Vulcano. Vasco Araújo. Museu Geológico LNEG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vulcano. Vasco Araújo. Museu Geológico LNEG"

Transcrição

1 Vulcano Vasco Araújo 2013 Museu Geológico LNEG

2

3 Índice Vulcano - Vasco Araújo O vulcão é um mal e é um bem Entrevista de Pedro Faro a Vasco Araújo Biografia

4

5 Vulcano Vasco Araújo Lembro-me muito bem, lembro-me, lembro-me como se fosse ontem... começar. Preferia que já tivesse começado. Tanta coisa por acabar e mais uma vez começar. O que eu gostava era de outra voz antes de mim. Antes de tudo, sem princípio, uma voz que me preceda, que não me fale! Que essa voz me leve, é o que eu quero... uma voz que me carregue às costas a meio de uma frase e não me obrigue a começar, a nascer, a dar início à história. Não, não foi temor. Foi algo muito mais terrível... Medo. Meu caro amigo, ainda estás aí em baixo? Preciso de te escrever, mas eu já não sou o mesmo. Desde há alguns meses que sei que tudo está diferente. Os tempos são outros. Tu já só vives na minha memória. Por isso, vou escrever-te em pensamentos, porque tu tens sempre curiosidade em saber tudo. É o meu respeito pelas forças da Natureza que me deixa falar contigo em pensamentos, um calafrio perante a vontade de destruição, essa vontade arrepiante, majestosa nas suas metamorfoses. Tu objectarias que os sofrimentos das pessoas 4

6 decidem o que é belo ou medonho. Com certeza. O sofrimento é uma medida justa. As pessoas esqueceram, porém, que não são nada, nada, perante as forças cósmicas, perante a nossa própria vontade. A verdade é que os nossos melhores momentos, com frequência, ocorrem precisamente quando estamos desconfortáveis, quando não nos sentimos contentes ou realizados, quando lutamos e buscamos alguma coisa. Sabes, algo em mim me diz que alguma coisa em breve estará em transformação, sinto que tu estás a obrigar-me a deitar fora, ninguém me disse isto, nem a voz, é físico, és tu. Faz dois meses que li que a Humanidade é, agora, confrontada com uma decisão difícil: evoluir ou morrer. Uma percentagem relativamente pequena da Humanidade, mas em franca expansão, já está a romper com os antigos padrões mentais egocêntricos e a despertar para uma nova consciência. Não percebi bem o que queriam dizer com isto, mas talvez seja algo relacionado com o mundo. Há cada vez mais pessoas confusas por não saberem onde se encaixam, qual é o seu propósito e, inclusivamente, quem são. Fazem parte do todo sem saberem. Não são livres, nunca se libertaram. Alguma coisa começa agora a sair. Fumo, fumo das entranhas, muito fumo. 5

7 Começa a fazer sentido. «Diz o que sentes, sente o que pensas, pensa o que quiseres.» Uma parte significativa do sofrimento da vida é o sofrimento provocado por constantemente discernir ou escolher aquilo por que somos responsáveis e aquilo por que não somos. Os acontecimentos da natureza são absolutamente fantásticos, vês o fumo, o monstro está a acordar, já começou a sair fumo de novo, nos últimos meses tem saído bastante, mas ainda não cheira a enxofre. Nunca poderei sentir-me em paz devido a algo que aconteceu no passado. Oiço as histórias que as pessoas contam, que podiam ter todas o título Por que razão não posso sentir-me em paz agora?. O ego não sabe que a nossa única oportunidade de nos sentirmos em paz é, precisamente, no agora. Ou talvez saiba e tenha medo de que nós o possamos descobrir. Afinal de contas, a paz significa o fim do ego. O meu pensamento emocional tornou-se a minha identidade e, por isso, fico preso às antigas emoções, visto que estas fortalecem a minha identidade. Estou a tremer, mas não tenho medo, as minhas pernas, os braços, as entranhas, tudo estremece. Pára, pára com isso. As emoções não são quem eu realmente sou. Pára, pára, por favor, pára. Mais fumo! O monstro está a despertar e, com ele, todos nós, vamos ser arrastados, tenho medo. Não é temor, nem terror, é medo. O reconhecimento do corpo de dor tem de ser seguido pela aceitação. Por favor! Pára! Tenho medo. 6

8 UOU!!!!!! Começou agora aquilo que já não se pode parar, é agora a grande oportunidade. O monstro acordou, acordei, continuo com medo, medo do que aí vem, para onde vou, do que vou perder. Já não sei quem sou, estou confuso. Mais explosões, a grande catástrofe está a chegar. O meu corpo está em ebulição, o meu cérebro rebenta de confusão e a minha identidade perdeu- -se. A terra começou a purgar, começou o processo, a limpeza! Será possível o retrocesso? Pára! Pára! Será o destino natural e inevitável do Homem a sua destruição? Quando deixar de acreditar que devo ou tenho de saber quem sou, o que é que acontece à confusão que me domina? A maior parte das pessoas não consegue conceber qualquer significado quando a sua vida, ou o seu mundo, está a cair aos pedaços. O monstro acordou! E com ele uma nova consciência, a nossa, a minha... UOU!!!! O meu estômago. Estou enjoado... agoniado... lanço vapores internos de antigos pensamentos, emoções mal compreendidas assentes na velha ordem, no poder instaurado. Vomito aquilo que dominei mas nunca percebi. Enormes explosões de cinza, pedras, lixo, muito lixo! Deixam-me horrorizado! Lixo de todos os tipos é lançado em jactos cupressiformes pretos, atingindo alturas magníficas, formando grinaldas apocalípticas que toldam o meu campo visual, a minha essência, o céu. Sempre era verdade! Os temores tornaram- -se realidade. O vapor que sobe do interior profano transforma o mistério. Era o princípio do fim! Nenhuma mudança, reforma ou revolução se tornaria efectiva no meio social sem uma transformação interna de cada 7

9 indivíduo. Se não prestarmos atenção, independentemente da sociedade ser Socialista, Capitalista, Monárquica ou Anarquista, teremos os mesmos problemas quotidianos envolvendo a violência generalizada, a guerra, o egoísmo, a inveja, o rancor, o ódio, a cobiça Tudo é humanidade, e a humanidade é sempre a mesma. São factos fatais. Têm de vir. De cada vez que vêm é sinal de que o homem vai alcançar mais uma liberdade, mais um direito, mais uma felicidade. Decerto que os horrores da revolução são medonhos, decerto que tudo o que é vital nas sociedades, a família, o trabalho, o amor sofrem dolorosamente com a passagem dessa trovoada humana. Mas as misérias que se sofrem com as opressões, com os maus regimes, com as tiranias, são maiores ainda. Nunca mais seremos os mesmos. Percebes bem o que é que significa ser ameaçado por esta força que escurece o céu e faz tremer a terra! Movimentos de magma agitam as profundezas, ruídos surdos, como tiros de canhão, emergem do interior do meu corpo, repuxos que chegam ao céu: as certezas estão abaladas. Cheira-me a enxofre, cheira-me a podre, a lixo. Agora é a vez do fogo. Consegues ver, sim, consegues?! Estamos quase a chegar ao fim com estrondos colossais, verdadeiras detonações, que preenchem a noite com as suas cristas enlouquecidas. As ostentações de lava que se lançam no ar formaram um cone de bombas e de escória. O mundo tem agora um brilho de fogo. Gotas de lava escorrem das entranhas do monstro, 8

10 c o r r e m incandescentes através do espaço, transformam-se em fórmulas químicas antes de se extinguirem. É a capacidade de transmutação do próprio ser humano, cujo reflexo material é a transformação do homem de chumbo em homem de ouro. Apodrecer para renascer - a dissolução do corpo é a fixação do Espírito. Esta descida aos infernos significa a descida ao interior de ti próprio, ao mais profundo do ser. É o conhece-te a ti mesmo. Não nos elevamos até nos despojarmos do enxofre e da sua gordura terrena. O lume do sofrimento converte-se na luz da consciência. O núcleo interno, sólido e rico em ferro, brilha, irradia o seu raio de calor, onde tudo murcha e se transforma em cinzas, numa queimadura arrepiante de camadas e camadas de esperança. Ritmos relampejantes, que nos fazem oscilar, arrasam casas, aldeias e cidades, ritmos que quebram o corpo. As crostas rompem-se. Jorram repuxos de lava, ofuscantes de dia, vermelhos à noite, que se vão amontoando, formando paisagens de escória. Nem uma única pedra fica no mesmo sítio, pessoas e objectos são lançados pelo ar, massas de terra e de rochas entram em movimento, ondas gigantescas, tsunamis, causados por avalanches que se libertam das encostas submarinas, o mundo mudou e com ele a consciência. Aqui está o momento certo. Continuemos. Só mais alguns metros. Não acreditas naquilo que os meus olhos te descrevem? Sim, estás apavorado? No fundo, o teu coração não esperava outra coisa. Desce, chegámos a um enorme braseiro que tudo transforma e nos eleva. 9

11 Dá a volta ao braseiro. Devagar. É muito maior do que pensas. É tão grande como a Natureza. Escuta o seu interior. Não concordas comigo? Um silêncio terrífico. Ah, se tivesse um fósforo. Apenas um. Era o suficiente para incendiar o silêncio. Crepitaria em chamas. É o fim do mistério e da nossa viagem conjunta. Estás a lutar contra as lágrimas e um acesso de tosse. Não, não olhes para o mar. Não há lá nada para ver. Volta-te. Este é o meu último pedido, feito com voz rouca. O pensamento emocional já não é a nossa identidade. Todas estas histórias que se defrontam há milhares de anos em nome das origens têm na realidade um terreno comum: são histórias de identidade. FIM 10

12 Vulcano, 2012 Vídeo 16/9 Duração: Voz: Francesco Troisi Pinturas: João Fitas Texto: Vasco Araújo Música: Symphony Nº2 Corpernican, Op.31 ; Already it is dusk (String Quartet Nº 1) Op 62; Quasi una fantasia (String Quartet Nº2) Op 64;... Sing are sung (String Quartet Nº3) Op 67 de Henyk Mikolaj Górecki. Dimensões variáveis. Cortesia Galeria Filomena Soares

13

14

15 O vulcão é um mal e é um bem as pessoas amam e morrem da mesma maneira desde sempre não olhes para o mar, não há lá nada para ver Entrevista de Pedro Faro a Vasco Araújo Pedro Faro: Na preparação desta obra, Vulcano, 2012, lembro-me de te ver a olhar e a seleccionar pinturas e imagens de vulcões, a ler e a sublinhar livros científicos e outros sobre este elemento da natureza, que tanto tem fascinado o pensamento e a criação. E lembro-me, ainda, de te ver interessado em questões relacionadas com a psicologia humana. Que outros elementos foram importantes para chegares aqui, a este objecto artístico, na sua formulação final, e de que forma é que estes vários eixos livros científicos, pinturas, psicologia, música, voz, texto participam e se combinam? Vasco Araújo: Pedes-me para falar sobre a Obra de Arte Total. Ou seja, esta peça surge de várias coisas. Primeiro, de uma situação que eu tenho vindo a trabalhar ultimamente com maior intensidade e que é a observação do ser humano na sua vertente psicológica. Nesse sentido, interessa-me ver como é que o homem se transforma e o medo que ele tem dessa transformação. Achamos sempre que não conseguimos alterar nada em nós. Ou seja, podemos alterar a nossa casa, podemos alterar tudo à nossa volta, menos nós próprios. Podemos até pôr a hipótese de alterarmos o nosso corpo 14

16 mas, interiormente, no nosso interior, achamos que nunca podemos alterar nada e isso cria-nos um medo que podemos designar por medo da mudança. Foi isso, sobretudo, que me interessou trabalhar. Depois, em segundo lugar, a junção ao vulcão acontece porque o vulcão, além de ter uma evidente forma escultórica, é um dos fenómenos, tal como o tremor de terra, que obriga a uma transformação efectiva. Mas, também, porque vulcão cospe fogo remetendo, de modo quase imediato, para a ideia ou imagem do dragão que mata. Interessa-me essa imagem de alguma coisa que cospe do interior da terra algo que nos mata e que destrói tudo e, ao mesmo tempo, não ser uma destruição mas, na verdade, implicar uma renovação. Ao fim de muitos anos, após a erupção de um vulcão, os terrenos ficam muito mais férteis, por exemplo. Com a erupção do vulcão, muitas vezes, a terra aumenta. O vulcão pode ser, inclusivamente, criador de terra. O vulcão é um mal e é um bem. Ou seja, o que é que eu quero dizer? O vulcão serviu-me de metáfora para esta questão da mudança no ser humano. À partida, uma mudança ou transformação parece uma coisa horrorosa destrói muito - mas depois é sempre para melhor. No caso específico deste vídeo, o vulcão que aparece nas várias pinturas é o Vesúvio que destruiu, como sabemos, várias vezes, várias cidades, sendo que a mais conhecida é Pompeia. É um vulcão vivo, ainda. PF: A questão do tipo de mudança que referes, de alguma forma, fez-me lembrar a questão da emigração - novamente tão presente e 15

17 necessária entre nós -, do ter que sair, do ir à aventura, do passar por transformações, procurar uma nova terra... VA : Sair do nosso espaço confortável tem fortes implicações psicológicas e é talvez o maior medo e terror do ser humano. Esta peça é sobre isso e usei o vulcão como metáfora. Mas não podia nunca usar um vulcão de agora, da actualidade, como aquele da Islândia, por exemplo. Ao ler o romance da Susan Sontag, O Amante do Vulcão, há vários anos, confrontei-me com a história do embaixador inglês, Sir William Hamilton, que coleccionava, além de vasos gregos e romanos, e não havendo máquinas fotográficas na altura, pinturas do Vesúvio. Todos os dias encomendava, a diferentes pintores locais, uma ou duas pinturas que eram vistas do Vesúvio. Naquela altura, o Vesúvio já era um vulcão vivo e por isso estava sempre em transmutação. Deu-se por um acaso, na época em que ele era lá embaixador, no Reino das Duas Sicílias, e também durante as invasões napoleónicas, uma grande explosão do Vesúvio. Assim, ele pode criar um caderno - Campi Phlegraei: Observações sobre os Vulcões das Duas Sicilias, Nápoles , composto por três volumes, com anotações científicas e ilustrações que davam conta de aspectos como medição de enxofre dos vapores, etc.. É o primeiro estudo científico feito sobre vulcões, nomeadamente, sobre o Vesúvio, e, actualmente, em depósito, na biblioteca do V&A. Ele acabou por doar tudo. Grande parte dos vasos gregos e romanos que estão no British Museum, por exemplo, eram dele. Esta parte de elementos mais científicos, presentes nas pinturas que são, na 16

18 verdade, ilustrações, com tamanhos reduzidos, também foi doada. Mas o que é que é interessante nestas pinturas? Não é a parte científica, propriamente dita. Hoje em dia, há estudos científicos mais precisos e válidos. Não me interessa para nada a quantidade de enxofre que sai de um vulcão. O que me interessou nestas pinturas foi o exagero e a expressividade da sua representação. As pinturas são como crónicas de guerra, exageradas. Numa das pinturas que aparece no vídeo - o tamanho real do Vesúvio é de cerca de dois mil metros de altitude, o canhão de fogo que sai do Vesúvio tem cerca de três vezes mais a altura do vulcão. Ora, nenhum vulcão expele fogo de cinco metros de altura - rebentaria com o planeta Terra, se assim fosse. Este lado de exagero na representação do fenómeno tem a ver com o medo que tal fenómeno inspira. Alguém está a ver o vulcão e o que vê é de tal maneira impressionante as pinturas são feitas com grande distância física do mesmo e fascinante que leva a um exagero da representação deste fenómeno. PF: Voltando à pergunta inicial, também me lembro, como já tinha referido, de te ver a ler textos científicos sobre vulcões, cujo conteúdo usaste ou adaptaste no teu texto, resgatando uma certa expressividade paradoxal, entre verdade e ficção. VA : Andei a ler um livro sobre a explosão do vulcão dos Capelinhos, Viagem Vulcânica, uma saga açoriana, de Ralph Roger Glockler. PF: A forma como o vulcão era descrito nesse livro era muito 17

19 expressiva e contrariava, de alguma modo, o espírito científico, racional, objectivo que sustenta a sua validade de verdade? Colocas esse tipo textos ou análises da realidade, dos fenómenos, em questão, igualmente, ao citares ou apropriares poeticamente alguns elementos desse discurso? VA : A questão da linguagem aqui é extremamente importante por duas razões. No final do vídeo há uma frase que diz a nossa identidade já não é emotiva, ou seja, não podemos ter só uma identidade emotiva. Temos sempre emoção mas a identidade constrói-se ligando a emoção à razão, por sermos seres racionais e emocionais e, também, porque uma identidade emotiva cria mais medo. A razão que me levou a adoptar este tipo de escrita? Tinha que haver um lado emotivo tal como são as pinturas que escolho para este vídeo. No livro sobre a erupção vulcânica dos Capelinhos nos Açores (Viagem Vulcânica, uma saga açoriana, de Ralph Roger Glockler), o autor, entre observações sobre as consequências da erupção nas casas, nas vidas das pessoas, faz breves descrições do momento e aquele homem viveu aquele momento dizendo, por exemplo, que a erupção do vulcão se assemelha a bombas a explodir, criando analogias subjectivas. Nunca estive ao pé de um vulcão em erupção mas deve ser absolutamente aterrador e, ao mesmo tempo, fascinante. É como ver fogo de artifício. Acho muito fascinante ver fogo de artifício mas o som assusta-me imenso. Meto sempre as mãos nos ouvidos. Há ali um jogo de tempos entre o que vemos e ouvimos que me intriga. Na minha obra, Vulcano, 2012, 18

20 por outro lado, há, ainda, uma construção psicológica realizada em torno de um sujeito que é amplificada pelo intrigante jogo das palavras que eu introduzo, ou seja, nunca se percebendo muito bem o que é que ele está a descrever, ao dizer coisas como o enxofre que sai do interior profano do meu corpo. Um corpo em grande angústia, por exemplo, com um aperto no estômago, mostra-se ou expressa-se de várias maneiras, sendo que a fisiológica é uma dessas formas de manifestação. Mas não são só as questões físicas que estão em jogo. A angústia pode levar à loucura porque o medo de não saber o que nos vai acontecer, num processo de transformação, de mudança, pode ser fatal. Numa grande catástrofe, há pessoas que morrem de pânico porque o pavor pode ser tanto que acabam por morrer, abandonam-se. Só concebo que alguém se mate por medo. A ideia de mudança pode originar um medo enorme, insuportável. PF: De que forma é que esta obra se inscreve no teu percurso, como é que se articula com investigações, questões e obras anteriores, e de que modo é que marca, se quiseres, o fim e o início de outros projectos? VA : Esta obra deve ser, talvez, o fim de uma etapa. Mas nunca é um fim em si mesmo. Eu tenho o hábito de trabalhar entusiasticamente um determinado tema, de forma exaustiva, e, num dado momento, desligo e passo para outro tema. É como se tivesse várias linhas de investigação mas que, no fundo, tratam sempre da mesma questão que é a natureza do ser humano ou da condição humana. 19

21 Esta obra vem directamente de uma linha de trabalhos em que procurei abordar a questão psicológica psicologia e psiquiatria. Ela não é política como são outras obras que, no meu percurso, tratam do pós-colonialismo ou de questões de racismo, diferença, etc... Esta obra entronca numa série de projectos que mostrei na minha última exposição na Galeria Filomena Soares Mente-me e na linha de obras Trabalhos para Nada, que tratam, sobretudo, de aspectos do interior humano, da psique humana, na tentativa de questionar e perceber até que ponto isso revela e constitui o ser humano. Portanto, exploram as ansiedades que resultam da nossa dificuldade em mudar, do medo que temos da mudança. PF: O vídeo vai ser mostrado no Museu de Geologia. Era importante para ti que o lugar onde expões esta obra tivesse algum tipo de memória associada? Que o facto de ser uma forma museológica particular evitasse o cubo branco da galeria contemporânea? VA : Eu gosto sempre de mostrar as obras no seu contexto, apesar de haver o risco de uma certa redundância. Ou seja, o meu trabalho já é um pouco barroco, já tem imensa informação, imensas formas, imensas referências, e mostrar no próprio sítio de onde vêm essas referências pode ser demasiado redundante e não adiantar ou acrescentar grande coisa à experiência do trabalho e à sua própria leitura. Por vezes, é preferível um espaço limpo onde as pessoas se concentram, exclusivamente, na peça que lhes é mostrada. Neste caso, o Museu Geológico, tendo tudo a ver com esta peça, no sentido em que 20

22 estuda e reflecte sobre as rochas - consequência da actividade dos vulcões - mas não implica com a obra porque não há lá nada igual, não há lá nada parecido, não há pinturas sobre vulcões. PF: Mas é curioso que seja mostrado num museu como o Museu de Geologia. O museu instituição moderna - é um espaço associado à memória, à categorização do conhecimento, a uma certa narrativa histórica. No teu vídeo, por exemplo, usas muitas vezes as palavras memória, história, identidade, integração, revolução, que são termos afectos, de algum modo, à prática museológica. VA : Respondo-te a isso de uma maneira apenas. Se pudesse, só trabalhava para museus, sejam eles quais forem. Sejam museus de arte contemporânea, de arte antiga, geológicos, de ciência... porque, para mim, os museus e, acrescento, ainda, as bibliotecas, são os sítios mais fantásticos que conheço, onde podemos ver tudo, onde podemos conhecer tudo, onde podemos conhecer o ser humano. Tanto uns como outros são prova escrita e material da nossa vida, dizem-nos que estamos vivos. PF: Mas são duas instituições que resultam de um predomínio de uma certa racionalidade instrumental, daquela que pretende controlar a vida, a natureza e as suas imprevisíveis transformações aspecto que contraria, em parte, aquilo que o teu vídeo explora ou questiona. Este vídeo não coloca em causa uma certa racionalidade humana? 21

23 VA : Não sei se sei responder a esta pergunta, no sentido em que não compreendo bem o que me perguntas. A racionalidade do ser humano levou-o desde sempre aos actos mais extraordinários e ao mesmo tempo absolutamente deploráveis, talvez seja nesse sentido que o meu vídeo vai contra a racionalidade humana. Como já disse, este vídeo é uma metáfora para uma tomada de consciência de si próprio, do ser individual, mas que se insere em grupos, na sociedade, logo terá de agir e de estar de acordo com um determinado numero de regras e de leis. Agora, o problema é quando este homem não está de acordo, ou não se sente inserido, ou mesmo, é excluído. PF: Usas a palavra revolução no vídeo. VA : Só é possível haver uma revolução, seja ela qual for, porque houve ou há alguém que tem a coragem de mudar. Chegou a um estado de saturação, a um limite, e percebeu que tinha que agir, tal como acontece com os artistas quando fazem uma obra ou quando um escritor escreve um livro. Muitas vezes não sabemos porque fazemos certas coisas. Respondemos a um impulso e a revolução começa com esse impulso. Havia uma situação anterior que estava saturada. Mudamos de ginásio, de roupa, de carro porque todas essas coisas deixam de nos servir, a certa altura. Estamos sempre a mudar. Há mudanças que não nos provocam medo mas as revoluções provocam medo. No caso da revolução francesa, por exemplo, as pessoas não sabiam, certamente, para onde é que iam e viveram 22

24 anos nessa incerteza, numa terra de ninguém, que de certeza criou bastante desconforto. PF: Por falar em terra de ninguém, as tuas obras parecem convocar quase sempre um outro tempo, um tempo sem definição, um tempo sem tempo, quase, um tempo abstracto, distante do tempo dito contemporâneo. Dizes muitas vezes, a brincar, que, apesar de seres um artista contemporâneo, não tens cultura contemporânea. De que modo é que esta obra sublinha, mais uma vez, esse aspecto ou essa condição em que te colocas, como um desterrado, exilado temporal? Vives num tempo que não é o teu tempo mas actuas sobre este tempo, de várias maneiras artisticamente, politicamente, socialmente mas com a carga referencial de outro tempo que escapa a uma definição histórica rigorosa, clara. Pode ser um tempo da antiguidade, um tempo barroco... VA : Se calhar sou um artista romântico (risos). A melhor frase, e que li apenas no texto que o Paulo Pires do Vale escreveu sobre a minha exposição Debret, no Pavilhão Branco, em 2010, é do Padre António Vieira, do seu livro Breve História do Futuro e que é mais ou menos isto: nós só podemos construir um presente ou um futuro a olhar para o passado. Isto tem um lado moralista e, enfim, católico, jesuíta, mas acho esta ideia interessante. Ou seja, tu não podes nunca fazer para a frente se não perceberes para trás o que fizeste e o que fizeram. Não és só tu. O tu é um acaso. Nós somos isto porque tivemos milhões para trás que fizeram milhares 23

25 de coisas, construíram milhares de coisas, escreveram milhares de coisas, deram-nos ideias para tudo e os seres que somos hoje, muito mais evoluídos, muito mais tecnológicos, resultam de tudo o que os outros, antes de nós, fizeram. Esse passado é a nossa herança. Portanto, não concebo o meu trabalho sem ter que ir ler, pelo menos, dez livros, ou ver trinta imagens. Por exemplo, neste caso concreto do Vulcano, 2012, li e vi imensas coisas e fui buscar outras que já tinha lido e visto há muitos anos, por exemplo. Esta ligação ao passado resolve-se desta maneira. O passado dá-nos confirmação sobre o facto das coisas e garante a universalidade dos termos, dos conceitos. Eu não ponho em causa o Homero apesar de não ter a certeza se aconteceu ou não a batalha de Tróia. É uma história. Todas estas heranças, tudo o que se escreveu, sejam verdade ou mentira, configuram a nossa relação com o mundo, com as coisas. Não me interessa nada se a erupção vulcânica aconteceu ou não como aparece representada nas pinturas. Interessa-me, sim, a sua representação, analisar e reflectir sobre aquilo que chegou até nós. Este tempo em que eu construo as minhas obras é um não tempo, ou melhor, pode não haver um tempo verdadeiro. É um tempo abstracto, cada vez mais codificado. Mas é tão abstracto que pode ser em qualquer lugar, podia ser hoje ou há um século. O mesmo acontece quando lemos uma tragédia grega. Afinal, as pessoas amam e morrem da mesma maneira desde sempre. PF: No vídeo não há imagens em movimento. Temos imagens de várias pinturas de vulcões e da cara de um homem, alternadas, criando uma 24

26 narrativa sobre o Ser, sobre a humanidade. Qual é o maior desafio que a actualidade coloca a um Ser humano, a um artista, e de que forma é que a metáfora do vulcão serve ao presente? VA : Serve completamente. Acho que nem nunca podia ter servido tanto, pelo menos durante o tempo que eu vivi até hoje, desde que nasci 37 anos. O momento que vivemos é de crise, de grande desalinhamento mental e, ao mesmo tempo, implicando uma maior consciência do ser humano. O que estamos a assistir não é uma crise económica, apenas. Estamos numa crise de identidade porque estamos em mudança. Porque estão a obrigar-nos a mudar de paradigma. PF: Que paradigma é esse? VA : Não faço a menor ideia mas estamos a mudar. Esta peça, se calhar, também a fiz porque sinto isso e é uma espécie de resposta ao que estou a viver. Este homem do vídeo, a certa altura, diz: não olhes o mar, não há nada para ver. Olha para outro lado. É uma espécie de chamada de atenção para uma tomada de consciência. Não te distraias com o mar, é para outro sítio que deves olhar e, consequentemente, terás que sofrer, ou não, mas terás que ver com os teus próprios olhos para aprender, para perceberes que isto não tem mal, que é só uma outra forma de viver. PF: Sempre achei o teu trabalho bastante político, apesar disso 25

27 não ser muitas vezes óbvio. Sentes que a tua obra corre o risco de se alinhar demasiado com determinadas causas, assuntos, problemáticas sociais? Quais são as tuas causas enquanto cidadão e quando, e de que forma, é que elas aparecem no teu trabalho? VA : Acho que o meu trabalho é psicologicamente político, ou seja, não é activista, não é activamente político, no sentido convencional da expressão. Por vezes, é sociopolítico, mas apenas por vezes. Mas há uma coisa que é de certeza absoluta. É psicologicamente político, tanto pela negativa como pela positiva. PF: O que é que isso quer dizer? VA : Ele tanto coloca questões como atira flechas. Neste caso, nesta obra em concreto, coloca questões. Ou seja, coloca mais questões. Espero que coloque várias questões naqueles que a vêem. O meu trabalho é político nesse sentido. Quando faço um trabalho sobre o colonialismo ou sobre as minorias raciais, ou coisas desse género, talvez seja mais crítico, mais crispado, mais agressivo e coloque menos questões e atire mais setas. PF: O que é isso de atirar setas? VA: É como se colocasse cartazes à frente das pessoas. Vês ou não vês? Vês ou não vês? E vou repetindo esta questão várias vezes. Aqui no Vulcano é mais consegues ver?. Parece que estou 26

28 a colocar-me numa posição mais elevada em relação aos outros mas não é nada disso. Exponho as minhas próprias ansiedades e angústias. Se calhar, por vezes, corro o risco de não colocar estas questões a mim mesmo. PF: Isso leva-me a colocar uma questão que tem a ver, justamente, com a relação que estabeleces com o teu próprio trabalho. Contactando com o teu círculo de amigos e conhecidos, aparece, muitas vezes, a ideia que as tuas obras reflectem os teus estados de alma, num determinado momento. Sempre achei que isto era um equívoco. Assim, de que forma é que as tuas obras reflectem aquilo que tu és, onde é que está a separação entre obra, artista, cidadão, pessoa? As obras não têm um carácter mais abstracto? Pairante? VA : Sim, essa associação tão literal é um equívoco enorme. O meu trabalho, claro, sou eu. Apareço nele, inclusivamente, muitas vezes. Mas, por exemplo, não vivi a história do colonialismo directamente, não tenho uma única pessoa da minha família que tenha vivido em África, eu próprio não vivi em África, fui pela primeira vez a África há cinco anos. Mas interessa-me, enquanto português, perceber o que é que se passou ali. Ou seja, interessa-me tomar consciência sobre um assunto que nos afecta colectivamente e trabalhá-lo artisticamente. No caso das peças em que psicologicamente as personagens estão completamente deprimidas e embrenhadas em situações horrorosas, como na exposição de 2011, na Galeria Filomena Soares, Mente-me, a minha relação com aquelas personagens das obras é, obviamente, 27

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM

COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM Ver, ouvir, compreender e contar eis como se descreve a reportagem, nas escolas de Jornalismo. Para haver reportagem, é indispensável

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

#38. FeedForward. O e a caminho de Ser. Ser Feliz. Márcia Pinho COACH e Fundadora da believe IN (ICC 10410)

#38. FeedForward. O e a caminho de Ser. Ser Feliz. Márcia Pinho COACH e Fundadora da believe IN (ICC 10410) O e a caminho de Ser. Ser Feliz. Alexandra Lemos International Executive Coach Coach Trainer da ICC para Portugal www.mindcoach.pt O e a caminho de Ser. Ser Feliz. E de repente estava tudo errado. A minha

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Neste inicio de curso de Formação em Coaching e Mentoring do Sistema ISOR, eu quero fazer a seguinte pergunta: o que vocês mais querem da vida hoje? Alguém pode começar?

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Eu sei o que quero! Eu compro o que quero!

Eu sei o que quero! Eu compro o que quero! Eu sei o que quero! Eu compro o que quero! As pessoas com dificuldades de aprendizagem têm o poder para escolher os seus serviços de apoio. Este folheto está escrito em linguagem fácil. O que é um consumidor?

Leia mais

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE

VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE VAMOS CONSTRUIR UMA CIDADE Versão adaptada de Eugénio Sena para Wir Bauen Eine Stadt de Paul Hindemith 1. MARCHA (Entrada) Uma cidade nossa amiga Não queremos a cidade antiga. Nós vamos pensar tudo de

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

O Conselho da Europa é uma organização internacional com 47 países membros. O seu trabalho afecta a vida de 150 milhões de crianças e jovens.

O Conselho da Europa é uma organização internacional com 47 países membros. O seu trabalho afecta a vida de 150 milhões de crianças e jovens. Os Serviços de Saúde Amigos das Crianças Crianças e Jovens: digam-nos o que pensam! O Conselho da Europa é uma organização internacional com 47 países membros. O seu trabalho afecta a vida de 150 milhões

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo]

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] [Visionamento das fotos] [Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] E- Então o que é que achaste das fotos? E7- Boas. Tá fixe. E- Faz-te lembrar coisas boas ou más? E7-

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

4ª - Sim, já instalei o programa em casa e tudo. Vou fazer muitas músicas e gravar-me a cantar nelas também.

4ª - Sim, já instalei o programa em casa e tudo. Vou fazer muitas músicas e gravar-me a cantar nelas também. Entrevistas: Por escrito: A_5: 1ª - É fazer uma música sozinha, como eu gosto, com a ajuda do computador. Abrimos a Ableton Live, criamos as faixas que precisamos, escolhemos a forma e como é que cada

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Tens Palavras de Vida Eterna

Tens Palavras de Vida Eterna Catequese 40ano Tens Palavras de Vida Eterna Agenda da Palavra de Deus pela minha vida fora ANO A Durante as férias, mantenho-me em contato! CONTATOS DA PARÓQUIA Morada: Telefone: Correio eletrónico: Sítio:

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br Script de Terapia de Liberação Emocional (EFT) para desfazer crenças relativas aos clientes que você merece ter. Eu não consigo atrair clientes dispostos a pagar preços altos A Acupuntura Emocional é uma

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

Contexto Espiritual.

Contexto Espiritual. Contexto Espiritual. Senisio Antonio 2 Contexto Espiritual Contexto Espiritual. 3 Senisio Antonio Projeto Força de Ler Senisio Antonio. 37980-000 Cássia MG Responsabilidade pela revisão: Maria Aparecida

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

[Pequenas interrompem, imperceptível]

[Pequenas interrompem, imperceptível] E- A ideia é: vou-vos fazer algumas perguntas e vocês respondem consoante aquilo que quiserem dizer. E a ideia do grupo de discussão não é vocês desatarem todos à porrada mas é se vocês ah sei lá por exemplo

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

1 Narcóticos Anónimos (Texto Básico, página 17).

1 Narcóticos Anónimos (Texto Básico, página 17). Serei um adicto? Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1994 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados. Só tu podes responder a esta pergunta. Isto

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

RESOLUÇÃO DE CONFLITOS RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Todas as relações interpessoais implicam duas pessoas distintas e únicas, pelo que é natural que possam ocorrer situações em que não se está de acordo, em que se têm opiniões e pontos

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

O guia do elevator speech

O guia do elevator speech O guia do elevator speech por João Alexandre - Sexta-feira, Novembro 21, 2014 http://joaoalexandre.com/blog/guia-do-elevator-speech/ O guia do elevator speech para venderes a tua ideia num ápice O elevator

Leia mais

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM Era o dia 22 de dezembro. O Natal aproximava-se e o Pai Natal estava muito atarefado a preparar os sacos com os brinquedos. Muito longe dali, em Portugal, um menino chamado João

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA INTRODUÇÃO Irmãos! A bíblia nos ensina que Deus nos chama a realizar, a ser, a conhecer e a alcançar muitas coisas, tais como, realizar a obra de Deus, a ser santos,

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais