Declaração de Montreal Por uma visão humanista e social do turismo. Declaración de Montreal Por una visión humanista y social del turismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Declaração de Montreal Por uma visão humanista e social do turismo. Declaración de Montreal Por una visión humanista y social del turismo"

Transcrição

1 Declaração de Montreal Por uma visão humanista e social do turismo Declaración de Montreal Por una visión humanista y social del turismo Déclaration de Montréal Pour une vision humaniste et sociale du tourisme Montreal Declaration For a humanist and social vision of tourism A Organização Internacional de Turismo Social OITS é uma associação internacional sem fins lucrativos, cuja missão é promover o acesso às férias e às viagens a um maior número de pessoas (crianças, jovens, idosos, famílias, pessoas com deficiência, trabalhadores e grupos de população com escassos recursos) e favorecer a aplicação desse objetivo e dos meios deles resultantes com o apoio de organismos que compartilham desta tarefa - associações, sindicatos, cooperativas, organizações sociais, agentes privados e autoridades públicas responsáveis pelo turismo. Sua missão também se concentra em promover a solidariedade e a sustentabilidade no turismo, aportando benefícios aos seus trabalhadores e à população local e respeitando o patrimônio natural e cultural dos anfitriões. O Serviço Social do Comércio Sesc São Paulo é membro da OITS desde La Organización Internacional de Turismo Social OITS es una asociación internacional sin fines de lucro, cuya misión es promover el acceso a las vacaciones y los viajes al mayor número de personas (niños, jóvenes, adultos mayores, familias, personas con discapacidad, trabajadores y grupos de población con escasos recursos), y favorecer la aplicación de este objetivo y los medios que resulten junto con los actores que comparten esta responsabilidad asociaciones, sindicatos, cooperativas, organizaciones sociales, agentes privados y autoridades públicas responsables del turismo. Su misión también se centra en promover la solidaridad y la sustentabilidad en el turismo, aportando beneficios a sus trabajadores y a la población local así como respetando el patrimonio natural y cultural de los anfitriones. El Serviço Social do Comércio Sesc São Paulo es miembro de la OITS desde 1980.

2

3 Sumário Declaração de Montreal Adendo de Aubagne Declaración de Montreal Addendum de Aubagne Déclaration de Montréal Addendum d Aubagne Montreal Declaration Aubagne Addendum

4

5 Declaração de Montreal Por uma visão humanista e social do turismo Adendo de Aubagne Para um turismo de desenvolvimento e de solidariedade

6 Permitir que um grande número de pessoas excluídas do movimento turístico tenha regularmente acesso às férias e às viagens é, ao mesmo tempo, um projeto atual e um projeto de futuro, ao qual a Organização Internacional de Turismo Social - OITS 1 vem se dedicando desde A OITS e seus membros, fundamentados na missão de transformar um direito teórico em uma prática efetivamente vivida e inseridos num contexto sócio histórico que já expressava de maneira efetiva a desigual distribuição dos recursos vinculados ao turismo, adotaram, em 1996, a Declaração de Montreal - Para uma visão humanista e social do turismo. A Declaração de Montreal vêm servindo, desde então, como uma referência para o desenvolvimento de aspectos teóricos e práticos do turismo social, tendo sido complementada em 2006 pelo Adendo de Aubagne Por um turismo de desenvolvimento e de solidariedade. Ambos os documentos ressaltam as ambições do turismo social diante dos desafios do desenvolvimento integral de seus atores e evidenciam a luta contra a pobreza, a exploração, a discriminação e a desigualdade, num alinhamento explícito com as realidades que marcaram o mundo a partir do final da década de Com a assunção da ideia do turismo de desenvolvimento como um norte para suas ações, a OITS harmonizou a luta histórica pela superação das desigualdades de acesso ao turismo aos preceitos da economia social, buscando assegurar que o tipo de turismo promovido e implementado por seus membros leve desenvolvimento genuíno às populações anfitriãs e garanta os direitos dos trabalhadores do setor, alinhando sob sua égide outras formas de fazer turístico, como o turismo solidário, o turismo comunitário e o turismo acessível. Não há dúvida de que a ideia de turismo proposta pela Declaração de Montreal mantém-se ainda atual e que haja um longo caminho a ser percorrido nesse sentido. É por essa razão que a OITS apresenta esta edição quadrilíngue de seus documentos norteadores, sublinhando o significativo trabalho de sua Secretaria para as Américas. A criação da OITS Américas, em 1994, reforçou o processo de internacionalização da OITS e marcou a difusão da defesa da dimensão social do turismo para além da Europa. A seção americana reuniu os atores do continente e absorveu suas novas e variadas demandas e públicos, com suas aspirações próprias e seus modos particulares de significação, consumo e fruição das viagens. Com esta nova perspectiva, a OITS assumiu o universo da diversidade, tanto no fazer turístico, quanto no pensar deste fazer. A OITS Américas deseja que esse movimento seja capaz de propagar o pensamento crítico acerca da ideia ampliada de democracia turística, fornecendo os meios para o desenvolvimento de expressões turísticas que estejam em sintonia com necessidades e exigências dos países das Américas e tornando tangíveis os valores e princípios expressos nesta Declaração. 1 Originalmente Bureau Internacional de Turismo Social BITS, a OITS recebeu sua atual denominação em 2010, quando foram também atualizados seus estatutos.

7 Declaração de Montreal Por uma visão humanista e social do turismo Adotada durante A Assembleia Geral anual da Organização Internacional de Turismo Social, durante o Congresso Mundial de Turismo Social realizado na cidade de Montreal (Quebec, Canadá), de 9 a 12 de setembro de Preâmbulo O que significa, atualmente, o Turismo Social no mundo? Como os agentes do Turismo Social se identificam? Quais são suas crenças e ambições? A partir da realidade atual, quais são os desafios e perspectivas, à beira do terceiro milênio? Há 25 anos, o BITS afirmou, na Carta de Viena, as dimensões sociais, culturais, políticas e econômicas do turismo: fato fundamental do nosso tempo. A Organização Mundial de Turismo, por sua vez, confirmou solenemente, em sua Declaração de Manila, os objetivos do Turismo Social. Qual será o significado de Turismo Social, amanhã? Este é o desafio da Declaração de Montreal. 1. Turismo Social: uma grande ambição face aos desafios da exclusão e da integração Atualmente, em um mundo onde os países mais ricos enfrentam falhas de crescimento que deixam pelo caminho as pessoas com dificuldades e deficiências, fontes de graves perturbações sociais; o controle científico e técnico da informação é acompanhado por um desemprego crescente e abre campos de ação cultural e social ainda insuspeitos; os grandes agrupamentos econômicos são formados por uma lógica liberal sem barreiras; os países se desenvolvem rapidamente e abrem-se às possibilidades do turismo interno; 5

8 outros países, e até continentes, mantém-se em surpreendente pobreza; todos reivindicam a busca de sentido; neste mundo, o turismo está em forte progressão. Podemos constatar um crescimento espetacular das viagens de negócios e de lazer, a abertura de fronteiras, a diversificação de destinações, as inovações nos meios de comunicação e de transporte. Enquanto a divisão entre tempo de trabalho e tempo de lazer e viagens é discutida por muitos, também observamos, em alguns países, formas inaceitáveis de exploração das populações locais e até mesmo a prostituição infantil. Art. 1. A Declaração Universal dos Direitos do Homem afirma que todos os seres humanos têm direito ao repouso, ao tempo livre, a uma limitação de horas de trabalho e às férias remuneradas. Uma vez que esse direito está longe de ter um alcance social global, a conquista do lazer e do turismo à serviço do homem deve se intensificar no caminho traçado pelo Turismo Social, no qual o objetivo primeiro é permitir o acesso de todos ao lazer turístico. Art. 2. O desenvolvimento integral do ser humano, como pessoa e como cidadão, deve constituir o objeto essencial de qualquer ação para o desenvolvimento do turismo. 2. As vantagens do Turismo Social para o futuro O Turismo Social: forjador da sociedade Art. 3. A ambição do acesso ao lazer turístico por um número maior de pessoas incluindo famílias, jovens e idosos inclui, necessariamente, a luta contra as desigualdades e contra a exclusão de todos os que pertençam a uma cultura diferente, ou que possuam recursos financeiros limitados, ou que tenham limitações de suas capacidades físicas ou que vivam em países em desenvolvimento. Esta luta deve ser traduzida pela pesquisa e aplicação de meios para atingir tal objetivo: definição da política social do turismo, criação de infraestruturas, desenvolvimento de sistemas de auxilio às pessoas menos favorecidas, conscientização e treinamento de pessoal etc. Iniciativas modestas, integradas em um plano global, podem, muitas vezes, servir como matéria prima dos projetos forjadores da sociedade. Art. 4. As férias e as viagens constituem momentos e ocasiões privilegiados para o enriquecimento das pessoas, para a descoberta de novos ambientes, culturas e civilizações, para o exercício de atividades físicas, artísticas, esportivas ou lúdicas, para os encontros entre pessoas, apesar de todas as diferenças e para as responsabilidades assumidas livremente pelos próprios turistas. 6

9 Os operadores de Turismo Social estão dispostos a contribuir para o desenvolvimento das relações humanas, por suas ações de formação por meio de seus métodos de animação: o Turismo Social é um fator de coesão social. Turismo Social: fator de poder econômico Art. 5. Dirigido a todas as classes e a todas as idades, o Turismo Social acolhe e movimenta centenas de milhões de indivíduos em todo o mundo. Parte da economia social e solidária, o Turismo Social oferece e oferecerá cada vez mais uma oportunidade econômica excepcional. Gerando fluxos constantes de pessoas e investimentos que contribuem para o desenvolvimento local, produzindo riqueza nacional e internacional, estimulando a transferência de recursos de países favorecidos para outros menos dotados, o turismo para todos é fator de poder econômico. Art. 6. Os benefícios do turismo devem ser repartidos entre toda a comunidade. Estes benefícios devem contribuir para o desenvolvimento social e econômico das regiões e das populações em seu conjunto. O setor turístico deve criar empregos e garantir, ao mesmo tempo, os direitos fundamentais das pessoas que nele trabalham. Art. 7. Todos as protagonistas do desenvolvimento turístico estão sujeitos às mesmas exigências. Em suas funções de empreendedores, de gestores de equipamentos, de produtores ou acompanhantes de viagens, de educadores ou animadores, são agentes econômicos e devem submeter-se às mesmas exigências de competência, rigor e desempenho. A consecução de um objetivo social está diretamente ligada à qualidade da gestão exemplar e à melhoria de resultados. O Turismo Social: protagonista do planejamento do território e do desenvolvimento local Art. 8. Antes que o objetivo de um desenvolvimento sustentável e sustentado tivesse sido recomendado por organizações internacionais, o Turismo Social já o havia designado como uma referência para: conciliar desenvolvimento turístico, proteção do meio ambiente e respeito à identidade da população local; proporcionar novos meios às regiões frequentemente negligenciadas; desenvolver os lugares sem delapidar recursos; gerar benefícios econômicos, sociais e culturais para a população local. O turismo é, em escala global, um dos principais motores para o 7

10 revalorização de muitas regiões. Por isso, não poderá ser, sob quaisquer circunstâncias, pretexto para a invasão descontrolada dos lugares, nem para o enfraquecimento de culturas, nem para a exploração das populações. Art. 9. O turismo pode e deve constituir-se em uma esperança para muitas economias frágeis. A conservação natural dos locais não deverá, sob quaisquer circunstâncias, servir de pretexto para o enriquecimento privilegiado de poucos. Art. 10. A informação, a formação e a sensibilização dos turistas para que respeitem o ambiente e as populações constituem uma das missões essenciais do Turismo Social, no seu papel de promotor e incentivador de projetos de desenvolvimento turístico. Turismo Social: um parceiro dos programas de desenvolvimento global Art. 11. A Conferência de Estocolmo sobre População e Meio Ambiente, os programas das Nações Unidas e a Conferência do Rio, entre outros, identificaram claramente a responsabilidade da geração atual quanto aos limites do crescimento. Sendo o turismo - controlado e respeitoso com os lugares e as populações uma das esperanças econômicas, sociais e culturais de várias regiões vias de desenvolvimento, os operadores atuais e futuros do Turismo Social estão e estarão disponíveis para criar programas de desenvolvimento, construir estruturas jurídicas e financeiras, contribuir para a gestão, formação e animação de todas as ações de desenvolvimento do turismo previstas nos programas de desenvolvimento globais. Art. 12. Em todo o mundo, novas formas de cooperação e de parceria são e serão indispensáveis, já que o desenvolvimento do turismo requer o apoio dos governos, das autoridades locais, das organizações sociais, dos sindicatos, de parceiros financeiros, de movimentos familiares, de juventude, culturais, esportivos, ambientais e, naturalmente, dos profissionais do turismo, incluindo operadores de Turismo Social a serviço dos projetos de interesse geral. 3. Critérios de identificação do Turismo Social Art. 13. Toda empresa de turismo (associação, cooperativa, fundação, federação, empresa sem fins lucrativos etc.) cujo ato de fundação ou principal objetivo indique claramente um projeto de interesse geral e busque o acesso de muitos ao lazer turístico tendo como ponto de partida a busca pelo benefício máximo - pode reivindicar sua associação ao Turismo Social. A palavra social significa mais solidariedade, fraternidade e esperança 8

11 para todos aqueles ainda tão numerosos que ainda aguardam pelo direito ao tempo livre. Art. 14. Esta associação somente será efetiva se forem verificadas as condições abaixo: 1. As atividades propostas incluem metas humanistas, educacionais, culturais e de respeito ao crescimento das pessoas. 2. Os públicos a que se destinam estão claramente identificados sem discriminação racial, cultural, religiosa, política, filosófica ou social. 3. Um valor agregado não econômico é parte integrante do produto proposto. 4. Está claramente expresso um desejo de inserção não perturbadora do ambiente local. 5. As características da atividade e do preço são claramente identificadas nos documentos contratuais. Os preços são compatíveis com os objetivos sociais previstos. Os excedentes do exercício são, em todo ou em parte, reinvestidos na melhoria dos serviços oferecidos ao público. 6. A gestão do pessoal respeita a legislação social, encoraja a promoção e integra uma formação contínua adequada. Art. 15. Não são os estatutos jurídicos ou os procedimentos utilizados que legitimam os operadores turísticos, mas a ação que realizam a serviço de um objetivo claramente firmado e contínuo. Os estatutos variam, de fato, de acordo com os costumes, as práticas ou mudanças nas legislações. Eles são apenas meios à serviço dos projetos. Não existe hoje, no mundo, um modelo único de referência. 9

12 Adendo de Aubagne Para um turismo de desenvolvimento e de solidariedade Complemento incorporado à Declaração de Montreal na Assembleia Geral Anual da Organização Internacional de Turismo Social, durante o Congresso Mundial de Turismo Socialrealizado na cidade de Aubagne (Bouches-du-Rhône, França) em maio de Preâmbulo A Declaração de Montreal (1996) relembra a relevância histórica e atual do Turismo Social como forjador da sociedade, fator de potência econômica, agente da organização do território e do desenvolvimento local e também parceiro dos programas de desenvolvimento global. Ela permite especificar, nos artigos 13 o a 15 o, os critérios de identificação do Turismo Social que não se limitam apenas aos aspectos jurídicos, uma vez que o Turismo Social é promovido e gerido principalmente pelos agentes da economia social que são as associações, organizações sem fins lucrativos e as cooperativas. Enfatiza, também, a necessidade de proteger o meio ambiente e respeitar as populações locais. A Declaração de Montreal introduziu uma relação de solidariedade entre os turistas e as populações anfitriãs com o objetivo de promover um desenvolvimento duradouro e sustentável. Desde a adoção da Declaração de Montreal, em 1996, o turismo mundial, que se caracteriza por uma forte resiliência, continuou seu crescimento, com períodos de abrandamento causados por desastres naturais, riscos para a saúde, guerras, terrorismo... E, principalmente, por um turismo de massa que nem sempre traz benefícios e que releva a segundo plano segmentos importantes da população; um turismo de massa que, por sua estrutura industrial, causa a fuga dos lucros da atividade para os países de origem em detrimento da população visitada, o que é cada vez mais denunciado por aqueles que propõem formas mais suaves de turismo, destacando a responsabilidade e a solidariedade de todos os intervenientes da cadeia turística. Dito isso, portanto, é importante trazer alguns esclarecimentos e adições para a Declaração de Montreal. REAFIRMANDO A CONTEMPORANEIDADE E A RELEVÂNCIA DA DECLARAÇÃO DE MONTREAL, ADOTADA EM 1996, OS MEMBROS DO BITS QUE REUNIRAM-SE PARA A ASSEMBLÉIA GERAL REALIZADA EM AUBAGNE, EM MAIO DE 2006, 1. recordam, precisamente no artigo 1º, o papel dos sindicatos de trabalhadores, independentes e democráticos, para a promoção e defesa 10

13 do direito de cada pessoa a uma limitação do tempo de trabalho e ao descanso remunerado; 2. especificam que o pleno desenvolvimento do ser humano, como pessoa e como cidadão, que constitui o principal impulso de qualquer ação de desenvolvimento turístico, tal como referido no artigo 2 o, abrange os visitantes e os visitados; 3. esperam que os agentes de desenvolvimento do turismo, nos termos do artigo 7 o, com as mesmas exigências de competência, rigor e desempenho assegurem também que, em suas transações, seja possível aumentar os lucros e os benefícios econômicos para as populações dos países anfitriões; 4. reafirmam, em complemento ao artigo 9º, que as populações dos países anfitriões devem ter acesso aos seus próprios recursos de turismo como aos benefícios do turismo e que os visitantes devem ser recebidos sem discriminação, privilegiando grupos cujo tamanho seja adaptado para evitar os impactos negativos sobre o ambiente natural e cultural; 5. consideram que especial atenção deve ser oferecida às famílias, jovens e idosos, tal como referido no artigo 3º, e também ao desenvolvimento de viagens ou temporadas de férias para crianças e adolescentes, incluindo-as também no currículo escolar; para muitos deles, estas viagens são momentos privilegiados de descoberta de outros ambientes, de outras pessoas e contribuem, dando-lhes simultaneamente o prazer de viajar, para a consolidação dos vínculos sociais; 6. apoiam as populações de vários países, principalmente os países do Sul e alguns países do Leste, que possam ter restrições para participar da atividade turística por medidas políticas e administrativas, enviando esforços em todos os níveis para garantir a livre circulação de pessoas, promovendo a obtenção de vistos de turistas e a recepção de visitantes; 7. propõem, na perspectiva de uma parceria com os programas de desenvolvimento global, como indicado nos artigos 11 o e 12 o, o incentivo aos operadores de turismo e visitantes para apoiar concretamente e financeiramente, num espírito de solidariedade, os projetos de desenvolvimento dos locais visitados; 8. afirmam que, entre os atores mencionados no artigo 12º, com os quais se devem estabelecer formas de cooperação e parceria, deve-se, particularmente, integrar associações de desenvolvimento local sem fins lucrativos, organizações não governamentais (ONGs), de cooperação e de empresas da economia social e solidária envolvidas em operações de finanças solidárias, comércio justo e microcrédito; 9. declaram que uma gestão de pessoal que valorize ao trabalhador, em cumprimento às leis sociais, apresentadas no artigo 14 o como um critério para a identificação do turismo social, deve respeitar os princípios estabelecidos pela Organização Internacional do Trabalho, os direitos fundamentais ao trabalho e os acordos coletivos em vigor; 11

14 10. proclamam que, apesar dos problemas causados pelo terrorismo internacional e pelos desastres naturais e a necessidade, por conseguinte, de aumentar a segurança internacional, é necessário não só garantir o desenvolvimento do turismo, mas, sobretudo, trabalhar para tornar o turismo uma verdadeira alavanca para o desenvolvimento sustentável, para a aproximação entre os povos e para o diálogo entre culturas e religiões, tendo em vista a consolidação da paz no mundo. 12

15

16 Declaración de Montreal Por una visión humanista y social del turismo Addendum de Aubagne Hacia un turismo de desarrollo y de solidaridad

17 Permitir que un mayor número de personas excluidas del ocio turístico acceda regularmente a las vacaciones y los viajes, es al mismo tiempo, un proyecto actual y un proyecto de futuro, al cual la Organización Internacional de Turismo Social - OITS 1 se viene dedicando desde La OITS y sus miembros, fundamentados en la misión de transformar un derecho teórico en una práctica efectivamente vivida e insertos en un contexto socio-histórico que ya expresaba de manera efectiva la desigual distribución de los recursos vinculados al turismo, adoptaron, en 1996, la Declaración de Montreal Por una visión humanista y social del turismo. Desde entonces, la Declaración de Montreal ha servido como una referencia para el desarrollo de aspectos teóricos y prácticos del turismo social, y ha sido complementada en 2006 a través del Adenda de Aubagne Por un turismo de desarrollo y solidaridad. Ambos documentos destacan las ambiciones del turismo social ante los desafíos del desarrollo integral de sus actores y evidencian la lucha contra la pobreza, la explotación, la discriminación y la desigualdad, en un alineamiento explícito con las realidades que marcaron el mundo a partir del final de la década de A partir de la idea del turismo de desarrollo como norte para sus acciones, la OITS armonizo la lucha histórica por la superación de las desigualdades del acceso al turismo a los preceptos de la economía social, buscando asegurar que el tipo de turismo promovido e implementado por sus miembros conlleve al desarrollo genuino a las poblaciones anfitrionas y garantice los derechos de los trabajadores del sector, alineando sobre su égida otras formas de hacer turístico, como el turismo solidario, el turismo comunitario y el turismo accesible. No hay duda de que la idea de turismo propuesta por la Declaración de Montreal se encuentra aún hoy en día vigente y que hay un largo camino recorrido en ese sentido. Es por esta razón que la OITS presenta esta edición cuatrilingüe de sus documentos norte-adores, destacando el significativo trabajo de su Secretaría para las Américas. La creación de la OITS Américas, en 1994, reforzó el proceso de internacionalización de la OITS y amplió la difusión de la defensa de la dimensión social del turismo fuera de Europa. La sección americana reunió los actores del continente y absorbió sus nuevas y variadas demandas y públicos, con sus aspiraciones propias y sus modos particulares de significación, consumo y disfrute de los viajes. Con esta nueva perspectiva, la OITS asumió el universo de la diversidad, tanto en el quehacer turístico, como en el modo de pensar este quehacer. La OITS Américas desea que este movimiento sea capaz de difundir el pensamiento crítico acerca de la idea ampliada de democracia turística, otorgando los medios para el desarrollo de expresiones turísticas que se encuentren en sintonía con las necesidades y las exigencias de los países de las Américas y haciendo tangibles los valores y principios expresados en esta Declaración. 1 Originalmente Bureau Internacional de Turismo Social BITS, la OITS recibió su actual denominación en 2010, cuando fueron también actualizados sus estatutos.

18 Declaración de Montreal Por una visión humanista y social del turismo Adoptada durante la asamblea general anual de la Organización Internacional de Turismo Social, en el marco del Congreso Mundial de Turismo Social realizado en la ciudad de Montreal (Quebec, Canadá), del 9 al 12 de septiembre de Preámbulo Qué significa hoy en día el Turismo Social en el mundo? Cómo se perciben los actores del Turismo Social? Cuáles son sus convicciones y ambiciones? Teniendo en cuenta la realidad presente, cuáles son los retos a las puertas del tercer milenio? Hace ya 25 años, BITS afirmaba en la Carta de Viena, las dimensiones sociales, culturales, políticas y económicas del turismo: hecho fundamental de nuestra época. La Organización Mundial del Turismo, por su parte, confirmaba solemnemente, en su Declaración de Manila, los objetivos del Turismo Social. Qué significará el Turismo Social el día de mañana? Este es el reto de la Declaración de Montreal. 1. El Turismo Social: una gran ambición frente a los desafíos de la exclusión y de la integración Hoy día, en un mundo en el que los países más ricos se ven atrapados en situaciones de ralentización del crecimiento que traen como consecuencia poblaciones que acumulan dificultades y desventajas, y que son fuente de graves alteraciones sociales.; el dominio científico y tecnológico de la información va acompañado de un crecimiento sin empleos y abre campos de acción cultural y social todavía insospechados; se constituyen grandes grupos económicos en una lógica liberal entregada a sí misma; los países se desarrollan rápidamente abriéndose a las posibilidades del turismo interior, 16

19 otros países, o incluso continentes, se mantienen en una pobreza sorprendente; por todas partes se reivindica la búsqueda de sentido; en ese mundo, el turismo está en fuerte progresión. Se observa un crecimiento espectacular de los desplazamientos tanto de negocios como de vacaciones, la apertura de las fronteras, la diversificación de los destinos, e innovaciones en los medios de comunicación y de transporte. Mientras que en todas partes se cuestiona el reparto entre tiempo de trabajo y tiempo de ocio, se observa también, en ciertos países, formas inaceptables de explotación de las poblaciones locales, llegando incluso hasta la prostitución de los niños. Art. 1. La Declaración Universal de los Derechos Humanos afirma que cualquier ser humano tiene derecho al descanso, al tiempo libre, a una limitación de las horas de trabajo y a vacaciones pagadas. Dado que este derecho está lejos de ser un acervo social a nivel mundial, la conquista del ocio y del turismo al servicio del hombre debe continuar e intensificarse en la vía trazada por el Turismo Social, cuya primera ambición es el acceso al ocio turístico para todos. Art. 2. Es el pleno desarrollo del ser humano, como persona y ciudadano, lo que debe constituir el objeto esencial de toda acción de desarrollo turístico. 2. Las ventajas del Turismo Social El Turismo Social: forjador de la sociedad Art. 3. La ambición del acceso al ocio turístico para todos incluyendo a las familias, los jóvenes y las personas de la tercera edad compromete necesariamente a la lucha contra las desigualdades y contra la exclusión de todos aquellos que tienen una cultura diferente, poseen escasos recursos económicos, tienen capacidades físicas diferentes o viven en un país en vías de desarrollo. Esa ambición debe traducirse en la búsqueda y la puesta en marcha de los medios para alcanzar este objetivo: definición de las políticas sociales del turismo, creación de infraestructuras, desarrollo de sistemas de ayudas a las personas menos favorecidas, sensibilización y formación del personal, etc. Las iniciativas modestas, integradas en un plan global, pueden a menudo, mejor que los proyectos a gran escala, ser forjadoras de sociedad. Art. 4. Las vacaciones y los viajes son momentos y ocasiones privilegiados de enriquecimiento de la persona, por el descubrimiento de otros ambientes, otras culturas y de otras civilizaciones, por el ejercicio de actividades físicas, artísticas, deportivas o lúdicas, mediante el encuentro entre personas más allá de cualquier diferencia, por las responsabilidades asumidas libremente por los mismos turistas. 17

20 Los operadores de Turismo Social tienen la voluntad de contribuir a desarrollar las relaciones humanas tanto por sus acciones de formación como por sus iniciativas de animación: el Turismo Social es un factor de cohesión social. El Turismo Social: factor de potencia económica Art. 5. Dirigido a todas las clases y a todas las edades, el Turismo Social recibe y desplaza centenares de millones de individuos por todo el mundo. Formando parte de la economía social y solidaria, el Turismo Social ofrece y ofrecerá cada vez más una oportunidad económica excepcional. Generando flujos incesantes de personas y de inversiones que contribuyen al desarrollo de las regiones, produciendo riqueza nacional e internacional, estimulando las trasferencias de recursos de los paises más favorecidos hacia otros menos dotados, el turismo para todos es un factor de potencia económica. Art. 6. Los beneficios del turismo deben repartirse entre toda la comunidad. Estos beneficios deben contribuir al desarrollo social y económico de las regiones y poblaciones en su conjunto. El sector turístico debe crear empleos y al mismo tiempo garantizar los derechos fundamentales de las personas que trabajan en este sector. Art. 7. Todos los protagonistas del desarrollo turístico están sometidos a las mismas exigencias. En sus funciones de empresarios gestores de equipamientos, productores o acompañantes de viajes, educadores y animadores del ocio, son agentes económicos, sometidos a las mismas exigencias de competencia, rigor y resultados. La prosecución de un objetivo social depende directamente de la calidad de la gestión y de la mejora de los resultados. El Turismo Social: protagonista del ordenamiento del territorio y del desarrollo local Art. 8. Antes que las organizaciones internacionales recomendaran el objetivo de un desarrollo duradero y sostenible, el Turismo Social ya se lo había asignado como opción de referencia, con el fin de: conciliar desarrollo turístico, protección del medio ambiante y respeto de la identidad de la población local; 18 aportar nuevos medios a regiones a menudo abandonadas; acondicionar los espacios con la voluntad de no dilapidar los recursos; generar beneficios económicos, sociales y culturales para la población local. El turismo es, a escala mundial, uno de los principales motores de la

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UN SELLO DE CALIDAD EN LAS RELACIONES BILATERALES FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UM SELO DE QUALIDADE NAS RELAÇÕES BILATERAIS FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL diseño

Leia mais

Projetos compartilhados

Projetos compartilhados espaço ibero-americano espacio iberoamericano Projetos compartilhados OEI inicia o Programa Arte-educação, Cultura e Cidadania e o Projeto Ibero-americano de Teatro Infantojuvenil A aprendizagem da arte

Leia mais

A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire.

A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire. Caros pais, A Associação de Pais do LFIP tem o prazer de vos anunciar que no dia 29 de Novembro de 2014 irá realizar-se o 3º Marché de Noël Solidaire. Esta iniciativa insere-se no âmbito de um projeto

Leia mais

Montevidéu, 22 de abril de 2010. En Montevideo, a 22 de abril de 2010

Montevidéu, 22 de abril de 2010. En Montevideo, a 22 de abril de 2010 MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE GOVERNOS E ASSOCIAÇÕES DE GOVERNOS REGIONAIS DA REDE DE GOVERNOS REGIONAIS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (nrg4sd) ONDE SE ESTABELECE UM PROGRAMA DE COOPERAÇÃO MULTILATERAL

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Protocolo entre o, Ciência e Tecnologia da República Argentina e o de Educação da República Federativa do Brasil para a promoção do ensino do Espanhol e do Português como segundas línguas O, Ciência e

Leia mais

PLUS QU UNE ÉCOLE UN AVENIR MAIS QUE UMA ESCOLA UM FUTURO

PLUS QU UNE ÉCOLE UN AVENIR MAIS QUE UMA ESCOLA UM FUTURO PLUS QU UNE ÉCOLE UN AVENIR MAIS QUE UMA ESCOLA UM FUTURO MAIS QUE UMA ESCOLA UM FUTURO O Lycée Français International de Porto, localizado num local excecional, com amplos espaços verdes, não tem parado

Leia mais

32 explican como un enfrentamiento de raíces étnicas entre árabes y africanos, la realidad 33 es más compleja. 34 Hay que tener en cuenta el

32 explican como un enfrentamiento de raíces étnicas entre árabes y africanos, la realidad 33 es más compleja. 34 Hay que tener en cuenta el Cambio climático 1 En el año 2007 el cambio climático logró por fin situarse en la agenda política global 2 como uno de los grandes problemas que afronta la humanidad. Así lo reflejaron las 3 conclusiones

Leia mais

FRANCÊS INSTRUÇÕES 1 - ESTA PROVA CONTÉM 1 (UM) TEXTO SEGUIDO DE QUESTÕES DE COMPREENSÃO 2 - ESCOLHA E ASSINALE A ALTERNATIVA CORRETA, SEMPRE DE ACORDO COM O TEXTO EXISTE-T-IL DES RECETTES POUR ÊTRE HEUREUX?

Leia mais

FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL

FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL A: Tous les acteurs de la filière du Commerce Equitable certifiés pour la mangue, la banane, la pulpe d araza / Produtores e Comerciantes certificados da manga, da banana e da polpa de araza de CJ Tous

Leia mais

Justiça Restaurativa, Experiências Brasileiras, Propostas e. Direitos Humanos

Justiça Restaurativa, Experiências Brasileiras, Propostas e. Direitos Humanos 1 Universidade Metodista de Piracicaba Faculdade de Direito Neemias Moretti Prudente Justiça Restaurativa, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos Piracicaba Fevereiro de 2009 2 Universidade

Leia mais

Dourados (Mato Grosso do Sul, Brasil), 11 a 13 de Novembro de 2014 Faculdade de Ciências Humanas (FCH)- UFGD

Dourados (Mato Grosso do Sul, Brasil), 11 a 13 de Novembro de 2014 Faculdade de Ciências Humanas (FCH)- UFGD V SEMINÁRIO INTERNACIONAL AMÉRICA PLATINA América Platina: fronteiras de diversidade, resistências e rupturas América Platina: fronteras de diversidad, resistencias y rupturas Dourados (Mato Grosso do

Leia mais

6 Só será permitido o uso de dicionário FRANCÊS/FRANCÊS.

6 Só será permitido o uso de dicionário FRANCÊS/FRANCÊS. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Relatório: MAUS-TRATOS COM IDOSOS

Relatório: MAUS-TRATOS COM IDOSOS Relatório: MAUS-TRATOS COM IDOSOS Autores - Sarah Esteves de Carvalho, Letícia Namie Yamada e Manoela Niero Batista. Orientadora Joseane Ribeiro Londrina, 2013 Sumário : 1.Resumos Português... pág. 03

Leia mais

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101. Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.8743 FILIAIS: Pindamonhangaba - SP e Recife - PE www.pisani.com.br

Leia mais

A formação do engenheiro para as próximas décadas

A formação do engenheiro para as próximas décadas Seminário Inovação Pedagógica na Formação do Engenheiro Universidade de São Paulo Maio de 2003 A formação do engenheiro para as próximas décadas Henrique Lindenberg Neto Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

La República Argentina y la República Federativa del Brasil, en adelante, las Partes;

La República Argentina y la República Federativa del Brasil, en adelante, las Partes; Protocolo Adicional al Acuerdo de Cooperación para el Desarrollo y la Aplicación de los Usos Pacíficos de la Energía Nuclear en Materia de Reactores, Combustibles Nucleares, Suministro de Radioisótopos

Leia mais

PLAN DE INNOVACIÓN COMPLEXO LAGUNAR MEDITERRANEO EPAGRI 0055-48-36260577-88010490

PLAN DE INNOVACIÓN COMPLEXO LAGUNAR MEDITERRANEO EPAGRI 0055-48-36260577-88010490 PLAN DE INNOVACIÓN Título Plan de Innovación LAGUNA- PROJETO DE RECUPERAÇAO E CONSERVAÇAO DO COMPLEXO LAGUNAR Nombre Rutero/Rutera ROTA INTERCOTINENTAL DE APRENDIZAGEM- TRAMO Organización o institución

Leia mais

EQUIVALÊNCIAS DE CRÉDITOS EQUIVALÊNCIAS DE CRÉDITOS E DUPLOS DIPLOMAS EQUIVALENCES DE CRÉDITS ET DOUBLE DIPLÔMES

EQUIVALÊNCIAS DE CRÉDITOS EQUIVALÊNCIAS DE CRÉDITOS E DUPLOS DIPLOMAS EQUIVALENCES DE CRÉDITS ET DOUBLE DIPLÔMES Encontros Acadêmicos de São Paulo 23/09/2005 EQUIVALÊNCIAS DE CRÉDITOS E DUPLOS DIPLOMAS EQUIVALENCES DE CRÉDITS ET DOUBLE DIPLÔMES EQUIVALÊNCIAS DE CRÉDITOS Aproveitamento de estudos realizados em outra

Leia mais

Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia

Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia Luis Pires Gerente de Auditoria e Compliance Camargo Correa Luis Pires Minibiografía Con más de 25 años de experiencia en Auditoria Interna y Externa,

Leia mais

ÉCOLE D HIVER ESCOLA DE INVERNO 2013 (DES)ENGAGEMENTS POLITIQUES ET CULTURELS PROGRAMME PROGRAMA. De 14 a 18 de Janeiro ORGANISATION ORGANIZAÇÃO

ÉCOLE D HIVER ESCOLA DE INVERNO 2013 (DES)ENGAGEMENTS POLITIQUES ET CULTURELS PROGRAMME PROGRAMA. De 14 a 18 de Janeiro ORGANISATION ORGANIZAÇÃO ÉCOLED HIVER ESCOLADEINVERNO2013 PROGRAMME PROGRAMA De14a18deJaneiro (DES)ENGAGEMENTSPOLITIQUESETCULTURELS ORGANISATION ORGANIZAÇÃO PARTENAIRES PARCEIROS DES)ENGAGEMENTSPOLITIQUESETCULTURELS SCIENCESPO

Leia mais

percursos, concretizações, perspetivas

percursos, concretizações, perspetivas Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspetivas Lisboa, auditório do Institut Français du Portugal 27 e 28 de novembro de 2012 Destinatários: Profissionais,

Leia mais

FR Appel à participation : Micro-résidence de production et d affichage, Porto, Portugal 18 Avril-28 Avril 2016.

FR Appel à participation : Micro-résidence de production et d affichage, Porto, Portugal 18 Avril-28 Avril 2016. FR Appel à participation : Micro-résidence de production et d affichage, Porto, Portugal 18 Avril-28 Avril 2016. L association In Extenso est historiquement liée aux projets «hors les murs» puisque sa

Leia mais

Cuestionario sobre los servicios de salud de los inmigrantes en Saitama

Cuestionario sobre los servicios de salud de los inmigrantes en Saitama Cuestionario sobre los servicios de salud de los inmigrantes en Saitama Este cuestionario es parte de un proyecto de investigación del Instituto de Antropología Médica de la Universidad de Waseda. Este

Leia mais

Declaração Conjunta para o Avanço da Parceria Empresarial. Declaración Conjunta para el Avance de la Alianza Empresarial. Madri, 22 de abril de 2015

Declaração Conjunta para o Avanço da Parceria Empresarial. Declaración Conjunta para el Avance de la Alianza Empresarial. Madri, 22 de abril de 2015 Declaração Conjunta para o Avanço da Parceria Empresarial Declaración Conjunta para el Avance de la Alianza Empresarial Madri, 22 de abril de 2015 Madrid, a 22 de abril de 2015 1. O Vice-Presidente da

Leia mais

1001 PALAVRAS 1001 DEBATES - CLUBE DE LEITURA/CULTURA EM LÍNGUA PORTUGUESA-

1001 PALAVRAS 1001 DEBATES - CLUBE DE LEITURA/CULTURA EM LÍNGUA PORTUGUESA- 1001 PALAVRAS 1001 DEBATES - CLUBE DE LEITURA/CULTURA EM LÍNGUA PORTUGUESA- 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PÚBLICO 5. LOCAL 6. CALENDÁRIO 1. Apresentação O Clube 1001 Palavras 1001 Debates

Leia mais

Bienvenue à l'ecole en France Bemvindo à escola em França

Bienvenue à l'ecole en France Bemvindo à escola em França Bienvenue à l'ecole en France Bemvindo à escola em França Ses objectifs / OBJECTIVOS Éduquer pour vivre ensemble -> Educar para viver juntos Portugais Português Instruire pour comprendre aujourd hui, construire

Leia mais

O Brasil que você procura. El Brasil que buscas. Negócios e Eventos. Negocios y Eventos

O Brasil que você procura. El Brasil que buscas. Negócios e Eventos. Negocios y Eventos O Brasil que você procura El Brasil que buscas Negócios e Eventos Negocios y Eventos Oportunidades de negócios esperam por você no Brasil. Cidades equipadas com infraestrutura hoteleira de qualidade, grandes

Leia mais

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos.

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos. sociedades científicas de anestesia. Adoptado e Recomendado pelas mais importantes Sociedades de Anestesiologia. European Patent N. EP2256045 Cartucho Dispensador Modular Seguro para un conveniente y efectivo

Leia mais

Oficina 1.1. Direito à memória, à verdade e à justiça

Oficina 1.1. Direito à memória, à verdade e à justiça Oficina 1.1. Direito à memória, à verdade e à justiça 1.Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos Humanos do Mercosul - IPPDDHHM por meio da destinação de recursos

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FRANCÊS 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém quatro questões, constituídas de itens e

Leia mais

SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2

SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2 SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2 A IMPORTÂNCIA DO CONTEXTO GEOECONÔMICO DE FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO DE POBREZA PARA A GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA-FAMÍLIA... 3 QUÉ

Leia mais

Mateus Geraldo Xavier. Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral. Dissertação de Mestrado

Mateus Geraldo Xavier. Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral. Dissertação de Mestrado Mateus Geraldo Xavier Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Teologia do Departamento de Teologia

Leia mais

No 2013, mais de 70 membros

No 2013, mais de 70 membros Qué ofrece RedAmérica a sus miembros: Al ingresar como miembro de RedEAmérica, las organizaciones acceden a un conjunto de beneficios, entre ellos: Un marco conceptual y una serie de herramientas para

Leia mais

Télécommande standard non polarisée 0 039 01

Télécommande standard non polarisée 0 039 01 01 Télécommande standard non polarisée R Caractéristiques techniques Alimentation...:230 V± 50/60 Hz 10 ma Capacité des bornes : 2 X 1,5 mm 2 Fixation...:surrailoméga Encombrement.... : 4 modules (70 mm)

Leia mais

PROFESIONALIDAD Y EXPERIENCIA

PROFESIONALIDAD Y EXPERIENCIA TABERSEO Nuestra actividad principal está enfocada a la distribución moderna de productos de menaje para el hogar básicamente cocina, mesa y ordenación. We are focused to the mass distribution market being

Leia mais

APPEL À COMMUNICATIONS CHAMADA DE TRABALHOS

APPEL À COMMUNICATIONS CHAMADA DE TRABALHOS APPEL À COMMUNICATIONS CHAMADA DE TRABALHOS 4 ème Congrès TRANSFORMARE Centre Franco Brésilien de Recherches en Innovation, Organisations et Durabilité ISC Institut Supérieur de Commerce de Paris 22, bd

Leia mais

Turbo-trituradores TRX-21 / TRX-22

Turbo-trituradores TRX-21 / TRX-22 Turbo-trituradores TRX-21 / TRX-22 TRX-21 / TRX-22 La gama de turbo-trituradores TRX de Sammic, diseñada para trabajar en calderos de hasta 800 litros de capacidad, permite mezclar y triturar directamente

Leia mais

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 ISSN 1852 8538 El Comité de Procesos Cooperativos y Asociativos - PROCOAS -, de la Asociación de Universidades

Leia mais

O Portal Digital da Diversidade Cultural Le Portail Numérique de la Diversité Culturelle

O Portal Digital da Diversidade Cultural Le Portail Numérique de la Diversité Culturelle O Portal Digital da Diversidade Cultural Le Portail Numérique de la Diversité Culturelle Carmen Aguiar (Unesp) Éder Moreira (Unip) Resumo Este projeto surgiu como resultado de pesquisas sobre educação

Leia mais

5 to Congreso Latinoamericano de Investigación Turística

5 to Congreso Latinoamericano de Investigación Turística 5 to Congreso Latinoamericano de Investigación Turística Tema: Fortalecimiento e Integración de la Investigación en Turismo en América Latina Objetivo del evento: Contribuir a estrechar los lazos entre

Leia mais

Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária

Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária Bienvenue au Cours Préparatoire Bemvindos à Primária Ce qui ne change pas O que não se altera entre o pré-escolar e o 1º ano no LFIP L organisation administrative/a organização administrativa -Les contacts

Leia mais

As questões de 01 a 05, cujas respostas deverão ser redigidas EM PORTUGUÊS, referem -se ao texto abaixo.

As questões de 01 a 05, cujas respostas deverão ser redigidas EM PORTUGUÊS, referem -se ao texto abaixo. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Laurent FONBAUSTIER. Jeudi 18 octobre 2012

Laurent FONBAUSTIER. Jeudi 18 octobre 2012 Laurent FONBAUSTIER Jeudi 18 octobre 2012 France et Europe après Rio + 20 : Peut-on croire au développement durable? França e Europa pós Rio + 20 : Pode-se crer em desenvolvimento sustentável? I. UNE VOLONTÉ

Leia mais

L organisation humanitaire Médecins

L organisation humanitaire Médecins MSF abre em Moscou um centro que abrigará as crianças de rua A organização humanitária Médicos sem Fronteiras abriu em Moscou um centro de acolhimento para crianças de rua. No abrigo eles terão diversas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 16/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 16/2015 Campus São João del-rei Tema 01: GÊNERO E TIPOLOGIA TEXTUAL Para Luiz Antônio Marcuschi (2002), os gêneros textuais são artefatos culturais construídos historicamente pelo ser humano, textos materializados que usamos em nosso

Leia mais

1 por quarto, por estada 1 par chambre, par séjour

1 por quarto, por estada 1 par chambre, par séjour 1 por quarto, por estada 1 par chambre, par séjour 1 por quarto, por estada Desde 2012 que depositamos anualmente 10 000 na conta Small Gestures Big Hopes. Adicionalmente, contamos com os nossos hóspedes

Leia mais

TEMA GERADOR E PEDAGOGIA DA ALTERNÂCIA: UMA ABORDAGEM SOCIO- HISTÓRICA

TEMA GERADOR E PEDAGOGIA DA ALTERNÂCIA: UMA ABORDAGEM SOCIO- HISTÓRICA TEMA GERADOR E PEDAGOGIA DA ALTERNÂCIA: UMA ABORDAGEM SOCIO- HISTÓRICA Maria Inêz Cescon Secretaria Municipal de Educação de Jaguaré-ES 1 Eliene Cássia Santos Pretti Secretaria Municipal de Educação de

Leia mais

Painel de controle. Caja de control

Painel de controle. Caja de control Painel de controle Caja de control Elija la mejor solución para la refrigeración de sus productos. Escolha a melhor solução para a refrigeração de seus produtos. Sinónimo de calidad superior, desempeño

Leia mais

Por la Comisión Organizadora Local: Lorenzo J. Blanco Nieto (Coordinador General) Ricardo Luengo González (Coordinador de Actas)

Por la Comisión Organizadora Local: Lorenzo J. Blanco Nieto (Coordinador General) Ricardo Luengo González (Coordinador de Actas) INTRODUCCIÓN En el XI Simposio de la Sociedad Española de Educación Matemática, celebrado en la Universidad de La Laguna en Septiembre de 2007, se acordó la celebración en Badajoz del XII SEIEM. Su ubicación

Leia mais

internacional MBA hispano-luso

internacional MBA hispano-luso internacional MBA hispano-luso MBA, sello de calidad Un MBA es el programa más cursado en todo el mundo, y goza del mayor r e c o n o c i m i e n t o y p r e s t i g i o internacional. Ofrece las mejores

Leia mais

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y La CASA DA AMÉRICA LATINA, es una institución de derecho privado sin ánimo de lucro, con sede en la Avenida 24 de Julho, número 1188, en Lisboa, Portugal, representada

Leia mais

Mensagem da VII Assembleia Geral da ALAIME e Jornadas Pedagógicas 2015 Puebla, 08-10 de Outubro de 2015 Universidade Madero (UMAD), Puebla, México

Mensagem da VII Assembleia Geral da ALAIME e Jornadas Pedagógicas 2015 Puebla, 08-10 de Outubro de 2015 Universidade Madero (UMAD), Puebla, México Mensagem da VII Assembleia Geral da ALAIME e Jornadas Pedagógicas 2015 Puebla, 08-10 de Outubro de 2015 Universidade Madero (UMAD), Puebla, México CARTA DE PUEBLA Reunidos na cidade de Puebla, México,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA Plano Diretor como Indicador de Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Município de São Bento

Leia mais

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público Bruno Alexander Vieira Soares Promotor de Justiça de Defesa da Saúde/BH Coordenador da Coordenadoria de Defesa das Pessoas

Leia mais

( TRADUCCIÓN EN CASTELLANO EN LA PÁGINA 9 )

( TRADUCCIÓN EN CASTELLANO EN LA PÁGINA 9 ) ( TRADUCCIÓN EN CASTELLANO EN LA PÁGINA 9 ) 1. Título do Projeto: Criando espaços de inclusão e reconhecimento. 2. Identificação da Entidade. 2.1. Nome: GRUPO COMUNITÁRIO DONA BUBU 2.2. Endereço Rua Safira,

Leia mais

Vasos de Pressão. Vasos de Presión. Soluções em Refrigeração Industrial. Criando soluções que fazem a diferença.

Vasos de Pressão. Vasos de Presión. Soluções em Refrigeração Industrial. Criando soluções que fazem a diferença. Vasos de Pressão Vasos de Presión Criando soluções que fazem a diferença. 3 Utilização Utilización Os vasos de pressão Mebrafe respeitam rigorosamente as normas de projeto e fabricação estabelecidas em

Leia mais

DESAFIO PORTUGUÊS SHERLOCK HOLMES

DESAFIO PORTUGUÊS SHERLOCK HOLMES DESAFIO PORTUGUÊS SHERLOCK HOLMES O mestre da investigação Tenho uma profissão especial. Creio que sou o único do mundo. Sou um detetive que dá consultas. Aqui em Londres existem muitos detetives trabalhando

Leia mais

EL PROGRAMA FORAL Y LA FORMACIÓN PROFESIONAL EN LA ADMINISTRACIÓN LOCAL, EN PORTUGAL

EL PROGRAMA FORAL Y LA FORMACIÓN PROFESIONAL EN LA ADMINISTRACIÓN LOCAL, EN PORTUGAL EL PROGRAMA FORAL Y LA FORMACIÓN PROFESIONAL EN LA ADMINISTRACIÓN LOCAL, EN PORTUGAL O PROGRAMA FORAL E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL, EM PORTUGAL BELMIRO GIL CABRITO Universidade de Lisboa

Leia mais

Resultados do Censo do Setor de TI 2013. 11 de junho de 2014 Vitória (ES)

Resultados do Censo do Setor de TI 2013. 11 de junho de 2014 Vitória (ES) Resultados do Censo do Setor de TI 2013 11 de junho de 2014 Vitória (ES) Agenda Pra quê esse Censo? Participação 2013 Resultados sobre Principais Temas Conclusões Para quê esse Censo? Histórico do Censo

Leia mais

Informações básicas e. política de salário mínimo. Étude preliminaire de Claudio Dedecca (consultant BIT) avec appui de l INE PATRICK BELSER OIT

Informações básicas e. política de salário mínimo. Étude preliminaire de Claudio Dedecca (consultant BIT) avec appui de l INE PATRICK BELSER OIT Informações básicas e parâmetros para adoção da política de salário mínimo em Cabo Verde : Étude preliminaire de Claudio Dedecca (consultant BIT) avec appui de l INE PATRICK BELSER OIT STRUCTURE DE LA

Leia mais

5 / LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS

5 / LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS 5 / LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS - Globalización - Neoliberalismo - Plan Estratégico - APP - El Estado asume la mayoría del riesgo, el sector privado toma la mayoría

Leia mais

6 Não será permitido o uso de dicionário.

6 Não será permitido o uso de dicionário. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

El universo interior El universo interior

El universo interior El universo interior El universo interior El universo interior índice burletes autoadhesivos rolos autoadesivos FLEXIBAND aislamientos térmicos isolamentos térmicos juntas de estanqueidad juntas de estanquicidade aislamientos

Leia mais

O Santander Brasil manterá seus acionistas e o mercado em geral informados acerca de quaisquer novos fatos relevantes atinentes à Operação.

O Santander Brasil manterá seus acionistas e o mercado em geral informados acerca de quaisquer novos fatos relevantes atinentes à Operação. BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. C.N.P.J. nº 90.400.888/0001-42 Companhia Aberta de Capital Autorizado NIRE 35.300.332.067 FATO RELEVANTE BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. ( Santander Brasil ), em atendimento

Leia mais

Conferencia 4 Gestión Integrada de Zonas Costeras y Cuencas Hidrográficas en Brasil

Conferencia 4 Gestión Integrada de Zonas Costeras y Cuencas Hidrográficas en Brasil CONSTRUCCIÓN DE CAPACIDADES EN EL MANEJO INTEGRADO DE AGUA Y AREAS COSTERAS (MIAAC) EN AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE Curso Sub Regional Integrado MANEJO INTEGRADO DEL AGUA Y ÁREAS COSTERAS PARA EL DESARROLLO

Leia mais

PARTICIPAÇÃO VOLUNTARIA NO PLANEJAMENTO, EXECUCAO E

PARTICIPAÇÃO VOLUNTARIA NO PLANEJAMENTO, EXECUCAO E COMISIÓN EUROPEA EuropeAid - Oficina de Cooperación Dirección América Latina URB-AL EUROPA - AMÉRICA LATINA PARTICIPAÇÃO VOLUNTARIA NO PLANEJAMENTO, EXECUCAO E CONTROLE SOCIAL DO ORCAMENTO PARTICIPATIVO.

Leia mais

PROVA DE EXPRESSÃO ORAL E

PROVA DE EXPRESSÃO ORAL E FRANCÊS 12.ºANO NÍVEL DE CONTINUAÇÃO PROVA DE EXPRESSÃO ORAL E Esta prova desenvolve-se em três partes e tem uma duração aproximada de 20 minutos para cada grupo de dois alunos. Domínios de referência

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS - DGCI DSRI - Direcção de Serviços das Relações Internacionais

DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS - DGCI DSRI - Direcção de Serviços das Relações Internacionais REPÚBLICA PORTUGUESA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS - DGCI DSRI - Direcção de Serviços das Relações Internacionais Av. a Eng. o Duarte Pacheco, 28-4º 1099-013 Lisboa PORTUGAL Tel:

Leia mais

Fontes Externas de Financiamento

Fontes Externas de Financiamento Fontes Externas de Financiamento Mobilizando Recursos Financeiros Programa Financiavel Agua Refore stação Agricultura sustentável Areas protegidas Redução da pobreza Fontes Internas MinRH + autoridad local

Leia mais

INTEGRACIÓN DE LA CADENA DE VALOR INTEGRAÇÃO DA CADEIA DE VALOR

INTEGRACIÓN DE LA CADENA DE VALOR INTEGRAÇÃO DA CADEIA DE VALOR GAMA DE PRODUTOS LACTICÍNIOS O mercado dos produtos lácteos tem sido caracterizado por um grande dinamismo, apresentando grandes inovações. Os consumidores estão cada vez mais exigentes e apreciam sempre

Leia mais

SOLICITUD DE PENSION DE SOBREVIVENCIA / SOLICITAÇÃO DE PENSÃO DE SOBREVIVENCIA

SOLICITUD DE PENSION DE SOBREVIVENCIA / SOLICITAÇÃO DE PENSÃO DE SOBREVIVENCIA CONVENIO DE SEGURIDAD SOCIAL ENTRE LA REPUBLICA DE CHILE Y LA REPUBLICA FEDERATIVA DEL BRASIL RCH / BRASIL 3B ACORDO DE SEGURIDADE SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA DE CHILE E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOLICITUD

Leia mais

Cumbre Judicial Iberoamericana XVII Edición: Un Justicia de Futuro

Cumbre Judicial Iberoamericana XVII Edición: Un Justicia de Futuro Cumbre Judicial Iberoamericana Documento de presentación de proyectos Información del proyecto Nombre del Proyecto: País: Curso à Distância de Direito Ambiental para Juízes Ibero-americanos: Discutindo

Leia mais

LATAM Airlines Group S.A. Companhia Estrangeira CVM nº 80128 CNPJ nº 33.937.681/0001-78 Avenida Presidente Riesco nº 5711, 20º andar Santiago, Chile

LATAM Airlines Group S.A. Companhia Estrangeira CVM nº 80128 CNPJ nº 33.937.681/0001-78 Avenida Presidente Riesco nº 5711, 20º andar Santiago, Chile LATAM Airlines Group S.A. Companhia Estrangeira CVM nº 80128 CNPJ nº 33.937.681/0001-78 Avenida Presidente Riesco nº 5711, 20º andar Santiago, Chile FATO RELEVANTE A LATAM Airlines Group S.A. ( LATAM Airlines

Leia mais

Aprender a crescer em ambientes turbulentos. Prof. Dr. Klaus North

Aprender a crescer em ambientes turbulentos. Prof. Dr. Klaus North A PME dinamica Aprender a crescer em ambientes turbulentos Prof. Dr. Klaus North Wiesbaden Business School, Alemanha Hochschule RheinMain O DESAFIO : manter vantagens competitivas em ambientes turbulentos

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Fórum Social Mundial 2006: Desafios e possibilidades de um fórum mundial policêntrico I. Justificativa

Leia mais

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público?

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Cual es período de retorno de una inversión en geoprocesamento por parte de una administración pública? Xavier

Leia mais

2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica.

2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica. 2.2. Ensino e a construção da cidadania: da moral religiosa à moral cívica. Cinq mémoires sur l instruc1on publique (1791). Présenta@on, notes, bi- bliographie et chronologie part Charles Coutel et Catherine

Leia mais

7 A francofonia: descentralizar para democratizar o ensino do francês.

7 A francofonia: descentralizar para democratizar o ensino do francês. 140 7 A francofonia: descentralizar para democratizar o ensino do francês. 550 empresas francesas no Brasil. E você ainda não fala francês? (Publicidade da Aliança francesa veiculada no Rio, em 2006) 7.1

Leia mais

XIX Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Quito, Ecuador, 11 14 nov. 2014

XIX Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Quito, Ecuador, 11 14 nov. 2014 Retos y obstáculos para la implementación de una política de género en los gobiernos estatales en México: el caso de Nuevo León y los planes de igualdad Introducción 1 Socorro Arzaluz Solano Una de las

Leia mais

RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, SA. RARI TECH Septembre 2015

RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, SA. RARI TECH Septembre 2015 RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, SA. RARI TECH Septembre 2015 QUI SOMMES-NOUS? RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais SA. est

Leia mais

X-MET8000. Confie, mas verifique: garanta a qualidade do produto com o último analisador de XRF portátil da Oxford Instruments

X-MET8000. Confie, mas verifique: garanta a qualidade do produto com o último analisador de XRF portátil da Oxford Instruments QUALIDADE Confie, mas verifique: garanta a qualidade do produto com o último analisador de XRF portátil da Oxford Instruments Identificação rápida e confiável de ligas e composições elementares para: Controle

Leia mais

PROVA GLOBAL DE 9º ANO DE ESCOLARIDADE FRANCÊS 3 2005-2006

PROVA GLOBAL DE 9º ANO DE ESCOLARIDADE FRANCÊS 3 2005-2006 ESCOLA PROVA GLOBAL DE 9º ANO DE ESCOLARIDADE FRANCÊS 3 2005-2006 I Lisez attentivement le texte ci-dessous et les questions pour avoir une vision globale de ce qu'on vous demande. Une eau pas très écolo!

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS DISCIPLINA:Francês 7ºAno Nível I (Turmas A/B/C/D/E)

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS DISCIPLINA:Francês 7ºAno Nível I (Turmas A/B/C/D/E) PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS DISCIPLINA:Francês 7ºAno Nível I (Turmas A/B/C/D/E) Ano Letivo 2012/2013 Temáticos Unité 0 JE COMMENCE Os pronomes pessoais Os números cardinais (1) ( 0-19) Conteúdos Nº

Leia mais

TRABALHANDO JUNTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA TRABAJANDO JUNTOS PARA EL DESENVOLVIMIENTO DE LA INDUSTRIA

TRABALHANDO JUNTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA TRABAJANDO JUNTOS PARA EL DESENVOLVIMIENTO DE LA INDUSTRIA TRABALHANDO JUNTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA TRABAJANDO JUNTOS PARA EL DESENVOLVIMIENTO DE LA INDUSTRIA AS SOLUÇÕES ARTICULADAS DO SISTEMA FIERO, POR MEIO DO SESI E SENAI, FORAM ESPECIALMENTE

Leia mais

ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL: PRINCÍPIOS EXTRAÍDOS DE UMA ANÁLISE DA PRÁTICA

ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL: PRINCÍPIOS EXTRAÍDOS DE UMA ANÁLISE DA PRÁTICA ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL: PRINCÍPIOS EXTRAÍDOS DE UMA ANÁLISE DA PRÁTICA (luizgustavolfreire@ug.com.br) 1 RESUMO Cresce no Brasil a necessidade de pensar a escola como ambiente privilegiado para o desenvolvimento

Leia mais

Conferência Mundial dos Povos Indígenas Organização das Nações Unidas, Nova York, 22 e 23 de setembro de 2014

Conferência Mundial dos Povos Indígenas Organização das Nações Unidas, Nova York, 22 e 23 de setembro de 2014 Conferência Mundial dos Povos Indígenas Organização das Nações Unidas, Nova York, 22 e 23 de setembro de 2014 -- subsídios para debates nacionais e locais -- A Conferência Mundial O que foi? Proposta durante

Leia mais

PROCESSOS DECISÓRIOS RELATIVOS AOS CUIDADOS DE SAÚDE

PROCESSOS DECISÓRIOS RELATIVOS AOS CUIDADOS DE SAÚDE PARTICIPAÇÃO DO ADOLESCENTE NOS PROCESSOS DECISÓRIOS RELATIVOS AOS CUIDADOS DE SAÚDE Prof. Dr. Gustavo Pereira Leite Ribeiro gustavoleiteribeiro@gmail.com Sumário da exposição: I. Quem é adolescente? II.

Leia mais

COLORA HD2 1001 GS12.

COLORA HD2 1001 GS12. IN.TE.SA. S.p.A. es una sociedad del GRUPO SACMI especializada en la producción y el suministro de tecnologías para el esmaltado y la decoración de baldosas cerámicas. Nacida de la experiencia de SACMI

Leia mais

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN PONENTE: D. EDUARD RIUS - DIRECTOR DE SERVICIOS HOSPITALARIOS ACCIONA INSTITUTO ESPAÑOL

Leia mais

Indicadores Macroeconómicos del Mercosur. Diciembre 2010 Boletín Nº 4

Indicadores Macroeconómicos del Mercosur. Diciembre 2010 Boletín Nº 4 Indicadores Macroeconómicos del Mercosur Diciembre Boletín Nº 4 Indicadores Macroeconómicos del Mercosur Indicadores Macroeconômicos do Mercosul Grupo de Monitoreo Macroeconómico del Mercosur GMM Grupo

Leia mais

Língua : Português e Francês Tradução simultânea. Sinopses das Intervenções :

Língua : Português e Francês Tradução simultânea. Sinopses das Intervenções : Encontro - Debate «Jóia, Espelho da Sociedade» Instituto Franco Português 25 de Fevereiro 2010 15h - 18h Parceria : IFP Ar.Co Comissariado e Moderação: Cristina Filipe Língua : Português e Francês Tradução

Leia mais

Ficha sistematización experiencias en Educación Teológica Virtual Facultad EST, Brasil

Ficha sistematización experiencias en Educación Teológica Virtual Facultad EST, Brasil Ficha sistematización experiencias en Educación Teológica Virtual Facultad EST, Brasil 1.1.Nombre, país, sitio web 1.DATOS INSTITUCIONALES Faculdades EST, Brasil, http://www.est.edu.br 1.2.Relaciones con

Leia mais

MAPEO SOBRE TENDENCIAS DE LA PRIVATIZACIÓN DE LA EDUCACIÓN EN AMÉRICA LATINA

MAPEO SOBRE TENDENCIAS DE LA PRIVATIZACIÓN DE LA EDUCACIÓN EN AMÉRICA LATINA MAPEO SOBRE TENDENCIAS DE LA PRIVATIZACIÓN DE LA EDUCACIÓN EN AMÉRICA LATINA CLADE Aspectos destacados Theresa Adrião Teise Garcia Apoio Open Society MARCO CONCEITUAL Educação pública: la educación pública

Leia mais

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos Proposta de Guião para uma Prova Disciplina: Espanhol, Nível de Iniciação, 11.º ano (A2) Domínio de Referência: Viajes y Transportes Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião E 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Presentación del VI ENAPOL / Apresentação do VI ENAPOL Elisa Alvarenga

Presentación del VI ENAPOL / Apresentação do VI ENAPOL Elisa Alvarenga Presentación del VI ENAPOL / Apresentação do VI ENAPOL Un nuevo Encuentro Americano toma existencia entre nosotros: el VI ENAPOL. A continuación, les presentamos el boletín que será nuestro medio para

Leia mais

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes Universidade Federal de Goiás brasucaya@yahoo.com.br A partir del primer semestre

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Ações afirmativas no sistema da Organização das Nações Unidas: obrigação ou faculdade? Oziel Francisco de Sousa * No plano do direito internacional, a questão da discriminação e

Leia mais

INVESTIGADORA DO CPIHTS DEFENDE TESE DE MESTRADO EM COIMBRA

INVESTIGADORA DO CPIHTS DEFENDE TESE DE MESTRADO EM COIMBRA INVESTIGADORA DO CPIHTS DEFENDE TESE DE MESTRADO EM COIMBRA A Dra. Sónia Maria dos Santos, Assistente Social, docente do Instituto Superior Miguel Torga, Investigadora do Centro Português de Investigação

Leia mais

LFS Relatório de Trabalho

LFS Relatório de Trabalho LFS Relatório de Trabalho Produtos laticínios com sistema Productos lácteos: Óptimo control de costes y excelente calidad con el LFS Sistemas de Software para logística de armazém Da produção de UHT os

Leia mais