SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA"

Transcrição

1 SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a benefícios relacionados com pobreza, doenças crónicas, incapacidade física ou mental e idade. Muitos angolanos foram vítimas directas ou indirectas da guerra e esta é uma das causas da condição de precariedade em que se encontram grandes segmentos da população, muitos em estado de pobreza e vulnerabilidade, particularmente crianças e mulheres, devido ao insuficiente funcionamento dos serviços sociais, à destruição de infraestruturas e à deslocação massiva de populações, principalmente das áreas rurais para as áreas urbanas. 2- Angola vive hoje um clima de estabilidade política e, consequentemente, de segurança, o que constitui uma oportunidade singular para o estabelecimento de um quadro estratégico comum, entre os diferentes actores sociais, para a implementação das Políticas Sociais Públicas, como mecanismo de resolução dos desequilíbrios económicos e sociais provocados pelo longo período de conflito armado que o país viveu. 3- Quase 30% da população angolana foi deslocada. As capitais provinciais e muitas sedes municipais ficaram superpovoadas e os serviços em toda a extensão do país estiveram sob enorme pressão, deixando as pessoas vulneráveis, sem acesso aos cuidados primários de saúde, água potável e educação. Esta situação provocou extrema pobreza a inúmeras famílias angolanas. 4- De acordo com os resultados do Inquérito às Receitas e Despesas das Famílias, realizado no ano 2000 pelo Instituto Nacional de Estatística, cerca de 68% da população vive em situação de pobreza, dos quais 28% em situação de extrema pobreza. Dentre os factores determinantes da vulnerabilidade estrutural das famílias e das crianças em Angola estão as condições sociais e económicas, a falta de acesso a serviços básicos e a mecanismos de protecção social. 5- Sabe-se que o exercício para a erradicação da pobreza é difícil e complexo mas é possível atenuar, melhorar e transformar a situação dos homens, mulheres e crianças que se encontram nesta situação. 1

2 II- PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA : Legislação e Medidas em Funcionamento 6- A Lei de Protecção Social, 2004, 15 de Outubro, estabeleceu as bases de protecção social, tratando principalmente das medidas de prevenção descritas acima. A lei define três níveis de protecção social: Protecção Social de Base Baseada nos fundos públicos, sem contributos dos beneficiários e direccionada para os mais pobres. Protecção Social Obrigatória Baseada numa lógica de seguro, financiada através das contribuições dos trabalhadores, que oferece uma serie de direitos aos trabalhadores no sector formal. Protecção Social Complementar De adesão facultativa que ofereça os contributos para pensões de velhice, invalidez, morte e cuidados de saúde. 7- Actualmente, o Ministério da Administração Pública Emprego e Segurança Social (MAPESS) avançou rapidamente com a regulamentaçao da protecção social obrigatória. Já existem benefícios em pleno funcionamento incluindo a pensão de reforma, subsidio de maternidade, subsidio de aleitamento, subsídio de morte. Estas medidas incluem um subsídio de sobrevivência para crianças órfãs do valor até 70% do último salário dos falecidos pais. A maioria destes benefícios foi regulamentado em 2005 e são extremamente importantes como medidas de prevenção. - A Lei de Protecção Social 2004 prevê as necessidades e direitos do grupo mais pobre através do Artigo nº 31, sobre o estabelecimento do Fundo de Solidariedade e Assistência Social. O Fundo ainda não foi estabelecido mas o III Fórum Nacional da Criança recomendou que fossem adoptados mecanismos para estabelecer o Fundo. 8- Além das provisões do MAPESS no contexto de protecção social obrigatória, existem também, fundos para crianças órfãs devido a guerra. Crianças órfãs de antigos combatentes, a maioria sendo órfã somente de pai, têm o direito de receber um subsidio de sobrevivência de KZ. Mensal, por criança. Actualmente cerca de crianças estão a receber este valor do Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra e um segundo grupo na base da Caixa dos Antigos Combatentes. Em geral, a pensão da criança órfã mais a pensão que a mãe viúva recebe é suficiente para as crianças viverem com dignidade, manter-se na escola, alimentar-se e vestir-se bem. 2

3 - Em Setembro de 2007 foi realizado um Seminário sobre Crianças Órfãs e Vulneráveis na Província do Cunene que recomendou que houvesse um subsídio monetário de US$ 50 por família até duas crianças e mais US$ 20 por cada criança além de duas. OUTRAS MEDIDAS DE PROTECÇAO SOCIAL EM ANGOLA 9- Além das provisões da Lei de Protecção Social, existem várias outras medidas de protecção social algumas das quais já em funcionamento, outras ainda por regulamentar ou estabelecer, a saber: i) Recuperação de atraso escolar Resolução nº 9/07 Aprova a Estratégia de Recuperação do Atraso Escolar que prevê o estabelecimento de cerca de 8000 alfabetizadores ao nível do país, com uma mensalidade US$ 100 por alfabetizador. Esta medida já está em funcionamento em algumas províncias. ii) iii) iv) Bolsa de estudo interno (incluído no Regulamento Interno da Direcçao Nacional de Acçao Escolar 131/06). O regulamento existe mas os procedimentos detalhados ainda não foram estabelecidos e actualmente não esta a funcionar. Eventualmente podia apoiar as crianças mais pobres nos materiais básicos que precisam para garantir a sua inclusão na escola (batas, cadernos, lapiseiras, etc.). Merenda escolar que será generalizada a todo o país neste ano de 2008 e deverá atingir crianças da escola primária. PIC/PECs cujo objectivo é reforçar as capacidades de famílias e comunidades para facultarem educação e cuidados da primeira infância. O objectivo estabelecido é atingir uma cobertura de 30% das crianças em serviços da primeira infância. v) Legislação para apoio às famílias tutelares de crianças separadas e órfãs (em rascunho). Esta legislação prevê um subsídio monetário além de acompanhamento por parte do MINARS. 3

4 III- ACÇOES DO MINARS PARA AS CRIANÇAS ORFÃS E VULNERÁVEIS 10- A Protecção Social pretende reduzir a vulnerabilidade económica e social dos grupos pobres, vulneráveis e marginalizados. A noção de protecção social inclui o conceito de dignidade e condições mínimas ao longo do ciclo da vida a partir da primeira infância até à terceira idade. O Governo de Angola, através do MINARS, está a coordenar as respostas sociais para as crianças órfãs e vulneráveis. Nos últimos dois anos, foram realizadas as seguintes acções: - Em 2006 realizou uma pesquisa Análise e Avaliação Rápida sobre o Impacto do VIH-SIDA nas Crianças e Famílias Vulneráveis (RAAAP) e elaborou o Plano Nacional de Acção sobre as Crianças Órfãs e Vulneráveis; - Em Março de 2007, o MINARS com apoio do UNICEF e colaboração com as comunidades está a estabelecer um Banco de Dados de Crianças Órfãs e Vulneráveis para colmatar as lacunas em informação sobre a situação do VIH-SIDA nas províncias do Cunene, Uíge, Kuando-Kubango, Huambo, Benguela, Lunda-Sul e Moxico. - Em Junho de 2007, foi realizado o III Fórum da Criança Angolana que reafirmou a necessidade de se promover uma política e acçöes para diminuir a vulnerabilidade das crianças infectadas e afectadas por VIH-SIDA. - Em Setembro de 2007, foi realizado um Seminário promovido pelo Governo da Província do Cunene sobre Modalidade de Apoio Directo as Crianças Órfãs e Vulneráveis no Âmbito do VIH-SIDA - Além destas acçöes, o Instituto Nacional de Luta Contra o SIDA publicou o Plano Estratégico Nacional para o Controlo das Infecções de Transmissão Sexual, VIH e SIDA, 2007 a 2010 em Dezembro de O Plano refere à necessidade de criar mecanismos de protecção social para as crianças afectadas pela SIDA. Em síntese, actualmente há necessidade de finalizar uma Política e acçöes integradas para a protecção social das crianças órfãs e vulneráveis. 4

5 IV- PROTECÇAO E ASSISTÊNCIA À PESSOA IDOSA 11- Em 2004, o Governo realizou o Encontro Nacional sobre Protecção e Assistência à Pessoa Idosa, sob o lema Protecção e Assistência a Pessoa Idosa: Dever do Estado, Obrigação de Todos. - O evento teve como objectivo principal, a recolha de contribuições, para o estabelecimento de uma política nacional de protecção da pessoa idosa. Pretendia-se, igualmente, chamar a atenção da sociedade para o respeito e dignidade, que merece este extracto da população. - Foram elaborados dois projectos, nomeadamente, a Política Nacional do Idoso e a Estratégia para sua Implementação. 12- Os referidos documentos foram submetidos ao Governo no ano 2006 e, aguardam a sua aprovação, para que se possam desenvolver, de forma coordenada e integrada as seguintes acções: a) Definição de um Plano Nacional Multidisciplinar de Referência, com programas e acções, de curto, médio e longo prazo, visando a melhoria das condições de vida da pessoa idosa; b) Elaboração de instrumentos legais com mecanismos concretos de protecção do idoso; c) Criação de Conselho Nacional do Idoso. 13- Relativamente a assistência social, estão em curso projectos de terapia ocupacional e de promoção sócio-economica dos idosos. Esta igualmente em curso um projecto de reabilitação e apetrechamento dos lares de idosos. - Prevê-se para o ano em curso a construção de mais cinco instituições de assistência ao idoso, nas províncias de Benguela, Moxico, Luanda e Huambo; - Em todas as províncias do país os idosos mais carenciados, beneficiam dentro das disponibilidades, de um apoio alimentar (cesta básica), apesar de ainda não ter sido estabelecida legislação específica para o efeito. - Aguarda-se pela aprovação da Politica Nacional para a implementação da prestação de um subsídio ao idoso. 5

6 EXPERIÊNCIAS O Governo de Angola tem desenvolvido várias actividades no que toca ao dispositivo permanente de protecção social que visam: i) Alivio de pobreza e vulnerabilidade crónica. Normalmente são direccionadas à população cronicamente pobre, às crianças órfãs, refugiadas, deslocadas e as que vivem e trabalham na rua. Incluem famílias de acolhimento, a garantia de serviços básicos de saúde, educação gratuita, o acesso ao registo de nascimento gratuito, etc. ii) iii) Diminuir os riscos que podem provocar ou aumentar a pobreza, como sistemas de pensões, segurança social, segurança de saúde, abono de maternidade ou desemprego. Aumentar o rendimento familiar e desenvolver o capital humano. Isto inclui microfinanças ou projectos geradores de rendimento. Para crianças da primeira infância e adolescentes, inclui investimento em educação da primeira infância e em formação técnico profissional. IMPLEMENTADORES 1- Ministério da Saúde Campanhas de Vacinação gratuita Saúde Materno e Infantil gratuito 2- Ministério da Educação Educação e ensino gratuito Merenda Escolar Distribuição de Material escolar obrigatória Primeiro Nível 3- Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra Sistema de Pensões 6

7 4- Ministério da Justiça Registo de nascimento gratuito Gratuitidade de apoio aos serviços judiciários 5- Ministério da Família e Promoção Social Micro-credito 6- Ministério da Juventude e Desportos Gratuidade do desporto Auto-emprego (formação e distribuição de Kits para lavadores de carro) Casa do estudante 7- Ministério da Assistência e Reinserção Social Apoio aos Lares de Idoso i) Os idosos independentes da comunidade beneficiam de apoio alimentar ( cesta básica) e aguardam pela aprovação da atribuição de subsidio. Apoio aos Lares de Infância i) Programa de Localização Familiar ii) Projectos Alternativos de Atendimento iii) Programa de apoio aos órfãos devido ao VIH- SIDA PIC/PECs cujo objectivo é reforçar as capacidades de famílias e comunidades para facultarem educação e cuidados da primeira infância. Programa Baseado na Comunidade para Pessoas P. de Deficiência - Programa integrado i) MINARS : rastreio, apoio psicossocial, aquisição de Kits 7

8 ii) iii) iv) MINSA: reabilitação física, colocação de próteses MAPESS: formação profissional MED: Educação / alfabetização - Projecto Coca-Cola Formação Kit 8

Sistemas de Protecção Social: a experiência de Timor-Leste. Por Cármen da Cruz, Directora Nacional da Assistência Social

Sistemas de Protecção Social: a experiência de Timor-Leste. Por Cármen da Cruz, Directora Nacional da Assistência Social Sistemas de Protecção Social: a experiência de Timor-Leste Por Cármen da Cruz, Directora Nacional da Assistência Social Os três organismos sucessivos responsáveis pela protecção social em Timor-Leste 1.

Leia mais

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções?

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? A Acção Social Produtiva no Quadro da Regulamentação do Subsistema de Segurança Social Básica e da Estratégia Nacional e Segurança

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social Por: Miguel A. Maússe Maputo, 19 de Junho de 2009 1 Conceitos Básicos Protecção social: conjunto de medidas visando atenuar, na medida

Leia mais

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde CENTR0 NACIONAL DE PENSÕES SOCIAIS, REPÚBLICA DE CABO VERDE As pensões sociais do regime não em Cabo Verde René Ferreira, Presidente do CNPS Breve contextualização do país Aspectos geogáficos; Dados demográficos;

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. em Angola GOVERNO DA ANGOLA

REPÚBLICA DE ANGOLA. em Angola GOVERNO DA ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA Promoção e Protecção Social em Angola GOVERNO DA ANGOLA EXPERIÊNCIA DE ANGOLA EM PROMOÇÃO E PROTECÇÃO SOCIAL BREVE MONOGRAFIA DE ANGOLA 1. SÍNTESE GEOGRÁFICA A República de Angola

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

LISTAGEM DAS PRESTAÇÕES, DOS PROGRAMAS E DOS PROJECTOS EM PROTECÇÃO SOCIAL ENAD. 16 DE NOVEMBRO. 2015

LISTAGEM DAS PRESTAÇÕES, DOS PROGRAMAS E DOS PROJECTOS EM PROTECÇÃO SOCIAL ENAD. 16 DE NOVEMBRO. 2015 LISTAGEM DAS PRESTAÇÕES, DOS E DOS EM PROTECÇÃO SOCIAL ENAD. 16 DE NOVEMBRO. 2015 I PRESTAÇÕES SOCIAIS 1. MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, TRABALHO E SEGURANÇA SOCIAL Pensão de reforma ordinária Decreto

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

A protecção social e as crianças

A protecção social e as crianças A protecção social e as crianças Anthony Hodges Consultor ao UNICEF Seminário do MMAS e da OIT no Bilene, Moçambique, do 7 ao 9 de Maio de 2010 Plano da apresentação Importância da protecção social para

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique

PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE. Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL PROTECÇÃO SOCIAL EM MOÇAMBIQUE Enquadramento, Políticas e Programas em Moçambique MAPUTO, 02 de Setembro de 2014 ESTRUTURA 1. Contexto 2.

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique

Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ser Mãe, Ser Trabalhadora: a Protecção da Maternidade em Moçambique Ruth Castel-Branco, Organização Internacional do Trabalho Conferencia do SASPEN Maputo, 2 de Setembro 2014 Sumário Contexto A Protecção

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola

Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola Microfinancas e Desafios da Habitação em Angola Allan Cain DEVELOPMENT WORKSHOP Fórum Urbano Nacional Huambo, 05 Otubro 2009 Desafio da Pobreza Urbana O mercado informal foi a principal forma de subsistência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens

Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens 1-Presença Salesiana em Angola Os salesianos estão em Angola desde 1981 e hoje se fazem presentes em Dondo, Benguela, Luena, Kalulo,

Leia mais

Evolução do Número de Beneficiários do RSI

Evolução do Número de Beneficiários do RSI Evolução do Número de Beneficiários do RSI Carlos Farinha Rodrigues De acordo com os dados do Instituto da Segurança Social (ISS), em Julho houve 269.941 pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirílo da Conceição e Silva, 42,

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

Por Edwin Kaseke Universidade de Witwatersrand, Escola de Humanos e Desenvolvimento Comunitário

Por Edwin Kaseke Universidade de Witwatersrand, Escola de Humanos e Desenvolvimento Comunitário Por Edwin Kaseke Universidade de Witwatersrand, Escola de Humanos e Desenvolvimento Comunitário Introdução Seguro social é uma forma contributiva de segurança social que protege os trabalhadores e suas

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas

Protecção Social para um Crescimento Inclusivo. Nuno Cunha Nações Unidas Protecção Social para um Crescimento Inclusivo Nuno Cunha Nações Unidas Contexto moçambicano O País tem experienciado um crescimento económico impressionante nos últimos 15 anos Importantes progressos

Leia mais

ORGANOGRAMA DO SISTEMA EDUCATIVO - ANGOLA (reforma educativa - fase de transição. ão) 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª

ORGANOGRAMA DO SISTEMA EDUCATIVO - ANGOLA (reforma educativa - fase de transição. ão) 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª Prosseguimento de estudos 12ª 11ª 10ª 12ª 11ª 10ª 9ª 8ª 7ª 9ª 8ª 7ª 6ª 5ª 4ª 3ª 2ª 1ª 9ª Classe (Transição) Mercado de trabalho Formação Média-Técnica Mercado de trabalho Ensino Ensino Secundário (1º Ciclo)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.06) PROPRIEDADE

Leia mais

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades INTRODUÇÃO O IC, criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 64/2001, de 3 de Setembro, é um serviço personalizado do Estado, encarregue de promover e executar a política governamental relacionada

Leia mais

República de Angola Ministério da Educação

República de Angola Ministério da Educação República de Angola Ministério da Educação (READ) Ponto de Situação do Desenvolvimento do Sistema Nacional de Avaliação das Aprendizagens Moscovo, Rússia 30 de Setembro 2 de Outubro, 2009 I Conferência

Leia mais

O SISTEMA DA PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA: FUNDAMENTOS, OBJECTIVOS E MEIOS DE FINANCIAMENTO

O SISTEMA DA PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA: FUNDAMENTOS, OBJECTIVOS E MEIOS DE FINANCIAMENTO O SISTEMA DA PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA: FUNDAMENTOS, OBJECTIVOS E MEIOS DE FINANCIAMENTO DR. MANUEL MOREIRA Coordenador do PSGSS ENAD. 16 DE NOVEMBRO DE 2015 OBJECTIVOS DA PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA Atenuar

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 JORNADAS TÉCNICAS SUBSAHARIANAS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009 Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 1-CONSTRUÇÃO

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o

Sendo manifesto que estas incertezas e insegurança económica sentidas por. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o equilíbrio das famílias, crianças e jovens Europeus e Portugueses. milhões de cidadãos Portugueses e Europeus são um sério bloqueio para o milhões de cidadãos Europeus e Portugueses, o receio quanto ao

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades Emprego Digno: Inclusão Social e Protecção Social O aumento da longevidade está a criar uma nova fronteira para a humanidade, a ampliar as nossas perspectivas

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038

Relatório. Paquistão: Cheias 2010. Resumo. Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Relatório Actualização sobre os primeiros 12 meses de operações. Paquistão: Cheias 2010 Apelo Nº. MDRPK006 Título do Apelo: Paquistão, Cheias Monçónicas Pledge Nº. M1009038 Este relatório cobre o período

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências O compromisso das Nações Unidas para a melhoria do Estado das pessoas com deficiências Mais de quinhentos milhões de pessoas são portadoras de deficiências,

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS

REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS PREAMBULO No âmbito da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redação dada pela Lei n.º 5-A/2002 e da Lei n.º 159/99 de 14 de Setembro, de 11 de Janeiro, compete

Leia mais

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões O Decreto-Lei n.º 12/2006, de 20 de Janeiro - que estabelece o regime jurídico da constituição

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais