REPRESENTAÇÃO DETALHADA DE COMPENSADORES ESTÁTICOS (CE) EM ESTUDOS DE REJEIÇÃO DE CARGA ANÁLISE DE UM CASO REAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENTAÇÃO DETALHADA DE COMPENSADORES ESTÁTICOS (CE) EM ESTUDOS DE REJEIÇÃO DE CARGA ANÁLISE DE UM CASO REAL"

Transcrição

1 REPRESENTAÇÃO DETALHADA DE COMPENSADORES ESTÁTICOS (CE) EM ESTUDOS DE REJEIÇÃO DE CARGA ANÁLISE DE UM CASO REAL ALECIO B. FERNANDES* ANTONIO SAMUEL NETO ROBERVAL M. DA SILVA ARLINDO L. ARAÚJO JR. Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Brasil Resumo A incorporação ao Sistema Interligado Nacional (SIN) da Interligação Sudeste/Nordeste 5kV, em 3, totalizando 1.62km de extensão, alterou significativamente a topologia da rede na Área Sudoeste da Região Nordeste. Adicionalmente ao ganho em confiabilidade e limites no atendimento às cargas, tal alteração proporcionou ganhos expressivos quanto ao controle de tensão da Área Sudoeste. Neste aspecto em particular, vale destacar a presença de um compensador estático (CE), 5/17,5kV, -25/+25Mvar, na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV. Este CE tem um papel importante não só no controle de tensão da Interligação Sudeste/Nordeste, mas também em casos de rejeição de carga, tendo um papel fundamental no comportamento transitório das sobretensões decorrentes das aberturas de circuitos e conseqüente interrupção do fluxo de potência. Estas sobretensões elevadas se verificam nas subestações (SE) 23kV mais próximas, que compõem um sistema radial em 23kV com aproximadamente 1.1km de extensão, que interliga as SE 5kV Sobradinho e Bom Jesus da Lapa II. Nos estudos de transitórios eletromagnéticos o CE da SE Bom Jesus da Lapa II pode ser representado por um modelo computacional simplificado (transformador + reator ou capacitor) ou por um modelo detalhado no qual se considera os filtros, os reatores controlados a tiristores (TCRs), o banco de capacitores chaveados a tiristores (TSC), e os sistemas de medição e controle, reproduzindo o comportamento transitório deste equipamento. No presente trabalho, faz-se uma análise quanto aos resultados dos estudos de rejeição de carga em função da representação do CE de Bom Jesus da Lapa II. Para tanto, quantificam-se as sobretensões transitórias decorrentes das manobras de abertura de circuitos 5kV na Interligação Sudeste/Nordeste, em condições de máximo fluxo. As diferenças observadas são significativas e denotam a importância de uma representação detalhada do compensador estático. Uma análise detalhada mostra que a modelagem detalhada possibilita ainda otimizar o desempenho do compensador estático, quanto aos ajustes implementados. Corroborando com outros estudos no mesmo sentido, o presente trabalho denota ser fundamental a representação detalhada do compensador estático nos estudos de transitórios eletromagnéticos. Palavras-Chave: Sistemas de potência, Simulação digital, Transitórios eletromagnéticos, Modelos computacionais, Compensador estático, Rejeição de carga, Desempenho de equipamentos. 1. INTRODUÇÃO A incorporação ao Sistema Interligado Nacional (SIN) da Interligação Sudeste/Nordeste, em 3, composta pelos circuitos 5kV Serra da Mesa Rio das Éguas Bom Jesus da Lapa II Ibicoara Sapeaçu, totalizando 1.62km de extensão, alterou significativamente a topologia da rede na Área Sudoeste da Região Nordeste, conforme ilustrado na Fig. 1. * Rua Quinze de Março, 5, Sala A 25, Torrões CEP , Recife PE - Telefone: (81)

2 Fig. 1. Interligação Sudeste/Nordeste 5kV e Área Sudoeste 23kV. Configuração a partir de 3. Adicionalmente ao ganho em confiabilidade e limites no atendimento às cargas, tal alteração proporcionou ganhos expressivos quanto ao controle de tensão da Área Sudoeste. Neste aspecto em particular, vale destacar a presença de um compensador estático (CE), 5/17,5kV, -25/+25Mvar, na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV. O CE de Bom Jesus da Lapa II tem um papel importante não só no controle de tensão da Interligação Sudeste/Nordeste, mas também em casos de rejeição de carga, tendo um papel fundamental no comportamento transitório das sobretensões decorrentes das aberturas de circuitos e conseqüente interrupção do fluxo de potência na Interligação Sudeste/Nordeste. Estas sobretensões elevadas se verificam nas subestações (SE) 23kV mais próximas, que compõem um sistema radial em 23kV com aproximadamente 1.1km de extensão, que interliga as SE 5kV Sobradinho e Bom Jesus da Lapa II (vide Fig. 1). Nos estudos de transitórios eletromagnéticos, o CE da SE Bom Jesus da Lapa II pode ser representado por um modelo computacional simplificado (transformador + reator ou capacitor) ou por um modelo detalhado no qual se considere a dinâmica para reproduzir o comportamento transitório deste equipamento. Aprimeira opção é factível quando não se dispõe de um modelo detalhado e específico para o equipamento ou quando o foco dos estudos está distante o suficiente de forma a não ser relevante uma representação precisa do CE. Atualmente, se dispõe de um modelo computacional detalhado para o CE da SE Bom Jesus da Lapa II, próprio para uso no programa ATP (Alternative Transients Program) [1], validado junto ao fabricante, no qual se detalham os filtros, os reatores controlados a tiristores (TCRs), o banco de capacitores chaveados a tiristores (TSC), e os sistemas de medição e controle [2]. No presente trabalho, faz-se uma análise quanto aos resultados dos estudos de rejeição de carga, sobretudo as sobretensões, em função da representação do CE de Bom Jesus da Lapa II. Para tanto, quantificam-se as sobretensões transitórias decorrentes das manobras de abertura de circuitos 5kV na Interligação Sudeste/Nordeste, em condições de máximo fluxo. As diferenças observadas são significativas e denotam a importância de uma representação detalhada do compensador estático. Uma análise mais minuciosa mostra que a modelagem detalhada possibilita ainda otimizar o desempenho do compensador estático, pois permite avaliar os ajustes implementados (vigentes) ou propostos, a exemplo do ganho da malha de controle PI (controlador Proporcional Integral) ou mesmo os valores de bloqueio e desbloqueio do compensador estático para subtensões. De posse de um modelo detalhado para o CE de Bom Jesus da Lapa II, conclui-se ainda que para contingências duplas de linhas de transmissão que resultem na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV conectada apenas com o sistema 23kV da Área Sudoeste do Nordeste, deve-se retirar este equipamento de operação. Corroborando com outros estudos no mesmo sentido [3, 4], o presente trabalho denota ser fundamental a representação detalhada do CE de Bom Jesus da Lapa II. 2

3 2. PREMISSAS BÁSICAS 2.1 Representação do sistema sob análise Visando restringir a modelagem do sistema à área de interesse, os sistemas em 5kV são representados por equivalentes nas SE 5kV Sobradinho, Serra da Mesa, Camaçari II, e na SE Catu 23kV. Os equivalentes (dados de resistências e reatâncias, de sequência zero e positiva, na frequência 6Hz) são obtidos fazendo-se uso do programa ANAFAS (Análise de Faltas Simultâneas), do CEPEL [5]. Para os estudos, representa-se todo o Anel 5/23kV Sobradinho/Bom Jesus da Lapa II (Área Sudoeste do Nordeste vide Fig. 1), parte da Área Sul do Nordeste, bem como os sistema em 69kV e 138kV entre as SE 23kV Bom Jesus da Lapa e Barreiras. Em virtude das demandas históricas das SE 23kV Bom Jesus da Lapa e Barreiras, que têm apresentado uma carga mínima de baixo valor e com uma sazonalidade bem definida, faz-se uma análise de forma a adotar um cenário teoricamente mais conservativo, optando por não restringir a operação da Interligação Sudeste/Nordeste em função dos patamares de carga nas subestações da Área Sudoeste do Nordeste. Nas demais subestações da Área Sudoeste da Região Nordeste, considera-se uma condição de carga mínima. 2.2 Condições de sistema adotadas nas simulações Fluxo máximo na Interligação Sudeste/Nordeste (FSENE 8MW) e Anel 5/23kV Sobradinho/Bom Jesus da Lapa II fechado; Compensador estático (CE) da SE Bom Jesus da Lapa II disponível e em operação (vide Tabela I), estando o mais capacitivo (ou menos indutivo) possível. Representação deste equipamento por um modelo detalhado (filtros + TCRs + TSC + sistema de medição e controle); Compensador estático (CE) da SE Funil 23kV disponível e em operação (vide Tabela I), estando o mais capacitivo (ou menos indutivo) possível. Para o CE da SE Funil 23kV, faz-se uma representação simplificada (transformador elevador + elemento concentrado representado por um capacitor, no lado de 13,8kV). Dada a pouca relevância deste equipamento para o foco do presente estudo, esta representação simplificada é factível; Condição de carga: Mínima (com base nos dados históricos); Inicialmente, energizados e em operação os compensadores síncronos (CS) das SE 23kV Irecê e Bom Jesus da Lapa (vide Tabela I), estando estes o mais capacitivo (ou menos indutivo) possível. Considera-se o Esquema de Controle de Emergência (ECE) ativo na Interligação Sudeste/Nordeste. Este ECE, implementado na Interligação Sudeste/Nordeste, desenergiza as LT 5kV do trecho Serra da Mesa Rio das Éguas Bom Jesus da Lapa, caso haja desligamento por atuação da proteção ou abertura manual (intempestiva) em algum dos terminais das linhas do trecho. De modo análogo, o referido ECE desenergiza as LT 5kV do trecho Bom Jesus da Lapa Ibicoara Sapeaçu, por atuação da proteção ou abertura manual. TABELA I. COMPENSADORES ESTÁTICOS E SÍNCRONOS EM OPERAÇÃO NAS ÁREAS EM ESTUDO. Subestação (SE) Equipamento Potência Nominal (Mvar) Bom Jesus da Lapa II 5kV Compensador estático (CE) -25 a +25 Funil 23kV Compensador estático (CE) -1 a + Irecê 23kV Compensador síncrono (CS) -15 a +3 Bom Jesus da Lapa 23kV Compensador síncrono (CS) -15 a +3 Camaçari II 23kV Compensador síncrono (CS) 2 x (-15 a +15) Os compensadores síncronos das SE 23kV Irecê, Bom Jesus da Lapa e Camaçari II são representados por modelos de máquina síncrona (Type-58), disponibilizado pelo programa ATP [1]. 2.3 Diretrizes e Critérios Nas análises que se seguem, têm-se como diretrizes e critérios: As tensões pré-manobra devem respeitar os valores convergidos no caso base em regime permanente, obtidos com o programa ANAREDE [7]. Se possível, são utilizados os limites máximos permissíveis na barra de manobra, contanto que esses não sejam violados nos demais barramentos do sistema [6]. Nos eventos de rejeição de carga, quando da aplicação de curtos-circuitos, são simulados casos em que se consideram a hipótese da ocorrência do curto-circuito antes da manobra de abertura dos disjuntores. Para 3

4 tanto, o instante de ocorrência da falta corresponde ao valor máximo ou zero da senóide na frequência fundamental, conforme análise prévia. Procede-se uma pesquisa pela pior seqüência de abertura tripolar dos disjuntores, quanto às sobretensões transitórias decorrentes da manobra. Nestes casos têm-se como foco as sobretensões sobre os equipamentos circunvizinhos e as energias dissipadas pelos pára-raios, em decorrência das aberturas dos circuitos. Considera-se: 8ms como sendo o tempo médio para abertura tripolar da linha após a incidência da falta; e 2ms o tempo médio para a transferência de disparo para o terminal oposto (transfer trip). Nos casos em que se considera falha de disjuntor, a abertura do disjuntor adjacente da mesma subestação se dá em um tempo aproximado de 25ms após o início da falta. Para durações inferiores a 1 ciclos da freqüência fundamental, o valor das tensões transitórias não devem ser superiores ao nível de isolamento dos equipamentos, com uma margem de segurança de 15%. Suportabilidade dos equipamentos 23kV: Conforme informações fornecidas pelo agente proprietário (CHESF), as sobretensões transitórias não devem exceder o valor referência de 1,4pu (262,9kV) por um tempo superior a 1 ciclos, nos barramentos 23kV das SE Bom Jesus da Lapa, Irecê e Barreiras. Especificamente para os transformadores da SE Barreiras 23kV, o limite é 1,5pu (281,7kV), para durações inferiores a 1 ciclos e 1,45pu (272,3kV) para 2 ciclos. As sobretensões transitórias nos terminais em aberto das linhas de transmissão não devem superar o valor de projeto para a definição do seu nível básico de isolamento. A energia dissipada, a corrente drenada pelos pára-raios e as sobretensões temporárias durante manobras não podem ser superiores àquelas informadas pelo agente proprietário/fabricante. 3. MODELO COMPUTACIONAL PARA O CE DA SE BOM JESUS DA LAPA II É requisito essencial que o modelo de um CE seja específico deste equipamento e capaz de reproduzir com fidelidade o desempenho dos equipamentos e dos eventos transitórios. Modelos genéricos não atendem às exigências dos Procedimentos de Rede [6], nem são capazes de reproduzir adequadamente a resposta deste tipo de equipamento como necessário aos estudos de natureza operacional. Atualmente, se dispõe de um modelo computacional detalhado para o CE da SE Bom Jesus da Lapa II, próprio para uso no programa ATP (Alternative Transients Program) [1], validado junto ao fabricante. Este modelo representa em detalhes os sistemas de medição e tratamento dos sinais do sistema (filtros), os controladores, as diversas lógicas de bloqueio/desbloqueio, os sistemas de sincronismo e disparo dos reatores controlados a tiristores (TCRs) e banco de capacitores chaveados a tiristores (TSC), além dos elementos de potência, ou seja, transformador, reatores, capacitores, chaves, pára-raios, dentre outros componentes [2]. O CE da SE Bom Jesus da Lapa II é constituído de 2 (dois) TCRs, 1 (um) TSC e 2 (dois) filtros sintonizados para harmônicos de ordem 5 e 7, conforme ilustrado na Fig. 2. Os TCRs e o TSC são conectados em e os filtros em Y não aterrado. Fig. 2. Configuração do CE da SE Bom Jesus da Lapa II, 5/17,5kV, -25/+25Mvar. Reproduzido a partir da Referência [2]. 4

5 Os TCRs (Thyristor Controled Reactor) representam o meio tecnológico de se obter uma susceptância variável de forma rápida e contínua em termos de frequência fundamental. Com um ângulo de disparo de 9 o reator estará totalmente inserido e com 18 estará totalmente desconectado. O TSC (Thyristor Switched Capacitor) representa os capacitores em derivação chaveados a tiristores, que fazem uso de recursos de sincronização avançados que garantem manobras de energização com o mínimo de transitórios. Os filtros F1 e F2) são fixos e estão sempre em operação. A tecnologia de alocação dos elementos TCRs e TSC permite uma operação contínua em toda a faixa operativa do CE nas condições normais ou nos denominados modos degradados (casos em que um dos elementos TCRs ou TSC não esteja disponível). Ilustra-se na Fig. 3 o sistema de controle e bloqueios do CE, com ênfase aos esquemas de bloqueio por sobretensão e subtensão, ao controlador PI (Proporcional Integral), ao controlador de ganho e ao controlador de estabilidade. Fig. 3. Sistema de Controle e Bloqueios do CE da SE Bom Jesus da Lapa II. Reproduzido a partir da Referência [2]. No modo de controle automático de tensão, o valor de referência para a tensão (voltage setpoint = V REF) que pode variar na faixa de,95pu à 1,5pu em degraus de 5kV. O estatismo pode variar na faixa de a 1% e se baseia na potência reativa do CE. O ganho da malha de controle de tensão é ajustado automaticamente pela unidade denominada Controlador de Ganho (Automatic Gain Adjustment AGA). Este ajuste é realizado com base na potência de curto circuito do barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa II. A potência de curto circuito é estimada através de um recurso especial do CE, que possibilita a determinação do ganho considerado ótimo para o regulador. A partir do valor medido (V ACT) e do valor de referência (V REF), o regulador PI determina o valor de potência reativa (B REG) para a devida correção do erro de controle. O ganho do regulador PI (KP CE) é definido pelo controlador de ganho e depende também da eventual atuação do Controlador de Estabilidade. O Controlador de Estabilidade reduz o ganho do controlador PI quando da ocorrência de instabilidade associada à interação do controle do CE com o sistema, casos comuns quando ocorre uma súbita redução de potência de curto-circuito no ponto de conexão do CE. Este fenômeno de instabilidade de controle de CE, se manifesta em freqüências acima de 5Hz. Por esta razão o sistema de detecção e redução de ganho é ativado quando se observam oscilações de freqüência superior a 4Hz no sinal de saída do regulador PI. O Controlador de Estabilidade atua reduzindo o ganho em degraus sucessivos de 8% realizados pela variável HEREGA (Fator redução ganho por atuação controlado de estabilidade = 1=> Normal, =,8;,64,... =>atuação). Ainda com referência à Fig. 3, a variável C1ONOF representa o sinal de comando do TSC (1=> liga o TSC, = => Desliga) e a variável CONZER o sinal lógico (=> Normal, 1=> Atuado) do esquema subtensão no lado de alta tensão (HV). Esta breve descrição do sistema de controle é suficiente para o entendimento dos resultados apresentados neste trabalho. 5

6 4. ESTUDO DE CASOS: SIMULAÇÕES NO DOMÍNIO DO TEMPO 4.1 Representação do CE de Bom Jesus da Lapa II: Modelo simplificado versus modelo detalhado Em relação à representação do CE da SE Bom Jesus da Lapa II, surgem os seguintes questionamentos: - É relevante representar em detalhes este equipamento? - Quanto às solicitações transitórias, o uso de um modelo simplificado resulta em distinções significativas? Visando responder a estes questionamentos, simula-se inicialmente a abertura manual, dupla e simultânea das LT Serra da Mesa Rio das Éguas 5kV, em Serra da Mesa, e da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara 5kV, em Ibicoara, interrompendo o fluxo na Interligação Sudeste/Nordeste (vide Fig. 1). Neste caso em particular, considera-se a indisponibilidade simples do reator 5E1, Mvar, 5kV, da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara, no terminal em Ibicoara. Para tanto, parte-se de uma mesma condição em regime permanente nos dois casos em análise. As sobretensões transitórias (valores instantâneos) na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV são apresentadas na Fig. 4, para dois casos distintos: Na Fig. 4(a) quando o CE é representado por um modelo simplificado (transformador + capacitor concentrado), e na Fig. 4(b) quando o CE é representado pelo modelo detalhado, conforme descrito no item 3 deste trabalho. 8 [kv] [kv] [s] 1. (file TSN_DET_SO+SUL_ICA_5E1_531_1a_SMA-ICA.pl4; x-var t) v:bjd5a v:bjd5b v:bjd5c -8 (f ile TSN_DET_SO+SUL_ICA_5E1_531_1a_SMA-ICA_modeloCE_BJD.pl4; x-v ar t) v :BJD5A v :BJD5B v :BJD5C (a) Modelo simplificado do CE de Bom Jesus da Lapa II (transformador + capacitor concentrado). (b) Modelo detalhado do CE de Bom Jesus da Lapa II (transformador + filtros + TCRs + TSC + sistema de medição e controle). Fig. 4. Sobretensões transitórias (valores instantâneos) na SE Bom Jesus Lapa II 5kV quando da abertura manual, dupla e simultânea das LT Serra da Mesa Rio das Éguas 5kV, em Serra da Mesa, e da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara, em Ibicoara. Observa-se na Fig. 4 que as diferenças são significativas e a representação do CE da SE Bom Jesus da Lapa II é determinante para os resultados do estudo de rejeição de carga, sendo decisivo para as conclusões. Ao desconsiderar a dinâmica do CE quando de um evento transitório, o modelo simplificado despreza uma função básica deste equipamento que é a rápida resposta e a transição para um modo de operação indutivo (absorvendo potência reativa) que contribui significativamente para a redução das sobretensões transitórias. 4.2 Desempenho do CE de Bom Jesus da Lapa II: Avaliação do ganho Estando a interligação Sudeste/Nordeste em operação normal, o anel Sobradinho/Bom Jesus da Lapa 23kV fechado e em operação (vide Fig. 1) e todos os reatores 5kV e 23kV disponíveis para a operação, aplicase um curto-circuito, fase-terra (no caso, fase A), nos terminais da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara, em Bom Jesus da Lapa II, no exato instante do valor zero de tensão (condição verificada previamente como sendo a mais severa). Simula-se a permanência da falta por cerca de 8,ms, ocasionando a abertura do disjuntor no terminal em Bom Jesus da Lapa II, com transferência de disparo (transfer trip) para o terminal oposto, em Ibicoara. Considera-se ainda a atuação do Esquema de Controle de Emergência (ECE) da interligação Sudeste/Nordeste. O referido ECE desenergiza a LT 5kV Ibicoara Sapeaçu, 2,ms após a abertura do terminal em Ibicoara da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara. 6

7 Apresenta-se na Fig. 5 as sobretensões transitórias instantâneas (a) e RMS (b) observadas na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV, quando da rejeição de carga. Na Fig. 5(c) apresenta-se o valor médio das tensões medidas (V ACT, em p.u.) no barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa II pelo sistema de controle e na Fig. 5(d) a potência reativa trifásica (Q CES, em Mvar) fornecida/absorvida. Na Fig. 5(e) apresenta-se o fator de redução do ganho do controlador de estabilidade (HEREGA, em p.u.) e na Fig. 5(f) o sinal do esquema de subtensão HV (CONZER, em vermelho) e o sinal de comando do TSC (C1ONOF, em verde). 8 * * (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_8ms_321a.pl4; x-v ar t) v :BJD5A v :BJD5B v :BJD5C m:pup182 m:pun182 m:pup15 m:pun15 1,5 (a) Sobretensões transitórias na SE Bom Jesus Lapa II 5kV - Valores instantâneos. Referências: 1,82pu e 1,5pu. (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_8ms_321a.pl4; x-v ar t) t:bjd51 t:bjd52 t:bjd53 m:pu_14 m:pu_12 (b) Sobretensões transitórias na SE Bom Jesus Lapa II 5kV - Valores RMS. Referências: 1,4pu e pu (RMS). 15 1,9 5,6-5,3-1, (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_8ms_321a.pl4; x-v ar t) t:v ACT (c) Valor médio das tensões medidas (V ACT, em p.u.) no barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa II pelo sistema de controle. -15 (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_8ms_321a.pl4; x-v ar t) t:q CES (d) Potência reativa trifásica (Q CES, em Mvar) fornecida/absorvida. 1, 1,,8,8,6,6,4,4,2,2, (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_8ms_321a.pl4; x-v ar t) t:herega, (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_8ms_321a.pl4; x-v ar t) t:conzer t:c1onof (e) Fator de redução do ganho do controlador de estabilidade (HEREGA, em p.u.). (f) Sinal do esquema de subtensão HV (CONZER, em vermelho) e sinal de comando do TSC (C1ONOF, em verde). Fig. 5. Abertura simples da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara 5kV, em Bom Jesus da Lapa II (sob falta), com transfer trip para Ibicoara e abertura, via ECE, da LT Ibicoara Sapeaçu 5kV (vide Fig. 1). 7

8 Dos resultados, observa-se uma oscilação significativa da tensão no barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa (Figs. 5(a) e (b)) após a abertura da linha de transmissão sob falta. Analisando o desempenho do CE (Figs. 5(c) e (d)), verifica-se que tal oscilação reside na dificuldade deste equipamento em estabelecer um novo ponto de operação, após a rejeição de carga. De fato, antes de estabilizar em uma condição de absorver potência reativa (indutivo), o CE oscila gerando reativos em uma condição de sobretensão no sistema (Fig. 5(d)). Observando a Fig. 5(f) verifica-se a entrada do TSC por breves instantes logo após a eliminação da falta (lógica de subtensão CONZER), sendo retirado de imediato (vide variável C1ONOF). Esta retirada brusca do TSC conduz a uma nova condição de subtensão, mesmo não havendo mais falta no sistema, e leva a uma variação ( Q) de 31Mvar em aproximadamente 24ms. Uma análise da Fig. 5(e) revela que o controlador de estabilidade (variável HEREGA) atuou por 5 vezes seguidas, reduzindo o ganho do controlador PI a um valor de 32,8% do ganho inicial. Dos resultados, é notória a necessidade de redução do ganho do CE da SE Bom Jesus da Lapa II. Esta conclusão corrobora com as recomendações apresentadas no relatório [3]. No relatório [3] propõe-se uma redução de 6% dos valores atuais da Tabela de Ganho do compensador estático (CE) da SE Bom Jesus da Lapa II, visando reduzir a possibilidade da ocorrência de oscilações ao interagir com o sistema elétrico, quando de uma brusca redução da potência de curto-circuito do barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa II. Ao mesmo tempo, tal medida contribui para reduzir as solicitações sobre os equipamentos do CE, especialmente as válvulas, capacitores e reatores. Este mesmo estudo mostra que a redução do ganho não compromete o tempo de resposta do CE [3]. O relatório [3] ainda sugere implementar novos ajustes para a lógica de subtensão, visando assegurar o bloqueio do CE para defeitos entre Sapeaçu Serra da Mesa 5kV, reduzindo a possibilidade de bloqueio desnecessário em casos de defeitos em pontos mais afastados, ou em casos de variações oscilatórias de tensão de natureza/origem eletromecânica. 4.3 Desempenho do CE de Bom Jesus da Lapa II quando de aberturas duplas (falha de disjuntor) Estando a interligação Sudeste/Nordeste em operação normal, o anel Sobradinho/Bom Jesus da Lapa 23kV fechado e em operação e todos os reatores 5kV e 23kV disponíveis para a operação, aplica-se um curtocircuito, fase-terra (no caso, fase A), nos terminais da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara, em Bom Jesus da Lapa II, no exato instante do valor zero de tensão (condição previamente verificada como sendo a mais severa). Simula-se, agora, a correta abertura do disjuntor 15L4 (da linha 5L4, vide Fig. 6) e a falha do disjuntor central 15D3 (vide Fig. 6), com a permanência da falta por cerca de 25,ms. A abertura efetiva do terminal em Bom Jesus da Lapa II se dá com a abertura do disjuntor adjacente 15L1 (da linha 5L1). Com a abertura do disjuntor 15L1, tem-se a abertura da LT Rio das Éguas Bom Jesus da Lapa II 5kV, no terminal de Bom Jesus da Lapa II. Assim, tem-se a abertura total da Interligação Sudeste/Nordeste e a SE Bom Jesus da Lapa II 5kV permanece em operação, com o CE energizado e conectada ao sistema apenas pela SE Bom Jesus da Lapa 23kV (Área Sudoeste). Fig. 6. Configuração disjuntor e meio da SE Bom Jesus da Lapa II 5kV. 8

9 Apresenta-se na Fig. 7 as sobretensões transitórias instantâneas (a) e RMS (b) observadas na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV. Na Fig. 7(c) apresenta-se o valor médio das tensões medidas (V ACT, em p.u.) no barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa II pelo sistema de controle e na Fig. 7(d) a potência reativa trifásica (Q CES, em Mvar) fornecida/absorvida. Na Fig. 7(e) apresenta-se o fator de redução do ganho do controlador de estabilidade (HEREGA, em p.u.) e na Fig. 7(f) o sinal do esquema de subtensão HV (CONZER, em vermelho) e o sinal de comando do TSC (C1ONOF, em verde). 8 * * (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_25ms_321b.pl4; x-v ar t) v :BJD5A v :BJD5B v :BJD5C m:pup182 m:pun182 m:pup15 m:pun15 1,5 (a) Sobretensões transitórias na SE Bom Jesus Lapa II 5kV - Valores instantâneos. Referências: 1,82pu e 1,5pu. (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_25ms_321b.pl4; x-v ar t) t:bjd51 t:bjd52 t:bjd53 m:pu_14 m:pu_12 (b) Sobretensões transitórias na SE Bom Jesus Lapa II 5kV - Valores RMS. Referências: 1,4pu e pu (RMS). 15 1,9 5,6-5,3-1, (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_25ms_321b.pl4; x-v ar t) t:v ACT (c) Valor médio das tensões medidas (V ACT, em p.u.) no barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa II pelo sistema de controle. -15 (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_25ms_321b.pl4; x-v ar t) t:q CES (d) Potência reativa trifásica (Q CES, em Mvar) fornecida/absorvida. 1, 1,,8,8,6,6,4,4,2,2, (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_25ms_321b_f alha15d3.pl4; x-v ar t) t:herega (e) Fator de redução do ganho do controlador de estabilidade (HEREGA, em p.u.)., (f ile TSN_DET_SO+SUL_RejeicaoCarga_TodosReatores_25ms_321b_f alha15d3.pl4; x-v ar t) t:conzer t:c1onof (f) Sinal do esquema de subtensão HV (CONZER, em vermelho) e sinal de comando do TSC (C1ONOF, em verde). Fig. 7. Abertura simples da LT Bom Jesus da Lapa II Ibicoara 5kV, em Bom Jesus da Lapa II (sob falta), com transfer trip para Ibicoara e falha de disjuntor (vide Figs. 1 e 6). 9

10 Mais uma vez, observa-se uma oscilação significativa da tensão no barramento 5kV da SE Bom Jesus da Lapa (Figs. 7(a) e (b)). Tal oscilação reside na dificuldade do CE em estabelecer um novo ponto de operação. Da Fig. 7(f) verifica-se a entrada do TSC por breves instantes logo após a eliminação da falta (lógica de subtensão CONZER), sendo retirado de imediato (vide variável C1ONOF). Esta retirada brusca do TSC conduz a uma nova condição de subtensão, mesmo não havendo mais falta no sistema. A Fig. 7(e) revela que o controlador de estabilidade (variável HEREGA) atuou por 4 vezes seguidas visando reduzir o ganho do controlador PI a uma valor de 41,% do ganho inicial. Conclui-se que para contingências duplas de linhas de transmissão que resultem na SE Bom Jesus da Lapa II 5kV conectada apenas com o sistema 23kV da Área Sudoeste, a ocorrência de instabilidade do controle se mostra severa, exigindo várias atuações do controlador até a eliminação das oscilações. Tais oscilações ocorrem mesmo com a redução do ganho para 6% do valor atual [3]. Nestes casos, deve-se retirar o CE de operação. 5. CONCLUSÕES Dos resultados aqui apresentados, é notório que a representação do CE da SE Bom Jesus da Lapa II é determinante para os resultados dos estudos de rejeição de carga, sendo decisivo para as conclusões. Além de uma correta reprodução do desempenho do CE frente aos eventos transitórios, um modelo detalhado e específico possibilita verificar os ajustes proposto e/ou implementados para o sistema de controle. De posse de um modelo detalhado pode-se verificar dificuldades deste equipamento em estabelecer um novo ponto de operação, sobretudo após rejeições de carga, quando a topologia da rede sofre alterações significativas. Ao se otimizar os parâmetros e ajustes do sistema de controle, tem-se uma redução nas solicitações transitórias sobre os equipamentos do CE, especialmente as válvulas, capacitores e reatores, e assim, um ganho em termos de vida útil do equipamento. Corroborando com outros estudos no mesmo sentido, o presente trabalho denota ser fundamental a representação detalhada do compensador estático nos estudos de transitórios eletromagnéticos. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS [1] Leuven EMTP Center, ATP - Alternative Transient Program - Rule Book, Herverlee, Belgium, July [2] ANDESA Consultoria em Sistemas de Energia Elétrica, Modelagem do CE Bom Jesus da Lapa para Simulação de Transitórios Eletromagnéticos com o ATP, Relatório ANDESA - RT-5-5-6, Versão 2, Novembro de 6. [3] ANDESA Consultoria em Sistemas de Energia Elétrica, Estudos pra Avaliação do Ganho do Controle do CE Bom Jesus da Lapa II, Relatório ANDESA - RT Versão 2, Novembro de 7. [4] ONS - Operador Nacional do Sistema Elétrico, Estudo de Transitórios Eletromagnéticos: Rejeição de Carga e Manobras de Fechamento na Interligação Sudeste/Nordeste, RE ONS 3/12/7, Recife, PE, 7. [5] Centro de Pesquisas de Energia Elétrica CEPEL, ANAFAS Programa de Análise de Faltas Simultâneas, Versão 4.5. Rio de Janeiro, Brasil, Junho de 8. [6] Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS, Módulo 23: Critérios para Estudos Submódulo 23.3: Diretrizes e Critérios para Estudos Elétricos Revisão 2. Rio de Janeiro, Brasil, Setembro de 7. [7] Centro de Pesquisas de Energia Elétrica CEPEL, ANAREDE Programa de Análise de Redes, V Rio de Janeiro, Brasil, Setembro de 8. 1

Subestação. Conceito:

Subestação. Conceito: Sistema Eletrosul Conceito: Subestação Instalações elétricas que compreendem máquinas ou aparelhos, instalados em ambiente fechado ou ao ar livre, destinadas à transformação da tensão, distribuição da

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 01/08/2005 A 07/08/2005 RELATÓRIO ONS - 3/247/05 EMITIDO EM: 12/08/2005 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA DAE - Santa Barbara D'Oeste DAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Santa Barbara d'oeste 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de energia, potência, corrente e tensão Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO.

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. Silveira, Priscila Silva; Valner Brusamarello. Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Av. Osvaldo Aranha, 103 - CEP: 90035-190 Porto

Leia mais

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Sistemas Elétricos de Potência 3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível

Leia mais

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG.

DPP/GPE -120 < IZPD C1+C2 < 1900 MW; 900 < IZPD + IZCO < 1900 MW; - Janela de tempo de observação de pré-falta =2,0 SEG. 1. ECE 7.14.27 ESQUEMA DESABILITADO 2. ESQUEMA DE CONTROLE DE TENSÃO POR ABERTURA DA 3. EMPRESA RESPONSÁVEL: ELETRONORTE. 4. CATEGORIA DO ESQUEMA: Abertura de linhas de transmissão. 5. FINALIDA DE: Este

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETO PARA OS SISTEMAS DE SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA E CORRENTE CONTÍNUA

CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETO PARA OS SISTEMAS DE SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA E CORRENTE CONTÍNUA Nº Data Natureza da Revisão Elaborado Verificado Aprovado MARTE Aprovado CLIENTE LEILÃO ANEEL 007/2012 LOTE A SUBESTAÇÕES PROJETO BÁSICO ELAB. VERIF. APROV. RESP. TÉCNICO CREA/RJ DATA TÍTULO ZT LAX ZT

Leia mais

Análises no Domínio da Freqüência Visando Quantificar o Impacto do Desligamento de Circuitos para Controle de Tensão

Análises no Domínio da Freqüência Visando Quantificar o Impacto do Desligamento de Circuitos para Controle de Tensão Análises no Domínio da Freqüência Visando Quantificar o Impacto do Desligamento de Circuitos para Controle de Tensão Alécio B. Fernandes, Member, IEEE, Antonio Samuel Neto Resumo -- Na definição dos procedimentos

Leia mais

REF: Questionamentos do edital de EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 002/2015 PROCESSO SECOM Nº. 371/2014

REF: Questionamentos do edital de EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 002/2015 PROCESSO SECOM Nº. 371/2014 TIM CELULAR S/A CNPJ: 04.206.050/0001-80 - Insc.Estadual: 116.049.102.113 AV. GIOVANNI GRONCHI, NO. 7143, VILA ANDRADE SÃO PAULO (SP) - CEP: 05.724-006 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia.

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. 7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. Em primeiro lugar é preciso esclarecer o que significa e para que serve o aterramento do sistema elétrico. Ao contrário do que é usual considerar,

Leia mais

MODELAGEM DE UM CONVERSOR ESTÁTICO PARA APLICAÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICA 1

MODELAGEM DE UM CONVERSOR ESTÁTICO PARA APLICAÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICA 1 MODELAGEM DE UM CONVERSOR ESTÁTICO PARA APLICAÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICA 1 Carlos Moises Tiede 2, Taciana Paula Enderle 3. 1 Projeto de Pesquisa realizado no curso de Engenharia Elétrica Câmpus

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br

* R. Real Grandeza, 281 Rio de Janeiro RJ CEP: 22283-900 Fone: (21) 5282188 / fax: (21) 5285576 / e-mail: alfarias@furnas.com.br GAT/029 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA (GAT) ESQUEMA DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS NA CONFIGURAÇÃO FINAL DO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação.

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Utilização de Computadores de Mão (Handheld) pelos Eletricistas da Manutenção de Subestação e Linhas da AES Eletropaulo no Controle de Inspeções e Ordens de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Smart Grid Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Objetivo aumento da confiabilidade e qualidade do fornecimento de energia elétrica, a uma melhor

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública CP nº 004/2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: Obter subsídios com vistas ao aprimoramento do novo procedimento

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

Quantificação dos Níveis de Desequilíbrio de Tensão no Sistema de Transmissão no Norte do Brasil

Quantificação dos Níveis de Desequilíbrio de Tensão no Sistema de Transmissão no Norte do Brasil 1 Quantificação dos Níveis de Desequilíbrio de Tensão no Sistema de Transmissão no Norte do Brasil T.T Lima, UnB; G.F. Silva, UnB; O.A.Fernandes, Eletronorte; A.L.F.Filho, UnB; L. F. L. Arão, Eletronorte;

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

Melhorando a qualidade de energia elétrica para o sistema de sinalização metroferroviário

Melhorando a qualidade de energia elétrica para o sistema de sinalização metroferroviário Melhorando a qualidade de energia elétrica para o sistema de sinalização metroferroviário Resumo A sinalização é um dos sistemas vitais mais importante numa ferrovia, pois ela é responsável pela operacionalidade

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

Instalações Elétricas de BT. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT Odailson Cavalcante de Oliveira Circuito Monofásico A tensão monofásica refere-se a tensão entre fase e neutro. v = 2Vsen ωt - valor instantâneo de tensão i = 2Isen ωt φ - valor

Leia mais

Erros de Estado Estacionário. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Erros de Estado Estacionário. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Erros de Estado Estacionário Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Projeto e análise de sistemas de controle: Resposta de Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário (ou Permanente) Diferença entre

Leia mais

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS EMENTA O presente estudo tem por finalidade abordar o comportamento recente das pequenas empresas na

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Eletrobrás MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Anexo XIII do Pregão Eletrônico n 029/2009 Página 1 de 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRANSFORMADORES DE CORRENTE AUXILIARES 0,6 KV USO INTERIOR

Leia mais

Tema 4 Controlo de Fontes de Energia em Veículos Eléctricos. Orientador: Prof. Dr. Paulo José Gameiro Pereirinha

Tema 4 Controlo de Fontes de Energia em Veículos Eléctricos. Orientador: Prof. Dr. Paulo José Gameiro Pereirinha Fundação para a Ciência e Tecnologia Tema 4 Controlo de Fontes de Energia em Veículos Eléctricos Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Orientador: Prof. Dr. Paulo José Gameiro Pereirinha

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 EXPERIÊNCIA 1 CIRCUITO RLC EM CORRENTE ALTERNADA 1. OBJETIOS 1.1. Objetivo Geral Apresentar aos acadêmicos um circuito elétrico ressonante, o qual apresenta um máximo de corrente

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Auditoria e Análise de Segurança da Informação Forense Computacional Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Forense Computacional 2 Forense Computacional A forense computacional pode ser definida

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO 10 / 15 / 20 / 25 / 30 / 40 / 50 / 60 / 80 / 120 / 150 / 160 / 180/ 250kVA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31)

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 10 Planejamento na utilização da energia elétrica no meio rural:

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO -IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO -IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de Recife - PE GRUPO -IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP CONSIDERAÇÃO DA GERAÇÃO

Leia mais

SOLICITAÇÕES IMPOSTAS EM DISJUNTORES DE ALTA TENSÃO INSTALADOS PRÓXIMOS A USINAS GERADORAS

SOLICITAÇÕES IMPOSTAS EM DISJUNTORES DE ALTA TENSÃO INSTALADOS PRÓXIMOS A USINAS GERADORAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC - 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - SOLICITAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

Circuitos de Comunicação. Prática 1: PWM

Circuitos de Comunicação. Prática 1: PWM Circuitos de Comunicação Prática 1: PWM Professor: Hélio Magalhães Grupo: Geraldo Gomes, Paulo José Nunes Recife, 04 de Maio de 2014 SUMÁRIO Resumo 3 Parte I PWM - Teoria 3 Geração do PWM 5 Parte II Prática

Leia mais

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua INTODUÇÃO À ENGENHI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI Professores velino Francisco Zorzo e Luís Fernando lves Pereira ula 6 Corrente lternada e Corrente Contínua

Leia mais

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação I 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores Introdução FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR Modelo de um Sistema de Comunicação» Fonte gera a informação (dados) a transmitir» Emissor converte os dados

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. instrumento de INCLUSÃO SOCIAL

INCLUSÃO DIGITAL. instrumento de INCLUSÃO SOCIAL INCLUSÃO DIGITAL instrumento de INCLUSÃO SOCIAL Brasil Telecom Área territorial: 2,6 milhões de km² (33% do território nacional) 25% do PIB (R$ 276 bilhões em 2001) 23% da População (40 milhões) 10.548

Leia mais

PROCEDIMENTO CORPORATIVO

PROCEDIMENTO CORPORATIVO 1/19 Nº Revisão Descrição da Revisão Data 01 Emissão Inicial 08/09/2013 Revisão 2 10/09/2013 Elaboração: Patrícia Eto Aprovação: Divulgação: 2/19 1. Objetivo O objetivo deste material é apresentar as regras

Leia mais

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto:

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto: Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, possui 8 pontos de entrada digital +24 Vdc isolada e monitorada, é indicado para aplicações onde a situação de linha rompida necessita ser detectada

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 29/05/2006 A 04/06/2006 RELATÓRIO ONS - 3/159/06 EMITIDO EM: 08/06/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia Pobreza e Desigualdade 1) Que é pobreza? Inicio dos anos 1970: percepção de que as desigualdades sociais e a pobreza não estavam sendo equacionadas como resultado do crescimento econômico. Países ricos:

Leia mais

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Submódulo 3.6 Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200 julho 2009 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do medidor ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação.

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação. Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos. Para a operação de filtração contínua sem manutenção

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

Estudo de Coordenação e Seletividade

Estudo de Coordenação e Seletividade Estudo de Coordenação e Seletividade Memorial de Cálculo Obra: Subestação Abrigada 750kVA para Pavilhão Industrial de Reciclagem Proprietário: Prefeitura Municipal de Ponte Preta - RS Localização: Parte

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição

Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição Gestão de PCB: Visão do Setor de Distribuição Daniel Mendonça - Abradee Brasília, 28 de novembro de 2014. Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica QUEM SOMOS A Associação Brasileira

Leia mais

Eletrônica Básica II. Amplificadores Diferenciais e Multiestágio

Eletrônica Básica II. Amplificadores Diferenciais e Multiestágio Eletrônica Básica II Amplificadores Diferenciais e Multiestágio Amplificadores Diferenciais O amplificador diferencial é a configuração mais utilizada em circuitos integrados analógicos Como exemplo, o

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA MONOFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev8 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

(11) Número de Publicação: PT 104681 A. (51) Classificação Internacional: H04L 5/00 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO

(11) Número de Publicação: PT 104681 A. (51) Classificação Internacional: H04L 5/00 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (11) Número de Publicação: PT 104681 A (51) Classificação Internacional: H04L 5/00 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.07.23 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessor de Comunicação da Elipse Software NECESSIDADE

Augusto Ribeiro Mendes Filho Assessor de Comunicação da Elipse Software NECESSIDADE ELIPSE E3 PERMITE AVALIAR A PERFORMANCE DAS TECNOLOGIAS USADAS EM USINA FOTOVOLTAICA DA TRACTEBEL ENERGIA Solução da Elipse Software monitora o comportamento das tecnologias testadas na Usina Fotovoltaica

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

QUESTIONAMENTO ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 03/2014 - BNDES

QUESTIONAMENTO ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 03/2014 - BNDES QUESTIONAMENTO ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 03/2014 - BNDES Item 1.2 Grupo 1 do termo de referencia No grupo 1 o órgão solicita protocolo ISDN. Solicitamos que seja permitido o protocolo

Leia mais

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB 21 Outubro 2015 1. Apresentação Diversos fatores têm impactado o crescimento econômico do Brasil desde 2014. A mudança nos preços das

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Noções preliminares. Um pouco de matemática. 100 Pb

INTRODUÇÃO. Noções preliminares. Um pouco de matemática. 100 Pb INTRODUÇÃO Este artigo pretende criar no leitor uma percepção física do funcionamento de um controle PID, sem grandes análises e rigorismos matemáticos, visando introduzir a técnica aos iniciantes e aprimorar

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal 2 Ficha 7.0 Auxílio estatal Índice 1 Princípio... 5 2 Definição do conceito de auxílios estatais... 6 3 Quem

Leia mais

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico Figura 35 Relé eletromecânico Figura 36 Aplicação para o relé eletromecânico INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE OS INDUTORES Três conclusões muito importantes podem ser tiradas em relação ao comportamento do

Leia mais

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Departamento Acadêmico de Informática (DAINF) Algoritmos II Professor: Alex Kutzke (alexk@dainf.ct.utfpr.edu.br) Especificação do Primeiro Trabalho Prático

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 4.015, DE 2012 Proíbe a prescrição do direito do consumidor aos pontos acumulados em programas de fidelidade junto a qualquer

Leia mais

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo

ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo ROTEIRO DE EXPOSIÇÃO Índices inflacionários, evolução salarial da categoria e despesa de pessoal no Estado de São Paulo SINDSAÚDE-SP 17/10/2008 COMPORTAMENTO DOS PREÇOS No período 2001-2008, presenciamos

Leia mais

Aplicações Diferentes Para Números Complexos

Aplicações Diferentes Para Números Complexos Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Aplicações Diferentes Para Números Complexos Capítulo II Aplicação 2: Complexos na Geometria Na rápida revisão do capítulo I desse artigo mencionamos

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 19/01/2009 A 25/01/2009

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 19/01/2009 A 25/01/2009 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 19/01/2009 A 25/01/2009 RELATÓRIO ONS - 3/024/09 EMITIDO EM: 30/01/2009 1 PROCESSO: Anàlise de Perturbações

Leia mais

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza.

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza. A UU L AL A Dureza Rockwell No início do século XX houve muitos progressos no campo da determinação da dureza. Introdução Em 1922, Rockwell desenvolveu um método de ensaio de dureza que utilizava um sistema

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO Autores Terezinha Mônica Sinício Beltrão. Professora da Rede Pública Municipal de Ensino da Prefeitura do Recife e Professora Técnica da Gerência de Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL

AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL AVALIAÇÃO DE UM TANQUE DE DECANTAÇÃO DE SÓLIDOS UTILIZANDO FLUIDODINÂMICA COMPUTACIONAL E. F. S. PEREIRA e L. M. N de Gois Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica, Departamento de Engenharia

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

Relatório do Experimento 1 Sistema Massa - Mola. Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa

Relatório do Experimento 1 Sistema Massa - Mola. Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa FEP0111 - Física I Relatório do Experimento 1 Sistema Massa - Mola Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa 4 de novembro de 2005 Sumário 1 Introdução 2 2 Objetivos 2 3 Procedimento experimental 2 3.1

Leia mais

PROJETO NBR 19000 - Adoção de Critérios da Qualidade Baseados nas Normas da Família NBR ISO 9000 para Fornecimento de Produtos

PROJETO NBR 19000 - Adoção de Critérios da Qualidade Baseados nas Normas da Família NBR ISO 9000 para Fornecimento de Produtos XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil PROJETO NBR 19000 - Adoção de Critérios da Qualidade Baseados nas Normas da Família

Leia mais

[RESOLUÇÃO] Economia I; 2012/2013 (2º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 2013

[RESOLUÇÃO] Economia I; 2012/2013 (2º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 2013 Economia I; 01/013 (º semestre) Prova da Época Recurso 3 de Julho de 013 [RESOLUÇÃO] Distribuição das respostas correctas às perguntas da Parte A (6 valores) nas suas três variantes: ER A B C P1 P P3 P4

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Eletrônica e Sistemas Prática 1: Modulação em Largura de Pulso (PWM) Circuitos de Comunicação Professor: Hélio Magalhães Alberto Rodrigues Vitor Parente

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco Operacional - Sumário 1. Introdução:... 3 2. Abrangência:... 3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:... 3 3. Responsabilidades:... 4 Comitê

Leia mais

CIER/COCIER WORKSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL, GESTÃO SOCIAL E CONSTITUIÇÃO DE FAIXAS DE SERVIDÃO

CIER/COCIER WORKSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL, GESTÃO SOCIAL E CONSTITUIÇÃO DE FAIXAS DE SERVIDÃO CIER/COCIER WORKSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL, GESTÃO SOCIAL E CONSTITUIÇÃO DE FAIXAS DE SERVIDÃO EXPERIÊNCIA DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE TRANSMISSÃO DIFICULDADES SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 RELATÓRIO ONS - 3/221/08 EMITIDO EM: 24/10/2008 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP São Paulo, 13 de julho de 2015. Ilmo Sr. Jorge Alves de Almeida Venâncio Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Obrigado por adquirir o Ventilador, modelos VTR500 503 505, um produto de alta tecnologia, seguro, eficiente, barato e econômico. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais