1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do Mestrado em Desporto, e do regulamento geral dos mestrados da Escola Superior de Desporto de Rio Maior. I - ECTS E HORAS DE TRABALHO A dissertação é uma unidade curricular anual do Mestrado em Desporto. A dissertação decorre no 2.º ano do Mestrado e corresponde a 60 ECTS. Devem ser realizadas 1500 horas de trabalho do estudante, sendo 150 destas horas de contacto, distribuídas pela seguinte tipologia: 50 horas de Orientação Tutorial e 100 horas de elaboração da dissertação. II - ÂMBITO De acordo com a alínea b) do n.º 1 do artigo 20 do Decreto-Lei 74/2006 de 24 de Março de 2006, um ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, deve incluir uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projecto, originais e especialmente realizados para este fim, ou um estágio de natureza profissional objecto de relatório final, consoante os objectivos específicos visados, nos termos que sejam fixados pelas respectivas normas regulamentares a que corresponde um mínimo de 35% do total dos créditos do ciclo de estudos. III - OBJECTIVOS A dissertação pretende contribuir para os objectivos do Mestrado concorrendo para a formação especializada e para o conhecimento científico no contexto profissional do desporto. Deste modo, consideramos que os objectivos gerais da elaboração da dissertação são os seguintes: 1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

2 a) Realizar um estudo no âmbito de uma especialização do curso; b) Aprofundar conhecimentos previamente adquiridos pelo aluno ao longo do curso e da investigação efectuada; c) Desenvolver metodologias e instrumentos de produção e de aquisição de conhecimento e competências de investigação; d) Realizar investigação devidamente planeada e faseada; e) Capacidade para integrar equipas de investigação; f) Capacidade de ligação à comunidade e ao contexto socioprofissional, às instituições ou a centros de investigação. IV - FASES DE DESENVOLVIMENTO DA DISSERTAÇÃO A dissertação desenvolve-se em 4 fases principais: Definição do tema da dissertação Fase de projecto Fase de desenvolvimento Fase final 4.1. Definição do tema da dissertação O acompanhamento dos processos de atribuição de temas, do desenvolvimento dos trabalhos e da avaliação das dissertações de mestrado é feito pela Comissão de Curso (CDC) Os prazos referidos neste Regulamento para o ano lectivo seguinte são aprovados pelo Conselho Técnico-Científico da ESDRM, até ao final de Março, sob proposta da CDC À CDC compete assegurar a existência de propostas de temas para elaboração de dissertação com a desejável diversidade e em quantidade adequada ao número de alunos inscritos A CDC poderá solicitar aos Coordenadores das subáreas científicas da ESDRM que apresentem propostas de linhas de investigação Os estudantes podem propor o seu próprio tema de dissertação, que terá de ser aprovado pela CDC, que indicará qual o orientador Os temas propostos em colaboração com instituições externas devem pressupor a existência de um protocolo entre a instituição externa e a ESDRM, para que a actividade a desenvolver pelo aluno fique coberta pelo seguro escolar. 2 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

3 As propostas de temas de dissertação serão formalizadas, em ficha própria, fornecida em formato electrónico na altura do pedido de colaboração pela CDC, devendo especificar se o trabalho será realizado no âmbito de algum programa, protocolo, projecto, bolsa ou contractos específicos Ao propor um trabalho, o docente fica obrigado a orientar o trabalho, desde que existam alunos interessados que cumpram os requisitos pré-estabelecidos À CDC compete fazer a divulgação dos temas junto dos estudantes, durante o período de aulas do segundo semestre do primeiro ano lectivo. A lista dos temas deverá estar disponível nos serviços académicos, e ser divulgada na Página de Internet da ESDRM, com links para páginas que poderão ser construídas pelos docentes sobre cada um dos trabalhos propostos A CDC deverá organizar uma sessão de apresentação dos temas dos projectos, até ao final de Junho Para a atribuição do tema em 1.ª fase o estudante deve candidatar-se até 5 dias úteis após o final das aulas do 2.º semestre. Para a atribuição do tema em 2.ª fase, deve candidatar-se até 5 dias úteis após realização dos exames da época de recurso Para o efeito, o estudante deverá preencher uma ficha de candidatura que lhe será disponibilizada pela CDC na Página de Internet da ESDRM aquando da divulgação dos temas A lista de distribuição dos temas da primeira fase deverá ser disponibilizada pela CDC na Página de Internet da ESDRM Fase de projecto O estudante deve entregar um projecto de dissertação em conformidade com as normas definidas no documento orientador para projecto e dissertação (Anexo 1), até à primeira quinzena de Setembro, acompanhado de parecer do Orientador Os projectos e respectivos pareceres são entregues nos Serviços Académicos, que os reencaminhará ao Conselho Técnico-Científico, para deliberação Fase de desenvolvimento O estudante deverá: Realizar as devidas diligências de modo a implementar a actividade definida no Projecto; Realizar cada uma das actividades, considerando o plano global definido no Projecto; Realizar os relatórios de actividades solicitados pelo Orientador. 3 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

4 4.4. Fase Final Na fase final deve ser realizada uma dissertação, a entregar até ao final do 4.º semestre (2.º semestre do 2.º ano). O mestrando deve requerer ao Coordenador de Curso a realização da prova de defesa pública da dissertação. É obrigatória a entrega do requerimento nos serviços académicos, conjuntamente com a dissertação e resumo em português e inglês e curriculum vitae, em conformidade com o anexo 1. A entrega de cinco exemplares impressos e 5 CDs com a dissertação e com os resumos deverá ser feita nos serviços académicos que reencaminhará para o júri e para a Biblioteca da ESDRM (um exemplar). Para a época especial de exames, a dissertação deve ser entregue nos Serviços Académicos dez dias úteis antes do início da referida época. V - ORIENTAÇÃO A dissertação é orientada por professores doutorados, pertencentes ao curso, aprovados pelo Conselho Técnico-Científico. Se um estudante pretender ser orientado por um professor externo ao curso terá de fazer um requerimento à CDC, apresentando as razões para o efeito, anexando o CV do orientador proposto. VI - AVALIAÇÃO O mestrando deve fazer a defesa da dissertação mediante discussão pública perante um júri. As provas terão uma duração máxima de 90 minutos. O candidato tem 15 minutos para apresentar o seu trabalho (o júri poderá optar por prescindir desta apresentação). O arguente deve intervir sempre na discussão sem prejuízo da intervenção de outros membros do júri. Deve ser proporcionado ao candidato um tempo de intervenção igual ao do júri. Os Júris para as Provas de defesa da dissertação são propostos pela Comissão de Curso e aprovados pelo Conselho Técnico-Científico, tendo a seguinte composição: 4 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

5 a) O Presidente do Júri é o coordenador de curso (ou outro Professor doutorado em sua representação); b) O Arguente deve ser professor doutorado de outra instituição de ensino superior; c) O orientador da dissertação; d) O co-orientador da dissertação, quando existir. Se o júri o entender, poderá ser exigida a entrega de uma versão modificada da dissertação e dos resumos destinado à Biblioteca da ESDRM nos Serviços Académicos, caso na discussão tenham sido identificados alguns aspectos que mereçam correcção. Neste caso, a nota final só será lançada após o cumprimento do exigido. No final da discussão, os elementos do júri deverão individualmente expressar a nota que propõem para o aluno e quantificar a sua apreciação. Deverá tomar em consideração os factores que a considerar relevantes e, em particular, a capacidade científica e de resolução do problema proposto, o método de trabalho utilizado, a capacidade de síntese demonstrada, o resultado/solução final, o trabalho final, o parecer intermédio do orientador, o cumprimento dos prazos e a apresentação e a discussão final do trabalho. A avaliação da dissertação será realizada em três períodos de avaliação, nomeadamente: Época Normal de Exame; Época de Recurso; e Época Especial de Exames. A(s) data(s), as horas e os locais para as discussões finais das dissertações serão divulgados na Página de Internet da ESDRM até dez dias úteis antes da prova. Aprovado na 208ª Reunião do Conselho Científico de 27 de Maio de Escola Superior de Desporto de Rio Maior

6 ANEXO 1 Documento Orientador para Projecto e Dissertação Este documento tem por objectivo proporcionar aos estudantes de 2.º ciclo indicações sobre o modo de construção de um projecto de dissertação e de construção da própria dissertação. O projecto de dissertação é, em si, uma declaração de intenções, mas, também, um documento de trabalho, um esquiço que permitirá ao orientador compreender a intenção do estudo e os aspectos que carecem de acompanhamento e orientação. Para facilitar a selecção e organização do que pretende o estudante deve, num primeiro momento, identificar a área científica em que estudar, e o tema que deseja abordar. A consulta dos interesses de investigação dos docentes doutorados, deverá determinar o contacto com o futuro orientador. Uma conversa preliminar e informal com um docente pode ajudar a definir os problemas ou os objectivos do projecto de estudo, facilitando partilha de interesses entre orientador e mestrando, e determinando a pesquisa bibliográfica. Segue-se a estrutura recomendada para os projectos e dissertações a realizar no âmbito do Mestrado em Desporto, da Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Estrutura do projecto: Título (tema, contexto, amostra); Introdução (apresentação geral do tema, razões da escolha do tema, pertinência do estudo) Enquadramento (definição de conceitos e proposições essenciais, delimitação teórica, identificação de factores/variáveis mais importantes e como interagem, estado da arte ) Revisão de Estudos (resumo dos estudos principais, clássicos e mais recentes; síntese sobre amostras, resultados, aspectos metodológicos e conclusões principais) Problema, questões/objectivos, eventualmente hipóteses, fundamentados nas revisões realizadas Tipo de pesquisa, desenho experimental e variáveis Metodologia (perfil da amostra, protocolos, instrumentação, tratamento estatístico) 6 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

7 Cronograma (plano temporal das várias fases do projecto: pesquisa bibliográfica, testes preliminares, recolha dos dados, tratamento dos dados, redacção, revisão, gráfica) Bibliografia (citada no documento, normas Vancouver, conforme anexo) O projecto será fundamentalmente avaliado pela sua sustentabilidade conceptual, qualidade das referências bibliográficas, acessibilidade à fonte dos dados, pertinência, exequibilidade temporal, viabilidade de testagem das questões/hipóteses, viabilidade financeira e técnica, e acessibilidade à instrumentação. O estudante deve testar a adequabilidade do seu projecto a estes critérios antes de nele investir. Limitações e formatação Máximo 30 páginas A4, incluindo índices e bibliografia (margens superior e inferior de 3 cm e laterais de 2,5 cm, Times New Roman 12, 1,5 espaços) Capa (instituição, autor, curso e especialização, orientador, contactos, mês e ano) No texto, referências bibliográficas conforme normas Vancouver ou APA, indicadas, por ordem de inclusão no texto, através de algarismos arábicos entre parêntesis rectos, correspondendo os mesmos algarismos na lista de referências bibliográficas Referências bibliográficas, apresentadas pela ordem de inclusão no texto, numeradas e normalizadas conforme normas Vancouver ou APA; Tabelas (quadros, esquemas) e figuras (imagens, gráficos) numeradas com algarismos arábicos, e apresentadas em índice próprio na ordem em que estão no texto, Arial 10, 1 espaço. Estrutura da dissertação: Título (tema, contexto, amostra); Introdução (apresentação geral do tema, razões da escolha do tema, pertinência do estudo) Enquadramento (definição de conceitos e proposições essenciais, delimitação teórica, identificação de factores/variáveis mais importantes e como interagem, estado da arte ) Revisão de Estudos (resumo dos estudos principais, clássicos e mais recentes; síntese sobre amostras, resultados, aspectos metodológicos e conclusões principais) Problema, questões/objectivos, eventualmente hipóteses, fundamentados nas revisões realizadas Tipo de pesquisa, desenho experimental e variáveis 7 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

8 Metodologia (perfil da amostra, protocolos, instrumentação, tratamento estatístico) Apresentação e discussão dos resultados (tendo em conta o objecto de estudo, as variáveis, as hipóteses de estudo) Conclusões (gerais e baseadas nas hipóteses) Bibliografia (citada no documento, normas Vancouver ou APA) Limitações e formatação Máximo 150 páginas A4, incluindo índices e bibliografia (margens superior e inferior de 3 cm e laterais de 2,5 cm, Times New Roman 12, 1,5 espaços) Capa (instituição ESDRM e IPS, autor, curso e especialização, orientador, ano) No texto, referências bibliográficas conforme normas Vancouver ou APA, indicadas, por ordem de inclusão no texto, através de algarismos arábicos entre parêntesis rectos, correspondendo os mesmos algarismos na lista de referências bibliográficas Referências bibliográficas, apresentadas pela ordem de inclusão no texto, numeradas e normalizadas conforme normas Vancouver ou APA; Tabelas (quadros, esquemas) e figuras (imagens, gráficos) numeradas com algarismos arábicos, e apresentadas em índice próprio na ordem em que estão no texto, Arial 10, 1 espaço. Aprovado na 208ª Reunião do Conselho Científico de 27 de Maio de Escola Superior de Desporto de Rio Maior

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Departamento de Ciências da Comunicação Regras para o acesso ao Mestrado em Comunicação Aplicada para os licenciados pré-bolonha

Departamento de Ciências da Comunicação Regras para o acesso ao Mestrado em Comunicação Aplicada para os licenciados pré-bolonha Departamento de Ciências da Comunicação Regras para o acesso ao Mestrado em Comunicação Aplicada para os licenciados pré-bolonha Respeitando a deliberação n.º 37/2011 do Conselho Científico da UAL, de

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento

Mestrado em Sistemas de Informação. Regulamento Mestrado em Sistemas de Informação Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ECONOMIA Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL REGULAMENTO DE ACTIVIDADE PROFISSIONAL RELATÓRIO FINAL

INSTITUTO SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL REGULAMENTO DE ACTIVIDADE PROFISSIONAL RELATÓRIO FINAL REGULAMENTO DE ACTIVIDADE PROFISSIONAL RELATÓRIO FINAL MESTRADO EM MARKETING ESTRATÉGICO MESTRADO EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1. Princípios Gerais O presente normativo tem por finalidade, possibilitar aos

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

mestrado normas para a realização de prova de projeto

mestrado normas para a realização de prova de projeto natureza O perfil do Projeto deve obedecer ao artigo 20º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 7 de agosto, ou seja, corresponder a um trabalho de investigação e desenvolvimento conducente à apresentação de uma

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

2. REQUERIMENTO PARA OUTORGA DO TÍTULO DE ESPECIALISTA

2. REQUERIMENTO PARA OUTORGA DO TÍTULO DE ESPECIALISTA 1 PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA APRESENTAÇÃO DE PROVAS PÚBLICAS PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA, COM PROCESSO INSTRUTÓRIO ATRAVÉS DO ISPGAYA 1. INTRODUÇÃO A publicação em Diário da República dos

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Artigo 1º Objeto O Regulamento do 2º Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) do Instituto Politécnico de Santarém

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Artigo 1º Objectivo e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento visa orientar

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA NORMAS DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE MESTRADO 2012 NORMAS DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS Nos termos do artigo 11º do Decreto-Lei nº 42/2005, de

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013)

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (2ª Edição 2011/2013) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Regulamento de Estágios 2º Ciclo em Psicologia da Universidade da Beira Interior Artigo 1.º

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES

2 DA ETAPA DE SELEÇÃO DOS ORIENTADORES EDITAL 2014 Estabelece inscrições para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI. O Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia Intensiva FATECI, Prof. Clauder Ciarlini

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares

Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere o grau de Mestre em Artes Visuais e Intermédia, especialidade de Artes Plásticas

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010

Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010 Escola Superior de Teatro e Cinema - Departamento de Cinema Regulamento da unidade curricular de Laboratório Experimental Ano lectivo 2009-2010 1 Definição Laboratório Experimental é uma unidade curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia Regulamento de 3º Ciclo de Estudos Conducentes à Obtenção do Grau de Doutor em Gestão Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior,

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais

- - REGULAMENTO -- Artigo 1.º (Organização e objetivos)

- - REGULAMENTO -- Artigo 1.º (Organização e objetivos) CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REGULAÇÃO PÚBLICA E CONCORRÊNCIA - - REGULAMENTO -- Artigo 1.º (Organização e objetivos) 1. O Curso de Pós-Graduação em Regulação Pública e Concorrência, doravante designado por

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO UNIVERSIDADE DO MINHO 2008 REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE À OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre Introdução A Universidade dos Açores procedeu à reorganização, em 2006, da sua oferta de ensino, no cumprimento das medidas legislativas

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 19 de Novembro de 2010 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e natureza O

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg OBJETIVO O objectivo do curso consiste na atribuição de uma especialização de natureza profissional, decorrente da continuação dos

Leia mais

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Minho, de Aveiro e do Porto, designadas por Universidades, instituem um Programa

Leia mais

GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST

GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO E RESUMO ALARGADO PARA OS CURSOS DE MESTRADO DE 2º CICLO NO IST 1. TRAMITAÇÃO DE DISSERTAÇÃO/PROJECTO... 2 2. INFORMAÇÃO A INTRODUZIR NO SISTEMA FÉNIX... 4 3. CONFIDENCIALIDADE...

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO ENCENAÇÃO INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização Encenação, é um programa de segundo ciclo, constituído por quatro semestres e

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais