NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA"

Transcrição

1 Ano 2 Nº 10 Mai 2014 ISSN NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA por Nathália Mello Todo homem que sofre é um pedaço de carne (Deleuze, 2007, p. 23) Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu é o nome para o processo criativo que realizo no contexto do primeiro ano de pesquisa de doutoramento. A Fábrica de Tecidos Fluminense é um fábrica abandonada no bairro do Barreto, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, entre Niterói e São Gonçalo. Meu pai e avô foram, respectivamente, colorista e mestre de tecelagem nessa fábrica, e toda a trajetória familiar é alinhavada pela industrialização e suas consequências. A história familiar também ajuda a compreender uma história de país, de seus arranjos sociais. Essa história é sobre a abrupta origem de um bairro industrial e abrupta varredura da ruralidade e natividade negra e indígena características. A relação que estabeleço com essa fábrica abandonada é de verificar que essa ruína continua a fabricar corpos. Antes esses corpos reagiam ativamente às diversas formas de coerção do sistema industrial; em geral, reagiam através de manifestações reconhecidas como: loucura, disciplina, higiene, educação, religiosidade, vícios. Há pelo menos uma metade de século, a coerção individual justapõe-se ao abandono das necessidades básicas públicas, esquecimento das relações históricas e desaparecimento dos hábitos e encontros culturais. Na Fibra é dividido em duas partes e busca estimular o desenvolvimento de um trabalho com colaboradores e moradores do bairro, que envolve uma produção suburbana de festival gastronômico entre botecos, festa junina na praça, instalações na calçada, oficinas de bordado, tricô, renda. A primeira parte é uma pesquisa sobre o interesse dos moradores em relação à transformação da fábrica em espaço para práticas de memória, cultura, lazer e educação. Entre inúmeras 1

2 inquietações quanto à qualidade de vida dos moradores do Barreto, existe o fato de que uma quantidade significante de idosos na região sofre do mal de Alzheimer (ataca funções corporais como a memória, aprendizagem e a coordenação motora [1]) e, uma possibilidade para perceber o fenômeno, é o fato de que os indivíduos da cidade dormitório, de modo geral, não exercem atividades de cuidado de si, prática à qual relaciono essa atividade artística. Paralelamente às atividades com o entorno da fábrica, a segunda parte consiste em apropriar-se dos hábitos perceptivos e comportamentais criados pelo complexo tecnoindustrial e transformá-lo em possibilidades de vida. (Bourriaud, 1998, p. 96) A produção de um trabalho solo é a performance da imagem-corpo que filtra relações histórico-geográficas para pele e gênero. O solo corporal Papa- Goiaba Hoje é a continuação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. O título é também o roteiro da apresentação que se dá como imagem-corpo do trabalho. Documentação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Hrafnhildur Benediksdóttir. Londres, Inglaterra,

3 Documentação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Hrafnhildur Benediksdóttir. Londres, Inglaterra, 2010 Documentação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Ana Rita Rodrigues. Girona, Espanha,

4 O Cuidado de Si A prática da liberdade ou do cuidado de si, em termos foucaultianos, é uma forma de resistência à entrada do corpo em jogos de verdade, em jogos coercitivos ou em práticas de si. Na prática coercitiva, o sujeito sofreria a injeção de controle dirigida pelas entidades institucionais; na prática de si o sujeito deve se transformar e atingir um certo modo de ser (Foucault, 2004, p. 265). Foucault enfatiza o fato de que não é suficiente a liberação dos processos históricos, econômicos e sociais, por exemplo, de um povo colonizado à procura de liberação no sentido estrito. É necessária a prática de liberdade continuada após a liberação. Segundo Foucault, quando as relações de poder encontram estados de dominação, um indivíduo ou um grupo social chega a bloquear um campo de relações de poder, a torná-las imóveis e fixas e a impedir qualquer reversibilidade do movimento. (Ibidem, p. 266). A atividade que proponho no entorno da Fábrica de Tecidos Fluminense, no bairro do Barreto, é uma prática de cuidado de si que é uma resistência, uma atividade posterior à sequência de liberações de processos históricos heteronormativos que vivenciei como performer, mulher, índia, rural, operária, fluminense. Novas relações de poder são vislumbradas e surgem a partir da condução das relações de prazer com os outros. Como Foucault, acredito que a liberação é desgarrar-se da tradição estoica através da qual o ensino limita-se a um certo número de verdades, doutrinas e técnicas, as primeiras constituindo os princípios fundamentais de formação e, as outras, as regras de conduta (Ibidem, p. 269). Estas verdades apreendidas, memorizadas, progressivamente aplicadas podem tornar-se uma soberania. A ética grega, na Ética de Cuidado de Si como Prática da Liberdade, está relacionada ao conjunto individual de hábitos, tamanho e expansão no espaço, aos ritmos de caminhada e à reação aos acontecimentos. (Ibidem, p. 270) Logo, se repensarmos múltiplas reorganizações para nossa própria oikos, já estamos rascunhando coreografias para a economia do bairro, da cidade, e assim por diante. Uma civilização que se deixa dirigir, mas que também se dirige, consegue perceber novas qualidades, tamanhos, hábitos do espaço comum, e repensa sua lógica constantemente. As reorganizações múltiplas e constantes para nossos microcosmos são ações de intervalo no movimento, similares aos momentos de 4

5 intervalo em que o dançarino atua suas considerações. Em Foucault: (...) ser livre significa não ser escravo de si mesmo nem dos seus apetites, o que implica em estabelecer consigo mesmo uma certa relação de domínio. (Ibidem, p. 270) Em uma cidade em que todos cuidassem de si adequadamente estariam maleavelmente organizados os hábitos, tamanhos, ritmos, reações aos acontecimentos. Porque o cuidado de si é ético em si mesmo e pela complexidade que provoca nas relações com outros. Para Foucault, a relação consigo mesmo é ontologicamente primária e, portanto, o cuidado com os outros não deve ser anterior ao cuidado de si. (Ibidem) Será que as ex-colônias da América, África, pequenas ilhas e lugares distantes, como Fiji, discordariam dessa disposição de um pensador francês? O bairro de subúrbio ou a tribo indígena poderá funcionar a partir de uma lógica similar. Por exemplo, alguns amigos na tribo Umutina Balatiponé (MT, Brasil) me explicaram que o velho [2], em alguns grupos, decide quando é chegada a hora de sua morte. A conclusão é do próprio velho que decide pela sua própria morte caso acredite que sua presença tenha se tornado uma dificuldade para as atividades de vivência daquele grupo. O movimento da imagem corporal alheia, as mudanças relacionadas à sua função e suas expectativas em relação à ação dão à imagem corporal um significado mais profundo. (SCHILDER, 1981, p. 197) A análise que Peter Pál Pelbart realiza sobre o conceito de biopolítica tem ressonância no problema que Foucault identifica em um possível cuidado de si, adverso ao modelo greco-romano, com tendência para um amor exagerado de si mesmo que viria a negligenciar os outros ou, pior ainda, a abusar do poder que se pode exercer sobre eles. (Foucault, 2004, p. 273) Pál Pelbart observa que o biopoder faz viver e deixa morrer e é o sucessor do poder de soberania que fazia morrer e deixava viver. (Pál Pelbart, 2003, p. 55) O bairro do Barreto é organizado pela dupla tecnologia disciplina e biopolítica que regula, ao mesmo tempo, o corpo individual como máquina e regula os fenômenos de corpo-espécie natalidade, longevidade, saúde pública, habitação, administração dos territórios. (Ibidem, p. 57) Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu é uma ação da Índia 5

6 Papa-Goiaba que deseja que cada linha seja quebrada, submetida a variações de direção, bifurcante e engalhada, submetida a derivações (DELEUZE, 1981, p. 1). Para isso, realizo a administração do oikos em constates flexíveis para disponibilizar pontos de contato entre a dramaturgia desse trabalho que é um solo corporal mas é também atividade comunitária e colaboradores engajados. (...) só é possível haver relações de poder quando os sujeitos forem livres. Se um (...) estiver completamente à disposição do outro e se tornar a sua coisa, um objeto sobre o qual ele possa exercer uma violência infinita e ilimitada, não haverá relações de poder. (...) nas relações de poder, há necessariamente possibilidade de resistência. (Foucault, 2004, p. 276) Onde é que, de fato, vai se formar a resistência? (Ibidem, p. 277) Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu aponta a imagem-corpo de um bairro. Os resíduos de sua arquitetura, idades, passagens especialmente quando o lugar em questão é uma cidade dormitório são restos. Restaram a fachada da fábrica, a trilha de trem interrompida pelo descaso, o capim alto na área de lazer, a ferrugem no parquinho, a poeira. O resto é a imagem dessa história. A fábrica de tecidos é um elemento concreto que situa meu discurso no contexto representativo, quando nas relações de poder eu dirijo uma ação; entretanto, a performance a ser constituída é um ato em linguagem que já formo por incorporação de normas de poder às quais me oponho. (Butler, 1998, p. 10) Rebecca Schneider apresenta a ideia de que a carne não pode guardar a memória do osso. Só o osso pode guardar a memória da carne (2011, p. 102). Desde 2009, sem conhecer a artista Ana Mendieta [4], performei imagens-corpo muito parecidas com as dela. A imagem corporal, conforme Paul Schilder, não é um produto da apropriação dos corpos alheios (1981, p. 204). O autor acredita que a imitação de convicções é anterior a movimentos expressivos e ressalta a unidade entre a percepção e a ação, entre a impressão e a expressão. O resíduo da imagem é o tanto que permanece do encontro entre a ação e a impressão ou entre impressão e expressão. Será o resíduo a possibilidade da própria imagem? A reaparição de certas partes de imagens corporais de Mendieta incorporadas faz parte da imitação que tem importante função na formação da estrutura social: estarei relembrando Mendieta para que o seu resíduo não desapareça? No resíduo do trabalho dessa artista, não encontramos a sua história e documentação de uma 6

7 vida transformada pelo regime de Fidel Castro, um exílio dirigido pela relação biopolítica. Mendieta cubana cresceu sem reconhecer suas raízes identitárias, espirituais, experimentando duplo controle do corpo-individual e do corpo-espécie de quem cresce filha da guerrilha. Será o resíduo a quantidade cabível na arquitetura do armazenamento da memória da qual Schneider menciona? Falo sobre a fábrica mas ela não está na minha produção de imagem. Mendieta incorpora imagens de ritos de seu imaginário de Santería, mas não é religiosa. Será o resíduo a possibilidade que o armazenamento demanda restos que sejam visíveis ou materialmente rastreáveis na arquitetura de um poder social particular sobre a memória? (Schneider, 2011, p. 102) Processo criativo de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Alexander Mervart. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2009 Processo criativo Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. (A Queda de Ana Mendieta). Fotografia de Hrafnhildur Benediksdóttir. Londres, Inglaterra,

8 Segundo Paul Schilder, os espaços interno e externo da imagem postural não são os mesmos da física. A imagem corporal incorpora objetos ou se propaga no espaço. (1981, p. 185) Acredito que minha imagem corporal se justapõe a um resíduo visível e rastreável de imagem da artista Ana Mendieta e que essa justaposição indica ressonâncias histórico-geográficas de pele e gênero. Mendieta esculpiu imagens que a conectavam com um passado cubano mitológico em cavernas, realizando uma construção criativa de imagem social. Na mesma medida, Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu é uma atividade política de escrita individual e de espécie no espaço; restarão fotografias, vídeos e relações produzidas por essa atividade coreográfica. Entretanto, assim como Mendieta esculpiu silhuetas de deuses em uma superfície de lama, silhuetas temporárias, as fases de Na Fibra organizam-se compreendendo sua duração e temporalidade. O resíduo é o que resta ao entrarmos em relação com um outro corpo. O resíduo é o que sobra quando corpos filtram a experiência do contato com outros corpos. Concluí-se que a experiência não é meramente visual. Em 1962, quando Yves Klein salta no vazio e fotografa o ato, ele subtrai do total daquele evento ou experiência o próprio resíduo do ato; Duchamp, quando apresenta Roda de Bicicleta, seu primeiro readymade de 1913, revela um olhar que depende da tarefa que cabe ao observador completar, preencher através da memória. O isolamento evita o figurativo, o que dá acesso à figura é a desfiguração, portanto, ao convidar os moradores para observar o resíduo de fábrica, direciono o olhar ao processo representativo que implica na relação de uma imagem com outras imagens em uma composição geral. (DELEUZE, 1981, p. 2) Observar o que esse resíduo fabrica é construir um canal porta-voz dos moradores do bairro do Barreto. Esse canal é metonímico porque a parte sugere representações simbólicas e subjetivas de uma ideia qualquer de todo. Jane Blocker cita a fórmula de Judith Butler sobre a redução da experiência estética à sua relevância visual percebida em Merleau-Ponty: Ela nunca vê, sempre é vista. Se o corpo feminino denota uma essência, enquanto os corpos em geral denotam existência, parece que os corpos em geral são masculinos e existência não pertence à mulher. (2004, p. 29) Blocker constrói uma trajetória iniciada com o exemplo da escultura grega 8

9 Laocoonte. Ela observa, principalmente a partir de Lessing e Winckelmann no século XVIII, o primeiro mapeamento da estética e as ambivalências nas análises da representação da dor. A trajetória de Blocker é também de afirmar a grande dificuldade que foi e ainda é livrar-se da lógica dialética de Descartes, mesmo para os autores mais contemporâneos que professam tê-la abandonado. (Ibidem, p. 24). Seguindo sua partitura, Jane Blocker avalia ainda oposições comumente admitidas entre Michael Fried e Willoughby Sharp; o incômodo de Fried quanto ao literalismo (...) que resulta em objetos assustadoramente corpóreos e a tentativa de Sharp em resgatar o corpo de si mesmo são atitudes críticas que ajudam a notar a hipótese que Blocker levanta quanto à manutenção de hábitos estéticos muito antigos, principalmente, de repúdio ao corpo. Blocker: Estas limitações trazem-me de volta às qualidades reacionárias de algumas performances, performances que, como fenomenologia, aparentam posar uma alteração dramática das ideias filosóficas recebidas, mas muitas vezes performam manobras para protegerem-se do feminino, do queer (Ibidem, p. 28) Benôit Lachambre pode oferecer uma saída ao utilizar a percepção e interação diversa da fenomenologia clássica. Blocker considera que a fenomenologia de Merlau-Ponty é um passo para abandonar o objeto mudo da ciência empírica, mas que ainda assim perpetua a lógica dialética cartesiana apenas substituindo-a pela integração entre mente/corpo. Em trabalhos em que se articula a dor como linguagem corporal forçando os limites do entendimento sobre controle surgem percepções e interações de caráter somático corporal, novas possibilidades comunicativas que assumem o posicionamento deste mesmo corpo contra as disciplinas, contra o nivelamento de potenciais, contra manipulações. Nessas interações que Lachambre percebe há um estado que atravessa a linguagem, a partir do qual novos processos de aprendizagem são desenvolvidos. Aqui, vejo a possibilidade de um cuidado de si descolonial que entende posicionamentos e atividades ancestrais como sendo muito mais sofisticadas do que aprendemos que sejam. (PEETERS, 2004, p. 61) Essa possibilidade prevê um cuidado de si que pode nascer em rede. Deleuze explica a técnica que Francis Bacon utiliza de isolar a figura : a forma redonda não coloca a figura em 9

10 aprisionamento, pelo contrário, cria uma dinâmica de progressão. Peeters pergunta como corpos que veem adaptam-se aos corpos vistos. A zona objetiva de indiscernibilidade que é o corpo inteiro como carne ou matéria (DELEUZE, 1981, p. 22) pode emanar partes de imagem, resíduos que se encaixam, instintivamente ou intencionalmente, para pensar com Schilder, em outras partes sensórias. A ideia já não é somente se engajar com a história pessoal conectada à história de um grupo maior, nem tampouco apenas questionar o roteiro coercitivo da feminilidade na arte. Engaja-se também com a identidade provisional e discursiva do corpo sociopolítico, uma incorporação temporária das memórias e conseguintes agenciamentos. Jane Blocker vai dialogar com Rebecca Schneider ao tentar comprometer carne para memória. Ela levanta uma formulação fundamental para a compreensão do trabalho sobre o desaparecimento na arte e na história; Blocker avalia se todos os corpos estão igualmente sujeitos ao desaparecimento e questiona, com Schneider, como e de que forma e para quem a performance faz a sua reaparição eruptiva, chegando à conclusão de que as narrativas são em grande parte refeitas a partir de inscrições patriarcais, heteronormativas e dialéticas. Mas esses corpos que desapareceram ou quase desapareceram podem entrar em erupção derramando sua larva sobre lógicas antissomáticas ou sobre amnésia da carne. (BLOCKER, 2004, p.107) Performatividade Faço uma leve entrada, através de Blocker e Ana Mendieta, na polêmica relação entre a teatralidade e o minimalismo ainda na sequência de construção de uma lógica conceito-espiritual para Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu. Blocker explica que tentativas de expressão como as de Ana Mendieta são, de modo geral, compreendidas pela impossibilidade de serem vistas como conceituais e, mais geralmente, descritas como pessoais, narcísicas, intransitivas, específicas, ao que Blocker reage: o que é o corpo senão estas coisas? (Ibidem, p. 33) É evidente que o posicionamento das marcações não era verdadeiramente "aleatório", como minhas escolhas foram intuitivas e subliminarmente estéticas. "Aleatoriedade" precede a motivação e o 10

11 exercício de gosto (RAINER, 1965, p. 175) Segundo Fried, o minimalismo teria afastado o aspecto relacional de quase toda arte. Os desdobramentos de tendências pós-minimalistas reconheceriam em Robert Morris uma impossibilidade de captura do total. Ramsay Burt comenta: Morris colocou o problema conceitual de sair dessa situação potencialmente dualística criando um objeto que só tem uma propriedade e observa que os objetos de arte têm claramente partes divisíveis que então criam relações inevitavelmente. (1953, p. 84) A solução que Morris ofereceu foi o máximo de resistência ao relacional. Ainda que apresentando um processo criativo do tipo passo à passo, Morris deu forma às suas esculturas com forte expressão gestáltica, unitária. (FRIED, 1998, p. 118) Diante de uma ruína de fábrica de tecidos, que vestiu, alimentou e doutrinou um bairro, e das possibilidades de vida que esta oferece, é impossível acreditar que a fábrica é uma tela vazia. É uma tela em estágio de deterioração ou um linóleo de estúdio arranhado e com rasgos. Passou por consistentes estágios: de construção, afirmação, esquecimento. A fábrica não quer ser construída, afirmada, esquecida novamente. Há outras relações que se fazem necessárias. Não urge pela proteção como patrimônio histórico, mas ainda é percebida por pessoas que, de fato, viveram ali. A ruína da fábrica de tecidos oferece rombos, desvios, tanto bifurcações, desdobramentos, quanto instaurações, tanto desabamentos quanto construções. (DELEUZE, 1981, p. 4) Os desvios e bifurcações fazem surgir presenças altamente corpóreas no concreto, presenças que assustariam Fried. Ramsay Burt dá o exemplo de Untitled (Three L Beams), de Robert Morris, e descreve três esculturas da letra L dispostas em diferentes orientações no espaço. Aparentemente, o espectador percebe as massas dos objetos em inversões proporcionais mas identifica a igualdade entre os objetos. Da mesma forma, Yvonne Rainer, em Trio A, articula um controle sem pressa através do qual o espectador observa o peso real dos movimentos, de acordo com a preocupação que Rainer apresentava em relação ao desnível entre a percepção do espectador e a energia investida pelo dançarino em determinado movimento. A ideia de Morris de apresentar uma possibilidade para a percepção de 11

12 igualdade entre os três elementos parece dificultar a noção crítica via integração ou dualidade entre mente e corpo; a ideia de Rainer de permitir a relação entre o tempo e o peso relação através da qual um movimento é organizado apresenta resistências à objetificação do dançarino. Quando Rainer preocupa-se em desfazer o ilusionismo que algumas técnicas de dança propõem ao esconder a dor e o esforço do dançarino, ela esgarça um pouco mais a boca de Laocoonte, apesar de levar a teatralidade para o outro lado da linha de esforços, sem pressa e com controle. Rainer apresenta o corpo performativo um corpo que compartilha o movement-as-such (movimento-como-tal), um movimento continuamente fraturado, desequilibrado de sujeito a objeto. (MASSUMI, 2002, p. 51) Há diversos tipos de risco e um risco para cada um deles. Fazer um corte em forma de X nas batatas da perna, deixar sangrar, como faz a performer britânica Kira O Reilly, no trabalho Untitled Unsyncopations, por exemplo, é paradoxal se seguirmos o raciocínio sobre a linha de esforços, afinal Kira parece não sentir dor. Contudo, o dançarino que forma durante, ou per forma, só pode estar diretamente relacionado ao risco contido em qualquer construção e em qualquer consequente comunicação dessa construção. Esse risco é o cuidado de si, é uma relação de poder em que o performer coreografa a coreografia. Construção rima com loucura; conhecimento, com tragédia; logos, com páthos; sensatez, com esquizofrenia. (DIDI-HUBERMAN, 2013, p. 339) Construção minha de terra e água. Agora, o trabalho é tempo integral, o trabalho ascende, de alguma maneira. É um corta caminho, expressa ideia de corrente, rapidez, de A a B, um tanto linear. A linha de pensamentos de alguém para e permanece em diferentes pontos. AB é também prefixo para ausência, abominada. É simples, não é tão complexo quanto o prefixo OB, que se refere à abertura, exposição, oposição, resistência, bloqueio, finalidade, completude e o seu inverso. Eu escolho AB particularmente porque AB não é OB. Entretanto, AB está a instantes de ser tudo o que OB é. Eu não quero desaparecer hoje. AB é territorialidade: a incorporação dos limites de uma terra e sua linguagem. Em AB, eu piso nos solos performativos. AB é um percurso histórico-ficcional. Traço um acidente entre a política e a teatralidade da autorrepresentação. A apresentação 12

13 sobre demarcações e fronteiras corporais e, portanto, sociais, acontece através da interação entre a lama, a água e um silêncio chato, esquisito. O Corpo sem Imagem O cruzamento de duas temporalidades específicas atarraxam sensações corporais correntes: um passado indígena, quase mitológico, e um passado operário. Ambos passados se dão possíveis no presente por registros orais. Tais temporalidades estão consecutivas na minha fantasia de memória, uma história estranhamente linear, em que o trabalho produz um ideal e um conflito com esse mesmo ideal. Esse ideal corrobora um entendimento de identidade que é fundamental na produção de uma metodologia específica para o trabalho artístico que se forma. Cada trabalho se funda em sua metodologia interna. A identidade é um projeto aberto e a produção artística vai revelando seu caráter múltiplo, expandido. A documentação pode ser usada para registro do processo criativo ou como material de expansão. Sigo o caminho da opção descolonial e me atrevo a falar de um processo criativo ainda jovem para a construção de Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu, um trabalho de tecelagem fibrosa, histórias emendadas de decadência industrial no Rio de Janeiro, de corpo ex-rural, corpo ex-indígena. Forma-se um painel de complexidades da convivência entre as diversas temporalidades e um produto artístico. Imagino que tanto a história quanto a sua ficção, suas similaridades e versões, estejam descritas na mesma página. Dobro essa página. Tento uma outra atividade: a de situar cada descrição a da história e a da sua performance em duas páginas diferentes para depois entrelaçá-las. A história não é, em nenhum dos casos, só background para a linguagem criada, metonímica. No entrelaçamento, ora o que está atrás aparece à frente ora surge por detrás. Historicamente, tem-se a impressão de que a própria história vem, carregada de influência imaterial, da esquerda para direita, numa linha reta onde o passado está por trás. Os objetos do passado parecem ser de espuma líquida, enquanto resíduos de memória e o espaço é quase corpóreo. (...) uma superposição da soma total de perspectivas relativas nas quais o corpo foi implicado, como objeto ou sujeito, somando também as passagens entre eles: em outras palavras, um encadeamento entre 13

14 perspectivas sobrepostas que no entanto permanecem distintas. (MASSUMI, 2002, p. 58) A fábrica compreende mais que o prédio industrial. Mas a arquitetura do bairro onde cresceram as famílias de operários contramestres, tecelões, coloristas era desenhada a partir do prédio industrial. À frente da Fábrica de Tecidos Fluminense estão virtuais os bangalôs de mestres de tecelagem, casas de um só nível com muitos quartos para as famílias de quase ou mais de dez filhos. Essas casas testemunharam a rotina do apito da fábrica. Nas redondezas, próximas ao prédio principal da fábrica, ainda há casas de dois níveis, com escadaria central, parede reservada para o retrato pintado de seu dono, casas geralmente reservadas para os chefes, diretores, todas com aparência de jovem ruína. Sua realidade é de potencial, puramente relacional, o intervalo da mudança, a transformação em si. A fábrica mantinha seus operários ao alcance do controle sonoro Você que atende ao apito de uma chaminé de barro, cantou Noel Rosa e disciplinar do apito de barro, materialização explícita do poder. Esse lugar, hoje abandonado e povoado de fantasmas, deixa lembrança nos olhos com cataratas dos seus antigos operários. O lugar é super-empírico e ainda que maximamente abstrato, é real. (Ibidem) Para Massumi, a quase corporeidade é um mapa abstrato em transformação. (Ibidem) As fábricas não estavam em só um lugar do mundo, foram um fenômeno característico da revolução industrial de origem britânica. A fábrica no Brasil teve função de domesticar hábitos então profundamente rurais. Os membros mortos, simples pêndulos, submetem-se à lei do peso. (KLEIST, s.d., p.11) O apito do juiz de futebol lembrava o apito de barro; ambos exerciam funções muito específicas de disciplina. Entre essas funções disciplinadoras estão a da separação ilusória de papéis, de responsabilidades, de capacidades, de classes e gêneros. Ilana Feldman diz que até mesmo o ócio produtivo do trabalhador, apresentado no filme Pacific, de Marcelo Pedroso, é produto de um inesgotável trabalho. (FELDMAN, 2011, p.10) Mesmo na hora vaga, o trabalhador produz coisas. Silvia Benson indica que as coisas, se corretamente investigadas, podem apontar no sentido de indicar, referir, sinalizar para o ser. O caminho é avaliar a experiência da neta ou do bisneto da fábrica, deslocado, com maior poder de crédito. De onde vem tanta coisa? O trabalhador aprendeu a exigir mais crédito e 14

15 a relação de dependência é similar ao tempo do seu avô. Para esse mesmo homem comum urge registrar tudo que não é oficialmente trabalho. Documenta-se, por todos os ângulos, a era inflada pela construção de memória. O imaginário da fábrica coincide com a não linearidade da qual Massumi fala, move-se em duas direções de uma vez; da atualidade do passado à atualidade do futuro. (MASSUMI, 2002, p. 58) Paradoxalmente, o operário-rural antes fabricava tecidos e somente possuía objetos de grande importância, com funções fundamentais para o cotidiano. O acúmulo contemporâneo de objetos que, em grande quantidade, perdem utilidade, acompanha a substituição do homem por máquinas que repetem o ciclo econômico de produção em proporções apocalípticas. André Lepecki destaca que objetos existem em uma relação simétrica com a subjetividade (2012, p. 77) e, descuidando de nós mesmos e, em consequência, das sociedades pelas quais circulamos, ocupamos o espaço do resíduo, da memória, da história com toneladas de plástico. O resíduo é constituído de uma materialidade muito frágil e enquanto produzimos objetos, encontramo-nos sendo produzidos por objetos, apressados e distraídos. A fábrica é um conjunto de frases ou de histórias e objetos, como fotografias de família no bairro chamado Barreto. Objetos que completam sua colonização da vida social. (Ibidem, p. 87) Essas famílias me fazem acessar uma imagem em movimento coreográfico de um espaço recortado, mais presente que passado, que está dentro e, paradoxalmente, descolado da figura fábrica. Os objetos do passado, despedaçados, também oferecem certo risco, no entanto, aproximam-se mais da qualidade de resíduo, aquilo que resta. O problema maior da cidade dormitório é que seus fantasmas acabam por serem afastados pela quantidade de mercadorias. Antes o imaginário estava povoado de rumores infantis, barulhos de maquinaria, pequenas perversões, pequenas traições e experimentações, passos em pavilhões úmidos, pulos em poças d água, ficções que surgiram a partir dos corpos e vozes que me contam histórias. Sou movida a contar do que permanece desmaterializado, que não poderá nunca se engajar com o restritivo da materialização governada pelos princípios de inteligibilidade. É através de tal ficção que desdobro uma imagem de história da qual encontro resíduos no meu próprio corpo. Quando afirmo sou movida, assumo o caráter formativo do poder e controle, no entanto busco a sua 15

16 transformação através do poder performativo que responde às restrições, privações e obrigações. (BUTLER, 1993, p. 52) Que tipo de ato, gesto, ou movimento um indivíduo pode performar contra tal domínio?a produção artística e respectiva metodologia que surge aqui está, em primeiro lugar, inserida no contexto econômico em que a sua produção é toda baseada, na força do trabalho e engajamento da sensibilidade própria dos músculos e ligamentos. É impossível não relacionar o trabalho artístico a uma lógica que não o define: a lógica do assalariado, do trabalho que ocupa pelo menos oito horas do dia, de segunda a sexta-feira, além daquelas quatro horas mínimas investidas em trânsito. A partir da leitura de Massumi, observo que o registro dos músculos e ligamentos comprometem-se com a memória. O primeiro elemento de criação artística, o impulso, que é também uma qualidade de movimento, me lança ao chão, o segundo elemento, é sempre do chão. A ação vem do chão, vem da força que este exerce em relação ao corpo. O corpo está reagindo à sinalização da pele que decodifica a dureza do chão. Entendo que Massumi trata do corpo-corpóreo mas esse corpo está lembrando das imagens de amores, de barulhos de máquina que atravessam a vianda, de pequenas perversões, de pequenas bruxarias e experimentações, passos em pavilhões úmidos e pulos em poças d água nos galpões vazios da fábrica. São resíduos. Talvez as memórias estejam todas registradas na carne ou talvez refiram-se ao registro do tipo momento-visão do qual Massumi trata e que, aparentemente, registra o movimento simultaneamente à sua captura. O movimento-visão é a existência da visão enquanto sentido administrado pelo músculo da retina. Ela está fora da polis, mas ela está, como deveria ser, num exterior sem o qual a polis não poderia existir. (BUTLER, 1998, p. 4) Ir-e-vir é a temporalidade desse corpo operário, um movimento sempre entre e suspenso. As imagens que ocorrem entre o piscar de olhos enquadrado pela janela do ônibus: vejo a indústria, o índio, a roça, entre o cimentado, o pixo, o chapisco, as grafias de todas as cores, a poeira do gás carbônico. Atravessei inúmeras vezes a fachada da Fábrica de Tecidos Fluminense. Crio corpo para este resíduo que acontece via sonoridade de algo que assumo da contação de histórias, 16

17 das recitações, dos gestos e dos ritos, ex-corporações. É uma busca de si mesmo em cujo caminho vai se desmontando tudo o que lhe cobre, desodoriza, silencia e deforma (MIGNOLO, 2012, p. 43), é uma busca particular, que retorna ao lugar familiar, mas é uma busca ficcional que excede o sujeito biográfico. (KLINGER, 2012, p.12) Percebo que, além de visitar esse espaço da morte performando uma voz social e familiar silenciada, tenho outra responsabilidade política: visitar novas paranoias, obsessões provocadas pela transformação do conjunto de regras e vigilâncias que foram abruptamente modificadas pela curta mutação da realidade econômica do bairro onde está localizada a fábrica. Ainda mapeando e percorrendo o bairro do Barreto, percebo o confronto entre nostalgia e desejo de permanência e insurgência de novos valores já não mais conectados com a lógica de classe. Duas ou três gerações inteiras percebem múltiplos acidentes de temporalidade. Luciana Wollmann percebe que tais gerações têm diante de si valores concernentes à velha ética do trabalho, tais como: disciplina autoimposta, submissão passiva, prática voluntária assim como novas normas que privilegiam o curto prazo, o trabalho em equipe, a flexibilidade do tempo e o fim da rigidez das antigas redes hierárquicas. Ela diz ainda: esta combinação de diferentes formas de caráter nas relações de trabalho atua muitas vezes de forma corrosiva no entendimento que o sujeito tem do seu próprio trabalho e, por extensão, de si. Wollmann fala sobre o declínio do Barreto, bairro antes operário que se permite abandonado. Em seu trabalho, a autora destaca a cultura do trabalho que caracterizou e ainda caracteriza a valorização de uma vida repleta de sacrifícios e o infindável adiamento do desejo de satisfação e realização. Ela também reflete a respeito da trajetória de esvaziamento industrial dada pela crise internacional pós-guerra. No Brasil, o setor industrial teve uma completa decadência, também sofrendo consequências da política nacionalista militar e das dívidas externas que a levaram à falência. (WOLLMANN, 2011, p. 30) Repense corpo, subjetividade e transformação social em termos de movimento, afeto, força e violência antes do código, texto, significação. (MASSUMI, 2002, p. 66) 17

18 Arquivo pessoal de Nathália Mello: meu pai reproduzindo estampas em cilindros de cobre; posando com seus colegas no Manufatura Futebol Clube; minha mãe é uma das meninas vestida de caipira nesta junina típica e, ao fundo, Vila Operária Fluminense A fachada da Fábrica de Tecidos Fluminense expõe a decadência do bairro ex-operário. Familiares e vizinhos mostram as fotos e objetos do passado e se emocionam com o encantamento daquele passado fantasmagórico e descaracterizado. Muitos moradores da região têm na sua história algum ponto de convergência com a fábrica, principal fonte de renda local. Muitos moradores, excontramestres de tecelagem, como meu avô materno, ex-tecelões, jovens coloristas, como meu pai, teceram uma identidade rural, indígena, justaposta à lógica da separação de classe, e parecem se perder diante de novas ideias de permanente transformação da representação identitária. O ambiente ex-rural, ex-campo de batalha entre portugueses e Tupinimós e franceses e Tamoios, ex-operário tradicional, que antes priorizava as relações de praça, está abandonado. O objetivo corrente é reconhecer melhor essa região, passar por pontos em que a história maior toca a minha pequena história junto às lembranças familiares. O meu objetivo é acessar as gerações que ainda perpetuam suas saudades e, a partir daí, mapear essa região que não é operária ou ociosa, 18

19 violenta ou completamente doce, que não é nem uma coisa nem outra, e também não é conhecida por sua culinária mas que todos os fins de semana celebra a vida com uma fartura particular de comidas populares. O Barreto é lugar de passagem e já perdi as contas de quantas vezes atravessei sua rua principal, a rua Dr. March, principalmente de ônibus. Já perdi a conta de quantas vezes imaginei um bairro de sonho que não é só de dormir, nem tampouco de sobrevivência, mas um bairro de presente e vivência. Notas [1] Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/mal_de_alzheimer>. Acessado em: 10 de abril de [2] Nas cinco etnias (MT e RO) que conheci entre percebi ser comum chamar alguém com mais de sessenta anos de idade de velho sem que o termo represente desrespeito. [3] A Índia Papa-Goiaba é um dispositivo. Deleuze, em O que é um Dispositivo?: É necessário instalar-se sobre as próprias linhas, que não se limitam a compor um dispositivo, mas que o atravessam e o arrastam, do norte ao sul, do leste ao oeste ou em diagonal e uma linha de subjetivação é um processo. (1981, p.1) [4] Ana Mendieta, artista cubana criada nos EUA, ficou muito conhecida por trabalhos realizados com materiais como terra e sangue. Estudei o caso da sua morte e alguns de seus trabalhos como as silhuetas de deuses cubanos. Esse material foi utilizado para a composição da minha dissertação de mestrado A Teatralidade e Política da Autorrepresentação, na qual produzi Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Bibliografia BLOCKER, Jane. What the body cost desire, history and performance. Minnesota: Minnesota University Press, BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, BURT, Ramsay. Judson Dance Theatre Performative Traces. Londres/NY: Routledge, BUTLER, Judith. Antigone s Claim: kinship between life and death. NY: Columbia University Press Bodies that matter. NY/Londres: Routledge, DELEUZE, Gilles. A lógica da sensação. São Paulo: Jorge Zahar, O que é um dispositivo? Barcelona: Gedisa, DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: História da arte e tempo dos 19

20 fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro, Contraponto, FELDMAN, Ilana. Pacific. Revista Cinética, FOUCAULT, Michael. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: Ditos & Escritos V Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, FRIED, Michael. Art and Objecthood. Chicago: University Of Chicago Press, KLEIST, Heinrich von. Sobre o teatro de marionetes. Rio de Janeiro: Cadernos de Cultura Ministério da Educação e Saúde, KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7 Letras, LEPECKI, André. Moving as Thing: Choreographic Critiques of the Object. Massachusetts: October Magazine, Ltd. and Massachusetts Institute of Technology, MASSUMI, Brian. Parables for the virtual Movement, Affect, Sensation. Durham/Londres: Duke University Press, MIGNOLO, Walter; GÓMEZ, Pedro Pablo. Estéticas y opción decolonial. Bogotá: Editorial UD, PÁL PELBART, Peter. A vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Ed. Iluminuras, PEETERS, Jeroen. Bodies as Filters On Boris Charmatz, Benoît Lachambre and Meg Stuart. Maasmechelen: Cultural Centre Maasmechelen, RAINER, Yvonne. Parts for some sextets. Cambridge: The MIT Press, SCHILDER, Paul. A imagem do corpo as energias construtivas da psique. São Paulo: Martins Fontes, SCHNEIDER, Rebecca. Performing remains art and war in times of theatrical reenactment. Abingdon/Oxon/New York: Routledge, WOLLMANN, Luciana. "Quando o apito não tocou: experiência operária e identidade de classe em um bairro operário em declínio (Barreto Niterói)". Revista Mediações - Revista de Ciências Sociais v. 16, n. 1, Revisão de Marcio Honorio de Godoy 2014 erevista Performatus e o autor 20

NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU

NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU Inhumas, ano 2, n. 10, mai. 2014 ISSN 2316-8102 NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA Nathália Mello Todo homem que sofre é um pedaço de carne (Deleuze, 2007, p. 23) Na Fibra

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

ENTREVISTA COM MANUEL VASON

ENTREVISTA COM MANUEL VASON Ano 2 Nº 11 Jul 2014 ISSN 2316-8102 ENTREVISTA COM MANUEL VASON por Joanna Zylinska Manuel Vason representado na ilustração da artista Veridiana Scarpelli para a undécima edição da erevista Performatus

Leia mais

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: possibilidades a partir do espaço escolar e do espaço habitado ELSIO J. CORÁ JUNHO/ 2015 Universalização

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 5 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 5 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 5 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido

Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Diálogos entre Gestalt-terapia e dança: corpo, expressão e sentido Carla do Eirado Silva carlaeirado@gmail.com 11º período Instituto de Psicologia Cintia Siqueira de Oliveira cintia_imjc@hotmail.com 10º

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro RESUMO: A autora problematiza a questão da imagem teatral, vista além do pictórico que se inscreve no tempo

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI

VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI Inhumas, ano 2, n. 12, out 2014 ISSN 2316-8102 VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI Renan Marcondes Texto escrito a partir da entrevista realizada no dia 5 de agosto de 2014 na CENTRAL Galeria

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

O DESPIR-SE DE TALES FREY EM BUSCA DE UM OBJETO DE ENSAIO

O DESPIR-SE DE TALES FREY EM BUSCA DE UM OBJETO DE ENSAIO Ano 1 Nº 2 Jan 2013 ISSN 2316-8102 O DESPIR-SE DE TALES FREY EM BUSCA DE UM OBJETO DE ENSAIO por Nathália Mello Tales Frey, Vende-se: Aceita-se Cartão de Débito. Performance realizada na cidade do Porto,

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Sobre Saltos: entre a sola e o salto alto do sapato dela existe a imensidão

Sobre Saltos: entre a sola e o salto alto do sapato dela existe a imensidão 1 Sobre Saltos: entre a sola e o salto alto do sapato dela existe a imensidão Cleiton Zóia Münchow Para Sandramaria G.G. Scavassa Diariamente sapatos das mais variadas formas, tamanhos e cores perambulam

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Arquitetura sem fronteiras

Arquitetura sem fronteiras Arquitetura sem fronteiras No centro da cidade de Melbourne, na Austrália, agora mora uma casa inspirada na arte abstrata, no cinema e noutras coisas mais. A Prahran White House é uma celebração da cultura

Leia mais

Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação. Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto

Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação. Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto Sons e Imagens da Rememoração - Texto para divulgação Ana Maria Mauad Coordenadora do Projeto Sons e imagens da rememoração: narrativas e registros das identidades e alteridades afrobrasileira nos séculos

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Construções sobre a pintura Gabriel Pérez-Barreiro

Construções sobre a pintura Gabriel Pérez-Barreiro Texto publicado no livro do artista Daniel Senise Ela que não está, Cosac & Naify Edições, São Paulo, 1998 A obra de Senise foi muitas vezes considerada como exemplar do retorno à pintura ocorrido nas

Leia mais

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá!

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá! Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento Olá! Seja bem- vindo ao Curso de Especialização Formação Integrada Multiprofissional em Educação Permanente em Saúde Educação Permanente em Saúde

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Ana Carolina Lopes Melchert Unicamp Mestre Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes do IA-Unicamp Docente do Curso de

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da F A Z E N D O E S C O L A C O M I M A G E N S TREM DO DESEJO...fotografias despregadas do real Wenceslao Machado de Oliveira Jr Uma jangada à deriva a céu aberto leva os corações despertos a sonhar por

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadora: Maria Inês Castanha de Queiroz Coordenadora: Maria Inês Castanha de Queiroz CRP 5357/4ª região Psicóloga, Mestre

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial. Delimitando o céu para o estudo da Astronomia

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial. Delimitando o céu para o estudo da Astronomia SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial Páginas 3-4 1. Esperam-se respostas como: Lua, estrelas, nuvens, Sol, pássaros, aviões, satélites etc. 2. Resposta pessoal. Caso os alunos

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Spaziergangwissenschaft e notours : andar como uma ciência (urbana) ea realidade aumentada para dispositivos móveis

Spaziergangwissenschaft e notours : andar como uma ciência (urbana) ea realidade aumentada para dispositivos móveis Spaziergangwissenschaft e notours : andar como uma ciência (urbana) ea realidade aumentada para dispositivos móveis the Milena principle e Escoitar.org Escoitar.org e the Milena principle são coletivos

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA Código: 03 Matriz Curricular: DANÇA - Laranjeiras - Presencial - Noturno - Licenciatura Plena Período Letivo de Entrada em Vigor 2012-1 Carga Horária: Total

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola O Jogo de Dados de Mozart Série Matemática na Escola Objetivos 1. Relacionar música e matemática; 2. Apresentar os fundamentos de análise combinatória e probabilidade; 3. Exibir uma aplicação prática de

Leia mais

Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade

Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade Ana Carolina Ribeiro 1 RESUMO Com base nos conceitos imagem-sonho e imagem-lembrança apresentados na teoria de Gilles Deleuze sobre o cinema,

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Csordas, T. (1994) (editor) Embodiment and Experience. The existential ground of culture and self. Cambridge, Cambridge University Press.

Csordas, T. (1994) (editor) Embodiment and Experience. The existential ground of culture and self. Cambridge, Cambridge University Press. IMAGENS E IN-CORPORAÇÕES. UMA REFLEXÃO SOBRE O TEATRO EXPERIMENTAL. Selma Baptista Universidade Federal do Paraná UFPR Teatro experimental, performance, ekphrasis. Resumo: este texto reflete sobre a relação

Leia mais

REGIANE PEREA CARVALHO A LITERATURA INFANTIL E A MATEMÁTICA: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 5 E 6 ANOS DE IDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIANE PEREA CARVALHO A LITERATURA INFANTIL E A MATEMÁTICA: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 5 E 6 ANOS DE IDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP REGIANE PEREA CARVALHO A LITERATURA INFANTIL E A MATEMÁTICA: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 5 E 6 ANOS DE IDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais