Expresso V3 Segurança com Certificação Digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expresso V3 Segurança com Certificação Digital"

Transcrição

1

2 Expresso V3 Segurança com Certificação Digital Palestrantes: Marcos Martins Melo - Coordenador Estratégico de Ações Governamentais do Serpro Silvio Correia Filho, CISSP CSSLP

3 Expresso SUITE DE COMUNICAÇÃO: Trata-se de uma suíte de comunicação (correio, agenda, catálogo, tarefas, mensageiro, conferência, sincronismo, gerenciamento de arquivos) e colaboração inteiramente desenvolvida em software livre. Seu objetivo maior é fornecer uma ferramenta economicamente viável, com grande domínio e autosuficiência do conhecimento e difusão para corporações, dentro e fora do Brasil.

4 Expresso

5 Uso Expresso no Governo Comunidade Expresso constituída em Serpro utiliza suíte de comunicação Expresso desde 2009 com significativos ganhos: Facilita a comunicação, compartilhamento e cooperação entre usuários e clientes Minimiza os custos(tco) dos órgãos de governo nas três esferas Agrega conhecimento aos quadros técnicos das equipes envolvidas Incentiva o uso de software livre e o trabalho em comunidade Entre outros.

6 Quem usa?

7 Utilização do Expresso provido Serpro Órgãos que estão utilizando o Expresso: Presidência da República (14 secretárias) Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento orçamento de gestão Ministério das Comunicações Ministério do Meio Ambiente Procuradoria geral da Fazenda Nacional ESAF DNIT, VALEC, ICMBio, APO Prefeitura de Valparaíso

8 Espionagem comunicações do Governo - Vulnerabilidades nas comunicações de Governo. - Decreto 8.135/2013 Regulamentação Portaria Interministerial Seguro - Expresso V3

9 Principais vulnerabilidades nas comunicações de Governo Pouco uso de criptografia; Algoritmos de criptografia criados por países estrangeiros e sem auditabilidade; Uso de chaves criptográficas fracas devido aos algorítmos utilizados e intervenção de países estrangeiros.

10 Exemplo de licença

11 Expresso V3 Projeto - Premissas do projeto: Segurança de forma holística Foco em Parcerias Garantia de sigilo e privacidade Arquitetura de software em software livre Auditabilidade Rastreabilidade de código

12 Estruturação do Trabalho Primeiro momento (até dezembro 2013) Diagnóstico de segurança Estabilização e correção de vulnerabilidades Mitigação de riscos de segurança Implementação de camadas de segurança (Infra) Segundo momento (a partir de janeiro 2014) Criação do Roadmap arquitetural Gestão de continuidade de negócio Criação comunidade estratégica de segurança

13 Rede Segura Monitoração com Zabbix Correlacionamento de Eventos Auditoria Externa Externos Anti DDOS IPS / IDS Dedicado Firewall Dedicado Firewall L7 Dedicado Balanceador Dedicado Internos Aumento dos Links Clear Links Upgrade de Portas 3GB para 10gb Mudança de solução Funções de Correio Virtual para Físico App Segura Trilha Controle de Aplicação Dedicado Capacidade DLP / PBR Nivel 7 Diferente do IPS Segmentado/Po nte

14 Certificado Digital no Expresso Autenticação Assinatura digital da mensagem Criptografia Assinatura da build

15 Autenticação com Certificação Digital

16 Assinatura de

17 Criptografia no Expresso

18 Criptografia no Expresso

19 Criptografia no Expresso Ponto-à-ponto (hibrido) Criptografia na interface web; Módulo de criptografia; HSM (gerenciamento de chaves) Futuro; Algorítmo simétrico AES (DOC ICP-01.01) chave 256 bits; modo de operação cipher-block chaining (CBC); S/MIME; Utilização de SSL para camada de transporte; Generalidade do algoritmo de criptografia; Adoção de algoritmos disponíveis nos provedores de serviço de criptografia;

20 Criptografia no Expresso Criação de s cifrados Estação Servidor 1.Compõe e Informa destinatários; 2.Requisita certificados e validação dos destinatários; 4.Recebe certificados; 4.1.Critica inválidos; 5.Informa corpo/anexos; 6.Confirma envio do ; 6.1.Revalida destinatários(3) 7.Applet Java; 7.1.Assina texto claro; 7.2.Cifra texto assinado; 8.Envia cifrado; Canal público 3. Recebe requisição; 3.1. Recupera certificados BD; 3.2. Valida expiração; 3.3. Valida cadeias de ACs; 3.4. Valida revogação(lcrs); 3.5. Devolve certificados e resultado da validação; 5.3. Recebe certificado; 5.4. Valida LCRs; 5.5. Valida Expiração; 5.6. Valida cadeias de CAs; 5.7. Devolve resultado; 9.Recebe cifrado; 10.Encaminha para demais Destinos;

21 Criptografia no Expresso Leitura de s cifrados Estação Servidor 2. Recebe requisição e Devolve EML cifrado 1.Requisita leitura 3. Recebe EML cifrado: 4. Decripta(APPLET); 5.Assinado? 5.1.Verifica integridade da assinatura(applet); 5.2. Envia certificado ao para validações 6. Exibe decifrado; 7. Exibe resultado das validações (se assinado) Canal Público 5.3. Recebe certificado; 5.4. Valida LCRs; 5.5. Valida Expiração; 5.6. Valida cadeias de CAs; 5.7. Devolve resultado;

22 Cenários futuros (curto prazo) Cenários futuros (curto prazo) Cifragem de cabeçalho na camada de transporte; Uso do HTML5 / webcrypto; Assinatura de JS (Mozilla Signed Scripts); Utilização de HSM (Gerenciamento de chaves); Implementação de módulo criptográfico; Assinatura/Criptografia em dispositivos móveis;

23 Acordo de cooperação com a UFSC Análise arquitetural (foco criptografia) Roadmap de segurança Boas práticas de segurança

24 Assinatura da build Certificado específico para assinatura de código Assinatura de java applets Assinatura da build

25 Obrigado!

Segurança e Privacidade nas Comunicações do Governo. Palestrante: Marcos Martins Mello

Segurança e Privacidade nas Comunicações do Governo. Palestrante: Marcos Martins Mello Segurança e Privacidade nas Comunicações do Governo Palestrante: Marcos Martins Mello Introdução Decreto nº 8.135 / 2013 2 / 33 Art. 1º As comunicações de dados da administração pública federal direta,

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Smart Card Virtual e Autoridade Certificadora Distribuída. Jeroen van de Graaf Laboratório de Computação Científica UFMG jvdg@lcc.ufmg.

Smart Card Virtual e Autoridade Certificadora Distribuída. Jeroen van de Graaf Laboratório de Computação Científica UFMG jvdg@lcc.ufmg. Smart Card Virtual e Autoridade Certificadora Distribuída Jeroen van de Graaf Laboratório de Computação Científica UFMG jvdg@lcc.ufmg.br Programa O que é uma ICP? O que é ICP-EDU Qual é a proposta do GT-ICP-EDU

Leia mais

http://www.expressolivre.org

http://www.expressolivre.org Projeto Expresso Livre Email Agenda de Compromissos Catálogo de Endereços Mensagens Instantâneas Workflow Compartilhamento de Arquivos Integração com VoIP e outros serviços 1 Agenda Breve histórico Principais

Leia mais

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL?

O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? O QUE É CERTIFICAÇÃO DIGITAL? Os computadores e a Internet são largamente utilizados para o processamento de dados e para a troca de mensagens e documentos entre cidadãos, governo e empresas. No entanto,

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

Certificação digital para agente de registro e aplicações

Certificação digital para agente de registro e aplicações Certificação digital para agente de registro e aplicações Resumo de minicurso realizado no 15º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Italo Valcy Ponto de Presença da RNP na Bahia

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

Correio Eletrônico Carteiro. Apresentador: Marcos Martins Melo 13/02/2007

Correio Eletrônico Carteiro. Apresentador: Marcos Martins Melo 13/02/2007 Correio Eletrônico Carteiro Apresentador: Marcos Martins Melo 13/02/2007 Agenda -Histórico; - Objetivos; - Necessidades; - Projeto; -Solução; -Segurança; -Telas; - Novos desafios. Agenda -Histórico; -

Leia mais

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br

João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br. José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br João Bosco Beraldo - 014 9726-4389 jberaldo@bcinfo.com.br José F. F. de Camargo - 14 8112-1001 jffcamargo@bcinfo.com.br BCInfo Consultoria e Informática 14 3882-8276 WWW.BCINFO.COM.BR Princípios básicos

Leia mais

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados?

Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Segurança nas Nuvens Onde Coloco Meus Dados? Expectativa de 20 minutos Uma abordagem prática e sensata de usar os Serviços em Nuvem de forma segura. Segurança nas Nuvens O que é? Quais as Vantagens das

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Criptografia Revisando A criptografia trata da escrita de um texto em códigos de forma a torná-lo incompreensível; A informação

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL Presidência da República Casa Civil da Presidência da República TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL 1 1. Introdução O Comitê Gestor da ICP-Brasil (CG ICP-Brasil) é a entidade

Leia mais

1 - Conceitos de Certificação Digital - (25 min) Karlos Emanuel

1 - Conceitos de Certificação Digital - (25 min) Karlos Emanuel CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PORTAL DIGITAL DE CONSULTA GERAL ELETRÔNICA Gerente do Projeto: Karlos Emanuel Apresentadores e Apoios: Karlos Freitas Gerente de Projeto Karlos Raphael Analista de Suporte Marieta

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Visão geral híbrida de Serviços Corporativos de Conectividade do SharePoint 2013

Visão geral híbrida de Serviços Corporativos de Conectividade do SharePoint 2013 Visão geral híbrida de Serviços Corporativos de Conectividade do SharePoint 2013 Christopher J Fox Microsoft Corporation Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint 2013, SharePoint Online Resumo: Um ambiente

Leia mais

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho.

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho. Entregue três questões de cada prova. Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor

Leia mais

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER https://acesso.serpro.gov.br Jose.gomes@serpro.gov.br Divisão de Suporte Tecnológico SERPRO - Regional Brasília 0xx61-411 9007 Emulação 3270 via Web Browser O serviço de Emulação

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

Mecanismos para Controles de Segurança

Mecanismos para Controles de Segurança Mecanismos para Controles de Segurança Marcos Aurelio Pchek Laureano laureano@ppgia.pucpr.br Roteiro Autenticação e Autorização Combate a ataques e invasões Privacidade nas comunicações Processos de Segurança

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Faculdade de Tecnologia Senac Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Segurança de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edeciofernando@gmail.com) Certificação Digital Ampla utilização

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Segurança na Internet Aula 4 Profa. Rosemary Melo Segurança na Internet A evolução da internet veio acompanhada de problemas de relacionados a segurança. Exemplo de alguns casos de falta

Leia mais

O ITI e a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira

O ITI e a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira O ITI e a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira Viviane Regina Lemos Bertol Coordenadora-Geral de Normalização e Pesquisa O ITI Autarquia Federal, ligada à Casa Civil da Presidência da República

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Conceitos Sobre Segurança em Redes Sem Fio. Redes Sem Fio (Wireless) 1

Conceitos Sobre Segurança em Redes Sem Fio. Redes Sem Fio (Wireless) 1 Conceitos Sobre Segurança em Redes Sem Fio Redes Sem Fio (Wireless) 1 INTRODUÇÃO Redes Sem Fio (Wireless) 2 INTRODUÇÃO Conceitos Sobre Segurança em Redes Sem Fio Base da segurança: Confidencialidade Controle

Leia mais

Criptografia assimétrica e certificação digital

Criptografia assimétrica e certificação digital Criptografia assimétrica e certificação digital Alunas: Bianca Souza Bruna serra Introdução Desenvolvimento Conclusão Bibliografia Introdução Este trabalho apresenta os principais conceitos envolvendo

Leia mais

EAD. Controles de Acesso Lógico. Identificar os controles de acesso lógico a serem implementados em cada uma das situações possíveis de ataque.

EAD. Controles de Acesso Lógico. Identificar os controles de acesso lógico a serem implementados em cada uma das situações possíveis de ataque. Controles de Acesso Lógico 3 EAD 1. Objetivos Identificar os controles de acesso lógico a serem implementados em cada uma das situações possíveis de ataque. Usar criptografia, assinatura e certificados

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação ICP e Certificados Digitais Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Criptografia de chave pública Oferece criptografia e também uma maneira de identificar

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Criptografia fundamentos e prática. Italo Valcy CERT.Bahia / UFBA

Criptografia fundamentos e prática. Italo Valcy <italo@pop-ba.rnp.br> CERT.Bahia / UFBA Criptografia fundamentos e prática Italo Valcy CERT.Bahia / UFBA Licença de uso e atribuição Todo o material aqui disponível pode, posteriormente, ser utilizado sobre os termos da:

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL TchêLinux Ulbra Gravataí http://tchelinux.org/gravatai Elgio Schlemer Ulbra Gravatai http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio 31 de Maio de 2008 Introdução Início

Leia mais

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc. ICP-EDU II Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG Rio de Janeiro, 10 de Agosto de 2004 Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.br Sumário Objetivos ICP-EDU I e

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DE INFRAESTRUTURA. www.b2bnetwork.com.br

DESCRITIVO TÉCNICO DE INFRAESTRUTURA. www.b2bnetwork.com.br DESCRITIVO TÉCNICO DE INFRAESTRUTURA O B2BNetwork é uma plataforma, que é implantada em servidores conectados a uma infraestrutura de rede e/ou de internet. Descrevemos abaixo as possibilidades de ambientes

Leia mais

Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da

Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) Supremo Tribunal Federal 1º Seminário de Gestão da Informação Jurídica em Espaços Digitais 12 a 14 de

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2 0 1 5 EMPRESA A Connection está presente no mercado desde 1993 atuando nas áreas de Segurança da Informação e Gestão da Tecnologia da Informação com atuação nos três estados

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA EM CHAVES PÚBLICAS TEMPORAL

INFRA-ESTRUTURA EM CHAVES PÚBLICAS TEMPORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Geovani Ferreira da Cruz Guilherme Steinmann INFRA-ESTRUTURA EM CHAVES PÚBLICAS TEMPORAL Florianópolis, julho de 2007 Resumo

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2 0 1 5 EMPRESA A Connection está presente no mercado desde 1993 atuando nas áreas de Segurança da Informação e Gestão da Tecnologia da Informação com atuação nos três estados

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 103/2013 Assunto: Estabelece

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2 0 1 4 EMPRESA A Connection está presente no mercado desde 1993 atuando nas áreas de Segurança da Informação e Gestão da Tecnologia da Informação com atuação nos três estados

Leia mais

Certificação Digital. Questões

Certificação Digital. Questões Certificação Digital Questões 1) FAURGS - TJ - AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO TJM - 2012 2) ESAF - 2012 - MF - Assistente Técnico Administrativo Para a verificação de uma assinatura digital numa mensagem eletrônica,

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard

Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard Gerenciamento das chaves criptográficas no Cloud Privacy Guard Vitor Hugo Galhardo Moia Marco Aurélio Amaral Henriques {vhgmoia, marco}@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Mecanismos para Controles de Segurança

Mecanismos para Controles de Segurança Centro Universitário de Mineiros - UNIFIMES Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Mecanismos para Controles de Segurança Mineiros-Go, 12 de setembro de 2012. Profª. Esp.

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Software Livre no Serpro

Software Livre no Serpro Software Livre no SERPRO Apresentador:Sérgio Rosa Diretor 02/03/05 Agenda O SERPRO Fatores Críticos de Sucesso Papel do SERPRO Software Livre no SERPRO Resultados Alcançados Conclusões Empresa Pública

Leia mais

Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens

Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens Estudo e comparação de esquemas criptográficos em nuvens Vitor Hugo Galhardo Moia vhgmoia@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação

Leia mais

e-mail criptografado Versão 1.0r0 de 18 de abril de 2013 Classificação: Corporativo

e-mail criptografado Versão 1.0r0 de 18 de abril de 2013 Classificação: Corporativo e-mail criptografado Versão 1.0r0 de 18 de abril de 2013 Página 2 de 19 Catalogação do Documento Código Titulo Classificação Versão 1.0r0-18 de abril de 2013 Autor Raphael Reis Revisor Nicolau Duarte Aprovador

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários...

Sumário. Parte I Introdução... 19. Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21. Capítulo 2 Conceitos necessários... Agradecimentos... 7 O autor... 8 Prefácio... 15 Objetivos do livro... 17 Parte I Introdução... 19 Capítulo 1 Fundamentos da infra-estrutura de chave pública... 21 Introdução à ICP... 21 Serviços oferecidos

Leia mais

Procedimento de Acesso VPN

Procedimento de Acesso VPN Procedimento de Acesso Departamento de Tecnologia e Infra-estrutura 2013 Este procedimento tem por objetivo definir as configurações básicas para acessar a rede corporativa do Esporte Clube Pinheiros via.

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Introdução... O que é SSL... Quais são os tipos de SSL... Por que ter... Como contratar... Como é feita a manutenção...

Introdução... O que é SSL... Quais são os tipos de SSL... Por que ter... Como contratar... Como é feita a manutenção... Conteúdo do Ebook Introdução... O que é SSL... Quais são os tipos de SSL... Por que ter... Como contratar... Como é feita a manutenção... Quais foram as últimas falhas... Conclusão... 03 04 05 06 06 07

Leia mais

Assinatura e Certificação Digital

Assinatura e Certificação Digital e Certificação Digital Por Rafael Port da Rocha 2006 Versão: 07/04/06 20:28 Notas de ula - 2006 Rafael Port da Rocha 1 Características Básicas para um Processo de Comunicação I B C utenticidade: O usuário

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL E ASSINATURA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DA USP. Conceitos e problemas envolvidos

CERTIFICAÇÃO DIGITAL E ASSINATURA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DA USP. Conceitos e problemas envolvidos CERTIFICAÇÃO DIGITAL E ASSINATURA DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DA USP Conceitos e problemas envolvidos Agenda Histórico Conceitos Aplicações na USP Recomendações Assinatura e Certificação Digital Objetivo =>

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

Computação em Nuvem Apresentação Executiva

Computação em Nuvem Apresentação Executiva Expresso em Nuvem - Lançamento 2010 Computação em Nuvem Apresentação Executiva Apresentador: Wilton Mota Março de 2010 Institutional Presentation of SERPRO Agenda Institucional SERPRO; Conceitos de Computação

Leia mais

reputação da empresa.

reputação da empresa. Segurança premiada da mensageria para proteção no recebimento e controle no envio de mensagens Visão geral O oferece segurança para mensagens enviadas e recebidas em sistemas de e-mail e mensagens instantâneas,

Leia mais

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico.

1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada no processo criptográfico. Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha Criptografia (CESPE/PCF-PF 03 2002) 1. A quebra de sistemas criptográficos simétricos sempre depende da descoberta da chave secreta utilizada

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC.Nº 18/00 COMPLEMENTAÇÃO DA DEFINIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 07 Segurança em Redes de Computadores 2006 V1.0 Conteúdo INVASÃO AMEAÇAS RECURSOS DE PROTEÇÃO AMEAÇAS TÉCNICAS DE PROTEÇÃO

Leia mais

Identificação Digital e Gestão da Segurança

Identificação Digital e Gestão da Segurança Identificação Digital e Gestão da Segurança Seminário Criptografia Presidência da República 2004 Prof. Pedro A. D. Rezendehttp://www.cic.unb.br/docentes/pedro/sd.htm Ciência da Computação - Universidade

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Roubo de identidade Hackers e cibervandalismo Roubo de informações pessoais (número de identificação da Previdência Social, número da

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Procedimento de Acesso VPN

Procedimento de Acesso VPN Procedimento de Acesso Departamento de Tecnologia e Infraestrutura 2014 Este procedimento tem por objetivo definir as configurações básicas para acessar a rede corporativa do Esporte Clube Pinheiros via.

Leia mais

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br)

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br) Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

Definição. Certificado. Digital. 1 tido ou dado como certo. 2 Diacronismo: antigo. que se fez ciente de

Definição. Certificado. Digital. 1 tido ou dado como certo. 2 Diacronismo: antigo. que se fez ciente de Certificado Digital Definição Certificado 1 tido ou dado como certo 2 Diacronismo: antigo. que se fez ciente de 3 documento no qual se atesta a existência de certo fato e dele se dá ciência - Autenticar;

Leia mais

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

Segurança da informação e comunicação (SIC) ações e desafios da SLTI

Segurança da informação e comunicação (SIC) ações e desafios da SLTI Segurança da informação e comunicação (SIC) ações e desafios da SLTI Cristiano Rocha Heckert Brasília, 24 de setembro de 2015 Câmara dos Deputados Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Logística

Leia mais

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões Oficial Escrevente 2013 Informática Questões 1) FAURGS - TJ - AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO TJM - 2012 CERTIFICADO DIGITAL CERTIFICADO DIGITAL Funciona como uma identidade virtual CERTIFICADO DIGITAL Permite

Leia mais

Tecnologias Java para Implementação de NF e Edilmar Alves Novembro/2008 edilmaralves@intersite.com.br

Tecnologias Java para Implementação de NF e Edilmar Alves Novembro/2008 edilmaralves@intersite.com.br Tecnologias Java para Implementação de NF e Edilmar Alves Novembro/2008 edilmaralves@intersite.com.br Palestrante Mestre em Ciência da Computação pela UNICAMP/SP; Professor Universitário nas áreas de Redes

Leia mais

Prevenção de fraudes em documentos eletrônicos

Prevenção de fraudes em documentos eletrônicos CIAB 2010 Prevenção de fraudes em documentos eletrônicos 09/06/10 Wander Blanco Agenda Documentos Eletrônicos Prevenção Casos de uso Boas Práticas Documentos Eletrônicos Fraudes com documentos eletrônicos

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. 1. Privacidade Online, Monitoramento eletrônico e Quebra

Leia mais

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização A integração de sistemas em larga escala contribuiu enormemente para

Leia mais

STCPSigner. Versão 4.0.0

STCPSigner. Versão 4.0.0 Versão 4.0.0 Conteúdo O que é o STCPSigner? 3 Arquitetura 4 Características Gerais 5 Fluxo de Assinatura 5 Fluxo da Validação 5 Fluxo de Criptografia 6 Fluxo de Decriptografia 7 Requisitos de software

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PROF. SÓCRATES FILHO http://socratesfilho.wordpress.com Comentários sobre prova do TRE/PR 2009 (CESPE TRE/PR 2009 Analista Judiciário Especialidade: Análise de Sistemas) A figura acima ilustra como um sistema de gerenciamento de segurança da informação (SGSI)

Leia mais

O Certificado Digital é um documento eletrônico que permite a identificação segura do autor de uma transação feita na Internet.

O Certificado Digital é um documento eletrônico que permite a identificação segura do autor de uma transação feita na Internet. Prezado(a) cliente, Você acaba de adquirir um Certificado Digital ICP BRASIL. O Certificado Digital é um documento eletrônico que permite a identificação segura do autor de uma transação feita na Internet.

Leia mais

TREINAMENTO. Novo processo de emissão de certificados via applet.

TREINAMENTO. Novo processo de emissão de certificados via applet. TREINAMENTO Novo processo de emissão de certificados via applet. Introdução SUMÁRIO Objetivo A quem se destina Autoridades Certificadoras Impactadas Produtos Impactados Pré-requisitos para utilização da

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Proposta de estudo CNC

Proposta de estudo CNC Proposta de estudo CNC Vitor Hugo Galhardo Moia vhgmoia@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC APRESENTAÇÃO GRUPO DCA DE SEGURANÇA

Leia mais

I T I. AC Raiz. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal. Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT PRIVADA

I T I. AC Raiz. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal. Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT PRIVADA I T I AC Raiz Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT AC PRIVADA AR Autoridade Registradora AR Autoridade Registradora Certificado

Leia mais

história de sucesso Sistema nervoso central para os controles de fronteira de alta segurança

história de sucesso Sistema nervoso central para os controles de fronteira de alta segurança história de sucesso Sistema nervoso central para os controles de fronteira de alta segurança Polícia Federal alemã verifica documentos de identidade eletrônicos na fronteira alemã com o secunet eid PKI

Leia mais

SOBRE NÓS. Estamos localizados na Rua Cel Xavier de Toledo, 264 CJ 81, Centro, São Paulo.

SOBRE NÓS. Estamos localizados na Rua Cel Xavier de Toledo, 264 CJ 81, Centro, São Paulo. SOBRE NÓS SOBRE NÓS A Geeklemail é a ferramenta de Email Marketing da Geekle empresa de tecnologia que há 3 anos desenvolve sistemas e projetos on-line. O nome Geekle significa grupo de Geeks ou seja,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais