SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa"

Transcrição

1 Prof. Marcelo de Sá Barbosa

2 Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática

3 Introdução A necessidade de proteger a integridade e a privacidade da informação e de outros recursos pertencentes a indivíduos e organizações é generalizada, tanto no mundo físico quanto no digital. Ela surge do desejo de compartilhar recursos. No mundo físico, as organizações adotam políticas de segurança que proporcionam o compartilhamento de recursos dentro de limites especificados. Por exemplo, um empresa pode permitir a entrada em seus prédios para seus funcionários e visitantes autorizados. Nosso estudo é o uso de mecanismos para proteger dados e outros recursos em sistemas distribuídos e ao mesmo tempos possibilitar interações entre o computadores envolvidos pelas políticas de segurança.

4 Introdução SISTEMAS DISTRIBUIDOS O papel da criptografia: A criptografia digital fornece a base para a maioria dos mecanismos de segurança de computador, mas é importante notar que segurança do computador e criptografia são assuntos distintos. Criptografia é a arte de codificar informação em um formato que apenas os destinatários apropriados possam acessála. A criptografia também pode ser empregada para fornecer uma prova da autenticidade de informações de maneira semelhante ao uso de assinaturas nas transações convencionais. A criptografia tem uma história longa e fascinante. A necessidade militar de comunicação segura e a necessidade correspondente de um inimigo de interceptá-la e decodificá-la, levou ao investimento de muito esforço intelectual por parte de alguns dos melhores matemáticos de sua época.

5 Introdução O principal objetivo da segurança é restringir o acesso às informações e recursos apenas para os principais que estejam autorizados a ter acesso. As ameaças contra a segurança caem em três classes: Vazamento: a aquisição de informações por destinatários não autorizados. Falsificação: a alteração não autorizada da informação. Vandalismo: interferência na operação correta de um sistema, sem ganho para o invasor.

6 Introdução Tornando transações eletrônica seguras: Muitos usos da internet na indústria, no comércio e em várias outras áreas, envolvem transações que dependem fundamentalmente da segurança. Por exemplo: embora os sistemas de não tenham incluído originalmente suporte para segurança, existem muitos empregos de no qual o conteúdo das mensagens deve ser mantido em segredo ( cartão de crédito ). Aquisição de bens e serviços: atualmente, tais transações são muito comuns. Os compradores escolhem bens e pagam por eles usando a web; os bens são entregues por meio de um mecanismo de distribuição apropriado.

7 Visão geral das técnicas de segurança O objetivo é apresentar algumas das técnicas e mecanismos mais importantes para tornar seguros sistemas e aplicativos distribuídos. Criptografia é o processo de codificar uma mensagem de maneira a ocultar seu conteúdo. A criptografia moderna inclui vários algoritmos de segurança para cifrar e decifrar mensagens baseados no uso de segredos chamados chaves. Uma chave de criptografia é um parâmetro usado em um algoritmo de criptografia de tal maneira que a criptografia não possa ser revertida sem o conhecimento da chave.

8 Visão geral das técnicas de segurança Segredo e integridade: a criptografia é usada para manter o segredo da informação, quando ela é exposta a ataques em potencial. Assinaturas digitais: a criptografia é usada para implementar um mecanismo conhecido como assinatura digital. Isso simula a função das assinaturas convencionais, verificando com um outro elemento se um mensagem, ou um documento, é uma cópia inalterada do que foi produzido pelo signatário.

9 Visão geral das técnicas de segurança Firewalls: eles protegem intranets, realizando ações de filtragem em comunicações recebidas e enviadas. Aqui, discutiremos suas vantagens e inconvenientes como mecanismos de segurança. Em um mundo ideal, a comunicação sempre se daria entre processos mutuamente confiáveis e seriam sempre usados canais seguros. Existem muitos motivos pelos quais esse ideal não é atingido, alguns corrigíveis, mas outros inerentes à natureza aberta dos sistemas distribuídos, ou resultantes de erros que estão presentes na maior parte do software. A facilidade com que as mensagens de pedido podem ser enviadas para qualquer servidor, em qualquer parte, e o fato de que muitos servidores não são projetados para suportar ataques maldosos de hachers, ou erros acidentais, torna fácil a o vazamento de informações.

10 Algoritmos de criptografia Uma mensagem é cifrada pelo remetente aplicando alguma regra para transformar a mensagem de texto puro (qualquer sequência de bits) em um texto cifrado (uma sequência de bits diferente). O destinatário deve conhecer a regra inversa para transformar o texto cifrado no texto original. Outros principais não podem decifrar a mensagem, a menos que conheçam a regra inversa. A transformação da criptografia é definida com duas partes, uma função C e uma chave K. A função criptografia C define um algoritmo que transforma itens de dados de texto puro em dados cifrados, combinando-os com a chave e transpondo-os de uma maneira fortemente dependente do valor da chave. Podemos considerar um algoritmo de criptografia como a especificação de uma grande família de funções.

11 Algoritmos de criptografia Devido ao uso simétrico das chaves, a criptografia de chave secreta é frequentemente referida como criptografia simétrica, enquanto a criptografia de chave pública é referida como assimétrica, pois as chaves usadas para cifrar e decifrar são diferentes. Algoritmos de chave secreta (simétricos): Muitos algoritmos de criptografia foram desenvolvidos e publicados nos últimos anos como por exemplo o DES e IDEA. DES (data encruption standard): foi desenvolvido pela IBM e subsequentemente adotado como padrão nacional nos EUA para aplicações governamentais e comerciais. Nesse padrão a função de criptografia mapeia uma entrada de texto puro de 64 bits em uma saída cifrada de 64 bits, usando uma chave de 56 bits.

12 Algoritmos de criptografia IDEA: O international data encryption algorithm foi desenvolvido no início dos anos 90 como sucessor do DES. Ele usa chave de 128 bits para cifrar blocos de 64 bits. Seu algoritmo é baseado na álgebra de grupos. Tanto para o DES como para o IDEA, a mesma função é usada para cifrar e decifrar: uma propriedade útil para algoritmos que são implementados em hardware.

13 Algoritmos de criptografia Algoritmos de chave pública (assimétricos) O projeto de cifra pública de Rivest, Shamir e Adelman é baseado no uso de dois números primos muito grandes, contando com o fato de que a determinação dos fatores primos de tais números grandes é tão difícil, em termos computacionais, que se torna efetivamente impossível calcular. Padrões de certificado e autoridades certificadoras: O X.509 é o formato padrão mais usado para certificados. Embora o formato de certificado X.509 faça parte do padrão X.500 para construção de diretórios nomes e atributos.

14 Criptografia na prática Key size/hash size (bits) Extrapolated speed (kbytes/sec.) PRB optimized (kbytes/s) TEA DES Triple-DES IDEA RSA RSA MD SHA

15 Sistemas de Arquivos distribuídos Introdução Arquitetura de serviço de arquivos Estudo de caso: Sun Network File System Aprimoramentos e outros desenvolvimentos

16 Sistemas de Arquivos distribuídos Introdução O compartilhamento de informações armazenadas talvez seja o aspecto mais importante dos recursos distribuídos. Os servidores web fornecem uma forma restrita de compartilhamento de dados, na qual os arquivos armazenados de forma local no servidor estão gerenciados e atualizados em sistemas de arquivo no servidor. Os sistemas de arquivos foram originalmente desenvolvidos para sistemas de computadores centralizados e computadores desktops. Os primeiros servidores de arquivos foram desenvolvidos por pesquisadores nos anos 70 e o Sun Network File System se tornou disponível no início dos anos 80. Um serviço de arquivos permite que os programas armazenem e acessem arquivos remotos exatamente como se fossem locais.

17 Sistemas de Arquivos distribuídos Introdução Sun NFS: foi amplamente adotado na indústria e nos ambientes acadêmicos, desde sua introdução em O projeto e desenvolvimento do NFS foram feitos pelo pessoal da Sun Microsystems em Para estimular sua adoção como padrão, as definições das principais interfaces foram colocadas em domínio público, permitindo que outros fornecedores produzissem implementações e o código fonte de um implementação de referência fosse disponibilizado.

18 Sistemas de Arquivos distribuídos Arquitetura do serviço de arquivos Client computer Server computer Application program Application program Directory service Flat file service Client module

19 Sistemas de Arquivos distribuídos Arquitetura do serviço de arquivos Serviço de arquivos plano: esse serviço de arquivo plano se preocupa com a implementação de operações sobre o conteúdo dos arquivos. São utilizados identificadores exclusivos de arquivos ( UFIDS unique file identifiers ). Serviço de diretório: esse serviço fornece um mapeamento entre os nomes textuais de arquivos e seus UFIDS. Módulo cliente: um módulo cliente é executado em cada computador cliente, integrando e estendendo as operações do serviço de arquivos plano e do serviço de diretório sob uma interface de clientes.

20 Sistemas de Arquivos distribuídos Estudo de caso: Sun Network File System Client computer Server computer UNIX system calls UNIX kernel Application program Application program Virtual file system UNIX kernel Virtual file system Local Remote UNIX file system Other file system NFS client NFS protocol NFS server UNIX file system

Criptografia assimétrica e certificação digital

Criptografia assimétrica e certificação digital Criptografia assimétrica e certificação digital Alunas: Bianca Souza Bruna serra Introdução Desenvolvimento Conclusão Bibliografia Introdução Este trabalho apresenta os principais conceitos envolvendo

Leia mais

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Criptografia Digital. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Criptografia Digital Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Aplicações 3. Criptografia e seus Conceitos 4. Tipos de Criptografia em Relação ao Uso de Chaves 5. Autenticação Comum

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Agenda 1. Segurança da Informação 1.1.Introdução 1.2.Conceitos 1.3.Ameaças a Segurança da

Leia mais

Segurança de Redes. Criptografia. Requisitos da seg. da informação. Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas

Segurança de Redes. Criptografia. Requisitos da seg. da informação. Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas Segurança de Redes Criptografia Prof. Rodrigo Rocha rodrigor@santanna.g12.br Requisitos da seg. da informação Confidencialidade Garantir que a informação seja legível somente por pessoas autorizadas Integridade

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistema de Arquivos Distribuídos

Desenvolvimento de Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistema de Arquivos Distribuídos Desenvolvimento de Sistemas Distribuídos Aula 03 Sistema de Arquivos Distribuídos Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com Agenda Sistema de Arquivos Distribuídos Introdução Requisitos do sistema de arquivos

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Segurança da Informação Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Criptografia Serviços Oferecidos Serviços Disponibilidade Integridade Controle de acesso Autenticidade da origem Não-repudiação

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.

C.I.A. Segurança de Informação. Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST. carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail. C.I.A. Segurança de Informação Carlos Serrão (MSc., PhD.) IUL-ISCTE, DCTI, Adetti/NetMuST carlos.serrao@iscte.pt carlos.j.serrao@gmail.com http://www.carlosserrao.net http://blog.carlosserrao.net http://www.iscte.pt

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com Comentários sobre prova do TRE/PR 2009 (CESPE TRE/PR 2009 Analista Judiciário Especialidade: Análise de Sistemas) A figura acima ilustra como um sistema de gerenciamento de segurança da informação (SGSI)

Leia mais

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico.

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico. Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha Criptografia (CESPE/PCF-PF 03 2002) 1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Criptografia Revisando A criptografia trata da escrita de um texto em códigos de forma a torná-lo incompreensível; A informação

Leia mais

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 Entenda o que é um certificado digital SSL (OPENSSL) fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 1. O que é "Certificado Digital"? É um documento criptografado que contém informações

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 06 Criptografia e Esteganografia

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 06 Criptografia e Esteganografia Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício Criptografia A forma mais utilizada para prover a segurança em pontos vulneráveis de uma rede de computadores é a utilização da criptografia. A criptografia

Leia mais

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br BCInfo Consultoria e Informática 14 3882-8276 WWW.BCINFO.COM.BR Princípios básicos

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança Segurança deve considerar o ambiente externo do sistema, e proteger de: Acesso não autorizado Alteração ou

Leia mais

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade Atributos de segurança TOCI-08: Segurança de Redes Prof. Rafael Obelheiro rro@joinville.udesc.br Aula 9: Segurança de Comunicações Fundamentais confidencialidade integridade disponibilidade Derivados autenticação

Leia mais

Tecnologia Segurança. Aires José Rover Universidade Federal de Santa Catarina

Tecnologia Segurança. Aires José Rover Universidade Federal de Santa Catarina Tecnologia Segurança Aires José Rover Universidade Federal de Santa Catarina Ameaças aos documentos Fluxo Normal A Fonte de Informação B Destino da Informação A B A B Interrupção I Intercepção A B A B

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T.

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T. Revisão para A1 Criptografia e Certificação Digital Legenda: A + - Chave Pública de A A - - Chave Privada de A s Chave Secreta MD5 Algoritmo de HASH MSG Mensagem de texto claro - Operação de comparação

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

Apostila. Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2)

Apostila. Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2) Apostila Noções Básicas de Certificação Digital (Aula 2) Diretoria de Pessoas (DPE) Departamento de Gestão de Carreira (DECR) Divisão de Gestão de Treinamento e Desenvolvimento (DIGT) Coordenação Geral

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

Capítulo 6. Estudo de casos

Capítulo 6. Estudo de casos Capítulo 6 Estudo de casos Você quer encontrar a solução Sem ter nenhum problema Insistir em se preocupar demais Cada escolha é um dilema Como sempre estou mais do seu lado que você Siga em frente em linha

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Resumos Volume 1, Julho de 2015 Segurança da Informação POPULARIZAÇÃO DA INFORMÁTICA Com a popularização da internet, tecnologias que antes eram restritas a profissionais tornaram-se abertas, democratizando

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Faculdade de Tecnologia Senac Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Segurança de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edeciofernando@gmail.com) Certificação Digital Ampla utilização

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard

Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard Vitor Hugo Galhardo Moia Marco Aurélio Amaral Henriques {vhgmoia, marco}@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade

Leia mais

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização A integração de sistemas em larga escala contribuiu enormemente para

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações CRIPTOGRAFIA OBJETIVO Conhecer aspectos básicos do uso da criptografia como instrumento da SIC.. Abelardo Vieira Cavalcante Filho Assistente Técnico

Leia mais

Gerenciamento e Segurança de Dados

Gerenciamento e Segurança de Dados Prof. Wanderson Reis professor@wanderson.pro.br Gerenciamento e Segurança de Dados 04/03/2011 Informática - PDS Tópicos principais Definições básicas de segurança da informação Políticas de segurança da

Leia mais

1 - Conceitos de Certificação Digital - (25 min) Karlos Emanuel

1 - Conceitos de Certificação Digital - (25 min) Karlos Emanuel CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PORTAL DIGITAL DE CONSULTA GERAL ELETRÔNICA Gerente do Projeto: Karlos Emanuel Apresentadores e Apoios: Karlos Freitas Gerente de Projeto Karlos Raphael Analista de Suporte Marieta

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Roubo de identidade Hackers e cibervandalismo Roubo de informações pessoais (número de identificação da Previdência Social, número da

Leia mais

SEGURANÇA E CONTROLE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SEGURANÇA E CONTROLE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEGURANÇA E CONTROLE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. Por que sistemas de informação são tão vulneráveis a destruição, erro, uso indevido e problemas de qualidade de sistemas? 2. Que tipos de controles

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28 Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Aspectos de segurança em /IP Secure Socket Layer (SSL) Aula 28 Na Internet, ninguém sabe que você é um cachorro. Peter Steiner,

Leia mais

Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9. Quarta Edição William Stallings

Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9. Quarta Edição William Stallings Criptografia e Segurança em Redes Capítulo 9 Quarta Edição William Stallings Capítulo 9 - Public Key Cryptography e RSA Cada egípicio recebia dois nomes que eram conhecidos respectivamente como o nome

Leia mais

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL?

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? Os computadores e a Internet são largamente utilizados para o processamento de dados e para a troca de mensagens e documentos entre cidadãos, governo e empresas. No entanto,

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno

PROJETO INTEGRADOR. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno GOIÂNIA 2014-1 Sistemas de Gestão Empresarial Alunos: Alessandro Santos André de Deus Bruno

Leia mais

SEGURANÇA A E CONTROLE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SEGURANÇA A E CONTROLE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 14 SEGURANÇA A E CONTROLE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que sistemas de informação são tão vulneráveis veis a destruição, erro, uso indevido e problemas de

Leia mais

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação.

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação. 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG

CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG CRIPTOGRAFIA: UMA APLICAÇÃO DA MATEMÁTICA DISCRETA ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA CIFRA DE CÉSAR EM VISUALG ENCRYPTION: AN APPLICATION OF DISCRETE MATHEMATICS THROUGH THE IMPLEMENTATION OF CAESAR CIPHER BY

Leia mais

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização Segurança da informação: conceitos. Algoritmos criptográficos: estado-da-arte no cenário internacional.

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Autenticação Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Resumos de mensagem (hash) Algoritmo Hash são usados quando a autenticação é necessária, mas o sigilo,

Leia mais

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia

Introdução. Iremos procurar ver aqui alguns mecanismos de proteção mais utilizados como: criptografia e SSL. 1.0 Criptografia Introdução Atualmente no mundo internacional das redes e com o comércio eletrônico, todo sistema de computador se tornou um alvo em potencial para intrusos. O problema é que não há como saber os motivos

Leia mais

A ISO 17799 esta dividida em 12 seções da seguinte forma: 1. Objetivo da norma. 2. Termos e definições: 3. Poĺıtica de segurança.

A ISO 17799 esta dividida em 12 seções da seguinte forma: 1. Objetivo da norma. 2. Termos e definições: 3. Poĺıtica de segurança. A 17799 se refere a mecanismos organizacionais para garantir a segurança da informação. Não é uma norma que define aspectos técnicos de nenhuma forma, nem define as características de segurança de sistemas,

Leia mais

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários...

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários... Agradecimentos... 7 O autor... 8 Prefácio... 15 Objetivos do livro... 17 Parte I Introdução... 19 Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21 Introdução à ICP... 21 Serviços oferecidos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Referências. Criptografia e Segurança de Dados. Outras Referências. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques

Referências. Criptografia e Segurança de Dados. Outras Referências. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques. Alguns tipos de ataques Criptografia e Segurança de Dados Aula 1: Introdução à Criptografia Referências Criptografia em Software e Hardware Autores: Edward D. Moreno Fábio D. Pereira Rodolfo B. Chiaramonte Rodolfo Barros Chiaramonte

Leia mais

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Acadêmico: Leonardo Chagas D Ippolito Orientador: Prof. Marcel Hugo Blumenau, Dezembro de 2004

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1

Segurança. Sistemas Distribuídos. ic-sod@mega.ist.utl.pt 09/05/2005 1 Segurança Sistemas Distribuídos ic-sod@mega.ist.utl.pt 1 Tópicos abordados I - Mecanismos criptográficos Cifra simétrica, cifra assimétrica, resumo (digest) Assinatura digital Geração de números aleatórios

Leia mais

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança

MAIO / 2007. Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança Siissttema de Assssiinattura Diigiittall MAIO / 2007 Banco Safra S.A Tradição Secular de Segurança A internet facilitando nossa vida As exigências e as pressões crescentes da vida moderna, o caos urbano,

Leia mais

Sistemas Distribuídos Segurança em Sistemas Distribuídos: Gerenciamento, Canais de Acesso e Controle de Acesso aos Dados I. Prof. MSc.

Sistemas Distribuídos Segurança em Sistemas Distribuídos: Gerenciamento, Canais de Acesso e Controle de Acesso aos Dados I. Prof. MSc. Sistemas Distribuídos Segurança em Sistemas Distribuídos: Gerenciamento, Canais de Acesso e Controle de Acesso aos Dados I Prof. MSc. Hugo Souza Após abordarmos a distribuição de responsabilidades providas

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Segurança e Sistemas Eletrônicos de Pagamentos" Prof. Msc. Adolfo Colares

Segurança e Sistemas Eletrônicos de Pagamentos Prof. Msc. Adolfo Colares Segurança e Sistemas Eletrônicos de Pagamentos" Prof. Msc. Adolfo Colares 1 Objetivos" n Descrever sistemas de pagamento para e- commerce " n Identificar os requisitos de segurança para pagamentos eletrônicos

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Criptografia de Chave Pública

Criptografia de Chave Pública Criptografia de Chave Pública Aplicações Privacidade, Autenticação: RSA, Curva Elíptica Intercâmbio de chave secreta: Diffie-Hellman Assinatura digital: DSS (DSA) Vantagens Não compartilha segredo Provê

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Criptografia assimétrica Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Problema de distribuição de chaves A criptografia de chave simétrica pode manter seguros

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Intranets, Extranets e a Internet Uma intranet Sites é uma na rede Internet interna a uma organização que utiliza tecnologias da Internet para fornecer um ambiente do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Segurança 5/12/2005 Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Classes de criptografia Criptografia simétrica ou de chave

Leia mais

ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ FESP FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE CRIPTOGRAFIA CURITIBA 2006 2 CARLOS EDUARDO DOS SANTOS SISTEMAS

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Joinvile Batista Junior Sistemas de Arquivos Distribuídos A : Características B : Requisitos C : Arquitetura D : Estudo de Caso: SUN NFS (Network

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Tudo que você precisa saber sobre Criptografia

Tudo que você precisa saber sobre Criptografia Tudo que você precisa saber sobre Criptografia...e tinha medo de perguntar Criptografia vem do grego e significa escrita escondida. Bem, ainda não temos a tecnologia dos filmes de fantasia onde um pergaminho

Leia mais

5. Bases de dados: as questões de segurança, de criptografia e de proteção de dados

5. Bases de dados: as questões de segurança, de criptografia e de proteção de dados 5. Bases de dados: as questões de segurança, de criptografia e de proteção de dados A proteção jurídica das bases de dados em Portugal é regulada pelo Decreto-Lei n.º 122/2000, de 4 de Julho, que transpõe

Leia mais

Criptografia e Chave Pública. Segurança da Informação

Criptografia e Chave Pública. Segurança da Informação Criptografia e Chave Pública Segurança da Informação Ementa Visão Global O que é? Criptografia está em todo lugar; Técnicas Primitivas de Cifragem; Outras técnicas de criptografia; Criptografia Moderna;

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Criptografia Outubro de 2014 1 Criptografia kryptós (escondido) + gráphein (escrita) A criptografia utiliza algoritmos (funções) que recebem informação e produzem resultados

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Padrão X.509 O padrão X.509

Leia mais

Tema 4a A Segurança na Internet

Tema 4a A Segurança na Internet Tecnologias de Informação Tema 4a A Segurança na Internet 1 Segurança na Internet Segurança Ponto de Vista da Empresa Ponto de vista do utilizador A quem Interessa? Proxy Firewall SSL SET Mecanismos 2

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais