A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra."

Transcrição

1 A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. G. Weinberg 1

2 A ideia de qualidade é aparentemente intuitiva. Contudo, quando examinado mais longamente, o conceito se revela complexo. 2

3 Definir qualidade para estabelecer objetivos é, assim, uma tarefa menos trivial do que aparenta a princípio. 3

4 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE O controle de qualidade e o uso dos padrões ISO vem influenciando a forma como a qualidade tem sido usada nas últimas décadas, mas historicamente o assunto é muito antigo. Através de relatos existentes há mais de quatro mil anos, os egípcios estabeleceram um padrão de medida de comprimento conhecido como cúbito, correspondente ao comprimento do braço do faraó reinante. Utilizado como unidade de medida nas construções egípcias. O único problema era quando um novo faraó assumia o poder, a unidade de medida também se modificava. A punição para quem não aceitava a mudança era a morte. 4

5 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE Um dos grandes marcos na história da qualidade foi a revolução industrial. Nesse mesmo período está também associado a profundas mudanças econômicas e sociais, como o início da automação e o surgimento do consumo de massa. Na década de 1920 surgiu o controle estatístico de produção, garantindo a produção de grandes quantidades. Na década de 1940 surgiram vários organismos ligados à qualidade. Temos como exemplo: a ASQC (American Society for Quality Control), a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e, ainda, a ISO (International Standardization Organization). 5

6 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE No pós-guerra, o impulso recebido pelas indústrias se manteve. Os computadores digitais em uso na época estavam restritos a meios militares e acadêmicos. Só após alguns anos as máquinas se tornaram mais acessíveis e um maior número de pessoas as utilizava. A qualidade dos softwares começou a se mostrar um objetivo mais importante. Um dos fatores com grande influência negativa na qualidade de um projeto é a sua complexidade, associada a uma característica muito simples: o tamanho das especificações. 6

7 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE Exemplo de complexidade: Construir um prédio de 10 andares implica em tratar um número de problemas muito maior do que os existentes em uma simples residência. A diferença entre as duas construções, se analisarmos a fundo, está longe de ser resolvida apenas com um número maior de tijolos e uma quantidade maior de argamassa. Em programas de computador, o problema de complexidade e seu tamanho é ainda mais grave, em razão das interações entre os diversos componentes do sistema. 7

8 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE Em meados da década de 1950, segundo a lei Grosch (Pick et al., 1986), acreditava-se em uma relação, onde o desempenho de um computador deveria ser proporcional ao quadrado de seu preço. De acordo com essa lei uma ideia interessante seria juntar um grupo de usuários e adquirir um computador de grande porte, conhecido como mainframe. Também era muito comum nessa época alugar uma máquina direto de seu fabricante. Quando era encontrado problemas mais complexos, significava a necessidade de se alugar máquinas maiores. 8

9 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE Mas como eram essas grandes máquinas nessa época? A memória semicondutora fora criada em 1966 (por Robert H. Dennard, na IBM) e produzida pela Intel só em Em 1971, surgiu o primeiro microprocessador em silício de nome Intel 4004, possuía uma CPU de 4 bits utilizando menos de 3 mil transístores, possuía tanto poder de processamento quanto o ENIAC, , que possuía 18 mil válvulas. Assim, um computador grande, em 1960, era uma máquina ocupando uma sala de dezenas de metros quadrados! 9

10 As novas tecnologias da época tiveram um grande efeito na produção de software. Os recursos de hardware se desenvolveram permitindo a criação de produtos mais complexos. A maior causa da crise do software é que as máquinas tornaram se várias ordens de magnitude mais potentes! Em termos diretos, enquanto não havia máquinas, programar não era um problema. Quando tivemos computadores fracos, isso se tornou um problema pequeno. Agora que temos computadores gigantescos, programar tornou-se um problema gigantesco. Dijkstra,

11 O relatório da conferência, realizado 1968, do Comitê de Ciência da NATO, revelou que: os problemas encontrados na época são os mesmos que encontrados atualmente. Exemplos: Cronogramas não observados ou não seguidos; Projetos com tantas dificuldades que acabam sendo abandonados; Módulos que não operam corretamente quando combinados; Os programas não fazem exatamente o que se esperava; Os programas difíceis de usar, muitas vezes são descartados; Programas que simplesmente param de funcionar. Um exemplo mais conhecido foi o Bug do Milênio, quando foi citado que seria o apocalipse dos sistemas informatizados. 11

12 A PARTIR DESTE SLIDE ATÉ O ÚLTIMO DESTA APRESENTAÇÃO O ASSUNTO FOI RETIRADO DO Capítulo 17 Gerenciando a Qualidade de Software com Base em Requisitos Qualidade de Software: Teoria e Prática, Orgs. Rocha, Maldonado, Weber, Prentice-Hall, São Paulo,

13 Obter qualidade nos processos e produtos de engenharia de software não é uma tarefa trivial, comum ou fácil. Vários são os fatores de dificuldade para atingirmos os objetivos de qualidade. Nada existe nada mais decepcionante do que produzir software que não satisfaça as necessidades dos clientes. Derivados da falta de atenção na definição das tarefas a executar e em acompanhar a evolução dos requisitos durante o processo de construção de software. Precisamos seguir as definições de construção e os requisitos, assim teremos os processos sendo desenvolvidos de maneira fundamental para a qualidade do software ou do produtos que será implantado. 13

14 Ao falarmos de qualidade software e de toda sua engenharia, estamos falando ao mesmo tempo de seus produtos e de seus processos. Não adianta colocarmos nossa atenção apenas no produto ou no processo. Necessitamos que as duas visões caminhem juntas. Quando lidamos com a qualidade, necessitamos que os processo de produção sejam claros e específicos quanto ao nível de qualidade e do produto a se obter. 14

15 A engenharia de software contempla uma visão orientada a qualidade do produto. Dentro dessa visão destacamos três aspectos dominantes para a pesquisa e a prática no desenvolvimento de software: 1. Prioridade na qualidade das representações. 2. Entender que a qualidade de um produto é formatada por um conjunto de vários tipos testes no decorrer de seu desenvolvimento e com as pessoas que estarão utilizando. 3. O processo de produção necessita estar centrado em fases (módulos de produção), definidos e documentados. 15

16 A qualidade das representações, executáveis ou não, são um importante aspecto na engenharia de software. Linguagens de programação robustas, maior confiabilidade e maior nível de abstração são muito discutidos, pois possuem alto grau de desenvolvimento. Muitas vezes essas discussões saiam do nível técnico e passavam para discussões voltadas aos gostos pessoais. A visão inicial do processo de produção, ou ciclo de vida do software, estava centrada no desenvolvimento de produtos e regras usando definições voltada ao produto final e não as suas etapas de produção. 16

17 Atualmente os engenheiros possuem uma visão mais ampla dos processos de produção: Primeiro O processo de produção deverá ser fundamental para obtermos produtos de qualidade. Segundo Devemos possuir uma visão equilibrada dos aspectos essenciais e acidentais contidos no uso pela engenharia de software. Terceiro A sociedade passa a entender melhor os custos relacionados com a evolução do software. 17

18 Possuir uma visão sobre a construção de software como um processo onde: normas, procedimentos e gerência, precisam estar bem definidos, garantindo a qualidade dos produtos. Difere da visão do processo de produção onde centralizamos o processo em fases/produtos. Nesta visão, a gerência passa a ser vista como um aspecto técnico, baseado na experiência, deixando em segundo plano o conhecimento baseado na engenharia de software. 18

19 Vamos analisar a importância dos aspectos essenciais salientada por Fred Brooks [Brooks 87]: "A parte mais difícil de construir um sistema de software é decidir precisamente o que construir. Outro ponto crucial é a parte do trabalho conceitual, tão difícil como instituir uma técnica detalhada dos requisitos, incluindo toda a interface para as pessoas, máquinas e outros softwares nos sistemas. Não se pode falhar em nenhuma parte do trabalho, pois enfraquecerá as resultantes do sistema, causando um efeito contrário ao desejado, o que seria muito difícil de se retificar. 19

20 Assim a QUALIDADE do produto software passa a ser um componente comum junto com outros produtos, desde carros, fornos de micro-ondas, elevadores, telefones, até sistemas de informação organizacionais. Exigindo que tenha qualidade compatível com o produto e um custo que seja o menor possível. Sendo esta exatamente a função da engenharia, procurar sistemas de melhor qualidade dentro de um custo compatível com essa qualidade, otimizando a redução de custos. 20

21 A escolha dos métodos que serão utilizados no processo de produção é tido como gerencial. Está ligado a qualidade, resultante da função dos métodos de produção escolhidos e seguidos. Envolvendo como agravante os seres humanos, exemplo: o usuário final. A qualidade deve estar presente nos produtos produzidos, como nos processos utilizados para gerar esses produtos, auditando sua produção. Sendo esta a função da engenharia, procurar sistemas de melhor qualidade, custo compatível e otimizado. 21

22 HISTÓRIA QUALIDADE DE SOFTWARE 22

23 ENTENDO A FIGURA 01 QUALIDADE DE SOFTWARE Assegurar a qualidade dos produtos e dos processos é responsabilidade do subsistema GERÊNCIA, que necessita dispor de MÉTODOS e FERRAMENTAS compatíveis com a qualidade desejada. Atuar eficazmente na função de garantir a qualidade exige conhecimento técnico sobre os MÉTODOS e FERRAMENTAS, além do conhecimento de gerência para lidar com PESSOAL. Em um processo de gerência, precisa existir um sistema de retroalimentação, fornecendo ao subsistema GERÊNCIA as informações sobre o funcionamento do processo para a correção de eventuais problemas que possam vir a surgir. 23

24 ENTENDO A FIGURA 01 QUALIDADE DE SOFTWARE Precisamos organizar as informações coletadas, que chamamos de métricas, para um melhor conhecimento dos produtos produzidos e dos processos utilizados na sua produção. A responsabilidade da guarda e distribuição dessas informações é do subsistema INFORMAÇÃO. Sem as métricas não será possível comunicarmos de maneira precisa, fundamental para garantir a qualidade. 24

25 AULAS DE APOIO QUALIDADE DE SOFTWARE Este arquivo será disponibilizadas para estudos para aprimoramento, estudos e consultas no formato PDF. Alguns estarão disponíveis para impressão, outros, somente para leitura. ou 25

O que é qualidade? Qualidade de Software (2011.0) Prof. Me. José Ricardo Mello Viana

O que é qualidade? Qualidade de Software (2011.0) Prof. Me. José Ricardo Mello Viana O que é qualidade? Qualidade de Software (2011.0) Prof. Me. José Ricardo Mello Viana Conteúdo 1. Introdução 2. História 3. A crise do software 4. Papel da subjetividade 5. Qualidade e bugs I 6. Um erro

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Conceitos, estudo, normas Giuliano Prado de Morais Giglio profgiuliano@yahoo.com.br Objetivos Definir Qualidade Definir Qualidade no contexto de Software Relacionar Qualidade de Processo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS UFU Universidade Federal de Uberlândia ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SOFTWARE Professora: Fabíola Gonçalves. AGENDA Introdução à Engenharia de Software Características do Software

Leia mais

Elisa Maria Pivetta Cantarelli. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

Elisa Maria Pivetta Cantarelli. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Conceitos básicos Elisa Maria Pivetta Cantarelli A informática, que torna a INFORmação automática, não deve intimidar. Computador

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e Engenharia de! Engenharia de e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e! e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do Processo de Desenvolvimento

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 1 Introdução: Um computador é uma máquina (conjunto de partes eletrônicas e eletromecânicas) capaz de sistematicamente coletar, manipular e fornecer resultados da manipulação de dados para um ou mais objetivos.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Aula 01 Tecnologias e Perspectiva Histórica Edgar Noda Pré-história Em 1642, Blaise Pascal (1633-1662) construiu uma máquina de calcular mecânica que podia somar

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução a Engenharia de Software: histórico, evolução, aplicações e os principais tipos de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos

Leia mais

Introdução aos computadores

Introdução aos computadores Introdução aos computadores Arquitetura de Computadores Introdução aos computadores 1 Primeiro computador eletromecânico 1944 Harvard Mark I Usado no cálculo de tabelas matemáticas e navegação 3 segundos

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS ADE

AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS ADE Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA com Habilitação em Programação e Desenvolvimento de Sistemas. AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS ADE NOTA DE AULA 01 Assunto: Introdução a informática. Histórico do computador. Conceitos

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Capítulo 1. Introdução, Abstrações e Histórico

Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Capítulo 1. Introdução, Abstrações e Histórico Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação Capítulo 1 Introdução, Abstrações e Histórico Prof. Marcus Vinicius Lamar 1 O que é: Organização e Arquitetura

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Conteúdo Organização e Arquitetura de computadores Abstrações e Tecnologias computacionais Prof. Dr. Luciano José Senger Falácias e armadilhas Computadores: produto da tecnologia de informação, 10% do

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Histórico dos Sistemas Operacionais

Histórico dos Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Histórico dos Sistemas Operacionais Que computador você vai comprar? Vou comprar Windows! Voltando na história dos primeiros computadores... Os

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO

INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO Heleno Pontes Bezerra Neto (helenopontes@lccv.ufal.br) 1. Introdução 1.1. Motivação 1.2 Histórico e Desenvolvimento dos Computadores 1.3. Organização dos Computadores 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Agenda Introdução Estrutura e função Classes de Computadores Fundamentos Tendências na Tecnologia Contextualizado - Mas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software (1) Gestão de Projetos (1) Definição e evolução. (2) Processo de Software (2) Processos de software. (3) Projeto de Interface Homem- Máquina (4) SW-CMM/CMMI (3) Gestão de projetos.

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Projeto de Sistemas Embarcados Microcontrolados

Projeto de Sistemas Embarcados Microcontrolados Departamento de Engenharia Elétrica - FT UnB Projeto de Sistemas Embarcados Microcontrolados Prof. Ricardo Zelenovsky ENE Prof. Geovany Araújo Borges ENE Prof. Adson Ferreira da Rocha ENE E-mails: {zele,gaborges,adson}@unb.br

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE ÍNDICE Vídeo 01: Introdução ao BrOffice Vídeo 02: Componentes Vídeo 03: Outras funções Vídeo 04: Formato de arquivo Vídeo 05: Uso Vídeo 06: Multiplataforma Vídeo 07: Conhecendo a interface Vídeo 08: Experimentando

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

ESTAMOS NO CAMINHO CERTO

ESTAMOS NO CAMINHO CERTO ESTAMOS NO CAMINHO CERTO De como uma empresa bancária do porte do Banco do Brasil S/A tornou-se a maior, da América Latina, em termos de uso do software livre GNU/Linux; além de ilustrar com dados referentes

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. por: André Aparecido da Silva. Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

HARDWARE e SOFTWARE. por: André Aparecido da Silva. Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec HARDWARE e SOFTWARE por: André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec No âmbito eletrônico o termo hardware é bastante utilizado, principalmente na área de computação, e

Leia mais

Calculadoras Mecânicas

Calculadoras Mecânicas ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Evolução e Desempenho de Computadores 1ª Calculadora - séc. V a.c Muitos povos da antiguidade utilizavam o ábaco para a realização de cálculos do dia a dia, principalmente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Cursos de Computação. Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais

Cursos de Computação. Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 01 - História e Funções dos Sistemas Operacionais Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas,

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Motivação e Introdução Software O que é Software? Instruções (programas de computador) que, quando executadas, produzem a função e o desempenho desejados [Pressman] APLICAÇÕES Básico

Leia mais

Parte 01. Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto

Parte 01. Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto Parte 01 Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 1. Introdução i. Definição de Computador ii. Máquina Multinível iii. Evolução do Computador Histórico

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

RELACIONAMENTO ÉTICO ENTRE EMPRESAS DE PROJETO ESTRUTURAL E EMPRESAS QUE COMERCIALIZAM SOFTWARES

RELACIONAMENTO ÉTICO ENTRE EMPRESAS DE PROJETO ESTRUTURAL E EMPRESAS QUE COMERCIALIZAM SOFTWARES RELACIONAMENTO ÉTICO ENTRE EMPRESAS DE PROJETO ESTRUTURAL E EMPRESAS QUE COMERCIALIZAM SOFTWARES Há cerca de quatro meses, a ABECE - Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural, criou

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Apresentação da disciplina UFRPE 2014.2 George Valença georgevalenca@deinfo.ufrpe.br Um pouco sobre mim Formação acadêmica Doutorado Tese: Ecossistemas de Software Projeto de Pesquisa

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Softwares O que é Software? Conjunto de instruções/funções/tarefas que definem o que o computador deve executar para chegar

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

Introdução a Computação. A Primeira Geração. A Segunda Geração. Geração dos Computadores. Geração dos Computadores. Geração de Computadores

Introdução a Computação. A Primeira Geração. A Segunda Geração. Geração dos Computadores. Geração dos Computadores. Geração de Computadores Introdução a Computação Geração de Computadores 1ª Geração: 1950 Circuitos eletrônicos a Válvulas Operações Internas em Milissegundos Programados em Linguagem de Máquina 1 2 A Primeira Geração O UNIVAC

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

Histórico dos Computadores

Histórico dos Computadores Histórico dos Computadores O mais antigo equipamento para cálculo foi o ábaco (Fig. 1), que era um quadro com arruelas móveis, dispostas em arames paralelos, tendo, portanto, um mecanismo simples. Surgido

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis. Introdução à Engenharia de Computação Prof. Felipe Henriques. Capítulo 1: Introdução

CEFET/RJ UnED Petrópolis. Introdução à Engenharia de Computação Prof. Felipe Henriques. Capítulo 1: Introdução CEFET/RJ UnED Petrópolis Introdução à Engenharia de Computação Prof. Felipe Henriques Capítulo 1: Introdução Engenharia Ciência, técnica e arte da construção de obras de grande porte, mediante a aplicação

Leia mais

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006 TI no Século XXI Cesar Bezerra Teixeira 2006 Sumário Propósito; Histórico; Tendências Atuais; O Futuro; 2 Propósito Cesar Bezerra Teixeira 2006 3 Propósito Apresentar um histórico da TI e as tendências

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Surgimento da Informática INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I Unidade I Prof Célio Conrado www.celioconrado.com celio.conrado@gmail.com Já nos

Leia mais

QUALIDADE DE PRODUTO ISO 9126

QUALIDADE DE PRODUTO ISO 9126 Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software QUALIDADE DE PRODUTO ISO 9126 Prof. Luthiano Venecian 1 Agenda Conceito ISO/IEC Série

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 02 Hardware e Software Sistemas de Informação Baseados no Computador - CBIS PROCEDIMENTOS PESSOAS HARDWARE SOFTWARE BANCO DE DADOS TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Universidade Federal Rural do Semi-Árido Tópicos de Informática Profª. Danielle Casillo Objetivos da disciplina Familiarizar o aluno com o uso do microcomputador, conhecendo seus componentes internos e

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 01 - Conceitos Iniciais Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br Introdução Relembrando aspectos da Engenharia de Software Ciclo de Vida de um Software

Leia mais

MCA - Uma Tecnologia Versátil

MCA - Uma Tecnologia Versátil Soluções MCA A família de soluções MCA reforça a consolidada linha CATRAX de catracas e periféricos para controle de acesso. O coração destas soluções é a tecnologia MCA, que consiste em uma placa de controle

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC ANDRÉ COURA COSTA LOPES DE SOUZA RAFAEL FERREIRA MONTEIRO. GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE: Garantia da Qualidade Total

UNIVERSIDADE FUMEC ANDRÉ COURA COSTA LOPES DE SOUZA RAFAEL FERREIRA MONTEIRO. GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE: Garantia da Qualidade Total UNIVERSIDADE FUMEC ANDRÉ COURA COSTA LOPES DE SOUZA RAFAEL FERREIRA MONTEIRO GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE: Garantia da Qualidade Total BELO HORIZONTE 2009 1 ANDRÉ COURA COSTA LOPES DE SOUZA RAFAEL FERREIRA

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

REQUISITOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REQUISITOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião REQUISITOS Prof. Msc. Hélio Esperidião OS REQUISITOS O que são requisitos? Uma descrição de um serviço ou de uma limitação O que é a engenharia de requisitos? O processo envolvido no desenvolvimento de

Leia mais

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios Estudo de Caso O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios Introdução Este Estudo de Caso é sobre como uma corporação (IBM) encontrou uma maneira de extrair valor de negócios adicional

Leia mais

Engenharia de Software - Parte 04

Engenharia de Software - Parte 04 Engenharia de Software - Parte 04 4 - ISO/IEC 9000-3 Há um conjunto de Normas da ISO desenvolvidas especificamente para software. O guia ISO/IEC 9000-3 aplica-se a empresas de software interessadas em

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais