Controle. Controle. Introdução. Importância do Controle de Processos. Idéia. Típico Processo Industrial - Problema da Tennessee-Eastman

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle. Controle. Introdução. Importância do Controle de Processos. Idéia. Típico Processo Industrial - Problema da Tennessee-Eastman"

Transcrição

1 do e Conceitos Básicos de Prof. Dr. Jorge Otávio Trierweiler Departamento de Eng. uímica Universidade ederal do Rio Grande do Sul Típico Processo Industrial - Problema da Tennessee-Eastman Esquema de Reação: A(g) + C(g) + D(g) G(liq) A(g) + C(g) + E(g) H(liq) A(g) + E(g) (liq) Deptº. Eng. uímica / URGS - 3D(g) 2(liq) 2 do do - Segurança e proteção - ualidade d dos produtos - Operação suave Importância do de Processos Idéia Manipulada: Setpot TC - Monitoração dos processos Melhoria dos processos lexibilidade d nos projetos Limites operacionais SDCD C I Aumento da produtividade Deptº. Eng. uímica / URGS - Lucro 3 Deptº. Eng. uímica / URGS - 4

2 do Caso de estudo - Coluna de destilação Coluna de separação do VAC do ácido acético, Esta coluna compõe a unidade de produção de vil acetileno (VAC). O VAC é utilizado como matéria prima para produção de acrílico. Coluna de destilação azeotrópica. Destilação azeotrópica Denoma-se destilação azeotrópica todo o processo de destilação que utiliza a formação de um azeótropo com um ou mais componentes da mistura para efetuar a separação. uase na totalidade dos casos, o azeótropo é mais volátil sendo removido no topo da primeira coluna. do Caso de estudo - Coluna de destilação Alimentação: [mol/mol] VAC:0,206 H 2 O: 0,28 HAc: 0,53 PI TI Orgânico Aquoso AI Deptº. Eng. uímica / URGS - 5 Deptº. Eng. uímica / URGS - 6 Coluna de destilação (cont.) do Coluna de destilação (cont.) do PI H 2 0 VAC TI Orgânico Aquoso AI PI TI Orgânico Aquoso AI VAC H HAc Deptº. Eng. uímica / URGS - 7 HAc Deptº. Eng. uímica / URGS - 8

3 do do Perguntas: uais são os objetivos operacionais da coluna? Composição de topo e fundo Operação sem undação Operação sem esvaziamento ou transbordo dos vasos de topo e fundo (nível de terface) Pressão Aumento e dimuição da carga da unidade d Segurança... Tipos de Graus de Liberdade Graus de Liberdade de Projeto Graus de Liberdade Operacionais Deptº. Eng. uímica / URGS - 9 Deptº. Eng. uímica / URGS - 0 do do Perguntas: uais são os graus de liberdade operacional? Variáveis manipuladas (manipulated variables, MVs)? Válvula (vazão) da fase orgânica de topo Válvula (vazão) da fase aquosa de topo Válvula (vazão) de fundo Válvula (vazão) do fluido de refrigeração Válvula (vazão) do fluido de aquecimento Válvula (Vazão) de refluxo Perguntas: ual é a strumentação necessária? uais são os medidores? Nível total e de terface do vaso de topo () Medidor do nível do vaso de fundo () Pressão Total (PI) Diferença de Pressão (PDI) Vazão (I) Temperaturas (TI) Composição (AI) Deptº. Eng. uímica / URGS - Deptº. Eng. uímica / URGS - 2

4 do do Perguntas: uais são os prcipais distúrbios? Vazão de alimentação Temperatura / Entalpia da alimentação Composição da alimentação Malha de controle Elemento de medição Elemento de atuação Algoritmo matemático Vl Valor de referência Características do fluido de aquecimento Características ac cas do fludo de refrigeração... Deptº. Eng. uímica / URGS - 3 Deptº. Eng. uímica / URGS - 4 do do SISO SISO Sgle Input Sgle Output Uma entrada Uma saída Maioria dos controladores dustriais Exemplo: Chuveiro elétrico (ducha corona) Variável Controlada: vazão Variável Manipulada: abertura de válvula Deptº. Eng. uímica / URGS - 5 Deptº. Eng. uímica / URGS - 6

5 Malhas de controle T do T f T T Tanque Tubulação 2 SET e=erro= SET - e C T Tanque do T T f Tubulação T f T T MV => (Manipulated Variable), CV => (Controlled Variable), Distúrbio=>T,,, T f etc Retroalimentação (eedback) Deptº. Eng. uímica / URGS - 7 Deptº. Eng. uímica / URGS - 8 do do T f T T f SET - C T SET - C2 T Tanque T Tubulação SET - e C C Tanque T Tubulação TY Malhas Cascata TC Retroalimentação com Antecipação (eedforward) TC Deptº. Eng. uímica / URGS - 9 Deptº. Eng. uímica / URGS - 20

6 do do MIMO MIMO Multi - Input, Multi - Output Múltiplas entradas, múltiplas saídas Totalidade dos processos dustriais Moria dos controladores Exemplo: Chuveiro com junker Novo componente acoplamento Temperatura Vazão Deptº. Eng. uímica / URGS - 2 Deptº. Eng. uímica / URGS - 22 do Acoplamento uero aumentar a temperatura Temperatura Vazão do do Consiste no controle dos acúmulos de líquido, gases e sólidos. Sem o controle automatizado destes acúmulos o processo não pode operar. O controle é feito através de malhas feedback, as quais precisam estar necessariamente fechadas para permitir a operação da unidade. O acúmulo de líquido é medido por medidores de nível e o de gases por medidores de pressão. Para a coluna temos: controle da pressão, nível do vaso de fundo, nível total do vaso de topo e da terface. Deptº. Eng. uímica / URGS - 23 Deptº. Eng. uímica / URGS - 24

7 do do O primeiro passo consiste na escolha das variáveis manipuladas que serão utilizadas para controlar o ventário. Nível do vaso de fundo pode ser controlado por: (a) vazão de fundo (b) carga térmica da unidade (refervedor) Nível do vaso de topo e de terface podem ser controlados por: (a) refluxo, (b) destilado orgânico e (c) destilado aquoso Pressão pode ser controlada pela (a) taxa de resfriamento (condensador) ou (b) taxa de aquecimento (refervedor) Os graus de liberdade que sobrarem serão utilizados para controlar as composições. Podem ser utilizadas razões entre vazões, p.ex. (L/D, V/B, L/ etc). As razões são feedforward trínsecos e são altamente recomendáveis de serem utilizados. Necessitam de medidores de vazão para poderem ser implementados. do Descrição Matemática ΔΤ Δ A L s () s ρc ΔT () () s = G s = e and ( s ) V Δ T ( s ) s + = G d () s = V e V s + A L s Deptº. Eng. uímica / URGS - 25 Deptº. Eng. uímica / URGS - 26 Descrição Matemática set do V e V s + T ρ c A L s C V - s + e T A L s Respostas de T de 2 ordem do T f SET - e C T Tanque T Tubulação Deptº. Eng. uímica / URGS - 27 Deptº. Eng. uímica / URGS - 28

8 requency Response of SISO Systems req_t.mdl Var_zeta.m Deptº. Eng. uímica / URGS - 29 Deptº. Eng. uímica / URGS - 30 do do Deptº. Eng. uímica / URGS - 3 Deptº. Eng. uímica / URGS - 32

9 do do Deptº. Eng. uímica / URGS - 33 Deptº. Eng. uímica / URGS - 34 do Unidade d de Aquecimento - Exemplo do Unidade de Aquecimento - Exemplo Deptº. Eng. uímica / URGS - 35 G () s =, G2() s = τ s + τ s + (), 2 K G = 3 TI_30(s) EL3 s ττ 2s = 2 τ τ s ( τ + τ 2 ) ( τ + τ ) s 2 s + G + k EL energia mantida no sistema () s () k 3 = and G 4 s = k = =,0 k τ 3s + Deptº. Eng. uímica / URGS EL - Prof. energia Dr. Jorge fornecida O. Trierweiler ao sistema 3 () s 36

10 do do Deptº. Eng. uímica / URGS - 37 Deptº. Eng. uímica / URGS - 38

Instrumentação na Indústria Química. Prof. Gerônimo

Instrumentação na Indústria Química. Prof. Gerônimo Instrumentação na Indústria Química Prof. Gerônimo Ementa 1. Introdução. 2. Histórico. 3. Automação, controle de processo. 4. Instrumentos para controle de processos: - Classificação dos instrumentos -

Leia mais

Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2)

Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Documentos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE PROCESSOS PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS QUÍMICOS II PROCESSAMENTO QUÍMICO FLUXOGRAMAS DEFINIÇÃO: É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA SIMPLIFICADA POR MEIO DE FIGURAS E LETRAS, DE ESTRUTURA E DO FUNCIONAMENTO DE INSTALAÇÕES DE PROCESSAMENTO. CLASSIFICAÇÃO:

Leia mais

o que o técnico precisa conhecer e entender do processo?

o que o técnico precisa conhecer e entender do processo? CONTROLE DE PROCESSO o que é controle de processos? porque controlar um processo? como controlar um processo? o que o técnico precisa conhecer e entender do processo? Estado estacionário x Dinâmica...

Leia mais

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO Willy Rodrigo de Araujo 1 ; Rivana Mabel Lucena Oliveira 2 ; Cynthia Vasconcelos de Araujo 3 ; Romildo Brito 4 ; Heleno Júnior

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE. Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de:

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE. Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de: INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE Introdução Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de: a) Um medidor, que reage as variações da variável controlada;

Leia mais

TECNOLOGIA FOUNDATION FIELDBUS APLICADA NO CONTROLE AVANÇADO DA VAZÃO E DO NÍVEL DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO

TECNOLOGIA FOUNDATION FIELDBUS APLICADA NO CONTROLE AVANÇADO DA VAZÃO E DO NÍVEL DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1

Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 Prof. Eduardo Stockler Tognetti Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Introdução Norma S51 ISA (International

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

1. Fluxograma de Engenharia (P&I-Diagram )

1. Fluxograma de Engenharia (P&I-Diagram ) 1. Fluxograma de Engenharia (P&I-Diagram ) Fluxograma de Engenharia é conhecido internacionalmente como P&I Diagrams, já os Fluxogramas de Processo são conhecidos como PFDs (Process Flowsheets Diagrams).

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA

Leia mais

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Controle automático de processo Processos Contínuos: são aqueles que possuem saídas contínuas como, por exemplo, processos de geração de energia. Processos

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE

CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - ENG3501 PROFª. LETÍCIA CHAVES Conceitos básicos de Instrumentação 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico 1.2 Elementos de uma Malha de Controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA B. R. Rodrigues 1, A. P. Meneguelo 2, P. H. H. Araújo 3 1-3 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia

Leia mais

Informação do Produto Filtros da Linha RCS

Informação do Produto Filtros da Linha RCS Rev-00 Plug: ½ NPT Os filtros da Linha RCS são projetados para separação de água e sólidos de hidrocarbonetos em aplicação no abastecimento industrial, aeronaves e postos de gasolina. Objetivamente, os

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

Controle operacional em lodos ativados

Controle operacional em lodos ativados Controle operacional em lodos ativados Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira Controle de efluente industrial

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG07053 - TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Comparativo de Simulações Estacionárias de Colunas

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Malhas de Controle Avançado

Malhas de Controle Avançado 1 Malhas de Controle Avançado Prof a Ninoska Bojorge Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Introdução Será abordado alguns componentes chaves de simples de controle mais complexos: 1. Controle

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Lara Talita Schneider², Gabriela Bonassa³, Valdir Guerini 4, César Augusto

Leia mais

O uso da termografia como ferramenta de análise de processos Industriais

O uso da termografia como ferramenta de análise de processos Industriais O uso da termografia como ferramenta de análise de processos Industriais Dagoberto José dos Santos (UNIMEP) djsantos@unimep.br Rubens Gedraite (UNIMEP) rgedrait@unimep.br Abstract: Este trabalho apresenta

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DO: APARELHO PARA CONTROLE DE DESTILARIA DE ALCOOL MODELO: DSTRL-RT-1000

DESCRITIVO TÉCNICO DO: APARELHO PARA CONTROLE DE DESTILARIA DE ALCOOL MODELO: DSTRL-RT-1000 QUEM FAZ A VENDA É DEUS NÓS SOMENTE EXECUTAMOS OS SERVIÇOS COM A AJUDA DELE RUN TIME Automação Industrial & Metrologia Rua Francisco da Silva, 140 Jardim Cajubá Sertãozinho/SP CEP: 14177-105 Telefax: 16-2105-6600

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

Aplicação de técnicas de sintonia fuzzy em uma coluna de destilação piloto

Aplicação de técnicas de sintonia fuzzy em uma coluna de destilação piloto Aplicação de técnicas de sintonia fuzzy em uma coluna de destilação piloto Adelson Siqueira Carvalho Ronald Coutinho da Silva Dênis Barbosa do Nascimento NPO - CEFET-Campos NPO - CEFET-Campos NPO - CEFET-Campos

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo 1 1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Conhecer os instrumentos e equipamentos industriais. 2. Conhecer o funcionamento

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR TROCADORES DE CALOR Trocador ou permutador de calor é um equipamento utilizado para aquecer, resfriar, vaporizar ou condensar fluídos de acordo com as necessidades do processo, utilizando-se uma parede

Leia mais

Processos em Engenharia: Conceitos de Controle de Processos e Ações de Controle Elementares

Processos em Engenharia: Conceitos de Controle de Processos e Ações de Controle Elementares Processos em Engenharia: Conceitos de Controle de Processos e Ações de Controle Elementares Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

Eng. Mec. Rafael Buratto

Eng. Mec. Rafael Buratto SOLUÇÕES PARA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO VIA ESTABILIZAÇÃO DAS PRESSÕES DIFERENCIAIS ESTUDO DE CASO: CARLOS GOMES 222, PORTO ALEGRE/RS Eng. Mec. Rafael Buratto Especialista em

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada.

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. 1 Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. Fig.01 Sistema de controle manual para regular o nível de fluído em um reservatório.

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Uso de software comercial para estudo das variáveis da fase vapor de um processo de destilação quando utilizada

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Controle em Cascata. Estratégias Especiais de Controle. Estruturas de Controle Combinando Controladores PID Single-Loop

Controle em Cascata. Estratégias Especiais de Controle. Estruturas de Controle Combinando Controladores PID Single-Loop Estratégias Especiais de Controle Estruturas de Controle Combinando Controladores Single-Loop Controladores Industriais de Prof. omeu eginatto 2012 Controle em Cascata Controle de azão Controle Seletivo

Leia mais

Monitoramento de emissões:

Monitoramento de emissões: Monitoramento de emissões: Monitoramento de emissões: Emissão de gases SO2 NOx NH3 CO2 O2 Vazão Monitoramento de particulados Monitoramento de Emissões: Uma monitoração exata e de confiança das emissões,

Leia mais

FluidMonitoring Module FMM

FluidMonitoring Module FMM FluidMonitoring Module FMM Descrição Os módulos de monitoramento de fluidos da série FMM combinam os produtos de monitoramento de condições ContaminationSensor 1000 e AquaSensor AS 1000 da HYDAC em um

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS Eng. Eduardo Linzmayer RESUMO Avaliação e levantamento das emissões de fluidos nos sistemas de refrigeração; Importância

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio.

Mecânica: processos industriais: usinagem, laminação, fundição, solda, prensagem, vapor, gás. Automóveis, suspensão, motor, câmbio. 1 Disciplina de Sistemas de Controle Prof. Luciano Menegaldo e-mail: lmeneg@ime.eb.br home-page: http://lmeneg-aulas.tripod.com Aula 1 Introdução 1. Idéias gerais e exemplos de sistemas de controle - Assunto

Leia mais

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol

4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol 4026 Síntese de 2-cloro-2-metilpropano (cloreto de tert-butila) a partir de tert-butanol OH + HCl Cl + H 2 O C 4 H 10 O C 4 H 9 Cl (74,1) (36,5) (92,6) Classificação Tipos de reações e classes de substâncias

Leia mais

Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14

Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14 Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14 Símbolo Gerais Os radiadores de ar da série AC-LN 8-14 podem ser aplicados em todas as áreas nas quais é preciso resfriar óleo ou mistura de água-glicol

Leia mais

Processos Unitários Orgânicos PUO. Introdução. Prof. MSc. Marcos Villela Barcza

Processos Unitários Orgânicos PUO. Introdução. Prof. MSc. Marcos Villela Barcza Processos Unitários Orgânicos PUO Introdução Prof. MSc. Marcos Villela Barcza 1- Processo Químico: Processos Unitários Orgânicos PU191 Prof. MSc. Marcos Villela Barcza INTRODUÇÃO É utilizado para formação

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Diagramas de Fase. Objetivos:

Diagramas de Fase. Objetivos: 1 Diagramas de Fase Objetivos: Interpretar diagramas de fases de substâncias puras Deslocamento da fronteira entre as fases Interpretar diagramas de fases de compostos Diagramas de misturas líquidas Diagramas

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

AULA 8 CONTEÚDO: Capítulo 13. Capítulo 14. Volume I do Livro Texto. Desenhos de Tubulações. Projeto de Tubulações.

AULA 8 CONTEÚDO: Capítulo 13. Capítulo 14. Volume I do Livro Texto. Desenhos de Tubulações. Projeto de Tubulações. AULA 8 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 13 Desenhos de Tubulações Capítulo 14 Projeto de Tubulações. 1 DESENHOS DE TUBULAÇÕES IDENTIFICAÇÃO DAS TUBULAÇÕES, VASOS, EQUIPAMENTOS E INSTRUMENTOS

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM.

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM. SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM. Elinéia Castro COSTA PRODERNA/ITEC/UFPA elineia_castro@yahoo.com.br Nélio Teixeira MACHADO TERM@/FEQ/ITEC/UFPA

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO ENGENHARIA IND. E COM. LTDA. Q -110-111. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5.

IMPLANTAÇÃO ENGENHARIA IND. E COM. LTDA. Q -110-111. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5. Sistema Simples de Queima de Biogás para Estações de Tratamento de Efluentes. Projetado e construído para operar com a vazão total unidade, porém necessitando de um sistema

Leia mais

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO 14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO VISÃO ATUALIZADA SOBRE A PRODUÇÃO DE VAPOR EM USINAS E DESTILARIAS ERICSON MARINO 30/10/2013 TEMAS DA APRESENTAÇÃO TRANSIÇÃO, DAS PRESSÕES E TEMPERATURAS DE VAPOR PRODUZIDO

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE PARTIDA E DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO

AVALIAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE PARTIDA E DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO Copyright 04, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Instrumentação e Controle. Prof. Casteletti

Instrumentação e Controle. Prof. Casteletti Prof. Casteletti Objetivo da Instrumentação Manter as variáveis do processo sobre controle para: a) manter e melhorar a qualidade do produto; b) melhorar a produtividade; c) manter a segurança - da unidade;

Leia mais

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL MESTRADO EM ENGENHARIA DE PROCESSOS FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Prof. André Luis Dantas Ramos e Prof. Alexandre Ferreira Santos, PEP/NDTR/UNIT 1 Regulamentação

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina

Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina Desenvolvimento do primeiro laboratório móvel de calibração de medidores residenciais e comerciais de gás da América Latina Ovídio Bessa Leite Neto Chefe de Serviço de Tecnologia do Gás CEG/CEG RIO 1854

Leia mais

Fluid Control Systems Catálogo Compacto

Fluid Control Systems Catálogo Compacto Fluid Control Systems Catálogo Compacto 3 Sumário Linha de Produtos Visão Geral... 2 Válvulas Solenóides... 6-35 Válvulas Solenóides Propósito Geral 2/2 atuação direta. 6 2/2 servo-assistida e válvulas

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Série RTM E RTB Reatores de Média e Baixa Pressão

Série RTM E RTB Reatores de Média e Baixa Pressão Série RTM E RTB Reatores de Média e Baixa Pressão Figura 1 RTM/RTB 5L Série RTM 2.5 a 1000 RTB 2.5 a 1000 Capacidades 2.5 a 1000 L 2.5 a 1000 L Pressão de Trabalho (PMT) -1.0 / + 10.0 bar (150 psi) -1.0

Leia mais

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO I. ASSOCIAÇÃO DE BOMBAS As bombas podem ser associadas em série e em paralelo dependendo das características do sistema. A associação em série é útil quando se tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA PRESSÃO, TEMPERATURA E CONDIÇÕES DE

Leia mais

Unidade de Bomba de Vácuo Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo. Otimização de vácuo para produtividade e eficiência

Unidade de Bomba de Vácuo Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo. Otimização de vácuo para produtividade e eficiência MAIORES INFORMAÇÕES WWW.VACUUBRAND.COM Unidade de Bomba de Vácuo Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo Otimização de vácuo para produtividade e eficiência Tecnologia de vácuo Aperfeiçoando os

Leia mais

Simbologia de Controle de Processos

Simbologia de Controle de Processos Simbologia de Controle de Processos Seminário Automação Industrial 2º Semestre de 2011 Watson Oliveira RA: 510303-6 Leandro Tassi RA: 517566-0 Prof. Nilson M. Taira Faculdades Integradas de São Paulo Introdução

Leia mais

Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com

Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Tecnologia - DEQA Curso de Engenharia de Produção Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Consumo de Vapor na Destilação

Consumo de Vapor na Destilação Consumo de Vapor na Destilação Florenal Zarpelon Eng. Químico UFRJ-69 Seminário Industrial Fenasucro 30/08/12 Balanço Térmico nas Colunas Conceitos Básicos Considerações Coluna destiladora: - Calor específico

Leia mais

Unidades, Grandezas e Propriedades

Unidades, Grandezas e Propriedades 1 Refrigeração I Bases e Fundamentos Unidades, Grandezas e Propriedades Capítulo I Figura I.4 Equivalência entre as Escalas de Temperaturas Onde a cor é fundamental 2 Figura I.9 Diagrama Temperatura Entalpia

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

PROJETO DE UMA PLANTA QUÍMICA DIDÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DE PROCESSOS E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

PROJETO DE UMA PLANTA QUÍMICA DIDÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DE PROCESSOS E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROJETO DE UMA PLANTA QUÍMICA DIDÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DE PROCESSOS E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Wagner Freitas Campos campos.fw@gmail.com Thiago Gomes Pineli thiago_pinelli@yahoo.com.br

Leia mais

A maneira mais inteligente de aquecer água.

A maneira mais inteligente de aquecer água. A maneira mais inteligente de aquecer água. A JAMP O uso consciente de energia é um dos princípios que rege as atividades da JAMP, responsável pela introdução no País de soluções inovadoras no campo de

Leia mais

Controle de Processos: Introdução

Controle de Processos: Introdução Controle de Processos: Introdução Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Panorama da engenharia de controle

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série

Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série 9 DuPont ISCEON Série FLUIDOS REFRIGERANTES Informação Técnica 47 ART- Diretrizes de Retrofit para os 9 Fluidos Refrigerantes DuPont ISCEON Série DuPont ISCEON 39TC (R-423A) The miracles of science Diretrizes

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

FTA-5000. www.tecnopon.com.br

FTA-5000. www.tecnopon.com.br FTA-5000 PROPÓSITO Biorreator / Fermentador, capaz de realizar biorreações/fermentações em regime de batelada, curva de alimentação e contínuo, com sistema de aeração e dispersor/agitador mecânico tipo

Leia mais