REPÚBLICA DE ANGOLA. em Angola GOVERNO DA ANGOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DE ANGOLA. em Angola GOVERNO DA ANGOLA"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE ANGOLA Promoção e Protecção Social em Angola GOVERNO DA ANGOLA

2

3 EXPERIÊNCIA DE ANGOLA EM PROMOÇÃO E PROTECÇÃO SOCIAL

4 BREVE MONOGRAFIA DE ANGOLA

5 1. SÍNTESE GEOGRÁFICA A República de Angola fica situada na costa ocidental da África Austral, a sul do Equador, sendo limitada a Norte pela República do Congo, a Oriente pela República Democrática do Congo e pela República da Zâmbia, a sul pela Namíbia e a ocidente pelo oceano Atlântico. A República de Angola, é o quinto país de maior dimensão ao sul do Sahara, com uma área de cerca de quilómetros quadrados e uma linha marinha atlântica de cerca de quilómetros. A sua fronteira terrestre é de km. O comprimento máximo no sentido Norte-Sul é de Km e a largura máxima no sentido Oeste-Leste, é de Km, dando, ao país uma configuração geométrica equivalente a um quadrado.

6

7

8

9

10

11 Cabinda%[ CABINDA ZAIRE Caxito Luanda BENGO Sumbe UIGE MALANJE K. NORTE Lubango Menongue [ Namibe NAMIBE Mbanza Congo Uige Ndalatando LUNDA NORTE LUNDA SUL K. SUL BENGUELA HUILA Malanje Saurimo HUAMBO BIE Kuito Benguela Huambo CUNENE Luena Lucapa MOXICO KUANDO KUBANGO Superfície/Área/superficie : Km2 População/Population : 14 M Fronteiras/Borders: República do Congo/ 201Km República da Namíbia/1.376Km República Democrática do Congo/2511 Km/República da Zâmbia/ 1110 Km. Litoral:/coast:1.600KM(OceanoAtlântic o) (Atlantic Ocean) Águas Territoriais/Territorial Waters : 20 milhas naúticas- 20 nautical miles Área Pesqueira/Fishing Área: 200 milhas naúticas/nautical miles Repartição de terras/partition of lands: 2% terras aráveis/arables lands 23% pântanos e pastagens/swamps and pastures 43%floresta/forest 32%outras/others Ondjiva

12 PROMOÇÃO E PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

13 I. INTRODUÇÃO 6. A longa guerra de libertação nacional ( ) e as guerras que se seguiram imediatamente a seguir a proclamação da independência nacional de Angola (1975), provocou danos incalculáveis e transformou a vida dos Angolanos num verdadeiro pesadelo.. Situação humanitária : das mais criticas do mundo 14 milhões de habitantes: mais de um terço afectada pela guerra Mais de 4 milhões de deslocados; Cerca de 200 mil pessoas portadoras de deficiência; Cerca de crianças separadas dos familiares Vias de acesso e equipamentos sociais destruídos.

14

15 10. As consequências do prolongado conflito armado que vigorou em Angola durante cerca de trinta anos, contribuíram para o depauperamento de crescentes faixas da população. 11. A instabilidade política e militar que vigorou, não aparece isolada, enquanto factor de depauperamento das populações, ela gerou elementos que impossibilitaram a definição e condução da política económica e social. As despesas militares limitaram as alocações financeiras para os investimentos públicos com maior incidência nas infraestruturas sociais, o que resultou numa depreciação nos sectores da saúde, educação, água e saneamento básico, daí os baixos índices de desenvolvimento humano.

16

17 12.. De acordo com um Inquérito Nacional realizado a agregados familiares no ano 2000, a pobreza em Angola atingiu cerca de 68% da população total, estando cerca de 26% em situação de pobreza extrema. A fronteira entre a pobreza extrema em Angola, estava situada nos USD 22,8 por mês, ou seja USD 0,76/dia e nos USD 51,2 ou seja USD 1,70/dia para a pobreza absoluta, comparativamente ao limiar da pobreza a nível internacional que se situa nos 2 USD/dia e o da pobreza extrema em 1 USD/dia. 13.A incidência da pobreza era maior nas áreas rurais, que rondava os 94% e nas cidades cerca de 57%, sendo mais elevada na região leste e central do país do que nas regiões costeiras.

18 Curiosamente, apesar das taxas de analfabetismo em Angola terem maior prevalência nas mulheres, cerca de 50%, constata-se que as famílias chefiadas por mulheres são menos afectadas pela pobreza, reflectindo a sua grande presença no mercado informal.

19 . O crescimento económico verificado nos últimos anos ( ), provocou um impacto positivo na redução dos efeitos da pobreza, particularmente dos grupos vulneráveis.

20 A POLÍTICA SOCIAL EM ANGOLA

21 18. É consabido que as políticas sociais, em particular a acção social, assumem a função de compensar as desigualdades e disfunções geradas pelos sistemas económicos. 19. Por essa razão, cada vez mais vai-se entendendo que as respostas as necessidades humanas, dependem menos de uma série de políticas diferentes, mas de sistemas de soluções coordenadas e integradas intersectorialmente e a vários níveis. 20. Em Angola, a nova visão de política social tem como fundamento básico, a instituição de um modelo de segurança social equilibrado e sustentável onde combinem a responsabilidade individual e a solidariedade social e, onde se diferencie positivamente a assistência aos mais desfavorecidos.

22 21. No quadro da nova visão, pretende-se uma parceria activa entre o Estado e a sociedade, onde as comunidades assumam uma responsabilização colectiva, na edificação de mecanismos de apoio aos grupos mais vulneráveis e as famílias em situação de risco. 22. Esta visão de parceria não deve ser entendida como um processo de desresponsabilização do Estado, a quem cabe certamente, a função primária de proteger e assistir os cidadãos mais carenciados. 23. Esta dinâmica de parceria, tem como principal objectivo o envolvimento alargado de todos parceiros sociais, com maior protagonismo para os agentes das instituições comunitárias, públicas, privadas, religiosas, dentre outras, para que através da dimensão social das suas actividades, se possam aproximar aos problemas e, serem elementos participantes activos na inserção social dos grupos hoje excluídos, não na perspectiva de caridade mais de solidariedade social.

23

24 24. Actualmente o Plano Estratégico de Desenvolvimento de Médio e Longo Prazos, bem como a Lei de Bases de Protecção Social, constituem os documentos legais norteadores de toda a acção social. 25. Por orientação do Governo têm vindo a ser estabelecidas as políticas sectoriais dos órgãos da política social, através de um processo participativo entre todos os actores sociais. 26. O processo de elaboração das políticas, de um modo geral, tem obedecido a mesma metodologia, ou seja, apresentação pelo órgão responsável do documento base, que procede a consulta dos parceiros sectoriais mais directos e, posteriormente mais alargada a sociedade civil organizada, incluindo os próprios beneficiários.

25 27. Esse processo normalmente inicia internamente, dentro do órgão especializado de determinado domínio ou com a criação de Comissões Técnicas T Multisectoriais, com subgrupos temáticos, que desenvolvem o trabalho de desenho e elaboração de propostas, que posteriormente submetem a discussão alargada. 28. Embora o País esteja ainda numa fase embrionária de definição de políticas sectoriais na área social, foram já estabelecidos os seguintes instrumentos normativos: Política Nacional do Ambiente; Política Nacional para de Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (aguarda aprovação pelo Governo); Política Nacional para a Pessoa Idosa (aguarda aprovação pelo Governo); Lei de Bases de Protecção Social;

26 Lei do Julgado de Menores; Lei de Bases do Sistema de Educação; Plano de Educação para Todos; Plano Estratégico da Saúde; Plano Estratégico Nacional para o Controlo das Infecções de Transmissão Sexual, HIV/SIDA-2007/2010; Estratégia Nacional de Segurança Alimentar; Estratégia Nacional de Combate a Violência contra a Mulher; Onze compromissos entre o Governo, Agências das Nações Unidas e Parceiros Sociais sobre a Criança Angolana.

27 29. Diferentes mecanismos de coordenação, articulação de sinergias e de concertação, têm sido ensaiados para a implementação das políticas sociais. No entanto, na sua maioria só estão estabelecidos a nível central. 30. Gostaríamos de realçar aqui, como experiência singular, a coordenação existente, desde o ano de 2004, para a materialização das políticas de promoção e defesa dos direitos da criança. 31. Desde o ano de 2004, a maior homenagem que Angola faz a nova geração, durante a Jornada da Criança( comemoração do dia Mundial da Criança,1 de Junho e Dia da Criança Africana,16 de Junho), tem sido a realização de um Fórum Nacional sobre a Criança, que se revelou como um compromisso político ao mais alto nível da governação, assumido pelo Presidente da República de Angola.

28 32. A realização desse evento no ano de 2004 deveu-se fundamentalmente ao facto de Angola deter, naquela altura, a mais alta taxa de mortalidade infantil, de acordo com o UNICEF, facto que encontra respaldo, nas consequências do prolongado conflito armado que o país vivenciou por cerca de três décadas e que teve um grande impacto negativo no desenvolvimento nacional e nas condições de vida das populações. 33. O Governo através de uma Comissão Interministerial para a primeira Infância (criada por decreto nº62/04 de 29 de Setembro), realizou o primeiro Fórum Nacional sobre Cuidados e Desenvolvimento da Primeira Infância em Angola no ano de 2004 e, teve como lema : Tudo se Decide antes dos 5 anos.

29 34. A partir dessa altura o Governo e a Sociedade Civil colocaram o futuro do país num berço de esperança, ao recomendaram 10 metas expressas em 11 compromissos. 35. Deste modo a situação da criança passou a constar da agenda nacional. 36. Nos anos subsequentes os Fóruns não analisaram somente a situação da criança na primeira infância, mas, dos 0 aos 18 anos de idade, tendo assim, como lema : A Criança Toda e Todas as Crianças. 37. Por posteriormente por recomendação do II Fórum foi extinta a Comissão Multisectorial e criado o Conselho Nacional da Criança (Decreto Lei nº6/07), como órgão de consulta, de acompanhamento, monitoria e controle da implementação das politicas de promoção e defesa dos direitos da criança e, dos 11 compromissos e recomendações dos Fóruns até ao nível local (município e comuna).

30 38. O Conselho Nacional da Criança tem representação a nível local, apresentando a seguinte estrutura temática: CONCERTAÇÃO Governo Sociedade CNAC Ministério s 16 INAC ONG 4 Igrejas 4 Organizações Sociais 10

31 COMISSÕES A CRIANÇA DO ZERO AOS CINCO ANOS TODAS AS CRIANCAS A CRIANCA DOS 6 AOS 18 ANOS SUSTENTABILIDADE DAS CONQUISTAS

32 COMISSÕES ESPECIALIZADAS PERMANENTES FUNÇÃO : TRATAMENTO DE ASSUNTOS TÉCNICOS DAS SEGUINTES ÁREAS POLÍTICAS PÚBLICAS POLÍTICAS JURÍDICAS E DE PROTECÇÃO A CRIANÇA DOS ZERO AOS 5 ANOS TODAS AS CRIANÇAS A CRIANÇA DOS 6 AOS 18 ANOS SUSTENTABILIDADE DAS CONQUISTAS POLÍTICAS ADMINISTRATIVAS E FINANCEIRAS POLÍTICAS DE PREVENÇÃO DA DELINQUÊNCIA JUVENIL

33 SISTEMA NACIONAL DE PROTECÇÃO SOCIAL

34

35 39. Reconhecendo a necessidade de garantir a todos os cidadãos uma protecção mais efectiva, o Governo de Angola iniciou um processo de reforma do sistema de segurança social, que o pretendemos sustentável e equilibrado às necessidades, combinando a responsabilidade do Estado e a participação comunitária. 40. Nessa perspectiva, aprovou a Lei de Bases da Protecção Social (Lei Nº7/04, de 15 de Outubro), instrumento legal que assenta num conceito extensivo de segurança social e que se pretende adaptado às actuais exigências sociais. 41. Esse instrumento legal, que tem vindo tornar-se efectivo com o crescimento da economia nacional, promove na sua essência, o bem-estar das populações, assim como estabelece os mecanismos de assistência social aos grupos mais vulneráveis e, as medidas preventivas às situações de desigualdade social.

36 42. Com efeito, constituem objectivos da protecção social, os seguintes: Atenuar os efeitos da redução dos rendimentos dos trabalhadores nas situações de falta ou diminuição da capacidade de trabalho, na maternidade, no desemprego e na velhice e, garantir a sobrevivência dos seus familiares, em caso de morte; Compensar o aumento dos encargos inerentes às situações familiares de especial fragilidade ou dependência; Assegurar meios de subsistência à população residente carenciada, na medida do desenvolvimento económico e social do país e promover conjuntamente com os indivíduos e as famílias, a sua inserção na comunidade, na plena garantia de uma cidadania responsável.

37 ORGANIZAÇÃO DA PROTECÇÃO SOCIAL A protecção social organiza-se em três níveis, nomeadamente: Protecção Social de Base; Protecção Social Obrigatória e Protecção Social Complementar. PROTECÇÃO SOCIAL Protecção Social de Base Protecção Social Obrigatória Protecção Social Complementar

38 PROTECÇÃO SOCIAL DE BASE A Protecção Social de Base visa fundamentalmente a prevenção das situações de disfunção e de exclusão, organizando, com os próprios destinatários, acções de protecção especial a grupos mais vulneráveis. Este dispositivo tem como objectivo, garantir níveis mínimos de subsistência e dignidade, através de acções de assistência a pessoas e famílias em situações especialmente graves.

39 A A protecção social de base é dirigida a população residente que se encontre em situação de falta ou diminuição dos meios de subsistência e não possa assumir na totalidade a sua própria protecção, nomeadamente: pessoas ou famílias em situação grave de pobreza; mulheres em situação desfavorecida; crianças e adolescentes com necessidades especiais ou em situação de risco; pessoa idosa em situação de dependência física ou em situação de isolamento; pessoa com deficiência, em situação de risco ou de exclusão social; desempregados em risco de marginalização.

40 Este patamar da Protecção Social é financiado através de: a) Transferências do Orçamento Geral do Estado, receitas dos órgãos administrativos dos órgãos locais do Estado; b) Donativos nacionais, internacionais ou qualquer outra forma legalmente admitida, destinados a projectos específicos; c) Comparticipações dos utilizadores de serviços e equipamentos sociais. Actualmente está em estudo um projecto de criação de um Fundo Nacional de Solidariedade e Assistência, que poderá ser constituído essencialmente por transferências do Orçamento Geral do Estado, resultantes de medidas fiscais, que financiará todos os projectos e acções da Acção Social.

41 PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA A protecção social obrigatória tem carácter comutativo e assenta numa lógica de seguro, sendo financiada através de contribuições dos trabalhadores e das entidades empregadoras, juros de mora devidos ao atraso no pagamento de contribuições, valores resultantes da aplicação de sanções, rendimentos do património, transferências do Orçamento Geral do Estado, subsídios, donativos, legados e heranças. Este dispositivo de protecção social destina-se aos trabalhadores por conta de outrem ou por conta própria e suas famílias, visando protegê-los nas situações de falta ou diminuição da capacidade de trabalho, maternidade, acidente de trabalho, doenças profissionais, desemprego, velhice, morte, bem como nas situações de agravamento dos encargos familiares.

42 PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR A protecção social complementar é de adesão facultativa, cobertura fornecida no âmbito dos regimes integrados na protecção social obrigatória. A protecção social complementar visa reforçar e complementar as prestações dos regimes obrigatórios nas eventualidades de velhice, invalidez, morte e cuidados de saúde, através de planos de pensões, dos regimes profissionais complementares e dos regimes de benefícios de saúde.

43 I GESTÃO DA PROTECÇÃO SOCIAL A Lei de Bases de Protecção Social (Lei Nº7/04), estabelece um Conselho Nacional de Protecção Social, como órgão de consulta e concertação no domínio da politica da protecção social, bem como de acompanhamento e verificação da sua implementação e alcance dos objectivos.. No entanto, por diversas razões, este órgão ainda não se encontra em funcionamento.. O sistema de protecção social é administrado pelos órgãos da política social, nomeadamente, Assistência e Reinserção Social, Saúde, Educação, etc, no seu primeiro nível (Protecção Social de Base) e os segundo e terceiro níveis (Protecção Social Obrigatória e Protecção Social Complementar) pelo Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social, Ministério das Finanças e entidades gestoras da protecção social obrigatória.

44 Em função das suas atribuições específicas, cada órgão orienta os órgãos e serviços locais, assim como os parceiros sociais a sua aplicação, dentro dos parâmetros estabelecidos pela Lei. Deste modo, compete aos órgãos e serviços locais, que compõem o aparelho administrativo, desenvolver, dinamizar e implementar acções, que concorram para a melhoria das condições de vida das populações. O Governo de Angola através do Orçamento Geral do Estado consagra 8,2% para subsídios e 5,35% para transferências sociais.

45 ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE A POBREZA

46 ESTRATÉGIA DE COMBATE A POBREZA POLITICAS SOCIAIS POLITICA ECONÓMICA

47 57. A República de Angola estabeleceu uma Estratégia Nacional de Combate a Pobreza, que actualmente é considerado o instrumento orientador para a política social, que encerra objectivos e metas para domínios considerados fundamentais para o desenvolvimento, no quadro de uma agenda global de reconstrução nacional 58. A Estratégia de Combate à Pobreza assenta num quadro de orientações de políticas sectoriais, visando dar resposta ao fenómeno de modo multisectorial nos domínios considerados prioritários: Reinserção social das pessoas directamente afectadas pelo conflito armado; Desminagem; Segurança alimentar e desenvolvimento rural; VIH/SIDA; Educação;

48 Saúde; Infra-estruturas Básicas; Emprego e formação profissional; Governação; Gestão macro-económica. Por estes domínios podemos comprovar que as intervenções de combate a pobreza, não são isoladas e que estão inseridos nos modelos de desenvolvimento com a combinação entre as políticas sociais e económicas.

49 Programas Sectoriais: 59. Para operacionalização da Estratégia de Combate à Pobreza, o Governo aprovou inicialmente ( ) um Programa Intercalar, visando responder às carências mais prementes das populações directamente afectadas pelo conflito armado e, lançar as bases para a implementação do Plano de Desenvolvimento de médio e longo prazos. 60. À nível sectorial foram estabelecidos planos de acção e programas sectoriais, visando elevar as condições de vida das populações, para se auferirem rendimentos permanentes e de produtividade.

50 PROGRAMAS ORGANISMO RESPONSÁVEL OBJECTIVOS ESTADO ACTUAL - Programas de apoio a mulher rural Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural Contribuir no combate a pobreza das famílias rurais e da mulher em particular Em execução - Programa de extensão e desenvolvimento rural Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural Visa materializar acções para reabilitação e o desenvolvimento das comunidades rurais. Em execução Programa executivo da estratégia de desenvolvimento rural do povo e combate a pobreza Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural Contribuir para a redução da fome e da pobreza e o desenvolvimento rural e integrado das comunidades Em execução Programa de desenvolvimento comunitário Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural Abastecimento da água potável, saúde pública e serviços primários de saúde, educação e formação profissional no meio rural Em execução - Programa de Vigilância Nutricional - Promoção do Aleitamento materno Ministério da Saúde Prestar assistência nutricional as crianças malnutridas e grávidas através da criação de centros nutricionais terapêuticos e suplementares Garantir aleitamento exclusivo até aos seis meses de idade Em execução Em execução - Programa de Suplementação com micronutrientes Ministério da Saúde (Vit A, ferro e ácido fólico, promove a suplementação com Vit A as crianças menores de 5 anos e mulheres puerperas Em execução - Programa merenda escolar Ministério da Educação Visa combater o insucesso e o abandono escolar Em execução - Promoção da Saúde Escolar: Água na escola; reabilitação dos sanitários e/ou construção de latrinas Ministério da Educação Visa a distribuição massiva de desparazitante nas escolas Em execução - Programa de relançamento de alfabetização e recuperação do atraso escolar Ministério da Educação Reforma curricular e redução do analfabetismo Em execução - Programa de apoio as famílias carentes Ministério da Família e da promoção da Mulher Visa o desenvolvimento integral da família e particularmente nos cuidados e protecção a 1ª infância; Visa o acesso das famílias de baixa renda a pequenos financiamentos, com vista a promoção de pequenas iniciativas geradoras de rendimentos e emprego Em execução - Programa de promoção da Mulher Rural Ministério da Família e da promoção da Mulher Visa a promoção sócio-económica da mulher rural por via de implementação de projectos de âmbito social e produtivo Em execução

51 - Programa de Suplementação com micronutrientes Ministério da Saúde (Vit A, ferro e ácido fólico, promove a suplementação com Vit A as crianças menores de 5 anos e mulheres puerperas Em execução - Programa merenda escolar Ministério da Educação Visa combater o insucesso e o abandono escolar Em execução - Promoção da Saúde Escolar: Água na escola; reabilitação dos sanitários e/ou construção de latrinas Ministério da Educação Visa a distribuição massiva de desparazitante nas escolas Em execução - Programa de relançamento de alfabetização e recuperação do atraso escolar Ministério da Educação Reforma curricular e redução do analfabetismo Em execução - Programa de apoio as famílias carentes Ministério da Família e da promoção da Mulher Visa o desenvolvimento integral da família e particularmente nos cuidados e protecção a 1ª infância; Visa o acesso das famílias de baixa renda a pequenos financiamentos, com vista a promoção de pequenas iniciativas geradoras de rendimentos e emprego Em execução - Programa de promoção da Mulher Rural Ministério da Família e da promoção da Mulher Visa a promoção sócio-económica da mulher rural por via de implementação de projectos de âmbito social e produtivo Em execução Subprograma de assistência social às pessoas em situação de vulnerabilidade Ministério da Assistência e Reinserção Social Melhorar as condições de vida dos grupos em situação de extrema pobreza através da promoção de iniciativas de auto-sustentabilidade e melhorias das condições de habitação Em execução Subprograma de reabilitação baseada na comunidade e fomento da produção agrícola Ministério da Assistência e Reinserção Social Promover a integração das Pessoas Portadoras de Deficiência na vida sócio económica das comunidades e o apoio na criação de Associações de PPDs viradas para a produção agro-pecuária Em execução

52

53 PROGRAMAS E PROJECTOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL AOS GRUPOS VULNERÁVEIS Programa de expansão da rede de equipamentos da Primeira Infância; Programa Infantil Comunitário e de Educação Comunitária; Programa de Localização e Reunificação Familiar de Crianças Separadas; Projecto Leite e Papa; Projecto Mães Tutelares; Creches Comunitárias; Centros de Acolhimento de Educação, Ensino e Inserção Social de Crianças

54 ASSISTÊNCIA À PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA Reabilitação Baseada na Comunidade Cooperativas de Moto-Taxi Cooperativas de Geração de Renda ASSISTÊNCIA Á PESSOA IDOSA Lares de Assistência á Pessoa Idosa Centros de Artesanato Projectos de Terapia Ocupacional(Olaria, Costura) Projecto de Moageiras

55 PROGRAMA DE PROMOÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS VULNERÁVEIS VEIS Desde 1999 que o Governo de Angola implementa um programa de Micro-crédito dirigido essencialmente às mulheres residentes em áreas peri-urbanas e rurais, como forma de reforço da capacidade desse extracto da população, que é o garante e o pilar da família. Assistência alimentar Centros comunitários Auto-construção dirigida de habitações

56

57 FIM DA APRESENTAÇÃO

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 JORNADAS TÉCNICAS SUBSAHARIANAS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009 Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 1-CONSTRUÇÃO

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social Por: Miguel A. Maússe Maputo, 19 de Junho de 2009 1 Conceitos Básicos Protecção social: conjunto de medidas visando atenuar, na medida

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

MAPA DA GUINÉ-BISSAU. VIII Reuniao dos Ministros do TAS da CPLP-Conferencia de Peritos

MAPA DA GUINÉ-BISSAU. VIII Reuniao dos Ministros do TAS da CPLP-Conferencia de Peritos MAPA DA GUINÉ-BISSAU 1 INTRODUÇÃO Após a independência do país, em 1974, registaram-se várias tentativas de organização de um Sistema Nacional de Segurança Social orientadas, por um lado, para ultrapassar

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

# # $ & '! ( % ) * # + %,!--./! --0/!, /.! --1 2 '! 3 -/ 4 5 6 7(.889:.88; (! <.889!% 0/ 4 % #>? ' 7.88;=

# # $ & '! ( % ) * # + %,!--./! --0/!, /.! --1 2 '! 3 -/ 4 5 6 7(.889:.88; (! <.889!% 0/ 4 % #>? ' 7.88;= !" # # $ % & '! ( % ) * # + %,!--./! --0/!, /.! --1 2 '! 3 -/ 4 5 6 7(.889:.88; (! 6!!'= 9/!= B)@2-9.889= 6CD2EFC74

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ruth Castel-Branco, Organização Internacional do Trabalho Conferencia do SASPEN Maputo, 2 de Setembro 2014 Sumário Contexto A Protecção

Leia mais

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções?

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? A Acção Social Produtiva no Quadro da Regulamentação do Subsistema de Segurança Social Básica e da Estratégia Nacional e Segurança

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos CONSELHO DE MINISTROS RESOLUÇÃO Nº 29/05 DE 27 DE JULHO Considerando que a Juventude é a principal força impulsionadora do desenvolvimento da sociedade; Atendendo ao

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza)

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. CAPÍTULO I Natureza e atribuições. Artigo 1.º (Natureza) ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I Natureza e atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Assistência e Reinserção Social, adiante designado por MINARS

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002

GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002 GÉNERO NO CONTEXTO DO SISTEMA EDUCATIVO EM ANGOLA (2º Forum Lusófono de Mulheres em Postos de Decisão) Francisca Espírito Santo 15 de Julho de 2002 1 Caracterização da situação A educação é um direito

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: a experiência de Timor-Leste. Por Cármen da Cruz, Directora Nacional da Assistência Social

Sistemas de Protecção Social: a experiência de Timor-Leste. Por Cármen da Cruz, Directora Nacional da Assistência Social Sistemas de Protecção Social: a experiência de Timor-Leste Por Cármen da Cruz, Directora Nacional da Assistência Social Os três organismos sucessivos responsáveis pela protecção social em Timor-Leste 1.

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde CENTR0 NACIONAL DE PENSÕES SOCIAIS, REPÚBLICA DE CABO VERDE As pensões sociais do regime não em Cabo Verde René Ferreira, Presidente do CNPS Breve contextualização do país Aspectos geogáficos; Dados demográficos;

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL LEI nº 7/04 DE 15 DE OUTUBRO

ASSEMBLEIA NACIONAL LEI nº 7/04 DE 15 DE OUTUBRO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL LEI nº 7/04 DE 15 DE OUTUBRO O desenvolvimento económico sustentável de qualquer comunidade organizada deve combinar-se estreitamente com o desenvolvimento social,

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte:

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: LEI N.º /03 de de A existência de uma Lei Geral Tributária é hoje corrente em muitos Estados, representando um instrumento de racionalização, de estruturação e de estabilidade dos sistemas tributários.

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1. Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança

Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1. Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança Intervir, hoje, na promoção e defesa dos direitos da criança 1 Novos desafios, novas responsabilidades, nova esperança Armando Leandro Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre

Bases SólidasS. Educação e Cuidados na Primeira Infância. Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Curso: Ciências da Educação Ano lectivo: 2007/2008 2º Ano / 1º Semestre Bases SólidasS Educação e Cuidados na Primeira Infância Docente: Prof. Nuno Silva Fraga Cadeira: Educação Comparada A Educação Primária

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

A protecção social e as crianças

A protecção social e as crianças A protecção social e as crianças Anthony Hodges Consultor ao UNICEF Seminário do MMAS e da OIT no Bilene, Moçambique, do 7 ao 9 de Maio de 2010 Plano da apresentação Importância da protecção social para

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Revisão dos Mecanismos de Coordenação e Resposta à Seca no Sul de Angola. Cunene, Huila e Huambo

Revisão dos Mecanismos de Coordenação e Resposta à Seca no Sul de Angola. Cunene, Huila e Huambo Revisão dos Mecanismos de Coordenação e Resposta à Seca no Sul de Angola Cunene, Huila e Huambo Março 2014 1 1. Análise da situação Nos últimos anos, Angola tem sentido o impacto recorrente das alterações

Leia mais

Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens

Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens 1-Presença Salesiana em Angola Os salesianos estão em Angola desde 1981 e hoje se fazem presentes em Dondo, Benguela, Luena, Kalulo,

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Assembleia Nacional Lei n.º 1/06 de 18 de Janeiro A inserção na vida activa da população desempregada, sobretudo, os jovens à procura do

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal

Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Ficha de Projecto Março/2007 Designação Localização Parceria Acordo de Parceiros inicial de 16-12-04, revisto e assinado em 31-01-07 Deliberação tomada na reunião do Conselho de Parceiros em 16-08-06 Deliberação

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO (PALÁCIO DE VIDRO LUANDA AV. 4 DE FEVEREIRO, 7 ) 0 BEM VINDOS A CONFERÊNCIA E EXPOSIÇÃO IPAD ANGOLA 1 PALESTRA SOBRE PROGRAMA DE CONEXÃO DAS ZONAS REMOTAS COM AS GRANDES CIDADES-

Leia mais

Políticas sociais e combate às desigualdades. Piedade Lalanda. Grupo Parlamentar do Partido Socialista

Políticas sociais e combate às desigualdades. Piedade Lalanda. Grupo Parlamentar do Partido Socialista Políticas sociais e combate às desigualdades Grupo Parlamentar do Partido Socialista Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores A estrutura do Plano e Orçamento para 2009, no

Leia mais

AGRITEC ID - EMRC International Business Forum 2011

AGRITEC ID - EMRC International Business Forum 2011 AGRITEC ID - EMRC International Business Forum 2011 Lisboa, Portugal 20 21 de Janeiro de 2011 Contribuição do Comité Nacional para Promoção da Mulher Rural, no Trabalho com as Comuinidades Rurais em Angola

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM. Exposição de motivos

PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM. Exposição de motivos PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM Exposição de motivos 1 A protecção dos direitos e liberdades fundamentais, individuais ou colectivos, a promoção dos direitos sociais, económicos

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

Constituição da República Portuguesa Associações

Constituição da República Portuguesa Associações Constituição da República Portuguesa Associações Artigo 46.º Liberdade de associação 1. Os cidadãos têm o direito de, livremente e sem dependência de qualquer autorização, constituir associações, desde

Leia mais

Ajuda internacional e consolidação da paz em Angola Conclusões e recomendações

Ajuda internacional e consolidação da paz em Angola Conclusões e recomendações Ajuda internacional e consolidação da paz em Angola Conclusões e recomendações Reunião Luanda, 24 de Abril de 2007 1. Contexto e sua relação com as dinâmicas de ajuda internacional em Angola Frequentemente

Leia mais

Situação das Crianças em Moçambique 2014

Situação das Crianças em Moçambique 2014 Situação das Crianças em Moçambique 2014 No decurso da última década, a situação das crianças em Moçambique avançou significativamente. Mais crianças estão a sobreviver e a ter acesso ao sistema de protecção

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Presidente da Assembleia Nacional na cerimónia de abertura do XV Fórum da Associação A PONTE. Senhor Presidente do Conselho Directivo da Associação

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro e implementada ao abrigo do Programa

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério da Defesa Ministério do Comércio A Dinamização do Comércio, Redes de Distribuição e Incentivo ao Investimento Privado Uma Oportunidade de Negocio para a Itália Por: Álvaro Augusto Soares Paixão

Leia mais

RELATÓRIO DO I TRIMESTRE DE 2015 DAS ACTIVIDADES NO AMBITO DO PROJECTO EMPODERAMENTO DA MULHER ANGOLANA

RELATÓRIO DO I TRIMESTRE DE 2015 DAS ACTIVIDADES NO AMBITO DO PROJECTO EMPODERAMENTO DA MULHER ANGOLANA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA FAMÍLIA E PROMOÇÃO DA MULHER DIRECÇÃO NACIONAL PARA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO RELATÓRIO DO I TRIMESTRE DE 2015 DAS ACTIVIDADES NO AMBITO DO PROJECTO EMPODERAMENTO

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Memorando Sobre o Estado da Cooperação entre a República de Angola e a União Europeia

Memorando Sobre o Estado da Cooperação entre a República de Angola e a União Europeia REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO PLANEAMENTO UNIDADE TÉCNICA E ADMINISTRATIVA PARA A COOPERAÇÃO ACP-CE Memorando Sobre o Estado da Cooperação entre a República de Angola e a União Europeia Junho de 2003

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais