Aspectos de Segurança em Hardware Desafios e Oportunidades de Pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos de Segurança em Hardware Desafios e Oportunidades de Pesquisa"

Transcrição

1 Aspectos de em Hardware Desafios e Oportunidades de Pesquisa Palestra na FACOM/UFMS 21 de junho de 2013 Prof. Edward David Moreno 06/24/13 1

2 Classificação Moderna de Soluções de Aplicações VPN WEB browser DRM Secure Storage Protocolos de Protocolos de Comunicação Segura SSL/TLS, WTLS, IPSEC, S/MIME Protocolos DRM Autenticação Biométrica (fingerprint, face, voice) Primitivas Criptográficas Criptografia Simétrica (RC4, RC5, DES, AES, entre outros) Hash (Sha-1, MD5) Criptografia Chave Pública (RSA, ECC) Assinatura Digital (DAS, ecdsa) Key Exchange (DH, ecdh) Figura 3. Classificação Moderna de Soluções de [Ravi, 2006] Qual é o Impacto se essas soluções são embarcadas Qual é o impacto de ter essas soluções em Dispositivos Móveis 2

3 Criptografia em Hardware Embarcado Vantagens Potenciais de algoritmos de criptografia implementados em Hardware Reconfigurável Agilidade dos Algoritmos Carga e Atualização dos Algoritmos Eficiência da Arquitetura Eficiência de Recursos Mudanças nos Algoritmos Throughput relativo ao software Eficiencia vs Custo relativo aos ASICs 3

4 Objetivos do Projeto de Sistemas Embarcados Latency Qual é o custo da segurança? Qual é o impacto de soluções de segurança no desempenho das aplicações? Quais os parâmetros relevantes no projeto de soluções seguras? Novas estratégias? Novas Soluções? Novos algoritmos Suporte Arquitetural para! Implementação de Primitivas/Aplicações de! Efficiency Performance Symptomfree issues Area Security aware Throughput Security issues HighSecurity High Performance System Agile Activity aware Power Robust Cost Energy 4

5 Aspectos de e Impacto em Dispositivos Móveis PROBLEMA Com o uso crescente de dispositivos móveis nas aplicações do dia a dia, existe a necessidade de se ter comunicações seguras. Existem técnicas e estratégias de segurança já conhecidas, porém há pouco conhecimento sobre qual o seu impacto nos dispositivos (memória, maior processamento, maior consumo de energia, e impacto na comunicação). Objetivos Estudar os aspectos arquiteturais de algoritmos e soluções de segurança já existentes em dispositivos móveis, verificando aspectos tais como: consumo de memória, necessidades de processamento, consumo de energia, impacto na comunicação, impacto no desempenho das aplicações executadas nesses dispositivos. Propor novas estratégias de segurança específicas para sistemas embarcados, verificando aspectos tais como: Propor novos algoritmos e soluções de segurança com aspectos biométricos em dispositivos móveis. Desenvolver novos produtos com melhores critérios de segurança. 5

6 Principais Algoritmos Simétricos Algoritmo AES Blowfish 3DES IDEA RC6 Projetista J. Daemen, V. Rijmen Bruce Schneier D. Coppersmith Lai, J. Massey R. Rivest, M. Robshaw, et al. STREAM RC4 R. Rivest SEAL P. Rogaway Key (bits) 128, 192, 256 <= , 192, 256 Bloco (bytes) KEY Mínimo 8, máximo 2048 em múltiplo de 8 bits Default: 128 Variável, Default: 160 Aplicação DMSEnvoy Norton Utilities SSL, SSH PGP, SSH, SSL AES candidato SSL Disk Encryption 6

7 Implementação em Software Linguagem C 7

8 Implementação em Software Linguagem C Segundos Desempenho em software ,09 5,77 3,9 0,94 3,35 1,4 0,88 0,14 DES AES 1 MB 5 MB 10 MB 0,7 RC5 8

9 Operações nos Algoritmos OR D E S A E S Deslocamento/R otação Se rp en t C as t12 8 M A R S T w of is h M ag en ta Fr og S-BO Permutação B lo w Fi s h R C 5 R C 6 9

10 Implementação em Hardware FPGAs Tempo de propagação de cada algoritmo em hardware 28, Ns 21,05 19, DES AES Taxa de texto cifrado por segundo RC5 Algoritmos 55,57 60,00 MB/seg 40,00 20,46 19,00 20,00 0,00 DES AES Algoritmos RC5 10

11 Mega Bytes Cifrados Comparação do DES Desempenho Temporal s 1s 1s Hardware c/ Pipeline Hardware s/ Pipeline Software em C Tempo em segundos 11

12 CASAD - Criptoprocessador 12

13 Criptoprocessador CASAD 13

14 Criptoprocessador CASAD Desempenho dos algoritmos DES e RC ,5 20 MB/s Cripto 10 5 PPG HW 7, DES RC5 Algoritmo 14

15 CASAD Criptoprocessador DES Criptoprocessadores Hifn BCM5802 Hifn 790x OpenCores SecuCore DES VLIW Proc. P4 P3 P3 P3 P3 K6 VLIW Nº de Ciclos MHz MB/s Freqüência Memória Texto claro Tempo de cifragem 1.6 GHz 1.0 GHz 800 MHz 700 MHz 500 MHz 500 MHz 122 MHz 256 MB 256 MB 128 MB 128 MB 128 MB 64 MB -- 1 MB 1 MB 1 MB 1 MB 1 MB 1 MB 1 MB 0,99 s 1,05 s 1,19 s 1,26 s 1,75 s 2,15 s 0,038 s 15

16 DES -DES Key Search Machine 16

17 Algoritmos Assimetricos tempo em segundos T = Cd mod n. Tempo de cifrar e decifrar seg 34 seg seg 22 seg seg 18 seg seg 14 seg cifrar 1.0 cifrar 1.5 decifrar bits Tempo em ns do RSA bits Tamanho da chave em bits 24 bits decifrar bits bits 256 bits 512 bits xc2vp100-6ff1704 (Virtex II -Pro) cv3200e-8fg1156 (Virtex E ) xc3s5000-5fg1156(spartan 3 ) 17

18 Algoritmos Assimetricos 18

19 Arquiteturas Especiais para 19

20 Arquiteturas Especiais para IP Core Tempo de Propagação(ns) Freqüência Core AES AES RSA1024 SHA-2 MD5 8, MHz RSA1024 9, MHz SHA-2 6, MHz 7,4627 MD5 8, MHz Debug Interface Debug Interface 8, MHz Total 8, MHz Ocupação % % % % % % % 134 MHz Shanon Shanon Slices Total 20

21 Plataformas Multicore (A) UPEM 1 (C) UPEM 3 E/S E/S (B) UPEM 2 E/S (n) UPEM n E/S 21

22 Plataformas Multicore Pesquisas: - Cripto-análise -Sistemas IDS de Alto desempenho - Genoma Humano Sequencias de Gens - Processamento de Imagens -- Reconhecimento de Voz 22

23 Desafios em Sistemas Embarcados Estudar e Implementar algoritmos (ex. criptografia, de Compressão de código, de imagens, entre outros) em hardware, Especificamente FPGAs e SoC, e plataformas embarcadas como microcontroladores, DSP, redes de sensores, plataformas com ouco poder de processamento, quando comparados aos tradicionais sistemas computacionais; Projetar processadores para aplicações específicas de segurança em hardware em FPGAs e SoC, eficientes em desempenho e consumo de energia; Projetar processadores para aplicações específicas de processamento de sinais e imagens, ou aceleradores em hardware, em FPGAs e SoC, eficientes em desempenho e consumo de energia; 23

24 Desafios em Sistemas Embarcados Conhecer, por meio de técnicas de simulação, as características de execução de algumas dessas técnicas em plataformas embarcadas; de modo a descobrir pontos críticos de desempenho e consumo de energia, que auxiliarão na proposta de otimizações e melhoramentos na descrição de arquitetura específicas e eficientes; Propor arquiteturas específicas para essas aplicações, visando principalmente o projeto de processadores de aplicações específicas, com respectiva prototipação em FPGAs, da área de segurança, processamento de imagens, e aceleradores e aplicações críticas de performance; Caracterizar o uso de memória e consumo de energia de algumas dessas soluções quando executando em sistemas embarcados (processadores embarcados, microcontroladores, FPGAs, SoC, DSP, e plataformas embarcadas); 24

25 Desafios em Sistemas Embarcados Analisar a possibilidade de criar soluções que tenham reconfiguração parcial e/ou total, aproveitando as tecnologias reconfiguráveis; Projetar sistemas de segurança (algoritmos criptográficos modernos, tais como algoritmo MQQ, ECC Criptografia com curvas elípticas e HECC Criptografia com Curvas Hiper Elípticas, hashing do padrão SHA-3, integração de serviços de segurança) em hardware (FPGAs, microcontroladores, DSPs, SoC) eficientes em processamento, velocidade, uso de memória e consumo de energia. 25

26 Desafios em Processadores Específicos Projetar sistemas novos e modernos de segurança em hardware e em sistemas embarcados, por exemplo, soluções para redes de sensores, soluções para aplicações automotivas, soluções para aplicações médicas, entre outros; Propor novas arquiteturas eficientes e especificas para sistemas de segurança e processamento de imagens em hardware e plataformas embarcadas; Projetar hardware específico para algoritmos criptográficos modernos, como AES, SHA-3, ECC, HECC, e outros. Projetar hardware específico para processamento de sinais biométricos, como voz, reconhecimento de Iris, reconhecimento de fingerprint, entre outros. 26

27 Desafios em Processadores Específicos Projetar aceleradores em hardware para aplicações/algoritmos de processamento de imagens, aplicações biomédicas, multimídia, entre outros. Projetar processadores específicos para soluções e integração de serviços de segurança e para tratamento de informações contidas em imagens; Gerar IP core de algumas soluções de segurança e de processamento de imagens, que requeiram de otimizações em hardware; Projetar sistemas de segurança visando a integração de serviços; 27

28 Desafios em Multicore e GPUS Projetar sistemas multicore eficientes em consumo de energia; Paralelizar aplicações que requeiram alto desempenho e adequálas a plataformas multicore de forma eficiente e escalável; Criar ferramentas que paralelizem automaticamente aplicações e as executem de forma eficiente em plataformas multicore; Projetar e avaliar sistemas Multi-core e uso de GPUs em soluções de segurança e processamento de imagens que requeiram alto desempenho; 28

29 Desafios em Multicore e GPUS Considerando a nova geração da arquitetura unificada dos hardwares gráficos (GPUs), lançada pela nvidia, que veio tornar capaz a execução de programas genéricos, e que existem aplicações com alto grau de paralelismo, e que transformam as GPUs em verdadeiros clusters; existe ainda necessidade de estudar e aplicar as GPU em várias aplicações que requeiram o uso de alto processamento para alto volume de dados; Construir ferramentas que auxiliem no processo automático do uso eficiente de GPUs em aplicações de alto volume de informações; Verificar o uso de GPUs em soluções modernas de segurança: IDS e IPS de alto desempenho, em algoritmos criptográficos de desempenho crítico, em algoritmos biométricos e etc. 29

30 Desafios em Consumo de Energia Parâmetro Tempo entre execuções Tempo por execução Variação de Voltagem Potência Média durante execução Consumo Valores 0,16 s 0,04 s 0,96 V 30,90 W 1,24 J SHA-1 30

31 Desafios em Consumo de Energia Criar simuladores para diferentes plataformas computacionais; - Criar ferramentas que permitam a medição real do consumo de energia na execução de algoritmos e aplicações provenientes do benchmark de sistemas embarcados Mibench (Guthaus 2002), e programas de outros benchmarks de aplicações científicas (Ex. o SPEC), Java (benchmarks de Java), jogos, multimídia, entre outros. - Criar ferramentas que detectem os gargalos no consumo de energia, identificando as funções e/ou trechos de código que mais demandam corrente; - Otimizar código visando diminuir o consumo de energia; - Criar novas estratégias de projeto e comunicação, tanto em hardware quanto em software, que permitam um menor consumo de energia. 31

Sumário. Parte I Conceitos Básicos de Criptografia, Software e Hardware...19. Agradecimentos...7 Sobre os Autores...9 Prefácio...

Sumário. Parte I Conceitos Básicos de Criptografia, Software e Hardware...19. Agradecimentos...7 Sobre os Autores...9 Prefácio... 11 Sumário Agradecimentos...7 Sobre os Autores...9 Prefácio... 17 Parte I Conceitos Básicos de Criptografia, Software e Hardware...19 Capítulo 1 Conceitos de Segurança de Dados e Criptografia... 21 1.1

Leia mais

Engenharia de Segurança

Engenharia de Segurança Engenharia de Segurança Profa. Dra. Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco kalinka@icmc.usp.br Slides baseados nas transparências de diversos professores e autores de livros (prof. Edward David Moreno,

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

Segurança de Redes. Criptografia. Requisitos da seg. da informação. Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas

Segurança de Redes. Criptografia. Requisitos da seg. da informação. Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas Segurança de Redes Criptografia Prof. Rodrigo Rocha rodrigor@santanna.g12.br Requisitos da seg. da informação Confidencialidade Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas Integridade

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:11 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:11 Leite Júnior ÍNDICE CRIPTOGRAFIA...2 TERMOS DA CRIPTOGRAFIA...2 MENSAGEM ORIGINAL...2 CIFRAR(ENCRIPTAR)...2 DECIFRAR(DECRIPTAR)...2 ALGORITMO DE CRIPTOGRAFIA...2 MENSAGEM CIFRADA(OU ENCRIPTADA)...2 CHAVE...2 TAMANHO

Leia mais

Criptografia simétrica e assimétrica: os principais algoritmos de cifragem

Criptografia simétrica e assimétrica: os principais algoritmos de cifragem Criptografia simétrica e assimétrica: os principais algoritmos de cifragem Ronielton Rezende Oliveira, MBA, PMP, ronielton@ronielton.eti.br Resumo A palavra criptografia provém dos radicais gregos kriptos

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Criptografia Outubro de 2014 1 Criptografia kryptós (escondido) + gráphein (escrita) A criptografia utiliza algoritmos (funções) que recebem informação e produzem resultados

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail. C.I.A. Segurança de Informação Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.com http://www.carlosserrao.net http://blog.carlosserrao.net http://www.iscte.pt

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br Segurança de Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza RC (Ron's Code ou Rivest Cipher) Criado por Ron Rivest na empresa RSA Data Security Algoritmo muito utilizado em e-mails e faz uso de chaves

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Segurança 5/12/2005 Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Classes de criptografia Criptografia simétrica ou de chave

Leia mais

Você acha que não precisa de um FPGA? Pense melhor!

Você acha que não precisa de um FPGA? Pense melhor! Você acha que não precisa de um FPGA? Pense melhor! Objetivos de hoje Definir e explicar os FPGAs Desmistificar os conceitos incorretos mais comuns sobre os FPGAs Compreender a melhor e mais intuitiva

Leia mais

2. SEGURANÇA COMPUTACIONAL E CRIPTOGRAFIA

2. SEGURANÇA COMPUTACIONAL E CRIPTOGRAFIA 2. SEGURANÇA COMPUTACIONAL E CRIPTOGRAFIA A segurança tornou-se um aspecto fundamental diante da quantidade de informação que nos cerca e que é transmitida continuamente por meio eletrônico. Por conseqüência,

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1 Segurança Sistemas Distribuídos ic-sod@mega.ist.utl.pt 1 Tópicos abordados I - Mecanismos criptográficos Cifra simétrica, cifra assimétrica, resumo (digest) Assinatura digital Geração de números aleatórios

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Introdução Conceitos básicos IP Seguro Criptografia Segurança em redes IP Associação de Segurança, Modos de funcionamento AH, ESP, Processamento de tráfego,

Leia mais

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc. ICP-EDU II Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG Rio de Janeiro, 10 de Agosto de 2004 Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.br Sumário Objetivos ICP-EDU I e

Leia mais

Software de Telecomunicações. Introdução à Cifra

Software de Telecomunicações. Introdução à Cifra Software de Telecomunicações Introdução à Cifra Prof RG Crespo Software de Telecomunicações Introdução : 1/21 Plano de estudos Parte I Definições básicas Cifras clássicas: Substituição: monoalfabética

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização Segurança da informação: conceitos. Algoritmos criptográficos: estado-da-arte no cenário internacional.

Leia mais

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL TchêLinux Ulbra Gravataí http://tchelinux.org/gravatai Elgio Schlemer Ulbra Gravatai http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio 31 de Maio de 2008 Introdução Início

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28 Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Aspectos de segurança em /IP Secure Socket Layer (SSL) Aula 28 Na Internet, ninguém sabe que você é um cachorro. Peter Steiner,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Unidade II SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Prof. Victor Halla

Unidade II SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Prof. Victor Halla Unidade II SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Victor Halla Conteúdo Importância da Segurança da Informação Propriedades da Informação Ciclo de vida da Informação Estudo de casos Barreiras metodológicas de segurança

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança em Correio Eletrônico Aplicação mais usada no mundo Altamente vulnerável Serviços necessários: Confidencialidade Autenticação

Leia mais

Criptografia e Chave Pública. Segurança da Informação

Criptografia e Chave Pública. Segurança da Informação Criptografia e Chave Pública Segurança da Informação Ementa Visão Global O que é? Criptografia está em todo lugar; Técnicas Primitivas de Cifragem; Outras técnicas de criptografia; Criptografia Moderna;

Leia mais

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática slide 1 Capítulo 8: Esboço 8.1 O que é segurança na rede? 8.2 Princípios de criptografia 8.3 Integridade de mensagem

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Pergunta Resposta 1 A B C D E F 2 A B C D E F 3 A B C D E F 4 A B C D E F 5 A B C D E F 6 A B C D E F

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Canal seguro de comunicação. André Luiz Lehmann

Canal seguro de comunicação. André Luiz Lehmann Canal seguro de comunicação VoIP na plataforma Android André Luiz Lehmann Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Conclusão Extensões Introdução VoIP Redução de custos Plataforma

Leia mais

Referências. Criptografia e Segurança de Dados. Outras Referências. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques

Referências. Criptografia e Segurança de Dados. Outras Referências. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques Criptografia e Segurança de Dados Aula 1: Introdução à Criptografia Referências Criptografia em Software e Hardware Autores: Edward D. Moreno Fábio D. Pereira Rodolfo B. Chiaramonte Rodolfo Barros Chiaramonte

Leia mais

Criptografia e Segurança das Comunicações. TLS Transport Layer Security

Criptografia e Segurança das Comunicações. TLS Transport Layer Security Criptografia e Segurança das Comunicações TLS Transport Layer Security TLS : 1/21 Introdução (1) SSL- Secure Socket Layer, desenvolvido em 1995 pela Netscape para garantir segurança na transmissão de documentos

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Embarcados

Arquitetura de Sistemas Embarcados Arquitetura de Sistemas Embarcados (GQD%DUURV HQVE#FLQXISHEU &HQWURGH,QIRUPiWLFD± 8)3( Overview Processador Xscale (Intel) baseado no ARM Processador Intel PXA250 Núcleos de Processadores ARM Os núcleos

Leia mais

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização A integração de sistemas em larga escala contribuiu enormemente para

Leia mais

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016. Heavily based on 1996-2010 J. Kurose and K. Ross, All Rights Reserved.

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016. Heavily based on 1996-2010 J. Kurose and K. Ross, All Rights Reserved. Questionário Socrative: início de aula 7. Segurança de redes Redes de Computadores Objetivos Estudar os princípios da segurança de redes Criptografia Confidencialidade, autenticidade, integridade A implementação

Leia mais

Criptografia de Chave Pública

Criptografia de Chave Pública Criptografia de Chave Pública Aplicações Privacidade, Autenticação: RSA, Curva Elíptica Intercâmbio de chave secreta: Diffie-Hellman Assinatura digital: DSS (DSA) Vantagens Não compartilha segredo Provê

Leia mais

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL Segurança e SSL O que é segurança na rede? Confidencialidade: apenas remetente e destinatário pretendido devem entender conteúdo da mensagem remetente criptografa mensagem destinatário decripta mensagem

Leia mais

Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens

Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens Vitor Hugo Galhardo Moia vhgmoia@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação

Leia mais

Comunicado. Ataque LogJam - Nova vulnerabilidade no SSL/TLS. www.certisign.com.br

Comunicado. Ataque LogJam - Nova vulnerabilidade no SSL/TLS. www.certisign.com.br Ataque LogJam - Nova vulnerabilidade no SSL/TLS O que está acontecendo? O setor de TI recentemente tem divulgando diversos ataques sobre os protocolos de criptografia. E na última semana, foi descoberta

Leia mais

Administração de VPNs IPSec

Administração de VPNs IPSec Administração de VPNs IPSec Conferência ESTG Segurança em Redes IP 4 de Abril de 2001 João Gomes Systems Engineer Team Leader Cisco Systems Portugal joao.gomes@cisco.com Conf_ESTG 2001,Cisco Systems, Inc.

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação 1 Agenda Criptografia Esteganografia 2 1 Criptografia A criptografia é a ciência de transformar dados que aparentemente podem ser entendidos e interpretados pelas pessoas, em dados

Leia mais

Criptografia em RSSF: implementações e impactos nos nós sensores

Criptografia em RSSF: implementações e impactos nos nós sensores Apresentação das implementações de criptografia em RSSF e o impacto no consumo de energia e na ocupação de memória em nós sensores Tópicos: Revisão de criptografia Distribuição de s criptográficas Criptografia

Leia mais

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade Atributos de segurança TOCI-08: Segurança de Redes Prof. Rafael Obelheiro rro@joinville.udesc.br Aula 9: Segurança de Comunicações Fundamentais confidencialidade integridade disponibilidade Derivados autenticação

Leia mais

X. Segurança na Internet

X. Segurança na Internet X. Segurança na Internet 1. Criptografia 2. Assinaturas Digitais 3. Certificados Digitais 4. Autoridade Certificadora (AC) 5. Esteganografia 6. Protocolos de segurança 7. Firewalls (paredes corta-fogo)

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores Nota: Seja preciso e conciso nas suas respostas. Para responder às perguntas de resposta múltipla utilize a tabela abaixo. Todas as outras perguntas devem ser respondidas em folhas de teste. Não faça letra

Leia mais

Amigos e inimigos: Alice, Bob e Trudy

Amigos e inimigos: Alice, Bob e Trudy Unidade 2 Criptografia e Certificação Digital 33 Amigos e inimigos: Alice, Bob e Trudy dados Bob e Alice querem se comunicar de forma segura. Trudy (intruso) pode interceptar, apagar e adicionar mensagens

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico.

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico. Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha Criptografia (CESPE/PCF-PF 03 2002) 1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1o. Semestre / 2005 Fundamentos Parte 2 Princípios de Projeto de Computadores Três áreas de aplicação com características diferentes

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE CRIPTOGRAFIA CURITIBA 2006 2 CARLOS EDUARDO DOS SANTOS SISTEMAS

Leia mais

STCPSigner. Versão 4.0.0

STCPSigner. Versão 4.0.0 Versão 4.0.0 Conteúdo O que é o STCPSigner? 3 Arquitetura 4 Características Gerais 5 Fluxo de Assinatura 5 Fluxo da Validação 5 Fluxo de Criptografia 6 Fluxo de Decriptografia 7 Requisitos de software

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

UM IP DE CRIPTOGRAFIA PADRÃO RIJNDAEL PARA PROJETOS EM FPGA

UM IP DE CRIPTOGRAFIA PADRÃO RIJNDAEL PARA PROJETOS EM FPGA UM IP DE CRIPTOGRAFIA PADRÃO RIJNDAEL PARA PROJETOS EM FPGA Marcelo B. de Barcelos, Alex F. Panato, Ricardo A. da Luz Reis mb@e-trust.com.br panato@inf.ufrgs.br reis@inf.ufrgs.br Universidade Federal do

Leia mais

Expresso V3 Segurança com Certificação Digital

Expresso V3 Segurança com Certificação Digital Expresso V3 Segurança com Certificação Digital Palestrantes: Marcos Martins Melo - Coordenador Estratégico de Ações Governamentais do Serpro Silvio Correia Filho, CISSP CSSLP Expresso SUITE DE COMUNICAÇÃO:

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Segurança em Redes de Computadores. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br)

Segurança em Redes de Computadores. Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Segurança em Redes de Computadores Kelvin Lopes Dias Diego dos Passos Silva (kld/dps4@cin.ufpe.br) Agenda Criptografia Criptografia de Chave Simétrica Criptografia de Chave Assimétrica Segurança de Redes

Leia mais

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e

Leia mais

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP)

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Universidade de Brasília UnB Escola de Extensão Curso Criptografia e Segurança na Informática Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Aluno: Orlando Batista da Silva Neto Prof: Pedro Antônio Dourado

Leia mais

ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI

ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR DATA: 24/09/2003 TURNO: NOTURNO ALUNOS: DANILLO ANDRADE LEANDRO TORRES CAVALCANTI Roteiro 1. Definição 2. Motivação 3. Funções Básicas 4. Protocolos 5. Tipos 6. Soluções

Leia mais

ROTEIRO. Fundamentos. Bibliografia complementar. Fundamentos. Fundamentos 03/10/2014. REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes

ROTEIRO. Fundamentos. Bibliografia complementar. Fundamentos. Fundamentos 03/10/2014. REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes 03/10/2014 ROTEIRO REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes Alexandre Augusto Giron Bibliografia complementar STALLINGS, William. Cryptography and network security: principles and practice. 4. ed. New

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes. Alexandre Augusto Giron

REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes. Alexandre Augusto Giron REDES DE COMPUTADORES Segurança de Redes Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Fundamentos: Segurança na rede Criptografia Simétrica Assimétrica Camada de transporte: SSL Camada de Rede: IPSec e VPN Segurança

Leia mais

Criptografia e Segurança em Redes de computadores

Criptografia e Segurança em Redes de computadores Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Centro Tecnológico - CTC Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação - CPGCC Criptografia e Segurança em Redes de computadores Prof. Ricardo F. Custódio

Leia mais

4758 LINUX PROJECT. - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ;

4758 LINUX PROJECT. - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ; UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA ELETRICIDADE HABILITAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS DISTRIBUÍDOS

Leia mais

Desempenho DESEMPENHO DE COMPUTADORES

Desempenho DESEMPENHO DE COMPUTADORES Desempenho Ch2-1 DESEMPENHO DE COMPUTADORES Desempenho -> Como medir o desempenho? AVIÃO PASSAGEIRO S AUTOMIA (milhas) VELOCIDAD E (mph) THROUGHPUT (passag.xveloc) Boeing 777 375 4630 610 228.750 Boeing

Leia mais

Criptografia. Módulo III Aplicações Correntes da Criptografia. M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt. Departamento de Informática Universidade do Minho

Criptografia. Módulo III Aplicações Correntes da Criptografia. M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt. Departamento de Informática Universidade do Minho Criptografia Módulo III Aplicações Correntes da Criptografia M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt Departamento de Informática Universidade do Minho 2005/2006 Online Certificate Status Protocol (OCSP) Pedidos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca das características da arquitetura dos computadores que Julgue os itens a seguir, acerca de sistemas operacionais. devem ser consideradas no projeto e na implantação de

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

Configuração de um servidor SSH

Configuração de um servidor SSH Configuração de um servidor SSH Disciplina: Serviços de Rede Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática SSH SSH(Secure Shell) é um padrão para comunicação e acesso remoto a máquinas Linux de forma segura,

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Requisitos de Segurança de E-mail

Requisitos de Segurança de E-mail Segurança de E-mail O e-mail é hoje um meio de comunicação tão comum quanto o telefone e segue crescendo Gerenciamento, monitoramento e segurança de e-mail têm importância cada vez maior O e-mail é muito

Leia mais

Os exercícios desta prática devem ser executados no servidor espec.

Os exercícios desta prática devem ser executados no servidor espec. Criptografia com Open SSL OpenSSL é um toolkit que implementa o Secure Sockets Layer (SSL v2/v3) e o Transport Layer Security (TLS v1). Além de fornecer uma biblioteca em C para suportar o desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

MÓDULO DE SEGURANÇA EM FPGAS USANDO O PADRÃO PKCS#11 E CRIPTOGRAFIA RSA

MÓDULO DE SEGURANÇA EM FPGAS USANDO O PADRÃO PKCS#11 E CRIPTOGRAFIA RSA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Segurança de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho de 2011 1 / 44 Introdução Uma comunicação é dita segura se apresentar as seguintes

Leia mais

Hardware Criptográfico para Interface de Comunicação Segura entre Dispositivos

Hardware Criptográfico para Interface de Comunicação Segura entre Dispositivos Hardware Criptográfico para Interface de Comunicação Segura entre Dispositivos Orientador: Prof. Ricardo de Carvalho Destro, M.Sc. Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Rafael Cavalcanti N FEI:

Leia mais

Um Estudo Comparativo entre algoritmos de criptografia DES Lucifer (1977) e AES Rijndael (2000)

Um Estudo Comparativo entre algoritmos de criptografia DES Lucifer (1977) e AES Rijndael (2000) Um Estudo Comparativo entre algoritmos de criptografia DES Lucifer (1977) e AES Rijndael (2000) A criptografia está diretamente relacionada à segurança; com ela busca-se garantir que, mesmo que uma informação

Leia mais

Gerenciamento e Segurança de Dados

Gerenciamento e Segurança de Dados Prof. Wanderson Reis professor@wanderson.pro.br Gerenciamento e Segurança de Dados 04/03/2011 Informática - PDS Tópicos principais Definições básicas de segurança da informação Políticas de segurança da

Leia mais

Como implantar o iphone e o ipad Visão geral sobre a segurança

Como implantar o iphone e o ipad Visão geral sobre a segurança Como implantar o iphone e o ipad Visão geral sobre a segurança O ios, o sistema operacional na essência do iphone e do ipad, foi criado com camadas de segurança. Por isso, o iphone e o ipad conseguem acessar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Baiano

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia Baiano COMPRASNET - O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO https://www.comprasnet.gov.br/pregao/pregoeiro/ata/termohom.asp?p... 1 de 2 20/11/2013 16:50 Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA

Leia mais

Material de Apoio Ameaças e Mecanismos de Proteção

Material de Apoio Ameaças e Mecanismos de Proteção Material de Apoio Ameaças e Mecanismos de Proteção (Aula 02) Parte 01: Ameaças 2 Malware Sumário Definição de Malware Descrição de Códigos Maliciosos Engenharia Social Referências 3 Malware Definição de

Leia mais