Estudo de caso no POP-GO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de caso no POP-GO"

Transcrição

1 Monitoramento de Redes com Software Livre Estudo de caso no POP-GO Giovane César Moreira Moura 2º Fórum Goiano do Software Livre 1º de Outubro 2005 RNP/REF/0236 Monitoramento 2000 RNP de Redes com Software Livre

2 Quem é a RNP? Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Cronologia Primeira rede de acesso à Internet no Brasil; Criada em 1989 com objetivo de interligar universidades; Programa prioritário do Sepin/MCT; Em 1994 já atingia todas as regiões do país; Em 2000/2001 atualizado o backbone (RNP2) para novas aplicações; POPs (Point of Presence) em todos os estados.

3 RNP Hoje Aplicações avançadas em redes Gerencia tráfego de internet de produção ( , navegação...) quanto aplicações avançadas para experimentação; Interliga mais de 200 instituições de pesquisa nacionais, atendendo a 800 mil usuários; Backbone de produção: interliga IFES, Institutos de pesquisa, museus, hospitais, ONGs, instituições de fomento que se adequem na política RNP; Backbone de experimentação: suporte a aplicações de Internet2, como bibliotecas digitais, ensino e conferência a distância,etc. Nesta rede são realizados os testes de novas tecnologias.

4 Pesquisa e Desenvolvimento Inovação Pesquisa na RNP Rede com suporte à Multicast, MPLS, QoS, etc...; Grupos de trabalhos (GT's) específicos de pesquisa: vídeo digital, P2P...; Parceira com universidades; Projeto GIGA: 17 pontos de RJ-SP em uma rede com capacidade de 2,5 Gbps; Produção de vasta documentação disponível no site

5 Operação Segurança CAIS - Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança Atua na detecção,resolução e prevenção de incidentes; Alerta CAIS alertas sobre segurança a toda comunidade; Testes e recomendação de ferramentas de segurança; Recomendação de políticas para os POPs.

6 Conexões Interligação com redes de pesquisa

7 Backbone RNP2 Linhas Nacionais Hoje: Até 622Mbps POP-GO->POP-DF = 34Mpbs; Em todas as capitais; IPV6 Final do Ano: 1OGbps 4 enlaces de 10Gbps 6 de 2,5Gbps

8 Backbone RNP2 Linhas Internacionais Conexões com: Internet comercial Internet2 Links como RJ-Miami (155 Mpbs POS) Link Rede Clara (100Mpbs Ethernet)

9 POP-GO: Estrutura RNP em Goiás Hospedada na UFG Equipe POP-GO: Benedito, Cláudio, Daniel, Frederico, Frederico Augusto, Giovane Conexão de 34Mbps com POP-DF; Interliga várias instituições, como UFG, CEFET, Embrapa, SECTEC,UEG, Secretaria municipal de Educação, e Remav (tráfego local); Link POP-GO -> POP-DF alugado da BrT ou Embratel. Topologia Lógica POP-GO

10 Monitoramento Por que monitorar? Conhecer sua infra-estrutura; Dimensionamento : se seu disco cresce 5GB/mês, você sabe que em X meses precisará comprar outro; se seu link está sempre acima de 90%, melhor providenciar um upgrade; Caracterização do tráfego; Segurança; Estudo.

11 POP-GO: Projeto de Monitoramento Origem: necessidade de 1 relatório Problema: os pacotes no POP-GO com destino ao estado de GO iam até Curitiba para serem roteados ; Solução: viabilizar um PTT (ponto de troca de tráfego) entre POP-GO e Brasil Telecom; Justificativa para um PTT? Grande quantidade de tráfego trocado entre BrT e POP-GO; Como obter esta informação?

12 Escolha da Tecnologia Diversas tecnologias a escolha... Ferramentas tradicionais como TCPDump, Ethereal, Trafshow e outras não conseguem lidar bem com grandes volumes de dados a um custo viável; SNMP fornece poucos dados... Ex: informa que o link está em 90% de uso, e que o servidor web responde por 85%. Mas será que o servidor web não pode estar sendo um zumbi? Com SNMP, você terá que usar tcpdump e outras ferramentas baixo nível; A escolha? Netflow: tecnologia líder, escalável, suporta grande volume de dados. Ex: ele te diz se o tráfego no servidor web é mesmo web ou não de uma forma mais simples; Presente no roteador de borda do POP-GO. Bastava configurá-lo para isso.

13 Netflow Características Fornece uma visão do tráfego de rede no nível de sessão: grava informações sobre cada transação TCP/IP; Permite responder se 1.5Mbps de tráfego para o servidor web é realmente tráfego web (ou se ele foi comprometido e roda outros serviços); Permite: billing (quantos bytes o IP x trafegou?), monitoramento de aplicações (qual o tráfego na porta padrão do emule?), monitoramento de usários (por IP), data warehouse e datamining (responde quem, o que, onde e por quanto tempo )

14 Netflow O que é flow? Sequência uniredicional de pacotes; Identificado por 7 campos chave: IP de origem, IP de destino, porta de origem, porta de destino, ToS, Tipo de Protocolo e interface do roteador. Algo como log da rede Formato do pacote Netflow v9

15 Netflow Arquitetura 3 componentes:

16 Configuração Sensor: Roteador Cisco 7500 Roteadores Cisco suportam Netflow (embora exija muito do processador). POP-GO é assim que opera; Podemos utilizar uma estação Linux/*BSD e utilizar o softflowd com sensor faça em casa! Coloque no firewall da empresa! Comando softflowd: #softflowd -i eth0 -n :8818

17 Configuração Coletor SO: Linux (Slackware, mas poderia outra distribuição) Coleta: uso de flow-tools (conjunto de softwares) Exemplo para coletar dados: #flow-capture -w /netflow -E20G /0/8818 Flow-tools contém vários softwares (flow-cat, flow-filter, flow-header, flow-scan..). Combine-os via pipes para obter relatórios. Vide documentação online.

18 Configuração Relatórios SO: Slackware (também poderia ser outra distro) Relatórios: flow-tools, cflow... Utilizamos flow-tools Demonstração: 1. Abrir os arquivos de fluxo: flowdumper <arquivo> (vem com flow) ou flow-cat <arquivo> flow-print 2. Tráfego na porta do emule, ou http flow-cat <diretorio> flow-filter -p <porta> flow stat-f0

19 Configuração Relatórios (continuação... ) Demonstração: 3. Quem mais usou emule (porta padrão) flow-cat <dir> flow-filter -P4662 flow-stat -f9 S2 4. Quem acessou o IP da playboy.com.br? a) Primeiro criamos uma acl ip access-list standard playboy permit b) passamos ela como parâmetro flow-cat <dir> flow-filter -f acl -D playboy flow-stat -f9 -S2

20 Configuração Relatórios (continuação... ) Demonstração: 5. Quais sites um determinado IP mais acessou? a) coloque na acl b) execute : flow-cat <diretório> flow-filter -f acl -S usuario flow-stat -f9 -S2 6. Quais os destinos mais acessados? flow-cat <dir> flow-stat -f8 -p -S3 >fora.txt testes com o arquivo gerado: IP google.com: IP playboy.com.br: Quantidade de tráfego 7. Quais os destinos mais acessados em %? flow-cat <dir> flow-stat -f9 -p -P -S3 >dentro.txt

21 Configuração Relatórios (continuação... ) Demonstração: 8. Quem internamente acessou mais quais destinos? flow-cat <dir> flow-stat -f10 -p -S4 > inout.txt

22 Relatório PTT POP-GO e BrT Resultados Dados foram coletados por 40 dias (melhor espaço amostral) Concluímos que:

23 Nova Fase: Caracterização do tráfego Novas metas Necessidade: Identificar, contabilizar e gerar gráficos diários do tráfego por serviço; Análise feita durante a noite; Geração de gráficos automaticamente; Disponibilização dos dados no site do POP-GO. Decidimos utilizar Netflow para contabilizar e caracterizar o tráfego: saber qual o volume nas portas mais comuns 80 http, 25 smtp, 20 ftpdata; Uso de ferramentas livres então para gerar gráficos e estatísticas.

24 Software Livre é integração Uso de diversas ferramentas em diferentes fases Coleta Análise Adapt. Gráficos Flow-tools código RRDTool novo

25 Softwares desenvolvidos Shell Script e C Script n_generate: gerar os relatórios do flow-tools. Resultado: relatórios flow-tools completos Script n_ripdata: extrai dos relatórios apenas os campos chave converte.c: converte os campos chave de bytes para gigabytes. Script NGRAPHS: armazena campos chave, gera gráficos e coloca na árvore de diretórios Todos sob a GPL, disponíveis no site do POP-GO

26 Ordem de execução Script daily Executado as 00:01 diariamente pelo crond #!/bin/bash #scrip daily a ser executado diariamente pelo crond #Giovane Moreira #scripts abaixo (n_generatte,n_ripdata e NGRAPHS geram o no #final os gráficos, que são passados via scp ao servidor web /var/scripts/n_generate /var/scripts/n_ripdata /var/scripts/ngraphs scp -r -i /var/grafico/.ssh/id_rsa /var/scripts/graphs/

27 Resultados Site POP-GO Vá em Monitoramento

28 Estrutura POP-GO: Estrutura Netflow

29 Entendendo a ferramenta... RRDTool RoundRobin Database Ferramenta de gravação de dados e geração de gráficos; Desenvolvida por Tobias Oetiker, na Suíça; Licença GPL ; Evolução do MRTG monitora qualquer coisa, crescimento de bactérias, tráfego de rede... ; Como um SGBD, armazena dados. Porém no front-end gera gráficos; Tamanho da base de dados definido na criação.

30 Entendendo as ferramentas... RRDTool Exemplo Exemplo oficial

31 Entendendo o código... Descendo o nível Ver Artigo;

32 Temos muito o que melhorar! Objetivos Desenvolver uma ferramenta integrada de monitoramento baseada na web (como um Cacti para Netflow); Ferramenta livre; Extrair mais dados e usar todos os recursos; Conto com a ajuda de vocês, comunidade em geral.

33 POP-GO: Monitoramento Dúvidas? Comentários? Sobre monitoramento; Sobre Netflow; Sobre RNP; Sobre código; Sobre SO;?

34 Agradecimentos Obrigado A todos vocês; A organização do 2º FGSL; A Equipe RNP, POP-GO, UFGNet e UFG; Entre em contato:

PTTrix. membro a membro no PTT. PRIX - PTT-Metro de Curitiba/PR. GTER-23 - Belo Horizonte - 29 de Junho 2007

PTTrix. membro a membro no PTT. PRIX - PTT-Metro de Curitiba/PR. GTER-23 - Belo Horizonte - 29 de Junho 2007 PRIX - PTT-Metro de Curitiba/PR GTER-23 - Belo Horizonte - 29 de Junho 2007 Christian Lyra Gomes lyra@pop-pr.rnp.br Pedro R. Torres Jr. torres@pop-pr.rnp.br PoP-PR - Ponto de Presença da RNP no Paraná

Leia mais

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC

IPv6 em rede de Campus Case UFSC & PoP-SC I WORKSHOP DE TECNOLOGIA DE REDES Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 IPv6 em rede de Campus Case UFSC &

Leia mais

Tiago Jun Nakamura Analista de Desenvolvimento São Paulo, SP 13 de maio de 2015

Tiago Jun Nakamura Analista de Desenvolvimento São Paulo, SP 13 de maio de 2015 Tiago Jun Nakamura Analista de Desenvolvimento São Paulo, SP 13 de maio de 2015 Introdução ao uso de Flows e sua utilidade na gerência de redes Introdução ao uso de Flows O que é Flow? Para que serve?

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais

Laboratório de Gerência de Redes Introdução. Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Laboratório de Introdução Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Gerência de redes Monitoração e controle da rede a fim de garantir seu funcionamento correto e seu valor

Leia mais

Cacti. Dependências básicas Antes de instalar o Cacti é necessário realizar a instalação de suas dependências.

Cacti. Dependências básicas Antes de instalar o Cacti é necessário realizar a instalação de suas dependências. Cacti Segundo o site www.cacti.org, o Cacti é uma solução gráfica completa de rede desenvolvida para aproveitar o poder de armazenamento e funcionalidades gráficas do RRDTool's. Trata-se de uma interface

Leia mais

Uma Solução Baseada em Web Services para o Gerenciamento de Coletores NetFlow Distribuídos

Uma Solução Baseada em Web Services para o Gerenciamento de Coletores NetFlow Distribuídos Uma Solução Baseada em Web Services para o Gerenciamento de Coletores NetFlow Distribuídos Diego M. da Rosa, Evandro D. V. Pereira, Lisandro Z. Granville, Maria Janilce B. Almeida, Liane Margarida R. Tarouco

Leia mais

IPv6 no café da manhã Universidade Federal de Santa Catarina Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina. 28 de maio de 2013

IPv6 no café da manhã Universidade Federal de Santa Catarina Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina. 28 de maio de 2013 IPv6 no café da manhã Universidade Federal de Santa Catarina Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina 28 de maio de 2013 Experiências com IPv6 em rede de Campus UFSC & PoP-SC Universidade Federal de

Leia mais

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br

SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil. Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br SIMET Medindo a qualidade das conexões Internet no Brasil Fabricio Tamusiunas fabricio@nic.br César Linhares Rosa cesar@nic.br NIC.br Criado para implementar os projetos e decisões do CGI.br Registro e

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

15.565 Integração de esystems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

15.565 Integração de esystems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de esystems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações e

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Um Ambiente de Gerenciamento de Medições por Fluxo de Tráfego Baseado na utilização de Mapas em árvore

Um Ambiente de Gerenciamento de Medições por Fluxo de Tráfego Baseado na utilização de Mapas em árvore Um Ambiente de Gerenciamento de Medições por Fluxo de Tráfego Baseado na utilização de Mapas em árvore Leobino Sampaio, Marcio Almeida, José A. Suruagy Monteiro, Manoel Mendonça Núcleo Interdepartamental

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

Data de entrega: 07.abr.2015 Entregar exercício impresso Será descontado 2 pontos para cada dia de atraso

Data de entrega: 07.abr.2015 Entregar exercício impresso Será descontado 2 pontos para cada dia de atraso FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores DESEMPENHO DE REDES Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Métricas e variáveis de redes Data de entrega:

Leia mais

Visualização de Tráfego em Redes com NetworkWeathermaps. Alex Soares de Moura RNP

Visualização de Tráfego em Redes com NetworkWeathermaps. Alex Soares de Moura RNP Visualização de Tráfego em Redes com NetworkWeathermaps Alex Soares de Moura RNP Agenda O que são Network Weather Maps? Características Aplicações Estudo de caso: implementação na RNP Implementação Requerimentos

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS FERRAMENTAS CACTI E MRTG NO GERENCIAMENTO DE UMA REDE COMPUTACIONAL COM TRÁFEGO HETEROGÊNEO

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS FERRAMENTAS CACTI E MRTG NO GERENCIAMENTO DE UMA REDE COMPUTACIONAL COM TRÁFEGO HETEROGÊNEO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS FERRAMENTAS CACTI E MRTG NO GERENCIAMENTO DE UMA REDE COMPUTACIONAL COM TRÁFEGO HETEROGÊNEO Marcos Prado Amaral 1 Thiago de Freitas Faria 2 Resumo. A crescente globalização

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Sobre os autores Marjorie Roberta dos Santos Rosa Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

PRÁTICA EM SEGURANÇA DE REDES: EXPERIÊNCIAS COM NETFLOW

PRÁTICA EM SEGURANÇA DE REDES: EXPERIÊNCIAS COM NETFLOW PRÁTICA EM SEGURANÇA DE REDES: EXPERIÊNCIAS COM NETFLOW Andrey Vedana Andreoli, Leandro Márcio Bertholdo e Liane M. R. Tarouco CERT-RS / POP-RS / UFRGS Rua Ramiro Barcelos, 2574 - Porto Alegre RS {andrey,

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

MRTG Multi Router Traffic Grapher

MRTG Multi Router Traffic Grapher MRTG Multi Router Traffic Grapher Alunos: Mateus Matias Luiz Edu Rodrigues Higor Rocha Luis Henrique Índice Introdução... 3 Características... 4 Gerenciamento de Rede... 5 Tutorial... 6 Gráficos... 7 Bibliografia...

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Documento de Projeto Piloto GT em Configuração de Redes. Plano de Implantação

Documento de Projeto Piloto GT em Configuração de Redes. Plano de Implantação Documento de Projeto Piloto GT em Configuração de Redes Plano de Implantação Lisandro Zambenedetti Granville Clarissa Cassales Marquezan Rodrigo Sanger Alves Ricardo Lemos Vianna Augusto Bueno Peixoto

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo

A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo A ECONET EVOLUTION S.A.S. nasce no ano de 2012 na Colômbia. Com sua filosofia de crescimento e expansão, projeta-se no mercado mundial, oferecendo profissionalismo, velocidade, qualidade e conhecimento

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ

Tópicos Especiais em Redes Alta Performance. Paulo Aguiar DCC/UFRJ Tópicos Especiais em Redes Alta Performance Paulo Aguiar DCC/UFRJ Conteúdo A convergência das redes e os grandes desafios Sistemas grandes são melhores Rede IP global como solução: limitações de desempenho

Leia mais

Desenvolvimento da ReMAV-Curitiba Perspectivas Novos parceiros e alianças Institucionalização

Desenvolvimento da ReMAV-Curitiba Perspectivas Novos parceiros e alianças Institucionalização ,,:RUNVKRS :RUNVKRSGD513 %HOR+RUL]RQWHGHPDLRGH 5(0$9&XULWLED ([SHULPHQWRVGH*HVWmRH$SOLFDo}HV HP5HGHVGH$OWD9HORFLGDGH &HQWUR,QWHUQDFLRQDOGH7HFQRORJLDGH6RIWZDUH &HQWUR)HGHUDOGH(GXFDomR7HFQROyJLFDGR3DUDQi,QVWLWXWRGH7HFQRORJLDGR3DUDQi

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores

Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores Arlindo Follador Neto 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

Utilizando o conjunto de ferramentas Flow-tools como mecanismo de Detecção de Intrusão

Utilizando o conjunto de ferramentas Flow-tools como mecanismo de Detecção de Intrusão Utilizando o conjunto de ferramentas Flow-tools como mecanismo de Detecção de Intrusão Almir Moreira Saúde Arnaldo Candido Junior Ronan Pedroso Nogueira Gaeti Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian Coordenador

Leia mais

Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Uma ferramenta de gerenciamento é qualquer utilitário que possa auxiliar no trabalho de gerenciamento da rede; Podem ser comandos simples

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE DE ACESSO À INTERNET

MANUAL DO CLIENTE DE ACESSO À INTERNET MANUAL DO CLIENTE DE ACESSO À INTERNET Índice 1 Introdução 2 2 Características do Acesso Dedicado à Internet 2 3 Instalação do Acesso à Internet 3 4 Suporte Técnico 4 5 Gráfico de Consumo 5 6 Medidor Brasilsite

Leia mais

Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP

Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP Cláudia de Abreu Silva 1,2 claudia@dtm.mar.mil.br Luís Felipe Magalhães de Moraes 1 moraes@ravel.ufrj.br 1 Universidade Federal

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO.

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 1 Marcelo Herbert de Lima Chefe do Núcleo de Controle da Produção DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 2 1 Roteiro A Secretaria

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP IV Workshop VoIP Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP Alex Galhano Robertson Recife, 29 de maio de 2009 Agenda Serviços Digitais para Saúde O serviço fone@ms Visão Geral Premissas Treinamento A rede

Leia mais

Rodrigo Regis dos Santos Tiago Jun Nakamura São Paulo, SP 16 de julho de 2015

Rodrigo Regis dos Santos Tiago Jun Nakamura São Paulo, SP 16 de julho de 2015 Rodrigo Regis dos Santos Tiago Jun Nakamura São Paulo, SP 16 de julho de 2015 Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é a Internet? O que é a Internet? Equipamentos que compõe a Internet: Switch Roteador

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Primeiro Técnico. Comunicão na Internet Prof. Cesar

Primeiro Técnico. Comunicão na Internet Prof. Cesar Primeiro Técnico Comunicão na Internet Prof. Cesar 1 A Internet é freqüentemente comparada a um sistema interestadual de estradas. 2 * Permitem alta-velocidade aos viajantes (para os dadosecarros); 3 *

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Giovane César Moreira Moura Escola de Engenharia Elétrica e de Computação, UFG. 4º Ano de Engenharia de Computação Matrícula: 012826

Giovane César Moreira Moura Escola de Engenharia Elétrica e de Computação, UFG. 4º Ano de Engenharia de Computação Matrícula: 012826 1. Identificação Giovane César Moreira Moura Escola de Engenharia Elétrica e de Computação, UFG. 4º Ano de Engenharia de Computação Matrícula: 012826 Professor Orientador: Prof. Msc. Marcelo Stehling de

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Implantação de QoS no fone@rnp

Implantação de QoS no fone@rnp III Workshop VoIP Marcel R. Faria & Fábio Okamura Maio 2008 Agenda Introdução Backbone RNP rede Ipê QoS na rede Ipê - Serviço Premium Aplicação no fone@rnp Introdução A fim de atender a crescente demanda

Leia mais

Banco de dados de fluxos para análises de segurança.

Banco de dados de fluxos para análises de segurança. Banco de dados de fluxos para análises de segurança. Grupo de Trabalho em Segurança GTS São Paulo, 27 de Outubro de 2007. André Proto Jorge Luiz Corrêa UNESP Universidade Estadual Paulista Instituto de

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Delfa M. HuatucoZuasnábar 2010 2 A década de 50 - Uso de máquinas complexas de grande porte operadas por pessoas altamente especializadas e o enfileiramento de usuários para submeter

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Douglas Costa Fábio Pirani Fernando Watanabe Jefferson Inoue Firewall O que é? Para que serve? É um programa usado para filtrar e dar segurança em

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC

QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC QUESTIONAMENTOS EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO No.14000174/2014 AC Questionamento 1 No subitem 5.2.3 da Especificação Técnica, embora seja pedida a utilização de aceleração de tráfego HTTP e TCP Spoofing, não

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB PARA UTILIZAÇÃO COM SISTEMAS NO BREAKS MONOFÁSICOS GUARDIAN LINHAS ENERGIZA E SEICA DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA

Leia mais

Concurso Público. Prova Prática. Tecnólogo em Redes. Técnico Administrativo em Educação 2014. NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova

Concurso Público. Prova Prática. Tecnólogo em Redes. Técnico Administrativo em Educação 2014. NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova Concurso Público Técnico Administrativo em Educação 2014 Prova Prática Tecnólogo em Redes NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova INSTRUÇÕES 1. A duração da prova é de 03 (três) horas.

Leia mais

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Prezados, A Telemar Norte Leste S/A, pessoa jurídica de direito privado, prestadora de

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes SOBRE A AUTORA Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente participa do grupo

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

RC e a Internet. Prof. Eduardo

RC e a Internet. Prof. Eduardo RC e a Internet Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhões de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria destes dispositivos

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Evolução das Redes. Paulo Aguiar

Evolução das Redes. Paulo Aguiar Evolução das Redes Paulo Aguiar Década de 40-50 Havia somente válvulas Tamanho de pequenas lâmpadas Alta consumo e dissipação de energia Vida útil limitada Primeiros computadores eram objetos de grandes

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes

PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes Éverton Perleberg 1, André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATECPEL) Rua Gonçalves

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Revisão da Aula 1. Redes LAN e WAN. Aprofundamento nos Serviços de

Leia mais