A implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade pode trazer inúmeros benefícios à

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade pode trazer inúmeros benefícios à"

Transcrição

1

2

3 Introdução A implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade pode trazer inúmeros benefícios à Instituição onde estes processos são iniciados. Por um lado, porque os princípios enunciados supõem uma análise permanente das actividades desenvolvidas, a correcção de não conformidades e a sua consequente prevenção. Como tal, a probabilidade de ocorrência de erros ou procedimentos ineficazes é bastante reduzida. Por outro lado, porque a existência de evidências objectivas de todas as actividades desenvolvidas pela entidade permite a garantia de conformidade com as normas em vigor e com os objectivos propostos e enunciados; as evidências dão garante da Qualidade do produto/serviço. Assim, a implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade garante: À Instituição que o produto/serviço vai de encontro às necessidades e expectativas do cliente (já que a opinião deste é auscultada e levada em consideração). Ao cliente que está a usufruir de um produto/serviço de máxima Qualidade, cujo objectivo último é provocar a sua satisfação com o mesmo. Por outro lado, a Gestão da Qualidade, implica a melhoria contínua implicando um planeamento e gestão que se sintetiza no Ciclo PDCA (que traduzido quer dizer Planear, Fazer, Verificar e Agir), este ciclo supõe o planeamento do processo produtivo, a sua execução e a sua revisão, que dará origem a acções de melhoria, iniciando novamente o ciclo. Na maioria dos casos, a Garantia da Qualidade é fornecida pela certificação dos Sistemas de Gestão. A certificação consiste em avalizar, com credibilidade, a conformidade face a documentos de referência, o que significa que ( ) se comprova a conformidade do Sistema de Qualidade (Capricho, et al., 007 citando Fonseca, 000) O Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus iniciou em 00 esta caminhada na Qualidade, para o Centro de Recuperação de Menores o próximo triénio trará a Certificação do sistema de gestão da qualidade segundo o referencial EQUASS, para além dos benefícios esperados para os nossos clientes e restantes partes interessadas, esperamos uma maior organização e transparência de processos, não só numa perspectiva interna como externa. A Directora

4 Missão, Visão, Valores O Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro, adiante designado CRM, é um estabelecimento de saúde, sem personalidade jurídica, dirigido pelo Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus, IPSS com Fins de Saúde, com personalidade jurídica civil e canónica, registada na Direcção Geral da Segurança Social, a fls. 6 e Verso do Livro das Instituições com Fins de Saúde. Ainda que inserido na missão da Igreja Católica, o Instituto e todos os estabelecimentos que dirige gozam dos direitos e benefícios atribuídos a Instituições Particulares de Solidariedade Social pelo sistema jurídico português, devendo também cumprir as obrigações que lhe cabem na qualidade de IPSS. O CRM tem como missão: A prestação de cuidados diferenciados e humanizados, a crianças e jovens, do sexo feminino, portadoras de deficiência intelectual e outros problemas no âmbito da saúde mental e psiquiatria, de acordo com as melhores práticas clínicas, com qualidade e eficiência, respeito pela individualidade e sensibilidade do utente, numa visão humanista e integral da pessoa. O CRM tem como visão:. Ser um estabelecimento de saúde com intervenção especializada em saúde mental e psiquiatria, inserido na comunidade, em contínua evolução no sentido de uma adequação sistemática e progressiva às necessidades da população em cada momento, enquadrando na assistência prestada, os aspectos médicos e sociais que englobam a dimensão física, psíquica e espiritual da pessoa doente.. Como instituição de cariz confessional, orienta-se pelos princípios da Doutrina Social da Igreja. O CRM conduz a sua actividade no respeito pelos valores do Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus, tendo como valor nuclear a Hospitalidade e como valores corelacionados: a) Serviço aos doentes e necessitados; b) Sensibilidade para com os excluídos;

5 c) Acolhimento libertador; d) Saúde integral; e) Qualidade profissional; f) Humanização de cuidados; g) Ética na actuação; h) Consciência histórica. Para cumprimento da sua Missão o CRM tem como objectivos imediatos: -Prestar cuidados de saúde de máxima qualidade, aos utentes, contribuindo para o seu bem-estar bio psico-social, ético e espiritual, em consonância com a matriz hospitaleira, fundamentada na ética cristã, transparência e qualidade, bem como: a)-cumprir as melhores práticas na prestação de cuidados de saúde, com enfoque na prevenção, tratamento, reabilitação e reintegração; b)-proporcionar uma prestação integrada de cuidados clínicos, de diagnóstico, acompanhamento, tratamento e apoio psicossocial adequados, tendo em vista a estabilização clínica e funcional, e reabilitação integral. -Fomentar a participação, dos familiares ou legais representantes no apoio ao utente, desde que este apoio contribua para um maior bem-estar e equilíbrio psíquico efectivo. -Proporcionar um ambiente seguro, confortável, humanizado, promotor de autonomia e qualidade de vida. -Estabelecer uma relação humana de serviço e de compromisso com os utentes assente na qualidade, competência dos profissionais e na formação contínua dos mesmos. 5- Desenvolver programas de melhoria de eficiência operacional e de gestão clínica, tendentes a garantir o equilíbrio económico-financeiro. Enquadramento actual do centro O CRM, está situado na rua Francisco Velez, do Peso, s/n, na freguesia de Assumar, conselho de Monforte, distrito de Portalegre, Diocese de Évora, localizado no Alto Alentejo. É uma freguesia pequena, na sua população, devido à imigração, por predominar a agricultura e não existir oferta de emprego. Carenciada de proximidade de serviços essenciais. Depende financeiramente do Ministério da Saúde cujo subsídio diário é canalizado através do Departamento Local de Saúde Mental do Hospital Dr. José Maria Grande, Portalegre.

6 Existem no Distrito outras seis instituições ligadas à área da deficiência mental, todas têm a valência residencial mas para uma população a partir dos 6/8 anos, naturais do distrito, e utentes das valências de CAO das respectivas Instituições. O CRM atende 0 residentes do sexo feminino, com idade de acolhimento compreendida entre os e os 7 anos, com Diagnóstico de Deficiência Mental, tem um âmbito geográfico nacional. A unidade local de saúde mental não tem internamento para crianças com problemas de Saúde Mental. Resenha Histórica CRM O CRM resultou de uma combinação de esforços entre o Arcebispo de Évora - D. Manuel Trindade Salgueiro e o Director do já extinto Instituto de Assistência Psiquiátrica Dr. Fernando Ilharco. A arquidiocese era, desde os anos 50, proprietária de um edifício construído com a finalidade de ser uma escola agrícola para formar capatazes que fossem para o Ultramar. Este fim nunca foi conseguido e a obra manteve-se fechada mais de 0 anos. Nos anos 60 constatou-se a falta no país, de uma Instituição vocacionada para acolher jovens raparigas portadoras de deficiência mental, assim D. Manuel Trindade Salgueiro e o Dr. Fernando Ilharco acordaram transformar este edifício num centro para recuperação de raparigas com atraso mental. Ao prelado cabia encontrar uma ordem religiosa que aceitasse tomar a seu cargo os cuidados e educação das raparigas, à entidade estatal cabia assegurar a gestão financeira, nomeadamente o pagamento das despesas, salários do pessoal contratado e as obras de melhoramento. Em 6 de Abril de 968 chegaram as primeiras Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus. No dia 8 celebrou-se a primeira missa e considera-se essa a data da inauguração oficial do centro, em Outubro começam a chegar as primeiras raparigas. O acordo foi revisto em 978 e desta vez as irmãs passam a ter toda a responsabilidade administrativa e financeira do centro recebendo uma diária por cada doente internada. Sumário Executivo do Plano Estratégico Este documento traduz as metas estratégicas do CRM para o próximo triénio, metas que procuram não só consolidar as boas práticas que se conquistaram até agora, mas também, e numa visão de futuro, responder às orientações do PNSM e do documento capitular Recriar a Hospitalidade no sentido de respondermos aos novos desafios que nos são colocados avançando com novas formas de intervenção numa perspectiva comunitária e de auto-sustentabilidade.

7 . ENQUADRAMENTO Análise SWOT Ameaças. O contexto sócio económico actual do país, que levou a a uma redução do apoio do SNS. Localização geográfica do centro. Estigma social que existe e persiste em relação à doença mental e défice intelectual. Dificuldade de implementação de processos de transição para a vida activa. 5. Pouca preparação de outros profissionais que recebem as nossas utentes nos seus serviços, para lidar com as suas necessidades. 6. Obrigatoriedade em implementar sistema de gestão da qualidade em 0 7. Fragilidades na cultura da participação dos encarregados de educação/ família; Oportunidades. Parcerias e financiamento externo para desenvolvimento da missão do centro. Definição e hierarquização de critérios de admissão de utentes no centro. Enquadramento do centro numa rede de instituições a nível nacional e internacional. Possibilidade de estabelecer protocolos com fábricas/empresas para ocupação das utentes intrainstituição 5. Fraca resposta nacional para crianças e jovens com deficiência intelectual 6. Novas necessidades sociais em termos de saúde/doença mental ou pobreza 7. Possibilidade de ocupar/empregar profissionalmente as utentes Pontos fortes. Infra-estruturas e equipamento adequados e adaptados ás necessidades das utentes. Gestão estratégica e de recursos humanos baseada em valores hospitaleiros. Equipa multidisciplinar comprometida, coesa, aberta e dinâmica, com o processo de mudança. Parcerias formalizadas com entidades regionais que potenciam as boas relações interinstitucionais e consequente valorização da imagem do centro 5. Única resposta continental, no âmbito do défice intelectual/saúde mental, para crianças do sexo feminino, com menos de seis anos, com saber e experiência acumulada de anos 6. Promoção do conforto e bemestar das utentes, ao nível da personalização de cuidados, higienização dos espaços e confecção da alimentação tendo em conta a sua individualidade 7. Formação continua dos Combater. Aumentar o número de projectos a que o centro se candidata nas diferentes áreas, de forma a adquirir material e diferentes recursos. (ex: nomear uma equipa responsável por projectos).. Estabelecer planos de acção junto de empreendedores locais de modo a dar uma resposta válida aos processos de transição para a vida activa. Desenvolver actividades de forma a diminuir estigma social (actuação em escola).. Potencializar o desenvolvimento de acções de sensibilização com instituições que recebem as nossas utentes (ex. Escola, serviços públicos de saúde) com vista a adequar formas de actuação. 5. Envolver toda a equipa na implementação e manutenção do sistema de gestão da qualidade 6. Fomentar uma acção coordenada de todos os colaboradores na rentabilização de recursos; Aproveitar. Explorar novos projectos de reabilitação aproveitando a diversidade de profissionais, e, recorrendo a parcerias formalizadas ou financiamento externo. Promover a partilha de conhecimentos e de respostas entre técnicos, colaboradoras, irmãs dos diferentes centros do instituto das irmãs hospitaleiras. Avaliar as necessidades do meio que nos envolve por questionário, usando parcerias com o objectivo de responder a novas necessidades. Divulgar de forma inovadora a missão hospitaleira em acções conjuntas com outras entidades 5. Redefinir o protocolo com a ULSNA na colaboração de uma nutricionista 6. Reforçar as parcerias existentes com acções práticas (ex. Estágios, encontros de reflexão/trabalho, jornadas em parceria).

8 profissionais 8. Implementação de processo de qualidade (equass) 9. Utentes com capacidade de auto-representação Pontos fracos. Desadequação de equipamento ao nível do transporte e acondicionamento de roupas e lixos. Localização geográfica do centro. Fraco envolvimento do centro e utentes com a comunidade. Colaboradores com alguma resistência a mudanças e fraca relação interpessoal 5. Fragilidades na articulação entre valências 6. Fragilidade na comunicação 7. Maior número de colaboradores novos com necessidade de treino de habilidades 8. Utentes sem capacidade de auto-representação 9. Actividades ocupacionais diversificadas que abrangessem mais utentes 0. Resistência de alguns profissionais na promoção da autonomia e capacidades das utentes. Famílias/pessoas significativas pouco participativas Melhorar. Adquirir equipamento ao nível do transporte e acondicionamento de roupas e lixos. Promover diversas actividades dentro e fora do centro, junto da comunidade, de forma a proporcionar trocas de experiências dinâmicas e positivas para as utentes.. Consciencializar/ sensibilizar todos os colaboradores da importância do contributo de cada um, enquanto parte do todo que é a missão hospitaleira. Promover uma cultura de espírito de equipa assente na missão hospitaleira, através do desenvolvimento de projectos entre várias valências 5. Aproveitar a integração de novos colaboradores para a implementação de um processo de tutoria individualizado, com recurso a formação em contexto de trabalho para o treino de competências/habilidades 6. Avaliar necessidades/qualidade de vida das utentes com capacidade e sem capacidade de auto representação. 7. Estabelecer dinâmicas de animação entre serviços de forma a envolver as utentes com menos capacidades 8. Criar uma cultura de tolerância, respeito e inclusão, promovendo a autonomia e capacitação das utentes 9. Promover actividades que envolvam a família e a sensibilizem para a sua importância no processo de recuperação; 0. Reduzir custos nas valências ocupacional e pedagógica recorrendo ao aproveitamento de materiais recicláveis Empreender. Adoptar práticas de sucesso de outros centros do instituto adequando-as à realidade contextual;. Encetar contactos com empresas para estabelecer protocolos que levem à implementação de actividades produtivas nos ateliers de forma a promover a autonomia e auto-estima das utentes. Identificar um colaborador responsável por criar com as utentes um blog de divulgação das actividades e projectos do centro. Iniciar constituição de grupo de auto representação de utentes 5. Incentivar a prática de voluntariado no centro e divulgar o trabalho que é feito no mesmo, a nível regional, nas escolas superiores de educação e de enfermagem. 6. Contactar entidades no sentido de colocar mais utentes no exterior (emprego ou ocupação) 7. Identificar hierarquias e canais de transmissão de informação por serviço

9 Caracterização da Procura Externa no último Triénio N.º Pedidos 0 F M 6 Idade 0-5 Anos 6 Anos - 7 Anos Anos 6 Diagnóstico Deficiência Intelectual Comorbilidade Não 0 Sim 0 Não 9 Sim Motivo Incapacidade Parental 0 Incapacidade Institucional 0 Parecer CRM Deferido 9 Indeferido Internamento Sim 7 Não N.º Pedidos em Lista de Referenciação 9 Plano de Gestão 0 Principais es Ano () Operacionais Número de Camas Taxa de Ocupação Valor das diárias recebidas Valor dos reembolsos recebidos Valor das comparticipações recebidos Nº de colaboradores Nº Médio de camas por colaborador Número de Consultas Externas Económico-Financeiros Total Proveitos Total Custos Resultado Líquido Prazo médio de recebimentos Prazo médio de pagamentos Nota: dados dos indicadores em de Dezembro () Previsão para Dezembro

10 . PLANIFICAÇÃO IV ASSUMIR CRIATIVAMENTE A MISSÃO COMO PROJETO COMUM Linha de acção : Promover uma formação contínua e sistemática na identidade e na cultura hospitaleiras em todos os níveis da organização, tendo como referência a Carta de Identidade. estratégico : Elaborar e aplicar itinerários formativos diferenciados no âmbito Nº Descrição do / Acções conexas. Aplicação e avaliação dos itinerários com compromissos práticos na missão: - chefias intermédias (0) - ajud. Enfermaria/AS G e áreas técnicas (05) Ação : Aplicação dos itinerários Ação : Avaliação da aplicação dos itinerários da identidade, cultura, valores e modelo hospitaleiro Objectiv o % de aplicação dos itinerários Nº de itinerários aplicados Nº de avaliações efectuadas Responsável Directora/Superio ra Resp. Formação Resp. Formação 00% Chefias 50% Ajudantes enfermaria; 00% áreas técnicas 50% Ajudantes enfermaria estratégico : Reestruturar o processo de integração e incorporação dos colaboradores no projecto hospitaleiro Nº Descrição do / Acções conexas. Introdução dos processos de tutoria nas fases de Objectiv o MP novos profissionais e m processo de tutória Responsável Directora enfermagem 60% Novos profissionais 80% Novos profissionais 00% Novos profissionais

11 . integração na instituição. Acção : Reestruturar a formação inicial de colaboradores introduzindo processos de tutoria individualizada Realização de dinâmicas de reflexão sobre a prática hospitaleira, nas equipas de trabalho, que gere sentido de pertença e compromisso. % De colaboradores com processo de formação estruturado dinâmicas realizadas Directora/Superio ra 80% de novos colaboradore s 90% de novos colaboradore s 5 00% de novos colaboradore s 6 Acção : Dinamização de encontros com colaboradores em momentos fortes da congregação Nª de encontros dinamizados n.º de reflexões realizadas Director Técnico / Clínico Acção : Integração de período de reflexão nas reuniões técnicas (RT) com documentos congregacionai s

12 Linha de acção Promover o estilo evangelizador e hospitaleiro das obras, procurando as formas mais adequadas para o garantir, de acordo com cada realidade. estratégico : Potenciar a dimensão evangelizadora das obras hospitaleiras com cariz eminentemente humanizador e sanador. Nº Descrição do / Acções conexas.. Aprofundament o do estilo evangelizador das obras em equipas interdisciplinare s. Acção : Dinâmicas que apontem para o sentido transcendente da vida Acção : Preparação espiritual de colaboradores e utentes Objectiv o dinâmicas realizadas Nº de dinâmicas que potenciem o estilo evangelizado r N.º encontros realizados Responsável Directora/Superior a Directora Superiora Directora/Superior a Divulgação externa da identidade evangelizadora da obra hospitaleira. Acção : dinamização de actividades religiosas na paróquia ou na comunidade envolvente Acção : Divulgar nos meios de comunicação acessíveis as iniciativas concretizada s dinâmicas realizadas acções divulgadas Directora/Superior a Directora/Superior a Directora Superiora 0 8 6

13 actividades realizadas estratégico : Potenciar a dimensão evangelizadora e de acompanhamento espiritual da Pastoral da Saúde. Nº Descrição do / Acções conexas.... Capacitação de agentes para uma intervenção diferenciada em saúde mental. Acção : Planificação anual do serviço de pastoral nas três dimensões Acção : Participação em acções de formação no âmbito da pastoral da saúde Criação de um espaço de atenção, escuta e promoção de sentido de vida, para familiares e colaboradores. Objectiv o MP n.º de agentes de pastoral capacitados % de acções concretizadas Nº de participações Serviço dinamizado Responsável Responsável da Pastoral 000% das acções concretizada s 000% das acções concretizada s 000% das acções concretizada s 00% Acção : concretizar projecto que efective a atenção, acompanhament o e escuta N.º atendimentos realizados 0 0 0

14 Linha de acção Desenvolver a comunicação institucional, interna e externa, para reforçar o sentimento de pertença ao projecto hospitaleiro e dar-lhe visibilidade. estratégico 5: Potenciar e qualificar a comunicação interna e externa. Nº Descrição do / Acções conexas 5. Promoção de iniciativas em articulação com a comunidade envolvente. iniciativas Responsável Acção : promoção e participação de actividades e eventos, lúdico e recreativos em parceria com a comunidade envolvente parcerias Acção : Promoção de acções de sensibilização/formação com outras instituições (ex. Escola, serviços públicos de saúde) 5. Dinamização e actualização de canais de comunicação (intranet, páginas web, redes sociais, etc). MP CRI N.º Iniciativas % de concretização do objectivo 00% 00% 00% Acção : Actualização da página web Acção : Utilização das redes sociais para divulgação das actividades do Centro de Recuperação de Menores 5. Divulgação nos meios de comunicação social. CRI CRI CRI actualizações plataformas de comunicação utilizadas eventos divulgados Acção : Fortalecer as parcerias com os meios de comunicação social locais eventos divulgados Acção : Parceria com a Rádio Portalegre para emissão mensal do programa Ideias no Ar - PGA N.º Programas emitidos Coordenadora do Projecto estratégico 6: Desenvolver a partilha de conhecimento e de boas práticas intra e intercentros.

15 Nº Descrição do / Acções conexas 6. Desenvolvimento de sinergias entre centros no âmbito de projectos. participantes envolvidos Responsável Directora Acção : Participação em actividades/eventos hospitaleiros intra e intercentros participantes envolvidos Directora Acção : articulação com estruturas locais e do Instituto de forma a garantir a continuidade de cuidados eventos Directora estratégico 7: Projectar o Modelo Hospitaleiro como referência no âmbito da saúde mental. Nº Descrição do / Acções conexas Responsável Participação em reuniões estratégicas e fóruns de discussão sobre saúde mental. participações 05 Acção : Participação em iniciativas sobre a temática saúde mental 7. Incentivo à participação em eventos científicos, com a apresentação de posters, comunicações, artigos, etc. participações N.º iniciativas concretizadas Director clínico Acção : Sensibilizar a equipa técnica para a participação em eventos científicos Acção : organização de Jornadas cientificas Nº de trabalhos apresentados 7. Divulgação de trabalhos em revistas científicas. CRI N.º eventos realizados artigos publicados Acção : elaboração de artigos científicos CRI artigos publicados

16 Linha de acção Definir o modelo de missão partilhada e de espiritualidade da colaboração e a sua implicação na realização do projecto hospitaleiro. estratégico 8: Fortalecer o compromisso efectivo na realização partilhada da missão. Nº Descrição do / Acções conexas 8. Acompanhamento sistemático às pessoas com funções de responsabilidade e liderança na missão. % de acompanhamento ás pessoas com responsabilidade Responsável 0 00% 0 00% 05 00% Acção : Reuniões de acompanhamento dos profissionais em funções de chefia reuniões Acção : Dinâmicas de aprofundamento sobre a missão partilhada e de espiritualidade de colaboração reflexões sobre a missão Linha de acção 5 Promover a formação e o acompanhamento, o compromisso e a articulação dos Leigos Hospitaleiros. estratégico 9: Consolidar o processo de Leigos Hospitaleiros (LH) Nº Descrição do / Acções conexas 9. Consolidação do itinerário formativo dos grupos LH. itinerários aplicados Responsável Directora/superiora Acção : Aplicar o itinerário formativo LH Acção : Desenvolvimento de dinâmicas que ajudem a consolidar o grupo de LH 9. Divulgação da proposta LH na comunidade envolvente. n.º de itinerários aplicados N.º dinâmicas desenvolvidas n.º de novos participantes Directora /Superiora 0 0 Acção : divulgar a proposta de LH a pessoas da comunidade envolvente n.º de novos participantes 0

17 Linha de acção 6 Formar grupos de irmãs e pessoas comprometidas com a missão hospitaleira para desenvolver projectos em realidades geográficas de maior necessidade. estratégico 0: Desenvolver experiências de missão partilhada realizando projectos de fronteira. Nº Descrição do / Acções conexas 0. Divulgação e sensibilização junto da Comunidade Hospitaleira para o voluntariado missionário. N.º Iniciativas Responsável Acção : iniciativas de divulgação do projecto junto da comunidade hospitaleira N.º Iniciativas V TORNAR VISÍVEL A BOA NOTÍCIA NO MUNDO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Linha de acção : Interpretar os critérios fundacionais a partir da opção preferencial pelo mundo do sofrimento psíquico que orientem a resposta a novas formas de sofrimento e à realização de novos projectos. estratégico : Auscultar novas formas de sofrimento psíquico. Nº Descrição do / Acções conexas. Identificação de novos problemas ou situações de risco para a saúde mental na proximidade dos centros. Acção : Avaliação das necessidades do meio que nos envolve por questionário, de acordo com a missão do Centro CRI CRI novas necessidades identificadas questionários aplicados Responsável Direcção Técnica Directora Enfermagem Acção : Desenvolvimento de novas respostas decorrente da avaliação de necessidades CRI novas necessidades identificadas Direcção Técnica

18 . Criação de métodos ou recursos que respondam às necessidades emergentes. CRI iniciativas Acção : Elaboração de candidaturas em diferentes áreas de intervenção CRI candidaturas Apresentadas Direcção Técnica Acção : Iniciativas junto de instituições locais que facilitem os processos de transição para a vida activa/profissional PEUF pessoas com PTVA Directora de enfermagem estratégico : Estudar e avaliar as obras e estruturas da Província. Nº Descrição do / Acções conexas. Envolvimento dos centros na análise das suas estruturas assistenciais. reuniões para análise da estrutura do Centro Responsável Directora/superiora Acção : Estudo e avaliação das estruturas do Centro. Revisão e aplicação do Plano Estratégico Assistencial do Instituto (PEA). Acção : revisão da aplicação do PEA no centro Acção : Definição das áreas prioritárias de intervenção no CRM de acordo com o PEA MP MP MP reuniões realizadas Plano Revisto reuniões para revisão Nº áreas prioritárias hierarquizadas estratégico : Desenvolver uma cultura de trabalho em rede, melhoria contínua e investigação Nº Descrição do Responsável 0 0 / Acções conexas. Revisão de protocolos e parcerias existentes e avaliação do seu Revisão e criação de novas parcerias 00% Concluído 05 00% 00% 00%

19 contributo para a missão. Acção : Avaliação do Contributo das Entidades Parceiras Protocolos e parcerias revistas/protocolos e parcerias existentes Gestor da Qualidade 00% 00% 00% Acção : Criar novas parcerias. Dinamização e participação em projectos de investigação. Acção : dinamização de projectos de investigação interdisciplinares novas parcerias criadas projectos implementados projectos implementados 5 5 Acção : Participação em projectos de investigação interdisciplinares. Desenvolvimento de iniciativas de combate ao estigma e exclusão social. Acção : Desenvolvimento de actividades/eventos de forma a diminuir estigma social Nº de profissionais envolvidos iniciativas desenvolvidas iniciativas desenvolvidas Directora de enfermagem Directora de enfermagem Acção : Inserção e acompanhamento das utentes no ensino regular PEUF acompanhamentos realizados Serviço Social estratégico : Consolidar, na prática diária dos centros, o Modelo Hospitaleiro. Nº Descrição do / Acções conexas Responsável

20 . Dinamização de práticas que evidenciem o protagonismo da pessoa assistida e seus familiares. Acção : realização de actividades que evidenciem a centralização da pessoa assistida PEUF PEUF práticas implementadas Nº de actividades realizadas Direcção Técnica Acção : envolvimento da ASAA na dinâmica do Centro PEUF iniciativas Direcção de Enfermagem. Implementação dos sistemas de Certificação e Acreditação da Qualidade em saúde. Acção : revisão do sistema de gestão da qualidade % De concretização do objectivo % de concretização da acção Gestora da Qualidade 00% 00% 00% 00% 00% 00% Acção : certificação do sistema de gestão da qualidade no âmbito da norma EQUASS Centro Certificado 00%. Realização de projectos de proximidade e continuidade de cuidados. novos projectos Director clínico Acção : consolidação do projecto de consulta externa de saúde mental infantojuvenil primeiras consultas 5 Acção : Dinamização de novos projectos de proximidade e continuidade CRI novos projectos Direcção Técnica

21 . Qualificação da pastoral da saúde nos programas de intervenção das diferentes áreas assistenciais. acções dinamizadas Directora Superiora Acção : dinamização de actividades da pastoral nos planos das unidades.5 Promoção do voluntariado e sua integração nos programas assistenciais diferenciados. acções dinamizadas novos voluntários Coordenador da Pastoral Acção : articulação com associações de voluntariado a nível local.6 Dinamização de iniciativas de reflexão e formação sobre bioética na área da saúde mental. articulações iniciativas dinamizadas Coordenadora do voluntariado Direcção Técnica Acção : dinamização de eventos/momentos de reflexão sobre bioética na área da saúde mental.7 Implementação do Manual de Políticas de Gestão de Recursos Humanos, desenvolvendo uma cultura de melhoria contínua do desempenho. MP iniciáticas dinamizadas % de concretização do objectivo Direcção Técnica 00% 00% 00% Acção : Integrar momento de reconhecimento do bom desempenho individual/colectivo por parte da chefia na reunião de serviço, reuniões Responsável de Serviço

22 Acção : Elaboração de plano de formação diferenciados de acordo com o PIF e o PAFU profissionais da área técnicoassistencial com PIF Direcção técnica Aplicação do Manual de Procedimentos Administrativos. MP % De procedimentos aplicados Directora Administrativa 00% Acção : aplicação dos procedimentos inerentes ao manual (só em 0) MP % De procedimentos aplicados Directora Administrativa 00% Linha de acção 5: Gerir a área económica e financeira garantindo a sustentabilidade e viabilidade das obras e a diversificação das fontes de financiamento. estratégico 5: Garantir a sustentabilidade e a viabilidade das obras hospitaleiras. Nº Descrição do / Acções conexas 5. Consolidação do processo de planificação, monitorização e avaliação da performance da gestão económicofinanceira do IIHSCJ. Acção : elaboração das monitorizações mensais e quadrimestrais do centro Nº de profissionais envolvidos monitorizações Responsável Acção : envolvimento de todos os profissionais na planificação do centro 5. Fortalecimento da estratégia institucional de sobriedade, contenção de custos e profissionais envolvidos ECC iniciativas Directora de enfermagem

23 racionalização de recursos. Acção : Fomentar uma acção coordenada de todos os colaboradores na rentabilização de recursos; ECC iniciativas Responsáveis de serviço Acção : Reduzir custos nas valências ocupacional e pedagógica recorrendo ao aproveitamento de materiais recicláveis ECC iniciativas Directora de enfermagem Linha de acção 6: Promover a cooperação internacional, procurando recursos dentro e fora da instituição e impulsionando a participação das irmãs, dos colaboradores, voluntários e utentes. estratégico 6: Promover o compromisso para o envio apostólico e a partilha solidária de recursos. Nº Descrição do Responsável 0 0 / Acções conexas 6. Solicitação de apoios para projectos solidários. actividades desenvolvidas Directora/superiora 05 Acção : organização de actividades /apoios para projectos solidários actividades desenvolvidos 6. Organização de campanhas solidárias nos centros. actividades desenvolvidas Directora/superiora Acção : Dinamização de campanhas solidárias actividades desenvolvidos Linha de acção 7: Impulsionar respostas de missão com formas simples e inseridas na sociedade, orientadas por uma sensibilidade especial pelos pobres que estão fora das nossas estruturas, com cunho de gratuidade e carácter intercongregacional. estratégico 7: Estabelecer parcerias de cooperação em rede com outras instituições que respondam a situações de pobreza social.

24 Nº Descrição do / Acções conexas 7. Participação activa na Rede Social. reuniões do CLAS Responsável Acção : articulação entre o Centro e a Rede Social reuniões do CLAS Serviço Social 7. Colaboração em iniciativas de resposta local Acção : colaboração com instituições que pertencem à rede social local, a partir da experiencia do Centro iniciativas n.º de iniciativas Serviço Social. PROJECTOS DE INVESTIMENTO A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 0-05 Nome do Projecto Plataforma elevatória entre os claustros de SJD e ST Remodelação da copa de Santa Teresa Satisfação de Necessidades Assistenciais Deslocação de utentes com mobilidade reduzida Adaptação física e de equipamento ás Recursos Humanos necessários Projecto concretizar por contratação externa Projecto concretizar por a a Estimativa do investimento necessário Benefícios para o Centro Espaço de reabilitação com condições adequadas Cumprimento dos requisitos HACCP Análise da viabilidade técnica, económica e financeira Estudo de viabilidade técnica efectuado pela firma TEPROL em arquivo corrente da Direcção Administrativa Análise da viabilidade económica e financeira efectuada em conselho de direcção com aprovação da presidente do Instituto

25 Nome do Projecto Rede de Bocas de Incêndios Carros transporte roupa suja Plano Segurança emergência de de de e Satisfação de Necessidades Assistenciais exigências da norma HACCP No âmbito da certificação sob a norma EQUASS o Centro necessita de ter um plano de segurança e emergência, a criação de uma rede interna de bocas de incêndio é um requisito para esse plano. Requisito da norma EQUASS Recursos Humanos necessários contratação externa Projecto concretizar por contratação externa Projecto concretizar por contratação externa a a Estimativa do investimento necessário Benefícios para o Centro Rede de Bocasde-incêndio instaladas Plano de segurança e emergência implemntado Análise da viabilidade técnica, económica e financeira Estudo de viabilidade técnica a efectuar pela firma TEPROL

26

PLANO DE GESTÃO SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO PAG. 1

PLANO DE GESTÃO SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO PAG. 1 SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO PAG. 1 Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 3. Planificação 4. Monitorização PAG. 2 MOD.212.00 1. Enquadramento O Centro de Recuperação

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014 SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO MOD.212.00 PAG. 1 Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 3. Planificação 4. Monitorização PAG. 2 1. Enquadramento A Casa de Saúde Câmara

Leia mais

PLANO DE GESTÃO MOD.212.00 PAG. 1

PLANO DE GESTÃO MOD.212.00 PAG. 1 MOD.212.00 SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO PAG. 1 Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 3. Planificação 4. Monitorização PAG. 2 1. Enquadramento O Centro de Recuperação

Leia mais

Índice PAG. 1. 1. Enquadramento. 2. Principais necessidades e prioridades a ter em conta no triénio 2013-2015. 3. Planificação

Índice PAG. 1. 1. Enquadramento. 2. Principais necessidades e prioridades a ter em conta no triénio 2013-2015. 3. Planificação 205 PLANO ESTRATÉGICO 20 Índice. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a ter em conta no triénio 20-205. Planificação 4. Projetos de investimento a implementar no triénio 20-205 5. Dados

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014 SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO MOD.212.0 0 PAG. 1 Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 3. Planificação 4. Monitorização PAG. 2 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 2015 3. Planificação 4. Monitorização

Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 2015 3. Planificação 4. Monitorização Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 2015 3. Planificação 4. Monitorização 1. Enquadramento A Clínica Psiquiátrica de S. José é um estabelecimento de saúde que

Leia mais

1.Enquadramento...2. 2.Principais Necessidades e Prioridades a Satisfazer em 2013...7. 3.Planificação...9

1.Enquadramento...2. 2.Principais Necessidades e Prioridades a Satisfazer em 2013...7. 3.Planificação...9 Índice 1.Enquadramento...2 2.Principais Necessidades e Prioridades a Satisfazer em 2013...7 3.Planificação...9 4.Projetos de Investimento a Implementar em 2013... 22 5.Dados Previsionais. a) Lotação para

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Cercipenela Manual de Gestão da Qualidade

Cercipenela Manual de Gestão da Qualidade Cercipenela Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efectuadas 3 III - Lista de abreviaturas 4 IV - Introdução 1. Confidencialidade 5 2. Referências 5 3. Promulgação 5

Leia mais

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança As parcerias e as suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança O olhar da

Leia mais

Carta da Identidade da Instituição, p. 83

Carta da Identidade da Instituição, p. 83 O fututo do Projecto Hospitaleirio pressupõe para nós um claro compromisso institucional no sentido do seu desenvolvimento sustentável em fidelidade à nossa missão." Carta da Identidade da Instituição,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

CAPA - CASA SAUDE BOM JESUS Plano de Gestão 2011

CAPA - CASA SAUDE BOM JESUS Plano de Gestão 2011 CAPA - CASA SAUDE BOM JESUS 0 Índice 1. Missão, visão e valores 2 2. Sumário Executivo do Plano de Gestão 3 3 Enquadramento actual do Centro 4 3.1 Aplicação da Análise Swot ao ano de 2010 4 Principais

Leia mais

INSTITUTO DAS IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CASA DE SAÚDE DO BOM JESUS MANUAL DA QUALIDADE

INSTITUTO DAS IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CASA DE SAÚDE DO BOM JESUS MANUAL DA QUALIDADE INSTITUTO DAS IRMÃS HOSPITALEIRAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS CASA DE SAÚDE DO BOM JESUS MANUAL DA QUALIDADE ELABORADO POR: DATA: APROVADO POR: DATA: EM VIGOR A PARTIR DE: Equipa da Qualidade Conselho

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

IDE Recriar a Hospitalidade Programa Provincial 2012-2018 Irmãs Hospitaleiras Identidade e Missão

IDE Recriar a Hospitalidade Programa Provincial 2012-2018 Irmãs Hospitaleiras Identidade e Missão Identidade e Missão IDE Recriar a Hospitalidade Programa Provincial 2012-2018 Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus Província de Portugal Caminhos de Revitalização APRESENTAÇÃO O XX Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

ÍNDICE 1. A ORGANIZAÇÃO 2. O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 3. REDE DE PROCESSOS 1.1 NOTA INTRODUTÓRIA DA DIRECÇÃO 1.2 O CENTRO SOCIAL E A SUA ACÇÃO

ÍNDICE 1. A ORGANIZAÇÃO 2. O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 3. REDE DE PROCESSOS 1.1 NOTA INTRODUTÓRIA DA DIRECÇÃO 1.2 O CENTRO SOCIAL E A SUA ACÇÃO MANUAL DA QUALIDADE ÍNDICE 1. A ORGANIZAÇÃO 1.1 NOTA INTRODUTÓRIA DA DIRECÇÃO 1.2 O CENTRO SOCIAL E A SUA ACÇÃO 1.3 VISÃO, MISSÃO E VALORES 1.4 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.4.1 RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE... 1 1. MENSAGEM DA DIRECÇÃO... 2 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES... 3 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS (atividades/ações)...

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Regulamento Interno Para lar de Idosos

Regulamento Interno Para lar de Idosos Regulamento Interno Para lar de Idosos CAPITULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo Iº O Lar da Associação Humanitária de Salreu é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujos

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria Reuniões Comunitárias

Resultados do Projeto de Melhoria Reuniões Comunitárias Resultados do Projeto de Melhoria Reuniões Comunitárias Fevereiro / 2015 ÍNDICE Reuniões Comunitárias Relatório Anual I. Introdução II. III. IV. Metodologia Resultados Ações de Melhoria V. Pontos Fortes

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL DG 02.30 CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objectivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social 6 Meta 2: Estrutura e programas de organização 8 Meta 3: Comunicação 10 Meta 4:

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade

APPACDM. Manual de Gestão da Qualidade APPACDM Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências 3. Promulgação V - Apresentação

Leia mais

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes

ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes PLANO ANUAL ANO - 2014 Confidencialidade Tipo de Atividade: Confidencialidade Atividade: Ação de informação/sensibilização aos colaboradores

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Preâmbulo Com o objectivo de unir os esforços das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) associadas da Plataforma Portuguesa das

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária REFERÊNCIA: 062 DESIGNAÇÃO: Altarix Empreende BIP/ZIP em que pretende intervir: 20. Sete Céus 21. Galinheiras - a) Ameixoeira b) Charneca 26. Pedro Queiróz Pereira 66. Charneca do Lumiar 67. Alta de Lisboa

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Manual de Gestão da Qualidade I ÍNDICE I - Índice II - Lista de revisões efetuadas III - Lista de abreviaturas IV - Introdução 1. Confidencialidade 2. Referências

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

Programa Regional de Saúde Mental PRS 2009-2012

Programa Regional de Saúde Mental PRS 2009-2012 Programa Regional de Saúde Mental PRS 2009-2012 Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Introdução... 3 2. População-Alvo... 4 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação do Programa... 5 5. Estratégias...

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

HOSPITAL GARCIA DE ORTA, E.P.E.

HOSPITAL GARCIA DE ORTA, E.P.E. Hospital GARCIA DE ORTA, E.P.E. HOSPITAL GARCIA DE ORTA, E.P.E. PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS VERSÃO 2013 1 Índice 1.ENQUADRAMENTO... 3 1.1 CARACTERIZAÇÃO DO HGO... 3 1.2.

Leia mais

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO I Princípios Básicos - Todos os homens, têm direito a uma educação adequada e à cultura, segundo a capacidade de cada um, em igualdade de oportunidades e em relação a todos os níveis

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais