ENSAIO EM VOO 22 AERO MAGAZINE MARÇO 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENSAIO EM VOO 22 AERO MAGAZINE MARÇO 2010"

Transcrição

1 ENSAIO EM VOO 1 22 AERO MAGAZINE MARÇO 2010

2 FICOU AINDA MELHOR O PILATUS PC-12NG, VERSÃO MAIS MODERNA DO TURBOÉLICE SUÍÇO, GANHOU EM DESEMPENHO E TECNOLOGIA SEM SACRIFICAR O CONFORTO E A SEGURANÇA POR ANDRÉ DANITA Fundada em 1939, a suíça Pilatus Aircraft especializou-se em produzir uma família de aviões monomotores turboélices de alto desempenho, tanto para uso militar como civil. O modelo PC-6 Turbo Porter, por exemplo, é conhecido por sua robustez e capacidade de operação em pistas curtas (STOL Short Take- Off and Landing), levando cargas e passageiros a locais improváveis, enquanto seus irmãos PC-7 e PC-9 são conhecidos treinadores militares, equipando Forças Aéreas ao redor do mundo. Em 1994, a Pilatus decidiu usar toda a sua expertise para explorar o nicho das aeronaves executivas, em um projeto que aliaria refinamento aerodinâmico, alta performance, motorização de última geração, versatilidade de operação e sofisticação de cockpit e interior. Nascia assim o Pilatus PC- 12, modelo que se tornou referência da categoria monoturboélice e contabiliza hoje a notável marca de mais de 900 aeronaves entregues. Ainda assim, o questionamento sobre a escolha de um monomotor no lugar de um bimotor ainda é muito frequente, e a resposta da Pilatus está na ponta da língua. A fábrica suíça argumenta que o fator econômico é o de maior peso, já que os custos operacionais diretos do PC- 12 são aproximadamente 1/3 menores que o de seus concorrentes com mais de um motor. Mesmo assim, o monomotor possui desempenho equivalente ou superior a alguns bimotores. O fator segurança é o ponto mais discutido, e as estatísticas provam que a confiabilidade das turbinas hoje em dia é altíssima. A família Pratt & Whitney PT-6, da qual o modelo -67P equipa a mais nova versão do PC-12, possui o incrível registro de uma parada a cada horas de voo. Curiosamente, os índices de acidentes fatais de mono e bimotores a turbina são semelhantes. Isto se deve em parte à perda de controle da aeronave multimotora por assimetria de potência, no evento de falha de um dos motores, enquanto o piloto do monomotor parece estar mais condicionado a procurar imediatamente um local adequado para efetuar um pouso de emergência. Tais argumentos parecem cada vez mais convencer os operadores do mundo todo em favor do PC-12. Tanto é assim que a fábrica suíça entregou em 2009 a marca recorde de 100 aeronaves, cinco delas no Brasil. Com isso, a frota brasileira do modelo subiu para 20 unidades. Sua nova versão (PC-12-47) foi batizada comercialmente de NG, ou Next Generation, e incorpora algumas inovações ao já avançado Pilatus. Apesar de ser conhecido por sua simplicidade de operação e automatização de sistemas, o PC-12 carecia de uma revitalização em seu cockpit, e a suíte Honeywell Primus Apex, da versão NG, veio preencher esta lacuna. Configurado com dois PFDs (Primary Flight Displays, ou Telas Primárias de Voo) e dois MFDs (Multi-Function Displays, ou Telas Multifuncionais), o novo cockpit é uma versão compacta do consagrado Primus Epic, que é a 2 base das cabines mais avançadas da atualidade, como o EASy, da Dassault Falcon, e o Plane View, da Gulfstream. A Pilatus decidiu aproveitar ao máximo a capacidade de integração do Apex aos sistemas da aeronave, trazendo para as telas os parâmetros de voo, sensores, rádios, mensagens de alarme e demais controles de pressurização e ar-condicionado, minimizando a quantidade de switches espalhados pelo painel e eliminando os indicadores analógicos. Como opcionais, estão disponíveis também as cartas Jeppesen eletrônicas, checklists eletrônicos personalizado para cada operador, GPS com WAAS, capacidade VNAV (Vertical Navigation) acoplada ao piloto automático, aproximações LPV, TCAS I, TAWS classe A ou B e provisões para implantação de ADS-B (Automatic Dependent Surveillance Broadcast). Tudo isso capacita o PC-12NG para operar no ambiente das mais novas tecnologias de navegação e comunicação. O motor da nova versão possui nada menos que shp de potência total, redu- Apesar de ser monomotor, o Pilatus PC-12NG (1) tem performance equivalente a aeronaves bimotoras, e com custo operacional menor. A nova versão ainda vem equipada com uma nova suíte de eletrônicos, a Primus Apex, produzida pela Honeywell (2), que oferece múltiplas telas de LCD para controle FOTOS PILATUS (1) E MARCELO GALLI (2) MARÇO 2010 AERO MAGAZINE 23

3 ENSAIO EM VOO PILATUS PC-12 NG 3 zidos para shp. Isto significa maior disponibilidade de potência em grandes altitudes e, em última análise, um conjunto trabalhando sempre abaixo de sua capacidade, o que se traduz em menor esforço e maior longevidade dos componentes. Outro diferencial do novo modelo é o winglet redesenhado, melhor integrado à estrutura das asas. Fomos convidados pela Ocean Air Táxi Aéreo, representante exclusivo da Pilatus no Brasil e Colômbia, a conhecer de perto esta novidade em uma manhã típica de verão, no aeroporto de Americana, interior de São Paulo, onde está baseado o quarto exemplar NG entregue no Brasil. Sou acompanhado pelo André Bernstein, da área de vendas da Ocean Air, e pelo comandante Costa, experiente piloto da aviação executiva e operador de Pilatus. Em Americana, encontramos o comandante Maurício, proprietário da aeronave. Muito entusiasmado com a nova máquina, ele me conta um pouco de sua história de aviação, parecida com a de muitos novos operadores de Pilatus. Dono de dois Cirrus SR-22, nas quais acumulou mais de horas de voo, sentiu a necessidade de uma aeronave mais espaçosa e de maior alcance para suas viagens com a família e amigos. A opção por um VLJ (Very Light Jet) não atenderia sua necessidade, além de aumentar significativamente os custos operacionais. Além disso, a transição para o jato exigiria uma adaptação mais longa. Assim, a ideia de um monomotor turboélice encaixou-se perfeitamente em seu perfil. O PC-12 NG pousa nas mesmas pistas que ele habitualmente operava com o Cirrus, com velocidades semelhantes, mas leva até sete passageiros e suas bagagens por mais de milhas náuticas (2.780 km), ou até nove passageiros em etapas mais curtas. Com sua aeronave disponível para operação desde o início de janeiro deste ano, Maurício já acumulou quase 100 horas de voo, e a experiência deu tão certo que ele agora se debruça sobre cartas e guias planejando criteriosamente uma longa viagem de volta ao mundo. Isto representa um grande salto, especialmente para pilotos-proprietários como ele, que veem no Pilatus uma evolução natural a partir da operação de monomotores leves, agora com mais conforto, espaço, alcance e segurança. Encontro o reluzente PR-GSM, número de série 1127, com suas linhas elegan- tes, estacionado no pátio, pronto para nosso voo. Peço a Maurício que faça uma inspeção externa comigo, que se inicia no motor. Ao abrir o capô, deparo-me com a robusta PT-6 e os dois geradores de 300 ampères cada, outra novidade da versão NG. A inspeção do nível de óleo do motor é facilitada pelo visor na lateral do motor e pela vareta sensora. Continuamos ao longo da fuselagem e encontramos a portinhola de serviço dos reservatórios de oxigênio, e uma curiosa porta de admissão de ar de impacto para a cabine, utilizada para facilitar a remoção em emergência de fumaça na cabine. As asas são equipadas com boots para degelo, e um duplo sistema de sensores de ângulo de ataque alimenta informações no PFD do piloto e no stick shaker/pusher, dispositivo que alerta e evita a entrada em um iminente estol. O radar meteorológico fica instalado na ponta da asa direita. Deparo-me então com os enormes flapes, do tipo Fowler, que não apenas aumentam significativamente a área da asa quando estendidos, mas também contam com fendas entre eles que, aliadas ao bordo de fuga da asa, possibilitam a energização de sua camada-limite. É graças a esta engenharia que o PC AERO MAGAZINE MARÇO 2010 FOTOS MARCELO GALLI

4 4 5 6 A espaçosa cabine do PC-12NG pode ser configurada para transportar sete ou até nove passageiros (3); nas asas, os flapes estilo Fowler chamam atenção (4), assim como as luzes de reconhecimento (5); a enorme porta de carga lateral da aeronave (6), que facilita muito o embarque e o desembarque de bagagem, carga e até macas, na versão de resgate aeromédico decola e pousa em distâncias reduzidas, sem comprometer a excelente performance de cruzeiro. Reparo também nas luzes de reconhecimento (recognition lights), instaladas sob as asas que, além de aumentar a visibilidade para outras aeronaves, melhoram a iluminação nas operações de pouso e decolagem quando usadas em conjunto com as luzes de pouso (landing lights). Ao contornarmos a cauda em T, chegamos à enorme porta de carga, um dos maiores diferenciais do PC-12 sobre seus concorrentes. Padrão em todas as aeronaves, ela facilita o embarque e desembarque das bagagens no fundo da aeronave, nas versões executivas; da carga, nas versões Cargo e Combi; e de até duas macas, na versão ambulância aérea. A versatilidade é impressionante, e a aeronave pode ser reconfigurada em questão de minutos. André Bernstein me garante que, apesar das dimensões desta porta, o nível de ruído na cabine de passageiros em voo é muito baixo. É hora de conferir todas as qualidades do PC-12 NG, e o comandante Costa será meu instrutor durante a etapa entre Americana e o Campo de Marte, com previsão de ascensão ao FL 270 na aerovia UW63 até a posição Cosme, e posterior retorno via posição Represa e Rota Especial de Aviões Índia até o destino. O acionamento do motor é simples: basta pressionar um switch e, ao atingir 17% de rotação da turbina geradora de gases (Ng), abre-se a manete de condição diretamente para a posição Ground Idle. O resto do ciclo se completa automaticamente, restando ao piloto monitorar qualquer anormalidade. Seguem-se então os testes de sistemas e a inserção da rota e dos parâmetros nas janelas do sistema de gerenciamento de voo (Flight Management System), que é feita através de um pequeno stick, aqui chamado de CCD (Cursor Control Device) e um teclado alfanumérico. A programação é dividida logicamente em páginas, chamadas de POF (Phases of Flight). Em pouco tempo temos nossa máquina pronta para o táxi. Apesar de ser uma manhã de sexta-feira, há bastante movimento de pequenos aviões e ultraleves avançados em Americana, e logo estamos posicionados na cabeceira 30. Costa decide me mostrar uma decolagem de alta performance, utilizando flapes na posição 30 graus. Caso haja alguma discrepância na configuração de decolagem, o CAS MARÇO 2010 AERO MAGAZINE 25

5 ENSAIO EM VOO PILATUS PC-12 NG (Crew Alerting System, ou Sistema de Alerta à Tripulação) avisará de forma sonora e visual, cantando um sonoro No Take-Off. Iniciamos uma decolagem estática avançando a manete única de potência e de regime de hélice (outra importante semelhança com os Cirrus), e a aceleração é notável, mesmo com nosso peso apenas 800 libras abaixo do máximo de decolagem e a temperatura externa de 28º C. Consumimos aproximadamente 2/3 PILATUS PC-12 NG Fabricante Pilatus Aircraft Ltd. Preço básico US$ 3,78 milhões Motor Pratt & Whitney Canada PT6A-67P Potência Shp (Reduzida para shp) Capacidade típica 1 tripulante + 9 passageiros Comprimento 14,40 m Envergadura 16,28 m Altura 4,26 m Altura da cabine 1,47 m Largura da cabine 1,52 m Peso básico operacional lb (3.076 kg) Peso máximo de decolagem lb (4.740 kg) Peso máximo de pouso lb (4.500 kg) Capacidade de combustível lb Velocidade máxima de cruzeiro 280 nós Distância de decolagem (Nível do mar/isa/mtow) 808 m Distância de pouso (Nível do mar/isa/mlw) 558 m Alcance milhas náuticas (2.889 km) Teto operacional pés (9.144 m) Mais informações OceanAir Táxi Aéreo Tel (11) dos metros da pista na corrida e, logo após os 70 nós de velocidade, estamos voando firmes. A velocidade chega rapidamente aos 100 nós e é hora de limpar a máquina para a subida em rota, realizada com 140 nós indicados. Em contato com o Controle Campinas, somos autorizados até pés na proa de Bragança Paulista, e experimento um pouco do voo manual, bastante suave e preciso. Demoro um pouco para me acostumar às mudanças de potência e velocidade, já que a manete de potência é bastante sensível e o torque da potente PT-6 se faz presente, exigindo reajustes ( trimagens ) constantes de leme. Minha falta de prática é então resolvida quando Costa acopla o yaw damper, que além de amortecer as oscilações em guinada também faz o trabalho de compensação, tornando o voo muito mais confortável. Reiniciamos a subida no piloto automático, aproveito o tempo para explorar as telas dos MFDs e tenho uma grata surpresa. Ao contrário do que acontece tipicamente nas versões reduzidas das mais conhecidas suítes de aviônicos do mercado, o Apex praticamente mantém todas as funcionalidades de seu irmão maior Epic em suas configurações mais sofisticadas, e me sinto como se estivesse na cabine de um Falcon equipado com o avançado cockpit EASy. Obviamente a quantidade de teclas externas de atalho é reduzida, e sinto falta apenas de outro CCD para possiblitar o trabalho simultâneo de ambos tripulantes e para servir de backup em caso de falha do stick. A subida se mantém firme, com o climb indicando em torno de pés/minuto. Ao nivelarmos, rapidamente aceleramos para a velocidade de cruzeiro. Com 25 psi de torque e um fluxo de combustível de míseras 367 libras/hora de querosene, nosso PC-12 NG cruza com uma velocidade (TAS True Airspeed) de 258 nós, nada mal para nosso peso próximo do máximo e um dia quente, com temperatura na faixa de ISA +17. Aproveito o cruzeiro para visitar a cabine de passageiros. Configurada com seis assentos executivos, mais dois assentos auxiliares no fundo da cabine, o ambiente é agradável e silencioso, já que o motor está instalado longe dos passageiros, e lembra mais o interior de um jato. Os confortáveis assentos executivos são giratórios e reclináveis. Existem três mesas, além de tomadas AC espalhadas pela cabine. O toalete, localizado em frente à porta principal, garante privacidade total, com portas de madeira que o isolam do cockpit e da cabine de passageiros. De volta à cabine de comando, somos orientados a voar na proa de Trigo para a descida, posição que não constava de nosso plano original, mas basta deslocar o cursor pela tela do I-NAV (Integrated Navigation Map), encontrar o ponto e clicar em Direct To no menu que aparece ao lado. Inteligentemente, nosso Waypoint List nos pergunta qual será o ponto subsequente, e basta clicar sobre o ponto Reprs, que ali já estava, para que o plano seja fechado com a nova trajetória. Tudo muito simples, feito de maneira gráfica, sem inserções de teclado. Ponto para o Apex e para a Pilatus! Já no corredor Índia, reduzimos a velocidade para melhor observarmos o congestionado espaço aéreo da capital paulistana, cruzando com aviões no sentido contrário e helicópteros em suas rotas especiais, logo abaixo de nós. A pista em uso em Marte é a 12, e vamos nos ajustando à perna do vento. O Pilatus mantém-se firme mesmo em baixas velocidades, e é preciso parcimônia ao fazer correções de velocidade e trajetória na final, pois o motor responde prontamente. O cruzamento da cabeceira ocorre com um pouco de excesso de velocidade, mas o toque sai suave, graças aos grandes pneus e aos amortecedores do tipo trailing link. Mal utilizamos os freios para livrar a pista na intersecção central, e monitoramos nosso táxi na carta Jeppesen do aeródromo, que é exposta no MFD inferior. Termino o voo no hangar da Paulicopter, impressionado com os recursos, a performance e a simplicidade de operação do Pilatus PC-12 NG. Contando com uma rede de suporte mundial, o Pilatus ganha cada vez mais adeptos no Brasil e no mundo, acessando mais pistas não preparadas e desempenhando uma variedade de missões com muita robustez, refinamento, tecnologia e baixos custos operacionais. Quem o vê por fora, como um simples monomotor, que não se engane: o PC-12 NG oferece muito mais. GOSTEI Performance; robustez e aviônicos NÃO GOSTEI Cursor Control Device (CCD) 26 AERO MAGAZINE MARÇO 2010 TRÊS VISTAS IVAN PLAVETZ

6 7 8 Os winglets do PC-12NG foram redesenhados (7) para poder ser melhor integrados ao perfil das asas; embora menor que a porta de carga, o acesso de passageiros é bastante adequado ao tamanho do avião (8); na ponta da asa direita, fica instalado o radar meteorológico da aeronave; os grandes pneus o os amortecedores do tipo trailing link (10) garantem toques suaves, mesmo quando a velocidade de aproximação é um pouco alta; o capô dá acesso ao potente e confiável motor PT-67P, fabricado pela norte-americana Pratt & Whitney, que equipa o Pilatus PC-12NG (11) FOTOS PILATUS (1) E MARCELO GALLI (2 A 5) MARÇO 2010 AERO MAGAZINE 27

ensaio em voo 08 mar abr 2010

ensaio em voo 08 mar abr 2010 08 mar abr 2010 escolha Precisa Texto: Edmundo Reis Fotos: Marcio Jumpei pilatus pc-12 NG Faz muito por muito pouco e ainda voa muito bem, o avião suíço ganha o mercado brasileiro mostrando serviço 09

Leia mais

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO PT-SBC DESEMPENHO DE SUCESSO. Por qualquer perspectiva que você o examine, o Phenom 300 o impressionará por seu excepcional desempenho. Com motores Pratt & Whitney Canada, ele pode ser facilmente operado

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO PR-JAJ VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade O A-Viator é um bimotor de hélices turbinadas, asa na parte superior e com capacidade para 11 lugares, desenvolvido para satisfazer as crescentes demandas de operadores por uma aeronave de alto desempenho

Leia mais

EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA EM QUALQUER AMBIENTE

EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA EM QUALQUER AMBIENTE PILATUS PORTER PC-6 EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA EM QUALQUER AMBIENTE DISTRIBUIDOR EXCLUSIVO NO BRASIL Capacidade Confiança Versatilidade 4 6 8 Opções Dimensões e Geometria Peso e Balanceamento,

Leia mais

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato EspEcial 32 páginas com muita coisa extra Ensaio Em voo RV-9A e TBM 850 dizem A que VieRAM dia-a-dia da cachaça O Museu TAM ReABRe glorioso EntrEvista

Leia mais

O MÁXIMO EM CONFORTO. SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS PERFEITO DADOS DE DESEMPENHO

O MÁXIMO EM CONFORTO. SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS PERFEITO DADOS DE DESEMPENHO N991EC SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS PERFEITO Mesmo no caso de viagens que poderiam parecer mais difíceis para um jato executivo, o Legacy 600 não o decepcionará. Pode ficar tranquilo quanto à sua capacidade

Leia mais

BELL 412EP Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multi-missão.

BELL 412EP Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multi-missão. PORTUGUÊS BELL 412EP Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multi-missão. CORPORATIVO Quer seja administrar uma empresa ou um país, tudo se resume

Leia mais

Pictures shown are artist s renderings Artist rendering

Pictures shown are artist s renderings Artist rendering N661EC Pictures shown are artist s renderings UM JATO REALMENTE DO SÉCULO 21. O Legacy 600 é perfeito para os negócios no mercado atual. Um jato super midsize com incrível conforto e confiabilidade. Mesmo

Leia mais

8teste de voo. vulcanair p68c

8teste de voo. vulcanair p68c 8teste de voo TESTE DE VOO 76 A v iã o R ev u e IDEAL PARA QUALQUER Com dois motores de 200 hp supereconômicos, o P68C surge como uma opção de bimotor que se adapta a qualquer tarefa por Décio Corrêa fotos

Leia mais

QUANDO O ASSUNTO É ALCANCE, O CÉU É O LIMITE. DEFINA SEU ESPAÇO. DADOS DE DESEMPENHO

QUANDO O ASSUNTO É ALCANCE, O CÉU É O LIMITE. DEFINA SEU ESPAÇO. DADOS DE DESEMPENHO N608EC QUANDO O ASSUNTO É ALCANCE, O CÉU É O LIMITE. Não há limite para onde o Legacy 650 pode levá-lo. Seu alcance invejável pode transportá-lo com facilidade de Londres a Nova York, para viagens de

Leia mais

EMBRAER PARTICIPA DO PRINCIPAL EVENTO RUSSO DE AVIAÇÃO EXECUTIVA Empresa apresentará o jato executivo Legacy 600 na JetExpo 2009, em Moscou

EMBRAER PARTICIPA DO PRINCIPAL EVENTO RUSSO DE AVIAÇÃO EXECUTIVA Empresa apresentará o jato executivo Legacy 600 na JetExpo 2009, em Moscou EMBRAER PARTICIPA DO PRINCIPAL EVENTO RUSSO DE AVIAÇÃO EXECUTIVA Empresa apresentará o jato executivo Legacy 600 na JetExpo 2009, em Moscou São José dos Campos, 10 de setembro de 2009 - A Embraer participa

Leia mais

TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL

TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL TRANSIÇÃO PARA O Da hélice para o turbofan, os cuidados que devem ser observados por pilotos que estão migrando de tipo de equipamento. Os conceitos mudam radicalmente e a transição exige um bom treinamento

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO Para o empresário do agronegócio, investir em uma aeronave particular, com características versáteis, representa economia de tempo e dinheiro Líder Aviação expõe avião Baron

Leia mais

EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas

EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas São José dos Campos, 9 de dezembro de 2008 O jato executivo

Leia mais

BELL 407GXP Quando a missão exige velocidade, desempenho e confiabilidade, confie no Bell 407GXP.

BELL 407GXP Quando a missão exige velocidade, desempenho e confiabilidade, confie no Bell 407GXP. PORTUGUÊS BELL 407GXP Quando a missão exige velocidade, desempenho e confiabilidade, confie no Bell 407GXP. CORPORATIVO Potência. Confiabilidade. Manobrabilidade. O Bell 407GXP tem tudo que você espera

Leia mais

LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil

LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil CESSNA Citation Latitude A TAM Aviação Executiva, representante exclusiva no Brasil das fabricantes Cessna Aircraft

Leia mais

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência A Marcopolo lança o seu mais novo e moderno ônibus urbano,

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação No dia 15 de dezembro de 1989, o voo KLM 867, operado por um Boeing 747-406M, o PH-BFC, decolou de Amsterdam com destino ao Aeroporto de Narita, no Japão,

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

Boeing 727 Datacenter

Boeing 727 Datacenter Boeing 727 Datacenter 1 Boeing 727 Datacenter O DESENVOLVIMENTO DO BOEING 727 O INÍCIO Mesmo antes do modelo 707 estar pronto para o serviço, a Boeing compreendeu a necessidade de complementar este avião

Leia mais

JATOS PHENOM ESTRÉIAM NA EUROPA NA EBACE 2009 Phenom 100 foi recentemente certificado pela EASA para operar na região

JATOS PHENOM ESTRÉIAM NA EUROPA NA EBACE 2009 Phenom 100 foi recentemente certificado pela EASA para operar na região JATOS PHENOM ESTRÉIAM NA EUROPA NA EBACE 2009 Phenom 100 foi recentemente certificado pela EASA para operar na região São José dos Campos, 6 de maio de 2009 Os jatos executivos Phenom 100 e Phenom 300,

Leia mais

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo INSTRUMENTOS Os instrumentos servem para controlar o vôo, o funcionamento do motor e demais sistemas da aeronave. Eles são classificados em 4 grupos

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014)

MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014) MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO O grande desenvolvimento verificado atualmente no transporte aéreo através de helicópteros tem como razões: as facilidades

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO N330XX VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias

Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias Programa 787 Sistema Elétrico e Baterias Mike Sinnett Vice-president & Engenheiro Chefe de Projeto Programa 787 Fevereiro 2013 1 Welcome Sistemas elétricos de uma aeronave Sistema elétrico do 787 Dreamliner

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS NOVA HYSTER CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

Manual de Usuário - TWSACARS

Manual de Usuário - TWSACARS Manual de Usuário - TWSACARS Marcelo Pires TrueWings Virtual Airlines 01/01/2013 Conteúdo 1 - Como instalar... 3 2 - Como configurar... 5 3 - Como utilizar o TWSACARS... 6 3.1 - Guia PIREP... 6 3.1.1 -

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

tecnologia engenharia aeronáutica y

tecnologia engenharia aeronáutica y tecnologia engenharia aeronáutica y Ilustração mostra uma futura aptidão do novo KC-390: reabastecer aviões militares em pleno voo 62 z novembro DE 2014 Projeto global Embraer desenvolve novo avião militar

Leia mais

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Motor Motor CAT C6.6 ACERT Motor CAT C7 ACERT Motor CAT C7 ACERT Comp. Classe III Comp. Classe III Comp. Classe III Potência Bruta 129 kw (173

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

Conviasa recebe dois novos Embraer E190

Conviasa recebe dois novos Embraer E190 Conviasa recebe dois novos Embraer E190 Por Rubens Barbosa Filho A companhia aérea estatal venezuelana Conviasa (Consorcio Venezolano de Industrias Aeronáuticas y Servicios Aéreos, S.A.) recebeu em 25

Leia mais

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL 0325-folheto H50CT 26-11-11.pmd 1 NOVA HYSTER H50CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A H50CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas características

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

PÁ CARREGADEIRA W20E TURBO

PÁ CARREGADEIRA W20E TURBO PÁ CARREGADEIRA W20E TURBO PERFECT IN EVERY MISSION casece.com.br experts for the real world since 1842. Nova versão, com maior versatilidade e menor custo operacional. A pá carregadeira CASE W20E Turbo

Leia mais

BELL HUEY II Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multimissão.

BELL HUEY II Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multimissão. PORTUGUÊS BELL HUEY II Uma aeronave indispensável para o uso diário com uma cabine ampla proporcionando flexibilidade de multimissão. TRANSPORTE E INSERÇÃO DE TROPAS BUSCA E RESGATE Não procure mais, o

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

KC-137 Uma alternativa para a FAB

KC-137 Uma alternativa para a FAB KC-137 Uma alternativa para a FAB José Alves Daniel Filho, Graduando em Ciências Econômicas UPIS DF. daniell.filho@gmail.com Em meados da década de 1980, a Força Aérea Brasileira visando atender o requerimento

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

Linha de Pavimentadoras SD Dynapac

Linha de Pavimentadoras SD Dynapac Linha de Pavimentadoras SD Dynapac Dynapac SD2500C / SD2500CS - Esteiras Dynapac SD2500W / SD2500WS - Rodas Nova linha de pavimentadoras D inovação e alta performance a se necessidades de sua obra. IMPACTO

Leia mais

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço

Fretamento. Índice. TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço TAM Aviação Executiva: Você sem limite de tempo ou espaço O Fretamento está em nosso DNA. Foi a partir desse serviço que nascemos como empresa. Há quase 50 anos nos dedicamos a oferecer soluções personalizadas

Leia mais

Case - Soluções Integrais

Case - Soluções Integrais PÁ CARREGADEIRA Case - Soluções Integrais Equipamentos Financiamento Peças e Serviços PÁ CARREGADEIRA Nova versão, com maior versatilidade e menor custo operacional. A pá carregadeira Case W20E Turbo é

Leia mais

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR International Virtual Aviation Organization Divisão Brasil da IVAO Departamento de Eventos Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR (para pilotos) BR-EAC Brasil, 02 de maio de 2014. - 1 - Índice

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI FANTASMA C-47 em combate no Século XXI Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) Membro de Centro de Pesquisas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Manual para Vôo VFR Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS... 4 3.1. CHECKLIST:... 4 3.2. CHEQUE PRÉ-DECOLAGEM:... 4

Leia mais

Labace 2015: H130 para pronta entrega estará em exposição durante a feira de aviação

Labace 2015: H130 para pronta entrega estará em exposição durante a feira de aviação Labace 2015: H130 para pronta entrega estará em exposição durante a feira de aviação A principal atração do estande da Helibras na Labace 2015 será um novíssimo H130. O helicóptero estará em exposição

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE AERONÁUTICO PT MBV

Leia mais

Plataformas para Manuseio de Estoques (Stock Pickers)

Plataformas para Manuseio de Estoques (Stock Pickers) Plataformas para Manuseio de Estoques (Stock Pickers) Plataformas para Manuseio de Estoques JLG Alcance um Nível Superior de Segurança e Produtividade com as Plataformas para Manuseio de Estoques JLG (Stock

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E P I L O T O D E L I N H A A É R E A P E R F O R M A N C E D E A V I Õ E S A J A T O P E S O & B A L A N C E A M E N T

Leia mais

Drone AIR6 Aplicações na Área Pública

Drone AIR6 Aplicações na Área Pública Drone AIR6 Aplicações na Área Pública A mais conceituada fabricante de drones para uso profissional. Os drones da AIRBORNE ROBOTICS são fabricados na Áustria e oferecem voos automatizados para diversas

Leia mais

Cimitarra 560 Sundeck CUSTO-BENEFÍCIO É A PALAVRA-CHAVE

Cimitarra 560 Sundeck CUSTO-BENEFÍCIO É A PALAVRA-CHAVE Cimitarra 560 Sundeck CUSTO-BENEFÍCIO É A PALAVRA-CHAVE UTILIZANDO O CONCEITO DO SUNDECK, ONDE O FLYBRIDGE FICA INTEGRADO AO DESENHO DO BARCO, MESCLANDO O HARD TOP COM TETO ELÉTRICO, O ESTALEIRO GAÚCHO

Leia mais

EMBRAER E BANK OF AMERICA SE UNEM PARA PROMOVER VENDAS DE JATOS EXECUTIVOS Programa inclui os jatos executivos da Embraer

EMBRAER E BANK OF AMERICA SE UNEM PARA PROMOVER VENDAS DE JATOS EXECUTIVOS Programa inclui os jatos executivos da Embraer EMBRAER E BANK OF AMERICA SE UNEM PARA PROMOVER VENDAS DE JATOS EXECUTIVOS Programa inclui os jatos executivos da Embraer São José dos Campos, 17 de outubro de 2006 A Embraer anunciou um acordo com o Bank

Leia mais

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge lacjorge@gmail.com VANTS NA AGRICULTURA Vantagens sobre aeronaves convencionais e satélites Custo

Leia mais

Scania Driver Support, Opticruise e Retarder.

Scania Driver Support, Opticruise e Retarder. Scania Condução Econômica Scania Driver Support, Opticruise e Retarder. Scania Condução Econômica 2 3 A Scania avança para que o seu negócio não pare de prosperar. A Scania não para de acelerar rumo à

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 00 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010,

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

NEW HOLLAND T8 T8.270 T8.295 T8.325 T8.355 T8.385

NEW HOLLAND T8 T8.270 T8.295 T8.325 T8.355 T8.385 NEW HOLLAND T8 T8.270 T8.295 T8.325 T8.355 T8.385 UM NOVO CONCEITO DE AGRICULTURA EM LARGA ESCALA. A linha T8 chega para atender a uma agricultura moderna e o produtor exigente. Robusta e versátil, seu

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÃO EXCLUSIVA DO COMANDANTE Em caso de incapacidade do Comandante em vôo com destino ao SBRJ, este deverá ser desviado para SBGL ou outro alternado disponível. A operação no

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

21 JUN 2005 IAC 121-1008 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

21 JUN 2005 IAC 121-1008 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! " " # #$ $ PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 547/STE, DE 16 DE JUNHO DE 2005 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA Vinícius Roggério da Rocha MonolitoNimbus.com.br/ComissarioNerd Aerodinâmica Parte da Física que estuda o movimento de fluidos gasosos e as forças envolvidas Superfície

Leia mais

Novo Mercedes-Benz Sprinter: mais tecnologia, conforto e capacidade de transporte

Novo Mercedes-Benz Sprinter: mais tecnologia, conforto e capacidade de transporte Sprinter Informação à Imprensa Novo Mercedes-Benz Sprinter: mais tecnologia, conforto e capacidade de transporte Data: 23 de outubro de 2011 Mercedes-Benz renova totalmente sua linha Sprinter de vans,

Leia mais

EMPILHADEIRAS FORA DE ESTRADA

EMPILHADEIRAS FORA DE ESTRADA EMPILHADEIRAS FORA DE ESTRADA www.manitou.com / M-X 50 / M-X 70 3 toneladas M-X 50 5 toneladas M-X 70 7 toneladas 2 MANITOU: DO SEU LADO EM QUALQUER LUGAR Os modelos M-X são as máquinas mais consagradas

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING

LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING OBJETIVO Identificar o funcionamento do trem de pouso, freios e sistema direcional da aeronave VC-99. ROTEIRO TREM DE POUSO FREIOS SISTEMA DIRECIONAL ROTEIRO TREM DE POUSO

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

UMA CENTRAL DE FORÇA ESTÁVEL E ERGONÔMICA

UMA CENTRAL DE FORÇA ESTÁVEL E ERGONÔMICA UMA CENTRAL DE FORÇA ESTÁVEL E ERGONÔMICA PONSSE ERGO PRODUTIVIDADE, ECONOMIA E ERGONOMIA EM UM SÓ PACOTE O versátil e poderoso PONSSE Ergo foi intensamente atualizado. O Ergo está ainda mais produtivo,

Leia mais

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção.

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção. Equipamento-padrão Dispositivo para descida de emergência manual Carregador de bateria com desativação automática Alerta de bateria baixa Desativação de bateria Inclinômetro com bloqueio e alarme Sensor

Leia mais

Embraer KC-390. Marcos Galvão Leite das Chagas

Embraer KC-390. Marcos Galvão Leite das Chagas Embraer KC-390 Marcos Galvão Leite das Chagas Introdução O Embraer KC-390 é um projeto de aeronave para transporte tático/logístico e reabastecimento em voo que estabelece um novo padrão para o transporte

Leia mais

Controles operacionais diversificados, com teclas de funções e botões rotativos configuráveis pelo próprio usuário.

Controles operacionais diversificados, com teclas de funções e botões rotativos configuráveis pelo próprio usuário. Sistema EFIS: Odyssey Tela TFT de alta qualidade com 10.4 polegadas (transversal) e textura anti-reflexiva, que permite a visualização mesmo em situações com incidência de luz solar direta, e que pode

Leia mais

Stair-Glide Cadeira elevatória para escadas

Stair-Glide Cadeira elevatória para escadas Cadeira elevatória para escadas TK Elevadores Cadeira elevatória a seu serviço A capacidade para movimentar-se facilmente entre os pavimentos de sua casa com segurança e conforto. A liberdade para executar

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 24/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO

O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO 1 O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO POR Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz discute aviões leves concepção e construção]. Com a chegada da primavera, é

Leia mais

NEW HOLLAND FR9000 FR9040 FR9050 FR9060

NEW HOLLAND FR9000 FR9040 FR9050 FR9060 NEW HOLLAND FR9000 FR9040 FR9050 FR9060 O espírito do pioneirismo. Mais de 45 anos de experiência. Em 1961, surgia nos grandes campos da América do Norte a primeira forrageira autopropelida. Era uma New

Leia mais

Volvo Trucks. Driving Progress. novo Volvo VM. DISTRIBUIÇÃO 4x2R / 6x2R / 8x2R

Volvo Trucks. Driving Progress. novo Volvo VM. DISTRIBUIÇÃO 4x2R / 6x2R / 8x2R Volvo Trucks. Driving Progress novo Volvo VM DISTRIBUIÇÃO 4x2R / 6x2R / 8x2R Entregas garantidas e economia sempre. O novo Volvo VM é um caminhão semipesado, confortável, seguro e o mais econômico da categoria.

Leia mais

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly Boing 77-600,700 e 800 ifly Neste tutorial aprenderá a navegar operar o Boing 77-800 desde o processo de inicial de acionamento até o pouso no destino. Então vamos lá... Introdução Após a instalação da

Leia mais

Tratores Puma Modelos disponíveis: puma 140 = puma 155 = puma 170 = puma 185 =

Tratores Puma Modelos disponíveis: puma 140 = puma 155 = puma 170 = puma 185 = TRATORES PUMA Tratores Puma Seguindo sua estratégia de oferecer um sistema de mecanização agrícola completo, a Case IH apresenta ao mercado sua nova linha de tratores de média potência da família Puma.

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

www.peugeot.com.br/professional

www.peugeot.com.br/professional www.peugeot.com.br/professional Todos os veículos Peugeot estão de acordo com o PROCONVE, Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores. Colar etiqueta de identificação da Concessionária.

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

WIND SHEAR. Não -Convectivos

WIND SHEAR. Não -Convectivos WIND SHEAR Windshear ou Tesoura de Vento, como também e' conhecido no Brasil, é um fenômeno meteorológico que sempre existiu na natureza, mas que só recentemente vem atraindo a atenção do homem. Isto porque,

Leia mais