A COMUNICAÇÃO DE RISCO NA MITIGAÇÃO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: COMO PROMOVER PRÁTICAS PRÓ-AMBIENTAIS?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMUNICAÇÃO DE RISCO NA MITIGAÇÃO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: COMO PROMOVER PRÁTICAS PRÓ-AMBIENTAIS?"

Transcrição

1 A COMUNICAÇÃO DE RISCO NA MITIGAÇÃO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS: COMO PROMOVER PRÁTICAS PRÓ-AMBIENTAIS? Tânia Ferreira 1, Félix Rodrigues 2 & Ana Moura Arroz 3 1 Universidade dos Açores, Portugal 2 Universidade dos Açores, Portugal 3 Universidade dos Açores, Portugal RESUMO As alterações climáticas são amplamente reconhecidas como um dos riscos e desafios mais proeminentes que a humanidade enfrenta (AEA, 2010). As alterações climáticas atuais sofrem de uma ação antropogénica, ou seja, a atividade humana tem vindo a acelerar estas alterações. A maioria dos cientistas e governos concordam que as alterações climáticas são inevitáveis, de origem antropogénica e que está na altura de atuar na sua mitigação. A mitigação das alterações climáticas poderá fazer-se através da diminuição das emissões individuais dos gases com efeito de estufa (GEE) para a atmosfera, para isto é necessário dotar os indivíduos de conhecimentos e atitudes necessários para agir na mitigação deste risco, através da aplicação de uma comunicação de risco eficaz. Na construção de uma comunicação de risco eficaz no âmbito das alterações climáticas, que permita despoletar comportamentos de mitigação das emissões individuais de CO 2 para a atmosfera, o conhecimento aprofundado da audiência e a sua aplicação na comunicação de risco torna-se indispensável. Torna-se, igualmente, imprescindível testar e selecionar o enquadramento da mensagem que contribui para a eficácia da comunicação. Uma comunicação de risco eficaz é aquela que promove conhecimentos e/ou atitudes efetivas que poderão conduzir a ações de mitigação do risco das alterações climáticas. Palavras-chave: alterações climáticas; comunicação de risco; comportamento pró-ambiental 1. INTRODUÇÃO Com o presente artigo, pretende-se abordar as questões relacionadas com o indivíduo e o risco das alterações climáticas. Coloca-se especial enfase nas estratégias a ter em consideração na elaboração de uma comunicação de risco eficaz no âmbito das alterações climáticas As alterações climáticas e a contribuição do indivíduo As alterações climáticas são amplamente reconhecidas como um dos riscos e desafios mais proeminentes que a humanidade enfrenta. Existem hoje sinais evidentes de que o clima está a mudar, por exemplo, a temperatura atmosférica global média em 2009 aumentou entre 0,7 e 0,8 ºC, quando comparada com a da era pré-industrial (AEA, 2010). Os efeitos das alterações climáticas são vários e têm repercussões na paisagem, estas consequências caracterizam-se por alterações nos padrões de precipitação, a subida do nível médio global das águas do mar, o recuo dos glaciares, aumento das temperaturas médias globais dos oceanos, a fusão generalizada da neve e das camadas de gelo terrestre, acidificação dos oceanos, ocorrência de fenómenos climáticos extremos e o aumento do risco de inundações nas zonas urbanas e nos ecossistemas (AEA, 2010). A maioria dos governos concorda, agora, que as alterações climáticas são inevitáveis, de origem antropogénica e que está na altura de atuar na sua mitigação (Nerlich, Koteyko & Brown, 2010). Os indivíduos, nas suas atividades diárias contribuem para as emissões de dióxido de carbono (CO 2 ) para a atmosfera e, consequentemente, para o agravamento do risco das alterações 13

2 climáticas. A eletricidade, o gás, o combustível que consumimos, e os resíduos que produzimos são os responsáveis por essas emissões (Ferreira, 2007). As emissões de gases com efeito de estufa da responsabilidade dos consumos pessoais, como percentagem do total das emissões nacionais, são bastante significativas nas sociedades ocidentais que têm contribuído com a maioria das emissões até à data. Assim sendo, os indivíduos são grandes emissores de GEE e contribuidores significativos para as alterações climáticas (Wolf & Moser, 2011). Se se assumir que os indivíduos são atores que contribuem para as alterações climáticas, que necessitam de lidar com os seus impactos e identificar, desenvolver, apoiar e implementar soluções climáticas, então envolvê-los não é uma opção, mas um imperativo. Enquanto o debate político foca-se sobretudo em instrumentos tecnológicos e económicos para reduzir as emissões globais, menos atenção é dirigida às mudanças comportamentais. E no entanto, estas mudanças parecem particularmente importantes, não só porque o comportamento insustentável representa a causa chave das alterações climáticas, mas porque isto representa a oportunidade para um conjunto de rápidas vitórias na redução das emissões de dióxido de carbono (Spence & Pidgeon, 2010). Os indivíduos desempenham um papel importante na resposta às alterações climáticas. Quer sejam líderes governamentais, empresas ou associações de bairro, ou membros do público em geral, os indivíduos são em última análise os atores que iniciam, inspiram, guiam e decretam a necessidade de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) e são eles que executam as respostas de adaptação sustentáveis e sustentadas para minimizar os impactos das alterações climáticas (Wolf & Moser, 2011). A mitigação do risco das alterações climáticas poderá fazer-se através da diminuição das emissões individuais dos gases com efeito de estufa (GEE) para a atmosfera, para isto é necessário dotar os indivíduos de conhecimentos e atitudes necessários para agir na mitigação do risco das alterações climáticas, através da aplicação de uma Comunicação de Risco Eficaz A comunicação de risco como estratégia de mitigação do risco das alterações climáticas Comunicar alterações climáticas de forma a inspirar a ação humana é complicado por um conjunto de características inerentes à mensagem das alterações climáticas. Apesar de ser um dos principais assuntos que a humanidade enfrenta, como assunto de preocupação individual as alterações climáticas ainda permanecem bastante distantes das vidas e pensamentos da maioria dos indivíduos. Apesar do consenso científico da existência das alterações climáticas provocadas pelo homem, ainda permanecem incertezas consideráveis em relação à sua extensão precisa, escala de tempo e consequências (Morton et al, 2011). Isto acontece porque as alterações climáticas estão incluídas naquilo a que Crompton (2010) define como problemas maiores do que o indivíduo. Trata-se de um problema ou risco grande e difuso, e que mesmo que o indivíduo possa vir a beneficiar de resultados positivos ao agir na mitigação desse problema, é pouco provável que ele assuma o seu esforço de mudança efetiva como sendo um uso eficiente do seu tempo e recursos. Assim sendo, os esforços das comunicações também se transformaram e passaram do esforço de informar que as alterações climáticas estão a ocorrer para o esforço de informar as pessoas a adotar medidas práticas para fazer face ao problema (Nerlich, Koteyko & Brown, 2010). Os comunicadores são instados a fugir de uma comunicação unilateral para um diálogo e um comprometimento reflexivo. Deixou-se de assumir a visão simplista de que as mensagens transitam dos especialistas para os não especialistas que são sujeitos passivos, é necessária uma 14

3 abordagem que melhor compreenda como fazer as pessoas se envolverem a um nível afetivo e emocional, através de uma exploração de baixo para cima, conhecendo as perceções dos indivíduos, em vez de uma comunicação de cima para baixo baseada nos entendimentos dos especialistas (Nerlich, Koteyko & Brown, 2010). A aposta surge então na comunicação de risco, porque mais do que o ato de informar, a comunicação de risco é um processo interativo de troca de opinião entre indivíduos, grupos e instituições, que envolve múltiplas mensagens sobre a natureza do risco, as preocupações, opiniões e conhecimentos das pessoas e as suas reações aos cenários de risco de modo a promover o envolvimento do público (Di Giulio, 2006), as preocupações, perceções e conhecimentos das pessoas devem guiar os profissionais do risco na seleção dos tópicos e assuntos a transmitir, não é função dos comunicadores de risco decidir o que as pessoas querem saber, mas responder às questões do que efetivamente querem saber (Renn, 2005). Deste modo, os comunicadores de risco devem interpretar os dados das avaliações científicas de risco transformando-os em informações compreensíveis pela audiência leiga, devem igualmente, entender a base das perceções públicas sobre o risco e trabalhar no sentido de promover o entendimento dos fatores de risco entre as várias partes envolvidas (Leiss, 1999). Trata-se, deste modo, de um processo de comunicação bilateral com o objetivo de construir confiança mútua ao responder às preocupações do público e dos principais stakeholders (Renn, 2005). Para que exista entendimento e envolvimento é necessário evitar uma fraca comunicação composta por mensagens demasiado negativas, complexas e exigentes que tratam o público como consumidores e não como cidadãos comprometidos com a sua comunidade (Sustainable Development Commission, 2011). Assim, a comunicação de risco é, e deve ser, um processo que inclui estratégias para que a exposição das informações sobre o risco seja feita de forma clara e explicativa, de modo a que o grupo alvo compreenda os dados e as suas implicações de forma a participar ativamente na tomada de decisões e ações para a atenuação das situações de risco (Di Giulio, 2006) Comunicação de Risco Eficaz: Como? Para elaborar uma comunicação de risco eficaz que promova conhecimentos e/ou atitudes efetivas que poderão conduzir a ações de mitigação do risco das alterações climáticas é imprescindível reconhecer os fatores facilitadores ou inibidores da mudança de comportamento para o risco em questão, as várias leituras realizadas sugerem os seguintes: O conhecimento das causas das alterações climáticas antropogénicas são úteis uma vez que indicam às pessoas quais as ações de mitigação corretas (Swim et al, sd; Wolf & Moser, 2011; Darnton, 2008; Steg & Vlek, 2009; Kollmuss & Agyeman, 2002; Lucas et al, 2008; Moloney, Horne & Fien, 2010; Hoffman, 2010); O hábito poderá ser um dos maiores obstáculos às alterações climáticas. Os hábitos não se alteram sem um esforço significativo, daí a necessidade de os conhecer e sugerir comportamentos alternativos (Swim et al, sd; Darnton, 2008; Kollmuss & Agyeman, 2002; Steg & Vlek, 2009; Moloney, Horne & Fien, 2010; Whitmarsh, 2009); Os valores são uma influência profunda na formação da nossa motivação para lidar com problemas maiores do que o indivíduo. Porque os valores culturais exercem esta influência, é de carácter urgente que as comunicações tenham um impacto na elaboração dos nossos valores (Swim et al, sd; Wolf & Moser, 2011; Crompton, 2010; Moloney, Horne & Fien, 2010; Whitmarsh, 2009; Hoffman, 2010; Kollmuss & Agyeman, 2002); 15

4 As normas, neste aspeto os indivíduos possuem maior probabilidade de alterar comportamentos se acreditarem que os outros também o fazem (Swim et al, sd; Hassell & Cary, 2007; Steg & Vlek, 2009; Kollmuss & Agyeman, 2002); O afeto/emoção, quanto maior for a ligação emocional ou afetiva com o risco das alterações climáticas maior a probabilidade de existir uma mudança de comportamento (Swim et al, sd; Wolf & Moser, 2011; Nerlich, Koteyko & Brown, 2010; Hassell & Cary, 2007; Darnton, 2008; Crompton, 2010; Steg & Vlek, 2009; Moloney, Horne & Fien, 2010; Kollmuss & Agyeman, 2002); As atitudes, uma mudança de atitude não conduz necessariamente a uma mudança de comportamento. Contudo, estudos indicam que os indivíduos com atitudes pró-ambientais têm maior probabilidade em assumir comportamentos pró-ambientais (Swim et al, sd; Wolf & Moser, 2011; Darnton et al, sd; Hassell & Cary, 2007; Darnton, 2008; Kollmuss & Agyeman, 2002). O conhecimento, o hábito, os valores, as normas, o afeto/emoção e as atitudes são os fatores a ter em consideração na seleção de um modelo de mudança de comportamento, na elaboração de dispositivos de recolha de informação do público-alvo e na, posterior, construção de uma comunicação de risco no âmbito das alterações climáticas. Assim sendo, tendo em consideração o polinómio valor-atitude-conhecimento-emoçõescomportamento na predição e promoção de práticas protetoras do ambiente, foi selecionado o modelo explicativo, Model of pro-environmental behaviour (Kollmuss & Agyeman, 2002), que permitirá auxiliar a construção da comunicação de risco. Comunicar alterações climáticas de forma a inspirar a ação humana é complicado sobretudo devido às incertezas em relação à sua extensão precisa, escala de tempo e consequências (Morton et al., 2011). Uma forma de ultrapassar a questão da incerteza prende-se com a forma como se faz o enquadramento da mensagem (Morton et al., 2011; Spence & Pidgeon, 2010). No âmbito da comunicação das alterações climáticas dois enquadramentos parecem pertinentes para reflexão: enquadramento atributo e enquadramento resultados. O enquadramento atributo é o processo de enfatizar um aspeto particular, ou um atributo, do objeto de estudo ou assunto. No caso das alterações climáticas o atributo da distância é bastante pertinente (Spence & Pidgeon, 2010). Na comunicação das alterações climáticas a utilização do enquadramento local apresenta-se bastante pertinente, Isto porque ao enfatizar os impactos locais das alterações climáticas os benefícios de agir na mitigação tornam-se tangíveis, aumentando assim a probabilidade de se agir de forma sustentável (Rayner & Malone, 1997); os indivíduos são melhores a predizer e a tomar decisões sobre acontecimentos que lhes são psicologicamente próximos (Trope & Liberman, 2003) e poder-se-á aumentar o compromisso emocional e cognitivo com o assunto (Lorenzoni et al., 2007). Por outro lado, o enquadramento resultados carateriza-se por apresentar um comportamento particular ou assunto em forma de perdas ou ganhos, uma abordagem utilizada, algumas vezes, para persuadir os indivíduos a assumirem um determinado comportamento ou estilo de vida (Spence & Pidgeon, 2010). Investigações sugerem que os enquadramentos de perda são mais eficazes na alteração de comportamentos considerados de risco, enquanto que os enquadramentos de ganho são mais eficazes entre os comportamentos considerados seguros e de prevenção (Prospect Theory de Tversky & Kahneman, 1981). 16

5 Spence e Pidgeon (2010) sugerem que ao conceptualizar as alterações climáticas com um enquadramento de ganho, as ações de mitigação assemelham-se mais a comportamentos preventivos, uma vez que os comportamentos de mitigação são assumidos para prevenir impactos futuros negativos das alterações climáticas. A hipótese que se segue é que a mitigação das alterações climáticas será mais eficaz através da promoção de enquadramentos de ganho (Morton, et al., 2011; Spence & Pidgeon, 2010; Futerra, sd), por exemplo: ao focar-se nos benefícios que advêm dos comportamentos de mitigação. Esta hipótese é corroborada por Spence e Pidgeon (2010), isto porque, no enquadramento de ganho as atitudes para a mitigação das alterações climáticas foram significativamente mais positivas do que aquelas produzidas pelo enquadramento de perda. Morton et al. (2011) acrescentam que no enquadramento positivo (de ganho), a maior incerteza aparece associada a maiores intenções em agir pro-ambientalmente. A equipa do Futerra sustainability communications, em Sizzle: the new climate message (sd) afirma que Quando estamos à beira de um inferno, vende-se o céu (p. 10). A mensagem mais comum nas alterações climáticas é que todos vamos para o inferno. Mas ao contrário do esperado, o inferno não convence. Apesar da enumeração de todas as consequências nefastas das alterações climáticas, elas não têm mudado atitudes ou comportamentos de forma significativa. Necessita-se de uma nova abordagem, uma abordagem que seja o oposto do clima inferno. Assim sendo, deve-se construir uma visão visual e convincente de um céu de baixo carbono (Futerra Sustainability Communications, sd). METODOLOGIA O presente trabalho utiliza o referencial da pesquisa bibliográfica, entendida como o ato de indagar e de buscar informações sobre determinado assunto, através de um levantamento realizado em base de dados nacionais e estrangeiros, com o objetivo de detetar o que existe de consensual ou de antagónico no estado da arte da literatura. Com o fito de descortinar o caminho a percorrer para elaborar uma comunicação de risco eficaz no âmbito das alterações climáticas, os eixos de pesquisa incidiram sobre as alterações climáticas, os fatores facilitadores e inibidores do comportamento pró-ambiental, os modelos de mudança de comportamento e a comunicação de risco. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em termos bio e geofísicos, as alterações climáticas são definidas como alterações ao longo do tempo nas médias e variação das temperaturas terrestres, precipitação e vento, bem como, alterações na atmosfera terrestre, oceanos, e abastecimento de água natural, neve e gelo, superfície terrestre, ecossistemas e organismos vivos. O que é único sobre as alterações climáticas globais atuais é o papel da atividade humana na aceleração destas alterações, também designada de força antropogénica, e as alterações dramáticas no clima previstas em todo o mundo (Swim et al, sd). Positivamente, os portugueses conseguem ver-se como agentes de mudança social quer na sua vida quotidiana quer em termos de uma opinião pública que pode agir politicamente nesta área. Contudo, ainda não o fazem de forma significativa nas suas ações quotidianas (Lázaro, Cabecinhas & Carvalho, 2007). Neste contexto surge a necessidade de uma comunicação de risco eficaz, baseada numa abordagem multimédia e nas necessidades do público-alvo, consciente que as reações à comunicação são influenciadas pelas perceções de risco das pessoas, experiências pessoais passadas com o risco, pelas fontes de comunicação e a confiança nestas fontes de informação. É 17

6 essencial informar o público de forma a não criar desnecessária apatia, complacência, ou confiança a mais, ao mesmo tempo que não se cria desnecessário stress ou alarme (Fitzpatrick- Lewis et al, 2010). A comunicação de risco eficaz é um desafio necessário para atingir resultados desejáveis, como o aumento do conhecimento sobre o risco das alterações climáticas e, possivelmente, a promoção de ações individuais de mitigação do mesmo. BIBLIOGRAFIA AEA (2010), O Ambiente na Europa, Situação e Perspectivas 2010: Síntese, Agência Europeia do Ambiente, Copenhaga Crompton, T. (2010), Common Cause: The case for working with our cultural values, Survey: WWF UK. Darnton, A. (2008), Reference Report: An overview of beheviour change models and their uses, Centre for Sustainable Development, University of Westminster Darnton, A., Elster-Jones, J. Lucas, K. & Brooks, M. (sd) Promoting pro-environmenta behaviour: existing evidence to inform better policy making, Department for environmental, food and rural affairs Di Giulio, G. M. (2006), Divulgação Cientifica e Comunicação de Risco Um olhar sobre Adrianópolis, Vale do Ribeira, Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas Ferreira, T. (2007), Ambiente e Recursos: usos e desperdícios de água e energia em agregados domésticos da Ilha Terceira, Dissertação de Mestrado, Universidade dos Açores Fitzpatrick-Lewis, D., Yost, J., Ciliska, D. & Krishnaratne, S. (2010), Communication about environmental health risks: A systematic review, Environmental Health, pp Futerra sustainability communications (sd), Sizzle: the new climate message Hassell, T. & Cary, J. (2007), Promoting behavioural change in household water consumption: literature review, Smart Water Kollmuss, A. & Agyeman, J. (2002), Mind the gap: why do people act environmentally and what are the barriers to pro-environmentl behaviour?, Environmental Education Research, 8 (3), pp Lázaro, A., Cabecinhas, R. & Carvalho, A. (2007), Percepções de risco e de responsabilidade face às alterações climáticas in C. Borrego, A.I. Miranda, E. Figueiredo, F. Martins, L. Arroja e T. Fidélis (Org.). Um futuro sustentável: ambiente, sociedade e desenvolvimento (Vol. 1, pp ), Aveiro: Universidade de Aveiro Leiss, W. (1999), The importance of Risk Communication in the Risk Management of Chemicals, Newsletter of the International Council on Metals and Environment (ICME), vol. 7, nº 2 Morton, T. A., Rabinovich, A., Marshall, D. & Bretschneider, P. (2011), The future that may (or may not) come: How framing changes responses to uncertainty in climate change communications, Global Environmental Change 21, pp Nerlich, B., Koteyko, N. & Brown, B. (2010), Theory and language of climate change communication. John Wiley & Sons, Ltd. Renn, O. (2005), Risk Governance: Towards an Integrative Approach. International Risk Governance Council Spence, A. & Pidgeon, N. (2010), Framing and communicating climate change: The effects of distance and outcome frame manipulations, Global Environmental Change 20, pp Steg, L., & Vlek, C. (2009), Encouraging pro-environmental behaviour: An integrative review and research agenda, Journal of Environmental Psychology, 29, pp Sustainable Development Commission. (2011), Making Sustainable Lives Easier: A Priority for Governments, Business and Society Swim et al. (sd), Psycology and global climate change: addressing a multi-faceted phenomenon and set of challenges. American Psychological Association Wolf, J. & Moser, S. (2011), Individual understandings, perceptions, and engagement with climate change: insights from in-depth studies across the world. John Wiley & Sons, Ltd. 18

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

BFuture Soluções de Sustentabilidade

BFuture Soluções de Sustentabilidade BFuture Soluções de Sustentabilidade Porque existe um plano B! Hoje em dia é quase consensual que o estilo de vida que se segue nas sociedades ditas desenvolvidas, não é sustentável. Todos começam a ter

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia

Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia Desenvolvimento Sustentável O que significa e implicações para os profissionais de engenharia Professor João Miranda Reis Departamento de Engenharia Química Instituto Superior Técnico Lisboa, 1 Índice

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15)

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15) DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CIEJD, em parceria com GPE, RCE e o CEIS20. N.1 Junho/Dezembro 2009 Semestral ISSN 1647-6336 Disponível em: http://www.europe-direct-aveiro.aeva.eu/debatereuropa/

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 PERSPECTIVAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIFÍCIL CONCEITUAÇÃO A NECESSIDADE DE UM MARCO DE GOVERNANÇA ADEQUADO

1 INTRODUÇÃO 2 PERSPECTIVAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIFÍCIL CONCEITUAÇÃO A NECESSIDADE DE UM MARCO DE GOVERNANÇA ADEQUADO O Desenvolvimento Sustentável A NECESSIDADE DE UM MARCO DE GOVERNANÇA ADEQUADO Maria Bernadete Sarmiento Gutierrez* 1 INTRODUÇÃO Este artigo tem como objetivo principal sugerir como os conceitos de desenvolvimento

Leia mais

Veja algumas das principais observações

Veja algumas das principais observações MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANTÁRTICAS E O MEIO AMBIENTE Principais conclusões do Grupo de Especialistas do Scientific Committee on Antarctic Research (versão completa da publicação em http://www.scar.org/publications/occasionals/acce_25_nov_2009.pdf)

Leia mais

A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento. 10 anos de progresso avançar para a próxima década

A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento. 10 anos de progresso avançar para a próxima década A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento 10 anos de progresso avançar para a próxima década A Iniciativa para a Sustentabilidade do Cimento 10 anos de progresso avançar para a próxima década Em

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética!

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mariana Marques * A comunidade científica concorda, por consenso esmagador, que as mudanças climáticas são reais. Os gases do efeito estufa aumentaram

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050

O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 O RELATÓRIO DE ENERGIA ENERGIA 100% RENOVÁVEL ATÉ 2050 Este Relatório foi possível graças ao generoso apoio da ENECO ISBN 978 2 940443 26 0 Fotografia da capa: Wild Wonders of Europe / Inaki Relanzon /

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável

Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável Cimento Mizu Contribuição do projeto Uso da escória de alto-forno na produção de cimento na Cimento Mizu para o desenvolvimento sustentável O projeto implantado pela Cimento Mizu tem como principal objetivo

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

PROGRAMA DIA 12/02 - Mar e Atmosfera

PROGRAMA DIA 12/02 - Mar e Atmosfera 1 A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa convida-o a participar, entre 10 e 14 de fevereiro, na 1ª Semana Ciências em Movimento. A Ciência é a mais eficaz resposta do Ser Humano à curiosidade

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA É necessária urgentemente uma reforma para travar o avanço de biocombustíveis insustentáveis e para promover as soluções corretas para descarbonizar

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho SABESP São Paulo, 12 de novembro de 2008 Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo A terra recebe energia do sol na forma de

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

Como falar sobre clima

Como falar sobre clima Como falar sobre clima 1 Introdução A urgência em enfrentar as mudanças climáticas motivou a realização de uma pesquisa sobre como comunicar o assunto de forma eficaz para os brasileiros. O manual Como

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996.

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996. CURRICULUM VITÆ DADOS PESSOAIS Nome: Nascimento: Nacionalidade: Morada: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 de Dezembro de 1971, Porto (Portugal) Portuguesa Faculdade de Economia do

Leia mais

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL Carolina Reine de Paiva Clemente carolreine@gmail.com Claudia Bordin Rodrigues

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Escola Secundária Emídio de Navarro

Escola Secundária Emídio de Navarro Escola Secundária Emídio de Navarro Disciplina: Físico-química A Professora: Miquelina Santos Trabalho realizado por: - Ana Pereira nº1 - Jhenyfer Silva n.º 13 - Marta Ribas nº20 10ºCT3 Janeiro de 2010

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 OS IMPACTOS DO AQUECIMENTO GLOBAL SÃO DE TAL MAGNITUDE QUE EU NÃO HESITARIA EM CONSIDERÁ-LOS UMA ARMA DE DESTRUIÇÃO EM MASSA. Sir John Houghton, The Guardian, 28 de julho

Leia mais

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública,

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas Angela Elizabeth Lapa Coêlho Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ Segundo Wilches-Chaux (1993), devemos despojar

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

A ABORDAGEM DO TEMA SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

A ABORDAGEM DO TEMA SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A ABORDAGEM DO TEMA SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Viviane Miranda Araújo Fiorani viviane.araujo@poli.usp.br

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

Água, Riscos e a Relação com o Negócio

Água, Riscos e a Relação com o Negócio Água, Riscos e a Relação com o Negócio Por que água? Por que agora? Medidas de conservação serão voluntárias ou obrigatórias? Os mercados emergentes serão os mais afetados? Onde serão sentidos os impactos

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM CARTOGRÁFICA NA CLIMATOLOGIA

O USO DA LINGUAGEM CARTOGRÁFICA NA CLIMATOLOGIA O USO DA LINGUAGEM CARTOGRÁFICA NA CLIMATOLOGIA Cassio Alves Garcia Prado Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Geografia RESUMO: Este trabalho explica

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 2: Buscando Maneiras de Reduzir a Perda da

Leia mais

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações

OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações OPINIÃO Aquecimento Global: evidências e preocupações Maurício Serra Pode-se dizer que a relação entre o homem e a natureza é historicamente uma relação de conflitos na medida em que o homem tem contribuído

Leia mais

Políticas Públicas em Mudanças Climáticas no Brasil e no Mundo. Rachel Biderman Furriela Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP-FGV

Políticas Públicas em Mudanças Climáticas no Brasil e no Mundo. Rachel Biderman Furriela Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP-FGV Políticas Públicas em Mudanças Climáticas no Brasil e no Mundo Rachel Biderman Furriela Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP-FGV Concentração de CO 2 na Atmosfera 1 DADOS GLOBAIS A emissão anual

Leia mais

Mudança do clima, Qual a importância? Martin Hedberg meteorologista do Centro Meteorológico Sueco

Mudança do clima, Qual a importância? Martin Hedberg meteorologista do Centro Meteorológico Sueco Mudança do clima, Qual a importância? Martin Hedberg meteorologista do Centro Meteorológico Sueco Tempo (Precipitação, nuvens, ventos, humidade, temperatura ) A forma que a Natureza tem de equilibrar as

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

D E M O C R A C I A V I V A 43 SETEMBRO

D E M O C R A C I A V I V A 43 SETEMBRO DEMOCRACIA VIVA 43 SETEMBRO 2009 ARTIGO Rubens Harry Born* Esther Neuhaus ** Dilemas planetários e as negociações internacionais em mudança de clima: perspectivas da sociedade civil Aproximam-se a 15ª

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

O Compromisso Crescimento Verde e a Sustentabilidade na Secil

O Compromisso Crescimento Verde e a Sustentabilidade na Secil O Compromisso Crescimento e a Sustentabilidade na Secil GONÇALO SALAZAR LEITE CEO GRACE - Encontro Temático Crescimento 1 Ponto de Partida O cimento é um bem essencial ao conforto, segurança e património

Leia mais

O BRASILEIRO E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O BRASILEIRO E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O BRASILEIRO E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Novembro/2009 2 O brasileiro e as mudanças climáticas O DataSenado realizou pesquisa de opinião pública de abrangência nacional

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

Política de mudanças climáticas. Versão resumida

Política de mudanças climáticas. Versão resumida Política de mudanças climáticas Versão resumida 29/06/2015 objetivo A política de Mudanças Climáticas da Oi visa estabelecer o direcionamento estratégico e orientar as decisões relativas à temática da

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Dinâmicas de sustentabilidade organizacional através do mapeamento de valores: uma abordagem estratégica

Dinâmicas de sustentabilidade organizacional através do mapeamento de valores: uma abordagem estratégica Dinâmicas de sustentabilidade organizacional através do mapeamento de valores: uma abordagem estratégica Leonor Gaspar Pinto Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género Paula Ochôa Universidade Nova

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE

A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE A VISÃO DOS ALUNOS SOBRE AQUECIMENTO GLOBAL A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO VERDADE INCONVENIENTE Érica C. A. Dell Asem & Silvia L. F. Trivelato Universidade de São Paulo/ Instituto de Física erica.asem@gmail.com

Leia mais

NIPE Solar A Energia Solar Térmica de Baixa Temperatura no Brasil: tecnologias, ações e estratégias de disseminação de uso

NIPE Solar A Energia Solar Térmica de Baixa Temperatura no Brasil: tecnologias, ações e estratégias de disseminação de uso Campinas, 06 de Novembro de 2009. (Número 627) Todas as edições do NIPEenergia estão disponíveis na íntegra no site do NIPE: www.nipeunicamp.org.br! NIPE Solar A Energia Solar Térmica de Baixa Temperatura

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas)

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015 / 2016 Área Curricular: ESTUDO DO MEIO - 4º ANO

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY INTERNATIONAL ENERGY AGENCY Sessão Plenária Final 29 de Maio 16h05 17h15 Roteiro Local para as Alterações Climáticas Moderador: Artur Trindade, Associação Nacional de Municípios Portugueses O contributo

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo

Inovação e Empreendedorismo Inovação e Empreendedorismo Kami Saidi Diretor de Operações & Sustentabilidade HP Brasil 09-maio-13 HP Commitment Many assume, wrongly, that a company exists simply to make money... the real reason HP

Leia mais

Psicologia Judiciária

Psicologia Judiciária Psicologia Judiciária Psicologia e Direito Diferenças epistemológicas na conceptualização do comportamento humano Rute Pires 10 de Janeiro de 2013 Comportamento Humano Psicologia Concepção descritiva do

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA.do Mundo ao Município

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA.do Mundo ao Município SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA.do Mundo ao Município Ciclo de Seminários: Soluções Energéticas Públicas e Privadas à Escala Local Carlos Pimenta Maio 2012 Agenda Tendências e condicionantes de longo prazo

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global

A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global Pedro M A Miranda www.cgul.ul.pt Contribuições Projecto CLIMAAT (E B Azevedo) Projecto SIAM (M A Valente, A Tomé, R Trigo, M F Coelho, A Aguiar,

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010 ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor 21 de Outubro de 2010 The scientific evidence is now overwhelming: climate change presents very serious global risks,

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 Principais Questões Ambientais - Séc. XXI Superaquecimento da Terra Extinção da

Leia mais