RELATÓRIO DE ESTÁGIO. realizado no âmbito do projecto. INQUER Interacção Pessoa-Máquina. em Linguagem Natural. CLG Grupo de Computação do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ESTÁGIO. realizado no âmbito do projecto. INQUER Interacção Pessoa-Máquina. em Linguagem Natural. CLG Grupo de Computação do"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa Bloco C5 - Piso 1 - Campo Grande, 1700 Lisboa Tel & Fax: RELATÓRIO DE ESTÁGIO realizado no âmbito do projecto INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural MÓDULO II Inferência e Extracção de Informação CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical CENTRO DE LINGUÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Ricardo Manuel de Oliveira Santos Lisboa, Março de 2003 Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências

2

3 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Faculdade de Ciências - Universidade de Lisboa Bloco C5 - Piso 1 - Campo Grande, 1700 Lisboa Tel & Fax: RELATÓRIO DE ESTÁGIO realizado no âmbito do projecto INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural MÓDULO II Inferência e Extracção de Informação CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical CENTRO DE LINGUÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Ricardo Manuel de Oliveira Santos Responsável pela FCUL: Prof. Doutor António Branco Responsável pelo CLUL: Profª. Doutora Palmira Marrafa

4

5 Estágio inscrito em: Departamento de Informática da Faculdade de Ciências de Lisboa Instituição de Acolhimento: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa CLUL Grupo de Investigação: Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical - CLG Orientadora (CLUL): Profª. Doutora Palmira Marrafa Co-Orientador (DI-FCUL): Prof. Doutor António Branco Estagiário: Ricardo Manuel de Oliveira Santos Licenciatura: Engenharia da Linguagem e do Conhecimento Estágio: INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural (Módulo II)

6

7 Índice Í n d i c e 1. INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO E ENQUADRAMENTO DO PROJECTO INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical - CLG Centro de Linguística da Universidade de Lisboa - CLUL Apresentação História Grupos de Investigação e Projectos Órgãos de Gestão ESTRUTURA DO RELATÓRIO OBJECTIVOS DO ESTÁGIO E CONTEXTO DO TRABALHO PLANO DETALHADO Definição de Estratégias e Avaliação da Organização Interna da Base de Dados (WordNet.PT) Selecção do Método de Pesquisa e da Linguagem de Programação Construção de um Algoritmo de Pesquisa e de Extracção de Informação Selecção do Formato Lógico mais adequado para a Representação do Output do Programa Conversão do Output Directo na Forma Lógica Construção da Interface (Parte I) Integração do Módulo II no projecto INQUER e elaboração das respectivas adaptações. Construção da Interface (Parte II) Elaboração do Relatório Final CONTEXTO DO TRABALHO METODOLOGIA E CALENDARIZAÇÃO DO TRABALHO METODOLOGIA E CALENDARIZAÇÃO RECURSOS INFORMÁTICOS WORDNET.PT INTRODUÇÃO SINONÍMIA HIPERONÍMIA / HIPONÍMIA HOLONÍMIA / MERONÍMIA Holo-Parte / Mero-Parte Holo-Membro / Mero-Membro Holo-Porção / Mero-Porção Holo-Matéria / Mero-Matéria Holo-Localização / Mero-Localização ROLE / INVOLVED Agente / Envolve Agente Paciente (Objecto) / Envolve Paciente (Objecto) Resulta / Tem Resultado ESCOLHA DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 7

8 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural 6. EXTRACÇÃO E TRATAMENTO DA BASE DE DADOS CORRESPONDÊNCIA ENTRE TERMOS EM LINGUAGEM NATURAL E RELAÇÕES DA WORDNET.PT ALGORITMOS DE CONSULTA E EXTRACÇÃO DE INFORMAÇÃO HIPONÍMIA / HIPERONÍMIA SINONÍMIA GLOSA MERONÍMIA ROLE (FUNÇÃO SEMÂNTICA) ser feito de/com ser feito de ser feito com INFERÊNCIA E EXTRACÇÃO DE INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO PERGUNTAS POLARES PERGUNTAS SOBRE ARGUMENTOS INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS (PERGUNTAS POLARES E PERGUNTAS SOBRE ARGUMENTOS) INTERFACE O FICHEIRO RESPONDE.PL CONSTRUÇÃO DO CGI EXECUTÁVEL FORM HTML CONSTRUÇÃO DO SITE PÁGINA DE RESPOSTA CONCLUSÕES E TRABALHO FUTURO CONCLUSÕES TRABALHO FUTURO...98 BIBLIOGRAFIA ANEXO 1 RESPONDE.PL ANEXO 2 INQUER_HTML.PL ANEXO 3 BASE DE DADOS ANEXO 4 HOME.HTM ANEXO 5 INFER.PL (PROGRAMA COMPLETO) CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

9 Índice Índice de Figuras e Tabelas FIG. 1 ARQUITECTURA GERAL DO PROJECTO INQUER...14 FIG. 2 ESQUEMA GENERALIZAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO...32 FIG. 3 POLARIS ÁRVORE DE HIPÓNIMOS DE ALIMENTO...43 FIG. 4 GERAR FICHEIRO PROLOG COM DETONADOR...44 FIG. 5 ARQUITECTURA DO PROCESSO DE EXTRACÇÃO E TRATAMENTO DA BASE DE DADOS INQUER...45 FIG. 6 - EXEMPLO DE SUB-ÁRVORE CONCEITOS COM A PROPRIEDADE P...78 FIG. 7 - EXEMPLO DE SUB-ÁRVORE CONCEITOS SEM A PROPRIEDADE P...79 FIG. 8 UMA ARQUITECTURA PARA LIGAÇÃO PROLOG - HTML...86 FIG. 9 ARQUITECTURA ADOPTADA DE LIGAÇÃO PROLOG - HTML...87 FIG. 10 PÁGINA HTML COM EXEMPLO DE UM FORM...91 FIG. 11 PÁGINA DE INÍCIO DO SITE...92 FIG. 12 O PROJECTO INQUER...93 FIG. 13 MANUAL DO UTILIZADOR...93 FIG. 14 FICHA TÉCNICA...94 FIG. 15 PÁGINA DE RESPOSTA...95 TABELA 1 REPRESENTAÇÃO SEMÂNTICA DE FRASES INTERROGATIVAS SOBRE PORÇÃO, DEFINIÇÃO E SIGNIFICADO...49 TABELA 2 REPRESENTAÇÃO SEMÂNTICA DE FRASES INTERROGATIVAS VERBO SER...50 TABELA 3 REPRESENTAÇÃO SEMÂNTICA DE FRASES INTERROGATIVAS VERBO TER...52 TABELA 4 CORRESPONDÊNCIA ENTRE RELAÇÕES DA WORDNET.PT E PREDICADOS PROLOG MERONÍMIA TABELA 5 CORRESPONDÊNCIA ENTRE RELAÇÕES DA WORDNET.PT E PREDICADOS PROLOG ROLE...61 TABELA 6 TRADUÇÃO DOS FACTOS DA BASE DE DADOS EM FÓRMULA LÓGICAS...65 TABELA 7 INTERFACE CONVERSÃO DA FORMA LÓGICA INQUER...89 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 9

10

11 Resumo Resumo O projecto INQUER desenvolve um recurso linguístico de pergunta-resposta que permite o acesso, em linguagem natural, à base de dados WordNet.PT Rede Léxico-Conceptual do Português. O processo de construção desta ferramenta computacional divide-se em três Módulos que correspondem às diferentes fases de processamento deste sistema de busca e extracção de informação: Módulo I Análise Sintáctico-Semântica: a este módulo cabe o reconhecimento e a análise a nível sintáctico e semântico da frase introduzida pelo utilizador. Terá como resultado uma forma lógica passível de ser utilizada em fases posteriores do projecto; Módulo II Inferência e Extracção de Informação: este módulo desenvolve um motor de inferência que recebe uma forma lógica e extrai a informação requerida da Base de Conhecimento. O resultado deste módulo é a resposta à pergunta inicial. Módulo III Geração em Linguagem Natural: a função deste último módulo é construir uma frase de resposta, em linguagem natural, a partir da representação informacional da pergunta e do resultado da fase inferência. Este relatório respeita ao Módulo II (Inferência e Extracção de Informação) do projecto INQUER. É apresentada uma breve descrição da base de dados utilizada WordNet.PT, a forma como foram extraídos os dados e sua formatação. Segue-se a explicação dos algoritmos que implementam, com uso da linguagem Prolog, o motor de inferência e a explicitação das opções tomadas que encontram motivação em alguns princípios da Lógica de Primeira-Ordem. Por último, apresenta-se o processo de construção da interface do sistema, assim como as razões da escolha do método usado. Palavras Chave: Sistema Pergunta-Resposta, Processamento de Linguagem Natural, Programação em Lógica, Busca e Extracção de Informação, Inferência. CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 11

12

13 Introdução INQUER Interacção Pessoa- Máquina em Linguagem Natural 1. Introdução Este estágio surge após conclusão do curso de Licenciatura em Engenharia da Linguagem e do Conhecimento leccionado, em parceria, pelas Faculdades de Ciências (http://www.fc.ul.pt) e de Letras (http://www.fl.ul.pt) da Universidade de Lisboa. É assegurado pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (Instituição de Acolhimento) (http://www.clul.ul.pt/) e pelo Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências (http://www.di.fc.ul.pt/). A Orientadora do estágio (por parte da Instituição de Acolhimento) é a Profª. Doutora Palmira Marrafa 1, sendo o Co-Orientador (por parte do DI) o Prof. Doutor António Branco 2. A duração do estágio é de seis meses e decorreu entre Setembro de 2002 e Fevereiro de Identificação e Enquadramento do Projecto O projecto INQUER surge como uma extensão da WordNet.PT uma vez que utiliza esta Rede Léxico- -Conceptual da Língua Portuguesa como suporte de Conhecimento Linguístico. Este último projecto, em desenvolvimento, é assegurado pelo CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL). O projecto INQUER é, naturalmente, acolhido pelo CLG INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural O projecto INQUER tem como objectivo construir uma aplicação que possibilite a interacção pessoamáquina, em linguagem natural, no formato pergunta-resposta. Para tal, é utilizada uma Base de 1 A Profª. Doutora Palmira Marrafa é coordenadora científica do CLG e Professora do Departamento de Linguística Geral e Românica, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, sendo também docente da Licenciatura em Engenharia da Linguagem e do Conhecimento. 2 O Prof. Doutor António Branco é Professor do Departamento de Informática, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, sendo também docente da Licenciatura em Engenharia da Linguagem e do Conhecimento. CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 13

14 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural Conhecimento Linguístico WordNet.PT (ver Cap. 4) cuja organização está estruturada de uma forma que facilita a busca e extracção de informação com base em perguntas em Português. Este projecto tem como principais preocupações responder à lacuna existente nas áreas do Ensino Assistido por Computador, nomeadamente no domínio do ensino/aprendizagem da língua, construção de dicionários-enciclopédicos electrónicos e de dicionários conceptuais multilingues. Um dos aspectos mais importantes do INQUER é o facto de a interacção ser feita em Linguagem Natural. Assim, é facilitada a sua utilização uma vez que não se requer conhecimento informático específico, bastando ser falante do Português para poder obter resultados. Cabe a uma equipa de investigadores, que acolheu o estagiário, o desenvolvimento do INQUER. Atendendo à dimensão do projecto, este foi dividido em três Módulos que se complementam, a saber: (i) Módulo I Análise Sintáctico-Semântica; (ii) Módulo II Inferência e Extracção de Informação; (iii) Módulo III Geração em Linguagem Natural. Apresenta-se, na figura seguinte, a arquitectura geral do projecto INQUER. Fig. 1 Arquitectura Geral do Projecto INQUER 14 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

15 Introdução O Módulo I tem como principal tarefa a construção de uma gramática que reconheça e analise as frases introduzidas pelo utilizador. Após este processo, é devolvida uma forma semântica/lógica (baseada num formalismo lógico) que poderá entender-se como uma tradução da frase em linguagem natural para uma linguagem artificial com vista a facilitar a computabilidade. O resultado (output) do Módulo I serve de input ao Módulo II. Este último Módulo desenvolve os algoritmos de interacção propriamente dita com a Base de Dados de Conhecimento Linguístico. Estes algoritmos captam o tipo de informação que a frase interrogativa solicita e, por um processo de inferência, extraem a informação da Base de Conhecimento previamente formatada. O resultado do Módulo II é já a resposta à pergunta do utilizador, mas requer ainda tratamento, isto é, surge ainda ilegível por parte do utilizador comum. A tarefa do Módulo III é, precisamente, construir uma frase em linguagem natural que, a partir da representação informacional da pergunta (output do Módulo I) e da resposta (output do Módulo II), responda ao utilizador em Português. Embora os elementos da equipa interajam na coordenação de todo o projecto, cada um dos Módulos é desenvolvido independentemente. Este relatório respeita ao Módulo II da responsabilidade do estagiário Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical - CLG O CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical (coordenado pela Profª Doutora Palmira Marrafa) tem como principais objectivos estudar e construir ferramentas computacionais no âmbito da Engenharia da Linguagem. O CLG desenvolve presentemente investigação em duas grandes linhas: (i) modelização computacional das línguas naturais; (ii) fundamentos conceptuais das teorias formais das línguas naturais. A primeira destas linhas ramifica-se em dois subdomínios: (i-a) semântica lexical do Português e (i-b) modelização das línguas naturais e sistemas de parsing. No âmbito da semântica lexical estão actualmente em curso três projectos, dos quais se destaca, pela sua dimensão e pelo seu impacto científico e tecnológico, o projecto WordNet.PT, que visa a construção e a implementação de uma rede léxico-conceptual (wordnet) para o Português, no quadro geral da EuroWordNet, uma base de dados multilingue que integra wordnets individuais (mas relacionadas entre si) de várias línguas europeias. Esta rede é susceptível de ser utilizada em várias aplicações no âmbito da Linguística Computacional e da Engenharia da Linguagem, tais como instrumentos de apoio ao ensino do Português, tradução automática, busca e extracção de informação com base em perguntas em Português, interfaces em Português, etc. No domínio da modelização das línguas naturais e dos sistemas de parsing, estão a ser desenvolvidas várias dissertações de Doutoramento e monografias, enquadradas no projecto PROGRAM-Laboratório de Processamento Gramatical, que envolve a modelização e a computação de diversos fenómenos CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 15

16 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural gramaticais e a análise comparativa de algoritmos de parsing para diferentes quadros de representação gramatical. Da outra grande linha destaca-se o projecto TFNL-Teorias Formais das Línguas Naturais: Fundamentos Conceptuais, Arquitecturas e Computação, no âmbito do qual está a ser desenvolvida uma cartografia conceptual comparativa das ferramentas e dos temas mais importantes nas arquitecturas das teorias formais das línguas naturais Centro de Linguística da Universidade de Lisboa - CLUL Apresentação O CLUL depende directamente da Reitoria da Universidade de Lisboa. Dedica-se à investigação, formação e divulgação científicas. Tem como principais objectivos realizar actividades de investigação e de desenvolvimento experimental na área da Linguística; promover e realizar investigação interdisciplinar, associando às áreas especificamente linguísticas áreas afins, tais como Filologia, Antropologia, Etnografia, Sociologia, Psicologia, Neurologia, Fisiologia e Engenharia da Linguagem e do Conhecimento. Contribui também para a formação de investigadores nestas áreas. Este Centro colabora com outras instituições nacionais e estrangeiras de investigação e ensino, especialmente com as da Universidade de Lisboa, contribuindo assim para o conhecimento e divulgação da língua portuguesa História O Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, homologado oficialmente em Maio de 1976 como adstrito ao Instituto Nacional de Investigação Científica (INIC), continua o Centro de Estudos Filológicos (CEF), criado em 1932 na dependência do Instituto de Alta Cultura. Apesar do seu nome e da estreita relação que desde a sua criação mantém com a Universidade de Lisboa, nunca esteve, de facto, ligado a qualquer departamento dessa universidade, tendo desde sempre procurado preservar a sua identidade e a sua autonomia em matéria de planeamento e execução da actividade científica, como forma de garantir as condições e as estruturas básicas para uma actividade de investigação e desenvolvimento planeada a longo prazo e de carácter interdisciplinar. Aquando da extinção do INIC, a sua dimensão, o seu riquíssimo património e a especificidade dos trabalhos nele realizados justificaram a manutenção de um estatuto de autonomia relativa e a sua integração na Universidade de Lisboa como centro de investigação directamente dependente da Reitoria, estando ainda em curso as diligências necessárias para homologação de estatutos próprios, condizentes com esta nova situação. 16 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

17 Introdução Grupos de Investigação e Projectos Actualmente, o CLUL conta com cinco grupos de investigação, definidos pelo Conselho Científico, que constituem o princípio básico de estruturação das actividades científicas deste Centro. São eles: 1) Fala 2) Linguística de Corpus 3) Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical (CLG) 4) Variação 5) Filologia Cada grupo desenvolve projectos cuja área científica em que se englobam é da especialidade desse grupo. Projectos do grupo de Fala: - Estudo sobre a Relação entre Factores Segmentais e Prosódicos em Português Europeu; - DIXI+: Um Sintetizador Texto-para-Fala em Português para Comunicação Alternativa e Aumentativa; - Alguns aspectos da Fonologia do Português no Quadro Auto-Segmental. Projectos do grupo de Linguística de Corpus: - Recursos Linguísticos Disponíveis (RLD): Corpora e Léxicos; - CRPC Corpus de Referência do Português Contemporâneo; - C-ORAL-ROM Integrated Reference Corpora for Spoken Romance Languages; - Recursos Linguísticos para o Português: um corpus e instrumentos para a sua consulta e análise; - Léxico Multifuncional Computorizado do Português Contemporâneo; - SIMPLE Semantic Information for Multifunctional Plurilingual Lexica; - Tábuas de concordâncias, uma ferramenta para o estudo da língua portuguesa; - Análise Sintáctica e Semântica dos Verbos Psicológicos do Português, Passagens Semânticas e Homonímia; - AUDIOLING-LP Língua Portuguesa: som e pronúncia; - Estudo do uso e do Significado da Preposição DE em Contextos Nominais SN DE SN; - Ensino de Aspectos de Morfologia e de Sintaxe do Português Língua Materna; - ENABLER: European National Activities for Basic Language Resources. Projectos do grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical: - WordNet.PT Rede Léxico-Conceptual da Língua Portuguesa; - LexNet Especificação de Padrões de Lexicalização para uma Extensão da WordNet.PT; - PROGRAM Laboratório de Sistemas de Processamento Gramatical; CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 17

18 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural - TFNL Teorias Formais das Línguas Naturais: Fundamentos Conceptuais, Arquitecturas e Computação; - INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural; - A Interface Léxico-Enciclopédia na Construção de Léxicos Computacionais. Projectos do grupo de Variação: - ALEPG Atlas Linguístico-Etnográfico de Portugal e da Galiza; - ALEAç Atlas Linguístico e Etnográfico dos Açores; - ALLP Atlas Linguístico do Litoral Português; - ALiR Atlas Linguistique Roman; - ALE Atlas Linguarum Europae; - Linguagens Fronteiriças: Mirandês; - Linguagens Fronteiriças: Barranquenho; - CORDIAL-SIN Corpus Dialectal com Anotação Sintáctica; - Estudo das Variantes Flexionais do Verbo em Português Continental Falado. Projectos do grupo de Filologia: - DRA: Dicionário de Regionalismos e Arcaísmos; - Estudos de Lírica Galego-Portuguesa; - Bibliografia da Prosa Medieval em Língua Portuguesa; - Filologia Medieval; - Filologia do Manuscrito Moderno; - Fontes para a História do Português Clássico; - Onomástico Português e Românico Órgãos de Gestão Assembleia Plenária A Assembleia Plenária é o órgão representativo máximo do CLUL. À Assembleia Plenária compete: aprovar e propor superiormente eventuais alterações estatutárias; eleger os vogais da Comissão Directiva e decidir da sua eventual substituição ou destituição; discutir quaisquer assuntos que lhe sejam submetidos pelo Conselho Científico, pela Comissão Directiva ou por iniciativa de um terço dos seus membros. 18 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

19 Introdução Conselho Científico O Conselho Científico é o órgão responsável pela definição e pela condução da política científica do CLUL, compreendendo a planificação, a orientação e a coordenação, nas suas grandes linhas, das actividades sectoriais. Compete ao Conselho Científico: definir, criar ou reestruturar os sectores de investigação do CLUL; orientar e estimular a actividade do CLUL; discutir e aprovar os programas dos sectores, seus projectos de investigação e actividades complementares; apreciar e aprovar os planos e relatórios anuais e plurianuais de actividade científica; planificar as acções de formação do CLUL; emitir directrizes gerais relativas às actividades da biblioteca, do serviço de documentação, do serviço de edições e de quaisquer outros serviços que no CLUL venham a ser criados; aprovar os acordos e convénios de incidência científica e pedagógica entre o CLUL e quaisquer outras entidades; fazer propostas relativas à aquisição de equipamentos e de material bibliográfico e documental. Comissão Directiva A Comissão Directiva é o órgão de gestão administrativa e financeira do CLUL. É composta por quatro membros, um presidente e três vogais. Os vogais são eleitos pela Assembleia Plenária. As funções de Presidente da Comissão Directiva são desempenhadas, por inerência, pelo Coordenador Científico do CLUL. Compete à Comissão Directiva: velar pelo cumprimento da lei e dos estatutos e dirigir os serviços; executar, dentro das possibilidades orçamentais, as deliberações da Assembleia Plenária e do Conselho Científico e coordenar toda a actividade inerente à gestão administrativa e financeira ou relativa ao património do CLUL; assegurar a realização de todas as eleições previstas nos estatutos; CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 19

20 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural elaborar e/ou aprovar os orçamentos e os relatórios de contas anuais ou plurianuais, de acordo com as prioridades definidas pelo Conselho Científico; executar as políticas definidas pelo Conselho Científico e elaborar os planos de desenvolvimento do CLUL; propor a abertura de concursos de admissão ou de promoção de pessoal não científico e propor as respectivas nomeações e contratações; deliberar sobre as aquisições necessárias ao bom funcionamento do CLUL e promovê-las; aceitar liberalidades feitas ao CLUL. Coordenador Científico O Coordenador Científico é, por inerência, Presidente da Comissão Directiva, sendo eleito pelo Conselho Científico. Compete ao Coordenador Científico: convocar o Conselho Científico e presidir às suas reuniões; dar publicidade às deliberações do Conselho Científico e promover a discussão das que não forem directamente cometidas a outros membros do Conselho; coordenar as actividades do CLUL e assegurar a elaboração dos planos, relatórios anuais e plurianuais de actividade científica; fomentar a discussão das grandes opções programáticas; supervisionar a negociação de acordos ou convénios entre CLUL e quaisquer outras entidades, cabendo-lhe propor ao Conselho Científico a sua aprovação; presidir aos júris de concursos de admissão ou promoção de pessoal científico do CLUL. 20 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

21 Introdução 1.2. Estrutura do Relatório Neste relatório descreve-se, em pormenor, todo o trabalho realizado pelo estagiário ao longo do desenvolvimento do Módulo II do projecto INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural, que tem como tarefa fundamental a construção de mecanismos de inferência. No Capítulo 2 Objectivos do Estágio e Contexto do Trabalho além do Plano de Trabalho onde se planificam todas as fases do Módulo em questão, apresentam-se os Objectivos pré-estabelecidos para o Estágio, que, logicamente, estiveram sempre presentes ao longo da realização deste trabalho. A contextualização do trabalho é também feita neste capítulo. Além do enquadramento técnico, é também apresentada a perspectiva geral na qual este tema se engloba. No Capítulo Metodologia e Calendarização do Trabalho Capítulo 3 descreve-se a metodologia usada ao longo do desenvolvimento do trabalho realizado, referindo os recursos informáticos usados, bem como a calendarização, onde se apresentam os prazos inicialmente estabelecidos para cada fase do Plano de Trabalho. Tecem-se também alguns comentários acerca do cumprimento das tarefas e sobre as alterações face ao apresentado na fase inicial de programação de todo o projecto. Seguem-se os capítulos fundamentais do relatório onde se descreve todo o trabalho propriamente dito realizado pelo estagiário para desenvolvimento do projecto INQUER. O Capítulo 4 WordNet.PT apresenta um estudo da Base de Dados do Conhecimento Linguístico que serve de base de conhecimento a todo o sistema. O enquadramento do projecto WordNet.PT, a arquitectura interna desta rede e as relações semânticas com que conta são alguns dos aspectos focados neste capítulo. O Capítulo 5 corresponde à Escolha da Linguagem de Programação. Aqui justifica-se a escolha da linguagem de programação utilizada na construção de todos algoritmos necessários ao Módulo de Inferência e Extracção de Informação. Apresentam-se as vantagens da linguagem escolhida e as desvantagens de outras, tendo em conta os objectivos do trabalho. Segue-se o Capítulo 6 Extracção e Tratamento da Base de Dados. Neste capítulo explicam-se todas as técnicas usadas para extrair a informação da Base de Dados no seu formato original. São também referidos os métodos de tratamento e de formatação da informação extraída. O Capítulo 7, denominado Correspondências entre Termos em Linguagem Natural e Relações da WordNet.PT, relata o modo como se estabeleceram correspondências entre as relações semânticas intrínsecas à Base de Conhecimento e termos em linguagem natural, como por exemplo sinonímia ou hiponímia (subtipos). CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 21

22 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural No Capítulo 8, a que se deu o nome de Algoritmos de Consulta e Extracção de Informação, apresentam-se todos os algoritmos de pesquisa e extracção de informação que se consideram fundamentais a um trabalho desta natureza. No Capítulo 9 Inferência e Extracção de Informação apresenta-se a implementação do algoritmo de segmentação da forma lógica (output do Módulo I e input do Módulo II), bem como a explicação do seu funcionamento, baseado em vários princípios da Lógica de Primeira Ordem. São também apresentadas as estratégias de inferência e extracção de informação, assim como os algoritmos utilizados directamente neste processo. No Capítulo 10, denominado simplesmente Interface, que finaliza a descrição de todo o trabalho realizado, explica-se todo o processo de construção da Interface. Inclui: estudo prévio dos tipos de interface que melhor se adaptam a este tipo de sistema e razões para a escolha do que foi considerado mais adequado; estudo da linguagem de programação a usar; processo de construção da interface propriamente dita, nomeadamente opções de implementação; questões de usabilidade, e também um pequeno manual do utilizador para facilitar o uso da aplicação. O Capítulo 11 apresenta as Conclusões. Além de um resumo em termos gerais do trabalho realizado, apresentam-se aqui algumas conclusões acerca do que foi feito. É também sugerido trabalho a fazer num pequeno subcapítulo de trabalho futuro. Bibliografia e Anexos constituem as secções finais do relatório. Na primeira apresentam-se as referências bibliográficas de trabalhos referidos no relatório. Na segunda apresenta-se a listagem do código de programação desenvolvido. 22 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

23 Objectivos do Estágio e Contexto do Trabalho 2. Objectivos do Estágio e Contexto do Trabalho O projecto INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural tem como objectivo geral a construção de uma aplicação que permita a interacção em linguagem natural (no formato perguntaresposta) entre um utilizador e um computador, tendo como Base de Conhecimento a WordNet.PT. O Módulo II do projecto, a que respeita este relatório, tem como objectivo específico o desenvolvimento de um mecanismo de Inferência que permita a busca e a extracção de informação da Base de Dados que serve de suporte ao sistema INQUER. Apresenta-se, em seguida, o Plano Detalhado. Este plano é composto pelas fases do Módulo II, delineadas no início do projecto, com uma breve descrição de cada uma delas Plano Detalhado Definição de Estratégias e Avaliação da Organização Interna da Base de Dados (WordNet.PT) Definição de Estratégias: Esta fase inicial de concepção do projecto envolve toda a planificação da arquitectura do INQUER de modo a que se obtenha uma aplicação robusta e coerente. Efectua-se a divisão do plano inicial em três Módulos autónomos e distribuem-se tarefas diferentes a cada elemento da equipa de investigação. Procede-se ao estudo de bibliografia mais relevante sobre a WordNet em geral e sobre a WordNet.PT em particular, a fim de estudar a sua filosofia e arquitectura. Avaliação da Organização Interna da WordNet.PT: Estudo aprofundado da arquitectura interna da Base de Dados (WordNet.PT) e da interface de construção utilizada (Polaris). Levantamento das Relações Semânticas disponíveis e resumo das suas especificidades. Selecção das Relações Semânticas a tratar no projecto INQUER numa fase inicial. CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical 23

24 INQUER Interacção Pessoa-Máquina em Linguagem Natural Selecção do Método de Pesquisa e da Linguagem de Programação Selecção do Método de Pesquisa: Após conhecer o Polaris (ferramenta de interacção com a WordNet.PT), extrai-se a informação dos vários domínios a implementar para um suporte de texto, por forma a obter uma base de dados num ficheiro.txt. Em seguida, definem-se as estratégias de pesquisa mais indicadas para extrair do ficheiro a informação desejada. Selecção da Linguagem de Programação: Avaliam-se e comparam-se as vantagens e desvantagens de várias linguagens de programação que possibilitam lidar com as especificidades inerentes a um projecto desta natureza. Selecciona-se uma, consoante os resultados do teste anterior Construção de um Algoritmo de Pesquisa e de Extracção de Informação Com base no método de pesquisa seleccionado, constroem-se algoritmos que extraiam a informação necessária da Base de Dados. Procede-se ao estudo e implementação do método de inferência do programa que, dada uma frase interrogativa em Forma Lógica, compreende o objectivo da pergunta e extrai a informação que integrará a resposta Selecção do Formato Lógico mais adequado para a Representação do Output do Programa Estudo de vários formatos lógicos possíveis para representação do output directo do programa. Selecciona-se o que melhor se adeque e facilite trabalho posterior. 24 CLG Grupo de Computação do Conhecimento Léxico-Gramatical

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Universidade de Lisboa

Universidade de Lisboa WordNet.PT Uma rede léxico-conceptual do Português on-line Palmira Marrafa 1,2, Raquel Amaro 1, Rui Pedro Chaves 1, Susana Lourosa 1, Catarina Martins 1 e Sara Mendes 1 1 CLG Grupo de Computação do Conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE)

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Sob proposta da Directora do CIEP-UE, com parecer favorável da Assembleia de Representantes da Escola de

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Jorge Neves, 19/12/2011, Amadora colocar foto da era ENQUADRAMENTO

Leia mais

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Minho, de Aveiro e do Porto, designadas por Universidades, instituem um Programa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Capítulo 7 Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Liliana Ferreira, António Teixeira e João Paulo da Silva Cunha Luís Costa, Diana Santos e Nuno

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DO Considerando que Tem estado nas preocupações da COTEC Portugal a promoção de iniciativas que visam activamente a promoção de uma cultura empresarial inovadora;

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus

Regulamento de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus. na ESE João de Deus Escola Superior de Educação João de Deus de Atribuição do Título de Especialista Escola Superior de Educação João de Deus na ESE João de Deus O Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS CAP. II ASSOCIADOS. Regulamento Interno. Artigo 1º Definições gerais.

REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS CAP. II ASSOCIADOS. Regulamento Interno. Artigo 1º Definições gerais. REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Definições gerais A Associação, que adopta a denominação de ADDICT Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, adiante designada por

Leia mais

REGIMENTO DA EDITORA UFJF. TÍTULO I Da Instituição e seus fins

REGIMENTO DA EDITORA UFJF. TÍTULO I Da Instituição e seus fins REGIMENTO DA EDITORA UFJF TÍTULO I Da Instituição e seus fins Art. 1º - A Editora da Universidade Federal de Juiz de Fora (Editora UFJF), órgão suplementar vinculado à Reitoria da UFJF, tem por finalidade

Leia mais

Orientanda do Dr. Paulo Miguel Duarte Quaresma (Univ. Évora) e Co-orientanda da Drª Rove Chishman (Unisinos).

Orientanda do Dr. Paulo Miguel Duarte Quaresma (Univ. Évora) e Co-orientanda da Drª Rove Chishman (Unisinos). DIRPI - um processo interdisciplinar e interinstitucional Ana Luísa Leal 1 e Paulo Quaresma 2 Departamento de Informática Universidade de Évora analu@di.uevora.pt, pq@di.uevora.pt Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente Capítulo 1 Introdução Um compilador é um que lê um escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num equivalente numa outra linguagem, a linguagem destino Como parte importante neste

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Regulamento da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Regulamento da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa (Proposta aprovada por unanimidade na reunião do Conselho Científico Plenário da Faculdade de Direito realizada no dia 14 de Outubro

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA:

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL ÁGORA Ciência e Sociedade, ciclo de conferências Universidade de Lisboa Auditório do Instituto para a Investigação Interdisciplinar,

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 SUMÁRIO 1.OS CINCO PONTOS DE CONSENSO E TRÊS CENÁRIOS APRESENTADOS A SEGUIR FORAM NEGOCIADOS APÓS

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha.

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da PAP (Prova de Aptidão Profissional) Cursos Profissionais (Portaria

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais