O PHP e a World Wide Web

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PHP e a World Wide Web"

Transcrição

1 1 O PHP e a World Wide Web 1.1. Introdução Ler um livro sobre uma determinada linguagem de programação e colocar os conhecimentos aí adquiridos logo em prática não faz com que a aprendizagem dessa nova linguagem seja imediata e isenta de erros. Ler e pensar são o início de um longo processo para quem se quer iniciar com uma nova ferramenta de trabalho. Mas dada a variedade de ferramentas com que se tem de trabalhar na web, nem sempre os resultados são rapidamente visíveis. Para que se sinta mais confortável na leitura deste trabalho, convém possuir alguns conhecimentos de HTML, bases de dados e, se possível, alguns conhecimentos de uma linguagem estruturada, como o C/C++ ou o Perl. Neste livro, iremos adoptar os sistemas de gestão de bases de dados Microsoft Access e o MySQL como suporte para os exemplos aqui apresentados. Por isso, entende-se que, para tirar o máximo proveito desta ferramenta, o leitor deverá ter os conhecimentos mínimos de utilização destes sistemas. Obviamente que sendo um dos aspectos mais importantes do PHP o manuseamento de informação armazenada em bases de dados, convém, como não podia deixar de ser, ter conhecimentos na área de desenho de bases de dados e da linguagem SQL. Neste capítulo, iremos fazer uma breve apresentação das principais características do PHP, dando algumas indicações do modo como interactua com o HTML e com os sistemas de gestão de bases de dados e apresentando alguns exemplos iniciais sobre os mesmos Breve apresentação do PHP Para que um website se torne atractivo do ponto de vista da interactividade com os utilizadores, é necessário um trabalho complexo para que existam páginas para todas as possíveis solicitações efectuadas por esses mesmos utilizadores. A solução para facilitar essa tarefa passa pela execução de processos em que a criação de páginas se efectue de forma automática e dinâmica a pedido do utilizador final. O PHP é a ferramenta aqui abordada que permite a criação dessas páginas dinâmicas, capaz de ser embebido dentro de código HTML e efectuar determinadas operações capazes de gerar páginas instantaneamente. Mais interessante se torna quando essa interacção envolve o acesso à informação armazenada em bases de dados e consequente visualização dos dados referentes ao pedido efectuado. Mas existindo outras linguagens capazes de realizarem este tipo de tarefas, como, por exemplo, o Perl ou o Python, torna-se necessário saber quais as razões da existência do PHP e quais os grandes motivos do seu sucesso. 1

2 Programação com PHP 5.3 As principais razões serão indicadas adiante, mas pode-se adiantar que o PHP é uma combinação de uma linguagem de programação e de um servidor aplicacional. Este tipo de tecnologia está actualmente em crescente expansão, sendo um bom indicador do interesse que desperta perante a grande parte dos programadores da web na criação dinâmica de páginas. Funciona em praticamente todos os ambientes conhecidos, sendo suportada por uma enorme comunidade na Internet que contribui para a sua difusão e aceitação a nível mundial. Por outro lado, existe uma empresa, a Zend, que desenvolve e explora produtos relacionados com o PHP e que actua no mercado como grande impulsionadora desta excelente ferramenta, sendo a empresa estandarte no mundo PHP. Como linguagem de programação, é semelhante a muitas outras, no sentido em que possui variáveis para armazenar valores e operadores capazes de manipular essas variáveis. Igualmente de referir é o suporte para objectos, que é uma das suas mais-valias, e que a coloca em posição de ombrear com outras linguagens rivais. Mas o seu maior valor reside no papel que desempenha como servidor aplicacional. Adiante veremos com mais pormenor as suas potencialidades Acesso a documentos na web Tim Berners Lee inventou e desenvolveu no CERN a World Wide Web, criando para tal o HTTP (HyperText Transfer Protocol) e um outro conceito de importância primordial, o URL (Universal Resource Locator). Os browsers e os servidores de web comunicam utilizando o protocolo HTTP, permitindo assim que a informação possa ser transferida, seguindo um paradigma computacional cliente-servidor. Para que os browsers saibam como aceder aos servidores e o que fazer quando chegam ao seu destino, a utilização de um esquema de endereços como o URL é de enorme importância, permitindo referenciar todos os sites e informação por eles disponibilizados. De uma forma simplista, o que normalmente acontece quando se visita um website pode ser descrito da seguinte forma: 1) O browser descodifica a primeira parte do URL e contacta o servidor. 2) O browser fornece o restante do URL ao servidor. 3) O servidor transforma o URL num caminho e nome de ficheiro. 4) O servidor envia o documento ao browser. 5) O servidor corta a ligação. 6) O browser mostra o documento. Caso o documento possua ligações para outros documentos (por exemplo, imagens), o browser volta a executar toda a rotina e, sempre que se contacta o servidor, é como se nunca o tivesse feito, sendo produzido um novo documento a cada pedido efectuado. Independentemente de outros mecanismos mais complexos (por exemplo, proxies), afortunadamente, os browsers modernos também permitem manter uma cópia local dos documentos recentemente acedidos (cache) permitindo aliviar o tráfego existente, assim como 2

3 O PHP e a World Wide Web possuem os necessários mecanismos que permitem acelerar o rendering dos próprios documentos de web. Sendo isto excelente para aceder a texto estático ou visualizar imagens, tal deixa de ser válido quando se acede a informação que muda constantemente ou é solicitada pelo utilizador interactivamente consoante o momento, como, por exemplo, quando um utilizador pretende saber informação sobre um livro de uma biblioteca. O browser pouco ou nada sabe acerca dos documentos solicitados ao servidor. Aquilo que faz é, consoante a informação obtida do servidor, de acordo com as especificações MIME (Multipurpose Internet Mail Extensions), executar um conjunto de operações que permitem saber o que fazer com o documento. Deste modo, o browser sabe que, se o documento for em HTML, é para visualizar, mas se for um ficheiro do tipo ZIP, sabe que terá de permitir a gravação do mesmo para o disco HTML estático versus HTML dinâmico A maior parte das páginas HTML não se modifica significativamente ao longo do tempo (embora isto possa contrariar um dos bons princípios do web design que indica que uma boa página da web é aquela que é actualizada frequentemente), sendo por isso possível estabelecer ligações entre páginas de sites diferentes, permitindo assim que motores de pesquisa as consigam catalogar e indexar. É deste modo possível encontrar sempre as mesmas páginas quando se visitam os mesmos sites. É por isso que as podemos encontrar hoje, amanhã, na próxima semana ou até mesmo no próximo ano sem que haja grandes alterações pode-se dizer que o código HTML utilizado para criar estas páginas é estático, já que o seu conteúdo praticamente permanece inalterado. Mas o que acontece se quisermos saber as cotações da bolsa neste momento, o resultado das eleições durante a contagem de votos ou poucos minutos após o fecho das urnas, o horário de chegada de um determinado transporte, a temperatura ambiente actual numa cidade? É óbvio que para estas situações a criação de documentos estáticos não funciona mesmo que haja uma equipa de web designers a efectuar actualizações constantes dos documentos. Por isso, torna-se necessário utilizar um tipo de aplicação capaz de gerar documentos consoante as solicitações do browser (ou melhor, do utilizador), ou seja, a pedido. Este tipo de aplicações, em que é gerado HTML dinâmico no momento do pedido efectuado pelo browser, é a solução mais indicada para resolver este tipo de problemas já que têm em conta a interactividade com a solicitação do utilizador. Ao construir sites pequenos (com poucas páginas) nos quais o conteúdo não é actualizado regularmente, a utilização de páginas estáticas é, neste caso, a mais indicada. Mas se o site requer actualizações constantes, de acordo com os pedidos efectuados pelo browser e solicitados pelo utilizador, a única opção viável para resolver este tipo de problema é o recurso à geração de HTML dinâmico. As principais diferenças entre as duas aproximações podem ser resumidas na Tabela

4 Programação com PHP 5.3 NA CRIAÇÃO DE UMA PÁGINA SIMPLES EM PROJECTOS DE GRANDES DIMENSÕES EM PROJECTOS ESPECIAIS NA MANUTENÇÃO NO PROCESSAMENTO NO SERVIDOR WEB NA APRENDIZAGEM ESTÁTICO Criação de página utilizando código HTLM Criação de páginas individuais Projectos, com interacção com bases de dados em tempo real, inviabilizam a criação de documentos estáticos Novo conteúdo significa a criação de novas páginas; qualquer alteração na estrutura propaga-se a todas as páginas, obrigando a constantes alterações O servidor tem um processamento reduzido limitando-se a ler os ficheiros HTML Fácil, pois requer conhecimentos básicos de HTML DINÂMICO Requer em primeiro lugar a criação de um módulo/modelo (template) e então gera o conteúdo da página Com o módulo construído, somente o conteúdo instantâneo necessita de ser gerado O site da web dinâmico é a solução adequada O novo conteúdo pode ser inserido na estrutura do módulo previamente construído, facilitando qualquer actualização As páginas são criadas instantaneamente sendo necessária a utilização de software adicional. Tal implica um maior processamento, sendo este tanto maior quanto maior for a estrutura do site Lenta e faseada pois requer conhecimentos de programação, desenvolvimento em bases de dados, manutenção de sites, etc. TABELA 1.1 Comparação entre o HTML estático e o dinâmico No caso de criação de páginas dinâmicas, e dada a necessidade de utilização de software adicional, é possível imaginar o investimento requerido para concretizar este tipo de aproximação. Apesar de existir uma enorme variedade de soluções comerciais, existe, felizmente, software que vai de encontro à necessidade de cada um consoante o fim em vista. O PHP é uma destas soluções e destaca-se de outras congéneres, na medida em que é uma solução capaz de satisfazer os requisitos mais exigentes, pois, além de ter um custo praticamente nulo, possui uma curva de aprendizagem reduzida, associada a um conjunto de funcionalidades que o torna ímpar entre a concorrência. É actualmente, de facto, uma referência no mundo do desenvolvimento das aplicações da web PHP, o que é? Uma resposta mais directa a esta pergunta passa por afirmar que o PHP é uma linguagem de programação vocacionada para o desenvolvimento de aplicações orientadas para a World 4

5 O PHP e a World Wide Web Wide Web. Contudo, e de um ponto de vista funcional, existe uma explicação mais completa se considerarmos que na web existem essencialmente dois tipos de linguagem: O baseado no cliente (browser); O baseado no servidor. As diferenças entre estes dois tipos dificultam a decisão a tomar relativamente a um dado projecto da web. O primeiro tipo utiliza os recursos existentes no sistema do utilizador (não sendo por isso de estranhar que o nosso computador fique mais lento quando se puxa uma página com código deste tipo). São exemplos de algumas linguagens de programação deste género o JavaScript, ActiveX, Java Applets, entre outras. A lentidão no carregamento destas páginas pode ser atenuada, tentando-se construir páginas em que o código seja o mais pequeno possível. Por outro lado, temos a situação em que o processamento é totalmente efectuado no servidor. Se este não estiver preparado para responder a pedidos em simultâneo de vários browsers, notar-se-á uma acentuada quebra nas performances de resposta, não só no envio de documentos de web ao browser cliente, como também de outras tarefas que o servidor tem a correr em simultâneo. As pessoas que criaram a World Wide Web foram as responsáveis pelo desenvolvimento desta técnica a que deram o nome de CGI (Common Gateway Interface), e graças a tal pode-se, com o tipo de aplicações que fazem recurso desta técnica, executar praticamente todas as tarefas que a nossa imaginação nos permita. Por exemplo, aceder a bases de dados, executar sessões Telnet, gerar gráficos e efectuar estatísticas não são tarefas desconhecidas para quem trabalha com CGI. Contudo, e apesar de o conceito básico por detrás do CGI ser bastante simples, a sua aplicabilidade não é imediata, pois exige conhecimentos de programação algo avançados (embora seja igualmente possível fazer CGI em Visual Basic, por exemplo), sendo, por isso, um contratempo a ultrapassar. Por esse motivo, o PHP aparece como uma ferramenta poderosa capaz de resolver alguns dos problemas associados ao CGI, já que a sua simplicidade é enorme quando comparada, e permite contornar a maioria dos problemas que o CGI por vezes soluciona mas com o recurso a técnicas complexas. No ambiente PHP, o código é embebido directamente no documento HTML, dando assim origem a um script contendo instruções específicas. Deste modo, o servidor da web, a que foi acrescentado um módulo PHP, consegue interpretar os comandos aí inseridos, e transforma o resultado em código HTML facilmente interpretável pelo browser cliente. Repare-se que, diferentemente da programação em CGI com o recurso a linguagens clássicas, como o C ou o Pascal, em que o código-fonte é compilado num ficheiro executável para se tornar utilizável, no PHP, tal já não é necessário pois, sendo esta linguagem integrada no servidor da web, passa então a ser interpretada por esse mesmo servidor. Assim, pode-se intercalar ou embeber código PHP com código HTML, havendo somente necessidade de indicar onde este se inicia e termina usando delimitadores específicos e criados para o efeito. 1 5

6 Programação com PHP O PHP e o HTML A parte mais interessante do HTML e que afecta directamente o PHP é, sem sombra de dúvida, a referente aos formulários (forms), uma vez que são estes que irão guardar momentaneamente e transmitir os dados inseridos pelo utilizador para um determinado script PHP que os irá processar. Deste modo, a interacção com os valores introduzidos (inputs) pelo utilizador no formulário torna-se de primordial importância, já que, com esta possibilidade, o PHP permite gerar código dinâmico de acordo com o pedido efectuado. Por isso, é importante entender o modo como os formulários HTML interactuam com os servidores da web. O HTML, não sendo uma linguagem pura de programação, é especialmente indicado na criação, formatação e design de páginas de web. A linguagem HTML é assim uma linguagem de representação visual de informação, que é utilizada pelos programadores da web para descrever o conteúdo de páginas, recorrendo a directivas específicas posteriormente interpretadas pelos browsers: < HTML> < HEADS> </HEAD> < BODY> </BODY> </HTML> Por seu lado, os formulários em HTML permitem que se recolham os inputs dos utilizadores, deixando-os preencher campos apropriados para o efeito. Estes formulários podem ser compostos por vários elementos, como botões, radio buttons, selection lists, input boxes, e muitos outros, capazes de permitirem um grau de interacção com o utilizador final suficientemente satisfatório. Todos estes elementos são indicados usando etiquetas HTML (tags), sendo possível haver mais de um formulário por cada documento HTML. Algumas das etiquetas HTML indicadoras do tipo de elementos utilizados num formulário podem ser visualizadas a seguir: < input type = Text > Password Checkbox Radio Hidden Submit Reset Não querendo entrar em detalhes sobre o HTML, convém por fim referir que as opções mais importantes a especificar nos formulários são method e action, pois permitem definir o modo de transmissão e o tipo de processamento a ser realizado sobre a informação introduzida: Method Especifica o modo como a informação do formulário é transmitida ao script PHP. Pode ser do tipo GET ou POST; 6

7 O PHP e a World Wide Web Action Indica o nome e a localização do script PHP que irá processar a informação que foi introduzida no formulário. Estas duas opções permitem que o utilizador, através de um formulário, consiga interagir com a aplicação residente no servidor da web através de variáveis de sistema específicas. Mas, o curioso é que, ao trabalhar com PHP, não é necessário saber nada sobre essas variáveis (nomeadamente, o seu tipo ou a sua dimensão), pois estas são muito simples de criar, bastando acrescentar o sinal $ antes do seu nome ou, no caso de uma variável correspondente a um campo de um formulário, será o nome aí definido com o sinal $ antes do seu nome. O que acabámos de descrever funciona se uma directiva de nome register_globals no ficheiro geral de configuração do PHP tiver o valor On. Caso contrário, o acesso às variáveis do PHP é realizado através de um conjunto de arrays superglobais que o PHP possui. Por predefinição, o valor desta directiva é Off, por motivos de segurança, o que implica que os utilizadores tenham que recorrer a estes arrays superglobais do PHP para processar as variáveis que são enviadas pelo formulário em HTML. Na Figura 1.1, temos um exemplo simples de um script que permite somar o valor de 2 variáveis: <?php /*php_1.php*/?> <html> <head> <title> Resultado </title> </head> <body> <?php $X=5; $Y=3; $Z=$X + $Y; echo "Total"; echo "= $Z";?> </body> </html> FIGURA 1.1 Resultado do script PHP anterior Mas o leitor estará a pensar que, sendo este ficheiro colocado no servidor da web, poderá visualizar as instruções que fazem parte do script PHP. Engana-se pois se visualizar o código- 7

8 Programação com PHP 5.3 -fonte no seu browser, terá uma surpresa agradável, já que terá acesso única e exclusivamente ao código HTML gerado resultante do processamento do script de PHP. Uma outra situação interessante em que o leitor estará a pensar será o da transmissão de variáveis entre scripts. Um exemplo simples de utilização de formulários no PHP consiste na utilização de dois ficheiros; o ficheiro form.html (onde o utilizador efectuará os inputs) e o ficheiro php_2.php que contém os comandos PHP que irão processar os dados inseridos no formulário. Os dados inseridos no formulário (Figura 1.2) pelo utilizador são transmitidos ao servidor de web, recorrendo à opção de envio indicada em method e então processados através do script indicado em action. Exemplo de form.html : <html> <head> <title> formulário PHP </title> </head> <form enctype="multipart/form-data" method="post" action="php_2.php"> <p>nome <input type="text" name= nome size="30"></p> <p>idade <input type="text" name= idade size="2"></p> <p>qual o carro que mais gostas? <select name= marca > <option>ferrari</option> <option>mercedes</option> <option>bmw</option> </select></p> <p><input type="submit" value="ok"></p> </form> <p> </html> FIGURA 1.2 Formulário em HTML 8

9 O PHP e a World Wide Web Exemplo do script (php_2.php) que processa os dados do formulário: <?php /*php_2.php*/?> <htlm> <head> <title> Resultado </title></head> <body> <?php echo " O Meu Nome é ".$_POST['nome'].", tenho". $_POST['idade']. " anos e gosto de carros da marca ". $_POST['marca'];?> </body> </html> Isto decorre do que acabámos de explicar anteriormente, e que está em vigor desde a versão do PHP em que a variável register_globals do ficheiro de configuração do PHP ( php.ini ) passou a ter o valor predefinido igual a Off. Isto tem a ver com questões de segurança, mas esta alteração vem afectar um conjunto de variáveis definidas num âmbito global. Por exemplo, as variáveis nome, idade e marca serão capturadas no script php_2.php referenciando-se com o nome da variável global que foi transmitida; $_post ( nome ), $_post ( idade ), $_post ( marca ). Anteriormente (quando a variável register_globals do php.ini era Off ), estas variáveis eram transmitidas e capturadas bastando colocar o símbolo $ antes da variável: $nome, $idade, $marca. O leitor poderá testar estas alterações criando os scripts adequados e reiniciando o servidor da web. Repare no operador. ; este permite unir a cadeia de palavras iniciada por echo. O resultado é o da Figura 1.3. FIGURA 1.3 Resultado do processamento do formulário Não poderíamos, contudo, deixar de realçar um dos pontos mais fortes do PHP e que reside na possibilidade de este poder efectuar ligações a bases de dados de uma forma fácil, muito simples e intuitiva. A interacção com bases de dados vai permitir uma maior funcionalidade por parte de quem utiliza as aplicações da web, pois, consoante os inputs dos utilizadores, obter-se-ão respostas imediatas sob a forma de páginas HTML. Os principais motivos técnicos que justificam a utilização de bases de dados para interacção/acesso através da web podem ser resumidos nos seguintes aspectos: 9

10 Programação com PHP 5.3 Qualquer utilizador pode aceder à base de dados (BD) utilizando uma interface standard (browser); É possível efectuar interrogações à BD via SQL e gerar páginas instantaneamente consoante o pedido; Os utilizadores não necessitam de possuir software cliente especial para aceder às bases de dados; As alterações efectuadas na BD são realizadas no servidor, não havendo por isso necessidade de distribuir actualizações do software cliente; A base de dados pode conter ligações a outros recursos disponíveis na web. Pelo exposto, apercebemo-nos de que, sendo possível efectuar ligações a bases de dados, poderemos interactuar com estas de modo a criar páginas HTML instantâneas e dinâmicas de acordo com as solicitações dos utilizadores. Deste modo, o dinamismo requerido na criação deste tipo de páginas poderá ser assim conseguido com o recurso a um cliente da web (browser), servidor da web (ex.: Apache), servidor de bases de dados (ex.: MySQL), e uma ferramenta que permita ligar estes servidores (ex.: PHP). O diagrama da Figura 1.4 é exemplificativo da arquitectura PHP. FIGURA 1.4 Arquitectura do PHP Para que o script armazenado no servidor da web consiga aceder e processar os dados armazenados numa base de dados, o processo é de certo modo bastante simples: 1) O utilizador introduz os dados através de um formulário que aparece no browser. 2) O servidor da web verifica se existem ligações a bases de dados disponíveis e estabelece a ligação em caso afirmativo. 3) Os dados são processados de acordo com as instruções existentes no script. 4) O servidor da web envia o documento HTML ao browser, devidamente formatado. 5) O browser interpreta o HTML permitindo a visualização do documento. Em PHP, se quisermos trabalhar com uma base de dados, torna-se necessário, em primeiro lugar, efectuar a ligação a essa mesma base de dados (e correspondente servidor no qual a base de dados se encontra alojada). Consoante o tipo de sistema de gestão de base de dados (MySQL, Oracle, SQLite,...) que se pretenda trabalhar, ou o sistema operativo, as instruções também serão variáveis para nos ligar à BD. 10

11 O PHP e a World Wide Web Por exemplo, a instrução em MySQL para efectuar a ligação é efectuada através do seguinte comando: mysql_connect ( nome servidor, utilizador, password ) Estando efectuada essa ligação entre o PHP e a base de dados, é possível posteriormente efectuar um variado e complexo conjunto de operações sobre os dados que se encontram armazenados na mesma, apresentando-os sob diversas formas no browser web. Especificar qual a informação que vamos obter e como a vamos apresentar pode ser por vezes bastante confuso, mas a versatilidade de linguagens de manuseamento de dados, como o SQL, pode facilitar tarefas aparentemente morosas e bastante complexas. A sua integração com o PHP é de facto excelente e esse é um dos aspectos que o fortalecem, pois a possibilidade de embeber código SQL permite aumentar a utilidade do PHP até níveis anteriormente conseguidos somente com soluções proprietárias. Para além disso, o SQL pode conferir alguns aspectos de portabilidade às aplicações desenvolvidas. Foi então possível, ao longo deste primeiro capítulo introdutório, verificar alguns dos aspectos mais relevantes da linguagem de programação PHP. Houve um cuidado por parte dos autores em não progredir para tópicos muito avançados que serão abordados nas próximas secções deste mesmo livro. 1 11

12 Programação com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Linguagem de. Aula 06. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagem de. Aula 06. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagem de Programação IV -PHP Aula 06 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Criação de Formulários o Um formulário consiste em uma série de campos que são preenchidos pelo usuário

Leia mais

Editor HTML. Composer

Editor HTML. Composer 6 Editor HTML 6 Composer Onde criar Páginas Web no Netscape Communicator? 142 A estrutura visual do Composer 143 Os ecrãs de apoio 144 Configurando o Composer 146 A edição de Páginas 148 Publicando a sua

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. Reflexão 6. 0792 Criação de páginas para a web em hipertexto

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. Reflexão 6. 0792 Criação de páginas para a web em hipertexto Reflexão 6 0792 Criação de páginas para a web em hipertexto Início 08.04.2014 fim 11.04.2014 Elaborar páginas para a web, com recurso a hipertexto. Conceitos gerais de HTML Ficheiros HTML Estrutura da

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem 1 JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem orientada a objectos. Tal como em ASP e PHP, os ficheiros

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados Curso Profissional de Técnico de Multimédia 12ºAno Disciplina: Sistemas de Informação Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

PHP. Hypertext Pre-Processor

PHP. Hypertext Pre-Processor PHP Hypertext Pre-Processor O que é o PHP? Uma linguagem de scripting é uma linguagem cujo código não tem de ser compilado para ser executado! O código escrito é interpretado em tempo de execução para

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

HTML - 7. Vitor Vaz da Silva Paula Graça

HTML - 7. Vitor Vaz da Silva Paula Graça HTML - 7 Vitor Vaz da Silva Paula Graça 1 Formulários Os formulários forms no HTML, são utilizados para a introdução de dados de uma determinada aplicação Os programas JavaScript têm como um dos seus maiores

Leia mais

Construção de um WebSite. Luís Ceia

Construção de um WebSite. Luís Ceia Construção de um WebSite Para a construção de um WebSite convém ter-se uma planificação cuidada. Para tal podemos considerar seis etapas fundamentais: 1. Planeamento 2. Desenvolvimento de Conteúdos 3.

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web Introdução Formulários rios & Conteúdo Dinâmico Mário Antonio Meireles Teixeira Dept o. de Informática - UFMA A Web surgiu inicialmente como uma nova forma de comunicação de informações, fazendo uso de

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url:

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url: C e n tro d e C ompetênci a CRIE d o CA PAG Versão Beta 4 E l a b o r a d o p o r : M a r i a d e B a l s a m ã o M e n d e s G u i ã o d e P H P W e b Q u e s t V a m o s C r i a r W e b q u e s t s?

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Desenvolvimento Web XHTML Formulários. Prof. Bruno E. G. Gomes

Desenvolvimento Web XHTML Formulários. Prof. Bruno E. G. Gomes Desenvolvimento Web XHTML Formulários Prof. Bruno E. G. Gomes 2014 Introdução Um recurso bastante utilizado no desenvolvimento Web é o envio de dados de uma página para o servidor quando fornecemos informações,

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

Web Browser como o processo cliente. Servidor web com páginas estáticas Vs. Aplicações dinâmicas para a Web:

Web Browser como o processo cliente. Servidor web com páginas estáticas Vs. Aplicações dinâmicas para a Web: Web Browser como o processo cliente Servidor web com páginas estáticas Vs Aplicações dinâmicas para a Web: 1 Cliente Web browser HTTP porto 80 Servidor web... JDBC RMI XML... Base de Dados Aplicação em

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

HTML. Sessão 1 HTML. Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet Information Server), Apache, WebSphere,...

HTML. Sessão 1 HTML. Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet Information Server), Apache, WebSphere,... Sessão 1 A INTERNET Baseada no modelo Cliente-Servidor Cliente: programa que pede informação Servidor: programa que envia a informação No caso da WWW: Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet

Leia mais

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99 5093/98/PT/final WP 17 Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais Recomendação 1/99 sobre o tratamento invisível e automatizado de dados

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

1.2.4. Organizar a estrutura do site

1.2.4. Organizar a estrutura do site 1.2.4. Organizar a estrutura do site 1 Organizar a estrutura do site A organização da estrutura do site passa pela definição das ligações entre as páginas que o compõem Esta organização deve ser intuitiva

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VII Acesso a Bases de Dados via Web Duração: 50 tempos Conteúdos (1) Conceitos

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

CURSO EFA DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA E SISTEMAS. Módulo 788- Administração de Servidores Web. Ano letivo 2012-2013. Docente: Ana Batista

CURSO EFA DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA E SISTEMAS. Módulo 788- Administração de Servidores Web. Ano letivo 2012-2013. Docente: Ana Batista CURSO EFA DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA E SISTEMAS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Curso EFA Sec. Turma C - 2012 / 2013 Módulo 788- Administração de Servidores Web Docente: Ana Batista Ano letivo 2012-2013

Leia mais

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares

Programação para a Web - I. José Humberto da Silva Soares Programação para a Web - I José Humberto da Silva Soares Fundamentos de Internet Rede Mundial de Computadores; Fornece serviços, arquivos e informações; Os computadores que têm os recursos são chamados

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Web Container: e JSP Sumário Protocolo HTTP Exemplos de JSP (Java Server Pages) Exemplos JSP 2 Protocolo HTTP URL: Um URL (Uniform

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Web. Web. Web. Web. Unidade 4. Conceitos básicosb. Publicação. Web: Frontpage Programa de animação gráfica. Programa de edição

Web. Web. Web. Web. Unidade 4. Conceitos básicosb. Publicação. Web: Frontpage Programa de animação gráfica. Programa de edição Criação de páginas p Unidade 4 UNIDADE 4: Criação de Páginas P Conceitos básicosb Técnicas de implantação de páginas p Criação de páginas p Programa de edição : Frontpage Programa de animação gráfica :

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

mkdir /srv/www/default/html/calculadora/imagens mkdir /srv/www/default/html/calculadora/blocos

mkdir /srv/www/default/html/calculadora/imagens mkdir /srv/www/default/html/calculadora/blocos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Criando uma Calculadora Primeiramente deve se criar uma estrutura para armazenar os arquivos necessários para o funcionamento da calculadora.

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Extracção de Anúncios e Notificação de Utilizadores do Site do Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Extracção de Anúncios e Notificação de Utilizadores do Site do Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia Extracção de Conhecimento da Internet Mestrado em Inteligência Artificial e Computação Extracção de Anúncios e Notificação de Utilizadores do Site do Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Helder da Rocha Criação de Web Sites II Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Copyright 2000 por Helder Lima Santos da Rocha. Todos os direitos reservados. Os direitos

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Formulário (Send & Recieve) Prof. Celso H. Masotti

Formulário (Send & Recieve) Prof. Celso H. Masotti Formulário (Send & Recieve) Prof. Celso H. Masotti O Send e o Recieve A partir desse momento os exercícios serão realizados com dois arquivos, um de envio de dados (send) e o que recebe esse dados (recieve)

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Introdução. HyperText Markup Language HTML. Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário

Introdução. HyperText Markup Language HTML. Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário. Fluxo do Formulário Introdução HyperText Markup Language HTML Formulário Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br http://professor.ifsertao-pe.edu.br/nicolas.trigo/ O usuário interage com os serviços

Leia mais

COMO FUNCIONA UM FORMULÁRIO

COMO FUNCIONA UM FORMULÁRIO FORMULÁRIOS Constitui-se numa das formas de a máquina cliente enviar informações para que um programa no servidor receba estes dados, processe-os e devolva uma resposta ao usuário, por meio do navegador,

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Ajax Asynchronous JavaScript and Xml

Ajax Asynchronous JavaScript and Xml Ajax Asynchronous JavaScript and Xml Ajax permite construir aplicações Web mais interactivas, responsivas, e fáceis de usar que aplicações Web tradicionais. Numa aplicação Web tradicional quando se prime

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2012/2013 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 1 Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 HTML BÁSICO: O que é uma página WEB? Uma página WEB, também conhecida pelo termo inglês webpage, é uma "página" na World Wide Web, geralmente em formato

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X Índice Traduzindo e iniciando uma aplicação Compiladores Assembladores Linkers Loaders DLLs Iniciando um programa em Java Após toda a matéria abordada nesta

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Principais tipos de serviços da Internet Introdução à Internet Serviços básicos Word Wide Web (WWW) Correio electrónico (e-mail) Transferência de ficheiros (FTP)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Gestor de Listas de Distribuição de Emails versão: 0.9.1 Nelson Rodrigues DSI 20-07-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Definição de Mailing List... 3 Grupos de endereços

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

Internet e Programação Web

Internet e Programação Web COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 3 Técnico Prof. Cesar 2014 1 SUMÁRIO Criar sites dinâmicos em PHP --------------------------------------------------------

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Formulários Os formulários em HTML são usados para selecionar diferentes tipos de entradas do usuário. Um formulário é uma área que

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Apostila Active Brasil de Webdesign. Daniel de Menezes Gularte Omar Queiroz. 2002 Apostila de Webdesign ver. 1 rev. 0. Curso de Web Design

Apostila Active Brasil de Webdesign. Daniel de Menezes Gularte Omar Queiroz. 2002 Apostila de Webdesign ver. 1 rev. 0. Curso de Web Design APOSTILA WEBDESIGN Apostila Active Brasil de Webdesign Daniel de Menezes Gularte Omar Queiroz A livre distribuição dessa cópia está proibida, sendo de material exclusivo do curso de Webdesign da Active

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO AO MACROMEDIA DREAMWEAVER MX 2004 O Macromedia Dreamweaver MX 2004 é um software que permite a criação de páginas de Internet profissionais, estáticas

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais