NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA"

Transcrição

1 Ano 2 Nº 10 Mai 2014 ISSN NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA por Nathália Mello Todo homem que sofre é um pedaço de carne (Deleuze, 2007, p. 23) Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu é o nome para o processo criativo que realizo no contexto do primeiro ano de pesquisa de doutoramento. A Fábrica de Tecidos Fluminense é um fábrica abandonada no bairro do Barreto, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro, entre Niterói e São Gonçalo. Meu pai e avô foram, respectivamente, colorista e mestre de tecelagem nessa fábrica, e toda a trajetória familiar é alinhavada pela industrialização e suas consequências. A história familiar também ajuda a compreender uma história de país, de seus arranjos sociais. Essa história é sobre a abrupta origem de um bairro industrial e abrupta varredura da ruralidade e natividade negra e indígena características. A relação que estabeleço com essa fábrica abandonada é de verificar que essa ruína continua a fabricar corpos. Antes esses corpos reagiam ativamente às diversas formas de coerção do sistema industrial; em geral, reagiam através de manifestações reconhecidas como: loucura, disciplina, higiene, educação, religiosidade, vícios. Há pelo menos uma metade de século, a coerção individual justapõe-se ao abandono das necessidades básicas públicas, esquecimento das relações históricas e desaparecimento dos hábitos e encontros culturais. Na Fibra é dividido em duas partes e busca estimular o desenvolvimento de um trabalho com colaboradores e moradores do bairro, que envolve uma produção suburbana de festival gastronômico entre botecos, festa junina na praça, instalações na calçada, oficinas de bordado, tricô, renda. A primeira parte é uma pesquisa sobre o interesse dos moradores em relação à transformação da fábrica em espaço para práticas de memória, cultura, lazer e educação. Entre inúmeras 1

2 inquietações quanto à qualidade de vida dos moradores do Barreto, existe o fato de que uma quantidade significante de idosos na região sofre do mal de Alzheimer (ataca funções corporais como a memória, aprendizagem e a coordenação motora [1]) e, uma possibilidade para perceber o fenômeno, é o fato de que os indivíduos da cidade dormitório, de modo geral, não exercem atividades de cuidado de si, prática à qual relaciono essa atividade artística. Paralelamente às atividades com o entorno da fábrica, a segunda parte consiste em apropriar-se dos hábitos perceptivos e comportamentais criados pelo complexo tecnoindustrial e transformá-lo em possibilidades de vida. (Bourriaud, 1998, p. 96) A produção de um trabalho solo é a performance da imagem-corpo que filtra relações histórico-geográficas para pele e gênero. O solo corporal Papa- Goiaba Hoje é a continuação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. O título é também o roteiro da apresentação que se dá como imagem-corpo do trabalho. Documentação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Hrafnhildur Benediksdóttir. Londres, Inglaterra,

3 Documentação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Hrafnhildur Benediksdóttir. Londres, Inglaterra, 2010 Documentação de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Ana Rita Rodrigues. Girona, Espanha,

4 O Cuidado de Si A prática da liberdade ou do cuidado de si, em termos foucaultianos, é uma forma de resistência à entrada do corpo em jogos de verdade, em jogos coercitivos ou em práticas de si. Na prática coercitiva, o sujeito sofreria a injeção de controle dirigida pelas entidades institucionais; na prática de si o sujeito deve se transformar e atingir um certo modo de ser (Foucault, 2004, p. 265). Foucault enfatiza o fato de que não é suficiente a liberação dos processos históricos, econômicos e sociais, por exemplo, de um povo colonizado à procura de liberação no sentido estrito. É necessária a prática de liberdade continuada após a liberação. Segundo Foucault, quando as relações de poder encontram estados de dominação, um indivíduo ou um grupo social chega a bloquear um campo de relações de poder, a torná-las imóveis e fixas e a impedir qualquer reversibilidade do movimento. (Ibidem, p. 266). A atividade que proponho no entorno da Fábrica de Tecidos Fluminense, no bairro do Barreto, é uma prática de cuidado de si que é uma resistência, uma atividade posterior à sequência de liberações de processos históricos heteronormativos que vivenciei como performer, mulher, índia, rural, operária, fluminense. Novas relações de poder são vislumbradas e surgem a partir da condução das relações de prazer com os outros. Como Foucault, acredito que a liberação é desgarrar-se da tradição estoica através da qual o ensino limita-se a um certo número de verdades, doutrinas e técnicas, as primeiras constituindo os princípios fundamentais de formação e, as outras, as regras de conduta (Ibidem, p. 269). Estas verdades apreendidas, memorizadas, progressivamente aplicadas podem tornar-se uma soberania. A ética grega, na Ética de Cuidado de Si como Prática da Liberdade, está relacionada ao conjunto individual de hábitos, tamanho e expansão no espaço, aos ritmos de caminhada e à reação aos acontecimentos. (Ibidem, p. 270) Logo, se repensarmos múltiplas reorganizações para nossa própria oikos, já estamos rascunhando coreografias para a economia do bairro, da cidade, e assim por diante. Uma civilização que se deixa dirigir, mas que também se dirige, consegue perceber novas qualidades, tamanhos, hábitos do espaço comum, e repensa sua lógica constantemente. As reorganizações múltiplas e constantes para nossos microcosmos são ações de intervalo no movimento, similares aos momentos de 4

5 intervalo em que o dançarino atua suas considerações. Em Foucault: (...) ser livre significa não ser escravo de si mesmo nem dos seus apetites, o que implica em estabelecer consigo mesmo uma certa relação de domínio. (Ibidem, p. 270) Em uma cidade em que todos cuidassem de si adequadamente estariam maleavelmente organizados os hábitos, tamanhos, ritmos, reações aos acontecimentos. Porque o cuidado de si é ético em si mesmo e pela complexidade que provoca nas relações com outros. Para Foucault, a relação consigo mesmo é ontologicamente primária e, portanto, o cuidado com os outros não deve ser anterior ao cuidado de si. (Ibidem) Será que as ex-colônias da América, África, pequenas ilhas e lugares distantes, como Fiji, discordariam dessa disposição de um pensador francês? O bairro de subúrbio ou a tribo indígena poderá funcionar a partir de uma lógica similar. Por exemplo, alguns amigos na tribo Umutina Balatiponé (MT, Brasil) me explicaram que o velho [2], em alguns grupos, decide quando é chegada a hora de sua morte. A conclusão é do próprio velho que decide pela sua própria morte caso acredite que sua presença tenha se tornado uma dificuldade para as atividades de vivência daquele grupo. O movimento da imagem corporal alheia, as mudanças relacionadas à sua função e suas expectativas em relação à ação dão à imagem corporal um significado mais profundo. (SCHILDER, 1981, p. 197) A análise que Peter Pál Pelbart realiza sobre o conceito de biopolítica tem ressonância no problema que Foucault identifica em um possível cuidado de si, adverso ao modelo greco-romano, com tendência para um amor exagerado de si mesmo que viria a negligenciar os outros ou, pior ainda, a abusar do poder que se pode exercer sobre eles. (Foucault, 2004, p. 273) Pál Pelbart observa que o biopoder faz viver e deixa morrer e é o sucessor do poder de soberania que fazia morrer e deixava viver. (Pál Pelbart, 2003, p. 55) O bairro do Barreto é organizado pela dupla tecnologia disciplina e biopolítica que regula, ao mesmo tempo, o corpo individual como máquina e regula os fenômenos de corpo-espécie natalidade, longevidade, saúde pública, habitação, administração dos territórios. (Ibidem, p. 57) Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu é uma ação da Índia 5

6 Papa-Goiaba que deseja que cada linha seja quebrada, submetida a variações de direção, bifurcante e engalhada, submetida a derivações (DELEUZE, 1981, p. 1). Para isso, realizo a administração do oikos em constates flexíveis para disponibilizar pontos de contato entre a dramaturgia desse trabalho que é um solo corporal mas é também atividade comunitária e colaboradores engajados. (...) só é possível haver relações de poder quando os sujeitos forem livres. Se um (...) estiver completamente à disposição do outro e se tornar a sua coisa, um objeto sobre o qual ele possa exercer uma violência infinita e ilimitada, não haverá relações de poder. (...) nas relações de poder, há necessariamente possibilidade de resistência. (Foucault, 2004, p. 276) Onde é que, de fato, vai se formar a resistência? (Ibidem, p. 277) Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu aponta a imagem-corpo de um bairro. Os resíduos de sua arquitetura, idades, passagens especialmente quando o lugar em questão é uma cidade dormitório são restos. Restaram a fachada da fábrica, a trilha de trem interrompida pelo descaso, o capim alto na área de lazer, a ferrugem no parquinho, a poeira. O resto é a imagem dessa história. A fábrica de tecidos é um elemento concreto que situa meu discurso no contexto representativo, quando nas relações de poder eu dirijo uma ação; entretanto, a performance a ser constituída é um ato em linguagem que já formo por incorporação de normas de poder às quais me oponho. (Butler, 1998, p. 10) Rebecca Schneider apresenta a ideia de que a carne não pode guardar a memória do osso. Só o osso pode guardar a memória da carne (2011, p. 102). Desde 2009, sem conhecer a artista Ana Mendieta [4], performei imagens-corpo muito parecidas com as dela. A imagem corporal, conforme Paul Schilder, não é um produto da apropriação dos corpos alheios (1981, p. 204). O autor acredita que a imitação de convicções é anterior a movimentos expressivos e ressalta a unidade entre a percepção e a ação, entre a impressão e a expressão. O resíduo da imagem é o tanto que permanece do encontro entre a ação e a impressão ou entre impressão e expressão. Será o resíduo a possibilidade da própria imagem? A reaparição de certas partes de imagens corporais de Mendieta incorporadas faz parte da imitação que tem importante função na formação da estrutura social: estarei relembrando Mendieta para que o seu resíduo não desapareça? No resíduo do trabalho dessa artista, não encontramos a sua história e documentação de uma 6

7 vida transformada pelo regime de Fidel Castro, um exílio dirigido pela relação biopolítica. Mendieta cubana cresceu sem reconhecer suas raízes identitárias, espirituais, experimentando duplo controle do corpo-individual e do corpo-espécie de quem cresce filha da guerrilha. Será o resíduo a quantidade cabível na arquitetura do armazenamento da memória da qual Schneider menciona? Falo sobre a fábrica mas ela não está na minha produção de imagem. Mendieta incorpora imagens de ritos de seu imaginário de Santería, mas não é religiosa. Será o resíduo a possibilidade que o armazenamento demanda restos que sejam visíveis ou materialmente rastreáveis na arquitetura de um poder social particular sobre a memória? (Schneider, 2011, p. 102) Processo criativo de Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Fotografia de Alexander Mervart. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2009 Processo criativo Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. (A Queda de Ana Mendieta). Fotografia de Hrafnhildur Benediksdóttir. Londres, Inglaterra,

8 Segundo Paul Schilder, os espaços interno e externo da imagem postural não são os mesmos da física. A imagem corporal incorpora objetos ou se propaga no espaço. (1981, p. 185) Acredito que minha imagem corporal se justapõe a um resíduo visível e rastreável de imagem da artista Ana Mendieta e que essa justaposição indica ressonâncias histórico-geográficas de pele e gênero. Mendieta esculpiu imagens que a conectavam com um passado cubano mitológico em cavernas, realizando uma construção criativa de imagem social. Na mesma medida, Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu é uma atividade política de escrita individual e de espécie no espaço; restarão fotografias, vídeos e relações produzidas por essa atividade coreográfica. Entretanto, assim como Mendieta esculpiu silhuetas de deuses em uma superfície de lama, silhuetas temporárias, as fases de Na Fibra organizam-se compreendendo sua duração e temporalidade. O resíduo é o que resta ao entrarmos em relação com um outro corpo. O resíduo é o que sobra quando corpos filtram a experiência do contato com outros corpos. Concluí-se que a experiência não é meramente visual. Em 1962, quando Yves Klein salta no vazio e fotografa o ato, ele subtrai do total daquele evento ou experiência o próprio resíduo do ato; Duchamp, quando apresenta Roda de Bicicleta, seu primeiro readymade de 1913, revela um olhar que depende da tarefa que cabe ao observador completar, preencher através da memória. O isolamento evita o figurativo, o que dá acesso à figura é a desfiguração, portanto, ao convidar os moradores para observar o resíduo de fábrica, direciono o olhar ao processo representativo que implica na relação de uma imagem com outras imagens em uma composição geral. (DELEUZE, 1981, p. 2) Observar o que esse resíduo fabrica é construir um canal porta-voz dos moradores do bairro do Barreto. Esse canal é metonímico porque a parte sugere representações simbólicas e subjetivas de uma ideia qualquer de todo. Jane Blocker cita a fórmula de Judith Butler sobre a redução da experiência estética à sua relevância visual percebida em Merleau-Ponty: Ela nunca vê, sempre é vista. Se o corpo feminino denota uma essência, enquanto os corpos em geral denotam existência, parece que os corpos em geral são masculinos e existência não pertence à mulher. (2004, p. 29) Blocker constrói uma trajetória iniciada com o exemplo da escultura grega 8

9 Laocoonte. Ela observa, principalmente a partir de Lessing e Winckelmann no século XVIII, o primeiro mapeamento da estética e as ambivalências nas análises da representação da dor. A trajetória de Blocker é também de afirmar a grande dificuldade que foi e ainda é livrar-se da lógica dialética de Descartes, mesmo para os autores mais contemporâneos que professam tê-la abandonado. (Ibidem, p. 24). Seguindo sua partitura, Jane Blocker avalia ainda oposições comumente admitidas entre Michael Fried e Willoughby Sharp; o incômodo de Fried quanto ao literalismo (...) que resulta em objetos assustadoramente corpóreos e a tentativa de Sharp em resgatar o corpo de si mesmo são atitudes críticas que ajudam a notar a hipótese que Blocker levanta quanto à manutenção de hábitos estéticos muito antigos, principalmente, de repúdio ao corpo. Blocker: Estas limitações trazem-me de volta às qualidades reacionárias de algumas performances, performances que, como fenomenologia, aparentam posar uma alteração dramática das ideias filosóficas recebidas, mas muitas vezes performam manobras para protegerem-se do feminino, do queer (Ibidem, p. 28) Benôit Lachambre pode oferecer uma saída ao utilizar a percepção e interação diversa da fenomenologia clássica. Blocker considera que a fenomenologia de Merlau-Ponty é um passo para abandonar o objeto mudo da ciência empírica, mas que ainda assim perpetua a lógica dialética cartesiana apenas substituindo-a pela integração entre mente/corpo. Em trabalhos em que se articula a dor como linguagem corporal forçando os limites do entendimento sobre controle surgem percepções e interações de caráter somático corporal, novas possibilidades comunicativas que assumem o posicionamento deste mesmo corpo contra as disciplinas, contra o nivelamento de potenciais, contra manipulações. Nessas interações que Lachambre percebe há um estado que atravessa a linguagem, a partir do qual novos processos de aprendizagem são desenvolvidos. Aqui, vejo a possibilidade de um cuidado de si descolonial que entende posicionamentos e atividades ancestrais como sendo muito mais sofisticadas do que aprendemos que sejam. (PEETERS, 2004, p. 61) Essa possibilidade prevê um cuidado de si que pode nascer em rede. Deleuze explica a técnica que Francis Bacon utiliza de isolar a figura : a forma redonda não coloca a figura em 9

10 aprisionamento, pelo contrário, cria uma dinâmica de progressão. Peeters pergunta como corpos que veem adaptam-se aos corpos vistos. A zona objetiva de indiscernibilidade que é o corpo inteiro como carne ou matéria (DELEUZE, 1981, p. 22) pode emanar partes de imagem, resíduos que se encaixam, instintivamente ou intencionalmente, para pensar com Schilder, em outras partes sensórias. A ideia já não é somente se engajar com a história pessoal conectada à história de um grupo maior, nem tampouco apenas questionar o roteiro coercitivo da feminilidade na arte. Engaja-se também com a identidade provisional e discursiva do corpo sociopolítico, uma incorporação temporária das memórias e conseguintes agenciamentos. Jane Blocker vai dialogar com Rebecca Schneider ao tentar comprometer carne para memória. Ela levanta uma formulação fundamental para a compreensão do trabalho sobre o desaparecimento na arte e na história; Blocker avalia se todos os corpos estão igualmente sujeitos ao desaparecimento e questiona, com Schneider, como e de que forma e para quem a performance faz a sua reaparição eruptiva, chegando à conclusão de que as narrativas são em grande parte refeitas a partir de inscrições patriarcais, heteronormativas e dialéticas. Mas esses corpos que desapareceram ou quase desapareceram podem entrar em erupção derramando sua larva sobre lógicas antissomáticas ou sobre amnésia da carne. (BLOCKER, 2004, p.107) Performatividade Faço uma leve entrada, através de Blocker e Ana Mendieta, na polêmica relação entre a teatralidade e o minimalismo ainda na sequência de construção de uma lógica conceito-espiritual para Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu. Blocker explica que tentativas de expressão como as de Ana Mendieta são, de modo geral, compreendidas pela impossibilidade de serem vistas como conceituais e, mais geralmente, descritas como pessoais, narcísicas, intransitivas, específicas, ao que Blocker reage: o que é o corpo senão estas coisas? (Ibidem, p. 33) É evidente que o posicionamento das marcações não era verdadeiramente "aleatório", como minhas escolhas foram intuitivas e subliminarmente estéticas. "Aleatoriedade" precede a motivação e o 10

11 exercício de gosto (RAINER, 1965, p. 175) Segundo Fried, o minimalismo teria afastado o aspecto relacional de quase toda arte. Os desdobramentos de tendências pós-minimalistas reconheceriam em Robert Morris uma impossibilidade de captura do total. Ramsay Burt comenta: Morris colocou o problema conceitual de sair dessa situação potencialmente dualística criando um objeto que só tem uma propriedade e observa que os objetos de arte têm claramente partes divisíveis que então criam relações inevitavelmente. (1953, p. 84) A solução que Morris ofereceu foi o máximo de resistência ao relacional. Ainda que apresentando um processo criativo do tipo passo à passo, Morris deu forma às suas esculturas com forte expressão gestáltica, unitária. (FRIED, 1998, p. 118) Diante de uma ruína de fábrica de tecidos, que vestiu, alimentou e doutrinou um bairro, e das possibilidades de vida que esta oferece, é impossível acreditar que a fábrica é uma tela vazia. É uma tela em estágio de deterioração ou um linóleo de estúdio arranhado e com rasgos. Passou por consistentes estágios: de construção, afirmação, esquecimento. A fábrica não quer ser construída, afirmada, esquecida novamente. Há outras relações que se fazem necessárias. Não urge pela proteção como patrimônio histórico, mas ainda é percebida por pessoas que, de fato, viveram ali. A ruína da fábrica de tecidos oferece rombos, desvios, tanto bifurcações, desdobramentos, quanto instaurações, tanto desabamentos quanto construções. (DELEUZE, 1981, p. 4) Os desvios e bifurcações fazem surgir presenças altamente corpóreas no concreto, presenças que assustariam Fried. Ramsay Burt dá o exemplo de Untitled (Three L Beams), de Robert Morris, e descreve três esculturas da letra L dispostas em diferentes orientações no espaço. Aparentemente, o espectador percebe as massas dos objetos em inversões proporcionais mas identifica a igualdade entre os objetos. Da mesma forma, Yvonne Rainer, em Trio A, articula um controle sem pressa através do qual o espectador observa o peso real dos movimentos, de acordo com a preocupação que Rainer apresentava em relação ao desnível entre a percepção do espectador e a energia investida pelo dançarino em determinado movimento. A ideia de Morris de apresentar uma possibilidade para a percepção de 11

12 igualdade entre os três elementos parece dificultar a noção crítica via integração ou dualidade entre mente e corpo; a ideia de Rainer de permitir a relação entre o tempo e o peso relação através da qual um movimento é organizado apresenta resistências à objetificação do dançarino. Quando Rainer preocupa-se em desfazer o ilusionismo que algumas técnicas de dança propõem ao esconder a dor e o esforço do dançarino, ela esgarça um pouco mais a boca de Laocoonte, apesar de levar a teatralidade para o outro lado da linha de esforços, sem pressa e com controle. Rainer apresenta o corpo performativo um corpo que compartilha o movement-as-such (movimento-como-tal), um movimento continuamente fraturado, desequilibrado de sujeito a objeto. (MASSUMI, 2002, p. 51) Há diversos tipos de risco e um risco para cada um deles. Fazer um corte em forma de X nas batatas da perna, deixar sangrar, como faz a performer britânica Kira O Reilly, no trabalho Untitled Unsyncopations, por exemplo, é paradoxal se seguirmos o raciocínio sobre a linha de esforços, afinal Kira parece não sentir dor. Contudo, o dançarino que forma durante, ou per forma, só pode estar diretamente relacionado ao risco contido em qualquer construção e em qualquer consequente comunicação dessa construção. Esse risco é o cuidado de si, é uma relação de poder em que o performer coreografa a coreografia. Construção rima com loucura; conhecimento, com tragédia; logos, com páthos; sensatez, com esquizofrenia. (DIDI-HUBERMAN, 2013, p. 339) Construção minha de terra e água. Agora, o trabalho é tempo integral, o trabalho ascende, de alguma maneira. É um corta caminho, expressa ideia de corrente, rapidez, de A a B, um tanto linear. A linha de pensamentos de alguém para e permanece em diferentes pontos. AB é também prefixo para ausência, abominada. É simples, não é tão complexo quanto o prefixo OB, que se refere à abertura, exposição, oposição, resistência, bloqueio, finalidade, completude e o seu inverso. Eu escolho AB particularmente porque AB não é OB. Entretanto, AB está a instantes de ser tudo o que OB é. Eu não quero desaparecer hoje. AB é territorialidade: a incorporação dos limites de uma terra e sua linguagem. Em AB, eu piso nos solos performativos. AB é um percurso histórico-ficcional. Traço um acidente entre a política e a teatralidade da autorrepresentação. A apresentação 12

13 sobre demarcações e fronteiras corporais e, portanto, sociais, acontece através da interação entre a lama, a água e um silêncio chato, esquisito. O Corpo sem Imagem O cruzamento de duas temporalidades específicas atarraxam sensações corporais correntes: um passado indígena, quase mitológico, e um passado operário. Ambos passados se dão possíveis no presente por registros orais. Tais temporalidades estão consecutivas na minha fantasia de memória, uma história estranhamente linear, em que o trabalho produz um ideal e um conflito com esse mesmo ideal. Esse ideal corrobora um entendimento de identidade que é fundamental na produção de uma metodologia específica para o trabalho artístico que se forma. Cada trabalho se funda em sua metodologia interna. A identidade é um projeto aberto e a produção artística vai revelando seu caráter múltiplo, expandido. A documentação pode ser usada para registro do processo criativo ou como material de expansão. Sigo o caminho da opção descolonial e me atrevo a falar de um processo criativo ainda jovem para a construção de Na Fibra do Tecido, a Estampa do Corpo Nu, um trabalho de tecelagem fibrosa, histórias emendadas de decadência industrial no Rio de Janeiro, de corpo ex-rural, corpo ex-indígena. Forma-se um painel de complexidades da convivência entre as diversas temporalidades e um produto artístico. Imagino que tanto a história quanto a sua ficção, suas similaridades e versões, estejam descritas na mesma página. Dobro essa página. Tento uma outra atividade: a de situar cada descrição a da história e a da sua performance em duas páginas diferentes para depois entrelaçá-las. A história não é, em nenhum dos casos, só background para a linguagem criada, metonímica. No entrelaçamento, ora o que está atrás aparece à frente ora surge por detrás. Historicamente, tem-se a impressão de que a própria história vem, carregada de influência imaterial, da esquerda para direita, numa linha reta onde o passado está por trás. Os objetos do passado parecem ser de espuma líquida, enquanto resíduos de memória e o espaço é quase corpóreo. (...) uma superposição da soma total de perspectivas relativas nas quais o corpo foi implicado, como objeto ou sujeito, somando também as passagens entre eles: em outras palavras, um encadeamento entre 13

14 perspectivas sobrepostas que no entanto permanecem distintas. (MASSUMI, 2002, p. 58) A fábrica compreende mais que o prédio industrial. Mas a arquitetura do bairro onde cresceram as famílias de operários contramestres, tecelões, coloristas era desenhada a partir do prédio industrial. À frente da Fábrica de Tecidos Fluminense estão virtuais os bangalôs de mestres de tecelagem, casas de um só nível com muitos quartos para as famílias de quase ou mais de dez filhos. Essas casas testemunharam a rotina do apito da fábrica. Nas redondezas, próximas ao prédio principal da fábrica, ainda há casas de dois níveis, com escadaria central, parede reservada para o retrato pintado de seu dono, casas geralmente reservadas para os chefes, diretores, todas com aparência de jovem ruína. Sua realidade é de potencial, puramente relacional, o intervalo da mudança, a transformação em si. A fábrica mantinha seus operários ao alcance do controle sonoro Você que atende ao apito de uma chaminé de barro, cantou Noel Rosa e disciplinar do apito de barro, materialização explícita do poder. Esse lugar, hoje abandonado e povoado de fantasmas, deixa lembrança nos olhos com cataratas dos seus antigos operários. O lugar é super-empírico e ainda que maximamente abstrato, é real. (Ibidem) Para Massumi, a quase corporeidade é um mapa abstrato em transformação. (Ibidem) As fábricas não estavam em só um lugar do mundo, foram um fenômeno característico da revolução industrial de origem britânica. A fábrica no Brasil teve função de domesticar hábitos então profundamente rurais. Os membros mortos, simples pêndulos, submetem-se à lei do peso. (KLEIST, s.d., p.11) O apito do juiz de futebol lembrava o apito de barro; ambos exerciam funções muito específicas de disciplina. Entre essas funções disciplinadoras estão a da separação ilusória de papéis, de responsabilidades, de capacidades, de classes e gêneros. Ilana Feldman diz que até mesmo o ócio produtivo do trabalhador, apresentado no filme Pacific, de Marcelo Pedroso, é produto de um inesgotável trabalho. (FELDMAN, 2011, p.10) Mesmo na hora vaga, o trabalhador produz coisas. Silvia Benson indica que as coisas, se corretamente investigadas, podem apontar no sentido de indicar, referir, sinalizar para o ser. O caminho é avaliar a experiência da neta ou do bisneto da fábrica, deslocado, com maior poder de crédito. De onde vem tanta coisa? O trabalhador aprendeu a exigir mais crédito e 14

15 a relação de dependência é similar ao tempo do seu avô. Para esse mesmo homem comum urge registrar tudo que não é oficialmente trabalho. Documenta-se, por todos os ângulos, a era inflada pela construção de memória. O imaginário da fábrica coincide com a não linearidade da qual Massumi fala, move-se em duas direções de uma vez; da atualidade do passado à atualidade do futuro. (MASSUMI, 2002, p. 58) Paradoxalmente, o operário-rural antes fabricava tecidos e somente possuía objetos de grande importância, com funções fundamentais para o cotidiano. O acúmulo contemporâneo de objetos que, em grande quantidade, perdem utilidade, acompanha a substituição do homem por máquinas que repetem o ciclo econômico de produção em proporções apocalípticas. André Lepecki destaca que objetos existem em uma relação simétrica com a subjetividade (2012, p. 77) e, descuidando de nós mesmos e, em consequência, das sociedades pelas quais circulamos, ocupamos o espaço do resíduo, da memória, da história com toneladas de plástico. O resíduo é constituído de uma materialidade muito frágil e enquanto produzimos objetos, encontramo-nos sendo produzidos por objetos, apressados e distraídos. A fábrica é um conjunto de frases ou de histórias e objetos, como fotografias de família no bairro chamado Barreto. Objetos que completam sua colonização da vida social. (Ibidem, p. 87) Essas famílias me fazem acessar uma imagem em movimento coreográfico de um espaço recortado, mais presente que passado, que está dentro e, paradoxalmente, descolado da figura fábrica. Os objetos do passado, despedaçados, também oferecem certo risco, no entanto, aproximam-se mais da qualidade de resíduo, aquilo que resta. O problema maior da cidade dormitório é que seus fantasmas acabam por serem afastados pela quantidade de mercadorias. Antes o imaginário estava povoado de rumores infantis, barulhos de maquinaria, pequenas perversões, pequenas traições e experimentações, passos em pavilhões úmidos, pulos em poças d água, ficções que surgiram a partir dos corpos e vozes que me contam histórias. Sou movida a contar do que permanece desmaterializado, que não poderá nunca se engajar com o restritivo da materialização governada pelos princípios de inteligibilidade. É através de tal ficção que desdobro uma imagem de história da qual encontro resíduos no meu próprio corpo. Quando afirmo sou movida, assumo o caráter formativo do poder e controle, no entanto busco a sua 15

16 transformação através do poder performativo que responde às restrições, privações e obrigações. (BUTLER, 1993, p. 52) Que tipo de ato, gesto, ou movimento um indivíduo pode performar contra tal domínio?a produção artística e respectiva metodologia que surge aqui está, em primeiro lugar, inserida no contexto econômico em que a sua produção é toda baseada, na força do trabalho e engajamento da sensibilidade própria dos músculos e ligamentos. É impossível não relacionar o trabalho artístico a uma lógica que não o define: a lógica do assalariado, do trabalho que ocupa pelo menos oito horas do dia, de segunda a sexta-feira, além daquelas quatro horas mínimas investidas em trânsito. A partir da leitura de Massumi, observo que o registro dos músculos e ligamentos comprometem-se com a memória. O primeiro elemento de criação artística, o impulso, que é também uma qualidade de movimento, me lança ao chão, o segundo elemento, é sempre do chão. A ação vem do chão, vem da força que este exerce em relação ao corpo. O corpo está reagindo à sinalização da pele que decodifica a dureza do chão. Entendo que Massumi trata do corpo-corpóreo mas esse corpo está lembrando das imagens de amores, de barulhos de máquina que atravessam a vianda, de pequenas perversões, de pequenas bruxarias e experimentações, passos em pavilhões úmidos e pulos em poças d água nos galpões vazios da fábrica. São resíduos. Talvez as memórias estejam todas registradas na carne ou talvez refiram-se ao registro do tipo momento-visão do qual Massumi trata e que, aparentemente, registra o movimento simultaneamente à sua captura. O movimento-visão é a existência da visão enquanto sentido administrado pelo músculo da retina. Ela está fora da polis, mas ela está, como deveria ser, num exterior sem o qual a polis não poderia existir. (BUTLER, 1998, p. 4) Ir-e-vir é a temporalidade desse corpo operário, um movimento sempre entre e suspenso. As imagens que ocorrem entre o piscar de olhos enquadrado pela janela do ônibus: vejo a indústria, o índio, a roça, entre o cimentado, o pixo, o chapisco, as grafias de todas as cores, a poeira do gás carbônico. Atravessei inúmeras vezes a fachada da Fábrica de Tecidos Fluminense. Crio corpo para este resíduo que acontece via sonoridade de algo que assumo da contação de histórias, 16

17 das recitações, dos gestos e dos ritos, ex-corporações. É uma busca de si mesmo em cujo caminho vai se desmontando tudo o que lhe cobre, desodoriza, silencia e deforma (MIGNOLO, 2012, p. 43), é uma busca particular, que retorna ao lugar familiar, mas é uma busca ficcional que excede o sujeito biográfico. (KLINGER, 2012, p.12) Percebo que, além de visitar esse espaço da morte performando uma voz social e familiar silenciada, tenho outra responsabilidade política: visitar novas paranoias, obsessões provocadas pela transformação do conjunto de regras e vigilâncias que foram abruptamente modificadas pela curta mutação da realidade econômica do bairro onde está localizada a fábrica. Ainda mapeando e percorrendo o bairro do Barreto, percebo o confronto entre nostalgia e desejo de permanência e insurgência de novos valores já não mais conectados com a lógica de classe. Duas ou três gerações inteiras percebem múltiplos acidentes de temporalidade. Luciana Wollmann percebe que tais gerações têm diante de si valores concernentes à velha ética do trabalho, tais como: disciplina autoimposta, submissão passiva, prática voluntária assim como novas normas que privilegiam o curto prazo, o trabalho em equipe, a flexibilidade do tempo e o fim da rigidez das antigas redes hierárquicas. Ela diz ainda: esta combinação de diferentes formas de caráter nas relações de trabalho atua muitas vezes de forma corrosiva no entendimento que o sujeito tem do seu próprio trabalho e, por extensão, de si. Wollmann fala sobre o declínio do Barreto, bairro antes operário que se permite abandonado. Em seu trabalho, a autora destaca a cultura do trabalho que caracterizou e ainda caracteriza a valorização de uma vida repleta de sacrifícios e o infindável adiamento do desejo de satisfação e realização. Ela também reflete a respeito da trajetória de esvaziamento industrial dada pela crise internacional pós-guerra. No Brasil, o setor industrial teve uma completa decadência, também sofrendo consequências da política nacionalista militar e das dívidas externas que a levaram à falência. (WOLLMANN, 2011, p. 30) Repense corpo, subjetividade e transformação social em termos de movimento, afeto, força e violência antes do código, texto, significação. (MASSUMI, 2002, p. 66) 17

18 Arquivo pessoal de Nathália Mello: meu pai reproduzindo estampas em cilindros de cobre; posando com seus colegas no Manufatura Futebol Clube; minha mãe é uma das meninas vestida de caipira nesta junina típica e, ao fundo, Vila Operária Fluminense A fachada da Fábrica de Tecidos Fluminense expõe a decadência do bairro ex-operário. Familiares e vizinhos mostram as fotos e objetos do passado e se emocionam com o encantamento daquele passado fantasmagórico e descaracterizado. Muitos moradores da região têm na sua história algum ponto de convergência com a fábrica, principal fonte de renda local. Muitos moradores, excontramestres de tecelagem, como meu avô materno, ex-tecelões, jovens coloristas, como meu pai, teceram uma identidade rural, indígena, justaposta à lógica da separação de classe, e parecem se perder diante de novas ideias de permanente transformação da representação identitária. O ambiente ex-rural, ex-campo de batalha entre portugueses e Tupinimós e franceses e Tamoios, ex-operário tradicional, que antes priorizava as relações de praça, está abandonado. O objetivo corrente é reconhecer melhor essa região, passar por pontos em que a história maior toca a minha pequena história junto às lembranças familiares. O meu objetivo é acessar as gerações que ainda perpetuam suas saudades e, a partir daí, mapear essa região que não é operária ou ociosa, 18

19 violenta ou completamente doce, que não é nem uma coisa nem outra, e também não é conhecida por sua culinária mas que todos os fins de semana celebra a vida com uma fartura particular de comidas populares. O Barreto é lugar de passagem e já perdi as contas de quantas vezes atravessei sua rua principal, a rua Dr. March, principalmente de ônibus. Já perdi a conta de quantas vezes imaginei um bairro de sonho que não é só de dormir, nem tampouco de sobrevivência, mas um bairro de presente e vivência. Notas [1] Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/mal_de_alzheimer>. Acessado em: 10 de abril de [2] Nas cinco etnias (MT e RO) que conheci entre percebi ser comum chamar alguém com mais de sessenta anos de idade de velho sem que o termo represente desrespeito. [3] A Índia Papa-Goiaba é um dispositivo. Deleuze, em O que é um Dispositivo?: É necessário instalar-se sobre as próprias linhas, que não se limitam a compor um dispositivo, mas que o atravessam e o arrastam, do norte ao sul, do leste ao oeste ou em diagonal e uma linha de subjetivação é um processo. (1981, p.1) [4] Ana Mendieta, artista cubana criada nos EUA, ficou muito conhecida por trabalhos realizados com materiais como terra e sangue. Estudei o caso da sua morte e alguns de seus trabalhos como as silhuetas de deuses cubanos. Esse material foi utilizado para a composição da minha dissertação de mestrado A Teatralidade e Política da Autorrepresentação, na qual produzi Abscene: Uma Jovem Fêmea, da Tribo dos Tupinimós, de Água Que Se Esconde, Diz Eu Aceito, Hoje. Bibliografia BLOCKER, Jane. What the body cost desire, history and performance. Minnesota: Minnesota University Press, BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, BURT, Ramsay. Judson Dance Theatre Performative Traces. Londres/NY: Routledge, BUTLER, Judith. Antigone s Claim: kinship between life and death. NY: Columbia University Press Bodies that matter. NY/Londres: Routledge, DELEUZE, Gilles. A lógica da sensação. São Paulo: Jorge Zahar, O que é um dispositivo? Barcelona: Gedisa, DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: História da arte e tempo dos 19

20 fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro, Contraponto, FELDMAN, Ilana. Pacific. Revista Cinética, FOUCAULT, Michael. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: Ditos & Escritos V Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, FRIED, Michael. Art and Objecthood. Chicago: University Of Chicago Press, KLEIST, Heinrich von. Sobre o teatro de marionetes. Rio de Janeiro: Cadernos de Cultura Ministério da Educação e Saúde, KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7 Letras, LEPECKI, André. Moving as Thing: Choreographic Critiques of the Object. Massachusetts: October Magazine, Ltd. and Massachusetts Institute of Technology, MASSUMI, Brian. Parables for the virtual Movement, Affect, Sensation. Durham/Londres: Duke University Press, MIGNOLO, Walter; GÓMEZ, Pedro Pablo. Estéticas y opción decolonial. Bogotá: Editorial UD, PÁL PELBART, Peter. A vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Ed. Iluminuras, PEETERS, Jeroen. Bodies as Filters On Boris Charmatz, Benoît Lachambre and Meg Stuart. Maasmechelen: Cultural Centre Maasmechelen, RAINER, Yvonne. Parts for some sextets. Cambridge: The MIT Press, SCHILDER, Paul. A imagem do corpo as energias construtivas da psique. São Paulo: Martins Fontes, SCHNEIDER, Rebecca. Performing remains art and war in times of theatrical reenactment. Abingdon/Oxon/New York: Routledge, WOLLMANN, Luciana. "Quando o apito não tocou: experiência operária e identidade de classe em um bairro operário em declínio (Barreto Niterói)". Revista Mediações - Revista de Ciências Sociais v. 16, n. 1, Revisão de Marcio Honorio de Godoy 2014 erevista Performatus e o autor 20

NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU

NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU Inhumas, ano 2, n. 10, mai. 2014 ISSN 2316-8102 NA FIBRA DO TECIDO, A ESTAMPA DO CORPO NU O RESÍDUO É O QUE RESTA Nathália Mello Todo homem que sofre é um pedaço de carne (Deleuze, 2007, p. 23) Na Fibra

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Rita de Cássia Mendonça Psicóloga TRT 21ª Região Natal/RN A memória vincula-se às experiências e não a meros acontecimentos, tomando experiências

Leia mais

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR As crianças precisam atravessar diversos estágios no aprendizado de brincar em conjunto, antes de serem capazes de aproveitar as brincadeiras de grupo.

Leia mais

Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no Cabo de Santo Agostinho-PE.

Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no Cabo de Santo Agostinho-PE. Nome do projeto A Cor da Mata. Um despertar para a sustentabilidade. Local onde o projeto será instalado/executado Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro RESUMO: A autora problematiza a questão da imagem teatral, vista além do pictórico que se inscreve no tempo

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP)

Prof. Alexandre kikuti Np2. Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Prof. Alexandre kikuti Np2 Questões RD Ritmo e Dança / 2014 (DP) Questão 01 A Dança como ARTE é uma atividade humana que resulta de uma elaboração dentro de uma determinada cultura e estabelece íntima

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Maternal 3 anos Educação Infantil

Maternal 3 anos Educação Infantil Maternal 3 anos Educação Infantil Eixo temático: Tema: Joca e suas aventuras As crianças, nesta fase, caracterizam-se pelo movimento e pela ação. Agem ativamente em seu entorno, acompanhando seus movimentos

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

CASULO FABRICAS DE CULTURA

CASULO FABRICAS DE CULTURA ANEXO IV EDITAL 01-2015 PROGRAMA KAIRÓS BOLSA OPORTUNIDADE CASULO FABRICAS DE CULTURA Apresentação Parceria com as Fábricas de Cultura Jardim São Luis, Vila Nova Cachoeirinha, Brasilândia, Capão Redondo

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Mini e-book HUMANA ENSINAMENTOS AS PRÓXIMAS GERAÇÕES PARA ALICERÇAR OS APRENDIZAGEM ORIENTAR E INCENTIVAR RICAMENTE

Mini e-book HUMANA ENSINAMENTOS AS PRÓXIMAS GERAÇÕES PARA ALICERÇAR OS APRENDIZAGEM ORIENTAR E INCENTIVAR RICAMENTE APRENDIZAGEM HUMANA P o r R o b e r t a P i m e n t e l FUTURO ORIENTAR E INCENTIVAR RICAMENTE AS PRÓXIMAS GERAÇÕES Mini e-book PARA ALICERÇAR OS ENSINAMENTOS As universidades mais modernas já inserem

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

ENTREVISTA COM MANUEL VASON

ENTREVISTA COM MANUEL VASON Ano 2 Nº 11 Jul 2014 ISSN 2316-8102 ENTREVISTA COM MANUEL VASON por Joanna Zylinska Manuel Vason representado na ilustração da artista Veridiana Scarpelli para a undécima edição da erevista Performatus

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Informativo Mensal ANIVERSÁRIO DO COLÉGIO INOVATI

Informativo Mensal ANIVERSÁRIO DO COLÉGIO INOVATI Informativo Mensal Março 2015 ANIVERSÁRIO DO COLÉGIO INOVATI No dia 13 de março comemoramos o 26º aniversário do Colégio Inovati com nossos alunos, professores e funcionários. Num ambiente alegre e festivo

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA Ano 3 Nº 14 Jul 2015 ISSN 2316-8102 PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA por Daniel Pinheiro, Lisa Parra O projeto visa abordar práticas no desenvolvimento de estruturas que potenciem

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais