônicas e fator de potência em sistema com cargas dinâmicas Cortes de tensão, harmônicas e fator de potência em sistema com cargas dinâmicas O artigo relata o caso de uma plataforma de petróleo marítima em que se conseguiu a diminuição de perturbações (cortes transitórios

Leia mais

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144 [1] Introdução Os indicadores analógicos de potência modelo EW (potência ativa - watts) ou EV (potência reativa vars) tem por finalidade a medição da potência de um determinado circuito com forma de onda

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

ANÁLISE DE SUPERAÇÃO DE DISJUNTORES QUANTO A CURTO CIRCUITO E TENSÃO DE RESTABELECIMENTO TRANSITÓRIA NO PLANEJAMENTO CHESF

ANÁLISE DE SUPERAÇÃO DE DISJUNTORES QUANTO A CURTO CIRCUITO E TENSÃO DE RESTABELECIMENTO TRANSITÓRIA NO PLANEJAMENTO CHESF SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC - 05 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO X GRUPO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DO ISOLAMENTO - GSC ANÁLISE DE SUPERAÇÃO

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência SEL-0437 Eficiência Energética Correção do Fator de Potência Prof. José Carlos de Melo Vieira Júnior E-mail: jcarlos@sc.usp.br 1 Introdução Fator de potência: É possível quantificar numericamente as discrepâncias

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

TRANSFORMADORES PARA INSTRUMENTAÇÃO

TRANSFORMADORES PARA INSTRUMENTAÇÃO TRANSFORMADORES PARA INSTRUMENTAÇÃO TRANSFORMADOR DE POTENCIAL (TP) NBR6855/2015 E TRANSFORMADOR DE CORRENTE (TC) NBR6856/2015 Prof. Marcos Fergütz Maio/2016 Transformador de Potencial - TP Os transformadores

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 065/2012 Grupo AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO Regulamenta a definição, os valores de referência e a abrangência na aplicação do Fator de

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Departamento de Engenharia Elétrica Aula 2.3 Transformadores Prof. Clodomiro Unsihuay Vila Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resposta em Frequência O que será estudado? Decibel Circuitos Ressonantes Filtros Ressonância Circuito Ressonante (ou sintonizado) Combinação

Leia mais

Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva

Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva 1 Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva Filipe de Oliveira Dias, José Rubens Macedo Jr, Senior Member, IEEE Resumo--A sobreposição

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PRESENCIAL MARINGÁ

PÓS-GRADUAÇÃO PRESENCIAL MARINGÁ 17/09/2016 1 / 26 PRESENCIAL MARINGÁ Professor CURSOS 2016 Introdução aos Sistemas Elétricos de Potência Circuitos Trifásicos e Laboratório MatLab Gerador Síncrono Transformadores TOTAL DE CURSO 10 10

Leia mais

Avaliação da Impedância Harmônica de uma Malha de Aterramento Submetida a Correntes Impulsivas

Avaliação da Impedância Harmônica de uma Malha de Aterramento Submetida a Correntes Impulsivas Avaliação da Impedância Harmônica de uma Malha de Aterramento Submetida a Correntes Impulsivas Felipe J. L de Araújo Edson G. da Costa Helder Alves Pereira Marconni F. B. R. Gonçalves João Marcelo Costa

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais