Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com"

Transcrição

1 Conceitos de RF e Wireless Outdoor Eng. Alessandro C. Bianchini

2 Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança da informação; formado em engenharia elétrica com ênfase em telecomunicações pela Escola de Engenharia Mauá-SP, pós-graduado em segurança da informação pelo IBTA-SP e também pós-graduado em engenharia de rede e sistema de telecomunicações pelo INATEL-MG; Possui certificações de fabricantes como Cisco,Allied Telesyn, Fortinet e Vmware.

3 Certificações VCP 4 Vmware Certified Professional 4.0 VCP 3 Vmware Certified Professional 3.0 ITIL v3 Foundation CCNP - Cisco Certified Network Professional CCDP - Cisco Certified Design Professional CCVP - Cisco Certified Voice Professional CCSP - Cisco Certified Security Professional CCNA - Cisco Certified Network Associate CCDA - Cisco Certified Design Associate CAWDS Cisco Advanced Wireless Design Specialist CAWFS Cisco Advanced Wireless Field Specialist CISS - Cisco Information Security Specialist CIOSSS - Cisco IOS Security Specialist CFWS - Cisco Firewall Specialist CIPSS - Cisco IPS Specialist FCNSA- Fortinet Certified Network Security Administrator CAIR Certified Allied installation Router CAIS Certified Allied installation switch CASE Certified Allied system engineer 4011 Recognition - CNSS (Committee on National Security Systems) 4013 Recognition CNSS (Committee on National Security Systems)

4 Notação de engenharia 10 ^ 3 Kilo 10 ^ 6 Mega 10 ^ 9 Giga 10 ^ 12 Tera 10 ^ -3 mili 10 ^ -6 micro 10 ^ -9 nano 10 ^ -12 Pico

5 Espectro

6 Amplitude

7 Freqüência 1GHz 1 bilhão de Ciclos por segundo 60Hz 60 Ciclos por segundo

8 Comprimento de onda (λ) Velocidade da luz no vácuo = m/s Freqüência (Hz) = / λ λ( 2,4 GHz) = / λ( 2,4 GHz) = 12,5 cm

9 Espectro X Comprimento de onda

10 Fase

11 Ganho x perdas

12 Reflexão

13 Refração

14 Difração

15 Scattering

16 Condições Ambientais Tempo: Neve Gelo e neve Chuvas fortes Water film Tempestades e Ventos Fortes Desalinhamento Raios Queima do equipamento - Protetor de surto.

17 Antena Direcional Parabólica 24dBi Características Elétricas Frequência MHz Ganho 24dBi Impedância 50 Ohms Potência Máx. Admitida 50 Watts Características Mecânicas Peso 2,18 Kg Dimensão do Grid 100,3cm x 59,7 cm Material de Construção Liga de Magnésio Fundido Ângulo de Elevação 0 à 10 Graus Temperatura de Operação -45 C à +85 C Resistência a Ventos 200 Km/h Polarização H / V Conectorização Tipo "N" Macho

18 Lóbulo de Radiação Padrão de Radiação Vertical Padrão de Radiação Horizontal

19 Antena Omnidirecional Dipólo 8dBi Características Elétricas Frequência MHz Ganho 8dBi Impedância 50 Ohms Potência Máx. Admitida 100 Watts Características Mecânicas Peso 0,7 Kg Dimensão da Antena 40,64 cm Material de Construção Fibra de Vidro Ângulo de Elevação -10 à 10 Graus Temperatura de Operação -45 C à +85 C Resistência a Ventos 150 Km/h Polarização H / V Conectorização Tipo "N" Fêmea

20 Lóbulo de Radiação Padrão de Radiação Vertical

21 Antena Omnidirecional Dipólo 15dBi Características Elétricas Frequência MHz Ganho 15dBi Impedância 50 Ohms Potência Máx. Admitida 100 Watts Características Mecânicas Peso 1,16 Kg Dimensão do Grid 100,52 cm Material de Construção Fibra de Vidro Ângulo de Elevação 0 à 10 Graus Temperatura de Operação -45 C à +85 C Resistência a Ventos 200 Km/h Polarização H / V Conectorização Tipo "N" Fêmea

22 Lóbulo de Radiação Padrão de Radiação Vertical

23 Antena Direcional Yagi 14dBi Características Elétricas Frequência MHz Ganho 14dBi Impedância 50 Ohms Potência Máx. Admitida 50 Watts Características Mecânicas Peso 0,81 Kg Dimensão do Grid 48,2cm x 7,6cm Material de Construção Polímeros Ângulo de Elevação -20 à 20 Graus Temperatura de Operação -15 C à +65 C Resistência a Ventos 200 Km/h Polarização V Conectorização Tipo "N" Macho

24 Lóbulo de Radiação Padrão de Radiação Vertical Padrão de Radiação Horizontal

25 Antena Setorial 20dBi Características Elétricas Frequência MHz Ganho 20dBi Impedância 50 Ohms Potência Máx. Admitida 250 Watts Características Mecânicas Peso 10,88 Kg Dimensão do Grid 132cm x 30,5cm x 5cm Material de Construção Fibra de Fibra e Epoxy Ângulo de Elevação -6,5 à +6,5 Graus Temperatura de Operação -25 C à +75 C Resistência a Ventos 200 Km/h Polarização V Conectorização Tipo "N" Fêmea

26 Lóbulo de Radiação Padrão de Radiação Vertical Padrão de Radiação Horizontal

27 Antena Setorial Painél 12dBi Características Elétricas Frequência MHz Ganho 24dBi Impedância 50 Ohms Potência Máx. Admitida 50 Watts Características Mecânicas Peso 1,1 Kg Dimensão do Grid 100,3cm x 59,7 cm Material de Construção Fibra de Vidro Ângulo de Elevação -40 à +40 Graus Temperatura de Operação -5 C à +65 C Resistência a Ventos 200 Km/h Polarização V Conectorização Tipo "N" Macho

28 Lóbulo de Radiação Padrão de Radiação Vertical Padrão de Radiação Horizontal

29 Protetor de Surto a Gás 0~3 GHz Impedância de 50 ohms Perda de Sinal de 0.9dB Descarga Elétrica Máx. de 5KV Construção em Alumínio Anodizado Conectores N Fêmea e N Macho Dimensões de 82mm x 30mm x 20mm

30 Divisor de Potência 1 x 2 Impedância de 50 ohms Perda de Sinal de 0.4dB 1 porta IN e 2 portas OUT Construção em Alumínio Conectores N Fêmea Dimensões de 11,6mm x 6,6mm x 4,3mm Resistente à Água (uso externo)

31 Divisor de Potência 1 x 4 Impedância de 50 ohms Perda de Sinal de 0.4dB 1 porta IN e 4 portas OUT Construção em Alumínio Conectores N Fêmea Dimensões de 11,6mm x 6,6mm x 4,3mm Resistente à Água (uso externo)

32 Cabos de RF

33 Atenuação do cabo

34 Conectores tipo N

35 Conector Tipo TNC

36 Conector tipo SMA

37 Perdas de conexão

38 Perda no cabo

39 Potência (regra pratica) Log(-100) = indefinido Log(0) = indefinido 1mW = 0 dbm 1/2 X Potência (mw) : 10log1/2 = -3 db 2 X Potência (mw) : 10 log 2 = 3 db 1/4 X Potência (mw) : 10 log 1/4 = -6 db 4 X Potência (mw) : 10 log 4 = 6 db

40 Perda(LOSS) e Ganho(GAIN) GanhodB=10 log10(potencia saída/potencia de entrada) PerdadB=10 log10(potencia entrada/potencia de saída) Exemplo: P. Entrada = 10mW P. Saída = 10 W GanhodB=10 log10(10/0,01) = 30 db P. Entrada = 25W P. Saída = 100 W PerdadB=10 log10(25/100) = -6 db

41 Exercício

42 Tabela de referencia

43 Nomenclatura - dbm - Equipamentos ativos Usado para expressar o ganho de transmissores, receptores, amplificadores. dbm expressa valor absoluto de potência relativo a 1mW: dbm = 10 Log ( mw / 1) Pt = 1 mw = 0 dbm Pt = 250 mw = 24.0 dbm Pt = 32 mw = 15 dbm Sensibilidade de recepção Pr = -82 dbm (a 11 Mbit/sec)

44 Nomenclatura - dbi - Ganho de Antenas Direcionamento do sinal em uma certa direção resultando em um aumento de alcance de propagação Relativa à antena Isotrópica. A antena isotrópica é uma antena teórica que não existe, que é colocada em espaço livre, radiando potência em todas as direções (esfera). O Ganho da Antena é expresso em dbi ( Nível de potência relativo a potência da antena isotrópica). Esse é o ganho no ponto de 0 db do Diagrama Polar. O ganho varia segundo a direção

45 Modelamentos dos canais de RF Line-of-sight(LOS) Modelo simples Non-line-of-sight(NLOS) Baseado em vários componentes Perda por dispersão Reflexão e scattering Shadowing Perda de penetração Multi-path Interferencia inter-simbolo

46 Linha de visada(los)

47 Enlace de radio básico

48 Perdas na transmissão

49 Calculo de enlace Perdas de Propagação Output power EIRP IRL Receiver Sensitivity TX CABO CABO RX Conector Conector Antena EIRP- Effective Isotropic Radiated Power IRL Isotropic Received Level EIRP = perda de propagação + IRL Margem = IRL esperado IRL requerido Margem usual = 10 db

50 Primeira Zona de Fresnel First Fresnel Zone Direct Path = L Reflected path = L + λ/2 Food Mart

51 Regra geral n D1 D2 Raio = 17,3 f D Raio = metros D1= distância da 1ª antena ao ponto de reflexão (Km) D2 = distância da 2ª antena ao ponto de reflexão (Km) D = D1+ D2 f = freqüência (GHz) n = número da zona de Fresnel (1a, 2a, 3a, etc)

52 Altura das antenas Obstrução de 60% da primeira zona de Fresnel 0,6 r d1 d2 h2 h1 d1 = 300m d2 = 700m F = 2,4 GHz h1 = 8 m h2 = 12m Raio = 5,11 60% do raio = 3,07 Alt. Obstrução max = h2 0,6 r Alt. obstrução max = 12 3,07 Alt. Obstrução max = 8,93m Não precisamos de torre

53 Efeito curvatura da terra na altura da antena Fator curvatura(km) = D²/(8 * 1,333 * 6378)

54 Calculo das alturas das antenas Distancia r Zona de Fresnel 0,6 * r Zona fresnel Fator curvatura(m) 0,1 1, , ,00 0,2 2, , ,00 0,3 3, , ,00 0,4 3, , ,00 0,5 3, , ,00 0,6 4,325 2,595 0,01 0,7 4, , ,01 0,8 4, , ,01 0,9 5, , ,01 1 5, , ,01 2 7, , ,06 3 9, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,84 Altura Total 1,06 1,50 1,84 2,12 2,37 2,60 2,81 3,01 3,19 3,36 4,80 5,94 6,94 7,86 8,74 9,59 10,42 11,24 12,07 20,88 31,61 44,77 60,53

55 Modelos de propagação Modelos Empírico Power Law Okumura-Hata COST 231 Hata Halfish-Ikagami Lee IEEE SUI Modelos Físico Free Space Free Space + RMD TIREM Longley-Rice Anderson 2D

56 Perdas de propagação Espaço livre PathLoss = ((4xπx r)/λ)² = ((4xπx f)/c)² Onde f = Freqüência (Hz) r = distancia (m) c = velocidade da luz 3x10^8 PathLossdB = 20 log10(d)+ 20 log10 (f)+32,45 Onde f = Freqüência (MHz) r = distancia (Km)

57 Aonde o a atenuação espaço livre é valido Básico para outros modelos de propagação Link ponto a ponto para sistemas microondas Link de comunicação de satélite

58 Regra do 6dB Valido para freqüência de 2,4GHz

59 Exercício de calculo de enlace Perdas de Propagação Output power EIRP IRL Receiver Sensitivity TX CABO CABO RX Conector Antena Conector Potencia do transmissor = 100mW Perda no conector = 1dB Perda no cabo = 3dB Ganho antena = 10 dbi Sensibilidade do receptor = -90dBm Freqüência = 2,4 GHz Qual a distancia máxima do enlace?

Segurança da Informação Parte 3. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Segurança da Informação Parte 3. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Segurança da Informação Parte 3 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

Teste de invasão. alessanc@gmail.com

Teste de invasão. alessanc@gmail.com Teste de invasão alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

Wireless 802.11n. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Wireless 802.11n. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Wireless 802.11n Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Tecnologia 802.1X. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Tecnologia 802.1X. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Tecnologia 802.1 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Projeto e Desempenho de Redes - aula 1 e 2 Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Apresentação Alessandro ConeglianBianchiniexerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Infra-estrutura de telefonia IP. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Infra-estrutura de telefonia IP. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Infra-estrutura de telefonia IP Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Sénior (1999-2010) CCSI - Certified Cisco System Instructor CCNA Security, Voice, Wireless CCDA, CCDP, CCNP, CCIP, CCSP IPS, NAC, Firewall, Wireless Specialist Coordenador

Leia mais

Criptografia e Certificação digital. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Criptografia e Certificação digital. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Criptografia e Certificação digital Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

Gerenciamento de rede. Alessandro C. Bianchini

Gerenciamento de rede. Alessandro C. Bianchini Gerenciamento de rede Alessandro C. Bianchini Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless,

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas parabólicas são usadas em UHF e Microondas. Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possuem um alto ganho. Uma antena receptora de satélites

Leia mais

Antenas, Cabos e RádioR

Antenas, Cabos e RádioR CONCEITOS BÁSICOS A ESCALA LOGARÍTMICA O que é o db? Antenas, Cabos e RádioR dio-enlace O db é uma escala usada para representar a relação entre duas potências. db = 1log medida referência A unidade de

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio.

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio. Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Análise do Enlace de Comunicação

Análise do Enlace de Comunicação Análise do Enlace de Comunicação Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

Treinamento Técnico Wireless 2015

Treinamento Técnico Wireless 2015 Treinamento Técnico Wireless 2015 TERMINAL CELULAR FIXO TCF-100D 1 - Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419). Sistema SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas 2 - Possibilita

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios Cabos e Acessórios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Cabos e Assessórios Cabos Coaxiais Conectores e Pigtails Cabos Coaxiais Irradiantes

Leia mais

Link Budget. TE155-Redes de Acesso sem Fios

Link Budget. TE155-Redes de Acesso sem Fios Cálculo de perdas e ganhos nas instalações físicas Link Budget ( Contabilidade do Link) Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas Antenas Antenas Ewaldo LuIz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Antenas Ondas Eletromagnéticas Linha e Antena Cálculos em db / dbi Antenas para

Leia mais

Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Alessandrobianchini.com.br

Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Alessandrobianchini.com.br Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Alessandrobianchini.com.br Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

Manual do Usuário. Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 dbi Downtilt Ajustável ANT040009

Manual do Usuário. Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 dbi Downtilt Ajustável ANT040009 Manual do Usuário Antena Painel Outdoor 65-806 a 960MHz - 17 i Downtilt Ajustável ANT040009 Este Manual Aplica- se Somente ao Produto que o Acompanha Índice Pag. 1 - Informações Gerais...2 1.1 - Apresentação...2

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

ANTENAS VERTICAIS PARA VHF (138-180MHz)

ANTENAS VERTICAIS PARA VHF (138-180MHz) ANTENAS VERTICAIS PARA VHF (138-180MHz) Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - internet: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br 136-180 MHz ANTENA DIPOLO VERTICAL MODELO

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A).

Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A). Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A). Apresenta como realizar a instalação, posicionamento correto e utilização com os principais equipamentos

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz)

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - SITE: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br 87 a 98MHz 97 a 108MHz ANTENA BANDA LARGA PARA

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Agosto de 2012 1 Agenda Testes da Star One A Questão afeta toda a Banda C e não somente a Banda Estendida Tanto a Transmissão Digital quanto a Analógica

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power

= P ( 10 db EIRP EIRP = EIRP = Effective Isotropic Radiated Power. EIRP. = Effective Isotropic Radiated Power Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Conceito de E.I.R.P Seção IX Seção X Sinalização de Torres Conclusões EIRP = Effective

Leia mais

Torres de Telefonia Celular: Minimizando a Exposição Ocupacional a Campos Eletromagnéticos. Alexssandro Ramos da Cruz; Maria Cristina Aguiar Campos

Torres de Telefonia Celular: Minimizando a Exposição Ocupacional a Campos Eletromagnéticos. Alexssandro Ramos da Cruz; Maria Cristina Aguiar Campos Torres de Telefonia Celular: Minimizando a Exposição Ocupacional a Campos Eletromagnéticos Alexssandro Ramos da Cruz; Maria Cristina Aguiar Campos Sistemas de comunicação sem fio telefone celular internet

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

Solução Acesso Internet Áreas Remotas

Solução Acesso Internet Áreas Remotas Solução Acesso Internet Áreas Remotas Página 1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 1 1. ESCOPO... 2 2. SOLUÇÃO... 2 2.1 Descrição Geral... 2 2.2 Desenho da Solução... 4 2.3 Produtos... 5 2.3.1 Parte 1: rádios

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Sênior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

Tabela de Preços Wi-Fi

Tabela de Preços Wi-Fi Tabela de Preços Wi-Fi Antenas Paineis Setoriais 2.4-2.5 GHz (Polarização Vertical e Horizontal) N.01/2012 Janeiro Linha profissional em aço INOX EMC WF 15 EMC WF-15/RFL EMC WF-15 Homologação Anatel N.

Leia mais

2 Fundamentos de Propagação

2 Fundamentos de Propagação 15 2 Fundamentos de Propagação 2.1.Propagação em Espaço Livre As ondas de rádio em propagação são afetadas pela presença da terra e da atmosfera. Para enlaces de microondas ponto a ponto a camada da atmosfera

Leia mais

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos.

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos. Página 1 de 9 PROJETOS / Telecom 25/08/2008 10:44:40 Sistemas Wireless em chão de fábricas. Existem diversas opções de padrões de conexão entre equipamentos industriais e computadores. Dentre essas opções,

Leia mais

Características das Faixas de VHF e UHF

Características das Faixas de VHF e UHF 1 2 Nas faixas de VHF e UHF, o mecanismo principal de propagação é através de Ondas Diretas, com eventual difração em obstáculos. Podem ocorrer Ondas Refletidas, que são indesejáveis, pois geram alterações

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

18 dbi. Senior HD - Possibilita a perfeita sintonia em todas as faixas de frequência, com excelente qualidade de imagem.

18 dbi. Senior HD - Possibilita a perfeita sintonia em todas as faixas de frequência, com excelente qualidade de imagem. Master HD - Com maior capacidade de recepção devido ao potente amplificador de sinal, possibilita a perfeita sintonia em todas as faixas de frequências. Senior HD - Possibilita a perfeita sintonia em todas

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

Wireless 802.11. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Wireless 802.11. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Wireless 802.11 Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com 1 Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

ANTENAS. TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS

ANTENAS. TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS ANTENAS TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS Desde os primeiros dias do rádio as antenas envolveram os operadores. Houveram muitos desejos e restrições. Cada tipo de antena foi desenvolvido para ajudar alguém em

Leia mais

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE LOGÍSTICA E FINANÇAS DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS JULHO

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.00 Agosto 2012 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Tabela de Preços Wi-Fi 2009 / Decembro.N.12

Tabela de Preços Wi-Fi 2009 / Decembro.N.12 Tabela de Preços Wi-Fi 2009 / Decembro.N.12 Antenas Painel Setoriais 2.4-2.5 GHz (Polarização Vertical) Linha profissional em aço INOX EMC WF 15, EMC WF 17 EMC WF 17 EMC WF 20 SUP-VAR EMC-WF 20 EMC SUP-VAR

Leia mais

Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos

Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos ao Edital da Concorrência de Registro de Preços CR-RP N. 019/CELIC/2014, que trata da contratação

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges

Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Introdução a Propagação Prof. Nilton Cesar de Oliveira Borges Como a luz, uma onda de rádio, perderia-se no espaço, fora do nosso planeta, se não houvesse um fenômeno que provocasse sua curvatura para

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25, FASE COM SISTEMA IRRADIANTE COMPOSIÇÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA DIGITAL P25 A estação repetidora digital P25 será composta pelos seguintes equipamentos:

Leia mais

Dispositivos de segurança. alessanc@gmail.com

Dispositivos de segurança. alessanc@gmail.com Dispositivos de segurança alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless,

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 valderez@adthec.com.br 25.08.2011 Uma analise dos modelos de propagação em função do tipo de recepção, através da predição de cobertura, modelos de

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG Tiago Nunes Santos, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG.

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet 1 Palestrante: Kleber de Albuquerque Brasil Mini Curriculum 1997 E.T.F.

Leia mais

Redes WLAN de Alta Densidade

Redes WLAN de Alta Densidade Redes WLAN de Alta Densidade Atualmente os terminais móveis, sejam notebooks, netbooks, tablets ou smartphones, possuem interface Wi-Fi embarcada o que permite as pessoas estar On Line em qualquer ambiente

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

Unidade I - Produção e Propagação de Ondas Eletromagnéticas

Unidade I - Produção e Propagação de Ondas Eletromagnéticas Unidade I - Produção e Propagação de Ondas Eletromagnéticas 01 - Canal em radio comunicações é o espaço físico existente entre as antenas transmissora e receptora. 02 - Quando uma potência propaga livremente

Leia mais

APOSTILA. Preparatório Concurso Engenheiro de Telecomunicações Jr. Petrobrás

APOSTILA. Preparatório Concurso Engenheiro de Telecomunicações Jr. Petrobrás APOSTILA Preparatório Concurso Engenheiro de Telecomunicações Jr. Petrobrás ÍNDICE 1 Propagação...6 1.1 Conceitos Básicos...6 1.2 Propagação em Espaço Livre...6 1.2.1 Atenuação em Espaço Livre...7 1.3

Leia mais

5 - especificação TÉCNiCA

5 - especificação TÉCNiCA 5 - especificação TÉCNiCA ESPECIFICAÇÕES DO REPETIDOR RP-860 Frequência UL DL 824-849 MHz 869-894 MHz Especificações elétricas Potência de saída (dbm) DL: 10dBm, 15dBm, 17dBm UL: 10dBm Ganho máximo (db)

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Profº Alexsandro M. Carneiro alexsandro@ucdb.br Bacharelado em Sistemas de Informação AULA 06 Bacharelado em Sistemas de Informação UCBD SG - 2005 Tópicos Abordados Camada Física:

Leia mais

Tabela de Preços Wi-Fi 2010 / Agosto.N.08

Tabela de Preços Wi-Fi 2010 / Agosto.N.08 Tabela de Preços Wi-Fi 2010 / Agosto.N.08 Antenas Painel Setoriais 2.4-2.5 GHz (Polarização Vertical) Linha profissional em aço INOX EMC WF 15 EMC WF 17 EMC WF 20 EMC WF 20 vista de trais SUP-VAR EMC-WF

Leia mais

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto

Sistemas que incluem amplificação podem possuir grandes valores de g, é assim, é conveniente expressar o ganho de potência em decibéis (db): produto 3.33 Perdas de transmissão e Decibéis Além de distorção de sinal, um sistema de transmissão também reduz o nível de potência ou vigor do sinal de saída. Esta redução no vigor do sinal é expresso em termos

Leia mais

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO.

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Comparação entre módulos LNB comerciais e modificados para a situação de convivência entre sistemas terrestres

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

ENGENHARIA TELECOMUNICAÇÕES

ENGENHARIA TELECOMUNICAÇÕES I TELECOM CÁLCULO DE SISTEMA RÁDIO ENLACE DIGITAL ENGENHARIA TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA Prof : Hugo Santana Lima Santana@unisanta.br ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 1.1. OBJETIVOS DE

Leia mais

1 - Uma onda plana monocromática no espaço livre tem por equação fasorial para a componente campo eléctrico, o seguinte vector complexo:

1 - Uma onda plana monocromática no espaço livre tem por equação fasorial para a componente campo eléctrico, o seguinte vector complexo: Ondas 1 Ondas móveis 1 - Uma onda plana monocromática no espaço livre tem por equação fasorial para a componente campo eléctrico, o seguinte vector complexo: u y + e π + j + jkx E = e u z, sendo k o número

Leia mais