Eng. Mec. Rafael Buratto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eng. Mec. Rafael Buratto"

Transcrição

1 SOLUÇÕES PARA INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO VIA ESTABILIZAÇÃO DAS PRESSÕES DIFERENCIAIS ESTUDO DE CASO: CARLOS GOMES 222, PORTO ALEGRE/RS Eng. Mec. Rafael Buratto Especialista em Construções Sustentáveis

2 Alcançar o sucesso em um projeto de climatização significa gerar conforto para os usuários, ter um custo operacional baixo e manter o investimento otimizado na etapa de execução do sistema de climatização.

3 O projeto eficaz e econômico em sistemas de água é afetado por complexas relações entre os vários componentes do sistema. As temperaturas de projeto da água, a taxa de vazão, o projeto da tubulação, a seleção da bomba, a seleção das unidades terminais e o método de controle, estão todos interligados. O tamanho e complexidade do sistema irá determinar a importância destas relações para o sucesso na operação. (HVAC Systems and Equipment - ASHRAE, 2004, p.12.1)

4 Problemas comuns em sistemas de água gelada o Sistema hidráulico complexo; o Difícil balanceamento das vazões nas unidades terminais; o Válvulas de controle com baixa autoridade; o Ruídos nas válvulas de controle; o Grandes variações de temperatura nos ambientes climatizados; o O t da água gelada no laço secundário é menor que o projetado; o A vazão de água gelada no laço secundário é maior que a projetada; o Mesmo com sobra de capacidade nos resfriadores de líquido não se consegue atender a carga térmica em alguns momentos.

5 Válvulas de Duas Vias, Igual Percentagem (IPM) o Interface entre a lógica de controle e os trocadores de calor; o A característica não linear de um trocador de calor é compensada pela válvula de controle com características opostas. Fonte: Autor adaptado de Petitjean, 2012, p.146. o Kv, é a vazão de água gelada na unidade m3/h, para a queda de pressão de 1 bar estando a válvula 100% aberta.

6 Válvulas de Duas Vias, Igual Percentagem (IPM) o O disco caracterizador é o responsável por tornar uma válvula, originalmente de rápida abertura, em uma válvula de igual percentagem modificada. Fonte: Autor adaptado de Contimetra, 2012, p.23.

7 Autoridade e seleção das válvulas de controle o Uma válvula de controle, ao restringir a vazão de água gelada, provoca uma redução na perda de pressão dos demais componentes. o Uma válvula de controle 100% aberta está sujeita à pressão disponível menos as perdas de carga do trocador de calor e acessórios da tubulação Δpmin. o Uma válvula de controle fechada faz desaparecer as perdas nos demais componentes Δpmax. o A autoridade de uma válvula de controle (β ) é encontrada com a relação: β = Δpmin Δpmax

8 Autoridade e seleção das válvulas de controle o Válvulas superdimensionadas não terão autoridade suficiente para resultar num adequado controle na temperatura do ambiente. o Válvulas subdimensionadas terão autoridade, mas irão imputar maiores perdas de carga no sistema hidráulico. o O uso de uma válvula sem autoridade, associado a sistemas sem controle sobre a pressão diferencial, acarreta a passagem de água gelada em vazões maiores que as necessárias. Quanto maior for a perda de autoridade, maior será esta sobre vazão e maiores serão os prejuízos para o Δt da água gelada.

9 Válvulas de balanceamento estático Cortesia Oventrop o Utilizadas para ajuste das vazões operando a plena carga; o Substituem, com vantagem, os registros globo; o Substituem a válvula de bloqueio; o Possuem dreno para esgotar a água da unidade terminal no caso de manutenção.

10 Válvulas de balanceamento estático o Desvantagem de ter Kv fixo, dificultando a escolha do modelo mais adequado em algumas situações. o Utilizada em série com as válvulas de Cortesia TA controle, restringe a vazão máxima; o Conforme Petitjean (2012, p.248): "Uma instalação bem projetada e bem executada pode ter uma distribuição equitativa das vazões e, portanto, das capacidades. No entanto, ainda é necessário restringir os fluxos em unidades favorecidas, a fim de obter a vazão suficiente para outros circuitos.

11 Válvulas de balanceamento estático o Possibilidade de leitura da vazão com equipamento adequado; o Rápido diagnóstico de problemas. As válvulas de balanceamento são essenciais. Se existe uma falha durante a operação normal e uma válvula de controle se abrir, então pode ocorrer um grande acréscimo na vazão (curto circuito) nesta unidade terminal, se não houver uma válvula de equilíbrio. Ocorre uma queda na pressão do sistema hidráulico, e todas as demais válvulas de controle começarão a abrir para competir pelo fluxo. Sem equilíbrio, uma perturbação em uma parte do sistema vai se espalhar para todo o sistema, e vai demorar algum tempo até que a estabilidade seja restaurada. (BELIMO, 1999, p.15)

12 Válvulas de balanceamento dinâmico o Estabilizam a pressão diferencial; o Aplicação de forma localizada; o Aplicação em ramais; o Simplificam sistemas complexos; o Mantêm a autoridade da válvula de controle; o Indispensáveis em sistemas onde não ocorre alteração na rotação das bombas correndo sobre a curva da bomba ; o O comissionamento pode ser executado em etapas; o Tornam o sistema hidráulico menos interativo. Cortesia TA

13 Síndrome do baixo t o A potência gerada por uma central térmica está diretamente relacionada com a vazão e com o Δt da água em circulação pelo sistema. Utilizando unidades do SI e para sistemas que utilizam água sem aditivos teremos: Q=m.4,186.Δt Sendo: Q =(kw); m =( kg/s); Δt ( C) A redução no Δt da água em circulação pelo sistema acarreta: o Maior vazão de água gelada para mesma capacidade frigorífica; o Maior consumo de energia no bombeamento; o Resfriadores de líquido recebem água em temperaturas mais baixas;

14 "Embora geralmente o problema relatado seja a redução no diferencial de temperatura no lado da água, o problema real está no correspondente aumento na vazão de água em circulação. Especialmente em condições de cargas parciais quando a vazão no secundário aumenta em relação à carga de refrigeração e mais resfriadores de líquido e torres de arrefecimento são necessárias para manter os requisitos de vazão do sistema, mesmo que os limites de capacidade de refrigeração dos resfriadores ainda não tenha sido atingido. Ambos, o alto consumo de energia de bombeamento, bem como redução da eficiência dos resfriadores que operam em condições de baixa carga, podem levar a uma diminuição da eficiência global do sistema de água gelada. (HENZE, 2013, p.102)

15 Síndrome do baixo t Formas para mitigar a degradação do Δt em sistemas de água gelada são: o o o Manutenção lado água e lado ar. Eliminar o uso de válvulas de três vias para controle das unidades terminais; Selecionar as válvulas de controle, autoridade e pressão de close-off; "Válvulas de controle superdimensionadas fazem que o controlador caçe a vazão ideal de água gelada, alternando a abertura e o fechamento da válvula buscando acertar o set point. A vazão que passa pela válvula nesta situação é maior do que a desejada, e, assim, o delta-t é reduzido" Taylor (2002, p.644) o o o o Pressão diferencial estável sobre a válvula de controle; Utilizar válvulas para balanceamento estático nas unidades terminais; Ajuste correto no set point de temperatura dos ambientes; Limitar temperatura ambiente mínima na automação.

16 Bomba centrífuga com vazão variável o Promove redução no consumo de energia; o Estabiliza a pressão diferencial; Pb(kW) = Q. Δp 100,58. Ƞ Pb HP = Q. Δp 75. Ƞ Sendo: Q=(l/s), Δp=(mca), Ƞ=Rendimento o Promove redução no consumo de energia; o Estabiliza a pressão diferencial; o Permite controle com menor autoridade; o Ponto de medição; o Set point.

17 Bomba centrífuga com vazão variável * o Leis de Afinidade ou Leis das Bombas Vazão e Rotação Q2 = Q1 N2 N1 Vazão varia com relação linear em relação à variação de rotação; Pressão e Rotação p2 = p1 N2 N1 Pressão varia com uma relação quadrática em relação à vazão e à rotação; 2 Potência e Rotação P2 = P1 N2 N1 3 Potência varia com uma relação cúbica em relação à vazão e à rotação.

18 Carlos Gomes 222 o Edifício Comercial com pavimentos corporativos entregues com o sistema de climatização pronto para utilização. o Projeto conceitual desenvolvido pelo Eng. Vitório Presotto, adota sistema de climatização do tipo expansão indireta com a utilização de água como fluido intermediário. o A produção de água gelada utiliza dois resfriadores de líquido Carrier, condensação a ar, associados em série. Cada resfriador de líquido conta com 8 estágios de capacidade. o Bomba primária única, dimensionada para vencer as perdas de carga dos dois resfriadores de líquido, mais a perda imposta por tubulações e acessórios deste laço hidráulico.

19 Carlos Gomes 222 o t do laço secundário, previsto para ser de 10,0 C a 11,0 C; o t dos resfriadores de líquido, previstos para ser de 5,0 C a 6,0 C; o Tubo comum entre produção e consumo. Circuitos desacoplados; o Utiliza válvulas de controle de duas vias nas unidades terminais; o Bomba do secundário tem vazão variável controlada por pressão diferencial; o Utiliza Válvulas de controle da pressão diferencial em ramais; o Sistema de automação com ajustes independentes para as zonas climatizadas; o Limitação na temperatura mínima para ajuste do set point dos ambientes;

20 Carlos Gomes 222 o Dados de seleção dos resfriadores de líquido, plena carga. Resfriador Resfriador 1 Resfriador 2 Modelo Carrier, 30GXE267386S Carrier, 30GXE267386S Capacidade Total (kw) Potência Elétrica (kw) COP (kw/kw) 2,84 2,69 Vazão AG (l/s) Temp. entrada AG ( C) 16,7 11,0 Temp. saída AG ( C) 11,0 6,0 t C 5,7 5,0 P (kpa) 57 57

21 Carlos Gomes 222 o Fotografia com vazões e temperaturas de água previstas para plena carga

22 Carlos Gomes 222 o Fotografia com vazões e temperaturas para carga parcial, em torno de 50%.

23 Dimensionamento das válvulas de balanceamento estático e das válvulas de controle de duas vias o Kv adotado para válvula de controle, pode atenuar ou agravar diferenças; o Trocadores de calor com diferentes p; o Distâncias e bitolas diferentes; o Menos favorecido

24 Detalhe de montagem da rede hidráulica para instalação da unidade terminal o Detalhamento dos componentes; o Dimensionamento das tubulações; o Dimensionamento da V2V; o Dimensionamento da VB.

25 Dimensionamento das válvulas de balanceamento estático e das válvulas de controle de duas vias Casa de máquinas Pavimento Tipo - Conjuntos final 01 - Unidade terminal menos favorecida é a Centro Item Unidade Term. Oeste Unidade Term. Centro Unidade Term. Sul Unidade Term. Norte 1 Perda em tubulações (kpa): 6,761 6,143 4,946 4,031 2 Perda em conexões (kpa): 2,073 3,129 1,414 1,131 3 Perda na Válvula de Controle (Kpa): 39,069 30,863 19,132 27,038 4 Perda no trocador de calor (kpa): 6,847 22,436 12,478 10,310 Subtotal 54,750 62,570 37,970 42,510 5 Perda na V. Balanceamento (kpa): 11,320 3,500 28,100 23,560 6 Perda Total interno a C. Máquinas (Kpa): 66,070 66,070 66,070 66,070 7 Vazão de Água Gelada (l/s): 0,28 0,97 0,19 0,36 8 Kvs utilizado 1,60 6,30 1,60 2,50 9 Autoridade para V2V com 100% da vazão: 0,59 0,47 0,29 0,41 10 Bitola - modelo da V2V 1/2"- VG1241AE 3/4" - VG1241BL 1/2" - VG1241AE 1/2" - VG1241AF 11 Válvula de balanceamento: TA - STAD 20-3/4" TA - STAD /2" TA - STAD 20-3/4" TA - STAD 20-3/4" 12 Pré ajuste da Válvula de Balanceamento: 2,59 voltas 3,91 voltas 1,58 voltas 2,43 voltas o O ponto de ajuste das válvulas de balanceamento é encontrado utilizando-se a perda de pressão que deve ser adicionada. o O comissionamento fica facilitado pela existência de um ponto de ajuste calculado.

26 Dimensionamento das válvulas de balanceamento dinâmico o As colunas hidráulicas do laço secundário estão interligadas com cada uma das casas de máquinas dos conjuntos do pavimento tipo, mediante o uso de uma válvula de balanceamento estático na alimentação e de uma válvula de balanceamento dinâmico no retorno da água gelada. Fonte: Autoria própria.

27 o Os dados utilizados para a seleção são os apresentados na tabela anterior: o Perda de carga total interna da casa de máquinas, 66,070 kpa; o Vazão de água gelada, somatório das vazões das unidades terminais, 1,80 l/s. o Resultado do selecionamento, pressão diferencial interna 66,1 kpa e a pressão mínima na coluna hidráulica,77 kpa. o Indica os ajustes que deverão ser feitos na etapa de balanceamento, com posição 4 voltas para a válvula STAD e 41 voltas para a válvula STAP. o Os ajustes podem ser copiado para as demais casas de máquinas

28 Selecionamento da bomba utilizada no laço secundário o Geração de nova curva para o diâmetro do rotor utilizado e, posteriormente, geração das curvas para as rotações resultantes da redução da frequência; o Os valores são estimativos, visto que os dados foram originados na leitura de pontos em uma curva impressa do fabricante de bombas Worthington; o Geração da curva do sistema, com o cálculo da perda de carga para vazão de 100% e posteriores reduções de perdas de carga novas vazões em cargas parciais; o O rendimento da bomba para o ponto de seleção em 60Hz é de aproximadamente 75%, sendo possível estimar as novas potências consumidas; o Considerando um rendimento de 85% para o motor elétrico e de 90% para o inversor de frequência, a eficiência total resulta em aproximadamente 57%. o Deve ser fixado na programação dos parâmetros de rotação da bomba a vazão mínima que esta pode trabalhar sem que ocorra recirculação de água na voluta.

29 Selecionamento da bomba utilizada no laço secundário Fonte: Autoria própria.

30 Selecionamento da bomba utilizada no laço secundário Estimativa da Potência Consumida Bomba Secundário Estimativa da Potência Consumida - Bomba Secundário - Carlos Gomes 222 Item Frequência Vazão (m3/h) Vazão (l/s) Pressão (mca) Ƞ* Potência consumida 1 60 Hz ,389 20,0 0,57 16, Hz ,222 18,2 0,57 13, Hz ,333 16,6 0,52 12, Hz ,611 15,1 0,52 9, Hz ,167 13,6 0,50 7, Hz 87 24,167 12,0 0,50 5, Hz 68 18,889 10,6 0,47 4, Hz 41 11,389 9,0 0,40 2,55 Fonte: Autoria própria.

31 Central Térmica Carlos Gomes 222 Porto Alegre - RS * Resfriadores Carrier 30GXE 267

32 O funcionamento do sistema de climatização do Carlos Gomes 222, sem significativas variações nas temperaturas internas e com o integral atendimento das cargas térmicas, é um indicativo de que as válvulas de controle atuam sem sofrer a interferência de variações nas pressões diferenciais, não ocorrendo a perda de autoridade ou distorções nas características de igual percentagem destas. A inexistência de ruídos anormais, quando em cargas parciais, é outro indicativo de que a estabilização das pressões diferenciais evita o acréscimo na pressão sobre a válvula de controle. O t no laço secundário, mesmo sofrendo alguma variação durante a operação, permanece próximo aos 10 C projetados, sendo mantida a vazão de água gelada também dentro de valores previstos. O comissionamento nas redes hidráulicas foi feito em etapas e sem a interferência entre circuitos. O sistema hidráulico deixou de ser interativo. Podem ser feitas alterações nos ajustes das unidades terminais em uma casa de máquinas sem que esta alteração provoque um desequilíbrio de vazões no restante do sistema. O uso de sistemas de controle de pressão diferencial comprovou ser útil para mitigar a degradação do t no laço secundário.

33 Muito Obrigado! Eng. Mec. Rafael Buratto Especialista em Construções Sustentáveis

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial ersores de Freqüência na Refrigeração Industrial Os inversores de freqüência possuem um vasto campo de aplicações dentro da área de refrigeração industrial. São utilizados nas bombas de pressurização,

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Décima segunda aula de teoria de ME5330. Maio de 2011

Décima segunda aula de teoria de ME5330. Maio de 2011 Décima segunda aula de teoria de ME5330 Maio de 011 Vamos iniciar o estudo do inversor de frequência. Conceito dispositivo eletrônico que transforma energia elétrica CA fixa ( tensão e frequência ) em

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE ALAGOAS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE ALAGOAS 1 EQUIPAMENTOS 0 1.1 Unidade resfriadora de água gelada (CHILLER) - capacidade nominal 182TR, acionamento 380V/3/60Hz.Condensação a água -TRANE/CARRIER OU pç 2 R$ 325.084,00 R$ 650.168,00 R$ 650.168,00

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

MDV4+W VRF COM CONDENSAÇÃO A ÁGUA. Alta eficiência, com máxima economia e flexibilidade. Um produto

MDV4+W VRF COM CONDENSAÇÃO A ÁGUA. Alta eficiência, com máxima economia e flexibilidade. Um produto MDV4+W VRF COM CONDENSAÇÃO A ÁGUA Alta eficiência, com máxima economia e flexibilidade Um produto COMPRESSOR DC INVERTER Os compressores inverter do MDV4+ água possuem eficiência até 25% superior comparado

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Tipos de Expansão : Ciclo Frigorífico * Expansão Direta: O Refrigerante Troca Calor Diretamente com o Ar a ser condicionado. Expansão Direta

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO

ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO ENSAIO DE BOMBAS EM SÉRIE E PARALELO I. ASSOCIAÇÃO DE BOMBAS As bombas podem ser associadas em série e em paralelo dependendo das características do sistema. A associação em série é útil quando se tem

Leia mais

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima.

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima. A TUMA Desde 1971 no segmento de engenharia térmica e ar condicionado, a TUMA desenvolve projetos com alto nível técnico, visando atender as particularidades de cada cliente e atingir um elevado nível

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado)

Compressor Parafuso. Principais tipos: Parafuso simples. Parafuso duplo (mais empregado) Principais tipos: Parafuso simples Parafuso duplo (mais empregado) Vantagens em relação aos alternativos: Menor tamanho Número inferior de partes móveis Desvantagens em relação aos alternativos: Menor

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

MDV4+ R. Máximo conforto em sistema VRF com refrigeração e aquecimento simultâneos para grandes aplicações. VRF com recuperação de calor.

MDV4+ R. Máximo conforto em sistema VRF com refrigeração e aquecimento simultâneos para grandes aplicações. VRF com recuperação de calor. MDV4+ R VRF com recuperação de calor Máximo conforto em sistema VRF com refrigeração e aquecimento simultâneos para grandes aplicações. Um produto VENTILADOR DC A velocidade do motor se ajusta rapidamente

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO ,DISPSITIVS DE EXPASÃ Dispositivos de expansão são os componentes do sistema de refrigeração que têm por finalidades provocar a perda de pressão do refrigerante, que é acompanhada de um decréscimo de temperatura,

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento VI SEREA Seminário Iberoamericano sobre Sistemas de Abastecimento Urbano de Água EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression TM Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression Ar condicionado Central VRF Perfil do Produto A linha de produtos Impression é um novo conceito de condicionador de ar inteligente VRF

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo Bomba como bomba de água potável altamente eficiente Calio-Therm S Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo Calio-Therm S Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem

Leia mais

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S

Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO. Série GXG-S Série GSG-S Gás refrigerante amigável a camada de ozônio HFC134a Chiller Centrífugo Hitachi NOVO Série GXG-S Série GSG-S Chiller Centrífugo Novas Séries GXG-S e GSG-S A nova série de Chiller Centrífugo de Alta Eficiência

Leia mais

Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada

Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada Sistema típico de ar condicionado do tipo água gelada Válvula de controle Ambiente 2 Sumidouro de calor Bomba d água Ambiente 1 Sistema de ar condicionado do tipo água gelada Classificação: Sistema multi-zona

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

CONTROLE DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO

CONTROLE DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO Ferramental EXXOTest Ferramental VALEO Exxoclim N OPR : 9776.EA Clim test 2 : 4372-T. Modo de utilização : Ver instruções da montadora Modo de utilização : Ver instruções da montadora E5AP2N4D E5AP2N5D

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

Unidades, Grandezas e Propriedades

Unidades, Grandezas e Propriedades 1 Refrigeração I Bases e Fundamentos Unidades, Grandezas e Propriedades Capítulo I Figura I.4 Equivalência entre as Escalas de Temperaturas Onde a cor é fundamental 2 Figura I.9 Diagrama Temperatura Entalpia

Leia mais

TBV-C. Válvulas de balanceamento & controle combinadas para pequenas unidades terminais Para controle on/off

TBV-C. Válvulas de balanceamento & controle combinadas para pequenas unidades terminais Para controle on/off TBV-C Válvulas de balanceamento & controle combinadas para pequenas unidades terminais Para controle on/off IMI TA / Válvulas de controle / TBV-C TBV-C esenvolvida para utilização em unidades terminais

Leia mais

Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14

Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14 Radiador de ar Indústria AC-LN / ACA-LN / ACAF-LN 8-14 Símbolo Gerais Os radiadores de ar da série AC-LN 8-14 podem ser aplicados em todas as áreas nas quais é preciso resfriar óleo ou mistura de água-glicol

Leia mais

Estamos apresentando nossa proposta em resposta a sua carta convite enviada em 13/05/08.

Estamos apresentando nossa proposta em resposta a sua carta convite enviada em 13/05/08. Rio de Janeiro, 11 de junho de 2008 A Aquastore A/c. Eng.Jano Grossmann End. Bairro. Cid. Rio de Janeiro Est. RJ Tel. (0xx21) 2523-7582 CEL. 9418-6179 e-mail. janog@aquastore.com.br Ref.: Proposta comercial

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Soluções. Resfriamento dedicado Uma ou Dupla Zona 0 a 90º C. Controle dedicado Precisão ± 0,1 C

Soluções. Resfriamento dedicado Uma ou Dupla Zona 0 a 90º C. Controle dedicado Precisão ± 0,1 C Micro Turbo Alto desempenho de resfriamento para o seu processo Este equipamento nos permite reduzir tempo de ciclo, melhorando nossa eficiência e nos possibilitando novas oportunidades que melhoram o

Leia mais

AEFICIÊNCIA. Chillers Turbotosi MS220 - Condensação a Ar Dados Técnicos R134A SEM ÓLEO EVAPORADOR INUNDADO OPERAÇÃO RESFRIAMENTO COMPRESSOR CENTRÍFUGO

AEFICIÊNCIA. Chillers Turbotosi MS220 - Condensação a Ar Dados Técnicos R134A SEM ÓLEO EVAPORADOR INUNDADO OPERAÇÃO RESFRIAMENTO COMPRESSOR CENTRÍFUGO MS220 - Condensação SEM ÓLEO AEFICIÊNCIA EVAPORADOR INUNDADO OPERAÇÃO RESFRIAMENTO COMPRESSOR CENTRÍFUGO REFRIGERANTE R134A CONDENSADOR AXIAL Seleção Rápida - Turbotosi com Condensação MODELO CAPACIDADE

Leia mais

Oportunidades de eficiência energética em motores e em acionadores de velocidade ajustável (AVAs)

Oportunidades de eficiência energética em motores e em acionadores de velocidade ajustável (AVAs) 54 Capítulo II Oportunidades de eficiência energética em motores e em acionadores de velocidade ajustável (AVAs) Por Antonio Sergio Alves de Lima* Na edição anterior foram abordadas as perspectivas de

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008 Roteiro: Apresentação do Grupo Renault; Introdução; Problemas encontrados nos sistemas; Geração

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

PROJETO BRA12G77 - PNUD / MMA PROJETO DEMONSTRATIVO PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO SETOR DE CHILLERS

PROJETO BRA12G77 - PNUD / MMA PROJETO DEMONSTRATIVO PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO SETOR DE CHILLERS PROJETO BRA12G77 - PNUD / MMA PROJETO DEMONSTRATIVO PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO SETOR DE CHILLERS MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARA PROCESSO DE RETROCOMISSIONAMENTO EM EDIFÍCIOS LOCALIZADOS EM SÃO PAULO

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão CPAS Climatizador Self Contained de Precisão O Climatizador Self Contained de Precisão é uma unidade evaporadora que incorpora compressor, evaporador, ventilador e instrumentação de proteção e controle.

Leia mais

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz Atlas Copco Secadores de ar comprimido por refrigeração FX1-16 60 Hz Capacidade total, responsabilidade total A Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade para garantir uma excelente produtividade.

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

indice CAPITULO 1 INTRODUCAO

indice CAPITULO 1 INTRODUCAO indice CAPITULO 1 INTRODUCAO Paulo S. Nogami Generalidades Objetivo Recomendações gerais relativas à utilização dos sistemas de recalque Aplicações tipicas de sistema de recalque em obras de Saneamento

Leia mais

A foto mostra o Climatizador Vesper com o deslocamento de ar em banda larga espalhando a névoa evaporativa com ampla dispersão.

A foto mostra o Climatizador Vesper com o deslocamento de ar em banda larga espalhando a névoa evaporativa com ampla dispersão. Climatização Ambiental Apresentação Os climatizadores Vesper utilizam os Ventiladores Vesper que são fabricados há mais de 50 anos e dispoem dos mais variados modelos e tipos que vão de 46 cm a 1 (um)

Leia mais

Válvulas de Pressão Constante

Válvulas de Pressão Constante Válvulas de Pressão Constante Catálogo 201VPC-1 - Agosto 2009 Válvulas de Expansão de Pressão Constante Séries AS e A7 Características Técnicas Construção Conexão para Soldagem Faixa de Ajuste do Ponto

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. Autor: João Batista de Azevedo Dutra Engenheiro Eletricista Engenharia Elétrica Consultoria

Leia mais

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min Bombas de Água e de Processo - Otimização de Sistemas de Bombeamento De 16/04/2012 a 20/04/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Compressor Parafuso. Série V. alto desempenho. www.mayekawa.com.br

Compressor Parafuso. Série V. alto desempenho. www.mayekawa.com.br Parafuso Confiabilidade e alto desempenho www.mayekawa.com.br COMPRESSOR PARAFUSO Parafuso Os es Parafuso MYCOM possuem características excepcionais. Estas proporcionam máxima efi ciência, fácil operação

Leia mais

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA

1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA 1º SIACS SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AR CONDICIONADO E GESTÃO ENERGÉTICA PALESTRANTE Eng. Tulio Marcus Carneiro de Vasconcellos Formado em Engenharia Mecânica pela UFMG

Leia mais

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD + ISSN 1981-4232 Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea engenharia arquitetura R$ 6,00 C lim atização & Refrigeração Ano XI Nº 140 abril de 2012 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves*

Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* 46 Capítulo XII Climatização eficiente com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR Por Carlos de Holanda, Fábio Cezar Beneduce, Rubens Herbster e Thiago Neves* Atualmente, o custo da energia elétrica

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

Catálogo geral Fancoil

Catálogo geral Fancoil Catálogo geral Fancoil 1 Catálogo Técnico de unidades Intercambiadoras de calor Índice 1- Características Construtivas 3 2- Nomenclatura 4 3- Dados Nominais 5 4- Diâmetro dos coletores 7 5- Peso dos equipamentos

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

a excelência do clima sistemas VRF

a excelência do clima sistemas VRF a excelência do clima VRF UNIDADES INTERIORES 5 MODELOS / 37 VERSÕES UNIDADES EXTERIORES 3 MODELOS / 36 VERSÕES Mural Cassette 4 vias Mini - VRF VRF VRF Plus Parede / Tecto Módulos Básicos Módulos Básicos

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Intercambiador de Calor de Extensão Direta 2 a 40 TR ESPECIICAÇÕES CONSTRUTIVAS Os climatizadores Modelo foram projetados visando obter maior vida útil, performance e facilidade

Leia mais